COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTRUMENTO DE CONHECIMENTO, REFLEXÃO E DECISÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTRUMENTO DE CONHECIMENTO, REFLEXÃO E DECISÃO"

Transcrição

1 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTRUMENTO DE CONHECIMENTO, REFLEXÃO E DECISÃO ALBUQUERQUE, Rosa 1 NEGREIROS, Gláucia 2 VASCONCELOS, Maria Auxiliadora Marques 3 Introdução No ano de 2004 o Governo Federal regulamentou o artigo 9º, incisos VI, VIII e IX da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei 9394/1996). Para tal regulamentação foi instituído, através da Lei , de 14 de abril daquele ano, o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES). Ato contínuo, no mesmo ano, o Ministério da Educação, através da Portaria MEC nº. 2051, regulamentou como seriam os procedimentos de avaliação do SINAES. Essa portaria, em relação à CPA, determina que: Art. 7o As Comissões Próprias de Avaliação (CPAs), previstas no Art. 11 da Lei no , de 14 de abril de 2004, e constituídas no âmbito de cada instituição de educação superior, terão por atribuição a coordenação dos processos internos de avaliação da instituição, de sistematização e de prestação das informações solicitadas pelo INEP. 1º. As CPAs atuarão com autonomia em relação a conselhos e demais órgãos colegiados existentes na instituição de educação superior. Com o objetivo de coordenar e articular o processo interno de avaliação da Instituição, bem como sistematizar e disponibilizar informações e dados foi instituída pelas Faculdades ICE uma comissão de Auto-avaliação composta por segmentos envolvidos nas áreas de administração e ensino. Assim, a Comissão Própria de Avaliação, ao ser instituído passa ser instrumento de gestão para uma contínua melhoria nas diferentes dimensões 1 Docente do Curso de Administração das Faculdades ICE e membro da CPA. 2 Coordenadora do Curso de Pedagogia das Faculdades ICE e membro da CPA. 3 Docente do curso de Pedagogia das Faculdades ICE e membro da CPA.

2 em que as Faculdades Integradas ICE atua, tanto do ponto de vista institucional quanto acadêmico e administrativo. Ao final do processo de auto-avaliação, a C.P. A prestará contas de suas atividades aos órgãos colegiados apresentando relatórios, pareceres e, eventualmente, recomendações. Segundo Juliatto (1991, p.132): A Instituição que se auto-avalia irá criar mecanismos explícitos e adaptados à suas condições para verificar o grau de efetividade no alcance dos seus propósitos. Neste sentido, procura orientar a gestão institucional, em suas dimensões política, acadêmica e administrativa, para promover os ajustes necessários à elevação do seu padrão de qualidade, como também criar instrumentos de avaliação institucional referentes à: a) Pessoal técnico e docente; b) Disciplinas; c) Currículo e programas; d) Alunos; e) Setores administrativos; Assim, oportuniza também: Converter a avaliação em instrumento de superação individual e coletiva de limitações; Manter um processo contínuo, evolutivo e flexível; Reforçar o compromisso da IES com a excelência do saber; Promover o autoconhecimento da Instituição; Gerar informações a comunidade sobre os serviços prestados. Objetivo Além de cumprir uma exigência legal, a Avaliação Institucional é presença obrigatória em toda e qualquer atividade humana, sobretudo, na educação. A Comissão Própria de Avaliação integrada ao SINAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior tem como objetivo provocar a disseminação da prática cotidiana da avaliação, orientada pelos princípios

3 fundados no rigor ético e político, como também à produção de conhecimentos novos sobre a realidade. Assim, a CPA tem o objetivo de conduzir os processos internos da avaliação das Faculdades Integradas ICE sistematizar os processos e prestar informações ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas INEP, observadas as orientações gerais indicadas pelo SINAES (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior). Nesta perspectiva, também avaliar as políticas, objetivos e metas institucionais previstas para as grandes áreas administrativas e acadêmicas das Faculdades ICE, objetivando o autoconhecimento institucional, mediante a execução do Programa de Avaliação das Instituições de Educação Superior (AVALIES), contribuindo para o alcance dos objetivos e metas previstos no seu PDI. Metodologia A avaliação institucional tem caráter de globalidade e de processo permanente, e assim pretende ser um ponto de referência de como medir, analisar e julgar a eficácia das Faculdades ICE como Instituição de Ensino Superior. Neste sentido, contempla o processo de envolvimento e participação, globalidade e gradualidade. Ações Avaliativas As ações devem constituir prática essencial do processo, e destaca no contexto, a sensibilização que antecede as atividades, e, portanto, são ações dinâmicas que proporciona a interação e participação coletiva. Desta forma a sensibilização ocorre com base em estratégias permanentes que contemplam algumas etapas, respectivamente: Etapa 1: Sensibilização da comunidade; Etapa 2: Levantamento de dados e informações através de formulários e grupos focais e elaboração de relatórios; Etapa 3: Elaboração do relatório final e apresentação. As Competências da CPA, a Missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

