RELATÓRIO FINAL DE AUXÍLIO DE PARTICIPAÇÃO EM VIAGENS DE ESTUDO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO FINAL DE AUXÍLIO DE PARTICIPAÇÃO EM VIAGENS DE ESTUDO"

Transcrição

1 RELATÓRIO FINAL DE AUXÍLIO DE PARTICIPAÇÃO EM VIAGENS DE ESTUDO Projeto Agrisus N : 1422/14 Título da Pesquisa: Estágio Pós-Doutoral: Treinamento em métodos, tecnologias e equipamentos para estudos de Uso, Manejo e Conservação do Solo. Interessado: Piero Iori Instituição: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Campus Experimental de Registro. Av. Nelson Brihi Badur, 430. Vila Tupy. CEP: Registro SP. Telefone: (13) Locais do Estágio: Instituto de Agricultura Sostenible (IAS) Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC) / Universidad de Córdoba España. Grupos de Investigación AGR-119 Relaciones Suelo-Agua-Planta del Departamento de Agronomía Valor financiado pela Fundação Agrisus: R$ 6.000,00 Vigência do Projeto: 03/01/2015 a 17/01/2015 1

2 RESUMO Este relatório descreve as atividades realizadas no estágio Pós-Doutoral no período de 03/01/2015 a 17/01/2015 no Instituto de Agricultura Sostenible e Universidad de Córdoba em Córdoba, Espanha. Com este estágio foi possível compartilhar experiências e treinamento em pesquisas, tecnologias e equipamentos voltados para estudos na área de uso, manejo e conservação do solo. Foi realizado um pequeno procedimento experimental para avaliação e quantificação do Carbono do solo em solução coletada em lisímetros com solos de áreas cultivadas com oliveiras. Com intuito de troca de experiências foi realizado diversas reuniões com pesquisadores do Instituto de Agricultura Sostenible e com professores da Universidad de Córdoba. Fica claro que são atividades como esta que abastecem o professor/pesquisador de conhecimento adequado e treinamento específico para novos direcionamentos nas pesquisas, além de promover e incrementar importante avanço na Conservação do Solo e Física do Solo, visando à conservação e melhoria dos solos e meio ambiente. DESENVOLVIMENTO Córdoba é uma cidade espanhola com aproximadamente habitantes na comunidade autónoma da Andaluzia. A agricultura nesta região inclui culturas lenhosas, como oliveiras, videiras e citros, e as culturas herbáceas, como os cereais, girassol, algodão e leguminosas. As atividades de estágio Pós-Doutoral durante o período de 03/01/2015 a 17/01/2015 se concentraram em dois locais na cidade de Córdoba: Instituto de Agricultura Sostenible (IAS) Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC). Universidad de Córdoba (UCO). Grupos de Investigación AGR-119 Relaciones Suelo-Agua-Planta del Departamento de Agronomía. O Instituto de Agricultura Sostenible (IAS), segundo informações do site do próprio Instituto, foi fundado em 1992 como um centro exclusivo do Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC) em pesquisa agrícola (Figura 1). Este centro tem foco específico sobre os sistemas agrícolas da região de Andaluzia, com culturas de sequeiro e irrigado. Este centro trabalha para conciliar a produção de alimentos com a conservação dos recursos naturais e com a proteção ambiental. 2

3 Figura 1. Fachada do Instituto de Agricultura Sostenible (IAS) Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC). Atualmente o IAS concentra-se na análise estratégica de recursos para melhorar a sustentabilidade da agricultura e analisar opções para explorar os recursos de uma forma sustentável e economicamente viável, além de otimizar seu uso e minimizar a degradação ambiental. Para tais objetivos, o IAS conta com 36 pesquisadores cujas linhas de trabalho fazem parte dos Departamentos de Agronomia, Departamentos de melhoramento de plantas e Departamentos de Proteção de Cultivos, e tem um total de 170 pessoas envolvidos com a administração, serviços, técnicos e pesquisadores de pré e pós-doutoramento. O outro local visitado foi a Universidad de Córdoba (UCO). Esta foi fundada em 1972 e conta atualmente com alunos; mais de professores e 700 trabalhadores. Segundo o site da Universidade estas pessoas têm dado o dinamismo necessário para ser adaptada e entrar no século XXI como uma excelente qualidade do professor universitário e experiência científica comprovada. O campus da UCO visitado foi o de Rabanales. Este campus é uma prova do processo de modernização que caracteriza a Universidade. Suas instalações acomodam a infraestrutura mais avançada para pesquisa e ensino, integrando uma gama de serviços complementares, que tornam este campus como um dos mais 3

