ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE RECURSOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE RECURSOS"

Transcrição

1 5º CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS ELEITORAIS Coordenador: Marcos Ramayana Blum de Moraes Subcoordenador: Marcus Cavalcante Pereira Leal Endereço: Av. Marechal Câmara nº 370-3º andar Telefones: ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE RECURSOS MARÇO/2008.

2 Recursos. 1- A Constituição Federal, trata dos recursos em matéria eleitoral no parágrafo terceiro do art. 121, disciplinando as exceções recursais das decisões do Tribunal Superior Eleitoral, que em regra geral são irrecorríveis. A doutrina caracteriza o dispositivo legal, como princípio da irrecorribilidade. Os recursos eleitorais, são tratados no Título III, Capítulos I, II, III e IV, arts. 257 a 282 do Código Eleitoral. O capítulo I, trata das "Disposições preliminares", atinentes aos recursos, o Capítulo II, disciplina os recursos perante as juntas e juízos eleitorais, o capítulo III, os recursos nos Tribunais Regionais e o capítulo IV, os recursos no Tribunal Superior. Os dispositivos legais não esgotam o tema recursal, porque nada impede que as leis disciplinadoras das eleições, criem outros mecanismos recursais específicos. 2- Impende observar ainda, que a doutrina e jurisprudência, são unânimes em admitir a aplicação subsidiária do Código de Processo Civil e Código de Processo Penal, para os recursos eleitorais. O prazo comum dos recursos é de 3 (três) dias, como determina o art. 258 do Código Eleitoral, sendo que, no período eleitoral, estipulado na lei das eleições e na resolução do Tribunal Superior Eleitoral, os prazos correm nos sábados, domingos e feriados. 3- Outrossim, os recursos eleitorais não possuem efeito suspensivo, significa dizer que, as decisões são aplicáveis desde já, tendo ampla executoriedade, até porque, o parágrafo único do art. 257, reza que: " A execução de qualquer acórdão será feita imediatamente..."

3 O efeito suspensivo só ocorre na hipótese do art. 216 do Código Eleitoral, in verbis:" Enquanto o Tribunal Superior não decidir o recurso interposto contra a expedição do diploma, poderá o diplomado exercer o mandato em toda a sua plenitude". Desta forma, enquanto não transitar em julgado o recurso contra a diplomação ou a ação de impugnação ao mandato eletivo, o diplomado exerce na plenitude o mandato eletivo. 4- Outra regra de fundamental importância, atinente aos recursos em matéria eleitoral, é o disposto no artigo 259: "São preclusivos os prazos para interposição de recurso, salvo quando neste se discutir matéria constitucional. Parágrafo único. O recurso em que se discutir matéria constitucional não poderá ser interposto fora do prazo. Perdido o prazo numa fase própria, só em outra que se apresentar poderá ser interposto. Em síntese: Não preclui uma questão constitucional, p. ex., filiação partidária. No entanto, se não for argüida na ação de impugnação ao pedido de registro, só poderá ser argüida na ação de impugnação ao mandato eletivo. Outrossim, o verbete sumular n 11 do Tribunal Superior Eleitoral, aduz que: "No processo de registro de candidatos, o partido que não o impugnou não tem legitimidade para recorrer da sentença que o deferiu, salvo se se cuidar de matéria constitucional". Vê-se que, sendo a matéria constitucional, qualquer partido poder recorrer das sentença que deferiu o registro maculado pelo vício da nulidade, não se operando o instituto da preclusão. Sucintamente, pode-se concluir ainda que: a vedação se restringe apenas a interposição de recurso ou ajuizamento de ação fora do prazo legal, contendo ou não a causa de pedir

4 matéria de natureza constitucional. Nesse sentido, cumpre enfatizar a regra do art. 368 do Código Eleitoral: " Os atos requeridos ou propostos em tempo oportuno, mesmo que não sejam apreciados no prazo legal, não prejudicarão aos interessados". 5- Em matéria eleitoral, a regra do art. 260 é observada, tanto nos Tribunais Regionais Eleitorais como no Tribunal Superior Eleitoral, pois a distribuição do primeiro recurso, gera a prevenção do relator para os demais recursos, sendo que, especificamente, no Tribunal Superior Eleitoral, existe previsão legal, disciplinando as divisões por relator, em razão da divisão por circunscrições judiciárias eleitorais. Assim, o Estado do Rio de Janeiro e o do Espírito Santo, pertencem a uma mesma divisão para fins de prevenção do relator. 6- O art. 263 do Código Eleitoral, trata da hipótese dos prejulgados. Foi declarada a inconstitucionalidade do dispositivo legal, mas a questão deverá ser alvo de reexame diante do novo parâmetro legal enfocado com o efeito vinculante das decisões. 7- Das decisões dos juizes eleitorais, cabem os seguintes recursos: Em matéria criminal, cabe o recurso tratado no artigo 362 do Código Eleitoral. A doutrina denomina esse recurso de Apelação Criminal. O prazo de ajuizamento e oferecimento das razões é simultâneo, sendo de 10 (dez) dias. O prazo para apresentação de contra-razões também é de 10 (dez) dias. Esse recurso possui o efeito suspensivo.

5 O Código Eleitoral não prevê o recurso em sentido estrito ou restrito, mas seu cabimento é admitido pela doutrina e jurisprudência de forma pacífica, aplicando-se subsidiariamente o Código de Processo Penal, como p. ex., na hipótese em que o juiz eleitoral rejeita a denúncia oferecida pelo Promotor Eleitoral. O Promotor Eleitoral poderá recorrer em sentido estrito da decisão, no prazo de 5 (cinco) dias, na forma do disposto nos artigos 586 do Código de Processo Penal e 364 do Código Eleitoral. 8- O art. 364 do Código Eleitoral, ressalta regra de fundamental importância: " No processo e julgamento dos crimes eleitorais e dos comuns que lhes forem conexos, assim como nos recursos e na execução, que lhes digam respeito, aplicar-se-á, como lei subsidiária ou supletiva, o Código de Processo Penal". Portanto, a defesa também disporá do prazo de 5 (cinco) dias para contra-razões, havendo possibilidade de retratação na forma do art. 589 do Código de Processo Penal. 9- Não se pode perder de vista, o cabimento da ação de revisão criminal, aplicando-se o artigo 364 do Código Eleitoral. 10-O recurso inominado está previsto no artigo 265 do Código Eleitoral: " Dos atos, resoluções ou despachos dos juizes ou juntas eleitorais caberá recurso para o Tribunal Regional". Esse recurso é cabível, quando a matéria não for penal, porque, para as questões penais, as previsões recursais se encontram na apelação, recurso em sentido estrito, habeas corpus e mandado de segurança.

