BANCO DE POUPANÇA E CRÉDITO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO BPC

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BANCO DE POUPANÇA E CRÉDITO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO BPC"

Transcrição

1 BANCO DE POUPANÇA E CRÉDITO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO BPC

2 1. INTRODUÇÃO A Política de Segurança da Informação, pode ser usada para definir as interfaces entre os utilizadores, fornecedores e parceiros e para medir a qualidade e a segurança da informação dos sistemas actuais. Esta política é um conjunto de regras que determina qual deve ser o comportamento das pessoas que se relacionam com a organização, no que se refere ao tratamento da informação. O Conselho de Administração deve comprometer-se e apoiar a Política de Segurança da Informação como instrumento para proteção das informações organizacionais, objectivando a continuidade das operações e a confiança da comunidade envolvida nos seus processos. 2. OBJECTIVO A Política de Segurança da Informação, visa estabelecer as directrizes e princípios para o desenvolvimento da política e procedimentos de segurança da informação, orientar quanto às responsabilidades e o uso adequado das informações e dos activos relacionados por parte dos utilizadores, sejam esses colaboradores e fornecedores que tenham acesso às informações do Banco de Poupança e Crédito. 3. METODOLOGIA Fica instituída, no âmbito do Banco de Poupança e Crédito, a Política de Segurança da Informação, de forma a assegurar que as informações e seus activos, de propriedade do Banco ou custodiados, sejam protegidos e utilizados de forma a garantir sua confidencialidade, integridade, disponibilidade e autenticidade, de acordo com a lei, a ética e visando garantir a continuidade na prestação dos serviços aos clientes e o compromisso com a sociedade angolana. A Política de Segurança da Informação é composta por directrizes de segurança da informação, além das normas e procedimentos específicos. O cumprimento da Política, normas e procedimentos de segurança da informação é responsabilidade de todos que acedam às informações e aos activos de informação do BPC. A Política de Segurança da Informação está alinhada aos objetivos de segurança da informação do Banco, que protegem a informação e seus activos contra incidentes que possam causar impactos ao negócio e afirmam a sua imagem e a reputação perante o mercado e a sociedade.

3 3.1 ABRANGÊNCIA A Política de Segurança da Informação aplica-se aos utilizadores das informações e aos activos de informação do BPC. Os contractos firmados pelo BPC, que envolvam acesso às informações e a utilização de activos de informação, devem conter cláusulas de confidencialidade, pactuando com a Política de Segurança da Informação. 3.2 PROPRIEDADE E GESTÃO DOS ACTIVOS DA INFORMAÇÃO As informações e os activos da informação disponibilizados pelo Banco, independentemente da forma de sua apresentação ou guarda, são propriedade do Banco. Os terceiros que geram ou disponibilizam activos de informação para uso exclusivo do Banco, ficam obrigados ao sigilo permanente de tais produtos, sendo vedada a sua veiculação e reutilização em projectos para outrem, a menos que expressamente autorizado pelo Banco. As informações do Banco são geridas pelos gestores da informação, que são indicados dos pelo Subcomité de Segurança da Informação, mediante aprovação do Conselho de Administração. Os gestores devem designar as actividades dos seus colaboradores de forma a respeitar a segregação das funções e evitar que funções conflituantes sejam realizadas pela mesma pessoa, ou mesmo perfil de acesso, e nem conceder-lhe total acesso aos processos. 3.3 PROTECÇÃO DA INFORMAÇÃO E SEUS ACTIVOS Toda informação gerada no Banco deve ser classificada quanto à sua confidencialidade em termos de seu valor, requisitos legais e necessidade de acesso. Os activos de informação devem ser física e logicamente resguardados, além de protegidos nos acessos locais e a partir da rede de computadores e da internet. 3.4 GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Compete à Administração do BPC, a gestão da segurança da informação por intermédio do Subcomité de Segurança da Informação e da DTI/Gabinete de Segurança da Informação, actuarem conforme as suas atribuições.

