PSICOLOGIA SOCIAL E IDENTIDADE: A PLASTICIDADE DO CONCEITO EM QUESTÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PSICOLOGIA SOCIAL E IDENTIDADE: A PLASTICIDADE DO CONCEITO EM QUESTÃO"

Transcrição

1 PSICOLOGIA SOCIAL E IDENTIDADE: A PLASTICIDADE DO CONCEITO EM QUESTÃO Amanda Kawassaki de Oliveira; Bárbara Bruno; Guilherme Bhoewell; Keyla Fernanda; Marília Vilas Boas Dantônio; Tahena Silva Ferreira - Alunos do 2 ano do Curso de Psicologia UniFil Orientadora: Eliane Belloni - Psicóloga, docente da UniFil - Mestre em Psicologia e sociedade/unesp- Assis RESUMO: O presente trabalho tem por objetivo apresentar aspectos teóricos sobre a plasticidade do conceito de identidade com base na psicologia social. A identidade se estabelece através das relações sociais que desenvolvemos, se constitui na presença do outro, que desempenhando seu papel nos identifica no nosso. Nosso nome torna nossa representação, e através dele, nos diferenciamos do primeiro grupo social a família mas também nos igualamos a ele nosso sobrenome assegura que fazemos parte do grupo familiar. Somos deste modo, a diferença e a igualdade. Um aspecto relevante é a questão temporal da identidade, que por vezes fica restrito a um momento originário, quando nos tornamos algo. Assim, temos uma idéia de posição posta que tanto identifica, quanto discrimina a presença ou ausência de certos atributos que construiriam uma identidade considerada atemporal. Entretanto, a identidade é re-posta durante toda vida ocorrendo representações do desempenho de papéis sociais que se vive a cada momento, ratificando a plasticidade da identidade (CIAMPA,2001). PALAVRAS-CHAVE: Identidade, psicologia social, papéis sociais. Por diversas vezes nos defrontamos com a necessidade de responder ao questionamento quem és, no entanto, a repetição da resposta dada não assegura certezas sobre seu conteúdo. Por ser empregado de forma popular, o conceito atribuído ao termo identidade é tão complexo e variado, tornando um nome tão definitivo, sujeito a inúmeras variações (JAQUES, 1998). Com a crescente relevância atribuída à individualidade e as expressões do eu houve também um aumento pela busca da conceituação de identidade. No entanto, as definições continuam sendo as mais variadas possíveis. Dessa forma, alguns autores definem o conceito de identidade como imagem, representação e conceito de si, fazendo referência a um conjunto de traços, imagens, sentimentos que o indivíduo reconhece e julga fazer parte

2 dele próprio. Na literatura norte-americana o termo empregado para definição do conceito de si mesmo foi self ou self-concept. Já a tradução européia privilegia a noção da representação de si (JAQUES, 1998). A diferença e igualdade se tornam a primeira noção de identidade. O primeiro grupo social no qual fazemos parte é a família, exatamente quem nos dá nosso nome que nos diferencia, enquanto o último (sobrenome) nos iguala a eles. Com isso, vamos sucessivamente nos diferenciando e nos igualando conforme os vários grupos sociais de que faremos parte. Contudo, é importante destacar que somos nossas ações, pois, os substantivos que nos caracterizam tem como origem nossas ações: o desobediente desobedece, o trabalhador trabalha e assim por diante CIAMPA (2001). De um lado todo um conjunto de elementos biológicos, psicológicos, sociais, etc. que podem caracterizar um indivíduo, identificando-o, e de outro lado a representação desse indivíduo como uma duplicação mental ou simbólica, que expressaria a sua identidade. De tal forma que a individualidade dada já pressupõe um processo anterior de representação. Por exemplo, antes de nascer, o nascituro já é representado como filho, sendo membro de uma determinada família. E confirma essa representação através de comportamentos que reforcem sua conduta como filho e assim sucessivamente CIAMPA (2001). Na linguagem corrente é utilizada a expressão eu sou filho. Dificilmente alguém dirá estou sendo filho, com isso, o caráter temporal da identidade fica restrito a um momento originário, quando nos tornamos algo. Por exemplo: sou professor (tornei-me professor), e desde que essa identificação existe me é dada uma identidade de professor como uma posição, como filho, pai, mãe, etc. Assim, eu como ser social sou um serposto, ou seja, essa posição me identifica. O eu como qualquer ser humano participa de uma substância humana, que se realiza como história e como sociedade, nunca como indivíduo isolado, sempre como humanidade CIAMPA (2001). Essa identidade que surge como representação de estar-sendo se converte num pressuposto de meu ser, o que, formalmente, transforma minha identidade concreta. Tem-se com isso, uma representação num tríplice sentido: primeiro, eu represento enquanto estou sendo o representante de mim. O segundo, eu represento, em conseqüência do desempenho

