RELATÓRIO DA REUNIÃO DO COMITÊ GESTOR AGILIDADE QUALIDADE SISTEMATIZAÇÃO DAS VISITAS TÉCNICAS 23 e SALVADOR/BA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DA REUNIÃO DO COMITÊ GESTOR AGILIDADE QUALIDADE SISTEMATIZAÇÃO DAS VISITAS TÉCNICAS 23 e 24.07.2013 - SALVADOR/BA"

Transcrição

1 RELATÓRIO DA REUNIÃO DO COMITÊ GESTOR AGILIDADE QUALIDADE SISTEMATIZAÇÃO DAS VISITAS TÉCNICAS 23 e SALVADOR/BA 1. PARTICIPANTES DA REUNIÃO: Conselheiro Jaylson Campelo (presidente) TCE/PI Conselheiro Edilberto Pontes TCE/CE IRB Conselheiro Edilson Silva TCE/RO Conselheiro Fernando Catão TCE/PB Risodalva Castro Atricon Américo Correa Atricon Maria Salete Oliveira TCE/BA André Dietrich TCE/RS José Luiz do Nascimento TCE/RO 2. PAUTA: Sistematização das visitas técnicas aos Tcs, com base no que dispõe o Regulamento Atricon 01/2013, aprovado pelo Conselho Deliberativo da Atricon no dia 02/07/2013, em reunião conjunta com as Diretorias da Atricon e do IRB e Presidentes dos Tcs.

2 3. DENOMINAÇÃO DO PROCEDIMENTO NOS TCs: Visita Técnica 4. MEMBROS DO COMITÊ GESTOR no atual manter 12 Conselheiros ou Conselheiros Substitutos titulares no próximo submeter à Assembleia, no Congresso: proposta de inclusão formal de 12 titulares e 12 suplentes 5. MANDATO DO COMITÊ GESTOR: atual provisório até final 2013 próximo submeter à Assembleia, no Congresso: proposta de mandato de 2 anos, coincidentes com a gestão da Atricon 6. CUSTEIO DAS VISITAS TÉCNICAS: em 2013 a Atricon custeará as despesas com diárias dos Conselheiros e técnicos integrantes do Comitê Gestor caberá ao respectivo TC custear as passagens e o deslocamento de outros técnicos que eventualmente acompanharem os Conselheiros

3 a partir de 2014 submter à Assembleia, no Congresso, nova proposta de financiamento das visitas técnicas 7. COMPOSIÇÃO DOS SUBGRUPOS DO COMITÊ GESTOR E RESPECTIVOS TCS (definidos mediante sorteio): GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPO 3 GRUPO 4 GRUPO 5 GRUPO 6 Conselheiros Conselheiros Conselheiros Conselheiros Conselheiros Conselheiros Caldas Furtado Sebastião Ranna Edilson Silva Jaylson Campelo Paulo Curi Neto Cezar Miola TCE/RS TCE/MA (coordenador) TCE/ES (coordenador) TCE/RO (coordenador) TCE/PI (coordenador) TCE/RO (coordenador) (coordenador) Edilberto Pontes - Fernando Catão Marcos Loreto Gildásio Penedo Cláudio Terrão - Maria Thereza TCE/CE TCE/PB TCE/PE TCE/BA TCE/MG TCM/GO Técnico Técnico Técnico Técnico Técnico Técnico Américo Correa Risodalva Castro - José Luiz do Maria Salete - TCE/BA Luiz Genédio TC/DF Débora - TCE/RS Atricon Atricon Nascimento - TCE/RO - IRB Tribunais de Contas Tribunais de Contas Tribunais de Contas Tribunais de Contas Tribunais de Contas Tribunais de Contas TC/DF, TCE/GO, TCE/PA, TCM/PA, TCE/RS, TCE/ES, TCE/PB, TCE/PE, TCE/AL, TCE/SE, TCM/CE, TCE/PI, TCM/GO, TCE/TO TCE/MA, TCE/AP TCE/MG, TCE/SP TCE/RN, TCE/RR TCE/BA, TCM/BA TCE/RO, TCE/AC

4 8. PLANO DE AÇÃO: O QUE QUEM QUANDO COMO/PORQUE Realizar reunião do Cons. Jaylson Américo definir Para apresentação da sistemática da visita técnica com o Cons. Antonio Joaquim Preferencialmente em julho/2013 Informar dados das visitas técnicas à Atricon Jaylson Piloto TCE/PB: Até 31/08/2013 Demais Tcs: Até 12/08/2013 Para viabilizar passagens e diárias: cronograma, pessoas, datas, locais, voos, dados pessoais conta bancária, CPF Expedir ofício Atricon/IRB aos Presidentes dos TCs Risodalva Américo Até 02/08/2013 Para comunicar: sistemática, subgrupo responsável, cronograma, roteiro da visita técnica e encaminhar questionário Realizar Visita Técnica Piloto TCE/PB Jaylson 15 e 16/08/2013 Membros do subgrupo responsável mais 01 representante dos demais Responder os questionários Presidentes dos TCs Até 13/08/2013 Tabular as respostas aos questionários Jaylson Risodalva Até 16/08/2013

