REGULAMENTO DE COMUNICAÇÃO INTERNA DE IRREGULARIDADES Aprovação: Aprovado em CA, 17/09/2015, Ata nº37 Data: 03 de setembro de 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DE COMUNICAÇÃO INTERNA DE IRREGULARIDADES Aprovação: Aprovado em CA, 17/09/2015, Ata nº37 Data: 03 de setembro de 2015"

Transcrição

1 REGULAMENTO DE COMUNICAÇÃO INTERNA DE IRREGULARIDADES Aprovação: Aprovado em CA, 17/09/2015, Ata nº37 Data: 03 de setembro de 2015 Modificações: Pag. 1/6

2 ÍNDICE SERVIÇO DE AUDITORIA INTERNA Capítulo I - Disposições Gerais...3 Artigo 1.º - Objetivo...3 Artigo 2.º -Âmbito...3 Artigo 3.º -Conceito de irregularidades...4 Capítulo II - Estrutura...4 Artigo 4.º -Órgãos...4 Artigo 5.º - Competências...4 Capítulo III - Comunicação...5 Artigo 6.º -Modo de Comunicação...5 Artigo 7.º -Confidencialidade...5 Artigo 8.º -Garantia dos declarantes...5 Artigo 9.º -Relatório de atividades...5 Capítulo IV - Disposições Finais...6 Artigo 10.º -Alterações ao regulamento...6 Artigo 11.º - Início de vigência...6 Pag. 2/6

3 REGULAMENTO INTERNO Considerando que nos termos do disposto na alínea b), do nº 2, do artigo 17º, do Decreto-Lei nº 244/2012, de 9 de Novembro, alterado pelo Decreto Lei nº12/2015 de 26 de janeiro é dever do Serviço de Auditoria Interna "receber as comunicações de irregularidades sobre a organização e funcionamento do hospital E.P.E. apresentadas pelos demais órgãos estatutários, trabalhadores, colaboradores, utentes e cidadãos em geral." De acordo com o previsto no nº 1, do artigo 17º-A do mesmo Decreto-Lei, "o hospital E.P.E dispõe de um sistema de controlo interno e de comunicação de irregularidades, competindo ao Conselho de Administração assegurar a sua implementação e manutenção e ao auditor interno a responsabilidade pela sua avaliação." Assim, considerando o disposto no Decreto- Lei nº 12/2015, o Conselho de Administração do Hospital Distrital da Figueira da Foz, E.P.E. (HDFF, EPE), deliberou aprovar o presente Regulamento sobre os procedimentos a adotar em matéria de comunicação interna de irregularidades, nos termos a seguir enunciados: Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Objetivo 1. O presente Regulamento tem como objetivo a criação de um sistema, que permita a todos os colaboradores do HDFF, EPE comunicar, de forma livre e consciente, situações que configurem: a) Violações de princípios e disposições legais, regulamentares e deontológicas por parte dos membros dos órgãos estatutários, trabalhadores, fornecedores de bens e prestadores de serviços no exercício dos seus cargos profissionais; b) Dano, abuso ou desvio relativo ao património do HDFF, EPE ou dos utentes; c) Prejuízo à imagem ou reputação do HDFF, EPE. Artigo 2.º Âmbito 1. O sistema consiste no estabelecimento de um conjunto de regras e procedimentos internos para a receção, registo e tratamento de comunicações de irregularidades recebidas, em conformidade com as disposições legais e regulamentares, em cada momento aplicáveis, as regras, princípios e valores plasmados no Código de Ética do HDFF, EPE e os princípios de confidencialidade e não retaliação a salvaguardar nas relações com os declarantes. Pag. 3/6

4 2. Este sistema constitui um mecanismo complementar da atividade regular do HDFF, EPE, devendo apenas ser utilizado nos casos em que não seja objetivamente justificável o uso dos demais mecanismos de comunicação interna ou decorrentes da ordem jurídica nacional, revestindo assim, a natureza de dispositivo subsidiário, nos termos e com as limitações descritas neste Regulamento. Artigo 3.º Conceito de irregularidades 1. Consideram-se irregularidades, todos os atos ou omissões, dolosos ou negligentes, ocorridos no âmbito da atividade do HDFF, EPE, contrários às disposições legais ou regulamentares, às disposições estatutárias ou às regras ou princípios éticos e imputáveis a membros dos órgãos estatutários ou demais dirigentes, diretores, quadros e restantes colaboradores (independentemente da sua posição hierárquica ou do seu vínculo), bem como fornecedores de bens e prestadores de serviços no exercício dos seus cargos profissionais. 2. Não serão consideradas irregularidades, para os efeitos aqui previstos, as reclamações apresentadas quanto à qualidade dos serviços prestados pelo HDFF, EPE., nem qualquer factualidade que exceda o âmbito supra definido. Capítulo II Estrutura Artigo 4.º Órgãos 1. Os órgãos responsáveis pelo sistema de comunicação de irregularidades são: a) Conselho de Administração; b) Auditor Interno. Artigo 5.º Competências 1. O Conselho de Administração assegura a implementação e manutenção do sistema de comunicação de irregularidades; 2. O Auditor Interno é responsável pela avaliação do sistema de comunicação de irregularidades. Pag. 4/6

5 Capítulo III Comunicação Artigo 6.º Modo de Comunicação 1. A comunicação de irregularidades deverá ser remetida ao Auditor Interno, via para o endereço de correio eletrónico criado exclusivamente para esse efeito, ou através de via postal para a seguinte morada: Gala , Figueira da Foz. Artigo 7.º Confidencialidade 1. Qualquer comunicação de irregularidades abrangida pelo presente Regulamento será tratada como confidencial, garantindo-se o anonimato do seu autor, salvo se este expressa e inequivocamente solicitar o contrário. 2. A informação comunicada ao abrigo do presente Regulamento será utilizada única e exclusivamente para as finalidades nele previsto. Artigo 8.º Garantia dos declarantes 1. O HDFF, EPE, não poderá demitir, discriminar, ameaçar, suspender, reprimir ou intentar outras retaliações para com os seus colaboradores que comuniquem ou forneçam alguma informação ou assistência no âmbito das averiguações das comunicações de irregularidades apresentadas. 2. Contudo, a conduta daqueles que denunciem indícios de práticas irregulares com manifesta falsidade ou má-fé, assim como daqueles que infrinjam o dever de confidencialidade, constituirá uma infração suscetível de ser objeto de sanção disciplinar adequada e proporcional à infração, sem prejuízo da responsabilidade civil e/ou criminal que possa advir para o autor da prática da referida conduta. Artigo 9.º Relatório de atividades 1. O Serviço de Auditoria Interna elaborará, anualmente, um relatório sobre a atividade desenvolvida no âmbito do presente Regulamento e proporá ao Conselho de Administração as alterações que considere necessárias para a melhoria e aperfeiçoamento do procedimento de comunicação de irregularidades. Pag. 5/6

6 Capítulo IV Disposições Finais Artigo 10.º Alterações ao regulamento 1. O HDFF, EPE reserva-se de, a todo o tempo, alterar as regras constantes deste Regulamento, sempre que tal se revele necessário. Em tal caso, os colaboradores serão devidamente informados. Artigo 11.º Início de vigência 1. O presente regulamento entra em vigor imediatamente após a sua aprovação. Pag. 6/6

PROCEDIMENTO INTERNO

PROCEDIMENTO INTERNO 1. Objetivo Definir as regras e procedimentos do sistema de comunicação interna de irregularidades. 2. Aplicação Centro Hospitalar Cova da Beira, EPE 3. Definições CHCB Centro Hospitalar Cova da Beira,

Leia mais

Jr" Comunicação Interna de Irregularidades

Jr Comunicação Interna de Irregularidades UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DO ALTO MINHO, E.P.E. Conse1b~Qe Admlr.!5tra!L~O. 11 Olr sessão N.Q~ Data {..!t..jjllt~lb Jr" Comunicação Interna de Irregularidades Artigo 1 Objetivo e âmbito o presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO (WHISTLEBLOWING) DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES 1/6

REGULAMENTO (WHISTLEBLOWING) DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES 1/6 REGULAMENTO DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES (WHISTLEBLOWING) 1/6 Artigo 1.º Âmbito e Aplicação 1. A NOS, SGPS, S.A. (a NOS ou a Sociedade ) adota o presente Regulamento, o qual tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Regulamento de comunicação interna de irregularidades

Regulamento de comunicação interna de irregularidades Regulamento de comunicação interna de irregularidades Serviço de Auditoria Interna Capítulo I - Enquadramento De acordo com o disposto na alínea b) do n.º 2 do artigo 17.º do anexo II do Decreto-Lei n.º

Leia mais

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS A ADOPTAR EM MATÉRIA DE COMUNICAÇÃO INTERNA DE IRREGULARIDADES

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS A ADOPTAR EM MATÉRIA DE COMUNICAÇÃO INTERNA DE IRREGULARIDADES REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS A ADOPTAR EM MATÉRIA DE COMUNICAÇÃO INTERNA DE IRREGULARIDADES 1.Enquadramento O gabinete de Auditoria Interna (GAI) é o órgão social responsável pela avaliação do controlo

Leia mais

REGULAMENTO DE COMUNICAÇÃO INTERNA DE IRREGULARIDADES

REGULAMENTO DE COMUNICAÇÃO INTERNA DE IRREGULARIDADES Nome: REGULAMENTO Regulamento de Comunicação Interna de Irregularidades Ref.ª N.º Revisão SAI 02 00 Aplica-se a: Órgãos estatutários, trabalhadores, colaboradores, utentes e cidadãos em geral REGULAMENTO

Leia mais

Comunicação interna de irregularidades. Regulamento

Comunicação interna de irregularidades. Regulamento Comunicação interna de irregularidades Regulamento Regulamento de Comunicação interna de irregularidades Elaborado em 2014 Autor: Fernandina Oliveira Auditora Interna Índice 0 - Enquadramento... 2 1 Objetivo...

Leia mais

CH.ue"r. Conselho de Administração CHUC. E UNIVERSITÁRIO DE CaIM RA. Regulamento sobre comunicação de irregularidades

CH.uer. Conselho de Administração CHUC. E UNIVERSITÁRIO DE CaIM RA. Regulamento sobre comunicação de irregularidades " " CH.ue"r. Conselho de Administração CHUC CENTRO HOSPITALAR E UNIVERSITÁRIO DE CaIM RA Introdução... 3 Artigo 1 - Enquadramento Legal... 4 Artigo 2 - Objetivos... 4 Artigo 3 - Âmbito de Aplicação do

Leia mais

REGULAMENTO DE COMUNICAÇÕES DE IRREGULARIDADES DA EDA

REGULAMENTO DE COMUNICAÇÕES DE IRREGULARIDADES DA EDA REGULAMENTO DE COMUNICAÇÕES DE IRREGULARIDADES DA EDA Nos termos da alínea j) do artigo 5.º do Regulamento do Conselho Fiscal da EDA, Electricidade dos Açores, S. A., e em conformidade com a alínea j)

Leia mais

REGULAMENTO DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES

REGULAMENTO DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES REGULAMENTO DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES 2014 ÍNDICE DE ARTIGOS Artigo 1º - Enquadramento... 2 Artigo 2º - Âmbito e Atribuições... 2 Artigo 3º - Conceito de Irregularidades... 3 Artigo 4º - Garantias...

Leia mais

Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa

Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Regulamento Regras e Procedimentos de Comunicação Interna de Irregularidades Aprovado pelo Conselho Diretivo em: 30/01/2019 Preâmbulo Em conformidade com o disposto

Leia mais

REGULAMENTO RELATIVO À COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES DA THE NAVIGATOR COMPANY S.A. 1.º. (Objecto)

REGULAMENTO RELATIVO À COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES DA THE NAVIGATOR COMPANY S.A. 1.º. (Objecto) REGULAMENTO RELATIVO À COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES DA THE NAVIGATOR COMPANY S.A. 1.º (Objecto) 1.1. O presente Regulamento enquadra e regulamenta a comunicação por quaisquer interessados, sejam eles

Leia mais

Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Canal de ética

Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Canal de ética Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Canal de ética 1. INTRODUÇÃO A CLIMEX Controlo de Ambiente, S.A. (doravante designada CLIMEX) baseia o exercício da sua atividade em princípios de lealdade,

Leia mais

Enauadramento. Considerando que o CHLC, EPE encara cada comunicação de irregularidade como

Enauadramento. Considerando que o CHLC, EPE encara cada comunicação de irregularidade como CENTR0 Enauadramento Conforme estipulado no art.9 179, do Decreto - Lei n.g 244/2012 de 09 de Novembro, e do Decreto-Lei n9 18 de 10 de Fevereiro do art.9 19, compete ao Conselho de Administração assegurar

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES GALP ENERGIA, SGPS, S.A.

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES GALP ENERGIA, SGPS, S.A. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES GALP ENERGIA, SGPS, S.A. 1. INTRODUÇÃO A Galp Energia baseia o exercício da sua atividade em princípios de lealdade, correção, honestidade, transparência e integridade,

Leia mais

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética P. 1 de 6 Procedimento para a Aprovado em reunião do Conselho Fiscal de 3.12. P. 2 de 6 1. INTRODUÇÃO A Galp Energia, SGPS, S.A. (doravante Galp ) baseia o exercício da sua atividade em princípios de lealdade,

Leia mais

Regulamento de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing)

Regulamento de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing) Regulamento de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing) REGULAMENTO DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES 1 Princípios Gerais A Caixa Económica Montepio Geral, nos termos do Regime Geral das Instituições

Leia mais

Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa

Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Serviço de Auditoria Interna Regulamento Data e aprovação do órgão de gestão: 30 de Janeiro de 2019 Preâmbulo A gestão, cada vez mais complexa, das unidades de

Leia mais

POLÍTICA DE PARTICIPAÇÃO DE IRREGULARIDADES DA CAIXA DE CRÉDITO AGRÍCOLA DE MAFRA, CRL

POLÍTICA DE PARTICIPAÇÃO DE IRREGULARIDADES DA CAIXA DE CRÉDITO AGRÍCOLA DE MAFRA, CRL POLÍTICA DE PARTICIPAÇÃO DE IRREGULARIDADES DA CAIXA DE CRÉDITO AGRÍCOLA DE MAFRA, CRL 2 A Caixa de Crédito Agrícola Mútuo de Mafra, C.R.L. (doravante CCAM Mafra) é uma instituição de crédito, fundada

Leia mais

REGULAMENTO COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES. (Whistleblowing)

REGULAMENTO COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES. (Whistleblowing) REGULAMENTO COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES (Whistleblowing) Maio 2016 1. Princípios e objetivos O Novo Banco tem entre os seus objetivos o cumprimento das disposições legais e regulamentares aplicáveis

Leia mais

PROCEDIMENTO DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES

PROCEDIMENTO DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES PROCEDIMENTO DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES 2 Mota-Engil A reprodução integral ou parcial deste documento, sem prévia aprovação da Mota-Engil SGPS, SA, é estritamente proibida. 1. Introdução Nos termos

Leia mais

Os CTT Correios de Portugal, S.A. ( CTT ) e as sociedades em relação de

Os CTT Correios de Portugal, S.A. ( CTT ) e as sociedades em relação de 1. INTRODUÇÃO Os CTT Correios de Portugal, S.A. ( CTT ) e as sociedades em relação de domínio ou de grupo ( Grupo CTT ) norteiam o exercício das suas atividades pelo respeito pelos princípios da legalidade,

Leia mais

REGULAMENTO SERVIÇO DE AUDITORIA INTERNA ÍNDICE

REGULAMENTO SERVIÇO DE AUDITORIA INTERNA ÍNDICE ÍNDICE OBJETIVO... 2 RESPONSABILIDADE... 2 DESCRIÇÃO... 2 1. Conteúdo e finalidades do serviço de auditoria interna... 2 2. Enquadramento legal e normativo... 2 3. Nexo hierárquico e funcional... 2 4.

Leia mais

REGULAMENTO DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES DA IMOFUNDOS SGFII, S.A.

REGULAMENTO DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES DA IMOFUNDOS SGFII, S.A. REGULAMENTO DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES DA IMOFUNDOS SGFII, S.A. Revisão Novembro 2018 1. Introdução A IMOFUNDOS Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Imobiliário, S.A. (doravante abreviadamente

Leia mais

SERVIÇO DE AUDITORIA INTERNA (SAI) Ano Pag. 1/5 I.02.1

SERVIÇO DE AUDITORIA INTERNA (SAI) Ano Pag. 1/5 I.02.1 Ano 2017 Pag. 1/5 O Committe of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission (COSO) definiu controlo interno como um processo levado a cabo pelo Conselho de Administração, Direção e outros membros

Leia mais

Política de Comunicação de Irregularidades Whistleblowing

Política de Comunicação de Irregularidades Whistleblowing 2018 Política de Comunicação de Irregularidades Whistleblowing Grupo Novo Banco Fevereiro de 2018 ÍNDICE 1. Princípios e objetivos... 3 2. Aplicação da Política às entidades do Grupo Novo Banco... 3 3.

Leia mais

Regime jurídico da comunicação de irregularidades em Instituições Financeiras e Sociedades Cotadas. (Whistleblowing)

Regime jurídico da comunicação de irregularidades em Instituições Financeiras e Sociedades Cotadas. (Whistleblowing) Regime jurídico da comunicação de irregularidades em Instituições Financeiras e Sociedades Cotadas (Whistleblowing) No sistema financeiro, o mecanismo de «whistleblowing» - traduzido, de forma muito simples,

Leia mais

Regulamento de Comunicação de Irregularidades. Banco Empresas Montepio. (Aprovado em reunião do Conselho de Administração de 08 de abril de 2019)

Regulamento de Comunicação de Irregularidades. Banco Empresas Montepio. (Aprovado em reunião do Conselho de Administração de 08 de abril de 2019) Regulamento de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing) Banco Empresas Montepio (Aprovado em reunião do Conselho de Administração de 08 de abril de 2019) Princípios Gerais O Banco Empresas Montepio

Leia mais

POLÍTICA DE COMPLIANCE

POLÍTICA DE COMPLIANCE POLÍTICA DE COMPLIANCE SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 1 2. APLICAÇÃO... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 4. DO PROGRAMA DE INTEGRIDADE MRV... 2 5. ESTRUTURA DA ÁREA DE COMPLIANCE... 3 5.1. Funções da Área de Compliance...

Leia mais

Caixa Económica Montepio Geral

Caixa Económica Montepio Geral Caixa Económica Montepio Geral Regulamento de Comunicação de (Whistleblowing) Princípios Gerais A Caixa Económica Montepio Geral, Caixa Económica Bancária S.A, (doravante CEMG) nos termos do Regime Geral

Leia mais

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS A ADOPTAR EM MATÉRIA DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS A ADOPTAR EM MATÉRIA DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS A ADOPTAR EM MATÉRIA DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES Aprovado em 3 de Março de 2016 ÍNDICE 1. Enquadramento 3 2. Âmbito de aplicação 3 3. Direitos

Leia mais

Regulamento do Provedor Académico da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Regulamento do Provedor Académico da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Regulamento do Provedor Académico da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Nos termos do artigo 51.º dos Estatutos da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra,

Leia mais

1. Preâmbulo Âmbito de Aplicação Procedimentos de Comunicação Tratamento das Comunicações Investigação...

1. Preâmbulo Âmbito de Aplicação Procedimentos de Comunicação Tratamento das Comunicações Investigação... Índice: 1. Preâmbulo... 3 2. Âmbito de Aplicação... 3 3. Procedimentos de Comunicação... 4 4. Tratamento das Comunicações... 5 5. Investigação... 6 6. Conclusão da Investigação... 6 7. Proibição de Represálias...

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA Preâmbulo O Código de Ética e de Conduta da Câmara Municipal de Mirandela pretende ser um documento pragmático, útil e de fácil leitura e interpretação

Leia mais

REGULAMENTO. SERVIÇO DE AUDITORIA INTERNA ÂMBITO: Aplicável ao Serviço de Auditoria Interna do Hospital de Magalhães Lemos, EPE ÍNDICE

REGULAMENTO. SERVIÇO DE AUDITORIA INTERNA ÂMBITO: Aplicável ao Serviço de Auditoria Interna do Hospital de Magalhães Lemos, EPE ÍNDICE ÍNDICE OBJETIVO... 2 RESPONSABILIDADE... 2 DESCRIÇÃO... 2 1. Definição e missão da auditoria interna... 2 2. Enquadramento legal e normativo... 2 3. Nexo hierárquico e funcional... 2 4. Funções... 3 5.

Leia mais

Preâmbulo. Na Piriquita - Antiga Fábrica de Queijadas, Lda (adiante também referida por

Preâmbulo. Na Piriquita - Antiga Fábrica de Queijadas, Lda (adiante também referida por Preâmbulo Na Piriquita - Antiga Fábrica de Queijadas, Lda (adiante também referida por Empresa ), sócios, trabalhadores, prestadores de serviços e membros dos corpos sociais, independentemente da natureza

Leia mais

Manual de Participação de Irregularidades

Manual de Participação de Irregularidades Manual de Participação de Irregularidades 12 de dezembro de 2018 Índice 1 Introdução... 3 2 Conceito de Irregularidades... 3 3 Dever de Participação... 3 4 Participação da Irregularidade... 3 5 Conteúdo

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA FUNDO ATIVO DE CAPITAL DE RISCO ANGOLANO (FACRA)

CÓDIGO DE CONDUTA FUNDO ATIVO DE CAPITAL DE RISCO ANGOLANO (FACRA) CÓDIGO DE CONDUTA DO FUNDO ATIVO DE CAPITAL DE RISCO ANGOLANO (FACRA) O FACRA deve apoiar o desenvolvimento de capital de risco em Angola, incentivando e apoiando os empresários, e realizar investimentos

Leia mais

REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA

REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA REGULAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA índice Páginas 5 1. OBJETO E ÂMBITO DO REGULAMENTO 2. COMPOSIÇÃO DO COMITÉ DE ÉTICA 6 7 8 3. COMPETÊNCIAS DO COMITÉ DE ÉTICA 4. FUNCIONAMENTO DO COMITÉ DE ÉTICA 5. SUPERVISÃO

Leia mais

Regulamento Interno Serviço de Auditoria Interna (SAI)

Regulamento Interno Serviço de Auditoria Interna (SAI) Regulamento Interno Serviço de Auditoria Interna (SAI) Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano, EPE Junho de 2017 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 Artigo 1.º - Objeto... 4

Leia mais

LINHA DE ÉTICA. DJ/UC vr02 jun.2018

LINHA DE ÉTICA. DJ/UC vr02 jun.2018 O que é a A Ética é um canal confidencial, criado especificamente para facilitar a participação de possíveis condutas ilegais ou impróprias, quando os canais normais de comunicação se mostraram ineficazes

Leia mais

Regulamento de Comunicação de Irregularidades

Regulamento de Comunicação de Irregularidades Regulamento de Comunicação de Irregularidades 1. PRINCÍPIOS GERAIS Considerando: i) as melhores práticas decorrentes das recomendações do Código de Governo das Sociedades do Instituto Português de Corporate

Leia mais

Política de Gestão do Risco de Compliance do Banco BIC Português, S.A.

Política de Gestão do Risco de Compliance do Banco BIC Português, S.A. Política de Gestão do Risco de Compliance do Banco BIC Português, S.A. Aprovada em Comissão Executiva a 24/06/2018 CLASSIFICAÇÃO: PÚBLICO ÍNDICE I. ÂMBITO... 3 II. SISTEMA DE CONTROLO INTERNO... 3 1. OBJETIVOS

Leia mais

Política de Gestão do Risco de Compliance

Política de Gestão do Risco de Compliance Política de Gestão do Risco de Compliance Classificação: Público Última Atualização: 23 de dezembro de 2016 ÍNDICE 1. ÂMBITO... 3 2. SISTEMA DE CONTROLO INTERNO... 3 3. RISCO DE COMPLIANCE E FUNÇÃO DE

Leia mais

REGULAMENTO Serviço de Auditoria Interna

REGULAMENTO Serviço de Auditoria Interna De acordo com a definição adotada pelo The Institute of Internal Auditors, a função de auditoria interna constitui uma atividade independente, de garantia e de consultoria, destinada a acrescentar valor

Leia mais

Política de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing)

Política de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing) Política de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing) Oitante S.A. Disclaimer: A informação contida neste documento tem um carácter meramente informativo, sendo a informação nele contida exclusivamente

Leia mais

Cognizant Technology Solutions Declaração sobre não retaliação e denunciantes

Cognizant Technology Solutions Declaração sobre não retaliação e denunciantes Cognizant Technology Solutions Declaração sobre não retaliação e denunciantes Em vigor a partir de janeiro de 2017 Por que temos esta declaração? Incentivamos ativamente que os colaboradores denunciem

Leia mais

POLÍTICA ANTI-FRAUDE

POLÍTICA ANTI-FRAUDE 1/9 POLÍTICA ANTI-FRAUDE Índice 1. Objectivo.... 2 2. Âmbito de Aplicação... 2 3. Definições.... 2 4. Compromisso... 3 5. Formas de Actuação.... 3 5.1. Conflito de Interesses... 3 5.2. Decisões relativas

Leia mais

Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural

Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural Código de Conduta do Comercializador de Último Recurso de Gás Natural A EDP Gás Serviço Universal, na observância dos Valores do Grupo EDP, designadamente de Transparência, Rigor, Integridade, Ética, Confiança,

Leia mais

REGULAMENTO COMISSÃO DE AUDITORIA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL, CAIXA ECONÓMICA BANCÁRIA, S.A.

REGULAMENTO COMISSÃO DE AUDITORIA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL, CAIXA ECONÓMICA BANCÁRIA, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL, CAIXA ECONÓMICA BANCÁRIA, S.A. ÍNDICE Artigo 1º.- Objetivo do Regulamento... 3 Artigo 2º. - Missão... 3 Artigo 3º.- Composição...

Leia mais

POLÍTICA PARA A PREVENÇÃO DE DELITOS 19 de julho de 2018.

POLÍTICA PARA A PREVENÇÃO DE DELITOS 19 de julho de 2018. 1 POLÍTICA PARA A PREVENÇÃO DE DELITOS 19 de julho de 2018. O Conselho de Administração da NEOENERGIA S.A. ("NEOENERGIA" ou Companhia ) tem a responsabilidade de formular a estratégia e aprovar as Políticas

Leia mais

Política de Recepção e Tratamento de Denúncias

Política de Recepção e Tratamento de Denúncias Política de Recepção e Tratamento de Denúncias Maio/2018 1. Apresentação da Política Em cumprimento à Lei 12.846/13 Lei Anticorrupção e às boas práticas de governança corporativa, a TAESA disponibiliza

Leia mais

CÓDIGO de CONDUTA da EDP Serviço Universal, S.A.

CÓDIGO de CONDUTA da EDP Serviço Universal, S.A. CÓDIGO de CONDUTA CÓDIGO de CONDUTA da EDP Serviço Universal, S.A. 1º - Objeto O presente Código de Conduta estabelece os principais deveres de atuação dos Colaboradores, dos membros dos Órgãos Sociais

Leia mais

CARTA DO AUTOR DE PARTICIPAÇÃO

CARTA DO AUTOR DE PARTICIPAÇÃO CARTA DO AUTOR DE PARTICIPAÇÃO CARTA DO AUTOR DE PARTICIPAÇÃO O Elior Group coloca à disposição de todos os colaboradores uma linha de alerta para participações, acessível por e-mail, pelo endereço seguinte

Leia mais

POLÍTICA DE CONFORMIDADE

POLÍTICA DE CONFORMIDADE Sumário 1. OBJETIVO... 1 2. ABRANGÊNCIA... 1 3. DEFINIÇÕES... 1 3.1 Conformidade... 1 3.2 Estrutura Normativa Interna... 1 3.3 Programa de Integridade... 1 4. PRINCÍPIOS E DIRETRIZES... 1 4.1 Princípios

Leia mais

POLÍTICA DE PARTICIPAÇÃO DE IRREGULARIDADES (WHISTLEBLOWING) SETEMBRO/2018

POLÍTICA DE PARTICIPAÇÃO DE IRREGULARIDADES (WHISTLEBLOWING) SETEMBRO/2018 (WHISTLEBLOWING) SETEMBRO/2018 A reprodução total ou parcial deste documento e dos respetivos conteúdos não é permitida sem a autorização prévia da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo de Leiria, CRL. ÍNDICE

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLE DE REGISTROS E CONTABILIDADE

POLÍTICA DE CONTROLE DE REGISTROS E CONTABILIDADE POLÍTICA DE CONTROLE DE REGISTROS E CONTABILIDADE A presente Política de Controle de Registros e Contabilidade compõe a regulamentação pertinente ao Programa de Integridade da Fundação Instituto de Pesquisa

Leia mais

REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ESTUDANTES PREÂMBULO

REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ESTUDANTES PREÂMBULO REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ESTUDANTES PREÂMBULO Considerando o disposto nos números 3 e 4 do artigo 143.º do Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior (RJIES), aprovado pela Lei n.º 62/2007,

Leia mais

Aprovação: CA - 05/12/18 - ATA N.º 42 Data: 2 de novembro de 2018

Aprovação: CA - 05/12/18 - ATA N.º 42 Data: 2 de novembro de 2018 Aprovação: CA - 05/12/18 - ATA N.º 42 Data: 2 de novembro de 2018 Modificações: Constituição do GQGR; Atribuições, Competências e Responsabilidades; Regime de trabalho; Operacionalização do GQGR; Anexos.

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÕES CONEXAS

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÕES CONEXAS PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÕES CONEXAS Pág. 1 / 23 Índice 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. REVISÃO... 5 4. ÂMBITO... 5 5. SIGLAS, ACRÓNIMOS E DEFINIÇÕES... 7 6. DOCUMENTOS

Leia mais

Política de Denúncia de Irregularidades

Política de Denúncia de Irregularidades Política de Denúncia de Irregularidades POLÍTICA DE DENÚNCIA DE IRREGULARIDADES 1. Visão geral A Amcor está empenhada em manter os mais elevados padrões de práticas éticas e relacionamentos honestos, bem

Leia mais

Política Geral de Segurança da Informação da Assembleia da República

Política Geral de Segurança da Informação da Assembleia da República Política Geral de Segurança da Informação da Assembleia da República Resolução da Assembleia da República n.º 123/2018, de 8 de maio (TP) A Assembleia da República resolve, nos termos do n.º 5 do artigo

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta Código de Ética e de Conduta 0 Ponta Delgada, 21 de março de 2018 Preâmbulo A Sociedade para o Desenvolvimento Empresarial dos Açores, adiante abreviadamente designada por SDEA, EPER, é uma pessoa coletiva

Leia mais

Política de Compliance

Política de Compliance Política de Compliance Maio/2018 1. Apresentação da Política A tem como objetivo assegurar a adequação, o fortalecimento e o funcionamento eficiente do Sistema de Controles Internos da TAESA e suas subsidiárias

Leia mais

Política de Prevenção a Fraudes

Política de Prevenção a Fraudes Política de Prevenção a Fraudes Maio/2018 1. Apresentação da Política Esta Política tem como objetivo ser um dos pilares que visam assegurar a adequação, o fortalecimento e o funcionamento eficiente do

Leia mais

SERVIÇO DE AUDITORIA INTERNA

SERVIÇO DE AUDITORIA INTERNA RELATÓRIIO ANUAL DE ATIIVIIDADES -- 2016 Pag. 1/6 Índice INTRODUÇÃO...3 A. Atividades desenvolvidas dentro do PAA 2016...4 B. Atividades desenvolvidas extra PAA 2016...5 C. Atividades desenvolvidas no

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DO CANAL DE DENÚNCIAS

POLÍTICA DE GESTÃO DO CANAL DE DENÚNCIAS Página 1 de 6 POLÍTICA DE GESTÃO DO CANAL DE DENÚNCIAS OBJETIVO Esta Política atende a Resolução do Banco Central do Brasil nº 4.567 de 27 de abril de 2017 e visa estabelecer princípios e diretrizes para

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS 1/5 POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVO... 1 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 1 3. DEFINIÇÕES... 1 4. PRINCÍPIOS DE ATUAÇÃO... 2 4.1. PRINCÍPIO DA NÃO DISCRIMINAÇÃO... 2 4.2. CONFLITO

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO REVISÃO 00

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO REVISÃO 00 1. Compromisso A Helenos, S.A., no contexto da sua atividade, procede à recolha e ao tratamento de informação, incluindo dados pessoais, pretendendo assegurar com rigor, eficácia e segurança a proteção

Leia mais

PROCEDIMENTO DE SELEÇÃO DE REVISOR OFICIAL DE CONTAS PARA A REVISÃO LEGAL DAS CONTAS DA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DO ALTO MINHO, E. P. E.

PROCEDIMENTO DE SELEÇÃO DE REVISOR OFICIAL DE CONTAS PARA A REVISÃO LEGAL DAS CONTAS DA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DO ALTO MINHO, E. P. E. Assunto: PROCEDIMENTO DE SELEÇÃO DE REVISOR OFICIAL DE CONTAS PARA A REVISÃO LEGAL DAS CONTAS DA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DO ALTO MINHO, E. P. E. (ULSAM) 1. INTRODUÇÃO 1.1. A Unidade Local de Saúde do Alto

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA E CONDUTA DA GALP

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA E CONDUTA DA GALP REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA E CONDUTA DA GALP 1. Objeto O presente regulamento estabelece as competências, deveres e regras de funcionamento da Comissão de Ética e Conduta da Galp (doravante CEC ),

Leia mais

REGULAMENTO PROVEDOR DO ESTUDANTE

REGULAMENTO PROVEDOR DO ESTUDANTE PREÂMBULO O regime jurídico das instituições de ensino, aprovado pela Lei nº 62/2007, de 10 de Setembro, estabelece no artigo 25º que em cada instituição de ensino existe, nos termos fixados pelos seus

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO, AVALIAÇÃO E NOMEAÇÕES CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. Artigo 1.º Instituição da Comissão de Governo Societário, Avaliação e Nomeações 1. O presente Regulamento

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA FUNDAÇÃO DR. AGOSTINHO ALBANO DE ALMEIDA

CÓDIGO DE CONDUTA FUNDAÇÃO DR. AGOSTINHO ALBANO DE ALMEIDA CÓDIGO DE CONDUTA FUNDAÇÃO DR. AGOSTINHO ALBANO DE ALMEIDA (Aprovado em reunião do Conselho de Administração de 25/06/2014) INTRODUÇÃO A Fundação Dr. Agostinho Albano de Almeida (doravante designada «Fundação»),

Leia mais

Código de Conduta da Fundação Montepio

Código de Conduta da Fundação Montepio Código de Conduta da Fundação Montepio Preâmbulo A Fundação Montepio Geral, instituição particular de solidariedade social, foi criada em 1995, pelo Montepio Geral - Associação Mutualista, com o objetivo

Leia mais

UBS Brasil: Procedimento de Denúncias Canal de Comunicação

UBS Brasil: Procedimento de Denúncias Canal de Comunicação UBS Brasil: Procedimento de Por que temos este procedimento? Este procedimento ( Procedimento ) tem por objetivo fornecer orientações acerca da tratativa de denúncias de indícios de ilicitude recebidas

Leia mais

Controlo Interno. Relatório

Controlo Interno. Relatório Controlo Interno Relatório ULSM - Unidade Local de Saúde de Matosinhos,, E.P.E. Março de 2016 Fernandina Oliveira Auditora Interna Índice Caraterização da ULSM 3 Mecanismos de controlo interno 4 Avaliação

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL Desempenho e melhoria

PROCEDIMENTO GERAL Desempenho e melhoria Página 1 de 5 I ÂMBITO Aplicável em toda a estrutura funcional da ESEP. II OBJETIVOS Definir a metodologia para a programação e realização de auditorias internas. Definir a metodologia para a revisão periódica

Leia mais

POLÍTICA DE CONFLITO DE INTERESSES

POLÍTICA DE CONFLITO DE INTERESSES POLÍTICA DE CONFLITO DE INTERESSES SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 4. DIRETRIZ GERAL... 2 5. DIRETRIZES ESPECÍFICAS... 3 5.1. Conflito de interesses na indicação e contratação

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA FUNDAÇÃO AURÉLIO AMARO DINIZ. (Aprovado em reunião do Conselho de Administração de 25 de janeiro de ata n.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA FUNDAÇÃO AURÉLIO AMARO DINIZ. (Aprovado em reunião do Conselho de Administração de 25 de janeiro de ata n. CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA FUNDAÇÃO AURÉLIO AMARO DINIZ (Aprovado em reunião do Conselho de Administração de 25 de janeiro de 2018 - ata n.º 445) Preâmbulo Nos termos do Art.º 7º do Anexo à Lei nº 24/2012,

Leia mais

Índice PLANO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS. Código PGRCIC Versão 000 Data

Índice PLANO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS. Código PGRCIC Versão 000 Data DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS Código PGRCIC Versão 000 Data 20.06.2017 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Objetivo... 3 3. Versão... 4 4. Âmbito... 5 5. Siglas, Acrónimos e Definições...

Leia mais

PARTE B DO MANUAL DE COMPLIANCE E GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE COMPLIANCE

PARTE B DO MANUAL DE COMPLIANCE E GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE COMPLIANCE PARTE B DO MANUAL DE COMPLIANCE E GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE COMPLIANCE I. APRESENTAÇÃO A Gestora mantém uma política de compliance abrangente e integrada que é alicerçada num sistema interno de controle

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 ÍNDICE Página A Missão da Fundação AEP 3 Visão 3 Valores 3 Objetivos 3 Objeto, Âmbito e Aplicação 4 Transparência na Atuação e Publicitação das Contas 4 Impedimentos ou Incompatibilidades

Leia mais

CÓDIGO: Data de Efetivação: 30/04/19 Data de Validade: 30/04/20

CÓDIGO: Data de Efetivação: 30/04/19 Data de Validade: 30/04/20 Data de Efetivação: 30/04/19 Data de Validade: 30/04/20 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. ÁREAS ENVOLVIDAS 3. RESPONSABILIDADES 4. TERMOS E DEFINIÇÕES 5. DESCRIÇÃO DO PROCESSO 6. ANEXOS 1. OBJETIVO 1.1. O objetivo

Leia mais

Regulamento de Inscrição de Juristas de Reconhecido Mérito, Mestres e Doutores em Direito, para a Prática de Actos de Consulta Jurídica

Regulamento de Inscrição de Juristas de Reconhecido Mérito, Mestres e Doutores em Direito, para a Prática de Actos de Consulta Jurídica Regulamento de Inscrição de Juristas de Reconhecido Mérito, Mestres e Doutores em Direito, para a Prática de Actos de Consulta Jurídica O Regulamento de Inscrição de Juristas de Reconhecido Mérito, Mestres

Leia mais

PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A.

PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A. PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A. 16 de dezembro de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA O presente Código de Conduta estabelece o conjunto de princípios e valores em matéria de ética profissional

Leia mais

Política de Prevenção e Combate à Lavagem de Dinheiro e Financiamento ao Terrorismo

Política de Prevenção e Combate à Lavagem de Dinheiro e Financiamento ao Terrorismo Política de Prevenção e Combate à Lavagem de Dinheiro e Financiamento ao Terrorismo Maio/2018 1. Apresentação da Política Esta Política tem como objetivo promover a adequação das atividades operacionais

Leia mais

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Carcavelos e São Domingos de Rana

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Carcavelos e São Domingos de Rana PREÂMBULO O presente Código de Boa Conduta, para a Prevenção e Combate ao Assédio no Trabalho, pretende constituir, nos termos da Lei 73/2017 de 16 de agosto, uma referência para todos os membros dos Órgãos

Leia mais

CÓDIGO DE BOA CONDUTA PARA A PREVENÇÃO E COMBATE AO ASSÉDIO NO TRABALHO Lei n.º 73/2017, de 16 de agosto

CÓDIGO DE BOA CONDUTA PARA A PREVENÇÃO E COMBATE AO ASSÉDIO NO TRABALHO Lei n.º 73/2017, de 16 de agosto 2017 CÓDIGO DE BOA CONDUTA PARA A PREVENÇÃO E COMBATE AO ASSÉDIO NO TRABALHO Lei n.º 73/2017, de 16 de agosto CÓDIGO DE BOA CONDUTA PARA A PREVENÇÃO E COMBATE AO ASSÉDIO NO TRABALHO Página 2 PREÂMBULO

Leia mais

Artigo 1.º (Âmbito de aplicação) Artigo 2.º (Princípios gerais) Artigo 3.º (Comportamentos ilícitos)

Artigo 1.º (Âmbito de aplicação) Artigo 2.º (Princípios gerais) Artigo 3.º (Comportamentos ilícitos) CÓDIGO DE BOA CONDUTA PARA A PREVENÇÃO E COMBATE AO ASSÉDIO NO TRABALHO PREÂMBULO O presente Código de Boa Conduta, para a Prevenção e Combate ao Assédio no Trabalho, pretende constituir, nos termos da

Leia mais

Título Política de Gestão do Canal de Denúncias Data Publicação 05/09/2017

Título Política de Gestão do Canal de Denúncias Data Publicação 05/09/2017 de Gestão do Canal de Denúncias 01/08/2017 XXXXXXXX Diretoria/Compliance/ 1/7 de Gestão do Canal de Denúncias POLÍTICA DE GESTÃO DO CANAL DE DENÚNCIAS 1. OBJETIVO Esta atende a Resolução do Banco Central

Leia mais

POLÍTICA DE LIVRE CONCORRÊNCIA

POLÍTICA DE LIVRE CONCORRÊNCIA POLÍTICA DE LIVRE CONCORRÊNCIA Proprietário Gerência Jurídica e Compliance Número do Documento 010766 Aplicável à Todas as atividades CEPTIS Válido a partir de 28 Fevereiro 2018 Sumário Sumário... 1 Referência...

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS Versão 001 Data 21-12-2011 Índice 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. VERSÃO... 4 4. ÂMBITO... 5 5. SIGLAS, ACRÓNIMOS E DEFINIÇÕES... 5 6. DOCUMENTOS ASSOCIADOS... 6 7. MISSÃO... 6 8. ÁREAS AVALIADAS,

Leia mais

Código de Conduta dos Membros do Conselho de Auditoria do Banco de Portugal

Código de Conduta dos Membros do Conselho de Auditoria do Banco de Portugal Código de Conduta dos Membros do Conselho de Auditoria do Banco de Portugal Lisboa, 2016 www.bportugal.pt Código de Conduta dos Membros do Conselho de Auditoria do Banco de Portugal Banco de Portugal Rua

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA CENTRO COMUNITÁRIO IRMANDADE DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DA BATALHA

CÓDIGO DE ÉTICA CENTRO COMUNITÁRIO IRMANDADE DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DA BATALHA CÓDIGO DE ÉTICA CENTRO COMUNITÁRIO IRMANDADE DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DA BATALHA 02-05-2012 1 Introdução... 3 2 Principais objetivos do Código... 3 3 Âmbito de aplicação... 4 4 Legislação e Ética...

Leia mais

CÓDIGO DE REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS F8A CONSULTORIA FINANCEIRA EIRELI

CÓDIGO DE REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS F8A CONSULTORIA FINANCEIRA EIRELI CÓDIGO DE REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS F8A CONSULTORIA FINANCEIRA EIRELI São Paulo 1ª versão - 2018 1. Destinatários do Código de Regras, Procedimentos e Controles Internos Este Código de

Leia mais

DTVM Política de Denúncia

DTVM Política de Denúncia DTVM Política de Denúncia Uso Interno Março 2018 Data de Criação: Julho/2017 Data de Revisão: Março/2018 Versão: 2/2018 Página 1 de 5 1 Conteúdo 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. CANAIS DE DENÚNCIA...

Leia mais

Código de Conduta para colaboradores

Código de Conduta para colaboradores Código de Conduta para colaboradores INTRODUÇÃO O presente documento, inserindo-se nos Princípios de Ação do Grupo Air Liquide, tem como objetivo descrever as regras de conduta aplicáveis a todos os colaboradores

Leia mais

Código de Conduta do Operador da Rede de Distribuição de Gás Natural

Código de Conduta do Operador da Rede de Distribuição de Gás Natural Código de Conduta do Operador da Rede de Distribuição de Gás Natural A EDP Gás Distribuição (marca comercial da Portgás S.A., Concessionária de Serviço Público de Distribuição de Gás Natural), na observância

Leia mais

Política Interna Canal de Denúncias Preparado por: Auditoria Interna Para: Trabalhadores da Jaguar E Partes Relacionadas

Política Interna Canal de Denúncias Preparado por: Auditoria Interna Para: Trabalhadores da Jaguar E Partes Relacionadas Política Interna Canal de Denúncias Preparado por: Auditoria Interna Para: Trabalhadores da Jaguar E Partes Relacionadas Jaguar Mining Inc. Canal de Denúncias i Sumário Histórico de Aprovação e Revisão

Leia mais