FICHA INFORMATIVA Nº 1 Biologia e Geologia Módulo 3 O transporte nas plantas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FICHA INFORMATIVA Nº 1 Biologia e Geologia Módulo 3 O transporte nas plantas"

Transcrição

1 FICHA INFORMATIVA Nº 1 Biologia e Geologia Módulo 3 O transporte nas plantas As plantas, através da fotossíntese, conseguem sintetizar os compostos orgânicos de que necessitam nas folhas. Para tal, precisam que a água e os sais minerais sejam transportados do solo até às folhas e que os compostos produzidos neste processo sejam transportados das folhas para os restantes tecidos da planta. Algumas plantas aquáticas, musgos e plantas de pequenas dimensões, que vivem em locais húmidos, não necessitam de sistemas de transporte, uma vez que quase todas as células realizam a fotossíntese, e como estão em contacto com o meio aquoso, obtêm a água e trocam facilmente os gases. As células que não são fotossintetizantes ou que não estão em contacto direto com a água, recorrem à difusão ou à osmose. Estas plantas denominam-se avasculares. A maioria das plantas terrestres, vasculares, possui tecidos especializados na condução e distribuição de substâncias: Xilema: tecido que conduz a seiva bruta (água e sais minerais); é um tecido complexo constituído por células essencialmente mortas. Floema: tecido que conduz a seiva elaborada (água e matéria orgânica sintetizada durante a fotossíntese); é um tecido complexo constituído por células essencialmente vivas. As trocas gasosas são efetuadas através de estruturas localizadas na epiderme das folhas e dos caules, os estomas. Estes, são constituídos por duas células em forma de rim, as células guarda, que delimitam uma abertura central, o ostíolo. Pelos estomas ocorrem as trocas gasosas indispensáveis à realização da fotossíntese e a evaporação de grandes quantidades de água por transpiração. Absorção de água e de solutos pela raiz A eficiência da captação de água pela raiz é devida à existência de pêlos radiculares (extensões das células epidérmicas) que aumentam a área da raiz em contacto com o solo. Dentro das células da raiz, a concentração de soluto é maior que no exterior, por isso, a água tende a entrar por osmose, até aos vasos xilémicos. Os iões minerais que estão presentes na solução do solo em concentração elevada entram nas células da raiz por difusão simples, através das membranas das células. A solução do solo é muito diluída e as raízes podem acumular iões minerais em concentrações superiores às do solo. O movimento destes iões, contra o gradiente de concentração, requer gasto de energia, entrando nas células por transporte ativo. O movimento da água e dos sais minerais ao longo da raiz pode ocorrer através de dois trajetos distintos: via apoplástica, através das paredes de celulose e espaços intercelulares e via simplástica, através das membranas celulares e dos respectivos citoplasmas. A via simplástica por ser intracelular é relativamente mais lenta mas permite uma absorção seletiva dos solutos. O transporte apoplástico é feito em contínuo ao longo das paredes celulares e espaços extracelulares (Figura 1). BG10 Módulo 3 Página 1 de 6

2 Figura 1 Movimento de água e sais ao longo da raiz. Transporte no xilema Existem duas teorias que permitem explicar o transporte da seiva bruta ao longo do xilema: a teoria da pressão radicular e a teoria da tensão-coesão-adesão. Teoria da pressão radicular - A entrada de iões, por difusão simples e transporte ativo, a partir da solução do solo para as células da raiz, conduz a um aumento da pressão osmótica; - O aumento da pressão osmótica leva à entrada de água na raiz por osmose; - As diferenças de pressão osmótica entre células adjacentes fazem movimentar a água e sais minerais, célula a célula, desde a zona cortical até à zona medular da raiz, onde se encontra o xilema; - A acumulação de água nos tecidos provoca uma pressão na raiz (pressão radicular) que força a água a subir ao longo do xilema. Teoria da tensão-coesão-adesão - A perda de água por transpiração, ao nível das folhas, faz deslocar a água das células adjacentes e cria uma força de tensão que se transmite até ao xilema e a partir deste às células da raiz e à solução do solo; - A coesão entre as moléculas de água, devido à sua ligação por pontes de hidrogénio, leva a que se forme uma coluna contínua; - A adesão das moléculas de água às paredes do xilema facilita a ascensão em coluna. BG10 Módulo 3 Página 2 de 6

3 Figura 2 Esquema representativo da subida de seiva bruta ao longo do xilema segundo a teoria da tensão coesão adesão. Transporte no floema As substâncias produzidas nos órgãos fotossintéticos são transportadas através dos tecidos condutores do floema. A seiva elaborada é constituída por açúcar, que na maior parte dos casos é a sacarose. Hipótese do fluxo de massa ou fluxo de pressão - Os compostos orgânicos entram por transporte ativo para as células do floema (tubos crivosos) num local onde há produção de matéria orgânica (por exemplo, as folhas); - O aumento da pressão osmótica nas células do floema leva à entrada de água por osmose; - A pressão de turgescência nas células desencadeia um fluxo de massa (água e solutos), de célula para célula, ao longo das células condutoras do floema; - Nos locais de utilização (como a raiz ou os frutos), os açúcares são retirados do floema por transporte ativo, o que mantêm o gradiente de concentrações e determina a continuação do fluxo. BG10 Módulo 3 Página 3 de 6

4 Figura 3 Esquema representativo do movimento de seiva elaborada ao longo do floema, segundo a hipótese do fluxo de massa. As imagens utilizadas na elaboração destes resumos sobre transporte nas plantas foram retiradas da Revista de Ciência Elementar, Volume 2 Ano 2014 BG10 Módulo 3 Página 4 de 6