6 11- O Ministério público sempre terá vista dos autos, possuindo o prazo de 48 (quarenta e oito) horas para parecer ou promoção. 12-As lições da doutrina, especialmente de Joel José Cândido e da jurisprudência, tratam do cabimento do recurso inominado nas seguintes matérias: decisões que julgam inelegibilidades, tais como, ações de impugnação ao pedido de registro, investigação judicial eleitoral e impugnação ao mandato eletivo; decisão que julgar impugnação à designação de escrutinadores e auxiliares (art. 39 CE); decisão que julgar pedido de inscrição eleitoral processada pelo Código Eleitoral (CE art. 45, 7º );decisão que julgar pedido de inscrição eleitoral processado pela Lei de 07/06/82 (art. 7, 1º);decisão que julgar pedido de transferência de domicilio eleitoral (CE, art. 57, 2º);decisão que julgar impugnação à indicação de preparador (CE, art. 62, 4º);decisão que julgar pedido de cancelamento de inscrição e/ou exclusão do eleitor (CE, art. 80);decisão que julgar ligação de impedimento mesário para o serviço eleitoral (CE, art. 120, 4º);decisão que julgar reclamação à designação de mesário (art. 121, 1º, do CE); e decisão que julgar reclamação a designação das seções eleitorais (CE, art º), dentre outras. 13- Os recursos contra as decisões das Juntas Eleitorais. As decisões das juntas eleitorais também desafiam recursos. As juntas eleitorais são órgãos colegiados, compostos por juizes de fato e um juiz eleitoral, que é o Presidente da Junta Eleitoral. As competências das juntas eleitorais, estão tratadas no artigo 40, I a IV, do Código Eleitoral. Cabe a interposição imediata do recurso do parágrafo terceiro do art. 165 e art. 169 do Código Eleitoral, imediatamente, sob pena de preclusão instantânea. 14-É admissível ainda o recurso parcial, com base no art. 261 e parágrafos do Código Eleitoral.

7 15-Registre-se ainda, o recurso contra a diplomação, com base no artigo 262 do Código Eleitoral, interposto e arrazoado no prazo de 3 (três) dias. 16-Recurso contra as decisões dos Tribunais Regionais Eleitorais. a) Recurso Parcial: 261, 1º, do Código Eleitoral. b) Recurso contra a Diplomação. No caso, a diplomação de Senadores, Suplentes, Governador, Vice-Governador, Deputados e Suplentes (arts. 89, 215 e 262 do Código Eleitoral). c) Recurso Inominado: art. 264 do Código Eleitoral. Os regimentos internos disciplinam o julgamento desses recursos. d) Embargos de Declaração: 275 do CE somente matéria civil eleitoral. Se a matéria for criminal, incide os artigos 619 e 620 do Código de Processo Penal c/c art. 364 do Código Eleitoral. Assim o prazo em matéria criminal é de 2 (dois) dias. E em matéria civil eleitoral é de 3 (três) dias. e)recurso Especial: art º, da Constituição Federal, que produziu alteração no art.. 276, I, alínea " a "do Código Eleitoral. O prazo é de 3 (três) dias ao Tribunal Superior Eleitoral. Cabimento: a) modificar decisão que verse sobre inelegibilidade; e b) decisões administrativas dos TREs. f) Recurso Ordinário: 276, II, alíneas "a" e "b", do Código Eleitoral. Cabimento: a) julgarem ações de impugnação de pedido de registro de candidatos; b) julgarem investigações judiciais eleitorais; c) julgarem impugnações de mandatos eletivos; d) denegarem habeas corpus e mandado de segurança; e e) habeas data ou mandado de injunção. Prazo: 3 (três) dias. Procedimento: art. 277 do Código Eleitoral.

8 g) Agravo de Instrumento ( art. 279 e parágrafos do Código Eleitoral). Prazo de 3 (três) dias. Cabimento: Só no TRE, quando as decisões denegarem o recurso especial. Mesmo que interposto fora do prazo legal, a lei obriga ao Presidente do TRE a lhe dar seguimento, conforme disciplina o 5, do art. 279 do Código Eleitoral. h) Revisão criminal nos moldes do Código de Processo Penal. 17) Recursos contra as decisões do Tribunal Superior Eleitoral. Cabe o recurso inominado, embargos de declaração, art. 281 do Código Eleitoral, a revisão criminal (que não é recurso), o agravo de instrumento, quando for denegado o recurso extraordinário ou negado seguimento ao recurso ordinário, nos termos do art. 282 do Código Eleitoral e ainda: 1)recurso extraordinário: cujo cabimento se dá tanto em matéria civil como nas questões penais, desde que a pena cominada seja de reclusão (art. 325, inciso II, do Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal). Base legal, artigos 121 3ºc/c 102, III, alíneas "a", "b" e "c", da Constituição Federal e Lei nº 6.055/74. Prazo de 3 (três) dias, aplicando-se nos processos criminais a regra dos artigos 637 e 638 do Código de Processo Penal. É cabível ainda, o recurso ordinário, art. 281 do Código Eleitoral. Prazo de 3 (três) dias. Cabimento: decisão do TSE que denegar habeas corpus ou mandado de segurança. Sendo negado seguimento, cabe agravo de instrumento, art. 282 do Código Eleitoral, proposto nos moldes do 279 e seus parágrafos. (vide súmula 288 do STF). QUESTÕES RELEVANTES. 1- O art. 15 da Lei das Inelegibilidades, segundo leciona Adriano Soares Costa ( Instituições de Direito Eleitoral) editora Del Rey, terminou por estender ao recurso

9 extraordinário efeito suspensivo, livrando o candidato de ter de propor ação cautelar para esse fim. Para o Ministro Sepúlveda Pertence (JTSE 3/95/ ) O art. 15 da Lei das Inelegibilidades não diverge do art. 257 do Código Eleitoral. O recurso extraordinário continua sem efeito suspensivo. Apenas, se a decisão anterior, no caso a do TSE, tivesse concedido o registro e a inelegibilidade viesse a ser declarada pelo Supremo Tribunal Federal, e essa decisão houvesse transitado em julgado, só depois disso é que ela importaria o cancelamento do registro. 2- O recurso parcial é destinado a fase de apuração dos votos. É cabível contra as decisões das juntas eleitorais ( art. 169, 2º, do CE). Também é cabível contra decisão monocrática do presidente do TRE, de acordo com o art. 264 do CE. Tem a mesma finalidade do agravo regimental, sendo proposto no prazo de 3 (três) dias. Seu rito é definido pelo regimento interno de cada tribunal. O regimento interno do TSE prevê a interposição de agravo regimental contra decisão monocrática do relator, proposto em 3 (três) dias e processado nos próprios autos ( art. 36, 8º, do RITSE). 3- Controvérsia: para o doutrinador Adriano Soares Costa, não cabe embargos de declaração das decisões do juiz eleitoral ou da junta eleitoral, bem assim contra decisão monocrática de membro do Tribunal, uma vez que inexiste previsão legal para o seu manejo, ( art. 275, I e II, do CE). Para o doutrinador Tito Costa é cabível, porque a lei processual civil é aplicável subsidiariamente, no processo eleitoral. O CPC admite os embargos contra sentenças de primeiro grau. Ademais, a utilidade desse recurso é prequestionar questão federal ou constitucional para efeito de interposição do recurso especial ou extraordinário, súmulas 282 e 356 do STF. 4- Os embargos de declaração interrompem o prazo para a interposição de outros recursos, prazo esse que começará a correr integralmente a partir da data do julgamento dos embargos. O TSE adota essa posição ( Ac , rel. Min. Torreão Braz, Bol. Eleitoral /37. A Lei nº 8.950/94 reformou a redação do artigo 538 do CPC. O prazo é interrompido e não suspenso. Começa a correr por inteiro da data do julgamento dos embargos.

