PESQUISA CIENTÍFICA BNDES FEP Nº02/2010. Contrato nº

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PESQUISA CIENTÍFICA BNDES FEP Nº02/2010. Contrato nº 11.2.0519.1"

Transcrição

1 PESQUISA CIENTÍFICA BNDES FEP Nº02/2010 Contrato nº TEMA: Análise das Diversas Tecnologias de Tratamento e Disposição Final de Resíduos Sólidos no Brasil, Europa, Estados Unidos e Japão INSTITUIÇÃO EXECUTORA: Fundação de Apoio ao Desenvolvimento da Universidade Federal de Pernambuco FADE PRODUTO 10: Relatório final de avaliação técnica, econômica e ambiental das técnicas de tratamento e destinação final dos resíduos. Fevereiro/2013

2 1. APRESENTAÇÃO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Escopo da Análise Construção das Hipóteses Instrumentos de Análise Análise Institucional Análise Técnica Análise Econômica Análise Ambiental Limitações ASPECTOS DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS BRASIL O Processo de Urbanização no Brasil O Aumento no Consumo e a Geração e Coleta de Resíduos TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO Logística de Coleta, Transporte e Transbordo Experiências Unidades de Triagem Experiências Vantagens e Desvantagens Compostagem Experiências Vantagens e Desvantagens Digestão Anaeróbia Experiências Vantagens e Desvantagens Unidades de Incineração Experiências Vantagens e Desvantagens Aterros Experiências Vantagens e Desvantagens Combustíveis Derivados de Resíduos (CDR) i

3 4.7.1 Vantagens e Desvantagens ANÁLISE DOS MERCADOS DE VALORIZAÇÃO E APROVEITAMENTO DOS RSU Reciclagem de Resíduos Região Norte Região Nordeste Região Centro-Oeste Região Sudeste Região Sul Valorização Biológica Região Norte Região Nordeste Região Centro-Oeste Região Sudeste Região Sul Valorização Energética Região Norte Região Nordeste Região Centro-Oeste Região Sudeste Região Sul ANÁLISE ECONÔMICA DAS TECNOLOGIAS Construção das Hipóteses Modelos Triagem Investimentos Custos Receitas Resultados Compostagem Investimentos Custos Receitas ii

4 Resultados Digestão Anaeróbia Investimentos Custos Receitas Resultados Incineração Investimentos Custos Receitas Resultados Aterros Investimentos Custos Receitas Resultados Aterro com Aproveitamento Energético Investimentos Custos Receitas Resultados Análise Ambiental das Tecnologias Indicadores de Sustentabilidade Tecnológica Resultados SISTEMAS DE COBRANÇA NA GESTÃO DE RSU NO BRASIL Contexto Setorial (Legal) Conceitos Preliminares Sistemas de Cobrança na Gestão de RSU no Brasil Aspectos Institucionais Regulamentação da Cobrança Regulação dos Serviços de Manejo dos RSU Base Legal para a Regulação dos Serviços CENÁRIOS PARA O BRASIL Região Norte Região Nordeste iii

5 8.3 Região Centro-Oeste Região Sudeste Região Sul CONSIDERAÇÕES FINAIS Referências Bibliográficas iv

6 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 - Fluxograma de Pesquisa Figura 2 - Evolução da População Brasileira ( ) Figura 3 - Evolução do PIB Per Capita ( ) Figura 4 - Composição Gravimétrica dos RSU por Região Figura 5 - Fluxograma do Processo das Usinas de Triagem e Compostagem de Ceilândia/DF (a) e Asa Sul (b) Figura 6 - Digestão Anaeróbia Figura 7 - Evolução da Reciclagem no Brasil Figura 8 - Evolução da Reciclagem por Tipo de Material Figura 9 - Situação de Produção e Importação de fertilizantes no Brasil (NPK) Figura 10 - Localização das Usinas de Compostagem Bahia, Figura 11 - Produção e Consumo Energético no Estado da Bahia Figura 12 - Hipóteses de Análise Figura 13 - Hipóteses do Modelo para Centrais de Triagem Figura 14 - PL XTIR Figura 15 - Hipóteses do Modelo para Unidades de compostagem Figura 16 - VPL XTIR Figura 17 - Variação do VPL em função da TIR Figura 18 - Hipóteses do Modelo para Aterros Figura 19 Resultados obtidos Figura 20 - Sequência de operações rotineiras para a Rota Figura 21 - Sequência de operações rotineiras para a Rota Figura 22 - Sequência de operações rotineiras para a Rota Figura 23 - Sequência de operações rotineiras para a Rota Figura 24 - Sequência de operações rotineiras para a Rota 1 - Região Nordeste. 196 Figura 25 - Sequência de operações rotineiras para a Rota 2 - Região Nordeste. 197 Figura 26 - Sequência de operações rotineiras para a Rota 3 - Região Nordeste. 197 Figura 27 - Sequência de operações rotineiras para a Rota 4 - Região Nordeste. 198 Figura 28 - Sequência de operações rotineiras para a Rota 5 - Região Nordeste. 199 v

7 Figura 29 - Sequência de operações rotineiras para a Rota 6 - Região Nordeste. 199 Figura 30 - Sequência de operações rotineiras para a Rota 7 - Região Nordeste. 199 Figura 31 - Sequência de operações rotineiras para a Rota 8 - Região Nordeste. 200 Figura 32 - Fluxograma da rota tecnológica para municípios com menos de habitantes Figura 33 - Fluxograma da rota tecnológica para municípios com menos de habitantes que possuem mercado de recicláveis Figura 34 - Fluxograma da rota tecnológica para municípios entre e habitantes Figura 35 - Fluxograma da rota tecnológica para municípios entre e habitantes Figura 36 - Fluxograma da rota tecnológica para municípios ou consórcios acima de habitantes Figura 37 - Rota tecnológica 1 - Região Sudeste Figura 38 - Rota tecnológica 2 - Região Sudeste Figura 39 - Rota Tecnológica 3/1 - Região Sudeste Figura 40 - Rota Tecnológica 3/2 - Região Sudeste Figura 41 - Rota Tecnológica 4 - Região Sudeste Figura 42 - Rotas tecnológicas de tratamento de RSU vi