4 Através da avaliação a Instituição aprecia, questiona e acompanha o seu próprio trabalho, definido prioridades de desenvolvimento, tendo condições de avançar numa linha qualitativa, buscando o seu compromisso científico e social. Para isso destaca-se: A política para o ensino, à pesquisa e pós-graduação; A responsabilidade social da Instituição; A comunicação com a sociedade; As políticas de pessoal; Organização e gestão da Instituição; Infra-estrutura física; Planejamento e avaliação; Políticas de atendimento aos estudantes. A Importância da Avaliação Institucional no Ensino Superior A Avaliação Institucional divide-se em duas modalidades: 1º. Auto-avaliação: Coordenada pela Comissão Própria de Avaliação (CPA) de cada instituição e orientada pelas diretrizes e pelo roteiro da auto-avaliação institucional da CONAES. 2º. Avaliação externa: Realizada por comissões designadas pelo INEP, a avaliação externa tem como referência os padrões de qualidade para a educação superior expressos nos instrumentos de avaliação e os relatórios das auto-avaliações. Mas, os processos avaliativos devem constituir um sistema que permita a integração das diversas dimensões da realidade avaliada, assegurando as coerências conceitual, epistemológica e prática, bem como o alcance dos objetivos dos diversos instrumentos e modalidades. No entanto, o processo de avaliação, em particular a do ensino superior, centra-se nos resultados efetivos de estimar, valorar e julgar as conquistas ou ganhos, sobretudo sobre o desempenho acadêmico. Entretanto, vale ressaltar que é importante que a Instituição ICE se autoavalie para melhor conhecer suas ações e os resultados junto à comunidade, principalmente aos alunos.

5 Por isso, a avaliação institucional orienta a gestão em suas dimensões políticas, acadêmicas e administrativas, promovendo uma auto-reflexão e a oportunidade de ajustes necessários à elevação de seu padrão de qualidade, mapeando seus pontos fortes e fracos. Ela procura ainda identificar as potencialidades e fragilidades das Faculdades ICE, além de propor alternativas para a melhoria de qualidade da Instituição. Considerações Finais No momento atual, a avaliação é necessária em todo o contexto, entretanto, é necessário que as Faculdades ICE busquem desenvolver ações permanentes de avaliação tendo como referência o conhecimento das opiniões e dos juízos de diferentes setores administrativos e acadêmicos que estão inseridos no processo. Por isso, a participação nos processos avaliativos da CPA proporciona uma visão ampla sobre a qualidade dos serviços prestados pelas Faculdades ICE. Dessa forma, a CPA comprometida com a melhoria permanente da qualidade da educação superior das Faculdades ICE, poderá se tornar um recurso dinâmico e de realimentação para a própria avaliação institucional, e principalmente para a própria melhoria das Faculdades Integradas ICE. Portanto, a auto avaliação deve ser um processo de reflexão visando ao aprimoramento da qualidade de ensino, da pesquisa, da extensão e da gestão administrativa. E, deve ser um procedimento indispensável, em função das políticas educacionais propostas. Referências Bibliográficas ARRUDA, J.R. C. Políticas e indicadores na educação superior. Rio de Janeiro: Quallitymark/Dunya, BUENO, Jayme; SERMANN, Lucia Izabel C; SCHERNER, Maria Luiza Trevisan. (Orgs.) Avaliação Institucional Fundamentação teórica, contexto institucional e perfil do aluno. Curitiba: Champagnat, 2003.

6 DEMO, Pedro. Educação e qualidade. 2 ed. Campinas, SP: Papirus, JULIATTO, C.I. A busca da excelência acadêmica nas instituições de ensino superior por meio da avaliação. In: Revista Iglu (1) out

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel.

