POLÍTICA ANTI-FRAUDE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICA ANTI-FRAUDE"

Transcrição

1 1/9 POLÍTICA ANTI-FRAUDE Índice 1. Objectivo Âmbito de Aplicação Definições Compromisso Formas de Actuação Conflito de Interesses Decisões relativas a Contratos, Compras ou Serviços Divulgação de Dados Contratação de Pessoal Donativos e Patrocínios Relações entre Colaboradores e Fornecedores de Serviços Relações entre Colaboradores e Clientes ou Terceiros Aprovação e Divulgação Implementação e Monitorização Registo de Condutas Data de Entrada em Vigor e Revisões... 6 ANEXO I MECANISMOS DE PREVENÇÃO E DETECÇÃO DE FRAUDE... 7 ANEXO II RISCO DE FRAUDE... 9

2 2/9 1. Objectivo. A Política Anti-Fraude (PAF) visa estabelecer as formas de actuação que devem ser observadas na Europ Assistance Companhia Portuguesa de Seguros, S.A., no sentido de evitar e detectar actividades fraudulentas que lhe possam causar dano financeiro ou na imagem institucional. 2. Âmbito de Aplicação A Política Anti-Fraude é parte integrante do CC Código de Conduta da Europ Assistance Companhia Portuguesa de Seguros, S.A.. Aplica-se a todos os Colaboradores da Europ Assistance, bem como aos seus Fornecedores de Serviços. As regras e princípios aqui estabelecidos têm carácter de aplicação geral e imperativo. O seu cumprimento não impede nem dispensa a Seguradora, os seus Colaboradores e Fornecedores de Serviços de atender ao restante enquadramento normativo, quer ele resulte de outras instruções internas ou de imperativos legais e regulamentares do sector. Em caso algum poderão estas regras e princípios contrariar aqueles imperativos. 3. Definições. A Política Anti-Fraude é parte integrante do Sistema de Controlo Interno e Gestão de Riscos e do Sistema de Gestão de Qualidade da Europ Assistance Companhia Portuguesa de Seguros, S.A.. Aplica-se a todos os Colaboradores da Europ Assistance, bem como aos seus Fornecedores de Serviços. Fraude: qualquer acto ou omissão de má-fé praticado no sentido de obter, de forma ilegítima, uma vantagem patrimonial ou não-patrimonial em proveito próprio ou de terceiros. Fraude interna: fraude cometida por um Colaborador ou Fornecedor de Serviços da Europ Assistance em prejuízo da Empresa. Fraude externa: fraude cometida por Clientes ou Terceiros em prejuízo da Empresa. Fraude própria: fraude cometida pela Europ Assistance em seu favor.

3 3/9 Colaboradores: aqueles que têm com a Europ Assistance uma relação de trabalho e que actuam em nome desta, independentemente da natureza do vínculo laboral. Fornecedores de Serviços: aqueles que possuem um contrato de prestação de serviços com a Europ Assistance no âmbito da actividade seguradora. Clientes: as pessoas jurídicas, singulares ou colectivas, que subscrevam um contrato de seguro com a Europ Assistance, bem como as pessoas seguras e utilizadores aí designados. Terceiros: as pessoas que intervenham num processo de assistência em nome ou a favor de Clientes, bem como as pessoas lesadas nalgum sinistro em que esteja envolvido um Cliente. Interlocutores: designação indiferenciada de Clientes ou Terceiros. 4. Compromisso A Administração da Europ Assistance compromete-se a não incorrer em actividades fraudulentas e a agir no sentido de evitar que estas sejam cometidas contra a Empresa, estendendo-se este dever a todos os Colaboradores e Fornecedores de Serviços. Não serão mantidas relações comerciais com entidades anteriormente condenadas por fraude ou outro acto ilícito e serão participados às autoridades competentes quaisquer actos que consubstanciem crime. 5. Formas de Actuação Conflito de Interesses Considera-se existir um conflito de interesses quando o interesse privado de uma das partes identificadas nesta Política colide, ou é passível de vir a colidir, com os interesses privados de outra, existindo a possibilidade de fraude. Para evitar um conflito de interesses deve ser observado o estrito cumprimento das condições contratuais acordadas entre as partes. Nos casos em que tal solução não seja eficaz, os Colaboradores e Fornecedores de Serviços da Europ Assistance devem comunicar o risco à respectiva estrutura decisória.

4 4/ Decisões relativas a Contratos, Compras ou Serviços As decisões relativas a contratos, compras ou serviços só podem ser tomadas por quem detiver poderes definidos para tais actos Divulgação de Dados É expressamente proibida aos Colaboradores e Fornecedores de Serviços da Europ Assistance a divulgação não autorizada de informação interna sujeita ao dever de sigilo, como sejam dados pessoais de Colaboradores, Fornecedores, Clientes e Terceiros, elementos relativos à gestão de sinistros ou a negociações contratuais, resultados de indicadores operacionais ou financeiros e decisões estratégicas Contratação de Pessoal A contratação de pessoal deve seguir os princípios de transparência e igualdade de tratamento. Informação adicional sobre o mecanismo de contratação de pessoal pode ser encontrada no procedimento G3-RH-01 Organigramas e Descrição de Funções Donativos e Patrocínios Os donativos e patrocínios da Europ Assistance devem respeitar os princípios aqui definidos e os consagrados no normativo legal e regulamentar do sector Relações entre Colaboradores e Fornecedores de Serviços Em nenhuma situação deverá um Colaborador da Europ Assistance agir por iniciativa própria em favor ou desfavor de um Fornecedor de Serviços Relações entre Colaboradores e Clientes ou Terceiros Em nenhuma situação deverá um Colaborador da Europ Assistance agir por iniciativa própria em favor ou desfavor de um Cliente ou Terceiro.