3 papéis, ocultando outras partes de mim não contidas na minha identidade pressuposta e reposta. E o terceiro, eu represento, finalmente, enquanto reponho no presente o que tenho sido e, reapresentado como o que estou sendo construindo com isso, o caráter formalmente atemporal atribuído ao conceito de identidade CIAMPA (2001). Ao me representar (no primeiro sentido representante de mim), transformo-me num desigual de mim por representar (no segundo sentido desempenho de papéis) um outro que sou eu mesmo, impedindo que eu deixe de representar (no terceiro sentido reapresentação) para expressar o outro outro que também sou eu, que negaria a negação de mim indicada pelo representar no sentido anterior (o segundo). Com isso, só posso comparecer no mundo frente ao outro de forma efetiva como representante do meu ser real. Deixando de repor uma identidade pressuposta e representando movimento, processo. Pode-se utilizar expressão tão sugestiva quanto polêmica: ser metamorfose CIAMPA (2001). O termo metamorfose é empregado para expressar movimentos, a interpretação de vários personagens que, por sua vez, interpõe-se com outros no contexto de relações sociais. Desta forma, a noção de metamorfose sugere uma articulação entre estabilidade e transformação. Sendo, a estabilidade marcante no contexto da identidade, cuja etimologia remete o mesmo (CIAMPA apud JACQUES, 1998, p. 164). A plasticidade da identidade fica evidente, quando percebida não como um traço estático, mas sim, em constante movimento. A questão da identidade é passível de ser moldada. A interpenetração entre os vários personagens que, por sua vez interpenetram-se com outros personagens no contexto das relações sociais, garantem a processualidade da identidade enquanto repetição diferenciada, emergindo outro que também é parte da identidade. O autor emprega o termo metamorfose para expressar esse movimento (CIAMPA, 2001). Personagens vão se engendrando umas às outras pelo agir e pelo dizer, constituindo um universo de significados que as constitui. Se não nos transformarmos, não temos como transformar o ambiente. As pessoas estão em constantes mudanças. Somos uma unidade de contrários, uno da multiplicidade e na mudança (CIAMPA, 2001).

4 Conclui-se portanto, que embora seja de grande complexidade conceituar o termo identidade, sua principal característica é a plasticidade presente ao longo de toda a vida do ser humano, ou seja, a identidade não é estática, é processo, é fluída, enfim, é atividade constante. REFERÊNCIAS CIAMPA, Antonio da Costa. Psicologia Social.13. ed., São Paulo: Brasiliense, JACQUES, Maria de Graça Corrêa et al. Psicologia Social e contemporânea. Rio de Janeiro: vozes, 1998.

5 TELEJORNALISMO E ENTRETENIMENTO: CARACTERÍSTICAS DO CIVIC JOURNALISM E INFOTENIMENTO NO PROGRAMA CQC Anderson Lopes da Silva Faculdade do Norte Novo de Apucarana FACNOPAR Orientadora - Profª Esp. Suelen Fernanda Camargo UEL /FACNOPAR RESUMO: O programa televisivo CQC - Custe o Que Custar, está no ar desde 2008 na Rede Bandeirantes, sendo apresentado todas as segundas-feiras às 22h15 (reprise aos sábados às 21h). Importado da produtora Eyeworks-Cuatro Cabezas, o CQC classifica-se como um gênero televisivo que está sobre a tênue linha entre os programas jornalísticos e os humorísticos. O presente trabalho pretende utilizar este programa televisivo como foco de análise de conceitos aparentemente muito distantes um do outro: o conceito teórico de civic journalism e infotenimento. O primeiro diz respeito não propriamente a um estilo ou gênero jornalístico, mas sim a uma corrente teórica que busca através da imprensa mostrar o verdadeiro sentido desta como o Quarto Poder. Em outras palavras, o civic journalism aborda sempre o lado social, político e transformador do jornalismo como agente ativo e transformador da sociedade democrática. Por outro lado, o fundamento de infotenimento deriva da junção entre informação e entretenimento midiático. O neologismo infotenimento traduz-se assim como meio híbrido de trazer notícias e informações relevantes ao conhecimento público aliadas a mecanismos que divirtam o telespectador e tragam ares de dinamismo ao jornalismo contemporâneo. No caso em estudo, o programa CQC é o que melhor apresenta esse imbricamento atrativo ao telespectador. Analisando assim o projeto editorial, os quadros, as matérias veiculadas na televisão e reproduzidas em sites postagem de vídeos, além das características do discurso dos apresentadores e repórteres, o artigo intenta mostrar a presença contínua desses dois conceitos comunicacionais no programa em questão. PALAVRAS-CHAVE: Civic Journalism; Infotenimento; Programa CQC; Telejornalismo. O Telejornalismo representa hoje a nova esfera pública de debates e informações à sociedade (VIZEU; PORCELO; MOTA, 2006). Com a presença maciça do aparelho televisor em quase todos os lares brasileiros, dificilmente as pessoas ficam desinformadas das notícias que acontecem em sua localidade, em seu estado, país ou no mundo. Porém, as notícias de cunho político e demarcadas pelo gênero investigativo dificilmente ocupam a grade de matérias dos telejornais mais tradicionais das emissoras abertas. Dado a rápida análise e repasse da informação, os telejornais diários só cumprem sua função de enunciador da notícia indispensável, em especial as hard news (as notícias da atualidade e que devem ser noticiadas).