4 destacados complexos de Andaluzia. Este campus situa-se a 3 km da cidade de Córdoba, e nele estão localizados a Facultad de Veterinaria, Escuela Técnica Superior de Ingeniería Agronómica y de Montes e Facultad de Ciencias, Escuela Politécnica Superior de Córdoba. As diferentes Faculdades da UCO (Figura 2) têm centros de ensino e pesquisa em diversas disciplinas, tais como agricultura, medicina veterinária, biologia, química e direito ambiental, entre outras. Estas diferentes disciplinas compõem os 54 departamentos existentes. O Departamento de Agricultura mantém relações estreitas entre ensino e pesquisa com o Centro de Investigación y Formación Agraria de la Junta de Andalucía e com o Instituto de Agricultura Sostenible do Consejo Superior de Investigaciones Científicas. Este departamento é composto por 27 professores, distribuídos por duas principais áreas de conhecimento, Produção Vegetal e Engenharia Hidráulica. Figura 2. Fachada diferentes Faculdades da Universidad de Córdoba (UCO). Este Estágio Pós-Doutoral somente foi possível devido a supervisão e colaboração do investigador científico Dr. José Alfonso Goméz Calero. Dr. José Alfonso Goméz Calero é Investigador Científico Titular do Consejo Superior de Investigaciones Científicas desde Atualmente é Diretor do Instituto de Agricultura Sostenible. Sua atuação principal é na área de Conservação do solo e da água em áreas com plantações arbóreas, especialmente oliveiras. É o responsável pelo Laboratório de erosão do solo do Instituto. Desenvolve pesquisas em erosão hídrica e perda de carbono orgânico em microbacia utilizando técnicas convencionais e traçadores de erosão; modelagem da erosão hídrica e balanço hídrico em diferentes escalas; voçorocas e seu controle; efeito de diferentes sistemas de manejo do solo 4

5 sobre a qualidade e conteúdo de carbono orgânico do solo; e, o uso de plantas de cobertura para controlar a erosão, principalmente voçorocas. Foi sugerido pelo Dr. José Alfonso Goméz Calero a realização de um pequeno procedimento experimental. Este consistiu em avaliar e quantificar o Carbono de uma solução coletada em lisímetros com solos de áreas cultivadas com oliveiras. Este pequeno procedimento experimental foi realizado no IAS e na UCO. Foram avaliadas cinco colunas de solo com a primeira camada (de 0 a 20 cm) de um Vertissolo cultivado com oliveiras. Os cinco lisímetros foram montados em instalações do IAS (Figura 3). Foram adicionadas quantidades suficientes de água destilada para posterior coleta das soluções para determinação de carbono total, carbono inorgânico e carbono orgânico. As coletas se deram após três fluxos de água destilada. Figura 3. Lisímetros com colunas de solo da primeira camada (de 0 a 20 cm) de um Vertissolo cultivado com oliveiras. Coleta de soluções do lisímetros. Os procedimentos analíticos para determinação de Carbono em soluções de solo foram realizados no Laboratório de Edafologia da Área de Geologia, Climatologia e Edafologia do Departamento de Agronomia da UCO (Figura 4). Foi utilizado um Analisador de Carbono Orgânico Total da Shimadzu. Nesta etapa, metade das soluções foi filtrada e o restante não foi filtrada, desta forma, foi possível determinar a quantidade de 5

6 carbono dissolvido em solução. Os resultados iniciais desta pesquisa estão apresentados no Anexo 1 deste documento. Figura 4. Laboratório de Edafologia da Área de Geologia, Climatologia e Edafologia do Departamento de Agronomia da Universidad de Córdoba (UCO). Procedimentos analíticos para determinação de Carbono em soluções de solo. Em seus projetos de pesquisa com voçorocas e seu controle, o Dr. José Alfonso Goméz Calero tem a parceria do Dr. Carlos Castillo Rodríguez, que atualmente é Investigador pós-doutoral do Instituto. Durante a minha visita conheci o projeto Metodologia de medida de voçorocas em áreas agrícolas e sua correção por diques de retenção em que ambos investigadores trabalham. Durante nossas visitas às áreas agrícolas de oliveiras em Córdoba foi possível verificar que um dos principais problemas nestas áreas é de ordem de conservação do solo. A erosão, em diversas formas e tipos, infelizmente se faz presente na maioria das áreas com oliveiras (Figura 5). Segundo informações do Dr. José e Dr. Carlos, os solos desta região possuem baixos níveis de matéria orgânica (<1%) e alto índice de susceptibilidade à desertificação. Logo, estas áreas estão ocupadas por sistemas frágeis devido ao clima mediterrâneo, caracterizado por uma irregularidade nas precipitações e na reduzida cobertura vegetal. 6

7 Figura 5. A erosão como um dos principais problemas nas áreas produtoras de azeitonas. Todas as áreas com oliveiras visitada apresentavam o Vertissolo como classe de solo, regionalmente chamados de bujeos, estes estão vinculados à Depressão do Rio Guadalquivir. Estes solos de boa fertilidade, mas por sua natureza argilosa e sua tendência de se expandir quando úmidos e se contrair quando seco (formando rachaduras), são particularmente muito suscetíveis à perda de solo. Desta forma, estes solos são de permeabilidade muito baixa principalmente no inverno chuvoso, gerando muito escoamento e, consequentemente, muitos problemas de erosão. Assim, estudos e pesquisas como Técnicas de controle de voçorocas utilizando vegetação florestal e diques de retenção (Figuras 6 e 7), desenvolvidos pelo Dr. José Alfonso Goméz Calero e pelo Dr. Carlos Castillo Rodríguez são de extrema importância para esta região. Figura 6. Visita às áreas com pesquisa em metodologia de medida de voçorocas e sua correção por diques de retenção. 7

