05/05/2010. Década de 60: a chamada Crise do Software

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "05/05/2010. Década de 60: a chamada Crise do Software"

Transcrição

1 Pressman, Roger S. Software Engineering: A Practiotioner s Approach. Editora: McGraw- Hill. Ano: Edição: 5 Introdução Sommerville, Ian. SW Engineering. Editora: Addison Wesley. Ano: Edição: 6 2 Disciplina gerencial e tecnológica lida com a produção e manutenção de produtos de software desenvolvidos dentro de estimativas de custo e tempo. Trata aspectos relacionados a Processos, Métodos, Técnicas, Ferramentas e Ambientes de suporte Desenvolver Software não é só programação! Obter software de qualidade Com produtividade no seu desenvolvimento, operação e manutenção Dentro de custos, prazos e níveis de qualidade controlados Com o melhor custo-benefício entre Qualidade e Produtividade 3 4 Década de 60: a chamada Crise do Software Desenvolvimento fora de controle Iniciou como um problema de Custo e Produtividade. Mais importante: era um problema de Qualidade Década de 70 Programação Estruturada Projeto Estruturado 5 6 1

2 Década de 80 Análise Estruturada (DFDs, Dicionário de Dados, Diagrama ER, de Estados, etc.) Ferramentas CASE Década de 90 Análise e Projeto OO. Modelagem de acordo com o mundo real. Características e Comportamento de Objetos. Processo Unificado Anos 2000 Metodologias Ágeis Novos paradigmas: SOA, Aspectos, Model-Driven Architecture, etc. 7 8 Software Programa de computador e documentação associada. Produtos de software podem ser desenvolvidos para um cliente particular ou podem ser desenvolvidos para um mercado geral. Processo Uma série conectada de ações, atividades, mudanças, etc., realizada de forma bem definida por atores com a intenção de satisfazer um propósito ou objetivo. Define quem está fazendo o quê, quando e como para atingir um certo objetivo Entrada Processo (atividades e sub-processos) Saída 9 10 Processo de Software Conjunto de atividades, métodos, práticas e transformações que guiam pessoas na construção de Software

3 São uma representação abstrata e simplificada do processo de desenvolvimento software, tipicamente mostrando as principais atividades e dados usados na produção e manutenção de software. Contêm: Esqueleto do processo Ordem de precedência das atividades Artefatos e produtos gerados Seqüenciais Cascata ou Clássico Modelos Evolucionários Programação Exploratória Prototipagem Descartável Específicos Métodos formais Iterativos Espiral Incremental Modelo Clássico, derivado de modelos existentes em outras engenharias Sua estrutura é composta por várias etapas que são executadas de forma sistemática e seqüencial Na prática, existe uma interação entre as etapas e cada etapa pode levar a modificações nas etapas anteriores Requisitos Análise Projeto lementação Testes Operação e Manutenção Requisitos Comunicação Análise - Iniciação do projeto - Levantamento de Requisitos Planejamento Projeto lementação - Estimativas - Cronograma - Monitoramento - Análise - Projeto Modelagem Construção Testes - Codificação - Teste lantação Operação e Manutenção - Entrega - Manutenção - Teste

4 Progresso do projeto (% codificado) 05/05/2010 É simples e fácil de aplicar, facilitando o planejamento Fixa pontos específicos para a entrega de artefatos Pressupõe que os requisitos ficarão estáveis 100% Início da integração Deadline original Porém, atrasa a redução de riscos! Tempo Planejamento Esboçar escopo e requisitos Fazer estimativas razoáveis sobre recursos, custos e prazos Análise e Especificação de Requisitos Refinar requisitos e escopo Entender o domínio do problema, com comportamento e funcionalidades esperados Projeto Incorporar requisitos tecnológicos aos requisitos essenciais do sistema Fazer o projeto da arquitetura do sistema e projeto detalhado do sistema lementação Traduzir o projeto em uma forma passível de execução pela máquina. Codificação Testes Realizar diversos níveis de teste, de forma a fazer a verificação do software. lantação, Operação e Manutenção Colocar o software em produção Treinar pessoas Manter o software Gerenciar os serviços Programação exploratória Idéia geral: Modificações sucessivas até que o sistema seja considerado adequado Desenvolvimento da primeira versão do sistema o mais rápido possível Após o desenvolvimento de cada uma das versões do sistema ele é mostrado aos usuários para comentários