5 5/9 6. Aprovação e Divulgação. A Política Anti-Fraude deverá ser aprovada pela Administração da Europ Assistance Companhia Portuguesa de Seguros, S.A. e comunicada internamente a todos os Colaboradores e Fornecedores de Serviços. Deverá ainda encontrar-se permanentemente disponível e acessível em meio de divulgação interno, podendo esta divulgação não se verificar relativamente aos anexos que não digam respeito à função específica do Colaborador ou Fornecedor de Serviços. 7. Implementação e Monitorização. A observância das regras e princípios estabelecidos na presente Politica está sujeita aos procedimentos de auditoria existentes na Europ Assistance e aos requeridos pelo Instituto de Seguros de Portugal, devendo ser assegurada no quotidiano pelos diversos níveis hierárquicos, em particular pela Administração. Qualquer actividade fraudulenta suspeita deverá ser imediatamente investigada e reportada ao nível hierárquico superior, devendo assegurar-se o maior número possível de provas e o bom estado da documentação. O incumprimento poderá traduzir-se em procedimento disciplinar, dependendo as sanções aplicáveis da gravidade da situação, da legislação aplicável e dos modos de actuação previstos no Sistema de Controlo Interno e Gestão de Riscos e no Sistema de Gestão da Qualidade. Nos casos em que tal seja aplicável, a actividade fraudulenta deverá ser comunicada às autoridades. 8. Registo de Condutas. Deve ser mantido um registo de informação, com o devido suporte documental, relativo a condutas que configurem, ou haja suspeitas que possam vir a configurar, actos ou omissões fraudulentas. O arquivo relativo aos Colaboradores da Europ Assistance deve ser assegurado pelo Responsável de Recursos Humanos. O arquivo relativo a Clientes, Terceiros e Fornecedores deve ser assegurado pela Direcção de Assistência (e pela Direcção Comercial, nos casos em que tal seja aplicável).

6 6/9 9. Data de Entrada em Vigor e Revisões. A presente política entrou em vigor no dia 1 de Setembro de A Administração avaliará anualmente a necessidade da sua revisão. A Administração.

7 7/9 ANEXO I MECANISMOS DE PREVENÇÃO E DETECÇÃO DE FRAUDE Para além das formas de actuação acima descritas, devem ser considerados as regras e procedimentos que se seguem. 1. Regras e Procedimentos Gerais. - A Europ Assistance recusará qualquer relação com pessoas jurídicas, individuais ou colectivas, que se recusem a providenciar os respectivos elementos de identificação; - Todos os sinistros devem ser comprovados de alguma forma; - Deve ser assegurado o arquivo dos elementos inerentes a todos os processos de contratação e de prestação de serviços enquanto se verificar a relação contratual e, após terminada aquela relação, durante um período mínimo de 5 anos. 2. Clientes Contratantes. a. Pessoas Colectivas - Solicitação dos elementos de identificação e verificação da situação legal: actividade exercida, registo comercial, nacionalidade e identificação fiscal; - Exigência de assinatura de contrato; - Acompanhamento periódico da evolução de vendas, rentabilidade e cobranças. b. Clientes Individuais Solicitação dos elementos de identificação: nome, morada, número de identificação fiscal, nacionalidade, número do documento de identificação e data de nascimento. 3. Contratação de Fornecedores de Serviços. Os mecanismos de prospecção, tratamento de candidaturas e avaliação de Fornecedores de Serviços encontram-se descritos nos procedimentos do Sistema de Gestão da Qualidade respectivos, bem como os documentos a solicitar, as normas operativas e os critérios de selecção e de pontuação.

8 8/9 Está igualmente prevista a realização de visitas periódicas a fornecedores de reboque. 4. Gestão de Sinistros e Prestação de Serviços. a. Gestão de Sinistros - Solicitação do nome e contacto de qualquer Interlocutor; - Verificação do Titular da apólice, do número e data de validade da mesma e da matrícula da viatura, se aplicável, na base de dados; - Confirmação da existência da apólice ou da cobertura junto do Cliente Institucional quando não for possível a sua validação em base de dados; - Prestação de uma assistência condicionada em caso de dúvida; - Confirmação do sinistro no local e/ou solicitação de documentos comprovativos do mesmo; - Manutenção de um histórico de sinistros; - Recusa de pagamento de sinistros em que a Europ Assistance não tenha sido chamada a intervir, salvo motivo de força maior ou impossibilidade material de contacto devidamente comprovados; - Revisão regular dos processos de sinistro, no âmbito da actividade de controlo e supervisão. b. Pagamento de Serviços a Fornecedores - Emissão de uma ordem de trabalho (OT) por cada serviço realizado; - Verificação, após recepção da factura, do número de OT, do número de identificação fiscal, da tabela praticada e do serviço prestado; - Comparação entre o valor pré-valorizado e o valor facturado; - Revisão mensal de OTs com valor superior a

9 9/9 ANEXO II RISCO DE FRAUDE Dada a natureza da actividade desenvolvida, a Europ Assistance avalia o risco inicial de fraude como baixo (inferior a 100 K ). A implementação dos mecanismos acima identificados mitiga aquele risco, reduzindo-o ao nível de risco residual (inferior a 50 K ).

