CONCEPTUALIZAÇÃO DOS PROCESSOS DE OBSERVAÇÃO EM SALA DE AULA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCEPTUALIZAÇÃO DOS PROCESSOS DE OBSERVAÇÃO EM SALA DE AULA"

Transcrição

1 CONCEPTUALIZAÇÃO DOS PROCESSOS DE OBSERVAÇÃO EM SALA DE AULA Ana Maria Morais Instituto de Educação Universidade de Lisboa

2 Conceptualização da observação Capacidades cognitivas Contexto instrucional

3 Conceptualização da observação Critérios de avaliação Contexto instrucional Critérios de avaliação

4 Resumo Conceptualização da observação de práticas pedagógicas Relação da prática pedagógica com a aprendizagem dos alunos

5 Que metodologias de observação e qual o seu significado?

6 Relação dialética entre teórico e empírico RELAÇÕES SOCIAIS DA ATIVIDADE PEDAGÓGICA Textos Contextos LINGUAGEM EXTERNA DE DESCRIÇÃO Modelos Proposições LINGUAGEM INTERNA DE DESCRIÇÃO Modelos Conceitos (Morais & Neves, 2001)

7 Relações na prática pedagógica Contexto instrucional Contexto regulador Relação professor-aluno Regras discursivas Seleção Sequência Ritmagem Critérios de avaliação C E Relação professor-aluno Regras hierárquicas C E Relação aluno-aluno Regras hierárquicas C E Relação entre discursos Intradisciplinaridade Interdisciplinaridade Académico-Não académico C Relação entre espaços Espaço professor-alunos Espaço dos alunos C O COMO

8 Exigência conceptual O QUE O COMO Conhecimento científico Capacidades cognitivas Exigência conceptual Relação entre discursos (ex. teoria e prática) (Ferreira & Morais, 2014)

9 Exigência conceptual Nível de complexidade em educação científica traduzido pela complexidade do conhecimento científico e pela força da fronteira das relações intradisciplinares entre conhecimentos distintos de uma dada disciplina científica e também pela complexidade das capacidades cognitivas. (Morais & Neves, 2012, p.68)

10 Conceptualização da observação Capacidades cognitivas Contexto instrucional

11 Conceptualização da observação Capacidades cognitivas em contexto de trabalho prático (TP) Indicadores Grau 1 Grau 2 Grau 3 Grau 4 Solicitação do TP Exploração/ discussão do TP Grau de complexidade de acordo com a Taxonomia de Marzano e Kendall Perguntas dos alunos no TP Conclusão do TP (Ferreira & Morais, 2014)

12 Conceptualização da observação Capacidades cognitivas (Marzano & Kendall, 2007, 2008)

13 Conceptualização da observação Capacidades cognitivas Indicador: Perguntas dos alunos no trabalho prático Grau 1 Grau 2 Grau 3 Grau 4 As respostas aos alunos apelam à mobilização de capacidades cognitivas com um baixo nível de complexidade, envolvendo processos cognitivos de recuperação. As respostas aos alunos apelam à mobilização de capacidades cognitivas com um nível de complexidade superior ao do grau 1, envolvendo processos cognitivos de compreensão. As respostas aos alunos apelam à mobilização de capacidades cognitivas com um nível de complexidade superior ao do grau 2, envolvendo processos cognitivos de análise. As respostas aos alunos apelam à mobilização de capacidades cognitivas com um nível de complexidade muito elevado, envolvendo processos cognitivos de utilização do conhecimento. (Ferreira & Morais, 2014)

14 [Na interpretação dos resultados de uma atividade laboratorial de observação do movimento da água através da membrana de células da epiderme de pétalas de sardinheira:] Professora Rute: Vamos agora à interpretação de resultados. Está bem? Então vamos lá saber. Qual a função da preparação A no presente trabalho laboratorial? Qual será a função? Aluna: Controlo. Professora: [ ] A preparação A é o controlo. Porquê? [ ] Aluna: É um termo de comparação. Professora: Porque é que é um termo de comparação? Porque é que nós pegamos na preparação A e vamos usá-la como termo de comparação? Aluna: um meio isotónico. Professora: O meio de montagem, solução de Ringer, é isotónico. [ ] Serve de termo de comparação para as restantes situações quando são introduzidas outras variáveis. Ora, vamos lá então explicar as diferenças encontradas nas duas preparações. Nas preparações, a B e a C [ ] a B será uma preparação com Aluna: Água destilada. Professora: Exato, com água destilada. Como é que podemos explicar a situação ocorrida? O que é que sucedeu? Já sabemos que o vacúolo? Aluna: Aumentou. Professora: Aumentou de tamanho. Porquê? João. João: Então, porque está num meio hipotónico. [ ] Capacidades cognitivas Grau 2

15 Professora Vera: Então qual é a tarefa que se vos pede, posto isto? [ ] Vão estabelecer um procedimento experimental, [ ] que lhes permita averiguar como os fatores apontados em 2, que quais são? Aluno: Temperatura. Professora: Temperatura e o ph, afetam a velocidade da fermentação lática. Grupos 1 e 2, estes aqui. Grupo 3 e 4 vão desenvolver um procedimento experimental que lhes permita averiguar como os fatores apontados em 2, os mesmos, afetam a velocidade da reação, da fermentação alcoólica. [Algumas interações depois ] Aluno: Como é que nós medimos a velocidade de uma reação? Professora: Então, como é que acham que podem medir a velocidade de uma reação química qualquer, mesmo que não seja estas? Aluno: Observando. Professora: Observando o quê? Aluno: Os indicadores, aquilo que Professora: Aquilo que resulta da fermentação, não é? O que resulta desta fermentação alcoólica? Aluno: Etanol. Professora: Etanol e CO 2. Portanto vocês podem tentar medir o quê? Aluno: A quantidade de etanol. Professora: A quantidade de etanol que está a ser produzida, ou a quantidade de CO 2 que está a ser libertada. Capacidades cognitivas Grau 4

16 Conceptualização da observação Relação entre teoria e prática Contexto instrucional

17 Conceptualização da observação Relação entre teoria e prática no trabalho prático (TP) Indicadores C ++ C + C - C - - Solicitação do TP Exploração/ discussão do TP Conceito de classificação de Bernstein (1990, 2000) Perguntas dos alunos no TP Conclusão do TP (Ferreira & Morais, 2014)

18 Conceptualização da observação Relação entre teoria e prática Indicador: Exploração/discussão do trabalho prático C ++ C + C - C - - O professor centra-se no conhecimento processual a mobilizar no trabalho prático, não sendo feita referência ao conhecimento declarativo já explorado e/ou a explorar. O professor centrase quer no conhecimento processual, quer no conhecimento declarativo, mas não estabelece uma relação entre eles. O professor estabelece uma relação entre o conhecimento processual e o conhecimento declarativo. Contudo, centra-se no conhecimento declarativo. O professor estabelece uma relação entre o conhecimento processual e o conhecimento declarativo. Nesta relação, a teoria e a prática têm igual estatuto. (Ferreira & Morais, 2014)

19 Professora Vera: Neste slide tentamos ver alguns dos fatores que afetam a abertura dos estomas. Temos um gráfico onde temos a concentração de solutos, nomeadamente do soluto ião potássio e sacarose. [ ] Que relação existe entre a concentração de iões no interior das células guarda e a abertura dos estomas?... Qual é aqui a variável independente? Aluno: É o x Professora: Independente E qual é a dependente, quem depende de quem? Aluno: A independente é as horas. Aluno: Não, não é nada! Professora: Não, nós estamos a ver o que é que acontece ao longo do tempo, mas estamos a fazer variar algo e ver o que é que acontece à abertura dos estomas, certo? É o que estamos a estudar. Qual é a variável de-pen-dente? Aluno: A abertura dos estomas. Professora: A abertura dos estomas, em função de quê? Qual é a variável independente? [ ] [Algumas interações depois ] Professora: Porque na experiência estamos a ver como é que algo funciona dependendo de uma outra variável que está em estudo. Portanto aqui, a abertura dos estomas é aquilo que está em estudo, é a variável dependente. E o que está a variar e está, ou não, a afetar a abertura dos estomas é a variável independente. Relação entre teoria e prática C ++

20 [Na interpretação dos resultados de uma atividade laboratorial de observação do movimento da água através da membrana de células da epiderme de pétalas de sardinheira:] Professora Rute: Vamos agora à interpretação de resultados. Está bem? Então vamos lá saber. Qual a função da preparação A no presente trabalho laboratorial? Qual será a função? Aluna: Controlo. Professora: [ ] A preparação A é o controlo. Porquê? [ ] Aluna: É um termo de comparação. Professora: Porque é que é um termo de comparação? Porque é que nós pegamos na preparação A e vamos usá-la como termo de comparação? Aluna: um meio isotónico. Professora: O meio de montagem, solução de Ringer, é isotónico. [ ] Serve de termo de comparação para as restantes situações quando são introduzidas outras variáveis. Ora, vamos lá então explicar as diferenças encontradas nas duas preparações. Nas preparações, a B e a C [ ] a B será uma preparação com Aluna: Água destilada. Professora: Exato, com água destilada. Como é que podemos explicar a situação ocorrida? Já sabemos que o vacúolo? Aluna: Aumentou. Professora: Aumentou de tamanho. Porquê? João. João: Então, porque está num meio hipotónico. [ ] Relação entre teoria e prática C -

21 Conceptualização da observação Critérios de avaliação Contexto instrucional Critérios de avaliação

22 Conceptualização da observação Explicitação do trabalho prático (TP) - Critérios de avaliação Indicadores E ++ E + E - E - - Solicitação do TP Exploração/ discussão do TP Conceito de enquadramento de Bernstein (1990, 2000) Perguntas dos alunos no TP Conclusão do TP (Ferreira & Morais, 2014)

23 Conceptualização da observação Explicitação do trabalho prático Indicador: Conclusão do trabalho prático E ++ E + E - E - - O professor, através do diálogo com alunos, apresenta de forma clara os aspetos mais importantes para a conclusão do trabalho prático. O professor apresenta de forma clara os aspetos mais importantes para a conclusão do trabalho prático. O professor apresenta de forma genérica os aspetos mais importantes para a conclusão do trabalho prático. O professor não apresenta os aspetos mais importantes para a conclusão do trabalho prático. ou A conclusão pode ser confusa e conter incorreções. (Ferreira & Morais, 2014)

24 [Na interpretação dos resultados de uma atividade laboratorial de observação de folhas de alface quando colocadas em meios com diferentes concentrações:] Aluna: Em relação ao facto de ela [a folha de alface] na tina B [água destilada] ficar mais rígida, isso é devido à pressão turgescência sobre a parede? Professora Rute: Também tem influência, então não achas? Que é que tu achas? Aluna: Eu acho que sim. Professora: Pois. Então? Pronto. Então? É lógico, ou não é? Não será lógico, isso? Claro que é. Está bem? [A professora prossegue a aula com o esclarecimento de uma dúvida de outra aluna.] Explicitação do trabalho prático E -

25 Professora Vera: Neste slide tentamos ver alguns dos fatores que afetam a abertura dos estomas. Temos um gráfico onde temos a concentração de solutos, nomeadamente do soluto ião potássio e sacarose. [ ] Que relação existe entre a concentração de iões no interior das células guarda e a abertura dos estomas?... Qual é aqui a variável independente? Aluno: É o x Professora: Independente E qual é a dependente, quem depende de quem? Aluno: A independente é as horas. Aluno: Não, não é nada! Professora: Não, nós estamos a ver o que é que acontece ao longo do tempo, mas estamos a fazer variar algo e ver o que é que acontece à abertura dos estomas, certo? É o que estamos a estudar. Qual é a variável de-pen-dente? Aluno: A abertura dos estomas. Professora: A abertura dos estomas, em função de quê? Qual é a variável independente? [ ] [Algumas interações depois ] Professora: Porque na experiência estamos a ver como é que algo funciona dependendo de uma outra variável que está em estudo. Portanto aqui, a abertura dos estomas é aquilo que está em estudo, é a variável dependente. E o que está a variar e está, ou não, a afetar a abertura dos estomas é a variável independente. Explicitação do trabalho prático E ++

26 Conceptualização da observação Regras hierárquicas Contexto regulador

27 Conceptualização da observação Regras hierárquicas Indicadores E ++ E + E - E - - Relação de comunicação Perguntas dos alunos Conceito de enquadramento de Bernstein (1990, 2000) Opinião dos alunos Modo de relacionamento (Ferreira & Morais, 2014)

28 Conceptualização da observação Regras hierárquicas Indicador: Perguntas dos alunos E ++ E + E - E - - O professor ignora ou não responde às perguntas dos alunos. O professor responde diretamente às perguntas dos alunos. O professor responde às perguntas dos alunos, formulando novas questões e fornecendo mais informação. O professor responde, promovendo a discussão entre os vários alunos. (Ferreira & Morais, 2014)

29 [Na interpretação dos resultados de uma atividade laboratorial de observação de folhas de alface quando colocadas em meios com diferentes concentrações:] Aluna: Em relação ao facto de ela [a folha de alface] na tina B [água destilada] ficar mais rígida, isso é devido à pressão turgescência sobre a parede? Professora Rute: Também tem influência, então não achas? Que é que tu achas? Aluna: Eu acho que sim. Professora: Pois. Então? Pronto. Então? É lógico, ou não é? Não será lógico, isso? Claro que é. Está bem? [A professora prossegue a aula com o esclarecimento de uma dúvida de outra aluna.] Regras hierárquicas E +

30 [Durante a planificação de uma atividade laboratorial sobre os fatores que podem influenciar a velocidade da fermentação alcoólica e lática:] Aluno: Como é que nós medimos a velocidade de uma reação? Professora Vera: Então, como é que acham que podem medir a velocidade de uma reação química qualquer, mesmo que não seja estas? Aluno: Observando. Professora: Observando o quê? Aluno: Os indicadores, aquilo que Professora: Aquilo que resulta da fermentação, não é? O que resulta desta fermentação alcoólica? Aluno: Etanol. Professora: Etanol e CO 2. Portanto vocês podem tentar medir o quê? Aluno: A quantidade de etanol. Professora: A quantidade de etanol que está a ser produzida, ou a quantidade de CO 2 que está a ser libertada. Regras hierárquicas E -

31 Qual a influência da prática pedagógica na aprendizagem dos alunos? O que mostra a investigação realizada em diferentes textos e contextos do ensino das ciências?

32 Prática pedagógica mista Critérios de avaliação explícitos E ++ Seleção e sequência definidas pelo professor E + Fraca ritmagem de aprendizagem E - - Elevado desenvolvimento científico dos alunos Conhecimento e capacidades Relações de comunicação abertas E - - Fracas fronteiras entre espaços C - - Fortes relações intradisciplinares C - - (Morais & Neves, 2009)

33 Relação entre práticas e aprendizagens Modelo de análise Classificação CONTEXTO Enquadramento Regras de reconhecimento Orientação específica de codificação Regras de realização Passiva Ativa TEXTO (Morais & Neves, 2006)

34 Exigência conceptual e estrutura do conhecimento Conhecimento científico DIMENSÃO PEDAGÓGICA DIMENSÃO EPISTEMOLÓGICA Transmissão do conhecimento Estrutura do conhecimento Nível de exigência conceptual Discurso vertical com estrutura hierárquica elevado baixo limita o acesso facilita o acesso (Morais & Neves, 2012)

35 Referências Bernstein, B. (1990). Class, codes and control: Volume IV, The structuring of pedagogic discourse. London: Routledge. Bernstein, B. (2000). Pedagogy, symbolic control and identity: Theory, research, critique (rev. ed.). Londres: Rowman & Littlefield. Ferreira, S., & Morais, A. M. (2014). Conceptual demand of practical work in science curricula: A methodological approach. Research in Science Education, 44(1), Marzano, R. J. & Kendall, J. S. (2007). The new taxonomy of educational objectives (2nd ed.). Thousand Oaks, CA: Corwin Press. Marzano, R. J. & Kendall, J. S. (2008). Designing & assessing educational objectives: Applying the new taxonomy. Thousand Oaks, CA: Corwin Press. Morais, A. M., & Neves, I. P. (2001). Pedagogic social contexts: Studies for a sociology of learning. In A. Morais, I. Neves, B. Davies & H. Daniels (Eds.), Towards a sociology of pedagogy: The contribution of Basil Bernstein to research (pp ). Nova Iorque: Peter Lang. Morais, A. M., & Neves, I. (2006). Orientação específica de codificação na relação entre textos e contextos. Lisboa: Grupo ESSA, Departamento de Educação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Morais, A. M., & Neves, I. (2009). Textos e contextos educativos que promovem aprendizagem. Optimização de um modelo de prática pedagógica. Revista Portuguesa de Educação, 22(1), Morais, A. M., & Neves, I. P. (2012). Estruturas de conhecimento e exigência conceptual na educação em ciências. Educação, Sociedade & Culturas, 37,

36 CONCEPTUALIZAÇÃO DOS PROCESSOS DE OBSERVAÇÃO EM SALA DE AULA Ana Maria Morais Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Protocolo actividade laboratorial - OSMOSE EM CÉLULAS VEGETAIS

Protocolo actividade laboratorial - OSMOSE EM CÉLULAS VEGETAIS ACÇÂO DE FORMAÇÃO - Utilização dos novos laboratórios escolares Protocolo actividade laboratorial - OSMOSE EM CÉLULAS VEGETAIS Formador: Prof. Vitor Teodoro Formando : Arlindo Faria de Sousa Braga, 2010

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES

UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES Acção de Formação UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES (Guião da Actividade) Formanda: Maria Teresa Novo Formador: Professor Vítor Duarte Teodoro Braga 2010 Transportes Transmembranares: O Processo

Leia mais

Análise do contexto de socialização familiar

Análise do contexto de socialização familiar Análise do contexto de socialização familiar Sua importância para a compreensão do (in)sucesso escolar Isabel Pestana Neves Departamento de Educação Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Versão

Leia mais

Práxis Educativa (Brasil) ISSN: Universidade Estadual de Ponta Grossa Brasil

Práxis Educativa (Brasil) ISSN: Universidade Estadual de Ponta Grossa Brasil Práxis Educativa (Brasil) ISSN: 1809-4031 praxiseducativa@uepg.br Universidade Estadual de Ponta Grossa Brasil Ferreira, Sílvia; Morais, Ana Maria Exigência conceptual do trabalho prático: abordagem multidisciplinar

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 1º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 1º Momento 4.1.7. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (1º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 1º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

Desenvolvimento científico nos primeiros anos de escolaridade

Desenvolvimento científico nos primeiros anos de escolaridade Desenvolvimento científico nos primeiros anos de escolaridade Estudo de características sociológicas específicas da prática pedagógica Delmina Pires Ana Maria Morais Isabel Pestana Neves Centro de Investigação

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de 01.11.12, DOU de 06.11.12 Componente Curricular: Química Geral II Código: FAR-203 Pré-requisito: Química geral e Inorgânica Período Letivo: 2016.1

Leia mais

Psicologia Cognitiva I

Psicologia Cognitiva I 1 Psicologia Cognitiva I 1. Resumo descritivo 1.1. Elementos básicos Curso Unidade Curricular Área Científica Ano / Semestre ECTS Horas de Contacto Professores responsáveis Docentes 1.2. Síntese descritiva

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONHECIMENTO E EXIGÊNCIA CONCEPTUAL NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS

ESTRUTURAS DE CONHECIMENTO E EXIGÊNCIA CONCEPTUAL NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS ESTRUTURAS DE CONHECIMENTO E EXIGÊNCIA CONCEPTUAL NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS Ana Maria Morais* & Isabel Pestana Neves* O estudo investiga o nível a que as estruturas hierárquicas de conhecimento, perspetivadas

Leia mais

Currículo. Identificação de Aprendizagens Essenciais. 25/10/ Lisboa

Currículo. Identificação de Aprendizagens Essenciais. 25/10/ Lisboa Currículo Identificação de Aprendizagens Essenciais 25/10/2016 - Lisboa Enquadramento 12 anos da escolaridade obrigatória Características dos documentos curriculares Resultados do inquérito nacional aos

Leia mais

O currículo de Ciências no 1º Ciclo do Ensino Básico Estudo de (des)continuidades na mensagem pedagógica

O currículo de Ciências no 1º Ciclo do Ensino Básico Estudo de (des)continuidades na mensagem pedagógica Revista Portuguesa de Educação, 2013, 26(1), pp. 179-217 2013, CIEd - Universidade do Minho O currículo de Ciências no 1º Ciclo do Ensino Básico Estudo de (des)continuidades na mensagem pedagógica Preciosa

Leia mais

Agrupamento de Escolas Francisco de Holanda. Ensino Secundário Critérios Específicos de Avaliação do Departamento de Física e Química 2016/2017

Agrupamento de Escolas Francisco de Holanda. Ensino Secundário Critérios Específicos de Avaliação do Departamento de Física e Química 2016/2017 Agrupamento de Escolas Francisco de Holanda 2016/2017 Ensino Secundário Critérios Específicos de Avaliação do Departamento de Física e Química 1 - Critérios Específicos de Avaliação Como complemento dos

Leia mais

Ciências Naturais 5º ano

Ciências Naturais 5º ano Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Escola E.B.,3 Dr. António Chora Barroso Ciências Naturais 5º ano Planificação a Longo Prazo 013/014 Planificação, finalidades e avaliação Grupo Disciplinar

Leia mais

ESTUDO DA FOTOSSÍNTESE COM ALGAS IMOBILIZADAS

ESTUDO DA FOTOSSÍNTESE COM ALGAS IMOBILIZADAS ESCOLA SECUNDÁRIA /3 GARCIA DE ORTA Utilização e organização dos laboratórios escolares Oficina de Formação ESTUDO DA FOTOSSÍNTESE COM ALGAS IMOBILIZADAS ANA LUÍSA SANTOS ÍNDICE pág. ÍNDICE 2 GUIÃO FORNECIDO

Leia mais

conceptual do Exigência trabalho prático

conceptual do Exigência trabalho prático Exigência conceptual do trabalho prático Seminário Currículos de nível elevado no ensino das ciências: O trabalho prático na aprendizagem científica 12 de janeiro de 2015 http://essa.ie.ulisboa.pt/ O QUE

Leia mais

A Entrevista Como método de recolha de dados em Investigação em Educação

A Entrevista Como método de recolha de dados em Investigação em Educação A Entrevista Como método de recolha de dados em Investigação em Educação Adaptado de: Cristina Costa Guida Rocha Mónica Acúrcio O que é a entrevista? A entrevista é uma conversa intencional, geralmente

Leia mais

Processos de recontextualização num contexto de flexibilidade curricular Análise da actual reforma das ciências para o ensino básico

Processos de recontextualização num contexto de flexibilidade curricular Análise da actual reforma das ciências para o ensino básico Processos de recontextualização num contexto de flexibilidade curricular Análise da actual reforma das ciências para o ensino básico Isabel Pestana Neves Ana Maria Morais Centro de Investigação em Educação

Leia mais

A contextualização curricular e os exames nacionais de Matemática

A contextualização curricular e os exames nacionais de Matemática Seminário Internacional Projeto Contextualizar o Saber para a Melhoria dos Resultados dos Alunos (PTDC/CPE-CED/113768/2009 ) A contextualização curricular e os exames nacionais de Matemática L U R D E

Leia mais

Ciências Naturais 6º ano

Ciências Naturais 6º ano Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Escola E.B. 2,3 Dr. António Chora Barroso Ciências Naturais 6º ano Planificação a Longo Prazo 2013/2014 Planificação, finalidades e avaliação Grupo Disciplinar

Leia mais

Estruturas de conhecimento e exigência conceptual na educação em ciências

Estruturas de conhecimento e exigência conceptual na educação em ciências Estruturas de conhecimento e exigência conceptual na educação em ciências Ana Maria Morais Isabel Pestana Neves Instituto de Educação, Universidade de Lisboa Versão pessoal revista do artigo aceite para

Leia mais

A natureza da ciência nos currículos de ciências

A natureza da ciência nos currículos de ciências A natureza da ciência nos currículos de ciências Estudo do currículo de Ciências Naturais do 3º ciclo do ensino básico Sílvia Ferreira Ana Maria Morais Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e

Leia mais

Revista Portuguesa de Educação ISSN: Universidade do Minho Portugal

Revista Portuguesa de Educação ISSN: Universidade do Minho Portugal Revista Portuguesa de Educação ISSN: 0871-9187 rpe@ie.uminho.pt Universidade do Minho Portugal Ferreira, Sílvia; Morais, Ana Maria A natureza da ciência nos currículos de ciências - Estudo do currículo

Leia mais

Exigência conceptual do trabalho prático nos exames nacionais

Exigência conceptual do trabalho prático nos exames nacionais Exigência conceptual do trabalho prático nos exames nacionais Uma abordagem metodológica Sílvia Ferreira Ana Maria Morais Instituto de Educação da Universidade de Lisboa Versão pessoal revista do texto

Leia mais

Escola Secundária Anselmo de Andrade 5º Teste de Biologie e Geologia de 10 ano. Nome- Nº T Data-

Escola Secundária Anselmo de Andrade 5º Teste de Biologie e Geologia de 10 ano. Nome- Nº T Data- Escola Secundária Anselmo de Andrade 5º Teste de Biologie e Geologia de 10 ano Nome- Nº T Data- O mundo vivo é caracterizado por uma enorme diversidade. Pluricelular Unicelular Heterotrófico organismos

Leia mais

Grupo I. 1. Estabeleça a relação correta entre os termos e as afirmações que se seguem. A B C D E

Grupo I. 1. Estabeleça a relação correta entre os termos e as afirmações que se seguem. A B C D E Questão de aula nr. 2 Nome : Avaliação Grupo I 1. Estabeleça a relação correta entre os termos e as afirmações que se seguem. Termos AFIRMAÇÕES A. Osmose B. Difusão simples C. Difusão facilitada D. Transporte

Leia mais

FICHA INFORMATIVA Nº 1 Biologia e Geologia Módulo 3 O transporte nas plantas

FICHA INFORMATIVA Nº 1 Biologia e Geologia Módulo 3 O transporte nas plantas FICHA INFORMATIVA Nº 1 Biologia e Geologia Módulo 3 O transporte nas plantas As plantas, através da fotossíntese, conseguem sintetizar os compostos orgânicos de que necessitam nas folhas. Para tal, precisam

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Psicologia Clínica 3. Ciclo

Leia mais

O currículo como processo de tomada de decisão

O currículo como processo de tomada de decisão Mestrado em Educação Desenvolvimento curricular em Matemática O currículo como processo de tomada de decisão Leonor Santos 2005-06 O currículo O currículo é um objecto que se constrói no processo de configuração,

Leia mais

Basil Bernstein. Sociologia para a Educação

Basil Bernstein. Sociologia para a Educação Basil Bernstein Sociologia para a Educação Ana Maria Morais Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Versão pessoal revista do texto

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães Departamento Curricular do 1º Ciclo Ano Letivo 2015/2016 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Avaliação das Atitudes/Comportamentos

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA: PERSPECTIVAS, SALA DE AULA E TECNOLOGIAS

MODELAGEM MATEMÁTICA: PERSPECTIVAS, SALA DE AULA E TECNOLOGIAS MODELAGEM MATEMÁTICA: PERSPECTIVAS, SALA DE AULA E TECNOLOGIAS Jonei Cerqueira Barbosa d Universidade Federal da Bahia Faculdade de Educação jonei.cerqueira@ufba.br MODELAGEM MATEMÁTICA: PERSPECTIVAS E

Leia mais

Promover a articulação curricular através de processos de contextualização.

Promover a articulação curricular através de processos de contextualização. Promover a articulação curricular através de processos de contextualização. José Carlos Morgado Universidade do Minho Carlinda Leite Preciosa Fernandes Ana Mouraz Universidade do Porto Universidade do

Leia mais

Estratégias de Observação na Investigação Sobre Práticas de Ensino e Avaliação de Docentes do Ensino Superior

Estratégias de Observação na Investigação Sobre Práticas de Ensino e Avaliação de Docentes do Ensino Superior Estratégias de Observação na Investigação Sobre Práticas de Ensino e Avaliação de Docentes do Ensino Superior Domingos Fernandes University of Lisboa Institute of Education dfernandes@ie.ulisboa.pt Sumário

Leia mais

Mestrado em Educação Área de Especialização: Didáctica da Matemática Metodologia da Investigação I. A Entrevista

Mestrado em Educação Área de Especialização: Didáctica da Matemática Metodologia da Investigação I. A Entrevista Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Departamento de Educação Mestrado em Educação Área de Especialização: Didáctica da Matemática Metodologia da Investigação I A Entrevista Cristina Costa Guida

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO BIOLOGIA Prova 302 2015 12 º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 1. Introdução O presente documento divulga

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade

Leia mais

Articulação vertical dos currículos de ciências no ensino básico: perspetivas dos professores de um Agrupamento de Escolas

Articulação vertical dos currículos de ciências no ensino básico: perspetivas dos professores de um Agrupamento de Escolas Articulação vertical dos currículos de ciências no ensino básico: perspetivas dos professores de um Agrupamento de Escolas Helena Moita de Deus 1 Gonçalo Nuno Carreira Pereira 2 1 - Centro de Formação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ELABORAÇÃO DE MAPAS CONCEITUAIS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM DO ALUNO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ELABORAÇÃO DE MAPAS CONCEITUAIS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM DO ALUNO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ELABORAÇÃO DE MAPAS CONCEITUAIS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM DO ALUNO PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO PEDAGÓGICA PAP/PROGRAD Prof. Marcos Antonio Ferreira Júnior

Leia mais

Comemoração do Ano do Morcego no 5.º ano

Comemoração do Ano do Morcego no 5.º ano SLIDE 1.1 Comemoração do Ano do Morcego no 5.º ano Comemoração do Ano do Morcego no 5.º ano Atividade que visou: Comemorar o Ano Internacional do Morcego; Conhecer os morcegos e seu habitat; Promover a

Leia mais

I Competências / Domínios a avaliar

I Competências / Domínios a avaliar O trabalho desenvolvido na disciplina de Português 2º ciclo visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos dois as do ciclo, metas linguísticas s domínios do oral e do escrito, competências de leitura

Leia mais

MAPAS CONCEITUAIS NA EDUCAÇÃO: PROPONDO UMA NOVA INTERFACE PARA AMBIENTES DE APRENDIZAGEM BASEADOS NA PLATAFORMA MOODLE

MAPAS CONCEITUAIS NA EDUCAÇÃO: PROPONDO UMA NOVA INTERFACE PARA AMBIENTES DE APRENDIZAGEM BASEADOS NA PLATAFORMA MOODLE 1 MAPAS CONCEITUAIS NA EDUCAÇÃO: PROPONDO UMA NOVA INTERFACE PARA AMBIENTES DE APRENDIZAGEM BASEADOS NA PLATAFORMA MOODLE Rio de Janeiro - RJ - 05/2012 Categoria: C Setor Educacional: 5 Classificação das

Leia mais

e-manual Premium Manual

e-manual Premium Manual Manual zona de cola FÍSICO-QUÍMICA 8.o ANO Desdobráveis (Reações Químicas + Som e Luz) Fichas de Apoio (oferta ao aluno) Apoios Áudio (ficheiros mp para download) Caderno de Atividades (inclui Fichas de

Leia mais

Prova Escrita e Prática de Biologia

Prova Escrita e Prática de Biologia INFORMAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita e Prática de Biologia

Leia mais

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2014/2015

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2014/2015 FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2014/2015 Designação Introdução à Psicologia do Desenvolvimento Docente (s) (Indicar também qual o docente responsável pela U.C.) Sara Bahia (responsável pela UC) João Moreira

Leia mais

Ensinar ciências físico-químicas no ensino básico

Ensinar ciências físico-químicas no ensino básico Ensinar ciências físico-químicas no ensino básico Uma análise sociológica do programa do 8º ano Adélia F. Lopes Escola Secundária Camões Ana Maria Morais Centro de Investigação em Educação Faculdade de

Leia mais

O ROBÔ AJUDA? ESTUDO DO IMPACTO DO USO DE ROBÓTICA EDUCATIVA COMO ESTRATÉGIA DE APRENDIZAGEM NA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B

O ROBÔ AJUDA? ESTUDO DO IMPACTO DO USO DE ROBÓTICA EDUCATIVA COMO ESTRATÉGIA DE APRENDIZAGEM NA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B O ROBÔ AJUDA? ESTUDO DO IMPACTO DO USO DE ROBÓTICA EDUCATIVA COMO ESTRATÉGIA DE APRENDIZAGEM NA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B Paulo Torcato Instituto de Educação da Universidade de Lisboa ptorcato@torcato.info

Leia mais

CENFORMAZ. Centro de Formação da Associação de Escolas do Mar ao Zêzere. (2.ª Proposta de Trabalho 3.ª e 4.ª Sessões: 21 de Novembro e 5 de Dezembro)

CENFORMAZ. Centro de Formação da Associação de Escolas do Mar ao Zêzere. (2.ª Proposta de Trabalho 3.ª e 4.ª Sessões: 21 de Novembro e 5 de Dezembro) CENFORMAZ Centro de Formação da Associação de Escolas do Mar ao Zêzere (2.ª Proposta de Trabalho 3.ª e 4.ª Sessões: 21 de Novembro e 5 de Dezembro) Formandos: Carla Franco Nuno Santos Raquel Ferreira Ricardo

Leia mais

Roteiro de exploração da simulação Educativa: Princípio de Le Châtelier

Roteiro de exploração da simulação Educativa: Princípio de Le Châtelier Roteiro de exploração da simulação Educativa: Princípio de Le Châtelier Enquadramento Esta simulação enquadra-se nos conteúdos programáticos da disciplina de Física e Química A do 11º ano Unidade 2 e na

Leia mais

Pesquisa Científica. Atividade da Aula Passada... Pesquisa Científica. Pesquisa Científica...

Pesquisa Científica. Atividade da Aula Passada... Pesquisa Científica. Pesquisa Científica... Atividade da Aula Passada... Qual a relação entre Conhecimento, Ciência e Metodologia? Qual a relação do Conhecimento Empírico com a Ciência? Com base na sua experiência de vida, seu empirismo, existe

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR PERCURSO DE UM MODELO EM (RE)CONSTRUÇÃO

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR PERCURSO DE UM MODELO EM (RE)CONSTRUÇÃO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR PERCURSO DE UM MODELO EM (RE)CONSTRUÇÃO VII Congresso Iberoamericano de Docência Universitária, FPCEUP, 2012 Ilídia Vieira, Luísa Ribeiro Trigo e José

Leia mais

Trabalho prático em currículos e práticas pedagógicas.

Trabalho prático em currículos e práticas pedagógicas. Trabalho prático em currículos e práticas pedagógicas. Sílvia Ferreira Ana Maria Morais Isabel Pestana Neves Margarida Afonso Preciosa Silva Instituto de Educação da Universidade de Lisboa Versão pessoal

Leia mais

Currículo e manuais escolares em contexto de flexibilidade curricular. Estudo de processos de recontextualização

Currículo e manuais escolares em contexto de flexibilidade curricular. Estudo de processos de recontextualização Revista Portuguesa de Educação, 2012, 25(1), pp. 53-93 2012, CIEd - Universidade do Minho Currículo e manuais escolares em contexto de flexibilidade curricular. Estudo de processos de recontextualização

Leia mais

A TEORIA DE BASIL BERNSTEIN

A TEORIA DE BASIL BERNSTEIN A TEORIA DE BASIL BERNSTEIN Alguns aspectos fundamentais Ana Maria Morais Isabel Pestana Neves Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal Versão

Leia mais

I Seminário Internacional Contributos da Psicologia em Contextos Educativos. Braga: Universidade do Minho, 2010 ISBN

I Seminário Internacional Contributos da Psicologia em Contextos Educativos. Braga: Universidade do Minho, 2010 ISBN MODELO DE ATENDIMENTO À DIVERSIDADE: PRÁTICAS EFICAZES NO ENSINO DA LEITURA JUNTO DE ALUNOS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ESPECÍFICAS Paula Marisa F. Vaz Alves (Instituto Politécnico de Bragança) Luís

Leia mais

Currículo e práticas pedagógicas Uma análise sociológica de textos e contextos da educação em ciências

Currículo e práticas pedagógicas Uma análise sociológica de textos e contextos da educação em ciências Revista Portuguesa de Educação, 2013, 26(1), pp. 219-251 2013, CIEd - Universidade do Minho Currículo e práticas pedagógicas Uma análise sociológica de textos e contextos da educação em ciências Vanda

Leia mais

CURRÍCULOS 2016/2017

CURRÍCULOS 2016/2017 CURRÍCULOS 2016/2017 Ensino Regular Departamento: Matemática e Ciências Experimentais Disciplina: Física e Química A Ano de Escolaridade: 11º Conteúdos Programáticos: Domínio: Mecânica Subdomínio 1: Tempo,

Leia mais

Projeto acadêmico não lucrativo, desenvolvido pela iniciativa Acesso Aberto

Projeto acadêmico não lucrativo, desenvolvido pela iniciativa Acesso Aberto Red de Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal Sistema de Información Científica Ana Maria Morais, Isabel Pestana Neves Textos e contextos educativos que promovem aprendizagem

Leia mais

Basil Bernstein: Antologia

Basil Bernstein: Antologia Basil Bernstein: Antologia Ana Maria Morais Isabel Pestana Neves Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Versão pessoal revista do texto final do artigo publicado em: Revista de Educação, X (2),

Leia mais

ACTIVIDADES PARA ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS

ACTIVIDADES PARA ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS ACTIVIDADES PARA ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS ACTIVIDADE 1 Tempo previsível 60 minutos Recursos Necessários: Livro Assim Começa a Vida ; ficha nº12 COMO FAZER: Leitura do livro Assim Começa

Leia mais

Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III

Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III UNIDADES DE FORMAÇÃO HORAS 1. CARACTERIZAÇÃO DO JOGO 6 2. REGRAS DO JOGO E REGULAMENTOS ESPECÍFICOS 4 3. MEIOS DE ENSINO DO JOGO 20 4. COMPONENTES

Leia mais

aula PLANEJAMENTO FATORIAL 2 2 META OBJETIVOS PRÉ-REQUISITOS

aula PLANEJAMENTO FATORIAL 2 2 META OBJETIVOS PRÉ-REQUISITOS PLANEJAMENTO FATORIAL 2 2 10 aula META apresentar ao aluno aspectos fundamentais dos planejamentos fatoriais através da exemplificação com um planejamento 2 2. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

O currículo de ciências no 1º Ciclo do Ensino Básico

O currículo de ciências no 1º Ciclo do Ensino Básico O currículo de ciências no 1º Ciclo do Ensino Básico Estudo de (des)continuidades na mensagem pedagógica Preciosa Silva Ana Maria Morais Isabel Pestana Neves Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

A c o m u n i c a ç ã o m a t e m á t i c a e m c r i a n ç a s c o m N E E. Dedicatória

A c o m u n i c a ç ã o m a t e m á t i c a e m c r i a n ç a s c o m N E E. Dedicatória Dedicatória Às minhas filhas, meus anjos de luz, e ao meu marido, por todo o apoio e compreensão indispensáveis para a elaboração deste trabalho, mas também para a realização deste meu sonho: Concluir

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TEORIA DA COMUNICAÇÃO Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TEORIA DA COMUNICAÇÃO Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular TEORIA DA COMUNICAÇÃO Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E GESTÃO DO CONHECIMENTO EMPREENDEDORISMO. Prof. Dr. Daniel Caetano

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E GESTÃO DO CONHECIMENTO EMPREENDEDORISMO. Prof. Dr. Daniel Caetano INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO GESTÃO DO CONHECIMENTO Prof. Dr. Daniel Caetano 2017-2 Objetivos Recordar as dimensões do conhecimento Compreender a importância de gerenciar o conhecimento Conhecer

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO. Componente Curricular: Físico-Química

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO. Componente Curricular: Físico-Química CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de 01.11.12, DOU de 06.11.12 Componente Curricular: Físico-Química Código: FAR-205 Pré-requisito: Nenhum Período Letivo: 2016.1 CH Total: T 30h P

Leia mais

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício.

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. A CLASSIFICAÇÃO DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS Seu estudo é de

Leia mais

CURSO: Bioquímica INFORMAÇÕES BÁSICAS EMENTA

CURSO: Bioquímica INFORMAÇÕES BÁSICAS EMENTA Turno: Integral Currículo 2010 Período 6 Tipo Obrigatória CURSO: Bioquímica INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular Processos Bioquímicos e Microbiológicos Industriais Teórica 36 horas/aulas Carga Horária

Leia mais

Materiais curriculares, práticas e aprendizagens

Materiais curriculares, práticas e aprendizagens Materiais curriculares, práticas e aprendizagens Estudo no contexto das ciências do 1º Ciclo do Ensino Básico Preciosa Silva Ana Maria Morais Isabel Pestana Neves Instituto de Educação da Universidade

Leia mais

(Subdomínio.módulo.conteúdo)

(Subdomínio.módulo.conteúdo) Escolas João de Araújo Correia ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 16 17 GESTÃO CURRICULAR DEPARTAMENTO Matemática e Ciências Experimentais FÍSICA E QUÍMICA A 11º ANO 1º Período (Início: 15-09-2016; Fim: 16-12-2016)

Leia mais

Desafios que se colocam ao Ensino Universitário no século XXI uma reflexão a partir de várias vozes.

Desafios que se colocam ao Ensino Universitário no século XXI uma reflexão a partir de várias vozes. Desafios que se colocam ao Ensino Universitário no século XXI uma reflexão a partir de várias vozes nilzacosta@ua.pt ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO (1) ENSINO SUPERIOR SEC. XXI 1ª 2ª PROPOSTAS ORIENTADORAS

Leia mais

Articulação Curricular e Interdisciplinaridade: Contributo para uma reflexão Ariana Cosme

Articulação Curricular e Interdisciplinaridade: Contributo para uma reflexão Ariana Cosme Articulação Curricular e Interdisciplinaridade: Contributo para uma reflexão Ariana Cosme Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto ( ) se é triste ver meninos sem escola,

Leia mais

MODELO ORGANIZATIVO DO ENSINO DA CIÊNCIA

MODELO ORGANIZATIVO DO ENSINO DA CIÊNCIA Um padrão para a unificação de conceitos e procedimentos pode ser definido verticalmente e transversalmente para todos os anos de escolaridade A compreensão e as aptidões associadas à maioria dos esquemas

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO A letivo: 2016/2017 O trabalho desenvolvido na disciplina de Francês, 3º Ciclo, visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos três as do Ciclo, competências de comunicação s domínios da oralidade

Leia mais

Trabalho de Grupo. Escola Superior de Educação de Viseu Licenciatura: Educação Básica Unidade Curricular: TIC 1º Ano - 2º Semestre 2013/2014

Trabalho de Grupo. Escola Superior de Educação de Viseu Licenciatura: Educação Básica Unidade Curricular: TIC 1º Ano - 2º Semestre 2013/2014 1. ACTIVIDADE Esta actividade irá ser realizada pelas crianças e tem como objectivo a produção de um vídeo original com base na disciplina de Educação Musical. Para esta actividade irão ser utilizadas

Leia mais

Química Analítica IV INTRODUÇÃO A VOLUMETRIA

Química Analítica IV INTRODUÇÃO A VOLUMETRIA Química Análítica IV - II sem/2012 Profa Ma Auxiliadora - 1 Química Analítica IV 1 semestre 2012 Profa. Maria Auxiliadora Costa Matos INTRODUÇÃO A VOLUMETRIA VOLUMETRIA Química Análítica IV - II sem/2012

Leia mais

Painel A: Procedimentos pedagógicos e resultados escolares Raquel Rodrigues Monteiro

Painel A: Procedimentos pedagógicos e resultados escolares Raquel Rodrigues Monteiro Painel A: Procedimentos pedagógicos e resultados escolares Raquel Rodrigues Monteiro Seminário Internacional "Currículo, Contextualização e Sucesso" 11 de Maio de 2013 - FPCEUP (Auditório 2C) Temática

Leia mais

Boletim de Educação Matemática ISSN: X Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Brasil

Boletim de Educação Matemática ISSN: X Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Brasil Boletim de Educação Matemática ISSN: 0103-636X bolema@rc.unesp.br Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Brasil da Silva Prado, Airam SANTANA, T. S. A regulação da produção discursiva entre

Leia mais

A avaliação visa certificar as diversas aprendizagens e competências adquiridas pelo aluno, no final de cada ciclo ( ).

A avaliação visa certificar as diversas aprendizagens e competências adquiridas pelo aluno, no final de cada ciclo ( ). Externato da Luz Ano Lectivo 2009 / 2010 Critérios de Avaliação Departamento de Ciências Humanas e Sociais Agrupamento História (3º Ciclo) Professor: Pedro Machado A avaliação é um elemento integrante

Leia mais

A PESQUISA CIENTÍFICA

A PESQUISA CIENTÍFICA A PESQUISA CIENTÍFICA CONCEITO e DEFINIÇÕES - A pesquisa surge quando temos consciência de um problema e nos sentimos impelidos a buscar a sua solução. (R. Mandolfo, citado em Asti Vera, 1976) - Investigação

Leia mais

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS PROCESSO SELETIVO 2016/2 - CPS PROVA DISCURSIVA DE QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA INSTRUÇÕES: 1. Só abra a prova quando autorizado. 2. Veja se este caderno contém 5 (cinco)

Leia mais

PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões

PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões PLANEJAMENTO INSTRUMENTO DE AÇÃO EDUCATIVA PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões Busca determinar fins Torna presentes valores e crenças Explicita nossa compreensão (mundo, vida, sociedade,

Leia mais

ÁGUA, SOLUBILIDADE E PH

ÁGUA, SOLUBILIDADE E PH Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Instituto de Bioquímica Médica Curso: Enfermagem e Obstetrícia ÁGUA, SOLUBILIDADE E PH ÁGUA: UM COMPONENTE E SOLVENTE UNIVERSAL A ÁGUA

Leia mais

Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo

Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo QUÍMICA TEMAS OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM SITUAÇÕES E EXPERIÊNCIAS EDUCATIVAS AULAS TERRA

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL:

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: Domínio Cognitivo e Motor (Código A71) Educadores de Infância e Professores dos 1º, 2º e 3º ciclos do ensino básico e do ensino secundário Curso de

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA EM HIDROLOGIA

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA EM HIDROLOGIA Introdução 1 PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA EM HIDROLOGIA Fenômeno - MODELO MATEMÁTICO Q = L.H 3/2 F= γ.h.a Ênfase: forma da expressão relação entre : L e H Q γ, h e A F Aula 1 Introdução 2 HIDROLOGIA " É

Leia mais

3ª Série / Vestibular _ TD 08 _ 19 de abril

3ª Série / Vestibular _ TD 08 _ 19 de abril 3ª Série / Vestibular _ TD 08 _ 19 de abril 21. As células caracterizam-se por possuir uma membrana plasmática, separando o meio intracelular do meio extracelular. A manutenção da integridade dessa membrana

Leia mais

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CÓDIGO: EDU254 DISCIPLINA: METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA CARGA HORÁRIA:

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pinheiro Manual de Supervisão Pedagógica INTRODUÇÃO

Agrupamento de Escolas de Pinheiro Manual de Supervisão Pedagógica INTRODUÇÃO 2 ( ) A construção de uma cultura colegial é um processo longo, não isento de dificuldades e conflitos, e que requer a criação de condições várias, nomeadamente de espaços e tempos destinados ao trabalho

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO. Assiduidade/Pontualidade (2%) Comportamento / Relação com os outros (6%)

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO. Assiduidade/Pontualidade (2%) Comportamento / Relação com os outros (6%) PORTUGUÊS DOMÍNIOS DE Leitura / Educação literária (25) Escrita (25) Gramática (15) Oralidade (15) 80 Assiduidade/Pontualidade (2) Comportamento / Relação com os outros (6) Organização do material (2)

Leia mais

Pesquisa Científica. Pesquisa Científica. Classificação das Pesquisas... Pesquisa Científica... Interpretar resultados. Realizar a pesquisa

Pesquisa Científica. Pesquisa Científica. Classificação das Pesquisas... Pesquisa Científica... Interpretar resultados. Realizar a pesquisa Pesquisa Científica Pesquisa Científica! Procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis, em qualquer campo do conhecimento.! É um

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE PLANO DE MELHORIA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA 2015/2017 EqAI - 2015 Página 1 de 6 1. Resultados Em Português: incentivar a leitura; recontar as Académicos: histórias

Leia mais

Introdução e Classificação das Habilidades Motoras. Prof.ª Luciana Castilho Weinert

Introdução e Classificação das Habilidades Motoras. Prof.ª Luciana Castilho Weinert Introdução e Classificação das Habilidades Motoras Prof.ª Luciana Castilho Weinert Conceitos Habilidade: tarefa com finalidade específica; Habilidade motora: habilidade que exige movimentos voluntários

Leia mais

MEMBRANA PLASMÁTICA: TIPOS DE TRANSPORTE

MEMBRANA PLASMÁTICA: TIPOS DE TRANSPORTE MEMBRANA PLASMÁTICA: TIPOS DE TRANSPORTE Transporte passivo O transporte passivo é o transporte de substância entre a membrana plasmática sem gasto de energia (ATP Adenosina trifosfato ou trifosfato de

Leia mais

- O processo de síntese de ATP, microrganismos envolvidos, a glicólise, ácido pirúvico, e produtos finais. - A glicólise como via

- O processo de síntese de ATP, microrganismos envolvidos, a glicólise, ácido pirúvico, e produtos finais. - A glicólise como via Objectivos Conteúdos Métodos Recursos Avaliação de Alimentos Fermentação - Perceber a como um outro síntese de ATP - Observar e compreender a via metabólica da e as suas - O síntese de ATP, microrganismos

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO A lectivo:2016/2017 O trabalho desenvolvido na disciplina de Inglês,, visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos cinco as dos dois Ciclos, competências de comunicação s domínios da oralidade

Leia mais

Educar em creche que cidadão aos 3 anos de idade?

Educar em creche que cidadão aos 3 anos de idade? Educar em creche que cidadão aos 3 anos de idade? Gabriela Portugal Departamento de Educação, Universidade de Aveiro gabriela.portugal@ua.pt Sumário 1. Importância de orientações pedagógicas para a creche

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE TITRIMÉTRICA (Volumétrica)

TÍTULO: ANÁLISE TITRIMÉTRICA (Volumétrica) Componente Curricular: Química dos Alimentos Prof. Barbosa e Prof. Daniel 4º Módulo de Química Procedimento de Prática Experimental Competências: Identificar as propriedades dos alimentos. Identificar

Leia mais

Plano de melhoria (2015/16)

Plano de melhoria (2015/16) Plano de melhoria (2015/16) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel Quatro domínios de ação da Biblioteca Escolar: A. Currículo, literacias e aprendizagem B. Leitura

Leia mais

O que é pesquisa? inquietações, ou para um problema;

O que é pesquisa? inquietações, ou para um problema; Metodologia da Pesquisa: A construção do conhecimento O que é pesquisa? 1. Pesquisar é procurar respostas para inquietações, ou para um problema; 2. Atividade básica das ciências na sua indagação e descoberta

Leia mais