6 Em contrapartida, o programa semanal CQC- Custe o Que Custar, da Rede Bandeirantes representa o desprendimento à informação rápida e sem interpretação. Com um forte apelo jornalístico, o programa de origem argentina, se utiliza do humor, da sátira e do sarcasmo para criticar a situação política, econômica, social e cultural do país. Tal uso do humor em especial no viés político denota o que Acserald e Dourado (2009), ao citarem William Davis sintetiza como a função do deboche: o humor pode fazer cair políticos ou pelo menos reduzir-lhes o prestígio pondo-os no ridículo. Também pode evidenciar o caráter hipócrita de certos argumentos. Todavia, o humor não impede que o CQC produza jornalismo seguindo padrões éticos e de qualidade. Analisando que Fernandes (2008) conceitua o civic journalism como uma corrente engajada da imprensa na qual a notícia é vista como algo extremamente importante, o CQC também faz parte dos meios de comunicação que são a instituição decisiva para a difusão de experiências noticiosas, e por isso, têm a oportunidade de transmitir interpretações que dão sentido às complexidades e tornam compreensível o ininteligível. Isto é, notícias que são emitidas pelos telejornais de maneira superficial ganham contorno e interpretação no programa televisivo em estudo. Mais do que isso, a razão de noticiar fatos de interesse comum à sociedade de maneiras diferentes do tradicional telejornalismo (ou seja, por meio do humor), faz do CQC um programa singular da televisão brasileira. O conceito de infotenimento é basicamente a práxis veiculada todas as semanas pelo CQC, quer dizer, satisfazer duas necessidades latentes do cidadão: se informar e entreter. O material principal de análise são os vídeos exibidos semanalmente pelo programa Custe o Que Custar e os vídeos já armazenados no site de postagem gratuita de vídeos, Youtube.com. A data limite de análise inicia-se a partir de janeiro de 2010 até meados de dezembro de De acordo com Lago e Beneti (2007), este tipo de pesquisa centra-se no que é chamado de Análise de Conteúdo em Jornalismo. Nas palavras de Herscovitz: A análise de conteúdo da mídia, (...), nos ajuda a entender um pouco mais sobre quem produz e quem recebe a notícia e também a estabelecer alguns parâmetros (...) mensagens (2007, p. 124). O que possibilita assim, a análise das características explícitas e implícitas do civic journalism e do infotenimento presentes no CQC.

7 No que diz respeito especificamente à análise dos textos enunciados pelos apresentaores e repórteres do programa, a pesquisa focaliza-se na Análise Pragmática da Narrativa Jornalística (MOTTA, 2007). O critério de escolha dos vídeos é direcionada por matérias de conteúdo estritamente político, dado a multiplicidade de outros temas abordados pelo programa. Assim, quadros, notícias e reportagens ligadas exclusivamente ao cunho político, são analisados pelo videografismo usado durante a exibição, pelo texto da pergunta e resposta do entrevistador-entrevistado, além claro da relevância do assunto no seu valornotícia à população. O método empírico da pesquisa centra-se na observação dos fundamentos teóricos do civic journalism e do infotenimento mesclados direta ou indiretamente nas matérias jornalísticas do programa. É importante salientar que a observação e suas operações, segundo Vassalo Lopes, visam a reconstrução empírica da realidade, isto é, visam a coletar e reunir evidências concretas capazes de reproduzir os fenômenos em estudo no que eles têm de essencial (2005, p.123). Diferentemente de outros programas televisivos que se utilizam do infotenimento, como talk shows, por exemplo, o programa CQC traz em si a principal característica do civic journalism. Isto significa dizer, que ao analisar o material jornalístico veiculado (e reprisado) pelo Custe o Que Custar, a notícia política sempre traz em seu mote a crítica, o aprofundamento e, o principal, usa-se dosadamente do jornalismo opinativo e interpretativo para que ocorra o processo de análise do enunciador (jornalista) ao receptor (telespectador). O uso de videografismo representa uma constante em todas as matérias. Junto a isso, efeitos sonoros auxiliam na sátira realizada pelos entrevistadores e pelas respostas dadas pelos entrevistados. Além disso, a presença híbrida do civic journalism, marcado pela questão social e crítica, não o impede e co-existir com o entretenimento, marcado explicitamente pela sua ligação com a Cultura de Massa no contexto da Indústria Cultural, tão criticada pelos estudiosos da Escola de Frankfurt. Isso pode ser visto, aliás, como alternativa para fugir do convencionalismo jornalístico que se estabeleceu nos meios de comunicação, em especial nas

8 emissoras televisivas. Pelo contrário, o jornalismo público e bem-humorado do CQC produz sentido e intenta transformação. A conclusão a que se chega após realizar a Análise de Conteúdo em Jornalismo e a Análise Pragmática da Narrativa Jornalística é que o programa Custe o Que Custar mostra a viabilidade de se apresentar as características presentes no civic journalism e no infotenimento como mecanismo de reflexão e ao mesmo entretenimento. Ou seja, o CQC produz jornalismo sério e de qualidade com responsabilidade acerca dos assuntos de cunho político (que é o nosso foco), além de trazer diversão aos telespectadores exaustos do convencionalismo televisivo abundante. REFERÊNCIAS AGUIAR, Leonel Azevedo de. Entretenimento: valor-notícia fundamental no jornalismo. Estudos em Jornalismo e Mídia. Florianópolis, v. 5, n 1., p , jan/jun Disponível em: <http://www.revistas.univerciencia.org/index.php/estudos/article/viewarticle/5556>. Acesso em: 21 de março de BARBEIRO, Heródoto; LIMA, Paulo Rodolfo de. Manual de Telejornalismo: os segredos da notícia na TV. 2. ed., Rio de Janeiro: Elsevier, BISTANE, Luciana; BACELLAR, Luciane. Jornalismo na TV. São Paulo: Contexto, DEJAVITE, Fábia Angélica. Infotenimento: informação + entretenimento no jornalismo. São Paulo, Paulinas, FERNANDES, Márcio. Civic Journalism: haverá um modelo brasileiro? Guarapuava PR: Edunicentro, FERNANDES, Marcio. Civic Journalism no Brasil: a construção de um plano de referência para um jornalismo público. In: MARTINS, Moisés de Lemos; PINTO, Manoel (Org.) Comunicação e Cidadania - Actas do 5º Congresso da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação. Universidade do Minho, Braga - Portugal, GUIMARÃES, Denise; CAETANO, Kati. Estratégias gráficas e humor sarcástico: a notícia levada a sério no Programa CQC, da TV Bandeirantes, Brasil. Revista Interin. Curitiba, v. 3 n 1., p. 1-17, jun Disponível em: < Acesso em: 20 de julho de 2011.

9 GUTMANN, Juliana Freire. Aspectos audivosuais do infotainment: o CQC como propósito de análise. In: Colóquio Internacional Televisão e Realidade, 1, 2008, Salvador. Anais... Salvador: UFBA, Disponível em: < Acesso em: 18 de junho de LAGO, Cláudia; BENETTI, Marcia (Org.). Metodologia de Pesquisa em Jornalismo. 2. ed., Petrópolis RJ: Vozes, LEAL FILHO, Laurindo Lalo. A TV sob controle. São Paulo: Summus, LOPES, Maria Imaccolata Vassalo. Pesquisa em Comunicação. 8. ed., São Paulo: Loyola, VIZEU PEREIRA JUNIOR, Alfredo E.; PORCELLO, Flávio A. C.; MOTA, Célia L. Telejornalismo- a nova praça pública. Florianópolis: Insular, 2006.

10 AVALIAÇÃO DE RESULTADOS DE ACOMPANHAMENTOS PSICOLÓGICOS DISTINTOS NA CIRURGIA BARIÁTRICA CAETANO, Roberta A. M.; FONSECA, Andréia Giraldi; NISHIKAWA, Rafaela Mayumi; QUEIROZ, Marina Cardoso Centro Universitário Filadélfia UniFil, Londrina PR RESUMO: Obesidade é uma doença caracterizada pelo excesso de peso, ocasionado por um grande acúmulo de gordura corporal. A cirurgia foi considerada como único tratamento efetivo para pacientes que já apresentaram insucesso com o tratamento clínico prévio. Esta pesquisa se justifica pela necessidade de um estudo sobre o papel dos psicólogos junto à equipe multidisciplinar e os efeitos de um acompanhamento psicológico correto durante todo o processo cirúrgico, pois se trata de uma doença que vem aumentando significativamente em vários países. Tem como objetivo verificar a existência ou ausência de diferença nos resultados da cirurgia bariátrica entre pacientes que passaram por um acompanhamento psicológico durante toda a fase do tratamento e aqueles que realizaram apenas uma única avaliação psicológica. Consideram-se como hipóteses: 1) O tratamento psicológico pode favorecer a tomada de consciência sobre os hábitos inadequados adotados durante a vida do paciente que contribuíram para a ocorrência da obesidade, possibilitando o desenvolvimento de hábitos saudáveis nessa nova etapa de vida fazendo com que o resultado da cirurgia seja mais eficaz; 2) Pacientes que não têm acesso a um acompanhamento psicológico adequado ficam mais vulneráveis aos riscos provenientes da rotina a que estavam acostumados, tendo maior probabilidade de retomar o peso anterior à cirurgia ou desenvolver adições. Esta pesquisa foi realizada com 12 sujeitos que se submeteram a cirurgia bariátrica a pelo menos um ano e no máximo cinco anos. A entrevista foi realizada e gravada na casa dos participantes e continha nove questões abordando todas as etapas do procedimento. Alguns resultados já podem ser percebidos, no que se refere a importância do atendimento psicológico para esclarecimento do processo e das mudanças que ocorrerão principalmente no pós-cirúrgico, que seria o processo de aceitação do novo corpo e dos novos hábitos e estilo de vida. PALAVRAS-CHAVE: obesidade; cirurgia bariátrica; avaliação psicológica. Obesidade é uma doença caracterizada pelo excesso de peso, ocasionado por um grande acúmulo de gordura corporal, sendo um fator predisponente para desenvolvimento e agravamento de doenças potencialmente graves. A maneira mais objetiva para classificar a obesidade é o Índice de Massa Corpórea (IMC). A faixa de peso considerada normal varia de 19 a 24,9 Kg/m ². Pessoas com IMC de 25 a 30 Kg/m² são considerados acima do peso, enquanto aquelas entre 30 e 40Kg/m² são

