Faculdade Teológica e Apologética Dr.Walter Martin

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Faculdade Teológica e Apologética Dr.Walter Martin"

Transcrição

1 Resenha do Livro Quem Precisa de Teologia? I A Obra : Quem Precisa de Teologia? II Credenciais dos Autores: Stanley J.Grenz tem se destacado como um prolífico escritor no cenário evangélico suas obras destaca-se 20th-Century Theology: God and World in the Transitional Age, escrito em parceria com Roger Roger E.Olson, Professor no Bethel Collge,Minnesota. Grenz Também tem se projetado na docência como professor de teologia e Ética no Carey Theological College e Regent College,Colúmbia Britânica,Canadá. Teologicamente falando, Grenz pode ser descrito como um evangélico ecumênico cujas obras têm contribuindo para comunidade reformada. III Editora: Vida do Grupo Zondervan Harper Collins Editora Filiada a Associação Brasileira de Editores Cristãos 1 Edição Outubro de 2002 O livro é divido em Capitulo e em blocos de assunto com 9 Capítulos :159 Paginas IV Conclusão: Apresentando a Obra A pesquisa qualitativa que o autor propõe para o conhecimento da subjetividade enfatiza o caráter teórico sobre a Teologia, assim como o uso e nas suas formas. Neste sentido a pesquisa orientada é para a compreensão dos aspetos subjetivos deste processo prioriza os seguintes aspectos: Avalia os pensamentos de pessoas que possui uma concepção errônea, que faz do Teólogo uma criatura temível, preocupada apenas em elaborar pensamentos profundos e perturbadores. O autor conduz de uma forma clara os cincos níveis de teologia, a formal, leiga,ministerial, profissional e acadêmica. A capacidade descrita nesta obra, afirma que todos ser humano é teólogo e que todo o Cristão é ou deveria ser teólogo enriquecendo, e que nos aproxime cada vez mais da comunhão e revelação de Deus. V RESUMO DOS CAPÍTULOS CAPÍTULO 1 Todo cristão é teólogo. Nesse capítulo o autor apresenta, com detalhes, o termo teologia e suas ramificações. Teologia da cosmovisão, um termo lingüístico da palavra de origem alemã que significa literalmente visão de mundo ou cosmovisão.ela se refere ao quadro de idéias e crenças pelas quais um indivíduo interpreta o mundo e interage com ele. A teologia de cosmovisão é comum a todas as pessoas que pensam, porque e indagar das questões

2 fundamentais da vida faz parte da existência humana. Isso poderia ser em si mesmo um indicativo de existe alguém além de nós. Teologia Cristã, Na mesma linha de assuntos interessantes, podemos citar os argumentos da ontologia (em grego ontos e logoi que significa conhecimento do ser ) citada pelo teológico medieval Anselmo de Cantuária. Ele foi monge,teólogo,filósofo e arcebispo de Cantuária no século XII. Ele é famoso por formular o que muitos supõem ser a prova racional perfeita da existência de Deus. Em defesa da ontologia, para mim é maravilhoso citar que a existência de DEUS pode ser provada a priori isto é, bastando apenas a intuição e a razão, não sendo portanto necessária a prova material, porque DEUS é a causa do ser. A duas formas de pensar sobre o assunto a versão ligada a teologia Cristã é superior e completa e com ela que devemos superar os obstáculos que se opõe a teologia. As advertências desestimulantes partem da família e dos desinformados, e alguns de nossos mentores (Ainda bem que isso está mudando) espirituais que tentaram nos dissuadir do estudo da teologia. A superação dessas objeções, porque para nós a teologia foi continua sendo o estudo libertador e enriquecedor que nos aproxima cada vez mais de Deus. A teologia de cosmovisão Ela nós leva a conhecer o horizonte de grandes pensadores e teólogos como Arthur Homes que era professor de filosofia da Universidade de Wheaton. CAPÍTULO 2 Nem todas as teologias são iguais. Nesse capítulo o autor apresenta os níveis de teologia prática e a Reflexão. O próprio autor observa quando cita os níveis de teologia na prática, a com experiência tem comprovado que o nível baixo ou moderado, sem a orientação sistemática e comprovatória de um ensino teológico competente pode levar o leigo a graves erros. Mas não podemos deixar de admitir que haja muitos segmentos e níveis teológicos e que alguns são bons e uteis outros perigosos. A reflexão, portanto, envolve certa dose de pensamento crítico, pois questiona as nossas formas de pensamento crítico. Afinal não se presume que os cristãos creiam como crianças e simplesmente concordem, mediante a fé cega, com o que lhes prescreve a Palavra de Deus. Assim o autor descreve que teologia como fé em busca de entendimento, estendem-se num amplo leque de reflexão. Numa extremidade está o que chamaremos Teologia popular, e na outra, o seu oposto: a Teologia acadêmica. CAPÍTULO 3 Definição de teologia. Nesse capítulo o autor apresenta, a definição e o grau da teologia e suas formas. O autor conduz a pergunta o que é Teologia, palavra vem de dois termos gregos, theos ( Deus ) e diz que vale a pena lembrar que ninguém faz Teologia no Vácuo, começando do Zero. O autor de uma forma clara descrever a crença não-refletida, baseada na fé cega. Porem grandes homens e mulheres de Deus tiveram uma fé singela dos Santos, que nunca foram instruídos em teologia formal. O Espírito Santo nos guia em toda verdade dando a nós o real sentido da fé. Embora a teologia popular possa ser encontrada em todas as denominações e com grande freqüência entre pessoas que se consideram cristã. Note que a maioria dos adeptos da teologia popular jamais a consideraria teologia. Ela a teologia popular se materializa e se perpetua por meio de frases de pára-choques cristãs: refrão, clichês e lendas. A teologia popular é o apego a tradições orais sem substância. Elas simplesmente são cridas porque soam espirituais. Louvo a Deus, pois homens e mulheres fieis a palavra e de bom caráter e com chamada de Deus