4 A implementação de um Sistema de Gestão da Segurança da Informação (SGSI), deve ser apoiada por normas e procedimentos de segurança da informação, com o objectivo de prevenir e gerir os riscos associados à informação. 3.5 ACESSO E USO DOS ACTIVOS DA INFORMAÇÃO As credenciais de acesso dos utilizadores aos activos de informação são pessoais, únicos, intransferíveis e de responsabilidade do seu titular. Os acessos às informações ficam restritos a pessoas que tenham necessidade de conhecê-las para o desenvolvimento das suas atribuições profissionais. Compete aos utilizadores de informação e os seus activos: A) Cumprir as directrizes definidas na Política de Segurança da Informação, além das normas e dos procedimentos de segurança da informação estabelecidos pelo Banco; B) Utilizar as informações e os seus activos exclusivamente para fins relacionados ao desempenho de suas funções; C) O comprometimento em não utilizar, revelar ou divulgar a terceiros, em proveito próprio ou de terceiros, qualquer informação, classificada ou não, que tenha ou venha a ter conhecimento em razão de suas funções no Banco, mesmo depois de terminado o vínculo com o Banco. Deve ser monitorado, periodicamente, o acesso e a utilização dos activos da informação, ressalvadas as correspondências eletrónicas de carácter particular, com a finalidade de detectar divergência com a Política de Segurança da Informação do Banco. 3.6 CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS A continuidade das actividades do Banco deve ser preservada, reduzindo a um período aceitável a interrupção causada por desastres ou falhas de segurança, adoptando-se a combinação de acções de prevenção, administração de crise e recuperação, considerando as pessoas, processos, ambientes e tecnologias.

5 3.7 SANÇÕES O incumprimento dos preceitos da Política de Segurança da Informação do Banco implicará a aplicação de processos disciplinares previstos nos regulamentos internos, nas cláusulas de responsabilidade e sigilo, nas disposições contratuais, sem prejuízo, se for o caso, das sanções previstas na lei. Havendo indício de crime, serão os factos levados ao conhecimento da autoridade policial, para instauração do respectivo inquérito, sem prejuízo das medidas de natureza cível. 3.8 DISPOSIÇÕES FINAIS A Administração está comprometida com a melhoria contínua do Sistema de Gestão de Segurança da Informação. 4. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Os documentos abaixo servem de base e corroboram com a Política de Segurança da Informação: Código de Ética e Deontologia Profissional do Banco. BNT NBR ISSO 27001:2013 Tecnologia da Informação- Técnicas de Segurança- Sistemas de Segurança da Informação - Requisitos.

6 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO BPC

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex.

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex. 1 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Disposições Gerais Os sistemas de informação, a infraestrutura tecnológica, os arquivos de dados e as informações internas ou externas, são considerados importantes

Leia mais

Portaria da Presidência

Portaria da Presidência 01 RESOLVE: O Presidente da Fundação Oswaldo Cruz, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo creto de 29 de dezembro de 2008 1.0 PROPÓSITO Instituir a Política de Segurança da Informação e Comunicações

Leia mais

POLÍTICA. TÍTULO: PLT-SGR Política do SGSI - SISTEMA DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO

POLÍTICA. TÍTULO: PLT-SGR Política do SGSI - SISTEMA DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO 1/5 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO 0000536 - André Delgado- SEGURANCA Danielle Souza; Oscar Zuccarelli; HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA REV. ALTERAÇÕES Atualização do item 2.2 - Solicitar

Leia mais

Política de segurança da informação Normas

Política de segurança da informação Normas Política de Segurança das Informações Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas Anhanguera Taboão da Serra Normas 2 BS 7799 (elaborada pela British Standards Institution). ABNT NBR ISO/IEC

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 3.1 DISPOSIÇÕES INICIAIS...

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo. Artigo 1º (Âmbito)

CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo. Artigo 1º (Âmbito) CÓDIGO DE CONDUTA DA AGÊNCIA PARA O INVESTIMENTO E COMÉRCIO EXTERNO DE PORTUGAL, E.P.E. (AICEP) CAPÍTULO I - Âmbito e Objectivo Artigo 1º (Âmbito) 1. O presente Código de Conduta integra o conjunto das

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas

Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança e Auditoria de Sistemas ABNT NBR ISO/IEC 27002 0. Introdução 1 Roteiro Definição Justificativa Fontes de Requisitos Análise/Avaliação de Riscos Seleção de Controles Ponto de Partida Fatores Críticos

Leia mais

POLÍTICA ANTI-FRAUDE

POLÍTICA ANTI-FRAUDE 1/9 POLÍTICA ANTI-FRAUDE Índice 1. Objectivo.... 2 2. Âmbito de Aplicação... 2 3. Definições.... 2 4. Compromisso... 3 5. Formas de Actuação.... 3 5.1. Conflito de Interesses... 3 5.2. Decisões relativas