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel. Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel Av. Tito Muffato, 2317 Bairro Santa Cruz 85806-080 Cascavel PR Fone: (45) 3036-3636 30363806 http://www.univel.br cpe@univel.br RESOLUÇÃO Nº 01 DE JULHO

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI 1 REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI Outubro/2005 Atualizado em jan.2013 2 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. A Comissão Própria de Avaliação

Leia mais

Resolução n 225, de 21 de junho R E S O L V E: Art. 1º - Alterar a redação do parágrafo 2º artigo 12 do Regimento Geral da Universidade:

Resolução n 225, de 21 de junho R E S O L V E: Art. 1º - Alterar a redação do parágrafo 2º artigo 12 do Regimento Geral da Universidade: Resolução n 225, de 21 de junho 2016. Aprova emendas ao Regimento Geral da Universidade, cria setores e dá outras providências. O Conselho Universitário CONSUNI, da Universidade do Planalto Catarinense

Leia mais

Tema 2 - Avaliação do estudante no ENADE

Tema 2 - Avaliação do estudante no ENADE Eixo 3 - Processos de avaliação na formação de qualidade em Enfermagem Tema 2 - Avaliação do estudante no ENADE Prof. Dr. Marcos Antonio Ferreira Júnior Universidade Federal do Rio Grande do Norte Comissão

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PRPDI Orientação Geral O Plano de Desenvolvimento Institucional -PDI, elaborado para um período de 5

Leia mais

Os desafios e as possibilidades da CPA no processo de avaliação Prof. Dr. Guilherme Marback Neto. II Encontro Nacional de CPAs

Os desafios e as possibilidades da CPA no processo de avaliação Prof. Dr. Guilherme Marback Neto. II Encontro Nacional de CPAs Os desafios e as possibilidades da CPA no processo de avaliação Prof. Dr. Guilherme Marback Neto AVALIAÇÃO E REGULAÇÃO PROCESSOS INDEPENDENTES E COMPLEMENTARES LEI 10.861/2004 DECRETO 5773/2006 Art. 7º

Leia mais

Apresentação PDI Plano de Desenvolvimento Institucional

Apresentação PDI Plano de Desenvolvimento Institucional Apresentação 8 PDI 2015-2019 Plano de Desenvolvimento Institucional 2015-2019 A administração pública contemporânea tem apresentado novos desafios ao planejamento estratégico. As demandas por maior racionalidade

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

EIXO 2 DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

EIXO 2 DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL EIXO 1 DIMENSÃO 8 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO 1 O plano de desenvolvimento do instituto PDI ( http://www.ufopa.edu.br/arquivo/portarias/2015/pdi20122016.pdf/view ) faz referência a todos os processos internos

Leia mais

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N.6/2014 NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE)

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N.6/2014 NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) Faculdade Adventista da Bahia Assessoria Pedagógica BR-101, km 197, Capoeiruçu Caixa Postal 18 Cachoeira BA CEP: 44.300-000 Brasil e-mail: selcr25@gmail.com ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N.6/2014 NÚCLEO DOCENTE

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E

Leia mais

Regulamento do Programa de Avaliação Acadêmica-Institucional

Regulamento do Programa de Avaliação Acadêmica-Institucional Regulamento do Programa de Avaliação Acadêmica-Institucional I AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO DESEMPENHO INSTITUCIONAL 1.1 Natureza A avaliação institucional da Faculdade Moraes Júnior Mackenzie Rio FMJ

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Introdução

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Introdução REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Introdução O presente regulamento constitui um documento interno do curso de Ciências Contábeis e tem por objetivo reger as atividades relativas ao Estágio Supervisionado.

Leia mais

ENADE 2010 ENADE. Relatório da IES EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES

ENADE 2010 ENADE. Relatório da IES EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES ENADE EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES ENADE 2010 Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE NATAL G Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Leia mais

Indicadores de Qualidade da Educação Superior. Brasília-DF Agosto 2015

Indicadores de Qualidade da Educação Superior. Brasília-DF Agosto 2015 Indicadores de Qualidade da Educação Superior Brasília-DF Agosto 2015 Sobre o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES MARCOS LEGAIS da AVALIAÇÃO da EDUCAÇÃO SUPERIOR Constituição Federal

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010.

