Breviário de funções do secretário de justiça

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Breviário de funções do secretário de justiça"

Transcrição

1 Centro de Formação de Funcionários de Justiça ENTRAR Ver instruções de utilização Direção-geral da Administração da Justiça

2 Bem vindo à apresentação Padronização das custas Esta apresentação é composta com alguns botões e ícones de atalho que pretendem guiar cada utilizador num percurso pedagógico ou sugerir a visualização de mais informação. Na barra inferior da apresentação base surgem os botões de ação que o irá guiar entre diapositivos. Em alguns diapositivos surgem botões que sobre o assunto abordado direcionam o utilizador para um maior detalhe da informação. No diapositivo que detalha a informação, encontrará este tipo de botões de ação para permitir o regresso à apresentação base. fechar Voltar No índice cada botão de ação irá direcioná-lo para o capítulo respetivo Clique em avançar para entrar no que mudou no rcp Direção-geral da Administração da Justiça

3 Introdução Subordinada ao tema O que mudou no rcp, a presente unidade tem como objetivo dar a conhecer e sinalizar as principais e fundamentais alterações introduzidas pela Lei n.º 7/2012, de 13 de Fevereiro, no Regulamento das custas processuais. Serão assim abordadas temáticas como as isenções, a taxa de justiça, os encargos, as custas de parte e a conta de custas, dando nota das alterações introduzidas. A padronização das custas é alcançada pelas regras de aplicação no tempo, do art.º 8º da Lei 7/2012, de 13 de Fevereiro. Clique em avançar para consultar o índice de o que mudou

4 1. Isenções 2. Taxa de Justiça 3. Encargos 4. Custas de Parte 5. Conta de custas Pode clicar em cada tópico para ser direcionado para o respetivo tema

5 1. Isenções A matéria da isenção de custas, é tratada no artigo 4º do Regulamento das custas processuais. Nos números 1 e 2, encontramos o elenco das incidências de natureza subjetiva e objetiva. Já os números 3 a 7 do artigo 4º, reportam-se a realidades que, ocorrendo, conduzem a limitações à isenção Isenções objetivas Isenções subjetivas Limitações às isenções

6 1. Isenções As isenções de custas consistem num benefício e têm como efeito, em regra, o não pagamento de custas. As isenções de custas podem ser de natureza subjetiva ou objetiva. São de natureza subjetiva quando condição atribuída ao(s) sujeito(s) processuais; de natureza objetiva quando incidentes sobre o processo em causa, independentemente da qualidade dos sujeitos. As isenções de custas estão condensadas no artigo 4º do rcp.

7 1. Isenções As isenções de custas consistem num benefício e têm como efeito, em regra, o não pagamento de custas. As isenções de custas podem ser de natureza subjetiva ou objetiva. São de natureza subjetiva quando condição atribuída ao(s) sujeito(s) processuais; de natureza objetiva quando incidentes sobre o processo em causa, independentemente da qualidade dos sujeitos. fechar Foram revogadas as isenções de custas previstas em qualquer lei, regulamento ou portaria e conferidas a quaisquer entidades públicas ou privadas, que não estejam previstas no art.º 4º. (art.º 25º do Decreto-lei n.º 34/2008, de 26 de Fevereiro) Exceção: Os serviços e estabelecimentos do Serviço Nacional de Saúdeaté à entrada em funcionamento do Tribunal Arbitral do Centro de Informação, Mediação e Arbitragem de Dívidas Hospitalares.

8 1. Isenções Isenções objetivas Isenções subjetivas Limitação às isenções Clique em cada caixa para ver um exemplo de cada situação ou em avançar para continuar

9 1. Isenções objetivas As isenções de natureza objetiva, encontram-se previstas no número 2 do artigo 4º do rcp. As remições obrigatórias de pensões; Os processos de liquidação e partilha de bens de instituições de previdência social e associações sindicais e de classe; Os processos administrativos urgentes de intimação para proteção de direitos, liberdades e garantias e de précontencioso eleitoral quando se trate de eleições para órgãos de soberania e órgãos do poder regional ou local; Todos os processos que devam correr no Tribunal de Execução de Penas, quando o recluso esteja em situação de insuficiência económica; Processos de confiança judicial de menor, tutela e adoção e outros de natureza análoga que visem a entrega do menor a pessoa idónea, em alternativa à institucionalização do mesmo; Clique em avançar para continuar

10 1. Isenções Isenções objetivas Isenções subjetivas Limitação às isenções Clique em cada caixa para ver um exemplo de cada situação ou em avançar para continuar

11 1. Isenções subjetivas As isenções de natureza subjetiva, encontram-se previstas no número 1 do artigo 4º do rcp, destacando-se: Os magistrados e os vogais do Conselho Superior da Magistratura, do Conselho Superior do Ministério Público ou do Conselho Superior dos Tribunais Administrativos e Fiscais que não sejam magistrados, em quaisquer ações em que sejam parte por via do exercício das suas funções; Os trabalhadores ou familiares, em matéria de direito do trabalho, quando sejam representados pelo Ministério Público ou pelos serviços jurídicos do sindicato, quando sejam gratuitos para o trabalhador, desde que o respetivo rendimento ilíquido à data da proposição da ação ou incidente ou, quando seja aplicável, à data do despedimento, não seja superior a 200 UC; Os agentes das forças e serviços de segurança, em processo penal por ofensa sofrida no exercício das suas funções, ou por causa delas; Clique em avançar para continuar

12 1. Isenções subjetivas Os arguidos detidos, sujeitos a prisão preventiva ou a cumprimento de pena de prisão efetiva, em estabelecimento prisional, quando a secretaria do Tribunal tenha concluído pela sua insuficiência económica nos termos da lei de acesso ao direito e aos tribunais, em quaisquer requerimentos ou oposições, nos habeas corpus e nos recursos interpostos em qualquer instância, desde que a situação de prisão ou detenção se mantenha no momento do devido pagamento; Os partidos políticos, cujos benefícios não estejam suspensos, no contencioso previsto nas leis eleitorais. Clique em avançar para continuar

13 1. Isenções Isenções objetivas Isenções subjetivas Limitação às isenções Clique em cada caixa para ver um exemplo de cada situação ou em avançar para continuar

14 1. Isenções limitação Os números 3 a 7 do artigo 4º do rcp, consagram limitações à isenção, destacando-se as alterações: Em conexão com as al. c) e d) do número 1 do artigo 4.º, do rcp., está o n.º 3 do mesmo preceito, que para além das situações de atuação dolosa, passa agora a prever a perda do direito à isenção nos casos em que o beneficiário atue com culpa grave; A nova regra agora introduzida, conferindo nova redação ao número 7 do artigo 4.º, vem determinar que as isenções previstas no rcp não abrangem os reembolsos à parte vencedora a título de custas de parte. Assim, se a parte isenta decair total ou parcialmente, terá que na medida da sua responsabilidade assumir o pagamento das custas de parte ao vencedor. Clique em avançar para continuar

15 2. Taxa de justiça O conceito de taxa de justiça, encontra-se plasmado no número 1 do artigo 447º, do Código de Processo Civil, esclarecendo que, corresponde ao montante devido pelo impulso processual de cada interveniente Regra geral da taxa de justiça Regra especial da taxa de justiça Omissões de pagamento da taxa de justiça Taxa de justiça em processo penal e contraordenacional

16 2. Taxa de justiça A taxa de justiça corresponde ao montante devido pelo impulso processual do interessado; É fixada em função do valor e complexidade da causa Na falta de disposição especial, os valores constantes da tabela I-A. A taxa de justiça é em regra previamente paga, por duc

17 2. Taxa de justiça A taxa de justiça corresponde ao montante devido pelo impulso processual do interessado; É fixada em função do valor e complexidade da causa Na falta de disposição especial, os valores constantes da tabela I -A. fechar No caso de lapso na inserção do valor a pagamento constantes do DUC, deve ser solicitada a restituição do excesso à secretaria ou proceder -se ao pagamento do montante remanescente, no prazo de vinte e quatro horas, por autoliquidação, de modo autónomo, através da emissão de novo DUC.