Leia mais

Divisão de Controles Internos e Compliance 19/08/2016

Divisão de Controles Internos e Compliance 19/08/2016 1 Área responsável pelo assunto 1.1 Diretoria de Governança, Risco e Compliance. 2 Abrangência 2.1 Esta Política aplica-se à BB Seguridade Participações S.A. ( BB Seguridade ou Companhia ) e suas subsidiárias

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 01/IN01/CGSI 01 26/03/2014 1/11 ORIGEM Comitê Gestor de Segurança da Informação CGSI. REFERÊNCIA LEGAL E NORMATIVA I. Lei nº 8.112, de 11 de novembro de 1990, que dispõe sobre o regime jurídico dos servidores

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 12/5/2017 INFORMAÇÃO PÚBLICA ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 CONCEITOS... 3 4 ESTRUTURA NORMATIVA... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES... 6 7 AÇÕES

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação Eng. SERGIO VILLARREAL Conteúdo Introdução Conceitos Normas e SGSI Profissionais da SI Atividades Duração: 2 h 1 Introdução Informação Ativo mais importante das organizações Empresas

Leia mais

Certificação ISO no

Certificação ISO no Certificação ISO 27001 no Instituto t de Informática, I.P. (MTSS) 30-11-2010 1 Agenda O Instituto t de Informática, I.P.; Sistema de Gestão Integrado (ISO 9001, 27001, 20000) Manutenção da Certificação

Leia mais

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data:

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data: CÓDIGO de CONDUTA do Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica O Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica é a entidade concessionária da Rede Nacional de Transporte

Leia mais

Política de Compliance

Política de Compliance Política de Compliance 1 Objetivo O objetivo desta Política é estabelecer diretrizes e procedimentos que assegurem o cumprimento das normas de Compliance definidas pelo Grupo VEOLIA e, que essas normas

Leia mais

Global Standard for Food Safety Issue 5 - BRC

Global Standard for Food Safety Issue 5 - BRC Global Standard for Food Safety Issue 5 - BRC http://www.brc.org.uk/standards Luísa Pestana Bastos 1 Referencial Global para a Segurança Alimentar 2 OBJECTIVO Desenvolvido para ajudar as empresas a cumprir

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina. Política de Segurança da Informação e Comunicações (POSIC)

Universidade Federal de Santa Catarina. Política de Segurança da Informação e Comunicações (POSIC) Universidade Federal de Santa Catarina Política de Segurança da Informação e Comunicações (POSIC) Documento elaborado pelo Comitê de Segurança da Informação e Comunicação (COSIC) instituído pela Portaria

Leia mais

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS Política de Continuidade de Ne POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS 11/08/2017 INFORMAÇÃO PÚBLICA SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Código de Ética Elaborado em Janeiro de 2016 Atualizado em Junho de 2016 1. INTRODUÇÃO Este Código de Ética estabelece as regras e princípios que nortearão os padrões éticos e de conduta profissional,

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 CÓDIGO DEONTOLÓGICO Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 ÍNDICE I- ÂMBITO E VIGÊNCIA... 3 II- RESUMO... 3 III- PRINCÍPIOS E REGRAS... 3 3.1. Organização e Funcionamento Internos... 3 3.2. Prestação

Leia mais

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e Learning. Sistema de

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e Learning. Sistema de Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

Superintendência de Riscos e Controles 15/03/2017

Superintendência de Riscos e Controles 15/03/2017 1 Área responsável pelo assunto 1.1 Superintendência de Riscos e Controles. 2 Abrangência 2.1 Esta Política orienta o comportamento da BB Seguridade e suas sociedades controladas. Espera-se que as empresas

Leia mais

POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Este material foi elaborado pela DOMO INVEST Gestora de Ativos Financeiros e Valores Mobiliários Ltda. ( DOMO Invest ou Gestora ) e não pode ser

Leia mais

Classificação Código Revisão Emissão Folha. Política de Segurança da Informação e Comunicação. Universidade Federal do Ceará ORIGEM

Classificação Código Revisão Emissão Folha. Política de Segurança da Informação e Comunicação. Universidade Federal do Ceará ORIGEM P01/STI/UFC 04 05/06/2013 1/8 Universidade Federal do Ceará Secretaria de Tecnologia da Informação Política de Segurança da Informação e Comunicação ORIGEM Secretaria de Tecnologia da Informação REFERENCIA

Leia mais

Por Constantino W. Nassel

Por Constantino W. Nassel NORMA ISO 9000 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 REQUISITOS E LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO Por Constantino W. Nassel CONTEÚDOS O que é a ISO? O que é a ISO 9000? Histórico Normas