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. Institui as orientações e as atividades aprovadas para a realização da carga horária de Estágio Supervisionado

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO

CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regulamento apresenta a definição, os objetivos, a caracterização e a explicitação das condições

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERALDE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE IFSul COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERALDE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE IFSul COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERALDE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE IFSul COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA REGULAMENTO PRÓPRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. O

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF REGULAMENTO N. 007 /2015 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NUEMA DA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF GARÇA/SP Vanessa Zappa, Diretora da FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR

Leia mais

O QUE É O ENADE? Profa. Me. Karen Fernanda Bortoloti

O QUE É O ENADE? Profa. Me. Karen Fernanda Bortoloti O QUE É O ENADE? Profa. Me. Karen Fernanda Bortoloti 1 http://www.bahianoticias.com.br O QUE É O ENADE? 2 ENADE Exame Nacional de Desempenho de Estudantes. Integra o Sinaes - Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art 1º. A Extensão Acadêmica se constitui em uma prática permanente de interação universidade-sociedade, articulada ao ensino

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE PESQUISA (CEPES) DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB/IDP

REGULAMENTO DO CENTRO DE PESQUISA (CEPES) DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB/IDP REGULAMENTO DO CENTRO DE PESQUISA (CEPES) DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB/IDP TEXTO COMPILADO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 O presente Regulamento tem por finalidade normatizar as

Leia mais

CPA. Comissão Própria de Avaliação

CPA. Comissão Própria de Avaliação CPA Comissão Própria de Avaliação CPA O espelho da instituição A Avaliação reflete os sentidos, sentimentos e percepções. A consciência é requisito básico para garantir a veracidade do diagnóstico. CPA

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES EXECUTADAS PELA CPA- Ano: 2011

RELATÓRIO DE ATIVIDADES EXECUTADAS PELA CPA- Ano: 2011 COMISSÃO PROPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE ATIVIDADES EXECUTADAS PELA CPA- Ano: 2011 São Luis- MA 2011 1 RELATÓRIO DE ATIVIDADES EXECUTADAS PELA CPA - 2011 Programa de sensibilização de discente, coordenadores

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes ENADE LEGISLAÇÃO Constituição da República

Leia mais

ENADE Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ

ENADE Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ ENADE 2011 Relatório da IES G Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ O V E R N O F E D E R A L PAÍS RICO

Leia mais

RELATÓRIO DA AUTO AVALIAÇÃO CICLO 8

RELATÓRIO DA AUTO AVALIAÇÃO CICLO 8 Instituto Paulista de Ensino FIPEN CPA - Comissão Própria de Avaliação RELATÓRIO DA AUTO AVALIAÇÃO CICLO 8 Dezembro/2014 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 4 A O PROCESSO DE AUTO AVALIACÃO... 6 B - DIMENSÕES... 7 1.

Leia mais

ETAPAS E CRONOGRAMA DO PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO

ETAPAS E CRONOGRAMA DO PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO ETAPAS E CRONOGRAMA DO PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO ETAPA ATUAL: PROPOSIÇÕES DATA 12 e 15 de Abril Locais: Paranavaí e Curitiba Maio a julho (em cada Colegiado) ENCONTRO, ATIVIDADE E CONTEÚDOS 2º Encontro

Leia mais

REGIMENTO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS COMISSÃO PROPRIA DE AVALIAÇÃO COMISSÃO CENTRAL Avenida Prof.

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 08 CGACGIES/DAES/INEP

NOTA TÉCNICA Nº 08 CGACGIES/DAES/INEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP) Diretoria de Avaliação de Educação Superior (DAES) Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Bibliotecas Universitárias e a Avaliação pelo MEC. Mírian Rocha Bibliotecária / Assessoria Educacional mqrocha@gmail.com (17) 8135-7993 PROCESSOS DE REGULAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DAS ATIVIDADES ESTÁGIOSUPERVISIONADO INTEGRADO AO TRABALHO DE CURSO Colegiado: -Validar o

Leia mais

ESTÁGIO PROFISSIONAL EM TREINAMENTO ESPORTIVO A

ESTÁGIO PROFISSIONAL EM TREINAMENTO ESPORTIVO A ESTÁGIO PROFISSIONAL EM TREINAMENTO ESPORTIVO A É ofertado no 7º semestre, compreende uma carga horária de 120 horas, totalizando 8 créditos, conforme as normas específicas para a realização do referido

Leia mais

SUPERVISÃO EDUCACIONAL

SUPERVISÃO EDUCACIONAL SUPERVISÃO EDUCACIONAL OBJETIVO: Subsidiar o trabalho nas Diretorias Regionais da Educação e as Unidades Escolares, de modo a observar, analisar, orientar, intervir e encaminhar as demandas nas seguintes