10 5- A jurisprudência tem entendido que no recurso contra a diplomação há litisconsórcio necessário (CPC, art. 47), devendo o partido político ser chamado a integrar a lide, dado o seu indiscutível interesse nos votos que ali se discutem ( BE TSE 307/114). 6- O art. 276 do CE diz que as decisões dos TREs são terminativas. Trata-se de uma impropriedade terminológica, porque terminativa é a decisão que põe fim ao julgamento do processo sem julgamento do mérito, ao contrário das definitivas que julgam o mérito. Portanto, o que na verdade quer dizer o art. 276 é que, as decisões dos TREs são irrecorríveis. 7- Da decisão dos TREs, cabe RECURSO ESPECIAL, art. 276, I, "a" e "b" que, visa controlar decisões proferidas contra norma de natureza federal expressa ou divergência de interpretação. Não decide contra a justiça ou injustiça das decisões. Dessarte, há necessidade, para o cabimento da existência de prequestionamento da decisão do TRE em relação a questão federal objeto do recurso, sob pena de inadmissibilidade. 8- Sobre prequestionamento ver súmulas 282 e 356 do STF. Segundo o Ministro Carlos Velloso. Não se deve encarar com exageros. O prequestionamento pode dar-se de modo implícito, embora a jurisprudência do STF seja contrária. A questão deve ser posta, ou seja, decidida no acórdão. A mera referência a artigo ou artigos da Constituição, incidenter tantum, não tem, portanto, o Dom de prequestionar a matéria constitucional. O STJ vem adotando a liceidade do prequestionamento implícito. As instruções proferidas pelo TSE através de suas Resoluções têm força de lei, de modo que a sua violação pelos TREs dá ensejo ao manuseio de recurso especial ( TITO COSTA). 9- Cabe recurso especial contra decisão que ofender: estatuto de partido político ou disposição regimental de qualquer tribunal. 10- Não é admissível recurso especial quando as decisões versarem exclusivamente sobre matéria de fato. (TSE-BE 185/322 e 375/577). Constituição Federal, art. 121, 4º, I e II.

11 11- A matéria administrativa é a que diz respeito a direitos, obrigações e interesses de funcionários da Justiça Eleitoral, inclusive no tocante a vencimentos. O TSE-BE 100/171, também tem admitido recurso especial nesses casos. 11- O conflito de interpretação pode existir em relação ao TSE e um Tribunal Regional; ou entre dois TREs, ensejando o recurso especial da letra "b" do art. 276 do CE. Dissídio jurisprudencial sobre a mesma hipótese. 12- O TSE fica, assim, colocado na mesma posição do STF, em face da Justiça comum, relativamente à sua competência para uniformizar controvérsias jurisprudenciais. 13- O Recurso especial também serve para atacar decisões que versem sobre inelegibilidades e expedição de diplomas. 14- O recurso especial também é adequado para recorrer em matéria criminal. 15- O prazo do recurso especial é de 3 dias. 16- O recurso especial pode ser interposto por diretório municipal ou regional de partido político, tratando-se de eleições municipais, e por diretório regional, tratando-se de eleições gerais e federais. Ac Rec /RJ, rel. Min. Sepúlveda Pertence. 17- A petição do recurso especial é encaminhada ao Presidente do Tribunal que em despacho fundamentado admite ou não, prazo de 48 horas. Admitido o recorrido em 3 dias apresenta contra-razões e os autos são remetidos ao TSE ( art. 278 do CE). Se denegado o recurso pelo Presidente, caberá AGRAVO DE INSTRUMENTO ELEITORAL para o TSE ( art. 279 do CE). 18- Sobre RECURSO ORDINÁRIO. Base legal. Art. 276, II, do CE e 121, 4º, III, IV e V, da CF. 19- Cabimento do recurso ordinário: julgamento de ação de impugnação ao pedido de registro de candidatura ( arts. 3 e 8 da LC 64/90); julgamento de investigação judicial eleitoral, arts. 19 a 22 da LC 64/90); julgamento de ação de impugnação ao

12 mandato eletivo ( art. 14, 10 e 11, da CF) e denegação de habeas corpus, mandado de segurança, habeas data ou mandado de injunção. 20- A não admissão do recurso ordinário pelo Presidente do TRE, enseja agravo de instrumento eleitoral. 21- O recurso ordinário é dirigido ao Presidente do TRE. Prazo de 3 dias, inclusive para contra-razões ( art. 277 do CE). 22- O entendimento do TSE a respeito desse recurso ordinário tem sido no sentido de que a decisão de segunda instância que haja versado matéria de inelegibilidade para cargo municipal não pode ser, quanto a esse ponto, impugnada mediante recurso ordinário, mas, isto sim, por meio de recurso especial (TSE-BE 260/704).O doutrinador Adriano Soares Costa entende que pode ser alvo de recurso ordinário. 23- Controvérsia: para o doutrinador Tito Costa o prazo do recurso ordinário contra decisão de IME é de 15 dias do CPC e não de 3 dias que é a regra geral dos recursos eleitorais ( art. 258 do CE), aplica-se o CPC. Para Adriano Soares Costa e Joel José Cândido o prazo é de 3 dias. 24- O recurso ordinário não é admito quando se discute matéria administrativa. TSE BE 244/236 e 323/ A interposição de recurso por TELEX, telegrama ou fax, sem reconhecimento de firma por tabelião, não pode ser acolhido. Será recurso inexistente, segundo jurisprudência do STF. Ver TSE DJU , ac Agravo regimental: cabe contra: determinações das Corregedorias Eleitorais e despachos de Presidentes dos TREs. O prazo é de 3 dias, art. 258 do CE ( regra geral). 27- O agravo regimental deve ser dirigido ao Presidente do Tribunal e, depois de processado com audiência da Procuradoria Eleitoral, será julgado pelo plenário do Tribunal de onde partiu o ato ensejador do recurso. 28- No mandado de segurança cabe agravo regimental que permite a manifestação integral do pensamento e do entendimento da Turma julgadora. É o