5 Exercícios 1. Atualmente discutem-se vários mecanismos explicativos da translocação de substâncias nas plantas. A cada uma das letras (A, B, C e D), que assinalam as afirmações relativas à translocação de substâncias, faça corresponder o número (I, II ou III) da chave que identifica a teoria ou a hipótese correspondente. Afirmações: A Pode ser constatada através da observação do fenómeno de gutação. B As propriedades físicas das moléculas de água contribuem para a manutenção de uma corrente de transpiração contínua. C A variação da temperatura do ar afecta diretamente a taxa de translocação da seiva. D A translocação é desencadeada pelo gradiente de concentração de solutos, existente entre um órgão produtor e um órgão consumidor, gerado à custa de energia metabólica. Chave: I Hipótese do fluxo de massa II Teoria da pressão radicular III Teoria da tensão-coesão-adesão 2. Identifique a teoria em que o movimento da seiva bruta é explicado exclusivamente pela acumulação contínua e ativa de iões pelas raízes das plantas. 3. As afirmações seguintes referem-se à translocação de seiva no floema. Coloque por ordem as letras que as representam, de modo a reconstituir a sequência temporal dos acontecimentos. A A água desloca-se por osmose para as células com elevado potencial de soluto. B Aumenta a pressão osmótica nas células dos tubos crivosos. C A seiva é forçada a deslocar-se ao longo dos vasos floémicos. D A sacarose entra no floema a partir das células adjacentes. E Aumenta a pressão hídrica no interior dos tubos crivosos. 4. Numa situação experimental, verificou-se, numa árvore, a translocação da seiva xilémica das raízes para as folhas e da seiva floémica em sentido contrário. Uma secção do tronco desta árvore foi aquecida a 100 ºC, tendo-se constatado que a translocação da seiva floémica foi interrompida, enquanto a translocação da seiva xilémica não foi afetada. Explique por que razão o aquecimento da secção mencionada interferiu na translocação da seiva floémica, não interferindo, no entanto, na translocação da seiva xilémica. BG10 Módulo 3 Página 5 de 6

6 5. Numa planta, o movimento ascendente da seiva elaborada ocorre quando (A) as reservas são armazenadas ao nível da raiz. (B) há frutos localizados acima dos órgãos fotossintéticos. (C) se verifica uma taxa de transpiração muito elevada. (D) a absorção radicular supera a transpiração foliar. 6. Para que ocorra a absorção de água numa planta, as células da zona cortical da raiz (A) mantêm a pressão osmótica mais baixa do que a da solução do solo. (B) promovem a entrada de água na planta por difusão facilitada. (C) promovem o transporte de água do meio hipertónico para o meio hipotónico. (D) mantêm o gradiente de solutos gerado por transporte ativo. 7. A translocação através do floema (A) é determinada segundo o sentido imposto pela força da gravidade. (B) inicia-se em órgãos com actividade fotossintética e em órgãos de reserva. (C) é desencadeada por fenómenos físicos independentes do metabolismo celular. (D) manifesta-se, nalgumas plantas, através do fenómeno de gutação. BG10 Módulo 3 Página 6 de 6

Transporte nas Plantas

Transporte nas Plantas Transporte nas Plantas Para sua sobrevivência, os seres vivos necessitam de substâncias (moléculas e iões) que têm de ser transportadas a cada uma das células que os constituem. Os seres vivos simples

Leia mais

Transporte nas Plantas

Transporte nas Plantas Prof. Ana Rita Rainho Transporte nas Plantas Transporte nas plantas Materiais transportados Seiva bruta: água e sais minerais Conduzida da raiz ate às folhas pelo xilema Seiva elaborada: produtos orgânicos

Leia mais

Transporte nas plantas

Transporte nas plantas Transporte nas plantas As plantas dividem-se em dois grupos: PLANTAS AVASCULARES: Plantas simples, sem estrutura especializada no transporte de substâncias. PLANTAS VASCULARES: Plantas evoluídas com sistemas

Leia mais

As plantas precisam de : -Transportar até às folhas água, CO2 e sais minerais; - Transportar das folhas para o resto da planta matéria orgânica.

As plantas precisam de : -Transportar até às folhas água, CO2 e sais minerais; - Transportar das folhas para o resto da planta matéria orgânica. As plantas dividem-se em dois grupos: PLANTAS AVASCULARES: Plantas simples, sem estrutura especializada no transporte de substâncias. PLANTAS VASCULARES: Plantas evoluídas com sistemas de transporte de

Leia mais

Compreender a importância do transporte das plantas na distribuição de substâncias fundamentais para o seu metabolismo celular.

Compreender a importância do transporte das plantas na distribuição de substâncias fundamentais para o seu metabolismo celular. Compreender a importância do transporte das plantas na distribuição de substâncias fundamentais para o seu metabolismo celular. Reconhecer que a complexidade os sistemas de transporte resulta de processos

Leia mais

Ficha de Trabalho de Biologia apoio ao exam 10º ano Unidade 2 Distribuição da matéria In Exames Nacionais e Testes Intermédio de

Ficha de Trabalho de Biologia apoio ao exam 10º ano Unidade 2 Distribuição da matéria In Exames Nacionais e Testes Intermédio de Estruturas Pedagógicas Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro Área disciplinar de Biologia e Geologia Ano letivo 2015/2016 Ficha de Trabalho de Biologia apoio

Leia mais

SLC Aula 10 Profa. Ana Paula O movimento da água e dos solutos nas plantas

SLC Aula 10 Profa. Ana Paula O movimento da água e dos solutos nas plantas SLC 0622 - Aula 10 Profa. Ana Paula O movimento da água e dos solutos nas plantas Para cada grama de matéria orgânica produzida pela planta, cerca de 500g de água são absorvidos pelas raízes, transportados

Leia mais

O movimento da água e dos solutos nas plantas

O movimento da água e dos solutos nas plantas O movimento da água e dos solutos nas plantas A água Princípios do movimento da Água O movimento da água em qualquer sistema é governado por 3 processos: Difusão Osmose Fluxo de massa; Osmose glicose Membrana

