Custas no tribunal administrativo e fiscal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Custas no tribunal administrativo e fiscal"

Transcrição

1 Regulamento das Custas Processuais Custas no tribunal administrativo e fiscal CFFJ Direção-Geral da Administração da Justiça

2 Índice Siglas e Abreviaturas... 4 Nota prévia... 5 Enquadramento... 6 Custas processuais, o que são?... 7 Taxa de Justiça... 7 A regra geral da taxa de justiça... 9 A taxa de justiça pela especial complexidade A taxa sancionatória excecional Taxa no recurso de contraordenação Dispensa do pagamento de taxa de justiça Artigo 15.º do RCP Os encargos A responsabilidade pelo adiantamento dos encargos A omissão de pagamento da garantia dos encargos As custas de parte Isenções O artigo 4.º do RCP Limitações à isenção A fixação da base tributária Processo Administrativo Ação Administrativa Comum Ação Administrativa Especial Contencioso eleitoral Contencioso pré-contratual Processos Cautelares Intimação para prestação de informações, consulta de processos ou passagem de certidão32 Intimação para proteção de direitos, liberdades e garantias Produção antecipada de prova Processo Tributário

3 Impugnação Processos de ação cautelar Ação para reconhecimento de um direito ou interesse legítimo em matéria tributária Meios processuais acessórios Intimação para um comportamento Oposição à execução Embargos de terceiro Reclamações das decisões do órgão de execução fiscal Recurso de contraordenação

4 Siglas e Abreviaturas CRP CCJ CPC CPTA CPPT ETAF LGT RCP RGIT Duc Sicj Sitaf UC Constituição da República Portuguesa Código das Custas Judiciais Código de Processo Civil Código de Processo nos Tribunais Administrativos Código de Procedimento e Processo Tributário Estatuto dos Tribunais Administrativos e Fiscais Lei Geral Tributária Regulamento de Custas Processuais Regime Geral das Infrações Tributárias Documento único de cobrança Sistema informático de custas judiciais Sistema informático nos tribunais administrativos e fiscais Unidade de conta 4

5 Nota prévia O presente trabalho pretende constituir um meio auxiliar de apoio aos oficiais de justiça dos tribunais administrativos e fiscais na área das custas processuais. No essencial versa sobre o regime introduzido pela lei 7/2012, de 13 de fevereiro, e é uma primeira abordagem desta temática atendendo às especificidades da jurisdição administrativa e fiscal. Certamente deficitário, espera-se que a breve trecho seja enriquecido com mais exemplos e referências a jurisprudência. A estrutura adotada compreende duas partes. A primeira trata aspetos gerais das custas e a segunda centra-se nas espécies processuais. As chamadas em numeração romana remetem para as notas de fim e as de numeração arábica para as notas de pé de página. Não é demais lembrar que as orientações aqui expressas cedem sempre perante orientações diversas dos senhores magistrados. Lisboa e cffj, outubro de

6 Enquadramento O art.º 189.º do CPTA consagra no seu n.º 1, a sujeição a custas do Estado e demais entidades públicas 1. O n.º 2 do citado normativo, determina que o regime de custas a observar na jurisdição administrativa e fiscal é objeto de regulação própria no Código das Custas Judiciais 2. Impõe-se a interpretação atualista desta remissão, atendendo ao teor do art.º 2.º do RCP: O presente Regulamento aplica-se aos processos que correm termos nos tribunais judiciais, nos tribunais administrativos e fiscais Por outro lado, os princípios gerais e as normas centrais relativas ao conceito de custas e à responsabilidade pelo seu pagamento encontram-se no CPC, art.º 446.º a art.º 455.º, as quais serão aplicáveis, a título subsidiário, aos processos administrativos, art.º 1.º do CPTA, e fiscais, al. d) do art.º 2.º da LGT, e al. e) do art.º 2.º do CPPT. 1 Regra inovatória, face aos anteriores regimes de custas. Consagrada no CPTA no seu art.º 189.º, sendo acolhida no regime de custas introduzido pelo DL n.º 324/2003, de 27 de Dezembro. 2 A referência é originalmente reportada ao CCJ, na redação introduzida pelo 324/2003, de 27 de Dezembro. 6

7 Custas processuais, o que são? As custas processuais caracterizam-se por compreenderem as taxas, os encargos e as custas de parte, conforme n.º 1 do art.º 447.º do CPC, e n.º 1 do art.º 3.º do RCP. São, em síntese, o conjunto da despesa exigível por lei, resultante da mobilização da máquina judiciária para resolução de determinado conflito, e inerente à condução do respetivo processo. Taxa de Justiça De entre o conjunto de tributos legalmente consagrado 3, a taxa é uma espécie tributária cujos pressupostos nos são dados pelo n.º 2 do art.º 4.º da LGT: As taxas assentam na prestação concreta de um serviço público, na utilização de um bem do domínio público ou na remoção de um obstáculo jurídico ao comportamento dos particulares. Caracterizam-se pelo seu caráter bilateral. As taxas integram assim, de entre o conjunto de tributos, aqueles em que é exigida uma contraprestação, qual seja no caso da taxa de justiça, a prestação concreta do serviço público de justiça a cargo dos tribunais, no exercício da função jurisdicional, art.º 202.º da CRP. Pode ler-se no acórdão n.º 467/91, do Tribunal Constitucional: Na verdade, as taxas de justiça são a «contrapartida» da prestação de um serviço público vinculado à garantia fundamental do acesso aos tribunais 4 3 Cfr. n.º 2 do art.º 3º, da Lei Geral Tributária. 4 Disponível para consulta em 7

8 A taxa de justiça, de acordo com o disposto no n.º 1 do art.º 5.º do RCP, é expressa em UC. Esta é atualizada 5 anual e automaticamente de acordo com o indexante dos apoios sociais 6, n.º 2 do art.º 5.º do RCP. Porém, a taxa de justiça é determinada pelo valor da UC ao tempo do início do processo autónomo, independentemente do momento em que a taxa deva ser paga, face às disposições conjugadas do n.º 2 do art.º 1º e nº 3 do art.º 5.º do RCP. Donde é possível concluir que, por exemplo, no âmbito de uma ação administrativa comum ou de um processo de impugnação, em que sejam deduzidos incidentes, possam coexistir taxas que hajam de ser calculadas atendendo a diferentes valores da UC 7. O primeiro dos critérios legais a atender para a fixação da taxa de justiça é o valor da ação para efeito de custas, base tributária na terminologia do RCP, resultando aquela no correspetivo montante indicado nas Tabela I e II, como se extrai dos artigos 6.º e 7.º ambos do RCP. Complementarmente, na eventualidade de especial complexidade da ação, cuja caracterização resulta do n.º 7 do art.º 447.º-A do CPC, para efeitos de condenação aplicarse-ão os valores resultantes da Tabela I-C, n.º 5 do art.º 6.º, ou um valor superior dentro dos limites da Tabela II, conforme n.º 7 do art.º 7.º do RCP. Excecionalmente, poderá haver lugar a taxa sancionatória, mecanismo de penalização dos intervenientes processuais que, por motivos dilatórios, utilizem o processo de modo não criterioso, designadamente lançando mão de recursos e requerimentos manifestamente infundados. Esta taxa excecional, encontra a sua previsão e os seus pressupostos no art.º 447.º-B do CPC, sendo o arco de tributação fixado dentro dos limites do art.º 10.º do RCP, 2 a 15 UC. 5 Quanto à fixação e atualização da UC, cfr. art.º 22.º do D.L. nº 34/2008, de 28/2, na redação dada pelo D.L. n.º 181/2008, de 28/8. 6 Indexante de Apoios Sociais Lei n.º 53-B/2006, de 29/12 e Portarias n.º 106/2007, de 23/1; 9/2008, de 3/1 e 1514/2008, de 24/12. Para o ano de 2010, cfr. art.º 3.º do Dec.Lei n.º 323/2009, 24/12. Cfr. ainda art.º 22.º do D.L. nº 34/2008, de 28/2, na redação dada pelo D.L. 181/2008, de 28/8. 7 O valor da UC é presentemente de 102,00. 8

9 A regra geral da taxa de justiça As disposições conjugadas do n.º 2 do art.º 447.º do CPC e do n.º 1 do art.º 6.º do RCP, indicam que a taxa de justiça corresponde ao montante devido pelo impulso processual do interessado. A taxa é assim devida pela parte que impulsione, independentemente da posição processual ativa (autor, recorrente, requerente, exequente), ou passiva (réu, recorrido, requerido, executado), que ocupa no processo. Assim, o sujeito passivo (sujeito sobre quem impende o ónus de pagamento) da taxa de justiça deverá proceder ao pagamento da primeira prestação, nos casos da tabela I-A e C, em que a taxa de justiça é paga em duas prestações de igual valor, ou integralmente nos restantes casos, tabela I-B e II, até ao momento da prática do ato processual a ela sujeito, nos termos das disposições conjugadas do n.º 2 do art.º 13.º e n.º 1 do art.º 14.º, ambos do RCP. A segunda prestação da taxa de justiça deve ser liquidada no prazo de 10 dias a contar da notificação para a audiência final I. Nos casos em que a esta não haja lugar e não tendo sido dispensada a segunda prestação nos termos do art.º 14.º-A do RCP, é considerada na conta de custas final. O interessado entrega o documento comprovativo do pagamento ou comprova a realização desse pagamento no mesmo prazo, n.º 2 do art.º 14.º do RCP, sob pena da secretaria oficiosamente notificar para, no prazo de 10 dias, efetuar o pagamento, acrescido de multa de igual montante, cuja expressão não pode ser inferior a 1 UC nem superior a 10 UC, n.º 3 do art.º 14.º do RCP. Verificando-se que no dia da audiência final ou de qualquer outra diligência probatória, não se mostra junto ao processo o documento comprovativo do pagamento da segunda prestação da taxa de justiça e da multa, de documento referente à concessão de benefício do apoio judiciário ou não tenha sido comprovada a realização do pagamento da segunda prestação da taxa de justiça, os autos devem ser continuados com conclusão para que o tribunal se entender por conveniente, determinar a impossibilidade de realização das 9

10 diligências de prova que tenham sido ou venham a ser requeridas pela parte em falta, n.º 4 do art.º 14.º do RCP. Na jurisdição fiscal, uma vez que a constituição de mandatário só é obrigatória nas causas cujo valor exceda o décuplo da alçada do tribunal tributário de primeira instância, bem assim nos Tribunais Centrais Administrativos e Supremo Tribunal de Justiça, n.º 1 do art.º 6.º do CPPT, deve ter-se presente as regras resultantes das disposições conjugadas do n.º 5 do art.º 150.º-A do CPC e n.º 6 do art.º 14.º do RCP, que impõem à secretaria o dever de notificar o interessado que não tenha mandatário constituído para o pagamento da taxa devida, no prazo de 10 dias, bem como das cominações legais para a omissão II. A alçado do tribunal tributário 8 é de 1.250,00. Já na jurisdição administrativa, a questão não se coloca da mesma forma uma vez que a constituição de mandatário é obrigatória, n.º 1 do art.º 11.º do CPTA. 8 A alçada dos tribunais tributários, de acordo com o n.º 2 do art.º 6.º do ETAF, corresponde a um quarto da que se encontra estabelecida para os tribunais judiciais, que é 5.000,00, n.º 1 do art.º 24.º da Lei 3/99, de 13/1 na redação dada pelo Dec.-Lei n.º 303/2007, de 24/8; n.º 1 do art.º 31.º da Lei n.º 52/2008, de 28/8. 10

11 Redução da taxa de justiça O RCP contempla uma única redução da taxa de justiça, nos termos do n.º 3 do art.º 6.º do RCP. A taxa de justiça é reduzida a 90% do seu valor quando se verificarem cumulativamente três condições. São elas: o recurso pela parte aos meios eletrónicos, a entrega pela parte de todas as peças processuais através daqueles meios e ao processo em concreto, não determinar a lei, a sua obrigatoriedade. Optando por esta redução, a parte que quebre a condição de entrega de todas as peças pelos meios eletrónicos, 9 perde o direito à mesma, nos termos do n.º 4 do art.º 6.º do RCP, e fica obrigada a pagar o respetivo valor autoliquidado, no momento em que entregar uma peça processual em papel. Não sendo junto o comprovativo do pagamento, verifica-se a sujeição à sanção prevista na lei de processo para a omissão de pagamento da taxa de justiça. A omissão da primeira prestação ou do pagamento integral O pagamento da taxa de justiça pode ser realizado em duas prestações de igual montante, nas situações em quem ao caso couber a aplicação da tabela I-A e C, n.º 2 do art.º 13.º do RCP, sendo que nos demais casos deve ser liquidada de modo integral. A primeira prestação ou o pagamento integral da taxa de justiça devida devem ser realizados previamente, por autoliquidação, e ser comprovados III por verificação eletrónica, nos termos da portaria prevista no n.º 1 do artigo 138.º-A do Código do Processo Civil, ou por entrega do documento comprovativo do pagamento, al. a) e b) do n.º 1 do art.º 14.º do RCP. Sendo omisso o pagamento, são diversas as consequências para a parte ativa e para a parte passiva e encontram a sua previsão no CPC, al. f) do art.º 474.º e art.º 486.º-A, respetivamente. Relativamente à parte ativa, a consequência da omissão é o não recebimento da petição pela secretaria, al. f) do art.º 474.º do CPC. Já no que concerne à parte passiva, releva a previsão do art.º 486.º-A do CPC. Num primeiro momento, a parte é notificada para 9 Por exemplo, entregando uma peça processual em suporte de papel. 11

12 pagar a taxa omitida com o acréscimo de multa de igual montante, mas não inferior a 1 UC nem superior a 5 UC. Continuando a verificar-se a omissão de pagamento e findos os articulados, deve a secretaria continuar os autos ao juiz, nos termos do n.º 5 do art.º 486.º-A do CPC. O art.º 80.º do CPTA dispõe sobre a recusa da petição inicial pela secretaria no que concerne á ação administrativa especial. Importa pois aqui destacar o teor da al. d) do n.º 1 do referido preceito, já que determina constituir fundamento de rejeição a circunstância de não ter, sido junto o documento comprovativo do prévio pagamento da taxa de justiça inicial ou o documento que ateste a concessão de apoio judiciário.. Já no que respeita aos efeitos que decorrem da rejeição, o n.º 2 do art.º 80.º do CPTA, remete para as consequências que lhe correspondem na lei processual civil. 12

13 A omissão de pagamento da segunda prestação da taxa de justiça Casos que se enquadrem no n.º 2 do art.º 13.º do RCP Sendo omisso o pagamento da segunda prestação da taxa de justiça, a secretaria notifica o interessado para, no prazo de 10 dias, efetuar o pagamento, acrescido de multa de igual montante, mas não inferior a 1 UC nem superior a 10 UC, n.º 3 do art.º 14.º do RCP. Persistindo a omissão no dia da audiência final ou da realização de qualquer outra diligência probatória, devem os autos ser presentes ao juiz, n.º 4 do art.º 14.º do RCP. Pagamento de taxa de valor inferior ao devido Prevê o n.º 2 do art.º 150.º-A do CPC, que a junção de documento comprovativo do pagamento da taxa de justiça num valor inferior IV ao resultante dos critérios do RCP que ao caso caibam, a devolução ao apresentante e equivalência à falta de junção do documento. Todavia, relevam para esta questão também os modos de apresentação das peças processuais, por via eletrónica ou por apresentação em suporte de papel. No que respeita à petição inicial, apresentações em suporte de papel, n.º 3 do art.º 4.º do Dec.-Lei n.º 324/ , de 29/12, e art.º 4.º da portaria n.º 1417/ , de 30 de dezembro, é adequada a observância do prazo de 24 horas, previsto no art.º 23.º da portaria 419-A/2009, de 20 de abril, com as alterações introduzidas pela Portaria n.º 82/2012, de 29 de março. Após o decurso do prazo e não sendo recebido o pagamento complementar, a secretaria recusa a petição, com o fundamento da falta de junção do documento comprovativo, n.º 2 do art.º 150.º-A do CPC. O mesmo procedimento é adequado aos casos em que a petição inicial é apresentada eletronicamente, uma vez que carece de tratamento de validação pela secretaria, no Sitaf, e que é prévio à distribuição. Os demais casos em que é exigido o comprovativo do pagamento da taxa de justiça e esta se mostra liquidada por um valor insuficiente, devem ser tratados como se de omissão de pagamento se tratasse, face à sanção prevista no n.º 2 do art.º 150.º-A do CPC. 10 Com as alterações introduzidas pelo Dec.-Lei n.º 180/2007, de 9de maio e do Dec.-Lei n.º 190/2009, de 17de agosto. 11 Com as alterações introduzidas pela portaria 114/2008, de 6 de fevereiro. 13

14 O limite da taxa quando previamente paga Quando ao caso caiba a aplicação da tabela I, serão tão só considerados os valores de base tributária até ,00, n.º 7 do art.º 6.º do RCP. O remanescente é considerado na conta a final ou, caso o responsável pelo impulso processual não seja condenado a final, é notificado para efetuar o referido pagamento, no prazo de 10 dias a contar da notificação da decisão que ponha termo ao processo, n.º 9 do art.º 14.º do RCP. O pagamento do remanescente pode todavia ser dispensado pelo juiz, de forma fundamentada e face à especificidade da situação, atendendo designadamente à complexidade da causa e à conduta processual das partes, conforme segmento final do n.º 7 do art.º 6.º do RCP. Nos restantes casos, sempre que a taxa de justiça seja variável, o pagamento deve ser realizado pelo valor mínimo, nº 6 do art.º 6.º do RCP. Aplicabilidade da tabela I-A Os casos em que a taxa de justiça deve ser paga atendendo aos valores resultantes da tabela I-A, determina-se por exclusão, conforme resulta do n.º 1 do art.º 6.º do RCP, aplicando-se, na falta de disposição especial, os valores constantes da tabela I-A,. Assim, todas as situações que não estejam contempladas de modo diverso, por exemplo a determinação legal de aplicação da tabela I-B, I-C ou II, será por defeito aplicada a tabela I- A. 14

15 Aplicabilidade da tabela I-C As sociedades comerciais 12 que tenham dado entrada num tribunal, secretaria judicial ou balcão, no ano anterior, a 200 ou mais ações, a taxa de justiça é fixada, de acordo com a tabela I-C, quando não se verifique regra que determine a aplicação de tabela II. Atente-se que, esta taxa compreende duas prestações, sendo a primeira de pagamento prévio, conforme se extrai do n.º 1 do art.º 14.º do RCP. A taxa prevista na tabela I-C é também aplicável, quando o juiz nos termos das disposições conjugadas do n.º 7 do art.º 447.º-A do CPC, e n.º 5 do art.º 6.º do RCP, caracterize a ação ou o recurso como especialmente complexos. Esta taxa é de pagamento a final, na conta. Aplicabilidade da tabela I-B Nos recursos jurisdicionais, a taxa de justiça é fixada nos termos da tabela I-B, atendendo ao valor do recurso. 13 É paga pelo recorrente com as alegações e pelo recorrido quando contra-alegue e com a apresentação das contra-alegações, n.º 2 do art.º 7.º do RCP. Atente-se que na redação do n.º 2 do art.º 6.º do RCP, o legislador utilizou o vocábulo sempre, o que indica de modo inequívoco que, independentemente das taxas pagas no processo e na primeira instância se integrarem noutras tabelas, no recurso jurisdicional são pagas de acordo com a tabela I-B. Claro está que as taxas em questão são em regra 14 de pagamento prévio, podendo o tribunal determinar a aplicabilidade a final da tabela I-C, como referimos. 12 Para o efeito e sobre a competência da secretaria, portaria n.º 200/2011, de 20 de maio e cfr. Ofício Circular n.º 42/2011, de 16 de junho, da DGAJ/DSAJ. A informação é também disponibilizada no sicj. 13 O valor nos recursos é determinado pelas regras constantes do n.º 2 do art.º 12.º do RCP. O valor da sucumbência quando esta for determinável, cabendo ao recorrente a indicação do respetivo valor no requerimento de interposição do recurso, ou nos restantes casos, prevalece o valor da ação. 14 Quando não seja de aplicar a dispensa de pagamento prévio ou em casos de isenção. 15

16 As partes coligadas 15, os intervenientes que façam seus os articulados da parte a que se associem e os assistentes em processo administrativo 16 e tributário 17, de acordo com a previsão do n.º 7 do art.º 13.º do RCP, liquidam a taxa de justiça de acordo com a tabela I-B. No que concerne ao litisconsórcio V, a taxa é paga na totalidade por aquele que figurar como parte primeira na petição inicial, nos termos do disposto no n.º 4 do art.º 447.º-A.º do CPC, onde de resto se salvaguarda o direito de regresso sobre os demais litisconsortes. 15 Em processo judicial tributário, cfr. Art.º 104.º do CPPT; em processo administrativo, cfr. art.º 12.º e 28.º do CPTA. 16 Art.º 335.º e seguintes do CPC, art.º 1.º e art.º 35.º do CPTA. 17 Art.º 127.º, n.º 1 al. a), 128.º e 129.º do CPPT e 335.º e seguintes do CPC. 16

17 Os casos especiais de fixação de valor: linha 1 da tabela I-B O n.º 1 do art.º 12.º do RCP, fixa a base tributária até 2.000,00, valor correspondente à linha 1 da tabela I-B, nos processos previstos nas alíneas a) a f). A consequência direta desta regra é a de que, naqueles casos, a taxa de justiça exigível é de 0,5 UC, paga integralmente numa única prestação e até ao momento da prática do ato processual, n.º 1 do art.º 14.º do RCP. Aplicabilidade da tabela II Os incidentes, os processos cautelares, os processos administrativos urgentes, a impugnação de procedimentos cautelares adotados pela administração tributária, a impugnação de atos de autoliquidação, substituição tributária e pagamentos por conta, os procedimentos de injunção, os procedimentos europeus de injunção de pagamento, os procedimentos anómalos, as execuções, oposições e embargos de terceiro, integram as previsões da tabela II, n.º 4 do art.º 7.º do RCP. Esta taxa é em regra 18 prévia e integralmente liquidada nos termos gerais. Não obstante, aqui também se verifica o eventual pagamento residual a final, nos casos de especial complexidade, n.º 7 do art.º 7.º do RCP. 18 Refere-se em regra uma vez que, em presença de incidentes ou procedimentos anómalos, qualificação que muitas vezes se verifica em momento ulterior, cfr. n.º 8 do art.º 7.º do RCP, só é determinável e possível o pagamento a final. Também os casos de dispensa, art.º 15.º, e de isenção, art.º 4.º, ambos do RCP. 17

18 A taxa de justiça pela especial complexidade Como já referido, a taxa de justiça pela especial complexidade é resultante de condenação, sempre que a ação é configurada como tal, nos termos do n.º 7 do art.º 447.º-A do CPC. Sempre determinada a final, tem como consequência a atualização da taxa paga pelo impulso nos casos da Tabela I-A e Tabela I-B, para os valores da Tabela I-C, n.º 5 do art.º 6.º do RCP, e nos casos de incidentes ou procedimentos, Tabela II-B, o valor determinado pelo juiz, dentro dos limites ali estabelecidos, n.º 7 do art.º 7.º do RCP. A taxa sancionatória excecional A aplicação de uma taxa sancionatória excecional VI resulta de decisão fundamentada do juiz, quando verificadas as condutas e circunstâncias descritas nas alíneas a) e b) do art.º 447.º-B do CPC. É suscetível de ser aplicada aos requerimentos, recursos, reclamações, pedidos de retificação, reforma ou de esclarecimento, quando manifestamente improcedentes. A sua quantificação é variável entre 2 e 15 UC, nos termos do art.º 10.º do RCP. Por outro lado, quando judicialmente determinada a aplicação da taxa sancionatória excecional, esta substitui a taxa de justiça devida. Pode ler-se no preâmbulo da Lei 34/2008, de 26 de fevereiro, o seguinte trecho: Criou -se também um mecanismo de penalização dos intervenientes processuais que, por motivos dilatórios, «bloqueiam» os tribunais com recursos e requerimentos manifestamente infundados. Para estes casos, o juiz do processo poderá fixar uma taxa sancionatória especial, com carácter penalizador, que substituirá a taxa de justiça que for devida pelo processo em causa Diário da República, 1.ª série N.º de Fevereiro de 2008, pag. 1261, e disponível em 18

19 Aplicada a taxa sancionatória excecional e após trânsito em julgado da decisão que a fixou, é pela secretaria emitida e remetida guia e respetivo DUC, para a parte responsável, para pagamento no prazo de 20 dias, conforme o art.º 26.º da portaria n.º 419-A/2009, de 20 de abril, com as alterações introduzidas pela portaria n.º 82/2012, de 29 de março. Taxa no recurso de contraordenação Quando a coima não tenha sido previamente liquidada, o recurso da decisão que a aplicou bem como a sanção acessória a que se refere o art.º 80.º do RGIT, está sujeito ao pagamento prévio de taxa de justiça, nos termos do n.º 7 do art.º 8.º do RCP. O montante a autoliquidar é de 1 UC. Para o efeito, deve a secretaria em observância do preceituado no n.º 8 do art.º 8.º do RCP, aquando da notificação da data de marcação da audiência de julgamento ou do despacho que a considere desnecessária, notificar também para no prazo de 10 dias autoliquidar a taxa de justiça, com expressa indicação do prazo e dos modos de pagamento da mesma. Aconselha a boa prática que a secretaria envie o duc adequado ao pagamento. A taxa devida pela impugnação pode ainda a final ser corrigida pelo juiz, n.º 7 do art.º 8.º do RCP, dentro dos limites da Tabela III do RCP, sendo neste caso o processo objeto de conta final, onde se liquidará o remanescente em falta. 19

20 Dispensa do pagamento de taxa de justiça Artigo 15.º do RCP A dispensa de pagamento prévio de taxa de justiça consiste na verdade num mecanismo que difere para momento ulterior o pagamento VII, por força de uma regra inovadora, aliás sem precedente legal 20. Trata-se do n.º 2 do art.º 15.º do RCP, que dispõe: As partes dispensadas do pagamento prévio de taxa de justiça, independentemente de condenação a final, devem ser notificadas, com a decisão que decida a causa principal, ainda que suscetível de recurso, para efetuar o seu pagamento no prazo de 10 dias. Assim, quando demandem ou sejam demandados nos tribunais administrativos ou tributários, por expressa previsão legal, al. a) do n.º 1 do art.º 15.º do RCP, mostram-se dispensados do pagamento prévio da taxa de justiça: O Estado; seus serviços e organismos ainda que personalizados; Regiões Autónomas; Autarquias locais. Constituem exceção, face ao segmento final da al. a) do n.º 1 do art.º 15.º do RCP, quando em presença de litígios em matéria administrativa contratual 21 e pré-contratual 22 e relativas às relações laborais com os funcionários 23, agentes e trabalhadores do Estado; 20 Não obstante, a circular n.º 39/2011, de 6/6, da DGAJ, já propunha um procedimento similar. 21 Sob a forma de ação administrativa comum, al. h) do n.º 2 do art.º 37.º do CPTA e al. e) e f) do n.º 1 do art.º 4.º do ETAF. 22 Cfr. art.º 100.º e sgts do CPTA; 23 Os litígios relativos às relações laborais emergentes de contratos de trabalho em funções públicas, cfr. al. d) do n.º 3 do art.º 4.º do ETAF. 20

21 Os encargos Os encargos constituem o conjunto da despesa resultante da condução do processo, em especial os gastos relacionados com as atividades probatórias, n.º 3 do art.º 447.º do CPC. Obedecem à tipologia elencada no n.º 1 do art.º 16.º do RCP, destacando-se os reembolsos ao Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, I. P., resultantes de todas as despesas adiantadas e compreendidas na previsão dos artigos 19.º, e n.º 2 do art.º 20.º ambos do RCP, quando em causa estão entidades isentas de custas, ou beneficiárias de apoio judiciário nas modalidades de dispensa de taxa de justiça e demais encargos como processo 24, e de pagamento faseado de taxa de justiça e demais encargos com o processo 25. A responsabilidade pelo adiantamento dos encargos A responsabilidade pelo adiantamento dos encargos ou pela sua garantia resultam do art.º 447.º-C do CPC, e n.º 1 do art.º 20.º do RCP. Impendem sobre a parte que requereu a diligência, quem nela tem interesse ou a quem ela aproveita, quando determinada oficiosamente. Caso todas as partes tenham o mesmo interesse na diligência ou na realização da despesa, tirem igual proveito ou não se consiga determinar quem é a parte interessada, são os encargos repartidos de modo igual entre as partes. Nos termos do n.º 1 do art.º 20.º do RCP, deve a parte requerente ou interessada, imediatamente ou no prazo de 10 dias a contar da notificação do despacho que ordene a diligência, determine a expedição ou cumprimento de carta rogatória ou marque a data da audiência de julgamento, proceder ao pagamento através das guias duc, emitidas e oportunamente enviadas pela secretaria, art.º 21.º da portaria n.º 419-A/2009, de 20 de abril, com as alterações introduzidas pela portaria n.º 82/2012, de 29 de março. 24 Modalidade prevista na al. a) do art.º 16.º da Lei n.º 34/2004, de 29 de julho, na redação dada pela Lei 47/2007, de 28 de agosto. 25 Modalidade prevista na al. d) do art.º 16.º da Lei n.º 34/2004, de 29 de julho, na redação dada pela Lei 47/2007, de 28 de agosto. 21

22 Em matéria de encargos, o essencial resulta da atividade probatória, por exemplo testemunhas, peritagens, entre outros, determinando a aplicabilidade da Tabela IV e portarias n.º 685/2005 de 18 de agosto e 175/2011, de 28 de abril. Em caso de isenção de custas ou de benefício de apoio judiciário, os encargos são sempre adiantados pelo Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, I. P., sem prejuízo de reembolso a final por via da conta de custas. Note-se que, as entidades que nos termos da al. a) do n.º 1 do art.º 15.º do RCP, beneficiam de dispensa de taxa de justiça, devem assegurar o pagamento da garantia dos encargos, art.º 19.º e 20.º do RCP, uma vez que estes, muito embora integrem o conceito de custas processuais, n.º 1 do art.º 3.º do RCP, se não confundem com a componente taxa de justiça sobre a qual incide a dispensa. A omissão de pagamento da garantia dos encargos Relativamente à omissão do pagamento antecipado de encargos, dispõe o art.º 23.º do RCP. Assim, o não pagamento dos encargos implica a não realização da diligência requerida, sendo que, se ainda se mostrar oportuno, pode o omitente realizar o pagamento nos 5 dias posteriores ao termo do prazo, mediante o pagamento de uma sanção de igual valor ao montante em falta, com o limite máximo de 3 UC. O pagamento pode ainda ser realizado pela parte contrária, n.º 3 do art.º 23.º do RCP, devendo para o efeito solicitar guias para o depósito imediato, nos 5 dias posteriores ao termo do prazo. Este pagamento, não comporta qualquer sanção. 22

23 As custas de parte As custas de parte encontram a sua previsão no art.º 447.º-D do CPC, sendo o seu regime disciplinado nos artigos 25.º e 26.º do RCP. Uma vez que as custas de parte têm um tratamento em regra extrajudicial, o procedimento das partes obedece ao estabelecido no art.º 31.º da portaria n.º 419-A/2009, de 20 de abril, com as alterações introduzidas pela portaria n.º 82/2012, de 29 de março. Todavia, importa destacar o n.º 6 do art.º 26.º do RCP, que prevê a responsabilidade pelo reembolso das taxas de justiça pagas pelo vencedor, quando o vencido é o Ministério Público ou beneficiário de apoio judiciário. O procedimento da secretaria, que tem como pressupostos para além dos já referidos o ónus do vencedor juntar ao processo o requerimento de custas de parte, consiste na reposição e posterior devolução, na proporção do vencimento, das taxas de justiça pagas. Estas operações são realizadas no sicj. 23

24 Isenções O artigo 4.º do RCP Em matéria de isenção de custas VIII na jurisdição administrativa e fiscal, observam-se genericamente as isenções de caráter subjetivo, salvo as que pela sua especificidade não sejam de considerar. 26 Já no que concerne às isenções de caráter objetivo, dispõe a al. b), do n.º 2 do art.º 4.º do RCP, relativamente às seguintes formas de processo: Os processos administrativos urgentes relativos ao pré-contencioso eleitoral, o quando se trate de eleições para órgãos de soberania e o órgãos do poder regional ou local; Os processos de intimação para proteção de direitos, liberdades e garantias. Limitações à isenção Verifica-se porém responsabilidade pelo pagamento das custas, nos termos gerais, quando se conclua pela manifesta improcedência do pedido, n.º 5 do art.º 4.º do RCP. É também a parte responsável, a final, pelos encargos a que deu origem no processo, quando a respetiva pretensão for totalmente vencida, n.º 6 do art.º 4.º do RCP. Por outro lado, o n.º 1 do art.º 3.º do RCP, sob a epígrafe conceito de custas, determina a abrangência das custas processuais: taxas de justiça, encargos e custas de parte. Relativamente a está última categoria, custas de parte, esclarece o n.º 7 do art.º 4.º do RCP que, a isenção de custas não abrange os reembolsos à parte vencedora a título de custas de parte, que, naqueles casos, as suportará. 26 Por exemplo entre outros, os menores ou respetivos representantes legais, nos recursos de decisões relativas à aplicação, alteração ou cessação de medidas tutelares, al. i), do n.º 1 do art.º 4.º; os agentes das forças e serviços de segurança, em processo penal, al. m), do n.º 1 do art.º 4.º, todos do RCP. 24

25 A fixação da base tributária A regra geral em matéria de fixação da base tributária consiste na equiparação desta ao valor da causa IX, nos termos do art.º 11.º do RCP. Releva em especial o bloco normativo resultante dos art.º 32.º a art.º 35.º do CPTA. Já o CPPT dedica uma norma que estabelece o valor para efeito de custas no processo tributário, art.º 97.º-A. 25

26 Processo Administrativo 26

27 Ação Administrativa Comum Base tributária Para efeitos de custas, o valor da base tributária na ação administrativa comum é equivalente ao valor processual, nos termos das disposições conjugadas do n.º 3 do art.º 31.º do CPTA e art.º 11.º do RCP. Assim, cumpridos que sejam os critérios legais, artigos 32º a 35.º do CPTA, o valor é o indicado pelas partes, n.º 4 do art.º 31.º do CPTA e art.º 314.º e al. f) do n.º 1 do art.º 467.º, ambos do CPC. Taxa de Justiça: O valor da taxa de justiça é o resultante da Tabela I-A, atendendo-se ao valor da base tributária, n.º 1 do art.º 6.º e n.ºs 1 a 3 do art.º 13.º, ambos do RCP. A taxa é por regra paga em duas prestações, de acordo com os citados normativos. Haverá lugar à dispensa da segunda prestação da taxa de justiça, nos casos previstos nas al. c) e d), do art.º 14.º-A do RCP: Ações que terminem antes de oferecida a oposição ou em que, devido à sua falta, seja proferida sentença, ainda que precedida de alegações; Ações que terminem antes da designação da data da audiência final; O valor da taxa de justiça pode também resultar da Tabela I-B, nos casos de partes coligadas, quando o interveniente que faça seus os articulados da parte a que se associe e, também no caso dos assistentes, situações de resto previstas no n.º 7 do art.º 13.º do RCP. Aqui a taxa é paga numa só prestação, n.º 2 do art.º 13.º do RCP, a contrario. A forma de processo na ação administrativa comum é a ordinária, sumária e sumaríssima e é determinada pelo valor atribuído à causa, n.º 1, al. a) do n.º 2 do art.º 31.º; n.º 1 do art.º 35.º do CPTA, 461.º e 462.º do CPC, n.º 1, 3 e 5 do art.º 6.º, art.º 7.º do ETAF. A tramitação da ação administrativa comum, segue os termos do processo de declaração do CPC, nas suas formas ordinária, sumária e sumaríssima, conforme o n.º 1 do art.º 42.º do CPTA. O âmbito do seu objeto é definido por exclusão, n.º 1 do art.º 37.º do CPTA. 27

28 Ação Administrativa Especial Base tributária Para efeitos de custas, o valor da base tributária na ação administrativa especial é equivalente ao valor processual, nos termos das disposições conjugadas do n.º 3 do art.º 31.º do CPTA e art.º 11.º do RCP. O valor é o indicado pelas partes, n.º 4 do art.º 31.º do CPTA. Taxa de Justiça: O valor da taxa de justiça é o resultante da Tabela I-A, atendendo-se ao valor da base tributária, n.º 1 do art.º 6.º e n.ºs 1 a 3 do art.º 13.º, ambos do RCP. A taxa é em regra paga em duas prestações. Não há lugar à segunda prestação da taxa de justiça, de acordo com as al. e) e f) do art.º 14.º-A, do RCP, nas ações em que não haja lugar à audiência pública e ações em massa suspensas, art.º 48.º do CPTA. É a forma de processo especial, adequada às pretensões enunciadas no n.º 2 do art.º 46.º do CPTA. A tramitação da ação administrativa especial encontra-se prevista no Capítulo III, do Título III do CPTA, art.º 78.º e seguintes. A marcha do processo comporta as fases dos articulados, art.º 78.º a 86.º, do saneamento, instrução e alegações, art.º 87.º a 91.º, e a fase de julgamento, art.º 92.º a 96.º, todos do CPTA. 28

29 Contencioso eleitoral Base tributária O valor processual Para efeitos de custas, o valor da base tributária no processo de contencioso eleitoral, é o equivalente ao valor processual., art.ºs 32.º a 35.º do CPTA, o valor é o indicado pelas partes, n.º 4 do art.º 31.º do CPTA e art.º 314.º, e al. f) do n.º 1, do art.º 467.º, ambos do CPC. Taxa de Justiça: O valor da taxa de justiça é o resultante da Tabela II atendendo-se à expressa previsão de 1 UC. A taxa é paga numa só prestação, n.º 2 do art.º 13.º do RCP, a contrario. O processo de contencioso eleitoral é caracterizado por ser um processo principal de natureza impugnatória e urgente, al. a) do n.º 1 do art.º 36.º e art.º 97.º, ambos do CPTA. O pré-contencioso eleitoral, quando se trate de eleições para órgãos de soberania e órgãos do poder regional ou local, goza de isenção objetiva, al. b) do n.º 2 do art.º 4.º do RCP. Não obstante, quando no caso se conclua pela manifesta improcedência do pedido, são devidas custas nos termos gerais, n.º 5 do art.º 4.º do RCP. 29

30 Contencioso pré-contratual Base tributária Para efeitos de custas, o valor da base tributária contencioso précontratual é equivalente ao valor processual, nos termos das disposições conjugadas do n.º 3 do art.º 31.º do CPTA e art.º 11.º do RCP Taxa de Justiça: O valor da taxa de justiça é o resultante da Tabela II no valor de 2 UC. A taxa é paga numa só prestação, n.º 2 do art.º 13.º do RCP, a contrario. O processo de contencioso précontratual é de natureza impugnatória e tem caráter urgente, al. d) do n.º 1 do art.º 36.º, e art.os 100.º e 101.º, todos do CPTA. A tramitação encontra a sua previsão no art.º 102.º do CPTA. 30

31 Processos Cautelares Base tributária Para efeitos de custas, o valor da base tributária nos processos cautelares a é equivalente ao valor processual, nos termos das disposições conjugadas do n.º 3 do art.º 31.º do CPTA e art.º 11.º do RCP. Taxa de Justiça: O valor da taxa de justiça é o resultante da Tabela II atendendo-se ao valor da base tributária, n.º 1 do art.º 6.º e n.ºs 1 a 3 do art.º 13.º, ambos do RCP. O valor da taxa de justiça é de 3 UC, nos casos em que a base tributaria é igual ou inferior a ,00, ou de 8 UC, quando superior. Os processos cautelares admitidos no contencioso administrativo compreendem as providências de natureza antecipatória ou conservatória elencadas no art.º 112.º do CPTA. A taxa é paga numa só prestação, n.º 2 do art.º 13.º do RCP, a contrario. 31

32 Intimação para prestação de informações, consulta de processos ou passagem de certidão Taxa de justiça A intimação para Na intimação para prestação de informação, consulta de processos ou passagem de certidões, atende-se ao indicado na l. 1 da tabela I B no valor de 0,5 UC, art.º 12.º do RCP. A taxa de justiça é previamente paga numa só prestação. prestação de informações, consulta de processos ou passagem de certidão, encontra a sua previsão nos artigos 104.º a 108.º do CPTA. 32

33 Intimação para proteção de direitos, liberdades e garantias A intimação para proteção de O processo de intimação para proteção de direitos, liberdades e garantias goza de isenção objetiva, nos termos do segmento final da al. b) do n.º 2 do art.º 4.º do RCP. Não obstante, quando no caso se conclua pela manifesta improcedência do pedido, são devidas custas nos termos gerais, n.º 5 do art.º 4.º do RCP. direitos, liberdades e garantias, é um processo principal e urgente. Encontra a sua previsão nos artigos 109.º a 111.º do CPTA. 33

34 Produção antecipada de prova Base tributária Para efeitos de custas, o valor da base tributária na produção antecipada de prova, é equivalente ao valor processual, nos termos das disposições conjugadas do n.º 3 do art.º 31.º do CPTA e art.º 11.º do RCP. O valor é o indicado pelas partes. Taxa de Justiça: O valor da taxa de justiça é o resultante da Tabela II, no montante de 1 UC. A taxa é paga numa só prestação, n.º 2 do art.º 13.º do RCP, a contrario. Encargos: Em matéria de encargos, o essencial resulta da atividade probatória a realizar, por exemplo testemunhas, peritagens, entre outros, nos montantes previstos designadamente na Tabela IV e portarias n.º 685/2005 de 18 de agosto e 175/2011, de 28 de abril. A produção antecipada de prova encontra a sua previsão no art.º 134.º do CPTA, e destina-se a acautelar o depoimento de certas pessoas ou a verificação de certos factos quando exista justo receio de tal se vir a revelar impossível. É admissível no âmbito de processos já intentados ou ainda a propor. O tribunal competente é aquele em que a prova tenha de ser efetuada ou da área em que se situe o tribunal de comarca a que a diligência deva ser deprecada, n.º 7 do art.º 20.º do CPTA. 34

35 Processo Tributário 35

36 Impugnação Base tributária Para efeitos de custas, o valor da base tributária do processo de impugnação encontra a sua previsão no art.º 97.º-A do CPPT. Assim, será o indicado pelo impugnante, desde que respeite os critérios do n.º 1 e respetivas alíneas do citado artigo. Taxa de Justiça: O valor da taxa de justiça é o resultante da Tabela I-A, atendendo-se ao valor da base tributária, n.º 1 do art.º 6.º e n.ºs 1 a 3 do art.º 13.º, ambos do RCP. A taxa é em regra paga em duas prestações. Conhecendo o juiz imediatamente do pedido, art.º 113.º do CPPT ou nos casos de desistência do impugnante face à revogação parcial do ato tributário em questão, al. j) do art.º 14.º-A do RCP e art.º 112.º do CPPT, não há lugar à segunda prestação da taxa de justiça. O valor da taxa de justiça pode também resultar da Tabela II, nos casos de impugnação de atos de autoliquidação, art.º 131.º, substituição tributária, 132.º, e pagamentos por conta, art.º 133.º, todos do CPPT, sendo no valor de 2 UC. A taxa é paga numa só prestação, n.º 2 do art.º 13.º do RCP, a contrario. Encargos: Em matéria de encargos, o essencial resulta da atividade probatória, por exemplo testemunhas, peritagens, entre outros, atendendo designadamente aos valores previstos na Tabela IV e portarias n.º 685/2005 de 18 de agosto e 175/2011, de 28 de abril. Nos termos do art.º 116.º do CPPT, cabe ao impugnante a garantia dos encargos resultantes das diligências por ele requeridas, n.º 6. As demais serão adiantadas pelo IGFEJ, IP, numa interpretação atualista do n.º 5. A impugnação judicial é um meio processual próprio para em juízo garantir os direitos e interesses legalmente protegidos dos contribuintes, art.º 96.º e 99.º do CPPT. O processo de impugnação, art.º 99.º a 134.º do CPPT, é um meio processual tributário, al. a) do art.º 101.º da LGT, que admite os incidentes, art.º 127.º, de assistência art.º 128.º e 129.º, e habilitação, art.º 128.º e 130.º, todos do CPPT. 36

37 Processos de ação cautelar Base tributária Para efeitos de custas, o valor da base tributária nos processos de ação cautelar é fixado pelo juiz, n.º 2 do art.º 97.º-A do CPPT. Taxa de Justiça: No que concerne à taxa de justiça, verifica-se nos termos da al. a) do art.º 15.º do RCP, a dispensa do pagamento prévio nas providências cautelares avulsas a favor da administração tributária. Nas oposições deduzidas neste âmbito, a taxa devida é previamente paga numa só prestação e nos valores constantes da Tabela II, de 3 ou 8 UC. A final, observar-se-á o disposto no n.º 2 do art.º 15.º do RCP. Nos casos de impugnação de procedimentos cautelares adotados pela administração tributária, é aplicável a Tabela II, sendo a taxa previamente liquidada numa única prestação, no montante de 2 UC. Os processos de ação cautelar, admitidas em processo judicial tributário, compreendem as providências previstas no art.º 135.º do CPPT. São elas o arresto, art.º 136.º, o arrolamento, art.º 140.º, e a impugnação judicial dos atos de apreensão praticados pela administração tributária, art.º 143.º, e a impugnação das providências cautelares adotadas pela administração tributária, art.º 145.º, todos do CPPT. 37

38 Ação para reconhecimento de um direito ou interesse legítimo em matéria tributária Base tributária Para efeitos de custas, o valor final da base tributária nos processos de ação para reconhecimento de um direito ou interesse legítimo em matéria tributária, é fixado pelo juiz, n.º 2 do art.º 97.º-A do CPPT. Taxa de Justiça: O valor da taxa de justiça é o resultante da Tabela I-A, atendendose ao valor da base tributária indicado pelo autor, n.º 1 do art.º 6.º e n.ºs 1 a 3 do art.º 13.º, ambos do RCP. A taxa é em regra paga em duas prestações. Nos casos de conhecimento imediato do pedido, não há lugar ao pagamento da 2ª prestação, nos termos das disposições conjugadas da al. d) do art.º 14.º-A do RCP e 113.º do CPPT. A tramitação da ação para reconhecimento de um direito ou interesse legítimo em matéria tributária segue os termos do processo de impugnação, n.º 4 do art.º 145.º do CPPT. Podem ser propostas por quem invoque a titularidade do direito ou interesse a reconhecer, n.º 1 do art.º 145.º do CPPT, donde têm as características de uma ação declarativa de simples apreciação. 38

39 Meios processuais acessórios Base tributária Para efeitos de custas, o valor final da base tributária nos meios processuais acessórios é fixado pelo juiz, n.º 2 do art.º 97.º-A do CPPT. Taxa de Justiça: Na intimação para prestação de informação, consulta de processos ou passagem de certidões, atende-se ao indicado na l. 1 da tabela I B no valor de 0,5 UC. A taxa é previamente paga numa só prestação. No que concerne ao processo especial de derrogação do dever de sigilo bancário, na forma de recurso interposto pelo contribuinte, al. a) do n.º 2 do art.º 146.º-A do CPPT, atende-se ao valor de 0,5 UC, indicado na l. 1 da tabela I B, al. d) do n.º 1 do art.º 12.º do RCP. A taxa é paga pelo recorrente numa só prestação. Em caso de oposição, aplica-se a dispensa da al. a) do n.º 1 do art.º 15.º do RCP. Já na forma de pedido de autorização da administração tributária al. b) do n.º 2 do art.º 146.º-A do CPPT, aplica-se a dispensa da al. a) do n.º 1 do art.º 15.º do RCP, sendo que em caso de oposição pelo contribuinte atende-se ao valor de 0,5 UC, indicado na l. 1 da tabela I B. Os meios processuais acessórios compreendem, designadamente, a intimação para consulta de documentos e passagem de certidões, a produção antecipada de prova, art.º 146.º do CPPT, e o processo especial de derrogação do dever de sigilo bancário, art.º 146.º-A do CPPT. Reveste as formas de recurso interposto pelo contribuinte, al. a) e de pedido de autorização da administração tributária, al b), ambas do n.º 2 do art.º 146.º-B do CPPT. Na produção antecipada de prova, a taxa é a prevista na Tabela II, no valor de 1 UC. 39

40 Intimação para um comportamento Base tributária Para efeitos de custas, o valor final da base tributária na intimação para um comportamento, é fixado pelo juiz, n.º 2 do art.º 97.º-A do CPPT. Taxa de Justiça: O valor da taxa de justiça é o previsto na l. 1 da tabela I B, no valor de 0,5 UC, nos termos das disposições conjugadas nas al. e) e f) do art.º 12.º do RCP, n.º 2 do art.º 97.º-A e art.º 147.º, ambos do CPPT. A taxa é paga numa só prestação. A tramitação da intimação para um comportamento resulta dos n.ºs 3 a 5, do art.º 147.º do CPPT. É um meio processual tributário, previsto na al. h) do art.º 101.º da LGT, e aplicável quando resultar no meio mais adequado em face dos restantes meios contenciosos previstos no CPPT. Os direitos e interesses em causa resultam da omissão do dever de prestação jurídica por parte da administração tributária, suscetível de lesar direitos ou interesses legítimos, n.ºs 1 e 2 do art.º 147.º do CPPT. 40

41 Oposição à execução Base tributária Para efeitos de custas, o valor final da base tributária na oposição à execução é o previsto no n.º 2 do art.º 97.º-A do CPPT. Taxa de Justiça: O valor da taxa de justiça é o resultante da Tabela II, sendo de 3 UC quando o valor é igual ou inferior a ,00, e 6 UC, nos casos em que é superior. A taxa é paga numa só prestação, n.º 2 do art.º 13.º do RCP, a contrario. A oposição à execução é deduzida no prazo de 30 dias, nos termos do art.º 203.º do CPPT; os fundamentos, são os previstos no art.º 204.º do mesmo diploma. A tramitação da oposição à execução segue o previsto para o processo de impugnação, art.º 211.º, observados que sejam os termos previstos nos art.ºs 208.º a 210.º, todos do CPPT. 41

42 Embargos de terceiro Base tributária Para efeitos de custas, o valor final da base tributária no incidente de embargos de terceiro é o previsto no n.º 2 do art.º 97.º-A do CPPT. O incidente de embargos de terceiro tem como função a proteção da posse ou de qualquer outro Taxa de Justiça: O valor da taxa de justiça é o resultante da Tabela II, sendo de 3 UC quando o valor indicado é igual ou inferior a ,00, e de 6 UC, nos casos em que é superior. A taxa é paga numa só prestação, n.º 2 do art.º 13.º do RCP, a contrario. direito de terceiros, que sejam ofendidos por arresto, penhora ou qualquer outro ato judicialmente ordenado, art.º 237.º do CPPT. 42

43 Reclamações das decisões do órgão de execução fiscal Base tributária Para efeitos de custas, o valor final da base tributária nas reclamações das decisões do órgão de execução fiscal, é fixado pelo juiz, n.º 2 do art.º 97.º-A, do CPPT. Taxa de Justiça: O valor da taxa de justiça é o resultante da Tabela II, e sob o item Execuções; 2 UC, nos casos em que o valor indicado é igual ou inferior a ,00, e 4 UC quando superior. A taxa é paga numa só prestação. A reclamação das decisões do órgão de execução fiscal, art.º 276.º e seguintes do CPPT, é o meio de defesa dos lesados, perante decisões do órgão da execução fiscal praticados no processo de execução fiscal de que depende estruturalmente. 43

44 Recurso de contraordenação Taxa de Justiça: O recurso das decisões O valor da taxa de justiça nos recursos de contraordenação é de 1 UC, sendo suscetível de correção pelo juiz, a final, nos limites da Tabela III. A taxa de justiça só é devida quando a coima não tenha sido previamente liquidada, n.º 7 do art.º 8.º do RCP. É autoliquidada nos 10 dias subsequentes à notificação ao arguido da data de marcação da audiência de julgamento ou do despacho que a considere desnecessária, devendo ser expressamente indicado ao arguido o prazo e os modos de pagamento da mesma. de aplicação de coimas e sanções acessórias encontra a sua previsão no art.º 80.º e seguintes do RGIT. 44

Regulamento das Cus stas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais

Regulamento das Cus stas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais 1 Conceito de taxa de justiça no C.C.J. A taxa de justiça do processo corresponde ao somatório das taxas de justiça inicial e subsequente de cada

Leia mais

REGULAMENTO DAS CUSTAS PROCESSUAIS. Dec-Lei nº 34/2008, de 26 de Fevereiro Alt. Pelo Dec-Lei nº 181/2008, de 28 Agosto

REGULAMENTO DAS CUSTAS PROCESSUAIS. Dec-Lei nº 34/2008, de 26 de Fevereiro Alt. Pelo Dec-Lei nº 181/2008, de 28 Agosto 1 REGULAMENTO DAS CUSTAS PROCESSUAIS Alcanena, 12 de Março de 2010 Dec-Lei nº 34/2008, de 26 de Fevereiro Alt. Pelo Dec-Lei nº 181/2008, de 28 Agosto Edgar Valles 2 Regulamento das custas processuais Entrada

Leia mais

Regulamento das Custas Processuais Procedimentos a observar na tramitação das secretarias judiciais CFFJ

Regulamento das Custas Processuais Procedimentos a observar na tramitação das secretarias judiciais CFFJ Regulamento das Custas Processuais Procedimentos a observar na tramitação das secretarias judiciais CFFJ - 2012 Direção-Geral da Administração da Justiça Face à uniformização do sistema de custas consagrado

Leia mais

Prática Processual Civil. Programa

Prática Processual Civil. Programa ORDEM DOS ADVOGADOS COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO Prática Processual Civil Programa I - A CONSULTA JURÍDICA 1.1 - A consulta ao cliente 1.2 - Tentativa de resolução amigável 1.3 - A gestão do

Leia mais

Regulamento das Custas Processuais. Aplicação no Tempo CFFJ Direção-geral da Administração da Justiça

Regulamento das Custas Processuais. Aplicação no Tempo CFFJ Direção-geral da Administração da Justiça Regulamento das Custas Processuais Aplicação no Tempo CFFJ - 2012 Direção-geral da Administração da Justiça Índice Objeto... 3 Alteração ao Regulamento das Custas Processuais... 3 Alteração às tabelas

Leia mais

Direção-geral da Administração da Justiça

Direção-geral da Administração da Justiça Centro de Formação de Funcionários de Justiça Direção-geral da Administração da Justiça Introdução Constitui contraordenação todo o facto ilícito e censurável que preencha um tipo legal no qual se comine

Leia mais

CUSTAS JUDICIAIS. A CÓDIGO DAS CUSTAS JUDICIAIS: Decreto-Lei n.º 224-A/1996 e posteriores alterações.

CUSTAS JUDICIAIS. A CÓDIGO DAS CUSTAS JUDICIAIS: Decreto-Lei n.º 224-A/1996 e posteriores alterações. CUSTAS JUDICIAIS A CÓDIGO DAS CUSTAS JUDICIAIS: Decreto-Lei n.º 224-A/1996 e posteriores alterações. I Regime Geral - Aplica-se aos processos iniciados entre 1 de Janeiro de 1997 e 19 de Abril de 2009;

Leia mais

FASE DE FORMAÇÃO INICIAL - PROGRAMA DE PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL I I - ACESSO AO DIREITO II - ACTOS PROCESSUAIS DAS PARTES

FASE DE FORMAÇÃO INICIAL - PROGRAMA DE PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL I I - ACESSO AO DIREITO II - ACTOS PROCESSUAIS DAS PARTES Prática Processual Civil I FASE DE FORMAÇÃO INICIAL - PROGRAMA DE PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL I I - ACESSO AO DIREITO Modalidades do acesso ao direito e à justiça. O conceito de insuficiência económica. Revogação

Leia mais

Breviário de funções do secretário de justiça

Breviário de funções do secretário de justiça Centro de Formação de Funcionários de Justiça ENTRAR Ver instruções de utilização Direção-geral da Administração da Justiça Bem vindo à apresentação Padronização das custas Esta apresentação é composta

Leia mais

- PORTARIA N.º 225/2013, de 10 de julho: alteração à Portaria n.º 331- B/2009, de 30 de março

- PORTARIA N.º 225/2013, de 10 de julho: alteração à Portaria n.º 331- B/2009, de 30 de março DIPLOMAS - LEI N.º 41/2013, de 26 de junho: aprova o CPC - PORTARIA N.º 225/2013, de 10 de julho: alteração à Portaria n.º 331- B/2009, de 30 de março - DECLARAÇÃO DE RETIFICAÇÃO N.º 36/2013, de 12 de

Leia mais

Código de Processo do Trabalho

Código de Processo do Trabalho DECRETO-LEI Nº 398/98, DE 17 DE DEZEMBRO Código de Processo do Trabalho 2013 9ª Edição Actualização nº 1 1 LEI GERAL TRIBUTÁRIA CÓDIGO DE PROCESSO DO TRABALHO Actualização nº 1 EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

MÓDULO AUTOLIQUIDAÇÃO DA TAXA DE JUSTIÇA

MÓDULO AUTOLIQUIDAÇÃO DA TAXA DE JUSTIÇA MÓDULO 2 4 - AUTOLIQUIDAÇÃO DA TAXA DE JUSTIÇA REGULAMENTO DAS CUSTAS PROCESSUAIS - DL n.º 34/2008, de 26/02 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Alterado por: Declaração de Retificação n.º 22/2008, de 24/04 Lei n.º 43/2008,

Leia mais

Regulamento das Custas Processuais ADENDA

Regulamento das Custas Processuais ADENDA DECRETO-LEI Nº 398/98, DE 17 DE DEZEMBRO Regulamento das Custas Processuais 2013 9ª EDIÇÃO ALTERAÇÕES ADENDA I O Regulamento alterado pelo Decreto-Lei nº 126/2013, de 30 de agosto 1. Página 109, artigo

Leia mais

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE

Leia mais

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL LEI 41/2013, DE 26/6

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL LEI 41/2013, DE 26/6 CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL LEI 41/2013, DE 26/6 * Lei n.º 62/2013, de 26 de Agosto (Lei da Organização do Sistema Judiciário) * Declaração de Retificação nº 36/2013, de 12 de Agosto * Portaria nº 280/2013,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos)

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 244.o da Lei Constitucional n.o

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO Prática Processual Civil Programa I CONSULTA JURÍDICA 1.1 Consulta jurídica 1.2 Tentativa de resolução amigável 1.3 Gestão do cliente e seu processo II PATROCÍNIO

Leia mais

Regulamento das Custas Processuais

Regulamento das Custas Processuais Regulamento das Custas Processuais Regulamento das Custas Processuais, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 34/2008, de 26 de fevereiro, retificado pela Declaração de Retificação n.º 22/2008, de 24 de abril,

Leia mais

Alterações ao Código da Estrada

Alterações ao Código da Estrada Alterações ao Código da Estrada Decreto-Lei nº 116/2015, de 28 de Agosto, publicada no Diário da República nº 168, Iª Série A Décima quarta alteração ao Código da Estrada aprovado pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

REFORMA DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL RUMO À CELERIDADE?

REFORMA DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL RUMO À CELERIDADE? 25 de maio de 2012 REFORMA DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL RUMO À CELERIDADE? Num sistema reconhecidamente moroso, a celeridade processual funciona como uma alavanca na procura de novas soluções. Parece ter

Leia mais

Contraordenações Rodoviárias Advogados

Contraordenações Rodoviárias Advogados Francisco Marques Vieira Santa Maria da Feira 18 de setembro de 2015 Contraordenações Rodoviárias Advogados Defesa do Arguido Impugnação Judicial Recurso 2 Dinâmica do Processo Fiscalização Auto de notícia

Leia mais

Título de injunção europeu

Título de injunção europeu PATRÍCIA PINTO ALVES Título de injunção europeu VERBO jurídico VERBO jurídico Título de injunção europeu: 2 Título de injunção europeu PATRÍCIA PINTO ALVES Mestre em Direito pela Escola de Direito da Universidade

Leia mais

O Conselho Geral delibera, nos termos do parecer jurídico que se anexa à presente deliberação e para o qual se remete: Tendo em conta a imposição

O Conselho Geral delibera, nos termos do parecer jurídico que se anexa à presente deliberação e para o qual se remete: Tendo em conta a imposição Deliberação pública Deliberação 20140510.11.5 Definição do procedimento adotado pela Câmara dos Solicitadores quando lhe é diretamente solicitado uma desassociação de agente de execução Tendo em consideração

Leia mais

Juros de mora e prestação de garantia

Juros de mora e prestação de garantia 16-05-12- Juros de mora e prestação de garantia Com vista à uniformização de procedimentos, a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) veio prestar alguns esclarecimentos sobre o regime de prestação de garantia,

Leia mais

Apresenta: Nótulas à Lei n.º 32/2014 de 30 de maio (PEPEX)

Apresenta: Nótulas à Lei n.º 32/2014 de 30 de maio (PEPEX) Apresenta: Nótulas à Lei n.º 32/2014 de 30 de maio (PEPEX) Natureza e finalidade: Procedimento Extrajudicial O Procedimento extrajudicial pré-executivo é um procedimento de natureza facultativa que se

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA, LISBOA 27 DE NOVEMBRO DE 2015 Ana Celeste Carvalho

UNIVERSIDADE CATÓLICA, LISBOA 27 DE NOVEMBRO DE 2015 Ana Celeste Carvalho UNIVERSIDADE CATÓLICA, LISBOA 27 DE NOVEMBRO DE 2015 Ana Celeste Carvalho O Artigo 45.º sofre alterações (exercício de clarificação): - pressuposto material da norma: que a pretensão do autor seja fundada

Leia mais

PROVIMENTO N.º 2/2013. (Juízo de Execução

PROVIMENTO N.º 2/2013. (Juízo de Execução PROVIMENTO N.º 2/2013 (Juízo de Execução de Ovar) Considerando a entrada em vigor no pretérito dia 1 de setembro do novo Código de Processo Civil, aprovado em anexo à Lei n.º 41/2013, de 26 de junho, que

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 31 13 de fevereiro de 2012 681 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 7/2012 de 13 de fevereiro Procede à sexta alteração ao Regulamento das Custas Processuais, aprovado pelo

Leia mais

Lei n.º 20/2012, de 14 de maio. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea g) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Lei n.º 20/2012, de 14 de maio. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea g) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Lei n.º 20/2012, de 14 de maio A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea g) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1. A presente lei altera a Lei n.º 64-B/2011, de

Leia mais

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL DE 2013

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL DE 2013 CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL DE 2013 Paulo Pimenta 5 de Setembro de 2013 Etapas por que passou a reforma do processo civil - 1ª Comissão (Dezembro 2009 / Novembro 2010) - 2ª Comissão (Setembro 2011 / Dezembro

Leia mais

ACÓRDÃO N.º 20/2016- PL-3.ª SECÇÃO 4ROM-SRA/2016 (P. n.º 1/2014-M-SRATC)

ACÓRDÃO N.º 20/2016- PL-3.ª SECÇÃO 4ROM-SRA/2016 (P. n.º 1/2014-M-SRATC) Revogou a Sentença nº 5/2016 - SRATC ACÓRDÃO N.º 20/2016- PL-3.ª SECÇÃO 4ROM-SRA/2016 (P. n.º 1/2014-M-SRATC) Descritores: Extinção do procedimento por responsabilidades sancionatórias /prescrição/ artigo

Leia mais

PARECER DA UGT SOBRE A PROPOSTA DE LEI N.º 282/X (4.ª) QUE APROVA O REGIME PROCESSUAL APLICÁVEL ÀS CONTRA-ORDENAÇÕES LABORAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL

PARECER DA UGT SOBRE A PROPOSTA DE LEI N.º 282/X (4.ª) QUE APROVA O REGIME PROCESSUAL APLICÁVEL ÀS CONTRA-ORDENAÇÕES LABORAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL PARECER DA UGT SOBRE A PROPOSTA DE LEI N.º 282/X (4.ª) QUE APROVA O REGIME PROCESSUAL APLICÁVEL ÀS CONTRA-ORDENAÇÕES LABORAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL 1. Apreciação na generalidade O presente diploma vem

Leia mais

Decreto-Lei n.º140/2009, de 15 de Junho

Decreto-Lei n.º140/2009, de 15 de Junho Decreto-Lei n.º140/2009, de 15 de Junho 1. Que intervenções ou obras estão sujeitos à obrigatoriedade de elaboração de relatórios? O presente diploma abrange os bens culturais móveis e imóveis, assim como

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo ATUALIZADO EM 20/07/2012 JUSTIÇA ESTADUAL. Lei nº /2003

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo ATUALIZADO EM 20/07/2012 JUSTIÇA ESTADUAL. Lei nº /2003 ATUALIZADO EM 20/07/2012 JUSTIÇA ESTADUAL Lei nº. 11.608/2003 Despesas com porte de remessa e retorno de autos Porte de Remessa e Retorno de Autos Porte de Retorno Agravo de Instrumento R$ 25,00 por volume

Leia mais

DECRETO N.º 458/XII. Décima quarta alteração ao Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de maio

DECRETO N.º 458/XII. Décima quarta alteração ao Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de maio DECRETO N.º 458/XII Décima quarta alteração ao Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de maio A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição,

Leia mais

Unificação das formas de processo tramitação da ação administrativa. Dinamene de Freitas Assistente da FDUL

Unificação das formas de processo tramitação da ação administrativa. Dinamene de Freitas Assistente da FDUL Unificação das formas de processo tramitação da ação administrativa Dinamene de Freitas Assistente da FDUL Tópicos da apresentação Alguns aspetos da tramitação da ação administrativa (AA) na aproximação

Leia mais

A LGT no Orçamento do Estado para Audit Tax Advisory Consulting

A LGT no Orçamento do Estado para Audit Tax Advisory Consulting Audit Tax Advisory Consulting Domicílio fiscal O domicílio fiscal integra a caixa postal eletrónica, nos termos do serviço público de caixa postal eletrónica (Decreto-Lei n.º 112/2006, de 9 de Junho, e

Leia mais

CLÍNICAS FORENSES PRÁTICAS PROCESSUAIS ADMINISTRATIVAS

CLÍNICAS FORENSES PRÁTICAS PROCESSUAIS ADMINISTRATIVAS CLÍNICAS FORENSES PRÁTICAS PROCESSUAIS ADMINISTRATIVAS MARÇO 2006. ÍNDICE 1. Boas Vindas. 3 2. Horário e Funcionamento.. 4 3. Metodologia das Sessões....... 5 4. Programa...... 6 5. Calendarização das

Leia mais

PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL

PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL 25ª Sessão DA REFORMA DOS RECURSOS EM PROCESSO CIVIL Carla de Sousa Advogada 1º Curso de Estágio 2011 1 Enquadramento legal DL nº 303/2007 de 24 de Agosto Rectificado pela: Declaração

Leia mais

AJUSTE DIRECTO. Aquisição de Escultura em Pedra Mármore de Estremoz CADERNO DE ENCARGOS

AJUSTE DIRECTO. Aquisição de Escultura em Pedra Mármore de Estremoz CADERNO DE ENCARGOS AJUSTE DIRECTO Aquisição de Escultura em Pedra Mármore de Estremoz CADERNO DE ENCARGOS Índice Capítulo I - Disposições Gerais... Cláusula 1.ª Objeto... Cláusula 2.ª Local, prazo e modo da prestação...

Leia mais

N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE D E C R E T A: Seção I Das Disposições Gerais

N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE D E C R E T A: Seção I Das Disposições Gerais D E C R E T O N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE 2013 DISCIPLINA O PARCELAMENTO DOS CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS E NÃO TRIBUTÁRIOS, INSCRITOS OU NÃO EM DÍVIDA ATIVA, DO MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS, DE SUAS AUTARQUIAS

Leia mais

Inspeções e contraordenações

Inspeções e contraordenações Inspeções e contraordenações A empresa pode ser objeto de inspeções e da aplicação de contraordenações. Depois de ser notificada da aplicação destas, a sua resposta pode variar em função do tipo de infração

Leia mais

Parecer da Câmara dos Solicitadores sobre o Projeto de Portaria que. regulamenta o Regime Jurídico do Processo de Inventário

Parecer da Câmara dos Solicitadores sobre o Projeto de Portaria que. regulamenta o Regime Jurídico do Processo de Inventário Parecer da Câmara dos Solicitadores sobre o Projeto de Portaria que regulamenta o Regime Jurídico do Processo de Inventário O Ministério da Justiça remeteu à Câmara dos Solicitadores, para parecer, um

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS. Alienação de Autorização de Produção. Concurso Público nº: 01/EPDRR-ABM/2015-AP CADERNO DE ENCARGOS

CADERNO DE ENCARGOS. Alienação de Autorização de Produção. Concurso Público nº: 01/EPDRR-ABM/2015-AP CADERNO DE ENCARGOS Alienação de Autorização de Produção Concurso Público nº: 01/EPDRR-ABM/2015-AP Página 1 de 8 Índice de Conteúdo CAPÍTULO I - CLÁUSULAS JURÍDICAS -... 3 ARTIGO 1º - OBJETO -... 3 ARTIGO 2º - PRAZO -...

Leia mais

CIRCULAR. Para conhecimento, junto enviamos a Circular nº 10/2016 Suplemento do nosso Gabinete Fiscal, sobre o assunto em epígrafe.

CIRCULAR. Para conhecimento, junto enviamos a Circular nº 10/2016 Suplemento do nosso Gabinete Fiscal, sobre o assunto em epígrafe. CIRCULAR N/REFª: 75/16 DATA: 08/11/2016 Assunto: Regime Excecional de Regularização de Dívidas de Natureza Fiscal e de Dívidas de Natureza Contributiva à Segurança Social, designado por Peres Exmos. Senhores,

Leia mais

A inconstitucionalidade do artigo 20.º do regime anexo ao Decreto-Lei n.º 269/98

A inconstitucionalidade do artigo 20.º do regime anexo ao Decreto-Lei n.º 269/98 A inconstitucionalidade do artigo 20.º do regime anexo ao Decreto-Lei n.º 269/98 Por Nuno Montez da Silveira* PALAVRAS-CHAVE: obrigações pecuniárias, taxa de justiça, notificação, AECOP Uma das questões

Leia mais

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. orquê as atualizações aos livros da COL. LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas atualizações, a ORTO EDITORA

Leia mais

INTERVENÇÕES EM PROCESSOS JUDICIAIS E OUTROS PROCEDIMENTOS para efeitos de cumprimento do disposto nos números 1, 2 e 5 do artigo 22º

INTERVENÇÕES EM PROCESSOS JUDICIAIS E OUTROS PROCEDIMENTOS para efeitos de cumprimento do disposto nos números 1, 2 e 5 do artigo 22º INTERVENÇÕES EM PROCESSOS JUDICIAIS E OUTROS PROCEDIMENTOS para efeitos de cumprimento do disposto nos números 1, 2 e 5 do artigo 22º do REGULAMENTO NACIONAL DE ESTÁGIO (Regulamento nº 913 A/2015) A segunda

Leia mais

Preparo efetuado. 1. Data e assinatura.

Preparo efetuado. 1. Data e assinatura. 1. RECEBIMENTO DE PETIÇÃO INICIAL (Rito ordinário) Autos n. Comarca de Preparo efetuado. 1 282). Recebo a petição inicial, por ser a mesma apta (CPC, art. Cite-se o requerido para que, caso queira, apresente

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Pagamento Voluntário de Contribuições

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Pagamento Voluntário de Contribuições Pagamento Voluntário de Contribuições Ficha Técnica Título Autor Conceção gráfica de Segurança Social Pagamento Voluntário de Contribuições Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação Edição http://www.seg-social.pt/dgss-direccao-geral-da-seguranca-social

Leia mais

Regime Contraordenacional

Regime Contraordenacional Ficha Técnica Título Autor de Segurança Social Regime Contraordenacional Conceção gráfica Edição Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação http://www.seg-social.pt/dgss-direccao-geral-da-seguranca-social

Leia mais

CUSTAS * * * * * * * * * * Âmbito de aplicação

CUSTAS * * * * * * * * * * Âmbito de aplicação Correspondendo ao honroso convite que me endereçou o Movimento Justiça & Democracia para tecer algumas considerações sobre a aplicação do Regulamento das Custas Processuais, e da Portaria nº 419-A/2009,

Leia mais

A Tutela Cautelar no Procedimento e no Processo Administrativo. Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados Lisboa, 31/01/2016

A Tutela Cautelar no Procedimento e no Processo Administrativo. Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados Lisboa, 31/01/2016 A Tutela Cautelar no Procedimento e no Processo Administrativo Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados Lisboa, 31/01/2016 Código do Procedimento Administrativo Medidas Provisórias CPA 1991 Artigo

Leia mais

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65 ARTIGO 65 LEI Nº 12.249, DE 11 DE JUNHO DE 2010 Art. 65. Poderão ser pagos ou parcelados, em até 180 (cento e oitenta) meses, nas condições desta Lei, os débitos administrados pelas autarquias e fundações

Leia mais

O Contencioso Administrativo

O Contencioso Administrativo O Contencioso Administrativo INA 9. O processo executivo João Tiago Silveira Setembro de 2016 a. Aspetos comuns: obrigatoriedade de decisões judiciais Obrigatoriedade das decisões dos tribunais administrativos

Leia mais

CIRCULAR. Para conhecimento, junto se envia a circular 12/2014 do nosso Gabinete Fiscal, relativa ao assunto em epígrafe

CIRCULAR. Para conhecimento, junto se envia a circular 12/2014 do nosso Gabinete Fiscal, relativa ao assunto em epígrafe CIRCULAR N/ REFª: 02/15 DATA: 05/02/2015 Assunto: Síntese Legislativa Exmos. Senhores, Para conhecimento, junto se envia a circular 12/2014 do nosso Gabinete Fiscal, relativa ao assunto em epígrafe Com

Leia mais

ALTERAÇÕES PROCESSUAIS

ALTERAÇÕES PROCESSUAIS ALTERAÇÕES PROCESSUAIS ALTERAÇÕES PROCESSUAIS AO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL À LEI Nº 6/2006 DE 27.02 PROCEDIMENTO ESPECIAL DE DESPEJO: ADITAMENTOS À LEI Nº 6/2006 DE 27.02 DL nº 1/2013, 7.01; Portaria nº

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MACAU FACULDADE DE DIREITO. Curso de Licenciatura em Direito em Língua Portuguesa. Ano lectivo de 2014/2015

UNIVERSIDADE DE MACAU FACULDADE DE DIREITO. Curso de Licenciatura em Direito em Língua Portuguesa. Ano lectivo de 2014/2015 UNIVERSIDADE DE MACAU FACULDADE DE DIREITO Curso de Licenciatura em Direito em Língua Portuguesa Ano lectivo de 2014/2015 DIREITO PROCESSUAL CIVIL I (Disciplina anual do 3.º ano) Responsável pela regência:

Leia mais

Temos ainda um Juízo de admissibilidade (a quo) e um Juízo de julgamento (ad quem).

Temos ainda um Juízo de admissibilidade (a quo) e um Juízo de julgamento (ad quem). PARTE II TEORIA GERAL DOS RECURSOS Conceito: Recurso é o direito que a parte vencida ou o terceiro prejudicado possui de, uma vez atendidos os pressupostos de admissibilidade, submeter a matéria contida

Leia mais

RELATÓRIO PERIÓDICO. 1 - Acções Laborais I II III I II I II III A Acções Laborais

RELATÓRIO PERIÓDICO. 1 - Acções Laborais I II III I II I II III A Acções Laborais RELATÓRIO PERIÓDICO COMARCA DE: NOME DO MAGISTRADO: PERÍODO A QUE RESPEITA: DATA: CÍRCULO DE 1 - Acções Laborais Processos Conciliações Acções Arquivamento Acções Recebidos Pré-Judiciais Propostas Pedido

Leia mais

Regime Contraordenacional

Regime Contraordenacional Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação

Leia mais

Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social

Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Artigo 86. o Publicidade do processo e segredo de justiça 1. O processo penal é, sob pena de nulidade, público a partir

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV 2015/2016 Mestrado Forense / Turma B (Rui Pinto) EXAME FINAL ( ) - Duração 2 h 30 m

DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV 2015/2016 Mestrado Forense / Turma B (Rui Pinto) EXAME FINAL ( ) - Duração 2 h 30 m DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV 2015/2016 Mestrado Forense / Turma B (Rui Pinto) EXAME FINAL (12.1.2016) - Duração 2 h 30 m I. LEIA o seguinte ac. RL 16-1-2014/Proc. 4817/07.7TBALM.L2-6 (ANTÓNIO MARTINS):

Leia mais

Artigo 12.º. b) Operações que envolvam entidades não residentes em território português;

Artigo 12.º. b) Operações que envolvam entidades não residentes em território português; Regime Complementar do Procedimento de Inspeção Tributária Artigo 12.º 1 2 3 - O disposto nos números anteriores compreende, relativamente aos grandes contribuintes, a decisão antecipada, sobre a qualificação

Leia mais

Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código da Estrada ª Edição. Atualização nº 1

Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código da Estrada ª Edição. Atualização nº 1 Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código da Estrada 2015 8ª Edição Atualização nº 1 1 [1] Código do Trabalho CÓDIGO DA ESTRADA Atualização nº 1 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR EDIÇÕES

Leia mais

IVA ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES. Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA).

IVA ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES. Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA). IVA 14-03-2015 ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES 1 -REGIME TRANSITÓRIO (créditos vencidos até 31/12/2012) Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA). a) Se a data relevante para a dedução,

Leia mais

Correspondência entre articulados: CPA'15/CPA'91. Disposições gerais PARTE I. Princípios gerais da atividade administrativa CAPÍTULO II

Correspondência entre articulados: CPA'15/CPA'91. Disposições gerais PARTE I. Princípios gerais da atividade administrativa CAPÍTULO II Disposições gerais PARTE I Disposições preliminares CAPÍTULO I Definições Artigo 1.º Âmbito de aplicação Artigo 2.º Princípios gerais da atividade administrativa CAPÍTULO II Princípio da legalidade Artigo

Leia mais

Plano Especial de Redução do Endividamento ao Estado n.º 13/2016 _ 16 de novembro de 2016

Plano Especial de Redução do Endividamento ao Estado n.º 13/2016 _ 16 de novembro de 2016 Plano Especial de Redução do Endividamento ao Estado O Decreto-Lei n.º 67/2016, de 3 de novembro, aprova o Plano Especial de Redução do Endividamento ao Estado (PERES), que visa a redução do elevado nível

Leia mais

(Sumário elaborado pela Relatora) Acordam os Juízes no Tribunal da Relação de Lisboa:

(Sumário elaborado pela Relatora) Acordam os Juízes no Tribunal da Relação de Lisboa: Acórdãos TRL Processo: 258/14.8TBPDL.L1 6 Relator: ANABELA CALAFATE Descritores: ADMINISTRADOR DE INSOLVÊNCIA REMUNERAÇÃO Nº do Documento: RL Data do Acordão: 02 07 2015 Votação: UNANIMIDADE Texto Integral:

Leia mais

ATOS, TERMOS, PRAZOS E NULIDADES PROCESSUAIS. Prof. Renato Gama

ATOS, TERMOS, PRAZOS E NULIDADES PROCESSUAIS. Prof. Renato Gama ATOS, TERMOS, PRAZOS E NULIDADES PROCESSUAIS Prof. Renato Gama Classificação: Atos processuais Atos processuais postulatórios, de desenvolvimento, de instrução e de provimento. Atos da parte (art. 200

Leia mais

Problemática da aplicabilidade das novas regras de custas aos processos tutelares de menores e de sua constitucionalidade em geral

Problemática da aplicabilidade das novas regras de custas aos processos tutelares de menores e de sua constitucionalidade em geral compilações doutrinais ESTUDO JURÍDICO Problemática da aplicabilidade das novas regras de custas aos processos tutelares de menores e de sua constitucionalidade em geral André Mouzinho ADVOGADO VERBOJURIDICO

Leia mais

Alteração ao Código de Processo do Trabalho Competência territorial e início do processo

Alteração ao Código de Processo do Trabalho Competência territorial e início do processo Texto de substituição subscrito pelos Grupos Parlamentares do Bloco de Esquerda e do Partido Socialista ao Projeto de Lei n.º 105/XIII/1.ª (BE) - Aprofunda o regime jurídico da ação especial de reconhecimento

Leia mais

DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL E DA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL CAPÍTULO I DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL

DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL E DA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL CAPÍTULO I DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL Em virtude do novo Código de Processo Civil (Lei 13.105, de 16.3.15, que entrará em vigor em 17.3.16, passará a vigorar as novas disposições sobre a Competência Internacional, conforme os artigos abaixo

Leia mais

O Solicitador Mandatário - Ação Executiva -

O Solicitador Mandatário - Ação Executiva - O Solicitador Mandatário - Ação Executiva - Transmissão Processual Eletrónica Práticas Forenses e Aconselhamento Jurídico MÓDULO I 1 INTRODUÇÃO 2 - CITIUS ENTREGA DE PEÇAS PROCESSUAIS (Ação declarativa)

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores FELIPE FERREIRA (Presidente sem voto), RENATO SARTORELLI E VIANNA COTRIM.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores FELIPE FERREIRA (Presidente sem voto), RENATO SARTORELLI E VIANNA COTRIM. 1 Registro: 2016.0000888926 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 2223275-04.2016.8.26.0000, da Comarca de Santa Bárbara D Oeste, em que é agravante ELZA DOMINGOS

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Despacho: Despacho: Despacho: Concordo com a presente Informação e proponho o seu envio à Sr.ª Directora da DMRH, Dr.ª Emília Galego. Cristina Guimarães Chefe da Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica

Leia mais

Orientação Técnica Específica 5 (2014) Rev 1 (2015) 1

Orientação Técnica Específica 5 (2014) Rev 1 (2015) 1 Orientação Técnica Específica 5 (2014) Rev 1 (2015) 1 REVISÃO DE PREÇOS Metodologia de tratamento da revisão de preços em sede de encerramento de operações 1 Aprovada na reunião da CD do ON.2 de 08/05/2015

Leia mais

Portaria n. o 121/

Portaria n. o 121/ Portaria n. o 121/2011 30-03-2011 Assunto: Regulamenta e estabelece as condições de aplicação da contribuição sobre o sector bancário A Lei n.º 55-A/2010, de 31 de Dezembro, estabeleceu no seu artigo 141.º

Leia mais

Olá, pessoal! Chegamos ao nosso décimo primeiro módulo. No módulo 10, tratamos dos recursos. Agora veremos algumas questões sobre a fase executiva.

Olá, pessoal! Chegamos ao nosso décimo primeiro módulo. No módulo 10, tratamos dos recursos. Agora veremos algumas questões sobre a fase executiva. CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROCESSO CIVIL PONTO A PONTO PARA TRIBUNAIS MÓDULO 11 EXECUÇÃO Professora: Janaína Noleto Curso Agora Eu Passo () Olá, pessoal! Chegamos ao nosso décimo primeiro módulo.

Leia mais

Regulamento de Arbitragem. Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Algarve

Regulamento de Arbitragem. Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Algarve Regulamento de Arbitragem Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Algarve Capítulo 1 Objeto, natureza e âmbito geográfico Artigo 1.º Objeto O Centro de Informação, Mediação e Arbitragem de Conflitos

Leia mais

II O Conselho Distrital tem competência para emitir parecer, nos termos do disposto no artigo 50.º, nº 1, al. f) do E.O.A.

II O Conselho Distrital tem competência para emitir parecer, nos termos do disposto no artigo 50.º, nº 1, al. f) do E.O.A. PARECER Nº 59/PP/2014-P CONCLUSÕES 1 - Não existe incompatibilidade para o exercício da advocacia por parte de Advogado que seja Tesoureiro de junta de freguesia. 2 O advogado que tesoureiro de uma junta

Leia mais

TRAMITAÇÃO ELETRÓNICA DOS PROCESSOS JUDICIAIS - CITIUS

TRAMITAÇÃO ELETRÓNICA DOS PROCESSOS JUDICIAIS - CITIUS TRAMITAÇÃO ELETRÓNICA DOS PROCESSOS JUDICIAIS - CITIUS (Portaria n.º 280/2013, de 26 de agosto) A entrada em vigor do novo Código de Processo Civil, aprovado pela Lei n.º 41/2013, de 26 de junho, implica

Leia mais

Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa Banco de Portugal (Rua do Ouro, 27, Lisboa)

Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa Banco de Portugal (Rua do Ouro, 27, Lisboa) FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES, EM CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição

Leia mais

Artigo 1.º. Objeto do Regulamento

Artigo 1.º. Objeto do Regulamento Artigo 1.º Objeto do Regulamento O presente regulamento define o estatuto do Provedor do Cliente da ACP Mobilidade Sociedade de Seguros de Assistência, SA. ( Sociedade ) e as regras de funcionamento daquele

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 A Situação Concreta Exposição da Situação Concreta e de suas mais de 50 Petições Vinculadas...1

Sumário. Capítulo 1 A Situação Concreta Exposição da Situação Concreta e de suas mais de 50 Petições Vinculadas...1 Sumário Capítulo 1 A Situação Concreta... 1 1.1. Exposição da Situação Concreta e de suas mais de 50 Petições Vinculadas...1 Capítulo 2 Petições Cíveis: Procedimento Comum... 7 2.1. Petição Inicial...7

Leia mais

Título I PETIÇÃO INICIAL Capítulo I PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL Fundamento legal Cabimento Espécies de ritos do processo do

Título I PETIÇÃO INICIAL Capítulo I PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL Fundamento legal Cabimento Espécies de ritos do processo do Sumário Manual de Prática Trabalhista Título I PETIÇÃO INICIAL PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL Fundamento legal... 19 Cabimento... 19 Espécies de ritos do processo do trabalho... 19 Rito sumário...

Leia mais

PROPOSTA DE ORÇAMENTO DE ESTADO PARA PROCEDIMENTO E PROCESSO TRIBUTÁRIO

PROPOSTA DE ORÇAMENTO DE ESTADO PARA PROCEDIMENTO E PROCESSO TRIBUTÁRIO PROPOSTA DE ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2017 - PROCEDIMENTO E PROCESSO TRIBUTÁRIO Suzana Fernandes da Costa formacao@sfcadvogados.com.pt 05/12/2016 Proposta de Orçamento de Estado para 2017 Alterações previstas

Leia mais

Provedoria do Cliente. Regulamento de Funcionamento

Provedoria do Cliente. Regulamento de Funcionamento Provedoria do Cliente Regulamento de Funcionamento Provedoria do Cliente da Abarca - Companhia de Seguros, SA Regulamento de Funcionamento Artigo 1.º - Objecto 1. O presente documento tem por objecto definir

Leia mais

DECRETO N.º 41/XI. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 41/XI. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 41/XI Derrogação do sigilo bancário (21.ª alteração à Lei Geral Tributária, aprovada pelo Decreto-Lei n.º 398/98, de 17 de Dezembro, e segunda alteração ao Decreto-Lei n.º 62/2005, de 11 de

Leia mais

8/2010: 7.500,01 AO CRIME DE ABUSO DE D

8/2010: 7.500,01 AO CRIME DE ABUSO DE D Novembro 2010 O ACÓRDÃO DO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE FIXAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA N.º N 8/2010: A INAPLICABILIDADE DO LIMITE MÍNIMO DE 7.500,01 8/2010: 7.500,01 AO CRIME DE ABUSO DE D CONFIANÇA CONTRA

Leia mais

Por iniciativa das partes (art. 262 Regra Geral). Princípio da Inércia. Princípio Dispositivo. Desenvolvimento por impulso oficial.

Por iniciativa das partes (art. 262 Regra Geral). Princípio da Inércia. Princípio Dispositivo. Desenvolvimento por impulso oficial. Direito Processual Civil I EXERCÍCIOS - 2º BIMESTRE Professor: Francisco Henrique J. M. Bomfim 1. a) Explique como ocorre a formação da relação jurídica processual: R. Início do Processo: Por iniciativa

Leia mais

Tax News Flash nº 15/2014 Os impostos peça a peça

Tax News Flash nº 15/2014 Os impostos peça a peça 18 de Dezembro de 2014 Tax News Flash nº 15/2014 Os impostos peça a peça Lei n.º 22/14, de 5 de Dezembro Aprovação do Código do Processo Tributário No âmbito da reforma do sistema tributário em curso foi

Leia mais

Direito Processual Civil II - Turma A

Direito Processual Civil II - Turma A Direito Processual Civil II - Turma A Regência: Professor Doutor Miguel Teixeira de Sousa 28 de Julho de 206 Duração: 2 horas Em de Janeiro de 206, A e B celebraram em Lisboa com C um contrato-promessa

Leia mais

NOÇÕES PRELIMINARES SOBRE O PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE LANÇAMENTO DE OFÍCIO NO ESTADO DE SÃO PAULO 7ª PARTE

NOÇÕES PRELIMINARES SOBRE O PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE LANÇAMENTO DE OFÍCIO NO ESTADO DE SÃO PAULO 7ª PARTE NOÇÕES PRELIMINARES SOBRE O PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE LANÇAMENTO DE OFÍCIO NO ESTADO DE SÃO PAULO 7ª PARTE Alencar Frederico Mestre em Direito pela Universidade Metodista de Piracicaba;

Leia mais

Referência: AEN2ABT N.º 08/2014 CADERNO DE ENCARGOS

Referência: AEN2ABT N.º 08/2014 CADERNO DE ENCARGOS Referência: AEN2ABT N.º 08/2014 CADERNO DE ENCARGOS Aquisição de Serviços de Transporte Escolar em Táxi para a Escola Básica e Secundária Dr. Manuel Fernandes e Escola Básica António Torrado do Agrupamento

Leia mais

Calendário: 02/10 II. Princípios do Direito Processual Tributário

Calendário: 02/10 II. Princípios do Direito Processual Tributário Mestrado: Forense Disciplina: Processo Tributário Docente: Carla Castelo Trindade (ccastelotrindade@gmail.com) Ano lectivo: 2014-2015 Semestre: 1º 18/09 Apresentação 25/09 I. Introdução Calendário: 02/10

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Prazos Capítulo 2 Incompetência: principais mudanças

Sumário Capítulo 1 Prazos Capítulo 2 Incompetência: principais mudanças Sumário Capítulo 1 Prazos 1.1. Forma de contagem: somente em dias úteis 1.2. Prática do ato processual antes da publicação 1.3. Uniformização dos prazos para recursos 1.4. Prazos para os pronunciamentos

Leia mais

Trata-se de uma situação excecional para vigorar apenas no ano em curso.

Trata-se de uma situação excecional para vigorar apenas no ano em curso. PL 157/2013 Exposição de Motivos Na sequência da decisão do Tribunal Constitucional sobre o Orçamento do Estado do ano de 2012, a Lei do Orçamento do Estado para 2013 estabeleceu que um dos subsídios anteriormente

Leia mais

LIVRO I Do Processo de Conhecimento...1

LIVRO I Do Processo de Conhecimento...1 Sumário LIVRO I Do Processo de Conhecimento...1 Capítulo 1 Da Jurisdição...3 1.1. Conceito de Jurisdição... 5 1.2. Exercício da Jurisdição Quem Exerce a Jurisdição?...15 1.3. Características da Jurisdição...17

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 530/XII/3 (PSD, CDS-PP) - «LEI QUE DEFINE OS PRINCÍPIOS QUE REGEM A COBERTURA JORNALÍSTICA DAS ELEIÇÕES E DOS REFERENDOS NACIONAIS»

PROJETO DE LEI N.º 530/XII/3 (PSD, CDS-PP) - «LEI QUE DEFINE OS PRINCÍPIOS QUE REGEM A COBERTURA JORNALÍSTICA DAS ELEIÇÕES E DOS REFERENDOS NACIONAIS» PROJETO DE LEI N.º 530/XII/3 (PSD, CDS-PP) - «LEI QUE DEFINE OS PRINCÍPIOS QUE REGEM A COBERTURA JORNALÍSTICA DAS ELEIÇÕES E DOS REFERENDOS NACIONAIS» PROPOSTA DE SUBSTITUIÇÃO REGIME JURÍDICO DA COBERTURA

Leia mais