5 Programação exploratória Adequado para o desenvolvimento de sistemas onde é difícil ou impossível se fazer uma especificação detalhada do sistema Principal diferença para os outros modelos é a ausência da noção de programa correto Prototipagem Como na programação exploratória, a primeira fase prevê o desenvolvimento de um programa para o usuário experimentar No entanto, o objetivo aqui é estabelecer os requisitos do sistema O software deve ser reimplementado na fase seguinte Prototipagem Prototipagem É útil para sistemas grandes e complicados Ou quando não existe um sistema anterior ou manual que ajude a especificar os requisitos Métodos Formais Idéia geral: Uma especificação formal (definição matemática, não ambígua) do software é desenvolvida e posteriormente transformada em um programa através de regras que preservam a corretude da especificação esp. 1 esp. 2 implement. Métodos Formais O próprio processo de desenvolvimento garante que o programa faz exatamente o que foi especificado É possível gerar programas corretos e completos por construção Têm sido aplicados apenas ao desenvolvimento de sistemas críticos (por questões de segurança!)

6 Motivação: requisitos de sistema sempre evoluem durante o projeto Deve-se dividir para conquistar Duas abordagens Desenvolvimento Incremental Desenvolvimento Espiral Desenvolvimento Incremental A idéia é de desenvolver e entregar o software em incrementos, com cada incremento entregando parte da funcionalidade requerida. Requisitos são definidos antes do desenvolvimento do incremento, sendo os mais críticos priorizados. Req A&P I/T Iteração 1 Req A&P I/T Iteração 2 Req A&P I/T Iteração 3 TEMPO Incremental: são adicionados pedaços completos Iterativo: esboços ou pedaços incompletos do produto são adicionados a cada iteração Desenvolvimento em Espiral O processo é representado como uma espiral em vez de uma seqüência de atividades. Cada volta na espiral representa uma fase no processo Acrescenta aspectos gerenciais Planejamento, tomada de decisão Análise de Riscos Porém, é complexo e requer experiência na avaliação de riscos! Desenvolvimento em Espiral [Pressman] Desenvolvimento em Espiral [Boehm]

7 Progresso do projeto (% codificado) 05/05/ % Ciclo de vida iterativo Ciclo de vida tradicional Tempo Início: década de 90 Reação contra métodos pesados, vistos como lentos e burocráticos Idéia central: tornar simples o que dificultava o desenvolvimento de software Geralmente aplicado em projetos onde os Requisitos e Prioridades são instáveis Hoje representa uma família de processos de desenvolvimento. Estamos evidenciando maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o nós mesmos e ajudando outros a fazê-lo. Através desse trabalho, passamos a entender que: Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas. Software funcionando é mais importante do que documentação completa e detalhada. Colaboração com o cliente é mais importante do que negociação de contratos. Adaptação a mudanças é mais importante do que seguir o plano inicial. Ou seja, mesmo tendo valor os itens à direita, valorizamos mais os itens à esquerda extreme Programming Scrum FDD Lean Software Development Cristal Family (...) Errado - Metodologia Ágil não é o caos!

8 Surgimento Em meados de 1990, Kent Beck, procurou formas mais simples e eficientes de desenvolver Software. Em Março de 1996, ele iniciou um projeto com novos conceitos que resultaram na metodologia XP - extreme Programming Trata-se de uma metodologia ágil para equipes pequenas e médias desenvolvendo software com requisitos vagos e em constante mudança Levar todas as boas práticas ao extremo Se testar é bom, vamos testar toda hora! Se projetar é bom, vamos fazer disso parte do trabalho diário de cada pessoa! Se integrar é bom, vamos integrar a maior quantidade de vezes possível! Se iterações curtas são boas, vamos deixar as iterações realmente curtas! Metáfora Procura facilitar a comunicação com o cliente, entendendo a realidade dele. Projeto simples O código está, a qualquer momento, na forma mais simples que passe todos os testes. Pequenas versões O software é entregue em pequenas versões para que o cliente possa obter o seu ganho o mais cedo possível e para minimizar riscos Refatoração Padrão de codificação A reconstrução baseia-se na remoção de redundância, eliminação de funcionalidades inúteis, e reconstrução de projetos obsoletos. Programação em Pares Todo código de produção é desenvolvido por duas pessoas trabalhando com o mesmo teclado, o mesmo mouse e o mesmo monitor. Propriedade coletiva do código A equipe como um todo é responsável por cada arquivo de código. Não é preciso pedir autorização para alterar qualquer arquivo. Todo código é desenvolvido segundo um padrão. 40 horas por semana Cada programador trabalha 40 horas por semana, no máximo Reuniões em pé Reuniões rápidas e diárias com a equipe, para discutir apenas o essencial Cliente sempre presente E com conhecimento sobre o negócio