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 NATAL/RN MARÇO/2012

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI EDITAL Nº 001/2016

ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI EDITAL Nº 001/2016 ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI DIRETORIA DE ENSINO EDITAL Nº 001/2016 PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA PROJETOS DE EXTENSÃO O Núcleo de Iniciação

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma. Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental. no âmbito do

Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma. Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental. no âmbito do OBJETIVO Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental no âmbito do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza - SNUC DOCUMENTOS DE

Leia mais

Orientações para Construção do Projeto Político Pedagógico. Lílian Lessa Andrade Lino

Orientações para Construção do Projeto Político Pedagógico. Lílian Lessa Andrade Lino Orientações para Construção do Projeto Político Pedagógico Lílian Lessa Andrade Lino Objetivos Discutir os objetivos do Projeto Político Pedagógico do Curso (PPC) baseado nas Diretrizes Curriculares do

Leia mais

Perspectivas para o ENADE 2011 e demais instrumentos de avaliação JULHO, 2011

Perspectivas para o ENADE 2011 e demais instrumentos de avaliação JULHO, 2011 Seminário sobre Avaliação da Educação Superior Perspectivas para o ENADE 2011 e demais instrumentos de avaliação JULHO, 2011 EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%)

Leia mais

EDITAL Nº 13, DE 01 DE JULHO DE REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO CAMPUS VACARIA DO IFRS

EDITAL Nº 13, DE 01 DE JULHO DE REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO CAMPUS VACARIA DO IFRS EDITAL Nº 13, DE 01 DE JULHO DE 2016. REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO CAMPUS VACARIA DO IFRS A Comissão Eleitoral Permanente, nomeada pela portaria 14/2016

Leia mais

Brasília, 12 de março de 2009

Brasília, 12 de março de 2009 Avaliação dos Cursos de Ciências Contábeis pelo ENADE 2009 Prof. Dr. Valcemiro Nossa Brasília, 12 de março de 2009 ENADE Exame Nacional de Desempenho de Estudantes integra o Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico em Administração Módulo :III -A

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico em Administração Módulo :III -A Plano de Trabalho Docente 2013 ETEC PAULINO BOTELHO Ensino Técnico Código: 091 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Gestão Habilitação Profissional: Técnico em Administração Qualificação: Técnico em

Leia mais

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é um requisito obrigatório para a conclusão do curso, realizada no final do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade

Leia mais

PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - 2014

PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - 2014 PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - 2014 MACEIÓ Fevereiro de 2015 1 Diretora Geral Profª Ana Paula Nunes da Silva Coordenador Pedagógico Profª Dayse Cristina Lins Teixeira

Leia mais

E I X O S

E I X O S 0011 0010 1010 1101 0001 0100 1011 5 E I X O S 10 dimensões 5 eixos 8- Planejamento e Avaliação. 1- Missão e Plano de Desenvolvimento Institucional. 0011 3- Responsabilidade 0010 1010 1101 Social 0001

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CPA/FACHASUL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CPA/FACHASUL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CPA/FACHASUL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regimento, disciplina a organização e o funcionamento da Comissão Própria

Leia mais

NOTA TÉCNICA No 001/2014

NOTA TÉCNICA No 001/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA NOTA TÉCNICA No 001/2014 Assunto: Recuperação Contínua e Recuperação Paralela

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS Clarice Karen de Jesus Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Palavras chave:

Leia mais

Portaria nº 98, de 11 de outubro de 2007

Portaria nº 98, de 11 de outubro de 2007 Portaria nº 98, de 11 de outubro de 2007 Disciplina as formas de colaboração e os procedimentos de escolha dos consultores científicos para fins do assessoramento tratado no artigo 3º do Estatuto da CAPES.

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM FÍSICA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM FÍSICA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento disciplina o processo de elaboração, apresentação e avaliação do

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP

REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP Mirassol/SP 2014 REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP ANEXO II REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP CAPÍTULO I DA FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º

Leia mais

EDITAL N.º 262/2016 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL: SELEÇÃO DE TUTOR PET CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

EDITAL N.º 262/2016 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL: SELEÇÃO DE TUTOR PET CIÊNCIAS BIOLÓGICAS EDITAL N.º 262/216 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL: SELEÇÃO DE TUTOR PET CIÊNCIAS BIOLÓGICAS O VICE-REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, torna pública

Leia mais

Avaliação Institucional Docentes

Avaliação Institucional Docentes Avaliação Institucional Docentes A avaliação é um processo fundamental para a qualidade do trabalho desenvolvido nas Instituições de Ensino Superior. Nesse sentido, a Comissão Própria de Avaliação (CPA)