18 2. Taxa de justiça O artigo 447º-A, do Código de Processo Civil, esclarece que a taxa de justiça é paga apenas pela parte que demande na qualidade de autor ou réu, exequente ou executado, requerente ou requerido, recorrente ou recorrido Regra geral da taxa de justiça Regra especial da taxa de justiça Omissões no pagamento da taxa de justiça Taxa de justiça em processo penal e contraordenacional Clique em cada caixa para ver um exemplo de cada situação ou em avançar para continuar

19 2. Taxa de justiça regras gerais A regra geral encontra-se formulada no artigo 6º do rcp, e afere-se pela Tabela I-A; Nos casos da tabela I -A e C, a taxa de justiça é paga em duas prestações de igual valor por cada parte ou sujeito processual; Verifica-se a dispensa do pagamento prévio da taxa de justiça, nos casos descritos no número 1 do artigo 15º do rcp. Todavia, independentemente de condenação a final, devem os beneficiários da dispensa ser notificados, com a decisão que decida a causa principal, ainda que suscetível de recurso, para efetuar o seu pagamento no prazo de 10 dias. A primeira prestação da taxa de justiça é de pagamento prévio. A segunda prestação da taxa de justiça deve ser paga no prazo de 10 dias a contar da notificação para a audiência final, devendo o interessado entregar o documento comprovativo do pagamento ou comprovar a realização desse pagamento no mesmo prazo; Nos casos em que não haja lugar a audiência final, não sendo dispensada a segunda prestação, esta é incluída na conta de custas final; É dispensado o pagamento da segunda prestação da taxa nos casos elencados no artigo 14ºA, do rcp; Clique em avançar para continuar

20 2. Taxa de justiça regras gerais A parte que utilize os meios eletrónicos, quando tal não é obrigatório, tem um beneficio de 10% no pagamento da taxa de justiça. Porém: deve proceder à entrega de todas as peças processuais através dos meios eletrónicos disponíveis; perdendo o direito à redução e ficando obrigada a pagar o valor desta no momento em que entregar uma peça processual em papel, sob pena de sujeição à sanção prevista na lei de processo para a omissão de pagamento da taxa de justiça; Nas causas de valor superior a , o remanescente da taxa de justiça é considerado na conta a final, salvo se o juiz dispensar o pagamento. Quando deva ser pago o remanescente e o responsável pelo impulso processual não seja condenado a final, o mesmo deve ser notificado para efetuar o referido pagamento, no prazo de 10 dias a contar da notificação da decisão que ponha termo ao processo. Nos processos cuja taxa seja variável, a taxa de justiça é liquidada no seu valor mínimo, devendo a parte pagar o excedente, se o houver, a final. Clique em avançar para continuar

21 2. Taxa de justiça O artigo 447º-A, do Código de Processo Civil, esclarece que a taxa de justiça é paga apenas pela parte que demande na qualidade de autor ou réu, exequente ou executado, requerente ou requerido, recorrente ou recorrido Regra geral da taxa de justiça Regra especial da taxa de justiça Omissões no pagamento da taxa de justiça Taxa de justiça em processo penal e contraordenacional Clique em cada caixa para ver um exemplo de cada situação ou em avançar para continuar

22 2. Taxa de justiça regras especiais Nos recursos jurisdicionais, a tabela de referência é I-B; A taxa de justiça é agora paga pelo recorrente com as alegações e pelo recorrido que contra-alegue, com a apresentação das contra-alegações. Salvo os casos expressamente referidos na tabela II, a taxa de justiça nos processos especiais fixa-se nos termos da tabela I. Assim, por exemplo, nos processos de expropriação só é devida taxa de justiça com a interposição do recurso da decisão arbitral ou do recurso subordinado, no termos da tabela I -A, que é paga pelo recorrente e recorrido. Já no que respeita à tabela II, há a referir a nova previsão relativa aos processos da competência do Ministério Público, previstos no Decreto-Lei n.º 272/2001, de 13 de Outubro. Clique em avançar para continuar

23 2. Taxa de justiça O artigo 447º-A, do Código de Processo Civil, esclarece que a taxa de justiça é paga apenas pela parte que demande na qualidade de autor ou réu, exequente ou executado, requerente ou requerido, recorrente ou recorrido Regra geral da taxa de justiça Regra especial da taxa de justiça Omissões no pagamento da taxa de justiça Taxa de justiça em processo penal e contraordenacional Clique em cada caixa para ver um exemplo de cada situação ou em avançar para continuar

24 2. Taxa de justiça omissões do pagamento Na omissão do pagamento da primeira prestação da taxa de justiça, a disciplina legal a aplicar encontra-se no Código de Processo Civil. Assim e para a parte ativa, importa o não recebimento da petição inicial, al. f) do artigo 474º; quanto á parte passiva, a secretaria notifica o interessado para em 10 dias realizar o pagamento omitido, com acréscimo de multa de igual montante, mas não inferior a 1 UC nem superior a 5, número 3 do artigo 486º-A. Persistindo a omissão, deve a secretaria concluir o processo números 5 e 6 do artigo 486º-A. Verificando-se a omissão do pagamento da segunda prestação da taxa de justiça, a disciplina legal a aplicar encontra-se no rcp, número 3 do artigo 14º, onde se determina que a secretaria notifica para, no prazo de 10 dias, efetuar o pagamento, acrescido de multa de igual montante, mas não inferior a 1 UC nem superior a 10 UC. Porém, se no dia da audiência final ou da realização de qualquer outra diligência probatória não tiver sido junto ao processo o documento comprovativo do pagamento da segunda prestação da taxa de justiça e da multa a secretaria deve concluir o processo para que o tribunal determine a impossibilidade de realização das diligências de prova que tenham sido ou venham a ser requeridas pela parte em falta. Nos recursos jurisdicionais, os casos de omissão do pagamento da taxa devida, resolvem-se de acordo com as regras do artigo 685º-D, do CPC. Clique em avançar para continuar

25 2. Taxa de justiça O artigo 447º-A, do Código de Processo Civil, esclarece que a taxa de justiça é paga apenas pela parte que demande na qualidade de autor ou réu, exequente ou executado, requerente ou requerido, recorrente ou recorrido Regra geral da taxa de justiça Regra especial da taxa de justiça Omissões no pagamento da taxa de justiça Taxa de justiça em processo penal e contraordenacional Clique em cada caixa para ver um exemplo de cada situação ou em avançar para continuar

26 2. Taxa de justiça processo penal O pagamento prévio de taxa de justiça em processo penal, apenas ocorre na constituição de assistente e no pedido de abertura de instrução, quando requerido pelo assistente; o montante devido é de 1 UC. Nas omissões do pagamento prévio, a secretaria notifica o interessado para proceder à sua apresentação no prazo de 10 dias, com acréscimo de taxa de justiça de igual montante. Continuando a verificar-se a omissão de pagamento, deve a secretaria concluir o processo para que o tribunal determine que o requerimento para constituição de assistente ou abertura de instrução seja considerado sem efeito, número 5 do artigo 8º, do rcp. Nos casos em que não há lugar ao pagamento prévio da taxa de justiça é apenas paga a final, sendo fixada pelo juiz, dentro dos limites fixados pela tabela III. Se o juiz não fixar a taxa de justiça nos termos do número anterior, considera-se a mesma fixada no dobro do seu limite mínimo, número 10 do artigo 8º, do rcp.. Clique em avançar para continuar

27 2. Taxa de justiça processo contraordenacional O pagamento de taxa de justiça pela impugnação da decisão, em processo contraordenacional, apenas ocorre quando a coima não tenha sido paga e obedece á seguinte disciplina: é autoliquidada nos 10 dias subsequentes à notificação ao arguido da data de marcação da audiência de julgamento ou; do despacho que a considere desnecessária; devendo em qualquer dos casos, ser expressamente indicado ao arguido o prazo e os modos de pagamento da taxa; o montante devido é de 1 UC. Nas omissões do pagamento, a secretaria deve concluir o processo para que o tribunal determine o que houver por conveniente. Clique em avançar para continuar

28 3. Encargos O conceito de encargos, é acolhido no número 2 do artigo 447º, do Código de Processo Civil, sendo todas as despesas resultantes da condução do processo, requeridas pelas partes ou ordenadas pelo juiz da causa Encargos em geral Pagamento antecipado de encargos Omissão do pagamento antecipado de encargos

29 3. Encargos A responsabilidade pela garantia dos encargos impende sobre a parte que requereu a diligência, quem ela aproveita, ou quem tem interesse na sua realização. Na indeterminação, os encargos são repartidos igualmente, artigo 447.º-C, do Código de Processo Civil. Os encargos podem ocorrer nas diversas instâncias

30 3. Encargos A responsabilidade pela garantia dos encargos impende sobre a parte que requereu a diligência, quem ela aproveita, ou quem tem interesse na sua realização. Na indeterminação, os encargos são repartidos igualmente, artigo 447º-C, do Código de Processo Civil. fechar Foram revogadas as sub-alíneas ii), iii) e iv), da alínea a), do número 1 do artigo 16º, do rcp, bem como o artigo 15º e Anexo I da portaria 419-A/2009, de 17 de Abril.