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS 1/5 POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVO... 1 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 1 3. DEFINIÇÕES... 1 4. PRINCÍPIOS DE ATUAÇÃO... 2 4.1. PRINCÍPIO DA NÃO DISCRIMINAÇÃO... 2 4.2. CONFLITO

Leia mais

APRESENTAÇÃO PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CONDUTA DE MERCADO. Instituto de Seguros de Portugal. 6 de Maio de 2009

APRESENTAÇÃO PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CONDUTA DE MERCADO. Instituto de Seguros de Portugal. 6 de Maio de 2009 APRESENTAÇÃO PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CONDUTA DE MERCADO Instituto de Seguros de Portugal 6 de Maio de 2009 1 OBJECTIVOS DA INICIATIVA REGULATÓRIA Estabelecimento de princípios gerais a observar

Leia mais

Julho de 2009 Informação Geral Relativa à Gestão de Reclamações

Julho de 2009 Informação Geral Relativa à Gestão de Reclamações Julho de 2009 Informação Geral Relativa à Gestão de Reclamações Regulamento da Política de Tratamento da Financial Insurance Company Limited, Sucursal em Portugal no Quadro do seu relacionamento com os

Leia mais

Politica de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho

Politica de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho Politica de Tratamento de Clientes e Terceiros Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho AXA Portugal, Companhia de Seguros, SA AXA Portugal, Companhia de Seguros de Vida, SA AXA

Leia mais

Artigo 1º ÂMBITO. Artigo 2º EQUIDADE, DILIGÊNCIA E TRANSPARÊNCIA

Artigo 1º ÂMBITO. Artigo 2º EQUIDADE, DILIGÊNCIA E TRANSPARÊNCIA REGULAMENTO DA POLÍTICA DE TRATAMENTO DA GENERALI NO QUADRO DO SEU RELACIONAMENTO COM OS TOMADORES DE SEGUROS, SEGURADOS, BENEFICIÁRIOS OU TERCEIROS LESADOS Artigo 1º ÂMBITO 1. O presente Regulamento consagra

Leia mais

Política Antifraude POLÍTICA ANTIFRAUDE

Política Antifraude POLÍTICA ANTIFRAUDE Política Antifraude Página 1 de 14 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. ÂMBITO E OBJECTIVO... 5 3. IMPLEMENTAÇÃO... 5 4. DEFINIÇÕES... 5 4.1. Fraude... 5 4.2. Política Anti-Fraude... 6 4.3. Fraude Externa... 6

Leia mais

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data:

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data: CÓDIGO de CONDUTA do Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica O Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica é a entidade concessionária da Rede Nacional de Transporte

Leia mais

Manual de utilização de viatura. Grupo Lena Africa Austral

Manual de utilização de viatura. Grupo Lena Africa Austral Manual de utilização de viatura Grupo Lena Africa Austral Revisão: 01 Data: 23 de Janeiro de 2014 Manual de Utilização de Viatura Introdução O objectivo deste Manual é informar cada Utilizador das condições

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo. Artigo 1º (Âmbito)

CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo. Artigo 1º (Âmbito) CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo Artigo 1º (Âmbito) 1. O presente Código de Conduta integra o conjunto das

Leia mais

Artigo 1º ÂMBITO. Artigo 3º INFORMAÇÃO E ESCLARECIMENTO

Artigo 1º ÂMBITO. Artigo 3º INFORMAÇÃO E ESCLARECIMENTO REGULAMENTO DA POLÍTICA DE TRATAMENTO DA EMPRESA DE SEGUROS SEGURADORAS UNIDAS, S.A. NO QUADRO DO SEU RELACIONAMENTO COM OS TOMADORES DE SEGUROS, SEGURADOS, BENEFICIÁRIOS OU TERCEIROS LESADOS Artigo 1º

Leia mais

ANEXO QUESTIONÁRIO ÍNDICE

ANEXO QUESTIONÁRIO ÍNDICE ANEXO QUESTIONÁRIO ÍNDICE INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO 2 DOCUMENTAÇÃO ADICIONAL A REMETER 2 ESTRUTURA DE GOVERNANCE 3 1. Estrutura Orgânica 3 2. Órgão de Administração (Conselho de administração/direcção)

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CÓDIGO DE CONDUTA

CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL (Aprovado em reunião do Conselho de Administração de 28 de Março de 2014) PREÂMBULO As fundações são instituições privadas sem

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RECLAMAÇÕES

POLÍTICA DE GESTÃO DE RECLAMAÇÕES 1/8 POLÍTICA DE GESTÃO DE RECLAMAÇÕES ÍNDICE 1. OBJETIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 1 2. DEFINIÇÕES... 2 3. PRINCÍPIOS E NORMAS DE ATUAÇÃO... 3 3.1. PRINCÍPIOS GERAIS...3 3.2. CONTACTO COM A EUROP ASSISTANCE...4

Leia mais

Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas Índice 1. Enquadramento... 2 2. Objectivos... 2 3. Âmbito do Plano... 3 4. Missão da Entidade... 3 5. Áreas avaliadas, Principais Riscos e formas de mitigação... 4 6. Mecanismos de Controlo... 9 7. Entidades

Leia mais

Provedoria do Cliente. Regulamento de Funcionamento

Provedoria do Cliente. Regulamento de Funcionamento Provedoria do Cliente Regulamento de Funcionamento Provedoria do Cliente da Abarca - Companhia de Seguros, SA Regulamento de Funcionamento Artigo 1.º - Objecto 1. O presente documento tem por objecto definir

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP)

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) Considerando a necessidade de se definir políticas, regras e procedimentos para o funcionamento do Conselho de Auditoria

Leia mais

MASCARENHAS BARBOSA ROSCOE S/A CONSTRUÇÕES POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS

MASCARENHAS BARBOSA ROSCOE S/A CONSTRUÇÕES POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS MASCARENHAS BARBOSA ROSCOE S/A CONSTRUÇÕES POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS Objetivo Estabelecer regras gerais para os processos de contratação de terceiros e obrigações básicas que devem ser adotadas

Leia mais

20 de Março de ª versão

20 de Março de ª versão L01 Politicas 20 de Março de 2017 3ª versão Banco BAI Europa, SA, sociedade anónima com sede na Av. António Augusto Aguiar, n.º130, 8º andar, em Lisboa, registada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

De destacar, a obrigatoriedade de igualdade de tratamento, pelo Empregador, entre o Trabalhador Nacional e o Trabalhador Estrangeiro.

