Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral"

Transcrição

1 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo: Conjunto de atividades executadas para transformar um conjunto de requisitos do cliente em um Sistema de Software [SCO02]. Processo Unificado PU tem suas origens no trabalho que Ivar Jacobson desenvolveu na Ericsson no final da década de 1960 Em 1987 Jacobson fundou a Objectory AB e iniciou com seus associados o desenvolvimento do Objectory (processo e produto) A Rational comprou a Objectory AB e apareceu o ROP (Rational Objectory Process) Em 1998 o ROP torna-se o RUP, Rational Unified Process, ou Processo Unificado da Rational. O Processo Unificado é uma estrutura genérica de processo que pode ser adaptada a necessidades particulares, através da adição ou supressão de atividades O RUP é uma versão especializada do Processo Unificado. O Processo Unificado é baseado em três princípios chave: Dirigido por Casos de Uso Centrado na Arquitetura Iterativo e Incremental Todo o material sobre o RUP é fortemente baseado no Capítulo 1 da referência [SCO02].

2 Processo Unificado Visão Geral: Dirigido por Casos de Uso PU: Dirigido por Casos de Uso 9.3 Casos de Uso constituem uma seqüência de ações executadas por um ou mais atores ou pelo próprio sistema e que produzem um ou mais resultados de valor para um ou mais atores. Casos de Uso constituem a força condutora do desenvolvimento no processo unificado Eles são utilizados para dirigir o desenvolvimento, desde a fase de análise de requisitos até a fase de aceitação do código. Casos de Uso são adequados na captura dos requisitos, nas tarefas da análise, projeto e implementação por diversas razões: São expressos na perspectiva dos usuários do sistema (descrição nos termos do usuário) em língua natural e apresentam portanto uma maior facilidade de compreensão dos requisitos do sistema do que os documentos de requisitos típicos; Oferecem um alto grau de rastreamento dos requisitos nos modelos que resultam do seu desenvolvimento posterior [SCO02]; Oferecem um meio simples de decompor os requisitos em pedaços que permitem alocação de trabalho a sub-equipes e também facilitam a gerência do projeto [SCO02]. Processo Unificado Visão Geral: Centrado na Arquitetura PU: Centrado na Arquitetura I 9.4 No Processo Unificado a Arquitetura é definida como o alicerce fundamental sobre o qual ele se erguerá Ela deve ser uma das preocupações principais da equipe de projeto devendo, juntamente com os casos de uso, orientar a exploração de todos os aspectos do sistema. A Arquitetura pode ser vista como A expressão de uma visão comum que todos os membros de um equipe devem compartilhar a fim de que o sistema resultante seja adequadamente robusto, flexível, expansível e de custo viável [SCO02]. Dentro do Processo Unificado a Arquitetura é especificada em termos de visões de cinco modelos obtidos a partir de Cinco Workflows (Requisitos, Análise, Projeto, Implementação e Teste) Essas visões juntas formam a Descrição da Arquitetura do Sistema.

3 Processo Unificado Visão Geral: Centrado na Arquitetura PU: Centrado na Arquitetura II 9.5 Razões chave pelas quais a Arquitetura é tão importante para o Processo Unificado: Entender a Visão Global: a descrição da arquitetura é o eixo central que leva a um melhor entendimento da Visão Global do sistema em construção; Organizar o Esforço de Desenvolvimento: como a arquitetura define corretamente porções discretas do sistema, e a interface entre elas, facilita o esforço de desenvolvimento e o trabalho em equipes; Facilitar as Possibilidades de Reuso: uma arquitetura bem definida favorece a identificação de possibilidades de reuso de componentes presentes no sistema em construção; Facilitar a Evolução do Sistema: uma arquitetura sólida oferece um conjunto de pontos de referência essenciais sobre os quais o trabalho de desenvolvimento futuro poderá se apoiar [SCO02]; Dirigir os Casos de Uso: a arquitetura guia a seleção e exploração dos casos de uso, pois decisões sobre a implementação do sistema têm forte influência na escolha dos casos de uso na fase de projeto, pois se pode focar aqueles que agregarão valor a arquitetura. Processo Unificado Visão Geral: Iterativo e Incremental PU: Iterativo e Incremental I 9.6 O Processo Unificado tem como característica ser Iterativo e Incremental: Iterativo: uma iteração é um mini-projeto que resulta em uma versão do sistema que pode ser liberada interna ou externamente Incremental: um incremento nas características das versões do sistema liberadas é obtido em cada iteração. Vantagens do desenvolvimento iterativo e incremental: Progresso lógico para uma arquitetura robusta: as iterações seguidas conduzem a definição incremental de uma arquitetura robusta para o sistema Problemas graves podem ser eliminados nas fases iniciais da modelagem; Manipulação das mudanças contínuas dos requisitos: como em cada iteração é construído um protótipo funcional que implementa uma funcionalidade específica do sistema (um ou mais casos de uso) se pode negociar progressivamente os requisitos;