31 3. Encargos Encargos em geral Pagamento antecipado de encargos Omissão do pagamento antecipado de encargos Clique em cada caixa para ver um exemplo de cada situação ou em avançar para continuar

32 3. Encargos em geral A tipologia dos encargos, encontra-se elencada no número 1 do artigo 16º do rcp. O conjunto de remunerações previstas no artigo 17º do rcp, encontra a sua quantificação na tabela IV, anexa ao rcp. É o caso da remuneração de peritos, tradutores, intérpretes, consultores técnicos e liquidatários, administradores e entidades encarregadas da venda extrajudicial, testemunhas. Nas perícias médicas, os médicos e respetivos auxiliares são remunerados por cada exame nos termos fixados em diploma próprio, portarias n.º 685/2005, de 18 de Agosto e n.º 175/2011, de 28 de Abril. Clique em avançar para continuar

33 3. Encargos - pagamento antecipado Nos casos de isenção de custas ou de apoio judiciário, nas modalidades de pagamento faseado ou de dispensa do pagamento de taxas, encargos e custas, os encargos são sempre adiantados pelo Instituto de Gestão Financeira e das Infra Estruturas da Justiça, I. P., sem prejuízo de reembolso. Nos demais casos, são pagos pela parte requerente ou interessada, imediatamente ou no prazo de 10 dias a contar da notificação do despacho que ordene a diligência, determine a expedição ou cumprimento de carta rogatória ou marque a data da audiência de julgamento, devendo a secretaria notificar para o efeito, juntando o duc-guia. Nas ações emergentes de acidente de trabalho ou de doença profissional incumbe à pessoa legalmente responsável pelo acidente ou pela doença, ainda que isenta de custas, o pagamento da remuneração aos peritos e da despesa realizada com autópsias ou outras diligências necessárias ao diagnóstico clínico do efeito do sinistro ou da doença. Clique em avançar para continuar

34 3. Encargos - pagamento antecipado Nos casos de isenção de custas ou de apoio judiciário, nas modalidades de pagamento faseado ou de dispensa do pagamento de taxas, encargos e custas, os encargos são sempre adiantados pelo Instituto de Gestão Financeira e das Infra Estruturas da Justiça, I. P., sem prejuízo de reembolso. Nos demais casos, são pagos pela parte requerente ou interessada, imediatamente ou no prazo de 10 dias a contar da notificação do despacho que ordene a diligência, determine a expedição ou cumprimento de carta rogatória ou marque a data da audiência de julgamento, devendo a secretaria notificar para o efeito, juntando o duc-guia. Por outro lado, os titulares de créditos derivados de atuações processuais podem reclamá-los da parte que deva satisfazê-los, independentemente da posterior decisão de custas. Clique em avançar para continuar

35 3. Encargos omissão do pagamento antecipado O não pagamento dos encargos implica a não realização da diligência requerida. A parte que não efetuou o pagamento pontual dos encargos pode, se ainda for oportuno, realizá-lo nos cinco dias posteriores ao termo do prazo previsto no n.º 1 do artigo 20.º, mediante o pagamento de uma sanção de igual valor ao montante em falta, com o limite máximo de 3 UC, devendo a secretaria notificar para o efeito. A parte contrária pode pagar o encargo que a outra não realizou; para o efeito, solicita guias para o depósito imediato nos cinco dias posteriores ao termo do prazo de que o responsável dispunha. Clique em avançar para continuar

36 4. Custas de parte As custas de parte, conforme indicação do número 3 do artigo 447º, do Código de Processo Civil, compreendem o que cada parte haja despendido com o processo e tenha direito a ser compensada em virtude da condenação da parte contrária Custas de parte Nota de custas de parte Reclamação da nota de custas de parte

37 4. Custas de parte As custas de parte integram-se no âmbito da condenação judicial por custas, salvo quando se trate dos casos previstos no n.º 2 do artigo 456.º e no artigo 450.º do Código de Processo Civil e são pagas diretamente pela parte vencida à parte que delas seja credora. As custas de parte são pagas diretamente à parte vencedora pela parte vencida.

38 4. Custas de parte As custas de parte integram-se no âmbito da condenação judicial por custas, salvo quando se trate dos casos previstos no n.º 2 do artigo 456.º e no artigo 450.º do Código de Processo Civil e são pagas diretamente pela parte vencida à parte que delas seja credora. fechar As partes que tenham direito a custas de parte, deverão enviar para o tribunal e para a parte vencida a respetiva nota discriminativa e justificativa, nos termos e prazos previstos no artigo 25.º do rcp.

39 4. Custas de parte Custas de parte Nota de custas de parte Reclamação da nota de custas de parte Clique em cada caixa para ver um exemplo de cada situação ou em avançar para continuar

40 4. Custas de parte As custas de parte, encontram a sua previsão nos artigos 25º e 26º do rcp. São pagas diretamente pela parte vencida à parte que delas seja credora, salvo o disposto no artigo 454.º do Código de Processo Civil, sendo disso notificado o agente de execução, quando aplicável; Quando a parte vencida for o Ministério Público ou gozar do benefício de apoio judiciário na modalidade de dispensa de taxa de justiça e demais encargos com o processo, o reembolso das taxas de justiça pagas pelo vencedor é suportado pelo Instituto de Gestão Financeira e das Infra -Estruturas da Justiça, I. P. Clique em avançar para continuar

41 4. Custas de parte nota justificativa As nota justificativa das custas de parte, deve ser remetida para o tribunal, para a parte vencida e para o agente de execução, quando aplicável, até cinco dias após o trânsito em julgado ou após a notificação de que foi obtida a totalidade do pagamento ou do produto da penhora, consoante os casos, devendo integrar os elementos previstos nas al. a) a e) do número 2 do artigo 25º do rcp, designadamente: As quantias efetivamente pagas pela parte a título de taxa de justiça; As quantias efetivamente pagas pela parte a título de encargos ou despesas previamente suportadas pelo agente de execução; das quantias pagas a título de honorários de agente de execução; As quantias pagas a título de honorários de mandatário, com o limite de 50 % do somatório das taxas de justiça pagas pela parte vencida e pela parte vencedora; Clique em avançar para continuar

42 4. Custas de parte reclamação da nota justificativa A reclamação da nota justificativa das custas de parte, está sujeita ao depósito da totalidade do valor da nota, sendo apresentada no prazo de 10 dias, após notificação à contraparte, devendo ser decidida pelo juiz em igual prazo e notificada às partes Apresentada a reclamação da nota justificativa das custas de parte, a secretarial pronuncia-se no prazo de cinco dias, depois o processo vai com vista ao Ministério Público, após o que o juiz decide Da decisão proferida cabe recurso em um grau se o valor da nota exceder 50 UC. Clique em avançar para continuar

43 5. Conta de custas A conta condensa a responsabilidade de custas de cada sujeito ou conjunto de sujeitos, partes ou intervenientes no processo em causa, abrangendo as custas da ação, dos incidentes, dos procedimentos e dos recursos... e multas, e outras penalidades, que abranja o processo principal e os apensos, artigo 30º do Regulamento das custas processuais Conta de custas Dispensa de elaboração da conta Reclamação da conta

44 5. Conta de custas A conta de custas, é elaborada de harmonia com o julgado em última instância, abrangendo as custas da ação, dos incidentes, dos procedimentos e dos recursos, devendo realizar-se uma só conta por cada responsabilidade pelas custas, multas, e outras penalidades, que abranja o processo principal e os apensos. A conta é em regra realizada na secção de processos.

45 5. Conta de custas A conta de custas, é elaborada de harmonia com o julgado em última instância, abrangendo as custas da ação, dos incidentes, dos procedimentos e dos recursos, devendo realizar-se uma só conta por cada responsabilidade pelas custas, multas, e outras penalidades, que abranja o processo principal e os apensos. fechar Por despacho do diretor-geral da Administração da Justiça, pode ser determinado que as operações de contagem sejam realizadas na secção central. O processamento da conta é sempre realizada no sistema informático Sicj.