Leia mais

Escola Secundária Anselmo de Andrade 5º Teste de Biologie e Geologia de 10 ano. Nome- Nº T Data-

Escola Secundária Anselmo de Andrade 5º Teste de Biologie e Geologia de 10 ano. Nome- Nº T Data- Escola Secundária Anselmo de Andrade 5º Teste de Biologie e Geologia de 10 ano Nome- Nº T Data- O mundo vivo é caracterizado por uma enorme diversidade. Pluricelular Unicelular Heterotrófico organismos

Leia mais

Biologia e Geologia 10º ano. Transporte nas plantas

Biologia e Geologia 10º ano. Transporte nas plantas Biologia e Geologia 10º ano Transporte nas plantas A água e os sais minerais são absorvidos pela raiz. Os pêlos radiculares contribuem para o aumento da área de absorção. As plantas fazem a absorção de

Leia mais

Colégio Marista Diocesano Biologia PC 2º ano EM turmas A e B B18 FISIOLOGIA VEGETAL

Colégio Marista Diocesano Biologia PC 2º ano EM turmas A e B B18 FISIOLOGIA VEGETAL Colégio Marista Diocesano Biologia PC 2º ano EM turmas A e B B18 FISIOLOGIA VEGETAL Fisiologia vegetal De forma objetiva, a fisiologia vegetal ou fitofisiologia é o ramo da botânica que trata dos fenômenos

Leia mais

COMPONENTES DO POTENCIAL HÍDRICO

COMPONENTES DO POTENCIAL HÍDRICO COMPONENTES DO POTENCIAL HÍDRICO = s + m + p + g onde: (ou w ou a ) = potencial de água total; s (ou o ) = potencial de solutos ou osmótico, que é função da concentração de solutos; negativo m = potencial

Leia mais

Relações Hídricas na estrutura vegetal FISIOLOGIA VEGETAL. Fenômenos relacionados com a água: Propriedades da água. Alto calor específico

Relações Hídricas na estrutura vegetal FISIOLOGIA VEGETAL. Fenômenos relacionados com a água: Propriedades da água. Alto calor específico Relações Hídricas na estrutura vegetal FISIOLOGIA VEGETAL Fenômenos relacionados com a água: Transpiração Absorção e transporte de água Transporte de açúcares Nutrição mineral Pigmentos Crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Fisiologia Vegetal O 2 ATMOSFERA H 2 O SOLO CO 2

Fisiologia Vegetal O 2 ATMOSFERA H 2 O SOLO CO 2 Fisiologia Vegetal Fatores ambientais Abióticos e bióticos CO 2 O 2 ATMOSFERA Crescimento e desenvolvimento SOLO H 2 O Elementos minerais Mecanismos das células vegetais Absorção e transporte de água e

Leia mais

NUTRIÇÃO NAS PLANTAS

NUTRIÇÃO NAS PLANTAS Escola Secundária do Padre António Manuel Oliveira de Lagoa Técnicas Laboratoriais de Biologia NUTRIÇÃO NAS PLANTAS Pedro Pinto Nº 20 10ºA 22/05/2003 Índice Introdução... 3 Nutrição das Plantas... 4 Nutrientes

Leia mais

Prof. Francisco Hevilásio F. Pereira Fisiologia Vegetal

Prof. Francisco Hevilásio F. Pereira Fisiologia Vegetal BALANÇO HÍDRICO DAS PLANTAS FISIOLOGIA VEGETAL Relações hídricas Parte II Água no solo Absorção de água pelas raízes Transporte de água para a parte aérea Pressão radicular (gutação) Pombal PB Tensão no

Leia mais

Biologia A Pedro / Marli Av. Mensal 02/10/13 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

Biologia A Pedro / Marli Av. Mensal 02/10/13 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 2º EM Biologia A Pedro / Marli Av. Mensal 02/10/13 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

VERSÃO B. A ausência de resposta, ou resposta totalmente ilegível, terá cotação zero.

VERSÃO B. A ausência de resposta, ou resposta totalmente ilegível, terá cotação zero. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Ficha de Avaliação N.º 6 Biologia e Geologia 10º ano 15 de Junho de 2005 Unidade II: Obtenção de Matéria Unidade III: Distribuição da Matéria Unidade IV: Transformação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PAULO R. C. CASTRO ESALQ/USP CANA-DE-AÇÚCAR: RELAÇÕES HÍDRICAS PROPRIEDADES EDÁFICAS CICLO DA CANA, TEMPERATURA E CHUVA RAÍZES ADVENTÍCIAS Fonte: Rodrigues, J.D. CRESCIMENTO DA

Leia mais

A Água na Planta. Fisiologia Vegetal Unidade II. Prof. José Vieira Silva (UFAL Arapiraca)

A Água na Planta. Fisiologia Vegetal Unidade II. Prof. José Vieira Silva (UFAL Arapiraca) A Água na Planta Fisiologia Vegetal Unidade II Prof. José Vieira Silva (UFAL Arapiraca) Considerações Iniciais + 10 Valores Positivos: pressão exercida sobre uma superfície. Força x área (N, MPa, Bar,

Leia mais

Conceitos básicos da morfologia de angiospemas

Conceitos básicos da morfologia de angiospemas Nomes: Helena Streit, Juliana Schmidt da Silva e Mariana Santos Stucky Introdução Ascensão da água e nutrientes inorgânicos A ascensão da água e dos solutos através do xilema é um processo que requer uma

Leia mais

TRANSPORTE DE ÁGUA E SAIS. entender a absorção da água e dos sais pelas plantas, conceituando as teorias coesão-tensão e teoria radicular.

TRANSPORTE DE ÁGUA E SAIS. entender a absorção da água e dos sais pelas plantas, conceituando as teorias coesão-tensão e teoria radicular. TRANSPORTE DE ÁGUA E SAIS META Apresentar os transportes de água e sais nas plantas. OBJETIVOS entender a absorção da água e dos sais pelas plantas, conceituando as teorias coesão-tensão e teoria radicular.

