LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO DOS PROCESSOS EXECUTIVOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO DOS PROCESSOS EXECUTIVOS"

Transcrição

1 LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO DOS PROCESSOS EXECUTIVOS DADOS GERAIS PROCESSO N.º TRIBUNAL: JUÍZO: SECÇÃO: DATA DE ENTRADA: _ TÍTULO EXECUTIVO: TIPO DE EXECUÇÃO: EXECUÇÃO INICIADA ANTES DE 15/09/2003: FORMA DE PROCESSO SUMÁRIA: FORMA DE PROCESSO ORDINÁRIA: VALOR (EUROS): EXEQUENTE: PESSOA SINGULAR PESSOA COLECTIVA EXECUTADO: PESSOA SINGULAR PESSOA COLECTIVA NÚMERO DE EXECUTADOS: OU MAIS AGENTE DE EXECUÇÃO OFICIAL DE JUSTIÇA FASE INICIAL DATA DE ENVIO DO PROCESSO AO AGENTE DE EXECUÇÃO: REMESSA PARA DESPACHO LIMINAR: SIM CITAÇÃO PRÉVIA: SIM PESSOAL EDITAL - 1 -

2 PESQUISA E IDENTIFICAÇÃO DE BENS CONSULTA DO REGISTO INFORMÁTICO DE EXECUÇÕES: SIM REMESSA DO PROCESSO (ART. 832.º): SIM PESQUISA DE BENS : SIM IDENTIFICAÇÃO DE BENS: SIM TIPO DE BENS IDENTIFICADOS : BENS IMÓVEIS: SALDOS BANCÁRIOS: VENCIMENTOS OU PENSÕES: VEÍCULOS: OUTROS BENS MÓVEIS SUJEITOS A REGISTO: BENS MÓVEIS NÃO SUJEITOS A REGISTO: FASE DA PENHORA PENHORA DE BENS: SIM TIPO DE BENS PENHORADOS: SALDOS BANCÁRIOS: DATA: _ RENDIMENTOS PERIÓDICOS (VENCIMENTOS OU PENSÕES): _ VEÍCULOS: DATA _ OUTROS BENS MÓVEIS SUJEITOS A REGISTO: DATA _ BENS MÓVEIS NÃO SUJEITOS A REGISTO: DATA _ BENS IMÓVEIS: DATA _ OUTROS: ESPECIFIQUE QUAIS: DATA _ CITAÇÃO EXECUTADO : PESSOAL EDITAL CITAÇÃO CÔNJUGE: SIM CITAÇÃO CREDORES: SIM - 2 -

3 INCIDENTES DEDUZIDOS: SIM OPOSIÇÃO À EXECUÇÃO: OPOSIÇÃO À PENHORA: RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS SIM EMBARGOS DE TERCEIRO: OUTROS: QUAIS: INCIDENTE COM EFEITO SUSPENSIVO: SIM QUAL: PROCESSO SUSPENSO DESDE (DATA) / / A FASE DA VENDA DILIGÊNCIAS DE VENDA: SIM DATA DE INÍCIO: / / VENDA DOS BENS PENHORADOS: SIM VALOR RECUPERADO COM VENDA/PENHORA (EUROS): SALDOS BANCÁRIOS: RENDIMENTOS PERIÓDICOS (VENCIMENTOS OU PENSÕES): VEÍCULOS: OUTROS BENS MÓVEIS SUJEITOS A REGISTO: BENS MÓVEIS NÃO SUJEITOS A REGISTO: BENS IMÓVEIS: OUTROS: FASE DO PAGAMENTO ACORDO DE PAGAMENTO EM PRESTAÇÕES DA DÍVIDA EXEQUENDA: SIM DATA CELEBRAÇÃO ACORDO: _ PERÍODO ACORDADO (EM MESES): SUSPENSÃO DA EXECUÇÃO POR ACORDO DE PAGAMENTO: SIM - 3 -

4 ACORDO INCUMPRIDO: SIM PROSSEGUIMENTO DA EXECUÇÃO (DATA DATA): / / ACORDO EM FASE DE CUMPRIMENTO: SIM ACORDO INTEGRALMENTE CUMPRIDO: SIM QUANTIA PAGA NOS TERMOS DO ACORDO CELEBRADO: MAIS DO QUE 1 ACORDO DE PAGAMENTO CELEBRADO: SIM ENTREGA DO PRODUTO DA PENHORA/VENDA AO EXEQUENTE: SIM DATA:_ QUANTIA: ADJUDICAÇÃO DE BENS PENHORADOS: SIM DATA:_ QUANTIA: CONSIGNAÇÃO DE RENDIMENTOS: SIM DATA:_ QUANTIA: ENTREGA DE DINHEIRO - PAGAMENTO VOLUNTÁRIO PARCIAL: SIM DATA:_ QUANTIA: ENTREGA DE DINHEIRO - PAGAMENTO VOLUNTÁRIO INTEGRAL: SIM DATA: QUANTIA: - 4 -

5 OUTRAS VICISSITUDES OCORRIDAS NO PROCESSO DESTITUIÇÃO DO AGENTE DE EXECUÇÃO: SIM DESTITUIÇÃO JUDICIAL: DESTITUIÇÃO PELA CPEE: DATA: SUBSTITUIÇÃO DO AGENTE DE EXECUÇÃO DESTITUÍDO: SIM DATA DA SUBSTITUIÇÃO: SUBSTITUIÇÃO DO AGENTE DE EXECUÇÃO: SIM MOTIVO: LIVRE SUBSTITUIÇÃO DO AGENTE DE EXECUÇÃO PELO EXEQUENTE: SIM SUSPENSÃO DA EXECUÇÃO POR NÃO TEREM SIDO ENCONTRADOS OU INDICADOS BENS À PENHORA (ART. 832.º/3 E 833.º-B/6 CPC): SIM DATA SUSPENSÃO:_ RETOMA DO ANDAMENTO DO PROCESSO: _ SUSPENSÃO DA EXECUÇÃO NOS CASOS DE INSOLVÊNCIA (ART. 870.º CPC): SIM DATA SUSPENSÃO:_ SUSTAÇÃO DA EXECUÇÃO SOBRE DETERMINADOS BENS (ART. 871.º CPC) SIM TIPO DE BEM PENHORADO: DATA SUSTAÇÃO:_ PERÍODO PREVISÍVEL SUSTAÇÃO: CONTINUAÇÃO DO ANDAMENTO DO PROCESSO: SIM - 5 -

6 RETOMA DO ANDAMENTO DO PROCESSO (QUANDO A EXECUÇÃO TENHA FICADO TOTALMENTE PARADA): _ INTERRUPÇÃO DA INSTÂNCIA: SIM DATA: _ PERÍODO DE INTERRUPÇÃO: RETOMA DO ANDAMENTO DO PROCESSO: _ INFORMAÇÃO REPORTADA À PRESENTE DATA: (FASE EM QUE O PROCESSO SE ENCONTRA) FASE INICIAL AGUARDA DESPACHO LIMINAR DO JUIZ: REALIZAÇÃO DE DILIGÊNCIAS DE CITAÇÃO PRÉVIA DO EXECUTADO: IDENTIFICAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE BENS DILIGÊNCIAS DE IDENTIFICAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE BENS EM CURSO: AGUARDA DESPACHO JUDICIAL DE AUTORIZAÇÃO DE PENHORA DE SALDOS BANCÁRIOS: AGUARDA RESULTADO DAS DILIGÊNCIAS DE IDENTIFICAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE BENS: AGUARDA INFORMAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS: AGUARDA RESPOSTA SEGURANÇA SOCIAL: AGUARDA RESPOSTA FINANÇAS: AGUARDA RESPOSTA DE OUTRAS ENTIDADES: - 6 -