46 5. Conta de custas A elaboração da conta de custas é realizada no sistema informático Sicj que, nos termos do rcp, produzirá toda a informação relevante para a identificação do processo e das partes ou sujeitos processuais. Conta de custas Dispensa da elaboração da conta Reclamação da conta Clique em cada caixa para ver um exemplo de cada situação ou em avançar para continuar

47 5. Conta de custas Findo o processo e registados todos os movimentos contabilísticos, é elaborada a conta no sistema informático, obtendo-se o valor a pagar ou a receber pelas partes, encerrando com menção da data e identificação do funcionário que a elaborou. Deve conter, obrigatoriamente: Toda a informação relevante para a identificação do tribunal, do processo e das partes ou sujeitos processuais; Valor da base tributária; Discriminação das taxas devidas e das taxas pagas, Indicação dos montantes a pagar ou, quando seja caso disso, a devolver à parte responsável; Data e assinatura do responsável pela elaboração da conta; Clique em avançar para continuar

48 5. Conta de custas A conta de custas pode conter, designadamente: Discriminação dos reembolsos devidos ao Instituto de Gestão Financeira e das Infra-Estruturas da Justiça, I. P., ou de pagamentos devidos a outras entidades ou serviços; Discriminação das quantias devidas por conta de multas e outras penalidades; Discriminação das quantias referentes ao pagamento de coimas e de custas administrativas devidas pela instrução de processos de contraordenação; As indemnizações e contribuições devidas a instituições de segurança e previdência social relativas a retribuições salariais depositadas em juízo, quando o respetivo pagamento não estiver comprovado por documento junto ao processo; Clique em avançar para continuar

49 5. Conta de custas dispensa de realização É dispensada a realização da conta de custas nos casos referidos nas al. a) a d), do número 1 do artigo 29º do rcp, devendo a secretaria documentar no processo a verificação dos respetivos pressupostos: Não haja quaisquer quantias em dívida; Nos processos de insolvência não exista qualquer verba na massa insolvente para processamento do pagamento das custas; Nos processos de execução cujo agente de execução não seja oficial de justiça e nada exista para levar à conta; O responsável pelas custas beneficie de apoio judiciário na modalidade de dispensa do pagamento de taxa de justiça e demais encargos. Clique em avançar para continuar

50 5. Conta de custas - reclamação A reclamação contra a conta de custas pode ser apresentada, conforme referido nas al. do número 3 do artigo 31º do rcp, por: Pelo responsável pelas custas, no prazo de pagamento voluntário, enquanto não o realizar; Por qualquer interveniente processual, até 10 dias após o recebimento de quaisquer quantias; Pelo Ministério Público, no prazo de 10 dias a contar da notificação. Clique em avançar para continuar

51 5. Conta de custas - reclamação Apresentada a reclamação contra a conta de custas, O funcionário judicial que tiver efetuado a conta pronuncia -se no prazo de cinco dias; Depois o processo vai com vista ao Ministério Público; Após o que, os autos são continuados ao juiz para decisão. Da decisão do incidente de reclamação e da proferida sobre as dúvidas do funcionário judicial que tiver efetuado a conta cabe recurso em um grau, se o montante exceder o valor de 50 UC. Clique em avançar para continuar

52 5. Conta de custas - reclamação Não é admitida segunda reclamação dos interessados sem o depósito das custas em dívida. Da decisão do incidente de reclamação e da proferida sobre as dúvidas do funcionário judicial que tiver efetuado a conta cabe recurso em um grau, se o montante exceder o valor de 50 UC. Consistindo a reclamação da conta um incidente, a sua tributação encontra-se prevista na tabela II, outros incidentes Clique em avançar para continuar

53 Parabéns! Terminou este Módulo Vamos ver uma síntese deste Módulo Clique em avançar para continuar

54 Síntese As alterações ao rcp, foram introduzidas pela Lei 7/2012, de 13 de Fevereiro, entrando em vigor em 29 de Março de 2012 e aplicando-se a todos os processos pendentes. Incidiram sobre: As isenções, preconizando novas isenções e reformulando algumas das já existentes; A tratamento da taxa de justiça, instituindo a regra do pagamento em duas prestações, prevendo as sanções para a omissão da segunda prestação, alterando as regras de dispensa e reformulando a exigência do pagamento ; Os encargos, passando a exigir em regra o pagamento antecipado e consagrando as sanções em casos de omissão; Nas custas de parte, em especial no que aos atos da secretaria respeita; Nas regras de elaboração da conta, harmonizando as regras de elaboração e elencando as situações em que se verifica a dispensa; unificando o regime relativo á reclamação.

55 Coleção: Custas Processuais Autor: Centro de Formação de Funcionários de Justiça Titulo: O que mudou do rcp Coordenação técnico-pedagógica: Manuel Caeiro Colaboração: António Seara e Vítor Lattourrete Coleção pedagógica: Centro de Formação de Funcionários de Justiça 1.ª edição Abril de 2012 Feche aqui a janela para terminar o estudo deste recurso

Regulamento das Cus stas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais

Regulamento das Cus stas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais 1 Conceito de taxa de justiça no C.C.J. A taxa de justiça do processo corresponde ao somatório das taxas de justiça inicial e subsequente de cada

Leia mais

REGULAMENTO DAS CUSTAS PROCESSUAIS. Dec-Lei nº 34/2008, de 26 de Fevereiro Alt. Pelo Dec-Lei nº 181/2008, de 28 Agosto

REGULAMENTO DAS CUSTAS PROCESSUAIS. Dec-Lei nº 34/2008, de 26 de Fevereiro Alt. Pelo Dec-Lei nº 181/2008, de 28 Agosto 1 REGULAMENTO DAS CUSTAS PROCESSUAIS Alcanena, 12 de Março de 2010 Dec-Lei nº 34/2008, de 26 de Fevereiro Alt. Pelo Dec-Lei nº 181/2008, de 28 Agosto Edgar Valles 2 Regulamento das custas processuais Entrada

Leia mais

CUSTAS JUDICIAIS. A CÓDIGO DAS CUSTAS JUDICIAIS: Decreto-Lei n.º 224-A/1996 e posteriores alterações.

CUSTAS JUDICIAIS. A CÓDIGO DAS CUSTAS JUDICIAIS: Decreto-Lei n.º 224-A/1996 e posteriores alterações. CUSTAS JUDICIAIS A CÓDIGO DAS CUSTAS JUDICIAIS: Decreto-Lei n.º 224-A/1996 e posteriores alterações. I Regime Geral - Aplica-se aos processos iniciados entre 1 de Janeiro de 1997 e 19 de Abril de 2009;

Leia mais

Regulamento das Custas Processuais ADENDA

Regulamento das Custas Processuais ADENDA DECRETO-LEI Nº 398/98, DE 17 DE DEZEMBRO Regulamento das Custas Processuais 2013 9ª EDIÇÃO ALTERAÇÕES ADENDA I O Regulamento alterado pelo Decreto-Lei nº 126/2013, de 30 de agosto 1. Página 109, artigo

Leia mais

Regulamento das Custas Processuais Procedimentos a observar na tramitação das secretarias judiciais CFFJ

Regulamento das Custas Processuais Procedimentos a observar na tramitação das secretarias judiciais CFFJ Regulamento das Custas Processuais Procedimentos a observar na tramitação das secretarias judiciais CFFJ - 2012 Direção-Geral da Administração da Justiça Face à uniformização do sistema de custas consagrado

Leia mais

Regulamento das Custas Processuais

Regulamento das Custas Processuais Regulamento das Custas Processuais Regulamento das Custas Processuais, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 34/2008, de 26 de fevereiro, retificado pela Declaração de Retificação n.º 22/2008, de 24 de abril,

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 31 13 de fevereiro de 2012 681 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 7/2012 de 13 de fevereiro Procede à sexta alteração ao Regulamento das Custas Processuais, aprovado pelo

Leia mais

Direção-geral da Administração da Justiça

Direção-geral da Administração da Justiça Centro de Formação de Funcionários de Justiça Direção-geral da Administração da Justiça Introdução Constitui contraordenação todo o facto ilícito e censurável que preencha um tipo legal no qual se comine

Leia mais

- PORTARIA N.º 225/2013, de 10 de julho: alteração à Portaria n.º 331- B/2009, de 30 de março