8 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1 - Evolução dos sistemas de tratamento dos resíduos sólidos urbanos Tabela 2 - Indicadores que compõem o IST Tabela 3 - Números da urbanização brasileira Tabela 4 - Número de Municípios por Região e Faixa Populacional Tabela 5 - Geração de Resíduos no Brasil (2011) Tabela 6 - Composição Gravimétrica dos RSU no Brasil Tabela 7 - Evolução da Coleta de Resíduos no Brasil Tabela 8 - Capacidade de tratamento e Número de Unidades de Incineração no Japão Tabela 9 - Características das UTRE da Região Norte Tabela 10 - Características dos Aterros da Região Norte Tabela 11 - Dados Gerais de Aterros da Região Nordeste Tabela 12 - Características Operacionais de Aterros da Região Nordeste Tabela 13 - Dados Gerais de Aterros da Região Centro-Oeste Tabela 14 - Características Operacionais de Aterros da Região Centro-Oeste Tabela 15 - Dados Gerais de Aterros da Região Sudeste Tabela 16 - Características Operacionais de Aterros da Região Sudeste Tabela 17 - Dados Gerais de Aterros da Região Sul Tabela 18 - Características Operacionais de Aterros da Região Sul Tabela 19 - Preço dos Materiais Recicláveis Tabela 20 - Preço dos Materiais Recicláveis Tabela 21 - Preço dos Materiais Recicláveis Tabela 22 - Preço dos Materiais Recicláveis Tabela 23 - Preços pagos por materiais recicláveis por indústrias recicladoras Tabela 24 - Preço dos Materiais Recicláveis Tabela 25 - Preço dos Materiais Recicláveis Tabela 26 - Preços médios de venda do composto de RSU na região Sul Tabela 27 Tecnologias analisadas segundo o porte dos municípios Tabela 28 - Cenário Base para Tratamento dos RSU vii

9 Tabela 29 - Parâmetro de Projeto para Geração Per Capita de RSU Tabela 30 - Composição Média dos RSU do Modelo Tabela 31 - Composição Média de RSU x Faixa Populacional x Tecnologia Tabela 32 - Síntese de Indicadores Econômicos Tabela 33 - Análise de Sensibilidade Tabela 34 - Síntese de Indicadores Econômicos Tabela 35 - Análise de Sensibilidade Tabela 36 - Síntese de Indicadores Econômicos Tabela 37 - Análise de Sensibilidade Tabela 38 - Síntese dos Indicadores Econômicos Tabela 39 - Análise de Sensibilidade Tabela 40 - Síntese dos Indicadores Econômicos Tabela 41 - Análise de Sensibilidade Tabela 42 - Síntese dos Indicadores Econômicos Tabela 43 - Análise de Sensibilidade Tabela 44 - Faixas populacionais dos municípios da Região Sul Tabela 45 - Aplicabilidade de tecnologias segundo as faixas populacionais viii

10 1. APRESENTAÇÃO A Fundação de Apoio ao Desenvolvimento da Universidade Federal de Pernambuco FADE /UFPE, com sede em Recife, Estado de Pernambuco, na Av. Acadêmico Hélio Ramos nº 336, Cidade Universitária, CEP , CP 7.855, inscrita no CNPJ sob o n.º / , apresenta ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES, o Produto 10 do Contrato N o , referente ao projeto de pesquisa Análise das Diversas Tecnologias de Tratamento e Disposição Final de Resíduos Sólidos no Brasil Europa, Estados Unidos e Japão. O Produto 10 tem o objetivo de apresentar uma análise de algumas das principais tecnologias de tratamento e destinação final dos resíduos sólidos urbanos aplicadas ou sugeridas para o Brasil, considerando os aspectos técnico, econômico e ambiental. A análise foi desenvolvida procurando relacionar os tipos de resíduos gerados no país, seus mercados e as estruturas de custos e receitas e impactos gerados por cada uma das tecnologias identificadas, incluindo os aspectos institucionais e regulatórios que envolvem sua utilização. O capítulo 2 apresenta os procedimentos metodológicos a serem utilizados na avaliação, considerando as características dos resíduos a serem tratados e as técnicas a serem utilizadas na avaliação econômica e ambiental. Também será discutido como as tecnologias analisadas sob o ponto de vista técnico, serão consideradas para uma avaliação de sua aplicação nas diversas regiões do país a partir da construção de hipóteses envolvendo a definição de portes e tecnologias, bem como sobre as limitações inerentes às análises consideradas. O Capítulo 3 apresenta uma discussão sobre a gestão de resíduos sólidos urbanos no Brasil, como forma de subsidiar as análises a serem desenvolvidas. Sem o intuito de esgotar as discussões a respeito da geração de resíduos sólidos urbanos no Brasil, ou mesmo, realizar um diagnóstico 1

11 preciso acerca do assunto, são levantados alguns aspectos relativos ao processo de geração e coleta dos resíduos. No Capítulo 4 as tecnologias de tratamento e disposição final dos resíduos são apresentadas sob o ponto de vista técnico, considerando suas vantagens, desvantagens e aplicações nas regiões brasileiras. O Capítulo 5 apresenta uma discussão sobre o mercado dos produtos resultantes da valorização dos resíduos a partir da reciclagem, compostagem e aproveitamento energético. Os resultados e discussões relativas à avaliação econômica e ambiental das tecnologias de tratamento e disposição final são apresentados no Capítulo 6. O Capítulo 7 apresenta uma análise da natureza da prestação dos serviços de manejo dos resíduos sólidos e da destinação de resíduos sólidos urbanos considerando a Política Nacional de Resíduos Sólidos. O Capítulo 8 apresenta, a partir das análises realizadas nos capítulos anteriores, possíveis rotas tecnológicas que poderão ser consideradas passíveis de implantação de acordo com especificidades regionais. O Capítulo 9 apresenta as considerações finais a respeito das avaliações realizadas nos diversos níveis (técnico, econômico, ambiental). 2

12 2. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 2.1 Escopo da Análise O presente estudo tem como foco a análise de diferentes tecnologias de tratamento e destinação final de resíduos sólidos urbanos passíveis de implantação nas diversas regiões do país. A análise foi elaborada considerando aspectos relacionados à gestão e manejo dos resíduos sólidos urbanos em âmbito nacional e incluem uma avaliação da viabilidade técnica, econômica e ambiental do emprego das tecnologias, considerando diferentes perspectivas. Os estudos de viabilidade atuam como instrumentos de tomada de decisão e como tal, servem como parâmetro de indicação da conveniência e eficácia da implantação de tecnologias de tratamento e disposição final de resíduos sólidos urbanos sob circunstâncias específicas. A partir de exercícios de projeção de futuro, os agentes envolvidos nos processos decisórios podem vislumbrar resultados hipotéticos considerados razoáveis dentro de um panorama de crescimento econômico sustentável e estabilidade econômica. Como se trata de uma análise que envolve incertezas, estudos similares podem produzir resultados que diferem das estimativas aqui apresentadas. Os dados a serem utilizados nas análises, foram coletados no decorrer do período de execução do projeto, em um período de doze meses (de janeiro de 2012 a janeiro de 2013). As informações utilizadas para obtenção dos dados provem de fontes primárias e secundarias. Os dados obtidos a partir de fontes primárias foram coletados durante as visitas técnicas nacionais e internacionais. Foram utilizados também, dados obtidos no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Sistema Nacional de Informação Sobre Saneamento (SNIS), ABRELEPE (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais), Ministério do Meio Ambiente (MMA), Ministério das Cidades (MCid), ABETRE (Associação Brasileira de Tratamento 3

13 de Resíduos), IPEA (Instituo de Pesquisa Econômica Aplicada), Banco do Brasil (BB), Compromisso Empresarial para Reciclagem (CEMPRE), Instituto Socioambiental dos Plásticos (PLASTIVIDA), Planos Metropolitano de Resíduos Sólidos, Associação Brasileira de Celulose e Papel (BRACELPA), Associação Técnica Brasileira das Indústrias Automáticas de Vidro (ABIVIDRO), Associação Brasileira da Indústria do PET (ABIPET), Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), Instituto Aço Brasil, Rota da Reciclagem (TETRAPAK), Relatórios de Projetos do Instituto Comunitário de Florianópolis (Icom) e Instituto Vonpar, Federação das Indústrias dos diversos Estados, Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A (CELESC), além de trabalhos acadêmicos na área. 2.2 Construção das Hipóteses As análises executadas na presente pesquisa contemplam diferentes técnicas de tratamento e disposição final de resíduos. As principais formas de tratamentos existentes e que possuem tecnologias já transferidas e difundidas não apenas no país, mas também em outros países com tecnologias de vanguarda compreendem sistemas de triagem, tratamento biológico, incineração e aterro sanitário em diferentes níveis de evolução (Tabela 01). Tabela 1 - Evolução dos sistemas de tratamento dos resíduos sólidos urbanos. Sistemas Básicos Processos Evolução Produtos Inovação Triagem Físico Coleta Seletiva Tratamento Mecânico Biológico (MBT) Tratamento Biológico Biológico Biodigestores Anaeróbios e Compostagem Matéria Prima para Reciclagem e Energia Composto Orgânico Energia e Waste to Resources (WTR) Waste to Energy (WTE) Agricultura e Waste to Energy (WTE) Incineração Físico Químico Tratamento Térmico Vapor e Energia Elétrica Waste to Energy (WTE) 4

14 Aterros Sanitários Físico, Químico e Biológico Reator Tratamento M.Orgânica Anaeróbio da Biogás (Energia) e Lixiviado Waste to Energy (WTE) Fertilizantes Fonte: Jucá (2011) As tecnologias a serem analisadas foram definidas tomando como base as necessidades consideradas para diferentes portes de município. A Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental (SNAS) do MMA nas publicações dos Diagnósticos do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos dos municípios participantes do SNIS divide os municípios em 06 faixas populacionais. Tomando como base as classes intervalares definidas, os portes das cidades foram definidos em cinco faixas, em uma adaptação daquelas utilizadas pelo MMA. Deste modo, para cada classe intervalar foram definidas tecnologias a ser analisadas, considerando a instalação de unidades de triagem, compostagem, digestão anaeróbia, incineração e aterro sanitário, este último com uma variação que engloba a valorização energética. 2.3 Instrumentos de Análise A viabilidade de implantação de cada uma das tecnologias é determinada a partir de metodologias específicas de avaliação quanto aos aspectos institucional, técnico, econômico e ambiental Análise Institucional A análise do arcabouço institucional sobre o qual se ampara a gestão de resíduos sólidos no país é realizada sob a forma de uma pesquisa com características qualitativa e exploratória, no sentido em que busca aprofundar as discussões, ainda não consolidadas, em âmbito nacional, a respeito dos sistemas de cobrança de gestão e aspectos regulatórios, reunindo mais conhecimentos e novas dimensões a partir de uma abordagem não quantitativa. O sistema de cobrança da gestão de resíduos sólidos urbanos no Brasil 5

15 é analisado a partir da descrição dos modelos de cobrança considerando os seus aspectos regulatórios e legais. São exploradas as formas e abrangência da atividade regulatória e de fiscalização do sistema público, as competências e modelos institucionais das entidades a serem reguladas, bem como são identificadas e discutidas as lacunas existentes no arcabouço regulatório e institucional que tem inviabilizado até então a implantação de um sistema de cobranças operativo e eficiente Análise Técnica As tecnologias relativas às operações de transbordo, triagem, compostagem, incineração e aterro sanitário são analisadas de forma comparativa. A viabilidade técnica de implantação é determinada a partir de uma discussão sintética para cada forma de tratamento empregada para uma mesma solução (ex: triagem manual ou mecânica, incineração com ou sem valorização energética, etc) e suas vantagens de aplicação em diferentes situações Análise Econômica A metodologia empregada para determinar a viabilidade econômica de cada tecnologia analisada segue a aplicação dos modelos tradicionais de avaliação benefício-custo, estimados a partir dos fluxos de caixa representativos das entradas e saídas monetárias de recursos necessários à implantação e operação dos sistemas de tratamento e disposição final de resíduos. Coopeland et al (2000) e Damodaran (2010) destacam a importância da avaliação como ferramenta de gestão capaz de medir o impacto de decisões estratégicas, financeiras e operacionais. Damodaran (2010) define a utilização de fluxos de caixa descontados como um processo de previsão de fluxos futuros de entradas e saídas de caixa envolvendo suposições sobre mercados e nível de preços, ressaltando o caráter de subjetividade dos julgamentos. 6

16 Os investimentos e custos utilizados nos modelos são definidos com base em informações disponibilizadas por empresas e órgãos gestores municipais nacionais e internacionais, bem como em fontes secundárias. A estimativa das receitas é realizada a partir da adoção de hipóteses relacionadas às demandas atuais e futuros de produtos derivados da valorização dos resíduos. Os modelos de avaliação benefício-custo aqui empregados buscam determinar o retorno esperado do investimento e o tempo de recuperação do capital investido, levando em consideração o valor do dinheiro no tempo. Para tanto, serão empregadas as técnicas do Valor Presente Líquido (VPL), Taxa Interna de Retorno (TIR) e Tempo de Recuperação (Payback descontado). O Valor Presente Líquido (VPL) indica o nível de atratividade do investimento considerado. A partir da estimativa da Taxa Interna de Retorno (TIR), também um indicador de atratividade, é possível determinar a receita média de equilíbrio, que pode ser interpretada como o nível de atividade de um determinado empreendimento (ou quantidade de produto ou serviço) a partir do qual ela se torna lucrativa para a empresa, ou seja, o ponto onde as receitas auferidas com a comercialização de determinado produto ou serviço são exatamente suficientes para cobrir todos os gastos relativos à produção. De forma complementar, o Payback permite identificar o tempo necessário para se recuperar o investimento empregado para a implantação das tecnologias. Como o ambiente de determinação da viabilidade de investimentos é permeado de incertezas que são inerentes ao próprio processo de uma análise baseada em estimativas de valores no tempo, é realizada uma avaliação da resposta dos modelos a oscilações nas variáveis projetadas. Deste modo, a análise de sensibilidade é empregada com o objetivo de identificar a susceptibilidade da viabilidade identificada para as tecnologias, a variações nas estimativas de investimentos, custos e receitas definidas para a presente pesquisa. 7

17 2.3.4 Análise Ambiental A metodologia empregada na análise econômica nesta pesquisa não permite a identificação e mensuração dos impactos ambientais e sociais (externalidades) inerentes às atividades relacionadas ao tratamento e disposição final dos resíduos. As externalidades ocorrem quando uma determinada atividade econômica afeta a terceiros, positiva ou negativamente e não são incorporados na determinação de preços de bens e serviços. A internalização das externalidades nos processos de tomada de decisão pressupõe a retomada do estado de bem-estar de forma a garantir a sustentabilidade do sistema. Eunomia et al. (2009), apontam duas formas de valorar emissões ambientais de resíduos sólidos urbanos aceitas internacionalmente: uma baseada na estimativa de custos de danos unitários e outra na utilização de funções dose-resposta. Os benefícios ou custos monetarizados, resultantes deste exercício de valoração podem então ser incorporados nos fluxos de caixa a serem utilizados nos modelos que serão analisados via técnicas de avaliação benefício-custo. Desse modo, a partir da valoração de aspectos relacionados ao nível de emissões e consumo de recursos naturais (solo, água e energia) para cada tecnologia analisada no presente estudo, é realizada uma nova avaliação benefício-custo utilizando a técnica do Valor Presente Líquido, com o objetivo de identificar o impacto causado pela inclusão de variáveis ambientais no processo decisório. Uma análise comparativa entre os resultados gerados na fase de avaliação onde estas variáveis eram ignoradas permite uma estimativa do nível de impacto provocado por tal inclusão. Outra forma de apresentar o impacto de danos ou benefícios ambientais provocados por atividades de tratamento e disposição de resíduos é a utilização de indicadores. O uso deste tipo de indicadores tenta garantir o uso dos recursos naturais nas atividades econômicas sem prejudicar o atendimento 8

18 às necessidades humanas, garantindo o bem-estar das gerações presente e futura. Nesta pesquisa é utilizado o Indicador de Sustentabilidade Tecnológica (IST) aplicado em uma ferramenta de Sistema de Apoio a Decisão (SAD), em desenvolvimento pela equipe. O IST faz uso de indicadores parametrizados em relação a quantidade de resíduos sólidos. Os indicadores foram definidos a partir de pesquisa de opinião realizada junto aos consultores regionais e internacionais componentes da equipe. O índice IST é composto de 03 subíndices, AMBIENTAL (AM), ECONÔMICO (EC) e social (SO), e cada subíndice é composto por 8 indicadores, totalizando 24 indicadores para a composição do IST, conforme apresentado na Tabela 02. ÍNDIC E SUB- ÍNDIC E Tabela 2 - Indicadores que compõem o IST. INDICADORES Código do Indicado r Descrição do Indicador IST AM AM-1 Quantidade de efluente líquido gerado por ano AM-2 Quantidade de dióxido de carbono emitido por ano AM-3 Quantidade de gases de efeito estufa emitidos por ano AM-4 Quantidade de créditos de carbono negociados por ano AM-5 Quantidade de solo utilizado por ano AM-6 Quantidade de energia total consumida no tratamento por ano AM-7 Quantidade de energia térmica/vapor gerada no tratamento por ano AM-8 Área utilizada pela tecnologia EC EC-1 Despesa do tratamento de efluentes líquidos e gasosos por ano EC-2 Receita de venda de créditos de carbono por ano EC-3 Estimativa de despesa em área total por m² EC-4 Receita de venda de energia por ano EC-5 Despesa com construção total (CAPEX) - infraestrutura, equipamentos, etc EC-6 Despesa total de operação por ano (OPEX) - energia, mão-de-obra, encargos fiscais e tributários, etc EC-7 Despesa de encerramento 9

19 EC-8 Receita com materiais recicláveis SO SO-1 Quantidade de empregos formais gerados na planta SO-2 Pessoal técnico SO-3 Pessoal administrativo SO-4 Pessoal operacional SO-5 Nível de formação/ qualificação dos empregados - Abaixo do fundamental (não alfabetizado) SO-6 Nível de formação/ qualificação dos empregados - Fundamental/médio SO-7 Nível de formação/ qualificação dos empregados - Técnico SO-8 Nível de formação/ qualificação dos empregados - Superior Fonte: Elaboração Própria. Tomando os princípios mencionados como parâmetro, o uso de indicadores permite então, que se identifique os impactos causados pela atividade em análise sobre o meio ambiente, relacionando-o com a uma série de parâmetros. Assim, após a etapa de avaliação benefício custo. A Figura 01 representa, de forma esquemática, as etapas seguidas na elaboração da presente pesquisa e descritas a seguir: Etapa 01: envolve um levantamento geral de aspectos relacionados à geração e composição dos resíduos no país, bem como dos aspectos institucionais sobre os quais estão pautadas as decisões relativas ao manejo e gestão dos resíduos; Etapa 02: composta pela identificação e discussão das tecnologias de tratamento e disposição final de resíduos sólidos urbanos, com ênfase naquelas a serem avaliadas; Etapa 03: nesta etapa será realizada a construção das hipóteses relativas às diferentes tecnologias; Etapa04: consiste da construção dos modelos de análise das hipóteses, contemplando a identificação dos pressupostos, 10

20 investimentos, custos e receitas; Etapa05: envolve a aplicação de técnicas benefício-custo para cada hipótese considerada na pesquisa; Etapa 06: baseando-se nos modelos considerados e resultados obtidos é realizada uma análise para verificar a sensibilidade dos modelos a variações nos cenários avaliados; Etapa 07: consiste da identificação dos custos e benefício externos, relativos às características ambientais inerentes aos processos produtivos de cada tecnologia; Etapa 08: envolve uma nova aplicação de técnicas benefíciocusto aos modelos considerados, incluindo as variáveis ambientais; Etapa 09: esta etapa da pesquisa inclui a aplicação de um indicador de sustentabilidade tecnológica, como forma de contribuição à análise dos impactos ambientais das diversas tecnologias de tratamento consideradas; Etapa 10: a última etapa desta pesquisa consiste na indicação e possíveis cenários a serem analisados pelas gestões municipais. 11

21 Figura 1 - Fluxograma de Pesquisa. Fonte: Elaboração Própria. 2.4 Limitações Como toda pesquisa que envolve a utilização de dados econômicos e informações baseadas em indicadores derivados de fontes secundárias, devem ser observadas algumas limitações e restrições durante a análise e interpretação dos resultados apresentados. Com relação ao uso de fontes secundárias, as limitações se reportam às próprias restrições de coleta de dados pelas fontes. Como o objetivo deste produto é avaliar as tecnologias de tratamento e disposição final de RSU de forma genérica, as informações acerca dos custos e receitas geradas, são aquelas disponibilizadas por empresas ou órgãos gestores municipais, informações estas, muitas vezes escassas, restritas e com valores pouco confiáveis e podem não se aplicar em situações específicas. As projeções de demanda e oferta pelas tecnologias e produtos oriundos da valorização dos RSU, são estimadas de acordo com a evolução histórica. 12

22 Isso pode implicar em análises sub ou superestimadas caso haja modificações significativas no panorama econômico nacional, uma vez que ao se utilizar projeções históricas, admite-se um cenário de estabilidade econômica. Destaca-se ainda, que a análise ora realizada se refere à avaliação de cada tecnologia separadamente e de forma hipotética sem se deter a alguma localidade específica. Desse modo não é avaliada a pertinência ou não da combinação de diferentes atividades. Ainda que seja modelada uma realidade possível para cada tecnologia, naturalmente, não há garantia do sucesso de implantação de uma determinada rota tecnológica em uma localidade específica, sendo para tanto, necessário estudos de viabilidade exclusivos. 13

23 3. ASPECTOS DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL 3.1 O Processo de Urbanização no Brasil O crescimento de problemas ambientais ocasionados pela geração de resíduos sólidos urbanos relaciona-se a fenômenos demográficos como o crescimento populacional e os processos de urbanização, bem como ao desenvolvimento econômico da sociedade. O processo de crescimento e urbanização no Brasil apresentou um padrão semelhante ao experimentado por grande parte dos países mais desenvolvidos, ou seja, períodos de explosão demográfica sucedidos por épocas de retração do crescimento. Pela Figura 02 é possível observar que o país passou por um crescimento tímido até a década de 1950, com um aumento de habitantes. Após esse período, até o ano de 2005 ocorreu um crescimento demográfico acentuado, seguido por uma retração no processo, embora ainda com taxas positivas. Em 1991, por exemplo, a taxa média de crescimento no Brasil era de aproximadamente 1,6%, oscilando em torno deste valor até 2005, quando apresentou um decréscimo de cerca de 0,5% em relação ao ano de 1991 e projeções de atingir 1,0% em

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins BASE LEGAL Lei Federal 11.445/2007 e Decreto 7.217/2010 Lei Federal

Leia mais

SITUAÇÃO DA GESTÃO E TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA REGIÃO CENTRO OESTE

SITUAÇÃO DA GESTÃO E TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA REGIÃO CENTRO OESTE ANÁLISE DAS DIVERSAS TECNOLÓGICAS DE TRATAMENTO E DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL, EUROPA, ESTADOS UNIDOS E JAPÃO SITUAÇÃO DA GESTÃO E TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA REGIÃO CENTRO

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Geraldo Antônio Reichert Coordenador da Câmara Temática de Resíduos Sólidos ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

CAPÍTULO. Lixo. O efeito do lixo nas encostas 15. 1. Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2

CAPÍTULO. Lixo. O efeito do lixo nas encostas 15. 1. Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2 CAPÍTULO 15 Lixo O efeito do lixo nas encostas 15. 1 Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2 259 15. 1 O efeito do lixo nas encostas LIXO na ENCOSTA DESLIZAMENTO CAUSADO por LIXO na ENCOSTA Adaptado

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG Diagnóstico da Infraestrutura do Sistema de Coleta e Tratamento de Resíduos Sólidos no Setor de Mobilização 2, bairros Vargem Alegre, Serra Verde, Rio

Leia mais

Site Terra, 05 de Junho de 2013

Site Terra, 05 de Junho de 2013 Site Terra, 05 de Junho de 2013 Mesmo com data para acabar, lixões subsistem no Brasil. Mais da metade dos municípios brasileiros não impõe a destinação adequada ao lixo. Assim, cerca de 75 mil toneladas

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE LOGÍSTICA NOVA ETAPA NA COLETA SELETIVA EM SANTO ANDRÉ

OTIMIZAÇÃO DE LOGÍSTICA NOVA ETAPA NA COLETA SELETIVA EM SANTO ANDRÉ Título do Trabalho: OTIMIZAÇÃO DE LOGÍSTICA NOVA ETAPA NA COLETA SELETIVA EM SANTO ANDRÉ Tema III: Resíduos Sólidos Nome dos autores: Fernando Arlei Cruseiro Ivana Marson Pedro Henrique Milani Apresentação:

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SECOS A BAIXO CUSTO CONDUZ À UNIVERSALIZAÇÃO

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SECOS A BAIXO CUSTO CONDUZ À UNIVERSALIZAÇÃO COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SECOS A BAIXO CUSTO CONDUZ À UNIVERSALIZAÇÃO Tarcísio de Paula Pinto (1) Urbanista, Doutor em Engenharia Urbana e Mestre em Arquitetura e Planejamento pela USP. Diretor da I&T

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE MOSSORÓ-RN

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE MOSSORÓ-RN ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE MOSSORÓ-RN Allyson Leandro Bezerra Silva (*), Paulo Alexandre da Rocha Morais. * UFERSA, Universidade Federal Rural do Semi-Árido Campus

Leia mais

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Experiências e estratégias para coleta e reciclagem de embalagens longa vida ABSTRACT O gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos é uma das questões ambientais

Leia mais

Plano de Saneamento Regional e Municipais

Plano de Saneamento Regional e Municipais 3º Seminário Internacional de Saneamento e 1ª Conferência Regional dos Planos de Saneamento do Consórcio Pró-Sinos Plano de Saneamento Regional e Municipais FEEVALE Novo Hamburgo 02 e 03/12/2013 Resíduos

Leia mais

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO CÂMARA DOS DEPUTADOS Daniela Arantes Alves Lima Eduardo Carvalho Departamento de Economia Solidária Brasília,

Leia mais

COLETA de LIXO. Recolher e transportar resíduos e encaminhá-lo:

COLETA de LIXO. Recolher e transportar resíduos e encaminhá-lo: COLETA de LIXO Conceituação: Recolher e transportar resíduos e encaminhá-lo: 1. A uma estação de transbordo ou 2. À usina de triagem ou 3. Sítio de destinação final. 1 Coleta Deve ser efetuada em cada

Leia mais

Dimensão ambiental. Saneamento

Dimensão ambiental. Saneamento Dimensão ambiental Saneamento Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 135 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Apresenta a parcela da população atendida pelos serviços de coleta

Leia mais

Resíduos Sólidos. Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos

Resíduos Sólidos. Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos 1 Diagnóstico regional Geração média resíduos na região: 1,0 kg/hab/dia Média nacional: 1,1 kg/hab/dia Alta temporada: acréscimo estimado em 54% do total gerado

Leia mais

POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ

POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ JBRJ POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ Victor Zveibil Superintendente de Políticas de Saneamento SUPS/SEA outubro de 2013 O PACTO PELO SANEAMENTO - decreto estadual 42.930/11 SUBPROGRAMA

Leia mais

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU copyright A criatividade com visão de longo prazo Planejamento da Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos 27/08/2015 1 SUMÁRIO 1 ENQUADRAMENTO LEGAL 2 PLANO DE GESTÃO INTEGRADA

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas Odair Luiz Segantini ABRELPE Introdução A ABRELPE ABRELPE Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, fundada

Leia mais

FUNDO DE COLETA SELETIVA E LOGÍSTICA REVERSA COM INCLUSÃO DE CATADORES

FUNDO DE COLETA SELETIVA E LOGÍSTICA REVERSA COM INCLUSÃO DE CATADORES FUNDO DE COLETA SELETIVA E LOGÍSTICA REVERSA COM INCLUSÃO DE CATADORES PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO Decreto 54.991/2014 (leis 12.305/2010, 11.445/2007 e 12.187/2009)

Leia mais

Estudo de Alternativas Tecnológicas para Tratamento dos Resíduos Sólidos Urbanos no Brasil, com base na experiência da Europa, Estados Unidos e Japão

Estudo de Alternativas Tecnológicas para Tratamento dos Resíduos Sólidos Urbanos no Brasil, com base na experiência da Europa, Estados Unidos e Japão Estudo de Alternativas Tecnológicas para Tratamento dos Resíduos Sólidos Urbanos no Brasil, com base na experiência da Europa, Estados Unidos e Japão Prof. José Fernando Thomé Jucá Universidade Federal

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS APRESENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO REGIÃO DO SERTÃO ALAGOANO 1º PARTE CAPACITAÇÃO TÉCNICA O que é o Plano de Resíduos? O que é o Plano de Resíduos?

Leia mais

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015.

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. CONTEÚDO 1. Políticas e Planos de Saneamento Básico e de Resíduos

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo Ariovaldo Caodaglio Município de São Paulo DADOS DEMOGRÁFICOS População (2010) 11.253.503 Densidade demográfica (hab./km²) 7.387,69 Território (Km²) 1.521,101

Leia mais

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado.

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. Ribeirão Preto, 08 de junho de 2011 Semana do Meio Ambiente AEAARP Associação de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto

Leia mais

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs:

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs: Institucional A Unidade de Recuperação Energética (URE) Barueri é um empreendimento da Foxx Haztec, empresa líder em serviços ambientais no Brasil com atuação nas áreas de resíduos sólidos, consultoria

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP.

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP. TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

Pinhalzinho. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento

Pinhalzinho. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento Pinhalzinho Aspectos Gerais Pinhalzinho Relação Pinhalzinho x CISBRA 5% dos habitantes do CISBRA 3% da pop. urbana do CISBRA 12% da pop. rural do CISBRA CISBRA Área CISBRA 2.576,553 km² Pinhalzinho 154,531

Leia mais

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Introdução O Plano Nacional de Resíduos Sólidos é um

Leia mais

MORUNGABA. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento

MORUNGABA. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento MORUNGABA Aspectos Gerais - Morungaba CISBRA Relação Populacional Morungaba x CISBRA 4% dos habitantes do CISBRA 4% da pop. urbana do CISBRA 3% da pop. rural do CISBRA Área CISBRA 2.576,553 km² Morungaba

Leia mais

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SETEMBRO, 2014 INSTRUMENTOS LEGAIS RELACIONADOS À CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA E DO PLANO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei n. 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

EVOLUÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE BENTO GONÇALVES, R.S.- NO PERÍODO DE 1993 A 2001.

EVOLUÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE BENTO GONÇALVES, R.S.- NO PERÍODO DE 1993 A 2001. EVOLUÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE BENTO GONÇALVES, R.S.- NO PERÍODO DE 1993 A 2001. Vania Elisabete Schneider (1)(*) : Departamento de Ciências Exatas e da Natureza (DCEN/CARVI).

Leia mais

Edital de Consulta Pública Nº 02//2010 BNDES/FEP

Edital de Consulta Pública Nº 02//2010 BNDES/FEP Edital de Consulta Pública Nº 02//2010 BNDES/FEP Análise das Diversas Tecnológicas de Tratamento e Disposição Final de Resíduos Sólidos no Brasil, Europa, Estados Unidos e Japão SEMINÁRIO RECIFE COORDENAÇÃO

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção.

Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção. Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção. Nádia D. de Souza 1 Kátia G. de Laia 2 Mariana O. Silva 3 Estevão L. M. Gomes 4 Tiago L. A.

Leia mais

MÓDULO I: Universalização da coleta seletiva

MÓDULO I: Universalização da coleta seletiva PROJETO LIXO LIMPO: MÓDULO I MÓDULO I: Universalização da coleta seletiva VANTAGENS PARA TODA A COMUNIDADE O primeiro módulo visa a Universalização da Coleta Seletiva, promove a consciência ambiental e

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS E RECICLAGEM

RESÍDUOS SÓLIDOS E RECICLAGEM RESÍDUOS SÓLIDOS E RECICLAGEM MAIO / 2011 SMH / IAB ANGELA FONTI Diretora Presidente da Comlurb 1. Serviços de Limpeza (varrição, capina, roçada, limpeza de valas e encostas) 2. Coleta Domiciliar 3. Remoção

Leia mais

Projeto para Aplicação de MDL na Redução de Emissões em Aterros de Resíduos Sólidos

Projeto para Aplicação de MDL na Redução de Emissões em Aterros de Resíduos Sólidos MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria de Qualidade Ambiental nos Assentamento Humanos MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Projeto para Aplicação de MDL na Redução de Emissões

Leia mais

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte.

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Luzenira Alves Brasileiro Universidade Estadual Paulista UNESP Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira FEIS Departamento de

Leia mais

PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE GUARULHOS PDRS CONGRESSO MUNDIAL ICLEI 2012

PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE GUARULHOS PDRS CONGRESSO MUNDIAL ICLEI 2012 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE GUARULHOS PDRS CONGRESSO MUNDIAL ICLEI 2012 Junho / 2012 Guarulhos Região Metropolitana de São Paulo 2ª economia do estado de São Paulo 9ª economia do Brasil 320 km²

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções

Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções Renato Teixeira Brandão Diretor de Gestão de Resíduos Fundação Estadual do Meio Ambiente Políticas de Resíduos Sólidos Política Estadual de

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO Balanço dos cinco anos da Política Municipal de Mudança do Clima de São Paulo Rede Nossa São Paulo 20/05/2014 Plano de Metas da PMSP

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM DOIS BAIRROS DE CLASSES SOCIAIS DISTINTAS NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA PALHA ES

CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM DOIS BAIRROS DE CLASSES SOCIAIS DISTINTAS NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA PALHA ES CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM DOIS BAIRROS DE CLASSES SOCIAIS DISTINTAS NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA PALHA ES Leandro Cezar Valbusa Bragato¹ Acadêmico de Engenharia Ambiental

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos Plano de ações para incrementar a reciclagem de embalagens pósconsumo de produtos não perigosos PILARES DOS ACORDOS SETORIAIS Os acordos setoriais devem promover a

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Reflexos imediatos para os municípios. 10 Fórum de Saneamento e Meio Ambiente

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Reflexos imediatos para os municípios. 10 Fórum de Saneamento e Meio Ambiente POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Reflexos imediatos para os municípios 10 Fórum de Saneamento Estímulo à demanda por novos objetos Inviabilização do uso prolongado dos objetos É uma

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS NOTA TÉCNICA PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS Esta Nota Técnica tem o objetivo de reforçar junto aos Municípios do Estado de Pernambuco sobre os Planos Municipais de Gestão

Leia mais

PLANO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM DESAFIO COM MAIS OPORTUNIDADES

PLANO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM DESAFIO COM MAIS OPORTUNIDADES PLANO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM DESAFIO COM MAIS OPORTUNIDADES Gustavo Luiz Araújo Souto BATISTA 1, Gustavo Fontes de SOUSA 1, Aristóteles Santos LIRA 1, Felipe Fernandes Duarte de Oliveira LIMA

Leia mais

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS AGENDA GESTÃO INTEGRAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) CARACTERÍSTICAS DA SOLUÇÃO EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL COM SOLUÇÃO INTEGRADA BENEFÍCIOS

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA JULHO/97 N 12 Resíduos Sólidos Urbanos INTRODUÇÃO Um dos maiores desafios com que se defronta a sociedade moderna é o equacionamento da questão

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NÚCLEO DE ESTUDO E PESQUISA EM RESÍDUOS SÓLIDOS III SIMPÓSIO SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS III SIRS (2013)

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NÚCLEO DE ESTUDO E PESQUISA EM RESÍDUOS SÓLIDOS III SIMPÓSIO SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS III SIRS (2013) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NÚCLEO DE ESTUDO E PESQUISA EM RESÍDUOS SÓLIDOS III SIMPÓSIO SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS III SIRS (2013) Estudo de caso: Diagnóstico do sistema de manejo de resíduos sólidos domiciliares

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

Políticas Setoriais. Base Legal. Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira. Gestão Ambiental Políticas Setoriais

Políticas Setoriais. Base Legal. Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira. Gestão Ambiental Políticas Setoriais Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira Gestão Ambiental Políticas Setoriais Políticas Setoriais Políticas específicas, que estabelecem diretrizes para assuntos/temas específicos e/ou que

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE

POLÍTICA NACIONAL DE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 15/09/2014: implantação - situação atual Joaquim Antônio de Oliveira joaquim.oliveira@mma.gov.br (61) 2028 2504 Resíduos sólidos: um problema de caráter social, ambiental

Leia mais

I-048 - ALTERNATIVAS PARA A GESTÃO E O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE/CE

I-048 - ALTERNATIVAS PARA A GESTÃO E O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE/CE I-048 - ALTERNATIVAS PARA A GESTÃO E O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE/CE Rebeca Silva de Oliveira (1) Graduanda do Curso Tecnologia em Saneamento Ambiental no Instituto

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

Conscientização da Gestão dos Resíduos Sólidos no Município de São Paulo

Conscientização da Gestão dos Resíduos Sólidos no Município de São Paulo SECRETARIA MUNICIPAL DE SERVIÇOS Conscientização da Gestão dos Resíduos Sólidos no Município de São Paulo DEPARTAMENTO DE LIMPEZA URBANA LIMPURB ATRIBUIÇÕES DO LIMPURB LIMPURB E ATRIBUIÇÕES TÉCNICAS LEI

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA GOMIDES, J.E. 1 ; SCHENKEL, C.A. 2 ; SOUSA, J.S. 3 1 Acadêmica do Curso Superior de

Leia mais

PROPOSTA E ORIENTAÇÃO PARA A REESTRUTURAÇÃO DAS POLÍTICAS DE RESÍDUOS

PROPOSTA E ORIENTAÇÃO PARA A REESTRUTURAÇÃO DAS POLÍTICAS DE RESÍDUOS PROPOSTA E ORIENTAÇÃO PARA A REESTRUTURAÇÃO DAS POLÍTICAS DE RESÍDUOS Texto de apoio à discussão sobre o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos do município de Osasco Secretaria de Planejamento

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere.

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. Março de 2015 DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA HISTÓRICO

Leia mais

PANORAMA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ANGELA NOBREGA FONTI. Rio de Janeiro, setembro de 2010

PANORAMA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ANGELA NOBREGA FONTI. Rio de Janeiro, setembro de 2010 PANORAMA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ANGELA NOBREGA FONTI DIRETORA PRESIDENTE DA COMLURB - RJ Rio de Janeiro, setembro de 2010 Prefeitura do Rio de Janeiro Comlurb SUMÁRIO

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL O arranjo produtivo dedicado aos resíduos sólidos é uma iniciativa inovadora de agentes produtivos locais como a Ascoles,

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Rio de Janeiro (RJ), 31 de Agosto de 2012. Heverthon Jeronimo da Rocha Gerente Técnico de Meio Ambienta - URBANA

Rio de Janeiro (RJ), 31 de Agosto de 2012. Heverthon Jeronimo da Rocha Gerente Técnico de Meio Ambienta - URBANA Rio de Janeiro (RJ), 31 de Agosto de 2012. Heverthon Jeronimo da Rocha Gerente Técnico de Meio Ambienta - URBANA Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos do Município de Natal Área 170,298

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso CURSO DE CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS E DE GESTORES PÚBLICOS PARA ESTUDO DE VIABILIDADE E PROJETO DE TRATAMENTO MECANICO-BIOLOGICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Contexto Desde a promulgação da Lei nº 11.445/2007

Leia mais

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS o o In In te g rr a d a R de es s e íd d í u o s ã t s Só Só l i i l d d e o o G s s Apoio: Proposta de Atuação na Cadeia da Reciclagem e na Gestão dos Resíduos Sólidos

Leia mais

O município e sua atribuição na PNRS o que devemos fazer. Eng. Sebastião Ney Vaz Júnior

O município e sua atribuição na PNRS o que devemos fazer. Eng. Sebastião Ney Vaz Júnior O município e sua atribuição na PNRS o que devemos fazer Eng. Sebastião Ney Vaz Júnior Considerações iniciais o nível de urbanização da população que, no caso do Brasil, ultrapassou a marca de 80% dos

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 6 Armazenamento e Coleta. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 6 Armazenamento e Coleta. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015 Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 6 Armazenamento e Coleta Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março

Leia mais

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR CONFERÊNCIA WASTE TO ENERGY 2014 MARILIA TISSOT DIRETORA EXECUTIVA VIABILIDADE

Leia mais

Guarulhos. Dados Estatísticos. Malha Rodoviária

Guarulhos. Dados Estatísticos. Malha Rodoviária Dados Estatísticos Guarulhos Região metropolitana Estado de São Paulo de São Paulo 2ª economia do estado de São Paulo 9ª economia do Brasil Tem extensão territorial de 320 km², sendo composta por 47 Bairros

Leia mais

PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA. www.funasa.gov.br www.facebook.com/funasa.oficial twitter.com/funasa

PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA. www.funasa.gov.br www.facebook.com/funasa.oficial twitter.com/funasa PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA Funasa Programa de Cooperação Técnica Visa criar condições de sustentabilidade para o adequado atendimento populacional. Ênfase será conferida à qualificação dos investimentos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos

Leia mais

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 INTRODUÇÃO Reconhecendo a importância da oferta de saneamento para a melhoria da infraestrutura

Leia mais

Conferência Municipal de Meio Ambiente de Belo Horizonte 2013

Conferência Municipal de Meio Ambiente de Belo Horizonte 2013 Conferência Municipal de Meio Ambiente de Belo Horizonte A) AÇÕES PRIORITÁRIAS RELATIVAS A POLÍTICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - propostas a serem encaminhadas para a Conferência Estadual de Meio Ambiente CEMA-MG

Leia mais

MODELOS DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ESTADO DO PARANÁ

MODELOS DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ESTADO DO PARANÁ X SEMINÁRIO NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 18 DE ABRIL DE 2013, FLORIANÓPOLIS/SC MODELOS DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ESTADO DO PARANÁ Tibagi São Mateus do Sul Santana do Itararé São José dos Pinhais

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

MUNICÍPIO DE CASCAVEL SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR.

MUNICÍPIO DE CASCAVEL SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR. MUNICÍPIO DE CASCAVEL SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR. KEILA KOCHEM ENG.ª AMBIENTAL DIVISÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis

Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis Caro, candidato(a) à prefeito(a), após mais de 20 anos de tramitação

Leia mais

Estudo Comparativo da Geração Per Capita de Resíduos Sólidos entre os Condomínios do Lago e Caraíbas, em Goiânia - Goiás

Estudo Comparativo da Geração Per Capita de Resíduos Sólidos entre os Condomínios do Lago e Caraíbas, em Goiânia - Goiás Estudo Comparativo da Geração Per Capita de Resíduos Sólidos entre os Condomínios do Lago e Caraíbas, em Goiânia - Goiás RABELO, B.L. a*, ASSUNÇÃO, S. G. S. a,b, VENTUROLI, F. b a. Pontifícia Universidade

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA REGULAMENTAÇÃO Simone Paschoal Nogueira Coordenadora de Legislação da ABLP WORKSHOP PNRS ABLP 1º de março de 2011 - Instituto de Engenharia Legislação Leie Federal

Leia mais

Diagnóstico Analítico da Gestão dos Resíduos Sólidos no Brasil

Diagnóstico Analítico da Gestão dos Resíduos Sólidos no Brasil Diagnóstico Analítico da Gestão dos Resíduos Sólidos no Brasil OPAS - Ministério das Cidades Realização: Água e Vida Confiabilidade das Informações * Terminologia adotada * Informações técnicas * Qualidade

Leia mais

ESTUDOS PARA A REESTRUTURAÇÃO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE COLETA SELETIVA DE CANOAS

ESTUDOS PARA A REESTRUTURAÇÃO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE COLETA SELETIVA DE CANOAS ESTUDOS PARA A REESTRUTURAÇÃO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE COLETA SELETIVA DE CANOAS Consolidação dos estudos desenvolvidos para o Programa Municipal de Coleta Seletiva de Canoas/RS 2014 SUMÁRIO 1. Apresentação...

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

Normatização e legislação aplicada: diretrizes e parâmetros de licenciamento e controle no estado de São Paulo

Normatização e legislação aplicada: diretrizes e parâmetros de licenciamento e controle no estado de São Paulo Normatização e legislação aplicada: diretrizes e parâmetros de licenciamento e controle no estado de São Paulo João Wagner Silva Alves Assessor da Presidência da CETESB SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Normatização

Leia mais

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012.

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012. PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA 1 São José, dezembro de 2012. CONSIDERAÇÕES INICIAIS: Atendendo às determinações do Contrato 697/2012, as informações

Leia mais

Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo. Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011

Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo. Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011 Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011 ANÁLISE DE FLUXOS DE CAIXA EM AMBIENTES DE NCERTEZA E SUA APLICAÇÃO

Leia mais

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Painel Cobertura e Qualidade dos Serviços de Saneamento Básico Zélia Bianchini Diretoria de Pesquisas 1 São Paulo, 08/10/2013

Leia mais

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL Maria de Fátima Nunesmaia(1)

Leia mais