Leia mais

APÊNDICE A Questionários Aplicados

APÊNDICE A Questionários Aplicados APÊNDICE A Questionários Aplicados CPA Comissão Própria de Avaliação 60 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SERTÃOZINHO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA AUTOAVALIAÇÃO

Leia mais

ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Plano de Trabalho Docente Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM ADMINISTRAÇÃO

ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Plano de Trabalho Docente Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM ADMINISTRAÇÃO ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO - 088 Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC PAULO GUERREIRO FRANCO Código: 092 Município: VERA CRUZ Área Profissional: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional:

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac 2 TÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Artigo 1º - Os Cursos da FELM mantém estágios curriculares supervisionados que se constituem

Leia mais

EDITAL N. 11 /2013. Este edital entrará em vigor a partir desta data, revogando os dispositivos anteriores. Curitiba, 15 de abril de 2013

EDITAL N. 11 /2013. Este edital entrará em vigor a partir desta data, revogando os dispositivos anteriores. Curitiba, 15 de abril de 2013 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ Reconhecida pelo Decreto Governamental n.º 70.906 de 01/08/72 e Portaria n.º 1.062

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE NDE. Susana Maria Werner Samuel

NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE NDE. Susana Maria Werner Samuel NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE NDE Susana Maria Werner Samuel Lei n o 10.861dos SINAES Instituído o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES, para assegurar o processo nacional de avaliação

Leia mais

Consulta Pública - Regimento Interno do Campus Colorado do Oeste. Resposta do questionário 1

Consulta Pública - Regimento Interno do Campus Colorado do Oeste. Resposta do questionário 1 Consulta Pública - Regimento Interno do Campus Colorado do Oeste Resposta do questionário 1 21 página 1 / 9 Resposta do questionário 2 23 página 2 / 9 Resposta do questionário 3 25 página 3 / 9 Resposta

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESCOLAR: AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS DO PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR

FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESCOLAR: AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS DO PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESCOLAR: AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS DO PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO A escola é a

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO I A, II A E TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO I A, II A E TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO I A, II A E TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC 2013 1 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS DE

Leia mais

FACULDADE DE HORTOLÂNDIA Ato de Recredenciamento: Port. 673, 25/05/2011, D.O.U, de 26/05/2011, Seção 1, págs. 18/19

FACULDADE DE HORTOLÂNDIA Ato de Recredenciamento: Port. 673, 25/05/2011, D.O.U, de 26/05/2011, Seção 1, págs. 18/19 INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Faculdade de Hortolândia REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Hortolândia 2015 1 TRABALHO DE CONCLUSÃO DO

Leia mais

RESOLUÇÃO CEP 11/ de março de 2015

RESOLUÇÃO CEP 11/ de março de 2015 RESOLUÇÃO CEP 11/2015 25 de março de 2015 Aprova o Regulamento da Comissão Própria de Avaliação. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA DA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO, no uso de suas atribuições regimentais,

Leia mais

SINAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR

SINAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR SINAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR Elza Cristina Giostri elza@sociesc.org.br PROGRAMA Apresentação Diagnóstico de conhecimento e necessidades Conceito Geral Elaboração do relatório

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Comunicação, Turismo e Artes Coordenação do Curso de Relações Públicas

Universidade Federal da Paraíba Centro de Comunicação, Turismo e Artes Coordenação do Curso de Relações Públicas Universidade Federal da Paraíba Centro de Comunicação, Turismo e Artes Coordenação do Curso de Relações Públicas Portaria CCRP / nº 04/2014 Regulamenta a realização do Trabalho de Conclusão de Curso, fixados

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/PPGEDU, DE JULHO DE 2013.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/PPGEDU, DE JULHO DE 2013. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/PPGEDU, DE JULHO DE 2013. Define as modalidades de Atividades Curriculares Complementares do Programa de Pós-Graduação em Educação. A Comissão de Pós-Graduação, no uso de suas

Leia mais

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília/DF, jun. 2015

Leia mais

ENADE PARTE INTEGRANTE DO PROCESSO AVALIATIVO DE CURSOS E IES. Gustavo Monteiro Fagundes

ENADE PARTE INTEGRANTE DO PROCESSO AVALIATIVO DE CURSOS E IES. Gustavo Monteiro Fagundes ENADE PARTE INTEGRANTE DO PROCESSO AVALIATIVO DE CURSOS E IES Gustavo Monteiro Fagundes FONTES LEGAIS Lei do SINAES (Lei n. 10.861/2004): Objetivo SINAES: Assegurar processo nacional de avaliação das IES,

Leia mais

IVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA

IVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA Normatiza as Atividades Formativas previsto na Reforma Curricular do Curso de Odontologia Processo N o 23075.64471/05-92 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES O presente regulamento tem o propósito de normatizar as

Leia mais

Avaliação da Educação Superior SINAES e Indicadores de Qualidade. Brasília-DF 25 de abril de 2016

Avaliação da Educação Superior SINAES e Indicadores de Qualidade. Brasília-DF 25 de abril de 2016 Avaliação da Educação Superior SINAES e Indicadores de Qualidade Brasília-DF 25 de abril de 2016 Indicador de Desempenho no Enade (IDE) 1 - O Conceito Enade, atualmente, é calculado pela metodologia de

Leia mais

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES MEDICINA - SÃO CARLOS. Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Medicina - Campus São Carlos

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES MEDICINA - SÃO CARLOS. Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Medicina - Campus São Carlos RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES MEDICINA - SÃO CARLOS Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Medicina - Campus São Carlos INDICADOR CLASSIFICAÇÃO ÍNDICE DE AVALIAÇÃO GERAL SATISFAÇÃO

Leia mais

Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação. Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015

Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação. Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015 Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015 Conceito Política de Comunicação é o conjunto sistematizado de princípios, valores,

Leia mais

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DAS EXIGÊNCIAS LEGAIS Art. 1º - Este regulamento estabelece regras gerais sobre as atividades relativas ao trabalho

Leia mais

REGULAMENTO N. 001 /2010 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE ESTÁGIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

REGULAMENTO N. 001 /2010 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE ESTÁGIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA REGULAMENTO N. 001 /2010 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE ESTÁGIO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA Simone da Silva Gomes Cardoso, Diretora da FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DAS SALAS DE COORDENAÇÃO DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA O PROCESSO DE RECONHECIMENTO DE CURSOS À DISTÂNCIA PELO INEP

CONTRIBUIÇÕES DAS SALAS DE COORDENAÇÃO DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA O PROCESSO DE RECONHECIMENTO DE CURSOS À DISTÂNCIA PELO INEP 1 CONTRIBUIÇÕES DAS SALAS DE COORDENAÇÃO DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA O PROCESSO DE RECONHECIMENTO DE CURSOS À DISTÂNCIA PELO INEP Ouro Preto MG Abril de 2014 Luciano Miguel Moreira

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MS/ME Nº 3.019, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2007

PORTARIA INTERMINISTERIAL MS/ME Nº 3.019, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2007 PORTARIA INTERMINISTERIAL MS/ME Nº 3.019, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2007 Dispõe sobre o Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde - Pró-Saúde - para os cursos de graduação da área

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE: PIBID E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO

A FORMAÇÃO DOCENTE: PIBID E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO A FORMAÇÃO DOCENTE: PIBID E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO Regina Célia Cola Rodrigues Mestranda em Educação: Currículo PUC/SP Profª Drª Neide de Aquino Noffs Professora Orientadora da Pesquisa Resumo O presente

Leia mais

- Identificar as formas de gestão e de tomadas de decisão dentro da organização escolar

- Identificar as formas de gestão e de tomadas de decisão dentro da organização escolar Disciplina: Gestão e Organização Escolar Código da Disciplina: EDU336 Curso: Pedagogia Período: 6º Faculdade Responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir de: 2015 Número de créditos: 05 Horas-aula:

Leia mais

Projeto Político Pedagógico

Projeto Político Pedagógico Projeto Político Pedagógico INSTITUINTE DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GPP/EACH/USP Diretrizes da Pró Reitoria de Graduação para orientar o processo de formulação Instituinte do Projeto Político

Leia mais

SEMINÁRIOS ENADE O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes)

SEMINÁRIOS ENADE O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) SEMINÁRIOS ENADE 2016 O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) Diretoria de Avaliação da Educação Superior - Daes Brasília-DF

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE RIBEIRÃO PRETO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE RIBEIRÃO PRETO NORMAS QUE REGULARIZAM O PROGRAMA DE TUTORIA OFERECIDO AOS ALUNOS DE GRADUAÇÃO DA FORP-USP CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Artigo 1º - Os objetivos do Programa de Tutoria são: I Gerais: Contribuir

Leia mais

Acreditamos no seu envolvimento e dedicação à sua realização e confiamos no seu sucesso.

Acreditamos no seu envolvimento e dedicação à sua realização e confiamos no seu sucesso. ATIVIDADE INTEGRADORA CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO ESCOLAR CIRCUITO: 9 PERIODO: 7º Caro (a) aluno (a), Esta atividade deverá ser desenvolvida individualmente

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA FUNDAÇÃO JOSÉ BONIFÁCIO LAFAYETTE DE ANDRADA - FUNJOBE FACULDADE DE MEDICINA DE BARBACENA FAME

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA FUNDAÇÃO JOSÉ BONIFÁCIO LAFAYETTE DE ANDRADA - FUNJOBE FACULDADE DE MEDICINA DE BARBACENA FAME REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA FUNDAÇÃO JOSÉ BONIFÁCIO LAFAYETTE DE ANDRADA - FUNJOBE FAME CAPÍTULO I - OBJETIVOS Artigo 1º Tendo em vista a missão da Faculdade de Medicina de Barbacena

Leia mais

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno da Auditoria Interna da Auditoria Interna Versão 1.0 Data de criação 08/06/2015 Data de modificação N/A Tipo de documento Índice 1. Objetivo... 4 2. Atuação... 4 3. Missão da Auditoria Interna... 4 4.

Leia mais

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto)

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) (Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) dezembro, 2013 CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome do Diretor Carlos Alberto Martins Carvalho Escalão 9º Unidade Orgânica : Agrupamento

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Monitoria, mantido pela Faculdade de Medicina de Itajubá,

Leia mais

9. ORGANIZAÇÂO ADMINISTRATIVA

9. ORGANIZAÇÂO ADMINISTRATIVA 9. ORGANIZAÇÂO ADMINISTRATIVA 9.1 Estrutura Organizacional, Instâncias de Decisão e Organograma Institucional e Acadêmico (conforme Estatuto e Regimento Geral). O Instituto Federal de Ciência e Tecnologia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular

Leia mais

Art. 1º Aprovar, em extrato, o Instrumento de Avaliação para Reconhecimento de Cursos Superiores de Tecnologia, anexo a esta Portaria.

Art. 1º Aprovar, em extrato, o Instrumento de Avaliação para Reconhecimento de Cursos Superiores de Tecnologia, anexo a esta Portaria. SIC 01/09 Belo Horizonte, 06 de janeiro de 2009. RECONHECIMENTO. CURSOS DE TECNOLOGIA, BACHARE- LADO E LICENCIATURA, E DIREITO. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PORTARIAS Nºs 1, 2 E 3, PUBLICADAS DIA 06/01/09

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS Discutir e fomentar conhecimentos sobre a compreensão das potencialidades,

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL JAYME DE ALTAVILA- FEJAL FACULDADE CESMAC DO AGRESTE

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL JAYME DE ALTAVILA- FEJAL FACULDADE CESMAC DO AGRESTE FUNDAÇÃO EDUCACIONAL JAYME DE ALTAVILA- FEJAL FACULDADE CESMAC DO AGRESTE REGIMENTO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Arapiraca Alagoas 2013 Mantenedora: Fundação Educacional Jayme de Altavila FEJAL Mantida:

Leia mais

1.5. O candidato deverá indicar, no ato da inscrição, a área a qual está se candidatando.

1.5. O candidato deverá indicar, no ato da inscrição, a área a qual está se candidatando. EDITAL Nº 009/2016 SELEÇÃO DE MEMBROS DA COMISSÃO PERMANENTE DE ASSESSORIA DO ENADE DA FATENE Edital de Seleção de membros que constituirão a Comissão Permanente de Assessoria preparatória para o Exame

Leia mais

Controle de qualidade e fidedignidade das informações prestadas ao Censo Escolar e seus impactos nas políticas públicas.

Controle de qualidade e fidedignidade das informações prestadas ao Censo Escolar e seus impactos nas políticas públicas. Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Controle de qualidade e fidedignidade das informações prestadas ao Censo Escolar e seus impactos nas políticas

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA DA UEPG SINAES ENADE 2010

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA DA UEPG SINAES ENADE 2010 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA DA UEPG SINAES ENADE 2010 Ponta Grossa 2012 REITORIA Reitor João Carlos Gomes Vice-reitor Carlos Luciano Sant Ana Vargas PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO

Leia mais