8 Figura 7. Visita às áreas com pesquisa em técnicas de controle de voçorocas utilizando vegetação florestal e diques de retenção. Durante esta visita à Córdoba, foi observado que diversas áreas visitadas apresentavam o solo descoberto, mesmo àquelas em áreas bem inclinadas (Figura 8). Segundo informações, este tipo de ação de deixar a superfície do solo exposta vários meses do ano, principalmente na estação chuvosa é comum na região da província de Córdoba, tanto em áreas de culturas anuais (cereais) como de culturas permanentes (oliveiras), o que contribui muito para este grave problema de erosão. Devido a isso, o Dr. José Alfonso Goméz Calero vem buscando conscientizar os produtores, principalmente os de oliveiras, sobre práticas preventivas à erosão do solo, como por exemplo, a manutenção de cobertura vegetal (Figura 9). Estudos de monitoramento de perdas de solo (Figura 10) também são conduzidas pelo IAS, mas principalmente pelo Dr. José Alfonso Goméz Calero. Este investigador informa que para oliveiras cultivadas em áreas inclinadas com manejo convencional, nesta região de Córdoba, os valores de perdas de solo médias são da ordem de 100 toneladas por hectare ano. Figura 9. Áreas cultivadas com oliveiras, em que a superfície do solo está coberta. 8

9 Figura 10. Estudos de monitoramento das perdas de solo em oliveiras de acordo com a cobertura do solo. Com várias visitas a diversas paisagens de oliveiras, fica bastante claro que estas áreas produtoras de azeitona na região de Andaluzia sofre uma grave situação de erosão hídrica. Contudo, projetos de pesquisas desenvolvidos em cooperação entre o IAS e a UCO, na pessoa do Dr. José Alfonso Goméz Calero, vem promovendo importantes ações para controle de voçorocas em áreas agrícolas, com base na combinação e simplicidade de técnicas (vegetação das voçorocas), de materiais (gabiões com pedras) e da aplicação de dissipadores de energia (diques) da chuva e da enxurrada. Além das atividades científicas realizadas e discutidas anteriormente, foi organizado pelo Dr. José Alfonso Goméz Calero diversas reuniões/encontros com pesquisadores do IAS e com professores da UCO. Uma das primeiras reuniões realizadas foi com a Dra. Helena Gómez Macpherson, em que nossa conversa se concentrou na pesquisa participativa da agricultura para a conservação do solo e da água e a intensificação do uso sustentável do solo, com ênfase nos países em desenvolvimento. Dra. Helena fez um relato detalhado de suas pesquisas desenvolvidas na região. Foi possível constatar que a Dra. Helena vem pesquisando e trabalhando arduamente na tentativa de implantação e ampliação do sistema de plantio direto na palha (Figura 11) junto aos proprietários rurais de Córdoba, especialmente aos pequenos produtores da região. É importante ressaltar ainda, que possíveis parcerias de pesquisas serão feitas futuramente, a convite da própria Dra. Helena. 9

10 Figura 11. Área experimental de sistema de plantio direto coordenado pela Dra. Helena Gómez Macpherson. Outra reunião organizada pelo Dr. José foi com o pesquisador Dr. Luciano Mateos Íñiguez. Dr. Luciano trabalha com engenharia de irrigação e hidrologia e com manejo e conservação de água e solo. Por trabalhar em sistemas de irrigação com pequenas bacias irrigadas e campos irrigados, nosso debate se concentrou nos problemas erosivos oriundos destes sistemas de irrigação. Além disso, o Dr. Luciano gentilmente apresentou um projeto ainda em construção no Instituto. Trata-se do canal de erosão hídrica (Figura 12). Este é um projeto em parceria com Instituto de Agricultura Sostenible, com o Consejo Superior de Investigaciones Científicas e com União Europeia. 10

11 Figura 12. Projeto em construção de um canal de erosão hídrica no Instituto de Agricultura Sostenible. Durante este estágio Pós-Doutoral também houveram várias reuniões com diversos professores da UCO. Estas reuniões foram muito importantes para a intensa troca de experiências e transferência de conhecimento. Um dos professores visitados foi o Professor Dr. Juan Vicente Giráldez Cervera Catedrático da UCO do Departamento de Agronomia na área de Conhecimento Engenharia Hidráulica. As conversas e os temas debatidos seguiram 11