5 Elaborar proposta de relatório padrão Jaylson Até 14/08/2013 Elaborar proposta de roteiro da visita técnica nos TCs Jaylson Até 14/08/2013 Realizar reunião do Comitê Gestor Jaylson 16/08/2013, no TCE/PB análise do piloto, avaliação das respostas dos Tcs e padronização do relatório Realizar visitas técnicas nos Tcs Subgrupos do Comitê Gestor de 19/08 até 20/09/2013 Elaborar relatório preliminar da visita Subgrupos do até 30/09/2013 Conforme padrão técnica individualizado por TC Comitê Gestor Manifestar sobre o relatório Presidentes dos até 10/10/2013 preliminar da visita técnica TCs Elaborar relatório final da visita Subgrupos do até 29/10/2013 Conforme padrão técnica individualizado por TC Comitê Gestor Elaborar minuta de relatório de resultados consolidados Jaylson Até 14/11/2013 Realizar reunião do Comitê Gestor Jaylson Até 15/11/2013 Para consolidação do resultado geral das visitas

6 técnicas Produzir publicação técnica Américo Até 30/11/2013 Divulgar os resultados das visitas técnicas Jaylson De 03 a 06/12/2013 No Congresso dos TCs 9. QUESTIONÁRIO A SER APLICADO AOS TCs, PREVIAMENTE ÀS VISITAS TÉCNICAS: I - Composição em consonância com a Constituição Federal: 1. A atual composição do TC contempla: 1.1. Quatro do Poder Legislativo 1.2. Um do Poder Executivo de livre nomeação 1.3. Um do Poder Executivo dentre os Conselheiros Substitutos 1.4. Um do Poder Executivo dentre os Procuradores de Contas

7 Comente, se necessário 2. O Ministério Público de Contas é integrado por Procuradores de Contas concursados? 3. Relativamente aos Procuradores de Contas, informe: A quantidade de vagas existentes A quantidade de vagas preenchidas 4. Os Conselheiros Substitutos são concursados? 5. Relativamente aos Conselheiros Substitutos, informe: A quantidade de vagas existentes A quantidade de vagas preenchidas

8 6. São distribuídos diretamente processos aos Conselheiros Substitutos para relatoria? II. Adoção do Código de Ética (membros e servidores): 7. O TC tem Código de Ética formalmente instituído? III - Agilidade do controle externo: 8. Existem denúncias recebidas em 2012 e 2013 que não tenham sido apreciadas no prazo de 6 meses desde o seu recebimento? 9. Existem consultas recebidas em 2012 e 2013 que não tenham sido apreciadas no prazo de 4 meses desde o seu recebimento? 10. Existem processos que tenham sido autuados há mais de 05 anos sem julgamento?

9 11. Identifique o processo mais antigo em tramitação no TC Número do processo Natureza do processo Data da autuação Estágio atual IV - Adoção do Planejamento Estratégico como ferramenta indispensável de gestão: 12. Existe unidade de planejamento na estrutura organizacional? 13. A unidade de planejamento tem atribuições definidas em instrumento normativo?

10 14. A unidade de planejamento tem estrutura própria (física e de pessoal)? Física Pessoal 15. Existe plano estratégico em vigor? 16. Qual o período de abrangência do plano estratégico em vigor? Ano inicial Ano final 17. Há aferição periódica de metas? V - Política de Gestão de Pessoas: 18. Existe Plano de Cargos, Carreiras e Salários instituído?

11 19. Em caso afirmativo, qual a data da aprovação do PCCS em vigor? 20. Existem mecanismos de avaliação de desempenho dos servidores? 21. Há política de saúde e qualidade de vida no trabalho em vigor? 22. Cite algumas práticas: VI - Escola de Contas:

12 23. Existe Escola de Contas (ou equivalente) na estrutura organizacional? 24. A Escola de Contas (ou equivalente) tem atribuições definidas em instrumento normativo? 25. A Escola de Contas (ou equivalente) tem estrutura própria (física e de pessoal)? Física Pessoal 26. Existe plano de capacitação de servidores? 27. Existe plano de capacitação de jurisdicionados? 28. Existe plano de formação de controladores sociais (público-alvo: membros de conselhos, estudantes, cidadãos, sociedade civil, ongs etc)?

13 29. Existe plano de capacitação dos Membros? 30. A Escola de Contas (ou equivalente) realiza ensino à distância? VII - Normas de Auditoria Governamental NAGs: 31. O TC adota formalmente normas de auditoria governamental NAGs? 32. As normas de auditoria governamental NAGs são efetivamente aplicadas? 33. As fiscalizações são realizadas exclusivamente por servidores efetivos do TC?

14 XIII - Auditoria operacional: 34. Há servidores capacitados em auditoria operacional? 35. Em caso afirmativo, quantos? 36. O TC realizou quantas auditorias operacionais em 2012/2013? IX Auditoria de receita: 37. Há servidores habilitados em auditoria de receita?

15 38. Em caso afirmativo, quantos? 39. O TC realizou quantas auditorias de receita em 2012/2013? X - Controle externo concomitante (conforme plano amostral): 40. O TC realiza controle externo concomitante de licitações contratos convênios obras concursos públicos 41. O TC adota regularmente medidas cautelares? 42. Há apreciação oportuna do mérito das medidas cautelares?

