Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade"

Transcrição

1 Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Bárbara Menezes Coordenadora do Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil Divisão de Saúde Sexual,Reprodutiva, Infantil e Juvenil - DPSPD

2 Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil * A manutenção e promoção da saúde das crianças e jovens. * É um garante decuidados de saúde adequados e de qualidade. * É o programa NACIONAL, ou seja, aplicável onde quer que a criança/ adolescente seja seguido.

3 Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil Os antecessores do PNSIJ

4 Programa Nacional de Saúde Os antecessores do PNSIJ Infantil e Juvenil

5 Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil

6 Enquadramento Missão do Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil - Promovendo a literacia em saúde (OMS) Rever e alterar conteúdos: Valorizar os cuidados antecipatórios como factor promotor da saúde e dos direitos das crianças; Incentivar ao cumprimento do PNV; Investir na prevenção das perturbações emocionais e do comportamento; t Detectar e acompanhar precocemente as situações que possam afectar negativamente a saúde das crianças e famílias ( ex: doença crónica, violência); i Apoiar a responsabilização progressiva e a autodeterminação em questões de saúde das crianças e jovens e famílias;

7 Enquadramento Restruturar t de forma aprofundada d os sistemas de informação adaptando-os aos instrumentos de registo, promovendo um fluxo de partilha de conhecimento e fluir de informação entre os diferentes actores na promoção de saúde da criança, incluindo a família Mudar o paradigma dos sistemas informáticos nos cuidados de saúde primários centrados na criança e não nos profissionais- o sistema de saúde não deve desperdiçar recursos ou o tempo das famílias Desenvolver novos instrumentos digitais - a Notícia de Nascimento g Digital, o eboletim e Projectos como o Nascer Utente;

8 Enquadramento Integrar consensos em saúde infantil e juvenil através do trabalho concertado com as sociedades científicas, academia e todos os intervenientes i na promoção da saúde da criança e jovem; Promover redes de conhecimento entre as sociedades científicas e profissionais do nível operacional por forma a reunir evidência que suporte práticas e intervenções capazes de ultrapassar barreiras para a saúde; Integrar o Setor Privado no processo de implementação e mudança.

9 Missão: Que Desafios? A implementação do Programa Nacional de Saúde infantil e Juvenil tem sido um desafio para os profissionais de saúde a todos os níveis de intervenção. Parcerias fortes entre as entidades funcionais e técnicas fazem a diferença (DGS, Unidades de Saúde e SPMS) As alterações dos sistemas informáticos revelam, a cada etapa, obstáculos inesperados, mas que ao serem ultrapassarem, vão fortalecendo o processo. Após o impacto inicial, instala-se uma partilha crescente de saberes e boas práticas. Consequentemente, as atualizações passam a ser solicitadas pelos profissionais

10 Realidade ou Utopia? No entanto, a implementação tem sido exigente pela complexidade da integração dos múltiplos sistemas informáticos e a sua operacionalização, obrigando a mudanças nas práticas. MAS Se não nos desviarmos da nossa Missão: - Promover a literacia em saúde da criança, da família e dos profissionais (OMS) A Utopia torna-se Realidade!

11 Integração de Componentes no Sistema Nacional de Saúde SAM CSP eboletim Hospital Público e Privado PDS Módulo Saúde Infantil SAPE CSP Notícia de Nascimento Nascer Utente RNU

12 Ponto de Situação Notícia de Nascimento Total ARS Alentejo ARS Algarve ARS Centro ARS Lisboa e Vale do Tejo ARS Norte Total Geral

13 Nascer Utente V Maternidade júlio Hospital Infante D. Total Dinis Pedro

14 Implementação: onde estamos Organização dos Serviços Reestruturação de indicadores de monitorização e contratualização PNSIJ Alteração nos Sistemas de Informação / Instrumentos de Registo Formação / atualização dos Profissionais

15 Organização dos Serviços Nacional: DGS+SPMS CNSMCA Cerca de 400 key users envolvidos directamente t Regional: ARS 5 interlocutores; Local: ACES e Hospitais (SNS e Privados) 185 interlocutores ACES, UCF-Hospitais Serviços Obstetrícia, Pediatriaopcional por entidade

16 sistemas informação instrumentos registos Necessidades Revisão dos sistemas de informação em uso pelos médicos e enfermeiros nos Cuidados de Saúde Primários; Revisão iã do Boletim de Saúde Infantil e Juvenil (papel); Revisão da Notícia de Nascimento (papel); Oportunidades Sistema de informação centrado na criança, complementaridade da intervenção - evita desperdício de recursos e tempo da família Criação de Boletim de Saúde Infantil e Juvenil digital; Criação de Notícia de Nascimento digital; Atribuição de Número de Utente na maternidade (Nascer Cidadão);

17 Formação / atualização dos profissionais de saúde População alvo: Conselhos de Administração, Diretores Executivos, Conselhos Clínicos, Diretores de Serviços Hospitalares de Obstetrícia e Pediatria, Interlocutores Locais, Prestadores de Cuidados ACES/Hospitais, Serviços de informática, Escolas Superiores de Saúde sessões de Formação sessões de Formação sessões de Formação (até ao momento)

18 Nos Congressos da SPP desde 2012 Divulgação do PNSIJ e suas ferramentas No Congresso Nacional da Ordem dos Enfermeiros 2015

19 Reestruturação de indicadores de monitorização e contratualização Grupo de trabalho coordenado PNSIJ reuniões mensais peri tos Acade mia ACES Ordens SPMS ACSS SPP ARS DGS Programas / DSIA CNSMCA Fase 1: Alteração dos Indicadores de Contratualização Fase 2: Proposta de introdução de novos indicadores de qualidade

20 Sustentabilidade

21 Pontos Fortes Pontos Fracos Ameaças Oportunidad es

22 Pontos Fortes - Apoio à responsabilização progressiva e à autodeterminação em questões de saúde das crianças e jovens - Valorização dos cuidados antecipatórios como Pontos factor de Fortes promoção Pontos da saúde Fracos - Trabalho em equipa, como forma de responder à complexidade dos actuais problemas e das necessidades em saúde que requerem, de modo crescente, actuações multiprofissionais e interdisciplinares Ameaças Oportunidades - Articulação efectiva entre estruturas, programas e projectos, dentro e fora do sector da saúde, que contribuam para o bem-estar, crescimento e desenvolvimento das crianças e jovens

23 Pontos Fracos -Multiplicidade de sistemas de informação/ instrumentos de registo/software; Pontos Fortes Pontos Fracos -Constrangimentos técnicos e humanos na implementação e monitorização do PNSIJ; -Barreiras à resolução de problemas (contexto da prática e o contexto técnico-normativo) -Constrangimentos Ameaças na integração Oportunidades nos sistemas informáticos;

24 Ameaças - Constrangimentos t técnicos e humanos que podem Pontos condicionar Fortes a adesão Pontos dos Fracos utilizadores - Resistência à mudança - Barreiras à comunicação (contexto da prática e o contexto técnico-normativo) -Acesso Ameaças da população Oportunidades à informação

25 Oportunidades - - Inovação com sistemas de informação dinâmicos e instrumentos registo digitais Notícia de Nascimento e eboletim Pontos Fortes Pontos Fracos - Registo e monitorização permitem conhecimento da realidade e vigilância epidemiológica - Possibilidade de evoluir para indicadores de qualidade centrados na pessoa e não apenas no desempenho assistencial - Empowerment da criança e da família na gestão Ameaças Oportunidades da sua saúde/doença - Programa autorregulador entre as necessidades d de saúde identificadas e a adaptação de boaspráticas (ganhos em tempo e qualidade da informação)- Projectos em curso

26 Desafios do PNSIJ PROMOVER A interação entre as aptidões das crianças e jovens e os respetivos contextos de saúde IOM, 2003, p.178

27 Desafios do PNSIJ PROMOVER O desenvolvimento de estratégias em colaboração com a sociedade civil de forma a assegurar que o conhecimento e necessidades da comunidade acompanhe o processo de mudança do país IOM, 2003, p.178

28 Desafios PNSIJ PROMOVER A colaboração entre instituições de forma a assegurar um fluxo de informação e procedimentos adequados às necessidades das famílias IOM, 2003, p.178

29 Desafios do PNSIJ PROMOVER O estabelecimento de redes de conhecimento entre a sociedade cientifica e os profissionais do nível operacional por forma a reunir evidência que suporte políticas e intervenções capazes de ultrapassar barreiras sociais para a saúde IOM, 2003, p.178

30 Desafios do PNSIJ LITERACIA As famílias devem ter acesso à informação necessária e ter a oportunidade de decidir sobre as suas questões de saúde IOM, 2003, p.178

31 OBRIGADO! sozinhos vamos rápido mas juntos vamos mais longe

32

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios Andreia Jorge Silva Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde 1 PNS/ELS - Obesidade Saúde dos Adolescentes PNS/Saúde dos

Leia mais

Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA. Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013

Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA. Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013 Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013 CRSMCA M. Cândida Rebelo Presidente Alda P. Luís Benvinda Bento Representante do CD Helena Cargaleiro

Leia mais

RNCCI ANÁLISE SWOT. Análise SWOT da RNCCI

RNCCI ANÁLISE SWOT. Análise SWOT da RNCCI Análise SWOT da RNCCI PONTOS FORTES Convergência de esforços entre a Saúde e Segurança Social, no sentido da implementação de um modelo de intervenção multisectorial (integração da RNCCI no SNS e SS);

Leia mais

Plataforma / SIARS / 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa

Plataforma  / SIARS / 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa Plataforma SIM@SNS SIM@SNS / SIARS / MIM@UF 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa 1 Agenda Agenda Enquadramento Caraterização (SIM@SNS / SIARS / MIM@UF) Evolução da plataforma SIM@SNS 2 Enquadramento Plataforma

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional.