7 PENHORA DESCONTOS SOBRE RENDIMENTOS PERIÓDICOS PENHORADOS EM CURSO: EXISTEM OUTROS BENS PENHORADOS: SIM TIPO DE BENS: NÃO SABE DILIGÊNCIAS DE PENHORA EM CURSO: TIPO DE BENS: CITAÇÃO DILIGÊNCIAS DE CITAÇÃO DO EXECUTADO: CITAÇÃO PESSOAL CITAÇÃO EDITAL REALIZAÇÃO DE DILIGÊNCIAS DE CITAÇÃO DO CÔNJUGE EXECUTADO: REALIZAÇÃO DE DILIGÊNCIAS DE CITAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL E FINANÇAS: REALIZAÇÃO DE DILIGÊNCIAS DE CITAÇÃO DE OUTROS CREDORES RECLAMANTES: VENDA AGUARDA VENDA DE BENS PENHORADOS: TIPO DE BENS: SUSPENSÃO AGUARDA DECISÃO FINAL DE INCIDENTE DECLARATIVO COM EFEITO SUSPENSIVO: PROCESSO SUSPENSO POR FALTA DE BENS PENHORÁVEIS: PROCESSO SUSPENSO POR FORÇA DA PENDÊNCIA DE PROCESSO DE INSOLVÊNCIA: AGUARDA O TERMO DOS DESCONTOS FEITOS À ORDEM DE OUTRO PROCESSO (PARA SE DAR INÍCIO AOS DESCONTOS NESTE PROCESSO): PROCESSOS SUSPENSO POR ACORDO DE PAGAMENTO DA DÍVIDA EM PRESTAÇÕES (AGUARDA CUMPRIMENTO INTEGRAL): - 7 -

8 PAGAMENTO DE PROVISÕES, TARIFAS E CUSTAS AGUARDA PAGAMENTO, PELO EXEQUENTE, DA PROVISÃO INICIAL AO AGENTE DE EXECUÇÃO: AGUARDA PAGAMENTO, PELO EXEQUENTE, DE PROVISÃO SUBSEQUENTE AO AGENTE DE EXECUÇÃO: AGUARDA PAGAMENTO, PELO EXEQUENTE, DOS HONORÁRIOS E DESPESAS DO AGENTE DE EXECUÇÃO: AGUARDA PAGAMENTO, PELO EXECUTADO, DOS HONORÁRIOS E DESPESAS DO AGENTE DE EXECUÇÃO: AGUARDA ELABORAÇÃO DA CONTA DE CUSTAS: AGUARDA PAGAMENTO DA CONTA DE CUSTAS PELO EXECUTADO: EXTINÇÃO DA EXECUÇÃO AGUARDA COMUNICAÇÃO DE EXTINÇÃO DA EXECUÇÃO PELO AGENTE DE EXECUÇÃO: AGUARDA SENTENÇA JUDICIAL DE EXTINÇÃO DA EXECUÇÃO: OUTRO AGUARDA IMPULSO DAS PARTES: EXEQUENTE: EXECUTADO: DILIGÊNCIA: AGUARDA IMPULSO DO AGENTE DE EXECUÇÃO: DILIGÊNCIA: AGUARDA DESPACHO JUDICIAL: DILIGÊNCIA: OUTRO: ESPECIFIQUE: - 8 -

9 VALOR EM DÍVIDA: INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR, COM RELEVÂNCIA PARA A TRAMITAÇÃO E DURAÇÃO DO PROCESSO : (CAMPO DESTINADO AO REGISTO DE OUTRAS INFORMAÇÕES QUE SE JULGUE TEREM PERTINÊNCIA PARA A DETECÇÃO DOS PRINCIPAIS MOTIVOS RESPONSÁVEIS PELA LONGA DURAÇÃO DO PROCESSO) - 9 -

10 LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO DOS PROCESSOS LABORAIS DADOS GERAIS PROCESSO N.º: TRIBUNAL: JUÍZO: SECÇÃO: DATA DA ENTRADA DO PROCESSO NO TRIBUNAL: TIPO DE PROCESSO: VALOR (EUROS): PEDIDO: CARACTERIZAÇÃO DO AUTOR: EMPREGADOR TRABALHADOR OUTRO QUAL: NÚMERO:1 2 3 OU MAIS CARACTERIZAÇÃO DO RÉU: EMPREGADOR TRABALHADOR OUTRO QUAL: NÚMERO:1 2 3 OU MAIS CARACTERIZAÇÃO DOS PRINCIPAIS ACTOS PROCESSUAIS DATA DA APRECIAÇÃO LIMINAR:

11 DESPACHO DE APERFEIÇOAMENTO: SIM DATA: _ DATA DA CITAÇÃO DO RÉU: MEDIDAS CAUTELARES : SIM DATA DO DECRETAMENTO DAS MEDIDAS CAUTELARES: DATA DA AUDIÊNCIA DE PARTES: TENTATIVA DE CONCILIAÇÃO: SIM CONTESTAÇÃO: SIM PRORROGAÇÃO DO PRAZO PARA CONTESTAR: SIM DATA DA NOTIFICAÇÃO DO OFERECIMENTO DA CONTESTAÇÃO: RESPOSTA À CONTESTAÇÃO: SIM OUTROS ARTICULADOS SUPERVENIENTES: SIM DESPACHO DE APERFEIÇOAMENTO E PARA SUPRIMENTO DE EXCEPÇÕES DILATÓRIAS: SIM DATA AUDIÊNCIA PRELIMINAR: SIM DATA : / / DATA DA AUDIÊNCIA FINAL:

12 DATA DA SENTENÇA FINAL: VICISSITUDES DA INSTÂNCIA SUSPENSÃO DA INSTÂNCIA: SIM MOTIVO DA SUSPENSÃO: DATA DE INÍCIO: DATA DO PROSSEGUIMENTO DA INSTÂNCIA: INTERRUPÇÃO DA INSTÂNCIA: SIM DATA DA INTERRUPÇÃO: DATA DO PROSSEGUIMENTO DA INSTÂNCIA: INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR, COM RELEVÂNCIA PARA A TRAMITAÇÃO E DURAÇÃO DO PROCESSO : (CAMPO DESTINADO AO REGISTO DE OUTRAS INFORMAÇÕES QUE SE JULGUE TEREM PERTINÊNCIA PARA A DETECÇÃO DOS PRINCIPAIS MOTIVOS RESPONSÁVEIS PELA LONGA DURAÇÃO DO PROCESSO)

13 LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO DOS PROCESSOS DE INSOLVÊNCIA DADOS GERAIS PROCESSO N.º: TRIBUNAL: SECÇÃO: DATA DA APRESENTAÇÃO À INSOLVÊNCIA: CARACTERIZAÇÃO DO DEVEDOR: PESSOA SINGULAR PESSOA COLECTIVA APRESENTAÇÃO À INSOLVÊNCIA: PELO DEVEDOR POR TERCEIRO FASE INICIAL DATA DA APRECIAÇÃO LIMINAR: DESPACHO DE APERFEIÇOAMENTO: SIM DATA: _ DATA DA CITAÇÃO DO DEVEDOR: OPOSIÇÃO DO DEVEDOR: SIM MEDIDAS CAUTELARES : SIM DATA DO DECRETAMENTO DAS MEDIDAS CAUTELARES:

14 DATA DA AUDIÊNCIA DE DISCUSSÃO E JULGAMENTO PARA DECLARAÇÃO DA INSOLVÊNCIA: DATA DA SENTENÇA DE DECLARAÇÃO DE INSOLVÊNCIA: DATA DO COMPLEMENTO DE SENTENÇA DE DECLARAÇÃO DE INSOLVÊNCIA, CASO EXISTA: DATA DA ÚLTIMA NOTIFICAÇÃO DA SENTENÇA DE DECLARAÇÃO DE INSOLVÊNCIA: DATA DA ÚLTIMA CITAÇÃO: DATA DA CITAÇÃO EDITAL: DATA DO REGISTO DA DECLARAÇÃO DE INSOLVÊNCIA: NA CONSERVATÓRIA DO REGISTO CIVIL: NA CONSERVATÓRIA DO REGISTO PREDIAL: NOUTRO REGISTO PÚBLICO: ESPECIFIQUE QUAL: NO REGISTO INFORMÁTICO DE EXECUÇÕES: OPOSIÇÃO DE EMBARGOS : SIM DATA DA OPOSIÇÃO: DATA DA SENTENÇA: INTERPOSIÇÃO DE RECURSO DA DECISÃO DA OPOSIÇÃO: SIM DATA DA INTERPOSIÇÃO DE RECURSO DA DECISÃO DA OPOSIÇÃO: DATA DO ACÓRDÃO DO TRIBUNAL SUPERIOR:

15 RECURSO DA SENTENÇA DECLARATÓRIA DA INSOLVÊNCIA: SIM DATA DA INTERPOSIÇÃO DO RECURSO: DATA DO ACÓRDÃO: INSOLVÊNCIA DE PESSOAS SINGULARES CASO APLICÁVEL, APRESENTAÇÃO DE PLANO DE PAGAMENTO: SIM EM QUE MOMENTO: NA PETIÇÃO INICIAL NO PRAZO PARA A CONTESTAÇÃO REQUERIMENTO DE EXONERAÇÃO DO PASSIVO RESTANTE: SIM MOMENTO DO REQUERIMENTO DE EXONERAÇÃO DO PASSIVO RESTANTE: NO REQUERIMENTO DA APRESENTAÇÃO À INSOLVÊNCIA: NOS 10 DIAS POSTERIORES À CITAÇÃO: NOUTRO MOMENTO DATA: CASO TENHA SIDO INDEFERIDO LIMINARMENTE, DATA DO INDEFERIMENTO: ADMISSÃO DO PEDIDO DE EXONERAÇÃO DO PASSIVO RESTANTE: SIM CASO TENHA SIDO ADMITIDO, DATA DO DESPACHO INICIAL: / / RECURSO DO DESPACHO INICIAL DE ADMISSÃO DO PEDIDO: SIM DECISÃO FINAL DE EXONERAÇÃO DO PASSIVO RESTANTE: SIM ADMINISTRADOR DA INSOLVÊNCIA O ADMINISTRADOR DA INSOLVÊNCIA NOMEADO NA SENTENÇA DECLARATÓRIA DA INSOLVÊNCIA FOI: DESTITUÍDO: SIM DATA: SUBSTITUÍDO NA SEQUÊNCIA DA DESTITUIÇÃO? SIM

16 SUBSTITUÍDO POR OUTRO MOTIVO: SIM DATA: MOTIVO: DATAS DA APRESENTAÇÃO DOS RELATÓRIOS TRIMESTRAIS SOBRE O ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DA LIQUIDAÇÃO DA MASSA INSOLVENTE (ARTIGO 61.º DO CIRE): DATA: DATA: DATA: DATA: DATA: DATA: DATAS DE APRESENTAÇÃO DE CONTAS PELO ADMINISTRADOR DA INSOLVÊNCIA: PRESTAÇÃO DE CONTAS POR TERCEIRO, POR INCUMPRIMENTO DOS PRAZOS LEGAIS A QUE ESTÁ OBRIGADO O ADMINISTRADOR DA INSOLVÊNCIA? SIM RECLAMAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE CRÉDITOS DATA DO TERMO DO PRAZO PARA A RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS: DATA DA APRESENTAÇÃO DA LISTA DOS CRÉDITOS RECONHECIDOS : DATA DA APRESENTAÇÃO DA LISTA DOS CRÉDITOS NÃO RECONHECIDOS: IMPUGNAÇÃO DA LISTA DOS CRÉDITOS RECONHECIDOS: SIM SE FOR AFIRMATIVA A RESPOSTA À QUESTÃO ANTERIOR: DATA DA ÚLTIMA IMPUGNAÇÃO FORMULADA:

17 DATA DO PARECER DA COMISSÃO DE CREDORES, CASO APLICÁVEL: DATA DA PROLAÇÃO DO DESPACHO DE DESIGNAÇÃO DE DATA PARA A TENTATIVA DE CONCILIAÇÃO: DATA DA AUDIÊNCIA DE REALIZAÇÃO DA TENTATIVA DE CONCILIAÇÃO: EXISTÊNCIA DE DILIGÊNCIAS INSTRUTÓRIAS: SIM DATA DA ÚLTIMA DILIGÊNCIA INSTRUTÓRIA: DATA DA AUDIÊNCIA DE DISCUSSÃO E JULGAMENTO: DATA DA SENTENÇA DE VERIFICAÇÃO E GRADUAÇÃO DOS CRÉDITOS: INCIDENTE DE SEPARAÇÃO E RESTITUIÇÃO DE BENS: SIM RESTITUIÇÃO OU SEPARAÇÃO DE BENS APREENDIDOS TARDIAMENTE: SIM NÃO ACÇÃO PARA VERIFICAÇÃO ULTERIOR DE CRÉDITOS: SIM EM CASO AFIRMATIVO, INDIQUE A DATA DA SENTENÇA DE VERIFICAÇÃO DE CRÉDITOS : / / APREENSÃO E LIQUIDAÇÃO DE BENS CASO APLICÁVEL, DISPENSA DE LIQUIDAÇÃO: SIM APREENSÃO DE BENS POR MEIO DE DEPRECADA: SIM DATA DE EXPEDIÇÃO DA DEPRECADA: DATA DE CUMPRIMENTO DA DEPRECADA:

18 DATA DA JUNÇÃO DO ARROLAMENTO E DO BALANÇO AOS AUTOS: DATA DA REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA DE CREDORES PARA APRECIAÇÃO DO RELATÓRIO: PAGAMENTOS ANTECIPADOS: SIM RATEIOS PARCIAIS : SIM DATA DA DISTRIBUIÇÃO OU DO RATEIO FINAL: PLANO DE INSOLVÊNCIA APRESENTAÇÃO DE PLANO DE INSOLVÊNCIA: SIM SUSPENSÃO DA LIQUIDAÇÃO: SIM NÃO ADMISSÃO DO PLANO DE INSOLVÊNCIA: SIM DATA DA CONVOCAÇÃO DA ASSEMBLEIA DE CREDORES PARA DISCUSSÃO E APROVAÇÃO DO PLANO DE INSOLVÊNCIA: DATA DE REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA DE CREDORES PARA DISCUSSÃO E APROVAÇÃO DO PLANO DE INSOLVÊNCIA: APROVAÇÃO DO PLANO DE INSOLVÊNCIA: SIM EM CASO AFIRMATIVO, INDIQUE A DATA DA SENTENÇA HOMOLOGATÓRIA DO PLANO DE INSOLVÊNCIA:

19 INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO DA INSOLVÊNCIA ABERTURA DO INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO DA INSOLVÊNCIA: SIM EM CASO NEGATIVO, MOTIVO: INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO DA INSOLVÊNCIA: SIM TIPO DE INCIDENTE: PLENO LIMITADO DATA DE APRESENTAÇÃO DO PARECER FUNDAMENTADO DO ADMINISTRADOR DA INSOLVÊNCIA SOBRE A QUALIFICAÇÃO: DATA DE PRONÚNCIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO SOBRE O PARECER FUNDAMENTADO DO ADMINISTRADOR DA INSOLVÊNCIA SOBRE A QUALIFICAÇÃO: QUALIFICAÇÃO DA INSOLVÊNCIA: FORTUITA CULPOSA DATA DA SENTENÇA DE QUALIFICAÇÃO DA INSOLVÊNCIA: DATA DA NOTIFICAÇÃO DO DEVEDOR E CITAÇÃO DOS AFECTADOS PELA INSOLVÊNCIA, SE OS HOUVER, EM CASO DE QUALIFICAÇÃO DA INSOLVÊNCIA COMO CULPOSA: OPOSIÇÃO À QUALIFICAÇÃO: SIM

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Índice Geral...5 Nota dos Autores...7 Lei n.º 16/2012, de 20 de Abril...9 CÓDIGO DA INSOLVÊNCIA E DA RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Índice Geral...5 Nota dos Autores...7 Lei n.º 16/2012, de 20 de Abril...9 CÓDIGO DA INSOLVÊNCIA E DA RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS ÍNDICE SISTEMÁTICO Índice Geral...5 Nota dos Autores...7 Lei n.º 16/2012, de 20 de Abril...9 CÓDIGO DA INSOLVÊNCIA E DA RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS Título I - Disposições introdutórias... 29 Capítulo I - Disposições

Leia mais

CNEF SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL II (PROCESSO EXECUTIVO) O processo executivo será ministrado em 12 sessões de 2 horas.

