O Cadastro Único para Programas Sociais como ferramenta para qualificar a oferta de serviços e benefícios

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Cadastro Único para Programas Sociais como ferramenta para qualificar a oferta de serviços e benefícios"

Transcrição

1 O Cadastro Único para Programas Sociais como ferramenta para qualificar a oferta de serviços e benefícios CONGEMAS MARÇO/2016

2 O QUE É O CADASTRO ÚNICO Instrumento de identificação e caracterização socioeconômica das famílias brasileiras de baixa renda. Porta de entrada para mais de 30 programas sociais do Governo Federal. Foco sobre famílias de baixa renda: Renda familiar per capita mensal de até ½ salário mínimo ou Renda familiar total mensal de até 3 salários mínimos O cadastro das famílias deve ser atualizado a cada 2 anos ou sempre que houver alguma alteração na sua composição familiar.

3 Informações disponíveis no Cadastro Único O Cadastro Único é um mapa representativo das famílias mais pobres e vulneráveis do Brasil, com ampla potencialidade de utilização pelas políticas públicas, pois apresenta: Informações da família e do domicílio em que ela reside composição familiar endereço e características de seu domicílio acesso a serviços públicos de água saneamento e energia elétrica despesas mensais vinculação a Programas Sociais Dados de cada um dos componentes da família documentação civil qualificação escolar situação no mercado de trabalho rendimentos, entre outros

4 CADASTRO ÚNICO EM NÚMEROS Famílias inscritas no Cadastro Único Famílias de baixa renda Famílias beneficiárias do PBF Fonte: Cadastro Único, dezembro/2015.

5 Número de famílias segundo pertencimento Grupos Populacionais Tradicionais e Específicos Famílias de Agricultores Famílias PETI Família de Pescadores Famílias Quilombolas Famílias Indígenas Famílias Assentadas Famílias Ribeirinhas Famílias de Catadores Famílias Acampadas Familias em Situação de Rua Família Extrativista Famílias de Presos Famílias Atingidas Famílias de comunidade de terreiro Famílias PNCF Família Cigana Total de famílias identificadas como GPTEs: Fonte: Cadastro Único, dezembro/2015.

6 Programas usuários do Cadastro Único O que são? Conjunto de iniciativas que utilizam a rede de implementação e a base de informações/sistema das famílias de baixa renda inscritas no Cadastro Único. Utilizam o Cadastro Único com a finalidade de seleção e/ou acompanhamento de beneficiários no âmbito da formulação, implementação e avaliação do programa.

7 Programas Usuários Federais Quem são? 37 Programas Usuários Federais: Utilizam em alguma medida os dados do Cadastro Único 22 Programas federais que utilizam o Cadastro Único para seleção de beneficiários; 11 Programas federais que utilizam o Cadastro Único para fins de monitoramento; 4 Programas que utilizam o Cadastro Único para articulação de ações complementares do PBF.

8 Programas usuários para fins de seleção: tipo de oferta Benefício/transferência de renda Programa Bolsa Família Programa Bolsa Verde Auxílio Emergencial (Bolsa Estiagem) PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Programa de Fomento à Atividade Rural Tecnologias Sociais e infraestrutura Serviços Água para todos e Cisternas Reforma Agrária Distribuição de conversores para TV Digital Serviços socioassistenciais Brasil Alfabetizado Programa Nacional de Assistência Técnica Rural Ater

9 Programas usuários para fins de seleção: tipo de oferta Desconto/ taxas/ contribuições Facultativo de Baixa Renda - INSS Isenção de taxa de concurso público Carteira do Idoso Telefone Popular Tarifa social de energia Elétrica Sistema de Seleção Unificado - Sisu/Lei de cotas Carta social Estatuto da Juventude Meia entrada Redução de Taxas de Crédito Programa Minha Casa Minha Vida Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito de Instalação (Reforma Agrária)

10 Programas usuários para fins de monitoramento: tipo de uso Priorização de Beneficiários Reforma Agrária Programa Nacional de Assistência Técnica Rural (ATER) Pronatec Mais Educação Saúde na Escola Uso da Rede Programa Nacional de Documentação da Trabalhadora Rural Pró-Catador

11 Programa Usuários Classificação por tipo de uso Monitoramento Benefício de Prestação Continuada (BPC) Cestas Básicas Agroamigo Crescer Microempreendedor Individual (MEI) Brasil Alfabetizado Luz para Todos Monitoramento temático Programa Brasil Quilombola Cadastro Nacional de Inclusão da Pessoa com Deficiência

12 Número aproximado de famílias beneficiárias e Ano de início de utilização do Cadastro

13 USO DAS FERRAMENTAS DO CADASTRO ÚNICO: CECAD E SETOR CENSITÁRIO

14 SIGILO Os dados de identificação das famílias do Cadastro Único são sigilosos e somente poderão ser utilizados para as seguintes finalidades: formulação e gestão de políticas públicas; e realização de estudos e pesquisas. São vedadas a cessão e a utilização dos dados do Cadastro Único com o objetivo de contatar as famílias para qualquer outro fim que não aqueles indicados neste artigo.

15 SIGILO Para disciplinar os procedimentos de disponibilização dos dados identificados do Cadastro Único, o MDS publicou a Portaria nº 10, de 31 de janeiro de Para a cessão desses dados, é necessário: Solicitação formal, indicando a finalidade do uso dos dados; Assinatura de Termo de Responsabilidade e de Termos de Compromisso de Manutenção de Sigilo

16 CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO Permite conhecer as características socioeconômicas das famílias e pessoas incluídas no Cadastro Único (domicílio, faixa etária, trabalho, renda etc.) bem como saber quais famílias são beneficiárias do Programa Bolsa Família.

17 CECAD permite ainda: Realizar consultas e tabulações com os dados e identificar as principais vulnerabilidades da população, de forma a subsidiar os planos de ação; Conhecer a realidade socioeconômica das famílias inseridas no Cadastro Único; Acessar informações sobre as características do domicílio, o acesso a serviços públicos pelo núcleo familiar e para cada um dos componentes da família.

18 Pré-requisito Para utilizar corretamente o CECAD, inicialmente, é importante que o usuário conheça os conceitos e variáveis do Cadastro Único, o que pode ser feito por meio da leitura do dicionário de variáveis e dos manuais de orientação para o cadastramento das famílias

19 CONCEITOS IMPORTANTES Família Unidade nuclear composta por uma ou mais pessoas, eventualmente ampliada por outras, que contribuam para o rendimento ou tenham suas despesas atendidas por ela, todas moradoras em um mesmo domicílio. Mesmo as pessoas que não sejam parentes, mas dividam rendas e despesas de um mesmo domicílio, são uma família para o Cadastro Único. A pessoa que mora sozinha também é considerada uma família (família unipessoal).

20 CONCEITOS IMPORTANTES Morador Tem o domicílio como local habitual de residência e nele reside na data da entrevista; Embora ausente na data da entrevista, tem o domicílio como residência habitual; ou Está internada ou abrigada em estabelecimentos de saúde, Instituições de Longa Permanência para Idosos, equipamentos que prestam Serviços de Acolhimento, instituições de privação de liberdade, ou em outros estabelecimentos similares, por um período igual ou inferior a 12 meses, adotando como referência a data da entrevista.

21 CONCEITOS IMPORTANTES Responsável Familiar (RF) Responsável pela unidade familiar é a pessoa que vai fornecer as informações ao entrevistador: Deve ser um dos componentes da família e morador do domicílio Com idade mínima de 16 anos De preferência mulher.

22 CONCEITOS IMPORTANTES DOCUMENTAÇÃO OBRIGATÓRIA: Responsável Familiar: CPF ou Título de Eleitor. Outros membros da família: qualquer documento. EXCEÇÕES: Indígenas e Quilombolas podem se cadastras com qualquer documento, inclusive Registro de Nascimento Indígenas (RANI) para indígenas.

23 CONCEITOS IMPORTANTES Renda familiar mensal É a soma dos rendimentos brutos de todos os componentes da família, ou seja, todo o dinheiro que entra para a família no mês, sem os descontos. Nesse cálculo, são considerados: os rendimentos do trabalho de aposentadoria pensão seguro-desemprego auxílio-doença salário-maternidade BPC São desconsiderados: PBF PETI Bolsa Estiagem Demais programas de transferência condicionada de renda

24 CONCEITOS IMPORTANTES Renda familiar por pessoa (per capita) É obtida dividindo-se o valor total da renda familiar mensal pelo número de indivíduos que compõem a família. Por exemplo, se uma família for composta por 7 pessoas e tiver R$ 800,00 de renda bruta total, a renda familiar per capita será R$ 800,00 dividido por 7, ou seja, R$ 114,00.

25 Modalidades de acesso CECAD COM PBF - apresenta defasagem temporal de cerca de dois meses em relação ao Sistema de Cadastro Único. CECAD SEM PBF - apresenta defasagem de cerca de um mês em relação ao Sistema de Cadastro Único. Está disponível apenas para gestores e técnicos dos programas usuários.

26 Como acessar o CECAD? Pelo Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família (SIGPBF) acesso para Gestores do Programa Bolsa Família Via Sistema de Autorização e Autenticação (SAA) no Portal da SAGI acesso para profissionais da assistência social e programas usuários do Cadastro Único aplicacoes.mds.gov.br/sagi/cecad/auth/index.php Tabulador de Informações do CadÚnico (TABCAD) acesso aberto aplicacoes.mds.gov.br/sagi/tabcad

27 Tutorial CECAD Curso de acesso livre para qualquer interessado. Pode ser acessado na página da capacitação da Senarc/MDS:

28 PRINCIPAIS FUNCIONALIDADES Tabulador: permite o cruzamento de duas variáveis do Cadastro Único e a aplicação de filtros para pesquisa. Frequência simples: permite a tabulação de apenas uma variável do Cadastro Único e a aplicação de filtros para pesquisa. Extrator de dados: permite extrair a base de famílias e pessoas inscritas no Cadastro Único no estado ou município, em formato CSV. Busca nome/nis: permite consultar os dados de uma pessoa/família no Cadastro Único.

29 EXEMPLOS DE USO DO CECAD

30 EXEMPLO 1 A prefeitura de Natal, RN, está planejando ações para ampliar o acesso das pessoas em situação de rua e beneficiárias do Programa Bolsa Família à rede de serviços socioassistenciais.

31 TABULADOR 1 Selecione Tabulador > Família e Pessoa 1. Selecione o Estado e o Município. Mês de referência do Cadastro Único. 3. Selecione a forma do resultado: valor absoluto ou percentual 2. Selecione as duas variáveis a serem investigadas

32 RESULTADO 1 Interpretação dos dados: É possível extrair a lista das famílias ou pessoas indicadas no resultado.

33 Extração dos dados analíticos (lista de famílias) Dois arquivos são baixados em formato CSV: - Dicionário de variáveis - Base de dados

34 Extração dos dados analíticos (lista de famílias) No arquivo, é possível identificar as famílias, endereço e outras informações sociais:

35 EXEMPLO 2 O estado de Pernambuco está organizando ação de atualização cadastral de famílias indígenas e precisa identificar o número de indígenas com cadastro desatualizado, dando prioridade para as famílias em situação de extrema pobreza.

36 TABULADOR 2 Selecione Tabulador > Família e Pessoa 1. Selecione o Estado 3. Marque a opção Filtros 2. Selecione as duas variáveis a serem investigadas 4. Marque o filtro de família indígena Sim.

37 RESULTADO 2 Interpretação dos dados: Número de famílias indígenas com cadastro desatualizado em Pernambuco: Dessas, estão em situação de extrema pobreza.

38 EXEMPLO 3 A Secretaria de Assistência Social de Água Branca, PB, quer planejar suas ações a partir de um estudo detalhado da população de baixa renda do município com base nos dados do Cadastro Único.

39 Extrator Dados 3 Selecione Extrator de Dados > Família e Pessoa 1. Selecione o Estado e o Município, se for o caso. 2. Clique em extrair. 3. Selecione a base para ser extraída: lista de domicílio (famílias) ou lista de pessoas.

40 EXEMPLO 4 Um CRAS do município de Abaira, CE, recebe muitas pessoas que querem confirmar seus dados cadastrais, pois estão com dificuldade de acessar o benefício previdenciário Facultativo de Baixa Renda, mas querem uma ferramenta que não seja o Sistema de Cadastro Único (V7).

41 Busca Nome/NIS 4 1. Selecione o Estado e o Município, se for o caso. 2. Preencha pelo menos uma das informações para localizar a pessoa.

42 Resultado 4 1. Localize e selecione a família desejada para abrir suas informações.

43 Clique nas setas azuis para ver as informações do bloco de interesse.

44

45

46

47 EXEMPLO 5 No município de Abaíra, BA, a Secretaria de Educação pediu à Secretaria de Assistência Social que indicasse famílias quilombolas para participarem do Programa Brasil Alfabetizado, que visa universalizar a alfabetização e o acesso ao ensino fundamental para pessoas com 15 anos ou mais.

48 TABULADOR 5 Selecione Tabulador > Família e Pessoa 1. Selecione o Estado e o município 3. Marque a opção Filtros 2. Selecione as duas variáveis a serem investigadas 4. Marque os filtros de Faixa etária desejados (maiores de 15 anos)

49 RESULTADO 5 Interpretação dos dados: Número de quilombolas com perfil para participar do Programa Brasil Alfabetizado: 292

50 EXEMPLO 6 A Secretaria de Assistência Social Aracaju, SE, quer localizar as famílias em situação de pobreza e extrema pobreza que têm pessoas com deficiência, com objetivo de planejar ações inclusivas para esse público.

51 TABULADOR 6 Selecione Tabulador > Família e Pessoa 1. Selecione o Estado e o município 3. Selecione a forma do resultado: valor absoluto ou percentual 2. Selecione as duas variáveis a serem investigadas

52 RESULTADO 6 Interpretação dos dados: Número de famílias com pessoas com deficiência e em situação de pobreza ou extrema pobreza: 1.581

53 EXEMPLO 7 O município de Açailândia, MA, quer identificar o total de famílias que podem ser beneficiárias da Tarifa Social de Energia Elétrica (famílias com renda per capita até meio salário mínimo e com cadastro atualizado).

54 TABULADOR 7 Selecione Tabulador > Família e Pessoa 1. Selecione o Estado e o município 3. Marque a opção Filtros 2. Selecione as duas variáveis a serem investigadas 4. Marque os filtros de atualização cadastral (até 24 meses)

55 RESULTADO 7 Interpretação dos dados: Número de famílias que podem ser beneficiárias da TSEE:

56 CADASTRO ÚNICO EM NÍVEL DE SETOR CENSITÁRIO

57 Cadastro Único em Nível de Setor Censitário V7 implantada com os conceitos Cadastro Nacional de Endereços para Fins Estatísticos (CNEFE), mas sem a padronização na entrada do dado. Em parceria com o IBGE, foi realizado o cruzamento fonético de todos os endereços do Cadastro Único com a base do CNEFE, para atribuição do setor censitário. O que é "setor censitário"? - O setor é a menor unidade territorial formada por área contínua, com dimensão adequada à realização da coleta de dados por um recenseador. O setor constitui um conjunto de quadras, no caso de área urbana, ou uma área do município, no caso de uma área não urbanizada. Para o Censo 2010, o país foi dividido em cerca de 314 mil setores censitários.

58 Cruzamento CNEFE e Cadastro Único Região Norte Região Nordeste UF CNEFE Cad. Único % UF CNEFE Cad. Único % 11 RO MA AC PI AM CE RR RN PA PB AP PE TO AL total SE Região Sudeste 29 BA UF CNEFE Cad. Único % total MG ES Região Centro-Oeste 33 RJ UF CNEFE Cad. Único % 35 SP MS total MT Região Sul 52 GO UF CNEFE Cad. Único % 53 DF PR Total SC RS total CNEFE Cad. Único %

59 Comparação localizados e não localizados Consideramos os domicílios não localizados no CNEFE como um indicador de exclusão social. A hipótese é de que os endereços de pior qualidade são aqueles dos domicílios mais precários e que abrigam as famílias mais vulneráveis. Esses domicílios também recebem menos as cartas de comunicação do Cadastro Único, PBF, reforçando a sua vulnerabilidade. IMPORTÂNCIA DO CORRETO PREENCHIMENTO DOS ENDEREÇOS DO CADASTRO ÚNICO.

60 Próximos passos Aprimorar o cruzamento; Implementar processo de qualificação dos endereços do Cadastro Único a partir da disponibilização da informação para as gestões municipais (via CECAD, por exemplo); Organizar indicadores e proporções que possam ser melhor visualizadas em mapas (rendas, inclusão, atualização, GPTE, acesso a serviços...) Incluir mapas e análises territoriais nos instrumentos de consulta e monitoramento do MDS (CECAD, TABCAD) integrando com ferramentas de georreferenciamento dos equipamentos.

61 Possibilidades de uso dos dados do Cadastro Único por Setor Censitário Identificação dos setores do município com maiores índices de vulnerabilidade social Produção de mapas dividindo o território dos municípios por setores censitários a partir dos dados do Cadastro Único Georreferenciamento na Assistência Social Exemplos:

62 Cadastro Único RMSP: Renda familiar média segundo o município

63 Cadastro Único RMSP: Renda familiar média segundo o setor

64 Proporção de famílias com acesso a serviços públicos básicos (acesso simultâneo aos serviços de abastecimento de água, coleta de lixo, escoamento sanitário e energia elétrica) identificadas com setor censitário

65 Colocar listagem com código familiar, endereço e setor censitário para consulta, ajuda?

66 Muito obrigado! Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Departamento do Cadastro Único Contatos:

Cadastro Único para Políticas Sociais

Cadastro Único para Políticas Sociais Cadastro Único para Políticas Sociais O que é o Cadastro Único? Políticas Universais Saúde Políticas Contributivas Políticas nãocontributivas e seletivas Educação Previdência Social Cadastro Único O que

Leia mais

Cadastro Único de Programas Sociais Seminário Pan- Amazônico de Proteção Social Belém - PA

Cadastro Único de Programas Sociais Seminário Pan- Amazônico de Proteção Social Belém - PA Cadastro Único de Programas Sociais Seminário Pan- Amazônico de Proteção Social Belém - PA Tiago Falcão Secretário da Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário

Leia mais

O Cadastro Único para Programas Sociais como ferramenta para qualificar a oferta de serviços e benefícios

O Cadastro Único para Programas Sociais como ferramenta para qualificar a oferta de serviços e benefícios O Cadastro Único para Programas Sociais como ferramenta para qualificar a oferta de serviços e benefícios CONGEMAS NORTE MARÇO/2016 O que é o Cadastro Único? Políticas Universais Saúde Políticas Contributivas

Leia mais

Cadastro Único para Programas Sociais Conhecer para Incluir

Cadastro Único para Programas Sociais Conhecer para Incluir Cadastro Único para Programas Sociais Conhecer para Incluir Seminário Internacional Sobre Integração de Bases de Dados e Sistemas de Informação para Aperfeiçoamento de Políticas Públicas 04 a 06 de Abril/16

Leia mais

A inscrição dos Beneficiários do BPC no Cadastro Único como condição para concessão e revisão do benefício

A inscrição dos Beneficiários do BPC no Cadastro Único como condição para concessão e revisão do benefício A inscrição dos Beneficiários do BPC no Cadastro Único como condição para concessão e revisão do benefício CONGEMAS MAR/2016 Importância da inclusão no Cadastro Único O QUE É O CADASTRO ÚNICO Instrumento

Leia mais

Objetivo Geral: Objetivos Específicos:

Objetivo Geral: Objetivos Específicos: Objetivo Geral: Superação da pobreza e geração de trabalho e renda no meio rural por meio de uma estratégia de desenvolvimento territorial sustentável. Objetivos Específicos: Inclusão produtiva das populações

Leia mais

acompanhar a situação das famílias vulneráveis planejar suas ações no território ofertar benefícios de forma transparente e republicana

acompanhar a situação das famílias vulneráveis planejar suas ações no território ofertar benefícios de forma transparente e republicana Proteção e Promoção Social no Brasil A proteção social básica e a promoção de oportunidades para as famílias em situação de pobreza têm hoje, como instrumento principal de gestão, o Cadastro Único. Mais

Leia mais

CONSULTA, SELEÇÃO E EXTRAÇÃO DE INFORMAÇÕES DO CADASTRO ÚNICO (CECAD)

CONSULTA, SELEÇÃO E EXTRAÇÃO DE INFORMAÇÕES DO CADASTRO ÚNICO (CECAD) GESTÃO DA INFORMAÇÃO CONSULTA, SELEÇÃO E EXTRAÇÃO DE INFORMAÇÕES DO CADASTRO ÚNICO (CECAD) Contexto da criação da ferramenta Por muitos anos, a gestão das políticas sociais no Brasil foi feita de forma

Leia mais

IGD - Índice de Gestão Descentralizada - IGD M. Fortaleza - CE, 21 a 23 de Março de 2012

IGD - Índice de Gestão Descentralizada - IGD M. Fortaleza - CE, 21 a 23 de Março de 2012 IGD - Índice de Gestão Descentralizada - IGD M Fortaleza - CE, 21 a 23 de Março de 2012 MARCO LEGAL 1) Lei nº 12.058, de 13 de outubro de 2009, altera o Art. 8º da Lei 10.836/2004: Institucionaliza o IGD,

Leia mais

BAHIA. Previdenciária. ria PNAD BRASÍLIA, MAIO DE 2011

BAHIA. Previdenciária. ria PNAD BRASÍLIA, MAIO DE 2011 BAHIA Proteção Previdenciária ria - Perfil dos socialmente desprotegidos segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2009 - BRASÍLIA, MAIO DE 2011 1 1. Indicadores de Cobertura Social Cobertura

Leia mais

Apoio Técnico da Vigilância Socioassistencial. 04:Principais instrumentos e fontes de informação

Apoio Técnico da Vigilância Socioassistencial. 04:Principais instrumentos e fontes de informação Apoio Técnico da Vigilância Socioassistencial 04:Principais instrumentos e fontes de informação Módulo 04:Principais instrumentos e fontes de informação MÓDULOS DO APOIO TÉCNICO Módulo 1: Introdução à

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA O movimento Constitucional; O processo de discussão que antecedeu a LDB nº9394/96; A concepção de Educação Básica e a universalização do

Leia mais

Brasil Sem Miséria RURAL

Brasil Sem Miséria RURAL Brasil Sem Miséria RURAL O desafio de acabar com a miséria Nos últimos anos, 28 milhões de brasileiros superaram a pobreza; Apesar disso, ainda há 16 milhões de pessoas extremamente pobres no Brasil; Para

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Sigla CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Ind Nº 9/215 Técnicos Resp Equipe CGPM

Leia mais

SUAS E AS DESIGUALDADES REGIONAIS: GESTÃO E FINANCIAMENTO REGIÃO CENTRO-OESTE. RIO VERDE, 03 e 04 de abril de 2013

SUAS E AS DESIGUALDADES REGIONAIS: GESTÃO E FINANCIAMENTO REGIÃO CENTRO-OESTE. RIO VERDE, 03 e 04 de abril de 2013 Encontro Regional CONGEMAS SUAS E AS DESIGUALDADES REGIONAIS: GESTÃO E FINANCIAMENTO REGIÃO CENTRO-OESTE RIO VERDE, 03 e 04 de abril de 2013 Cadastro Único e Vigilância Socioassistencial A Vigilância socioassistencial

Leia mais

SiSUTEC. 2014/2 (3ª edição) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

SiSUTEC. 2014/2 (3ª edição) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica SiSUTEC 2014/2 (3ª edição) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília, julho de 2014 Pronatec Mais de 7,59 milhões de matrículas realizadas até julho de 2014: 2,16

Leia mais

Noções Básicas sobre. Análisis de la Fecundidad Experiência Brasileira

Noções Básicas sobre. Análisis de la Fecundidad Experiência Brasileira TALLER REGIONAL SOBRE ANÁLISIS DE COHERENCIA, CALIDAD Y COBERTURA DE LA INFORMACION CENSAL Noções Básicas sobre Análisis de la Fecundidad Experiência Brasileira Santiago, Chile, 1 al 5 agosto de 2011 Data

Leia mais

GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS REGIÃO CENTRO-OESTE. RIO VERDE/GO, 03 e 04 de abril de 2013

GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS REGIÃO CENTRO-OESTE. RIO VERDE/GO, 03 e 04 de abril de 2013 Encontro Regional CONGEMAS GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS REGIÃO CENTRO-OESTE RIO VERDE/GO, 03 e 04 de abril de 2013 Cadastro Único para Programas Sociais Definição Instrumento de identificação

Leia mais

e-sus Atenção Básica Prontuário Eletrônico do Cidadão

e-sus Atenção Básica Prontuário Eletrônico do Cidadão e-sus Atenção Básica Prontuário Eletrônico do Cidadão Webconferência Pauta: Resolução 07/2016 da CIT. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica A webconferência tem

Leia mais

Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal - CADÚNICO

Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal - CADÚNICO Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal - CADÚNICO O QUE É O CADASTRO ÚNICO? Disciplinado pelo Decreto nº 6.135 de 2007 e regulamentado pela Portaria GM/MDS nº 177 de 16/06/2011, o Cadastro

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Programa Bolsa Família

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Programa Bolsa Família Brasil na América do Sul População: 175 milhões Área: 8.514.215,3 km² 26 estados e DF 5.562 municípios População pobre: em torno

Leia mais

PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO

PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO UF / Ação de Governo Valor a ser Fiscalizado AC R$ 99.891.435,79 Apoio à Alimentação Escolar na Educação Básica (PNAE) R$

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS

AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS BRASÍLIA, Julho de 2014 1 Proteção Social entre os Idosos (pessoas com 60 anos ou mais de idade) - Brasil 2 Cobertura Social entre os

Leia mais

A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal.

A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal. A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal. Para que serve o Cadastro Único? O Cadastro Único foi criado para o governo saber melhor quem são e como vivem

Leia mais

Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social. Recife, 04 de dezembro de 2013.

Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social. Recife, 04 de dezembro de 2013. Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Recife, 04 de dezembro de 2013. Definição Firmado entre a União, Estados, Distrito Federal e municípios; Instrumento pelo qual se materializam

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

Tarifa Social de Energia Elétrica

Tarifa Social de Energia Elétrica Tarifa Social de Energia Elétrica O que é a TSEE Tarifa Social de Energia Elétrica, regulamentada pela Lei no 12.212, de 20 de janeiro de 2010 e pelo Decreto no 7.583, de 13 de outubro de 2011. Consiste

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA ORIENTAÇÕES PARA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DE FAMÍLIAS INDÍGENAS

Leia mais

Metas Educacionais As 5 Metas do Todos Pela Educação. Rio de Janeiro, 27 de abril de 2009

Metas Educacionais As 5 Metas do Todos Pela Educação. Rio de Janeiro, 27 de abril de 2009 s Educacionais As 5 s do Todos Pela Educação Rio de Janeiro, 27 de abril de 2009 Construção das metas Pesquisa do meio copo cheio : consensos para avançar Documento de mobilização inicial Entrevistas e

Leia mais

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO FUNDADOR PROF. EDILSON BRASIL SOÁREZ. O Colégio que ensina o aluno a estudar ALUNO(A): TURMA: Geografia.

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO FUNDADOR PROF. EDILSON BRASIL SOÁREZ. O Colégio que ensina o aluno a estudar ALUNO(A): TURMA: Geografia. FUNDADOR PROF. EDILSON BRASIL SOÁREZ 2011 O Colégio que ensina o aluno a estudar APICE Geografia [2 a Etapa] 5 o Ano Ensino Fundamental I ALUNO(A): TURMA: Você está recebendo o APICE (Atividade para Intensificar

Leia mais

Vigilância em Saúde do Trabalhador Agenda Estratégica e a Renast

Vigilância em Saúde do Trabalhador Agenda Estratégica e a Renast Vigilância em Saúde do Trabalhador Agenda Estratégica e a Renast Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Secretaria de Vigilância

Leia mais

Secretaria de Assistência Social, Trabalho e Habitação. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV)

Secretaria de Assistência Social, Trabalho e Habitação. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) O que é o SCFV? É realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus usuários, de acordo

Leia mais

Programa Saúde na Escola

Programa Saúde na Escola Encontro com Referencias Estaduais de Alimentação e Nutrição Programa Saúde na Escola Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição / Departamento de Atenção Básica/ Secretaria de Atenção à Saúde Ministério

Leia mais

Racionamento de água. Abril/2017

Racionamento de água. Abril/2017 Racionamento de água Abril/2017 Objetivo da Pesquisa Metodologia Tópicos da Pesquisa Informações técnicas Levantar informações sobre temas importantes no contexto atual dos Pequenos Negócios. TEMA ANALISADO

Leia mais

Mortos e Acidentes por Unidade Federativa

Mortos e Acidentes por Unidade Federativa e Acidentes por Unidade Federativa - 2016 Data: 23/05/2017 FILTROS: Veículos: Todos, Caminhões, Ônibus Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Estados com maior número de mortes e acidentes - 2016 Este

Leia mais

CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO. Caio Nakashima Março 2012

CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO. Caio Nakashima Março 2012 CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO Caio Nakashima Março 2012 Introdução O Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal é o principal instrumento de identificação e seleção

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

Integração de Políticas Públicas e seus desafios

Integração de Políticas Públicas e seus desafios Integração de Políticas Públicas e seus desafios Rômulo Paes de Sousa Secretário Executivo do MDS Rio de Janeiro, 5 de agosto de 2011. MODELO PRÉ-SISTÊMICO Transição da Política Pública Baseado em programas

Leia mais

e-sus Atenção Básica Prontuário Eletrônico do Cidadão

e-sus Atenção Básica Prontuário Eletrônico do Cidadão e-sus Atenção Básica Prontuário Eletrônico do Cidadão Apresentação CIT 24/11/2016 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Panorama Geral Prontuário Eletrônico do

Leia mais

PERFIL DA POLÍTICA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EM PONTA GROSSA

PERFIL DA POLÍTICA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EM PONTA GROSSA PERFIL DA POLÍTICA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EM PONTA GROSSA Secretaria Munic. de Assistência Social Estrutura Ponta Grossa é considerada pelo Sistema Único de Assistência Social como município de

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA 20/05/2015

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA 20/05/2015 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA 20/05/2015 Perfil da Extrema Pobreza Núcleo duro da pobreza 71% de negros e negras 60% na região Nordeste 40% de crianças e adolescentes (0 a 14 anos) Eixos do Plano

Leia mais

Centro Brasileiro de Estudos da Saúde SEMINÁRIO CEBES. seguridade social e cidadania: desafios para uma sociedade inclusiva

Centro Brasileiro de Estudos da Saúde SEMINÁRIO CEBES. seguridade social e cidadania: desafios para uma sociedade inclusiva Centro Brasileiro de Estudos da Saúde SEMINÁRIO CEBES seguridade social e cidadania: desafios para uma sociedade inclusiva bases institucionais e financeiras da seguridade social no Brasil: o caso da assistência

Leia mais

O Uso dos Sistema de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS. Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação SAGI 2012 Caio Nakashima

O Uso dos Sistema de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS. Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação SAGI 2012 Caio Nakashima O Uso dos Sistema de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação SAGI 2012 Caio Nakashima O que é informação? Antes de definir o que é informação,

Leia mais

Curso Nacional Qualificação de Auditorias e Ouvidorias do SUS: Detalhamento da Estrutura de Governança e Orientações de Funcionamento do Curso

Curso Nacional Qualificação de Auditorias e Ouvidorias do SUS: Detalhamento da Estrutura de Governança e Orientações de Funcionamento do Curso Curso Nacional Qualificação de Auditorias e Ouvidorias do SUS: Detalhamento da Estrutura de Governança e Orientações de Funcionamento do Curso O Curso Nacional de Qualificação de Auditorias e Ouvidorias

Leia mais

Capacitação Questionário de

Capacitação Questionário de Capacitação Questionário de em Eventos Acompanhamento da Renast 2011 Resultados Parciais Área de Produção Editorial e Gráfica Núcleo de Comunicação Secretaria de Vigilância em Saúde 23 e 24 de junho de

Leia mais

COMISSÃO PARITÁRIA Redimensionamento da Rede Credenciada 14/11/2016

COMISSÃO PARITÁRIA Redimensionamento da Rede Credenciada 14/11/2016 COMISSÃO PARITÁRIA Redimensionamento da Rede Credenciada 14/11/2016 Conceito É o conjunto de profissionais e estabelecimentos de saúde, incluindo médicos, consultórios, laboratórios, clínicas e hospitais,

Leia mais

CENTRO COLABORADOR EM ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DO ESCOLAR - CECANE/SC

CENTRO COLABORADOR EM ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DO ESCOLAR - CECANE/SC CENTRO COLABORADOR EM ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DO ESCOLAR - CECANE/SC COORDENADOR Prof. Francisco de Assis Guedes de Vasconcelos SUB-COORDENAÇÃO PESQUISA Prof. Cristine Garcia Gabriel Prof. Janaina das Neves

Leia mais

Tecnologia da Infomação e Comunicação nas Escolas Públicas Brasileiras

Tecnologia da Infomação e Comunicação nas Escolas Públicas Brasileiras 2010 The Meeting of the America Tecnologia da Infomação e Comunicação nas Escolas Públicas Brasileiras Antonio Carlos Alves Carvalho Coordenador-Geral de Projetos e Programas De Tecnologia Educacional

Leia mais

TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO. Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP

TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO. Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP Legislação Os normativos do enquadramento dos agricultores

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

Relatório de Dados do Programa de Microcrédito 2º. Trimestre de 2012

Relatório de Dados do Programa de Microcrédito 2º. Trimestre de 2012 Ministério do Trabalho e Emprego Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado Relatório de Dados do Programa de Microcrédito 2º. de 2012 1. Resultados do Programa de Microcrédito no 2 de 2012.

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

ENCONTRO REGIONAL CONGEMAS/ COGEMASES REGIÃO SUDESTE VENDA NOVA DO IMIGRANTE- ES

ENCONTRO REGIONAL CONGEMAS/ COGEMASES REGIÃO SUDESTE VENDA NOVA DO IMIGRANTE- ES ENCONTRO REGIONAL CONGEMAS/ COGEMASES REGIÃO SUDESTE VENDA NOVA DO IMIGRANTE- ES O plano decenal :diagnóstico,perspectivas e as diversidades estaduais e regional. 17/3 /2016 Aldaiza Sposati apoio: Jose

Leia mais

Secretaria Nacional de Promoção e Defesa de Direitos Humanos (SNPDDH)

Secretaria Nacional de Promoção e Defesa de Direitos Humanos (SNPDDH) (SNPDDH) PAULO ROBERTO MARTINS MALDOS Secretário paulo.maldos@sdh.gov.br Brasília, 09 de março de 2015 Principais responsabilidades da SNPDDH políticas de promoção e defesa dos direitos dos idosos e da

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MAPA DA POBREZA E DO MAPA DE OPORTUNIDADES E DE SERVIÇOS PÚBLICOS

A CONSTRUÇÃO DO MAPA DA POBREZA E DO MAPA DE OPORTUNIDADES E DE SERVIÇOS PÚBLICOS GESTÃO DA INFORMAÇÃO A CONSTRUÇÃO DO MAPA DA POBREZA E DO MAPA DE OPORTUNIDADES E DE SERVIÇOS PÚBLICOS Contextualização: o Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria (BSM) é um grande esforço

Leia mais

Vagas autorizadas. 4.146 vagas* autorizadas em 1.294 municípios e 12 DSEIs *35 vagas nos Distritos Indígenas e 361 vagas de reposição

Vagas autorizadas. 4.146 vagas* autorizadas em 1.294 municípios e 12 DSEIs *35 vagas nos Distritos Indígenas e 361 vagas de reposição Vagas autorizadas 4.146 vagas* autorizadas em 1.294 municípios e 12 DSEIs *35 vagas nos Distritos Indígenas e 361 vagas de reposição Fonte: IBGE e MS. Datum: SIRGAS2000 Elaboração: MS/SGTES/DEPREPS Data:

Leia mais

OBJETIVO. Teleconsultoria Telediagnóstico Teleeducação. Legislação. Portaria 2546/2011 Portaria 2554/2011

OBJETIVO. Teleconsultoria Telediagnóstico Teleeducação. Legislação. Portaria 2546/2011 Portaria 2554/2011 OBJETIVO Melhorar a qualidade do serviço de saúde do SUS, capacitando e integrando os trabalhadores e profissionais de saúde por meio do uso de tecnologias e infra-estrutura de informática e telecomunicação

Leia mais

Análise dos Danos Humanos Decorrentes de Desastres Associados a Chuvas, Ventos, Granizo e Escorregamentos, no Brasil,

Análise dos Danos Humanos Decorrentes de Desastres Associados a Chuvas, Ventos, Granizo e Escorregamentos, no Brasil, Universidade de Brasília Departamento de Saúde Pública Curso de Especialização em Vigilância em Saúde Ambiental Análise dos Danos Humanos Decorrentes de Desastres Associados a Chuvas, Ventos, Granizo e

Leia mais

Alimentação Escolar nas Instituições de Ensino das Redes Públicas Estaduais. Novembro, 2011

Alimentação Escolar nas Instituições de Ensino das Redes Públicas Estaduais. Novembro, 2011 Alimentação Escolar nas Instituições de Ensino das Redes Públicas Estaduais Novembro, 2011 AMOSTRAGEM: 20 UFs 14,5 MILHÕES DE ESTUDANTES BENEFICIADOS EM 21.853 INSTITUIÇÕES DE ENSINO 3 BILHÕES DE REFEIÇÕES

Leia mais

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF Crédito Fundiário no combate a pobreza rural: Sustentabilidade e qualidade de vida 2011 PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO

Leia mais

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília Apresentação do IDConselho Municipal Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília 5.366 Conselhos Municipais que preencheram o Censo SUAS 2014 Dinâmica de

Leia mais

Seminário Espaços Urbanos Seguros

Seminário Espaços Urbanos Seguros Seminário Espaços Urbanos Seguros A atuação da CAIXA e seu impacto no desenvolvimento de cidades sustentáveis Vice-Presidência de Governo Superintendência Nac de Ass Técnica e Desenv Sustentável Jean R.

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Regionalização da Assistência Social

Regionalização da Assistência Social Regionalização da Assistência Social Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos PAEFI Serviços de Acolhimento para Crianças, Adolescentes e Jovens Serviços de Acolhimento para

Leia mais

Perfil das Micro e Pequenas Empresas no ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Perfil das Micro e Pequenas Empresas no ESTADO DO RIO DE JANEIRO Perfil das Micro e Pequenas Empresas no ESTADO DO RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, SETEMBRO DE 2011 03 2011 PANORAMA GERAL O crescimento

Leia mais

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 1 2 8 1» Centro de Artes e Esportes Unificados Rio Branco AC 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 Recanto das Emas DF 3» Creche Ipê Rosa Samambaia DF 4» Quadra escolar Maria Nascimento

Leia mais

Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda

Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda Mesa: Cadastro Único, Bolsa Família e Brasil sem Miséria. Cadastro Único É um mapa representativo

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

O segmento de habitação popular possui fundamentos sólidos baseados em 4 pilares...

O segmento de habitação popular possui fundamentos sólidos baseados em 4 pilares... O segmento de habitação popular possui fundamentos sólidos baseados em 4 pilares... Pilar 1: Déficit habitacional Pilar 2: Crédito ao Comprador Programa MCMV Pilar 3: Demografia Pilar 4: Aumento da Renda

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais

ANEXO 1. Relação de todas as pessoas que compõem o grupo familiar, inclusive o candidato, com as respectivas rendas.

ANEXO 1. Relação de todas as pessoas que compõem o grupo familiar, inclusive o candidato, com as respectivas rendas. ANEXO 1 PROCEDIMENTOS PARA CÁLCULO E APURAÇÃO DA RENDA FAMILIAR BRUTA MENSAL PER CAPITA 1. A renda familiar bruta mensal per capita será apurada de acordo com o seguinte procedimento: 1.1 Calcula-se a

Leia mais

Circular nº 704, de 30 de dezembro de 2015

Circular nº 704, de 30 de dezembro de 2015 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias Diretoria Executiva de Fundos de Governo Superintendência Nacional de Fundo de Garantia Gerência Nacional de Ativo do FGTS Circular

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA Tecnologia e inovação a serviço do fim da pobreza. V Seminário de Gestão de Tecnologias e Inovação em Saúde Salvador 11/10/2013

BOLSA FAMÍLIA Tecnologia e inovação a serviço do fim da pobreza. V Seminário de Gestão de Tecnologias e Inovação em Saúde Salvador 11/10/2013 BOLSA FAMÍLIA Tecnologia e inovação a serviço do fim da pobreza V Seminário de Gestão de Tecnologias e Inovação em Saúde Salvador 11/10/2013 CRESCIMENTO DA RENDA DOMICILIAR PER CAPITA POR QUINTIL (2002

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE RENDA DE CIDADANIA SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE RENDA DE CIDADANIA SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE RENDA DE CIDADANIA SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL INSTRUÇÃO OPERACIONAL CONJUNTA SENARC/SNAS MDS Nº 01, DE 14 DE

Leia mais

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007.

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. VA PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 4/10/2007, SEÇÃO 3, PÁG.. EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. Divulgar a distribuição de vagas do Concurso Público para provimento de cargos e formação

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social Secretaria Nacional de Assistência Social. Índice de Gestão Descentralizada do SUAS - IGDSUAS

Ministério do Desenvolvimento Social Secretaria Nacional de Assistência Social. Índice de Gestão Descentralizada do SUAS - IGDSUAS Índice de Gestão Descentralizada do SUAS - IGDSUAS MARCO LEGAL O IGDSUAS foi instituído pela Lei n.º 12.435/2011, que altera a Lei n.º 8.742/1993 (LOAS) art. 12-A Regulamentado pelo Decreto n.º 7.636 de

Leia mais

Agricultura Orgânica para a Conservação da Biodiversidade PROBIO II

Agricultura Orgânica para a Conservação da Biodiversidade PROBIO II Agricultura Orgânica para a Conservação da Biodiversidade PROBIO II Seminário de Integração e Missão de Supervisão DEZEMBRO-2010 COAGRE/DEPROS/SDC Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PROJETO:

Leia mais

PERFIL DAS PESSOAS E FAMÍLIAS NO CADASTRO ÚNICO EM CAMPINAS

PERFIL DAS PESSOAS E FAMÍLIAS NO CADASTRO ÚNICO EM CAMPINAS PERFIL DAS PESSOAS E FAMÍLIAS NO CADASTRO ÚNICO EM CAMPINAS VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência e Inclusão Social Julho de 2015 Introdução O presente estudo visa

Leia mais

Evolução das Despesas Estaduais

Evolução das Despesas Estaduais PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 2 Evolução das Despesas

Leia mais

Regulamento para concessão de isenção do pagamento ou para redução do valor da taxa de inscrição para o Concurso Vestibular Fuvest 2018

Regulamento para concessão de isenção do pagamento ou para redução do valor da taxa de inscrição para o Concurso Vestibular Fuvest 2018 CONCURSO VESTIBULAR FUVEST 2018 Isenção Total ou Parcial de Taxa de Inscrição Informe nº 03/2018 10.07.2017 Regulamento para concessão de isenção do pagamento ou para redução do valor da taxa de inscrição

Leia mais

Departamento de Saúde Animal. Avanços e Desafios do Programa Nacional de Febre Aftosa no Brasil

Departamento de Saúde Animal. Avanços e Desafios do Programa Nacional de Febre Aftosa no Brasil Departamento de Saúde Animal Avanços e Desafios do Programa Nacional de Febre Aftosa no Brasil Revisão da política e das estratégias de combate à febre aftosa no Brasil Marco inicial da erradicação: 1992

Leia mais

Análise comparativa das finanças dos Estados da Região Sul, com ênfase para o Estado do Rio Grande do Sul

Análise comparativa das finanças dos Estados da Região Sul, com ênfase para o Estado do Rio Grande do Sul Análise comparativa das finanças dos Estados da Região Sul, com ênfase para o Estado do Rio Grande do Sul Por Darcy Francisco Carvalho dos Santos Sumário 1. Indicadores de receita... 2 2. Indicadores de

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidente da República DILMA ROUSSEFF MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Ministro de Estado da Justiça JOSÉ EDUARDO CARDOZO Secretária-Executiva MÁRCIA PELEGRINI DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR EM CARGOS DE E DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO Administrador AC 1 14 14.00 Administrador AL 1 53 53.00 Administrador AP 1 18 18.00 Administrador BA 1 75 75.00 Administrador DF 17 990 58.24 Administrador MT 1 55

Leia mais

Ind Renda média domiciliar per capita, por ano, segundo região e escolaridade

Ind Renda média domiciliar per capita, por ano, segundo região e escolaridade Indicador Descrição Renda média domiciliar per capita Média das rendas domiciliares per capita das pessoas residentes. Considerou-se como renda domiciliar per capita a soma dos rendimentos mensais dos

Leia mais

Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. Brasília, junho de 2015

Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. Brasília, junho de 2015 Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Brasília, junho de 2015 Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A Mapa da cobertura de suplementação de vitamina A para crianças de 6 a 11 meses, em

Leia mais

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS Seminário POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS LEGISLAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E POLÍTICA DE SEGURANÇA Brasília DF 13 de setembro de 2012 Regulamentação da atividade de mototaxista Mesmo diante da ausência

Leia mais

Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil

Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil Audiência pública Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa

Leia mais

Cenário atual e perspectiva para a formação continuada de professores do Ensino Médio no âmbito do PNEM. Programas Integrados

Cenário atual e perspectiva para a formação continuada de professores do Ensino Médio no âmbito do PNEM. Programas Integrados MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETORIA DE FORMULAÇÃO DE CONTEÚDOS EDUCACIONAIS Cenário atual e perspectiva para a formação continuada de professores do Ensino Médio no âmbito do

Leia mais

Edição nº 81 de 28/04/2006 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Edição nº 81 de 28/04/2006 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Edição nº 81 de 28/04/2006 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N 148, DE 27 DE ABRIL DE 2006 Estabelece normas, critérios e procedimentos para o apoio à

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL 08 de Novembro de 2012 O que é o Brasil Rural? O Brasil Rural Diversidade: raças, origens étnicas, povos, religiões, culturas Conflitos: concentração de terra, trabalho

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual

EMPREENDEDORISMO. Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual EMPREENDEDORISMO Números MPE Indicador Brasil DF Participação % Fonte Número de MPE 5.786.696 87.358 1,51 RAIS 2008 Número de MPE Comércio 3.067.577 41.967 1,37 RAIS 2008 Número de MPE - Serviço 1.861.779

Leia mais

Configuração de NFe. Acesse o módulo Administrativo.

Configuração de NFe. Acesse o módulo Administrativo. Configuração de NFe Para definir as configurações (Parâmetros) de cada empresa ou filial cadastrada no sistema para envios de NF-e, proceda da seguinte forma: Acesse o módulo Administrativo. Clique no

Leia mais

Gestão Compartilhada. do Programa Bolsa. Família

Gestão Compartilhada. do Programa Bolsa. Família Gestão Compartilhada do Programa Bolsa Família Olinda Abriga uma população de 397.268 habitantes (IBGE/2009), 3ª maior cidade de Pernambuco. Extensão territorial de 43,55 km², das quais 9,73 km² fazem

Leia mais

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA E ENFRENTAMENTO DA DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE BRASÍLIA, 20 DE OUTUBRO DE 2016

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA E ENFRENTAMENTO DA DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE BRASÍLIA, 20 DE OUTUBRO DE 2016 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA E ENFRENTAMENTO DA DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE BRASÍLIA, 20 DE OUTUBRO DE 2016 Situação Epidemiológica da Dengue, por temporada, Brasil 2013/2014:

Leia mais

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010).

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010). O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência PLANO VIVER SEM LIMITE 2011-2014 foi instituído por meio do Decreto da Presidência da República nº 7.612, de 17/11/2011 e tem como finalidade promover,

Leia mais

Microempreendedor Individual MEI

Microempreendedor Individual MEI Universidade Estadual de Goiás - UNUCSEH Núcleo Interdisciplinar de Estudos Independentes NIEI 3º ano Aluna: Christiane Rocha Cunha Microempreendedor Individual MEI V. OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 1. Principais

Leia mais

ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO

ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO RESIDÊNCIA JURÍDICA UERJ 2012 ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO CENTRO DE PRODUÇÃO 1 1. DAS INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. A isenção de taxa de inscrição do Processo Seletivo Treinamento em Direito 2012 é um benefício

Leia mais