De destacar, a obrigatoriedade de igualdade de tratamento, pelo Empregador, entre o Trabalhador Nacional e o Trabalhador Estrangeiro. O Decreto n.º 6/01, de 19 de Janeiro aprova o Regulamento Sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente, quer no sector público, quer no sector privado, tendo entrado

Leia mais

1. O que são serviços de valor acrescentado baseados no envio de mensagem?

1. O que são serviços de valor acrescentado baseados no envio de mensagem? PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) SERVIÇOS DE VALOR ACRESCENTADO BASEADOS NO ENVIO DE MENSAGEM 1. O que são serviços de valor acrescentado baseados no envio de mensagem? Os serviços de valor acrescentado baseados

Leia mais

Decreto n.º 6/01 de 19 de Janeiro - Regulamento sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente

Decreto n.º 6/01 de 19 de Janeiro - Regulamento sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente Decreto n.º 6/01 de 19 de Janeiro - Regulamento sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente e-mail: geral@info-angola.com portal: www.info-angola.com Página 1

Leia mais

DESTACAMENTO DE TRABALHADORES NO ÂMBITO DE UMA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Lei n.º 29/2017

DESTACAMENTO DE TRABALHADORES NO ÂMBITO DE UMA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. Lei n.º 29/2017 DESTACAMENTO DE TRABALHADORES NO ÂMBITO DE UMA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Lei n.º 29/2017 A Lei n.º 29/2017, de 30 de maio, veio transpor para a ordem jurídica interna a Diretiva 2014/67/UE, do Parlamento Europeu

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA. Para alcançar este objectivo, uma compilação dos princípios e das regras a seguir continuadamente quer internamente, quer

CÓDIGO DE CONDUTA. Para alcançar este objectivo, uma compilação dos princípios e das regras a seguir continuadamente quer internamente, quer CÓDIGO DE CONDUTA No mundo actual dos negócios reveste-se de particular relevância a ética pessoal e profissional de todos quantos colaboram numa empresa, respeitando, mediante uma adequada conduta, a

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 CÓDIGO DEONTOLÓGICO Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 ÍNDICE I- ÂMBITO E VIGÊNCIA... 3 II- RESUMO... 3 III- PRINCÍPIOS E REGRAS... 3 3.1. Organização e Funcionamento Internos... 3 3.2. Prestação

Leia mais

Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural

Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural A EDP Gás Serviço Universal, na observância dos Valores do Grupo EDP, designadamente de Transparência, Rigor, Integridade, Ética, Confiança,

Leia mais

POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS

POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS 13/5/2016 Informação Pública ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 PRINCÍPIOS... 4 5 DIRETRIZES... 5 6 RESPONSABILIDADES... 6 7 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 8 13/5/2016 Informação

Leia mais

POLÍTICA DE AQUISIÇÕES DE BENS E SERVIÇOS

POLÍTICA DE AQUISIÇÕES DE BENS E SERVIÇOS POLÍTICA DE AQUISIÇÕES DE BENS E SERVIÇOS 11/08/2017 INFORMAÇÃO PÚBLICA SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 PRINCÍPIOS... 4 5 DIRETRIZES... 5 6 RESPONSABILIDADES... 6 7 DISPOSIÇÕES

Leia mais

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética P. 1 de 6 Procedimento para a Aprovado em reunião do Conselho Fiscal de 3.12. P. 2 de 6 1. INTRODUÇÃO A Galp Energia, SGPS, S.A. (doravante Galp ) baseia o exercício da sua atividade em princípios de lealdade,

Leia mais

SERVIÇO DE GESTÃO DE RECLAMAÇÕES

SERVIÇO DE GESTÃO DE RECLAMAÇÕES O serviço de gestão de reclamações De acordo com o artigo nº 157.º da Lei n.º 14/2015, de 9 de Setembro, referente ao regime jurídico de acesso e exercício da actividade seguradora e resseguradora, as

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL MENSAGEM DO PRESIDENTE São nossos objectivos garantir que as nossas formas de estar e de comunicar sejam, em cada momento, sinónimo da transparência e da idoneidade com que actuamos na concretização das

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE À CORRUPÇÃO

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE À CORRUPÇÃO POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE À CORRUPÇÃO > VERSÃO 2 / 8 1. INTRODUÇÃO A Política de Prevenção à Lavagem de Dinheiro e Combate à Corrupção ( Política ) visa promover a adequação

Leia mais

AJUSTE DIRECTO/2014/18

AJUSTE DIRECTO/2014/18 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E ALUGUER DE PALCOS, CAMARINS E OUTROS EQUIPAMENTOS PARA INICIATIVA "CAIS DE FADO" A INSTALAR NA SERRA DO PILAR E MARGINAL DE GAIA AJUSTE DIRECTO/2014/18 CONTRAENTES:

Leia mais

Política de Gestão do Risco de Compliance

Política de Gestão do Risco de Compliance Política de Gestão do Risco de Compliance Classificação: Público Última Atualização: 23 de dezembro de 2016 ÍNDICE 1. ÂMBITO... 3 2. SISTEMA DE CONTROLO INTERNO... 3 3. RISCO DE COMPLIANCE E FUNÇÃO DE

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 24/16 de 16 de Novembro

INSTRUTIVO N.º 24/16 de 16 de Novembro INSTRUTIVO N.º 24/16 de 16 de Novembro ASSUNTO: DEVERES DE DILIGÊNCIA REFORÇADA Considerando o desenvolvimento do Sistema Financeiro Angolano, que exige o reforço da sensibilidade ao risco de branqueamento

