CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL. Jôer Corrêa Batista

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL. Jôer Corrêa Batista"

Transcrição

1 CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL Jôer Corrêa Batista

2 Considerações Preliminares. Filantropia Assistência Ação Social Transformação Social

3 Tendências O amadorismo no Terceiro Setor vem perdendo espaço, e tanto pessoas físicas como jurídicas estão, cada vez mais, buscando organizações que demonstrem organização, clareza nos ideais, idoneidade, saúde administrativa e financeira e, sobretudo, transparência. Não Basta fazer o bem, é preciso fazer bem feito.

4 Eficácia aplicada ao Terceiro Setor

5 1. Clareza e Objetividade na Missão 1.1 A Missão, Visão e Valores de uma Instituição norteia sua atuação e orienta todas as tomadas de decisões. 1.2 A declaração da Missão tem a finalidade de orientar os gestores a escolher os projetos e as atividades a serem realizados. 1.3 O gestor deve sempre estar atento à Missão que foi colocada em seu estatuto, para que não haja desvio de função 1.4 Caso haja Projetos relevantes à Instituição fora de seu escopo, é necessário fazer a revisão Estatutária. 1.5 O ideal é fazer uma revisão das declarações de valores, visão e missão a cada três ou cinco anos, cuidando para que não ocorra tantas modificações que comprometam a credibilidade da Instituição.

6 2.Planejamento, Orçamento anual e revisão Periódica 2.1 É fundamental contar com um respaldo de um eficaz Planejamento Estratégico; 2.2 O objetivo Principal são: a) Orientar os passos da organização durante o período; b) Delimitar seus projetos e focos de atuação; c) Determinar onde e quando seus recursos serão investidos; d) Apresentar estratégias de mobilização de recursos; e) Definir prioridades, sugerir ações: f) Recomendar práticas de comunicação: g) Deve conter eventos, festas e campanhas de captação: 2.3 Deve haver engajamento da equipe e sua revisão deve ser feita a cada três meses.

7 3. Inovação e Tendências 3.1 As organizações precisam estar alinhadas com as novidades que o mercado oferece; 3.2 O gestor precisa estar antenado ao que há de novo na administração e na tecnologia à sua disposição; 3.3 Promover transações de experiências e tecnologia com instituições afins. 3.4 Trabalho Regional e Pensamento Global 3.5 Investimento em T.I. para melhorar desempenho; 3.6 Buscar capacidade de transformar dificuldades em oportunidades.

8 4. Capacitação da Equipe 4.1 O primeiro passo começa pela seleção de pessoas; 4.2 É importante manter a equipe motivada e integrada, promovendo a interação entre funcionários, voluntários e beneficiados; 4.3 Oferecer oportunidade de crescimento, de aquisição de conhecimento e de se capacitar 4.4 É preciso capacitação constante, cursos, treinamentos, inclusive (graduação e pós-graduação) 4.5 Firmar parcerias com Instituições de Ensino. 4.6 Aproveitar talentos da Equipe

9 5. Boa Comunicação e Identidade Visual 5.1 A organização social tem a obrigação de falar com os stakeholders de modo correto e de todas as maneiras possíveis (redes sociais, eventos, etc.) 5.2 É preciso que a comunicação seja planejada e estratégica para alcançar a Visibilidade; 5.3 A comunicação deve priorizar as informações importantes para cada público; 5.4 O objetivo social da organização deve ser foco da comunicação; 5.5 É preciso mostrar aos apoiadores, doadores e patrocinadores que sua organização existe para resolver um problema e não comunicar chantagem emocional.

10 5. Boa Comunicação e Identidade Visual 5.6 Utilizar de profissionalismo na elaboração do material e comunicar competência e eficácia; 5.7 Criar uma identidade visual de sucesso que seja de fácil absorção pelo público; 5.8 Desenvolver relacionamento constante com doadores, triando as informações relevantes;

11 Exemplos de Comunicação

12 6. Mobilização de Voluntariado e Boa utilização da Força de Trabalho 6.1 Voluntário são doadores e não Funcionários; 6.2 As entidades devem regulamentar a sua relação com a força de trabalho, que pode ser remunerada ou não; 6.3 Voluntário é um doador de tempo e conhecimento, é preciso cuidado para não sobrecarregá-lo. 6.4 Atenção à Legislação (Lei 9.608/98) 6.5 Modelos: CLT, Terceirização, Pejotização, Trabalho Temporário, Estágio, Cooperativismo; 6.6 Contrato jurídico inclusive com o Voluntário;

13 7. Prestação de contas clara e transparente e boas Práticas de Governança. 7.1 Todo dinheiro arrecadado por uma Instituição Social deve ser aplicado em um fim social; 7.2 Como lida com diversos públicos é fundamental prestar contas a esse públicos de maneira clara; 7.3 Transparência está diretamente relacionada com a credibilidade da organização. 7.4 Mais do que relatórios à diretoria e demonstrações contábeis, a informação deve chegar na medida certa a cada um dos seus públicos relacionados;

14 7. Prestação de contas clara e transparente e boas Práticas de Governança. 7.5 A reputação como ativo nas organizações do Terceiro Setor, por isso a relevância de adotar boas práticas de governança; 7.6 Boas práticas se relacionam às questões de Poder e de dinheiro; 7.7 Nessas práticas deve haver inclusive profissionalismo ainda que não remunerado e tomada de decisões eficientes.

15 8. Diversificação de fontes de recursos 8.1 Captação de recursos é atividade fundamental para a atuação no terceiro setor; 8.2 Recomenda-se diversificar as fontes para diminuir os riscos. Deve-se buscar sustentabilidade financeira; 8.3 Quando uma fonte que representar mais de 30% de toda a arrecadação deve ser revista a estratégia de captação.

16 8. Diversificação de fontes de recursos 8.4 A diversificação de fontes proporcionará maior reconhecimento da organização frente aos diferentes públicos (empresas, pessoas físicas, governo, fundações, agências internacionais, organizações de fomento, etc.); 8.5 As principais fontes de recursos são: Iniciativa Privada, Organizações religiosas, fontes institucionais como governos e agências) 8.6 Considerar a GRP (Geração de Renda Própria) como alternativa de captação

17 9. Monitore os resultados e impactos sociais 9.1 Como saberemos se aquilo que propusemos a fazer em nosso estatuto esta surtindo efeito na sociedade? 9.2 Essas constatações somente podem ser feitas por meio de monitoramento de resultados e da avaliação de impacto social. 9.3 A avaliação deve trazer informações quantitativas e qualitativas sobre cada etapa do programa; 9.4 O processo pode ser feito por meio de pesquisa de campo, questionários e pesquisas com a finalidade de auferir se objetivos e metas foram alcançados. 9.5 No processo de gestão é a última etapa a ser realizada;

18 10. Conselho Consultivo 10.1 Além dos conselhos estatutários, é interessante pensar em um conselho consultivo; 10.2 Conselho consultivo serve para ser consultado em assuntos estratégicos, sem exageros (1 ou 2 vezes ao ano) Funciona como uma escuta do mundo externo da organização; 10.4 Três grupos sugeridos: Ricos, famosos e interessados em causas sociais. E um grupo a ser evitado: políticos! 10.5 Deve conter entre 6 a 20 pessoas dependendo da grandeza da organização, com mandato de 3 anos renováveis proporcionalmente;

19

20 Solução 1) Boas Práticas de Gestão Social; 2) Eficiência e Profissionalismo; 3) Aprender a viver o seu tempo.

Liderança direta líder da área onde o programa de voluntariado está inserido

Liderança direta líder da área onde o programa de voluntariado está inserido Liderança direta líder da área onde o programa de voluntariado está inserido 1. Quais as principais causas da falta de apoio ao programa? Quando o gestor diretor é da área responsável pelo programa ele

Leia mais

Estratégia de sustentabilidade

Estratégia de sustentabilidade Estratégia de sustentabilidade Fusão I Itaú + Unibanco Visão I Itaú Unibanco Perguntas norteadoras I 2010 - Itaú Unibanco 1 2 3 O que é Performance Sustentável e qual a relação entre Performance Sustentável

Leia mais

Guia Prático do Planejamento Estratégico

Guia Prático do Planejamento Estratégico Guia Prático do Planejamento Estratégico Introdução A todo o momento surgem ideias para melhorar nossas vidas. A maior parte destas ideias morre, porque não são sistematizadas. Numa empresa também é assim,

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI 1.1. A PREVI, para o cumprimento adequado de sua missão administrar planos de benefícios, com gerenciamento eficaz dos recursos aportados, buscando melhores soluções para assegurar os benefícios previdenciários,

Leia mais

Danilo Tiisel CAPTAÇÃO (MOBILIZAÇÃO) DE RECURSOS E SUSTENTABILIDADE

Danilo Tiisel CAPTAÇÃO (MOBILIZAÇÃO) DE RECURSOS E SUSTENTABILIDADE Danilo Tiisel CAPTAÇÃO (MOBILIZAÇÃO) DE RECURSOS E SUSTENTABILIDADE CONTEXTO: O TERCEIRO SETOR Terceiro Setor O Terceiro Setor é um tipo de Frankenstein : grande, heterogêneo, construído de pedaços, desajeitado,

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

Governança e Gestão das Aquisições. Encontro com fornecedores dos Correios. Brasília Junho/2016

Governança e Gestão das Aquisições. Encontro com fornecedores dos Correios. Brasília Junho/2016 Governança e Gestão das Aquisições Encontro com fornecedores dos Correios Brasília Junho/2016 Agenda Importância do tema para o TCU Criticidade das aquisições O porquê da Governança Governança x Gestão

Leia mais

Por Carolina de Moura 1

Por Carolina de Moura 1 O desenvolvimento sistemático para a gestão de risco na empresa envolve um processo evolutivo. Nos últimos anos tenho testemunhado um forte interesse entre organizações, e as suas partes interessadas,

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO 12/5/2017 INFORMAÇÃO PÚBLICA ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 4 4 CONCEITOS... 4 5 DIRETRIZES... 4 6 REGRAS... 5 7 RESPONSABILIDADES... 7 8 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 7 2 1 OBJETIVO

Leia mais

Disciplina: GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Disciplina: GERENCIAMENTO DE PROJETOS Disciplina: GERENCIAMENTO DE PROJETOS Contextualização No início dos anos 1960, o Gerenciamento de Projetos foi formalizado como ciência. Os negócios e outras organizações começaram a enxergar o benefício

Leia mais

Melhores Práticas de Governança Corporativa

Melhores Práticas de Governança Corporativa Melhores Práticas de Governança Corporativa 27.11.2014 Melhores Práticas de Governança Corporativa A. Propriedade B. Conselho de Administração C. Gestão D. Auditoria Independente E. Conselho Fiscal F.

Leia mais

Reflexões sobre movimentos e desenvolvimento comunitário

Reflexões sobre movimentos e desenvolvimento comunitário Reflexões sobre movimentos e desenvolvimento comunitário Campo Novo do Parecis 28/06/2016 Anderson Giovani da Silva - Desenvolvimento comunitário - Investimento social comunitário e Fundações comunitárias

Leia mais

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor 2016

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor 2016 O que é o Padrão de Gestão e Transparência Padrão de Gestão e Transparência O Padrão de Gestão e Transparência (PGT) 2013-2014 é um conjunto de práticas e ações recomendadas para as organizações sem fins

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO OAB SP

PRESTAÇÃO DE CONTAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO OAB SP PRESTAÇÃO DE CONTAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO OAB SP Danilo Brandani Tiisel danilo@criando.net Mobilizam recursos da sociedade OAB SP ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR Características básicas Atuam em prol

Leia mais

É o processo de planejamento, implementação e controle dos recursos de uma entidade.

É o processo de planejamento, implementação e controle dos recursos de uma entidade. O QUE É? É o processo de planejamento, implementação e controle dos recursos de uma entidade. OBJETIVO Fornecer informações adequadas para subsidiar as decisões que envolvam desembolso e/ou a captação

Leia mais

#CARANOVA RESUMO PLANO DE GESTÃO. Ricardo Barbosa Vice-Presidente. Cyro Delgado Presidente CHAPA CARA NOVA - CBDA

#CARANOVA RESUMO PLANO DE GESTÃO. Ricardo Barbosa Vice-Presidente. Cyro Delgado Presidente CHAPA CARA NOVA - CBDA RESUMO PLANO DE GESTÃO CHAPA CARA NOVA - CBDA Cyro Delgado Presidente Ricardo Barbosa Vice-Presidente NOSSA VISÃO GERAL QUEM É, E PORQUE CYRO DELGADO? Cyro Delgado é ex-atleta, medalhista olímpico e conhece

Leia mais

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Marcelo De Nardi Porto Alegre, 04 de julho de 2011. CONTEXTUALIZAÇÃO Poder Judiciário no Contexto da Gestão Pública Nacional Processos

Leia mais

O VALOR DA COMUNICAÇÃO ESTRATÉGICA NAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR

O VALOR DA COMUNICAÇÃO ESTRATÉGICA NAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR O VALOR DA COMUNICAÇÃO ESTRATÉGICA NAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR DRA MARLENE MARCHIORI MMARCHIORI A comunicação representa um aspecto extremamente amplo tanto da vida das pessoas como das organizações.

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Agosto de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Continuação do Domínio de Processos PO (PO4, PO5

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

I WORKSHOP DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA GESTÃO DE PESSOAS DA USP

I WORKSHOP DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA GESTÃO DE PESSOAS DA USP I WORKSHOP DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA GESTÃO DE PESSOAS DA USP NOVEMBRO 2010 Propostas de MISSÃO para a Gestão de Pessoas da USP Criar condições para o engajamento pessoal e profissional dos servidores

Leia mais

17 de novembro de Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas

17 de novembro de Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas 17 de novembro de 2016 Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas Agenda Nossa missão Estrutura Processo Orçamentário Orçamento Matricial Despesas

Leia mais

PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA NO VITÓRIA APART HOSPITAL. Estudo de Caso

PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA NO VITÓRIA APART HOSPITAL. Estudo de Caso PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA NO VITÓRIA APART HOSPITAL Estudo de Caso Sobre o Vitória Apart Hospital Institucional Desde a sua fundação, em 2001, o Vitória Apart Hospital atua com o objetivo de

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2 1. Introdução A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores Públicos dos Municípios da Região Metropolitana da Grande Vitória COOPMETRO é uma entidade

Leia mais

valor compartilhado, pelo qual pautamos nossas ações e desejamos ser parceiro no desen volvimento das pessoas e da sociedade.

valor compartilhado, pelo qual pautamos nossas ações e desejamos ser parceiro no desen volvimento das pessoas e da sociedade. 26. POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 26.1 Introdução Nossa visão é ser uma referência em performance sustentável e em satisfação dos associados. Para nós, performance sustentável

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Setembro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Conclusão do Domínio de Processos PO (PO7 e PO8)

Leia mais

NO QUE ACREDITAMOS. O esporte é uma forma de criar e contar histórias.

NO QUE ACREDITAMOS. O esporte é uma forma de criar e contar histórias. Quem Somos NO QUE ACREDITAMOS O esporte é uma forma de criar e contar histórias. Uma boa história é composta por personagens interessantes, situações envolventes e um relato que se espalha, multiplica.

Leia mais

Escopo de trabalho para elaboração de material e treinamento junto as OSCs do município de Catalão - Goiás

Escopo de trabalho para elaboração de material e treinamento junto as OSCs do município de Catalão - Goiás Escopo de trabalho para elaboração de material e treinamento junto as OSCs do município de Catalão - Goiás 1. Antecedentes Global Communities está buscando empresas parceiras com experiência na elaboração

Leia mais

ORGANIZAÇÕ ES SOCIAIS APAES. Vilson Vilmar Basso- Apae Cascavel-

ORGANIZAÇÕ ES SOCIAIS APAES. Vilson Vilmar Basso- Apae Cascavel- ORGANIZAÇÕ ES SOCIAIS APAES Vilson Vilmar Basso- Apae Cascavel- vilson@sevencon.com.br Acredito que a maioria concorda que as Organizações Sociais tem um papel fundamental na redução de muitas CARÊNCIAS

Leia mais

Manual de Governança Corporativa

Manual de Governança Corporativa Documento: Área Emitente: Manual de Governança Corporativa Assessoria de Planejamento, Orçamento, Controle e Regulatório HISTÓRICO DAS REVISÕES Rev. nº. Data Descrição 01 19/12/2012 Segregação do Manual

Leia mais

Revisão de PE Projeto Empresarial

Revisão de PE Projeto Empresarial Revisão de PE Projeto Empresarial EMPRESA: CBVela COORDENADOR TÉCNICO: Mauro Pumar DATA: 22/8/2017 PARTICIPANTES DA REUNIÃO: Daniel (Diretor), Torben, Jônatas (Facilitador PAEX), Andrea (parte), Alexandre,

Leia mais

POLÍTICAS DE PESSOAL da FUNAPE

POLÍTICAS DE PESSOAL da FUNAPE POLÍTICAS DE PESSOAL da FUNAPE Goiânia, 20 de abril de 2017 Foco da Governança de RH da FUNAPE 1. Defesa e manutenção dos direitos dos trabalhadores 2. Atração e retenção de talentos 3. Manter a competividade

Leia mais

O desenvolvimento do Planejamento Estratégico está dividido em 5 fases principais até a sua conclusão: Figura 1 - Fases do Planejamento Estratégico

O desenvolvimento do Planejamento Estratégico está dividido em 5 fases principais até a sua conclusão: Figura 1 - Fases do Planejamento Estratégico O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A Assessoria de Planejamento (ASPLAN) está se dedicando à elaboração do Planejamento Estratégico da SEDESE. Este projeto surge como uma demanda do Secretário André Quintão para

Leia mais

Case Capacitação e Desenvolvimento Melhores Práticas Gestão de Pessoas 2012

Case Capacitação e Desenvolvimento Melhores Práticas Gestão de Pessoas 2012 Case Capacitação e Desenvolvimento Melhores Práticas Gestão de Pessoas 2012 A UNIMED NOVA IGUAÇU Abrangência Nova Iguaçu Belford Roxo Japeri Mesquita Nilópolis São João de Meriti Queimados Paracambi Posição

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR Rodrigo Stigger Dutra CGE TOP A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Todo dia é dia de gestão de crise! A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Não

Leia mais

Lei /2016 Lei das Estatais

Lei /2016 Lei das Estatais Lei 13.303/2016 Lei das Estatais Impactos na Governança Corporativa SUORG 10 NOV 2016 Lei nº 13.303/2016 Estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade de economia mista e de suas subsidiárias, no

Leia mais

Política Institucional Comitê de Sustentabilidade. Política de Sustentabilidade. Código: PI.HPEG.CSUST.001 Versão: 001 Página: 1/6

Política Institucional Comitê de Sustentabilidade. Política de Sustentabilidade. Código: PI.HPEG.CSUST.001 Versão: 001 Página: 1/6 Código: PI.HPEG.CSUST.001 Versão: 001 Página: 1/6 SUMÁRIO 1. Apresentação... 02 2. Objetivo... 02 3. Princípios... 02 4. Documentos de Referencias... 03 5. Diretrizes... 03 6. Compromissos e Prestação

Leia mais

ANEXO AO MEMORANDO Nº 032/2017-CGPE/CAMPUS PESQUEIRA PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2017

ANEXO AO MEMORANDO Nº 032/2017-CGPE/CAMPUS PESQUEIRA PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2017 ANEXO AO MEMORANDO Nº 032/2017-CGPE/CAMPUS PESQUEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CAMPUS PESQUEIRA PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2017 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI 2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016 Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI Gilberto Peralta GE 13 de maio de 2016 MARCO INSTITUCIONAL Emenda Constitucional nº 85 Inserção da inovação

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA ÍNDICE: 1. Introdução...3 2. Valores e Princípios...3 3. Composição Acionária...4 4. Estatuto Social...4 5. Diretoria......5 6. Auditoria Externa e Auditoria Interna...5 7. Controles

Leia mais

Claudia Malschitzky. Diretora executiva do Instituto HSBC Solidariedade Superintendente executiva de Sustentabilidade Corporativa INTERNAL PÚBLICO

Claudia Malschitzky. Diretora executiva do Instituto HSBC Solidariedade Superintendente executiva de Sustentabilidade Corporativa INTERNAL PÚBLICO Claudia Malschitzky Diretora executiva do Instituto HSBC Solidariedade Superintendente executiva de Sustentabilidade Corporativa Sustentabilidade Um conceito que saiu do papel Sustentabilidade Sustentabilidade

Leia mais

Sustentabilidade nos negócios. Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle

Sustentabilidade nos negócios. Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle Sustentabilidade nos negócios Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle Sustentabilidade nos Negócios Agenda Um pouco do do Bradesco Sustentabilidade e o Bradesco Planejamento

Leia mais

Fundamentos Estratégicos

Fundamentos Estratégicos 1 Fundamentos Estratégicos MISSÃO Fornecer soluções e serviços em sistemas de suspensões, eixos e componentes para veículos comerciais com inovação, qualidade, segurança e sustentabilidade. VISÃO Ser reconhecida,

Leia mais

Excelência na Gestão

Excelência na Gestão Mapa Estratégico 2012-2014 Visão Até 2014, ser referência no atendimento ao público, na fiscalização e na valorização das profissões tecnológicas, reconhecido pelos profissionais, empresas, instituições

Leia mais

Av. Princesa Isabel, Fone (51) CEP Porto Alegre - RS - Brasil.

Av. Princesa Isabel, Fone (51) CEP Porto Alegre - RS - Brasil. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO - 2016/2018 Apresentação da Técnica de Planejamento Estratégico Adotada O Cremers estará em 2016 dando segmento na implantação de seu Planejamento Estratégico segundo a filosofia

Leia mais

Governança aplicada à Gestão de Pessoas

Governança aplicada à Gestão de Pessoas Governança de pessoal: aperfeiçoando o desempenho da administração pública Governança aplicada à Gestão de Pessoas Ministro substituto Marcos Bemquerer Brasília DF, 15 de maio de 2013 TCU Diálogo Público

Leia mais

Aspectos do Plano Estratégico para o Investimento Social do Grupo Camargo Corrêa

Aspectos do Plano Estratégico para o Investimento Social do Grupo Camargo Corrêa Aspectos do Plano Estratégico para o Investimento Social do Grupo Camargo Corrêa Instituto Camargo Corrêa Responsável pelo investimento social do Grupo Camargo Corrêa Missão Articular e fortalecer organizações

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS (JULHO à DEZEMBRO DE 2017) I. Histórico e Contexto Em 2012, associações indígenas

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2008

PLANO DE TRABALHO 2008 PLANO DE TRABALHO 2008 1. INTRODUÇÃO A Fundação Stickel em 2007 iniciou efetivamente sua atuação direta na área da assistência social, através da unidade Vila Brasilândia do Programa Mulheres de Talento,

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2012 2013 APRESENTAÇÃO O Planejamento Estratégico tem como objetivo descrever a situação desejada de uma organização e indicar os caminhos para

Leia mais

POLÍTICA DE REGULAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Regulação das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE REGULAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Regulação das Empresas Eletrobras Política de Regulação das Empresas Eletrobras Versão 1.0 08/12/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceitos... 3 3. Princípios... 3 4. Diretrizes... 4 5. Responsabilidades... 5 6. Disposições Gerais...

Leia mais

Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação

Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação A prática de remuneração variável e gestão por competências no setor público brasileiro Agenda

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS ANEXO VI DAS ATRIBUIÇÕES GERAIS DOS CARGOS PERFIL DE COMPETÊNCIAS E DESEMPENHO CARGO ANALISTA / FUNÇÃO ANALISTA DE COOPERATIVISMO E MONITORAMENTO Missão do Cargo: Desenvolver atividades técnicas e prestar

Leia mais

Fundação Luís Eduardo Magalhães Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração Pública

Fundação Luís Eduardo Magalhães Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração Pública Fundação Luís Eduardo Magalhães Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração Pública Compromisso com o novo A Fundação Luís Eduardo Magalhães tem o compromisso de estimular o desenvolvimento

Leia mais

desenvolva e utilize seu pleno potencial de modo coerente e convergente com os objetivos estratégicos da organização. Dentro da área de gestão de

desenvolva e utilize seu pleno potencial de modo coerente e convergente com os objetivos estratégicos da organização. Dentro da área de gestão de Gestão de Pessoas Hoje a sociedade busca desenvolver trabalhos para aprimorar o conhecimento das pessoas em um ambiente de trabalho. A capacitação e o preparo que uma organização deve ter para com os seus

Leia mais

Avaliando e Implementando um Programa de Qualidade e Melhoria da Auditoria. Mesa de Debates SP 05/04/2013

Avaliando e Implementando um Programa de Qualidade e Melhoria da Auditoria. Mesa de Debates SP 05/04/2013 Avaliando e Implementando um Programa de Qualidade e Melhoria da Auditoria. Mesa de Debates SP 05/04/2013 Sumário A. Introdução. B. Implementando o QAIP C. Avaliação da Qualidade Introdução - QAIP- Programa

Leia mais

Evento de Lançamento do Processo ISE Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Uso Interno x Público 1

Evento de Lançamento do Processo ISE Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Uso Interno x Público 1 Evento de Lançamento do Processo ISE 2016 Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Uso Interno x Público 1 Agenda 09h00 Café de boas-vindas 09h30 Abertura 09h40 Objetivos Estratégicos

Leia mais

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC)

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Título Norma de Responsabilidade Socioambiental Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Abrangência Agências, Departamentos, Empresas Ligadas e Unidades no Exterior Sinopse Diretrizes

Leia mais

DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS

DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS O objetivo deste documento é estabelecer diretrizes para o modelo de governança corporativa da Petrobras, visando à atuação ativa do Conselho de Administração

Leia mais

CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED

CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FGV CORPORATIVO 12.227/14_v3 QUADRO DE DISCIPLINAS Disciplinas (**) Carga Horária (*) 1. Cooperativismo e Administração de Serviços

Leia mais

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas;

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas; 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento de bens e serviços, visando o fortalecimento de seu poder de compra

Leia mais

DECRETO Nº 9.149, DE 28 DE AGOSTO DE 2017

DECRETO Nº 9.149, DE 28 DE AGOSTO DE 2017 DECRETO Nº 9.149, DE 28 DE AGOSTO DE 2017 Cria o Programa Nacional de Voluntariado, institui o Prêmio Nacional do Voluntariado e altera o Decreto nº 5.707, de 23 de fevereiro de 2006, que institui a Política

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais

Documento de Referência Programa Sebrae de Excelência

Documento de Referência Programa Sebrae de Excelência Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - Sebrae Documento de Referência Programa Sebrae de Excelência Brasília DF OBJETIVO Promover a cultura da excelência, a melhoria da gestão e o compartilhamento

Leia mais

UNOPS e a Excelência em Gestão de Projetos nas Nações Unidas. 15 Encontro de Gerenciamento de Projetos PMI-DF

UNOPS e a Excelência em Gestão de Projetos nas Nações Unidas. 15 Encontro de Gerenciamento de Projetos PMI-DF UNOPS e a Excelência em Gestão de Projetos nas Nações Unidas 15 Encontro de Gerenciamento de Projetos PMI-DF 16 /10/ 2015 UNOPS - áreas principais e serviços Em 2010, a Assembléia Geral e a ONU reafirmaram

Leia mais

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO Através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 52-A/2015, de 23 de julho, o Governo criou a estrutura de missão designada por Estrutura de Gestão do Instrumento Financeiro

Leia mais

Programa AEBAS Susntetável PESQUISA DE IMAGEM

Programa AEBAS Susntetável PESQUISA DE IMAGEM PESQUISA DE IMAGEM 1 Pesquisa de Imagem O objetivo geral da pesquisa foi levantar informações sobre a imagem da AEBAS perante seu público Percepção de credibilidade Formas de doação e comunicação desejados

Leia mais

Artigo: Planejamento com foco na execução

Artigo: Planejamento com foco na execução Artigo: Planejamento com foco na execução O uso do BSC no BANDES Gilson Domingues Cardoso Planejamento com foco na execução Gilson Domingues Cardoso gilson@ bandes.com.br e gilsondc@gmail.com RESUMO Trata

Leia mais

Sistema OCB. Você participa. Todos crescem.

Sistema OCB. Você participa. Todos crescem. Sistema OCB. Você participa. Todos crescem. COOPERATIVISMO NO MUNDO COOPERATIVISMO NO MUNDO HOJE 1 a cada 7 PESSOAS no mundo são associadas a COOPERATIVAS Se as 300 maiores cooperativas do mundo fossem

Leia mais

CONTRIBUINDO PARA A COMPETITIVIDADE SUSTENTÁVEL

CONTRIBUINDO PARA A COMPETITIVIDADE SUSTENTÁVEL CONTRIBUINDO PARA A COMPETITIVIDADE SUSTENTÁVEL Uma organização autossustentável e não Governamental, que atua através de um sistema de Rede de Comitês, utilizando trabalho voluntário. Agentes Multiplicadores

Leia mais

Maria da Conceição B.de Rezende Ladeira

Maria da Conceição B.de Rezende Ladeira Maria da Conceição B.de Rezende Ladeira Junho/2016 ADMINISTRAÇAO PÚBLICA Transparência; Governança; Indicadores de Resultados alinhados a estratégias dos governos; Qualidade do gasto público;... Novo cenário

Leia mais

PACTO PELA EDUCAÇÃO DO PARÁ Encontros Regionais

PACTO PELA EDUCAÇÃO DO PARÁ Encontros Regionais PACTO PELA EDUCAÇÃO DO PARÁ Encontros Regionais Sistema de Governança Sistema de Governança Participativa e Descentralizada Principais funções: Monitoramento Mobilização e articulação de: Assistência Técnica

Leia mais

MANUAL Avaliação de Indicadores

MANUAL Avaliação de Indicadores MANUAL Avaliação de Indicadores Revisão do Planejamento Estratégico e desdobramentos Sumário Apresentação Etapas de revisão do Planejamento Conceitos e desafios 03 04 Revisão/avaliação de Indicadores Metodologia

Leia mais

PROINTER Projeto Integrador aula 7 Prof. Me. Érico Pagotto

PROINTER Projeto Integrador aula 7 Prof. Me. Érico Pagotto PROINTER Projeto Integrador aula 7 Prof. Me. Érico Pagotto Gerenciamento de Riscos em Projetos Conceitos, ferramentas e técnicas para gerenciamento de ricos em projetos Utilização dos métodos propostos

Leia mais

Utilização de Critérios de Excelência como Referência no Desenvolvimento da Gestão de Águas do Paraíba

Utilização de Critérios de Excelência como Referência no Desenvolvimento da Gestão de Águas do Paraíba Utilização de Critérios de Excelência como Referência no Desenvolvimento da Gestão de Águas do Paraíba Viviane Lanunce Paes Supervisora da Gestão Integrada - CAP Carlos Eduardo Tavares de Castro Superintendente

Leia mais

Eng. Agrônomo. Gilberto J.B. Figueiredo Gestor Estadual do Projeto CATI Olericultura

Eng. Agrônomo. Gilberto J.B. Figueiredo Gestor Estadual do Projeto CATI Olericultura Ferramentas para Gestão da Empresa Rural na Produção de Flores e Hortaliças Eng. Agrônomo. Gilberto J.B. Figueiredo Gestor Estadual do Projeto CATI Olericultura gilberto.figueiredo@cati.sp.gov.br 12 3882.2232

Leia mais

QUAL É O OBJETIVO DE UMA CONCORRÊNCIA DE DESIGN?

QUAL É O OBJETIVO DE UMA CONCORRÊNCIA DE DESIGN? L I V R O S O B R E C O N C O R R Ê N C I A D E D E S I G N QUAL É O OBJETIVO DE UMA CONCORRÊNCIA DE DESIGN? Uma concorrência entre empresas de design se justifica quando visa orientar a escolha de uma

Leia mais

Sustentabilidade como alavanca de valor. Campinas, 7 novembro de 2013

Sustentabilidade como alavanca de valor. Campinas, 7 novembro de 2013 Sustentabilidade como alavanca de valor Campinas, 7 novembro de 2013 Visão Energia é essencial ao bem-estar das pessoas e ao desenvolvimento da sociedade. Nós acreditamos que produzir e utilizar energia

Leia mais

EDITAL N.º 17/2016 ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC. Competência: Visão Estratégica

EDITAL N.º 17/2016 ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC. Competência: Visão Estratégica 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JOÃO PESSOA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE GESTORES

Leia mais

COMITÊ DE REVISÃO EXTERNA

COMITÊ DE REVISÃO EXTERNA COMITÊ DE REVISÃO EXTERNA Relatório Final Thomas Lovejoy (coordenador) George Mason University Ana Toni (relatora) Gestão de Interesse Público, Pesquisa e Consultoria Eugenio Scannavino Projeto Saúde Alegria

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2010 2013 INSTRUMENTOS TÉCNICOS DO CICLO ORÇAMENTÁRIO CONSIDERAÇÕES INICIAIS A Constituição de 1988 introduziu significativa alteração no sistema de planejamento e

Leia mais

Política de Sustentabilidade do Grupo Neoenergia

Política de Sustentabilidade do Grupo Neoenergia Política de Sustentabilidade do Grupo Neoenergia 1 Índice: 1. Introdução 2. Objetivo 3. Abrangência e público-alvo 4. Referências 5. Valores 6. Princípios de Sustentabilidade 7. Responsabilidades 8. Atualização

Leia mais

HEALTH WEALTH CAREER PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EM PREVIDÊNCIA

HEALTH WEALTH CAREER PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EM PREVIDÊNCIA HEALTH WEALTH CAREER PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EM PREVIDÊNCIA 2017 QUEM SOMOS O programa de Desenvolvimento em Previdência conta com os mais de 30 anos de expertise da Mercer para promover treinamentos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 ÍNDICE Página A Missão da Fundação AEP 3 Visão 3 Valores 3 Objetivos 3 Objeto, Âmbito e Aplicação 4 Transparência na Atuação e Publicitação das Contas 4 Impedimentos ou Incompatibilidades

Leia mais

O CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO NA ERA DIGITAL

O CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO NA ERA DIGITAL Autor Aroldo Cedraz de Oliveira O CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO NA ERA DIGITAL Área específica Direito Administrativo. Por seu ineditismo, este é um daqueles títulos de que carecem as estantes de administradores

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COPA 2014

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COPA 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COPA 2014 Governo do Estado do Amazonas Equipe Técnica COORDENAÇÃO Marcelo Lima Filho Rodrigo Camelo de Oliveira Ronney César Peixoto ELABORAÇÃO Bernardo Monteiro de Paula Elaine

Leia mais

SLA Aplicado ao Negócio

SLA Aplicado ao Negócio SLA Aplicado ao Negócio Visão da Estratégia: BSC Exemplo BSC: Declarações de Visão, Missão e Valores Empresa Acme NEGÓCIO: Soluções que aproximam. MISSÃO: Fornecer soluções acessíveis e confiáveis para

Leia mais

OBJETIVO PÚBLICO-ALVO PROGRAMA

OBJETIVO PÚBLICO-ALVO PROGRAMA Curso de Auditoria Interna, Controle Interno e Gestão de Riscos carga-horária: 16 horas OBJETIVO Fornecer aos participantes o conhecimento básico e bases técnicas e práticas fundamentais para que possam

Leia mais

COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL

COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL Planejamento Estratégico 2007/2009 COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL NEGÓCIO Disseminar o Modelo de Excelência em Gestão Fornecedores PGQP

Leia mais

Gestão de Vendas Como administrar a sua empresa para transformá-la em uma máquina de vender

Gestão de Vendas Como administrar a sua empresa para transformá-la em uma máquina de vender Gestão de Vendas Como administrar a sua empresa para transformá-la em uma máquina de vender DICAS Para a sua leitura: Os itens do índice são clicáveis, então sinta-se à vontade para ler o conteúdo que

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS DA GESTÃO SECRETARIAL. Palestrante Márcia Siqueira

COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS DA GESTÃO SECRETARIAL. Palestrante Márcia Siqueira COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS DA GESTÃO SECRETARIAL Palestrante Márcia Siqueira Proposta 1. Refletir sobre as competências profissionais que contribuirão para solidificação da identidade, fortalecimento e continuidade

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI do MEC

Planejamento Estratégico de TI do MEC Planejamento Estratégico de TI do MEC Merched Cheheb de Oliveira Diretor Diretoria de Tecnologia da Informação Secretaria Executiva Ministério da Educação MEC E mail: merched.oliveira@mec.gov.br Outubro

Leia mais

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 1ª Jornada Internacional da Gestão Pública O caso MDIC BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 ANTECEDENTES INÍCIO DE 2011 Contexto de mudança de Governo; Necessidade de diagnóstico organizacional; Alinhamento

Leia mais

Auditoria Interna. Planejamento Estratégico 2015

Auditoria Interna. Planejamento Estratégico 2015 Auditoria Interna Planejamento Estratégico 2015 1 Sumário APRESENTAÇÃO... 3 METODOLOGIA DO PLANEJAMENTO... 4 MISSÃO... 5 VISÃO... 5 VALORES... 5 ANÁLISE AMBIENTAL... 6 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 6 MACROPROCESSO

Leia mais

O que é o Pacto pela Educação do Pará?

O que é o Pacto pela Educação do Pará? Encontros Regionais Visão Geral O que é o Pacto pela Educação do Pará? É um esforço integrado de diferentes níveis, setores (educação, assistência, saúde, cultura, esporte e lazer) e atores (governo, empresariado,

Leia mais

introdução ao marketing - gestão do design

introdução ao marketing - gestão do design introdução ao marketing - gestão do design Universidade Presbiteriana Mackenzie curso desenho industrial 3 pp e pv profa. dra. teresa riccetti Fevereiro 2009 A gestão de design, o management design, é

Leia mais

Evento de Lançamento do Processo ISE Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Uso Interno x Público 1

Evento de Lançamento do Processo ISE Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Uso Interno x Público 1 Evento de Lançamento do Processo ISE 2016 Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Uso Interno x Público 1 Agenda 09h00 Café de boas-vindas 09h30 Abertura 09h40 Objetivos Estratégicos

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS O INDICADORES ETHOS Os Indicadores Ethos são uma ferramenta de gestão criada em 2000 pelo Instituto Ethos e que esta em sua terceira geração.

Leia mais

NOSSA SOLUÇÕES VALORES Solidez: Buscar crescimento sustentável com geração de valores.

NOSSA SOLUÇÕES VALORES  Solidez: Buscar crescimento sustentável com geração de valores. Escritório Paulista Soluções Contábeis, Empresariais e Tributárias, localizado à Avenida dos Ferroviários, 596 - Vila Xavier (Próximo a Caixa Econômica da Alameda Paulista), empresa de prestação de serviços

Leia mais