Leia mais

Figura - Meristemas apicais. FOSKET, D.E. (1994). Plant Growth and Development.

Figura - Meristemas apicais. FOSKET, D.E. (1994). Plant Growth and Development. MERISTEMAS Os meristemas são encontrados nos ápices de todas as raízes e caules e estão envolvidos, principalmente, com o crescimento em comprimento do corpo da planta. Figura - Meristemas apicais. FOSKET,

Leia mais

ANGIOSPERMAS II. 2. (Unesp 2016) Considere o seguinte experimento:

ANGIOSPERMAS II. 2. (Unesp 2016) Considere o seguinte experimento: 1. (Fmp 2016) Há mais de 300 anos, o cientista italiano Marcello Malpighi realizou um experimento no qual ele retirou um anel de casca do tronco de uma árvore. Com o passar do tempo, a casca intumesceu

Leia mais

ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 8.a FISIOLOGIA VEGETAL

ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 8.a FISIOLOGIA VEGETAL BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 8.a FISIOLOGIA VEGETAL ORIENTAÇÕES A lista 11 trata de fisiologia vegetal, assunto bastante importante e recorrente. Resolva as questões com foco e atenção e

Leia mais

Profa. Dra. Wânia Vianna

Profa. Dra. Wânia Vianna Profa. Dra. Wânia Vianna MERISTEMAS Os meristemas são encontrados nos ápices de todas as raízes e caules e estão envolvidos, principalmente, com o crescimento em comprimento do corpo da planta. Figura

Leia mais

Meio intracelular VS Meio extracelular

Meio intracelular VS Meio extracelular Meio intracelular VS Meio extracelular Gradiente de concentração É a diferença a de concentração entre a zona de maior concentração e a zona de menor concentração A FAVOR CONTRA Difusão Simples As moléculas

Leia mais

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO Morfogénese Acontecimentos estruturais e fisiológicos que participam no desenvolvimento de uma planta, desde a célula reprodutora ou vegetativa até ao indivíduo adulto. Diferenciação

Leia mais

pluricelulares eucariontes são autotróficas fotossíntese

pluricelulares eucariontes são autotróficas fotossíntese As plantas são seres pluricelulares e eucariontes. Nesses aspectos elas são semelhantes aos animais e a muitos tipos de fungos; entretanto, têm uma característica que as distingue desses seres - são autotróficas.

Leia mais

FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS

FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS BIOLOGIA FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS Prof. TOSCANO O que você deve saber sobre FISIOLOGIA DAS PLANTAS ANGIOSPERMAS A capacidade de responder a mudanças ambientais e a adaptação a diferentes situações são

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A A N T Ó N I O S É R G I O 10º ANO MÓDULO 3 (três) F i c h a d e p r e p a r a ç ã o p a r

Leia mais

Relações hídricas das plantas T6

Relações hídricas das plantas T6 Fisiologia Vegetal Relações hídricas das plantas T6 Tradeoff entre vulnerabilidade à cavitação e condutividade MARIA CONCEIÇÃO BRITO CALDEIRA (mcaldeira@isa.utl.pt) Centro de Estudos Florestais http://www.isa.utl.pt/cef/forecogen

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO PROVA 10/C/7 Págs. 1.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 86/89, de 9 de Agosto) Curso Geral e Curso Tecnológico de Química Agrupamento 1 Duração da prova: 10 minutos

Leia mais

ROTEIRO DE ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO. Professora: Helika Disciplina: Biologia Série: 2ª Nome: Turma: Nº.:

ROTEIRO DE ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO. Professora: Helika Disciplina: Biologia Série: 2ª Nome: Turma: Nº.: ROTEIRO DE ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO Ensino Médio Professora: Helika Disciplina: Biologia Série: 2ª Nome: Turma: Nº.: I. Apresentação Este documento orientará os seus estudos durante as férias.

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Fisiologia Vegetal 1. Conceito: Ramo da botânica destinado a estudar as funções vitais das plantas. Absorção; Transpiração; Condução; Fotossíntese; Fotoperíodos;

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Fisiologia Vegetal Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Unidade I: Relações hídricas Aula 1 Importância Funções para os vegetais Propriedades físico-químicas e térmicas Movimento de água na

Leia mais

Aula 15 Transpiração nos vegetais

Aula 15 Transpiração nos vegetais Aula 15 Transpiração nos vegetais Transpiração é o processo em que as plantas perdem água sob forma de vapor. A folha é o principal órgão responsável pela transpiração vegetal; mas outros órgãos como flor,

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 17 FISIOLOGIA VEGETAL

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 17 FISIOLOGIA VEGETAL BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 17 FISIOLOGIA VEGETAL Aumento na abertura dos estômatos (µ) 8 6 4 2 0 0 10 20 30 Absorção de potássio (µmol cm -2 x 103) Como pode cair no enem (ENEM) As mudanças climáticas

Leia mais

ATIVIDADES. BB.06: Condução de seiva BIOLOGIA

ATIVIDADES. BB.06: Condução de seiva BIOLOGIA ATIVIDADES 1. (UFAL) Julgue (V ou F) as proposições a seguir, referentes aos movimentos de água nas fanerógamas. ( ) A zona pilífera da raiz é o principal local de entrada de água na planta. ( ) A água

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PAULO R. C. CASTRO ESALQ/USP CANA-DE-AÇÚCAR: RELAÇÕES HÍDRICAS E ESTRESSE STAB - 2016 PROPRIEDADES EDÁFICAS CICLO DA CANA, TEMPERATURA E CHUVA Fonte: Casagrande, A. A., 1991.

Leia mais

AULA 2 Potencial hídrico e transporte pelo xilema

AULA 2 Potencial hídrico e transporte pelo xilema UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE BIOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE BOTÂNICA DISCIPLINA DE FITOFISIOLOGIA A água H 2 O AULA 2 Potencial hídrico e transporte pelo xilema Marcelo Francisco Pompelli

Leia mais

TECIDO: é o conjunto de células morfologicamente idênticas que desempenham a mesma função.

TECIDO: é o conjunto de células morfologicamente idênticas que desempenham a mesma função. TECIDO: é o conjunto de células morfologicamente idênticas que desempenham a mesma função. MECANISMO DE FORMAÇÃO DOS TECIDOS VEGETAIS: Diferenciação Celular: é a transformação de uma célula embrionária

Leia mais

Proteínas de Membrana

Proteínas de Membrana Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas Proteínas de Membrana Prof: Dr. Cleverson Agner Ramos Proteínas de Membrana Visão Geral das Proteínas de

Leia mais

Fevereiro 2007 Nome: Nº: Turma: Biologia Humana 10 º Ano

Fevereiro 2007 Nome: Nº: Turma: Biologia Humana 10 º Ano Fevereiro 2007 Nome: Nº: Turma: Enc.º Ed.: Prof.ª: Ficha de avaliação Biologia Humana 10 º Ano Competências conceptuais Questões 1.1 1.2 1. 1.4 1.5 1.6 2.2 2. 2.4 2.5.2..4 4.2 5. 7.2 8.2 8. 8.4 9.1 9.2

Leia mais

ÁGUA. Prof. Ricardo Kluge

ÁGUA. Prof. Ricardo Kluge ÁGUA Prof. Ricardo Kluge (rakluge@usp.br) www.rakluge.com.br ÁGUA COMO PRINCÍPIO UNITÁRIO DO UNIVERSO Tales de Mileto (~ 625-545 a.c.) Tudo é água. ESTRUTURA DA MOLÉCULA DE ÁGUA A atração eletrostática

Leia mais

Biologia e Geologia. Ficha Formativa. Turma: Nº: Data: / / 1.1 Identifique o modelo de ultraestrutura da membrana citoplasmática representado.

Biologia e Geologia. Ficha Formativa. Turma: Nº: Data: / / 1.1 Identifique o modelo de ultraestrutura da membrana citoplasmática representado. Biologia e Geologia Ficha Formativa Nome: Turma: Nº: Data: / / Assunto: A membrana plasmática, Obtenção de matéria pelos organismos heterotróficos Nome: 1. A figura 1 representa um modelo de ultraestrutura

Leia mais

Morfologia Vegetal de Angiospermas

Morfologia Vegetal de Angiospermas http://static.panoramio.com/photos/large/2860747.jpg Morfologia Vegetal de Angiospermas Professor: Guilherme Ribeiro Gonçalves Histologia Meristema primário Formado por células derivadas diretamente

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL 24/05/2017. Prof. Leonardo F. Stahnke

HISTOLOGIA VEGETAL 24/05/2017. Prof. Leonardo F. Stahnke Prof. Leonardo F. Stahnke HISTOLOGIA VEGETAL HISTOLOGIA VEGETAL Os tecidos são conjuntos de células especializadas em determinada função. Há quatro tipos básicos de tecido vegetal: Tecido de Revestimento:

Leia mais

TRANSPORTE II: Floema. Carregamento e transporte, abordagem fonte-dreno

TRANSPORTE II: Floema. Carregamento e transporte, abordagem fonte-dreno TRANSPORTE II: Floema. Carregamento e transporte, abordagem fonte-dreno Veronica Angyalossy & Marcos Buckeridge Cyperus papirus O floema O floema nos diferentes órgãos Composição tecido complexo - vivo

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Fisiologia Vegetal Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Transporte e translocação de solutos Transporte de solutos O movimento de moléculas ou íons de um local para outro é conhecido como TRANSPORTE

Leia mais

MEMBRANA PLASMÁTICA: TIPOS DE TRANSPORTE

MEMBRANA PLASMÁTICA: TIPOS DE TRANSPORTE MEMBRANA PLASMÁTICA: TIPOS DE TRANSPORTE Transporte passivo O transporte passivo é o transporte de substância entre a membrana plasmática sem gasto de energia (ATP Adenosina trifosfato ou trifosfato de

Leia mais

Universidade dos Açores Prova de Ingresso 2006

Universidade dos Açores Prova de Ingresso 2006 Universidade dos Açores Prova de Ingresso 2006 Nome:... I A vida, na sua multiforme diversidade, tem uma origem comum, se bem que complexa. A vida e o planeta onde ela nasceu formam um todo integrado,

Leia mais

Irrigar a horta com o sol a pino?

Irrigar a horta com o sol a pino? Irrigar a horta com o sol a pino? A UU L AL A Na Aula 16 vimos a importância de regar as plantas. Nesta aula iremos estudar um pouco mais a relação entre água e vegetais. As plantas absorvem a água que

Leia mais

Questões de Revisão. 7º ano BIOLOGIA Ana Clara 3º Bimestre

Questões de Revisão. 7º ano BIOLOGIA Ana Clara 3º Bimestre Questões de Revisão 7º ano BIOLOGIA Ana Clara 3º Bimestre Questão 01) Cladogramas são diagramas que indicam uma história comum entre espécies ou grupos de seres vivos. Os números 3 e 4 no cladograma apresentado

Leia mais

Prof. Dr. Willian Rodrigues Macedo

Prof. Dr. Willian Rodrigues Macedo Translocação Orgânica: Transporte da Sacarose e Incorporação no Colmo Prof. Dr. Willian Rodrigues Macedo Universidade Federal de Viçosa UFV Campus de Rio Paranaíba CRP Sistemas vasculares: Floema VISÃO