Leia mais

VI - Política de Conflitos de Interesses

VI - Política de Conflitos de Interesses VI - Política de Conflitos de Interesses Nos termos e para os efeitos do disposto no Artigo 309.º-A e seguintes do Código dos Valores Mobiliários, descreve-se, em seguida, a politica de conflitos de interesses

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM. Capítulo I Disposições gerais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM. Capítulo I Disposições gerais CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto No exercício das suas funções, em particular nas relações com os restantes trabalhadores e com a CMVM,

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS Versão 001 Data 21-12-2011 Índice 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. VERSÃO... 4 4. ÂMBITO... 5 5. SIGLAS, ACRÓNIMOS E DEFINIÇÕES... 5 6. DOCUMENTOS ASSOCIADOS... 6 7. MISSÃO... 6 8. ÁREAS AVALIADAS,

Leia mais

Artigo 1º. Objecto da função 2. Artigo 2º. Estrutura, estatuto e mandato 2. Artigo 3º. Funções 3. Artigo 4º. Definição de reclamação 3

Artigo 1º. Objecto da função 2. Artigo 2º. Estrutura, estatuto e mandato 2. Artigo 3º. Funções 3. Artigo 4º. Definição de reclamação 3 Regulamento de funcionamento aplicável áo provedor do cliente referente à gestão de reclamações dos tomadores de seguros, segurados, beneficiários ou terceiros lesados da Atradius S.A. de Seguros y Reaseguros

Leia mais

BANCO DE POUPANÇA E CRÉDITO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO BPC

BANCO DE POUPANÇA E CRÉDITO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO BPC BANCO DE POUPANÇA E CRÉDITO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO BPC 1. INTRODUÇÃO A Política de Segurança da Informação, pode ser usada para definir as interfaces entre os utilizadores, fornecedores

Leia mais

Minuta de Contrato de Adesão ao Serviço de. Interruptibilidade. (ao abrigo da Portaria n.º 1309/2010)

Minuta de Contrato de Adesão ao Serviço de. Interruptibilidade. (ao abrigo da Portaria n.º 1309/2010) Minuta de Contrato de Adesão ao Serviço de Interruptibilidade (ao abrigo da Portaria n.º 1309/2010) Página 1 de 9 Condições Específicas do Contrato Entre A entidade identificada no Anexo e REN - Rede Eléctrica

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA CESCE - SUCURSAL EM PORTUGAL

CÓDIGO DE CONDUTA CESCE - SUCURSAL EM PORTUGAL CÓDIGO DE CONDUTA CESCE - SUCURSAL EM PORTUGAL No mundo actual dos negócios reveste-se de particular relevância a ética pessoal e profissional de todos quantos colaboram numa empresa, respeitando, mediante

Leia mais

Anexo ao Aviso n.º 4/2014 do Banco de Cabo Verde

Anexo ao Aviso n.º 4/2014 do Banco de Cabo Verde Anexo ao Aviso n.º 4/2014 do Banco de Cabo Verde Questionário sobre qualificação profissional, idoneidade e disponibilidade de membro do órgão de administração ou fiscalização de instituição financeira

Leia mais

Anexo 1 à Informação Técnica 31/2014

Anexo 1 à Informação Técnica 31/2014 Anexo 1 à Informação Técnica 31/2014 Quadro Comparativo após a republicação do Despacho Normativo n.º 18 A/2010, de 1de julho, alterado pelo Despacho Normativo 17/2014 de 26 de dezembro Artigo 1.º Objecto

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO O ISQ sendo hoje uma grande organização, com larga implantação nacional e uma presença estabelecida internacionalmente, é fundamental que caracterizemos

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR. Instituto de Seguros de Portugal. 18 de Novembro de 2010

AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR. Instituto de Seguros de Portugal. 18 de Novembro de 2010 AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR Instituto de Seguros de Portugal 18 de Novembro de 2010 1 ÍNDICE 1. O INTERESSE DO CONSUMIDOR NA ACTUAÇÃO DO ISP 2. INICIATIVAS

Leia mais

Unidade de Informação Financeira. Guia de preenchimento da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas ( DIPD )

Unidade de Informação Financeira. Guia de preenchimento da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas ( DIPD ) Unidade de Informação Financeira Guia de preenchimento da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas ( DIPD ) Índice 1. Objectivo da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas (DIPD)... 3

Leia mais

Portaria n.º 369/2004, de 12 de Abril

Portaria n.º 369/2004, de 12 de Abril Regime de intervenção das entidades acreditadas em acções ligadas ao processo de verificação das condições técnicas e de segurança a observar na instalação e manutenção das balizas de futebol, de andebol,

Leia mais

Requisitos de controlo de fornecedores externos. Controlo de colaboradores

Requisitos de controlo de fornecedores externos. Controlo de colaboradores Requisitos de controlo de fornecedores externos Controlo de colaboradores Requisito de controlo * Oportunidade Âmbito Descrição Porque é importante 1. Verificação da Verificar a identidade de um indivíduo

Leia mais

Definição de procedimentos a serem observados com vista à tomada de decisão

Definição de procedimentos a serem observados com vista à tomada de decisão Riscos Identificados PO GC Medidas de prevenção Identificação dos Responsáveis Boas Práticas Exercício ético e profissional de funções Quebra de deveres funcionais e valores de independência, integridade,

Leia mais

NOTA JUSTIFICATIVA. A Lei n.º 35/2014, de 20 de junho, que aprovou a Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas,

NOTA JUSTIFICATIVA. A Lei n.º 35/2014, de 20 de junho, que aprovou a Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas, Coimbra, janeiro 2017 NOTA JUSTIFICATIVA A Lei n.º 35/2014, de 20 de junho, que aprovou a Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas, abreviadamente designada por LTFP veio regular o vínculo de trabalho

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 13/2014. investidores privados externos

Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 13/2014. investidores privados externos Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 13/2014 ASSUNTO: OPERAÇÕES DE INVISÍVEIS CORRENTES - Transferências para o exterior de lucros ou dividendos dos investidores