16 43. São realizadas inspeções in loco dentro do próprio exercício? XI - Informações estratégicas para o controle externo (atividade de Inteligência): 44. Existe unidade de informações estratégicas para o controle externo na estrutura organizacional? 45. A unidade de informações estratégicas para o controle externo tem atribuições definidas em instrumento normativo? 46. A unidade de informações estratégicas para o controle externo tem estrutura própria (física e de pessoal)? Física

17 46.2. Pessoal 47. O TC aderiu à Rede Nacional de Informações Estratégicas para o Controle Externo? XII - Acompanhamento das decisões: 48. Há mecanismos de acompanhamento do cumprimento das decisões do Tribunal? multas débitos determinações recomendações XIII - Súmula e Jurisprudência: 49. Há sistematização da jurisprudência do TC?

18 50. Há edição de súmulas do TC? 51. Em caso afirmativo, quantas súmulas já foram editadas? 52. As súmulas são disponibilizadas para consulta no sítio do TC? XIV Cooperação técnica com outros órgãos de controle: 53. Existem acordos de cooperação técnica com outros órgãos de controle? 54. Identique: Ministério Público Ministério Público Federal Ministério Público do Trabalho

19 54.5. Polícia Federal Polícia Civil 54.7 Receita Federal do Brasil 54.8 CGU CGE TCU ENCCLA Tcs (identifique): Outros: XV - Controle interno: 55. Existe unidade de controle interno na estrutura organizacional? 56. Em caso afirmativo, os servidores lotados na unidade de controle interno são do quadro permanente de pessoal?

20 57. O controle interno emite relatório anual de auditoria? 58. O controle interno emite pareceres sobre o Relatório de Gestão Fiscal e os balanços contábeis? XVI Corregedoria: 59. Existe Corregedoria na estrutura organizacional? 60. A Corregedoria tem atribuições definidas em instrumento normativo? 61. A Corregedoria tem estrutura própria (física e de pessoal)? Física Pessoal

21 62. A Corregedoria realiza correições periódicas nas unidades? 63. Quantas correições foram realizadas em 2013? 64. Nas correições, a Corregedoria se utiliza do instrumento de recomendações? 65. A Corregedoria tem espaço próprio na intranet para divulgação de informações, orientações, recomendações e provimentos? 66. Existem mecanismos de controle dos prazos processuais pela Corregedoria? XVII Unidade de Tecnologia da Informação: 67. Existe unidade de tecnologia da informação na estrutura organizacional?

22 68. A unidade de de tecnologia da informação tem atribuições definidas em instrumento normativo? 69. A unidade de tecnologia da informação tem estrutura própria (física e de pessoal)? Física Pessoal 70. Existe plano estratégico de TI formalmente constituído e em vigor? 71. Existe comitê de tecnologia da informação instituído? XVIII Ouvidoria: 72. Existe Ouvidoria na estrutura organizacional? 73. A Ouvidoria tem atribuições definidas em instrumento normativo?

23 74. A Ouvidoria tem estrutura própria (física e de pessoal)? Física Pessoal 75. As demandas do cidadão são respondidas efetivamente? 76. Há prazo definido para resposta às demandas do cidadão? 77. Esse prazo é sempre observado? XIX - Cumprimento das regras de transparência:

24 78. O TC observa a Lei de Acesso à Informação na divulgação das informações? Subsídios Salários Diárias Relatórios de auditoria Pareceres Decisões 79. O TC disponibiliza sistema eletrônico de busca de informações por parte do cidadão? 80. O TC implantou o Serviço de Informação ao Cidadão SIC? 81. As sessões do TC são transmitidas externamente? 82. De que forma as sessões são transmitidas? Ao vivo

25 82.2. Posteriormente, na íntegra e sem edição Posteriormente, com edição TV Web XX - Comunicação institucional: 83. Existe unidade de comunicação na estrutura organizacional? 84. A unidade de comunicação tem atribuições definidas em instrumento normativo? 85. A unidade de comunicação tem estrutura própria (física e de pessoal)? Física Pessoal 86. Existe política de comunicação formalmente regulamentada?

26 87. Existe um plano de comunicação em vigor? 88. Quais são os principais instrumentos de comunicação do TC? internet intranet jornal impresso rádio revista telejornal redes sociais jornal eletrônico outros:

Diagnóstico dos. Tribunais de Contas do Brasil. Avaliação da Qualidade e Agilidade do Controle Externo (Revisão por pares) TCE-PE TCE-RN TCE-AL TCE-AP

Diagnóstico dos. Tribunais de Contas do Brasil. Avaliação da Qualidade e Agilidade do Controle Externo (Revisão por pares) TCE-PE TCE-RN TCE-AL TCE-AP TCE-AL TCE-AP TCM-RJ TCE-PE TCE-RN TCE-MA TCM-PA TCE-BA TC-DF TCE-PB TCM-CE TCE-MT TCE-MG TCE-PA TCE-TO TCE-CE TCE-PI TCE-RS TCE-ES TCE-GO TCM-GO TCE-SE TCE-PR TCE-SP TCE-SC TCE-RR TCE-RO Diagnóstico dos