13 reexame do despacho da liminar. Tanto pode o Relator ou o Vice-Presidente levar ao Tribunal o conhecimento do pedido de liminar, como pode a parte assim agir, através do AGRAVO REGIMENTAL. 29- Conflito de jurisdição: O TSE tem competência para processar e julgar originariamente os conflitos entre Tribunais Regionais e Juízes Eleitorais de Estados diferentes. Os TREs julgam entre os juízes do respectivo Estado. O STF julga entre juiz de direito e juiz eleitoral ( acórdão BE do TSE 196/226). O PGE no TSE emite parecer em 5 dias, depois, o relator apresenta em mesa para julgamento. 30- O TSE decidiu pela inconstitucionalidade do art. 263 do CE ( prejulgado). Rel. Ministro Sepúlveda Pertence, porque dava precedente força de lei, violando o princípio constitucional da separação funcional dos poderes, além de violar o art. 97 da Constituição Federal que exige maioria absoluta dos membros de um Tribunal para declaração de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo, ao passo que o art. 263 lei ordinária, fixava quorum de 2/3 para alterar a jurisprudência. 31- Não existe o recurso de embargos infringentes ou de nulidade no processo eleitoral. O TSE, já se manifestou a respeito (TSE BE 153/315). 32- OBSERVAÇÕES SOBRE O AGRAVO DE INSTRUMENTO NO PROCESSO ELEITORAL. a- É previsto no art. 279 do CE. b- No direito processual eleitoral existem os agravos de instrumento ( art. 279 do CE) e o agravo regimental ( art. 264 do CE). c- Cabimento do agravo de instrumento: decisão do Presidente do TRE que denega recurso especial ou ordinário; decisão do Presidente do TSE que denega recurso ordinário dirigido ao STF ( CE,, art. 282). Para o doutrinador Tito Costa também é admito dos despachos e decisões de juízes eleitorais em relação aos quais não cabe recurso específico, embora não exista essa previsão, o doutrinador fundamenta sua posição em razão do juízo de retratação do art. 267, 6º e 7º do CE.

14 d- O agravo de instrumento não comporta denegação, mesmo que intempestivo. Ver art. 279, 5º, do CE. e- Não tem o agravo de instrumento efeito suspensivo, executa-se a decisão. f- A doutrina não está admitindo a figura do agravo retido no processo eleitoral. Tito Costa não vê razões para essa posição, pois o recurso de agravo deve ser admito em toda sua extensão, sem restrições que a lei não contempla. O agravo retido é preliminar de outro recurso. g- O prazo do agravo de instrumento é de 3 dias. h- A Lei nº 9.139, de , introduz alterações no CPC quanto ao agravo de instrumento que deve ser dirigido diretamente ao tribunal ( art. 524). Não se aplica ao agravo de instrumento eleitoral, porque as regras do CPC são aplicáveis subsidiariamente. i- No caso da IME que segue o rito ordinário, cabe agravo de instrumento diante de decisões interlocutórias. 33- Quais os recursos contra as decisões do TSE? a- Agravo regimental, art. 264 do CE, na forma do regimento interno, contra decisões do Presidente. b- Embargos de declaração, art. 275 do CE. c- Agravo de instrumento quando denegado recurso extraordinário ou ordinário, art. 282 do CE. d- Recurso ordinário, quando denega mandado de segurança e habeas corpus, art. 281 do CE, prazo de 3 dias. e- Recurso Extraordinário. Considerações. 1- Prazo de 3 dias, interposto na forma dos artigos 278 e 279 do CE. Aplica-se a Lei nº 6.055, de O Presidente do TSE abre prazo paracontra-razões e determina a remessa ao STF. Se o Presidente do TSE indeferir cabe agravo de instrumento.

15 2- A regra geral é da irrecorribilidade das decisões do TSE, art. 121, 3º, da CF. 3- Cabe quando violar a Constituição Federal. 4- As decisões administrativas proferidas pelos Tribunais Regionais, mesmo contra Resolução não ensejam recurso extraordinário.

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal Interposição: perante o órgão prolator da decisão Recurso Especial Nomenclatura: REsp Competência: Superior Tribunal de Justiça STJ Prazo para interposição 15 dias; Recurso Extraordinário Nomenclatura:

Leia mais

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROCESSO CIVIL NO DIREITO ELEITORAL RECURSOS ELEITORAIS COM ÊNFASE EM RECURSO CONTRA DIPLOMAÇÃO AUTOR EDUARDO LUIZ LOPES

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso.

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. Por que se diz instrumento: a razão pela qual o recurso se chama agravo de

Leia mais

PONTO DOS CONCURSOS CURSO: DIREITO ELEITORAL - TEORIA E EXERCÍCIOS TREs. 3º Simulado de Direito Eleitoral para TREs. PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS:

PONTO DOS CONCURSOS CURSO: DIREITO ELEITORAL - TEORIA E EXERCÍCIOS TREs. 3º Simulado de Direito Eleitoral para TREs. PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS: AVISOS: 1. Os Simulados de Direito Eleitoral para TREs serão com base em Provas da FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC); 2. Estamos ministrando o CURSO DE DIREITO ELEITORAL para TREs Teoria e Exercícios, iniciado

Leia mais

SUMÁRIO. Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13

SUMÁRIO. Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13 SUMÁRIO Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13 Parte I DIREITO MATERIAL... 17 Abuso do poder econômico... 17 Captação ilícita

Leia mais

RECURSO ORDINÁRIO: O artigo 895 parece ser taxativo, em suas alíneas a) e b) ao afirmarem que é cabível o recurso de revista quando:

RECURSO ORDINÁRIO: O artigo 895 parece ser taxativo, em suas alíneas a) e b) ao afirmarem que é cabível o recurso de revista quando: RECURSO ORDINÁRIO: Está previsto no artigo 893 da Consolidação das Leis do trabalho e é disciplinado no artigo 895 da mesma lei. Pode ser interposto, no prazo de 8 dias, tanto das sentenças terminativas,

Leia mais

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA Fernando Facury Scaff Professor de Direito Financeiro da USP. Doutor e Livre Docente pela mesma Universidade. Sócio de Silveira, Athias, Soriano de Melo,

Leia mais

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais.