12 as linhas de pesquisa dos visitados, como Erosão e conservação do solo e Física do solo. Nesta reunião juntou-se à nossa conversa o Professor Dr. Tom Vanwalleghem. Dr. Tom contribuiu com a discussão, principalmente nos temas de degradação ambiental do solo e da água e mudanças históricas no uso de terra, especialmente na região de Andaluzia. Outro Professor visitado foi Dr. Juan Agüera Veja, Professor Titular da UCO. Dr. Juan Agüera faz parte do Departamento de Engenharia Rural, na área de Engenharia Agroflorestal. A mecanização dos campos de azeitona, agricultura de conservação e de precisão, equipamentos e técnicas, sensores e instrumentação para sistemas de produção agrícola, foram exemplos das discussões realizadas (Figura 13). Figura 13. Equipamentos, sensores e instrumentação para sistemas de produção agrícola pesquisados pelo Dr. Juan Agüera Veja do Departamento de Engenharia Rural. Dr. Ángel Lora González, Professor Titular da UCO e diretor do Departamento de Engenharia Florestal foi mais um professor visitado durante este estágio. Nossa conversa se concentrou ao manejo e conservação do ambiente natural, principalmente aos estudos deste professor com diferentes espécies vegetais na preservação e recuperação de voçorocas na região de Andaluzia. Durante este estágio, gentilmente os professores Dr. José Torrent Castellet e Dr. Vidal Barrón López de Torre ambos Catedrático da UCO me convidaram para a participação de uma excursão técnica (Figura 14). Nesta excursão foram visitados diversos perfis representativos das classes de solo existentes nesta região. As classes de solo analisadas durante esta excursão foram os Luvisols, Acrisols, Leptosol e Vertisol. Os locais visitados foram os Suelos de los pedroches Luvisols, Suelos de la Sierra Acrisols e Leptosol e Suelos de la Campiña Vertisol (Anexo 2). 12

13 Figura 14. Excursão técnica para visita a diversos perfis representativos das classes de solo do munícipio de Córdoba. CONSIDERAÇÕES FINAIS As trocas de conhecimentos geradas neste estágio são produtos imensuráveis, pois são atividades como esta, que abastecem o professor/pesquisador de conhecimento adequado e treinamento específico para novos direcionamentos nas pesquisas, além de promover e incrementar importante avanço na Conservação do Solo e Física do Solo, visando à conservação e melhoria dos solos e meio ambiente. AGRADECIMENTOS Gostaria de inicialmente agradecer à Fundação Agrisus pelo papel essencial na realização deste estágio, bem como, ao Dr. Ondino Cleante Bataglia e Flávia Pampolini, pelos esforços e ajuda para a realização deste estágio. Agradecer ao Instituto de Agricultura Sostenible e à Universidad de Córdoba pela disponibilização e abertura de suas instalações. Agradeço ao Dr. José Alfonso Goméz Calero que tão bem me recebeu e não poupou esforços para a realização deste estágio. Ao Dr. Carlos Castillo Rodríguez, Dra. Helena Gómez Macpherson, Dr. Luciano Mateos Íñiguez, Dr. Juan Vicente Giráldez Cervera, Dr. Tom Vanwalleghem, Dr. Juan Agüera Veja, Dr. Ángel Lora González, Dr. José Torrent Castellet e Dr. Vidal Barrón López de Torre, que gentilmente se disponibilizaram para encontros e reuniões durante este estágio. Aos técnicos Manolo Redondo e Clemente Trujillo Toro pelo total suporte às atividades desenvolvidas. 13

14 DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA DOS RECURSOS A tabela 1 apresenta a descrição detalhada dos itens e dos valores financiados pela Fundação Agrisus. Todos os itens descritos foram adquiridos junto à empresa Opção Agência de Viagens e Turismo Ltda (Anexo 3). Tabela 1. Demonstração financeira dos recursos da Fundação Agrisus Item Valor Total (R$) Passagem Aérea São Paulo/Madri Ida/Volta 4497,54 Passagem Trem Madri/Córdoba Ida/Volta 426,36 Hospedagem 1315,73 Valor Total 6239,63 Valor financiado pela Fundação Agrisus 6000,00 COMPENSAÇÕES OFERECIDAS À FUNDAÇÃO AGRISUS Foi dada menção à Fundação Agrisus durante todo o estágio Pós-Doutoral, tanto no Instituto de Agricultura Sostenible como na Universidad de Córdoba, para os investigadores e professores destas duas instituições. Além disso, será dada menção à Fundação Agrisus em produtos de pesquisa resultantes deste estágio, como resumos e demais trabalhos acadêmicos. Adicionalmente, foi realizado uma palestra para o grupo de estudo em Física de Solo do Campus Experimental de Registro da Universidade Estadual Paulista, relatando o estágio, bem como, esclarecer o papel fundamental da Fundação Agrisus na realização do mesmo. Por fim, como compensação oferecida à Fundação Agrisus de acordo com a carta consulta, é apresentado este relatório técnico da participação deste estágio Pós-Doutoral, relatando todas as atividades desenvolvidas. Registro, 26 de fevereiro de 2015 Prof. Dr. Piero Iori UNESP C.E. de Registro e Coordenador do Projeto Agrisus N 1422/14 14