Leia mais

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR-LVT

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR-LVT Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Código de Ética e Conduta Profissional Agosto 2009 Código de Ética e Conduta Profissional Um Código de Ética e Conduta Profissional

Leia mais

Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas. Endesa Brasil

Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas. Endesa Brasil Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas Endesa Brasil ÍNDICE 3 3 3 3 4 6 6 1. Objeto 2. Alcance 3. Aplicação 4. Conceitos 5. Conteúdo 6. Responsabilidades

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 191/X. Exposição de Motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 191/X. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 191/X Exposição de Motivos O exercício ilícito da actividade de segurança privada põe em causa bens jurídicos pessoais da maior dignidade, como a vida, a integridade física e a liberdade,

Leia mais

Questionário de auto avaliação

Questionário de auto avaliação Anexo II Nome do requerente Nome pessoa que obriga a sociedade NUIT Morada: Endereço para correspondência Nome da Pessoa de Contacto Tel.: Fax: E-mail: Estatuto jurídico do requerente Data de constituição

Leia mais

Regulamento de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing)

Regulamento de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing) Regulamento de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing) REGULAMENTO DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES 1 Princípios Gerais A Caixa Económica Montepio Geral, nos termos do Regime Geral das Instituições

Leia mais

PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A.

PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A. PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A. 16 de dezembro de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA O presente Código de Conduta estabelece o conjunto de princípios e valores em matéria de ética profissional

Leia mais

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex.

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex. 1 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Disposições Gerais Os sistemas de informação, a infraestrutura tecnológica, os arquivos de dados e as informações internas ou externas, são considerados importantes

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE PROPOSTAS DE MEDIDAS DE APERFEIÇOAMENTO DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA

SEMINÁRIO SOBRE PROPOSTAS DE MEDIDAS DE APERFEIÇOAMENTO DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA SEMINÁRIO SOBRE PROPOSTAS DE MEDIDAS DE APERFEIÇOAMENTO DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA Projecto de Decreto Presidencial que Estabelece o Regime Jurídico de Vinculação e de Contribuição da Protecção Social

Leia mais

Índice PLANO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS. Código: COD. 2 Rev. 01 Data

Índice PLANO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS. Código: COD. 2 Rev. 01 Data Código: COD. 2 Rev. 01 Data 27-12-2011 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Objetivo... 3 3. Versão... 4 4. Âmbito... 4 5. Siglas, Acrónimos e Definições... 5 6. Documentos Associados... 5 7. Missão... 5 8.

Leia mais

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2 Rede D Or São Luiz Sumário 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz...2 1.1. Objetivos...2 1.2. Abrangência...2 1.3. Diretrizes...2 Diretriz Econômica...2 Diretriz Social...3 Diretriz Ambiental...4

Leia mais

POLÍTICA ANTI CORRUPÇÃO

POLÍTICA ANTI CORRUPÇÃO POLÍTICA ANTI CORRUPÇÃO Rev. 00 1. Objetivo A Salinas Embalagem vem reforçar, em consonância com a legislação em vigor, seu posicionamento de repúdio e de apoio ao combate a corrupção. Embalagem. 2. Abrangência

Leia mais

PARPÚBLICA. Política de Gestão de Risco de Fraude. Março de 2010

PARPÚBLICA. Política de Gestão de Risco de Fraude. Março de 2010 PARPÚBLICA Política de Gestão de Risco de Fraude Março de 2010 Índice Pág. 1 Política de Gestão de Risco de Fraude da Parpública 3 1.1 Introdução 3 1.1.1 Declaração 3 1.1.2 Definição 3 2 Detalhe da Politica

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES GALP ENERGIA, SGPS, S.A.

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES GALP ENERGIA, SGPS, S.A. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES GALP ENERGIA, SGPS, S.A. 1. INTRODUÇÃO A Galp Energia baseia o exercício da sua atividade em princípios de lealdade, correção, honestidade, transparência e integridade,

Leia mais

Data da última atualização Agente Autônomo de Investimento

Data da última atualização Agente Autônomo de Investimento Procedimento Data da última atualização Agente Autônomo de Investimento 10.05.2017 1. Objetivo: O objetivo deste procedimento é estabelecer as regras e diretrizes das atividades dos Agentes Autônomos de

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO 1/8 POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO Tabela de Revisões Versão Data Motivo de Revisão 1 2011 2 Primeira versão aprovada pelo Conselho de Administração a 02/02/2011 e pela Assembleia Geral a 31/03/2011. Revisão

Leia mais

Os nossos meios promocionais fornecem uma mensagem clara e adequada ao segmento que o Produto ou Serviço é suposto servir.

Os nossos meios promocionais fornecem uma mensagem clara e adequada ao segmento que o Produto ou Serviço é suposto servir. PRINCÍPIOS DA RELAÇÃO COM OS CLIENTES Entendemos que nos fundamentos de uma empresa estão as Necessidades dos seus Clientes. E, em consequência, percebemos a Confiança dos Clientes como um factor de Fidelização.