9 Testes de Aceitação São definidos pelo usuário e são os critérios de aceitação do software. Desenvolvimento Orientado a Testes A criação de testes leva em conta não só o tempo ganho com a criação dos mesmos antes da codificação, mas conhecer previamente as possíveis falhas do seu sistema. Integração Contínua Os diversos módulos do software são integrados diversas vezes por dia e todos os testes unitários são executados. O código não passa até obter sucesso em 100% dos testes unitários. Comunicação Métodos para rapidamente construir e disseminar conhecimento Simplicidade XP encoraja que você comece, sempre, pela solução mais simples Feedback Do cliente, do sistema e da equipe Coragem Design simples, refatoração Respeito Respeito da Equipe, do Cliente, dos Usuários O nome é derivado de uma atividade que ocorre durante um jogo de Rugby Princípios: Pequenas equipes de trabalho são organizadas de modo a maximizar a comunicação, minimizar a supervisão e maximizar o compartilhamento de conhecimento tácito informal. O processo precisa ser adaptável tanto a modificações técnicas como de negócio. O processo produz frequentes incrementos de software. Atividades do processo requisitos análise projeto evolução entrega. Principais papéis ScrumMaster; Product Owner; Team Início: Jeff de Luca e Peter Coad em A FDD é focada na entrega regular de funcionalidades valiosas para o cliente Tem mais estrutura do que o XP, porém é mais enxuto do que o RUP é um meio termo. Seis Papéis Project Manager Chief Architect Development Manager Chief Programmers Class Owners (aka Developers) Domain Experts

10 Cinco processos Antes da década de 90 casa de ferreiro, espeto de pau Hoje em dia as ferramentas CASE ainda não são tão variadas nem fornecem tudo aquilo que os desenvolvedores queriam, mas são um aparato essencial para o engenheiro de software O que são? São ferramentas que auxiliam o engenheiro de SW em cada atividade associada ao desenvolvimento de SW Quem usa? Gerentes de projeto e engenheiros de SW Por que são importantes? Reduzem o esforço necessário para produzir artefatos e alcançar metas Aumentam a qualidade do software Quais são os passos? Ferramentas CASE são usadas em conjunto com o modelo de processo adotado. Se for escolhida uma ferramenta completa, pode passar por quase todos os passos do desenvolvimento de SW Como são usadas? Como complemento às boas práticas de Engenharia de Software. Ferramentas CASE não substituem uma metodologia de desenvolvimento de software sólida Um tolo com ferramentas, ainda é apenas um tolo

11 Horizontais São utilizados durante todo o processo de desenvolvimento de software Verticais São específicas para uma disciplina de software Por funções [Pressman] Processos de negócio, Planejamento de projeto, Análise de Riscos, Rastreamento de Requisitos, IDEs, Gerenciamento de BDs, Análise Estática, Análise Dinâmica,... Como não há um padrão para categorizar ferramentas CASE, a seguinte proposta foi feita: Front-end ou Upper CASE apóiam as etapas iniciais da criação dos sistemas: as fases de planejamento, análise e projeto da aplicação Back-end ou Lower CASE dão apoio à parte física, i.e, código, testes e manutenção I-CASE ou Integrated CASE cobrem todo o ciclo de vida, do início ao fim

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 Extreme Programming (XP); DAS (Desenvolvimento Adaptativo de Software)

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Engenharia de Software I Aula 15: Metodologias Ágeis Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Março - 2008 Antes... Manifesto Mudança de contratos Foco nas premissas... 2 Algumas metodologias Extreme Programming

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas.