Leia mais

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 08/2014

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 08/2014 RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 08/2014 Altera o indicador de desempenho organizacional constante no Anexo I da Resolução Administrativa nº 06/2010 e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

Leia mais

Independência da Função de Auditoria: Um Ajuste Necessário para o Futuro dos Tribunais de Contas INDEPENDÊNCIA DA FUNÇÃO DE AUDITORIA

Independência da Função de Auditoria: Um Ajuste Necessário para o Futuro dos Tribunais de Contas INDEPENDÊNCIA DA FUNÇÃO DE AUDITORIA Independência da Função de Auditoria: Um Ajuste Necessário para o Futuro dos Tribunais de Contas INDEPENDÊNCIA DA FUNÇÃO DE AUDITORIA Sistema de Controle Externo - BR 34 Tribunais de Contas 1 TCU; 27 TCEs,

Leia mais

MÉTRICA DE AVALIAÇÃO DOS SÍTIOS E PORTAIS CORPORATIVOS DOS TRIBUNAIS DE CONTAS BRASILEIROS

MÉTRICA DE AVALIAÇÃO DOS SÍTIOS E PORTAIS CORPORATIVOS DOS TRIBUNAIS DE CONTAS BRASILEIROS MÉTRICA DE AVALIAÇÃO DOS SÍTIOS E PORTAIS CORPORATIVOS DOS TRIBUNAIS DE CONTAS BRASILEIROS Objetivo geral Avaliar os portais e sítios governamentais dos Tribunais de Contas brasileiros, baseando-se nos

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À CORRUPÇÀO E À LAVAGEM DE DINHEIRO ENCCLA

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À CORRUPÇÀO E À LAVAGEM DE DINHEIRO ENCCLA ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À CORRUPÇÀO E À LAVAGEM DE DINHEIRO ENCCLA Programa Nacional de Capacitação e Treinamento para o Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro PNLD Curso de Capacitação e Treinamento

Leia mais

Domínio E: Celeridade e Tempestividade

Domínio E: Celeridade e Tempestividade Domínio E: Celeridade e Tempestividade 10 Agilidade no julgamento de processos e gerenciamento de prazos pelos Tribunais de Contas (4 domínios) 11 Controle externo concomitante (preventivo) (4 domínios)

Leia mais

Sistemas para o. Controle Externo. Tribunais de Contas. nos. Diagnóstico da situação atual

Sistemas para o. Controle Externo. Tribunais de Contas. nos. Diagnóstico da situação atual nos Sistemas para o Controle Externo Tribunais de Contas Diagnóstico da situação atual nos Sistemas para o Controle Externo Tribunais de Contas Diagnóstico da situação atual Dezembro/2012 OBJETIVO ESTRATÉGICO

Leia mais

Os Tribunais de Contas e a Lei de Acesso à Informação. Conselheiro Antonio Joaquim Presidente da ATRICON

Os Tribunais de Contas e a Lei de Acesso à Informação. Conselheiro Antonio Joaquim Presidente da ATRICON Os Tribunais de Contas e a Lei de Acesso à Informação Conselheiro Antonio Joaquim Presidente da ATRICON O que é a ATRICON 20 anos de fundação Representa conselheiros e auditores substitutos de conselheiros

Leia mais

ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE CONTAS

ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE CONTAS RESOLUÇÃO T.C. Nº 0017/2010 EMENTA: Regulamenta a coordenação e o funcionamento do Sistema de Controle Interno no âmbito do Tribunal de Contas e dá outras providências. O DO ESTADO DE PERNAMBUCO, na sessão

Leia mais

RELATÓRIO DO I FÓRUM DO PROMOEX BELO HORIZONTE, MG, 13 e 14 DE JULHO DE 2006.

RELATÓRIO DO I FÓRUM DO PROMOEX BELO HORIZONTE, MG, 13 e 14 DE JULHO DE 2006. RELATÓRIO DO I FÓRUM DO PROMOEX BELO HORIZONTE, MG, 13 e 14 DE JULHO DE 2006. Reunidos em Belo Horizonte, MG, nos dias 13 e 14 de julho de 2006, os técnicos designados pelos Tribunais de Contas e órgãos

Leia mais

RELATÓRIO DO III FÓRUM DO PROMOEX PROPOSTA DO PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO EM AUDITORIA OPERACIONAL

RELATÓRIO DO III FÓRUM DO PROMOEX PROPOSTA DO PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO EM AUDITORIA OPERACIONAL RELATÓRIO DO III FÓRUM DO PROMOEX PROPOSTA DO PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO EM AUDITORIA OPERACIONAL Recife, 28 e 29 de novembro de 2006 SUMÁRIO RELATÓRIO DO III FÓRUM DO PROMOEX 02 PROPOSTA DO PROGRAMA

Leia mais

Carta da Atricon. Conselheiro ANTONIO JOAQUIM Presidente da ATRICON

Carta da Atricon. Conselheiro ANTONIO JOAQUIM Presidente da ATRICON Carta da Atricon.Um dos ensinamentos mais antigos é o de que aquele que detém informações tem sempre melhores condições para trabalhar. Porque o faz com maior segurança e com a certeza de que as escolhas