Leia mais

Artigo 1º. Objecto, âmbito de aplicação e aprovação 2. Artigo 2º. Departamento de Atenção ao Cliente e Nomeação do seu Responsável 2

Artigo 1º. Objecto, âmbito de aplicação e aprovação 2. Artigo 2º. Departamento de Atenção ao Cliente e Nomeação do seu Responsável 2 Regulamento de funcionamento aplicável á gestão de reclamações dos tomadores de seguros, segurados, beneficiários ou terceiros lesados da Atradius S.A. de Seguros y Reaseguros (Sucursal em Portugal). Indice

Leia mais

ATHENA CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA

ATHENA CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA ATHENA CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS Data de Vigência : Junho de 2016 VERSÃO VIGENTE 1. Introdução 1.1 A Athena Capital Gestão de Recursos Ltda ( Athena Capital ),

Leia mais

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010

Leia mais

POLÍTICA DE ANTICORRUPÇÃO E SUBORNO

POLÍTICA DE ANTICORRUPÇÃO E SUBORNO POLÍTICA DE ANTICORRUPÇÃO E SUBORNO 1. OBJETIVO Estabelecer os princípios de combate à corrupção no relacionamento da Cantoplex com seus Fornecedores, Clientes e Órgãos Públicos. 2. ABRANGÊNCIA Aplica-se

Leia mais

PROJETO DE NORMA REGULAMENTAR GESTÃO DE RECLAMAÇÕES POR MEDIADORES DE SEGUROS

PROJETO DE NORMA REGULAMENTAR GESTÃO DE RECLAMAÇÕES POR MEDIADORES DE SEGUROS PROJETO DE NORMA REGULAMENTAR GESTÃO DE RECLAMAÇÕES POR MEDIADORES DE SEGUROS A adequada e oportuna gestão das reclamações que podem emergir no âmbito da atividade seguradora é um dos aspetos relevantes

Leia mais

Mais informações e atualizações desta obra em

Mais informações e atualizações desta obra em Título: Regime jurídico aplicável aos Call Centers Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas: 11 páginas Formato: PDF (Portable Document Format) Data:

Leia mais

2.6 O documento CP Ficha de inscrição deve ser assinado de forma a garantir a autenticidade da informação prestada.

2.6 O documento CP Ficha de inscrição deve ser assinado de forma a garantir a autenticidade da informação prestada. 1. Introdução 1.1 Este regulamento tem como objetivo descrever os requisitos gerais do funcionamento do organismo de certificação de pessoas (OCP) da AIPOR. 1.2 O processo de acreditação do OCP foi concebido

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E À FRAUDE

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E À FRAUDE POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E À FRAUDE 11/08/2017 INFORMAÇÃO PÚBLICA SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 3 4 CONCEITOS... 4 5 DIRETRIZES... 5 6 ORIENTAÇÕES GERAIS...

Leia mais

POLÍTICA DE PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS

POLÍTICA DE PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS POLÍTICA DE PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS Atlas Seguros Consultores e Corretores de Seguros, S.A. 12 de maio de 2017 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO E ÂMBITO... 3 3. REGRAS E PROCEDIMENTOS... 3 4.

Leia mais

AVISO N.º 03/2013 de 22 de Abril

AVISO N.º 03/2013 de 22 de Abril Publicado no Diário da República, I série, nº 74, de 22 de Abril AVISO N.º 03/2013 de 22 de Abril ASSUNTO:SUPERVISÃO PRUDENCIAL EM BASE CONSOLIDADA Havendo necessidade de definir os termos e as condições

Leia mais

A informação como prevenção do conflito. Isabel Andrade Álvaro Carvalho

A informação como prevenção do conflito. Isabel Andrade Álvaro Carvalho A informação como prevenção do conflito Isabel Andrade Álvaro Carvalho Encontro Nacional de Entidades Gestoras Coimbra, 4 de dezembro de 2013 A importância da informação aos utilizadores Abastecimento

Leia mais

SISTEMA ELETRÓNICO EUROPEU DE PORTAGEM (SEEP) PROCEDIMENTO DE REGISTO DE FORNECEDOR SEEP PORTUGAL. Versão de dezembro de 2014

SISTEMA ELETRÓNICO EUROPEU DE PORTAGEM (SEEP) PROCEDIMENTO DE REGISTO DE FORNECEDOR SEEP PORTUGAL. Versão de dezembro de 2014 SISTEMA ELETRÓNICO EUROPEU DE PORTAGEM (SEEP) PROCEDIMENTO DE REGISTO DE FORNECEDOR SEEP PORTUGAL (EETS PROVIDER REGISTRATION PROCEDURE - PORTUGAL) Versão 1.0 31 de dezembro de 2014 Nos termos da Decisão

Leia mais

Política de tratamento de Clientes BPI Vida e Pensões, S.A.

Política de tratamento de Clientes BPI Vida e Pensões, S.A. Política de tratamento de Clientes BPI Vida e Pensões, S.A. Janeiro de 2016 1 Índice Enquadramento... 3 Regulamento da Política de Tratamento dos Tomadores de Seguro, Segurados, Beneficiários ou Terceiros

Leia mais

Secretaria-Geral. Ministério da Economia e da Inovação. Secretaria-Geral

Secretaria-Geral. Ministério da Economia e da Inovação. Secretaria-Geral Ministério da Economia e da Inovação DIPLOMAS Decreto-Lei nº 186/2003 de 20 de Agosto Ministério da Economia Decreto-Lei nº 8/2005 de 6 de Janeiro Ministério das Actividades Económicas e do Trabalho Decreto-Lei

Leia mais

provedoria do Cliente regulamento

provedoria do Cliente regulamento CAPITULO I - PRINCIPIOS GERAIS Artigo 1.º - Objeto 1- O presente documento tem por objecto definir o estatuto do Provedor do Cliente das seguintes companhias de seguro: a. Ageas Portugal, Companhia de

Leia mais

Publicado em Diário da República Iª Série, nº 51 de 30 de Março de 2017 AVISO N.º 03/2017

Publicado em Diário da República Iª Série, nº 51 de 30 de Março de 2017 AVISO N.º 03/2017 Publicado em Diário da República Iª Série, nº 51 de 30 de Março de 2017 AVISO N.º 03/2017 ASSUNTO: POLÍTICA MONETÁRIA - ISENÇÃO DE COMISSÕES NO ÂMBITO DOS SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Considerando o desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS Índice 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. VERSÃO... 4 4. ÂMBITO... 4 5. SIGLAS, ACRÓNIMOS E DEFINIÇÕES... 5 6. DOCUMENTOS ASSOCIADOS... 6 7. MISSÃO... 6 8. Áreas avaliadas, principais riscos e medidas