CNEF SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL II (PROCESSO EXECUTIVO) O processo executivo será ministrado em 12 sessões de 2 horas. CNEF SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL II (PROCESSO EXECUTIVO) O processo executivo será ministrado em 12 sessões de 2 horas. 1ª Sessão a) conceito e fim da execução; b) formas do precesso de execução:

Leia mais

Direito Processual Civil Executivo. Programa

Direito Processual Civil Executivo. Programa Direito Processual Civil Executivo Programa Rui Pinto Duarte 2010/2011 I Aspectos Gerais 1. Noção de acção executiva 2. O princípio do dispositivo na acção executiva (3.º, 810 e 675-A) 3. Execução individual

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO Prática Processual Civil Programa I CONSULTA JURÍDICA 1.1 Consulta jurídica 1.2 Tentativa de resolução amigável 1.3 Gestão do cliente e seu processo II PATROCÍNIO

Leia mais

Prática Processual Civil. Programa

Prática Processual Civil. Programa ORDEM DOS ADVOGADOS COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO Prática Processual Civil Programa I - A CONSULTA JURÍDICA 1.1 - A consulta ao cliente 1.2 - Tentativa de resolução amigável 1.3 - A gestão do

Leia mais

Recuperação Judicial de Créditos vs Recuperação da Empresa

Recuperação Judicial de Créditos vs Recuperação da Empresa RODOLFO VERMELHO Agente de Execução Cédula n.º 5357 Recuperação Judicial de Créditos vs Recuperação da Empresa A Tramitação da Acção Executiva e a Probabilidade da Recuperação do Crédito 02 de Abril de

Leia mais

Código de Processo Civil de 2013

Código de Processo Civil de 2013 Acção executiva Código de Processo Civil de 2013 Paulo Pimenta Porto - 21 de Novembro de 2013 o novo regime das espécies de títulos executivos (art. 703º) princípio da tipicidade forte restrição à exequibilidade

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS EM SEDE DE PROCESSO DE EXECUÇÃO

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS EM SEDE DE PROCESSO DE EXECUÇÃO De boas MANUAL DE BOAS PRÁTICAS EM SEDE DE PROCESSO DE EXECUÇÃO INTRODUÇÃO A instalação deste Juízo e a reunião de todas as acções executivas pendentes na Ilha da Madeira, impôs a necessidade de articular

Leia mais

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL DE 2013

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL DE 2013 CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL DE 2013 Paulo Pimenta 5 de Setembro de 2013 Etapas por que passou a reforma do processo civil - 1ª Comissão (Dezembro 2009 / Novembro 2010) - 2ª Comissão (Setembro 2011 / Dezembro

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 710/11.7 TBVNG - 2º Juízo Cível Insolvente: JOSÉ MANUEL DA SILVA MACEDO Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto

Leia mais

FASE DE FORMAÇÃO INICIAL - PROGRAMA DE PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL I I - ACESSO AO DIREITO II - ACTOS PROCESSUAIS DAS PARTES

FASE DE FORMAÇÃO INICIAL - PROGRAMA DE PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL I I - ACESSO AO DIREITO II - ACTOS PROCESSUAIS DAS PARTES Prática Processual Civil I FASE DE FORMAÇÃO INICIAL - PROGRAMA DE PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL I I - ACESSO AO DIREITO Modalidades do acesso ao direito e à justiça. O conceito de insuficiência económica. Revogação

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 A Situação Concreta Exposição da Situação Concreta e de suas mais de 50 Petições Vinculadas...1

Sumário. Capítulo 1 A Situação Concreta Exposição da Situação Concreta e de suas mais de 50 Petições Vinculadas...1 Sumário Capítulo 1 A Situação Concreta... 1 1.1. Exposição da Situação Concreta e de suas mais de 50 Petições Vinculadas...1 Capítulo 2 Petições Cíveis: Procedimento Comum... 7 2.1. Petição Inicial...7

Leia mais

Apresenta: Nótulas à Lei n.º 32/2014 de 30 de maio (PEPEX)

Apresenta: Nótulas à Lei n.º 32/2014 de 30 de maio (PEPEX) Apresenta: Nótulas à Lei n.º 32/2014 de 30 de maio (PEPEX) Natureza e finalidade: Procedimento Extrajudicial O Procedimento extrajudicial pré-executivo é um procedimento de natureza facultativa que se

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MACAU FACULDADE DE DIREITO. Curso de Licenciatura em Direito em Língua Portuguesa. Ano lectivo de 2014/2015

UNIVERSIDADE DE MACAU FACULDADE DE DIREITO. Curso de Licenciatura em Direito em Língua Portuguesa. Ano lectivo de 2014/2015 UNIVERSIDADE DE MACAU FACULDADE DE DIREITO Curso de Licenciatura em Direito em Língua Portuguesa Ano lectivo de 2014/2015 DIREITO PROCESSUAL CIVIL I (Disciplina anual do 3.º ano) Responsável pela regência:

Leia mais

SUMÁRIO A ESSÊNCIA DO CPC DE 2015 E AS NOVAS

SUMÁRIO A ESSÊNCIA DO CPC DE 2015 E AS NOVAS Sumário SUMÁRIO A ESSÊNCIA DO CPC DE 2015 E AS NOVAS TENDÊNCIAS PARA OS CONCURSOS PÚBLICOS... 15 CÓDIGO PROCESSUAL CIVIL... 37 PARTE GERAL LIVRO I DAS NORMAS PROCESSUAIS CIVIS... 37 TÍTULO ÚNICO DAS NORMAS

Leia mais

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO NOME Teresa Maria de Melo Madail Fátima Varela Agentes de Execução INTERVENIENTES FUNÇÃO Juiz de Direito titular do Juízo de Execução de Águeda Escrivã do Juízo de Execução de Águeda Agentes de Execução

Leia mais

Capítulo 1. A Interdisciplinaridade do Direito Tributário... 3

Capítulo 1. A Interdisciplinaridade do Direito Tributário... 3 Sumário Parte I Introdução... 1 Capítulo 1. A Interdisciplinaridade do Direito Tributário... 3 Parte II Petição inicial e contestação... 7 Capítulo 1. Introdução... 9 Capítulo 2. Estrutura da petição inicial...

Leia mais

PROVIMENTO N.º 2/2013. (Juízo de Execução

PROVIMENTO N.º 2/2013. (Juízo de Execução PROVIMENTO N.º 2/2013 (Juízo de Execução de Ovar) Considerando a entrada em vigor no pretérito dia 1 de setembro do novo Código de Processo Civil, aprovado em anexo à Lei n.º 41/2013, de 26 de junho, que

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL II

DIREITO PROCESSUAL CIVIL II UNIVERSIDADE DE MACAU FACULDADE DE DIREITO CURSO DE LICENCIATURA EM DIREITO EM LÍNGUA PORTUGUESA (Primeiro Semestre 4 horas semanais) Ano académico de 2016/2017 4.º ano Responsável pela leccionação: Cândida

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 9.480/13.3 TBVNG 2º Juízo Cível Insolvente: FERNANDO JORGE MARTINS PEREIRA DA SILVA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 10.767/11.5 TBVNG 1º Juízo Cível Insolvente: ANA ALEXANDRA DE OLIVEIRA PAIVA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto

Leia mais

Seminário Internacional

Seminário Internacional Seminário Internacional Reforma Judiciária: as leis processuais e a reorganização dos tribunais UMA NOVA VISÃO PARA A AÇÃO EXECUTIVA Armando A Oliveira Câmara dos Solicitadores As crises O agente de execução

Leia mais

Regulamento das Cus stas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais

Regulamento das Cus stas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais 1 Conceito de taxa de justiça no C.C.J. A taxa de justiça do processo corresponde ao somatório das taxas de justiça inicial e subsequente de cada