Leia mais

DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs

DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs Resolução Atricon 01/2014 Domínio E Estrutura e Gestão de Apoio-QATC 13 - Corregedoria Conselheiro Edilson de Sousa Silva Corregedor-Geral

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 004/2013. O Prefeito Municipal de Governador Lindenberg ES, Estado do Espírito Santo apresenta o presente projeto de lei;

PROJETO DE LEI Nº 004/2013. O Prefeito Municipal de Governador Lindenberg ES, Estado do Espírito Santo apresenta o presente projeto de lei; PROJETO DE LEI Nº 004/2013 Ementa: Dispõe sobre o cargo de controlador interno e auditor público interno do Município de Governador Lindenberg ES e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Governador

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

Relatório de Atividades IRB 2015

Relatório de Atividades IRB 2015 Relatório de Atividades IRB 2015 COMPOSIÇÃO DIRETORIA IRB 2014-2015 Presidente: Conselheiro Sebastião Helvecio Ramos de Castro (TCE/MG) 1º Vice-Presidente Conselheiro Cezar Miola (TCE/RS) 2º Vice-Presidente

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 83/TCE/RO-2011

RESOLUÇÃO N 83/TCE/RO-2011 RESOLUÇÃO N 83/TCE/RO-2011 Dispõe sobre o exercício da fiscalização dos atos de gestão pelo Tribunal de Contas e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso de suas atribuições

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Aripuanã

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Aripuanã LEI Nº. 721/2007 SÚMULA: DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE ARIPUANÃ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Estado de Mato Grosso, seguinte Lei: EDNILSON LUIZ FAITTA, Prefeito Municipal de Aripuanã,

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF A estrutura administrativa do Senado Federal está dividida em três áreas que compreendem os órgãos superiores de execução, órgãos de assessoramento superior e órgão supervisionado. Conheça a estrutura

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a estrutura organizacional do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte e dá outras providências. A GOVERNADORA

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 152/2014/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 152/2014/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 152/2014/TCE-RO Regulamenta as atividades de correição e inspeção no âmbito do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

Leia mais

MINUTAS DE RESOLUÇÃO E DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO

MINUTAS DE RESOLUÇÃO E DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO MINUTAS DE RESOLUÇÃO E DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO TEMÁTICA 11: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO

Leia mais

2 - APLICAÇÃO DO MMD-TC QATC

2 - APLICAÇÃO DO MMD-TC QATC 2.1 - Domínios, Indicadores, Dimensão e Critérios A metodologia do MMD-TC QATC, baseada no SAI-PMF, é composta de: Domínios (áreas chaves) que possuem: 1 ou + Indicadores compostos por: 1 a 4 Dimensões

Leia mais

4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL

4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL Relatório de Atividades - 1 trimestre de 4.1. Planejamento Estratégico 4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL A principal atividade relacionada ao Planejamento Estratégico -2016 do TCE/SC no primeiro

Leia mais

MESA 4 INSTRUMENTOS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE 3 AS ORGANIZAÇÕES DE CONTROLE

MESA 4 INSTRUMENTOS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE 3 AS ORGANIZAÇÕES DE CONTROLE COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DO SENADO FEDERAL MESA 4 INSTRUMENTOS E PROCEDIMENTOS DE CONTROLE 3 AS ORGANIZAÇÕES DE CONTROLE LIMITAÇÕES ORGANIZACIONAIS E POSSIBILIDADE

Leia mais

Tribunais de Contas do Brasil

Tribunais de Contas do Brasil Sumário TCU... 3 TCE-AM... 3 TCE-AP... 3 TCE-BA... 3 TC-DF... 3 TCE-ES... 3 TCE-MA... 3 TCE-MG... 3 TCE-MT... 4 TCE-PB... 4 TCE-PE... 4 TCE-PI... 4 TCE-PR... 4 TCE-RJ... 4 TCE-RN... 4 TCE-RO... 4 TCE-RR...

Leia mais

RESOLUÇÃO N 08/2013 TCE, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO N 08/2013 TCE, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO N 08/2013 TCE, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados em auditoria operacional no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte. O TRIBUNAL DE CONTAS

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

4.4.3 Competências das Ciset 117 4.4.4 Competências dos AECI 118 4.4.5 Outras considerações importantes 118 Capítulo V Auditoria no setor público

4.4.3 Competências das Ciset 117 4.4.4 Competências dos AECI 118 4.4.5 Outras considerações importantes 118 Capítulo V Auditoria no setor público Sumário Capítulo I Noções iniciais de controle interno e controle externo 1 1 Considerações iniciais sobre controle no Brasil 3 1.1 Controle interno no Brasil 4 1.1.1 Evolução do controle interno no Brasil

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011 Ver também IN 7/13 Disciplina a organização e a apresentação das contas anuais dos administradores e demais responsáveis por unidades jurisdicionadas das administrações direta

Leia mais

CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO N 46, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2008

CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO N 46, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2008 CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO N 46, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2008 Dispõe sobre a designação de Juízes Federais para acompanhar as correições realizadas pela Corregedoria- Geral. O Corregedor-Geral da Justiça

Leia mais

DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs QATC2

DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs QATC2 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs QATC2 Resolução Atricon 03/2014 Composição, Organização e Funcionamento dos Tribunais de Contas Coordenadores: Cons. Joaquim Kennedy

Leia mais

PROJETO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA REALIZAÇÃO DE PESQUISA E FISCAL (LRF), PELOS TRIBUNAIS DE CONTA ESTADUAIS E MUNICIPAIS

PROJETO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA REALIZAÇÃO DE PESQUISA E FISCAL (LRF), PELOS TRIBUNAIS DE CONTA ESTADUAIS E MUNICIPAIS PROJETO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA REALIZAÇÃO DE PESQUISA E PROPOSIÇÃO DE INICIATIVAS PARA A ADEQUADA IMPLANTAÇÃO DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF), PELOS TRIBUNAIS DE CONTA ESTADUAIS

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) Altera o art. 4º-A do Ato Normativo nº 572/2009-PGJ, de 30 de janeiro de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

PMR RELATÓRIO DE PROGRESSO 2º SEMESTRE DE 2010. Quadro V Execução Física por Subcomponentes Nacionais e Locais "Progress Monitoring Report"

PMR RELATÓRIO DE PROGRESSO 2º SEMESTRE DE 2010. Quadro V Execução Física por Subcomponentes Nacionais e Locais Progress Monitoring Report Componentes / Subcomponentes / Produtos PMR RELATÓRIO DE PROGRESSO 2º SEMESTRE DE 200 "Progress Monitoring Report" Projetos (TCs) Até o º Semestre de 200 (resultado acumulado) Até o 2º Semestre 200 (resultado

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE 1 REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE A Escola de Contas Públicas Professor Barreto Guimarães (ECPBG) torna público o regulamento do 1º Concurso Inovação no TCE-PE, que será regido de acordo com

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. Institui o programa de transparência do Ministério da Justiça e estabelece medidas internas para aperfeiçoar os instrumentos preventivos de controle da atividade

Leia mais

PARCERIAS INSTITUCIONAIS NA GESTÃO DA EDUCAÇÃO CORPORATIVA

PARCERIAS INSTITUCIONAIS NA GESTÃO DA EDUCAÇÃO CORPORATIVA PARCERIAS INSTITUCIONAIS NA GESTÃO DA EDUCAÇÃO CORPORATIVA Escola de Contas José Borba Pedreira Lapa Tribunal de Contas do Estado da Bahia A Escola de Contas Conselheiro José Borba Pedreira Lapa (ECPL)

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE MIMOSO DO SUL GABINETE DA PREFEITA

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE MIMOSO DO SUL GABINETE DA PREFEITA PROJETO DE LEI Nº /2013 DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MIMOSO DO SUL, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Título I Das Disposições Preliminares Art. 1º A organização

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados E77p Espírito Santo. Tribunal de Contas do Estado. Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados / Tribunal de Contas do Estado. Vitória/ES: TCEES, 2015. 13p. 1.Tribunal

Leia mais

ASSUNTO. Estrutura da Auditoria Interna (AUDIN) TÍTULO ΙΙ DISPOSIÇÕES GERAIS

ASSUNTO. Estrutura da Auditoria Interna (AUDIN) TÍTULO ΙΙ DISPOSIÇÕES GERAIS AE-008-REITORIA /06 TÍTULO Ι DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Ato Executivo dispõe sobre a estrutura da Auditoria Interna, com a finalidade de disciplinar seu funcionamento. Art 2º - A AUDIN desempenhará

Leia mais

PORTARIA Nº 1.418, DE 27 DE JULHO DE 2005. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições, CAPÍTULO I EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

PORTARIA Nº 1.418, DE 27 DE JULHO DE 2005. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições, CAPÍTULO I EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA PORTARIA Nº 1.418, DE 27 DE JULHO DE 2005. Disciplina a divulgação de informações no âmbito do Programa de Transparência do Ministério da Justiça, instituído pela Portaria nº 3.746, de 17 de dezembro de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO GRUPO TÉCNICO DE PADRONIZAÇÃO DE RELATÓRIOS. CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade

REGIMENTO INTERNO DO GRUPO TÉCNICO DE PADRONIZAÇÃO DE RELATÓRIOS. CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade MINISTÉRIO DA FAZENDA REGIMENTO INTERNO DO GRUPO TÉCNICO DE PADRONIZAÇÃO DE RELATÓRIOS CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade Art. 1º O Grupo Técnico de Padronização de Relatórios, instituído pela Portaria

Leia mais

CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE. Seção I Da Finalidade

CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE. Seção I Da Finalidade CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE Seção I Da Finalidade Art. 1º A Unidade de Apoio à Gestão Estratégica (UAGE) tem como finalidade promover o gerenciamento estratégico setorial

Leia mais

RESOLUÇÃO ATRICON Nº 01/2015

RESOLUÇÃO ATRICON Nº 01/2015 RESOLUÇÃO ATRICON Nº 01/2015 Regulamenta a aplicação do Marco de Medição de Desempenho dos Tribunais de Contas MMD-TC, no âmbito do Projeto Qualidade e Agilidade dos Tribunais de Contas QATC, promovido

Leia mais

RESOLUÇÃO T.C. Nº 16, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2012.

RESOLUÇÃO T.C. Nº 16, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2012. ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE CONTAS RESOLUÇÃO T.C. Nº 16, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2012. Estabelece normas relativas à composição das contas anuais do Governador, nos termos do Regimento Interno do Tribunal

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA Art. 1º. A Secretaria de Tecnologia de Informação e Comunicação SETIC é um Órgão Suplementar Superior

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO FINANCEIRA I CICLO DE APERFEIÇOAMENTO EM GESTÃO FINANCEIRA O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO Prof. Ariel Lopes Torres E-mail: ariel@unemat.br CÁCERES

Leia mais

Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013

Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013 Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013 Dispõe sobre as diretrizes e os procedimentos de auditoria a serem adotados pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul,

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória do Poder Judiciário

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

POA 2007 - TCE/MA De 01/01/2007 a 31/12/2007

POA 2007 - TCE/MA De 01/01/2007 a 31/12/2007 Extrato de Programação de POA Emitido Em 19/12/2007 13:15:45 POA 2007 - TCE/MA De 01/01/2007 a 31/12/2007 Identificação Tipo: Projeto Nº de revisão: 1 Última modificação em: 06/03/2007 Setor Responsável:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - CTIC

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - CTIC REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - CTIC APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 110/2013, de 08/07/2013 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO

Leia mais

ANEXO: EMENDAS PROPOSTAS

ANEXO: EMENDAS PROPOSTAS ANEXO: EMENDAS PROPOSTAS Legenda do tipo de emenda: 1. Modificativa: texto 2. Supressiva: texto 3. Substitutiva: texto 4. Aditiva: texto TEMÁTICA 1: AGILIDADE NO JULGAMENTO DE PROCESSOS E GERENCIAMENTO

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 26/2014 TP

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 26/2014 TP Processo nº 19.070-5/2014 Interessado TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE MATO GROSSO Assunto conceito e a estrutura da referência do sistema de controle interno dos fiscalizados, bem como estabelece a competência

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n.10, p. 1-3 em 16/01/2015 RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as prerrogativas, as responsabilidades, a competência e a atuação da Secretaria de Controle Interno

Leia mais

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br LEI Nº. 6.067, DE 11 DE MARÇO DE 2010. Altera a Lei Ordinária 5.711/06, que dispõe sobre a Organização Administrativa da Câmara Municipal do Natal, e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs QATC2

DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs QATC2 DE CONTROLE EXTERNO Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs QATC2 Resolução Atricon 02/2014 Controle Externo Concomitante Coordenador: Cons. Valter Albano da Silva TCE/MT Resolução Atricon 09/2014 LC123/2006

Leia mais

Diretoria de Gestão Interna

Diretoria de Gestão Interna Diretoria de Gestão Interna Objetivo 13: Garantir que os processos de trabalho e seus produtos sejam oportunos e primem pela qualidade, com uso intensivo de tecnologia Iniciativas Ações Produtos ou resultados

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Dispõe sobre a criação, a organização e as atribuições da Ouvidoria do Ministério Público Federal. O Presidente da República, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SERGIPE, Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado aprovou e que eu sanciono a seguinte Lei Complementar

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SERGIPE, Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado aprovou e que eu sanciono a seguinte Lei Complementar Publicada no Diário Oficial do dia 07 de julho de 2011 Estabelece a Estrutura Administrativa do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe e do Ministério Público Especial; cria, modifica e extingue órgãos

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09 LEI N.º 741/2009 EMENTA: Dispõe sobre a instituição do Sistema de Controle Interno SCI do Poder Legislativo Municipal, cria o Órgão Central do SCI e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

Sistema de Acompanhamento de Gestão Fiscal - SAGF

Sistema de Acompanhamento de Gestão Fiscal - SAGF Sistema de Acompanhamento de Gestão Fiscal - SAGF Coordenação: Instituto Rui Barbosa Coordenação Geral Conselheiro Salomão Ribas Junior - Presidente do IRB Conselheiro Luiz Sérgio Gadelha - Coordenador

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS PROPOSTAS DE EMENDAS ÀS MINUTAS DE RESOLUÇÃO E DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO

CONSOLIDAÇÃO DAS PROPOSTAS DE EMENDAS ÀS MINUTAS DE RESOLUÇÃO E DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO CONSOLIDAÇÃO DAS PROPOSTAS DE EMENDAS ÀS MINUTAS DE RESOLUÇÃO E DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO TEMÁTICA 4: CONTROLE INTERNO: INSTRUMENTO DE EFICIÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS Coordenação geral Conselheiros

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO Nº 00, DE XX DE XXXXX DE 2015.

MINUTA DE RESOLUÇÃO Nº 00, DE XX DE XXXXX DE 2015. MINUTA DE RESOLUÇÃO Nº 00, DE XX DE XXXXX DE 2015. O CONSELHO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, resolve: Art. 1 Aprovar as

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-03/2003

RESOLUÇÃO N. TC-03/2003 RESOLUÇÃO N. TC-03/2003 Reorganiza o Sistema de Controle Interno do Tribunal de Contas do Estado e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA, usando das atribuições que lhe

Leia mais

PORTARIA-SEGEPRES Nº 1, DE 23 DE JANEIRO DE 2009

PORTARIA-SEGEPRES Nº 1, DE 23 DE JANEIRO DE 2009 PORTARIA-SEGEPRES Nº 1, DE 23 DE JANEIRO DE 2009 Dispõe acerca de competências, estrutura, lotação e alocação de funções de confiança da Secretaria- Geral da Presidência (Segepres). A SECRETÁRIA-GERAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

Projeto Normas de Auditoria Governamental Aplicáveis ao Controle Externo Brasileiro: elaboração, aprovação, edição e disseminação.

Projeto Normas de Auditoria Governamental Aplicáveis ao Controle Externo Brasileiro: elaboração, aprovação, edição e disseminação. Projeto Normas de Auditoria Governamental Aplicáveis ao Controle Externo Brasileiro: elaboração, aprovação, edição e disseminação. SUMÁRIO EXECUTIVO 1 Área do Projeto Auditoria Governamental. 2 Objetivos

Leia mais

-0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012.

-0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. -0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. Dispõe sobre os critérios e os procedimentos para promoção, organização e participação da ANAC em eventos internos e externos. A DIRETORIA DA AGÊNCIA

Leia mais

PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU

PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU ANEXO I PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU nº 47, de 2004, DN/TCU nº 81, de 2006, e NE/CGU nº 03, de 2006, instituída pela Portaria CGU nº 555, de 2006 Discriminação

Leia mais

Programa 1081 Gestão e Manutenção do Tribunal de Contas

Programa 1081 Gestão e Manutenção do Tribunal de Contas Ação 1196 Implementação do Programa de gestão de pessoas por competência Função 1 - Legislativa Subfunção 12 - Administração Geral Desenvolvimento de atividades em gestão de pessoas por competências tendo

Leia mais

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PR 29/07/2013 Instrução Normativa Nº 24/2013 Assunto: Institui a Política

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS O PREFEITO DE MANAUS LEI DELEGADA N 10, DE 31 DE JULHO DE 2013 (D.O.M. 31.07.2013 N. 3221 Ano XIV) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGIMENTO INTERNO DA UNIFEI CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º. A Auditoria Interna da Universidade Federal de Itajubá é um órgão técnico de assessoramento da gestão, vinculada ao Conselho de

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 006, de 05 de maio de 2003. Aprova Regimento da Auditoria Interna da UFSJ

RESOLUÇÃO N o 006, de 05 de maio de 2003. Aprova Regimento da Auditoria Interna da UFSJ RESOLUÇÃO N o 006, de 05 de maio de 2003 Aprova Regimento da Auditoria Interna da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI, no uso de suas atribuições

Leia mais

COMITÊ DA CONTA TFCA

COMITÊ DA CONTA TFCA COMITÊ DA CONTA TFCA REGIMENTO Título Das disposições INTERNO I preliminares Art. 1 - O Comitê da Conta TFCA é um órgão colegiado de caráter deliberativo, instituído pela Portaria 398, de 21 de outubro

Leia mais

ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE

ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO LEI DE N 142/2013 de 18 de abril de 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

008228/2009 TC - - PSF

008228/2009 TC - - PSF Processo nº: 008228/2009 TC Jurisdicionado: Prefeitura Municipal do Natal - Secretaria Municipal de Saúde. Assunto: Auditoria Operacional na Ação Implementação e Expansão do Programa de Saúde da Família

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 André Luiz Furtado Pacheco, CISA Graduado em Processamento de

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

RELATÓRIO DO II FÓRUM DO PROMOEX SÃO PAULO, SP, 28 e 29 DE AGOSTO DE 2006

RELATÓRIO DO II FÓRUM DO PROMOEX SÃO PAULO, SP, 28 e 29 DE AGOSTO DE 2006 RELATÓRIO DO II FÓRUM DO PROMOEX SÃO PAULO, SP, 28 e 29 DE AGOSTO DE 2006 Reunidos em São Paulo - SP, nos dias 28 e 29 de agosto de 2006, os técnicos designados pelos Tribunais de Contas e órgãos representativos

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Rondônia

Tribunal de Contas do Estado de Rondônia RECOMENDAÇÃO N. 8/2014/CG Estabelece critérios para digitalização de processos e documentos no Tribunal de Contas do Estado de Rondônia. O CORREGEDOR-GERAL DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RONDÔNIA,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-0089/2014

RESOLUÇÃO N. TC-0089/2014 RESOLUÇÃO N. TC-0089/2014 Dispõe sobre a estrutura e a competência dos Órgãos Auxiliares do Tribunal de Contas do Estado, e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA, no

Leia mais

Portaria nº 3156, de 5 de dezembro de 2013.

Portaria nº 3156, de 5 de dezembro de 2013. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, CONSIDERANDO o Planejamento Estratégico Participativo em execução (2009/2014), aprovado pela Resolução Administrativa

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP) 2013-2014 Sumário: 1 INTRODUÇÃO... 3 2 BIÊNIO 2013-2014: ATIVIDADES DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO.... 3 2.1 Apoio ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo...

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais