FICHA DE CAMPO Nº1. Equipamentos X Nº Equipamentos X Nº

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FICHA DE CAMPO Nº1. Equipamentos X Nº Equipamentos X Nº"

Transcrição

1 FICHA DE CAMPO Nº1 Nome da Freguesia Nº de Habitantes Localização Geográfica (coordenadas) Altitude Locais da Freguesia Equipamentos Equipamentos X Nº Equipamentos X Nº Escolas Bancos Parque Infantis Supermercado Centro de Saúde Hipermercado Parque de Lazer Bombeiros Recintos Desportivos Centro de Dia Projeto pedagógico Escola da Natureza 2013/2014 1/1

2 No caso dos equipamentos que a Freguesia não possui, é necessário quantificar quantos km os habitantes têm que se deslocar para ter acesso ao equipamento que deseja. Equipamentos Nº de Km Nº Equipamentos Nº de Km Nº Escolas Bancos Parque Infantis Supermercado Centro de Saúde Hipermercado Parque de Lazer Bombeiros Recintos Desportivos Centro de Dia Projeto pedagógico Escola da Natureza 2013/2014 2/1

3 FICHA DE CAMPO Nº2 Nome do Local Distrito Concelho Freguesia Área aproximada do local de trabalho (desenho com as medidas) Nota: para preencher este campo é necessário apenas uma informação aproximada (1 hectare, entre 1 a 5 hectares, 5 a 10 hectares ou mais de 10hectares). Consultar GoogleEarth Projeto pedagógico Escola da Natureza 2013/2014 3/1

4 Paisagem Altitude Topografia do Local Cume vivo Cume arredondado Escarpa Talude Vertente de montanha Sopé Depressão aberta e fechada Planalto Terreno aberto Projeto pedagógico Escola da Natureza 2013/2014 4/1

5 Declive Nulo a fraco Mediano Forte Abrupto Tipos de declive Projeto pedagógico Escola da Natureza 2013/2014 5/1

6 FICHA DE CAMPO Nº3 Durante a saída de campo recolher 3 ou 4 punhados de solo no bosque. Na sala de aula crivar a amostra recolhida para um tabuleiro, de forma a eliminar os materiais mais grosseiros. Transferir o solo crivado para um almofariz e misturar um pouco de água. Mexer com uma colher até obter uma pasta moldável. Moldar a pasta como se fosse plasticina e fazer um cilindro de 3 mm de diâmetro, juntando as extremidades para obter um anel. Utilizar uma chave dicotómica para classificar a amostra de solo: Projeto pedagógico Escola da Natureza 2013/2014 6/1

7 Cobertura do solo Vegetação Quantidade Plantas Vasculares Musgos Líquenes (preencher o campo de quantidade com as seguintes palavras: nulo/ pouco/médio/muito e total) Acidez do solo Para a determinação do ph colocar um pouco do solo recolhido num tubo de ensaio pequeno e adicionar água destilada. Agitar bem o tubo e filtrar o conteúdo para outro tubo de ensaio. Introduzir neste líquido filtrado a fita de determinação do ph com a ajuda de uma pinça, o que permitirá fazer a leitura do ph do solo. Dominantemente ácidos Dominantemente alcalinos Dominantemente neutros Projeto pedagógico Escola da Natureza 2013/2014 7/1

8 Húmus Preencher com base na da quantidade de húmus existente no solo do bosque observada a olho nú. Um solo rico em húmus apresenta uma cor escura e uma textura amorfa. Um solo arenoso é tipicamente um solo pobre em húmus. A quantidade de húmus num bosque é um indicador importante, uma vez que influencia o crescimento de novas plântulas de árvores e arbustos. Negligível Pouco Muito IGEO (idade geológica do terreno) Preencher este campo com base em informação do Atlas do Ambiente Digital, do Instituto do Ambiente Projeto pedagógico Escola da Natureza 2013/2014 8/1

9 Afloramentos Rochosos Preencher com base na dimensão dos blocos rochosos existentes na área de estudo. Nulo Pouco Médio Muito Total Rocha (rochas dominantes) Preencher com informação relativa ao tipo de rocha dominante no bosque. Calcários Granitos Xistos Basaltos Outros Projeto pedagógico Escola da Natureza 2013/2014 9/1

10 FICHA DE CAMPO Nº4 Clima Precipitação (precipitação anual) mm Temperatura (valores médios e anuais) C Insolação (valores médios e anuais) Horas Pedir ajuda à Delegação de Viana do Castelo do Instituto de Meteorologia e Geofísica. Projeto pedagógico Escola da Natureza 2013/ /1

11 FICHA DE CAMPO Nº5 Vegetação Puro (bosque com apenas uma espécie arbórea) Simples (mais que uma espécie arbórea) X Quantidade Carvalho -português Carvalho-negral Espécie dominante Carvalho-roble Azinheira Sobreiro Outras Projeto pedagógico Escola da Natureza 2013/ /1

12 Estratificação do Bosque Vegetação do Bosque Isolado Pouco Aproximado Denso Muito Denso (0-20%) (20-40%) (40 60%) (60-80%) (80-100%) Projeto pedagógico Escola da Natureza 2013/ /1

13 Quantidade Árvores / arbustos com altura entre 2 m e 4 m. (estrato arbóreo) Árvores / arbustos com altura entre 1 m e 2 m. (estrato arbustivo) Vegetação que não atinge 1 m. (estrato herbáceo) Isolado Esparso Musgos no solo Aproximado Denso Muito denso Projeto pedagógico Escola da Natureza 2013/ /1

14 Musgos no solo Líquenes no solo Isolado Isolado Esparso Esparso Aproximado Aproximado Denso Denso Muito denso Muito denso Projeto pedagógico Escola da Natureza 2013/ /1

15 Musgos no tronco Líquenes no tronco Isolado Isolado Esparso Esparso Aproximado Aproximado Denso Denso Muito denso Muito denso Projeto pedagógico Escola da Natureza 2013/ /1

16 FICHA DE CAMPO Nº6 Impactos Distância Distância entre a área de estudo e estradas (metros ou Km) Faz um circulo em redor dos ícones relativos à situação do bosque no que respeita ao tipo de intervenções na área em estudo Ausência de intervenção 0 Vestígios de fogo 6 Presença humana 1 Presença e vestígios de veículos motorizados 7 Presença de gado bovino 2 Presença e vestígios de máquinas agrícolas 8 Presença de gado caprino 3 Presença de postes de baixa e alta tensão 9 Presença de gado suíno 4 Campismo selvagem 10 Presença de gado cavalar 5 Outras 11 Projeto pedagógico Escola da Natureza 2013/ /1

17 FICHA DE CAMPO Nº7 Flora e Fauna Flora identificação de Espécies Ordem de Trabalhos: Recolher informação sobre as espécies dominantes (árvores, arbustos e herbáceas) Recolher informação sobre musgos e líquenes Registar observações relativas às formas, cheiros e cores de flores, sementes e copas de árvores Efetuar colheita para análise das espécies em contexto de sala de aula A colheita deve sempre ser acompanhada de fotos da espécie como da zona circundante Espécies dominantes (árvores, arbustos, herbáceas) Observações do local Nº da foto Nome da espécie Projeto pedagógico Escola da Natureza 2013/ /1

18 Fauna - Identificação de espécies Espécies observadas Observações do local Nº da foto Nome da espécie Projeto pedagógico Escola da Natureza 2013/ /1

Ficha do Aluno. UM BOSQUE PERTO DE SI Vamos construir o mapa dos Ecossistemas Florestais Portugueses

Ficha do Aluno. UM BOSQUE PERTO DE SI Vamos construir o mapa dos Ecossistemas Florestais Portugueses UM BOSQUE PERTO DE SI Vamos construir o mapa dos Ecossistemas Florestais Portugueses Ficha do Aluno Nome do Bosque / Local: Parque da Paz, Almada Distrito: Setúbal Concelho: Almada Freguesia: Cova da Piedade

Leia mais

Ficha do Aluno UM BOSQUE PERTO DE SI. Vamos construir o mapa dos Ecossistemas Florestais Portugueses. Nome do Bosque / Local Bosque da Cortiçada

Ficha do Aluno UM BOSQUE PERTO DE SI. Vamos construir o mapa dos Ecossistemas Florestais Portugueses. Nome do Bosque / Local Bosque da Cortiçada UM BOSQUE PERTO DE SI Vamos construir o mapa dos Ecossistemas Florestais Portugueses Ficha do Aluno Nome do Bosque / Local Bosque da Cortiçada Distrito Castelo Branco Concelho Proença-a-Nova Freguesia

Leia mais

UM BOSQUE PERTO DE SI Vamos construir o mapa dos Ecossistemas Florestais Portugueses

UM BOSQUE PERTO DE SI Vamos construir o mapa dos Ecossistemas Florestais Portugueses 134567 César Garcia, Cecília Sérgio & Manuela Sim-Sim Museu Nacional de História Natural, Centro de Ecologia e Biologia Vegetal da Faculdade de Ciências Universidade de Lisboa, Portugal UM BOSQUE PERTO

Leia mais

Conhecer o Montado. Ficha do aluno. Ana Isabel Leal. Centro Ecologia Aplicada Prof. Baeta Neves

Conhecer o Montado. Ficha do aluno. Ana Isabel Leal. Centro Ecologia Aplicada Prof. Baeta Neves Conhecer o Montado Ficha do aluno Ana Isabel Leal Centro Ecologia Aplicada Prof. Baeta Neves 1. Observar a paisagem e elaborar um esboço. ÁRVORES 2. Procurar árvores semelhantes às representadas na tabela.

Leia mais

2. CARACTERIZAÇÃO GEOLÓGICA DAS ÁREAS EM ESTUDO

2. CARACTERIZAÇÃO GEOLÓGICA DAS ÁREAS EM ESTUDO 2. CARACTERIZAÇÃO GEOLÓGICA DAS ÁREAS EM ESTUDO O presente trabalho foi efectuado em três áreas, que se situam na região do Minho, no NW de Portugal (Fig. 2.1.). Fig. 2.1. Localização geográfica das áreas

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS ( ) CADERNOI INFORMAÇÃO DE BASE. Índice

PLANO MUNICIPAL DE DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS ( ) CADERNOI INFORMAÇÃO DE BASE. Índice Índice Análise biofísica e socioeconómica sumária, nos aspetos com relevância para a determinação do risco de incêndio ------------------------------------------------------------- 1 1. Caracterização

Leia mais

Guião. E por isso se chama à volta do pátio em oito passos, pois tudo se pode fazer no pátio da escola ou num jardim perto da escola.

Guião. E por isso se chama à volta do pátio em oito passos, pois tudo se pode fazer no pátio da escola ou num jardim perto da escola. Guião Introdução O projecto Este projecto propõe um conjunto de actividades para alunos do pré-escolar e do 1ª ciclo do ensino básico que permitem desenvolver as seguintes competências: - Observar - Recolher

Leia mais

Área: ,00 km², Constituído de 3 distritos: Teresópolis (1º), Vale do Paquequer (2 ) e Vale do Bonsucesso (3º).

Área: ,00 km², Constituído de 3 distritos: Teresópolis (1º), Vale do Paquequer (2 ) e Vale do Bonsucesso (3º). Data de Emancipação: 06 de julho de 1891. Gentílico: teresopolitanos. Unidade Federativa: Rio de Janeiro. DDD: 21 Mesorregião: Metropolitana do Estado do Rio de Janeiro. Microrregião: Serrana. Municípios

Leia mais

Formação Vegetal PROFESSORA NOELINDA NASCIMENTO

Formação Vegetal PROFESSORA NOELINDA NASCIMENTO Formação Vegetal PROFESSORA NOELINDA NASCIMENTO É uma comunidade de plantas e animais, com formas de vidas e condições ambientais semelhantes, cada bioma é representado por um tipo de vegetação. Um bioma

Leia mais

Biomas do Brasil. Ciências Humanas e suas Tecnologias. Professor Alexson Costa Geografia

Biomas do Brasil. Ciências Humanas e suas Tecnologias. Professor Alexson Costa Geografia Biomas do Brasil Ciências Humanas e suas Tecnologias Professor Alexson Costa Geografia Biomas Biomas: conjunto de diversos ecossistemas. Ecossistemas: conjunto de vida biológico. Biomassa: é quantidade

Leia mais

EUVG PARQ 5 TECNOLOGIAS E MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO III

EUVG PARQ 5 TECNOLOGIAS E MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO III EUVG PARQ 5 TECNOLOGIAS E MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO III EUVG PARQ 5 TMTC III 24.10 ESTABILIZAÇÃO DE TALUDES TÉCNICA DE ENGENHARIA NATURAL AMRP-AP NATURAIS E ARTIFICIAIS: TALUDE NATURAL é aquele

Leia mais

GEOGRAFIA PROFºEMERSON

GEOGRAFIA PROFºEMERSON GEOGRAFIA PROFºEMERSON BIOMAS TERRESTRES FLORESTA TROPICAL Abriga mais da metade das espécies de plantas e animais do planeta Este é o bioma de maior produtividade biológica da Terra, resultado da alta

Leia mais

O MÉTODO DOS QUADRATS

O MÉTODO DOS QUADRATS O MÉTODO DOS QUADRATS UM ESTUDO INTRODUTÓRIO O método dos quadrats, também conhecido por método das parcelas, é um dos procedimentos mais usados para o levantamento por amostragem da diversidade vegetal

Leia mais

ACTIVIDADES HUMANAS AMBIENTE GEOLÓGICO IMPACTO NOS PROJECTOS DE ENGENHARIA

ACTIVIDADES HUMANAS AMBIENTE GEOLÓGICO IMPACTO NOS PROJECTOS DE ENGENHARIA ACTIVIDADES HUMANAS AMBIENTE GEOLÓGICO IMPACTO NOS PROJECTOS DE ENGENHARIA SCET- Geológica e de Minas IST 2007 ANTES DE INVESTIGAR A VIABILIDADE DE UM PROJECTO, EM PARTICULAR QUANDO EXISTE UM SISTEMA DE

Leia mais

Construção de um herbário

Construção de um herbário Construção de um herbário 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º DURAÇÃO 5 HORAS ÉPOCA JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ OBJECTIVOS Construção de uma prensa para plantas Conhecer a diversidade

Leia mais

1º classificado. Date Submitted Oct 30, :32 PM IP Unique ID PONTO DE INTERESSE Aldeia de Lamas de Ôlo

1º classificado. Date Submitted Oct 30, :32 PM IP Unique ID PONTO DE INTERESSE Aldeia de Lamas de Ôlo 1º classificado 53 Aldeia de Lamas de Ôlo Lamas de Ôlo é uma pequena aldeia do concelho de Vila Real, em pleno Parque Natural do Alvão. A aldeia aparece-nos indelevelmente marcada pelo material geológico

Leia mais

GUIÃO DA AULA PRÁTICA DE SILVICULTURA TROPICAL EM MICHAFUTENE

GUIÃO DA AULA PRÁTICA DE SILVICULTURA TROPICAL EM MICHAFUTENE GUIÃO DA AULA PRÁTICA DE SILVICULTURA TROPICAL EM MICHAFUTENE NOTA IMPORTANTE A presente aula prática pretende familiar aos estudantes com as práticas de levantamento e medição de dados, determinação de

Leia mais

Os Açores localizam-se a oeste de Portugal e a noroeste da Madeira

Os Açores localizam-se a oeste de Portugal e a noroeste da Madeira Os Açores localizam-se a oeste de Portugal e a noroeste da Madeira Ilha do corvo, no arquipélago dos Açores. A ilha do Corvo integra-se no Grupo Ocidental do arquipélago dos Açores. O seu nome provém

Leia mais

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS Anglo Atibaia 1º ano Aulas 42 46 Professor Marcelo Gameiro CLIMAS DO MUNDO Climas do mundo Baixa latitude Média latitude Alta latitude ZONA INTERTROPICAL ZONA TEMPERADA ZONA

Leia mais

VEGETAÇÃO BRASILEIRA. DIVIDE-SE EM: 1) Formações florestais ou arbóreas 2) Formações arbustivas e herbáceas 3) Formações complexas e litorâneas

VEGETAÇÃO BRASILEIRA. DIVIDE-SE EM: 1) Formações florestais ou arbóreas 2) Formações arbustivas e herbáceas 3) Formações complexas e litorâneas VEGETAÇÃO BRASILEIRA DIVIDE-SE EM: 1) Formações florestais ou arbóreas 2) Formações arbustivas e herbáceas 3) Formações complexas e litorâneas Floresta Amazônica ou Equatorial Características: Latifoliada,

Leia mais

Ação do Vento nas Edificações

Ação do Vento nas Edificações Ação do Vento nas Edificações Sumário Conceitos iniciais Velocidade do vento Coeficientes aerodinâmicos e ação estática do vento Exemplo Prático 2 Introdução Diferenças de pressão => movimento das massas

Leia mais

Definição. Unidade Territorial com características naturais bem. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado

Definição. Unidade Territorial com características naturais bem. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado Definição Compreende-se como sendo uma Unidade Territorial com características naturais bem marcantes e que o individualizam. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado como sinônimo para identificar

Leia mais

Boas Práticas de Gestão Sustentável da Terra (GST) na Província do Huambo, Extensívo a Outros Locais do País Projecto ELISA

Boas Práticas de Gestão Sustentável da Terra (GST) na Província do Huambo, Extensívo a Outros Locais do País Projecto ELISA Boas Práticas de Gestão Sustentável da Terra (GST) na Província do Huambo, Extensívo a Outros Locais do País Projecto ELISA Huambo, Julho 2011 Objectivo & conteúdo da apresentação Esta apresentação é resultado

Leia mais

Geografia. Prof. Franco.

Geografia. Prof. Franco. Geografia Prof. Franco Email: ffrancogeo@bol.com.br BIOMAS Bioma Tundra Taiga (Florestas Boreais) Florestas Temperadas Precipitação e umidade umidade e chuva moderadas umidade e chuva moderadas chuva

Leia mais

ASPECTOS NATURAIS DA AMÉRICA ANGLO- SAXÔNICA

ASPECTOS NATURAIS DA AMÉRICA ANGLO- SAXÔNICA ASPECTOS NATURAIS DA AMÉRICA ANGLO- SAXÔNICA BLOCO 10 AMÉRICA: LOCALIZAÇÃO AMÉRICA: REGIONALIZAÇÃO AMÉRICA: REGIONALIZAÇÃO Monte McKinley, EUA Grand Canyon, EUA. Idaho, EUA Montes Apalaches, EUA e

Leia mais

Geografia Física. Turmas: T/R Chicão. Aula 3 Biomas e Domínios Morfoclimáticos

Geografia Física. Turmas: T/R Chicão. Aula 3 Biomas e Domínios Morfoclimáticos Geografia Física Turmas: T/R Chicão Aula 3 Biomas e Domínios Morfoclimáticos Geografia Física Turmas TR 1 Sem Cartografia, escala, fuso horário, geologia e relevo 02/08 Dinâmica climática 16/08 Dinâmica

Leia mais

Estudos Ambientais. Solos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ - CEAP

Estudos Ambientais. Solos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ - CEAP Estudos Ambientais Solos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ - CEAP Objetivos da aula Definir os conceitos de solo e intemperismo Compreender o processo de formação do solo Conhecer os tipos de solos existentes.

Leia mais

FICHA 3 PAISAGEM MARCIANA 30:00. Nível aconselhado. Resultados pretendidos de aprendizagem. Questão-Problema. Materiais

FICHA 3 PAISAGEM MARCIANA 30:00. Nível aconselhado. Resultados pretendidos de aprendizagem. Questão-Problema. Materiais FICHA 3 PAISAGEM MARCIANA UMA VIAGEM ATRAVÉS DO SISTEMA SOLAR 30:00 Nível aconselhado Pré-escolar 1º Ano 2º Ano 3º Ano Resultados pretendidos de aprendizagem * Ficar a conhecer o aspeto da superfície do

Leia mais

Ficha Sumativa. Constituição da Terra - hidrosfera, atmosfera, litosfera e biosfera

Ficha Sumativa. Constituição da Terra - hidrosfera, atmosfera, litosfera e biosfera Ficha Sumativa Constituição da Terra - hidrosfera, atmosfera, litosfera e biosfera Tema 1 - Terra no espaço Bloco de trabalho 3 - Rochas e solos: rochas frequentes na região. Algumas, propriedades das

Leia mais

INFRA ESTRUTURA URBANA VEGETAÇÃO URBANA

INFRA ESTRUTURA URBANA VEGETAÇÃO URBANA INFRA ESTRUTURA URBANA VEGETAÇÃO URBANA vegetação importância Projeto do espaço livre >> Projeto dos vazios >> Vegetação vegetação importância vegetação funções Aspectos Paisagísticos Dramaticidade dada

Leia mais

Teste de avaliação Teste de avaliação Teste de avaliação Teste de avaliação Teste de avaliação Teste de avaliação 6 50

Teste de avaliação Teste de avaliação Teste de avaliação Teste de avaliação Teste de avaliação Teste de avaliação 6 50 Índice Ficha 1 Paisagens geológicas: paisagens magmáticas 4 Ficha 2 Paisagens geológicas: paisagens metamórficas e paisagens sedimentares 6 Ficha 3 Minerais: as unidades básicas das rochas 8 Teste de avaliação

Leia mais

A FALTA DE LIMPEZA, AS QUEIMAS E QUEIMADAS SÃO PUNÍVEIS COM COIMAS

A FALTA DE LIMPEZA, AS QUEIMAS E QUEIMADAS SÃO PUNÍVEIS COM COIMAS MUITA ATENÇÃO A FALTA DE LIMPEZA, AS QUEIMAS E QUEIMADAS SÃO PUNÍVEIS COM COIMAS QUE VÃO DE 140 A 60.000 E PODEM CONSTITUIR CRIME DE INCÊNDIO PUNÍVEIS COM PRISÃO ATÉ 12 ANOS. (Decreto-Lei n.º 124/2006

Leia mais

_36. Actividades_. Ateliê JOGO Sons da natureza

_36. Actividades_. Ateliê JOGO Sons da natureza _36 Árvores do Concelho de Cascais Actividades_ HERBÁRIO Ateliê JOGO Sons da natureza o herbário_ O que é um herbário? Um herbário é uma colecção de várias e diferentes plantas prensadas e secas, ordenadas

Leia mais

AULÃO UDESC 2013 GEOGRAFIA DE SANTA CATARINA PROF. ANDRÉ TOMASINI Aula: Aspectos físicos.

AULÃO UDESC 2013 GEOGRAFIA DE SANTA CATARINA PROF. ANDRÉ TOMASINI Aula: Aspectos físicos. AULÃO UDESC 2013 GEOGRAFIA DE SANTA CATARINA PROF. ANDRÉ TOMASINI Aula: Aspectos físicos. Relevo de Santa Catarina Clima de Santa Catarina Fatores de influência do Clima Latitude; Altitude; Continentalidade

Leia mais

Domínios Florestais do Mundo e do Brasil

Domínios Florestais do Mundo e do Brasil Domínios Florestais do Mundo e do Brasil Formações Florestais: Coníferas, Florestas Temperadas, Florestas Equatoriais e Florestas Tropicais. Formações Herbáceas e Arbustivas: Tundra, Pradarias Savanas,

Leia mais

Condições edáficas do Nordeste para empreendimentos florestais. Prof. Paulo Rogério Soares de Oliveira UFRN

Condições edáficas do Nordeste para empreendimentos florestais. Prof. Paulo Rogério Soares de Oliveira UFRN Condições edáficas do Nordeste para empreendimentos florestais Prof. Paulo Rogério Soares de Oliveira UFRN Dezembro de 2011 Introdução Edafologia é a ciência que trata da influência dos solos em seres

Leia mais

Arquipélago das Berlengas

Arquipélago das Berlengas 1. Identificação da Equipa Escola: Escola E. B. 2,3 Dr. João das Regras, Lourinhã Equipa: Localização Vila/cidade/distrito/pais Rocha Amiga 8A Lourinhã, Lisboa, Portugal 2. Caracterização do Meio Envolvente

Leia mais

INSTALAÇÃO DA CULTURA DO MEDRONHEIRO

INSTALAÇÃO DA CULTURA DO MEDRONHEIRO DELEGAÇÃO DE CASTELO BRANCO Núcleo da Sertã INSTALAÇÃO DA CULTURA DO MEDRONHEIRO Sardoal, 9 de novembro de 205 Fátima Curado A PLANTA E SUA DISTRIBUIÇÃO Nome cientifico: Arbutus unedo; Família : Ericaceae;

Leia mais

6 Campanha de medições

6 Campanha de medições 6 Campanha de medições A escolha dos sítios onde foram realizadas as medições é de grande importância para uma boa caracterização da perda de sinal devido à presença vegetal. Para tanto foram selecionados

Leia mais

Baldios 20 de maio de 2014

Baldios 20 de maio de 2014 Baldios 20 de maio de 2014 Baldios no SIP Nº de Baldios SIP Nº de Concelhos 6.057 79 Baldios em Portugal Continental registados no Sistema de Identificação Parcelar DISTRITOS Nº BALDIOS AVEIRO 51 BRAGA

Leia mais

Terminologia Vegetal

Terminologia Vegetal Efeitos da latitude e da altitude sobre os biomas. Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de ; Coriáceas folhas, e normalmente ; Decíduas antes de secas ou invernos rigorosos; Latifoliadas

Leia mais

IGOT. SIG & DR Sistemas de Informação Geográfica e Detecção Remota

IGOT. SIG & DR Sistemas de Informação Geográfica e Detecção Remota SIG & DR Sistemas de Informação Geográfica e Detecção Remota Operações de sobreposição de mapas e reclassificação 1.Tipos de operações de análise espacial em modelos raster 2. Operações de sobreposição

Leia mais

Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS

Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS PRIMEIRA CLASSIFICAÇÃO Baseia-se principalmente nos fatores de clima, tempo e relevo em que se encontram os solos. solos zonais são aqueles em relevos estáveis,

Leia mais

Saneamento Urbano TH419

Saneamento Urbano TH419 Universidade Federal do Paraná Arquitetura e Urbanismo Saneamento Urbano TH419 Aula 06 Declividade e estruturação viária Profª Heloise G. Knapik 1 Traçado de vias e Curvas de Nível Estrada em serra francesa

Leia mais

Teste Diagnóstico I Ciências Naturais

Teste Diagnóstico I Ciências Naturais Nome: Data: Alguns aspetos detetados: Conhecimentos prévios mal assimilados ou interiorizados. Dificuldades na interpretação de um pequeno texto. Dificuldades na interpretação de enunciados. Dificuldade

Leia mais

Hidrologia e Recursos Hídricos 2008 / 2009

Hidrologia e Recursos Hídricos 2008 / 2009 Hidrologia e Recursos Hídricos 008 / 009 Caracterização geomorfológica de uma bacia hidrográfica Rodrigo Proença de Oliveira Factores que influencia a resposta de uma bacia Área / Dimensão Forma Relevo

Leia mais

Climas, formações vegetais e produções agrícolas

Climas, formações vegetais e produções agrícolas Climas, formações vegetais e produções agrícolas Tipos de Climas O modo como se combinam os diferentes elementos climáticos, em especial a temperatura e a precipitação, conduz à existência de vários tipos

Leia mais

Fatores de Formação de Solos

Fatores de Formação de Solos Fatores de Formação de Solos De onde vem o solo? O solo resulta da ação simultânea do clima e organismos que atuam sobre um material de origem (rocha), que ocupa determinada paisagem ou relevo, durante

Leia mais

SOLO: CARACTERÍSTICAS E PROPRIEDADES

SOLO: CARACTERÍSTICAS E PROPRIEDADES Autores: Ana Maria Pace João Carlos Pinto Nazário de Oliveira Silva Ricardo Eiji Noguti Sergio Hideo Arakaki SOLO: CARACTERÍSTICAS E PROPRIEDADES Contexto: Esta aula é destinada a alunos da 5 a série (3

Leia mais

Efeitos da vegetação na acústica urbana

Efeitos da vegetação na acústica urbana Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Tecnologia da Arquitetura AUT0225 - Conforto Ambiental em Espaços Urbanos Abertos Efeitos da vegetação na acústica urbana

Leia mais

7ºANO ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/2

7ºANO ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/2 7ºANO ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/2 1º A Terra: Estudos e Representações Descrição da paisagem Exprimir-se de forma correcta utilizando o vocabulário geográfico Observar paisagens, para identificar os principais

Leia mais

Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS

Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS Tipos e classificação FORMAÇÃO DOS SOLOS PRIMEIRA CLASSIFICAÇÃO Baseia-se principalmente nos fatores de clima, tempo e relevo em que se encontram os solos. solos zonais são aqueles em relevos estáveis,

Leia mais

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE - APP -

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE - APP - ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE - APP - Área de Preservação Permanente - APP (definição do Código Florestal-Lei 4771/65) Área protegida nos termos dos arts. 2º e 3º desta Lei, COBERTA OU NÃO POR VEGETAÇÃO

Leia mais

Revisões análise de cartas geológicas

Revisões análise de cartas geológicas Revisões análise de cartas geológicas As cartas geológicas são, regra geral, desenhadas sobre uma base topográfica que fornece alguma informação sobre o relevo da região, a rede hidrográfica, as povoações,

Leia mais

ESTRUTURA GEOLÓGICA,RELEVO E HIDROGRAFIA

ESTRUTURA GEOLÓGICA,RELEVO E HIDROGRAFIA ESTRUTURA GEOLÓGICA,RELEVO E HIDROGRAFIA Definição de DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS: Pode ser compreendido como uma região que apresenta elementos naturais específicos que interagem resultando em uma determinada

Leia mais

TIPOS DE VEGETAÇÃO E OS BIOMAS BRASILEIROS. Profº Gustavo Silva de Souza

TIPOS DE VEGETAÇÃO E OS BIOMAS BRASILEIROS. Profº Gustavo Silva de Souza TIPOS DE VEGETAÇÃO E OS BIOMAS BRASILEIROS Profº Gustavo Silva de Souza Os Biomas Brasileiros O Brasil possui grande diversidade climática e por isso apresenta várias formações vegetais. Tem desde densas

Leia mais

Unidade: S. Bernardo - Ensino Fundamental. AT. Geografia 2º Trimestre Gabarito. Prof. Sueli Onofre

Unidade: S. Bernardo - Ensino Fundamental. AT. Geografia 2º Trimestre Gabarito. Prof. Sueli Onofre Unidade: S. Bernardo - Ensino Fundamental AT. Geografia 2º Trimestre Gabarito Prof. Sueli Onofre 1. É a camada da atmosfera mais próxima da superfície terrestre, com uma altitude que varia entre 12 e 20

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Prof ª Gustavo Silva de Souza

BIOMAS DO BRASIL E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Prof ª Gustavo Silva de Souza BIOMAS DO BRASIL E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Prof ª Gustavo Silva de Souza O bioma pode ser definido, segundo o IBGE, como um conjunto de vida vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de

Leia mais

CAPÍTULO 2 ASPECTOS FISIOGRÁFICOS. 2.1 Clima

CAPÍTULO 2 ASPECTOS FISIOGRÁFICOS. 2.1 Clima CAPÍTULO 2 ASPECTOS FISIOGRÁFICOS 2.1 Clima A região do Médio Vale do Rio Jequitinhonha situa-se na faixa de clima Bsw (Köppen, 1948 in Oliveira et al., 2002), caracterizado como continental-seco e quente,

Leia mais

Revitalização da Fábrica da Pólvora de Corroios. Paulo Jorge Rodrigues Pereira

Revitalização da Fábrica da Pólvora de Corroios. Paulo Jorge Rodrigues Pereira Revitalização da Fábrica da Pólvora de Corroios 1 Guião da Apresentação 1. Introdução Caracterização da Zona Urbana a Intervir Alternativas de Intervenção 4. Guia Orientador de Revitalização 2 Introdução

Leia mais

Sistemas silvopastoris em Portugal: Situação Actual e Perspectivas futuras

Sistemas silvopastoris em Portugal: Situação Actual e Perspectivas futuras Sistemas silvopastoris em Portugal: Situação Actual e Perspectivas futuras Marina Meca Ferreira de Castro ESAB História Introducción à l agroforestrie (92/93) Master Pastoralisme Projecto ALWAYS (93-96)

Leia mais

Biomas no mundo. O conceito de bioma! Os tipos de Bioma

Biomas no mundo. O conceito de bioma! Os tipos de Bioma Biomas no mundo O conceito de bioma! Condições físicas e geográficas, tais como clima, topografia e solo são fatores determinantes no processo de seleção natural que leva a diferenciação das espécies.

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL ARGUMENTO 2017 2º ANO E.M. MÓDULO 46 DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS E AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL Os DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS representam a combinação de um conjunto de elementos do quadro natural

Leia mais

Fatores de Formação do Solo. Unidade III - Fatores de Formação do Solo

Fatores de Formação do Solo. Unidade III - Fatores de Formação do Solo Unidade III - SILVA J.R.T., 2005 1. Material de Origem. 2. Clima. 3. Relevo. 4. Organismos Vivos. 5. Tempo. Estudo da influência de cada fator é difícil Interdependência entre eles. Fatores Ativos: Clima

Leia mais

Capítulo 4 - MATERIAIS DE ESTUDO

Capítulo 4 - MATERIAIS DE ESTUDO Capítulo 4 - MATERIAIS DE ESTUDO 4.1. Introdução A redução da resistência mecânica é um aspecto de grande preocupação na aplicação de rochas em engenharia civil e, por isso, constitui tema de vários relatos

Leia mais

GEOLOGIA GERAL E TIPOS DE VEGETAÇÕES MUNDIAIS. Prof ª Gustavo Silva de Souza

GEOLOGIA GERAL E TIPOS DE VEGETAÇÕES MUNDIAIS. Prof ª Gustavo Silva de Souza GEOLOGIA GERAL E TIPOS DE VEGETAÇÕES MUNDIAIS Prof ª Gustavo Silva de Souza O que é a Geologia? A palavra geologia vem do grego e significa: ESTUDO DA TERRA. Geólogo é como chamamos quem estuda a geologia.

Leia mais

Ciências Naturais 7.º ano. Ficha de avaliação diagnóstica

Ciências Naturais 7.º ano. Ficha de avaliação diagnóstica Ciências Naturais 7.º ano Ficha de avaliação diagnóstica Grupo I 1. Faz corresponder cada conceito da coluna I (1 a 6) à sua descrição, que se encontra na coluna II (A a F). COLUNA I COLUNA II 1 Rocha

Leia mais

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE CABANAS DE VIRIATO

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE CABANAS DE VIRIATO BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE CABANAS DE VIRIATO RELATÓRIO GEOTÉCNICO (REFª 72/2008/08/GER - 1126) Agosto de 2008 QUARTEL DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE CABANAS DE VIRIATO ÍNDICE 1- INTRODUÇÃO... 2 2- ENQUADRAMENTO

Leia mais

VOLUME II Introdução e enquadramento

VOLUME II Introdução e enquadramento #$ VOLUME I RELATÓRIO SÍNTESE VOLUME II Introdução e enquadramento Capítulo 1 Introdução Capítulo 2 - Enquadramento das Políticas e Instrumentos de Ordenamento Territorial VOLUME III PATRIMÓNIO NATURAL

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade III Cidadania e movimento. Aula 13. 2 Conteúdo Estrutura geológica e relevo. Habilidade Compreender a

Leia mais

Nº: VALOR DA AT: 2.0

Nº: VALOR DA AT: 2.0 Unidade: S. Bernardo - Ensino Fundamental ATIVIDADE DE GEOGRAFIA - 2 ªUL PROFESSORA: Sueli Onofre Data: - 6º ANOS NOME: Nº: Ano: VALOR DA AT: 2.0 NOTA: 1. É a camada da atmosfera mais próxima da superfície

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE MULTITEMPORAISBASEADA EM OBJETOS E APURAMENTO SEMIAUTOMÁTICO DE LIMIARES DE CORTE

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE MULTITEMPORAISBASEADA EM OBJETOS E APURAMENTO SEMIAUTOMÁTICO DE LIMIARES DE CORTE CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE MULTITEMPORAISBASEADA EM OBJETOS E APURAMENTO SEMIAUTOMÁTICO DE LIMIARES DE CORTE Ângela Barbosa, Dora Roque, Ana Maria Fonseca e Jorge Rocha Problemática Classificação

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA DOS DADOS RECOLHIDOS NO ÂMBITO DOS TRABALHOS DE

NOTA EXPLICATIVA DOS DADOS RECOLHIDOS NO ÂMBITO DOS TRABALHOS DE NOTA EXPLICATIVA DOS DADOS RECOLHIDOS NO ÂMBITO DOS TRABALHOS DE IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA A informação disponibilizada na página do Instituto da Água, I.P. (INAG) refere-se aos dados recolhidos

Leia mais

Edilene Américo Silva Doutoranda em Geografia - Universidade de Brasília

Edilene Américo Silva Doutoranda em Geografia - Universidade de Brasília Edilene Américo Silva Doutoranda em Geografia - Universidade de Brasília edileneamerico@hotmail.com José Luis Santos Neto CEB Distribuição jluisneto@uol.com.br Fernando Luiz Araújo Sobrinho Prof. Doutor

Leia mais

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA (Dispersão Total)

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA (Dispersão Total) 12 ANÁLISE GRANULOMÉTRICA (Dispersão Total) 12.1 Método do densímetro 12.2.1 Princípio Baseia-se na sedimentação das partículas que compõem o solo. Após a adição de um dispersante químico, fixa-se um tempo

Leia mais

Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR

Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR Debora Cristina LOPES Universidade Federal do Paraná A questão da cobertura vegetal em áreas urbanas possui cada

Leia mais

PROJETOS EDUCATIVOS 2017/2018

PROJETOS EDUCATIVOS 2017/2018 2017/2018 Público-alvo: 1º ciclo (4º ano) e 2º e 3º ciclo Objetivos: reconhecer diversidade de espécies associadas aos espaços naturais do concelho compreender dinâmica dos ecossistemas e adaptações das

Leia mais

LIQUENS DIVERSIDADE E DISTRIBUIÇÃO NO AMBIENTE

LIQUENS DIVERSIDADE E DISTRIBUIÇÃO NO AMBIENTE LIQUENS DIVERSIDADE E DISTRIBUIÇÃO NO AMBIENTE Denominamos liquens um conjunto de seres vivos resultantes da associação entre um fungo e uma alga, ou uma cianobactéria. Trata-se de uma relação simbiótica

Leia mais

Ecologia Decomposição

Ecologia Decomposição Decomposição Tempo de decomposição dos vários componentes da manta morta Decomposição Dinâmica da biomassa microbiana, conteúdo de carbono, conteúdo de azoto e razão C:N Decomposição Influência do ambiente

Leia mais

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Prof: Helano Abreu hasantos@sfiec.org.br www.profhelanoabreu.wordpress.com 1 PROJETO TOPOGRÁFICO 2 O que é Topografia? ETIMOLOGIA: A palavra TOPOGRAFIA

Leia mais

PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 8º ANO

PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 8º ANO PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 8º ANO CARACTERÍSTICAS NATURAIS E CULTURAIS CARACTERÍSTICAS NATURAIS DO CONTINENTE AFRICANO A ÁFRICA APRESENTA ASPECTOS FÍSICOS DIVERSOS: RIOS CAUDALOSOS; EXTENSOS

Leia mais

A PENÍNSULA IBÉRICA NA EUROPA E NO MUNDO

A PENÍNSULA IBÉRICA NA EUROPA E NO MUNDO A PENÍNSULA IBÉRICA NA EUROPA E NO MUNDO Limites da Península Ibérica Como qualquer península, a Península Ibérica está rodeada por mar com exceção de um lado chamado istmo. Tem como limites naturais:

Leia mais

Sistema SANOWET Referências para a utilização da mangueira porosa

Sistema SANOWET Referências para a utilização da mangueira porosa Sistema SANOWET Referências para a utilização da mangueira porosa Resumo e/ou extractos de referências França: Universidade do Vinho Chateau de Suze La Rousse entre Valence e Avignon, junto do Ródano,

Leia mais

SEMINÁRIO mais e melhor pinhal

SEMINÁRIO mais e melhor pinhal SEMINÁRIO mais e melhor pinhal Painel 2 - Incentivo ao investimento: aumentar a rentabilidade do pinhal Instalação e Condução a Custos Mínimos Cantanhede, 14/12/2012 Rui Rosmaninho I. ENQUADRAMENTO GERAL

Leia mais

Fatores de Formação do Solo

Fatores de Formação do Solo Clima Forma ativa e diferencial de atuação na formação do solo; Rochas iguais + condições climáticas diferentes = solos diferentes Rochas diferentes + condições climáticas iguais = solos iguais Sheila

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS - FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS. Degradação de Biomas. Prof. Me. Cássio Resende de Morais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS - FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS. Degradação de Biomas. Prof. Me. Cássio Resende de Morais FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS - FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Degradação de Biomas Prof. Me. Cássio Resende de Morais Floresta Amazônica Ocupa 1/3 da América do Sul; Maior floresta

Leia mais

BIOLOGIA» UNIDADE 10» CAPÍTULO 1. Biomas

BIOLOGIA» UNIDADE 10» CAPÍTULO 1. Biomas Bioma: área do espaço geográfico, distribuída em várias partes do mundo, que apresenta uniformidade da fitofisionomia vegetal e de seus organismos associados; Principais determinantes do padrão de cada

Leia mais

HIDROLOGIA AULA semestre - Engenharia Civil. ESCOAMENTO SUPERFICIAL 1 Profª. Priscila Pini

HIDROLOGIA AULA semestre - Engenharia Civil. ESCOAMENTO SUPERFICIAL 1 Profª. Priscila Pini HIDROLOGIA AULA 10 5 semestre - Engenharia Civil ESCOAMENTO SUPERFICIAL 1 Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br Geração do Escoamento em uma bacia 1. Durante as chuvas intensas Água da chuva

Leia mais

ACESSIBILIDADES ENTRE A A26 E CAMINHOS RURAIS

ACESSIBILIDADES ENTRE A A26 E CAMINHOS RURAIS ACESSIBILIDADES ENTRE A A26 E CAMINHOS RURAIS 2014/02/21 Acessibilidades a caminhos rurais Levantamento fotográfico geográfico das condições de acessibilidade a caminhos rurais interrompidos e/ou danificados

Leia mais

Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização

Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização PENELA 05 setembro de 2015 Redes de defesa da floresta contra incêndios Legislação

Leia mais

O meu Caderno de Campo

O meu Caderno de Campo Guia de Actividades O meu Caderno de Campo Hoje vieste explorar a Praia Manuel Lourenço. O tempo O céu está O Sol A temperatura O mar Vais iniciar a tua visita à Praia Manuel Lourenço, nela vais poder

Leia mais

Introdução ao Ciclo hidrológico

Introdução ao Ciclo hidrológico Introdução ao Ciclo hidrológico Água Uma realidade com várias dimensões Ciclo hidrológico Movimento permanente Sol evaporação + Gravidade precipitação escoamento superficial escoamento subterrâneo O conceito

Leia mais

GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo e Solo

GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo e Solo GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo e Solo bruno7martins@gmail.com 1 Estrutura Geológica Bacias Sedimentares Acúmulo de sedimentos sobre os escudos Associadas a Combustíveis fósseis Rochas mais porosas, infiltração

Leia mais

3 CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA EM ESTUDO

3 CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA EM ESTUDO 3 CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA EM ESTUDO A caracterização da área em estudo, apresentada neste capítulo, inicia-se com uma descrição de sua localização, clima, vegetação, relevo, bem como aspectos referentes

Leia mais

Floresta Amazônica É uma floresta tropical fechada, formada em boa parte por árvores de grande porte, situando-se próximas uma das outras (floresta fe

Floresta Amazônica É uma floresta tropical fechada, formada em boa parte por árvores de grande porte, situando-se próximas uma das outras (floresta fe Biomas do Brasil Floresta Amazônica É uma floresta tropical fechada, formada em boa parte por árvores de grande porte, situando-se próximas uma das outras (floresta fechada). O solo desta floresta não

Leia mais

Professora responsável: Patrícia Oliveira

Professora responsável: Patrícia Oliveira FICHA-RELATÓRIO SOBRE BASALTO, região da Malveira No Projecto Rocha Amiga Professora responsável: Patrícia Oliveira Malveira, Maio 2008 Classificação Categoria principal: Magmática Categoria subordinada:

Leia mais

MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA VAZÃO MÁXIMA COM BASE NA PRECIPITAÇÃO Material elaborado por Gracely, monitora da disciplina.

MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA VAZÃO MÁXIMA COM BASE NA PRECIPITAÇÃO Material elaborado por Gracely, monitora da disciplina. MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA VAZÃO MÁXIMA COM BASE NA PRECIPITAÇÃO Material elaborado por Gracely, monitora da disciplina. 1. Método Racional A vazão máxima pode ser estimada com base na precipitação, por

Leia mais

( Percursos Pedestres: Sitio de Cabrela

( Percursos Pedestres: Sitio de Cabrela ( Percursos Pedestres: Sitio de Cabrela o percurso tem inicio no Nucleo de Interpreta~ao Ambiental dos Sitios de Cabrela e Monfurado, localizado na antiga Escola Primaria de Baldios. Siga pel a estrada

Leia mais

Clima(s) CLIMAS - SOLOS E AGRICULTURA TROPICAL. Mestrado em Direito à Alimentação e Desenvolvimento Rural UC: Agricultura Tropical.

Clima(s) CLIMAS - SOLOS E AGRICULTURA TROPICAL. Mestrado em Direito à Alimentação e Desenvolvimento Rural UC: Agricultura Tropical. CLIMAS - SOLOS E AGRICULTURA TROPICAL Mestrado em Direito à Alimentação e Desenvolvimento Rural UC: Agricultura Tropical Óscar Crispim Machado (omachado@esac.pt) ESAC, abril de 2012 Clima(s) Aula 5 Zonas

Leia mais

PLANO FAUNOS Projeto: Prevenção dos Riscos de Incêndios Florestais em Matas Nacionais E Perímetros Florestais.

PLANO FAUNOS Projeto: Prevenção dos Riscos de Incêndios Florestais em Matas Nacionais E Perímetros Florestais. PLANO FAUNOS 2014 Projeto: Prevenção dos Riscos de Incêndios Florestais em Matas Nacionais E Perímetros Florestais Relatório Final Título: Relatório Plano Faunos 2014 Edição: Instituto da Conservação da

Leia mais