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais. TRE-MT ANALIS. JUD. ADM CESPE 9. Assinale a opção correta com relação aos órgãos da justiça eleitoral. a) A justiça eleitoral é composta pelo Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), pelo TRE, na capital de

Leia mais

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação:

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação: O NOVO AGRAVO CONTRA DESPACHO DENEGATÓRIO DE RECURSO EXTRAORDINÁRIO E ESPECIAL 2011-06-15 Alexandre Poletti A Lei nº 12.322/2010, que alterou os artigos 544 e 545 do CPC, acabou com o tão conhecido e utilizado

Leia mais

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso 2ª Fase OAB - Civil Juquinha Junior, representado por sua genitora Ana, propôs ação de investigação de paternidade

Leia mais

ALEKSANDER MENDES ZAKIMI Advogado militante; Mestrando em Direito Difusos e Coletivos pela UNIMES; Especialista em Direito Processual Civil

ALEKSANDER MENDES ZAKIMI Advogado militante; Mestrando em Direito Difusos e Coletivos pela UNIMES; Especialista em Direito Processual Civil Curso: Recurso de Embargos de Declaração e Agravo no Processo Civil Sistemática do CPC Vigente e do Novo CPC ALEKSANDER MENDES ZAKIMI Advogado militante; Mestrando em Direito Difusos e Coletivos pela UNIMES;

Leia mais

RECURSOS NO PROCESSO PENAL

RECURSOS NO PROCESSO PENAL ESTUDO RECURSOS NO PROCESSO PENAL RECURSOSRE Ribamar Soares Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor, de Sucessões, Internacional

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 972.075 - SC (2007/0178356-6) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI ADVOGADO : DANTE AGUIAR AREND E OUTRO(S) EMENTA PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. RECURSO ESPECIAL. VIOLAÇÃO AO ART.

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 6 RESPOSTAS

ESTUDO DIRIGIDO 6 RESPOSTAS ESTUDO DIRIGIDO 6 RESPOSTAS 1. Teoria Geral dos Recursos Trabalhistas. 2. Recursos Trabalhistas em Espécie. 3. Aviso Prévio. 4. Jornada de Trabalho. 5. Férias. 1. Teoria Geral dos Recursos Trabalhistas:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.228.778 - MT (2010/0217471-4) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO RECORRIDO : MINISTRO SIDNEI BENETI : WANDER CARLOS DE SOUZA : SÉRGIO DONIZETE NUNES : GILBERTO LUIZ DE REZENDE : DANIELA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. ABRAHAM LINCOLN DA CUNHA RAMOS. Vistos, etc.

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. ABRAHAM LINCOLN DA CUNHA RAMOS. Vistos, etc. 'a?/) ool -l botr4 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. ABRAHAM LINCOLN DA CUNHA RAMOS IMPETRANTE ADVOGADOS IMPETRADO MANDADO DIE RELATO!' SEGURANÇA N 200.2008.024236-1/002 : Dr. Alexandre

Leia mais

2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online. EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC)

2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online. EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC) 2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC) Cabe de acórdão não unânime por 2x1 3 modalidades: a) Julgamento da apelação b) Julgamento

Leia mais

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre a instituição dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais no âmbito da Justiça Federal. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

5Recurso Eleitoral n. 153-81.2012.6.13.0021 Zona Eleitoral: Recorrentes:

5Recurso Eleitoral n. 153-81.2012.6.13.0021 Zona Eleitoral: Recorrentes: 5Recurso Eleitoral n. 153-81.2012.6.13.0021 Zona Eleitoral: 21ª, de Bambuí Recorrentes: Ministério Público Eleitoral Coligação Todos Juntos por Bambuí Recorrido: Lelis Jorge da Silva Relatora: Juíza Alice

Leia mais

ART. 543-C DO CPC - FIM DOS REPETIDOS RECURSOS ESPECIAIS

ART. 543-C DO CPC - FIM DOS REPETIDOS RECURSOS ESPECIAIS ART. 543-C DO CPC - FIM DOS REPETIDOS RECURSOS ESPECIAIS Rénan Kfuri Lopes- Advogado, Professor, Palestrante, Pós- Graduado em Direito Processual Civil e Direito de Empresa, Membro do Instituto Brasileiro

Leia mais

SUMÁRIO PARTE I PRÁTICA CONSTITUCIONAL

SUMÁRIO PARTE I PRÁTICA CONSTITUCIONAL SUMÁRIO PARTE I PRÁTICA CONSTITUCIONAL PETIÇÃO INICIAL 1.1. Breve introdução 1.2. Requisitos da petição inicial 1.3. Emenda da petição inicial 1.4. Indeferimento da petição inicial 1.5. Características

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. Assunto: Desconto da Contribuição Sindical previsto no artigo 8º da Constituição Federal, um dia de trabalho em março de 2015.

Leia mais

Espelho Constitucional Peça

Espelho Constitucional Peça Espelho Constitucional Peça Em caso de denegação da ordem, o recurso cabível é o ordinário (CRFB, art. 105, II, b) de competência do Superior Tribunal de Justiça, uma vez que a competência originária do

Leia mais

As Principais Modificações no Processo Civil. Pedro Henrique Pedrosa Nogueira

As Principais Modificações no Processo Civil. Pedro Henrique Pedrosa Nogueira As Principais Modificações no Processo Civil Pedro Henrique Pedrosa Nogueira PARTE GERAL E PROCEDIMENTO COMUM Valorização do contraditório Distribuição dinâmica do ônus da prova Gestão do procedimento

Leia mais

O empregado caminhando na empresa, cai e se machuca vai pedir uma indenização na justiça do trabalho. (empregado x empregador);

O empregado caminhando na empresa, cai e se machuca vai pedir uma indenização na justiça do trabalho. (empregado x empregador); Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Processo do Trabalho / Aula 04 Professor: Leandro Antunes Conteúdo: Procedimento Sumário, Procedimento Sumaríssimo. A competência para julgar acidente de trabalho:

Leia mais

FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA

FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA Regras Básicas para as Atividades de Prática Jurídica a partir do ano letivo de 2013 Visitas Orientadas 72 Horas Obrigatórias Visitas Justiça

Leia mais

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida 1 Controle da Constitucionalidade 1. Sobre o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade, é correto afirmar que: a) compete a qualquer juiz ou tribunal, no primeiro caso desde que inexista pronunciamento

Leia mais

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS:

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: PARECER Nº 02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. ASSUNTOS: BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. DA CONSULTA: Trata-se de consulta

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT da 4ª Região Órgão Oficiante: Dr. Roberto Portela Mildner Interessado 1: Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região. Interessado 2: Banco Bradesco S/A. Assuntos: Meio ambiente do trabalho

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO I) CONCEITO: Também chamado de controle pela via de exceção ou de defesa ou controle aberto, o controle difuso pode ser realizado por qualquer juiz ou tribunal.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ Atualizado em 08/09/2015 RESOLUÇÃO STJ/GP N. 3 DE 5 DE FEVEREIRO DE 2015. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do

Leia mais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais O Supremo Tribunal Federal possui o poder de decidir sobre a constitucionalidade das normas jurídicas que foram aprovadas antes da entrada

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 809.962 - RS (2006/0007992-0) RELATOR : MINISTRO LUIZ FUX RECORRENTE : COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO - CORSAN ADVOGADO : OSVALDO ANSELMO REGINATO E OUTROS RECORRIDO : JARBAS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E:

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E: ESTADO DO PARANÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 O Desembargador Fernando Wolff Bodziak, 2º Vice-Presidente e Supervisor-Geral dos Juizados Especiais, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO o

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

Em relação à natureza jurídica do recurso existem duas correntes.