15 ANEXOS Anexo 1 Tabela 2. F values in the analysis of variance for total carbon (TC), inorganic carbon (IC) and organic carbon (OC) in the three flows of outlet samples filtered and not filtered. Figura 15. Leached amounts of total carbon, inorganic carbon and organic carbon in the three flows of outlet samples. Error bars represent standard error of the mean (n=10). Figura 16. Leached amounts of total carbon, inorganic carbon and organic carbon in the outlet samples filtered and not filtered. Error bars represent standard error of the mean (n=15). Figura 17. Leached amounts of total carbon, inorganic carbon and organic carbon in the outlet samples for each lysimeter. Error bars represent standard error of the mean (n=6). Figura 18. Leached amounts of total carbon, inorganic carbon and organic carbon in the three flows of outlet samples filtered and not filtered. Error bars represent standard error of the mean (n=5). Anexo 2 Figura 19. Relevo, litologia e classes de solos do munícipio do Códoba. Documento utilizado para excursão técnica de visita de diversos perfis representativos das classes de solo existentes na região. Figure 20. Caracterização dos perfis de solo utilizado para excursão técnica de visita de diversos perfis representativos das classes de solo existentes na região. Figure 21. Caracterização dos perfis de solo utilizado para excursão técnica de visita de diversos perfis representativos das classes de solo existentes na região. Anexo 3 Figura 22. Nota fiscal emitida pela Opção Agência de Viagens e Turismo Ltda página 01. Figura 23. Nota fiscal emitida pela Opção Agência de Viagens e Turismo Ltda página 02. Anexo 4 Figura 24. Certificado de realização das atividades desenvolvidas no estágio Pós- Doutoral elaborado pelo Dr. José Alfonso Goméz Calero. 15

16 Anexo 1 Tabela 2. F values in the analysis of variance for total carbon (TC), inorganic carbon (IC) and organic carbon (OC) in the three flows of outlet samples filtered and not filtered. Source of variation DF TC IC OC Flow ** 10.6** 10.5** Filtered NS 1.1 NS 2.6 NS Flow*Filtered NS 0.8 NS 2.3 NS Error 24 CV DF: degrees of freedom; CV: coefficient of variation. **: significant at 1%; NS: not significant. 200 Total carbon Inorganic carbon Organic carbon 150 ppm First Second Third Flow Figura 15. Leached amounts of total carbon, inorganic carbon and organic carbon in the three flows of outlet samples. Error bars represent standard error of the mean (n=10) Total carbon Inorganic carbon Organic carbon 100 ppm Filtered 16 Not filtered Figura 16. Leached amounts of total carbon, inorganic carbon and organic carbon in the outlet samples filtered and not filtered. Error bars represent standard error of the mean (n=15).

17 200 Total carbon Inorganic carbon Organic carbon 150 ppm Lisimeter Figura 17. Leached amounts of total carbon, inorganic carbon and organic carbon in the outlet samples for each lysimeter. Error bars represent standard error of the mean (n=6). ppm Total carbon filtered Total carbon not filtered Inorganic carbon filtered Inorganic carbon not filtered Organic carbon filtered Organic carbon not filtered First Second Third Flow Figura 18. Leached amounts of total carbon, inorganic carbon and organic carbon in the three flows of outlet samples filtered and not filtered. Error bars represent standard error of the mean (n=5). 17

18 Anexo 2 Figura 19. Relevo, litologia e classes de solos do munícipio do Códoba. Documento utilizado para excursão técnica de visita de diversos perfis representativos das classes de solo existentes na região. 18

19 Figura 20. Caracterização dos perfis de solo utilizado para excursão técnica de visita de diversos perfis representativos das classes de solo existentes na região. Figura 21. Figura 20. Caracterização dos perfis de solo utilizado para excursão técnica de visita de diversos perfis representativos das classes de solo existentes na região. 19

20 Anexo 3 Figura 22. Nota fiscal emitida pela Opção Agência de Viagens e Turismo Ltda página

21 Figura 23. Nota fiscal emitida pela Opção Agência de Viagens e Turismo Ltda página

22 Anexo 4 Figura 24. Certificado de realização das atividades desenvolvidas no estágio Pós-Doutoral elaborado pelo Dr. José Alfonso Goméz Calero. 22

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal)

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Curso: Engenharia Agrícola e Ambiental Matriz Curricular 1 Período IB 157 Introdução à Biologia 4 (2-2) IT 103 Técnicas Computacionais em Engenharia 4 (2-2)

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

César Piccirelli Santos Plinio Barbosa de Camargo

César Piccirelli Santos Plinio Barbosa de Camargo UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Centro de Energia Nuclear na Agricultura Programa de Pós Graduação Interunidades em Ecologia César Piccirelli Santos Plinio Barbosa de Camargo Objetivos Avaliar a qualidade da

Leia mais

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE SOCIAL

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

FAUEPG - FUNDAÇÃO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA EDITAL Nº 05 /2014

FAUEPG - FUNDAÇÃO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA EDITAL Nº 05 /2014 FAUEPG - FUNDAÇÃO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA EDITAL Nº 05 /2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA LAMA - LABORATÓRIO

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO)

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) Ingressantes a partir de 2015 1º SEMESTRE HORAS 2º SEMESTRE HORAS Introdução à Engenharia Agronômica 60 Metodologia Científica 60 Álgebra Linear 60 Desenho

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL. COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br

ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL. COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br 70 Currículos dos Cursos do CCA UFV Engenheiro Agrícola e Ambiental ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrícola e Ambiental

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

Conceitos e Histórico da Conservação de Solos e da Água

Conceitos e Histórico da Conservação de Solos e da Água Conceitos e Histórico da Conservação de Solos e da Água contato com a apresentação: gerd@usp.br total de 39 slides 1 Conceitos e Histórico da Conservação de Solos e da Água...quais Conceitos o Histórico

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS Intituição: Embrapa Cerrados / Centro de Pesquisa Agropecuária do Projeto: IV Reunião Técnica de Pesquisas em Maracujazeiro Responsável:

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil Nome do Processo de Seleção: Consultor Bioma Mata Atlântica da Cooperação Técnica BR-X1028 O Ministério da Agricultura,

Leia mais

- PROGRAMA DE APRENDIZAGEM (PLANO DE ENSINO) - -

- PROGRAMA DE APRENDIZAGEM (PLANO DE ENSINO) - - UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ - PROGRAMA DE APRENDIZAGEM (PLANO DE ENSINO) - - Prof a. Carolina R. Duarte Maluche Baretta carolmaluche@unochapeco.edu.br Chapecó SC, agosto

Leia mais

Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas

Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas Valdemir Antonio Rodrigues Luiza Zulian Pinheiro Guilherme Toledo Bacchim 4º Simpósio Internacional de Microbacias - FCA-UNESP - FEPAF- 2013. 11p. 1º Paisagem

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA Rossini Ferreira Matos Sena Especialista em Recursos Hídricos Superintendência de Implementação de Programas e Projetos Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto José Henrique T. Rocha José Henrique Bazani Eduardo S. A. C. Melo José Leonardo de Moraes Gonçalves Departamento de Ciências Florestais ESALQ - USP Conceitos:

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

Com base em observações empíricas, foi considerado que Sistema Plantio Direto não necessita de técnicas para manejo de enxurrada.

Com base em observações empíricas, foi considerado que Sistema Plantio Direto não necessita de técnicas para manejo de enxurrada. Enxurrada e erosão em SPD MANEJO DE ENXURRADA EM SISTEMA PLANTIO DIRETO José Eloir Denardin 2007 QUESTÃO Há necessidade de PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS COMPLEMENTARES À COBERTURA DE SOLO para controle de

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

A Fundação Espaço ECO

A Fundação Espaço ECO www.espacoeco.org Sustentabilidade que se mede A Fundação Espaço ECO (FEE ) é um Centro de Excelência em Educação e Gestão para a sustentabilidade, que mede e avalia a sustentabilidade por meio de metodologias

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação 2011 197 ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br

UFV Catálogo de Graduação 2011 197 ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2011 197 ENGENHARIA AMBIENTAL COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br 198 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Ambiental ATUAÇÃO O curso de Engenharia Ambiental da UFV

Leia mais

O SOLO NO MEIO AMBIENTE

O SOLO NO MEIO AMBIENTE Mini Curso O Solo e o Meio Ambiente Prof. Dr. Marcelo Ricardo de Lima IX EPEA 1 O SOLO NO MEIO AMBIENTE Marcelo Ricardo de Lima Professor Doutor do Departamento de Solos e Engenharia Agrícola, Universidade

Leia mais

Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002)

Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002) Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002) Data do Início: 01/01/2008 Data do Término: 31/12/2011 Valor: R$ 21.000.000,00 Objetivo: Desenvolvimento

Leia mais

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. (parte 1)

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. (parte 1) 6 Sistemas de irrigação (parte 1) 6.1 Considerações iniciais Aplicação artificial de água ao solo, em quantidades adequadas, visando proporcionar a umidade necessária ao desenvolvimento das plantas nele

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC Programa ABC Linha de Crédito para Agricultura de Baixa Emissão de Carbono Sidney

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

2ª Reunião Ordinária do Plenário 04 de abril de 2013.

2ª Reunião Ordinária do Plenário 04 de abril de 2013. 2ª Reunião Ordinária do Plenário 04 de abril de 2013. Missão: Garantir que a SUSTENTABILIDADE seja construída com Democracia Participativa, Valorização da Diversidade Cultural e Preservação da Biodiversidade.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO Setor de Ciências Agrárias e Ambientais Unidade Universitária de Irati CURRÍCULO PLENO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO Setor de Ciências Agrárias e Ambientais Unidade Universitária de Irati CURRÍCULO PLENO CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL (540/I Integral 02 e SEM_02) (Para alunos ingressos entre 2006 a 2008) CÓD. D. DEPTOS. DISCIPLINAS 1º 2º 3º 4º 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª C/H 0872/I DEMAT/I Cálculo I 3 51 0873/I

Leia mais

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL O Seminário Sul Brasileiro vem sendo organizado desde 2005, como um evento paralelo a Suinofest, festa gastronômica de derivados da carne suína, por um grupo formado pela UERGS, ACI-E, EMATER e Secretaria

Leia mais

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Alexsandro O. da Silva, Paulo R. Isler, Joselina S. Correia

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

Recursos Hídricos. Produtos e Equipamentos. Anexo III-d. Prospecção Tecnológica. Síntese de Painel de Especialistas

Recursos Hídricos. Produtos e Equipamentos. Anexo III-d. Prospecção Tecnológica. Síntese de Painel de Especialistas Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Recursos Hídricos Anexo III-d Produtos e Equipamentos Síntese de Painel de Especialistas 1 Contexto A necessidade de equipamentos

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior

Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior Seminário Água e Produção Agrícola Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior 1. O Brasil foi capaz de nos últimos 40 anos dobrar a área

Leia mais

TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS

TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS Julho 2004 TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS José Eloir Denardin Rainoldo Alberto Kochhann Neroli Pedro Cogo Ildegardis Bertol QUESTÃO São necessárias práticas complementares à Cobertura de Solo

Leia mais

ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br

ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br ENGENHARIA AMBIENTAL COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br 180 Currículos dos Cursos do CCE UFV Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O curso de Engenharia da UFV habilita o futuro profissional

Leia mais

PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO

PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" FACULDADE DE ENGENHARIA - CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO APLICAÇÃO DA PARCELA PARA CUSTOS DE INFRA- ESTRUTURA INSTITUCIONAL PARA

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA 2013 APRESENTAÇÃO Os programas das Áreas de Concentração

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/ CT-INFRA - CAMPI ESTADUAIS E MUNICIPAIS 03/2009

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/ CT-INFRA - CAMPI ESTADUAIS E MUNICIPAIS 03/2009 R$ 1.490.484,00 R$ 1.490.484,00 R$ 2.980.968,00 1 - ALS Aparelhamento de laboratórios ligados a área da saúde R$ 414.288,00 R$ 414.288,00 R$ 828.576,00 2 - EMP Estruturação de laboratórios de médio porte

Leia mais

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS Portfólio Formal Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS APRESENTAÇÃO Uma Empresa Júnior é uma associação civil, sem fins lucrativos, constituída e

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

Um laboratório com 35 hectares!

Um laboratório com 35 hectares! Um laboratório com 35 hectares! Prof. José Oliveira Peça; Prof. Anacleto Cipriano Pinheiro; Prof. António Bento Dias Universidade de Évora, Departamento de Engenharia Rural - ICAM Apartado 94, 7002 554

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888 Página 888 EFEITOS DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE INDÚSTRIAS DE CAMPINA GRANDE NA PRODUÇÃO DE FITOMASSA DA MAMONEIRA, CULTIVAR BRS NORDESTINA Josilda de F. Xavier 1 *. Carlos A. V. Azevedo 1*, Napoleão E. M.

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC)

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Bioenergia: energia renovável recicla o CO 2 E + CO 2 + H 2 O CO 2 + H 2 O Fotossíntese

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE RIO DE JANEIRO (UFRRJ) Tópicos em Manejo de Bacias Hidrográficas

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE RIO DE JANEIRO (UFRRJ) Tópicos em Manejo de Bacias Hidrográficas UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE RIO DE JANEIRO (UFRRJ) Tópicos em Manejo de Bacias Hidrográficas Professeur: R. Valcarcel PROJETO: MANEJO DA BACIA HIDROGRAFICA DO RIO BARETTE, Petit-Goave Goave, Ouest, HAITI.

Leia mais

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica Temporada 2014 Tecnologia & Engenharia Desafio Prático Tecnologia & Engenharia Desafio Prático 7 3 1 4 5 6 2 1. Agroenergia: Descrição: trata-se da fabricação e uso dos diversos tipos de biocombustíveis

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

1156 Pesquisa e Desenvolvimento para a Competitividade e Sustentabilidade do Agronegócio

1156 Pesquisa e Desenvolvimento para a Competitividade e Sustentabilidade do Agronegócio Programa úmero de Ações 8 1156 Pesquisa e Desenvolvimento para a Competitividade e Sustentabilidade do Agronegócio Objetivo Indicador(es) Incrementar a base de conhecimentos científicos e tecnológicos

Leia mais

Plantio Direto na Palha A Evolução para Uma Estratégia Global

Plantio Direto na Palha A Evolução para Uma Estratégia Global 1 Plantio Direto na Palha A Evolução para Uma Estratégia Global A evolução da agricultura se confunde com a história da humanidade. Para poder crescer e se desenvolver estabelecendo suas comunidades o