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas. Métodos Ágeis Edes Garcia da Costa Filho edes_filho@dc.ufscar.br 1 Tópicos Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Extreme Programming (XP). Referências Bibliográficas. 2 Histórico

Leia mais

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS O termo metodologia não possui uma definição amplamente aceita, sendo entendido na maioria das vezes como um conjunto de passos e procedimentos que

Leia mais

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Agenda Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Introdução Processo de software é o conjunto de ferramentas, métodos

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Processo de software I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + O que é Engenharia de Software n Definição dada pela IEEE [IEE93]: n Aplicação de uma abordagem sistemática,

Leia mais

XP extreme Programming, uma metodologia ágil para desenvolvimento de software. Equipe WEB Cercomp web@cercomp.ufg.br

XP extreme Programming, uma metodologia ágil para desenvolvimento de software. Equipe WEB Cercomp web@cercomp.ufg.br XP extreme Programming, uma metodologia ágil para desenvolvimento de software. Equipe WEB Cercomp web@cercomp.ufg.br Introdução Criada por Kent Baeck em 1996 durante o projeto Daimler Chrysler. O sucesso

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Software. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr

Metodologia de Desenvolvimento de Software. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr Metodologia de Desenvolvimento de Software Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr Objetivos Discutir aspectos de Engenharia de Software Aplicar um método de desenvolvimento para especificação e projeto de software

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 3 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 3-29/04/2006 1 Monitoria Marina Albuquerque E-mail: monitoriaes2@yahoo.com.br Horário de Atendimento: Terça e quinta de 09:00

Leia mais

Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software

Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software Prof. Edison A. M. Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br Objetivo (1/1) Conceituar PROCESSO E CICLO DE VIDA, identificar e conceituar

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 5 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 5-05/05/2006 1 Dúvidas da aula passada RUP (Rational Unified Process) é uma ferramenta ou um processo? Resposta: os dois. O

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processos de software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Processo Um processo é uma série de etapas envolvendo actividades, restrições e

Leia mais

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Engenharia de Software Parte I Introdução Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Mitos do Desenvolvimento de Software A declaração de objetivos é suficiente para se construir um software.

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Processos de Software

Processos de Software Processos de Software Prof. Márcio Lopes Cornélio Slides originais elaborados por Ian Sommerville O autor permite o uso e a modificação dos slides para fins didáticos O processo de Um conjunto estruturado

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Extreme Programming I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Você gostaria de trabalhar assim? Análise de Requisitos Longe de acordo Requerimentos Complexo Anarquia Perto

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software em Larga Escala

Desenvolvimento Ágil de Software em Larga Escala Desenvolvimento Ágil de Software em Larga Escala Jutta Eckstein Encontro Ágil 2009 1 Agilidade é Quente Gerenciamento Ágil de Projetos Testes Ágeis Arquitetura Ágeis Offshore Ágil Investimento Ágil PLM

Leia mais

Daniel Wildt -dwildt@gmail.com

Daniel Wildt -dwildt@gmail.com Metodologias Ágeis e Software Livre Daniel Wildt -dwildt@gmail.com Bacharel em Informática (PUCRS) Professor Universitário (FACENSA) Mais de 10 anos de experiência em Desenvolvimento de Software, hoje

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Prof. Me. Marcos Echevarria

Prof. Me. Marcos Echevarria Prof. Me. Marcos Echevarria Nas décadas de 80 e 90 a visão geral sobre a melhor maneira de desenvolver software era seguir um cuidadoso planejamento para garantir uma boa qualidade; Esse cenário era aplicável

Leia mais

MANIFESTO ÁGIL. Esses conceitos aproximam-se melhor com a forma que pequenas e médias organizações trabalham e respondem à mudanças.