Em relação à natureza jurídica do recurso existem duas correntes. RECURSOS TRABALHISTAS CONCEITO E NATUREZA JURÍDICA Recurso é a provação do reexame de determinada decisão pela autoridade hierarquicamente, em regra, ou pela própria autoridade prolatora da decisão, objetivando

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.384-B DE 2015 Disciplina o processo e o julgamento do recurso extraordinário e do recurso especial; altera a Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015 Código de Processo Civil;

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. Vigência Regulamento Dispõe sobre a instituição dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais no

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 712.998 - RJ (2004/0180932-3) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PROCURADOR : MARIANA RODRIGUES KELLY E SOUSA E OUTRO(S) RECORRIDO : ADELINO

Leia mais

ATUALIDADES EM DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO

ATUALIDADES EM DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO ATUALIDADES EM DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO (*) Eraldo Teixeira Ribeiro INTRODUÇÃO Com o advento das Leis nº 11.495 e 11.496, publicadas no DOU em 25-06-07, houve considerável modificação no Direito

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI » Pedro Henrique Meira Figueiredo NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI O ano de 2010 marcou a comunidade jurídica com a divulgação dos tão esperados anteprojetos do novo Código

Leia mais

Repouso remunerado e adicionais de periculosidade e de insalubridade

Repouso remunerado e adicionais de periculosidade e de insalubridade Repouso remunerado e adicionais de periculosidade e de insalubridade Marcelo Rugeri Grazziotin* Texto complementar Base de cálculo do adicional de insalubridade Matéria absolutamente controvertida nos

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS fls. 122 Processo: 0135890-46.2012.8.06.0001 - Apelação Apelante: Sindicato dos Guardas Municipais da Região Metrolitana de Fortaleza - SINDIGUARDAS Apelado: Município de Fortaleza Vistos etc. DECISÃO

Leia mais

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will 1) Mudanças que se sujeitam ao princípio da anualidade: a) mudança na lei partidária (filiação, convenção, coligações, número de candidatos etc). b) mudança

Leia mais

Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Processo n 0000166-10.2015.5.02.0007. 07ª Vara do Trabalho de São Paulo

Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Processo n 0000166-10.2015.5.02.0007. 07ª Vara do Trabalho de São Paulo Em 29 de abril de 2015,na sede da, com a presença da juíza Juliana Petenate Salles, realizou-se a audiência para julgamento da ação trabalhista ajuizada por JULIANA PUBLIO DONATO DE OLIVEIRA em face de

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa Agravo de Instrumento n 2 073.2012.001287-4 /001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa Agravante: Marina Jacaré Clube Advogado:

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 23/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 30/08/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 684.169 RIO GRANDE DO SUL RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S)

Leia mais

DECISÃO. Relatório. Tem-se do voto condutor do julgado recorrido:

DECISÃO. Relatório. Tem-se do voto condutor do julgado recorrido: DECISÃO RECURSO EXTRAORDINÁRIO. CONSTITUCIONAL. DESAPROPRIAÇÃO POR INTERESSE SOCIAL PARA FINS DE REFORMA AGRÁRIA. CLASSIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE RURAL. INCLUSÃO DE ÁREAS NÃO APROVEITÁVEIS. PRECEDENTE DO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 18/11/2014 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO AGRAVO DE INSTRUMENTO 804.674 SÃO PAULO RELATOR : MIN. ROBERTO BARROSO AGTE.(S) :MUNICÍPIO DE SANTOS PROC.(A/S)(ES)

Leia mais

REGISTRO DE CANDIDATO

REGISTRO DE CANDIDATO LEGISLAÇÃO APLICÁVEL - Constituição Federal - Código Eleitoral (Lei n. 4737/65) - Lei n. 9.504/97 (Lei das Eleições) - Lei Complementar n. 64/90 (Lei das Inelegibilidades) DISPOSIÇÕES GERAIS REGISTRO DE

Leia mais

02/10/2014 PLENÁRIO :WASHINGTON LUIS SILVA PLÁCIDO

02/10/2014 PLENÁRIO :WASHINGTON LUIS SILVA PLÁCIDO Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 14 02/10/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 823.347 MARANHÃO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES RECTE.(S)

Leia mais

Adriano Celestino Ribeiro Barros. Bacharel em Direito. Ação de Impugnação ao Pedido de Registro de Candidatura

Adriano Celestino Ribeiro Barros. Bacharel em Direito. Ação de Impugnação ao Pedido de Registro de Candidatura Adriano Celestino Ribeiro Barros Bacharel em Direito Ação de Impugnação ao Pedido de Registro de Candidatura Sumário: 1) Noções Iniciais; 2) Objetivos da AIRC; 4) Causa de Pedir; 5) Legitimidade Ativa;

Leia mais

Tassos Lycurgo DIREITO CONSTITUCIONAL. Notas de Aula (Esboço) Docente: Prof. Dr. Tassos Lycurgo Website: www.lycurgo.org E-mail: TL@ufrnet.

Tassos Lycurgo DIREITO CONSTITUCIONAL. Notas de Aula (Esboço) Docente: Prof. Dr. Tassos Lycurgo Website: www.lycurgo.org E-mail: TL@ufrnet. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE DIREITO PÚBLICO DIREITO CONSTITUCIONAL Notas de Aula (Esboço) Atualizada em: 18.10.06 Docente: Prof. Dr.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO Direito Processual do Trabalho Profª. Ms. Tatiana Riemann

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO Direito Processual do Trabalho Profª. Ms. Tatiana Riemann TEORIA GERAL DOS RECURSOS TRABALHISTAS Recurso meio voluntário de impugnação de decisões judiciais, interno ao processo, que visa a reforma, a anulação ou ao aprimoramento da decisão atacada. (Luiz Guilherme

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 865.121 RIO GRANDE DO SUL RELATOR RECTE.(S) : MIN. LUIZ FUX :MUNICÍPIO DE SOBRADINHO ADV.(A/S) :CLÁUDIO ROBERTO NUNES GOLGO E OUTRO(A/S) RECDO.(A/S) :BANCO ITAULEASING

Leia mais

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados:

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados: PARECERES JURÍDICOS Partindo das diversas obras escritas pelo Prof.Dr. AURY LOPES JR., passamos a oferecer um produto diferenciado para os colegas Advogados de todo o Brasil: a elaboração de Pareceres

Leia mais

SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO

SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 PREFÁCIO... 17 INTRODUÇÃO... 19 Capítulo I FLEXIBILIZAÇÃO... 21 1.1. Definição... 21 1.2. Flexibilização da norma... 23 1.3. Flexibilizar a interpretação e

Leia mais

(15 i JIVr1 \PI \ 5. fpr5: 441.-w PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA PRESIDÊNCIA

(15 i JIVr1 \PI \ 5. fpr5: 441.-w PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA PRESIDÊNCIA (15 i JIVr1 \PI \ 5 N. 441.-w A fpr5: PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA PRESIDÊNCIA RECURSO ESPECIAL N. 030.2009.000801-9/001. RECORRENTE : Marcos Valerio de Sousa Bandeira. ADVOGADOS : Hugo

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL : Fábio é universitário, domiciliado no Estado K e pretende ingressar no ensino superior através de nota obtida pelo Exame Nacional, organizado pelo Ministério da

Leia mais

*00741706* Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL n 200.7 61-5/9-00, da Comarca de GUARULHOS, em

*00741706* Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL n 200.7 61-5/9-00, da Comarca de GUARULHOS, em / TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO h ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N *00741706* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL n 200.7 61-5/9-00, da Comarca de GUARULHOS,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL João e José são pessoas com deficiência física, tendo concluído curso de nível superior. Diante da abertura de vagas para preenchimento de cargos vinculados ao Ministério

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO. Regimento Interno CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO

CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO. Regimento Interno CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO Regimento Interno CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO Art. 1.º O Conselho Nacional do Trabalho, com sede na Capital da República e jurisdição em todo

Leia mais

Estado da Paraíba Poder Judiciário Tribunal de Justiça

Estado da Paraíba Poder Judiciário Tribunal de Justiça Estado da Paraíba Poder Judiciário Tribunal de Justiça DECISÃO APELAÇÃO CÍVEL N 200.2001.026206-7/001 CAPITAL RELATOR: Miguel de Britto Lyra filho, Juiz de Direito Convocado, APELANTE: Maria Betânia de

Leia mais

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990.

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990. A NOVA DISCIPLINA DA PROGRESSÃO DE REGIME TRAZIDA PELA LEI Nº 11.464/07. MAURICIO MAGNUS FERREIRA JUIZ DE DIREITO DO TJ/RJ No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.696 - RJ (2013/0339925-1) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A ADVOGADO : JOSÉ ANTÔNIO MARTINS E OUTRO(S) RECLAMADO : TERCEIRA TURMA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro MANDADO DE SEGURANÇA (TURMA) (MSTR) Nº 103144/SE (0000385-44.2015.4.05.0000) IMPTTE : FERNANDO LIMA COSTA ADV/PROC : PAULO ROBERTO NERY NASCIMENTO E OUTROS IMPTDO : JUÍZO DA 6ª VARA FEDERAL DE SERGIPE

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-104800-93.1995.5.02.0254. A C Ó R D Ã O (1ª Turma) GMWOC/am/af

PROCESSO Nº TST-RR-104800-93.1995.5.02.0254. A C Ó R D Ã O (1ª Turma) GMWOC/am/af A C Ó R D Ã O (1ª Turma) GMWOC/am/af RECURSO DE REVISTA. EXTINÇÃO DA EXECUÇÃO. PRESCRIÇÃO INTERCORRENTE. INAPLICABILIDADE AO PROCESSO DO TRABALHO. SÚMULA Nº 114 DO TST. Viola o art. 5º, XXXVI, da Constituição

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 543, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 543, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 543, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as Tabelas de Custas e a Tabela de Porte de Remessa e Retorno dos Autos e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso

Leia mais

BLACKPOOL INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. - EPP DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA EM SÃO PAULO

BLACKPOOL INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. - EPP DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA EM SÃO PAULO MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: IMPETRADO: BLACKPOOL INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. - EPP DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA EM SÃO PAULO DECISÃO REGISTRADA SOB Nº /2015 A impetrante

Leia mais

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 02/10/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 704.520 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

COMENTÁRIOS ÀS ALTERAÇÕES PROCESSUAIS TRABALHISTAS DECORRENTES DA LEI 13.015, DE 22/7/2014. Da Academia Nacional de Direito do Trabalho.

COMENTÁRIOS ÀS ALTERAÇÕES PROCESSUAIS TRABALHISTAS DECORRENTES DA LEI 13.015, DE 22/7/2014. Da Academia Nacional de Direito do Trabalho. COMENTÁRIOS ÀS ALTERAÇÕES PROCESSUAIS TRABALHISTAS DECORRENTES DA LEI 13.015, DE 22/7/2014. José Alberto Couto Maciel Da Academia Nacional de Direito do Trabalho. Foi sancionada a Lei 13.015/2014, que

Leia mais

TEORIA GERAL DOS RECURSOS

TEORIA GERAL DOS RECURSOS TEORIA GERAL DOS RECURSOS PRINCÍPIOS RECURSAIS FUNGIBILIDADE Também chamado de princípio da conversibilidade ou da instrumentalidade das formas, uma vez que sobreleva o conteúdo do recurso ao seu aspecto

Leia mais

RELATÓRIO. O Sr. Des. Fed. FRANCISCO WILDO (Relator):

RELATÓRIO. O Sr. Des. Fed. FRANCISCO WILDO (Relator): APELAÇÃO CÍVEL Nº 511146/AL (0002840-14.2010.4.05.8000) APTE : CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS DA 6ª REGIÃO (AL/PE/PB/RN/CE/PI/MA) ADV/PROC : ALINE JANISZEWSKI LINS APDO : SHBRS/AL - SINDICATO DOS

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.054.163 - RS (2008/0098396-0) RELATORA : MINISTRA MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS PROCURADOR : TATIANA SILVA DE BONA E OUTRO(S)

Leia mais

RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do Superior Tribunal de Justiça. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 04/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 12 20/09/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 688.223 PARANÁ RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 08/11/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 675.505 RIO DE JANEIRO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S)

Leia mais

Responsável (CPF): Nelson Monteiro da Rocha (549.133.147-34)

Responsável (CPF): Nelson Monteiro da Rocha (549.133.147-34) Tribunal de Contas da União Data DOU: 19/07/2004 Colegiado: Segunda Câmara Número da Ata: 25/2004 Texto do Documento: RELAÇÃO Nº 58/2004 - Segunda Câmara - TCU Gabinete do Ministro Benjamin Zymler Relação

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 10/02/2015 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 805.859 RIO DE JANEIRO RELATOR AGTE.(S) PROC.(A/S)(ES) AGDO.(A/S) ADV.(A/S)

Leia mais

RECURSO ESPECIAL ELEITORAL Nº 3994017-20.2009.0.40.00 MANAUS-AM 58ª Zona Eleitoral (MANAUS)

RECURSO ESPECIAL ELEITORAL Nº 3994017-20.2009.0.40.00 MANAUS-AM 58ª Zona Eleitoral (MANAUS) RECURSO ESPECIAL ELEITORAL Nº 3994017-20.2009.0.40.00 MANAUS-AM 58ª Zona Eleitoral (MANAUS) RECORRENTE: LUIZ ALBERTO CARIJÓ DE GOSZTONYI ADVOGADOS: GABRIELA ROLLEMBERG E OUTROS RECORRIDO: MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

PARECER CÍVEL N. 2/3.027/15 ARGUIÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DE LEI 92247-52.2015.8.09.0000 (201590922476) ÓRGÃO FRACIONÁRIO DE ORIGEM

PARECER CÍVEL N. 2/3.027/15 ARGUIÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DE LEI 92247-52.2015.8.09.0000 (201590922476) ÓRGÃO FRACIONÁRIO DE ORIGEM PARECER CÍVEL N. 2/3.027/15 ARGUIÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DE LEI 92247-52.2015.8.09.0000 (201590922476) COMARCA DE ORIGEM ITAGUARI/GO ÓRGÃO FRACIONÁRIO DE ORIGEM 2ª TURMA DA 4ª CÂMARA CÍVEL ÓRGÃO JULGADOR

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. ABRAHAM LINCOLN DA CUNHA RAMOS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. ABRAHAM LINCOLN DA CUNHA RAMOS PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. ABRAHAM LINCOLN DA CUNHA RAMOS AGRAVO DE INSTRUMENTO N 999.2013.000251-5/001 RELATOR : Des. Abraham Lincoln da Cunha Ramos AGRAVANTE : Diretor

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS PROCESSO: EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL Nº 183923/RN (99.05.45463-2) APTE : POTY REFRIGERANTES LTDA ADV/PROC : MANUEL LUÍS DA ROCHA NETO E OUTROS APDO : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

Leia mais

: MIN. DIAS TOFFOLI :NATAN DONADON :GILSON CESAR STEFANES :MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS :ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO

: MIN. DIAS TOFFOLI :NATAN DONADON :GILSON CESAR STEFANES :MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS :ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO MEDIDA CAUTELAR EM MANDADO DE SEGURANÇA 32.299 DISTRITO FEDERAL RELATOR IMPTE.(S) ADV.(A/S) IMPDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. DIAS TOFFOLI :NATAN DONADON :GILSON CESAR STEFANES :MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMB. FEDERAL RELATOR 3 A TURMA DO E. TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4 A REGIÃO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMB. FEDERAL RELATOR 3 A TURMA DO E. TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4 A REGIÃO ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL ESPECIALIZADA-INSS EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMB. FEDERAL RELATOR 3 A TURMA DO E. TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4 A REGIÃO AGRAVO

Leia mais

Faculdade de Direito de Sorocaba. Direito Constitucional II

Faculdade de Direito de Sorocaba. Direito Constitucional II Faculdade de Direito de Sorocaba Direito Constitucional II Controle da constitucionalidade O controle da constitucionalidade na Constituição Federal Art.. 102, I, a ADI e ADC Art.. 103,? 2º - ADI-omissão

Leia mais

AGRAVO INTERNO. APELAÇÃO A QUE SE

AGRAVO INTERNO. APELAÇÃO A QUE SE DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL AGRAVO INTERNO NA APELAÇÃO CÍVEL Nº. 0001489-80.2005.8.19.0038 RELATOR: DESEMBARGADOR MIGUEL ÂNGELO BARROS AGRAVO INTERNO. APELAÇÃO A QUE SE NEGOU SEGUIMENTO, COM BASE NO ART.

Leia mais

A C Ó R D Ã O SEDC/2008 GMFEO/MEV

A C Ó R D Ã O SEDC/2008 GMFEO/MEV A C Ó R D Ã O SEDC/2008 GMFEO/MEV RECURSO ORDINÁRIO. DISSÍDIO COLETIVO DE NATUREZA ECONÔMICA. ULTRAFÉRTIL S.A. ILEGITIMIDADE PASSIVA AD CAUSAM. O sindicato-suscitante, na qualidade de representante de

Leia mais

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA.

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. VOTO DE VISTA: FAUZI AMIM SALMEM PELA APROVAÇÃO DO RELATÓRIO, COM AS SEGUINTES

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Saulo Henriques de Sá e Benevides. Vistos, etc.

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Saulo Henriques de Sá e Benevides. Vistos, etc. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Saulo Henriques de Sá e Benevides APELAÇÃO CÍVEL n 2 073.2003.012900-8/001 Comarca de Cabedelo RELATOR: João Benedito da Silva Juiz Convocado

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 9 19/09/2013 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 759.244 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES)

Leia mais

Os processos criminais em segunda instância são submetidos à análise da Douta Procuradoria de Justiça para a elaboração de parecer.

Os processos criminais em segunda instância são submetidos à análise da Douta Procuradoria de Justiça para a elaboração de parecer. SÚMULA ABERTURA DE VISTA DOS AUTOS, EM SEGUNDA INSTÂNCIA, PARA A DEFENSORIA PÚBLICA APÓS A APRESENTAÇÃO DO PARECER PELO MINISTÉRIO PÚBLICO PARIDADE DE ARMAS - HOMENAGEM AO CONTRADITÓRIO E À AMPLA DEFESA

Leia mais

: MIN. GILMAR MENDES SÃO PAULO

: MIN. GILMAR MENDES SÃO PAULO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 680.724 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) ASSIST.(S) ASSIST.(S) ADV.(A/S) : MIN. GILMAR MENDES :LINO INÁCIO DE SOUZA : LUIZ GONZAGA DE CARVALHO

Leia mais

PROCESSO Nº TST-AIRR-1405-83.2011.5.01.0050. A C Ó R D Ã O 7ª Turma DCABP/acmg/cgel

PROCESSO Nº TST-AIRR-1405-83.2011.5.01.0050. A C Ó R D Ã O 7ª Turma DCABP/acmg/cgel A C Ó R D Ã O 7ª Turma DCABP/acmg/cgel AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA EM FACE DE DECISÃO PUBLICADA ANTES DA VIGÊNCIA DA LEI Nº 13.015/2014. REVELIA. COMPARECIMENTO DO PREPOSTO. AUSÊNCIA DE

Leia mais