Leia mais

Carlos Alberto Rodrigues Ballesteros Amaral Firme. Nacionalidade: Portuguesa Documento de Identificação:

Carlos Alberto Rodrigues Ballesteros Amaral Firme. Nacionalidade: Portuguesa Documento de Identificação: Questionário/Declaração para avaliação dos membros do órgão de administração e fiscalização e dos titulares de funções essenciais do BANIF BANCO INTERNACIONAL DO FUNCHAL, S.A. 1. ENQUADRAMENTO DO PEDIDO

Leia mais

Controles Internos POLÍTICA DE SIGILO E CONFIDENCIALIDADE

Controles Internos POLÍTICA DE SIGILO E CONFIDENCIALIDADE Controles Internos POLÍTICA DE SIGILO E CONFIDENCIALIDADE 1. O presente Código de Conduta tem também como objetivo estabelecer a política de sigilo e confidencialidade e de proteção propriedade intelectual

Leia mais

André Silva Saint-Gobain Weber Portugal, S.A. Contratação de Empresas Externas Aspectos da SHST

André Silva Saint-Gobain Weber Portugal, S.A. Contratação de Empresas Externas Aspectos da SHST André Silva Saint-Gobain Weber Portugal, S.A. Contratação de Empresas Externas Aspectos da SHST Escola Profissional de Aveiro Auditório Eng.º Victor Matos 4 de Maio de 2011 Aspectos da SHST na Contratação

Leia mais

MANUAL ACORDO QUADRO COMBUSTIVEIS RODOVIÁRIOS

MANUAL ACORDO QUADRO COMBUSTIVEIS RODOVIÁRIOS Fundamentos do Acordo Quadro MANUAL ACORDO QUADRO COMBUSTIVEIS RODOVIÁRIOS 2.1.1 Objecto e constituição de lotes O acordo quadro estabelece as condições jurídicas, técnicas e económicas para a aquisição

Leia mais

Fundamento da não adopção. Recomendação Adoptada Total / Parcial Não adoptada. 1. Princípios Gerais

Fundamento da não adopção. Recomendação Adoptada Total / Parcial Não adoptada. 1. Princípios Gerais Recomendação Adoptada / Parcial Não adoptada As instituições devem adoptar uma politica de remuneração consistente com uma gestão e controlo de riscos eficaz que evite uma excessiva exposição ao risco,

Leia mais

GRUPO FIDELIDADE Código de Conduta Ética e Profissional. Referência Este documento só pode ser reproduzido na íntegra. 1/7

GRUPO FIDELIDADE Código de Conduta Ética e Profissional. Referência Este documento só pode ser reproduzido na íntegra. 1/7 GRUPO FIDELIDADE Código de Conduta Ética e Profissional Referência Este documento só pode ser reproduzido na íntegra. 1/7 CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA E PROFISSIONAL As regras de Conduta Ética e Profissional

Leia mais

REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA

REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA índice Páginas 5 1. OBJETO E ÂMBITO DO REGULAMENTO 2. COMPOSIÇÃO DO COMITÉ DE ÉTICA 6 7 8 3. COMPETÊNCIAS DO COMITÉ DE ÉTICA 4. FUNCIONAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA 5. SUPERVISÃO

Leia mais

Decreto-Lei nº 134/2009, de 2 de Junho

Decreto-Lei nº 134/2009, de 2 de Junho Diploma consolidado Decreto-Lei nº 134/2009, de 2 de Junho No mercado actual, o relacionamento entre o consumidor e a empresa é cada vez menos presencial, tendo vindo a assistir-se a uma aposta na prestação

Leia mais

2.2 Diligência, eficiência e responsabilidade Relacionamento com a comunicação social... 5

2.2 Diligência, eficiência e responsabilidade Relacionamento com a comunicação social... 5 Índice 1. Âmbito de aplicação... 2 2. Princípios Gerais 2.1 Integridade... 2 2.2 Diligência, eficiência e responsabilidade... 2 2.3 Igualdade de Tratamento e a não discriminação... 3 2.4 Lealdade e cooperação...

Leia mais

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO

NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO NORMA REGULAMENTAR N.º 8/2009-R, DE 4 DE JUNHO MECANISMOS DE GOVERNAÇÃO NO ÂMBITO DOS FUNDOS DE PENSÕES GESTÃO DE RISCOS E CONTROLO INTERNO 1. OBJECTIVOS DA NORMA REGULAMENTAR O que se pretende com a introdução

Leia mais

RANSP. RÊNCIA Código de conduta da FPC

RANSP. RÊNCIA Código de conduta da FPC RANSP RÊNCIA Código de conduta da FPC Código de Conduta O Código de Conduta da Fundação Portuguesa das Comunicações (FPC) apresenta dois objetivos fundamentais: regular as obrigações de transparência,

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS ESTÁTER ASSESSORIA FINANCEIRA LTDA. JUNHO/2016

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS ESTÁTER ASSESSORIA FINANCEIRA LTDA. JUNHO/2016 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS da ESTÁTER ASSESSORIA FINANCEIRA LTDA. JUNHO/2016 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Política de Investimentos Pessoais... 4 2 1. Introdução 1.1 Sumário Esta Política de Investimentos

Leia mais

NORMA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO NA GESTÃO DE RECURSOS DE TERCEIROS

NORMA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO NA GESTÃO DE RECURSOS DE TERCEIROS NORMA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO NA GESTÃO DE RECURSOS DE TERCEIROS Versão: setembro/2016 1. OBJETIVO Em conformidade com as diretrizes de Prevenção à Lavagem

Leia mais