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional. CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Cargo: Vogal do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: Período de 5 anos a contar

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO: regulamentar, orientar e coordenar as atividades de promoção da saúde e prevenção da doença, definir as condições técnicas para adequada prestação de cuidados de saúde, planear e programar

Leia mais

Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável

Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável Projecto MobES - JUSTIFICAÇÃO Aumento da Esperança Média de Vida associa-se a: Prevalência de doenças crónicas; Custos na saúde. Inatividade Física

Leia mais

Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Diabetes

Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Diabetes Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Diabetes Objectivos do Programa num horizonte temporal de 10 anos: Reduzir a morbilidade e mortalidade por diabetes; Atrasar o início das complicações major

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA APROVADO POR UNANIMIDADE EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM COMUNITÁRIA E DE SAÚDE PÚBLICA

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM COMUNITÁRIA E DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM COMUNITÁRIA E DE SAÚDE PÚBLICA APROVADO POR UNANIMIDADE EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 O ano de 2005 é o último ano de vigência do I Plano Estratégico para o Desenvolvimento da. Assim sendo, este Plano de Acção constitui, de certa forma, o encerrar de um ciclo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Ordem dos Médicos / Ministério da Saúde Formação Médica Pós-Graduada: Internatos Médicos CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE

Leia mais

COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010

COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010 COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010 Ordem de trabalhos: - Rede de Referência - Composição UCF

Leia mais

Sérgio Antunes de Carvalho

Sérgio Antunes de Carvalho A EXPERIENCIA DE GERIR A ENFERMAGEM DA FORMAÇÃO AO CONTEXTO DA PRÁTICA DOS CUIDADOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DIFICULDADES PERCEBIDAS - Diferenças substanciais dos ACES no que se refere a políticas de

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a seguinte: ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 005/2013 DATA: 10/04/2013 Programa Nacional de Prevenção de Acidentes. Projeto Bebés, Crianças e Jovens em Segurança. Formulário de Candidatura Transporte

Leia mais

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde CASCAIS SAUDÁVEL 1. Contexto SÓCIO-POLÍTICO: Saúde na ordem do dia Envelhecimento da população Sustentabilidade do SNS Transferência de competências para as Autarquias

Leia mais

Caracterização da Região Alentejo

Caracterização da Região Alentejo Reunião Plenária da Comissão Nacional com as Comissões Regionais da Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente, e com as Autoridades de Saúde das Regiões Autónomas. Um contributo para a definição de

Leia mais

UCF da ULS de Castelo Branco. 25º aniversário das UCFs

UCF da ULS de Castelo Branco. 25º aniversário das UCFs UCF da ULS de Castelo Branco 25º aniversário das UCFs Coimbra, 19 de junho de 2015 Área geográfica da ULS COMPOSIÇÃO Coordenador - Dr. Carlos Rodrigues Vertente Materna e Neonatal Vertente Criança e Adolescente

Leia mais

Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais

Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais Capacitação em saúde como prioridade A capacitação dos cidadãos em saúde

Leia mais

Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vila Verde. Senhor Presidente da União das Misericórdias Portuguesas. Senhor Arcebispo Primaz de Braga

Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vila Verde. Senhor Presidente da União das Misericórdias Portuguesas. Senhor Arcebispo Primaz de Braga Cerimónia de passagem da assinatura de Protocolos com Santas Casas da Misericórdia 31 de julho de 2015 Senhor Ministro da Saúde Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vila Verde Senhor Presidente da

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO E OPERACIONAL EIXOS ESTRATÉGICOS

PLANO ESTRATÉGICO E OPERACIONAL EIXOS ESTRATÉGICOS REFORMA DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE COORDENAÇÃO NACIONAL PARA OS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS PLANO ESTRATÉGICO E OPERACIONAL Missão Expansão e melhoria da capacidade da rede de cuidados de saúde primários,

Leia mais

ADESÃO DAS UNIDADES DE SAÚDE À CAMPANHA DAS PRECAUÇÕES BÁSICAS DE CONTROLO DE INFEÇÃO (CPBCI) Informação Aos Órgãos de Gestão das Unidades de Saúde

ADESÃO DAS UNIDADES DE SAÚDE À CAMPANHA DAS PRECAUÇÕES BÁSICAS DE CONTROLO DE INFEÇÃO (CPBCI) Informação Aos Órgãos de Gestão das Unidades de Saúde ADESÃO DAS UNIDADES DE SAÚDE À CAMPANHA DAS PRECAUÇÕES BÁSICAS DE CONTROLO DE INFEÇÃO (CPBCI) Informação Aos Órgãos de Gestão das Unidades de Saúde De: Direção do PPCIRA, DGS/DQS. Contactos: e-mail: ppcira@dgs.pt;

Leia mais

Investigação em Saúde Pública

Investigação em Saúde Pública Investigação em Saúde Pública José Pereira Miguel 2º Congresso Nacional de Saúde Pública Porto 28 10 2010 Out 2010 I&D em Saúde Pública - JPM Sumário Conceito e crise da Saúde Pública Tipologias i de investigação

Leia mais

REUNIÃO CNSMCA Elsa Rocha

REUNIÃO CNSMCA Elsa Rocha REUNIÃO CNSMCA 27-11-2015 Elsa Rocha Elsa Rocha João Moura Reis Ana Cristina Guerreiro Pediatra Hospital Faro (Presidente) Presidente do Conselho Diretivo da ARS Algarve, IP Diretora do Departamento de

Leia mais

GOALS PASSADO PRESENTE FUTURO OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? SEGURANÇA NO TRABALHO ENCONTRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO

GOALS PASSADO PRESENTE FUTURO OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? SEGURANÇA NO TRABALHO ENCONTRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO GOALS OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? OBJECTIVOS - Passado: Evolução Histórica da SHT no SNS - Presente: Modelo de Gestão de SHT(Gestão de Risco) - O Futuro: uma abordagem estratégica INTRODUÇÃO

Leia mais

Atestado médico para a Carta de Condução Formação

Atestado médico para a Carta de Condução Formação Atestado médico para a Carta de Condução Formação Agenda Enquadramento Âmbito do Projeto Modelo Funcional Processo Visão Macro Apresentação do módulo ACC do SClínico Estado AFM/AM Notificações Mensagens

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: 2016-2020 1. Missão do Organismo

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO CUIDADOS DE SAÚDE TRANSFRONTEIRIÇOS Direção Geral da Saúde Julho de 2012 Áreas de intervenção ASSISTÊNCIA MÉDICA ESPECIALIZADA

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

Manual Técnico Das Equipas Locais de Intervenção

Manual Técnico Das Equipas Locais de Intervenção Manual Técnico Das Equipas Locais de Intervenção pág. 1/18 Índice 1 - Enquadramento do SNIPI 1.1 - Objectivos do SNIPI 1.2 Competências dos 3 Ministérios 1.3 Organização do Sistema 2 - Legislação 3 - Regulamento

Leia mais

CENTRO de SAÚDE de SANTA MARIA da FEIRA PROJECTO. COM PESO e MEDIDA. Enfermeira. Lara F. C. Monteiro

CENTRO de SAÚDE de SANTA MARIA da FEIRA PROJECTO. COM PESO e MEDIDA. Enfermeira. Lara F. C. Monteiro CENTRO de SAÚDE de SANTA MARIA da FEIRA PROJECTO COM PESO e MEDIDA Enfermeira Lara F. C. Monteiro Março, 2008 0. Sumário 1. Introdução... Pág. 02 2. Justificação do projecto... Pág. 03 3. Nome do projecto...

Leia mais

Seminários TIC/SI ENSP

Seminários TIC/SI ENSP Seminários TIC/SI ENSP 09-05-2015 Agenda SClínico: Hospitalar e Cuidados de Saúde Primários PCE: Hospitalar e Cuidados de Saúde Primários Novo PCE único 2 O sistema de informação SClínico é um sistema

Leia mais

Vacinação nos Locais de Trabalho

Vacinação nos Locais de Trabalho Vacinação nos Locais de Trabalho Fátima Ramalho Equipa de Coordenação do Programa Nacional de Saúde Ocupacional Divisão de Saúde Ambiental e Ocupacional da Direção-Geral da Saúde Encontro Nacional de Saúde

Leia mais

Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários

Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários PATROCINADOR OURO Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários Isabel Hintze d Almeida MFamília- CS Povoação Isabel_h_almeida@hotmail.com 1 Sumário Qualidade em CSP Programas Regionais

Leia mais

Caracterização do ACES LISBOA NORTE

Caracterização do ACES LISBOA NORTE Caracterização do ACES LISBOA NORTE 2013 ACES Lisboa Norte Quem somos e onde estamos Missão Prestar Cuidados de Saúde Primários de qualidade, com eficiência e eficácia, à população da sua área geográfica

Leia mais

Gestão da Medicação nas Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI)

Gestão da Medicação nas Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI) RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO SETORIAL PARA A SAÚDE DO SISTEMA PORTUGUÊS DA QUALIDADE CS/09 (REC CS09/01/2014) Gestão da Medicação nas Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI) Contexto O número de

Leia mais

Bolsa de. Objetivos Individuais

Bolsa de. Objetivos Individuais Carreira Especial de Enfermagem Avaliação de Desempenho Biénio 2015 2016 Bolsa de s Individuais Sumário s Individuais de Realização pg. 03 s Individuais de Qualidade pg. 11 s Individuais de Aperfeiçoamento

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

Direcção de Serviços da Qualidade Clínica Divisão da Segurança Clínica

Direcção de Serviços da Qualidade Clínica Divisão da Segurança Clínica DIRECÇ GRUPO TRABALHO SOBRE PREVENÇÃO E Direcção de Serviços da Qualidade Clínica Divisão da Segurança Clínica Kátia Furtado Envelhecimento: A situação actual Portuguesa representa um grave problema: 26%

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 A Estratégia

Leia mais

Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários. Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios?

Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários. Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios? Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários Unidades Cuidados Comunidade: Projetos, Programas e Recursos. Desafios! Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios? Apresentação da: Unidade de Cuidados

Leia mais

Acesso à inovação terapêutica. Política coerente ou maratona de obstáculos? Tânia Furtado

Acesso à inovação terapêutica. Política coerente ou maratona de obstáculos? Tânia Furtado Acesso à inovação terapêutica. Política coerente ou maratona de obstáculos? Tânia Furtado III Conferência VIH Portugal, Auditório Tomé Pires - INFARMED Lisboa, 22 de Novembro 2013 Agenda 1. Investimento

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA CONJUNTA N.º 07 / 2016 / DGS / SPMS

CIRCULAR INFORMATIVA CONJUNTA N.º 07 / 2016 / DGS / SPMS CIRCULAR INFORMATIVA CONJUNTA N.º 07 / 2016 / DGS / SPMS Assunto: Processo de desmaterialização da referenciação para Urgência reforço de procedimento Para: Administrações Regionais de Saúde (ARS), Hospitais

Leia mais

Orçamento do Estado 2016

Orçamento do Estado 2016 Orçamento do Estado 2016 Programa Orçamental da Saúde 25 de fevereiro de 2016 1 1. Orçamento do Estado 2016 2 ORÇAMENTO DO ESTADO 2016 RESPONSÁVEL CONSTITUCIONAL VALORIZA OS PROFISSIONAIS PROMOVE A EQUIDADE

Leia mais

HEADLINE TEXT SUBTITLE. Congresso Nacional de Práticas Pedagógicas no Ensino Superior 14 e 15 de Julho de 2016, Universidade de Lisboa

HEADLINE TEXT SUBTITLE. Congresso Nacional de Práticas Pedagógicas no Ensino Superior 14 e 15 de Julho de 2016, Universidade de Lisboa Congresso Nacional de Práticas Pedagógicas no Ensino Superior 14 e 15 de Julho de 2016, Universidade de Lisboa HEADLINE TEXT SUBTITLE Célia Figueira, Ana Galrão & Lília Aguardenteiro Pires Instituto de

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO CAIC NOVO MODELO DE AÇÃO (Versão reduzida)

PLANO ESTRATÉGICO CAIC NOVO MODELO DE AÇÃO (Versão reduzida) PLANO ESTRATÉGICO CAIC NOVO MODELO DE AÇÃO 2015-2016 (Versão reduzida) Página 1 Índice ENQUADRAMENTO... 2 Competências da CAIC... 2 Composição da CAIC... 2 Núcleo Técnico de Apoio... 3 Grupos Técnicos

Leia mais

CDS / Partido Popular

CDS / Partido Popular N.º: 588-VIII Proc.º: 50.04.04.34 Data: 16.04.2008 do Governo Senhora e Senhores Membros do Governo Uma jovem inglesa enfrentou a oposição da família e teve sérias dificuldades em os convencer que cuidar

Leia mais

PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE

PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE Sistema de Informação de Apoio à Gestão das Organizações da Sociedade Civil Direcção de Serviços de Prevenção e Controlo de Doenças Divisão

Leia mais

Plano Nacional de Leitura

Plano Nacional de Leitura 2012-2014 Plano Nacional de Leitura 1 I. O que motivou o projeto? Centralidade da leitura Leitura como ponto de partida para: - Aprender (competência transversal ao currículo) - Colaborar - Interagir /

Leia mais

Conferência Nacional. Qualidade ao Serviço da Educação de Adultos. Revisão por Pares": uma proposta inovadora?

Conferência Nacional. Qualidade ao Serviço da Educação de Adultos. Revisão por Pares: uma proposta inovadora? Conferência Nacional Qualidade ao Serviço da Educação de Adultos Revisão por Pares": uma proposta inovadora? Maria João Alves CECOA 4 de maio 2017 Programa Qualifica Enquadramento Valorização da educação

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC

RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC Data de referência da informação: 18 de Novembro de 2016 SUMÁRIO EXECUTIVO Os cuidados de saúde primários (CSP) constituem o primeiro ponto de contacto

Leia mais

Perfil de Saúde e Plano Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Um ponto de situação. Reunião de Delegados de Saúde Caldas da Rainha

Perfil de Saúde e Plano Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Um ponto de situação. Reunião de Delegados de Saúde Caldas da Rainha Perfil de Saúde e Plano Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Reunião de Delegados de Saúde Caldas da Rainha 25.02.2010 Plano da sessão Objectivo: Efectuar um ponto de situação relativamente àelaboração

Leia mais

PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G5)

PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G5) PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTOS PARTE ESPECIFICA (REF G5) A duração desta prova é de 30 minutos MATERIAL O material desta prova é constituído por este caderno de questões e pela folha de respostas para

Leia mais

PLANO ANUAL 2016 ESTRATÉGIA INTEGRADA PARA AS DOENÇAS RARAS Departamento da Qualidade na Saúde Março de 2016

PLANO ANUAL 2016 ESTRATÉGIA INTEGRADA PARA AS DOENÇAS RARAS Departamento da Qualidade na Saúde Março de 2016 PLANO ANUAL 2016 ESTRATÉGIA INTEGRADA PARA AS DOENÇAS RARAS 2015-2020 Departamento da Qualidade na Saúde Março de 2016 PLANO ANUAL 2016 ESTRATÉGIA INTEGRADA PARA AS DOENÇAS RARAS 2015-2020 A comissão interministerial

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro, representada pelo seu Presidente, Dr. João Pedro Pimentel e a Unidade de Saúde Familiar (USF) São Julião, representada pelo seu Coordenador, Dr. José

Leia mais

A violência domés/ca não conhece fronteiras geográficas, culturais ou de natureza social.

A violência domés/ca não conhece fronteiras geográficas, culturais ou de natureza social. A violência domés/ca não conhece fronteiras geográficas, culturais ou de natureza social. As suas caracterís/cas e as circunstâncias em que normalmente ocorre, fazem com que este seja um problema especialmente

Leia mais

SAÚDE PARA TODOS Mudando o paradigma de prestação dos Cuidados de Saúde em São Tomé e Príncipe IMVF

SAÚDE PARA TODOS Mudando o paradigma de prestação dos Cuidados de Saúde em São Tomé e Príncipe IMVF SAÚDE PARA TODOS Mudando o paradigma de prestação dos Cuidados de Saúde em São Tomé e Príncipe IMVF 1988-2011 CLÁUDIA COSTA; RITA SANTOS; ADRIANA LOUREIRO; PAULA SANTANA Intervenção do IMVF Perfil Instituto

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Cátia Sousa Pinto 2014 1 SINAVE Institui um sistema de vigilância em saúde

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição População Aprox. 969.036 habitantes Área Aprox. 650 Km 2 Obras Licenciadas 2007 Grande Porto 2354 2189 Edificação 165 - Demolição Obras Concluídas2007 Grande Porto 1853 1794 Edificação 59 - Demolição Resíduos

Leia mais

5º COLÓQUIO DE PEDIATRIA do HOSPITAL de FARO. A CNSMCA e os Cuidados de Saúde às Crianças em Portugal. Bilhota Xavier

5º COLÓQUIO DE PEDIATRIA do HOSPITAL de FARO. A CNSMCA e os Cuidados de Saúde às Crianças em Portugal. Bilhota Xavier 5º COLÓQUIO DE PEDIATRIA do HOSPITAL de FARO A CNSMCA e os Cuidados de Saúde às Crianças em Portugal Bilhota Xavier 1 Constituição Pediatras: 8 (3 área neonatal; 1 genética) Obstetras: 4 Cardiologista

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

A experiência dos Serviços Farmacêuticos da ARSC

A experiência dos Serviços Farmacêuticos da ARSC A experiência dos Serviços Farmacêuticos da ARSC O que fazemos na gestão da medicação nos cuidados de saúde primários (e não só!) Catarina de Oliveira Coelho Serviços Farmacêuticos ARS Centro 19 de abril

Leia mais

PROTOCOLO DE PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL DO CHP VERTENTE DA SAUDE DA MULHER, MATERNA E NEONATAL

PROTOCOLO DE PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL DO CHP VERTENTE DA SAUDE DA MULHER, MATERNA E NEONATAL PROTOCOLO DE PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL DO CHP VERTENTE DA SAUDE DA MULHER, MATERNA E NEONATAL Protocolo de articulação de procriação medicamente assistida elaborado

Leia mais

INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS

INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS Direção-Geral da Saúde 17/12/2014 1 INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno Plano:

Leia mais

Existência de equipas de Sapadores Florestais. Existência de investigação das causas de incêndios.

Existência de equipas de Sapadores Florestais. Existência de investigação das causas de incêndios. CADERNO FICHA 8. PREVENÇÃO 8.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL O presente relatório reflecte a actividade do CLDS Marinha Social, desde o inicio da sua actividade, em Julho de 2009 até Junho de 2010, analisando-se 2 momentos

Leia mais

Campanha Nacional da Higiene das Mãos no Centro Hospitalar do Porto

Campanha Nacional da Higiene das Mãos no Centro Hospitalar do Porto Campanha Nacional da Higiene das Mãos no Centro Hospitalar do Porto HSA MJD HMP Comissão de Controlo de Infeção Implementação da Campanha de Higiene das Mãos Avaliação das estruturas e aumento do nº de

Leia mais

Novos paradigmas para a sustentabilidade do SNS. Maria da Conceição Constantino Portela, PhD

Novos paradigmas para a sustentabilidade do SNS. Maria da Conceição Constantino Portela, PhD Novos paradigmas para a sustentabilidade do SNS Maria da Conceição Constantino Portela, PhD Chega mais perto e contempla as palavras. Cada uma Tem mil faces secretas sob a face neutra e te pergunta, sem

Leia mais

Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA

Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA Ministério da Saúde Ministro da Saúde Luís Filipe Pereira Apresentação dos Resultados dos Hospitais SA Centro Cultural de Belém,

Leia mais

REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO. Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h

REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO. Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO ACTA Nº1/2008 ADENDA Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h Participantes: Conselho Directivo Enf. Isabel Oliveira Depart. Contratualização: Dr.ª Manuela

Leia mais

Alto Comissariado da Saúde

Alto Comissariado da Saúde Alto Comissariado da Saúde QUAR 2010 Projecto de Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do Ministério da Saúde) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da Direcção-Geral da Saúde Setembro

Leia mais

Que importância para os indicadores de resultado? A campanha da OMS Cirurgia Segura, salva vidas

Que importância para os indicadores de resultado? A campanha da OMS Cirurgia Segura, salva vidas Que importância para os indicadores de resultado? A campanha da OMS Cirurgia Segura, salva vidas Manuel Valente / Enfermeiro Especialista / Nov. 2013 Inquérito A taxa de mortalidade infantil, em Portugal,

Leia mais

2016/2017 [PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - BIBLIOTECA ESCOLAR]

2016/2017 [PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - BIBLIOTECA ESCOLAR] Projeto / Atividade Objetivos Intervenientes Recursos/ materiais BE - Vamos Partilh@r (Divulgação/marketing BE através da página, das redes sociais, rádio escolar, jornal escolar) Concurso Nacional de

Leia mais

Orientações Programáticas

Orientações Programáticas Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e Resistências aos Antimicrobianos Orientações Programáticas 1 - Enquadramento As infeções associadas aos cuidados de saúde dificultam o tratamento adequado

Leia mais

9.º CONGRESSO NACIONAL DE BIBLIOTECÁRIOS, ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS CONCLUSÕES

9.º CONGRESSO NACIONAL DE BIBLIOTECÁRIOS, ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS CONCLUSÕES 9.º CONGRESSO NACIONAL DE BIBLIOTECÁRIOS, ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS CONCLUSÕES 9º CONGRESSO NACIONAL DE BIBLIOTECÁRIOS, ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS CONCLUSÕES O 9º Congresso Nacional de Bibliotecários,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO B I B L I O T E C A E S C O L A R

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO B I B L I O T E C A E S C O L A R ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO 2014-2017 B I B L I O T E C A E S C O L A R Nota Introdutória A Biblioteca Escolar existe para servir toda a comunidade escolar.

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS O que são? Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional Os CQEP são estruturas do Sistema Nacional

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

A Farmácia em Portugal

A Farmácia em Portugal A Farmácia em Portugal Degradação do Preço do Medicamento: Ameaça à Saúde Pública? Humberto Martins VI Reunião Anual da Revista Portuguesa de Farmacoterapia Controvérsias com Medicamentos 31 de Maio de

Leia mais

Políticas e Práticas de Acolhimento e Integração. Portimão, 24 de junho de 2015

Políticas e Práticas de Acolhimento e Integração. Portimão, 24 de junho de 2015 Políticas e Práticas de Acolhimento e Integração Portimão, 24 de junho de 2015 Plano Estratégico para as Migrações Plano Estratégico para as Migrações 2015-2020 Novos desafios» Governação integrada para

Leia mais

Municípios e Comunidades. Saudáveis. Promovendo a qualidade de vida através da Estratégia de Municípios e Comunidades. Saudáveis

Municípios e Comunidades. Saudáveis. Promovendo a qualidade de vida através da Estratégia de Municípios e Comunidades. Saudáveis Organização Pan Americana da Saúde Oficina Regional da Organização Mundial da Saúde Municípios e Comunidades Saudáveis Guia dos prefeitos e outras autoridades locais Promovendo a qualidade de vida através

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Cátia Sousa Pinto 2014 1 SINAVE Institui um sistema de vigilância em saúde

Leia mais

Maria Henriqueta Figueiredo Formação, Práticas, Experiências e Desafios à Enfermagem de Saúde Familiar

Maria Henriqueta Figueiredo Formação, Práticas, Experiências e Desafios à Enfermagem de Saúde Familiar Maria Henriqueta Figueiredo Henriqueta@esenf.pt Formação, Práticas, Experiências e Desafios à Enfermagem de Saúde Familiar SÉC XXI Enfermagem de Saúde Familiar Programa Formativo da Especialidade de Enfermagem

Leia mais

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras 1 NOTA JUSTIFICATIVA O Município de Chaves entende como sendo de interesse

Leia mais

Inauguração das instalações cedidas ao Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental

Inauguração das instalações cedidas ao Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Inauguração das instalações cedidas ao Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar de Lisboa

Leia mais

Edição N. º NOV.2016 NEWSLETTER CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

Edição N. º NOV.2016 NEWSLETTER CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS Edição N. º 04 18.NOV.2016 NEWSLETTER CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS Os Sistemas de Informação fazem parte da nossa realidade. São, por isso, necessários na saúde e em todos os outros setores. São cada vez

Leia mais

Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa

Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa EAPN Portugal / Rede Europeia Anti Pobreza Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa Documento realizado para

Leia mais

CRIAÇÃO DE VALOR - A FARMÁCIA DO FUTURO - A Visão do Serviço Nacional de Saúde APMGF Rui Nogueira

CRIAÇÃO DE VALOR - A FARMÁCIA DO FUTURO - A Visão do Serviço Nacional de Saúde APMGF Rui Nogueira A Visão do Serviço Nacional de Saúde APMGF Rui Nogueira A Visão do Serviço Nacional de Saúde Uma Visão de Médico de Família Rui Nogueira Médico de Família, CS Norton de Matos Coordenador do Internato MGF

Leia mais

PROMOÇÃO NOVOS RUMOS

PROMOÇÃO NOVOS RUMOS PROMOÇÃO NOVOS RUMOS ERA UMA VEZ TUDO COMEÇOU DE FORMA INÉDITA por um debate lançado pelo SET sobre o futuro modelo de Promoção Turística RESPOSTA TAMBÉM INÉDITA CTP e associadas AHP, APAVT, AHRESP, APHORT,

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO

EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO 18 de Novembro 2016 ENQUADRAMENTO Hospital gerido em regime de Parceria Público-Privada, prestador de cuidados de saúde diferenciados, integrado na rede do SNS

Leia mais

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval SAÚDE 54 A nível de equipamentos de saúde no concelho existem, um Centro de Saúde, uma Delegação de Saúde Pública e seis Extensões do Centro de Saúde, distribuídas pelas freguesias de Cadaval, Figueiros,

Leia mais

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal PROTOCOLO Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal Preâmbulo A criação da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo (ENIPSA) 2009-2015 decorreu fundamentalmente da necessidade

Leia mais

Plano Diretor de Estatísticas do Ministério das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos (Moçambique )

Plano Diretor de Estatísticas do Ministério das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos (Moçambique ) Plano Diretor de Estatísticas do Ministério das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos (Moçambique ) ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1. O MOPHRH 2. PLANO DIRECTOR DE ESTATÍSTICA (PDE) - Equipa - Definição,

Leia mais

Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul

Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul Meios de Financiamento Nacionais e Europeus e Integração das Políticas de Desenvolvimento Par$lha de Informação A promoção de um ambiente

Leia mais

LIFE 2014/2020 Subprograma Ação Climática Mitigação às Alterações Climáticas

LIFE 2014/2020 Subprograma Ação Climática Mitigação às Alterações Climáticas LIFE 2014/2020 Subprograma Ação Climática Mitigação às Alterações Climáticas Auditório do LNEC, Lisboa, 25 de janeiro de 2017 Ana Daam DCLIMA/DMMC 25/01/2017 Pacote Clima-Energia 2020 2 Política Climática

Leia mais

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR:

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE FUTURO PAULA SANTANA HELENA PEIXOTO 27º Encontro Nacional de Clínica Geral, Vilamoura, Março de 2010 Objectivos do Estudo

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 77/2015, de 10 de Setembro

Resolução do Conselho de Ministros n.º 77/2015, de 10 de Setembro Comissão Executiva da Especialização em Engenharia de Segurança ORDEM DO 16 de Dezembro, 2015 ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 2015-2020 - Por um trabalho seguro, saudável e produtivo

Leia mais