11 classificadas como obesas. Acima de 40 Kg/m² são consideradas obesos mórbidos. Os pacientes que se enquadram neste último grupo são portadores de uma doença que ameaça a vida, reduz a qualidade de vida e a autoestima e requerem abordagens eficientes para promover uma redução de peso. A caracterização da gravidade da obesidade grau III (IMC maior de 40 Kg/m²) se dá devido à conjunção de três aspectos: prevalência elevada da compulsão alimentar, resistência aos tratamentos clínicos e associação frequente com doenças inter-relacionadas. A cirurgia foi considerada como único tratamento efetivo para pacientes que já apresentaram insucesso com o tratamento clinico prévio. É no processo de avaliação e preparação psicológica do paciente para a gastroplastia, que o psicólogo deve destacar a importância do significado da alimentação e da obesidade para o paciente. O papel do psicólogo dentro da equipe é o de avaliar se o individuo está apto emocionalmente para a cirurgia, auxiliá-lo quanto à compreensão de todos os aspectos decorrentes do pré-cirúrgico A obesidade mórbida acarreta problemas como a exclusão social, gerado pelo preconceito e discriminação, pois os obesos são vistos como incapazes de realizar algumas atividades, até mesmo de trabalhar. É nesse contexto que eles começam a demonstrar uma diminuição da autoestima. O obeso mórbido sofre por ter uma doença prejudicial à saúde, em sua perspectiva física e psíquica. Essas consequências levam o paciente a buscar na cirurgia bariátrica a solução de seus problemas. Os principais objetivos da gastroplastia são a redução de co-morbidade e a melhoria da qualidade de vida, podendo, também, com esse procedimento cirúrgico, ocupar outros espaços que foram prejudicados com essa patologia, neste caso, o resgate da autoestima, inclusão social, entre outros O tratamento cirúrgico, quando bem indicado, pode ser um método que determina manutenção prolongada da perda de peso e diminuição das doenças associadas, com melhora significativa da qualidade de vida, bem estar psicológico, oportunidades de trabalho, melhores condições econômicas e consequentemente melhor integração social.

12 Esta pesquisa justifica-se pela necessidade de um estudo sobre o papel dos psicólogos junto à equipe multidisciplinar e os efeitos de um acompanhamento psicológico correto durante todo o processo cirúrgico. Tem como objetivo geral verificar a existência ou ausência de diferença nos resultados da cirurgia bariátrica entre pacientes que passaram por um acompanhamento psicológico durante toda a fase do tratamento e aqueles que realizaram apenas uma única avaliação psicológica. Como hipóteses têm-se: 1) um acompanhamento psicológico adequado pode possibilitar o desenvolvimento de hábitos saudáveis nessa nova etapa de vida fazendo com que o resultado da cirurgia seja mais eficaz; 2) pacientes que não têm acesso a um acompanhamento psicológico adequado ficam mais vulneráveis aos riscos provenientes da rotina a que estavam acostumados, tendo maior probabilidade de retomar o peso anterior à cirurgia. A coleta de dados foi feita com 12 sujeitos que foram submetidos à cirurgia bariátrica há pelo menos um ano e no máximo cinco anos, através de uma entrevista contendo 09 questões, gravada na residência dos participantes na cidade de Londrina. Os resultados parciais têm apontado que os sujeitos não se arrependeram de terem passado por este procedimento, e nenhum retornou ao peso anterior a cirurgia. Pode-se perceber que os principais motivos que os levaram a optar por este procedimento foram os problemas de saúde, o desejo de melhorar a estética e as limitações físicas e profissionais ocasionadas pela obesidade. A maior parte dos participantes mudou positivamente seu estilo de vida após a cirurgia, tendo hábitos mais saudáveis. REFERÊNCIAS AGRA, Glenda; HENRIQUES, Maria Emília Romero de Miranda. Vivência de mulheres que se submeteram a gastroplastia. In: Revista Eletrônica de Enfermagem. [S/D]. Disponível em: <http://link.periodicos.capes.gov.br/sfxlcl3?sid=metalib:doaj&id=doi:&genre=&isbn=&iss n= &date=2009&volume=11&issue=4&spage=&epage=&aulast=agra&aufirst=gle nda&auinit=&title=%20revista%20eletr%c3%b4nica%20de%20enfermagem&atitle=viv% C3%AAncia%20de%20mulheres%20que%20se%20submeteram%20%C3%A0%20gastropla stia&sici=& service_type=&pid=<metalib_doc_number> </metalib_doc_number ><metalib_base_url>http://svrperiodicos2.periodicos.capes.gov.br</metalib_base_url><opid> </opid>. Acesso em: 18 de março de 2011.

13 ANGELIS, R.C.. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas. In: Riscos e Prevenção da Obesidade. v.39, n. 3, jul/set, São Paulo, Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=s &lang=pt>. Acesso em: 02 de março de GUEDES, A.C.; et al. Qualidade de vida em pacientes submetidos à cirurgia bariátrica do tipo Derivação Biliopancreática com Preservação Gástrica. In: Revista do Instituto de Ciências da Saúde. São Paulo, Disponível em:< S/ /2009/v27n3/a003.pdf>. Acesso em: 16 de março de SANTOS, Raquel do Carmo. Apoio psicológico para evitar recaída após cirurgia bariátrica. In: Jornal da Unicamp Disponível em: < Acesso em: 10 de junho de SANTO, Marco Aurélio; CECCONELLO, Ivan. Obesidade mórbida: controle dos riscos. In: Arquivos de gastroenterologia, São Paulo, v.45, n.1, Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lang= pt>. Acesso em: 14 de março de SANTO, Marco Aurélio; RICCIOPPO, Daniel; CECCONELLO, Ivan. Tratamento cirúrgico da obesidade mórbida implicações gestacionais. In: Revista de Associação Médica Brasileira, São Paulo, v.56, n.6, Disponível em: < &lang=pt>. Acesso em: 14 de março de OLIVEIRA, Verenice Martins; LINARDI, Rosa Cardelino; AZEVEDO, Alexandre Pinto de. Cirurgia bariátrica aspectos psicológicos e psiquiátricos. In: Revista de Psiquiatria Clinica, São Paulo, v.31, n. 4, Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s & lang=pt>. Acesso em: 14 de março de 2011.

14 PROCEDIMENTO DE MODELAGEM APLICADO A UM CASO CLÍNICO DE PSICOTERAPIA INFANTIL Angela Boso Dias Centro Universitário Filadélfia UniFil Orientador Prof a. Ms. Eliane Belloni Centro Universitário Filadélfia- UniFil RESUMO: A psicoterapia comportamental infantil possui uma metodologia específica e tem como uma das principais preocupações a sistematização de seus dados. Isto é importante porque permite ao psicoterapeuta identificar e dimensionar os problemas comportamentais e analisar o mais objetivamente possível seu procedimento junto à criança. Também, pode-se ressaltar a importância de que os objetivos desejados podem ser avaliados com o intuito de utilizar procedimentos adequados para alcançar resultados significativos. Um procedimento utilizado amplamente pela análise experimental do comportamento tem sido o procedimento conhecido por modelagem. Segundo Moreira; Medeiros (2007, p.60) o procedimento de modelagem é caracterizado por um procedimento diferencial de aproximações sucessivas de um comportamento. O resultado final é um novo comportamento. Uma dificuldade encontrada pelos psicólogos de base comportamental tem sido extrapolar os conhecimentos produzidos em laboratório e transportá-los para a intervenção clínica. O caso descrito refere-se a uma criança de 04 anos de idade que recebeu atendimento na clínica de psicologia da UniFil e teve como queixa o comportamento de apego excessivo em relação à mãe. A intervenção baseou-se no procedimento de modelagem da resposta de entrar na sessão psicoterapêutica sem a presença da mãe, uma vez que a criança em questão não se separava da mesma em momento algum. Para o caso específico, utilizou-se de 14 sessões subdivididas em: 3 sessões de rapport na presença da mãe, essas sessões não se caracterizaram por nenhum intervenção especifica; 7 sessões com saídas da mãe da sala em um tempo que foi aumentado gradativamente ao longo dos atendimentos e com isso a terapeuta reforçava o comportamento da criança em ficar na presença dela sem a mãe, que sempre voltava à sessão afim de que a criança não sentisse nenhum desconforto pela ausência da mesma; 1 sessão foi utilizada a técnica do coelho, que consistiu em introduzir na sala alguns reforçamentos arbitrários como pegadas de coelho entre a recepção e a sala de psicoterapia, um coelho de pelúcia dentro da sala, brinquedos e bombons. Este procedimento teve como objetivo tornar o ambiente terapêutico, afastado da mãe, o mais reforçador possível. Os resultados alcançados foram satisfatórios, atualmente a criança não só faz sessões terapêuticas sem a presença mãe, como também apresenta-se desapegado em outras situações sociais. PALAVRAS-CHAVE: Comportamento de apego excessivo; psicoterapia infantil; modelagem.

15 De acordo com Moreira e Medeiros (2007) pode-se classificar como operante aquele comportamento que produz conseqüências (modificações no ambiente) e é afetado por elas. Entender o comportamento operante é fundamental para compreender como aprendemos nossas habilidades e nossos conhecimentos, ou seja, falar, ler, escrever, raciocinar e até mesmo como aprendemos a ser quem somos, a ter nossa personalidade. Segundo Guilhardi (2004), Os comportamentos e os sentimentos são produtos das contingências de reforçamento e estas produzem: comportamentos operantes que são emitidos e que podem ser públicos e privados, ou seja, podem ser observados pela pessoa que se comporta e, se públicos, pelo outro também; comportamentos respondentes que são eliciados e estados corporais que são conjunto de reações orgânicas, em geral respondentes, percebido como uma reação global do corpo como por exemplo, Sinto-me esquisito, Estou me sentindo desconfortável, podendo ser privados e públicos. Tanto os comportamentos como os sentimentos são produtos colaterais das contingências de reforçamento e não produtos do comportamento, que compõem as histórias genéticas e ambientais em conjunto com as contingências presentes. Tanto os comportamentos operantes, como os respondentes e os estados corporais não têm naturezas diferentes, são todos manifestações do organismo e sujeitos a leis comportamentais próprias. O que a pessoa observa, percebe ou sente, no caso dos respondentes e estados corporais, são manifestações do corpo e não sentimentos. De acordo com Skinner (1959) apud Guilhardi (2004), Uma formulação behaviorista não ignora sentimentos, ela simplesmente muda a ênfase do sentimento para o que é sentido. Na prática da comunidade verbal virou hábito chamar de sentimento aquilo que é sentido no corpo, ou seja, o correto seria dizer o que você sente é o seu corpo se comportando e não você tem sentimento. Pode-se concluir que os sentimentos são termos atribuídos aos comportamentos respondentes e aos estados corporais sentidos. O mais apropriado seria dizer observo, percebo, sinto meu corpo e não eu tenho sentimentos. Em se tratando de crianças, as mesmas se reportam ao seu mundo interno baseandose no que a comunidade sócio verbal lhe ensina. Assim, sentimentos de medo e apego excessivo podem referir-se a controle de estímulos aversivos experimentados pela criança. No

Núcleo 2.8 - Terapia Comportamental

Núcleo 2.8 - Terapia Comportamental Núcleo 2.8 - Terapia Comportamental DEPARTAMENTOS ENVOLVIDOS: Métodos e Técnicas COORDENADOR: Paola Espósito de Moraes Almeida PROFESSORES: Alice Maria de Carvalho Dellitti, Denigés Maurel Regis Neto,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil

A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil Aline Daniela Gomes da Silva Vieira Discente de Psicologia Universidade Sagrado Coração Bauru-SP. e-mail: ninedvieira@hotmail.com Raquel Regina

Leia mais

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta.

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. Angela Agulhari Martelini Gabriel. Pedagogia. Prefeitura Municipal de Bauru. helena2008mg@hotmail.com.

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Grupo de Trabalho: Temas Livres

Grupo de Trabalho: Temas Livres ATIVIDADE FÍSICA, LAZER E SAÚDE NA ADOLESCÊNCIA: POSSÍVEIS APROXIMAÇÕES Alipio Rodrigues Pines Junior (alipio.rodrigues@gmail.com) Grupo Interdisciplinar de Estudos do Lazer - GIEL/USP/CNPq Tiago Aquino

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL INTRODUÇÃO Amara Holanda Fabiane Romana Fernanda Oliveira Karen Trage Máuren Mássia

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Londrina.

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo

INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo Este trabalho é parte de uma pesquisa de natureza qualitativa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO SUPERANDO A DEPRESSÃO Andreza do Ouro Corrêa - andreza.correa@ymail.com Mayara Cristina Costa Mariângela Pinto da Silva Gislaine Lima da Silva - gilisilva@ig.com.br Curso de Psicologia Unisalesiano/ Lins

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR Larissa Brito da Silva, Waleria Maria de Sousa Paulino, Stefania Germano Dias, Flavio Pereira de Oliveira, Leilane Menezes Maciel

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

-RESUMOS DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL DA FASF LUZ - 2013

-RESUMOS DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL DA FASF LUZ - 2013 -RESUMOS DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL DA FASF LUZ - 2013 Monografias e Artigos (Ordem Alfabética dos Alunos, Orientador (a), Título e Resumo) Ana Cristina Fonseca

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com 1 ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com RESUMO Este trabalho apresenta um relato de experiência ao realizar as atividades propostas no curso Alfabetização

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Brinquedoteca Virtual: um ambiente de aprendizagem com diversão

Mostra de Projetos 2011. Brinquedoteca Virtual: um ambiente de aprendizagem com diversão Mostra de Projetos 2011 Brinquedoteca Virtual: um ambiente de aprendizagem com diversão Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

RELAÇÃO INTERPESSOAL DE PNE (SÍNDROME DE DOWN) NA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL (ESTUDO DE CASO)

RELAÇÃO INTERPESSOAL DE PNE (SÍNDROME DE DOWN) NA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL (ESTUDO DE CASO) RELAÇÃO INTERPESSOAL DE PNE (SÍNDROME DE DOWN) NA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL (ESTUDO DE CASO) HOFMANN *, Ana Paula - PUCPR aninhahofmann@gmail.com Resumo Os portadores de necessidades especiais

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE NEDEL¹, Vera SILVA²,Maria Elena Neves da Resumo O presente artigo relata a importância do uso das tecnologias. As lutas dos surdos pelo direito

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico. Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2

Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico. Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2 Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2 Maicon Ferreira de SOUZA 3 Faculdade Assis Gurgacz, Cascavel, PR. RESUMO O presente

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO DA ESCOLA ORLANDO VENÂNCIO DOS SANTOS DO MUNICÍPIO DE CUITÉ-PB

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO DA ESCOLA ORLANDO VENÂNCIO DOS SANTOS DO MUNICÍPIO DE CUITÉ-PB PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO DA ESCOLA ORLANDO VENÂNCIO DOS SANTOS DO MUNICÍPIO DE CUITÉ-PB Nelson Leal dos Santos Júnior 1 Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Hernandes Santos, Amarílis Alfabetização na inclusão

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos.

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos. Psicoterapia comportamental infantil Eliane Belloni 1 A psicoterapia comportamental infantil é uma modalidade de atendimento clínico que visa propiciar mudanças no comportamento da criança a partir de

Leia mais

A GINÁSTICA NO CONTEXTO DOS PLAYGROUNDS

A GINÁSTICA NO CONTEXTO DOS PLAYGROUNDS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 A GINÁSTICA NO CONTEXTO DOS PLAYGROUNDS Marcela Garcia de Santana 1 ; Eduardo Rafael Llanos Parra 1 ; Vânia de Fátima Matias de Souza 2 RESUMO: O presente

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em A SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR RELACIONADA AOS TEMAS JOGOS E BRINCADEIRAS E CAPOEIRA, NA PERSPECTIVA DE DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR André Barros Laércio Iório Luciana Venâncio

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PEDROTTI, Ana Paula Floss²; GRASSI, Marília Guedes²; FERREIRA, Marilise²; MOREIRA, Nathana Coelho²; NOAL,

Leia mais

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS BEZERRA 1, Aíla Murielle Medeiros CORDEIRO 1, Ingrydh KOCH 1, Bernard; LIMA 1, Tácia Adriana Florentino de NUNES

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO: DA INCLUSÃO E DA EXCLUSÃO OU DA EXCEÇÃO E DA REGRA

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO: DA INCLUSÃO E DA EXCLUSÃO OU DA EXCEÇÃO E DA REGRA PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO: DA INCLUSÃO E DA EXCLUSÃO OU DA EXCEÇÃO E DA REGRA Carla Priscila Cesário Gonçalves ( graduanda pedagogia UEPB) Erika Barbosa Santos ( graduanda pedagogia UEPB) Juliana Michelle

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes.

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. MARCELA GARCIA MANOCHIO PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. Projeto de Estágio extracurricular em Processos Educativos, desenvolvido para

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS Thyanna Silva dos Passos (Graduada/UFRB) Resumo Este trabalho tem como objetivo analisar a formação de professores e sua atuação na sala

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas DOMÍNIO E IMAGEM DE UMA FUNÇÃO: UMA ABORDAGEM POR MEIO DO JOGO BINGO DAS FUNÇÕES Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT 10 ADELSON CARLOS MADRUGA Universidade

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira SENAR INSTITUTO FICHA TÉCNICA Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Senadora Kátia Abreu Secretário Executivo do SENAR Daniel Carrara Presidente do Instituto CNA Moisés Pinto

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

TRABALHO PRÁTICO DO PROJETO DE EXTENSÃO PLUGADOS NA PREVENÇÃO: OFICINAS NA ESCOLA.

TRABALHO PRÁTICO DO PROJETO DE EXTENSÃO PLUGADOS NA PREVENÇÃO: OFICINAS NA ESCOLA. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TRABALHO PRÁTICO DO PROJETO DE EXTENSÃO PLUGADOS NA PREVENÇÃO:

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

ORIENTAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE

ORIENTAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE Apresentador 1 Flavio Teodoro Autor 2 Larissa Bail Autor 3 Carmem Antônia Sanches Ito Autor 4 Margarete Aparecida Salina Maciel Autor

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Joselene Lopes Alvim A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E NO TRABALHO COM AUTISTAS

A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E NO TRABALHO COM AUTISTAS XXII Semana de Educação da Universidade Estadual do Ceará 31 de agosto a 04 de setembro de 2015 A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE ETENSÃO CÂMPUS: Campos Belos ANO DE EECUÇÃO: 2015 LINHAS DE

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Ana Lucia da Silva 1 Franchys Marizethe Nascimento Santana Ferreira 2 O presente projeto justifica-se pela necessidade verificada,

Leia mais

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 Juliane Cintra de Oliveira 2 Antônio Francisco Magnoni 2 RESUMO Criado em 2007, o Programa Falando de Política é um projeto de experimentação e extensão cultural em radiojornalismo,

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais