Números revelam avanços e desafios

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Números revelam avanços e desafios"

Transcrição

1

2

3 dados e indicadores Números revelam avanços e desafios Mais de 70% dos municípios brasileiros conseguiram alcançar ou superar as metas estabelecidas pelo Inep/MEC no último biênio. Essa evolução teve reflexos positivos não apenas na qualidade da educação mas também em outros indicadores sociais relacionados à infância e à adolescência em todo o país. Para garantir o pleno exercício dos direitos das crianças e dos adolescentes, ainda temos, no entanto, muitos desafios pela frente Uma educação de melhor qualidade tem impacto significativo em outras esferas da vida das crianças e dos adolescentes brasileiros

4 132 Situação da Infância e da adolescência Brasileira 2009 Este capítulo apresenta informações relacionadas à realização dos direitos de crianças e adolescentes em todo o Brasil. Ele está dividido em três blocos: (1) Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb); (2) Tabelas de indicadores básicos; e (3) Índice de Adequação Idade-Anos de Escolaridade (IAIA). Os indicadores apresentados aqui visam facilitar o acompanhamento dos desafios mais importantes da educação no Brasil. É consenso que, para atingir as metas pretendidas, será necessária a regularização do fluxo escolar, para reduzir significativamente as reprovações, a evasão e o abandono escolar e melhorar o desempenho das escolas. O Ideb se baseia no princípio de que uma educação de qualidade é aquela em que o aluno aprende e é aprovado para a próxima série do ensino. Ele permite acompanhar tanto o fluxo quanto o desempenho escolar. Já os indicadores básicos permitem fazer um diagnóstico mais amplo da situação da infância e da adolescência nas diferentes macrorregiões e unidades da federação. Ao final, o Índice de Adequação Idade-Anos de Escolaridade tem por objetivo avaliar se as crianças e os adolescentes brasileiros atingiram o nível adequado de escolaridade na idade certa. O Ideb O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) foi criado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)/MEC em 2007 e reúne em um só indicador dois conceitos importantes para a qualidade da educação: fluxo escolar e desempenho nas avaliações. O indicador, que vai de zero a 10, é calculado com base nos dados sobre aprovação escolar, obtidos no Censo Escolar, e médias de desempenho nas avaliações do Inep, o Saeb para os estados e para o país e a Prova Brasil para os municípios (veja mais no capítulo Aprender no Brasil). Com o Ideb, ampliam-se as possibilidades de mobilização da sociedade em favor da educação, uma vez que o índice permite comparações nacionais e expressa em valores os resultados mais importantes da educação: aprendizagem e fluxo. Essa combinação conduz a um equilíbrio nos sistemas de ensino: se um sistema retiver seus alunos para obter resultados de melhor qualidade no Saeb ou na Prova Brasil, o fator fluxo será alterado, indicando a necessidade de melhoria. Se, ao contrário, o sistema apressar a aprovação do aluno sem qualidade, o resultado das avaliações terá o mesmo efeito. O Ideb também é importante por ser condutor das políticas públicas voltadas para a melhoria da educação, uma ferramenta de acompanhamento das metas do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) para a Educação Básica. O PDE estabelece como meta que em 2022 o Ideb do Brasil seja 6,0 média que corresponde a um sistema educacional de qualidade comparável à dos países desenvolvidos. O Ideb está apresentado neste capítulo em mapas, tanto para o Brasil quanto para os estados. Os mapas foram elaborados para demonstrar visualmente a evolução do índice nos municípios de cada estado e a situação desses municípios em relação ao atingimento ou à superação das metas estabelecidas pelo Inep 1. As faixas apresentadas nos mapas foram determinadas com base na série do Ideb anos iniciais do Ensino Fundamental para o Brasil, agrupando estatisticamente os municípios em cinco intervalos de valores próximos. Os mapas para 2007 e as desagregações estaduais mantiveram as faixas determinadas inicialmente para o Brasil para fins de comparação. Indicadores básicos As tabelas deste bloco apresentam indicadores básicos relacionados aos direitos de crianças e adolescentes. Elas estão divididas em oito grupos: (1) Indicadores de população; (2) Indicadores de sobrevivência; (3) Indicadores de educação; (4) Indicadores econômicos (renda); (5) Indicadores de HIV/aids; 1 As somas dos percentuais do Ideb nem sempre são iguais a 100%.

5 DADOS E indicadores 133 (6) Indicadores de proteção; (7) Fatores de iniquidade por raça/cor, escolaridade da mãe, renda familiar e região; e (8) Indicadores de saúde. Cada grupo está representado por uma tabela com dois ou mais indicadores. O UNICEF trabalha preferencialmente com dados oficiais do governo brasileiro. O IBGE, como fonte oficial do Brasil para indicadores sociais, é prioritário para todas as informações. Na ausência de dados por parte do IBGE e nos casos em que haja o propósito de aprofundar as análises, o UNICEF utiliza informações dos demais órgãos do governo como Inep/MEC e Ministério da Saúde (Ripsa, SIM e suas outras bases), universidades, institutos de pesquisa e organizações da sociedade civil. Nos últimos anos, tem-se registrado a melhoria da cobertura e da sistematização de relevantes estatísticas sociais e demográficas no país. Acreditamos que os sistemas de informação devem continuar trabalhando para a maior desagregação dos indicadores, tornando possível enxergar os grupos mais vulneráveis, como as populações quilombolas e indígenas. Índice de Adequação Idade-Anos de Escolaridade Em um sistema de ensino de progressão continuada, independentemente da forma de organização (seriada ou em ciclos), é possível avaliar a escolaridade alcançada pelo aluno por meio da última etapa ou série concluída com sucesso (aprovação). O aluno que tenha frequentado duas séries ou etapas com aprovação terá dois anos de escolaridade; caso ele tenha frequentado o Ensino Fundamental por três anos e obtido aprovação em apenas duas séries ou etapas, terá também dois anos de escolaridade. Usando esse raciocínio, é possível identificar o número de anos de escolaridade ideal para uma criança supondo, obviamente, seu ingresso no sistema na idade adequada e, assim, obtendo sucesso em sua trajetória escolar. No caso brasileiro, espera-se que uma criança aos 7 anos 2 2 Até 2010, o Ensino Fundamental deverá ter nove anos de duração e será obrigatório para a faixa etária de 6 a 14 anos. tenha ingressado no Ensino Fundamental (nível de ensino obrigatório). Assim, aos 8 anos ela teria, pelo menos, um ano de escolaridade; isto é, teria cursado a 1 a série ou etapa do Ensino Fundamental e, se aprovada, estaria apta a frequentar a série ou etapa seguinte. O Índice de Adequação Idade-Anos de Escolaridade (IAIA) tem por objetivo avaliar a proporção de crianças que se encontram na situação ideal descrita acima em relação ao total de crianças brasileiras da mesma faixa etária. Um IAIA para a faixa de 7 a 14 anos de 0,72, por exemplo, significa que 72% dessa população conseguiu alcançar a escolaridade adequada na idade correta. O ideal seria avaliar a escolaridade das crianças a partir de 8 anos de idade. No entanto, há situações em que o aluno ingressa no Ensino Fundamental aos 7 anos e completa os 8 durante o ano letivo. Para não cometer equívocos, como considerar que uma criança de 8 anos de idade não tenha obtido ainda a escolaridade adequada, o indicador leva em conta o nível de escolaridade das crianças a partir de 9 anos de idade. Assim, uma criança aos 9 anos, numa situação ideal, deveria ter, pelo menos, um ano de escolaridade, e assim sucessivamente. O indicador pode considerar diferentes cortes de idade. Utilizaremos aqui o Índice de Adequação Idade-Anos de Escolaridade para o corte de 9 a 16 anos, tendo como foco o Ensino Fundamental (oito anos de escolaridade) (veja a tabela abaixo). Idade e anos de escolaridade adequados para o cálculo do IAIA IDADE ANOS DE ESCOLARIDADE 9 anos 1 10 anos 2 11 anos 3 12 anos 4 13 anos 5 14 anos 6 15 anos 7 16 anos 8

6 134 Situação da Infância e da adolescência Brasileira 2009 Brasil Até 2, ,5 De 2,8 a 3, ,7 De 3,5 a 4, ,1 De 4,1 a 4, ,5 Acima de 4, ,5 Sem informação 542 9,7 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2, ,4 De 2,8 a 3, ,1 De 3,5 a 4, ,9 De 4,1 a 4, ,8 Acima de 4, ,3 Sem informação 81 1,5

7 DADOS E indicadores 135 Situação de atingimento da meta do Ideb, 2007 Não atingiu a meta ,1 Atingiu a meta 368 6,6 Superou a meta ,6 Sem informação 542 9,7 9,7% 66,6% 17,1% 6,6% Metas do Ideb Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até 2021.

8 136 Situação da Infância e da adolescência Brasileira 2009 Acre Até 2, ,0 De 2,8 a 3,4 9 40,9 De 3,5 a 4,0 2 9,1 De 4,1 a 4,6 0 0,0 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 0 0,0 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2,7 4 18,2 De 2,8 a 3, ,1 De 3,5 a 4,0 4 18,2 De 4,1 a 4,6 1 4,5 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 0 0,0 Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 3 13,6 Atingiu a meta 1 4,5 Superou a meta 18 81,8 Sem informação 0 0,0 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,8% 13,6% 4,5%

9 DADOS E indicadores 137 Alagoas Até 2, ,4 De 2,8 a 3, ,7 De 3,5 a 4,0 1 1,0 De 4,1 a 4,6 0 0,0 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 4 3,9 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2, ,4 De 2,8 a 3, ,8 De 3,5 a 4,0 8 7,8 De 4,1 a 4,6 1 1,0 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 1 1,0 Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 11 10,8 Atingiu a meta 6 5,9 Superou a meta 81 79,4 Sem informação 4 3,9 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,4% 3,9% 10,8% 5,9%

10 138 Situação da Infância e da adolescência Brasileira 2009 Amapá Até 2,7 4 25,0 De 2,8 a 3, ,5 De 3,5 a 4,0 0 0,0 De 4,1 a 4,6 0 0,0 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 2 12,5 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2,7 2 12,5 De 2,8 a 3, ,0 De 3,5 a 4,0 2 12,5 De 4,1 a 4,6 0 0,0 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 0 0,0 Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 6 37,5 Atingiu a meta 1 6,3 Superou a meta 7 43,8 Sem informação 2 12,5 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,5% 37,5% 43,8% 6,3%

11 DADOS E indicadores 139 Amazonas Até 2, ,3 De 2,8 a 3, ,3 De 3,5 a 4,0 3 4,8 De 4,1 a 4,6 0 0,0 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 1 1,6 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2, ,1 De 2,8 a 3, ,8 De 3,5 a 4, ,4 De 4,1 a 4,6 1 1,6 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 0 0,0 Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 8 12,9 Atingiu a meta 2 3,2 Superou a meta 51 82,3 Sem informação 1 1,6 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/ MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,3% 1,6% 12,9% 3,2%

12 140 Situação da Infância e da adolescência Brasileira 2009 Bahia Até 2, ,1 De 2,8 a 3, ,3 De 3,5 a 4,0 23 5,5 De 4,1 a 4,6 1 0,2 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 8 1,9 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2, ,6 De 2,8 a 3, ,7 De 3,5 a 4, ,8 De 4,1 a 4,6 10 2,4 Acima de 4,7 2 0,5 Sem informação 0 0,0 Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 70 16,8 Atingiu a meta 42 10,1 Superou a meta ,2 Sem informação 8 1,9 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,9% 16,8% 10,1% 71,2%

13 DADOS E indicadores 141 Ceará Até 2, ,2 De 2,8 a 3, ,5 De 3,5 a 4, ,2 De 4,1 a 4,6 1 0,5 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 12 6,5 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2,7 9 4,9 De 2,8 a 3, ,2 De 3,5 a 4, ,4 De 4,1 a 4,6 10 5,4 Acima de 4,7 2 1,1 Sem informação 0 0,0 Situação de atingimento da meta do Ideb*, 2007 Não atingiu a meta 34 18,5 Atingiu a meta 18 9,8 Superou a meta ,2 Sem informação 12 6,5 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,5% 18,5% 9,8% 65,2%

14 142 Situação da Infância e da adolescência Brasileira 2009 Espírito Santo Até 2,7 0 0,0 De 2,8 a 3,4 9 11,5 De 3,5 a 4, ,8 De 4,1 a 4, ,6 Acima de 4,7 6 7,7 Sem informação 1 1,3 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2,7 0 0,0 De 2,8 a 3,4 0 0,0 De 3,5 a 4, ,5 De 4,1 a 4, ,0 Acima de 4, ,5 Sem informação 0 0,0 Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 3 3,8 Atingiu a meta 6 7,7 Superou a meta 68 87,2 Sem informação 1 1,3 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,3% 3,8% 7,7% 87,2%

15 DADOS E indicadores 143 Goiás + Distrito Federal Até 2,7 2 0,8 De 2,8 a 3, ,4 De 3,5 a 4, ,0 De 4,1 a 4, ,2 Acima de 4,7 14 5,7 Sem informação 17 6,9 Até 2,7 0 0,0 De 2,8 a 3,4 13 5,3 De 3,5 a 4, ,4 De 4,1 a 4, ,8 Acima de 4, ,4 Sem informação 3 1,2 Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 63 25,5 Atingiu a meta 23 9,3 Superou a meta ,3 Sem informação 17 6,9 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,3% 6,9% 25,5% 9,3%

16 144 Situação da Infância e da adolescência Brasileira 2009 Maranhão Até 2, ,7 De 2,8 a 3, ,8 De 3,5 a 4, ,6 De 4,1 a 4,6 1 0,5 Acima de 4,7 1 0,5 Sem informação 2 0,9 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2,7 18 8,3 De 2,8 a 3, ,1 De 3,5 a 4, ,2 De 4,1 a 4,6 13 6,0 Acima de 4,7 3 1,4 Sem informação 0 0,0 Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 39 18,0 Atingiu a meta 12 5,5 Superou a meta ,6 Sem informação 2 0,9 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,9% 18,0% 5,5% 75,6%

17 DADOS E indicadores 145 Mato Grosso Até 2, ,3 De 2,8 a 3, ,7 De 3,5 a 4, ,6 De 4,1 a 4, ,8 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 8 5,7 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2,7 2 1,4 De 2,8 a 3, ,8 De 3,5 a 4, ,1 De 4,1 a 4, ,5 Acima de 4, ,2 Sem informação 0 0,0 Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 11 7,8 Atingiu a meta 5 3,5 Superou a meta ,0 Sem informação 8 5,7 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,7% 7,8% 3,5% 83,0%

18 146 Situação da Infância e da adolescência Brasileira 2009 Mato Grosso do Sul Até 2, ,8 De 2,8 a 3, ,3 De 3,5 a 4, ,9 De 4,1 a 4,6 0 0,0 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 0 0,0 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2,7 1 1,3 De 2,8 a 3, ,7 De 3,5 a 4, ,8 De 4,1 a 4, ,6 Acima de 4,7 2 2,6 Sem informação 0 0,0 Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 2 2,6 Atingiu a meta 1 1,3 Superou a meta 75 96,2 Sem informação 0 0,0 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,6% 1,3% 96,2%

19 DADOS E indicadores Minas Gerais Municípios % 6 0,7 De 2,8 a 3, ,4 De 3,5 a 4, ,4 De 4,1 a 4, ,7 Acima de 4, ,9 Sem informação 76 8,9 Até 2,7 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2,7 Municípios % 3 0,4 De 2,8 a 3,4 50 5,9 De 3,5 a 4, ,2 De 4,1 a 4, ,1 Acima de 4, ,2 3 0,4 Sem informação Situação de atingimento da meta do Ideb*, 2007 Municípios % Não atingiu a meta ,8 Atingiu a meta 47 5,5 Superou a meta ,8 Sem informação 76 8,9 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,9% 27,8% 57,8% 5,5% 147

20 148 Situação da Infância e da adolescência Brasileira 2009 Pará Até 2, ,5 De 2,8 a 3, ,0 De 3,5 a 4,0 3 2,1 De 4,1 a 4,6 0 0,0 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 2 1,4 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2, ,4 De 2,8 a 3, ,3 De 3,5 a 4,0 8 5,6 De 4,1 a 4,6 1 0,7 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 0 0,0 Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 34 23,8 Atingiu a meta 15 10,5 Superou a meta 92 64,3 Sem informação 2 1,4 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,3% 1,4% 23,8% 10,5%

21 DADOS E indicadores 149 Paraíba Até 2, ,3 De 2,8 a 3, ,5 De 3,5 a 4,0 8 3,6 De 4,1 a 4,6 0 0,0 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 28 12,6 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2, ,8 De 2,8 a 3, ,0 De 3,5 a 4, ,8 De 4,1 a 4,6 5 2,2 Acima de 4,7 3 1,3 Sem informação 2 0,9 Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 23 10,3 Atingiu a meta 11 4,9 Superou a meta ,2 Sem informação 28 12,6 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,6% 10,3% 4,9% 72,2%

22 150 Situação da Infância e da adolescência Brasileira 2009 Paraná Até 2,7 Municípios % 3 0,8 De 2,8 a 3,4 29 7,3 De 3,5 a 4, ,6 De 4,1 a 4, ,9 Acima de 4, ,0 Sem informação 6 1,5 Ideb Anos iniciais, 2007 Municípios % 0 0,0 De 2,8 a 3,4 1 0,3 De 3,5 a 4,0 39 9,8 De 4,1 a 4, ,8 Acima de 4, ,9 1 0,3 Até 2,7 Sem informação Situação de atingimento da meta do Ideb*, 2007 Municípios % Não atingiu a meta 37 9,3 Atingiu a meta 18 4,5 Superou a meta ,7 Sem informação 6 1,5 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,5% 4,5% 9,3% 84,7%

23 DADOS E indicadores 151 Pernambuco Até 2, ,5 De 2,8 a 3, ,9 De 3,5 a 4,0 8 4,3 De 4,1 a 4,6 0 0,0 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 8 4,3 Fernando de Noronha Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2, ,6 De 2,8 a 3, ,9 De 3,5 a 4, ,9 De 4,1 a 4,6 1 0,5 Acima de 4,7 2 1,1 Sem informação 0 0,0 Fernando de Noronha Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 36 19,5 Atingiu a meta 20 10,8 Superou a meta ,4 Sem informação 8 4,3 4,3% * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,4% 19,5% 10,8% Fernando de Noronha

24 152 Situação da Infância e da adolescência Brasileira 2009 Piauí Até 2, ,7 De 2,8 a 3, ,3 De 3,5 a 4,0 9 4,0 De 4,1 a 4,6 0 0,0 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 60 26,9 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2, ,3 De 2,8 a 3, ,0 De 3,5 a 4, ,2 De 4,1 a 4,6 4 1,8 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 6 2,7 Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 22 9,9 Atingiu a meta 12 5,4 Superou a meta ,8 Sem informação 60 26,9 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,9% 9,9% 5,4% 57,8%

25 DADOS E indicadores 153 Rio de Janeiro Até 2,7 0 0,0 De 2,8 a 3, ,4 De 3,5 a 4, ,1 De 4,1 a 4, ,0 Acima de 4, ,4 Sem informação 1 1,1 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2,7 0 0,0 De 2,8 a 3,4 2 2,2 De 3,5 a 4, ,8 De 4,1 a 4, ,6 Acima de 4, ,5 Sem informação 0 0,0 Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 27 29,3 Atingiu a meta 12 13,0 Superou a meta 52 56,5 Sem informação 1 1,1 1,1% * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,5% 29,3% 13,0%

26 154 Situação da Infância e da adolescência Brasileira 2009 Rio Grande do Norte Até 2, ,5 De 2,8 a 3, ,5 De 3,5 a 4,0 0 0,0 De 4,1 a 4,6 1 0,6 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 14 8,4 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2, ,6 De 2,8 a 3, ,5 De 3,5 a 4, ,6 De 4,1 a 4,6 3 1,8 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 1 0,6 Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 18 10,8 Atingiu a meta 6 3,6 Superou a meta ,2 Sem informação 14 8,4 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,4% 77,2% 10,8% 3,6%

27 DADOS E indicadores Rio Grande do Sul Até 2,7 Municípios % 2 0,4 De 2,8 a 3,4 24 4,8 De 3,5 a 4, ,2 De 4,1 a 4, ,0 Acima de 4, ,5 Sem informação ,1 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2,7 Municípios % 0 0,0 De 2,8 a 3,4 7 1,4 De 3,5 a 4, ,3 De 4,1 a 4, ,5 Acima de 4, ,6 Sem informação 51 10,3 Situação de atingimento da meta do Ideb*, 2007 Municípios % Não atingiu a meta 43 8,7 Atingiu a meta 23 4,6 Superou a meta ,6 Sem informação ,1 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,7% 35,1% 51,6% 4,6% 155

28 156 Situação da Infância e da adolescência Brasileira 2009 Rondônia Até 2,7 0 0,0 De 2,8 a 3, ,3 De 3,5 a 4, ,9 De 4,1 a 4,6 1 1,9 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 2 3,8 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2,7 0 0,0 De 2,8 a 3,4 8 15,4 De 3,5 a 4, ,4 De 4,1 a 4, ,2 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 0 0,0 Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 7 13,5 Atingiu a meta 3 5,8 Superou a meta 40 76,9 Sem informação 2 3,8 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,8% 13,5% 5,8% 76,9%

29 DADOS E indicadores 157 Roraima Até 2,7 4 26,7 De 2,8 a 3,4 8 53,3 De 3,5 a 4,0 2 13,3 De 4,1 a 4,6 0 0,0 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 1 6,7 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2,7 0 0,0 De 2,8 a 3,4 7 46,7 De 3,5 a 4,0 7 46,7 De 4,1 a 4,6 1 6,7 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 0 0,0 Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 0 0,0 Atingiu a meta 1 6,7 Superou a meta 13 86,7 Sem informação 1 6,7 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,7% 6,7% 86,7%

30 158 Situação da Infância e da adolescência Brasileira 2009 Santa Catarina Até 2,7 0 0,0 De 2,8 a 3,4 10 3,4 De 3,5 a 4, ,0 De 4,1 a 4, ,6 Acima de 4, ,0 Sem informação 50 17,1 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2,7 0 0,0 De 2,8 a 3,4 1 0,3 De 3,5 a 4,0 24 8,2 De 4,1 a 4, ,2 Acima de 4, ,8 Sem informação 10 3,4 Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 22 7,5 Atingiu a meta 15 5,1 Superou a meta ,3 Sem informação 50 17,1 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,1% 7,5% 5,1% 70,3%

31 DADOS E indicadores São Paulo Municípios % 0 0,0 De 2,8 a 3,4 1 0,2 De 3,5 a 4,0 58 9,0 De 4,1 a 4, ,7 Acima de 4, ,5 Sem informação 56 8,7 Até 2,7 Ideb Anos iniciais, 2007 Municípios % 0 0,0 De 2,8 a 3,4 2 0,3 De 3,5 a 4,0 22 3,4 De 4,1 a 4, ,3 Acima de 4, ,5 3 0,5 Até 2,7 Sem informação Situação de atingimento da meta do Ideb*, 2007 Municípios % Não atingiu a meta ,1 Atingiu a meta 55 8,5 Superou a meta ,7 Sem informação 56 8,7 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,7% 25,1% 57,7% 8,5% 159

32 160 Situação da Infância e da adolescência Brasileira 2009 Sergipe Até 2, ,3 De 2,8 a 3, ,3 De 3,5 a 4,0 0 0,0 De 4,1 a 4,6 0 0,0 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 4 5,3 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2, ,7 De 2,8 a 3, ,0 De 3,5 a 4,0 4 5,3 De 4,1 a 4,6 0 0,0 Acima de 4,7 0 0,0 Sem informação 0 0,0 Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 7 9,3 Atingiu a meta 3 4,0 Superou a meta 61 81,3 Sem informação 4 5,3 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,3% 9,3% 4,0% 81,3%

33 DADOS E indicadores 161 Tocantins Até 2,7 10 7,2 De 2,8 a 3, ,8 De 3,5 a 4, ,3 De 4,1 a 4, ,4 Acima de 4,7 1 0,7 Sem informação 5 3,6 Ideb Anos iniciais, 2007 Até 2,7 0 0,0 De 2,8 a 3, ,7 De 3,5 a 4, ,9 De 4,1 a 4, ,5 Acima de 4,7 4 2,9 Sem informação 0 0,0 Situação de atingimento da meta do Ideb *, 2007 Não atingiu a meta 26 18,7 Atingiu a meta 10 7,2 Superou a meta 98 70,5 Sem informação 5 3,6 * Para que o Brasil atinja o nível de qualidade educacional em termos de proficiência e rendimento dos países desenvolvidos, o Ideb deve evoluir da média nacional, 3,8, registrada em 2005, para um Ideb igual a 6,0, na primeira fase do Ensino Fundamental, até Com o objetivo de monitorar essa evolução e compartilhar os esforços necessários para chegar a esse índice, o Inep/MEC estabeleceu metas intermediárias para o país, os estados, os municípios e as escolas, que serão apresentadas bienalmente até ,6% 70,5% 18,7% 7,2%

34 162 Situação da Infância e da adolescência Brasileira 2009 População Área População total (milhares) Absoluto (milhares) População de crianças e adolescentes (até 17 anos) % Absoluto (milhares) % Brasil , ,8 Região Norte , ,9 Rondônia RO , ,6 Acre AC , ,6 Amazonas AM , ,2 Roraima RR , ,8 Pará PA , ,4 Amapá AP , ,8 Tocantins TO , ,7 Região Nordeste , ,4 Maranhão MA , ,2 Piauí PI , ,4 Ceará CE , ,3 Rio Grande do Norte RN , ,2 Paraíba PB , ,5 Pernambuco PE , ,3 Alagoas AL , ,5 Sergipe SE , ,9 Bahia BA , ,5 Região Sudeste , ,6 Minas Gerais MG , ,6 Espírito Santo ES , ,2 Rio de Janeiro RJ , ,6 São Paulo SP , ,3 Região Sul , ,3 Paraná PR , ,0 Santa Catarina SC , ,6 Rio Grande do Sul RS , ,1 Região Centro-Oeste , ,3 Mato Grosso do Sul MS , ,3 Mato Grosso MT , ,6 Goiás GO , ,8 Distrito Federal DF , ,9 1 IBGE Censo IBGE/Pnad 2007

35 DADOS E indicadores 163 População de crianças de até 6 anos População de crianças de 7 a 14 anos População de adolescentes de 15 a 17 anos Absoluto (milhares) % Absoluto (milhares) % Absoluto (milhares) % Absoluto (milhares) % Absoluto (milhares) % Absoluto (milhares) , , , , , , , , , , , , , , , ,6 79 6,9 95 5, , , , ,3 30 7,1 45 6, , , , , , , , , , ,5 13 6,2 24 5, , , , , , , , , , ,6 21 7,3 40 6, , , , ,0 67 7,3 85 6, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,2 %

36 164 Situação da Infância e da adolescência Brasileira 2009 Sobrevivência Área Esperança de vida ao nascer (anos de idade) 1 Taxa de mortalidade infantil (por mil nascidos vivos) 2 Taxa de mortalidade entre menores de 5 anos (por mil nascidos vivos) 2 Taxa de mortalidade materna (óbitos por 100 mil nascidos vivos) Brasil 66,3 72,7 31,9 21,2 19,3 30,4 25,3 23,1 70,9 74,7 Região Norte 65,8 71,6 32,2 23,4 21,7 33,7 28,4 23,1 n.d n.d Rondônia RO 65,7 71,2 29,4 21,1 19,9 29,5 26,5 25,7 n.d. n.d. Acre AC 65,6 71,4 42,3 29,5 28,0 43,1 35,9 34,4 n.d. n.d. Amazonas AM 66,3 71,6 32,1 24,5 21,5 33,5 28,7 27,7 n.d. n.d. Roraima RR 64,9 69,9 26,3 18,1 16,6 26,8 21,9 20,4 n.d. n.d. Pará PA 66,2 72,0 32,7 24,5 23,1 34,7 28,4 27,3 n.d. n.d. Amapá AP 66,5 70,4 25,8 22,9 20,9 28,0 26,3 25,5 n.d. n.d. Tocantins TO 65,8 71,3 32,1 23,2 21,4 33,8 28,4 27,2 n.d. n.d. Região Nordeste 63,1 69,7 50,4 31,6 27,2 47,9 38,4 34,1 n.d. n.d. Maranhão MA 62,3 67,6 50,4 32,7 30,1 48,1 36,7 35,0 n.d. n.d. Piauí PI 63,0 68,9 44,0 28,7 26,2 42,9 35,3 33,7 n.d. n.d. Ceará CE 63,7 70,3 46,5 27,5 24,3 41,1 33,4 31,8 n.d. n.d. Rio Grande do Norte RN 63,8 70,4 53,3 33,6 29,9 48,1 38,5 36,7 n.d. n.d. Paraíba PB 61,7 69,0 53,4 34,0 30,3 51,0 39,5 37,6 n.d. n.d. Pernambuco PE 60,9 68,3 57,1 32,1 18,6 50,9 38,6 36,3 n.d. n.d. Alagoas AL 60,4 66,8 69,4 44,4 41,3 67,9 53,1 50,0 n.d. n.d. Sergipe SE 64,6 70,9 45,0 32,2 30,0 47,1 38,2 36,0 n.d. n.d. Bahia BA 65,1 72,0 44,8 29,2 26,3 45,3 37,4 35,5 n.d. n.d. Região Sudeste 67,8 74,1 23,1 14,2 13,8 20,0 16,4 16,1 47,6 43,4 Minas Gerais MG 68,0 74,6 26,0 18,6 17,4 25,8 22,3 20,7 n.d. n.d. Espírito Santo ES 68,0 73,7 19,3 15,6 14,5 18,8 18,1 17,4 24,5 53,4 Rio de Janeiro RJ 66,2 73,1 24,0 16,0 14,6 19,7 18,6 17,0 71,4 63,2 São Paulo SP 68,7 74,2 21,6 13,5 14,6 17,3 15,7 17,0 40,6 35,4 Região Sul 69,1 74,7 17,5 13,8 12,9 17,0 16,1 15,1 52,7 55,1 Paraná PR 68,0 74,1 19,1 14,5 13,1 19,6 17,0 15,4 65,2 66,1 Santa Catarina SC 69,5 75,3 17,4 12,6 12,5 15,7 14,7 14,2 42,0 33,1 Rio Grande do Sul RS 70,0 75,0 15,9 13,7 13,0 15,1 15,9 15,2 45,5 55,7 Região Centro-Oeste 67,3 73,7 24,4 17,8 16,9 24,0 21,8 19,3 54,1 55,0 Mato Grosso do Sul MS 68,0 73,8 26,1 19,3 19,2 23,8 23,7 23,3 82,4 70,0 Mato Grosso MT 66,7 73,1 26,7 19,6 18,1 28,8 24,3 17,3 n.d. n.d. Goiás GO 67,5 73,4 24,4 18,2 17,0 25,9 22,5 21,6 n.d. n.d. Distrito Federal DF 67,7 75,3 19,1 13,6 11,1 14,4 15,5 13,3 29,9 41,4 1 IBGE Síntese de Indicadores Sociais 2 Ministério da Saúde/Rede Interagencial de Informações para a Saúde (Ripsa) 3 UNICEF 4 IBGE/Pnad IBGE/Pnad 2006

37 DADOS E indicadores 165 Índice de Desenvolvimento Infantil 3 % de crianças pobres (vivendo em famílias com renda familiar mensal per capita de até meio salário mínimo) % da população na pobreza (vivendo em famílias com renda familiar mensal per capita de até meio salário mínimo) Taxa de mortalidade materna notificada (óbitos por 100 mil nascidos vivos) 7 % de óbitos entre menores de 1 ano por causas mal definidas ,609 0,667 0,733 50,4 50,3 48,8 31,5 30,0 52,3 53,4 12,3 5,3 0,485 0,556 0,655 58,8 61,1 61,7 43,4 43,0 62,3 57,5 14,5 9,4 0,570 0,583 0,662 47,4 51,9 50,3 38,7 33,8 28,8 53,4 6,4 7,7 0,436 0,516 0,562 46,6 65,5 66,6 47,8 48,1 52,5 45,8 26,1 7,1 0,457 0,520 0,669 57,3 62,6 64,2 42,7 43,9 90,2 53,1 15,2 11,7 0,662 0,655 0,681 35,4 55,5 59,9 40,6 43,4 61,6 51,6 11,1 6,3 0,459 0,552 0,650 60,2 62,6 63,3 44,8 44,9 57,8 59,1 16,7 10,4 0,591 0,653 0,719 50,3 56,4 55,1 39,6 37,0 35,1 63,4 3,5 3,1 0,532 0,581 0,654 74,2 60,6 59,5 43,2 41,6 72,5 72,1 8,0 4,5 0,482 0,558 0,647 70,3 72,5 71,6 53,3 51,6 57,7 67,0 21,8 6,2 0,446 0,542 0,651 50,1 75,5 74,1 59,5 55,7 79,4 91,4 20,6 7,1 0,477 0,534 0,607 81,3 74,9 73,9 57,3 52,7 75,1 98,5 15,8 7,7 0,514 0,582 0,663 75,4 73,0 72,0 53,8 52,3 71,8 82,1 14,1 7,5 0,572 0,605 0,670 75,4 66,4 65,4 47,8 45,1 37,2 53,5 13,9 2,5 0,510 0,574 0,659 74,5 70,0 73,4 49,8 53,1 26,1 26,4 28,7 6,0 0,514 0,599 0,655 72,9 72,8 70,9 52,2 50,7 50,2 46,0 24,4 7,9 0,406 0,473 0,574 71,8 78,4 77,2 61,7 57,4 50,2 52,8 21,9 5,0 0,592 0,624 0,718 68,2 67,7 61,7 48,5 43,9 83,5 50,8 8,0 3,7 0,433 0,525 0,636 70,8 71,1 71,2 51,0 50,4 50,9 71,0 28,1 5,1 0,701 0,750 0,808 37,4 36,7 34,6 20,1 18,6 48,2 40,7 5,7 3,9 0,630 0,649 0,715 55,3 47,3 46,4 28,7 28,0 43,9 32,1 9,6 5,7 0,674 0,744 0,781 57,3 46,3 43,6 28,4 25,3 44,5 53,4 9,9 2,8 0,708 0,746 0,806 33,4 36,9 34,2 18,8 17,3 76,0 63,2 5,2 3,6 0,734 0,803 0,856 27,4 30,2 27,8 15,8 14,1 40,0 35,4 3,5 3,1 0,675 0,729 0,772 39,2 34,2 31,8 19,6 17,5 53,4 55,1 5,2 4,1 0,650 0,718 0,776 47,5 37,5 33,6 22,7 19,6 68,5 66,1 4,5 3,6 0,718 0,764 0,828 33,6 23,2 20,9 12,2 11,4 36,9 33,1 9,3 6,0 0,677 0,719 0,739 33,6 37,0 36,0 20,6 18,9 47,0 55,7 3,9 3,5 0,641 0,696 0,744 46,7 42,3 40,9 26,4 24,8 39,1 54,5 4,1 2,9 0,625 0,681 0,756 49,9 43,2 43,7 26,6 27,3 37,1 70,0 5,7 1,6 0,581 0,648 0,722 51,5 44,2 45,6 29,9 29,6 66,7 85,9 3,3 3,9 0,642 0,691 0,725 47,6 44,4 41,4 27,6 24,7 27,4 36,0 4,1 3,8 0,715 0,785 0,794 34,3 33,8 30,9 18,9 16,8 35,4 41,4 3,2 1,0 6 IBGE/Pnad Ministério da Saúde. Em pesquisa realizada pelo Centro Brasileiro de Classificação de Doenças, foi estabelecido um fator de correção de subnotificação de 1,4 a partir dessa data, para o Brasil. Em benefício da análise por UF e da série temporal, os valores apresentados referem-se aos dados conforme notificados pelo Ministério da Saúde 8 Ministério da Saúde/Datasus - Indicadores do Pacto da Atenção Básica n.d. dado não disponível

38 166 Situação da Infância e da adolescência Brasileira 2009 Educação População fora da escola (absoluto, milhares) 1 Área Até 3 anos 2 De 4 a 6 anos De 7 a 14 anos De 15 a 17 anos Brasil Região Norte Rondônia RO Acre AC Amazonas AM Roraima RR Pará PA Amapá AP Tocantins TO Região Nordeste Maranhão MA Piauí PI Ceará CE Rio Grande do Norte RN Paraíba PB Pernambuco PE Alagoas AL Sergipe SE Bahia BA Região Sudeste Minas Gerais MG Espírito Santo ES Rio de Janeiro RJ São Paulo SP Região Sul Paraná PR Santa Catarina SC Rio Grande do Sul RS Região Centro-Oeste Mato Grosso do Sul MS Mato Grosso MT Goiás GO Distrito Federal DF IBGE/Pnad 2001/ Deveriam estar em creches

39 DADOS E indicadores 167 % da população fora da escola 1 Até 3 anos 2 De 4 a 6 anos De 7 a 14 anos De 15 a 17 anos ,3 82,9 34,4 22,4 3,5 2,4 18,9 17,9 92,5 92,5 39,9 31,8 4,8 3,8 19,8 19,9 95,5 94,0 46,8 46,5 5,7 4,6 22,1 26,1 96,7 93,4 45,0 39,2 4,6 8,7 26,4 25,3 94,6 94,9 45,8 29,4 4,7 3,4 16,6 14,3 86,0 88,1 27,7 17,7 3,0 2,8 10,4 12,2 90,4 91,7 31,4 28,6 5,0 3,8 22,4 22,1 85,1 90,6 47,5 43,1 0,6 3,0 13,8 12,7 96,8 89,8 52,5 31,9 5,0 2,0 17,2 18,4 89,4 85,9 29,5 17,3 4,8 2,9 20,8 19,2 92,8 87,5 31,5 16,9 5,0 3,3 21,6 18,1 89,9 85,2 28,3 21,1 3,5 1,8 17,9 18,8 83,4 82,4 20,5 9,8 4,2 2,4 19,5 20,6 85,2 81,4 24,3 13,1 4,3 2,7 19,6 17,2 90,6 87,2 30,3 13,8 3,7 3,5 21,3 21,0 88,4 84,2 31,9 19,3 5,9 2,6 26,1 21,7 91,9 89,0 33,7 26,3 7,2 3,8 22,4 22,2 88,6 86,3 24,9 15,6 3,9 3,4 23,2 17,5 92,2 88,3 33,2 20,1 4,6 2,9 17,9 16,9 88,4 77,9 31,8 18,3 2,6 1,9 16,4 15,7 91,2 84,3 37,1 24,0 3,0 1,9 21,2 18,8 86,3 76,0 37,2 19,8 4,2 3,1 27,9 24,5 87,1 77,3 25,5 19,4 3,2 1,9 14,2 13,5 87,5 75,0 30,9 14,7 2,0 1,7 13,7 14,0 88,2 78,7 44,7 32,3 3,0 2,0 21,1 19,3 88,7 79,4 44,8 27,2 3,5 2,5 24,9 18,5 84,3 72,5 31,1 22,1 1,9 1,0 16,8 19,7 89,5 81,4 52,5 43,2 3,0 2,1 19,9 20,0 93,3 86,7 45,5 33,8 2,9 2,3 19,8 18,3 92,8 79,0 48,2 32,4 2,6 2,5 24,9 23,8 93,7 87,7 49,2 40,2 3,3 3,0 22,9 20,4 95,7 90,8 46,8 35,9 2,9 2,2 18,9 17,3 88,2 82,8 34,9 22,9 2,5 1,6 13,0 12,4

40 168 Situação da Infância e da adolescência Brasileira 2009 Educação População na escola (absoluto, milhares) 1 Área Até 3 anos 2 De 4 a 6 anos De 7 a 14 anos De 15 a 17 anos Brasil Região Norte Rondônia RO Acre AC Amazonas AM Roraima RR Pará PA Amapá AP Tocantins TO Região Nordeste Maranhão MA Piauí PI Ceará CE Rio Grande do Norte RN Paraíba PB Pernambuco PE Alagoas AL Sergipe SE Bahia BA Região Sudeste Minas Gerais MG Espírito Santo ES Rio de Janeiro RJ São Paulo SP Região Sul Paraná PR Santa Catarina SC Rio Grande do Sul RS Região Centro-Oeste Mato Grosso do Sul MS Mato Grosso MT Goiás GO Distrito Federal DF IBGE/Pnad 2001/ Deveriam estar em creches

41 DADOS E indicadores 169 % da população na escola 1 % da população analfabeta 1 Até 3 anos 2 De 4 a 6 anos De 7 a 14 anos De 15 a 17 anos De 7 a 14 anos De 15 anos ou mais ,7 17,1 65,6 77,6 96,5 97,6 81,1 82,1 10,0 8,3 12,4 10,0 7,5 7,5 60,1 68,2 95,2 96,2 80,2 80,1 12,4 12,1 10,6 10,8 4,5 6,0 53,2 53,5 94,3 95,4 77,9 73,9 4,7 4,7 10,2 9,7 3,3 6,6 55,0 60,8 95,4 91,3 73,6 74,7 12,9 16,3 16,7 15,8 5,4 5,1 54,2 70,6 95,3 96,6 83,4 85,7 8,9 9,6 7,7 7,9 14,0 11,9 72,3 82,3 97,0 97,2 89,6 87,8 7,4 9,8 11,5 10,3 9,6 8,3 68,6 71,4 95,0 96,2 77,6 77,9 13,8 15,8 11,2 11,7 14,9 9,4 52,5 56,9 99,4 97,0 86,2 87,3 3,4 7,1 7,1 6,7 3,2 10,2 47,5 68,1 95,0 98,0 82,8 81,6 22,3 7,2 18,5 14,2 10,6 14,1 70,5 82,7 95,2 97,1 79,2 80,8 19,5 15,3 24,3 19,9 7,2 12,5 68,5 83,1 95,0 96,7 78,4 81,9 22,8 24,2 23,4 21,4 10,1 14,8 71,7 78,9 96,5 98,2 82,1 81,2 26,7 17,8 29,4 23,4 16,6 17,6 79,5 90,2 95,8 97,6 80,5 79,4 17,8 13,7 24,8 19,1 14,8 18,6 75,7 86,9 95,7 97,3 80,4 82,8 18,9 15,7 24,2 19,6 9,4 12,8 69,7 86,2 96,3 96,5 78,7 79,0 17,5 15,1 27,2 23,5 11,6 15,8 68,1 80,7 94,1 97,4 73,9 78,3 20,6 13,3 22,0 18,5 8,1 11,0 66,3 73,7 92,8 96,2 77,6 77,8 23,3 17,6 30,6 25,1 11,4 13,7 75,1 84,4 96,1 96,6 76,8 82,5 16,4 8,0 21,4 16,8 7,8 11,7 66,8 79,9 95,4 97,1 82,1 83,1 16,7 13,0 22,9 18,4 11,6 22,1 68,2 81,7 97,4 98,1 83,6 84,3 4,8 4,2 7,5 5,7 8,8 15,7 62,9 76,0 97,0 98,1 78,8 81,2 6,7 4,6 11,7 8,9 13,7 24,0 62,8 80,2 95,8 96,9 72,1 75,5 9,6 5,6 11,5 8,5 12,9 22,7 74,5 80,6 96,8 98,1 85,8 86,5 5,5 4,2 5,6 4,3 12,5 25,0 69,1 85,3 98,0 98,3 86,3 86,0 3,2 3,8 6,0 4,6 11,8 21,3 55,3 67,7 97,0 98,0 78,9 80,7 3,5 3,6 7,1 5,4 11,3 20,6 55,2 72,8 96,5 97,5 75,1 81,5 2,9 3,0 8,6 6,5 15,7 27,5 68,9 77,9 98,1 99,0 83,2 80,3 2,6 2,3 5,9 4,4 10,5 18,6 47,5 56,8 97,0 97,9 80,1 80,0 4,7 5,0 6,2 5,0 6,7 13,3 54,5 66,2 97,1 97,7 80,2 81,7 6,2 5,3 10,2 8,1 7,2 21,0 51,8 67,6 97,4 97,5 75,1 76,2 4,5 5,5 10,3 8,3 6,3 12,3 50,8 59,8 96,7 97,0 77,1 79,6 8,0 5,1 11,2 10,1 4,3 9,2 53,2 64,1 97,1 97,8 81,1 82,7 6,5 5,8 11,7 8,8 11,8 17,2 65,1 77,1 97,5 98,4 87,0 87,6 4,5 4,0 5,5 3,7

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA O movimento Constitucional; O processo de discussão que antecedeu a LDB nº9394/96; A concepção de Educação Básica e a universalização do

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidente da República DILMA ROUSSEFF MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Ministro de Estado da Justiça JOSÉ EDUARDO CARDOZO Secretária-Executiva MÁRCIA PELEGRINI DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Ensino Médio Noturno

Ensino Médio Noturno Ensino Médio Noturno - Uma análise da disparidade entre o aprendizado dos alunos e a qualidade de ensino no período da noite em comparação com o turno matutino - Instituto Ayrton Senna São Paulo, 2015

Leia mais

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Limitações: Requer informações adicionais sobre a quantidade per capita, a qualidade da água de abastecimento

Leia mais

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) Diretoria de ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS

Leia mais

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 1 2 8 1» Centro de Artes e Esportes Unificados Rio Branco AC 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 Recanto das Emas DF 3» Creche Ipê Rosa Samambaia DF 4» Quadra escolar Maria Nascimento

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (julho/2015) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Nilson do Rosário Costa 1, Ana Paula Coelho 2, Maria Thereza Fortes 3 e Vanina Matos 4

Nilson do Rosário Costa 1, Ana Paula Coelho 2, Maria Thereza Fortes 3 e Vanina Matos 4 IX Encontro Nacional da Associação Nacional de Economia da Saúde, Rio de Janeiro, dez/2009. A posição regional das empresas no mercado de planos privados de assistência à saúde Nilson do Rosário Costa

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

Estimativas de Arrecadação de Impostos Próprios Estaduais e Municipais, Transferências Constitucionais e os 25% Constitucionais da Educação

Estimativas de Arrecadação de Impostos Próprios Estaduais e Municipais, Transferências Constitucionais e os 25% Constitucionais da Educação 1 Estimativas de Arrecadação de Impostos Próprios Estaduais e Municipais, Transferências Constitucionais e os 25% Constitucionais da Educação Resumo O presente estudo objetivou levantar dados sobre o total

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Sigla CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Ind Nº 9/215 Técnicos Resp Equipe CGPM

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Ministério da Saúde Ministério da PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Fevereiro 2013 Ministério da Ministério da CRONOGRAMA 2013 Semana Saúde na Escola Adesão de 20/02 a 10/03 Ações nas escolas entre os dias 11 e

Leia mais

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS Seminário POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS LEGISLAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E POLÍTICA DE SEGURANÇA Brasília DF 13 de setembro de 2012 Regulamentação da atividade de mototaxista Mesmo diante da ausência

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais. 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará

Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais. 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará IPECE Informe nº 38 Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará 1. INTRODUÇÃO O Neste documento serão analisados os aspectos educacionais da capital

Leia mais

Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um.

Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um. Avaliação da Educação Básica Maria do Pilar Lacerda Almeida e Silva Secretária de Educação Básica Ministério da Educação Foto: João Bittar Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um. PLANO

Leia mais

Presença a do Estado no Brasil: Federação, Suas Unidades e Municipalidades

Presença a do Estado no Brasil: Federação, Suas Unidades e Municipalidades Presença a do Estado no Brasil: Federação, Suas Unidades e Municipalidades Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Marcio Pochmann Presidente Brasília, 15 de dezembro de 2009 Justificativa

Leia mais

Programa Saúde na Escola

Programa Saúde na Escola Encontro com Referencias Estaduais de Alimentação e Nutrição Programa Saúde na Escola Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição / Departamento de Atenção Básica/ Secretaria de Atenção à Saúde Ministério

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Um total de 131 municípios da região Norte participou do Levantamento Nacional do Transporte Escolar. No Acre, 36% dos municípios responderam

Leia mais

PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO

PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO UF / Ação de Governo Valor a ser Fiscalizado AC R$ 99.891.435,79 Apoio à Alimentação Escolar na Educação Básica (PNAE) R$

Leia mais

Manual Identidade Visual CFC - CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

Manual Identidade Visual CFC - CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE Partindo da figura da engrenagem, presente na logo atual do CFC, o novo logo desenvolvido mantém uma relação com o passado da instituição, porém com um olhar no presente e no futuro, na evolução e ascensão

Leia mais

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP UBS Elpidio Moreira Souza AC Quadra da Escola Municipal Érico de Souza, Águas Lindas GO UPA município de Ribeirão Pires SP UBS Clínica da Família,

Leia mais

Perfil das pessoas físicas tomadoras de operações de crédito nas cooperativas brasileiras

Perfil das pessoas físicas tomadoras de operações de crédito nas cooperativas brasileiras Perfil das pessoas físicas tomadoras de operações de crédito nas cooperativas brasileiras 1 Objetivo Conhecer a população de pessoas físicas tomadoras de operações de crédito junto a cooperativas. A partir

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Setembro/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 Retratos da Sociedade Brasileira: Problemas e Prioridades do Brasil para 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Cargo 1: Analista do MPU Área de Atividade: Apoio Técnico-Administrativo Especialidade: Arquivologia Distrito Federal / DF 596 4 149,00 Especialidade: Biblioteconomia Acre / AC 147 1 147,00 Especialidade:

Leia mais

FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME. Belo Horizonte, 3 de abril de 2013.

FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME. Belo Horizonte, 3 de abril de 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME MINAS GERAIS Belo Horizonte, 3 de abril de 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ALINHAMENTO DOS PLANOS MUNICIPAIS E ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO AO PNE SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO

Leia mais

Tiago Ribeiro Sapia 2

Tiago Ribeiro Sapia 2 MAPEAMENTO DAS OPERADORAS BRASILEIRAS 1 Tiago Ribeiro Sapia 2 Resumo: Este artigo apresenta a forma em que estão distribuídas no território nacional o sistema de telefonia fixa comutada (STFC),e o sistema

Leia mais

Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações: SIPNI (nominal e procedência)

Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações: SIPNI (nominal e procedência) Imunizações: SIPNI (nominal e procedência) Desenvolvido a partir de 2009: integra as bases de dados dos Sistemas de registros de aplicadas doses (SI-API), Eventos adversos (SI-EAPV), usuários de imunobiológicos

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (dezembro/13) Janeiro de 2014 Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda

Leia mais

Programas Saúde na Escola e Mais Educação: O Compromisso da Educação com o PNAE

Programas Saúde na Escola e Mais Educação: O Compromisso da Educação com o PNAE V ENCONTRO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - 2010 Programas Saúde na Escola e Mais Educação: O Compromisso da Educação com o PNAE Intersetorialidade para a implementação da Lei nº

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Junho/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

AMPLIAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA NOVE ANOS

AMPLIAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA NOVE ANOS AMPLIAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA NOVE ANOS RELATÓRIO DO PROGRAMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Básica A ampliação do Ensino Fundamental para nove anos vem sendo discutida pela Secretaria

Leia mais

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

Vagas autorizadas. 4.146 vagas* autorizadas em 1.294 municípios e 12 DSEIs *35 vagas nos Distritos Indígenas e 361 vagas de reposição

Vagas autorizadas. 4.146 vagas* autorizadas em 1.294 municípios e 12 DSEIs *35 vagas nos Distritos Indígenas e 361 vagas de reposição Vagas autorizadas 4.146 vagas* autorizadas em 1.294 municípios e 12 DSEIs *35 vagas nos Distritos Indígenas e 361 vagas de reposição Fonte: IBGE e MS. Datum: SIRGAS2000 Elaboração: MS/SGTES/DEPREPS Data:

Leia mais

Brasil Economia e Educação. Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação

Brasil Economia e Educação. Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Brasil Economia e Educação Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Gini e PIB Per Capita 380 Gini e Pib Per Capita (1960 - base =100) 120 PIB Per Capita 330 280 230 180 1995 111,42 108,07 1992

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO

LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO Maria da Piedade Morais 1º Seminário Franco-Brasileiro sobre Saúde Ambiental Brasília, 28 de junho de 2011 Objetivos

Leia mais

RANKING ABAD NIELSEN 2014 BASE 2013

RANKING ABAD NIELSEN 2014 BASE 2013 RANKING ABAD NIELSEN 2014 BASE 2013 Março, 2014 AGENDA O RANKING 2014 EM NÚMEROS ANÁLISE DO SETOR RESULTADOS DO ESTUDO ANÁLISE DE EXPECTATIVAS DO SETOR INVESTIMENTOS RANKING ABAD NIELSEN 2013 2 O RANKING

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR EM CARGOS DE E DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO Administrador AC 1 14 14.00 Administrador AL 1 53 53.00 Administrador AP 1 18 18.00 Administrador BA 1 75 75.00 Administrador DF 17 990 58.24 Administrador MT 1 55

Leia mais

PROJETO CONEXÃO EDUCAÇÃO NA REDE ESCOLAR ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO: DESAFIOS E RESULTADOS

PROJETO CONEXÃO EDUCAÇÃO NA REDE ESCOLAR ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO: DESAFIOS E RESULTADOS GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO DE ENSINO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DAS REGIONAIS PEDAGÓGICAS PROJETO CONEXÃO EDUCAÇÃO NA REDE ESCOLAR ESTADUAL

Leia mais

Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência)

Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência) Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência) MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO - OBRAS DE INFRA- ESTRUTURA POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 FLUXO - OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Gestão da Qualidade da Banda Larga

Gestão da Qualidade da Banda Larga Gestão da Qualidade da Banda Larga Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 21 de maio de 2013 METODOLOGIA DE MEDIÇÃO INDICADORES DE BANDA LARGA FIXA Avaliações realizadas através de medidores instalados

Leia mais

1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em

1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em 1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em discussão na Câmara dos Deputados (PL 8.035/2010). Até o

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria Políticas de Alfabetização e Educação de Jovens e Adultos maio 2015 PANORAMA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS

Leia mais

Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) Prof. Sr. Ocimar Munhoz Alavarse Setembro 2010

Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) Prof. Sr. Ocimar Munhoz Alavarse Setembro 2010 Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) Prof. Sr. Ocimar Munhoz Alavarse Setembro 2010 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Dispõe sobre a implementação do

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (setembro/13) outubro de 2013 Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda

Leia mais

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015 Governança Pública O Desafio do Brasil Contra a corrupção e por mais desenvolvimento Governança de Municípios Março/2015 João Augusto Ribeiro Nardes Ministro do TCU Sumário I. Introdução-OTCUeocombateàcorrupção

Leia mais

Xl Encontro Nacional de Aleitamento Materno Situação da Iniciativa Hospital Amigo da Criança no Brasil

Xl Encontro Nacional de Aleitamento Materno Situação da Iniciativa Hospital Amigo da Criança no Brasil Lilian Espirito Santo lilian.santo@saude.gov.br Xl Encontro Nacional de Aleitamento Materno Situação da Iniciativa Hospital Amigo da Criança no Brasil Santos, junho de 200 Atenção Integral à Saúde da Criança

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007.

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. VA PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 4/10/2007, SEÇÃO 3, PÁG.. EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. Divulgar a distribuição de vagas do Concurso Público para provimento de cargos e formação

Leia mais

Plano Nacional de Educação

Plano Nacional de Educação Plano Nacional de Educação Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Brasília, 29 de novembro de 2012 Educação Infantil Meta 1 PNE: Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para

Leia mais

Educação no Brasil. Aloizio Mercadante. São Paulo, 30 de novembro de 2012

Educação no Brasil. Aloizio Mercadante. São Paulo, 30 de novembro de 2012 Educação no Brasil Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação São Paulo, 30 de novembro de 2012 Educação Infantil Taxas de atendimento Creches 36,3 23,6 9,4 12,2 Brasil Carinhoso: 2,8 milhões de

Leia mais

Pronatec Senac Online

Pronatec Senac Online Pronatec Senac Online Introdução 6ª edição Nesta sexta edição, serão apresentados os dados do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) referentes ao mês de junho de 2013. Estes

Leia mais

AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O...

AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O... ÍNDICE AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O... 6 1 O ATUAL ESTÁGIO DE IMPLANTAÇÃO DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO SETOR PÚBLICO... 7 2 VARIÁVEIS E DADOS UTILIZADOS... 8 VARIÁVEL I... 8 VARIÁVEL

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO

A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO COM BASE NA LEI Nº 11738 DO PISO NACIONAL NA SUA FORMA ORIGINAL

Leia mais

Psicólogo: o seu fazer nos interessa!

Psicólogo: o seu fazer nos interessa! Serviço de Enfrentamento à Violência, Abuso e Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes Pesquisa Online Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas Psicólogo: o seu fazer nos

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL 08 de Novembro de 2012 O que é o Brasil Rural? O Brasil Rural Diversidade: raças, origens étnicas, povos, religiões, culturas Conflitos: concentração de terra, trabalho

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade de Vigilância das Doenças de Transmissão

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

Quantidade de pedidos registrados por mês

Quantidade de pedidos registrados por mês Relatório de Pedidos de Acesso à Informação e Solicitantes (*) Informações adicionais para o correto entendimento do relatório podem ser encontradas na última seção. Órgão(s) de referência: MinC - Ministério

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para mapear os hábitos de consumo e compras para época

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 78 Saneamento Brasil 10 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte,

Leia mais

Política Nacional de Educação Infantil

Política Nacional de Educação Infantil Política Nacional de Educação Infantil (arquivo da Creche Carochinha) Junho/2012 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil é dever do Estado e direito de todos, sem

Leia mais

Gestão da Qualidade da Banda Larga

Gestão da Qualidade da Banda Larga Gestão da Qualidade da Banda Larga Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 17 de maio de 2013 METODOLOGIA DE MEDIÇÃO INDICADORES DE BANDA LARGA FIXA Avaliações realizadas através de medidores instalados

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

ÁREA: Estudos Técnicos e Saúde TÍTULO: Parâmetros referente a quantidade de Agentes de Combate à Endemias (ACE) por Município.

ÁREA: Estudos Técnicos e Saúde TÍTULO: Parâmetros referente a quantidade de Agentes de Combate à Endemias (ACE) por Município. NOTA TÉCNICA Nº 23/2016 Brasília, 14 de Junho de 2016. ÁREA: Estudos Técnicos e Saúde TÍTULO: Parâmetros referente a quantidade de Agentes de Combate à Endemias (ACE) por Município. 1- LEGISLAÇÃO A Lei

Leia mais

PESQUISA - REDE CEGONHA

PESQUISA - REDE CEGONHA PESQUISA - REDE CEGONHA Objetivo Geral Avaliar o impacto da implementação da Rede Cegonha nos estados brasileiros, considerando o olhar de uma amostra representativa de mães que tiveram parto pelo Sistema

Leia mais

MEC. Censo da Educação Superior 2014

MEC. Censo da Educação Superior 2014 MEC Censo da Educação Superior 2014 BRASÍLIA DF 04 DE DEZEMBRO DE 2015 Tabela Resumo Estatísticas Gerais da Educação Superior Brasil 2014 Categoria Administrativa Estatísticas Básicas Total Geral Pública

Leia mais

O mundo inteiro vai ver o seu município com bons olhos!

O mundo inteiro vai ver o seu município com bons olhos! O mundo inteiro vai ver o seu município com bons olhos! Metodologia do Selo UNICEF Município Aprovado 2009-2012 Realização Parcerias O Selo UNICEF Município Aprovado O QUE O SELO UNICEF REPRESENTA PARA

Leia mais

EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias

EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias Descrição geral - Trabalho técnico de Economia, Engenharia, Ciências do Meio Ambiente, Estatística, Geografia, Ciências Sociais

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. As Políticas Públicas de Emprego no Brasil

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. As Políticas Públicas de Emprego no Brasil As Políticas Públicas de Emprego no Brasil 1 Índice 1. Mercado de Trabalho no Brasil 2. FAT Fundo de Amparo ao Trabalhador 2.1. Programas e Ações 2.2. Principais avanços na execução dos Programas e Ações

Leia mais

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília Apresentação do IDConselho Municipal Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília 5.366 Conselhos Municipais que preencheram o Censo SUAS 2014 Dinâmica de

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS INVESTIMENTOS

DIAGNÓSTICO DOS INVESTIMENTOS DIAGNÓSTICO DOS INVESTIMENTOS EM CULTURA NO BRASIL v. 1 Gastos públicos com cultura no Brasil: 1985-1995 Contrato de prestação de serviços que entre si celebram a União Federal, por intermédio da Secretaria

Leia mais

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 1. Introdução O presente relatório objetiva apresentar os resultados estatísticos obtidos durante o período

Leia mais

André Urani (aurani@iets.inf.br)

André Urani (aurani@iets.inf.br) Um diagnóstico socioeconômico do Estado de a partir de uma leitura dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do IBGE (1992-4) André Urani (aurani@iets.inf.br) Maceió, dezembro de 5 Introdução

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS: Repartição das responsabilidades entre União, Estados e Municípios; Vinculação de impostos; Definição de Manutenção e Desenvolvimento do

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS

AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS BRASÍLIA, Julho de 2014 1 Proteção Social entre os Idosos (pessoas com 60 anos ou mais de idade) - Brasil 2 Cobertura Social entre os

Leia mais