Leia mais

ÂMBITO. Política de gestão COMPROMISSOS SOCIEDADES

ÂMBITO. Política de gestão COMPROMISSOS SOCIEDADES ÂMBITO Política de gestão COMPROMISSOS SOCIEDADES ÂMBITO Somos uma organização destinada a soluções de mobilidade: rotação,estacionamento ordenado e reboque. ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO (ACTIVIDADES) -

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação 14 de fevereiro 2017 Define as diretrizes e regras de Segurança da Informação da Cetip. Versão da Política: Data de criação: Próxima atualização: Área Responsável: 2ª

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Agosto de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Continuação do Domínio de Processos PO (PO4, PO5

Leia mais

Manual de Compliance, Regras, Procedimentos e Controles Internos

Manual de Compliance, Regras, Procedimentos e Controles Internos MANUAL - ECO GESTÃO DE ATIVOS PAG.: 1 de 7 Manual de Compliance, Regras, Procedimentos e MANUAL - ECO GESTÃO DE ATIVOS PAG.: 2 de 7 ÍNDICE 1) Introdução...3 2) Responsabilidade da Área...3 3) Monitoramento

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CÓDIGO DE CONDUTA

CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL (Aprovado em reunião do Conselho de Administração de 28 de Março de 2014) PREÂMBULO As fundações são instituições privadas sem

Leia mais

Relatório de Conformidade 2013

Relatório de Conformidade 2013 Relatório de Conformidade 2013 março de 2014 Responsável de Conformidade Índice 1. Introdução... 3 2. Obrigações... 3 Independência e Autonomia de Gestão... 3 Não Discriminação... 4 Confidencialidade da

Leia mais

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS 1 ÍNDICE Siglas... 3 1.Introdução... 4 2.Objeto... 4 3. Âmbito de aplicação... 4 4. Princípios gerais... 4 5. Princípios básicos.7 6. Disposições

Leia mais

MANUAL DE CONDUTA EM MÍDIAS SOCIAIS

MANUAL DE CONDUTA EM MÍDIAS SOCIAIS MANUAL DE CONDUTA EM MÍDIAS SOCIAIS 1- Introdução Este manual expõe condutas, comportamentos e atitudes que a Empresa espera de seus empregados e prestadores de serviços no ambiente digital. Essas diretrizes

Leia mais

POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS

POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS 13/5/2016 Informação Pública ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 PRINCÍPIOS... 4 5 DIRETRIZES... 5 6 RESPONSABILIDADES... 6 7 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 8 13/5/2016 Informação

Leia mais

POLÍTICA DE AQUISIÇÕES DE BENS E SERVIÇOS

POLÍTICA DE AQUISIÇÕES DE BENS E SERVIÇOS POLÍTICA DE AQUISIÇÕES DE BENS E SERVIÇOS 11/08/2017 INFORMAÇÃO PÚBLICA SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 PRINCÍPIOS... 4 5 DIRETRIZES... 5 6 RESPONSABILIDADES... 6 7 DISPOSIÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO. Secretaria de Tecnologia da Informação

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO. Secretaria de Tecnologia da Informação MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Tecnologia da Informação Departamento de Infraestrutura e Serviços de Tecnologia da Informação Boas práticas, orientações e vedações para contratação

Leia mais

Auditoria de Sistemas de Informação. Prof. Eugênio Guimarães de Souza Esp. em Governança de TI

Auditoria de Sistemas de Informação. Prof. Eugênio Guimarães de Souza Esp. em Governança de TI Auditoria de Sistemas de Prof. Eugênio Guimarães de Souza Esp. em Governança de TI Globalização => disseminação da informação; É mais fácil interceptar a informação; Empresários deixam de tomar decisões

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 01/2013 de 22 de Março RELATÓRIO SOBRE A GOVERNAÇÃO CORPORATIVA E SISTEMA DE CONTROLO INTERNO

INSTRUTIVO N.º 01/2013 de 22 de Março RELATÓRIO SOBRE A GOVERNAÇÃO CORPORATIVA E SISTEMA DE CONTROLO INTERNO INSTRUTIVO N.º 01/2013 de 22 de Março ASSUNTO: RELATÓRIO SOBRE A GOVERNAÇÃO CORPORATIVA E SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Havendo necessidade de se regulamentar o envio de informação ao Banco Nacional de Angola

Leia mais

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e- Learning Sistema de

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e- Learning Sistema de Curso e- Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

Norma Permanente Assunto: Política de Proteção da Livre Concorrência Código da Norma: NAD-40 Data da publicação: 01/09/2015

Norma Permanente Assunto: Política de Proteção da Livre Concorrência Código da Norma: NAD-40 Data da publicação: 01/09/2015 Página 1 de 5 Resumo: Estabelece as diretrizes e regras gerais para garantir a proteção da livre concorrência nas atividades da Duratex S.A. e suas subsidiárias (Organização). Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas. Prof. Alessandra Bussador

Segurança e Auditoria de Sistemas. Prof. Alessandra Bussador Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Alessandra Bussador Objetivos Segurança da informação Garantir a continuidade do negócio; Minimizar as perdas do negócio pela prevenção e redução do impacto de incidentes

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS Versão 001 Data 21-12-2011 Índice 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. VERSÃO... 4 4. ÂMBITO... 5 5. SIGLAS, ACRÓNIMOS E DEFINIÇÕES... 5 6. DOCUMENTOS ASSOCIADOS... 6 7. MISSÃO... 6 8. ÁREAS AVALIADAS,

Leia mais

ADAM CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE SEGURANÇA DAS INFORMAÇÕES

ADAM CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE SEGURANÇA DAS INFORMAÇÕES ADAM CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE SEGURANÇA DAS INFORMAÇÕES Data de elaboração: 27.06.2016 Versão: 1.0 ÍNDICE POLÍTICA DE SEGURANÇA DAS INFORMAÇÕES... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Objetivos...

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

Política de Prevenção à. Corrupção

Política de Prevenção à. Corrupção Política de Prevenção à Corrupção Versão atualizada 22.04.2015 Page 1 of 5 1. OBJETIVOS A Política de Prevenção à Corrupção ( Política ) tem o objetivo de estabelecer as diretrizes para detectar e sanar

Leia mais

CB.POL a. 1 / 7

CB.POL a. 1 / 7 CB.POL-.01 4 a. 1 / 7 1. CONTEÚDO DESTE DOCUMENTO Esta política estabelece diretrizes e responsabilidades para a implementação e manutenção do Sistema de Controles Internos integrado ao Gerenciamento de

Leia mais

01/03/2011. Política de Segurança de Informações - Managrow Asset Management

01/03/2011. Política de Segurança de Informações - Managrow Asset Management 01/03/2011 Política de Segurança de Informações - Managrow Asset Management Política de Segurança de Informações 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado pela área de Compliance para definir os parâmetros

Leia mais

Sistema de Registro de Garantias sobre Veículos Automotores

Sistema de Registro de Garantias sobre Veículos Automotores Sistema de Registro de Garantias sobre Veículos Automotores Sumário CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Seção I - Objetivos... 3 CAPÍTULO II DA INCLUSÃO DE INFORMAÇÕES... 4 Seção I - Informações Objeto

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 98, DE 4 DE MAIO DE 2016.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 98, DE 4 DE MAIO DE 2016. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 98, DE 4 DE MAIO DE 2016. Institui o Sistema Eletrônico de Informações no âmbito da Agência Nacional de Aviação. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Sistemas de Responsabilidades 1 Filosofia Europeia para a SST Directiva Europeia 89/391/CEE SST: deve ser assumida nas empresas como uma obrigação de resultados(e não de meios)

Leia mais

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS PERSPECTIVA: TRE/RN e Sociedade Objetivo 1: Primar pela satisfação do cliente de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) Descritivo: Conhecer e ouvir o cliente

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Novembro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Finalizar o conteúdo da Disciplina Governança de

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015 Sócios / Administração 1 / 5 Índice 1. Introdução... 3 2. Governança Socioambiental... 3 3. Diretrizes... 4 4. Divulgação... 5 5. Armazenamento e

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados do Banrisul Sumário: 1. Introdução... 1 2. Objetivo... 1 3. Princípios e Diretrizes... 1 4. Governança...

Leia mais

Sistema de Registro de Garantias sobre Veículos Automotores

Sistema de Registro de Garantias sobre Veículos Automotores Sistema de Registro de Garantias sobre Veículos Automotores Sumário CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Seção I - Objetivos... 3 CAPÍTULO II DA INCLUSÃO DE INFORMAÇÕES... 4 Seção I - Informações Objeto

Leia mais

Aspectos importantes como a autenticação e autorização. Tipos de ameaças: Atividade não autorizada; Downloads não autorizados; Redes: local de transmi

Aspectos importantes como a autenticação e autorização. Tipos de ameaças: Atividade não autorizada; Downloads não autorizados; Redes: local de transmi MODELO DE REFERÊNCIA DE SEGURANÇA Criado para definir uma arquitetura de rede confiável e que implemente uma política de segurança, que consiste em uma série de regras, procedimentos, autorizações e negações

Leia mais

Gerenciamento de Crises e Continuidade do Negócio

Gerenciamento de Crises e Continuidade do Negócio Gerenciamento de Crises e Continuidade do Negócio Palestrante Washington Grimas Arquiteto de Soluções de TI ITIL COBIT PMI TOGAF DOCENTE Objetivos Conceitos e Definições Fatores Críticos de Sucesso Normatizações

Leia mais

A Prevenção à Lavagem de Dinheiro e a Governança. Carlos Donizeti Macedo Maia Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários

A Prevenção à Lavagem de Dinheiro e a Governança. Carlos Donizeti Macedo Maia Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários A Prevenção à Lavagem de Dinheiro e a Governança Carlos Donizeti Macedo Maia Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários 1 Compliance e PLD As instituições financeiras (Ifs) são obrigadas,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES

POLÍTICA DE SEGURANÇA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES POLÍTICA DE SEGURANÇA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES Versão 2.0 21/10/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 7 5 Diretrizes... 8 6 Responsabilidades...

Leia mais

Banco Safra S.A. Política Corporativa de Prevenção e Combate a Fraudes

Banco Safra S.A. Política Corporativa de Prevenção e Combate a Fraudes Banco Safra S.A. Política Corporativa de Prevenção e Combate a Fraudes 1/5 1. OBJETIVO A Política Corporativa de Prevenção e Combate a Fraudes, doravante denominada neste documento POLÍTICA, estabelece

Leia mais

Requisitos de controlo de fornecedores externos. Controlo de colaboradores

Requisitos de controlo de fornecedores externos. Controlo de colaboradores Requisitos de controlo de fornecedores externos Controlo de colaboradores Requisito de controlo * Oportunidade Âmbito Descrição Porque é importante 1. Verificação da Verificar a identidade de um indivíduo

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini   / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Aula N : 11 Tema:

Leia mais

Índice PLANO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS. Código: COD. 2 Rev. 01 Data

Índice PLANO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS. Código: COD. 2 Rev. 01 Data Código: COD. 2 Rev. 01 Data 27-12-2011 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Objetivo... 3 3. Versão... 4 4. Âmbito... 4 5. Siglas, Acrónimos e Definições... 5 6. Documentos Associados... 5 7. Missão... 5 8.

Leia mais

CENTRO DE RECURSOS BIBLIOTECA. Capítulo I Definição, Objectivos e Âmbito de Acção

CENTRO DE RECURSOS BIBLIOTECA. Capítulo I Definição, Objectivos e Âmbito de Acção CENTRO DE RECURSOS BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE BRAGANÇA (ESAB) REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Definição, Objectivos e Âmbito de Acção Artigo 1º A Biblioteca da Escola Superior Agrária de Bragança

Leia mais

Segurança - Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Segurança. Mundo Virtual X Mundo Real 18/08/11. Segurança em Redes de Computadores

Segurança - Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Segurança. Mundo Virtual X Mundo Real 18/08/11. Segurança em Redes de Computadores Segurança - Conceitos Básicos Segurança em Redes de Computadores Conceitos Básicos O que é? É a condição de estar protegido de perigo ou perda. tem que ser comparada e contrastada com outros conceitos

Leia mais

estgf escola superior de tecnologia e gestão de Felgueiras REGULAMENTO DO USO DOS RECURSOS INFORMÁTICOS DA ESTGF

estgf escola superior de tecnologia e gestão de Felgueiras REGULAMENTO DO USO DOS RECURSOS INFORMÁTICOS DA ESTGF estgf escola superior de tecnologia e gestão de Felgueiras REGULAMENTO DO USO DOS RECURSOS INFORMÁTICOS DA ESTGF estgf escola superior de tecnologia e gestão de Felgueiras ARTIGO 1º (DEFINIÇÕES) Para efeitos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS ESTÁTER ASSESSORIA FINANCEIRA LTDA. JUNHO/2016

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS ESTÁTER ASSESSORIA FINANCEIRA LTDA. JUNHO/2016 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS da ESTÁTER ASSESSORIA FINANCEIRA LTDA. JUNHO/2016 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Política de Investimentos Pessoais... 4 2 1. Introdução 1.1 Sumário Esta Política de Investimentos

Leia mais

Protecção de Dados na Informação de Saúde

Protecção de Dados na Informação de Saúde Protecção de Dados na Informação de Saúde Proteção de Dados um Direito Fundamental Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973) Convenção 108 do Conselho da Europa (1981); Diretiva 95/46/CE Carta

Leia mais

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos Junho de 2016 ÍNDICE POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... 2 (A) Objetivo... 2 (B) Abrangência... 2 (C) Princípios Gerais... 2 (D) Diretrizes...

Leia mais

COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE Considerando que a,s.a. ( Sociedade Interessada ) tem interesse em analisar a eventual participação no projecto de da sociedade ( Promotora ), vem a Sociedade Interessada

Leia mais

20 de Março de ª versão

20 de Março de ª versão L01 Politicas 20 de Março de 2017 3ª versão Banco BAI Europa, SA, sociedade anónima com sede na Av. António Augusto Aguiar, n.º130, 8º andar, em Lisboa, registada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

Controles Internos POLÍTICA DE SIGILO E CONFIDENCIALIDADE

Controles Internos POLÍTICA DE SIGILO E CONFIDENCIALIDADE Controles Internos POLÍTICA DE SIGILO E CONFIDENCIALIDADE 1. O presente Código de Conduta tem também como objetivo estabelecer a política de sigilo e confidencialidade e de proteção propriedade intelectual

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO O ISQ sendo hoje uma grande organização, com larga implantação nacional e uma presença estabelecida internacionalmente, é fundamental que caracterizemos

Leia mais

Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas Índice 1. Enquadramento... 2 2. Objectivos... 2 3. Âmbito do Plano... 3 4. Missão da Entidade... 3 5. Áreas avaliadas, Principais Riscos e formas de mitigação... 4 6. Mecanismos de Controlo... 9 7. Entidades

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS JUNHO DE 2016 Sumário POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... 3 1 Objetivo... 3 2 Abrangência... 3 3 Princípios Norteadores... 3 4 Diretrizes... 4 5 Responsabilidades... 4 6 Endereço

Leia mais

BONSUCESSO ASSET ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA

BONSUCESSO ASSET ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA ELABORAÇÃO: APROVAÇÃO: COMPLIANCE JULIANA PENTAGNA GUIMARÃES Diretoria da Sociedade LEANDRO SALIBA Diretoria da Sociedade INDICE 1. OBJETIVO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. POLÍTICAS... 2 4. COMPETÊNCIAS...

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL 0 8 0 0 7 2 9 1 1 1 2 w w w. b b p r e v i d e n c i a. c o m. b r Código de Ética da BB Previdência Fundo de Pensão Banco do Brasil Introdução

Leia mais

01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. do CLIENTE / UTENTE

01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. do CLIENTE / UTENTE 14 07 10 01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES do CLIENTE / UTENTE Preâmbulo Tendo como referência o Código de Ética, a Carta dos Direitos e Deveres do Cliente reforça o compromisso da APCC com

Leia mais

VI - Política de Conflitos de Interesses

VI - Política de Conflitos de Interesses VI - Política de Conflitos de Interesses Nos termos e para os efeitos do disposto no Artigo 309.º-A e seguintes do Código dos Valores Mobiliários, descreve-se, em seguida, a politica de conflitos de interesses

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.474, DE 31 DE MARÇO DE 2016

RESOLUÇÃO Nº 4.474, DE 31 DE MARÇO DE 2016 RESOLUÇÃO Nº 4.474, DE 31 DE MARÇO DE 2016 Dispõe sobre a digitalização e a gestão de documentos digitalizados relativos às operações e às transações realizadas pelas instituições financeiras e pelas demais

Leia mais

COMUNIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DA ÁFRICA AUSTRAL FUNDO EUROPEU DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA CAPACIDADE INSTITUCIONAL.

COMUNIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DA ÁFRICA AUSTRAL FUNDO EUROPEU DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA CAPACIDADE INSTITUCIONAL. COMUNIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DA ÁFRICA AUSTRAL FUNDO EUROPEU DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA CAPACIDADE INSTITUCIONAL Contexto A Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral

Leia mais

POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS ÍNDICE POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS... 2 I. Apresentação... 2 II. Abrangência... 2 III. Objetivos... 2 IV. Estrutura... 3 A. Sub- Comitê de Compliance...

Leia mais

Gestão Avançada. ada de Sistemas de Abastecimento de Água. António Jorge Monteiro, IST Helena Alegre, LNEC Dídia Covas, IST

Gestão Avançada. ada de Sistemas de Abastecimento de Água. António Jorge Monteiro, IST Helena Alegre, LNEC Dídia Covas, IST Gestão Avançada ada de Sistemas de Abastecimento de Água Gestão Avançada ada de Sistemas de Abastecimento de Água António Jorge Monteiro, IST Helena Alegre, LNEC Dídia Covas, IST Laboratório Nacional de

Leia mais

SAFEMODE Código de Conduta Ética e Profissional. Referência Este documento só pode ser reproduzido na íntegra. 1/8

SAFEMODE Código de Conduta Ética e Profissional. Referência Este documento só pode ser reproduzido na íntegra. 1/8 SAFEMODE Código de Conduta Ética e Profissional Referência Este documento só pode ser reproduzido na íntegra. 1/8 CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA E PROFISSIONAL O mercado em geral é hoje altamente competitivo

Leia mais

FREGUESIA DE OLIVEIRA DO DOURO

FREGUESIA DE OLIVEIRA DO DOURO FREGUESIA DE OLIVEIRA DO DOURO REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO Página 1 Artigo 1º Objecto 1 - O presente regulamento tem por objectivo estabelecer as regras, métodos e procedimentos de controlo que permitam

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC NÃO CONFORMIDADES MAIS FREQUENTES

ABNT NBR ISO/IEC NÃO CONFORMIDADES MAIS FREQUENTES ABNT NBR ISO/IEC 17025 NÃO CONFORMIDADES MAIS FREQUENTES Item 4.1 Organização Legalidade do laboratório Trabalhos realizados em instalações permanentes Atendimento aos requisitos da Norma, necessidades

Leia mais

Cibersegurança - aspetos económicos - Um desafio ou uma oportunidade?

Cibersegurança - aspetos económicos - Um desafio ou uma oportunidade? Cibersegurança - aspetos económicos - Um desafio ou uma oportunidade? 5 Prioridades fundamentais ENQUADRAMENTO Alcançar a resiliência do ciberespaço Reduzir drasticamente a cibercriminalidade Desenvolver

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade INFOCAP TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA A presente Política regula as condições gerais de coleta, uso, armazenamento, tratamento e proteção de dados nos sites, plataformas e aplicações

Leia mais

GABINETE DA INTEGRIDADE E RIGOR NA INVESTIGAÇÃO E PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA

GABINETE DA INTEGRIDADE E RIGOR NA INVESTIGAÇÃO E PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA GABINETE DA INTEGRIDADE E RIGOR NA INVESTIGAÇÃO E PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA J. Guilherme Tralhão Centro Hospitalar Universitário de Coimbra Serviço de Cirurgia A Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Please note: this document is only available in Portuguese language Anmerkung: Dieses Dokument ist nur in portugiesischer Sprache verfügbar Leia atentamente os termos e condições abaixo Em atenção e respeito

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS JUNHO / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... Erro! Indicador não definido. 1.1. Objetivo...1 1.2. Abrangência...2 1.3. Princípios...2 1.4. Diretrizes...2 1.5. Responsabilidades...3

Leia mais

AUTORIZAÇÃO N.º ICP ANACOM - 2/ SP

AUTORIZAÇÃO N.º ICP ANACOM - 2/ SP AUTORIZAÇÃO N.º ICP ANACOM - 2/2012 - SP O Vice-Presidente do Conselho de Administração do ICP-Autoridade Nacional de Comunicações (ICP-ANACOM), decide, nos termos do artigo 5.º do Decreto-Lei n.º 150/2001,

Leia mais

REGULAMENTO DE LABORATÓRIOS DO ISPAJ

REGULAMENTO DE LABORATÓRIOS DO ISPAJ REGULAMENTO DE LABORATÓRIOS DO ISPAJ Versão aprovada em CD de 08 de Junho de 2015 Documento Regulamento de Laboratórios do ISPAJ Data 08/06/2015 Conselho de Direcção 08/06/2015 Data entrega Assembleia

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Junho/2016 Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda. 1. Objetivo Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles a serem observados para

Leia mais

ISQC1 Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1. Encontro na Ordem

ISQC1 Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1. Encontro na Ordem Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1 Encontro na Ordem 1 Aspectos a Abordar 1. Entrada em Vigor 2. Objectivos do ISQC1 3. Elementos do Sistema de Controlo de Qualidade 4. Aspectos Práticos

Leia mais