Figura 7.1 Fluxo de energia em motores elétricos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Figura 7.1 Fluxo de energia em motores elétricos."

Transcrição

1 CAPÍTULO 7 MOTORES DE INDUÇÃO 7.1 INTRODUÇÃO ÀS MÁQUINAS ELÉTRICAS As máquinas elétricas podem ser classificadas em dois grupos: a) geradores, que transformam energia mecânica oriunda de uma fonte externa (como a energia potencial de uma queda d água ou a energia cinética dos ventos) em energia elétrica (tensão); b) motores, que produzem energia mecânica (rotação de um eixo) quando alimentados por uma tensão (energia elétrica), como se vê na Figura 7.1. Figura 7.1 Fluxo de energia em motores elétricos. Geradores e motores só se diferenciam quanto ao sentido de transformação da energia, possuindo ambos a mesma estrutura básica: um elemento fixo, chamado estator, e outro móvel, capaz de girar (o rotor). Nesses elementos são fixados enrolamentos onde a corrente circula: um desses enrolamentos é capaz de gerar os campos magnéticos necessários ao funcionamento da máquina e é chamado enrolamento de campo; o outro é chamado enrolamento de armadura (ou induzido, no caso de geradores). Em algumas máquinas, a armadura está no estator e o enrolamento de campo no rotor; em outras ocorre o inverso. O tipo de corrente (CC ou CA) que circula nesses enrolamentos estabelece qual o tipo de máquina. A Figura 7.2 mostra os diversos tipos de máquinas disponíveis; dentre todas elas, destacam-se os motores assíncronos (ou de indução), utilizado na maior parte dos equipamentos que requerem acionamento elétrico. Por sua importância, resultado de sua confiabilidade, baixo custo e versatilidade, os motores de assíncronos terão maior destaque neste curso. De acordo com Filippo Filho (2002), aproximadamente 40% de toda a energia elétrica consumida no Brasil é usada para o acionamento de motores elétricos, sendo que no setor industrial cerca de 50% da energia consumida deve-se a este tipo de máquina elétrica. Segundo o mesmo autor, há estimativas de que exista grande número de instalações industriais no Brasil onde mais de 80% do consumo deva-se a motores elétricos.

2 Figura 7.2 A árvore das máquinas elétricas 7.2 PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Na região em torno de um ímã acontecem alguns fenômenos especiais, como a atração de fragmentos de ferro ou o desvio da agulha de uma bússola. Diz-se que nesta região existe um campo magnético, o qual pode ser representado por linhas de indução (figura 7.3a). Também ao redor de um condutor percorrido por corrente elétrica existe um campo magnético, cuja intensidade é diretamente proporcional ao módulo da corrente. Este campo pode ser intensificado se este condutor for enrolado, formando uma bobina ou enrolamento (Figura 7.3b). Nesses casos, a intensidade do campo magnético é diretamente proporcional à corrente. (a) Figura 7.3 Campo magnético: (a) de um ímã; (b) de um enrolamento (bobina) percorrido por corrente. 64 (b)

3 Campos magnéticos são mensurados através de uma grandeza chamada indução magnética (simbolizada pela letra B), cuja unidade no SI é o Tesla (T). O valor de B é maior nas regiões onde as linhas estão mais concentradas. Denomina-se fluxo magnético (símbolo ) ao número de linhas de indução que atravessa a superfície delimitada por um condutor (uma espira, por exemplo). Esta grandeza é medida em Webbers (Wb), no SI. Em 1831, Michael Faraday descobriu que quando o fluxo magnético em um enrolamento varia com o tempo, uma tensão u é induzida nos terminais da mesmo; o valor desta tensão é diretamente proporcional à rapidez com que o fluxo varia. Então, a Lei de Faraday (ou Lei da Indução Eletromagnética) pode ser expressa por onde N = número de espiras do enrolamento d /dt = taxa de variação do fluxo magnético d u N (7.1) dt Se os pólos de um ímã forem postos a girar ao redor de uma espira, como representado na Figura 7.4, o fluxo nesta varia com o tempo, induzindo uma tensão entre seus terminais; se estes formarem um percurso fechado, haverá neles a circulação de uma corrente induzida i. 65 Figura 7.4 Ação de motor No estudo do Eletromagnetismo, aprende-se que se um condutor estiver imerso em um campo magnético e for percorrido por corrente elétrica, surge uma força de interação dada por onde F = força de interação B = valor da indução magnética = comprimento dos lados da espira i = intensidade da corrente no condutor F i B (7.2) É esta força que produz um conjugado nos lados da espira, fazendo-a girar (ação de motor). A Figura 7.5 mostra os campos magnéticos formados pela alimentação trifásica em um motor, no qual os enrolamentos de campo estão localizados no estator. O campo magnético de cada fase é representado por um vetor e a soma vetorial dos mesmos dá o campo resultante. Observa-se que o efeito é o de um ímã girando ao redor do rotor, produzindo a ação de motor, tal como descrita no parágrafo anterior. A velocidade com que esse campo girante opera é chamada velocidade síncrona (n s ), dada por

4 onde f = freqüência da rede de alimentação (em Hz) P = número de pólos do motor n s 120 f (rpm) (7.3) P Figura 7.5 Formação de campo girante num motor trifásico O número de pólos do motor é sempre é inteiro e par. Assim, pode-se construir motores com qualquer número de pólos, embora no comércio estejam disponíveis apenas motores de 2, 4, 6 ou 8 pólos. A velocidade de um motor de indução sempre será menor que a síncrona 1, caso contrário não se conseguiria a variação de fluxo necessária para induzir corrente no enrolamento de armadura. Denomina-se escorregamento (s) à relação onde n s = velocidade síncrona (em rpm) n = velocidade do motor (em rpm) n s n s 100 (%) (7.4) n s 7.3 ESTRUTURA E CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS A Figura 7.6 mostra a estrutura de motor de indução, que se compõe basicamente de duas elementos: o estator, que é a parte imóvel da máquina, e o rotor, que se movimenta de forma rotativa. 1 Por isso esses motores são também chamados assíncronos. 66

5 Figura 7.6 Estrutura de um motor de indução fechado Estator É construído com chapas de material magnético e recebe o enrolamento de campo, cujas espiras são colocadas em ranhuras, como mostra a Figura 7.7. O enrolamento de campo pode ser mono ou trifásico. A maneira como esse enrolamento é construído determina o número de pólos do motor, entre outras características operacionais. Suas pontas (terminais) são estendidas até uma caixa de terminais, onde pode ser feita a conexão com a rede elétrica de alimentação. (a) Figura 7.7 Enrolamento de campo de um motor de indução: (a) execução dos enrolamentos; (b) núcleo com enrolamento completo. (b) Rotor Aqui é montado o enrolamento de armadura; no caso mais comum, êle é constituído de condutores retilíneos interligados nas duas extremidades por anéis de curto-circuito (Figura 7.8a), o que lhe dá a forma de uma gaiola. Existe um outro tipo de rotor, dito bobinado, onde os terminais das fases do enrolamento 67

6 de armadura são ligados a anéis deslizantes, permitindo a inserção de elementos que auxiliem na partida do motor. Na Figura 7.8b mostra-se o rotor completo, com o eixo posicionado, na ponta do qual há uma flange. (a) Figura 7.8 Enrolamento de armadura de um motor de indução: (a) rotor gaiola; (b) rotor montado (corte). Fazem parte do motor, ainda, as tampas dianteira e traseira, que servem de proteção, o ventilador que auxilia no resfriamento dos enrolamentos, os rolamentos e a caixa de ligações. As principais dimensões dos motores são mostradas na Figura 7.9. Elas são normatizadas por duas entidades: a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), a qual é filiada à International Eletrotechnical Comission (IEC) a National Electrical Manufacturers Association (NEMA) (b) Figura Dimensões dos motores de acordo com a ABNT/IEC (letras entre parênteses) e a NEMA. A Tabela 7.1 mostra as dimensões conforme especificações das duas entidades 2. No caso das especificações da ABNT/IEC, as máquinas são designadas pela altura da ponta de eixo (H), seguida de uma letra, a qual pode ser S (de short = curta), M (de medium = média) ou L (de long = longa); essa letra designa a relação entre o comprimento da carcaça (B) e a altura da ponta de eixo (H). 2 Embora no Brasil valham somente as normas da ABNT, é importante ter conhecimento das especificações da NEMA, já que a exportação de motores para os EUA é expressiva; além disso, alguns equipamentos importados são acionados por máquinas especificadas de acordo com as normas da NEMA. 68

7 Tabela 7.1 Dimensões padronizadas das máquinas elétricas conforme a ABNT/IEC e a NEMA ABNT/IEC H A B C K D E ABNT/IEC H A B C K D E NEMA D 2E 2F BA H U N-W NEMA D 2E 2F BA H U N-W 90 S j L m T 88,9 139,6 101,6 57,15 8,7 22,2 57, T 203,2 317,6 304, , ,4 90 L j S m T 88,9 139, ,15 8,7 22,2 57, T 228,6 355,6 285, ,7 60,3 149,2 112 S j M m T 114,3 190,4 114, ,7 18,6 69,9 365 T 228,5 355,6 311, ,7 60,3 149,2 112 M j S m T 114,3 190,4 136, ,7 28,6 69,9 404 T ,4 311, , ,2 132 S k M m T 133, , ,7 34,9 85,7 405 T ,4 349, , ,2 132 M k S m T 133, , ,7 34,9 85,7 444 T 279,4 457,2 368, ,6 85,7 215,9 160 M k M m T 158, , ,5 41,3 101,8 445 T 279,4 457,2 419, ,6 85,7 215,9 160 L k S m T 158, ,5 41,3 101,6 504 Z 317, ,4 215,9 31,8 92,1 269,9 180 M k6 117,5 315 M m T 177,8 279,6 241, ,5 47,6 117,5 505 Z 317, ,2 215,9 31,8 92,1 269,9 180 L k M m T 177,8 279,6 279, ,5 47,6 117, ,3 584,2 558, ,4 295,3 200 M L m T 203,2 317,6 266, , , ,3 584, ,4 295,3 Além das dimensões, uma importante característica dos motores é seu índice de proteção, dado pelas letras IP seguindas de dois algarismos. O primeiro indica a proteção contra a penetração de corpos sólidos estranhos e contato acidental; o segundo refere-se à proteção contra a penetração de água. O significado dos algarismos é dado na Tabela 7.2. Tabela 7.2 Índice de proteção dos motores 1 o Algarismo 2 o Algarismo 0 Sem proteção 0 Sem proteção 1 Corpos estranhos de dimensões maiores que 50 mm 1 Pingos de água na vertical (toque acidental com a mão) 2 Corpos estranhos de dimensões maiores que 12 mm (toque com os dedos) 2 Pingos de água até a inclinação de 15 o com a vertical 4 Corpos estranhos de dimensões maiores que 1 mm (ferramentas) 3 Pingos de água até a inclinação de 60 o com a vertical 5 Proteção contra acúmulo de poeira prejudicial ao motor 4 Respingos em todas as direções (proteção completa contra toques) 5 Jatos de água em todas as direções 6 Água em vagalhões 7 Imersão temporária 8 Imersão permanente Obviamente, não se podem encontrar motores com quaiquer combinações desses dois algarismos. Os índices de proteção mais comuns são: 12, 22, 23, 44, 54 e 55; os três primeiros são considerados motores abertos e os demais são motores fechados. Uma última característica construtiva dos motores é sua classe de isolamento, que diz respeito à máxima temperatura de trabalho de seus enrolamentos. As classes são A (105 o C), E (120 o C), B (130 o C), F (155 o C) e H (180 o C). A ultrapassagem desses valores produz a degradação do isolamento dos enrolamentos, reduzindo a vida útil do 69

8 motor e podendo provocar curtos-circuitos, caso em que a máquina precisará ser rebobinada. 7.4 MOTORES TRIFÁSICOS. CARACTERÍSTICAS NOMINAIS Quando comparados com os motores monofásicos de mesma potência e velocidade, os trifásicos só apresentam vantagens: são menos volumosos e têm menor peso (em média 4 vezes); têm preço menor; podem ser encontrados em uma ampla faixa de potência (tipicamente de 1/8 a 500 cv); não necessitam de dispositivo de partida, o que diminui seu custo e a necessidade de manutenção; apresentam rendimento maior e fator de potência mais elevado, o que se reflete em menor consumo (em média 20% menos) O único ponto desfavorável é que os motores trifásicos necessitam de rede trifásica para a alimentação, o que nem sempre está disponível nas instalações. As principais características dos motores de indução são indicadas na placa de identificação, semelhante à mostrada na Figura As principais informações obtidas nesta placa são apresentadas a seguir. Figura 7.10 Placa de identificação de um motor de indução (WEG Motores S.A.) Potência Nominal Um motor elétrico recebe potência da rede elétrica (potência de entrada, P e ) e a transforma em potência mecânica (potência na saída, P s ) para o acionamento de uma carga acoplada ao eixo (Figura 7.11). A diferença entre as perdas na entrada e na saída constitui-se na perda do motor, e pode ser relacionada por seu rendimento ( ), dado por 70

9 P s (7.5) P e Figura 7.11 Fluxo da potência em um motor A potência nominal de um motor é a máxima potência que a máquina é capaz de disponibilizar continuamente em seu eixo quando alimentada com tensão e freqüência nominais. É a potência na saída do motor e, sendo do tipo mecânico, é normalmente expressa em cv ou hp. Os motores de indução abrangem uma ampla faixa de potência, tipicamente de 1/8 até 500 cv; a Tabela 7.3 mostra a potência nominal (em cv e kw) de uma linha de motores com 2 pólos. Tabela 7.3 Características de motores de indução trifásicos, 2 pólos, com alimentação de 220 V, 60 Hz (WEG Motores SA) CONVENÇÕES P = potência nominal C n = conjugado nominal cos = fator de potência n = velocidade nominal C p = conjugado de partida FS = fator de serviço I n = corrente nominal C max = conjugado máximo J = momento de inércia (GD 2 ) I p = corrente de partida = rendimento t p = tempo com rotor bloqueado a quente P cos Carcaça In* Cn J tp Peso rpm % Pn % Pn FS (cv) (kw) ABNT (A) Ip/In (kgf/m) Cp/Cn Cmax/Cn (kgm 2 ) (s) (kg) ,16 0, ,8 5,7 0,03 3,8 4, ,58 0,67 0,76 1,35 0,0003 9,0 6,0 0,25 0, ,1 5,9 0,05 3,9 4, ,60 0,69 0,75 1,35 0,0003 8,0 6,5 0,33 0, ,3 5,0 0,07 2,9 3, ,71 0,74 0,75 1,35 0,0004 8,0 6,5 0,5 0, ,8 5,2 0,10 2,8 2, ,76 0,79 0,80 1,25 0,0004 8,5 6,5 0,75 0, ,6 5,4 0,15 3,2 3, ,66 0,76 0,78 1,25 0,0005 7,5 7,5 1,0 0, ,2 6,8 0,20 2,6 2, ,72 0,82 0,88 1,25 0,0006 6,0 9,9 1,5 1, ,8 7,8 0,30 3,5 3, ,68 0,78 0,84 1,15 0,0016 6,0 15 2,0 1, ,0 6,2 0,40 2,9 3, ,76 0,81 0,83 1,15 0,0016 6,0 16 3,0 2,2 90S ,0 7,0 0,60 3,3 3, ,75 0,80 0,82 1,15 0,0023 6,0 20 4,0 3 90L ,0 8,1 0,80 3,7 3, ,70 0,77 0,81 1,15 0,0026 6,0 23 5,0 3,7 100L ,0 9,0 1,00 2,7 3, ,76 0,85 0,91 1,15 0,0064 6,5 32 6,0 4,5 112M ,0 8,6 1,20 2,5 3, ,78 0,84 0,87 1,15 0,0088 6,0 41 7,5 5,5 112M ,0 7,8 1,50 2,6 3, ,78 0,85 0,89 1,15 0,0104 6, ,5 132S ,0 7,2 2,00 2,0 3, ,86 0,90 0,93 1,15 0,0179 6, ,5 9,2 132M ,0 8,4 2,50 2,4 2, ,84 0,89 0,93 1,15 0,0210 6, M ,0 8,7 3,00 2,6 3, ,88 0,91 0,93 1,15 0,0229 6, M ,0 8,8 4,00 2,5 3, ,85 0,89 0,92 1,15 0,0530 6, ,5 160M ,0 8,2 5,00 2,6 3, ,89 0,91 0,93 1,15 0,0620 6, L ,0 7,9 6,00 2,5 3, ,87 0,91 0,94 1,15 0,0680 6, M ,2 8,0 3,3 2, ,87 0,90 0,92 1,15 0, , L ,0 10,0 3,4 3, ,87 0,90 0,91 1,00 0,3330 8, S/M ,0 12,0 2,0 2, ,82 0,87 0,89 1,00 0, , S/M ,0 15,0 2,8 3, ,87 0,89 0,89 1,00 0, , S/M ,5 20,0 2,5 2, ,88 0,90 0,91 1,00 0,6100 7, S/M ,6 25,0 1,3 2, ,89 0,90 0,91 1,00 1,2200 8, S/M ,3 30,0 1,5 2, ,90 0,91 0,91 1,00 1, , S/M ,5 35,0 1,9 2, ,90 0,91 0,91 1,00 1, , S/M ,6 40,0 1,5 2, ,90 0,91 0,91 1,00 1, , S/M ,0 50,0 1,5 2, ,89 0,91 0,91 1,00 2, , M/L ,0 60,0 1,1 2, ,88 0,89 0,89 1,00 3, , M/L ,6 70,0 1,2 2, ,89 0,90 0,91 1,00 3, , M/L ,6 80,0 1,3 2, ,89 0,90 0,91 1,00 3, , M/L ,8 90,0 1,4 2, ,90 0,91 0,91 1,00 4, , * Para obter a corrente em 380V multiplicar por 0,577. Em 440 multiplicar por 0,5. 71

10 É importante lembrar que nem sempre um motor estará operando com potência nominal. O percentual de plena carga ( ) expressa o quanto dessa potência nominal está sendo utilizada pelo motor, isto é P u (7.6) P onde P u = potência que está sendo usada (cv, hp ou W) P n = potência nominal do motor (cv, hp ou W). O conhecimento de é importante porque tanto o rendimento ( ) como o fator de potência (cos ) variam com esta grandeza: os fabricantes de motores costumam forner estes valores para 3 situações de percentual de plena carga (50%, 75% e 100%), como se pode ver na Tabela 7.3. Observa-se ali que os maiores valores de e de cos ocorrem quando a máquina está operando a plena carga. Chama-se fator de serviço (FS) ao valor que, multiplicado pela potência nominal, indica a carga permissível que pode ser aplicada continuamente ao motor, sob condições especificadas 3. Este valor está na faixa de 1,0 a 1,35 e, de maneira geral, pode-se dizer que motores menores têm maior FS (V. Tabela 7.3) Freqüência Nominal Os motores são projetados para trabalhar com uma determinada freqüência, referente à rede de alimentação, admitida uma variação máxima de 5% (NBR 7094/96). No Brasil, a freqüência padronizada é 60Hz; entretanto, existem muitos equipamentos importados de países onde a freqüência é 50Hz. A Tabela 7.4 mostra as alterações que acontecem a motores de indução bobinados para 50Hz quando ligados em rede de 60Hz. Tabela 7.4 Alterações das características de motores de indução enrolados para 50Hz quando ligados em rede de 60Hz. Motor enrolado para 50Hz U (V) Ligação em 60Hz Rotação nominal Potência nominal n Conjugado nominal Corrente nominal Conjugado de partida Conjugado máximo Corrente de partida U (V) ,20 1,00 0,83 1,00 0,83 0,83 0, ,20 1,00 0,83 1,00 0,83 0,83 0, ,20 1,15 0,96 1,00 0,96 0,96 0, ,20 1,00 0,83 1,00 0,83 0,83 0, ,20 1,00 0,83 1,00 0,83 0,83 0, ,20 1,10 0,91 1,00 0,91 0,91 0, ,20 1,00 0,83 1,00 0,83 0,83 0, Velocidade Nominal É aquela desenvolvida pelo motor quando utilizando sua potência nominal, alimentado por tensão e freqüência nominais. Não deve ser confundida com a velocidade síncrona (n s ), dada pela Equação 7.3 Já se viu que a velocidade de um motor sempre será menor que a síncrona; a diferença entre a velocidade nominal e a síncrona é dada pelo escorregamento nominal, 3 Todo o motor é capaz de fornecer potência superior à nominal a fim de atender a picos de exigências das cargas, porém só é capaz de fazê-lo por breves instantes sem correr o risco de danos. 72

11 conforme Equação 7.4. Para a maioria dos tipos de motores de indução, este escorregamento está na faixa de 3-5% Tensão Nominal. Ligação de Motores Trifásicos É a tensão ou grupo de tensões 4 de alimentação do motor, admitindo-se uma variação máxima de 10%. Os motores trifásicos sempre são ligados à tensão de linha da rede elétrica. Os valores de alimentação mais comuns são 220, 380, 440 e 660. Esses motores podem ser constituídos por 1 ou 2 grupos de enrolamentos trifásicos. No primeiro caso, como são 3 enrolamentos, cada qual com um início e um fim, haverá 6 terminais disponíveis (motor de 6 pontas); no outro caso, um dos grupos pode ou não estar conectado internamente, configurando motores de 9 ou 12 pontas. A identificação dos terminais não é padronizada: alguns fabricantes usam números, enquanto outros usam letras. Neste trabalho, a menos que expresso em contrário, usarse-á a identificação de terminais mostrada na Figura Figura 7.12 Identificação de terminais de motores trifásicos: (a) de 6 pontas; (b) de 9 pontas, ligação em Y; (c) de 12 pontas. a) Motor de 6 pontas São fabricados para operar com 2 tensões relacionadas por 3, usualmente V ou V. Na tensão mais baixa serão ligados em triângulo e na mais alta em estrela (Figura 7.13). Figura 7.13 Motor de 6 pontas, tensão nominal 220/380V: (a) conexão a rede 220/127 V (b) conexão a rede de 380/220 V. 4 Quase todos os motores, sejam mono ou trifásicos, são fabricados para operação em mais de uma tensão. 73

12 b) Motor de 9 pontas Podem ser ligados em tensões relacionadas por 2, como V ou V. Na tensão mais baixa os enrolamentos são ligados em paralelo (em Y ou, dependendo do tipo do motor) e na tensão mais alta são conectados em série, como se mostra na Figura 7.14 Figura 7.14 Motor de 9 pontas, tensão nominal V: (a) conexão à tensão mais baixa, ligação Y paralelo; (b) conexão à tensão mais alta, ligação Y série. c) Motor de 12 pontas Havendo 12 terminais disponíveis, é possível a ligação em 4 tensões diferentes, usualmente V. A configuração dos enrolamentos é, respectivamente, Δ paralelo, Y paralelo, Δ série e Y série, como mostra a Figura Figura Motor de 12 pontas, tensão nominal V: (a) conexão a rede de 220/127V, ligação Δ paralelo; (b) conexão a rede de 380/220V, ligação Y paralelo; (c) conexão a rede de 440/254V, ligação Δ série; (d) conexão à tensão mais alta, ligação Δ série. 74

13 Para inverter o sentido de rotação de um motor trifásico, basta que se troquem duas fases da alimentação Corrente Nominal É a corrente solicitada pelo motor quando operando a plena carga, alimentado com tensão e freqüência nominais. Considerando as Equações 7.5 (fazendo P s = P n ) e 5.24, a corrente nominal de motores trifásicos é dada por: onde Pn 736 I n (7.8) 3 U cos P n = potência nominal (cv) = rendimento do motor a plena carga ( = 100%) U n = tensão nominal (V) cos = fator de potência do motor a plena carga ( = 100%). n Na Tabela 7.5 é dada a corrente nominal de motores trifásicos alimentados com a tensão de 220V; para alimentação com 380, divide-se o valor encontrado por 3 e em 440V divide-se este valor por Corrente de Partida Na partida dos motores de indução é solicitada uma corrente muitas vezes maior que a nominal. À medida que o motor acelerada, a corrente vai diminuindo até atingir valor próximo ao de regime. A corrente de partida é relacionada à corrente nominal (I n ) através dos valores de I p /I n dados na Tabela 7.3. Em certos motores, a corrente de partida é dada por uma letra código (COD), estabelecida pela relação Potência aparente na partida (kva) 3U LIp COD (7.9) Potência no min al (cv) 1000 P dada em kva/cv. Os valores das letras código são dados na Tabela 7.5. Tabela 7.5 Código de partida de motores de indução COD kva/cv COD kva/cv COD kva/cv A 0,00-3,14 H 6,30-7,09 R 14,00-15,99 B 3,15-3,54 J 7,10-7,99 S 16,00-17,99 C 3,55-3,99 K 8,00-8,99 T 18,00-19,99 D 4,00-4,49 L 9,00-9,99 U 20,00-22,39 E 4,50-4,99 M 10,00-11,09 V 22,40 ou mais F 5,00-5,59 N 11,10-12,49 G 5,60-6,29 P 12,50-13,99 Alguns problemas decorrentes desta elevada corrente de partida são: queda de tensão na rede de alimentação; aumento da bitola dos condutores de alimentação e necessidade de transformadores de maior potência. As concessionárias de energia elétrica limitam a potência nominal de motores para os quais pode ser dada a partida direta: no caso da CEEE (RS), é exigido algum dispositivo que reduza a corrente de partida de motores com potência superior a 5cv (alimentação em 220V) e 7,5cv (alimentação em 380V). 75 n

14 Os principais dispositivos de redução da corrente de partida são: chave estrela-triângulo, para motores de 6 ou 12 pontas; chave série-paralelo, para motores de 9 ou 12 pontas; chave compensadora, para qualquer tipo de motor; soft-starter, que igualmente pode ser utilizada em qualquer motor; inserção de resistências ou reatâncias de partida. 7.5 MOTORES MONOFÁSICOS. CARACTERÍSTICAS NOMINAIS Precisam de um dispositivo que os auxilie na partida, já que uma só fase não possibilita a formação do campo girante discutido na Seção 4.2; geralmente este dispositivo é desconectado do motor após sua aceleração, através de uma chave centrífuga. É o dispositivo auxiliar que determina o tipo de motor, bem como muitas de suas características. Os principais tipos são: a) motor com capacitor de partida; b) motor com capacitor permanente; c) motor com 2 capacitores; d) motor de fase dividida (split phase); e) motor de pólos sombreados. Com a finalidade de permitir a ligação do motor em 2 tensões, o enrolamento principal é dividido em duas partes. A Figura 7.16 mostra os enrolamentos (principal e auxiliar) do motor de indução monofásico com capacitor de partida e a numeração dos terminais que será usada neste curso. (a) (b) Figura 7.16 Motor de indução monofásico com capacitor de partida: (a) vista geral; (b) a numeração dos terminais (WEG Motores SA) Potência Nominal Os motores de indução monofásicos são encontrados numa faixa típica de 1/8 10 cv, embora as indústrias de máqunas elétricas listem em catálogos potências bem superiores. A Tabela mostra parte do catálogo de motores monofásicos com capacitor de partida, os mais comuns entre os motores de indução monofásicos, de um fabricante nacional. Os aspectos relativos à potência dos motores monofásicos são os mesmos abordados nos motores trifásicos (Seção 7.4.1). 76

15 Tabela 7.6 Características típicas de motores de indução monofásicos, 2 pólos, 60Hz, alimentado em 220V (WEG Motores S. A., catálogo parcial) CONVENÇÕES P = potência nominal C n = conjugado nominal cos = fator de potência n = velocidade nominal C p = conjugado de partida FS = fator de serviço I n = corrente nominal C max = conjugado máximo J = momento de inércia (GD 2 ) I p = corrente de partida = rendimento t p = tempo com rotor bloqueado a quente cos P Carcaça In* Cn J Peso rpm % Pn % Pn FS ABNT (A) Ip/In (kgf/m) Cp/Cn Cmax/Cn (kgm 2 tp (s) ) (kg) (cv) (kw) pólos V/60Hz 0,16 0, ,8 5,7 0,03 3,8 4, ,58 0,67 0,76 1,35 0,0003 9,0 6,0 0,25 0, ,1 5,9 0,05 3,9 4, ,60 0,69 0,75 1,35 0,0003 8,0 6,5 0,33 0, ,3 5,0 0,07 2,9 3, ,71 0,74 0,75 1,35 0,0004 8,0 6,5 0,5 0, ,8 5,2 0,10 2,8 2, ,76 0,79 0,80 1,25 0,0004 8,5 6,5 0,75 0, ,6 5,4 0,15 3,2 3, ,66 0,76 0,78 1,25 0,0005 7,5 7,5 1,0 0, ,2 6,8 0,20 2,6 2, ,72 0,82 0,88 1,25 0,0006 6,0 9,9 1,5 1, ,8 7,8 0,30 3,5 3, ,68 0,78 0,84 1,15 0,0016 6,0 15 2,0 1, ,0 6,2 0,40 2,9 3, ,76 0,81 0,83 1,15 0,0016 6,0 16 3,0 2,2 90S ,0 7,0 0,60 3,3 3, ,75 0,80 0,82 1,15 0,0023 6,0 20 4,0 3 90L ,0 8,1 0,80 3,7 3, ,70 0,77 0,81 1,15 0,0026 6,0 23 5,0 3,7 100L ,0 9,0 1,00 2,7 3, ,76 0,85 0,91 1,15 0,0064 6,5 32 6,0 4,5 112M ,0 8,6 1,20 2,5 3, ,78 0,84 0,87 1,15 0,0088 6,0 41 7,5 5,5 112M ,0 7,8 1,50 2,6 3, ,78 0,85 0,89 1,15 0,0104 6, ,5 132S ,0 7,2 2,00 2,0 3, ,86 0,90 0,93 1,15 0,0179 6, ,5 9,2 132M ,0 8,4 2,50 2,4 2, ,84 0,89 0,93 1,15 0,0210 6, M ,0 8,7 3,00 2,6 3, ,88 0,91 0,93 1,15 0,0229 6, M ,0 8,8 4,00 2,5 3, ,85 0,89 0,92 1,15 0,0530 6,0 114 * Para obter a corrente em 380V multiplicar por 0,577. Em 440 multiplicar por 0, Freqüência e Velocidade Nominais Conceitos idênticos aos de motores trifásicos (Seções e 7.4.3) Tensão Nominal. Ligação de Motores Monofásicos Os motores monofásicos devem ser ligados à tensão de fase da rede elétrica (ou, excepcionalmente, entre duas fases), sendo mais comuns os valores de 110 (127) e 220 V. Para tanto, o enrolamento principal é dividido em duas partes de forma que, contando com o enrolamento auxiliar de partida, existem 6 terminais disponíveis. Conforme mostra a Figura 7.17, para a tensão mais baixa, os enrolamentos são ligados em paralelo e para a mais alta o enrolamento auxiliar é ligado em paralelo com uma das partes do enrolamento principal e o conjunto é ligado em série com a parte restante. (a) (b) Figura 7.17 Ligação de um motor de indução monofásico com capacitor de partida em duas tensões diferentes: (a) 127V; (b) 220V. 77

16 7.5.4 Corrente Nominal e Corrente de Partida Para o cálculo da corrente nominal de motores monofásicos, leva-se em consideração as Equações 5.12 e 7.5 (fazendo P s = P nom ), de onde se obtém Pn 736 I n (7.10) U cos n Com relação à corrente de partida I p, esta pode ser calculada a partir da relação I p /I n (V. Tabela 7.6). Considerando que a maioria dos motores monofásicos é de baixa potência, a corrente de partida usualmente não traz maiores problemas; se necessário, podem-se usar dispositivos de redução semelhantes aos examinados para motores trifásicos. 78

Conhecer as características de conjugado mecânico

Conhecer as características de conjugado mecânico H4- Conhecer as características da velocidade síncrona e do escorregamento em um motor trifásico; H5- Conhecer as características do fator de potência de um motor de indução; Conhecer as características

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos 1 Classificação 2 3 Estator O estator do motor e também constituido por um núcleo ferromagnético laminado, nas cavas do qual são colocados os enrolamentos alimentados

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Guia Prático de Treinamento Técnico Comercial. Motor Elétrico.

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Guia Prático de Treinamento Técnico Comercial. Motor Elétrico. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Guia Prático de Treinamento Técnico Comercial Motor Elétrico Módulo I Já se foi o tempo em que só simpatia garantia bons resultados em vendas.

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS Motor Elétrico: É um tipo de máquina elétrica que converte energia elétrica em energia mecânica quando um grupo de bobinas que conduz corrente é obrigado a girar por um campo

Leia mais

Introdução à Máquina de Indução

Introdução à Máquina de Indução Introdução à Máquina de Indução 1. Introdução Nesta apostila são abordados os aspectos básicos das máquinas de indução. A abordagem tem um caráter introdutório; os conceitos abordados serão aprofundados

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira Universidade Estadual de Maringá Departamento de Engenharia Agrícola Campus do Arenito MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos Eng. Agríc. Luciano Vieira CLASSIFICAÇÃO Classificação dos motores de

Leia mais

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores Um gerador é qualquer máquina que transforma energia mecânica em elétrica por meio da indução magnética. Um gerador de corrente

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

Figura 3.17: Campo girante obtido por rotação mecânica das estruturas.

Figura 3.17: Campo girante obtido por rotação mecânica das estruturas. 3.3 Motores de Indução Trifásicos. 3.3.1 Campo Girante Trifásico. A Figura 3.17 apresenta o campo girante produzido por uma estrutura de dois e quatro pólos magnéticos. A Figura também destaca um núcleo

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

Sistemas de Força Motriz

Sistemas de Força Motriz Sistemas de Força Motriz Introdução; Os Dados de Placa; Rendimentos e Perdas; Motor de Alto Rendimento; Partidas de Motores; Técnicas de Variação de Velocidade; Exemplos; Dicas CONSUMO DE ENERGIA POR RAMO

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Motores CA. CFP Eliezer Vitorino Costa

Motores CA. CFP Eliezer Vitorino Costa Motores CA Motor Elétrico Definição: É uma máquina destinada a transformar energia elétrica em mecânica. Os motores elétricos em geral são divididos em dois grupos: Motores de Corrente contínua Motores

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 2 5.1 Introdução Os motores elétricos pertencem a dois grandes grupos: os de corrente contínua e os de corrente alternada. Os motores de indução se enquadram

Leia mais

Eletrotécnica. Comandos Elétricos

Eletrotécnica. Comandos Elétricos Eletrotécnica Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Escola Técnica de Brasília - ETB Prof. Roberto Leal Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof. DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica Prof.: Hélio Henrique INTRODUÇÃO IFRN - Campus Mossoró 2 MOTORES TRIFÁSICOS CA Os motores

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 MOTORES ELÉTRICOS Aula 1 Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 CONTEÚDO INTRODUÇÃO; 1.1 TIPOS DE MOTORES; 1.2 FATORES DE SELEÇÃO; 1.3 MOTORES DE INDUÇÃO; 1.4 MOTORES

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

Eletrodutos de PVC Rígido Tipo Rosqueável

Eletrodutos de PVC Rígido Tipo Rosqueável Barramentos de Cobre Medida Peso Amperagem /8 x 1/16 0,15kg 5 1/2 x 1/16 0,180kg 45 /8 x 1/8 0,269kg 7 1/2 x 1/8 0,58kg 97 5/8 x 1/8 0,448kg 122 /4 x 1/8 0,57kg 146 1 x 1/8 0,717kg 195 1.1/4 x 1/8 0,896kg

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW APÊNDICE B Ensaio da Performance do Protótipo MATRBDA-HAW560-75kW 282 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBDA 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores. Medições preliminares bancada R S R T S T R N S N T N

Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores. Medições preliminares bancada R S R T S T R N S N T N Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores Objetivos da aula Partir motores de indução trifásicos; Entender a ligação estrela e seus conceitos básicos; e Cálculos úteis para motores. Medições

Leia mais

Motor de Indução de Corrente Alternada

Motor de Indução de Corrente Alternada Notas Técnicas Motores NT-1 Motor de Indução de Corrente Alternada Introdução O motor de indução ou assíncrono de corrente alternada tem sido o motor preferido da indústria desde o principio do uso da

Leia mais

EQUIPAMENTO AGRÍCOLA

EQUIPAMENTO AGRÍCOLA EQUIPAMENTO AGRÍCOLA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA Aproveite a força do seu trator! Práticos, versáteis e seguros, os equipamentos com alternadores da linha Agribam, do grupo Bambozzi, são ideais para propriedades

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS 1. Um dinamo octopolar de 600 r.p.m. com enrolamento em série de 300 condutores activos tem um fluxo por pólo de 5x10 6 Maxwell. Calcule a força electromotriz produzida.

Leia mais

Nota Técnica 003/2010

Nota Técnica 003/2010 Nota Técnica 003/2010 Produto: Crowbar Aplicação: Acionamento da resistência de descarga em motores síncronos Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Motores Síncronos 2) Determinação da Resistência

Leia mais

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana INTRODUÇÃO Um gerador de corrente continua é uma máquina elétrica capaz de converter energia mecânica em energia elétrica. Também

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

Geradores de corrente alternada

Geradores de corrente alternada Geradores de corrente alternada Introdução: A função do gerador elétrico é bastante conhecida, converter energia mecânica em energia elétrica podendo esta ser alternada ou contínua. Um gerador de corrente

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO MÁQUINAS ELÉTRICAS

Leia mais

26/08/2012 1 Agosto/2012

26/08/2012 1 Agosto/2012 26/08/2012 1 Agosto/2012 Motores Elétricos 26/08/2012 2 MOTORES ELÉTRICOS Corrente Pulsante Corrente Alternada Corrente Contínua MOTOR DE PASSO (Step Motor ) RELUT. VARIÁVEL IMÃ PERMANENTE HÍBRIDO MOTOR

Leia mais

Eletromecânicos de Manutenção Industrial

Eletromecânicos de Manutenção Industrial Eletromecânicos de Manutenção Industrial 2013/ 2014 1 Motor de indução trifásico Máquina capaz de transformar energia elétrica em energia mecânica 2 Motor elétrico Noções fundamentais Máquina destinada

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila.

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Ex. 0) Resolver todos os exercícios do Capítulo 7 (Máquinas

Leia mais

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos Possuem velocidade fixa e são utilizados para grandes cargas, (em função do seu alto custo que faz com que ele não seja viável para aparelhos menores)

Leia mais

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 9 Instalações para motores elétricos.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 9 Instalações para motores elétricos. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 9 Instalações para motores elétricos. Prof. JORGE LUIZ MORETTI

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Máquinas Síncronas Luis Pestana Resumo Máquinas Síncronas Generalidades Principio de funcionamento Aspectos construtivos O gerador síncrono em carga com cargas isoladas Curvas de regulação ligado a um

Leia mais

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA.

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Motores elétricos Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Para melhor entender o funcionamento desse

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Aplicações dos Geradores CC Atualmente com o uso de inversores de frequência e transformadores, tornou-se fácil a manipulação da Corrente Alternada. Como os geradores

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Motores Síncronos. Notas Técnicas Motores NT-02. Introdução. Princípios Gerais de Operação

Motores Síncronos. Notas Técnicas Motores NT-02. Introdução. Princípios Gerais de Operação Notas Técnicas Motores NT-02 Motores Síncronos Introdução O motor síncrono é um tipo de motor elétrico muito útil e confiável com uma grande aplicação na indústria. Entretanto, pelo fato do motor síncrono

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

1. Noções fundamentais comum em contínua. Podem funcionar com velocidade ajustável entre amplos

1. Noções fundamentais comum em contínua. Podem funcionar com velocidade ajustável entre amplos 1 1. Noções fundamentais comum em contínua. Podem funcionar com velocidade ajustável entre amplos limites e se prestam a controles de grande flexibilidade e precisão. Por isso, seu uso é restrito a casos

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Alternadores Síncronos Linha AN10. Novo

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Alternadores Síncronos Linha AN10. Novo Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Alternadores Síncronos Linha AN10 Novo Alternadores Síncronos Linha AN10 Os alternadores da linha AN10 foram desenvolvidos para aplicação em

Leia mais

Elétrotécnica. Princípio de funcionamento das máquinas elétricas, rotativas e estáticas

Elétrotécnica. Princípio de funcionamento das máquinas elétricas, rotativas e estáticas Elétrotécnica Princípio de funcionamento das máquinas elétricas, rotativas e estáticas Princípio da Conservação de Energia O Princípio da Conservação da Energia diz que "a energia pode ser transformada

Leia mais

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização.

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização. COMANDOS ELÉTRICOS Está apostila é usada nas aulas ministradas na matéria de comandos no curso de pósmédio mecatrônica, não se tratando de um material voltado para a qualificação. Há ainda um complemento

Leia mais

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro.

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro. Microfone e altifalante Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. Conversão de um sinal elétrico num sinal sonoro. O funcionamento dos microfones e dos altifalantes baseia-se na: - acústica; - no

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

Feitos para durar. Motores Trifásicos

Feitos para durar. Motores Trifásicos Feitos para durar Motores Trifásicos Motores Elétricos SIEMENS Feitos para durar A construção de uma marca sólida se baseia não somente em investimentos em pesquisa e desenvolvimento, mas principalmente

Leia mais

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA A tensão alternada senoidal é a qual utilizamos em nossos lares, na indústria e no comércio. Dentre as vantagens, destacamos: Facilidade de geração em larga escala; Facilidade

Leia mais

MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA

MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA Geradores e motores A máquina é um motor quando transforma energia elétrica em energia mecânica. Quando transforma energia mecânica em energia elétrica, ela é um gerador.

Leia mais

Motor de Corrente Contínua e Motor Universal

Motor de Corrente Contínua e Motor Universal Capítulo 14 Motor de Corrente Contínua e Motor Universal Objetivos: Entender o princípio de funcionamento Analisar as características operacionais destes motores ONDE EXISTE ESTE TIPO DE ROTOR? ESPIRA

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * ENROLAMENTOS P/ MOTORES CA *

MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * ENROLAMENTOS P/ MOTORES CA * MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * ENROLAMENTOS P/ MOTORES CA * Vitória ES 2006 7. ENROLAMENTOS PARA MOTORES DE CORRENTE ALTERNADA A maneira mais conveniente de associar vários condutores de um enrolamento

Leia mais

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP 50 Capítulo VII Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* O Sistema de Manutenção Planejada (SMP) é formado por instruções, listas e detalhamento

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA ELETROTÉCNICA 1. INTRODUÇÃO : Este texto foi preparado procurando uma exposição na forma mais simples, apenas com a intenção de relembrar alguns conceitos fundamentais da eletricidade e do eletromagnetismo

Leia mais

3. Determinação dos condutores (CCMs, QDL, QGF, circuitos terminais, etc.);

3. Determinação dos condutores (CCMs, QDL, QGF, circuitos terminais, etc.); Instalações Elétricas Industriais Professor:Fábio Bertequini Leão Programa de Ensino ELE 1093 1 - Elementos de Projeto Formulação de um Projeto Elétrico Roteiro para elaboração de um Projeto Elétrico Industrial:

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ACIONAMENTOS DE MOTORES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ACIONAMENTOS DE MOTORES EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ACIONAMENTOS DE MOTORES Introdução Um acionamento elétrico moderno é formado normalmente pela combinação dos seguintes elementos: MOTOR: converte energia elétrica em energia mecânica

Leia mais

Partida do Motor de Indução Trifásico

Partida do Motor de Indução Trifásico Partida do Motor de Indução Trifásico 1.Introdução Os motores elétricos durante solicitam da rede de alimentação uma corrente elevada na partida. Essa corrente é da ordem de 6 a 10 vezes a sua corrente

Leia mais

Acionamento de Motores CA

Acionamento de Motores CA Fundação Universidade Federal ACIONAMENTOS de Mato Grosso do CA Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Acionamento de Motores CA Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto Universidade Federal

Leia mais

CURSO Eletroeletrônica - DATA / / Eletromagnetismo. Indução eletromagnética

CURSO Eletroeletrônica - DATA / / Eletromagnetismo. Indução eletromagnética 1 de 9 CURSO Eletroeletrônica - DATA / / COMPONENTE ALUNO DOCENTE Eletromagnetismo Prof. Romeu Corradi Júnior [www.corradi.junior.nom.br] RA: Assunto: Resumo com comentários Eletromagnetismo Indução eletromagnética

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

Física: Eletromagnetismo

Física: Eletromagnetismo Física: Eletromagnetismo Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof. Alex Regis Questão 01 Está(ão) correta(s): Considere as afirmações a seguir a respeito de ímãs. I. Convencionou-se

Leia mais

Auto - Transformador Monofásico

Auto - Transformador Monofásico Auto - Transformador Monofásico Transformação de Tensão Transformação de tensão para várias tensões de entrada: U 2, U 3, U 23 = f (U 1 ) 1.1. - Generalidades A função do transformador é transformar a

Leia mais

Motores elétricos Siemens e a Economia de Energia

Motores elétricos Siemens e a Economia de Energia Jornadas Técnicas Novas perspectivas Drive Technology Mundo em Motores elétricos Siemens e a Economia de Energia Tópicos Instalando o motor elétrico com inversor de freqüência Princípio de funcionamento

Leia mais

A P O S T I L A COMANDO E MOTORES ELÉTRICOS

A P O S T I L A COMANDO E MOTORES ELÉTRICOS A P O S T I L A COMANDO E MOTORES ELÉTRICOS Curso Técnico em Plásticos Professor Jorge Eduardo Uliana E-mail jorge.eu@terra.com.br 1 - Introdução Geral 1.1 - Eletromagnetismo Sempre que uma corrente elétrica

Leia mais

TERMOS PRINCIPAIS UTILIZADOS EM TRANSFORMADORES

TERMOS PRINCIPAIS UTILIZADOS EM TRANSFORMADORES TRANSFORMADOR MONOFÁSICO: São transformadores que possuem apenas um conjunto de bobinas de Alta e Baixa tensão colocado sobre um núcleo. 1 TRANSFORMADOR TRIFÁSICO: São transformadores que possuem três

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO COM ROTOR GAIOLA DE ESQUILO MONTADO PARA FINS DIDÁTICOS.

CONSTRUÇÃO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO COM ROTOR GAIOLA DE ESQUILO MONTADO PARA FINS DIDÁTICOS. CONSTRUÇÃO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO COM ROTOR GAIOLA DE ESQUILO MONTADO PARA FINS DIDÁTICOS. Arnaldo Lopes Leite¹, José Vinicius Wunderlich¹, Luiz Roberto Nogueira². UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA

Leia mais

Motores Elétricos Monofásicos e Trifásicos NEMA Para Uso Geral

Motores Elétricos Monofásicos e Trifásicos NEMA Para Uso Geral Motores Elétricos Monofásicos e Trifásicos Para Uso Geral ELÉTRICOS MONOFÁSICOS E TRIFÁSICOS Motor assíncrono de indução com rotor de gaiola de esquilo Tipo: Aberto à prova de pingos, com ventilação interna

Leia mais

APOSTILA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS. Elaborado por: Professor Luiz Sérgio B Marques Ana Barbara K. Sambaqui Janderson Duarte

APOSTILA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS. Elaborado por: Professor Luiz Sérgio B Marques Ana Barbara K. Sambaqui Janderson Duarte APOSTILA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Elaborado por: Professor Luiz Sérgio B Marques Ana Barbara K. Sambaqui Janderson Duarte Instituto Federal de Santa Catarina-Campus Joinville, Julho 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

CRITÉRIOS COMPARATIVOS PARA CLASSIFICAR MODELOS DE GERADORES EÓLICOS QUANTO A SUA APLICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

CRITÉRIOS COMPARATIVOS PARA CLASSIFICAR MODELOS DE GERADORES EÓLICOS QUANTO A SUA APLICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA CRITÉRIOS COMPARATIVOS PARA CLASSIFICAR MODELOS DE GERADORES EÓLICOS QUANTO A SUA APLICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA DANUSIA DE OLIVEIRA DE LIMA Rio Grande Energia RGE Departamento de Engenharia e Construções

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG) Departamento de Ensino de II Grau Coordenação do Curso Técnico de Eletrotécnica e Automação Industrial Disciplina: Prática de Laboratório

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

Corrente alternada. Chamamos de corrente elétrica, o movimento ordenado de elétrons dentro de um fio condutor.

Corrente alternada. Chamamos de corrente elétrica, o movimento ordenado de elétrons dentro de um fio condutor. Corrente alternada Chamamos de corrente elétrica, o movimento ordenado de elétrons dentro de um fio condutor. A corrente elétrica pode ser contínua (quando movimento é em uma única direçaõ e sentido) ou

Leia mais

Motores Automação Energia Tintas. Motores de Corrente Contínua

Motores Automação Energia Tintas. Motores de Corrente Contínua Motores Automação Energia Tintas Os motores de corrente contínua WEG são concebidos com as mais modernas tecnologias de projeto, resultando em máquinas compactas e com excelentes propriedades dinâmicas,

Leia mais

ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA

ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA 1. INTRODUÇÃO A manutenção preditiva tem sido largamente discutida nos últimos anos, e sem dúvida é um procedimento moderno de gerenciamento, que comprovadamente vem diminuindo

Leia mais

GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA

GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA Todo dispositivo cuja finalidade é produzir energia elétrica à custa de energia mecânica constitui uma máquina geradora de energia elétrica. O funcionamento do

Leia mais

Motores. Trifásicos Blindados IP56

Motores. Trifásicos Blindados IP56 Motores Trifásicos Blindados IP56 Institucional Motores e Geradores Elétricos Com presença global em motores elétricos e geradores síncronos o Grupo NOVA consolida sua marca, sempre com o máximo em força,

Leia mais

8. MANUTENÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS

8. MANUTENÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS 8. MANUTENÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS 8.1 INTRODUÇÃO Os motores elétricos são responsáveis por grande parte da energia consumida nos segmentos onde seu uso é mais efetivo, como nas indústrias, onde representam

Leia mais

REVISÃO ENEM. Prof. Heveraldo

REVISÃO ENEM. Prof. Heveraldo REVISÃO ENEM Prof. Heveraldo Fenômenos Elétricos e Magnéticos Carga elétrica e corrente elétrica. Lei de Coulomb. Campo elétrico e potencial elétrico. Linhas de campo. Superfícies equipotenciais. Poder

Leia mais

Energia Eólica. História

Energia Eólica. História Energia Eólica História Com o avanço da agricultura, o homem necessitava cada vez mais de ferramentas que o auxiliassem nas diversas etapas do trabalho. Isso levou ao desenvolvimento de uma forma primitiva

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL. EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO -

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL. EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO - LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO - NOTA... Grupo:............. Professor:... Data:..... Objetivo:............. 1. Transformador 1.1 Transformador

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Generalidades Luis Pestana Índice Generalidades Gerador de corrente contínua Principio de funcionamento Fem gerada Melhoria de forma de onda Reacção do induzido Comutação Formas de excitação Exc. Separada,

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

. analogamente. Np Ns. a = Ns

. analogamente. Np Ns. a = Ns - Transformadores O transformador é um equipamento elétrico formado por bobinas isoladas eletricamente em torno de um núcleo comum. A bobina que recebe energia de uma fonte ca é chamada de primário. A

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ENSAIO DE UMA MÁQUINA ASSÍNCRONA TRIFÁSICA

Leia mais

Eng. Everton Moraes. Transformadores

Eng. Everton Moraes. Transformadores Eng. Everton Moraes Eng. Everton Moraes Transformadores 1 Transformadores Sumário INTRODUÇÃO... 3 1. Máquinas Elétricas... 3 1.1. Magnetismo... 3 1.2. Eletromagnetismo... 5 1.3. Solenóide... 5 2. Transformadores

Leia mais