MANIFESTO ÁGIL. Esses conceitos aproximam-se melhor com a forma que pequenas e médias organizações trabalham e respondem à mudanças. METODOLOGIAS ÁGEIS SURGIMENTO As metodologias ágeis surgiram em resposta ao problema dos atrasos no desenvolvimento de software e aos cancelamentos, devido ao fato dos sistemas demorarem muito tempo para

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no 1.1 RATIONAL UNIFIED PROCESS (RUP) O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no processo que atende pelo nome de Processo Unificado (ou UP do inglês Unified

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

O Processo Unificado

O Processo Unificado UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo Unificado 879SCC Projeto e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Com metodologias de desenvolvimento

Com metodologias de desenvolvimento Sociedade demanda grande quantidade de sistemas/aplicações software complexo, sistemas distribuídos, heterogêneos requisitos mutantes (todo ano, todo mês, todo dia) Mas, infelizmente, não há gente suficiente

Leia mais

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1 Capítulo 2 Processos de Software slide 1 Tópicos apresentados Modelos de processo de software. Atividades de processo. Lidando com mudanças. Rational Unified Process (RUP). Um exemplo de um processo de

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 01 Processo de Desenvolvimento de Software Edirlei Soares de Lima Processo de Software O processo de software consiste em um conjunto estruturado

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

Modelos de Processo (métodos)

Modelos de Processo (métodos) Modelos de Processo (métodos) Um modelo de processo ou método define um conjunto de atividades específicas. Principais modelos: Cascata (Waterfall) Espiral (Spiral) Evolutivo Incremental Processo Unificado

Leia mais

Unidade I Conceitos BásicosB. Conceitos BásicosB

Unidade I Conceitos BásicosB. Conceitos BásicosB à Engenharia de Software Unidade I Conceitos BásicosB Pedro de Alcântara dos Santos Neto pasn@ufpi.edu.br 1961 a 1963 Surgimento de novos Hardwares 1963-1968 Crise do Software! Incapacidade de se utilizar

Leia mais

Projeto de Sistemas I

Projeto de Sistemas I Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Projeto de Sistemas I Professora: Kelly de Paula Cunha E-mail:kellypcsoares@ifsp.edu.br Requisitos: base para todo projeto, definindo o

Leia mais

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É UM ALGORITMO? É qualquer procedimento computacional bem definido que informa algum valor ou conjunto de valores como entrada

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processos de software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Processo Um processo é uma série de etapas envolvendo actividades, restrições e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 24 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Processos de Software Engenharia de Requisitos, Projeto,

Leia mais

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Disciplina: Engenharia de Software Tópico: Modelos de Ciclo de Vida Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br Ciclo de Vida A Engenharia de

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Desenvolvendo Software Livre com Programação extrema

Desenvolvendo Software Livre com Programação extrema Desenvolvendo Software Livre com Programação extrema Dairton Bassi FISL 7.0 abril/2006 Panorama sobre o Desenvolvimento de Software A sociedade demanda: Grande quantidade de sistemas/aplicações Sistemas

Leia mais

Professor: Curso: Disciplina:

Professor: Curso: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Aula 1 Turma: Esp. Marcos Morais de Sousa Sistemas de informação Engenharia de Software I Dinâmica da disciplina, plano de curso e avaliação 03º semestre Prof. Esp. Marcos

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 02. Prof.: Franklin M. Correia

Princípios da Engenharia de Software Aula 02. Prof.: Franklin M. Correia Princípios da Engenharia de Software Aula 02 Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Introdução a Engenharia de Software O que é software? O que é Engenharia de Software? Conceitos importantes Tipos

Leia mais

RUP. Evolução. Principais Características do RUP. Principais Características do RUP RUP

RUP. Evolução. Principais Características do RUP. Principais Características do RUP RUP RUP Rational Unified Process ( Unificado de Desenvolvimento da Rational) Conjunto de passos que tem como objetivo atingir uma meta de software na ES, processo que visa a produzir o software - de modo eficiente

Leia mais

Leves ou pesadas Incrementais, cascata, lineares... etc. Pro ativas e reativas RAD, SDLC

Leves ou pesadas Incrementais, cascata, lineares... etc. Pro ativas e reativas RAD, SDLC Classificações: Leves ou pesadas Incrementais, cascata, lineares... etc. Pro ativas e reativas RAD, SDLC Vantagens das metodologias light Flexível para mudanças Adaptável a novos requisitos Orientada

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson

Géssica Talita. Márcia Verônica. Prof.: Edmilson Géssica Talita Márcia Verônica Prof.: Edmilson DESENVOLVIMENTO ÁGIL Técnicas foram criadas com o foco de terminar os projetos de software rapidamente e de forma eficaz. Este tipo de técnica foi categorizada

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr.

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Manifesto da Agilidade Quatro princípios Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas Software funcionando mais que documentação compreensiva Colaboração

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado o uso do XP? Por quê?

Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado o uso do XP? Por quê? Significado de XP? Extreme Programming (Programação Extrema). Ideal para que tipo de empresa (equipe): pequena, média, grande? Pequenas e Médias. Em software onde os requisitos não são conhecidos é recomendado

Leia mais

O que é um processo de software?

O que é um processo de software? O que é um processo de software? Um conjunto de atividades realizadas por pessoas cujo objetivo é desenvolvimento ou evolução de software e sua documentação. Atividades genéricas em todos os processos:

Leia mais

PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 1. VISÃO GERAL 1.1. PROCESSOS EM GERAL

PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 1. VISÃO GERAL 1.1. PROCESSOS EM GERAL PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 1. VISÃO GERAL 1.1. PROCESSOS EM GERAL Um processo é um conjunto de passos parcialmente ordenados, constituídos por atividades, métodos, práticas e transformações,

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Comparativo entre Processos Ágeis. Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br

Comparativo entre Processos Ágeis. Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br Comparativo entre Processos Ágeis Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br O que discutiremos: Histórico Os Princípios Ágeis Comparação Do ponto de vista incremental Do ponto de vista funcional Vantagens e Desvantagens

Leia mais

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES Marcelo Augusto Lima Painka¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Introdução à Engenharia de. Software. Introdução à Engenharia de. Software. O que é a Engenharia de Software? Software

Introdução à Engenharia de. Software. Introdução à Engenharia de. Software. O que é a Engenharia de Software? Software Introdução à Engenharia de Gidevaldo Novais (gidevaldo.vic@ftc.br) Introdução à Engenharia de Objetivo Depois desta aula você terá uma noção geral do que é a engenharia de software e dos seus objetivos

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Engenharia de Requisitos Exemplo 1 Reserva de Hotel 1. INTRODUÇÃO Este

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Apresentação da disciplina, metodologia de ensino, conteúdos, avaliações e bibliografia Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos

Leia mais

Engenharia de Software 01 - Introdução. Márcio Daniel Puntel marciopuntel@ulbra.edu.br

Engenharia de Software 01 - Introdução. Márcio Daniel Puntel marciopuntel@ulbra.edu.br Engenharia de Software 01 - Introdução Márcio Daniel Puntel marciopuntel@ulbra.edu.br Engenharia de Software Nações desenvolvidas dependem de software; Cada vez mais sistemas são controlados por software;

Leia mais

Processo Unificado (RUP)

Processo Unificado (RUP) Fases do Desenvolvimento Processo Unificado (RUP) Ulf Bergmann ulf@ime.eb.br Domínio do Problema Objetos Objetos do do Mundo Mundo real real Modelo Semântico Domínio da Solução Aplicação Interface Serviços

Leia mais

Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação UFJF

Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação UFJF Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação UFJF 1. Identificação de um problema a ser implementado 2. Análise

Leia mais

Feature-Driven Development

Feature-Driven Development FDD Feature-Driven Development Descrição dos Processos Requisitos Concepção e Planejamento Mais forma que conteúdo Desenvolver um Modelo Abrangente Construir a Lista de Features Planejar por

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Disciplina: INF5008 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 8. Metodologias

Leia mais

EXIN Agile Scrum Fundamentos

EXIN Agile Scrum Fundamentos Exame Simulado EXIN Agile Scrum Fundamentos Edição Fevereiro 2015 Copyright 2015 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Wesley Galindo Graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Mestrado em Engenharia de Software Engenheiro de Software Professor Faculdade Escritor Osman

Leia mais

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira SCRUM Gerência de Projetos Ágil Prof. Elias Ferreira Métodos Ágeis + SCRUM + Introdução ao extreme Programming (XP) Manifesto Ágil Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o

Leia mais

5. Métodos ágeis de desenvolvimento de software

5. Métodos ágeis de desenvolvimento de software Engenharia de Software 5. Métodos ágeis de desenvolvimento de software Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Desenvolver e entregar software o mais rapidamente possível é hoje em dia um dos