- PORTARIA N.º 225/2013, de 10 de julho: alteração à Portaria n.º 331- B/2009, de 30 de março DIPLOMAS - LEI N.º 41/2013, de 26 de junho: aprova o CPC - PORTARIA N.º 225/2013, de 10 de julho: alteração à Portaria n.º 331- B/2009, de 30 de março - DECLARAÇÃO DE RETIFICAÇÃO N.º 36/2013, de 12 de

Leia mais

Regulamento das Custas Processuais. Aplicação no Tempo CFFJ Direção-geral da Administração da Justiça

Regulamento das Custas Processuais. Aplicação no Tempo CFFJ Direção-geral da Administração da Justiça Regulamento das Custas Processuais Aplicação no Tempo CFFJ - 2012 Direção-geral da Administração da Justiça Índice Objeto... 3 Alteração ao Regulamento das Custas Processuais... 3 Alteração às tabelas

Leia mais

Portaria n.º 286/2012 de 20 de setembro

Portaria n.º 286/2012 de 20 de setembro Portaria n.º 286/2012 de 20 de setembro A presente portaria vem alterar as Portarias n.os 1416-A/2006, de 19 de dezembro, 1594/2007, de 17 de dezembro, 622/2008, de 18 de julho, 1513/2008, de 23 de dezembro,

Leia mais

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 347/XII/2.ª FUNDO DE GARANTIA SALARIAL

PROJETO DE LEI N.º 347/XII/2.ª FUNDO DE GARANTIA SALARIAL Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 347/XII/2.ª FUNDO DE GARANTIA SALARIAL Exposição de motivos Apesar de ter sido criado há já mais de 10 anos e muito embora esteja previsto no artigo 336.º do Código

Leia mais

Custas no tribunal administrativo e fiscal

Custas no tribunal administrativo e fiscal Regulamento das Custas Processuais Custas no tribunal administrativo e fiscal CFFJ - 2012 Direção-Geral da Administração da Justiça Índice Siglas e Abreviaturas... 4 Nota prévia... 5 Enquadramento... 6

Leia mais

Apresenta: Nótulas à Lei n.º 32/2014 de 30 de maio (PEPEX)

Apresenta: Nótulas à Lei n.º 32/2014 de 30 de maio (PEPEX) Apresenta: Nótulas à Lei n.º 32/2014 de 30 de maio (PEPEX) Natureza e finalidade: Procedimento Extrajudicial O Procedimento extrajudicial pré-executivo é um procedimento de natureza facultativa que se

Leia mais

A LGT no Orçamento do Estado para Audit Tax Advisory Consulting

A LGT no Orçamento do Estado para Audit Tax Advisory Consulting Audit Tax Advisory Consulting Domicílio fiscal O domicílio fiscal integra a caixa postal eletrónica, nos termos do serviço público de caixa postal eletrónica (Decreto-Lei n.º 112/2006, de 9 de Junho, e

Leia mais

PROVIMENTO N.º 2/2013. (Juízo de Execução

PROVIMENTO N.º 2/2013. (Juízo de Execução PROVIMENTO N.º 2/2013 (Juízo de Execução de Ovar) Considerando a entrada em vigor no pretérito dia 1 de setembro do novo Código de Processo Civil, aprovado em anexo à Lei n.º 41/2013, de 26 de junho, que

Leia mais

Código de Processo do Trabalho

Código de Processo do Trabalho DECRETO-LEI Nº 398/98, DE 17 DE DEZEMBRO Código de Processo do Trabalho 2013 9ª Edição Actualização nº 1 1 LEI GERAL TRIBUTÁRIA CÓDIGO DE PROCESSO DO TRABALHO Actualização nº 1 EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização Serviço de Estrangeiros e Fronteiras

Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização Serviço de Estrangeiros e Fronteiras Regulamento de Assistência Jurídica Capítulo I Disposições gerais e preliminares Artigo 1.º 1. O presente Regulamento visa regular o direito à assistência jurídica dos Associados do SCIF. 2. O SCIF garante,

Leia mais

Regulamentação do Pagamento das Custas e Multas Processuais

Regulamentação do Pagamento das Custas e Multas Processuais CÓDIGOS ELECTRÓNICOS DATAJURIS DATAJURIS é uma marca registada no INPI sob o nº 350529 Regulamentação do Pagamento das Custas e Multas Processuais Todos os direitos reservados à DATAJURIS, Direito e Informática,

Leia mais

Contraordenações Rodoviárias Advogados

Contraordenações Rodoviárias Advogados Francisco Marques Vieira Santa Maria da Feira 18 de setembro de 2015 Contraordenações Rodoviárias Advogados Defesa do Arguido Impugnação Judicial Recurso 2 Dinâmica do Processo Fiscalização Auto de notícia

Leia mais

GUIA PRÁTICO REGIME EXCECIONAL DE REGULARIZAÇÃO DE DÍVIDAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO REGIME EXCECIONAL DE REGULARIZAÇÃO DE DÍVIDAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REGIME EXCECIONAL DE REGULARIZAÇÃO DE DÍVIDAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático - Regime Excecional de Regularização de Dívidas (2019 v1.0) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

Inspeções e contraordenações

Inspeções e contraordenações Inspeções e contraordenações A empresa pode ser objeto de inspeções e da aplicação de contraordenações. Depois de ser notificada da aplicação destas, a sua resposta pode variar em função do tipo de infração

Leia mais

Artigo 12.º. b) Operações que envolvam entidades não residentes em território português;

Artigo 12.º. b) Operações que envolvam entidades não residentes em território português; Regime Complementar do Procedimento de Inspeção Tributária Artigo 12.º 1 2 3 - O disposto nos números anteriores compreende, relativamente aos grandes contribuintes, a decisão antecipada, sobre a qualificação

Leia mais

RELATÓRIO PERIÓDICO. 1 - Acções Laborais I II III I II I II III A Acções Laborais

RELATÓRIO PERIÓDICO. 1 - Acções Laborais I II III I II I II III A Acções Laborais RELATÓRIO PERIÓDICO COMARCA DE: NOME DO MAGISTRADO: PERÍODO A QUE RESPEITA: DATA: CÍRCULO DE 1 - Acções Laborais Processos Conciliações Acções Arquivamento Acções Recebidos Pré-Judiciais Propostas Pedido

Leia mais

Novo Código de Processo Civil, 2.ª Edição Col. Legislação, Edição Académica

Novo Código de Processo Civil, 2.ª Edição Col. Legislação, Edição Académica COLEÇÃO LEGISLAÇÃO Atualizações Online orquê as atualizações aos livros da COLEÇÃO LEGISLAÇÃO? No panorama legislativo nacional é frequente a publicação de novos diplomas legais que, regularmente, alteram

Leia mais

Lei n.º 20/2012, de 14 de maio. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea g) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Lei n.º 20/2012, de 14 de maio. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea g) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Lei n.º 20/2012, de 14 de maio A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea g) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1. A presente lei altera a Lei n.º 64-B/2011, de

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. DIRECÇÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA Centro de Formação de Oficiais de Justiça NOTA INTRODUTÓRIA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. DIRECÇÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA Centro de Formação de Oficiais de Justiça NOTA INTRODUTÓRIA NOTA INTRODUTÓRIA A entrada em vigor do Decreto-Lei 324/2003 de 27 de Dezembro, alterou substancialmente o modo de processamento das custas de parte relativamente aos processos instaurados a partir de

Leia mais

IVA ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES. Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA).

IVA ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES. Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA). IVA 14-03-2015 ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES 1 -REGIME TRANSITÓRIO (créditos vencidos até 31/12/2012) Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA). a) Se a data relevante para a dedução,

Leia mais

INTERVENÇÕES EM PROCESSOS JUDICIAIS E OUTROS PROCEDIMENTOS para efeitos de cumprimento do disposto nos números 1, 2 e 5 do artigo 22º

INTERVENÇÕES EM PROCESSOS JUDICIAIS E OUTROS PROCEDIMENTOS para efeitos de cumprimento do disposto nos números 1, 2 e 5 do artigo 22º INTERVENÇÕES EM PROCESSOS JUDICIAIS E OUTROS PROCEDIMENTOS para efeitos de cumprimento do disposto nos números 1, 2 e 5 do artigo 22º do REGULAMENTO NACIONAL DE ESTÁGIO (Regulamento nº 913 A/2015) A segunda

Leia mais

Lei n.º 113/2009, de 17/9 1

Lei n.º 113/2009, de 17/9 1 (Não dispensa a consulta do Diário da República) Lei n.º 113/2009, de 17/9 1 Estabelece medidas de proteção de menores, em cumprimento do artigo 5.º da Convenção do Conselho da Europa contra a Exploração

Leia mais

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. orquê as atualizações aos livros da COL. LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas atualizações, a ORTO EDITORA

Leia mais

Regulamento das Custas Processuais

Regulamento das Custas Processuais Regulamento das Custas Processuais ANOTADO 2013 José António Coelho Carreira Escrivão de Direito REGULAMENTO DAS CUSTAS PROCESSUAIS ACTUALIZAÇÃO Nº 1 autor José António Coelho Carreira editor EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

Portal do Mandatário. Perguntas Frequentes

Portal do Mandatário. Perguntas Frequentes Portal do Mandatário Perguntas Frequentes O que posso fazer através do Portal do Mandatário? Como posso entrar no Portal do Mandatário? Qual a diferença entre Os meus Processos e As minhas Peças Processuais?

Leia mais

TRAMITAÇÃO ELETRÓNICA DOS PROCESSOS JUDICIAIS - CITIUS

TRAMITAÇÃO ELETRÓNICA DOS PROCESSOS JUDICIAIS - CITIUS TRAMITAÇÃO ELETRÓNICA DOS PROCESSOS JUDICIAIS - CITIUS (Portaria n.º 280/2013, de 26 de agosto) A entrada em vigor do novo Código de Processo Civil, aprovado pela Lei n.º 41/2013, de 26 de junho, implica

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS. Alienação de Autorização de Produção. Concurso Público nº: 01/EPDRR-ABM/2015-AP CADERNO DE ENCARGOS

CADERNO DE ENCARGOS. Alienação de Autorização de Produção. Concurso Público nº: 01/EPDRR-ABM/2015-AP CADERNO DE ENCARGOS Alienação de Autorização de Produção Concurso Público nº: 01/EPDRR-ABM/2015-AP Página 1 de 8 Índice de Conteúdo CAPÍTULO I - CLÁUSULAS JURÍDICAS -... 3 ARTIGO 1º - OBJETO -... 3 ARTIGO 2º - PRAZO -...

Leia mais

ALTERAÇÕES PROCESSUAIS

ALTERAÇÕES PROCESSUAIS ALTERAÇÕES PROCESSUAIS ALTERAÇÕES PROCESSUAIS AO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL À LEI Nº 6/2006 DE 27.02 PROCEDIMENTO ESPECIAL DE DESPEJO: ADITAMENTOS À LEI Nº 6/2006 DE 27.02 DL nº 1/2013, 7.01; Portaria nº

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO Prática Processual Civil Programa I CONSULTA JURÍDICA 1.1 Consulta jurídica 1.2 Tentativa de resolução amigável 1.3 Gestão do cliente e seu processo II PATROCÍNIO

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo ATUALIZADO EM 20/07/2012 JUSTIÇA ESTADUAL. Lei nº /2003

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo ATUALIZADO EM 20/07/2012 JUSTIÇA ESTADUAL. Lei nº /2003 ATUALIZADO EM 20/07/2012 JUSTIÇA ESTADUAL Lei nº. 11.608/2003 Despesas com porte de remessa e retorno de autos Porte de Remessa e Retorno de Autos Porte de Retorno Agravo de Instrumento R$ 25,00 por volume

Leia mais

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos)

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 244.o da Lei Constitucional n.o

Leia mais

Portaria n.º 280/2013 de 26/08

Portaria n.º 280/2013 de 26/08 Câmara dos Solicitadores Colégio de Especialidade de Agentes de Execução Portaria n.º 280/2013 de 26/08 Versão 1 Setembro de 2013 - 2 - Portaria n.º 280/2013 de 26 de agosto A entrada em vigor do novo

Leia mais

Direção-geral da Administração da Justiça. Centro de Formação de Funcionários de Justiça

Direção-geral da Administração da Justiça. Centro de Formação de Funcionários de Justiça Centro de Formação de Funcionários de Justiça Especial Revitalização Finalidade: Destina-se a devedores em comprovada situação económica difícil ou em situação de insolvência meramente iminente. O PER

Leia mais

Alterações ao Código da Estrada

Alterações ao Código da Estrada Alterações ao Código da Estrada Decreto-Lei nº 116/2015, de 28 de Agosto, publicada no Diário da República nº 168, Iª Série A Décima quarta alteração ao Código da Estrada aprovado pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Regulamentação da Tramitação Electrónica dos Processos Judiciais

Regulamentação da Tramitação Electrónica dos Processos Judiciais CÓDIGOS ELECTRÓNICOS DATAJURIS DATAJURIS é uma marca registada no INPI sob o nº 350529 Regulamentação da Tramitação Electrónica dos Processos Judiciais (2013) Todos os direitos reservados à DATAJURIS,

Leia mais

Regime Contraordenacional

Regime Contraordenacional Ficha Técnica Título Autor de Segurança Social Regime Contraordenacional Conceção gráfica Edição Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação http://www.seg-social.pt/dgss-direccao-geral-da-seguranca-social

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES (Aprovado na 24ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 16 de Dezembro de 2003, na 2ª Reunião da 5ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal,

Leia mais

Olá, pessoal! Chegamos ao nosso décimo primeiro módulo. No módulo 10, tratamos dos recursos. Agora veremos algumas questões sobre a fase executiva.

Olá, pessoal! Chegamos ao nosso décimo primeiro módulo. No módulo 10, tratamos dos recursos. Agora veremos algumas questões sobre a fase executiva. CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROCESSO CIVIL PONTO A PONTO PARA TRIBUNAIS MÓDULO 11 EXECUÇÃO Professora: Janaína Noleto Curso Agora Eu Passo () Olá, pessoal! Chegamos ao nosso décimo primeiro módulo.

Leia mais

O Solicitador Mandatário - Ação Executiva -

O Solicitador Mandatário - Ação Executiva - O Solicitador Mandatário - Ação Executiva - Transmissão Processual Eletrónica Práticas Forenses e Aconselhamento Jurídico MÓDULO I 1 INTRODUÇÃO 2 - CITIUS ENTREGA DE PEÇAS PROCESSUAIS (Ação declarativa)

Leia mais

Disciplina o pagamento de tributos e contribuições federais nas condições estabelecidas nos arts. 13 e 14 da Lei nº , de 2002.

Disciplina o pagamento de tributos e contribuições federais nas condições estabelecidas nos arts. 13 e 14 da Lei nº , de 2002. Portaria Conjunta SRF/PGFN nº 07, de 8 de janeiro de 2003 DOU de 10.1.2003 Disciplina o pagamento de tributos e contribuições federais nas condições estabelecidas nos arts. 13 e 14 da Lei nº 10.637, de

Leia mais

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas (CTOC) Formação à Distância

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas (CTOC) Formação à Distância Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas (CTOC) Formação à Distância CURSO DIS1209 1 - OBJECTIVOS: Curso: INFRACÇÕES TRIBUTÁRIAS O curso de Infracções Tributárias tem como objectivo dar conhecer aos TOC

Leia mais

ORIENTAÇÃO NORMATIVA nº 02/2004 de 20/02/2004

ORIENTAÇÃO NORMATIVA nº 02/2004 de 20/02/2004 ORIENTAÇÃO NORMATIVA nº 02/2004 de 20/02/2004 Nº PAUTA: 210.1 ASSUNTO: PROCEDIMENTO DISCIPLINAR ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: Código do Trabalho REVOGAÇÕES: Orientação Normativa nº.21/2000, de 20/11/2000

Leia mais

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL LEI 41/2013, DE 26/6

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL LEI 41/2013, DE 26/6 CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL LEI 41/2013, DE 26/6 * Lei n.º 62/2013, de 26 de Agosto (Lei da Organização do Sistema Judiciário) * Declaração de Retificação nº 36/2013, de 12 de Agosto * Portaria nº 280/2013,

Leia mais

Procuradoria da Dívida Ativa - PG-05

Procuradoria da Dívida Ativa - PG-05 Procuradoria da Dívida Ativa - PG-05 Ano UFIR-RJ* 2006 67.495.595,72 2007 50.486.636,57 2008 65.476.580,85 2009 231.174.347,46 2010 421.467.819,04 2011 144.707.862,62 2012 357.340.649,83 2013 367.528.368,78

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2014

OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2014 OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2014 Às Escolas Básicas e Secundárias. Agrupamentos de Escolas Escolas Profissionais Públicas. X X X DATA: 2014/ Janeiro / 28 ASSUNTO: Processamento de Remunerações em 2014

Leia mais

PPR ÚNICO - 12ª Série

PPR ÚNICO - 12ª Série 1 TIPO DE CLIENTE Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. SEGMENTO-ALVO Destina-se essencialmente a Clientes, com perfil conservador, que privilegiam a garantia de rendimento e capital investido

Leia mais

PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Teórica

PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Teórica ORDEM DOS ADVOGADOS CNA Comissão Nacional de Avaliação PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Teórica Prática Processual Penal e Direito Constitucional e Direitos Humanos (8 Valores) 22 de Julho de 2011 Responda a todas

Leia mais

DESPACHO. Em anexo é republicado o Regulamento nº 10/2012 com a nova redação, agora como Regulamento nº 10/2013. O PRESIDENTE DA ESTeSL

DESPACHO. Em anexo é republicado o Regulamento nº 10/2012 com a nova redação, agora como Regulamento nº 10/2013. O PRESIDENTE DA ESTeSL DESPACHO N.º 12/2013 Data: 2013/03/08 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e não Docente ASSUNTO: Alteração ao Regulamento nº 10/2012. A recente revisão do Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente

Leia mais

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015 Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015 OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) E IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS

Leia mais

Regime Contraordenacional

Regime Contraordenacional Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação

Leia mais

IVA - Regras de localização nas prestações de serviços Artigo 6º, nºs 6 a 13

IVA - Regras de localização nas prestações de serviços Artigo 6º, nºs 6 a 13 IVA - Regras de localização nas prestações de serviços Artigo 6º, nºs 6 a 13 1 NAS PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS Regras gerais de localização das prestações de serviços a) Efetuadas a sujeitos passivos o lugar

Leia mais

AJUSTE DIRECTO. Aquisição de Escultura em Pedra Mármore de Estremoz CADERNO DE ENCARGOS

AJUSTE DIRECTO. Aquisição de Escultura em Pedra Mármore de Estremoz CADERNO DE ENCARGOS AJUSTE DIRECTO Aquisição de Escultura em Pedra Mármore de Estremoz CADERNO DE ENCARGOS Índice Capítulo I - Disposições Gerais... Cláusula 1.ª Objeto... Cláusula 2.ª Local, prazo e modo da prestação...

Leia mais

REGULAMENTO. Gabinete de Consulta Jurídica e de Apoio Jurídico do Municipio de Arruda dos Vinhos

REGULAMENTO. Gabinete de Consulta Jurídica e de Apoio Jurídico do Municipio de Arruda dos Vinhos REGULAMENTO Gabinete de Consulta Jurídica e de Apoio Jurídico do Municipio de Arruda dos Vinhos Aprovação Câmara Municipal: 02-05-2016 Assembleia Municipal: 27-06-2016 REGULAMENTO DO GABINETE DE CONSULTA

Leia mais

Artigo 1.º. Objeto do Regulamento

Artigo 1.º. Objeto do Regulamento Artigo 1.º Objeto do Regulamento O presente regulamento define o estatuto do Provedor do Cliente da ACP Mobilidade Sociedade de Seguros de Assistência, SA. ( Sociedade ) e as regras de funcionamento daquele

Leia mais

Recuperação de IVA em créditos considerados de cobrança duvidosa (CCD) e em créditos incobráveis

Recuperação de IVA em créditos considerados de cobrança duvidosa (CCD) e em créditos incobráveis Circular nº 34/2015 15 de Setembro de 2015 Assunto: Recuperação de IVA em créditos considerados de cobrança duvidosa (CCD) e em créditos incobráveis Caros Associados, Os sujeitos passivos de IVA (singulares

Leia mais

DECRETO N.º 24/XIII. Regime aplicável ao património da Casa do Douro

DECRETO N.º 24/XIII. Regime aplicável ao património da Casa do Douro DECRETO N.º 24/XIII Regime aplicável ao património da Casa do Douro A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Secção I Disposições gerais Artigo

Leia mais

ARBITRAGEM DE CONSUMO

ARBITRAGEM DE CONSUMO Decisão arbitral Requerente: A Requerida: B I. Ao abrigo do art. 15.º, n.º 1, da Lei 23/96, de 26 de julho, com a redação que lhe foi dada pela Lei n.º 6/2011, de 10 de março, a arbitragem teve início

Leia mais

REGULAMENTO DE CUSTAS NOS PROCESSOS DE ARBITRAGEM TRIBUTÁRIA

REGULAMENTO DE CUSTAS NOS PROCESSOS DE ARBITRAGEM TRIBUTÁRIA REGULAMENTO DE CUSTAS NOS PROCESSOS DE ARBITRAGEM TRIBUTÁRIA Artigo 1.º Âmbito e objecto O presente Regulamento e as Tabelas anexas que o integram, estabelece as taxas de arbitragem aplicáveis nos processos

Leia mais

CUSTAS * * * * * * * * * * Âmbito de aplicação

CUSTAS * * * * * * * * * * Âmbito de aplicação Correspondendo ao honroso convite que me endereçou o Movimento Justiça & Democracia para tecer algumas considerações sobre a aplicação do Regulamento das Custas Processuais, e da Portaria nº 419-A/2009,

Leia mais

JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 27 de setembro de 2013

JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 27 de setembro de 2013 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 27 de setembro de 2013 Série Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Despacho n.º 143/2013 Dá nova redação ao Despacho

Leia mais

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. orquê as atualizações aos livros da COL. LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas atualizações, a ORTO EDITORA

Leia mais

DECRETO N.º 458/XII. Décima quarta alteração ao Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de maio

DECRETO N.º 458/XII. Décima quarta alteração ao Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de maio DECRETO N.º 458/XII Décima quarta alteração ao Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de maio A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição,

Leia mais

Código de Processo Civil

Código de Processo Civil Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código de Processo Civil 2011 22ª Edição Actualização nº 2 1 [1] Código do Trabalho CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Actualização nº 2 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA

Leia mais

(Sumário elaborado pela Relatora) Acordam os Juízes no Tribunal da Relação de Lisboa:

(Sumário elaborado pela Relatora) Acordam os Juízes no Tribunal da Relação de Lisboa: Acórdãos TRL Processo: 258/14.8TBPDL.L1 6 Relator: ANABELA CALAFATE Descritores: ADMINISTRADOR DE INSOLVÊNCIA REMUNERAÇÃO Nº do Documento: RL Data do Acordão: 02 07 2015 Votação: UNANIMIDADE Texto Integral:

Leia mais

PPR FUTURO. Informações Pré-Contratuais. Plano Poupança Reforma BPN

PPR FUTURO. Informações Pré-Contratuais. Plano Poupança Reforma BPN TIPO DE CLIENTE Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. SEGMENTO-ALVO Destina-se a fomentar a poupança para constituição de um complemento de reforma. Direccionado para Clientes com idade inferior

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESQUEMATIZADO: ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESQUEMATIZADO: ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESQUEMATIZADO: ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA DE ACORDO COM O EDITAL N 1, DE 24 DE NOVEMBRO DE 201, DO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO, TRE-SP CONHECIMENTOS BÁSICOS

Leia mais

Parecer da Câmara dos Solicitadores sobre o Projeto de Portaria que. regulamenta o Regime Jurídico do Processo de Inventário

Parecer da Câmara dos Solicitadores sobre o Projeto de Portaria que. regulamenta o Regime Jurídico do Processo de Inventário Parecer da Câmara dos Solicitadores sobre o Projeto de Portaria que regulamenta o Regime Jurídico do Processo de Inventário O Ministério da Justiça remeteu à Câmara dos Solicitadores, para parecer, um

Leia mais

ADENDA REGULAMENTO DAS CUSTAS PROCESSUAIS. SALVADOR DA COSTA Juiz Conselheiro

ADENDA REGULAMENTO DAS CUSTAS PROCESSUAIS. SALVADOR DA COSTA Juiz Conselheiro ADENDA REGULAMENTO DAS CUSTAS PROCESSUAIS SALVADOR DA COSTA Juiz Conselheiro I INTRODUÇÃO Esta adenda é motivada pela circunstância de, depois da publicação da terceira edição do Regulamento das Custas

Leia mais

Problemática da aplicabilidade das novas regras de custas aos processos tutelares de menores e de sua constitucionalidade em geral

Problemática da aplicabilidade das novas regras de custas aos processos tutelares de menores e de sua constitucionalidade em geral compilações doutrinais ESTUDO JURÍDICO Problemática da aplicabilidade das novas regras de custas aos processos tutelares de menores e de sua constitucionalidade em geral André Mouzinho ADVOGADO VERBOJURIDICO

Leia mais

Subsídio de Doença Direção-Geral da Segurança Social março 2015

Subsídio de Doença Direção-Geral da Segurança Social março 2015 Direção-Geral da Segurança Social março 2015 O é uma prestação em dinheiro atribuída ao beneficiário para compensar a perda de remuneração, resultante do impedimento temporário para o trabalho, por motivo

Leia mais

MANUAL DE APOIO NO DESEMPREGO PROTEÇÃO SOCIAL

MANUAL DE APOIO NO DESEMPREGO PROTEÇÃO SOCIAL A informação contida neste manual de apoio não é exaustiva e, como tal, não dispensa a consulta da legislação aplicável: Decreto-Lei n.º 64/2012, de 15 de março. Altera o Decreto-Lei 220/2006, de 03 de

Leia mais

O Conselho Geral delibera, nos termos do parecer jurídico que se anexa à presente deliberação e para o qual se remete: Tendo em conta a imposição

O Conselho Geral delibera, nos termos do parecer jurídico que se anexa à presente deliberação e para o qual se remete: Tendo em conta a imposição Deliberação pública Deliberação 20140510.11.5 Definição do procedimento adotado pela Câmara dos Solicitadores quando lhe é diretamente solicitado uma desassociação de agente de execução Tendo em consideração

Leia mais

Acesso ao Direito e Tribunais

Acesso ao Direito e Tribunais Acesso ao Direito e Tribunais Módulo 2 Luís Filipe Santos Conselho Distrital de Lisboa Ordem dos Advogados Acesso ao Direito e Tribunais Sistema de Acesso ao Direito e Tribunais Noções Básicas Nomeação

Leia mais

22 de julho de 2016 Número 128

22 de julho de 2016 Número 128 22 de julho de 2016 3 SECRETARIA REGIONAL DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Despacho n.º 301/2016 Em execução do disposto no Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) assim

Leia mais

DECRETO N.º 378/X. Artigo 1.º Objecto

DECRETO N.º 378/X. Artigo 1.º Objecto DECRETO N.º 378/X Estabelece medidas de protecção de menores, em cumprimento do artigo 5.º da Convenção do Conselho da Europa contra a exploração sexual e o abuso sexual de crianças e procede à segunda

Leia mais

PARTE C MINISTÉRIO DAS FINANÇAS (2) Diário da República, 2.ª série N.º 50 9 de março de Gabinete do Ministro

PARTE C MINISTÉRIO DAS FINANÇAS (2) Diário da República, 2.ª série N.º 50 9 de março de Gabinete do Ministro 9052-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 50 9 de março de 2012 PARTE C MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Gabinete do Ministro Despacho n.º 3568-A/2012 Em execução do disposto no Decreto -Lei n.º 42/91, de 22

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação 1.2. Endereço 1.3. Contactos BEST Banco Electrónico de Serviço Total, S.A. Praça Marquês de Pombal, 3 3º, 1250-161

Leia mais

Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código da Estrada ª Edição. Atualização nº 1

Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código da Estrada ª Edição. Atualização nº 1 Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código da Estrada 2015 8ª Edição Atualização nº 1 1 [1] Código do Trabalho CÓDIGO DA ESTRADA Atualização nº 1 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR EDIÇÕES

Leia mais

CONSELHO DISTRITAL de COIMBRA. 10 de Julho de 2014

CONSELHO DISTRITAL de COIMBRA. 10 de Julho de 2014 CONSELHO DISTRITAL de COIMBRA 10 de Julho de 2014 Procedimento Extrajudicial Pré- Executivo Aprovado pela Lei n.º 32 de 2014, de 30 de Maio Entrada em vigor- 1 de Setembro de 2014 Objeto (arts. 2.º): Consiste

Leia mais

N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE D E C R E T A: Seção I Das Disposições Gerais

N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE D E C R E T A: Seção I Das Disposições Gerais D E C R E T O N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE 2013 DISCIPLINA O PARCELAMENTO DOS CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS E NÃO TRIBUTÁRIOS, INSCRITOS OU NÃO EM DÍVIDA ATIVA, DO MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS, DE SUAS AUTARQUIAS

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Pagamento Voluntário de Contribuições

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Pagamento Voluntário de Contribuições Pagamento Voluntário de Contribuições Ficha Técnica Título Autor Conceção gráfica de Segurança Social Pagamento Voluntário de Contribuições Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação Edição http://www.seg-social.pt/dgss-direccao-geral-da-seguranca-social

Leia mais

REAL PPR Informações Pré-Contratuais

REAL PPR Informações Pré-Contratuais TIPO DE CLIENTE Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. SEGMENTO-ALVO Destina-se a fomentar a poupança para constituição de um complemento de reforma, direccionado para Clientes com idade inferior

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores FELIPE FERREIRA (Presidente sem voto), RENATO SARTORELLI E VIANNA COTRIM.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores FELIPE FERREIRA (Presidente sem voto), RENATO SARTORELLI E VIANNA COTRIM. 1 Registro: 2016.0000888926 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 2223275-04.2016.8.26.0000, da Comarca de Santa Bárbara D Oeste, em que é agravante ELZA DOMINGOS

Leia mais

Janeiro-Dezembro/2014

Janeiro-Dezembro/2014 IRRF - Décimo terceiro salário 2014 - Roteiro Aqui serão analisados os aspectos gerais relacionados à retenção do Imposto de Renda incidente no pagamento do décimo terceiro salário. Introdução Os rendimentos

Leia mais

Portaria n. o 121/

Portaria n. o 121/ Portaria n. o 121/2011 30-03-2011 Assunto: Regulamenta e estabelece as condições de aplicação da contribuição sobre o sector bancário A Lei n.º 55-A/2010, de 31 de Dezembro, estabeleceu no seu artigo 141.º

Leia mais

Título de injunção europeu

Título de injunção europeu PATRÍCIA PINTO ALVES Título de injunção europeu VERBO jurídico VERBO jurídico Título de injunção europeu: 2 Título de injunção europeu PATRÍCIA PINTO ALVES Mestre em Direito pela Escola de Direito da Universidade

Leia mais

Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social

Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Artigo 86. o Publicidade do processo e segredo de justiça 1. O processo penal é, sob pena de nulidade, público a partir

Leia mais

Regulamento de Arbitragem. Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Algarve

Regulamento de Arbitragem. Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Algarve Regulamento de Arbitragem Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Algarve Capítulo 1 Objeto, natureza e âmbito geográfico Artigo 1.º Objeto O Centro de Informação, Mediação e Arbitragem de Conflitos

Leia mais

Administrador Judicial na Falência e na Recuperação de Empresas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Administrador Judicial na Falência e na Recuperação de Empresas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Administrador Judicial na Falência e na Recuperação de Empresas Administrador Judicial O administrador judicial será profissional idôneo, preferencialmente advogado, economista, administrador de empresas

Leia mais

Coimbra - Juízos Cíveis de Coimbra ,00 (Sete Mil Trezentos e Oitenta e Um Euros) Un. Orgânica: 2º Juízo Cível

Coimbra - Juízos Cíveis de Coimbra ,00 (Sete Mil Trezentos e Oitenta e Um Euros) Un. Orgânica: 2º Juízo Cível REFª: 4149729 REQUERIMENTO EXECUTIVO TRIBUNAL COMPETENTE, TÍTULO EXECUTIVO E FACTOS Finalidade: Tribunal Competente: Forma: Especie: Valor da Execução: Nº Processo: Objecto da Execução: Título Executivo:

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Prazos Capítulo 2 Incompetência: principais mudanças

Sumário Capítulo 1 Prazos Capítulo 2 Incompetência: principais mudanças Sumário Capítulo 1 Prazos 1.1. Forma de contagem: somente em dias úteis 1.2. Prática do ato processual antes da publicação 1.3. Uniformização dos prazos para recursos 1.4. Prazos para os pronunciamentos

Leia mais