O Patrimônio é o objeto de estudo da Contabilidade; É representado pelo conjunto de bens, direitos e obrigações.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Patrimônio é o objeto de estudo da Contabilidade; É representado pelo conjunto de bens, direitos e obrigações."

Transcrição

1 Análise das Demonstrações Financeiras Professor: Renato Thiago Unidade I - Patrimônio Professor: Renato Thiago Patrimônio O Patrimônio é o objeto de estudo da Contabilidade; É representado pelo conjunto de bens, direitos e obrigações. 1

2 Bens É tudo aquilo que satisfaz as necessidades do ser humano/empresas e pode ser mensurado monetariamente. Exemplos: dinheiro, estoques de produtos, máquinas e equipamentos, veículos. Direitos São valores que empresa possui sem que estejam em seu poder neste momento. Serão convertidos em bens em um momento futuro. Exemplos: Alugueis a receber, duplicatas a receber, etc. Obrigações Representam as dívidas que a empresa possui com terceiros. Exemplos: impostos a pagar, salários a pagar, fornecedores a pagar, títulos a pagar. 2

3 Exemplos Petrobras Bens e direitos: R$ 507,70 bilhões Obrigações: R$ 210,34 bilhões Vale do Rio Doce Bens e direitos: R$ 209,93 bilhões Obrigações: R$ 95,71 bilhões * Dados de 30/09/2010 Exemplos Souza Cruz Bens e direitos: R$ 3,97 bilhões Obrigações: R$ 2,17 bilhões Friboi Bens e direitos: 45,2 bilhões Obrigações: R$ 26,3 bilhões * Dados de 30/09/2010 Exemplos Cruzeiro Bens e direitos: R$ 174,1 milhões Obrigações: R$ 131,6 milhões * Dados de 31/12/2008 Atlético Mineiro Bens e direitos: R$ 240,2 milhões Obrigações: R$ 228,5 milhões * Dados de 31/12/2007 3

4 Origens e aplicações de recursos O Balanço Patrimonial (BP) é a demonstração financeira que deve representar de forma quantitativa e qualitativa a posição financeira e patrimonial de uma empresa. A posição financeira e patrimonial é composta por bens, direitos e obrigações. O BP pode também ser analisado sob uma ótica mais estritamente financeira, fugindo um pouco da simples colocação de que representa os bens, direitos e obrigações. Estrutura do Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO Ativo Circulante Ativo Não-circulante Realizável a longo prazo Investimentos Imobilizado Intangível Passivo Circulante Passivo Não-circulante Patrimônio líquido Capital Social Reservas de capital Ajustes de avaliação patrimonial Reservas de Lucros Ações em tesouraria Prejuízos acumulados Estrutura do Balanço Patrimonial de acordo com as leis 6.404/76, /07 e /09 Origens e aplicações de recursos No BP pode-se identificar os tipos de fontes de recursos financeiros que a empresa dispõe e como esses recursos foram aplicados. O Ativo representa todas as aplicações (usos) de recursos dentro da empresa, ou seja, demonstra como a gestão aplicou os recursos financeiros na organização. 4

5 Exemplos Lojas Americanas Ativos (aplicações) : R$ 6,6 bilhões Caixa e aplicações financeiras: R$ 2,2 bilhões (33,3%) Clientes: R$ 1 bilhão (15,2%) Estoques: R$ 1,3 bilhão (19,7%) Imóveis, máquinas e equipamentos, móveis, softwares, etc: R$ 1,6 bilhões (24,2%) Outras aplicações: R$ 0,7 bilhão (7,6%) * Dados de 31/12/2009 Exemplos Ambev Ativos (aplicações) : R$ 40,1 bilhões Caixa e aplicações financeiras: R$ 4 bilhões (10%) Clientes: R$ 1,8 bilhão (4,5%) Estoques: R$ 1,5 bilhão (3,7%) Imóveis, máquinas e equipamentos, móveis, softwares, etc: R$ 26,1 bilhões (65,1%) Outras aplicações: R$ 6,7 bilhões (16,7%) * Dados de 31/12/2009 Comparação do percentual de aplicação de recursos por natureza Aplicações de recursos Caixa e aplicações financeiras 33,3% 10,0% Clientes 15,2% 4,5% Estoques 19,7 % 3,7% Imóveis, máquinas e equipamentos, móveis, softwares,etc. 24,2% 65,1% Outras aplicações 7,6% 16,7% Total 100,0% 100,0% * Dados de 31/12/2009 5

6 Origens e aplicações de recursos Já o Passivo representa os recursos totais (origens ou fontes) que estão à disposição da empresa, para serem aplicados no ativo. Podem originar-se de duas fontes: recursos de terceiros ou recursos próprios. Origens e aplicações de recursos Os recursos de terceiros correspondem aos recursos captados pela empresa junto a terceiros. Referem-se às obrigações da empresa. São recursos que aumentam o risco financeiro de uma empresa. Já os recursos próprios correspondem aos recursos originários dos sócios ou acionistas da entidade ou decorrentes de suas operações sociais. São recursos menos arriscados, contudo que exigem uma maior remuneração. Origens de recursos 6