3 para exercer o ministério enfrentaram as objeção e passaram a ser teólogo formal. Um exemplo da teologia popular é a onda de interesse por anjos. A teologia popular, por seu conformismo, é imprópria para maioria dos cristãos. Ela estimula a ingenuidade, a espiritualidade forçada e respostas simplistas a os difíceis dilemas com que deparam os seguidores de Jesus Cristo. O autor deixa claro que a teologia leiga representa, quanto ao nível de reflexão, um passo acima da teologia popular. Portanto a reflexão caracteriza a diferença entre a teologia popular e a teologia leiga.teologia leiga surge quando o cristão comum começa a questionar os clichês e lendas simplistas da teologia popular. Ela emerge quando o cristão escava profundamente os recursos de sua fé. A Igreja precisa de mais teólogos que pensam e podem ajudar a igreja a rever suas ações e a apresentar a si mesma e ao mundo uma face consistente, de uma organização que sabe o que crer e por que razão crê. Teologia Ministerial é a fé refletida por ministros treinados e educadores nas igrejas cristãs. Elevase acima da teologia leiga. A teologia ministerial, portanto, encontra-se em algum lugar entre a reflexão do leigo em fase de amadurecimento. A teologia profissional é um passo adiante do leque da reflexão e do preparo teológico. Portanto é natural que os teólogos profissionais visem elevar seus alunos a um patamar acima da teologia popular, formando neles uma consciência critica que questione pressupostos e crenças infundados. Em sua melhor expressão a teologia profissional exerce o papel de serve à comunidade cristã ajudando pessoas a pensar como Cristo. Na teologia acadêmica está na extremidade do leque além da teologia profissional e totalmente oposta a teologia popular. É altamente especulativa, quase filosófica e visa, sobretudo, a outros teólogos. Nem sempre está ligada a igreja e pouca relação tem com a vida cristã autêntica. O teólogo acadêmico se dedica intensamente a reflexão, ele pode levar essa reflexão,que uma coisa boa longe demais,separando a da fé e buscando o entendimento em proveito próprio. A maioria está mais interessada no que pensa sobre Deus do que no próprio Deus. CAPÍTULO 4 Defesa da teologia. Nesse capítulo o autor apresenta, experiências sobre a rejeição a teologia, mas ao mesmo tempo conduz o leitor os efeitos benefícios da teologia em todos os níveis.ou seja, elementos populares e o avivamento do cristianismo protestante moderno levaram-nos a concluir que o aspecto primordial da vida cristã é experimentar certos sentimentos.quanto a serem tais sentimentos relacionados com alguma verdade objetiva, é uma preocupação secundária.esse pensamento distorce o verdadeiro pietismo e o avivamento. Nem mesmo os grandes líderes do movimento pietista e dos grandes avivamentos da igreja moderna se deleitavam na subjetividade divorciada da verdade. Contudo, um número imenso de servos de Deus ficou com a impressão de que ser cristão consiste primordialmente em vivenciar certas experiências e emoções.somos alertados de que até mesmo satanás se disfarça de anjo da luz (IICor.11:14)A teologia pode as vezes desempenhar a função de descobrir um demônio camuflado.a melhor resposta à alegação de discórdia é que o objetivo primário da teologia não é dividir nem unir, sim descobrir e proteger a verdade. Martinho Lutero declarou certa vez Paz se possível, porém a verdade a qualquer preço! Esse deve ser o lema da teologia.o teólogo Reinhol Niebuhr tinha razão ao afirmar que não devemos desejar saber muito sobre a mobília do céu ou a temperatura do inferno!o cristão que investe tempo no cuidadoso exame dos processos e produtos da reflexão teológica percebe que sua fé cristã se fortalece com a convicção intelectual.

4 CAPÍTULO 5 Tarefas e Tradições da Teologia. Nesse capítulo o autor apresenta as tarefas Construtivas da teologia e mostra porque tantas denominações. A teologia não inventa doutrinas. Ela examina de modo critico crenças já existentes entre cristãos A primeira tarefa da teologia consiste em examinar crenças e ensinamentos sobre Deus, sobre nós mesmos e sobre o mundo. Uma das atividades da teologia é inerente a primeira tarefa da teologia é a Crítica é dividir as crenças válidas em categorias baseadas no nível de importância. Ao longo dos séculos, os teólogos desenvolveram três categorias principais de crenças cristãs: Dogma, doutrina e opinião. A crença é considerada dogma quando se mostra essencial ao evangelho. Em outras palavras quando a sua negação parece acarretar apostasia. A negação de uma doutrina pode ser até considerada uma heresia, mas não diretamente uma apostasia. Os diferentes grupos lotam essas categorias com crenças distintas, essa é a razão principal para existência de tantas denominações. A historia da teologia protestante começa com a reforma, no século XVI. Em 1517, o monge católico alemão Martinho Lutero deu inicio a uma controvérsia ao pregar 95 teses ou pontos para debate, na porta da catedral de Wittenberg. Nas décadas seguintes desabrochou o terceiro ramo da teologia cristã. Nós chamamos Protestantes porque protestou contra a ênfase da teologia católica romana à autoridade do papa e dos concílios e contra certas crenças e práticas comuns da igreja. Além de Lutero,destacaram-se entre os primeiros teólogos protestantes Ulrico Zuínglio e João Calvino,da Suiça,Thomas Cranmer,da Inglaterra, e Menno Simons, da Holanda, todos haviam sido católicos romanos, porém voltaram para o caminho da reflexão protestante. CAPÍTULO 6 As ferramentas do teólogo. Nesse capítulo o autor apresenta as ferramentas, e porque precisamos delas. Na realidade o autor apresenta três ferramentas e como funciona. As ferramentas principais, a mensagem da Bíblia, a herança teológica da Igreja e a cultura contemporânea. Sendo a principal, a própria Bíblia, pois ela sendo a revelação escrita pelo qual Deus revela a nós

5 quem ele é e o que está fazendo. Com clareza direciona para o alvo da teologia que é ajudar os cristãos a se firmarem como povo que crê em Deus no mundo de hoje. Em suma, a teologia pergunta: Que temos de ser, dizer e fazer? E a principal ferramentas que temos que usar para responder é a própria Bíblia. CAPÍTULO 7 Construindo uma teologia contextuada. Nesse capítulo o autor apresenta o alvo da construção teológica sistemática. O autor conduz o dialogo no sentido de que a teologia constrói a verdade bíblica num contexto especifico. Não nos limitamos a destacar declarações de Josué, João ou Tiago, como se fosse a finalidade da teologia. Que procuramos é entender a revelação de Deus medida pelos autores bíblicos em nosso contexto e em nosso mundo. CAPÍTULO 8 Aplicando a teologia à própria vida. Nesse capítulo o autor apresenta, Que é o empreendimento teológico. O autor reuniu neste ponto a observação de fenômenos a partir dos quais reúnem e organizam dados. E faz uma analogia entre o cientista e o teólogo nessa acepção é o assunto que cada um investiga. Enquanto o cientista está interessado em certo aspecto do universo, o teólogo preocupa-se em conhecer a Deus. CAPÍTULO 9 Um convite para abraçar a teologia. Nesse capítulo o autor apresenta, de uma forma clara, para todos iniciarem uma jornada na leitura e se tornar um letrado em teologia. É apresentando os recursos uteis para a tarefa de estudar a Bíblia, iniciando um programa de estudo. Talvez você se pergunte: Em que momento do processo me tornará Teólogo? O autor transmitiu ao longo deste livro: VOCÊ JÁ É TEOLOGO! X - METODOLOGIA O autor demonstra em seu livro, a utilização da metodologia e habilidade, o que se percebe no fluir de suas idéias. O movimento dialético do seu raciocínio está sempre presente nas colocações que faz inclusive pela abertura constante para o diálogo com o leitor e com os autores citados. Trava uma discussão bastante elucidativa e construtiva.

6 É notória a preocupação em situar as idéias e os fatos historicamente, o que, a nosso ver, serve de suporte para a apresentação dialética de sua proposta. Recorre às suas experiências próprias e como orientador e professor, para ilustrar ou exemplificar as teóricas e praticas da teologia. XI PRINCIPAIS AUTORES CITADOS NA OBRA O autor referencia a varias obras. A seguir alguns dos autores citados no livro. Arthur Holmes, professor de filosofía da Universidade de Wheaton. Teología de Cosmivisão Anselmo de Cantuária. Foi Monge teólogo, filosofo e arcebispo de Cantuária no Seculo XII. Argumento ontológico a cerca de Deus. (Credo tu intelligam Creio para poder entender ) Sócrates A vida não examinada não vale a pena ser vivida Um dos mais importantes ícones da tradição filosófica Ocidental. John Updike O romancista contemporâneo. Chalie Brown A vida é como uma espreguiçadeira. Atanásio O Credo de Atanásio Linus Van Pelt o pequeno teólogo de Peanuts. Emil Brunner Grande téologo suiço do seculo XX, Martinho Lutero O grande Reformador da era do Protestante. Ulrico Zuínglio João Calvino,da Suiça, Thomas Cranmer,da Inglaterra, Menno Simons, da Holanda, todos haviam sido católicos romanos, porém voltaram para o caminho da reflexão protestante. Jurgen Motmann Teólogo alemão. Kazoh Kitamori (Theology of the pain of God.) Downers Grove Inter Varsity

7 H.Richard Niebuhr Critico do seculo XX (Zombou da Teologia Literal) XIII - CRÍTICA DO RESENHISTA O livro representa um esforço bem sucedido no aprofundamento sobre a a Teologia e do seu real propósito, a discussão em torno das experiências e os paradigmas que fundamentam o modo de fazer a pesquisa. Após discorrer historicamente como esses nove capítulos, ao longo do tempo, o autor apresenta contribuições pessoais significativas, o que demonstra sua segurança e domínio em relação a Teologia e suas ferramentas, o que pode ser constatado pela sua formação e experiência profissional. É uma obra que apresenta relativa dificuldade de leitura e entendimento, exigindo certo conhecimento e domínio de conceitos pertinentes ao universo teórico da metodologia e da epistemologia da pesquisa. Particularmente, representou um desafio e ao mesmo tempo respostas para nossos questionamentos sobre a prática da Teologia, objeto de nossa atividade profissional como aluno. A organização dos assuntos tratados, na forma de Nove capítulos, subdivididos em itens cujos títulos são bastante elucidativos, nos pareceram facilitar seu entendimento. XIV - INDICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES Este livro é recomendado para todos cristão que ama o conhecimento, para o obreiro, o professor de escola Bíblica dominical, e para os estudantes de teologia. Janio Muller Inthurn Aluno do Data: 04/10/2011 Local: Cidade de Lorena São Paulo

Sumário detalhado 1. A Reforma: uma introdução O cristianismo no final da Idade Média O humanismo e a Reforma...54

Sumário detalhado 1. A Reforma: uma introdução O cristianismo no final da Idade Média O humanismo e a Reforma...54 Sumário Sumário detalhado...4 Prefácio à quarta edição... 11 Como usar este livro... 14 1. A Reforma: uma introdução... 17 2. O cristianismo no final da Idade Média... 41 3. O humanismo e a Reforma...

Leia mais

No contexto da fé cristã, a teologia não é o estudo de Deus como algo abstrato, mas é o estudo do Deus pessoal revelado na Escritura.

No contexto da fé cristã, a teologia não é o estudo de Deus como algo abstrato, mas é o estudo do Deus pessoal revelado na Escritura. Franklin Ferreira No contexto da fé cristã, a teologia não é o estudo de Deus como algo abstrato, mas é o estudo do Deus pessoal revelado na Escritura. Necessariamente isso inclui tudo o que é revelado

Leia mais

CATECISMO do Século XXI

CATECISMO do Século XXI CATECISMO do Século XXI IGREJA ANGLICANA REFORMADA DO BRASIL IGREJA ANGLICANA REFORMADA DO BRASIL Sumário Introdução 1 Prefácio 3 A Chamada de Deus 7 A Fé Cristã 11 A Obediência Cristã 17 O Crescimento

Leia mais

REFORMA PROTESTANTE. 1- CONTEXTO HISTÓRICO: 1.1- Início do século XVI no Norte da Europa.

REFORMA PROTESTANTE. 1- CONTEXTO HISTÓRICO: 1.1- Início do século XVI no Norte da Europa. REFORMA PROTESTANTE 1- CONTEXTO HISTÓRICO: 1.1- Início do século XVI no Norte da Europa. 1.2- Processo final de formação das monarquias nacionais absolutistas. 1.3- Grandes navegações: transformações econômicas,

Leia mais

Clóvis de Barros Filho

Clóvis de Barros Filho Clóvis de Barros Filho Sugestão Formação: Doutor em Ciências da Comunicação pela USP (2002) Site: http://www.espacoetica.com.br/ Vídeos Produção acadêmica ÉTICA - Princípio Conjunto de conhecimentos (filosofia)

Leia mais

2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7. Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira

2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7. Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira 2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7 Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira 1 Igreja na Era Medieval Importância: 1. Único poder universal. 2.

Leia mais

REFORMA PROTESTANTE E REFORMA CATÓLICA VISÃO PANORÂMICA

REFORMA PROTESTANTE E REFORMA CATÓLICA VISÃO PANORÂMICA REFORMA PROTESTANTE E REFORMA CATÓLICA VISÃO PANORÂMICA Martinho Lutero ( 1483-1546 ) 1505 Entra para ordem dos Agostinianos 1507 Ordenado Sacerdote 1513 Professor na Universidade de Wittenberg Constante

Leia mais

Fatores religiosos: Corrupção do clero religioso : Venda de relíquias sagradas; venda de indulgencias; lotes celestiais; Ignorância do clero a maior

Fatores religiosos: Corrupção do clero religioso : Venda de relíquias sagradas; venda de indulgencias; lotes celestiais; Ignorância do clero a maior Fatores religiosos: Corrupção do clero religioso : Venda de relíquias sagradas; venda de indulgencias; lotes celestiais; Ignorância do clero a maior parte dos sacerdotes desconhecia a própria doutrina

Leia mais

Pastor Juan Carlos Ortiz em seu livro diz:

Pastor Juan Carlos Ortiz em seu livro diz: Vemos que hoje até mesmo os pastores protestantes já começam a enxergar que o protestantismo não é uma doutrina que realmente está indo nos ensinamentos de Jesus e já existem alguns que defendam o Papa

Leia mais

1º Técnicas e Regras para Entender a Palavra de Deus. 2º Lendo a Palavra Tirando Entendimento Dela Geografia Bíblica da Interpretação.

1º Técnicas e Regras para Entender a Palavra de Deus. 2º Lendo a Palavra Tirando Entendimento Dela Geografia Bíblica da Interpretação. Introdução 1º Técnicas e Regras para Entender a Palavra de Deus. 2º Lendo a Palavra Tirando Entendimento Dela Geografia Bíblica da Interpretação. 4º A Regra Espiritual da Interpretação 5º O que disse Jesus

Leia mais

REFORMAS RELIGIOSAS SÉC XVI.

REFORMAS RELIGIOSAS SÉC XVI. REFORMAS RELIGIOSAS SÉC XVI INTRODUÇÃO CONTEXTO: Transição feudo-capitalista. Crise do poder clerical na Europa Ocidental. Crise do pensamento teocêntrico europeu. DEFINIÇÃO Quebra do monopólio católico

Leia mais

27/02/2017. CUIDADO Algumas pessoas não conseguem entender o que significa fé. O que é fé e por que ela é importante? O QUE AS PESSOAS DIZEM

27/02/2017. CUIDADO Algumas pessoas não conseguem entender o que significa fé. O que é fé e por que ela é importante? O QUE AS PESSOAS DIZEM FÉ: Primeiro você coloca o pé, depois Deus coloca o chão. CUIDADO Algumas pessoas não conseguem entender o que significa fé. O que é fé e por que ela é importante? O QUE AS PESSOAS DIZEM Para muitos, a

Leia mais

3. Panorama das Crenças Religiosas e Cosmovisões

3. Panorama das Crenças Religiosas e Cosmovisões Em defesa da fé 3. Panorama das Crenças Religiosas e Cosmovisões Quadro de Religiões e Filosofias Mundiais Reclaiming the Mind Ministries 2009 Judaísmo 14.000.000 Siquismo 24.000.000 Novas Religiões 105.000.000

Leia mais

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre a Intervenção Divina 5/9

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre a Intervenção Divina 5/9 Os Legados da Reforma Protestante Sobre a Intervenção Divina 5/9 Criado por Pedro Siena Neto em 03/2015 O legado da reforma sobre o indivíduo o trabalho a comunidade a intervenção divina a educação a economia

Leia mais

!" #$! %&% '( CAUSAS: ! "# $ % & ' $ (% & ) * + *, -$. / ++.) */ 0.) 0 0 0*

! #$! %&% '( CAUSAS: ! # $ % & ' $ (% & ) * + *, -$. / ++.) */ 0.) 0 0 0* º º !" #$! %&% '( CAUSAS:! "# $ % & ' $ (% & ) * + *, -$. / ++.) */ 0.) 0 0 0* -/ - !"#$%&'(#)*' $%+&,)* $-./0*1+2 23)4 15 $$ '6 & ) * + *, -$. / ++.) */ Séc. XIV e XV John Wyclif (Inglaterra) Jan Hus

Leia mais

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES GRÉCIA, SÉC. V a.c. Reflexões éticas, com um viés político (da pólis) _ > como deve agir o cidadão? Nem todas as pessoas eram consideradas como cidadãos Reflexão metafísica: o que é a virtude? O que é

Leia mais

TEOLOGIA CRISTÃ: UMA INTRODUÇÃO À SISTEMATIZAÇÃO DAS DOUTRINAS

TEOLOGIA CRISTÃ: UMA INTRODUÇÃO À SISTEMATIZAÇÃO DAS DOUTRINAS TEOLOGIA CRISTÃ: UMA INTRODUÇÃO À SISTEMATIZAÇÃO DAS DOUTRINAS FERREIRA, Franklin. Teologia cristã: uma introdução à sistematização das doutrinas. São Paulo: Edições Vida Nova, 2011. Natan da Costa Fernandes

Leia mais

REFORMA E CONTRA-REFORMA

REFORMA E CONTRA-REFORMA REFORMA E CONTRA-REFORMA As reformas religiosas no século XVI Crises religiosas anteriores ao século XVI Séculos XII-XIII: Heresia dos Cátaros (França). Século XIV: John Wycliff contesta a autoridade do

Leia mais

FICHA DE AVALIAÇÃO DO CANDIDATO A ESTUDANTE DO STNB

FICHA DE AVALIAÇÃO DO CANDIDATO A ESTUDANTE DO STNB FICHA DE AVALIAÇÃO DO CANDIDATO A ESTUDANTE DO STNB Nome do Candidato: INSTRUÇÕES: 1. Esta ficha de avaliação deve ser preenchida pelo pastor da igreja e anexada a documentação que encaminha o candidato

Leia mais

Curso de História. Prof. Fabio Pablo. efabiopablo.wordpress.com

Curso de História. Prof. Fabio Pablo. efabiopablo.wordpress.com efabiopablo.wordpress.com Conteúdo O humanismo e o Renascimento Cultural Marco Polo. Multimídia A arte renascentista e o mecenato A Revolução Científica #Conceito O Renascimento foi um movimento artístico,

Leia mais

RENASCIMENTO CULTURAL

RENASCIMENTO CULTURAL RENASCIMENTO CULTURAL O termo renascimento, ou renascença, faz referência a um movimento intelectual e artístico ocorrido na Europa, entre os séculos XV e XVI, durante a transição da Idade Média para a

Leia mais

PROVA FINAL DA DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À TEOLOGIA BÍBLICA

PROVA FINAL DA DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À TEOLOGIA BÍBLICA INSTITUTO EDUCACIONAL DE TEOLOGIA EVANGÉLICA[1] PROVA FINAL DA DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À TEOLOGIA BÍBLICA SISTEMA EAD DE NATUREZA JURÍDICA LIVRE ALUNO (A): MAT: 000/2014 MATÉRIA: INTRODUÇÃO À TEOLOGIA

Leia mais

Escola Ryle de Teologia. Grade Curricular 1º Ano

Escola Ryle de Teologia. Grade Curricular 1º Ano Escola Ryle de Teologia Ensinando o poder do evangelho de Cristo Grade Curricular 1º Ano Introdução à Bíblia Como não se pode fazer teologia sem a Palavra de Deus, vamos dar início com esse tema. Este

Leia mais

1 Coríntios 15,4: E, se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa pregação, e vã, a vossa fé.

1 Coríntios 15,4: E, se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa pregação, e vã, a vossa fé. BREVE CATECISMO DE WESTMINSTER PERGUNTA 30 PERGUNTA 30: Como nos aplica o Espírito a redenção adquirida por Cristo? Resposta: O Espírito aplica-nos a redenção adquirida por Cristo pelo chamado eficaz,

Leia mais

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Unidade 2: História da Filosofia Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Períodos Históricos da Filosofia Filosofia Grega ou Antiga (Séc. VI a.c. ao VI d.c.) Filosofia Patrística (Séc. I ao VII) Filosofia

Leia mais

Conhecer Deus Pessoalmente

Conhecer Deus Pessoalmente 1 2 Conhecer Deus Pessoalmente Introdução Conhecer Jesus.. p. 4 Lição 1 Conhecer a Salvação p. 12 Lição 2 Conhecer a Comunhão.. p. 17 Lição 3 Conhecer o Espírito Santo. p. 22 Lição 4 Conhecer o Crescimento.

Leia mais

Grandes Santos de Deus. Jovens

Grandes Santos de Deus. Jovens Grandes Santos de Deus. Grupo de da IBRVN 2010 Um dos primeiros i apologistas da igreja. Justino Mártir (103 165) Flavia Neapolis(Nablus),Palestina, 103 Roma, 165 Amados, quando empregava toda a diligência

Leia mais

SUMÁRIO. O que podemos aprender com Martinho Lutero hoje?...11 Franklin Ferreira. Primeira dentada: Maldade Segunda dentada: Meninada...

SUMÁRIO. O que podemos aprender com Martinho Lutero hoje?...11 Franklin Ferreira. Primeira dentada: Maldade Segunda dentada: Meninada... SUMÁRIO Agradecimentos...9 O que podemos aprender com Martinho Lutero hoje?...11 Franklin Ferreira Cuidado com o Tiago...15 Prelúdio...23 Martinho... 29 Primeira dentada: Maldade... 93 Segunda dentada:

Leia mais

HISTÓRIA DA IGREJA. Prof. GUILHERME WOOD. APOSTILA NO SITE:

HISTÓRIA DA IGREJA. Prof. GUILHERME WOOD. APOSTILA NO SITE: HISTÓRIA DA IGREJA Prof. GUILHERME WOOD APOSTILA NO SITE: http://www.ibcu.org.br/apostilas/historiaigreja.pdf Primitiva Imperial Medieval Escolastic Reforma Moderna Contemporânea Linha do Tempo: História

Leia mais

Introdução Traduções e Referências Bíblicas Lição Conceitos Básicos. Lição Criação. Lição 3...

Introdução Traduções e Referências Bíblicas Lição Conceitos Básicos. Lição Criação. Lição 3... SUMÁRIO Introdução... 7 Traduções e Referências Bíblicas... 8 Lição 1... 10 Conceitos Básicos Lição 2... 12 Criação Lição 3... 14 Queda Lição 4... 16 A Promessa do Senhor Lição 5... 18 A Chegada do Salvador

Leia mais

ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO

ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO 1 ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO A ESCOLÁSTICA E OS PRINCIPAIS REPRESENTANTES ALBERTO MAGNO TOMÁS DE AQUINO Buscaram provar a existência de Deus utilizando argumentos racionais. 2 A UNIDADE ENTRE A FÉ

Leia mais

Assessoria de Educação. Pastor Joel Nascimento Congresso Renovação Ministerial Fev/2016 Avivamento Bíblico - Jaçanã

Assessoria de Educação. Pastor Joel Nascimento Congresso Renovação Ministerial Fev/2016 Avivamento Bíblico - Jaçanã Assessoria de Educação Pastor Joel Nascimento Congresso Renovação Ministerial Fev/2016 Avivamento Bíblico - Jaçanã Agenda O que é a EBD? Considerações sobre o Ensino Algumas recomendações para os professores

Leia mais

A Igreja. Ellen White

A Igreja. Ellen White A igreja é um instrumento apontado por Deus para a salvação de homens. Foi organizada para servir e sua missão é levar o evangelho ao mundo... Maravilhosa é a obra que o Senhor se propõe a realizar por

Leia mais

E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É me dado todo o poder no céu e na terra.

E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É me dado todo o poder no céu e na terra. Casas Abertas Estudos Diversos Batismo O batismo cristão é uma de duas ordenanças que Jesus instituiu para a igreja: E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É me dado todo o poder no céu e na terra.

Leia mais

PREPARANDO NOSSOS JOVENS PARA A UNIVERSIDADE

PREPARANDO NOSSOS JOVENS PARA A UNIVERSIDADE PREPARANDO NOSSOS JOVENS PARA A UNIVERSIDADE A Contribuição da Reforma para a Universidade Augustus Nicodemus Lopes A Cosmovisão Cristão 2Coríntios 10:3-5 Embora no mundo, nosso entendimento dele é sobrenatural

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA

REFORMA E CONTRARREFORMA REFORMA E CONTRARREFORMA CONHECER E COMPREENDER A REFORMA PROTESTANTE Porque houve uma Reforma religiosa na Europa? Venda de indulgências Luxo da Igreja Corrupção Falta de vocação de membros do Clero Afastamento

Leia mais

Métodos Teológicos. Prof. Me. Joerley Cruz

Métodos Teológicos. Prof. Me. Joerley Cruz Prof. Me. Joerley Cruz O objeto e o sujeito... O objeto do método teológico, do estudo teológico é a teologia é sobre quem nos debruçamos, e com imenso respeito, observamos com total cuidado O sujeito

Leia mais

IDADE MODERNA A REFORMA PROTESTANTE

IDADE MODERNA A REFORMA PROTESTANTE REFORMA PROTESTANTE REFORMA PROTESTANTE OTESTANT IDADE MODERNA Definição: movimento religioso que rompeu com a autoridade da Igreja Católica, dando origem a novas religiões cristãs; Quando: a partir do

Leia mais

Tradução Lena Aranha

Tradução Lena Aranha Tradução Lena Aranha EM GRATA LEMBRANÇA DE JOHN THOMAS HORNSBY 1884-1960 MINISTRO NA IGREJA CONGREGACIONAL, NA ESCÓCIA, QUE PASSOU PARA O DESCANSO ETERNO NA ÉPOCA EM QUE SE CONCLUÍAM ESSAS PÁGINAS. Esta

Leia mais

O desafio de amar Desafios #7 1 Jo 4: 9-21

O desafio de amar Desafios #7 1 Jo 4: 9-21 1 Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons O desafio de amar Desafios #7 1 Jo 4: 9-21 9 Nisto se manifestou o amor de Deus para conosco:

Leia mais

Metodologia Científica CONCEITOS BÁSICOSB

Metodologia Científica CONCEITOS BÁSICOSB Metodologia Científica CONCEITOS BÁSICOSB CURSO DE TECNOLOGIA Metodologia Científica A Atitude Científica As Concepções de Ciência A Ciência na História Classificações de Ciência Tipos de Conhecimentos

Leia mais

IGREJA. Sua Natureza

IGREJA. Sua Natureza IGREJA Sua Natureza A igreja é a comunidade de todos os cristãos de todos os tempos. Wayne Grudem A igreja é o novo Israel de Deus que revela nesse tempo Sua glória Thiessen A igreja é a a assembléia dos

Leia mais

Jesus, Nome sobre todo nome! João Gilberto

Jesus, Nome sobre todo nome! João Gilberto Jesus, Nome sobre todo nome! João Gilberto Filipenses 2:9-11 Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, Filipenses 2:9-11 para que ao nome de Jesus se dobre

Leia mais

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia Tema 6: Ciência e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Ciência e Filosofia Ciência: vem do latim scientia. Significa sabedoria, conhecimento. Objetivos: Conhecimento sistemático. Tornar o mundo compreensível.

Leia mais

e tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor, como igualmente o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada,

e tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor, como igualmente o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada, e tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor, como igualmente o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada, ao falar acerca destes assuntos, como, de fato, costuma

Leia mais

A Alma Uma perspectiva bíblica e luterana. Jörg Garbers Ms. de Teologia

A Alma Uma perspectiva bíblica e luterana. Jörg Garbers Ms. de Teologia A Alma Uma perspectiva bíblica e luterana Jörg Garbers Ms. de Teologia A alma A palavra alma é a tradução das palavras: Nefesch (hebraico no AT) Psyche(grego no NT) Popularmente a alma......é uma parte

Leia mais

REZANDO COM O EVANGELHO DO DIA (LECTIO DIVINA) Reflexões de Frei Carlos Mesters, O.Carm Reflexões de Pe. Lucas de Paula Almeida, CM

REZANDO COM O EVANGELHO DO DIA (LECTIO DIVINA) Reflexões de Frei Carlos Mesters, O.Carm Reflexões de Pe. Lucas de Paula Almeida, CM REZANDO COM O EVANGELHO DO DIA (LECTIO DIVINA) Reflexões de Frei Carlos Mesters, O.Carm Reflexões de Pe. Lucas de Paula Almeida, CM Quarta-feira da 4ª Semana do Tempo Comum 1) Oração Concedei-nos, Senhor

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS, O.CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM IV DOMINGO DO ADVENTO -ANO A A ESTRELA DA MANHA 20 de Dezembro

Leia mais

As grandes navegações iniciadas. principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra.

As grandes navegações iniciadas. principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra. 01/06/2015 As grandes navegações iniciadas no século XV e principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra. 1 As teorias científicas de

Leia mais

OS DONS DO ESPÍRITO SANTO O CAMINHO DOS DOS ESPIRITUAIS

OS DONS DO ESPÍRITO SANTO O CAMINHO DOS DOS ESPIRITUAIS OS DONS DO ESPÍRITO SANTO O CAMINHO DOS DOS ESPIRITUAIS O DOM ESPIRITUAL E A EDIFICAÇÃO DA IGREJA Temos diferentes dons, de acordo com a graça que nos foi dada. Romanos 12,6 A cada um, porém, é dada a

Leia mais

TRINITARIANISMO (parte I)

TRINITARIANISMO (parte I) TRINITARIANISMO (parte I) A Palavra de Deus diz: Não terás outros deuses diante de mim. (Êx 20:3) Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição

Leia mais

Martinho Lutero e a mensagem da Reforma

Martinho Lutero e a mensagem da Reforma Martinho Lutero e a mensagem da Reforma entre dois mundos e dois tempos Ricardo Willy Rieth ricardo.rieth@gmail.com 1 2 Estrutura Introdução: Lutero nos começos do Brasil A Reforma de Lutero como evento

Leia mais

BIBLIOLOGIA IV Epístolas e Apocalipse. Prof. Eloi Pereira dos Santos Faesp Extensão Mairiporã

BIBLIOLOGIA IV Epístolas e Apocalipse. Prof. Eloi Pereira dos Santos Faesp Extensão Mairiporã BIBLIOLOGIA IV Epístolas e Apocalipse Prof. Eloi Pereira dos Santos Faesp Extensão Mairiporã Objetivos da Disciplina Facilitar o estudo, compreensão e o uso adequado da Bíblia. Familiarizar o aluno com

Leia mais

A caridade divina em São Tomás de Aquino

A caridade divina em São Tomás de Aquino RICARDO FIGUEIREDO A caridade divina em São Tomás de Aquino segundo o Comentário ao Evangelho de São João Índice Lista de siglas e abreviaturas 9 Prefácio, Professor Doutor José Jacinto Ferreira de Farias

Leia mais

Copyright Construção do livro. Diagramação: Fernando Holanda. Projeto gráfico: Fernando Holanda. Capa: Fernando Holanda

Copyright Construção do livro. Diagramação: Fernando Holanda. Projeto gráfico: Fernando Holanda. Capa: Fernando Holanda Copyright 2017 Construção do livro Diagramação: Fernando Holanda Projeto gráfico: Fernando Holanda Capa: Fernando Holanda Revisão: Fernando Holanda Todos os direitos reservados. www.holanda2017blog.wordpress.com

Leia mais

PADRES APOLOGISTAS, APOSTÓLICOS E CONTROVERSISTAS... PROFESSOR UILSON FERNANDES 19/09/2016

PADRES APOLOGISTAS, APOSTÓLICOS E CONTROVERSISTAS... PROFESSOR UILSON FERNANDES 19/09/2016 PADRES APOLOGISTAS, APOSTÓLICOS E CONTROVERSISTAS... PROFESSOR UILSON FERNANDES 19/09/2016 DEFINIÇÕES CONCEITUAIS... O nome patrística advém diretamente das figuras desse grande primeiro momento da Filosofia

Leia mais

As Igrejas Anglicanas Livres

As Igrejas Anglicanas Livres As Igrejas Anglicanas Livres No século XIX, descontentes principalmente com os rumos tomados pelo movimento Anglo Católico, alguns bispos anglicanos entenderam que a Igreja estava outra vez sendo "romanizada"

Leia mais

Propedêutica Bíblica. 20 de Janeiro de 2014 Bíblia e Magistério

Propedêutica Bíblica. 20 de Janeiro de 2014 Bíblia e Magistério Propedêutica Bíblica 20 de Janeiro de 2014 Bíblia e Magistério ORAÇÃO Hebreus 1 Muitas vezes e de muitos modos, falou Deus aos nossos pais, nos tempos antigos, por meio dos profetas. 2 Nestes dias, que

Leia mais

A REJEIÇÃO DO FILHO DE DEUS JESUS CRISTO

A REJEIÇÃO DO FILHO DE DEUS JESUS CRISTO A REJEIÇÃO DO FILHO DE DEUS JESUS CRISTO A IRA DE DEUS ESTÁ SOBRE OS QUE NÃO ACEITAM A JESUS O FILHO DE DEUS Aquele que crê no Filho tem a vida eterna; mas aquele que não crê no Filho não verá a vida,

Leia mais

Devocional. Céus Abertos Pastor Carlito Paes

Devocional. Céus Abertos Pastor Carlito Paes BÍBLIA Devocional Céus Abertos Pastor Carlito Paes 2 ROTEIRO BÍBLIA: ENTENDENDO A PALAVRA DE DEUS O que devo conhecer sobre a bíblia? Diversidade dos Autores Condições de alguns autores quando foram inspirados

Leia mais

Mestre Consolus. Um milagre de São Pedro. Segunda metade do século XIII. A caverna confere sensação de profundidade.

Mestre Consolus. Um milagre de São Pedro. Segunda metade do século XIII. A caverna confere sensação de profundidade. Proposta de Leitura: GOMBRICH, 1999, pp. 133-141; 185-195; 201-205. A arte na Idade Média transmite uma verdadeira integração da pintura, escultura e arquitetura marcados pela arte românica no final do

Leia mais

latim se baseava na possibilidade de manter a comunicação entre povos que falavam línguas distintas. Por outro lado, os analfabetos, que constituíam

latim se baseava na possibilidade de manter a comunicação entre povos que falavam línguas distintas. Por outro lado, os analfabetos, que constituíam Sumário Introdução... 7 A Bíblia traduzida... 11 A distância que separa os primeiros leitores dos modernos... 15 Confirmação arqueológica... 19 A exegese e a interpretação da Bíblia... 25 Onde está a vontade

Leia mais

domingo, 10 de novembro de 13

domingo, 10 de novembro de 13 A n é s i o R o d r i g u e s João 14:26,27 Livres da religião do medo e das maldições João 14:26,27 Mas o Conselheiro, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, lhes ensinará todas as coisas João

Leia mais

LIÇÃO 9 NA IGREJA A FAMÍLIA ESPIRITUAL. Prof. Lucas Neto

LIÇÃO 9 NA IGREJA A FAMÍLIA ESPIRITUAL. Prof. Lucas Neto LIÇÃO 9 NA IGREJA A FAMÍLIA ESPIRITUAL Prof. A GLÓRIA É DE DEUS INTRODUÇÃO UM ORGANISMO VIVO A igreja é um organismo vivo e divino que prega a salvação em Jesus Cristo de modo a levar os salvos para a

Leia mais

Necessidades essenciais, relacionamentos superficiais.

Necessidades essenciais, relacionamentos superficiais. Necessidades essenciais, relacionamentos superficiais. Brasil tem cerca de 70 milhões de internautas. O Brasil é um dos países em que os internautas passam mais tempo online. Em alguns meses tem sido o

Leia mais

IGREJA E CULTO. Por que me importar? Presb. José Cordeiro Neto» Presb. Lúcio Mafra Teixeira

IGREJA E CULTO. Por que me importar? Presb. José Cordeiro Neto» Presb. Lúcio Mafra Teixeira AULA-5 Os Sem-Igreja Igreja(parte 2): O desinteresse pela igreja e o momento atual da fé evangélica no contexto da pós modernidade e do secularismo IGREJA E CULTO Por que me importar? Presb. José Cordeiro

Leia mais

CRISTO, IDEAL DA PROCURA DE DEUS COMO CONVERSÃO. CIMBRA 2014 MOSTEIRO DA TRANSFIGURAÇÃO SANTA ROSA RS

CRISTO, IDEAL DA PROCURA DE DEUS COMO CONVERSÃO. CIMBRA 2014 MOSTEIRO DA TRANSFIGURAÇÃO SANTA ROSA RS CRISTO, IDEAL DA PROCURA DE DEUS COMO CONVERSÃO. CIMBRA 2014 MOSTEIRO DA TRANSFIGURAÇÃO SANTA ROSA RS Introdução A fidelidade ao espírito do evangelho e aos ensinamentos de São Paulo, o sentido da Igreja

Leia mais

Fala-se muito hoje daqueles que preferem

Fala-se muito hoje daqueles que preferem CAPA Natal: uma grata dependência de Cristo A mensagem para os leitores de 30Dias de sua graça Rowan Williams, arcebispo de Canterbury Fala-se muito hoje daqueles que preferem espiritualidade a religião.

Leia mais

Ó vós todos os que tendes sede, vinde às águas. Isaías Buscai ao Senhor enquanto se pode achar... Isaías 55.6 a. Programação

Ó vós todos os que tendes sede, vinde às águas. Isaías Buscai ao Senhor enquanto se pode achar... Isaías 55.6 a. Programação Tema: Ó vós todos os que tendes sede, vinde às águas. Isaías 55.1 Divisa: Buscai ao Senhor enquanto se pode achar... Isaías 55.6 a Programação Programação Catedral das Assembleias de Deus em Juiz de Fora

Leia mais

LIÇÃO 13 A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA

LIÇÃO 13 A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA INTRODUÇÃO - Concluindo o estudo deste trimestre sobre evangelização, estudaremos a necessária integralidade desta atividade mais importante, da razão de ser da igreja. - A evangelização tem de ser integral.

Leia mais

LIÇÃO 01 O que a Bíblia ensina sobre a Trindade? LIÇÃO 02 O que a Bíblia ensina sobre Deus? Missão: Missão Cumprida: 20 pontos.

LIÇÃO 01 O que a Bíblia ensina sobre a Trindade? LIÇÃO 02 O que a Bíblia ensina sobre Deus? Missão: Missão Cumprida: 20 pontos. LIÇÃO 01 O que a Bíblia ensina sobre a Trindade? Leia os textos de referência abaixo e relacionados à referida pessoa descrita: ( ) João 1.1-4,14 ( A ) Deus o Pai ( ) João 14.16, 17,27 ( B ) Jesus o Filho

Leia mais

Nova Estrutura do Curso: Avisos

Nova Estrutura do Curso: Avisos Nova Estrutura do Curso: Avisos Nova Estrutura do Curso Disciplinas de Teologia Sistemática: Introdução a Teologia Sistemática Doutrina de Deus Teontologia Doutrina do Ser Humano Antropologia Doutrina

Leia mais

III Encontro Nacional de Coordenadores de ESDE

III Encontro Nacional de Coordenadores de ESDE III Encontro Nacional de Coordenadores de ESDE Critérios para Seleção de Expositores e de Bibliografias para Cursos de Capacitação de Coordenador e Monitor do ESDE Um curso regular de Espiritismo seria

Leia mais

Acesso ao Jesus da História

Acesso ao Jesus da História 2 O Acesso ao Jesus da História Acesso ao Jesus da História A preocupação central da cristologia é o acesso ao Jesus da história. Se as cristologias do NT não são biografias, que acesso temos, então, ao

Leia mais

Neste estudo veremos que a igreja é como a noiva de Cristo.

Neste estudo veremos que a igreja é como a noiva de Cristo. 0-4 agosto 2013 A Noiva de Cristo A Bíblia usou várias figuras de para ilustrar o significado igreja. A igreja é apresentada como um reino para enfatizar o seu governo e domínio; Cada figura enfatiza um

Leia mais

Apêndice 2. A Atuação do Homem na Conversão

Apêndice 2. A Atuação do Homem na Conversão 191 Apêndice 2 A Atuação do Homem na Conversão Todos concordam que é necessária uma resposta por parte do homem para que ele receba a graça de Deus. Alguns discordam de que seja necessária uma reposta.

Leia mais

Estudos na Palavra de Deus

Estudos na Palavra de Deus Estudos na Palavra de Deus Não faça nada que você não queira que Deus veja. Não diga nada que não deseja que Deus ouça. Não escreva nada que não deseja que Deus leia. Não vá a qualquer lugar onde não queira

Leia mais

Dogmas marianos: conheça as verdades de fé sobre Maria

Dogmas marianos: conheça as verdades de fé sobre Maria Dogmas marianos: conheça as verdades de fé sobre Maria A Igreja possui uma série de verdades de fé, conhecidas como dogmas, em que os católicos devem crer. No total, são 44 dogmas subdivididos em 8 categorias

Leia mais

FILOSOFIA - 2 o ANO MÓDULO 08 A REAÇÃO DE ROMA: O CONCÍLIO DE TRENTO

FILOSOFIA - 2 o ANO MÓDULO 08 A REAÇÃO DE ROMA: O CONCÍLIO DE TRENTO FILOSOFIA - 2 o ANO MÓDULO 08 A REAÇÃO DE ROMA: O CONCÍLIO DE TRENTO Como pode cair no enem A Reforma protestante e a Contrarreforma envolveram aspectos ligados à doutrina da religião cristã e à forma

Leia mais

PARTE 2 - A PALAVRA NORMATIVA. O CÂNONE BÍBLICO

PARTE 2 - A PALAVRA NORMATIVA. O CÂNONE BÍBLICO Índice Siglas e abreviaturas 6 Introdução 7 PARTE 1 - A PALAVRA INSPIRADA CAPÍTULO I - NATUREZA DA INSPIRAÇÃO BÍBLICA 12 1. A inspiração bíblica no limiar do Vaticano II 13 1.1. Deus, autor principal,

Leia mais

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia O que caracteriza a consciência mítica é a aceitação do destino: Os costumes dos ancestrais têm raízes no sobrenatural; As ações humanas são determinadas pelos

Leia mais

NOSSO DESTINO: A RESSURREIÇÃO DO CORPO.

NOSSO DESTINO: A RESSURREIÇÃO DO CORPO. NOSSO DESTINO: A RESSURREIÇÃO DO CORPO. O CÉU É UMA EXPERIÊNCIA CORPÓREA Mt 22, 23-32 I COR 2, 9-10 É como está escrito: Coisas que os olhos não viram, nem os ouvidos ouviram, nem o coração humano imaginou

Leia mais

A teologia da política. Dr. Rousas John Rushdoony

A teologia da política. Dr. Rousas John Rushdoony INTRODUÇÃO A teologia da política Dr. Rousas John Rushdoony Introdução Uma área de estudo muito negligenciada nos dois séculos passados ou mais é a teologia da política. O pensamento político tem se tornado

Leia mais

PARTE I O MISTÉRIO, O ESPAÇO E OS MINISTROS I.

PARTE I O MISTÉRIO, O ESPAÇO E OS MINISTROS I. ÍNDICE GERAL Uma palavra do autor... p. 3 Lista de abreviatura... p. 7 PARTE I O MISTÉRIO, O ESPAÇO E OS MINISTROS I. Por amor a Liturgia A importância de se amar a Liturgia... n. 1 Necessidade de deixar

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 049-PROEC/UNICENTRO, DE 27 DE MARÇO DE 2014. Altera o anexo I E II da Resolução nº035- PROEC/UNICENTRO, de 06 de maio de 2013 e aprova o Relatório Final. O PRÓ-REITOR DE EXTENSÃO E CULTURA

Leia mais

Treinamento de Instrutores Bíblicos. Como Ensinar Doutrinas Básicas Adventistas

Treinamento de Instrutores Bíblicos. Como Ensinar Doutrinas Básicas Adventistas North A meric an Divisio n Portuguese Mi nistry Treinamento de Instrutores Bíblicos Como Ensinar Doutrinas Básicas Adventistas Como Ensinar Doutrinas Básicas Adventistas Objetivo Uma compreensão clara

Leia mais

Julio Cesar dos Santos. A Imagem de Deus no Ser Humano, Segundo a Teologia de Emil Brunner: Um ser relacional e responsável diante de Deus

Julio Cesar dos Santos. A Imagem de Deus no Ser Humano, Segundo a Teologia de Emil Brunner: Um ser relacional e responsável diante de Deus Julio Cesar dos Santos A Imagem de Deus no Ser Humano, Segundo a Teologia de Emil Brunner: Um ser relacional e responsável diante de Deus DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE TEOLOGIA Programa de Pós-Graduação

Leia mais

TRINDADE O DEUS TRIUNO DO CRISTIANISMO

TRINDADE O DEUS TRIUNO DO CRISTIANISMO TRINDADE O DEUS TRIUNO DO CRISTIANISMO Jörg Garbers Ms. De Teologia O QUE SIGNIFICA O TERMO? A palavra triuno pode ser facilmente subdividida em duas palavras: tri uno. Três elementos que formam uma unidade.

Leia mais

A palavra MITO procede do grego mythos, que é uma palavra ligada ao verbo mythevo, que significa crio uma história imaginária, que se refere a uma

A palavra MITO procede do grego mythos, que é uma palavra ligada ao verbo mythevo, que significa crio uma história imaginária, que se refere a uma Prof. Cícero Robson A palavra MITO procede do grego mythos, que é uma palavra ligada ao verbo mythevo, que significa crio uma história imaginária, que se refere a uma crença, a uma tradição ou a um acontecimento.

Leia mais

O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS

O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS 1. O CONHECIMENTO é uma relação que se estabelece entre o sujeito que conhece e o objeto conhecido. O sujeito que conhece se apropria, de certo modo, do objeto conhecido. Através

Leia mais

Sumário. Prefácio, 13. Primeira parte - Fundamentação, 15

Sumário. Prefácio, 13. Primeira parte - Fundamentação, 15 Sumário Prefácio, 13 Primeira parte - Fundamentação, 15 I. A teologia fundamental como ciência teológica básica, 17 1 Teologia como "fala de Deus", 17 1.1 Tipos básicos de teologia, 17 a) A teologia como

Leia mais

XVIII DOMINGO DO TEMPO COMUM 02 de agosto de 2015

XVIII DOMINGO DO TEMPO COMUM 02 de agosto de 2015 XVIII DOMINGO DO TEMPO COMUM 02 de agosto de 2015 Caríssimos Irmãos e Irmãs: Hoje, muitos cristãos têm a Bíblia em mão e lêem-na com freqüência. Essa realidade acontece, também, entre os católicos, cuja

Leia mais

II TRI LIÇÃO 1. evange ho LUCAS A PRIMEIRA VINDA DE JESUS

II TRI LIÇÃO 1. evange ho LUCAS A PRIMEIRA VINDA DE JESUS evange ho DE LUCAS II TRI 2015 LIÇÃO 1 A PRIMEIRA VINDA DE JESUS INTRODUÇÃO VERSO PARA MEMORIZAR: Para Deus não haverá impossíveis (Lc 1:37). INTRODUÇÃO VERSO PARA MEMORIZAR: Para Deus não haverá impossíveis

Leia mais

VIDA CRISTÃ E O CRISTÃO

VIDA CRISTÃ E O CRISTÃO VIDA CRISTÃ E O CRISTÃO 1 Diagramação Henrique Turola 2 Guilherme Parada Pinheiro VIDA CRISTÃ E O CRISTÃO São Paulo 2013 3 Copyright Guilherme Parada Pinheiro 6571/1 100 40 2013 O conteúdo desta obra é

Leia mais

COM DEUS APRENDI A PERDER PARA GANHAR

COM DEUS APRENDI A PERDER PARA GANHAR COM DEUS APRENDI A PERDER PARA GANHAR Marcos 8:35 Na semana passada aprendemos um pouco mais sobre Salvação, que nada mais é que a própria pessoa de Jesus Cristo agindo em nosso interior, transformando

Leia mais

Interpretando o Apocalipse Por Pastor Luiz Antonio.

Interpretando o Apocalipse Por Pastor Luiz Antonio. Interpretando o Apocalipse Por Pastor Luiz Antonio. CAPÍTULO III QUINTA CARTA, À IGREJA DE SARDES 1 E ao anjo da igreja que está em Sardes escreve: Isto diz o que tem os sete Espíritos de Deus e as sete

Leia mais

1. Disse Jesus: Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim jamais terá sede. Jo 6,35

1. Disse Jesus: Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim jamais terá sede. Jo 6,35 1. Disse Jesus: Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim jamais terá sede. Jo 6,35 Senhor Jesus, Tu tens palavras de vida eterna e Tu revelas-te a nós como Pão da vida

Leia mais

ESPIRITUALISMO = ESPIRITISMO?

ESPIRITUALISMO = ESPIRITISMO? 1 ESPIRITUALISMO = ESPIRITISMO? ESPIRITUALISMO Oposto do materialismo Quem quer que acredite haver em si alguma coisa mais do que matéria é espiritualista. ESPIRITISMO ou DOUTRINA ESPÍRITA Termo criado

Leia mais

Acesso ao Jesus da História ROSSI & KLINGBEIL

Acesso ao Jesus da História ROSSI & KLINGBEIL Acesso ao Jesus da História 2 O Acesso ao Jesus da História A preocupação central da cristologia é o acesso ao Jesus da história. Se as cristologias do NT não são biografias, que acesso temos, então, ao

Leia mais

A Doutrina Espírita e seu Tríplice Aspecto Movimento Espírita Centro Espírita

A Doutrina Espírita e seu Tríplice Aspecto Movimento Espírita Centro Espírita A Doutrina Espírita e seu Tríplice Aspecto Movimento Espírita Centro Espírita Facilitadora: Mônica Oliveira / Mônica Urbano Data: 22/09/2012 Doutrina = Do latim Doctrina 1 - Conjunto de princípios em que

Leia mais