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Uma introdução ao SCRUM Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Agenda Projetos de Software O que é Scrum Scrum framework Estrutura do Scrum Sprints Ferramentas Projetos de software Chaos Report Standish

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Fundamentos de Engenharia de Software. Josino Rodrigues (josinon@gmail.com)

Fundamentos de Engenharia de Software. Josino Rodrigues (josinon@gmail.com) Fundamentos de Engenharia de Software Josino Rodrigues (josinon@gmail.com) Apresentação Quem sou eu Quem são vocês? Qual seu nível de conhecimento associado a disciplina e quais suas expectativas? Objetivo

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

Engenharia da Web. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos Disciplina: Projeto de Sistemas Web wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.

Engenharia da Web. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos Disciplina: Projeto de Sistemas Web wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail. Engenharia da Web Professor MSc Wylliams Barbosa Santos Disciplina: Projeto de Sistemas Web wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com Agenda Engenharia da Web Atributos de Sistemas e Aplicações Baseados

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PRODUCT BACKLOG EFETIVO

ELABORAÇÃO DE UM PRODUCT BACKLOG EFETIVO ELABORAÇÃO DE UM PRODUCT BACKLOG EFETIVO Product Backlog Building Fábio Aguiar Agile Coach & Trainer SCRUM SCRUM Desenvolvimento de Software com ENTREGAS FREQUENTES e foco no VALOR DE NEGÓCIO PRODUTO release

Leia mais

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral Capítulo 1 Extreme Programming: visão geral Extreme Programming, ou XP, é um processo de desenvolvimento de software voltado para: Projetos cujos requisitos são vagos e mudam com freqüência; Desenvolvimento

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Engenharia de Software Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/08/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Agenda Introdução à Engenharia

Leia mais

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução.

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução Métodos Ágeis em Engenharia de Software Thiago do Nascimento Ferreira Desenvolvimento de software é imprevisível e complicado; Empresas operam em ambiente global com mudanças rápidas; Reconhecer

Leia mais

CCE 876 - Engenharia de Software. Introdução à Engenharia de Software

CCE 876 - Engenharia de Software. Introdução à Engenharia de Software CCE 876 - Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Objetivos Introduzir a Engenharia de Software e explicar sua importância. Introduzir os conceitos principais relacionados à Engenharia

Leia mais

Agilidade parte 3/3 - Scrum. Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br

Agilidade parte 3/3 - Scrum. Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br Agilidade parte 3/3 - Scrum Prof. Dr. Luís Fernando Fortes Garcia luis@garcia.pro.br 1 Scrum Scrum? Jogada do Rugby Formação de muralha com 8 jogadores Trabalho em EQUIPE 2 Scrum 3 Scrum Scrum Processo

Leia mais

Objetivos desta Aula. Introdução a Engenharia de Software Capítulo 1. Sumário. Engenharia de Software. Custos do Software. Custos do Software

Objetivos desta Aula. Introdução a Engenharia de Software Capítulo 1. Sumário. Engenharia de Software. Custos do Software. Custos do Software Objetivos desta Aula Introdução a Engenharia de Software Capítulo 1 Introduzir a engenharia de e explicar a sua importância Responder uma série de perguntas sobre engenharia de Introduzir questões éticas

Leia mais

Planejamento Iterativo

Planejamento Iterativo Planejamento Iterativo Planejando as Fases e Iterações Hermano Perrelli hermano@cin.ufpe.br 1 Revisando Processo iterativo Req A&P Imp I/T Imp Req A&P Imp I/T Imp Req A&P Imp I/T Imp Iteração 1 Iteração

Leia mais

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) SCRUM: UM MÉTODO ÁGIL Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Motivação Manifesto Ágil Princípios Ciclo Papeis, cerimônias, eventos, artefatos Comunicação Product Backlog Desperdício 64% das features

Leia mais

A Evolução de XP segundo Kent Beck Parte 2

A Evolução de XP segundo Kent Beck Parte 2 A Evolução de XP segundo Kent Beck Parte 2 O que mudou nesses 5 anos? Danilo Toshiaki Sato dtsato@ime.usp.br Agenda PARTE 1 1. Introdução 2. O que é XP? 3. O que mudou em XP? Valores, Princípios e Práticas

Leia mais