4 Processo Unificado Visão Geral: Iterativo e Incremental PU: Iterativo e Incremental II 9.7 Vantagens do desenvolvimento iterativo e incremental continuação...: Flexibilidade na mudança do plano de iterações: como cada iteração é um mini-projeto e como ao final de cada iteração se deve reavaliar os riscos, os planos de iterações podem ser redefinidos em função de problemas e/ou soluções encontrados; Integração contínua: a cada iteração se estará integrando uma nova funcionalidade ao sistema Isto permite que se avalie efetivamente o progresso obtido e até que se possa descartar, sem grandes problemas, os resultados obtidos em uma iteração; Entendimento Precoce: como o sistema é construído incrementalmente a compreensão pode ser feita passo-a-passo e alternativas podem ser analisadas sem grandes riscos (erros impactam somente a iteração); Foco contínuo sobre riscos: talvez a principal vantagem do PU As iterações devem ser planejadas buscando concentrar os esforços iniciais nos riscos mais críticos ao projeto. Deve-se minimizar os riscos, no maior grau possível, durante cada iteração, de modo que cada uma delas tenha menos riscos e que estes sejam de menor importância que em iterações anteriores [SCO02]. Processo Unificado PU: Iterativo e Incremental III 9.8 Cada fase do Processo Unificado (Concepção, Elaboração, Construção e Transição) está dividida em iterações que produzem cada uma dela um mini-projeto. Uma iteração típica cruza todos os Cinco Workflows (Requisitos, Análise, Projeto, Implementação e Teste) em maior ou menor grau Cada iteração resulta em um Incremento que é uma versão do sistema que contenha funcionalidade adicionada ou melhorada em relação a uma versão elaborada em uma iteração anterior.

5 Processo Unificado PU: Iterativo e Incremental IV 9.9 Com o enfoque iterativo e incremental o processo de desenvolvimento é iniciado com a avaliação dos riscos relevantes (inclusive os ligados aos requisitos), práticas, tecnologias e políticas e assegurando que o escopo do projeto seja definido para a satisfação de todos os interessados [SCO02]. Riscos Iniciais Escopo Inicial do Projeto Definir iterações que abordem os maiores riscos Rever o Plano do Projeto Original Custo Listas Alcance/Conteúdo Cada iteração resulta em uma versão executável Iteração N Planejar a Iteração N Custo Listas Desenvolver a Iteração N Coletar custos e métricas de qualidade Avaliar a Iteração N Risco Eliminado Revisar os riscos redefinir as prioridades para os riscos Processo Unificado PU: Iterativo e Incremental V 9.10 Na seqüência do processo se deve [SCO02]: 1. Definir a primeira iteração focando os riscos maiores e mais críticos, ou seja, deve-se inicialmente procurar resolver os maiores problemas Deve-se abordar inicialmente as coisas mais difíceis; Definir iterações Riscos/Escopo Rever o Plano do Projeto Original Iteração N 2. Delinear um plano para a iteração em um nível apropriado de detalhe; Revisar os riscos Planejar /Desenvolver Iteração N 3. Executar as atividades apropriadas, ou seja, aquelas associadas aos workflows de Requisitos, Análise, Projeto Implementação e Teste; Avaliar a Iteração N 4. Fazer uma análise ao término da iteração sobre o resultado obtido com o incremento; Risco Eliminado 5. Descartar os riscos que foram adequadamente eliminados no incremento. Na seqüência atualizar a lista de riscos; 6. Revisar o plano completo do projeto em resposta ao sucesso ou fracasso relativo da iteração; 7. Prosseguir com a próxima iteração.

6 Processo Unificado Processo Unificado 9.11 Matricial: Fases x Worflows Workflows Processo Unificado As Quatro Fases 9.12 A vida de um sistema de software pode ser descrita por uma séria de ciclos, onde cada ciclo termina com a liberação de uma versão do sistema para os clientes No Processo Unificado cada ciclo contém quatro fases (que podem ser realizadas em uma ou mais iterações), sendo que cada fase indica o tempo decorrido entre dois marcos principais [SCO02]. Ao final de uma fase os gerentes tomam decisões sobre se prosseguem ou não com o desenvolvimento Caso decidam prosseguir, devem avaliar as necessidades em relação ao escopo, orçamento e cronograma do projeto [SCO02]. 1. Concepção 2. Elaboração 3. Construção 4. Transição Iteração 1 Objetivos do Ciclo de Vida Iteração 2 Iteração x Capacidade Ope racional Inicial Iteração x+1 Iteração y Arquitetura do Ciclo de Vida Iteração y+1 Iteração z Liberação do Produto Marcos Principais [SCO02]

7 Processo Unificado As Quatro Fases 1. Concepção 9.13 Esta fase tem como objetivo principal estabelecer a viabilidade do sistema a ser construído, tendo como principais tarefas [SCO02]: Definir o escopo do sistema; Esboçar uma Arquitetura Candidata composta pelas versões iniciais dos seis diferentes modelos (Casos de Uso, Análise, Projeto, Implementação, Instalação e Teste); Identificar os riscos críticos e determinar quando e como o projeto os abordará; Iniciar uma análise econômica para o projeto. O principal marco associado a esta fase é denominado Objetivos do Ciclo de Vida e os sinais de que o projeto o atingiu são [SCO02]: Principais envolvidos concordam sobre o escopo proposto para o sistema; A arquitetura candidata equaciona claramente um conjunto de requisitos críticos de alto nível; A análise econômica do projeto é sólida o bastante para justificar a continuação do desenvolvimento. Processo Unificado As Quatro Fases 2. Elaboração 9.14 Esta fase tem como principal objetivo definir as bases nas quais a construção do novo sistema é viável em relação aos diversos tipos de restrições (financeira, de cronograma, etc.) definidas Tem como principais tarefas [SCO02]: Capturar a maioria dos requisitos funcionais válidos restantes; Expandir a arquitetura candidata em uma Base Arquitetônica que contenha versões expandidas dos seis modelos inicializados durante a fase de concepção; Abordar riscos significativos de forma contínua; Finalizar a análise econômica do projeto e preparar um plano que contenha detalhes suficientes para orientar a próxima fase. O principal marco associado a esta fase é denominado Arquitetura do Ciclo de Vida e os sinais de que o projeto o atingiu são [SCO02]: A maioria dos requisitos funcionais do sistema foi capturada nos casos de uso; A base arquitetônica constitui um sistema enxuto e pequeno que servirá como alicerce sólido para o desenvolvimento progressivo do projeto; A análise econômica foi aprovada e há um plano de projeto que descreve como a fase de Construção irá ser desenvolvida.

8 Processo Unificado As Quatro Fases 3. Construção 9.15 Esta fase tem como principal objetivo construir um sistema capaz de operar bem em ambientes beta de clientes, tendo como principal tarefa a construção do sistema de modo iterativo e incremental para que se possa comprovar que a viabilidade do sistema está sempre evidente em uma forma executável [SCO02]: O principal marco associado a esta fase é denominado Capacidade Operacional Inicial e o sinal de que o projeto o atingiu é dado pelo fato de um conjunto de clientes ter em mãos um sistema que seja operacional Este sistema pode ser mais ou menos completo [SCO02]. Processo Unificado As Quatro Fases 4. Transição 9.16 Esta fase tem como principal objetivo entregar um sistema completamente funcional aos clientes. Nesta fase se deve identificar e corrigir todos os problemas descobertos no sistema a ser entregue. O principal marco associado a esta fase é denominado Liberação do Produto [SCO02].

9 Processo Unificado 9.17 Workflow: Artefatos, Trabalhadores e Atividades Um Workflow é um sistema que permite a automatização de um fluxo de informação em uma empresa, por exemplo, transmitindo automaticamente documentos entre pessoas (http://fr.wikipedia.org/wiki/workflow). No Processo Unificado, um workflow é definido como Um conjunto de atividades que vários trabalhadores do projeto executam [SCO02]. No Processo Unificado workflows têm os seguintes elementos-chave [SCO02]: Artefatos: qualquer porção significativa de informação interna ou a ser fornecida a interessados externos que desempenhem um papel no desenvolvimento do sistema Modelos, plano de projeto, etc.; Trabalhadores: um papel que um indivíduo pode desempenhar no projeto. Trabalhadores produzem artefatos e uma pessoa pode atuar como mais de um tipo de trabalhador. Trabalhadores são diferentes de atores: os primeiros participam do desenvolvimento do sistema enquanto os atores estão envolvidos na utilização do sistema Analista, programador, etc.; Atividades: uma tarefa que um trabalhador executa a fim de produzir um artefato Construir um modelo, implementar uma classe, etc. Processo Unificado Os Cinco Workflows 9.18 No Processo Unificado, cinco workflows atravessam o conjunto das quatro fases apresentadas: 1. Requisitos; 2. Análise; 3. Projeto; 4. Implementação; 5. Teste.

10 Processo Unificado Os Cinco Workflows 9.19 No Processo Unificado, cinco workflows atravessam o conjunto das quatro fases apresentadas: 1. Requisitos; 2. Análise; 3. Projeto; 4. Implementação; 5. Teste. Cada workflow agrega um série de atividades que devem ser realizadas por diferentes membros do projeto. [IBM03] Processo Unificado Os Cinco Workflows 1. Workflow de Requisitos As atividades envolvidas neste workflow têm como principal objetivo a construção de um Modelo de Casos de Uso que capture os requisitos funcionais do sistema sendo definido. Este modelo, que serve de alicerce para todo o desenvolvimento, auxilia os envolvidos no projeto a chegar a um acordo sobre as capacidades do sistema e as condições que ele deve satisfazer. Modelo de Projeto Especificado por Implementado por Modelo de Análise Modelo de Casos de Uso Realizado por Distribuído por Verificado por Modelo de Instalação 9.20 Modelo de Implementação Modelo de Teste [SCO02]

11 Processo Unificado Os Cinco Workflows Workflow de Requisitos 9.21 Workflow de Requisitos: Elementos Chave Artefatos: Modelo de Domínio (captura as entidades e conceitos importantes do mundo real que pertencem ao espaço do problema), Modelo de Negócio (Dois modelos, Caso de Uso de Negócio e Objetos de Negócio), Glossário, Ator, Casos de Uso, Protótipo de Interface com Usuário e Modelo de Casos de Uso. Trabalhadores: Analista de Sistemas, Especificador de Caso de Uso, Projetista de Interface com o Usuário e Arquiteto. Atividades: Construir o Modelo de Domínio, Construir o Modelo de Negócio, Descobrir Atores e Casos de Uso, Prototipar a Interface com o Usuário, Atribuir prioridades aos Casos de Uso, Detalhar um Caso de Uso e Estruturar o Modelo de Casos de Uso. [SCO02] Processo Unificado Os Cinco Workflows 2. Workflow de Análise 9.22 As atividades envolvidas neste workflow tem como principal objetivo a construção do Modelo de Análise que deve auxiliar os desenvolvedores a refinar e estruturar os requisitos funcionais capturados nos modelos de caso de uso. Este modelo deve ser composto de Casos de Uso Realização que sejam mais apropriados ao trabalho que deve ser executado nas atividades dos workflows de projeto e implementação.

12 Processo Unificado Os Cinco Workflows Workflow de Análise Workflow de Análise: Elementos Chave 9.23 Artefatos: Classes de Análise (classe somente com atributos), Realização de Análise de Casos de Uso (descrito como um Diagrama de Colaboração), Pacote de Análise (composto de classes de análise e realizações de análise) e Modelo de Análise (pacote de pacotes de análise) Trabalhadores: Arquiteto, Engenheiro de Casos de Uso e Engenheiro de Componentes. Atividades: Efetuar Análise Arquitetônica (criar um esboço do modelo de análise e da arquitetura como um todo), Analisar um Caso de Uso (construir uma realização para um caso de uso), Analisar uma Classe (expandir a definição de uma classe de análise participante de um caso de uso) e Analisar um Pacote (construir um pacote de análise altamente coeso). [SCO02] Processo Unificado Os Cinco Workflows 3. Workflow de Projeto 9.24 As atividades envolvidas neste workflow tem como principal objetivo a construção do Modelo de Projeto que irá descrever as realizações físicas dos casos de uso a partir dos modelos de caso de uso e do modelo de análise. O modelo criado neste workflow serve como uma abstração do Modelo de Implementação. Além do modelo de projeto este workflow aborda também o Modelo de Instalação que define a organização física do sistema em termos de recursos computacionais.

13 Processo Unificado Os Cinco Workflows Workflow de Projeto Workflow de Projeto: Elementos Chave 9.25 Artefatos: Classes de Projeto (classe com atributos e operações e detalhes como visibilidade), Realização de Projeto de Caso de Uso (definir um caso de uso através de Diagramas de Seqüência), Interface (coleção de operações que representam serviços oferecidos por classes, subsistemas ou componentes), Subsistemas de Projeto (pacote UML contendo classes de projeto, interfaces de classes/subsistemas e realizações de projeto de caso de uso), Modelo de Projeto (um dos pacotes de projeto), Descrição da Arquitetura Visão do Modelo de Projeto, Modelo de Instalação (Diagrama de Instalação UML) e Descrição da Arquitetura Visão do Modelo de Instalação. Trabalhadores: Arquiteto, Engenheiro de Casos de Uso e Engenheiro de Componentes. Atividades: Efetuar Projeto Arquitetônico (criação dos modelos de instalação e de projeto), Projetar um Caso de Uso (construção de uma realização de projeto de caso de uso para um caso de uso), Projetar uma Classe (expansão da definição de uma classe de projeto com detalhes como lista de parâmetros e tipos de retorno) e Projetar um Subsistema (projeto do subsistema de projeto esboçado durante o projeto arquitetônico) [SCO02] Processo Unificado Os Cinco Workflows 4. Workflow de Implementação 9.26 As atividades envolvidas neste workflow têm como principal objetivo a construção do Modelo de Implementação que serve como uma descrição de como os elementos deste modelo (arquivos fonte, bibliotecas, componentes) são empacotados como componentes de software.

14 Processo Unificado Os Cinco Workflows Workflow de Implementação Workflow de Implementação: Elementos Chave Artefatos: Componente (parte física e substituível de um sistema que está em conformidade com um conjunto de interfaces e o realiza), Interface, Subsistema de Implementação (pacote UML com componentes e interfaces conectadas a componentes e ao próprio sistema), Modelo de Implementação (pacote UML com pacotes de implementação), Descrição da Arquitetura Visão do Modelo de Implementação e Plano de Integração de Construções (descrição das construções que ocorrerão na interação com descrição da funcionalidade a ser implementada em termos de caso de uso e partes do modelo de implementação afetadas pela construção e termos de componentes e subsistemas). Trabalhadores: Arquiteto, Engenheiro de Componentes e Integrador de Sistemas. Atividades: Efetuar Implementação Arquitetônica (identificação dos componentes significativos da arquitetura e mapeamento dos componentes executáveis aos nós de processamento), Implementar uma Classe (geração do código), Efetuar Teste de Unidade (produzir código executável a partir de um componente e efetuar testes sobre este código independentemente de outros componentes), Implementar um Subsistema (construir um subsistema de implementação esboçado durante a implementação arquitetônica) e Integrar o Sistema (criar ou expandir o plano de integração de construções para refletir o conteúdo da próxima interação e integrar as várias peças da construção antes do teste de integração) [SCO02] Processo Unificado Os Cinco Workflows Workflow de Teste As atividades envolvidas neste workflow tem como principal objetivo a construção do Modelo de Teste que descreve como os testes de integração e de sistema irão ser aplicados aos componentes definidos no modelo de implementação. O modelo de teste irá descrever também como os testes de integração, de sistema e de unidade serão realizados. Muitas vezes os modelos de teste são derivados diretamente dos casos de uso Testes de caixa-preta são realizados utilizando a descrição textual dos casos de uso e testes de caixa-branca são realizados utilizando os casos de uso realização.

15 Processo Unificado Os Cinco Workflows Workflow de Teste Workflow de Teste: Elementos Chave Artefatos: Caso de Teste (especificação da maneira pela qual se deve testar uma parte do sistema, usando testes caixa-preta a partir de casos de uso e testes caixa-branca para casos de uso realização), Procedimento de Teste (como exercitar um ou mais casos de teste como um todo ou em partes), Componente de Teste (código que automatiza todo ou partes do procedimento de teste), Modelo de Teste (pacote UML com casos, procedimentos e componentes de teste para o sistema), Plano de Teste (descrição dos recursos, cronograma e da estratégia de aplicação dos testes), Defeito (problema a ser tratado) e Avaliação de Teste. Trabalhadores: Engenheiro de Teste, Engenheiro de Componentes, Testador de Integração e Testador de Sistema. Atividades: Planejar Teste (desenvolvimento de um plano deteste para uma iteração), Projetar Teste (projetar os vários níveis de teste e os procedimentos a serem seguidos na condução dos testes), Implementar Teste (criação de componentes de teste), Efetuar Teste de Integração, Efetuar Teste de Sistema (testar cada construção d sistema), Avaliar Teste (avaliar os resultados em comparação aos objetivos descritos no plano de teste) [SCO02] Processo Unificado Rational Unified Process 9.30

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no 1.1 RATIONAL UNIFIED PROCESS (RUP) O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no processo que atende pelo nome de Processo Unificado (ou UP do inglês Unified

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Para cada fase consideramos. Tempo para um projeto típico Tempo para um projeto Complexo. Arquitetura do Processo Unificado. A meta a ser atingida

Para cada fase consideramos. Tempo para um projeto típico Tempo para um projeto Complexo. Arquitetura do Processo Unificado. A meta a ser atingida Arquitetura do Processo Unificado Tempo para um projeto típico Tempo para um projeto Complexo O tempo gasto nas fases iniciais aumentam Para cada fase consideramos A meta a ser atingida Workflows a executar

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Visão Geral do RUP Rational Unified Process. Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002

Visão Geral do RUP Rational Unified Process. Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002 Visão Geral do RUP Rational Unified Process Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002 Resumo do Artigo de Krutchen O que é o RUP? 6 Práticas Comprovadamente Efetivas Desenvolvimento Interativo Gestão de Requisitos

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Agência Nacional de Vigilância Sanitária METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GGTIN GESIS Brasília, julho de 2006. Página: 1 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/06/2006 1.0.00 Criação

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

Modelos de processos de desenvolvimento de software

Modelos de processos de desenvolvimento de software Definição Um modelo de processo de software é uma representação abstrata de um processo. Os modelos de processo podem ser desenvolvidos a partir de várias perspectivas e podem mostrar as atividades envolvidas

Leia mais

Unified Process. Sueleni Mendez Batista. Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita

Unified Process. Sueleni Mendez Batista. Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita Unified Process Sueleni Mendez Batista Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita Processo de Desenvolvimento de Software 8O processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades e resultados

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software. Prof. Hélio Engholm Jr

Processos de Desenvolvimento de Software. Prof. Hélio Engholm Jr Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos Descrever o processo de desenvolvimento de software Orientado a Objetos (Object Oriented Software Development - OOSD) Descrever como a modelagem suporta

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 VANT-EC-SAME Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 17/0/07 1.0 Versão Inicial Douglas Moura Confidencial VANT-EC-SAME, 2007

Leia mais

Processo Unificado (RUP)

Processo Unificado (RUP) Fases do Desenvolvimento Processo Unificado (RUP) Ulf Bergmann ulf@ime.eb.br Domínio do Problema Objetos Objetos do do Mundo Mundo real real Modelo Semântico Domínio da Solução Aplicação Interface Serviços

Leia mais

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 Introdução ao RUP Rational Unified Process por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 1 Contexto Não é suficiente apenas a presença de desenvolvedores altamente treinados: Precisamos de uma linguagem para a

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos e Metodologias para Desenvolvimento de Software Cascata, Prototipação, Espiral e RUP Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Introdução ao Processo Unificado (PU)

Introdução ao Processo Unificado (PU) Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sistemas de Informação - CPCX Introdução ao Processo Unificado (PU) Prof. Fernando Maia da Mota Slides gentilmente cedidos por Profa. Dra. Maria Istela Cagnin

Leia mais

Concepção e Elaboração

Concepção e Elaboração UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Análise e Projeto Orientado a Objetos Concepção e Elaboração Estudo

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

O Processo Unificado

O Processo Unificado UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo Unificado 879SCC Projeto e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

RUP. Evolução. Principais Características do RUP. Principais Características do RUP RUP

RUP. Evolução. Principais Características do RUP. Principais Características do RUP RUP RUP Rational Unified Process ( Unificado de Desenvolvimento da Rational) Conjunto de passos que tem como objetivo atingir uma meta de software na ES, processo que visa a produzir o software - de modo eficiente

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Software (MDS) do DNIT

Metodologia de Desenvolvimento de Software (MDS) do DNIT Versão 1.02 Metodologia de Desenvolvimento de Software (MDS) do DNIT Projeto: FUB/DNIT Emissão: 08/06/2015 Arquivo: MDS DNIT v1.02 20150701a - revisado e formatado (2).doc 1/86 FICHA TÉCNICA Grupo de Trabalho

Leia mais

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software .:: Universidade Estadual de Maringá Bacharelado em Informática Eng. de Software III :. Sistema de Gerenciamento de Eventos - Equipe 09 EPSI Event Programming System Interface Metodologia e Gerenciamento

Leia mais

Estudo de Caso de Aplicação da Métrica de Pontos de Casos de Uso numa Empresa de Software

Estudo de Caso de Aplicação da Métrica de Pontos de Casos de Uso numa Empresa de Software Estudo de Caso de Aplicação da Métrica de Pontos de Casos de Uso numa Empresa de Software Viviane Heimberg (Senior Sistemas) viviane@senior.com.br Everaldo Artur Grahl (FURB/DSC) egrahl@furb.br Resumo:

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

MANUAL TÉCNICO PARA METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DO EXÉRCITO

MANUAL TÉCNICO PARA METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DO EXÉRCITO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA MANUAL TÉCNICO PARA METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DO EXÉRCITO 1ª Edição 2012 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) 1 Sumário 1Introdução... 5 1.1 Objetivo...

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Versão 2.0 Escritório de Gerenciamento de Projetos - EGP Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Departamento de Sistemas de Informação PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE Denise Xavier Fortes Paulo Afonso BA Agosto/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PERFIS FUNCIONAIS...

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

Projeto de Sistemas I

Projeto de Sistemas I Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Projeto de Sistemas I Professora: Kelly de Paula Cunha E-mail:kellypcsoares@ifsp.edu.br Requisitos: base para todo projeto, definindo o

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

Rational Unified Process

Rational Unified Process Rational Unified Process Engenharia de Software Bruno Braun Fernando Coelho Jonatas Teixeira Vinicius Massuchetto Sobre o RUP Metodologia proprietária de desenvolvimento de software Iterativo e incremental

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

Análise e Projeto Orientados a Objeto

Análise e Projeto Orientados a Objeto Análise e Projeto Orientados a Objeto com UML e Padrões Parte I Análise, Projeto, e Processo Baseado em Craig Larman 1 Aplicando UML, Padrões e APOO Objetivo Desenvolver habilidades práticas na utilização

Leia mais

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Notas de Aula Ulrich Schiel Notas de Aula Ariadne

Leia mais

Engenharia de Software: Metodologias e Contextualização. Prof. José Eduardo A. de O. Teixeira vqv.com.br / j.edu@vqv.com.br

Engenharia de Software: Metodologias e Contextualização. Prof. José Eduardo A. de O. Teixeira vqv.com.br / j.edu@vqv.com.br Engenharia de Software: Metodologias e Contextualização Prof. José Eduardo A. de O. Teixeira vqv.com.br / j.edu@vqv.com.br Conceitos iniciais Informática: Ciência que tem como objetivo o tratamento da

Leia mais

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Capítulo 1 Processo de Desenvolvimento de Software Metodologia de Desenvolvimento de Software Uma metodologia é um conjunto de métodos,

Leia mais

Introdução a UML. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com

Introdução a UML. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com Introdução a UML Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com Introdução a UML UML (Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada) é uma linguagem-padrão para a elaboração da estrutura de

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza ajdsouza@cefetrn.br 1 Rational Unified Process RUP Fase Elaboração 2 VISÃO GERAL Fase Elaboração. Visão Geral 3

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

Processos de Software

Processos de Software Processos de Software Prof. Márcio Lopes Cornélio Slides originais elaborados por Ian Sommerville O autor permite o uso e a modificação dos slides para fins didáticos O processo de Um conjunto estruturado

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 81,9(56,'$'(/87(5$1$'2%5$6,/ &2081,'$'((9(1*e/,&$/87(5$1$³6 23$8/2 Reconhecida pela Portaria Ministerial nº 681 de07/12/89 DOU de 11/12/89 &$03867255(6 CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE SISTEMAS

Leia mais

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Engenharia de Software Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/08/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Agenda Introdução à Engenharia

Leia mais

Professor: Curso: Disciplina:

Professor: Curso: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Aula 1 Turma: Esp. Marcos Morais de Sousa Sistemas de informação Engenharia de Software I Dinâmica da disciplina, plano de curso e avaliação 03º semestre Prof. Esp. Marcos

Leia mais

A Experiência na Definição de um Processo Padrão Baseado no Processo Unificado

A Experiência na Definição de um Processo Padrão Baseado no Processo Unificado A Experiência na Definição de um Processo Padrão Baseado no Processo Unificado RICARDO DE ALMEIDA FALBO Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória ES falbo@inf.ufes.br Abstract

Leia mais

Poder Judiciário. Justiça do Trabalho. Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Poder Judiciário. Justiça do Trabalho. Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Poder Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIVISÃO DE SISTEMAS E INTERNET METODOLOGIA DE PRODUÇÃO DE SOFTWARE Versão 1.0 APROVAÇÃO

Leia mais

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Agenda Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Introdução Processo de software é o conjunto de ferramentas, métodos

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Processo de Desenvolvimento de Software Faculdade Mauricio de Nassau S.I 5 Período NA Alunos: Elthon Diego 021707 Vitor da Cruz 033420 Professora Suzana Sampaio

Leia mais

Tecnologia da Informação para EPPGG 2013. Victor Dalton

Tecnologia da Informação para EPPGG 2013. Victor Dalton Tecnologia da Informação para EPPGG 2013 Victor Dalton Edital TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: 1. Noções sobre processo de desenvolvimento de software: modelos organizacionais, stakeholders, modelagem de negócio,

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr.

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Novatec Sumário Agradecimentos... 17 Sobre o autor... 18 Prefácio... 19 Capítulo 1 Desenvolvimento de software para o valor de negócios... 20 1.1 Qualidade

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO Gerência de Mudanças as Objetivos Minimizar o impacto de incidentes relacionados a mudanças sobre

Leia mais

Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software. Coordenação Geral de Tecnologia da Informação

Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software. Coordenação Geral de Tecnologia da Informação Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software Coordenação Geral de Tecnologia da Informação 2 Índice 1. Processos Organizacionais... 7 1.1. A gestão da demanda... 7 1.2. e Responsabilidades... 7

Leia mais

Clientes gerentes Usuarios finais do sistema Clientes engenheiros Gerentes contratantes Arquitetos do sistema. Definicao de requisitos

Clientes gerentes Usuarios finais do sistema Clientes engenheiros Gerentes contratantes Arquitetos do sistema. Definicao de requisitos А А А А Definicao de de do software Clientes gerentes Usuarios finais Clientes engenheiros Gerentes contratantes Arquitetos Usuarios finais Clientes engenheiros Arquitetos Desenvolvedores de software Clientes

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Sistemas de Informação e Tecnologia em 3º Semestre Análise Orientada aos Objetos Modelagem de Casos de Uso Objetivo: Apresentar

Leia mais

FACULDADE LOURENÇO FILHO ENADE 2011 Prof. Jackson Santiago Engenharia de Software DATA: 29/10/2011

FACULDADE LOURENÇO FILHO ENADE 2011 Prof. Jackson Santiago Engenharia de Software DATA: 29/10/2011 Assunto : Ciclo de vida de software 1. O modelo de ciclo de vida em cascata: a) enfatiza a realização sequencial das atividades do desenvolvimento de um produto de software. b) enfatiza a comunicação estreita

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas. OpenUp. Arquitetura de software

FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas. OpenUp. Arquitetura de software FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas OpenUp Arquitetura de software Fortaleza/2010 OpenUP Alguns anos atrás, vários funcionários da IBM começaram

Leia mais

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Engenharia de Software Parte I Introdução Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Mitos do Desenvolvimento de Software A declaração de objetivos é suficiente para se construir um software.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA ENGENHARIA DE SOFTWARE III

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA ENGENHARIA DE SOFTWARE III UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA ENGENHARIA DE SOFTWARE III FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS TRAC E DOTPROJECT ORIETADOS AO RUP ACADÊMICOS: GUSTAVO

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª REGIÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - SETI Versão 1.0 MANAUS-AM (2010) MDS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

O processo unificado integrado ao desenvolvimento Web

O processo unificado integrado ao desenvolvimento Web O processo unificado integrado ao desenvolvimento Web Rodrigo S. Prudente de Aquino rodrigo@wpage.com.br É bacharel em Ciência da Computação pela PUC-SP e MBA em Engenharia de Software pela USP. Foi analista

Leia mais

Felipe Denis M. de Oliveira. Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet)

Felipe Denis M. de Oliveira. Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet) UML Felipe Denis M. de Oliveira Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet) 1 Programação O que é UML? Por quê UML? Benefícios Diagramas Use Case Class State Interaction Sequence Collaboration Activity Physical

Leia mais

Feature-Driven Development

Feature-Driven Development FDD Feature-Driven Development Descrição dos Processos Requisitos Concepção e Planejamento Mais forma que conteúdo Desenvolver um Modelo Abrangente Construir a Lista de Features Planejar por

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS VERSÃO 2.0 MDS 12/3/2013 2.0 1/79 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. OBJETIVO... 4 3. TIPOS DE DEMANDA DE SISTEMA DA DET... 5 3.1 Novo Sistema... 5 3.2 Sustentação

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software v.2

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software v.2 .:: Universidade Estadual de Maringá Bacharelado em Informática Eng. de Software III :. Sistema de Gerenciamento de Eventos - Equipe 09 EPSI Event Programming System Interface Metodologia e Gerenciamento

Leia mais

Ciclo de Vida Clássico ou Convencional CICLOS DE VIDA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. Ciclo de Vida Clássico ou Convencional. Enfoque Incremental

Ciclo de Vida Clássico ou Convencional CICLOS DE VIDA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. Ciclo de Vida Clássico ou Convencional. Enfoque Incremental CICLOS DE VIDA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Elicitação Ciclo de Vida Clássico ou Convencional O Modelo Cascata Análise Ana Paula Terra Bacelo Blois Implementação Material Adaptado do Prof. Marcelo Yamaguti

Leia mais

Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP

Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP Fábio Lúcio Meira Objetivos Gerais Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP Específicos Apresentar

Leia mais

2 Jogos Educacionais. 2.1.Visão Geral de Jogos Educacionais

2 Jogos Educacionais. 2.1.Visão Geral de Jogos Educacionais 2 Jogos Educacionais Jogos estão presentes como uma prática habitual, eles tem sido concebidos como uma atividade lúdica que é bastante motivadora no processo de ensinoaprendizado. É assim que jogos educacionais

Leia mais

Desenvolvimento de Software requer Processo e Gestão

Desenvolvimento de Software requer Processo e Gestão Desenvolvimento de Software requer Processo e Gestão Antonio Mendes da Silva Filho * If Edison had a needle to find in a haystack, he would proceed at once with the diligence of the bee to examine straw

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Roteiro (1) Método para Modelagem de Casos De Uso Estudo de Caso: Sistema de Controle para Videolocadora Levantamento Inicial dos Casos de Uso Identificação dos Casos

Leia mais

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software 3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software A tarefa de planejar os ciclos de construção do software pode partir de diretrizes básicas. Estas diretrizes visam orientar que os ciclos de

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Roteiro (1) Método para Modelagem de Casos De Uso Estudo de Caso: Sistema de Controle para Videolocadora Levantamento Inicial dos Casos de Uso Identificação dos Casos

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Disciplina: Engenharia de Software Tópico: Modelos de Ciclo de Vida Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br Ciclo de Vida A Engenharia de

Leia mais

Especificação de Processo Desenvolvimento de DW

Especificação de Processo Desenvolvimento de DW Especificação de Processo Desenvolvimento de DW Versão 1.0 Sumário 1. Introdução... 3 2. Tabela de Stakeholders... 3 3. Diagrama de Contexto... 4 4. Ciclo de Vida... 4 4.1. Iniciação... 4 4.2. Elaboração...

Leia mais

Documento de Arquitetura

Documento de Arquitetura Documento de Arquitetura A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO #1 Pág. 1 de 11 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 28/10/2010 1 Elaboração do documento

Leia mais

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software O que é software? Software e Engenharia de Software Programas de computador Entidade abstrata. Ferramentas (mecanismos) pelas quais: exploramos os recursos do hardware. executamos determinadas tarefas

Leia mais

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP Conceitos RUP RUP, abreviação de Rational Unified Process (ou Processo Unificado da Rational), é um processo de Engenharia de software criado pela Rational Software Corporation(a qual foi incorporada pela

Leia mais

Testes de Software. Testes de Software. Teste de Validação. Teste de Defeito. Modelo de Entrada e Saída. Modelo de Entrada e Saída

Testes de Software. Testes de Software. Teste de Validação. Teste de Defeito. Modelo de Entrada e Saída. Modelo de Entrada e Saída DCC / ICEx / UFMG Testes de Software Testes de Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Teste de software buscam por erros ou anomalias em requisitos funcionais e não funcionais Classificação

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

05/05/2010. Década de 60: a chamada Crise do Software

05/05/2010. Década de 60: a chamada Crise do Software Pressman, Roger S. Software Engineering: A Practiotioner s Approach. Editora: McGraw- Hill. Ano: 2001. Edição: 5 Introdução Sommerville, Ian. SW Engineering. Editora: Addison Wesley. Ano: 2003. Edição:

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Requisitos de Software Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Requisito O que é um REQUISITO? Em software: É a CARACTERIZAÇÃO do que o

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE CMP1280/CMP1250 Prof. Me. Fábio Assunção Introdução à Engenharia de Software SOFTWARE Programa de computador acompanhado dos dados de documentação e configuração

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

O Processo de Desenvolvimento de Software

O Processo de Desenvolvimento de Software O Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos Contextualizar Análise e Projeto de software dentro de uma metodologia de desenvolvimento (um processo de desenvolvimento de software) Um processo de

Leia mais

RUP Rational Unified Process

RUP Rational Unified Process Universidade do Contestado UNC Unidade Universitária de Mafra Otávio Rodolfo Piske Curso de Sistemas de Informação 5ª Fase RUP Rational Unified Process MAFRA 2003 Otávio Rodolfo Piske 1 - Introdução O

Leia mais