RNCCI ANÁLISE SWOT. Análise SWOT da RNCCI

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RNCCI ANÁLISE SWOT. Análise SWOT da RNCCI"

Transcrição

1 Análise SWOT da RNCCI

2 PONTOS FORTES Convergência de esforços entre a Saúde e Segurança Social, no sentido da implementação de um modelo de intervenção multisectorial (integração da RNCCI no SNS e SS); Parceria entre os sectores público, privado e social numa perspectiva de complementaridade e de modo a assegurar respostas de proximidade aos cidadãos em situação de dependência; Recombinação de serviços e recursos existentes com outros entretanto criados, formando uma estrutura organizacional integrada no sistema existente; Focalização no utente (Plano Individual de Intervenção, envolvimento e participação da família, ) e na continuidade de cuidados; Contributo essencial para a sustentabilidade do SNS.

3 PONTOS FRACOS Desconhecimento dos profissionais (CH e CSP) sobre os circuitos e procedimentos associados aos processos de sinalização e referenciação para a Rede; Ausência de planeamento atempado da alta ao nível hospitalar e de sinalização precoce no âmbito dos CSP; Dificuldades na interiorização/operacionalização do conceito de interdisciplinaridade e falhas na articulação e comunicação entre diferentes actores da Rede (EGA/ ECL/ ECR/ Prestadores); Escassez de tempo afecto dos profissionais que integram a maioria das Equipas (EGA, ECL e ECR), o que gera sobrecarga de trabalho e atraso no seguimento dos processos; Insuficiência de vagas na Rede, tanto em internamento (sobretudo em Longa Duração e Paliativos), como em apoio domiciliário e ambulatório (Unidades de Dia e Promoção da Autonomia) e ausência de outras respostas na comunidade;

4 PONTOS FRACOS - continuação Exaustividade da informação solicitada no aplicativo e excessiva burocratização do processo de referenciação; Tempos de resposta da RNCCI elevados (falta de vagas e burocratização), o que gera desmotivação, desinteresse e até mesmo resistência à sinalização nalguns profissionais; A plataforma informática/aplicativo não disponibiliza informação de retorno aos intervenientes (falta de transparência), nem potencia a articulação entre eles (ausência de módulo para sinalização dos recursos humanos envolvidos, ); Ausência de orientações claras e inequívocas sobre procedimentos a adoptar e inexistência de mecanismos formais que promovam a convergência progressiva, nomeadamente ao nível das práticas das ECL e dos critérios de referenciação, os quais podem ser interpretados de diferentes formas pelos vários actores.

5 OPORTUNIDADES Aumento e diversificação das respostas da Rede de acordo com as necessidades; Ao nível dos recursos humanos: Formação, informação e sensibilização dos profissionais dos Hospitais e CSP sobre a Rede; Reforço das Equipas de Gestão de Altas e de Coordenação (ECL e ECR) para garantir a fluidez dos circuitos; Envolvimento da administração em saúde (Tutela, ARS, ACES, ULS, HH,..) na promoção da referenciação, nomeadamente por via do desenvolvimento efectivo da contratualização interna; Simplificação e desburocratização do processo de referenciação e colocação dos utentes (capilaridade entre os três pilares do sistema);

6 OPORTUNIDADES - continuação Requalificação da informação solicitada para referenciação; Revisão da plataforma informática/aplicativo, no sentido de: Se constituir como um sistema de apoio à decisão; Promover a transparência dos processos junto dos vários stakeholders (partilha de informação de retorno); Melhorar o nível de segurança (atribuição de diferentes passwords aos vários profissionais); Focalização na avaliação dos resultados da Rede (outcomes e sustentabilidade do SNS).

7 AMEAÇAS Descrédito da Rede perante os cidadãos e restantes prestadores por não se constituir como uma resposta ágil e atempada; Fragmentação das respostas, o que compromete a continuidade de cuidados, por não estar assegurada a verdadeira integração da Rede com os Cuidados de Saúde Primários (referenciação precoce a partir da comunidade, continuidade após alta, ) e Cuidados Hospitalares (redução das DM, infecções nosocomiais, ); Insustentabilidade da Rede por falta da diversificação das respostas, quer na própria RNCCI, quer na comunidade.

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Bárbara Menezes Coordenadora do Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil Divisão de Saúde Sexual,Reprodutiva, Infantil

Leia mais

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5 A Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. (ACSS, IP) é um Instituto Público, criado em 2007, integrado na administração indireta do Estado, dotado de autonomia administrativa, financeira e patrimonial

Leia mais

Implementação e Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Conclusões

Implementação e Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Conclusões Implementação e Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Conclusões Março 2013 Março 2013 CONCLUSÕES O caminho percorrido pela RNCCI desde a sua criação e o trabalho desenvolvido

Leia mais

Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados

Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 909 camas de internamento REDE NACIONAL DE Implementação das Experiências Piloto * Mais de 1.400 utentes tratados em seis meses. 5 equipas de Coordenação

Leia mais

Relatório Final. Os cidadãos no centro do sistema Os profissionais no centro da mudança

Relatório Final. Os cidadãos no centro do sistema Os profissionais no centro da mudança Relatório Final Os cidadãos no centro do sistema Os profissionais no centro da mudança 21-Nov-2011 1 Abordagem Conceptual para a Reforma Hospitalar 1 Diagnóstico 2 Transformação 3 Implementação 2 M Eur

Leia mais

Orçamento do Estado 2016

Orçamento do Estado 2016 Orçamento do Estado 2016 Programa Orçamental da Saúde 25 de fevereiro de 2016 1 1. Orçamento do Estado 2016 2 ORÇAMENTO DO ESTADO 2016 RESPONSÁVEL CONSTITUCIONAL VALORIZA OS PROFISSIONAIS PROMOVE A EQUIDADE

Leia mais

Jornadas de Cuidados Continuados Integrados

Jornadas de Cuidados Continuados Integrados WWW.ACSS.MIN-SAUDE.PT 2 May 2016 Jornadas de Cuidados Continuados Integrados Para onde caminhamos? Rede de cuidados continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade, futuro e Sustentabilidade

Leia mais

Os Cuidados de Saúde na Rede Social Solidária. Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital do Porto

Os Cuidados de Saúde na Rede Social Solidária. Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital do Porto Os Cuidados de Saúde na Rede Social Solidária Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital do Porto 1 Caracterização da população >65 anos no Distrito do Porto: Concelho Censos 2001 Censos 2011

Leia mais

Plano Regional de Saúde Lisboa e

Plano Regional de Saúde Lisboa e Plano Regional de Saúde Lisboa e Vale do Tejo Um Futuro para as Nossas Crianças Plano Regional de Saúde Lisboa e Vale do Tejo 2010 2012 Rui Portugal Presidente da ARSLVT António Tavares Director do Departamento

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO E DA ACTIVIDADE DA REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS EM 2008 ABRIL 2009

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO E DA ACTIVIDADE DA REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS EM 2008 ABRIL 2009 RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO E DA ACTIVIDADE DA REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS EM 2008 ABRIL 2009 1 RESUMO EXECUTIVO A Rede Nacional de Cuidados Continuados

Leia mais

Identificação da empresa. Missão. Objetivos. Políticas da Empresa. Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E.

Identificação da empresa. Missão. Objetivos. Políticas da Empresa. Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E. Identificação da empresa Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E. Missão O Hospital da Senhora da Oliveira tem como missão prestar os melhores cuidados de saúde, com elevados níveis de competência,

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA CONJUNTA N.º 07 / 2016 / DGS / SPMS

CIRCULAR INFORMATIVA CONJUNTA N.º 07 / 2016 / DGS / SPMS CIRCULAR INFORMATIVA CONJUNTA N.º 07 / 2016 / DGS / SPMS Assunto: Processo de desmaterialização da referenciação para Urgência reforço de procedimento Para: Administrações Regionais de Saúde (ARS), Hospitais

Leia mais

Nacional de Cuidados Paliativos (RNCP) e indicadores de referência para a implementação e desenvolvimento destas equipas

Nacional de Cuidados Paliativos (RNCP) e indicadores de referência para a implementação e desenvolvimento destas equipas N. 1/2017/CNCP/ACSS DATA: 12-01-2017 CIRCULAR NORMATIVA PARA: Instituições Hospitalares do SNS, Administrações Regionais de Saúde, IP/Agrupamentos de Centros de Saúde/Unidades Locais de Saúde, EPE ASSUNTO:

Leia mais

SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º de junho de Artigo 2.º. Portaria n.º 165/2016

SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º de junho de Artigo 2.º. Portaria n.º 165/2016 Diário da República, 1.ª série N.º 112 14 de junho de 2016 1821 SAÚDE Portaria n.º 165/2016 de 14 de junho O XXI Governo Constitucional, no seu programa para a saúde, estabelece como prioridade melhorar

Leia mais

Clínica Organizacional. Inovação

Clínica Organizacional. Inovação QUALIDADE Clínica Organizacional e Inovação Anabela Coelho Divisãode Gestão da Qualidade Enquadramento O DOENTE PASSOU A TER O DIREITO RECONHECIDO DE Estar informado sobre os fundamentos das decisões que

Leia mais

Plano de Atividades. Equipa de Gestão de Altas SUMÁRIO

Plano de Atividades. Equipa de Gestão de Altas SUMÁRIO Plano de Ativides Equipa de Gestão de Altas 2016 Aprovado Pág. 1 de 7 SUMÁRIO 1. Enquadramento do Serviço 2. Objetivos e Ativides 3. Plano de Recursos Humanos 4. Formação 5. Conclusões Lista de abreviaturas

Leia mais

Relatório intercalar de monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI)

Relatório intercalar de monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Relatório intercalar de monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 1º Semestre de 2011 Julho 2011 1 IMPLEMENTAÇÃO 2011... 6 1.1 Tipologias de internamento... 6 1.1.1 Evolução

Leia mais

NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013

NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013 NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013 Tipologias de Intervenção 3.6, 8.3.6 e 9.3.6 Qualificação dos Profissionais da Saúde I Prioridades a considerar na seleção de candidaturas para 2013 Concurso n.º13/2013

Leia mais

O papel do Enfermeiro Especialista em Saúde Comunitária na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados

O papel do Enfermeiro Especialista em Saúde Comunitária na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados O papel do Enfermeiro Especialista em Saúde Comunitária na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados Carlos Pinto Porto, 12 de Novembro de 2015 A Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional.

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional. CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Cargo: Vogal do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: Período de 5 anos a contar

Leia mais

pelos CH e, por outro lado, da produção realizada tal como descrita nos Relatórios e Contas, os Contratos-Programa não estarão a refletir as

pelos CH e, por outro lado, da produção realizada tal como descrita nos Relatórios e Contas, os Contratos-Programa não estarão a refletir as Sumário executivo A Entidade Reguladora da Saúde, ao abrigo das suas atribuições tal como consagradas no Decreto-Lei n.º 127/2009, de 27 de Maio, de [ ] assegurar o cumprimento dos critérios de acesso

Leia mais

Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Atualizado em:

Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Atualizado em: Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) Atualizado em: 04-09-2015 Esta informação destina-se a Pessoas que estejam em situação de dependência e necessitem de cuidados continuados de saúde

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL

CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO HOSPITALAR DE LISBOA CENTRAL 1. O presente Código de Ética contém os princípios de actuação dos gestores, demais dirigentes e trabalhadores do Centro Hospital de Lisboa Central,

Leia mais

Documento de Trabalho

Documento de Trabalho AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE Documento de Trabalho O Decreto-Lei nº 28/2008 de 22 de Fevereiro cria os agrupamentos de centros de saúde (ACES) do Serviço Nacional de

Leia mais

Objectivos Operacionais (OO) Eficácia Ponderação: 50% Aumentar em 50% o número de USF em actividade na região Norte + 57% (69 USF) 10%

Objectivos Operacionais (OO) Eficácia Ponderação: 50% Aumentar em 50% o número de USF em actividade na região Norte + 57% (69 USF) 10% Ministério: Ministério da Saúde Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte, IP QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO - ANO 2008 MISSÃO: Garantir à população da sua área de influência o acesso

Leia mais

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Algarve, IP GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS grupotecnicodeferidas@arsalgarve.min-saude.pt Estudos Estudo realizado na Região em 2005 (CC Infecção/Centro

Leia mais

Relatório de monitorização do desenvolvimento e da actividade da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 2010

Relatório de monitorização do desenvolvimento e da actividade da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 2010 Relatório de monitorização do desenvolvimento e da actividade da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 2010 Março 2011 1 INTRODUÇÃO... 8 2 PLANEAMENTO 2010... 9 2.1 Plano de Implementação

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 2015-2020 REUNIÃO PLENÁRIA DAS COMISSÕES DA QUALIDADE E SEGURANÇA 9 DE JULHO DE 2015 ENQS DQS CQS ARS ARS ARS ARS ARS DC DC DC DC DC CQS CQS CQS CQS CQS CQS

Leia mais

Decreto-Lei n.º 156/99, de 10 de Maio Estabelece o regime dos sistemas locais de saúde

Decreto-Lei n.º 156/99, de 10 de Maio Estabelece o regime dos sistemas locais de saúde Estabelece o regime dos sistemas locais de saúde Pelo Decreto-Lei n.º 11/93, de 15 de Janeiro, foi aprovado o Estatuto do Serviço Nacional de Saúde, que veio estabelecer o conceito de unidades integradas

Leia mais

PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS

PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS INFEÇÕES ASSOCIADAS AOS CUIDADOS DE SAÚDE PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS 12 DE NOVEMBRO DE 2013 CRISTINA SOUSA ECR ALENTEJO REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS

Leia mais

Sérgio Antunes de Carvalho

Sérgio Antunes de Carvalho A EXPERIENCIA DE GERIR A ENFERMAGEM DA FORMAÇÃO AO CONTEXTO DA PRÁTICA DOS CUIDADOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DIFICULDADES PERCEBIDAS - Diferenças substanciais dos ACES no que se refere a políticas de

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: 2016-2020 1. Missão do Organismo

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE MODELOS DE REFERENCIAÇÃO HOSPITALAR AMÉRICO AFONSO

REFLEXÃO SOBRE MODELOS DE REFERENCIAÇÃO HOSPITALAR AMÉRICO AFONSO REFLEXÃO SOBRE MODELOS DE REFERENCIAÇÃO HOSPITALAR AMÉRICO AFONSO 1 TÓPICOS A ABORDAR Conceitos gerais Redes de Referenciação Hospitalar Perspectivas actuais e futuras Apresentação de exemplo real Conclusões

Leia mais

Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários. Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios?

Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários. Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios? Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários Unidades Cuidados Comunidade: Projetos, Programas e Recursos. Desafios! Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios? Apresentação da: Unidade de Cuidados

Leia mais

Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 1º Semestre de 2015

Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 1º Semestre de 2015 Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 1º Semestre de 2015 setembro de 2015 DRS Departamento Gestão da Rede de Serviços e Recursos em Saúde ÍNDICE DE TABELAS... 3 ÍNDICE

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO-AÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO-AÇÃO Anexo VIII 1/7 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-AÇÃO 2016-2018 2/7 1. ENQUADRAMENTO O Sistema Integrado de Referenciação e de Gestão do Acesso à Primeira Consulta de Especialidade Hospitalar nas Instituições do SNS,

Leia mais

a) A aquisição de material preventivo da transmissão da infeção por VIH;

a) A aquisição de material preventivo da transmissão da infeção por VIH; NÚMERO: 07/2014 DATA: 16/06/2014 ATUALIZAÇÃO 28/10/2014 ASSUNTO: Distribuição, nas Unidades de Saúde, de Material Preventivo da Transmissão por Via Sexual do VIH PALAVRAS-CHAVE: Prevenção, VIH PARA: ARS,

Leia mais

Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vila Verde. Senhor Presidente da União das Misericórdias Portuguesas. Senhor Arcebispo Primaz de Braga

Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vila Verde. Senhor Presidente da União das Misericórdias Portuguesas. Senhor Arcebispo Primaz de Braga Cerimónia de passagem da assinatura de Protocolos com Santas Casas da Misericórdia 31 de julho de 2015 Senhor Ministro da Saúde Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vila Verde Senhor Presidente da

Leia mais

CAPACIDADE PARA MUDAR

CAPACIDADE PARA MUDAR CAPACIDADE PARA MUDAR Carlos Carapeto Inovações Organizacionais na Administração Pública: O caso dos Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES) REUNIÃO NACIONAL DE DIRECTORES EXECUTIVOS DOS AGRUPAMENTOS DE

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

Bolsa de. Objetivos Individuais

Bolsa de. Objetivos Individuais Carreira Especial de Enfermagem Avaliação de Desempenho Biénio 2015 2016 Bolsa de s Individuais Sumário s Individuais de Realização pg. 03 s Individuais de Qualidade pg. 11 s Individuais de Aperfeiçoamento

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social 2016/2020

Plano de Desenvolvimento Social 2016/2020 Plano de Desenvolvimento Social 2016/2020 O que é o PDS? Documento orientador de planeamento integrado e participado do desenvolvimento social para os próximos cinco anos. Pretende traçar o caminho a seguir

Leia mais

Políticas públicas, financiamento e acessibilidade aos serviços de saúde. Mesa Redonda Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa

Políticas públicas, financiamento e acessibilidade aos serviços de saúde. Mesa Redonda Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa Políticas públicas, financiamento e acessibilidade aos serviços de saúde Mesa Redonda Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa Relações no sistema Situação dos cuidados de saúde primários Julho 2005

Leia mais

Unidade de Alcoologia de Coimbra. Maria Lucília Mercês de Mello

Unidade de Alcoologia de Coimbra. Maria Lucília Mercês de Mello Unidade de Alcoologia de Coimbra Maria Lucília Mercês de Mello Unidade de Alcoologia de Coimbra História 1964 - Surge no Hospital Sobral Cid - Serviço de Recuperação de Alcoólicos 1971 - Centro de Recuperação

Leia mais

Dia Internacional da Higiene das Mãos

Dia Internacional da Higiene das Mãos Dia Internacional da Higiene das Mãos Prevenção e Controlo da Infeção e da Resistência aos Antimicrobianos PPCIRA Dia 5 de Maio de 2016 Auditório Tomé Pires, INFARMED, Lisboa Paulo André Fernandes Ana

Leia mais

Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável

Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável Projecto MobES - JUSTIFICAÇÃO Aumento da Esperança Média de Vida associa-se a: Prevalência de doenças crónicas; Custos na saúde. Inatividade Física

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fajões 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fajões

Leia mais

LEGISLAÇÃO E ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

LEGISLAÇÃO E ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR 1º Regulamento do Hospital de Todos os Santos 19/1/1504 Autonomia Administrativa Superintendência por um provedor Participação dos representantes dos ofícios Casa dos 23 Associação ao ensino e investigação

Leia mais

Via Verde da Reabilitação do AVC

Via Verde da Reabilitação do AVC Paula Amorim, Graça Telo Gonçalves, Anabela Pereira, João Constan8no Campus hospitalar de 144 hectares 2 Serviços de internamento (RGA 50 camas + LM 30 camas) 1 Unidade habitacional-16 M1 1 UCC (60 camas)

Leia mais

Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida -

Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida - Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida - CUIDADOS DE SUPORTE: Saúde Mental na Comunidade SANDRA MOREIRA Enf.ª ULSM - Coordenadora UCCSMI Título de Especialista em Enfermagem de Saúde Mental

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM COMUNITÁRIA E DE SAÚDE PÚBLICA

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM COMUNITÁRIA E DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM COMUNITÁRIA E DE SAÚDE PÚBLICA APROVADO POR UNANIMIDADE EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

Casa de Saúde São João de Deus

Casa de Saúde São João de Deus Casa de Saúde São João de Deus Funchal Outubro 2013 Manuel Freitas CSSJD Funchal Caminho percorrido SGQ- Situação atual CSSJD Funchal CSSJD Inaugurada 10/08/1924 OHSJD Província Portuguesa ISJD Fins de

Leia mais

Lei de Bases dos Cuidados Paliativos

Lei de Bases dos Cuidados Paliativos TEXTO FINAL Lei de Bases dos Cuidados Paliativos Capítulo I Disposições gerais Base I Âmbito A presente lei consagra o direito e regula o acesso dos cidadãos aos cuidados paliativos, define a responsabilidade

Leia mais

nidade Local de Saúde de Matosinhos, E.P.E.

nidade Local de Saúde de Matosinhos, E.P.E. nidade Local de Saúde de Matosinhos, E.P.E. 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DOS HOSPITAIS: Da Integração dos Cuidados à Intervenção Comunitária O Papel do Hospital na Comunidade Agenda 1 Enquadramento Hospital

Leia mais

TRABALHO, SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL E SAÚDE

TRABALHO, SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL E SAÚDE 608 Diário da República, 1.ª série N.º 24 2 de fevereiro de 2017 do continente, às relações de trabalho entre empregadores filiados na associação de empregadores outorgante e trabalhadores ao seu serviço

Leia mais

Relatório de monitorização do desenvolvimento e da atividade

Relatório de monitorização do desenvolvimento e da atividade Relatório de monitorização do desenvolvimento e da atividade da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 1º Semestre de 2012 1 INTRODUÇÃO... 7 2 IMPLEMENTAÇÃO RNCCI JUNHO 2012... 10 2.1

Leia mais

Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA. Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013

Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA. Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013 Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013 CRSMCA M. Cândida Rebelo Presidente Alda P. Luís Benvinda Bento Representante do CD Helena Cargaleiro

Leia mais

Desafio Gulbenkian Não à Diabetes! Enquadramento

Desafio Gulbenkian Não à Diabetes! Enquadramento Breve Apresentação Enquadramento O programa Não à Diabetes promovido pela Fundação Gulbenkian visa responder ao desafio que a Diabetes representa em Portugal e pretende suster o crescimento da incidência

Leia mais

Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 1º Semestre de 2013

Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 1º Semestre de 2013 Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 1º Semestre de 2013 Julho 2013 Julho 2013 1 UNIDADES E EQUIPAS DA RNCCI... 4 2 REFERENCIAÇÃO PARA A RNCCI... 8 3 ATIVIDADE ASSISTENCIAL

Leia mais

OPSS Observatório Português dos Sistemas de Saúde

OPSS Observatório Português dos Sistemas de Saúde CONTRATUALIZAÇÃO Num cenário de mudança, como o que se observa hoje no sector da Saúde, o desafio da Regulação pressupõe dois caminhos: centralizar ou descentralizar a regulação, aproximando-se mais dos

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fragoso 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fragoso

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL Rui D. Camolino Lisboa, 9 de Julho 2008 1 AGENDA Projecto MATISSE Conclusões do Projecto A Contribuição da Associação ITS

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. 1. Missão do Organismo. 2. Principais serviços prestados

CARTA DE MISSÃO. 1. Missão do Organismo. 2. Principais serviços prestados CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: INEM - Instituto Nacional de Emergência Médica, I. P. Cargo: Vogal do Conselho Diretivo do INEM - Instituto Nacional de Emergência Médica, I.P. Período

Leia mais

Plataforma / SIARS / 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa

Plataforma  / SIARS / 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa Plataforma SIM@SNS SIM@SNS / SIARS / MIM@UF 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa 1 Agenda Agenda Enquadramento Caraterização (SIM@SNS / SIARS / MIM@UF) Evolução da plataforma SIM@SNS 2 Enquadramento Plataforma

Leia mais

Três anos da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 3 anos. Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados.

Três anos da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 3 anos. Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados. Três anos da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 3 anos Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados Resumo Executivo Três anos da RNCCI Ficha Técnica Título Três anos da RNCCI,

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

Controlo Externo e Controlo Interno

Controlo Externo e Controlo Interno Controlo Externo e Controlo Interno Princípios do séc. XIII Com D. Dinis (1279-1325): Desenha-se o embrião dos "Contos" Com D. João I (1385-1433) Autonomia dos "Contos"» CASA DOS CONTOS (1389-1761) Com

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO CUIDADOS DE SAÚDE TRANSFRONTEIRIÇOS Direção Geral da Saúde Julho de 2012 Áreas de intervenção ASSISTÊNCIA MÉDICA ESPECIALIZADA

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT SOBRE O QUESTIONÁRIO FUNDOS EUROPEUS ESTRUTURAIS E DE INVESTIMENTO

POSIÇÃO DA UGT SOBRE O QUESTIONÁRIO FUNDOS EUROPEUS ESTRUTURAIS E DE INVESTIMENTO POSIÇÃO DA UGT SOBRE O QUESTIONÁRIO FUNDOS EUROPEUS ESTRUTURAIS E DE INVESTIMENTO 2014-2020 A UGT deve, antes de mais, assinalar que o questionário apresentado se torna de difícil resposta num contexto

Leia mais

GOALS PASSADO PRESENTE FUTURO OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? SEGURANÇA NO TRABALHO ENCONTRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO

GOALS PASSADO PRESENTE FUTURO OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? SEGURANÇA NO TRABALHO ENCONTRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO GOALS OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? OBJECTIVOS - Passado: Evolução Histórica da SHT no SNS - Presente: Modelo de Gestão de SHT(Gestão de Risco) - O Futuro: uma abordagem estratégica INTRODUÇÃO

Leia mais

Quinta São João das Areias Rua A Nº66 R/C Sacavém Telefone: Sociedade por Quotas

Quinta São João das Areias Rua A Nº66 R/C Sacavém Telefone: Sociedade por Quotas Resumo Nos Serviços Água, a Construbuild apresenta-se já como uma Referência a Nível deste sector. As actividades desenvolvidas nesta área relacionam-se fundamentalmente, com a Gestão de Equipamentos de

Leia mais

COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010

COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010 COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010 Ordem de trabalhos: - Rede de Referência - Composição UCF

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 2015 PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 2015 PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 2015 PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS Elaborado: Serviço de Auditoria Interna Data: 22.03.2016 Aprovado: Conselho de Administração Aprovado na reunião n.º

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

Plano de Formação 2014

Plano de Formação 2014 Área Funcional de Formação e Desenvolvimento Plano de Formação 2014 Intervenção em Tabagismo: A abordagem do Hardcore Smoker Mireille Amaral 01-09-2014 03-09-2014 21 4 Técnicas de Organização e Planeamento

Leia mais

A experiência dos Serviços Farmacêuticos da ARSC

A experiência dos Serviços Farmacêuticos da ARSC A experiência dos Serviços Farmacêuticos da ARSC O que fazemos na gestão da medicação nos cuidados de saúde primários (e não só!) Catarina de Oliveira Coelho Serviços Farmacêuticos ARS Centro 19 de abril

Leia mais

Plano Nacional de Saúde Roteiro Estratégico para a Implementação do PNS. (Julho 2013)

Plano Nacional de Saúde Roteiro Estratégico para a Implementação do PNS. (Julho 2013) Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Roteiro Estratégico para a Implementação do PNS (Julho 2013) Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Roteiro Estratégico para a Implementação do PNS em 2013-2014 Pág. 1 ÍNDICE

Leia mais

Jaime Melo Baptista. Instituto Regulador de Águas e Resíduos

Jaime Melo Baptista. Instituto Regulador de Águas e Resíduos Jaime Melo Baptista Instituto Regulador de Águas e Resíduos Relevância da discussão sobre políticas e modelos de governança e sobre a gestão destes serviços: São serviços públicos essenciais e insubstituíveis,

Leia mais

Plano Nacional de Saúde

Plano Nacional de Saúde Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Índice de Figuras, Quadros e Tabelas (Janeiro 2012) Plano Nacional de Saúde 2012-2016 ÍNDICE DE FIGURAS, QUADROS E TABELAS 1. Enquadramento do Plano Nacional de Saúde

Leia mais

Investigação em serviços de saúde

Investigação em serviços de saúde Ministério da Saúde Cuidados de Saúde Primários Portugal Coordenação Estratégica Investigação em serviços de saúde Cuidados de saúde primários 2011-2015 Índice Tópicos Pág. Nota inicial.... 02 Prioridades

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Comissões de Controlo de Infecção Nº: 18/DSQC/DSC DATA: 15/10/07 Para: Contacto na DGS: Todas as Unidades de Saúde Direcção de Serviços da Qualidade Clínica, Divisão da Segurança Clínica NORMA

Leia mais

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR-LVT

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR-LVT Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Código de Ética e Conduta Profissional Agosto 2009 Código de Ética e Conduta Profissional Um Código de Ética e Conduta Profissional

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO E OPERACIONAL EIXOS ESTRATÉGICOS

PLANO ESTRATÉGICO E OPERACIONAL EIXOS ESTRATÉGICOS REFORMA DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE COORDENAÇÃO NACIONAL PARA OS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS PLANO ESTRATÉGICO E OPERACIONAL Missão Expansão e melhoria da capacidade da rede de cuidados de saúde primários,

Leia mais

Plano Bienal de Desenvolvimento de Marvila (Março de 2014 a Março de 2016)

Plano Bienal de Desenvolvimento de Marvila (Março de 2014 a Março de 2016) 1. - Ação de Team Building - Nº de ações realizadas; Trabalho em - Consolidar - Realizar 1 ação em - ATM - Nº de entidades presentes por ação Rede parcerias conjunto. - Criar plano de comunicação da CSF;

Leia mais

Necessidades que estiveram na base da implementação da Equipa

Necessidades que estiveram na base da implementação da Equipa Catarina Pazes Necessidades que estiveram na base da implementação da Equipa Aumento da dependência e fragilidade associadas ao envelhecimento; Aumento do número de pessoas com doenças crónicas evolutivas;

Leia mais

Contratualização em Cuidados Continuados

Contratualização em Cuidados Continuados Um Outro Olhar sobre o Hospital Contratualização em Cuidados Continuados João Amado Santa Casa da Misericórdia de Portimão RNCCI o início O Decreto-Lei nº 101/2006 criou a Rede Nacional de Cuidados Continuados

Leia mais

Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 2015

Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 2015 Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 2015 Março de 2016 DRS Departamento de Gestão da Rede de Serviços e Recursos em Saúde ÍNDICE DE TABELAS... 4 ÍNDICE DE FIGURAS...

Leia mais

Governação dos laboratórios: papel da regulação

Governação dos laboratórios: papel da regulação Governação dos laboratórios: papel da regulação César Carneiro Director do Departamento de Estudos e Regulação Económica Lisboa, 20 de Maio de 2016 Agenda 1. A Entidade Reguladora da Saúde 2. As actividades

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Desagregação das medidas e das tipologias de atividades ESTRATÉGIA NACIONAL

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO Resumo da proposta final Documento para análise PROJETO EDUCATIVO Análise na matriz SWOT (strenghts, weaknesses, opportunities, threats) pontos fortes/pontos fracos/

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a. Associação Nacional das Farmácias

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a. Associação Nacional das Farmácias Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Associação Nacional das Farmácias O Estado Português, aqui representado pelos Ministros das Finanças e da Saúde e a Associação Nacional das Farmácias,

Leia mais

Como formar uma USF?

Como formar uma USF? Como formar uma USF? Apresentação Numa palavra USF? e formar uma USF https://www.youtube.com/watch?v=5ztm-iyupm4 Quem e como se pensou sns? Baseados em cuidados primários efectivos Médicos generalistas

Leia mais

Gráfico 1 População residente no distrito de Castelo Branco. (Fonte: INE, e 2007)

Gráfico 1 População residente no distrito de Castelo Branco. (Fonte: INE, e 2007) O Centro Social Padre Tomás D Aquino Vaz de Azevedo (CSPTAVA) é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que desenvolve a sua actividade na área do apoio à Terceira Idade nas valências de Lar

Leia mais

Relatório de monitorização do desenvolvimento e da actividade da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 1º semestre 2010

Relatório de monitorização do desenvolvimento e da actividade da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 1º semestre 2010 Relatório de monitorização do desenvolvimento e da actividade da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) 1º semestre 2010 Setembro 2010 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO...4 2 COORDENAÇÃO E GESTÃO

Leia mais

Apresentação do PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE INFANTIL E JUVENIL. Direção-Geral de Saúde 2013

Apresentação do PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE INFANTIL E JUVENIL. Direção-Geral de Saúde 2013 Apresentação do PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE INFANTIL E JUVENIL Direção-Geral de Saúde 2013 1. Apresentação do novo Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil(PNSIJ); 2. Impacto que a sua implementação

Leia mais

MANUAL DE ARTICULAÇÃO

MANUAL DE ARTICULAÇÃO MANUAL DE ARTICULAÇÃO ACES UCC 1. INTRODUÇÃO A Unidade de Cuidados na Comunidade é uma unidade funcional do ACES, à qual compete, à luz do disposto no artigo 11.º do Decreto-Lei n.º 28/2008, de 22 de Fevereiro,

Leia mais

PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS

PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS PARTICIPAÇÃO A este nível será avaliada a participação das populações dos BIP/ZIP no desenho, no desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS, DA SAÚDE E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS, DA SAÚDE E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Diário da República, 1.ª série N.º 174 10 de setembro de 2014 4865 vi) Estabelecer que compete à nova direção da Casa do Douro que for eleita, mediante autorização da tutela, nos termos da lei, adquirir

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO

EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO 18 de Novembro 2016 ENQUADRAMENTO Hospital gerido em regime de Parceria Público-Privada, prestador de cuidados de saúde diferenciados, integrado na rede do SNS

Leia mais