Leia mais

Sumário PARTE I ASPECTOS PROCESSUAIS GERAIS

Sumário PARTE I ASPECTOS PROCESSUAIS GERAIS Sumário PARTE I ASPECTOS PROCESSUAIS GERAIS 1 Jurisdição 1.1 Introdução 1.2 Conceito e características 1.3 Divisão da jurisdição 1.4 Organização judiciária 2 Direito Processual Civil 2.1 Conceito e delimitação

Leia mais

- PORTARIA N.º 225/2013, de 10 de julho: alteração à Portaria n.º 331- B/2009, de 30 de março

- PORTARIA N.º 225/2013, de 10 de julho: alteração à Portaria n.º 331- B/2009, de 30 de março DIPLOMAS - LEI N.º 41/2013, de 26 de junho: aprova o CPC - PORTARIA N.º 225/2013, de 10 de julho: alteração à Portaria n.º 331- B/2009, de 30 de março - DECLARAÇÃO DE RETIFICAÇÃO N.º 36/2013, de 12 de

Leia mais

SUMÁRIO. Direito do Trabalho Direito Processual Civil Direito Processual do Trabalho

SUMÁRIO. Direito do Trabalho Direito Processual Civil Direito Processual do Trabalho SUMÁRIO Direito do Trabalho... 05 Direito Processual Civil... 139 Direito Processual do Trabalho... 195 DIREITO DO TRABALHO ÍNDICE CAPÍTULO 01... 7 Fontes e Princípios de Direito do Trabalho... 7 Surgimento

Leia mais

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL LEI 41/2013, DE 26/6

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL LEI 41/2013, DE 26/6 CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL LEI 41/2013, DE 26/6 * Lei n.º 62/2013, de 26 de Agosto (Lei da Organização do Sistema Judiciário) * Declaração de Retificação nº 36/2013, de 12 de Agosto * Portaria nº 280/2013,

Leia mais

Título I PETIÇÃO INICIAL Capítulo I PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL Fundamento legal Cabimento Espécies de ritos do processo do

Título I PETIÇÃO INICIAL Capítulo I PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL Fundamento legal Cabimento Espécies de ritos do processo do Sumário Manual de Prática Trabalhista Título I PETIÇÃO INICIAL PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL Fundamento legal... 19 Cabimento... 19 Espécies de ritos do processo do trabalho... 19 Rito sumário...

Leia mais

Índice (CPC/2015) Índice (CPC/2015) PARTE GERAL TÍTULO I DA JURISDIÇÃO E DA AÇÃO Seção II Do Auxílio Direto Arts.

Índice (CPC/2015) Índice (CPC/2015) PARTE GERAL TÍTULO I DA JURISDIÇÃO E DA AÇÃO Seção II Do Auxílio Direto Arts. Índice (CPC/2015) Índice (CPC/2015) PARTE GERAL LIVRO I DAS NORMAS PROCESSUAIS CIVIS... 39 TÍTULO ÚNICO DAS NORMAS FUNDAMENTAIS E DA APLICAÇÃO DAS NORMAS PROCESSUAIS... 39 CAPÍTULO I DAS NORMAS FUNDAMENTAIS

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Prazos Capítulo 2 Incompetência: principais mudanças

Sumário Capítulo 1 Prazos Capítulo 2 Incompetência: principais mudanças Sumário Capítulo 1 Prazos 1.1. Forma de contagem: somente em dias úteis 1.2. Prática do ato processual antes da publicação 1.3. Uniformização dos prazos para recursos 1.4. Prazos para os pronunciamentos

Leia mais

LIVRO I Do Processo de Conhecimento...1

LIVRO I Do Processo de Conhecimento...1 Sumário LIVRO I Do Processo de Conhecimento...1 Capítulo 1 Da Jurisdição...3 1.1. Conceito de Jurisdição... 5 1.2. Exercício da Jurisdição Quem Exerce a Jurisdição?...15 1.3. Características da Jurisdição...17

Leia mais

IVA ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES. Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA).

IVA ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES. Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA). IVA 14-03-2015 ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES 1 -REGIME TRANSITÓRIO (créditos vencidos até 31/12/2012) Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA). a) Se a data relevante para a dedução,

Leia mais

Sumário. Os autores... 5 Lista de abreviaturas e siglas Apresentação Parte I

Sumário. Os autores... 5 Lista de abreviaturas e siglas Apresentação Parte I Sumário Os autores... 5 Lista de abreviaturas e siglas... 15 Apresentação... 17 Parte I Questões preliminares Capítulo I Formação do título executivo... 21 Marilei Fortuna Godoi Introdução... 21 1. Aspectos

Leia mais

RELATÓRIO PERIÓDICO. 1 - Acções Laborais I II III I II I II III A Acções Laborais

RELATÓRIO PERIÓDICO. 1 - Acções Laborais I II III I II I II III A Acções Laborais RELATÓRIO PERIÓDICO COMARCA DE: NOME DO MAGISTRADO: PERÍODO A QUE RESPEITA: DATA: CÍRCULO DE 1 - Acções Laborais Processos Conciliações Acções Arquivamento Acções Recebidos Pré-Judiciais Propostas Pedido

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Execução I. Prof. Luiz Dellore

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Execução I. Prof. Luiz Dellore DIREITO PROCESSUAL CIVIL Execução I Prof. Luiz Dellore Inadimplemento + título executivo extrajudicial: Processo de execução. PARTE ESPECIAL LIVRO II DO PROCESSO DE EXECUÇÃO Sempre? Art. 785. A existência

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 1.261/13.0 TBVNG 6º Juízo Cível Insolventes: JOSÉ LUIS MONTEIRO ALVES E MARIA ISOLINA SILVA AMORIM Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado

Leia mais

Plano de pagamento de dívidas suspende execuções fiscais. Empresas que cheguem a acordo, ainda que provisório, com os

Plano de pagamento de dívidas suspende execuções fiscais. Empresas que cheguem a acordo, ainda que provisório, com os Plano de pagamento de dívidas suspende execuções fiscais INSOLVÊNCIAS Plano de pagamento de dívidas suspende execuções fiscais Empresas que cheguem a acordo, ainda que provisório, com os credores, verão

Leia mais

CURSO PARA EMPREGADOS FORENSES

CURSO PARA EMPREGADOS FORENSES PROGRAMA CURSO PARA EMPREGADOS FORENSES DE AGENTES DE EXECUÇÃO Abril/Maio 2012 Braga Viseu Santarém Faro Departamento de Formação - Câmara dos Solicitadores 2011 Avenida José Malhoa, 16-1B2 1070 159 Lisboa-Portugal

Leia mais

A Tutela Cautelar no Procedimento e no Processo Administrativo. Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados Lisboa, 31/01/2016

A Tutela Cautelar no Procedimento e no Processo Administrativo. Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados Lisboa, 31/01/2016 A Tutela Cautelar no Procedimento e no Processo Administrativo Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados Lisboa, 31/01/2016 Código do Procedimento Administrativo Medidas Provisórias CPA 1991 Artigo

Leia mais

Ano Letivo: Grupo Disciplinar: Ciências Jurídico-Forenses ECTS: 6,0. Regime: D, PL. Semestre: S1

Ano Letivo: Grupo Disciplinar: Ciências Jurídico-Forenses ECTS: 6,0. Regime: D, PL. Semestre: S1 PROCESSO EXECUTIVO [5453313] GERAL Ano Letivo: 201617 Grupo Disciplinar: Ciências Jurídico-Forenses ECTS: 6,0 Regime: D, PL Semestre: S1 OBJETIVOS Contextualizar a acção executiva no actual paradigma da

Leia mais

Página 4 16 Trata se de resposta aos embargos à execução em que se aduz essencialmente a falta de capacidade postulatória.

Página 4 16 Trata se de resposta aos embargos à execução em que se aduz essencialmente a falta de capacidade postulatória. Página 1 1 Contestação à ação de despejo por falta de pagamento, em que o réu alega falta de interesse de agir do autor, visto que, em havendo título executivo a via adequada não é a ação de conhecimento.

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Direito Processual

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Direito Processual INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 25/3/2015 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 20/5/2015 Ficha de Unidade

Leia mais

Olá, pessoal! Chegamos ao nosso décimo primeiro módulo. No módulo 10, tratamos dos recursos. Agora veremos algumas questões sobre a fase executiva.

Olá, pessoal! Chegamos ao nosso décimo primeiro módulo. No módulo 10, tratamos dos recursos. Agora veremos algumas questões sobre a fase executiva. CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROCESSO CIVIL PONTO A PONTO PARA TRIBUNAIS MÓDULO 11 EXECUÇÃO Professora: Janaína Noleto Curso Agora Eu Passo () Olá, pessoal! Chegamos ao nosso décimo primeiro módulo.

Leia mais

Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Economista com. escritório na Quinta do Agrelo, Rua do Agrelo, nº 236, Castelões, em Vila Nova

Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Economista com. escritório na Quinta do Agrelo, Rua do Agrelo, nº 236, Castelões, em Vila Nova Exmo(a). Senhor(a) Doutor(a) Juiz de Direito da 2ª Secção de Comércio da Instância Central de Vila Nova de Gaia J1 Processo 1810/16.2T8VNG Insolvência de Deolinda Gomes Coelho da Silva V/Referência: Data:

Leia mais

A ARBITRAGEM NA ACÇÃO EXECUTIVA

A ARBITRAGEM NA ACÇÃO EXECUTIVA 2.º CONFERÊNCIA INTERNACIONAL PROMOVER A EFICÁCIA DAS EXECUÇÕES E WORKSHOP BOAS PRÁTICAS NA ACTIVIDADE DO AGENTE DE EXECUÇÃO A ARBITRAGEM NA ACÇÃO EXECUTIVA ANA CABRAL DIA 24 DE SETEMBRO DE 2011 SUMÁRIO

Leia mais

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. Prof. Eduardo

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. Prof. Eduardo CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Prof. Eduardo A que se presta o Código de Processo Civil? FACULDADE ASSIS GURGACZ CÓDIGO CIVIL DE 2002 Parte Geral Livro I Das pessoas Livro II Dos bens Livro III Dos fatos jurídicos

Leia mais

Madeira: Justiça passa a funcionar por objetivos Segunda, 10 Outubro :08

Madeira: Justiça passa a funcionar por objetivos Segunda, 10 Outubro :08 A Comarca da Madeira já está a funcionar por objetivos. Os procedimentos processuais passaram a ter prazos para cumprir, tornando-se agora mais previsível o tempo estimado para a resolução de um processo.

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação 2007/1 ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO PROCESSUAL CIVIL III Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO À EXECUÇÃO FISCAL...

SUMÁRIO INTRODUÇÃO À EXECUÇÃO FISCAL... SUMÁRIO 17 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À EXECUÇÃO FISCAL... 27 1. A Execução Fiscal como instrumento arrecadatório... 27 2. Caráter social da execução fiscal. Princípios da igualdade e da livre concorrência...

Leia mais

Portaria 279/2013 de 26.08

Portaria 279/2013 de 26.08 Portaria 279/2013 de 26.08 Em destaque : Alterações aos procedimentos para inclusão na lista pública de execuções Artºs 2º, 3º e 4º Início do procedimento : Notificação/citação ( consoante o caso ), de

Leia mais

CURSO DE PREPARAÇÃO PARA O

CURSO DE PREPARAÇÃO PARA O CURSO DE PREPARAÇÃO PARA O EXAME DE ACESSO À CARREIRA DE ADMINISTRADOR DE INSOLVÊNCIA a) A designação da ação: Curso de Preparação para o Exame de Acesso à Carreira de Administrador de Insolvência b) A

Leia mais

RELATÓRIO DO ADMINISTRADOR DA INSOLVÊNCIA (art.º 155.º CIRE)

RELATÓRIO DO ADMINISTRADOR DA INSOLVÊNCIA (art.º 155.º CIRE) 2015 RELATÓRIO DO ADMINISTRADOR DA INSOLVÊNCIA (art.º 155.º CIRE) Tribunal da Comarca de Braga Guimarães Instância Central 1.ª Secção do Comércio J2 Processo n.º 3354/14.8T8GMR Nuno Albuquerque Teresa

Leia mais

SUMÁRIO PARTE I INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS PARA UMA APROPRIADA POSTULAÇÃO EM JUÍZO 1 INTRODUÇÃO

SUMÁRIO PARTE I INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS PARA UMA APROPRIADA POSTULAÇÃO EM JUÍZO 1 INTRODUÇÃO SUMÁRIO PARTE I INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS PARA UMA APROPRIADA POSTULAÇÃO EM JUÍZO 1 INTRODUÇÃO 2 SOLUÇÃO DE LITÍGIOS PERANTE O PODER JUDICIÁRIO 2.1 Estrutura jurisdicional brasileira 2.2 Lide, processo e

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 6.896/11.3 TBMTS 6º Juízo Cível Insolventes: PAULO ALEXANDRE SOUSA NOGUEIRA E MARIA DO CÉU ATAÍDE SOUSA VAQUEIRO Tribunal Judicial de Matosinhos RELATÓRIO O presente RELATÓRIO

Leia mais

Juizados Especiais. Aula 11 ( ) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor)

Juizados Especiais. Aula 11 ( ) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) Juizados Especiais Aula 11 (07.05.13) Vinicius Pedrosa Santos (magistrado e professor) e-mail: vinipedrosa@uol.com.br Ementa da aula Execução e embargos fundados em título judicial Execução e embargos

Leia mais

Código das Sociedades Comerciais

Código das Sociedades Comerciais Código das Sociedades Comerciais Decreto-Lei n.º 262/86 Artigo 1.º - Aprovação do Código das Soc. Comerciais Artigo 2.º - Começo de vigência Artigo 3.º - Revogação do direito anterior [Rectificado pelo

Leia mais

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas (CTOC) Formação à Distância

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas (CTOC) Formação à Distância Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas (CTOC) Formação à Distância CURSO DIS0809 1 - OBJECTIVOS : Curso: PROCESSO DE EXECUÇÃO FISCAL O curso de Processo de Execução Fiscal visa facultar aos TOC os conhecimentos

Leia mais

PartE I PrÁtICa ProCEssuaL

PartE I PrÁtICa ProCEssuaL sumário PartE I PrÁtICa ProCEssuaL capítulo 1 evolução Histórica... 3 capítulo 2 PrincíPios... 5 2.1. Celeridade... 5 2.2. Informalidade... 5 2.3. oralidade... 6 2.4. Concentração... 6 2.5. Jus Postulandi...

Leia mais

Ações judiciais na locação de imóveis urbanos

Ações judiciais na locação de imóveis urbanos Ações judiciais na locação de imóveis urbanos Ação revisional de aluguel Ação de consignação de aluguel e acessórios da locação Prof. Denis Donoso Denis Donoso blogspot.denisdonoso.com.br Apresentação

Leia mais

INTERVENÇÕES EM PROCESSOS JUDICIAIS E OUTROS PROCEDIMENTOS para efeitos de cumprimento do disposto nos números 1, 2 e 5 do artigo 22º

INTERVENÇÕES EM PROCESSOS JUDICIAIS E OUTROS PROCEDIMENTOS para efeitos de cumprimento do disposto nos números 1, 2 e 5 do artigo 22º INTERVENÇÕES EM PROCESSOS JUDICIAIS E OUTROS PROCEDIMENTOS para efeitos de cumprimento do disposto nos números 1, 2 e 5 do artigo 22º do REGULAMENTO NACIONAL DE ESTÁGIO (Regulamento nº 913 A/2015) A segunda

Leia mais

Manual de Prática Trabalhista - 6ª Edição - Cinthia Machado de Oliveira. Título I PETIÇÃO INICIAL Capítulo I PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL

Manual de Prática Trabalhista - 6ª Edição - Cinthia Machado de Oliveira. Título I PETIÇÃO INICIAL Capítulo I PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL SUMÁRIO Título I PETIÇÃO INICIAL PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL Fundamento legal... 15 Cabimento... 15 Espécies de ritos do processo do trabalho... 16 Rito sumário... 16 Rito sumaríssimo... 16

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155.º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155.º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de Insolvência n.º 2792 /15.3 T8STS Insolvente: PAULA CRISTINA PEREIRA LINO Comarca do Porto Instância Central 1ª Secção de Comércio Juiz 1 SANTO TIRSO RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado

Leia mais

Processo n 1313/14.OTTLSB.L1 Acordam os Juízes da Secção Social do Tribunal da Relação de Lisboa:

Processo n 1313/14.OTTLSB.L1 Acordam os Juízes da Secção Social do Tribunal da Relação de Lisboa: Processo n 1313/14.OTTLSB.L1 Acordam os Juízes da Secção Social do Tribunal da Relação de Lisboa: Relatório Nos presentes autos de execução de sentença que R, residente no B, n 22, 3 Esq, 1100-081 Lisboa,

Leia mais

(Sumário elaborado pela Relatora) Acordam os Juízes no Tribunal da Relação de Lisboa:

(Sumário elaborado pela Relatora) Acordam os Juízes no Tribunal da Relação de Lisboa: Acórdãos TRL Processo: 258/14.8TBPDL.L1 6 Relator: ANABELA CALAFATE Descritores: ADMINISTRADOR DE INSOLVÊNCIA REMUNERAÇÃO Nº do Documento: RL Data do Acordão: 02 07 2015 Votação: UNANIMIDADE Texto Integral:

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Cumprimento de sentença. Prof. Luiz Dellore

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Cumprimento de sentença. Prof. Luiz Dellore DIREITO PROCESSUAL CIVIL Cumprimento de sentença Prof. Luiz Dellore 1. Finalidades dos processos 1.1 Processo de conhecimento: crise de incerteza 1.2 Processo de execução: crise de inadimplemento 2. Requisitos

Leia mais

Regulamento das Custas Processuais ADENDA

Regulamento das Custas Processuais ADENDA DECRETO-LEI Nº 398/98, DE 17 DE DEZEMBRO Regulamento das Custas Processuais 2013 9ª EDIÇÃO ALTERAÇÕES ADENDA I O Regulamento alterado pelo Decreto-Lei nº 126/2013, de 30 de agosto 1. Página 109, artigo

Leia mais

Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Economista com escritório na. Quinta do Agrelo, Rua do Agrelo, nº 236, Castelões, em Vila Nova de Famalicão,

Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Economista com escritório na. Quinta do Agrelo, Rua do Agrelo, nº 236, Castelões, em Vila Nova de Famalicão, Exmo(a). Senhor(a) Doutor(a) Juiz de Direito do Tribunal Judicial de Vila Nova de Famalicão 4º Juízo Cível Processo nº 1438/08.0TJVNF Insolvência de António Jorge Pinto Ferreira Alves V/Referência: Data:

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO PROCESSUAL CIVIL DECLARATIVO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO PROCESSUAL CIVIL DECLARATIVO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular DIREITO PROCESSUAL CIVIL DECLARATIVO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Solicitadoria 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITO

Leia mais

Renovação de Reconhecimento CEE/GP 266/06 de 13 de julho de D.O.E. 14/07/2006 Autarquia Municipal

Renovação de Reconhecimento CEE/GP 266/06 de 13 de julho de D.O.E. 14/07/2006 Autarquia Municipal DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL 2013 EMENTA DIREITO CIVIL: Noções gerais. Capacidade Civil e disponibilidade e indisponibilidade de direitos. Atos e negócios jurídicos. Vícios de consentimento. Prescrição

Leia mais

CONCEITO. (Rocha Azevedo)

CONCEITO. (Rocha Azevedo) FALÊNCIA CONCEITO "é o processo de execução específico, contra empresário ou sociedade empresária insolvente, instaurador de comunhão incidental organizada entre todos os credores, por direitos e obrigações

Leia mais

Santo Tirso. Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Economista com escritório na Quinta

Santo Tirso. Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Economista com escritório na Quinta Exmo(a). Senhor(a) Doutor(a) Juiz de Direito da 1ª Secção de Comércio da Instância Central de Santo Tirso J3 V/Referência: Data: Processo nº 3822/15.4T8STS Insolvência de Carla Maria Hora Maia Ferreira

Leia mais

CURSO DE PREPARAÇÃO PARA O EXAME DE ACESSO

CURSO DE PREPARAÇÃO PARA O EXAME DE ACESSO PROGRAMA CURSO DE PREPARAÇÃO PARA O EXAME DE ACESSO AO ESTÁGIO DE AGENTES DE EXECUÇÃO Destinatários: Solicitadores Data: Novembro 2011 Locais: Lisboa Porto Leiria Beja Mirandela Portimão Idanha-a-Nova

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 5.216/14.0 TBVNG - UP 2 JUIZ 4 Insolvente: PAULA CRISTINA COSTA CAMPOS Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DIREITO PROCESSUAL CIVIL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DIREITO PROCESSUAL CIVIL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DIREITO PROCESSUAL CIVIL 1. APRESENTAÇÃO A Pós-Graduação em Direito Processual Civil da FAACZ visa à conjugação das referidas áreas em meio à atualização da legislação em vigor,

Leia mais

Introdução. 1. Nomeação dos Senhores Administradores de Insolvência. 2. Requerimentos/Notificações. 3. Relatório artigo 155º. Do C.I.R.E.

Introdução. 1. Nomeação dos Senhores Administradores de Insolvência. 2. Requerimentos/Notificações. 3. Relatório artigo 155º. Do C.I.R.E. FUNCHAL INSTÂNCIA CENTRAL SECÇÃO DE COMÉRCIO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS EM SEDE DE PROCESSO DE INSOLVÊNCIA E DE PROCESSO ESPECIAL DE REVITALIZAÇÃO Índice Introdução 1. Nomeação dos Senhores Administradores

Leia mais

PARTE I O PROCEDIMENTO TRIBUTÁRIO E AS GARANTIAS PROCEDIMENTAIS

PARTE I O PROCEDIMENTO TRIBUTÁRIO E AS GARANTIAS PROCEDIMENTAIS Mestrado: FORENSE Disciplina: PROCESSO TRIBUTÁRIO Docente: MESTRE ISABEL MARQUES DA SILVA Ano lectivo: 2008-2009 Semestre: 2.º 1. Programa da disciplina: INTRODUÇÃO 1. Fontes imediatas do processo tributário

Leia mais

MUNICIPÍO DE FERREIRA DO ZEZERE LISTAGEM DE PROCESSOS JUDICIAIS PENDENTES E SUA EVOLUÇÃO PROCESSUAL (Em cumprimento do artigo 25.º, n.º 2, alínea c), conjugado com o artigo 35.º, n.º 4, ambos da Lei n.º

Leia mais

CAMARA DOS SOLICITADORES Insolvência e Recuperação de Empresas DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS DA INSOLVÊNCIA DE PESSOAS SINGULARES TÍTULO XII

CAMARA DOS SOLICITADORES Insolvência e Recuperação de Empresas DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS DA INSOLVÊNCIA DE PESSOAS SINGULARES TÍTULO XII Insolvência e Recuperação de Empresas DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS DA INSOLVÊNCIA DE PESSOAS SINGULARES TÍTULO XII l TELEMÓVEL: 912 380 067 - l.oliveira.ai@gmail.com 1 Insolvência e Recuperação de Empresas

Leia mais

Prática Processual Civil I 30 de Janeiro de 2009

Prática Processual Civil I 30 de Janeiro de 2009 Prática Processual Civil I 30 de Janeiro de 2009 Leia com atenção os textos que seguem e responda de maneira clara e concisa às questões que vão colocadas, fundamentando sempre as respostas que der nos

Leia mais

Introdução de Referencias MB em notificações de penhora

Introdução de Referencias MB em notificações de penhora Introdução de Referencias MB em notificações de penhora Implementação de referências MB nas notificações para penhora de créditos, salário, etc. Modelos no SISAAE/GPESE Data: 20 de Setembro de 2011 V1.1

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA, LISBOA 27 DE NOVEMBRO DE 2015 Ana Celeste Carvalho

UNIVERSIDADE CATÓLICA, LISBOA 27 DE NOVEMBRO DE 2015 Ana Celeste Carvalho UNIVERSIDADE CATÓLICA, LISBOA 27 DE NOVEMBRO DE 2015 Ana Celeste Carvalho O Artigo 45.º sofre alterações (exercício de clarificação): - pressuposto material da norma: que a pretensão do autor seja fundada

Leia mais

Capítulo I TEORIA GERAL DO PROCESSO PRINCÍPIOS E NORMAS FUNDAMENTAIS JURISDIÇÃO Generalidades e conceito

Capítulo I TEORIA GERAL DO PROCESSO PRINCÍPIOS E NORMAS FUNDAMENTAIS JURISDIÇÃO Generalidades e conceito Capítulo I TEORIA GERAL DO PROCESSO... 21 1. PRINCÍPIOS E NORMAS FUNDAMENTAIS... 21 2. JURISDIÇÃO... 26 2.1. Generalidades e conceito... 26 2.2. Características... 27 2.3. Divisão... 28 3. AÇÃO E PROCESSO...

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155.º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155.º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Proc.º de Insolvência n.º 331/16.8 T8AMT Insolvente: LUÍS MANUEL GONÇALVES DE SOUSA Comarca do Porto Este Instância Central Secção de Comércio Juiz 2 Amarante RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina DIR323 Direito Empresarial IV - Recuperações e Falência

Programa Analítico de Disciplina DIR323 Direito Empresarial IV - Recuperações e Falência Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina DIR33 Direito Empresarial IV - Recuperações e Falência Departamento de Direito - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Número de

Leia mais

Cumprimento de Sentença e Execução. Ricardo de Carvalho Aprigliano

Cumprimento de Sentença e Execução. Ricardo de Carvalho Aprigliano Cumprimento de Sentença e Execução Ricardo de Carvalho Aprigliano Considerações iniciais Antes da execução Cumprimento de sentença Intimação do devedor pelo DJE na pessoa do seu advogado (art. 513, 2º,I).

Leia mais

São estas as principais razões que subjazem à definição das medidas de agilização do conjunto de procedimentos que, de seguida, se elencam:

São estas as principais razões que subjazem à definição das medidas de agilização do conjunto de procedimentos que, de seguida, se elencam: MEDIDA DE AGILIZAÇÃO NO ÂMBITO DA JURISDIÇÃO DA SECÇÃO DE EXECUÇÃO 1. RAZÃO DE SER No seguimento da reforma do sistema judiciário que se encontra em curso entende-se absolutamente relevante proceder à

Leia mais

Ação Monitória. Mattos, Raquel Monteiro Calanzani de. Ação monitória / Raquel Monteiro Calanzani de Mattos. Varginha, slides.

Ação Monitória. Mattos, Raquel Monteiro Calanzani de. Ação monitória / Raquel Monteiro Calanzani de Mattos. Varginha, slides. Ação Monitória M435a Mattos, Raquel Monteiro Calanzani de. Ação monitória / Raquel Monteiro Calanzani de Mattos. Varginha, 2015. 24 slides. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World

Leia mais

PROCEDIMENTOS ESPECIAIS

PROCEDIMENTOS ESPECIAIS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS AÇÃO MONITÓRIA DA AÇÃO MONITÓRIA Art. 700. A ação monitória pode ser proposta por aquele que afirmar, com base em prova escrita sem eficácia de título executivo, ter direito de

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL

DIREITO PROCESSUAL CIVIL DIREITO PROCESSUAL CIVIL FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) TÉCNICO TRT s 07 PROVAS 34 QUESTÕES (2012 2010) A apostila contém provas de Direito Processual Civil de concursos da Fundação Carlos Chagas (FCC),

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES (7) HERANÇA JACENTE. Artigo 2048.º - (Curador da herança jacente)

DIREITO DAS SUCESSÕES (7) HERANÇA JACENTE. Artigo 2048.º - (Curador da herança jacente) DIREITO DAS SUCESSÕES (7) HERANÇA JACENTE Profa. Dra. Zamira de Assis CAPÍTULO III - Herança jacente Artigo 2046.º - (Noção) Diz-se jacente a herança aberta, mas ainda não aceita nem declarada vaga para

Leia mais

Acção Executiva A Nova Reforma

Acção Executiva A Nova Reforma Acção de formação promovida pelo Conselho Geral e pelo Conselho de Especialidade Solicitador de Execução Câmara dos Solicitadores Lisboa, 13 de Dezembro de 2008 Porto, 20 de Dezembro de 2008 Acção Executiva

Leia mais

CLÍNICAS FORENSES INSOLVÊNCIA

CLÍNICAS FORENSES INSOLVÊNCIA CLÍNICAS FORENSES INSOLVÊNCIA Março 2006 ÍNDICE 1. Boas Vindas 3 2. Horário e Funcionamento 4 3. Metodologia das Sessões 5 4. Programa 6 5. Calendarização das Sessões 7 6. Objectivos e Planificação das

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Cumprimento de sentença II. Prof. Luiz Dellore

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Cumprimento de sentença II. Prof. Luiz Dellore DIREITO PROCESSUAL CIVIL Cumprimento de sentença II Prof. Luiz Dellore 1. Liquidação de sentença: cabível quando o título não determinar exatamente o valor devido pela condenação. Enquanto estiver pendente

Leia mais

CÓDIGO DA INSOLVÊNCIA E DA RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS

CÓDIGO DA INSOLVÊNCIA E DA RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS CÓDIGO DA INSOLVÊNCIA E DA RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS TÍTULO I Disposições introdutórias CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º - Finalidade do processo de insolvência Artigo 2.º - Sujeitos passivos da

Leia mais

Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Economista com escritório na. Quinta do Agrelo, Rua do Agrelo, nº 236, Castelões, em Vila Nova de Famalicão,

Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Economista com escritório na. Quinta do Agrelo, Rua do Agrelo, nº 236, Castelões, em Vila Nova de Famalicão, Exmo(a). Senhor(a) Doutor(a) Juiz de Direito do Tribunal Judicial de Fafe 1º Juízo Processo nº 780/08.5TBFAF Insolvência de Vítor Manuel Paulino Gabriel V/Referência: Data: Nuno Rodolfo da Nova Oliveira

Leia mais

PARTE I DA TEORIA GERAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS CÍVEIS

PARTE I DA TEORIA GERAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS CÍVEIS PARTE I DA TEORIA GERAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS CÍVEIS 1 Introdução: a contextualização histórica da gênese da Lei nº 9.099/95 2 As características básicas dos Juizados Especiais Cíveis 2.1 A estrutura

Leia mais

REFORMA DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL RUMO À CELERIDADE?

REFORMA DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL RUMO À CELERIDADE? 25 de maio de 2012 REFORMA DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL RUMO À CELERIDADE? Num sistema reconhecidamente moroso, a celeridade processual funciona como uma alavanca na procura de novas soluções. Parece ter

Leia mais

SUMÁRIO PARTE 1 AÇÕES PREVISTAS NO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

SUMÁRIO PARTE 1 AÇÕES PREVISTAS NO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL SUMÁRIO PARTE 1 AÇÕES PREVISTAS NO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL 1 PREAMBULARMENTE: REGRAS GERAIS DA PETIÇÃO INICIAL 1.1 Da petição inicial e seus requisitos 1.2 O endereçamento 1.3 Qualificação das partes

Leia mais

NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Lei n.º 41/2013, de 26 de Junho Entrada em vigor a 1 de Setembro de 2013 www.rapososubtil-oa2013.pt Índice da apresentação - Qual o paradigma? - Reforma do Processo Civil?

Leia mais

DESMATERIALIZAÇÃO DE PROCESSOS

DESMATERIALIZAÇÃO DE PROCESSOS DESMATERIALIZAÇÃO DE PROCESSOS I - ENTIDADES DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA II - ENQUADRAMENTO LEGAL III - NOVAS REGRAS/NOVOS PROCEDIMENTOS IV - TRAMITAÇÃO ELECTRÓNICA V - FACTOS E NÚMEROS 1 I. ENTIDADES DO

Leia mais