Leia mais

1. O SOLO. corpo natural na superfície da terra; meio natural p/ crescimento das plantas; reservatório de água. ORIGEM:

1. O SOLO. corpo natural na superfície da terra; meio natural p/ crescimento das plantas; reservatório de água. ORIGEM: BALANÇO HÍDRICO 1. O SOLO corpo natural na superfície da terra; meio natural p/ crescimento das plantas; reservatório de água. ORIGEM: litosfera rochas s tipos hidrosfera atmosfera biosfera COMPOSIÇÃO

Leia mais

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Mestrado em Ciência do Solo vpauletti@ufpr.br CONTATO NUTRIENTE - RAIZ DEFINIÇÕES

Leia mais

RAIZ, CAULE E FOLHA / TECIDOS PROTETORES E MERISTEMÁTICOS TROCAS GASOSAS / TRANSPIRAÇÃO E RESPIRAÇÃO 2016

RAIZ, CAULE E FOLHA / TECIDOS PROTETORES E MERISTEMÁTICOS TROCAS GASOSAS / TRANSPIRAÇÃO E RESPIRAÇÃO 2016 1. (Unisa - Medicina 2016) A figura 1 mostra uma abelha na flor de uma laranjeira e a figura 2 indica o local em que foi removido um anel completo de um ramo (cintamento ou anel de Malpighi) dessa planta.

Leia mais

Faculdade Anhanguera de Campinas FAC 4

Faculdade Anhanguera de Campinas FAC 4 Faculdade Anhanguera de Campinas FAC 4 Curso de Graduação em Educação Física Profa. Dra. Amabile Vessoni Arias E-mail: Amabile.arias@anhanguera.com 2016-2 Membrana plasmática = plasmalema É uma película

Leia mais

1. A figura 1 representa a transmissão de um impulso nervoso ao longo do axónio de um neurónio.

1. A figura 1 representa a transmissão de um impulso nervoso ao longo do axónio de um neurónio. BIOLOGIA E GEOLOGIA 11º ANO ANO LECTIVO 2009/2010 NOME DO ALUNO PROFESSORA: Isabel Dias N.º Classificação: Mini-teste 2 1. A figura 1 representa a transmissão de um impulso nervoso ao longo do axónio de

Leia mais

Processos de troca entre a célula e o meio externo

Processos de troca entre a célula e o meio externo Processos de troca entre a célula e o meio externo 3 categorias Processos passivos ocorrem sem gasto de energia: difusão, difusão facilitada e osmose Processos ativos ocorrem com gasto de energia: bomba

Leia mais

y Para viver, viver os seres aeróbios necessitam da entrada constante de oxigénio para as células e da eliminação eficaz do dióxido de carbono que se

y Para viver, viver os seres aeróbios necessitam da entrada constante de oxigénio para as células e da eliminação eficaz do dióxido de carbono que se Trocas gasosas nos seres multicelulares y Para viver, viver os seres aeróbios necessitam da entrada constante de oxigénio para as células e da eliminação eficaz do dióxido de carbono que se forma como

Leia mais

ENVOLTÓRIOS CELULARES

ENVOLTÓRIOS CELULARES ENVOLTÓRIOS CELULARES MEMBRANA PLASMÁTICA Funções Composição Química Propriedades Proteção Lipídeos Elasticidade Permeabilidade Seletiva Proteínas Regeneração MODELO SINGER MOSAICO FLUÍDO NICHOLSON glicocálix

Leia mais

CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS. Profa. Ana Paula Biologia III

CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS. Profa. Ana Paula Biologia III CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS 2016 Profa. Ana Paula Biologia III CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS Quais as diferenças entre a célula vegetal e animal?? Basicamente: parede celular; vacúolo; cloroplastos. Parede

Leia mais

OBTENÇÃO DE MATÉRIA PELOS SERES HETEROTRÓFICOS: - Estrutura da membrana celular - Mecanismos de transporte membranar

OBTENÇÃO DE MATÉRIA PELOS SERES HETEROTRÓFICOS: - Estrutura da membrana celular - Mecanismos de transporte membranar OBTENÇÃO DE MATÉRIA PELOS SERES HETEROTRÓFICOS: - Estrutura da membrana celular - Mecanismos de transporte membranar Natércia Charruadas Biologia e Geologia 10º ano SistemaGzar conhecimentos Metabolismo

Leia mais

Trocas Gasosas em Seres Multicelulares

Trocas Gasosas em Seres Multicelulares Trocas Gasosas em Seres Multicelulares -Trocas gasosas nas plantas -Trocas gasosas nos animais Prof. Ana Rita Rainho TROCAS GASOSAS NAS PLANTAS www.biogeolearning.com 1 Trocas gasosas nas plantas Nas plantas,

Leia mais

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Mestrado em Ciência do Solo vpauletti@ufpr.br CONTATO NUTRIENTE - RAIZ Absorção

Leia mais

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES

ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES ABSORÇÃO RADICULAR, TRANSPORTE E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Mestrado em Ciência do Solo vpauletti@ufpr.br CONTATO NUTRIENTE - RAIZ DEFINIÇÕES

Leia mais

FISIOLOGIA VEGETAL ABSORÇÃO DE ÁGUA E SAIS MINERAIS PELA RAIZ

FISIOLOGIA VEGETAL ABSORÇÃO DE ÁGUA E SAIS MINERAIS PELA RAIZ RESUMÃO DE BIOLOGIA FISIOLOGIA VEGETAL ABSORÇÃO DE ÁGUA E SAIS MINERAIS PELA RAIZ As plantas necessitam de quantidades relativamente grandes de determinados elementos químicos, como nitrogênio, potássio,

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE BIOLOGIA Aluno(a): Nº Ano: 1º Turma: Data: 18/03/2011 Nota: Professora: Regina Volpato Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável:

Leia mais

Transporte através da Membrana Plasmática. CSA Colégio Santo Agostinho BIOLOGIA 1º ano Ensino Médio Professor: Wilian Cosme Pereira

Transporte através da Membrana Plasmática. CSA Colégio Santo Agostinho BIOLOGIA 1º ano Ensino Médio Professor: Wilian Cosme Pereira Transporte através da Membrana Plasmática CSA Colégio Santo Agostinho BIOLOGIA 1º ano Ensino Médio Professor: Wilian Cosme Pereira A membrana plasmática é formada por 2 camadas ( Bicamada ) de lipídios

Leia mais

Sistema Vascular. Gregório C eccantini. BIB 140 Forma e Função em plantas vasculares. USP Universidade de São Paulo

Sistema Vascular. Gregório C eccantini. BIB 140 Forma e Função em plantas vasculares. USP Universidade de São Paulo Sistema Vascular BIB 140 Forma e Função em plantas vasculares Gregório C eccantini USP Universidade de São Paulo Transporte no sistema vascular: integração do metabolismo Corpo Vegetal Sistemas Sistema

Leia mais

FISIOLOGIA E TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA CELULAR

FISIOLOGIA E TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA CELULAR FISIOLOGIA E TRANSPORTE ATRAVÉS DA MEMBRANA CELULAR AULA 2 DISCIPLINA: FISIOLOGIA I PROFESSOR RESPONSÁVEL: FLÁVIA SANTOS Membrana Celular ou Membrana Plasmática Função 2 Membrana Celular ou Membrana Plasmática

Leia mais

Estrutura e Desenvolvimento da Raiz e Caule

Estrutura e Desenvolvimento da Raiz e Caule Estrutura e Desenvolvimento da Raiz e Caule RAIZ funções: 1 o ) fixação e absorção; 2 o ) armazenamento e condução. XILEMA H 2 O e sais minerais partes aéreas raiz substâncias orgânicas FLOEMA Raiz Primária

Leia mais

ABSORÇÃO IÔNICA RADICULAR

ABSORÇÃO IÔNICA RADICULAR ABSORÇÃO IÔNICA RADICULAR 1 Aspectos gerais Definições: a) Absorção b) Transporte ou translocação c) Redistribuição 2 Aspectos anatômicos da raiz Tecidos envolvidos: Epiderme (pêlos absorventes) Parênquima

Leia mais

AGRICULTURA GERAL. O ambiente e a planta POMBAL PB

AGRICULTURA GERAL. O ambiente e a planta POMBAL PB AGRICULTURA GERAL O ambiente e a planta POMBAL PB O AMBIENTE E A PLANTA A PLANTA Grande diversidade de tamanhos e formas vegetais Tamanho: 1,0 cm até 100m de altura Formas: herbácea (melancia) até arbóreas

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL BIOLOGIA. Histologia. Córtex Vestibulares - 7. Classificação dos tecidos vegetais:

HISTOLOGIA VEGETAL BIOLOGIA. Histologia. Córtex Vestibulares - 7. Classificação dos tecidos vegetais: Histologia HISOLOGIA VEGEAL É o estudo dos tecidos vegetais. Comparação entre células vegetais jovens e adultas. Classificação dos tecidos vegetais: I. ecidos jovens ou embrionários ou meristemáticos ou

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Histologia e Morfologia Vegetal Histologia Vegetal Ramo da Botânica que se preocupa em estudar os tecidos vegetais quanto as suas características, organização,

Leia mais

Aula 11-B: Transporte no xilema e dinâmica de água na planta

Aula 11-B: Transporte no xilema e dinâmica de água na planta UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PÓLO AVANÇADO DE XERÉM GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA CURSO FISIOLOGIA VEGETAL(XBT355) TURMA 2014/1 Aula 11-B: Transporte no xilema e dinâmica de água na planta Prof.

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO PROVA 10/C/7 Págs. 1.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 86/89, de 9 de Agosto) Curso Geral e Curso Tecnológico de Química Agrupamento 1 Duração da prova: 10 minutos.ª

Leia mais

Tecidos Meristemáticos ou Embrionários

Tecidos Meristemáticos ou Embrionários Tecidos Meristemáticos ou Embrionários São tecidos presentes no embrião, os quais, por diferenciação, dão origem a todos os demais tecidos do vegetal, respondendo também pelo crescimento das partes de

Leia mais

Tecidos Vegetais. Professor: Vitor Leite

Tecidos Vegetais. Professor: Vitor Leite Tecidos Vegetais Professor: Vitor Leite TECIDOS MERISTEMÁTICOS (MERISTEMAS) Localização: ápices de todas as raízes e caules e gemas laterais. Função: Crescimento longitudinal(comprimento). Originam tecidos

Leia mais

Prof. Francisco Hevilásio F. Pereira Cultivos em ambiente protegido

Prof. Francisco Hevilásio F. Pereira Cultivos em ambiente protegido A planta: características morfológicas, anatômicas e fisiológicas POMBAL PB A PLANTA Grande diversidade de tamanhos e formas vegetais Tamanho: 1,0 cm até 100m de altura Formas: herbácea (melancia) até

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia. Membrana Plasmática. Prof. Msc. Macks Wendhell Gonçalves.

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia. Membrana Plasmática. Prof. Msc. Macks Wendhell Gonçalves. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Membrana Plasmática Prof. Msc. Macks Wendhell Gonçalves mackswendhell@gmail.com Membrana Plasmática (MP) A MP mantem constante o meio

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP MEDICINA VETERINÁRIA PROFA. DRA. VIVIAN C. C. HYODO. Aula 1 Água

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP MEDICINA VETERINÁRIA PROFA. DRA. VIVIAN C. C. HYODO. Aula 1 Água UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP MEDICINA VETERINÁRIA PROFA. DRA. VIVIAN C. C. HYODO Aula 1 Água COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE MATÉRIA VIVA Principais átomos C, H, O, N, P, S. Principais Moléculas 70% a 80% Água 10%

Leia mais

GABARITO DA AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE CIÊNCIAS 2º TRIMESTRE

GABARITO DA AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE CIÊNCIAS 2º TRIMESTRE GABARITO DA AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE CIÊNCIAS 2º TRIMESTRE 1. No processo de adaptação ao ambiente terrestre, animais e plantas sofreram modificações morfológicas e funcionais. Considere a classificação

Leia mais

Aula Multimídia. Prof. David Silveira

Aula Multimídia. Prof. David Silveira Aula Multimídia Prof. David Silveira BOTÂNICA HISTOLOGIA VEGETAL 1) GERMINAÇÃO: Partes da semente: - TEGUMENTO (casca) proteção. - ENDOSPERMA (álbume/3n) reserva nutritiva. - EMBRIÃO Cotilédone (folhas

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 10 TRANSPORTES PASSIVOS PELA MEMBRANA

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 10 TRANSPORTES PASSIVOS PELA MEMBRANA BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 10 TRANSPORTES PASSIVOS PELA MEMBRANA Permeabilidade Saturação [S] Como pode cair no enem? (ENEM) A lavoura arrozeira na planície costeira da região sul do Brasil comumente

Leia mais

Professora MSc Monyke Lucena

Professora MSc Monyke Lucena Professora MSc Monyke Lucena Está presente em todas as células. Em algumas células, há envoltórios adicionais externos à membrana são as membranas esqueléticas (paredes celulares) Na célula vegetal: membrana

Leia mais

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto O meio extracelular e intracelular apresenta concentrações diferentes de eletrólitos; Líquido extracelular contém grande quantidade de sódio Na + ; Grande

Leia mais

UNIDADE VI TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA

UNIDADE VI TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA UNIDADE VI TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA 1 introdução 2 vias de translocação 3 padrões de translocação (fonte para o dreno) 4 material translocado pelo floema 5 carregamento do floema 6 - descarregamento

Leia mais

A-PDF Merger DEMO : Purchase from to remove the watermark. Biologia e Geologia FOTOSSÍNTESE

A-PDF Merger DEMO : Purchase from  to remove the watermark. Biologia e Geologia FOTOSSÍNTESE A-PDF Merger DEMO : Purchase from www.a-pdf.com to remove the watermark Biologia e Geologia FOTOSSÍNTESE REACÇÕES AO NÍVEL DA MEMBRANA DOS TILACÓIDES - fase dependente da luz 1.1- A clorofila (a) do centro

Leia mais

Sistema Vascular. Gregório Ceccantini. BIB 140 Forma e Função em plantas vasculares. USP Universidade de São Paulo

Sistema Vascular. Gregório Ceccantini. BIB 140 Forma e Função em plantas vasculares. USP Universidade de São Paulo Sistema Vascular BIB 140 Forma e Função em plantas vasculares Gregório Ceccantini USP Universidade de São Paulo Transporte no sistema vascular: integração do metabolismo Sistema Vascular 1. Corpo Vegetal

Leia mais

FISIOLOGIA VEGETAL FISIOLOGIA VEGETAL 24/05/2017. Prof. Leonardo F. Stahnke

FISIOLOGIA VEGETAL FISIOLOGIA VEGETAL 24/05/2017. Prof. Leonardo F. Stahnke FISIOLOGIA VEGETAL Prof. Leonardo F. Stahnke FISIOLOGIA VEGETAL A fisiologia vegetal é a parte da biologia que estuda o funcionamento do organismo das plantas, que inclui: Nutrição vegetal; Crescimento

Leia mais

Metabolismo Energético das Células. Fotossíntese Quimiossíntese Respiração Celular Fermentação

Metabolismo Energético das Células. Fotossíntese Quimiossíntese Respiração Celular Fermentação Metabolismo Energético das Células Fotossíntese Quimiossíntese Respiração Celular Fermentação 1. Introdução Reações endotérmicas - Característica: Precisam receber energia - Ex.:Fotossíntese e quimiossíntese

Leia mais

Trocas Gasosas em Seres Unicelulares

Trocas Gasosas em Seres Unicelulares Trocas Gasosas em Seres Unicelulares Respiração celular Nos seres unicelulares as trocas ocorrem diretamente com o meio. Trocas Gasosas em Seres Multicelulares Trocas gasosas nas plantas Trocas gasosas

Leia mais

Classificação das Angiospermas. Professor: Vitor Leite

Classificação das Angiospermas. Professor: Vitor Leite Classificação das Angiospermas Professor: Vitor Leite Tecidos Vegetais Professor: Vitor Leite TECIDOS MERISTEMÁTICOS (MERISTEMAS) Localização: ápices de todas as raízes e caules e gemas laterais. Função:

Leia mais

ANO: 10º NÍVEL: BIOLOGIA E GEOLOGIA ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/12. Total: 92

ANO: 10º NÍVEL: BIOLOGIA E GEOLOGIA ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/12. Total: 92 ANO: 10º NÍVEL: BIOLOGIA E GEOLOGIA ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/12 1º PERÍODO Apresentação Teste diagnóstico Avaliar os conhecimentos dos alunos Total: 92 2 2 COMPONENTE DE GEOLOGIA MÓDULO INICIAL TEMA

Leia mais

Fanerógamas e Histofisiologia Vegetal

Fanerógamas e Histofisiologia Vegetal Fanerógamas e Histofisiologia Vegetal 1. Fanerógamas e Histofisiologia Vegetal alternativa incorreta. a) Os tecidos de sustentação promovem a manutenção da forma do organismo; apresentam na sua constituição

Leia mais

Estruturas Pedagógicas. Área disciplinar de Biologia e Geologia Ano letivo 2015/2016

Estruturas Pedagógicas. Área disciplinar de Biologia e Geologia Ano letivo 2015/2016 Estruturas Pedagógicas Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro Área disciplinar de Biologia e Geologia Ano letivo 2015/2016 Ficha de Trabalho de Biologia apoio

Leia mais