7 Recursos de terceiros Dívidas de funcionamento: são obrigações que surgem das atividades normais de gestão da organização. Exemplos: obrigações com fornecedores, salários a pagar, impostos a pagar, etc. Dívidas de financiamentos: são recursos obtidos pela organização junto a instituições financeiras ou ao mercado, destinadas a financiar as atividades normais da empresa. Exemplos: Empréstimos, financiamentos, debêntures, etc. Recursos próprios Proprietários ou sócios: parcela do capital que foi investida na empresa pelo pelos sócios / cotistas; Resultado da gestão: acréscimos ocorridos no Patrimônio Líquido em decorrência da gestão normal da empresa. Esses acréscimos são obtidos pelos lucros retidos na empresa. Resultado da gestão É importante que parte do lucro do exercício seja sempre retida na empresa, para financiar seu crescimento. Algumas empresas inserem cláusulas em seus estatutos prevendo essa retenção. 7

8 Resultado da gestão Exemplo: Lojas Renner S.A Trecho do Estatuto: [...] a parcela remanescente do lucro líquido ajustado será destinada à Reserva para Investimento e Expansão, que tem por finalidade reforçar o capital social e de giro da Companhia, objetivando assegurar adequadas condições operacionais. Exemplos Gol Recursos de terceiros: R$ 5,55 Bilhões (80,6%) Recursos próprios: R$ 1,33 Bilhão (19,4%) TAM Recursos de terceiros: R$ 12,1 Bilhões (95,3%) Recursos próprios: R$ 596 Milhões (4,7%) * Dados de 31/12/2008 Exemplos Vivo Recursos de terceiros: R$ 11,8 Bilhões (53,7%) Recursos próprios: R$ 10,2 Bilhões (46,3%) OI Recursos de terceiros: R$ 4,9 Bilhões (33,9%) Recursos próprios: R$ 9,5 Bilhões (66,1%) * Dados de 31/12/2009 8

9 Origens de recursos 100,0% Recursos de terceiros 80,6% 95,3% 53,7% 33,9% Recursos próprios 19,4% 4,7% 46,3% 66,1% Total 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Qual empresa é mais arriscada do ponto de vista financeiro? Unidade II Processo Contábil As demonstrações financeiras Demonstrações Financeiras Na data de encerramento, as empresas preparam, para efeitos legais e para apresentação aos usuários interessados, um conjunto de demonstrações, conhecido como demonstrações financeiras ou demonstrações contábeis. Essas demonstrações são elaboradas com base na escrituração contábil das transações ocorridas na empresa, e devem exprimir com clareza a situação do PATRIMÔNIO da empresa e as mutações ocorridas durante o exercício social. 9

10 A lei 6.404/76 e suas alterações posteriores (principalmente as leis /07 e /09) determinam os critérios a serem observados para a elaboração das demonstrações financeiras. Além da lei, também devem ser observados os pronunciamentos, interpretações e orientações emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). Ambiente legal da contabilidade no Brasil As Sociedades Anônimas e as grandes sociedades (empresas constituídas sob outra forma jurídica, mas com patrimônio superior à R$ 240 milhões ou Receita bruta anual superior à R$ 300 milhões) devem elaborar as seguintes demonstrações financeiras: Balanço Patrimonial (BP) Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados (DLPA) Demonstração dos fluxos de Caixa (DFC) Exceto as sociedades anônimas de capital fechado com patrimônio líquido inferior à R$ 2 milhões. 10

11 Demonstração do Valor Adicionado (DVA) Apenas as sociedades anônimas de capital aberto. Além das demonstrações financeiras acima descritas, estas empresas deverão elaborar também: Notas Explicativas. Parecer dos auditores independentes Apenas as companhias abertas. Relatório da administração Apenas as companhias abertas. Balanço Patrimonial (BP) O Balanço Patrimonial é o mais importante relatório gerado pela contabilidade. O Balanço Patrimonial (BP) é a demonstração financeira que deve representar de forma quantitativa e qualitativa a posição financeira e patrimonial de uma empresa. O Balanço Patrimonial tem por objetivo demonstrar de forma padronizada e ordenada, a posição dos bens e direitos (ATIVO), obrigações (PASSIVO) e PATRIMÔNIO LÍQUIDO de uma empresa, num determinado momento. Balanço Patrimonial (BP) As contas do ativo são apresentadas em ordem decrescente de liquidez. Já as contas do passivo, são apresentadas em ordem decrescente de exigibilidade. O total do Ativo deve ser igual ao total do Passivo (Passivo + Patrimônio líquido) 11

12 Estrutura do Balanço Patrimonial Apenas os grupos ATIVO PASSIVO Ativo Circulante Ativo Não-circulante Realizável a longo prazo Investimentos Imobilizado Intangível Passivo Circulante Passivo Não-circulante Patrimônio líquido Capital Social Reservas de capital Ajustes de avaliação patrimonial Reservas de Lucros Ações em tesouraria Prejuízos acumulados Estrutura do Balanço Patrimonial de acordo com as leis 6.404/76, /07 e /09 BP Grupos e Subgrupos Balanço Patrimonial (BP) ATIVO É um recurso controlado pela entidade como resultado de transações passadas e do qual se espera que resultem futuros benefícios econômicos para a entidade. 12

13 Exemplo: Ronaldinho Gaúcho O Ronaldinho Gaúcho é um ativo contábil para o Flamengo? Controle pela entidade: SIM. O Flamengo assinou um contrato de 3 anos e meio, com uma multa rescisória de R$ 325 milhões para clubes nacionais e R$ 400 milhões para clubes internacionais. Geração de benefícios futuros: SIM. Espera-se que a contratação de Ronaldinho alavanque as vendas de camisas e produtos licenciados, atraia novos patrocinadores e aumente o valor pago pelos patrocinadores atuais, além de levar mais torcedores aos estádios e dos benefícios dentro de campo. Decorrente de transações passadas: SIM. O Flamengo pagou R$ 6,7 milhões ao Milan pelo craque. Assim, Ronaldinho Gaúcho é um ativo contábil para o Flamengo. 13

14 Exemplo: Nike O direito de usar a marca Nike é um ativo contábil para a Nike Inc.? Controle pela entidade: SIM. A entidade pode utilizar a marca livremente, pois a desenvolveu e registrou. Geração de benefícios futuros: SIM. A marca é bem conhecida e possui um mercado já consolidado. É sempre associada a atletas de alta performance e celebridades de grande status, o que garante elevadas vendas. Decorrente de transações passadas: SIM. A entidade teve que registrar a marca e por isso incorreu em custos. Contudo, o valor registrado na Contabilidade é irrisório quando comparado ao valor de mercado da marca. Assim, a marca Nike é um ativo contábil para a Nike Inc. 14

15 Exemplo: Marco Ruppert É um programador, empregado de uma grande companhia desenvolvedora de softwares. Dono de um talento excepcional, foi responsável pelo desenvolvimento de grande parte dos softwares comercializados pela empresa. É considerado pela gestão da empresa, um profissional chave para o sucesso da organização. Tendo em vista sua importância, Marco Ruppert é um ativo contábil para a empresa? Controle pela entidade: NÃO. A entidade não pode manter Marco como empregado, caso o mesmo deseje o contrário. A legislação trabalhista faculta a ele o direito de se demitir, sem ter que pagar multas à empresa. Geração de benefícios futuros: SIM. Devido ao seu potencial e sua competência, o trabalho de Marco gera uma grande expectativa de benefícios futuros (receitas). Decorrente de transações passadas: NÃO. A entidade não adquiriu o empregado de nenhuma outra empresa, mesmo porque, isso não é permitido atualmente. Assim, Marco não é um ativo contábil para a empresa. 15

16 Balanço Patrimonial (BP) ATIVO CIRCULANTE Esse grupo abriga as contas que registrem os bens e direitos que serão realizados após o término do exercício seguinte ou em até 12 meses após a data de elaboração do BP. Realização: conversão dos direitos ou bens em dinheiro ou seu consumo no processo na operação da empresa. Principais contas: disponibilidades, aplicações financeiras, estoques e clientes. EXEMPLO Loja comercial: Ativos circulantes Mercadorias para revenda. Saldo de conta corrente no Banco Itaú. Duplicatas a receber: venda a prazo para os clientes, vencíveis em até 12 meses Balanço Patrimonial (BP) ATIVO NÃO CIRCULANTE Esse grupo abriga as contas que registrem os bens e direitos não classificáveis no ativo circulante. Basicamente tratam-se de bens e direitos com prazo de realização superior a 12 meses da data de emissão do balanço patrimonial ou após o término do exercício seguinte. Sub Grupos: Realizável a longo prazo, Investimentos, Imobilizado e Intangível. 16

17 Realizável a longo prazo Neste grupo, serão contempladas todas as contas que representem direitos, os quais tenham sua realização certa ou provável após 12 meses da data de fechamento do Balanço Patrimonial. Também são classificados nesse grupo os direitos originados de adiantamentos ou empréstimos a sociedades coligadas ou controladas, diretores ou acionistas, mesmo se vencíveis ou com previsão de recebimento em curto prazo. Investimentos Participações permanentes em outras empresas. Aquisição de imóveis, desde que não sejam para revenda ou destinados à manutenção das atividades da empresa. Exemplos: ações de outras empresas, imóvel adquirido com a intenção de investimento. Imobilizado Os bens destinados à manutenção das atividades da empresa, ou exercidos com esta finalidade, inclusive os de propriedade industrial ou comercial. Principais contas: veículos, móveis e utensílios, terrenos, edificações, equipamentos de informática, máquinas e equipamentos. 17

18 Intangível São bens incorpóreos destinados à manutenção das atividades da empresa. Principais contas: Marcas e patentes, softwares e gastos com desenvolvimento de produtos. EXEMPLO Ativos não circulantes Investimentos: Participação societária na Mecânica Carvalho Ltda. Imóvel adquirido no Bairro Cabral (BH) para investimento. Imobilizado: Fresas, autofornos, empilhadeiras e Imóvel onde funciona a fábrica. Intangível: Software que controla a linha de produção, patente de 5 tipos de motores. 18

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli 1 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Aula 3 e 4 Contabilidade Geral

Aula 3 e 4 Contabilidade Geral Aula 3 e 4 Contabilidade Geral Prof. Benadilson Prof. Benadilson 1 Introdução Caso para Debate Ações da Tiffany: Lucro ou Prejuízo??? Ciclo Contábil Demonstração do Resultado do Exercício (DRE). O lucro

Leia mais

Contabilidade Introdutória

Contabilidade Introdutória Contabilidade Introdutória Profa. Mara Jane Contrera Malacrida 1 Ö : Parte residual do patrimônio Riqueza líquida da empresa PL = Ativo Passivo Evidencia os recursos dos proprietários aplicados no empreendimento

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

DEFINIÇÃO PLANO DE CONTAS CONTAS AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS

DEFINIÇÃO PLANO DE CONTAS CONTAS AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS CONTAS TRADICIONALMENTE USADAS DEFINIÇÃO AULA 2 ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL A ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL CONSISTE EM REGISTRAR OS FATOS CONTÁBEIS (OU SEJA, AQUELES QUE MODIFICAM A COMPOSIÇÃO OU O VALOR DO PATRIMÔNIO DA ENTIDADE) EM DOIS LIVROS:

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados.

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados. Unidade II 8 ATIVO Ativo compreende, como já vimos, os bens e direitos da empresa, classificados de acordo com sua destinação específica, que varia segundo os fins da empresa. No ativo, a disposição das

Leia mais

Conceitos Introdutórios. A Inflação nas Finanças. Demonstrações Contábeis

Conceitos Introdutórios. A Inflação nas Finanças. Demonstrações Contábeis Conceitos Introdutórios Mercado Financeiro Brasileiro A Inflação nas Finanças Demonstrações Contábeis Conceitos Introdutórios Retornar Conceitos Introdutórios ADMINISTRAÇÃO A administração é o processo

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil) CNPJ 47.902.648/0001-17 CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Bancos 46 Fornecedores 41.785 Aplicações Financeiras 5.541 Provisão

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,29

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,29 ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/2009 1. Informar o lucro líquido do exercício. (R$) 864.940.364,29 2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos,

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA Avaliação de Investimentos em Participações Societárias INTRODUÇÃO Considera-se Participações Societárias quando uma sociedade (Investidora) vem à aplicar recursos na aquisição de

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ CIA DE PARTICIPAÇÕES ALIANÇA DA BAHIA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ CIA DE PARTICIPAÇÕES ALIANÇA DA BAHIA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade -

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade - Escrituração Contábil 05 questões Noções Gerais; Escrituração Contábil ) Considere os eventos de I a V listados abaixo. I aquisição de veículo à vista para uso na atividade operacional II baixa de bem

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DIRECIONAL ENGENHARIA S.A.

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. VERSÃO 3.0 APROVADA NA RCA DE 04 / JUL / 2016 Índice OBJETIVO... 3 A) Política para Contratação de Financiamentos... 3 B) Política de Aplicações Financeiras... 4 VERSÃO 3.0 APROVADA

Leia mais

Contabilidade Geral Prova 2 Gabarito 1 Questão 01 A questão solicita que o candidato indique a afirmativa incorreta, que é encontrada na alternativa c : No ativo, as contas serão dispostas em ordem crescente

Leia mais

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena Em cada questão, marque o item correto: 1. O princípio contábil que atribui às entidades personalidade própria, distinta da dos sócios, é o princípio da:

Leia mais

Contabilidade e Gestão Financeira

Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade Demonstrações Financeiras MESG - Mestrado Engenharia de Serviços e Gestão FEUP 2010 Rui Padrão Funções Património Passivo Eq. Fund. Factos patr. Inventário

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO - CONTADOR

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO - CONTADOR Questão n o 1 a) Fundamentação teórico-conceitual Capital autorizado: é o capital que consta no estatuto da Companhia sendo o limite para autorização do aumento do capital social independentemente de reforma

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.9 DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO Conteúdo Item DISPOSIÇÕES GERAIS 1 OBJETIVOS E

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ GUARARAPES CONFECÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ GUARARAPES CONFECÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

Analista e Auditor da Receita

Analista e Auditor da Receita Analista e Auditor da Receita Contabilidade Geral Básica Com o Professor Eugenio Montoto Site: www.eugenio.pro.br www.youtube.com/eugeniomontoto Email: professoreugeniomontoto@gmail.com 21/02/2016 1 Módulo

Leia mais

Contabilidade Básica - Material 4 - Prof. Marcos César Bottaro

Contabilidade Básica - Material 4 - Prof. Marcos César Bottaro Contas Anteriormente registramos cada uma das operações contábeis diretamente no balanço patrimonial. Contudo, na prática, cada uma dessas operações ocorre inúmeras vezes no decorrer de um único dia, tornando

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS APAE MORADA NOVA DE MINAS/MG

ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS APAE MORADA NOVA DE MINAS/MG DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCICIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 31 DE DEZEMBRO DE 2007. Balanço Patrimonial Demonstração do Resultado do Exercício Demonstração das mutações do patrimônio líquido

Leia mais

Configurações da DMPL. Tutorial do Usuário Configurações da DMPL

Configurações da DMPL. Tutorial do Usuário Configurações da DMPL Tutorial do Usuário Configurações da DMPL 1 Conteúdo Apresentação... 3 Configurações... 4 Tela de configuração... 4 Aba Reserva de Capital (1)... 6 Aba Reserva de Lucros (2)... 7 Aba Ajustes (3)... 8 Aba

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito . UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2010 e 1 o semestre letivo de 2011 CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este

Leia mais

CPC 06 Arrendamento Mercantil

CPC 06 Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC CPC 06 Arrendamento Mercantil O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) no âmbito da Gestão Contábil com o pronunciamento técnico CPC 06, tem por objetivo determinar,

Leia mais

PROPOSTA PARA DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NOS TERMOS DO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO N o CVM 481/09

PROPOSTA PARA DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NOS TERMOS DO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO N o CVM 481/09 PROPOSTA PARA DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NOS TERMOS DO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO N o CVM 481/09 1. Informar o lucro líquido do exercício O lucro líquido do exercício de 2012 foi de R$ 1.448.887.908,07

Leia mais

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4 Sumário Capítulo 1 Breves Noções Históricas...1 1.1. Breves Noções Históricas...1 1.2. A Contabilidade no Brasil...3 1.3. O Símbolo da Contabilidade...4 Capítulo 2 Conceitos Iniciais...5 2.1. A Definição

Leia mais

Sumário EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23

Sumário EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23 EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE... 19 APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23 PARTE I CONTABILIDADE GERAL CAPÍTULO I NOÇÕES DE CONTABILIDADE... 27 1. Noções de Contabilidade... 27 1.1. Conceitos, objetivos, campo

Leia mais

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras NOTAS EXPLICATIVAS DAS INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS - ITR (Em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma) 1 - CONTEXTO OPERACIONAL Bicicletas Monark S.A. ( Companhia ) tem por objetivo a industrialização

Leia mais

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes 1 FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA - FUNEPU CNPJ 20.054.326/0001-09 BALANÇO PATRIMONIAL PARA

Leia mais

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas Patrimoniais).

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas Patrimoniais). Olá, meus amigos! Tudo bem? É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas Patrimoniais). O plano foi elaborado pelo nosso

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014 DIRETRIZES CONTÁBEIS Tendo em vista as inovações da Contabilidade no Setor Público, o Poder Legislativo

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL - ANEXO 14

BALANÇO PATRIMONIAL - ANEXO 14 ATIVO Exercício Atual PASSIVO Exercício Atual ATIVO CIRCULANTE 652.201,35 PASSIVO CIRCULANTE 236.288,68 Caixa e Equivalentes de Caixa 652.201,35 Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais

Leia mais

CONTABILIDADE MÓDULO 8

CONTABILIDADE MÓDULO 8 CONTABILIDADE MÓDULO 8 Índice 1. Demonstração de Resultado do Exercício (DRE) Uma Pequena Introdução...3 2. Regime de caixa, regime de competência...4 3. Ajustes...5 2 1. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

Leia mais

Lucros não Realizados na Consolidação das D.C. Universidade Federal de Pernambuco Contabilidade Societária 2 Profa: Márcia Tavares

Lucros não Realizados na Consolidação das D.C. Universidade Federal de Pernambuco Contabilidade Societária 2 Profa: Márcia Tavares Lucros não Realizados na Consolidação das D.C Universidade Federal de Pernambuco Contabilidade Societária 2 Profa: Márcia Tavares Situações A empresa B vendeu para a controlada A mercadorias por R$ 140.000

Leia mais

IFRS International Financial Reporting Standards: as novas Práticas Contábeis e a Solução ERP Radar Empresarial.

IFRS International Financial Reporting Standards: as novas Práticas Contábeis e a Solução ERP Radar Empresarial. IFRS International Financial Reporting Standards: as novas Práticas Contábeis e a Solução ERP Radar Empresarial. O que é o IFRS? IFRS International Financial Reporting Standards São Normas Internacionais

Leia mais

Regulamento básico: finanças e controladoria

Regulamento básico: finanças e controladoria Regulamento básico: finanças e controladoria Diretoria de Administração e Planejamento Abril de 2002 Este regulamento estabelece as diretrizes a serem adotadas pela RNP na gestão de seus recursos financeiros,

Leia mais

Procedimentos contábeis: segundo o método das partidas dobradas. Profa. Daciane de Oliveira Silva

Procedimentos contábeis: segundo o método das partidas dobradas. Profa. Daciane de Oliveira Silva Procedimentos contábeis: segundo o método das partidas dobradas Profa. Daciane de Oliveira Silva Procedimentos contábeis Na aula 2, foi preparado um balanço após a ocorrência de cada operação da empresa.

Leia mais

Lucro Fiscal x Lucro Societário

Lucro Fiscal x Lucro Societário Lei n o 12. 973/14 Lucro Fiscal x Lucro Societário Alterações Práticas na Atividade Comercial Prof. Eric Aversari Martins Um Breve Histórico 11.638/07 Harmonização das Normas Contábeis 11.941/09 Instituição

Leia mais

Orientações técnicas para padronização contábil das fundações e do terceiro setor

Orientações técnicas para padronização contábil das fundações e do terceiro setor As ORIENTAÇÕES TÉCNICAS CCF/CIP Ns. 001/2009 a 006/2009 foram revogadas em 13/11/2014 pelos Coordenadores do CDH e do CIP. Seus objetos passam a constituir, devidamente atualizados, as ORIENTAÇÕES TÉCNICAS

Leia mais

Modelo de Plano de Contas Detalhado

Modelo de Plano de Contas Detalhado Modelo de Plano de Contas Detalhado Código da Conta Descrição da Conta 1. A T I V O 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.01 DISPONÍVEL 1.1.01.01 Caixa 1.1.01.02 Bancos c/ Movimento 1.1 01.03 Aplicações Financeiras

Leia mais

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA. Mestrado em Finanças Empresariais ESTGV-IPV

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA. Mestrado em Finanças Empresariais ESTGV-IPV ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV Mestrado em Finanças Empresariais 1. O Fluxo de Caixa para a Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar algumas das limitações

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento CONTABILIDADE AVANÇADA Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento INTRODUÇÃO Ágio e Ganho em Compra Vantajosa: são apurados em investimento pelo método de equivalência patrimonial. representam excesso ou

Leia mais

Contas a pagar & Contas a receber. Gestão Orçamentária

Contas a pagar & Contas a receber. Gestão Orçamentária Contas a pagar & Contas a receber Gestão Orçamentária Roteiro Introdução Funcionamento Estudo de caso Controle Planejamento Contas a pagar Contas a receber Referências Introdução Orçamento É um dos objetivo

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas EVA E MVA Aula 11 EVA Indica a quantia em termos monetários que foi adicionada à riqueza efetiva do acionista em determinado período Diferente do lucro contábil, pois considera o

Leia mais

Princípio da competência O princípio da competência determina que todas as vendas, os custos e as despesas devem ser considerados na apuração do resultado da empresa no período em que ocorrerem, independentemente

Leia mais

Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007

Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007 Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007 Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br NOÇÕES DE CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS X ATIVIDADES

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2003 E DE 2002 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2003 E DE 2002 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2003 E DE 2002 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA - FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE

Leia mais

TIPOS DE INVESTIMENTOS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA- PARTE ll

TIPOS DE INVESTIMENTOS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA- PARTE ll TIPOS DE INVESTIMENTOS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA- PARTE ll! Investimento pré-operacional! Investimento em giro! Liberação do investimento em giro! Sunk Cost Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

ODONTOPREV S.A. Senhores Acionistas,

ODONTOPREV S.A. Senhores Acionistas, ODONTOPREV S.A. Proposta de Destinação do Lucro Líquido do Exercício - Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária a ser realizada em 25/03/2010 (art. 9º da Instrução CVM 481/2009) Senhores Acionistas,

Leia mais

MARISA LOJAS S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures

MARISA LOJAS S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures MARISA LOJAS S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 MARISA LOJAS S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício

Leia mais

ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ÍNDICES DE RENTABILIDADE ÍNDICES DE ENTABILIDADE MÚLTIPLA ESCOLHA 1. Uma firma apresentou a seguinte demonstração do resultado: DEMONSTAÇÃO DO ESULTADO 31.12 % 31.12 +1% nas vendas aument o % Vendas...... 2. 1 4. +1 ( )Custo das

Leia mais

2 OPERAÇÕES CONTÁBEIS

2 OPERAÇÕES CONTÁBEIS 2 OPERAÇÕES CONTÁBEIS Este capítulo apresenta ao aluno a parte aplicada da Ciência Contábil especificamente ao registro contábil dos eventos patrimoniais, e alguns problemas específicos como Controle e

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais)

BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais) CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais) ATIVO CONSOLIDADO 2008 2007 2008 2007 Numerário disponível 1.265 2.072 5.915 6.418 Aplicações no mercado aberto

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Palestra. Roteiro para o Encerramento do Balanço Exercício Janeiro Elaborado por: Arnóbio Neto Araújo Durães

Palestra. Roteiro para o Encerramento do Balanço Exercício Janeiro Elaborado por: Arnóbio Neto Araújo Durães Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Estabelece as diretrizes que devem ser observadas na regulamentação, na vigilância e na supervisão das instituições de pagamento e dos arranjos de pagamento

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS Vantagens da análise de rácios Permitem diagnosticar a performance das empresas em termos de rentabilidade, solvabilidade, liquidez e equilíbrio financeiro. Possibilitam

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ DURATEX S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ DURATEX S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em de 2010 Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo Nota explicativa 31 de dezembro de 2010 31 de dezembro 1º de janeiro

Leia mais

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES A BDO International é uma rede mundial

Leia mais

1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita)

1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita) R O T E I R O 1) CONCEITO DE CONTAS 2) ELEMENTOS DE UMA CONTA 3) FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 4) MECANISMOS DE DÉBITO E CRÉDITO 5) CONTAS SINTÉTICAS E ANÁLITICAS 6) CONTAS DE RESULTADO 7) CONTAS BILATERAIS

Leia mais

6 C ; > OE O ƐƚĂƚƵƐ 6 > 8 2/ 72 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0

Leia mais

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado).

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado). Olá, meus amigos! Tudo bem? É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado). O plano foi elaborado pelo nosso

Leia mais

Orientação Técnica Geral 03. OTG/GTCON ESTATAIS N 03 Enquadramento como PME

Orientação Técnica Geral 03. OTG/GTCON ESTATAIS N 03 Enquadramento como PME Orientação Técnica Geral 03 OTG/GTCON ESTATAIS N 03 Enquadramento como PME TERMO DE APROVAÇÃO ORIENTAÇÃO TÉCNICA GERAL OTG/GTCON ESTATAIS Nº 03 Enquadramento como PME O Grupo de Trabalho de Procedimentos

Leia mais

Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004

Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004 Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004 e de 2003 e parecer de auditores independentes Demonstração da composição e diversificação

Leia mais

José Eduardo Mendonça S. Gonçalves

José Eduardo Mendonça S. Gonçalves José Eduardo Mendonça S. Gonçalves Contribuições dos sócios 51 Capital * Nota: para efeitos de apresentação no Balanço, deduzir saldos das contas: 261 Accionistas c/ subscrição * 262 Quotas não liberadas

Leia mais

DIREITOS DOS ACIONISTAS

DIREITOS DOS ACIONISTAS DO GRUPO DE ESTUDOS DE DIREITO EMPRESARIAL FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DIREITO SOCIETÁRIO APLICADO Mário Tavernard Martins de Carvalho Patrocinadores: 2 Direitos essenciais

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 Prefeitura Municipal Demonstracao. Unidade Gestora: CONSÓRCIO - CISGA

Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 Prefeitura Municipal Demonstracao. Unidade Gestora: CONSÓRCIO - CISGA Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO 994.183,15 D 181.380,01 162.761,34 1.012.801,82 D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE

Leia mais

Oficina Técnica. Adoção Inicial das Novas Normas Contábeis OUTUBRO 2012. Elaborado por: Elias da Silveira Cerqueira

Oficina Técnica. Adoção Inicial das Novas Normas Contábeis OUTUBRO 2012. Elaborado por: Elias da Silveira Cerqueira Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

02. (FCC MPE-RN/2012). A receita extraorçamentária em 31.12.2011, em reais, era: (A) 50.000,00 (B) 60.000,00 (C) 100.000,00

02. (FCC MPE-RN/2012). A receita extraorçamentária em 31.12.2011, em reais, era: (A) 50.000,00 (B) 60.000,00 (C) 100.000,00 SEMANA 10 - Despesa Pública: Dispêndios orçamentários (Despesa orçamentária) e Extra- Orçamentários; 01. (ESTILO-ESAF/2012) Os dispêndios públicos podem ser de natureza orçamentária ou extraorçamentária.

Leia mais

RELATÓRIO DE REVISÃO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores da IESA Projetos, Equipamentos e Montagens S.A. Araraquara - SP Introdução Revisamos as informações contábeis intermediárias,

Leia mais

Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura

Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura 1 de 6 Olá queridos alunos, Hoje faremos alguns comentários acerca da prova para o cargo de Auditor Interno da Prefeitura de Salvador,

Leia mais

Adoção das normas internacionais de contabilidade Diretoria de Finanças, Relações com Investidores e Controle Financeiro de Participações - DFN Superintendência de Controladoria CR 1 Convergência A convergência

Leia mais

Questões derivadas da MP 627

Questões derivadas da MP 627 III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF Questões derivadas da MP 627 Contabilidade e Direito: essência e forma Elidie Palma Bifano Tema do bloco: Questões derivadas da

Leia mais

MMX MINERAÇÃO E METÁLICOS S.A. CNPJ/MF n / NIRE Companhia Aberta

MMX MINERAÇÃO E METÁLICOS S.A. CNPJ/MF n / NIRE Companhia Aberta MMX MINERAÇÃO E METÁLICOS S.A. CNPJ/MF n 02.762.115/0001-49 NIRE 3.33.002.6111-7 Companhia Aberta ANEXO 14 DA INSTRUÇÃO CVM 481/2009 AUMENTO DE CAPITAL Em conformidade com o artigo 14 da Instrução CVM

Leia mais

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS DO ESTADO DA BAHIA CNPJ: / BALANÇO PATRIMONIAL DO EXERCÍCIO FINDO EM 31/12/2014

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS DO ESTADO DA BAHIA CNPJ: / BALANÇO PATRIMONIAL DO EXERCÍCIO FINDO EM 31/12/2014 SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS DO ESTADO DA BAHIA CNPJ: 13.564.539/0001-15 BALANÇO PATRIMONIAL DO EXERCÍCIO FINDO EM 31/12/2014 ATIVO VARIAÇÃO 31.12.2014 31.12.2013 % Circulante 542.168,44 419.059,97

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez

Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez Novembro 2015 1. Introdução Este manual de gerenciamento de risco de liquidez foi criado pela equipe da Spectra Investimentos e visa atender os requerimentos

Leia mais

Resultados Título da apresentação

Resultados Título da apresentação Resultados 2015 Título da apresentação Aviso Legal Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros do Banco Pan. Essas declarações estão baseadas

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO 3. OBJETIVOS 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CÓDIGO DA DISCIPLINA: PERÍODO: 2º NOTURNO CRÉDITO: 04

1. IDENTIFICAÇÃO 3. OBJETIVOS 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CÓDIGO DA DISCIPLINA: PERÍODO: 2º NOTURNO CRÉDITO: 04 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: 020008 PERÍODO: 2º NOTURNO CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: CONTABILIDADE E ANÁLISE DE BALANÇO NOME DO CURSO:

Leia mais

Curso de Contabilidade Básica

Curso de Contabilidade Básica Curso de Contabilidade Básica Professor Humberto Lucena 3. CONTAS 3.1 Conceito de Conta Conta é o nome que identifica cada componente patrimonial (bem, direito e obrigação) e cada componente do resultado

Leia mais

TELEFÓNICA, S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2008

TELEFÓNICA, S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE AUDITORÍA, DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO DA TELEFÓNICA, S.A. CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2008 TELEFÓNICA, S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO CORRESPONDENTES

Leia mais

CORRÊA RIBEIRO S.A. COMÉRCIO E INDÚSTRIA CORRÊA RIBEIRO S.A. COMÉRCIO E INDÚSTRIA E SUAS CONTROLADAS

CORRÊA RIBEIRO S.A. COMÉRCIO E INDÚSTRIA CORRÊA RIBEIRO S.A. COMÉRCIO E INDÚSTRIA E SUAS CONTROLADAS CORRÊA RIBEIRO S.A. COMÉRCIO E INDÚSTRIA CORRÊA RIBEIRO S.A. COMÉRCIO E INDÚSTRIA E SUAS CONTROLADAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DA EMPRESA CONTROLADORA E DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS EM 31 DE

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

Restrições de Investimento:.

Restrições de Investimento:. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPARTA CICLICO FIM 07.552.643/0001-97 Informações referentes a 06/2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SPARTA CÍCLICO FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

CAPITULO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI

CAPITULO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI SECAO 021200 - FACILIDADE PARA UTILIZAÇÃO DO SIAFI (DICAS) ASSUNTO 021216 - PROCEDIMENTO PARA INCLUSÃO DE FOLHA

Leia mais

Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI Renda Fixa Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI O produto O Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) é um título que gera um direito de crédito ao

Leia mais

A T I V O P A S S I V O DE RIBEIRÃO PRETO FINDO EM DE 2012. Títulos. Títulos PASSIVO ATIVO CIRCULANTE DISPONÍVEL. Realizável PATRIMÔNIO/CAPITAL

A T I V O P A S S I V O DE RIBEIRÃO PRETO FINDO EM DE 2012. Títulos. Títulos PASSIVO ATIVO CIRCULANTE DISPONÍVEL. Realizável PATRIMÔNIO/CAPITAL FIPASE CNPJ 04.755.519/ /0001-30 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕESS CONTÁBEIS PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 FIPASE - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 20122 A T I V O P A S

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES-FACELI FELIPE GARCIA COELHO SAMIRA CALEGARI BRUMATTI. Espécies de sociedade e estatuto social

FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES-FACELI FELIPE GARCIA COELHO SAMIRA CALEGARI BRUMATTI. Espécies de sociedade e estatuto social FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES-FACELI FELIPE GARCIA COELHO SAMIRA CALEGARI BRUMATTI Espécies de sociedade e estatuto social LINHARES 2010 FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan

BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan FACULDADE EVANGÉLICA CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE AMBIENTAL E SOCIAL TURMA: 3º, 4º e 5º PERÍODOS BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan Considere os fatos contábeis

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/ BROOKFIELD INCORPORAÇÕES S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/ BROOKFIELD INCORPORAÇÕES S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

CONSIDERANDO que o Conselho Federal de Contabilidade mantém Acordo de Cooperação Técnica com a Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda,

CONSIDERANDO que o Conselho Federal de Contabilidade mantém Acordo de Cooperação Técnica com a Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.299/10 Aprova o Comunicado Técnico CT 04 que define as formalidades da escrituração contábil em forma digital para fins de atendimento ao Sistema Público de Escrituração Digital (SPED).

Leia mais

Balancete Analítico (Valores em Reais)

Balancete Analítico (Valores em Reais) 00001 00001 10000000000 ATIVO 1.106.769,67 D 245.898,04 215.335,97 1.137.331,74 D 00011 10100000000 CIRCULANTE 392.022,31 D 245.898,04 209.507,10 428.413,25 D 00111 10101000000 DISPONIVEL 42.883,44 D 183.143,16

Leia mais

Anexo à Instrução 17/96

Anexo à Instrução 17/96 Anexo à Instrução 17/96 SOCIEDADES EMITENTES OU GESTORAS DE CARTÕES DE CRÉDITO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE

Leia mais

Balancete Analítico (Valores em Reais)

Balancete Analítico (Valores em Reais) 00001 00001 10000000000 ATIVO 1.401.400,92 D 427.555,46 347.984,60 1.480.971,78 D 00011 10100000000 CIRCULANTE 697.020,41 D 427.555,46 342.046,76 782.529,11 D 00111 10101000000 DISPONIVEL 164.070,24 D

Leia mais

BALANCETE ANALÍTICO - ABRIL/2015

BALANCETE ANALÍTICO - ABRIL/2015 Folha : 1 1 ATIVO 4.009.419,95 D 1.629.902,67 2.246.254,36 3.393.068,26 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 955.155,70 D 1.629.902,67 2.246.254,36 338.804,01 D 1.1.1 DISPONIBILIDADES 583.101,30 D 1.627.251,30 2.195.109,54

Leia mais