Leia mais

Contribuições do MAPA para a Implantação da Nova Lei Florestal

Contribuições do MAPA para a Implantação da Nova Lei Florestal MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS Contribuições do

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1

ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1 ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1 Alafer Santelmo da Cruz 2 ; Fabrício Flavio Amler 3 ; Rosieli de Souza Pahl 4 ; Romano Roberto valicheski

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO Projeto Agrisus Nº: 1626/15 RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO Nome do Evento: 6º Dia de Campo do Portal Ciência do Solo Qual o caminho para altas produtividades de soja? Interessado (Coordenador do Projeto):

Leia mais

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO De 30 de janeiro de 2014 Simpósio Riquezas e Problemas do Semiárido chega ao fim Na próxima sexta-feira, dia 31, chega ao

Leia mais

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14

A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14 A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14 Eng. Agr. Sérgio Iraçu Gindri Lopes Gerente da Divisão de Pesquisa Estação Experimental

Leia mais

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO Nomes dos autores: Fernando César Vitti Tabai (Apresentador

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS. Data: Janeiro 2015. Este catálogo é especifico para serviços da área ambiental da empresa

CATÁLOGO DE SERVIÇOS. Data: Janeiro 2015. Este catálogo é especifico para serviços da área ambiental da empresa ME THODOS CONSU LTORIA AGRONÔMICA & AMBIENTAL CATÁLOGO DE SERVIÇOS Data: Janeiro 2015 Este catálogo é especifico para serviços da área ambiental da empresa Outorga de Recurso Hídrico Licenciamento Ambiental

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

APRESENTAÇÃO A BIOEC

APRESENTAÇÃO A BIOEC APRESENTAÇÃO Empresa especializada em elaboração, execução e gerenciamento de projetos ambientais. Formada por profissionais altamente qualificados, que buscam desenvolver projetos eficientes e inovadores,

Leia mais

Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde

Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde BLOCO I ANFITEATRO A 78 carteiras c/ PG - EA Manutenção e Lubrificação de Máquinas Agrícolas PG -EA Ensaio de Máquinas Agrícolas Radiação Solar- SALA 2 SALA 3 SALA 4 50 carteiras c/ SALA 7 SALA 8 SALA

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA

REGULAMENTO GERAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA REGULAMENTO GERAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA 2014 São Luís de Montes Belos Goiás Faculdade Montes Belos Curso de Engenharia Agronômica São Luis de Montes Belos - Goiás

Leia mais

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade)

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade) Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural Sustentabilidade) Titulo do Trabalho PRODUÇÃO ORGÂNICA DE CANA-DE-AÇÚCAR, MANEJO E BIODIVERSIDADE Nome do Autor (a) Principal Vagner

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR JÚNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

Resumo Auditoria e Pericia Ambiental

Resumo Auditoria e Pericia Ambiental Resumo Auditoria e Pericia Ambiental Inspirada na Auditoria Contábil, elemento integrante dos sistemas de gestão empresarial, a Auditoria Ambiental surgiu na década de 70 nos Estados Unidos visando à redução

Leia mais

Banco do Brasil. Programa ABC

Banco do Brasil. Programa ABC Banco do Brasil Programa ABC Junho de 2015 Plano ABC Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na Política Nacional

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Tecnologia em Produção de Grãos

Tecnologia em Produção de Grãos Tecnologia em Produção de Grãos Nível/Grau: Superior/Tecnólogo Vagas: 30 Turno: Matutino Duração: 3 anos mais estágio (7 semestres) Perfil do Egresso O profissional estará capacitado para: Produzir grãos

Leia mais

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo.

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO. Nome do Evento: 1º Workshop Sistemas de Produção Sustentáveis

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO. Nome do Evento: 1º Workshop Sistemas de Produção Sustentáveis SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO AGÊNCIA PAULISTA DE TECNOLOGIA DOS AGRONEGÓCIOS DEPARTAMENTO DE DESCENTRALIZAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO Projeto Agrisus Nº: 1691/15

Leia mais

NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO

NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Centro de Ciências Agrárias, Biológicas e Ambientais NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO Vital Pedro da Silva Paz vpspaz@ufba.br Francisco A. C. Pereira pereiras@ufba.br

Leia mais

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO Termo de Referência CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS DO BANCO DA AMAZÔNIA BASA, PARA FORTALECIMENTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA, COM DESTAQUE PARA

Leia mais

Sumário Executivo Rio Cancã / Moinho

Sumário Executivo Rio Cancã / Moinho Sumário Executivo Rio Cancã / Moinho 2 SUMÁRIO EXECUTIVO Microbacias: Cancã/Joanópolis - SP e Moinho/Nazaré Paulista - SP Mapas das bacias e do recorte espacial escolhido: Cancã Joanópolis (Escopo geográfico

Leia mais

Universidade e Desenvolvimento Rural: Mestrado em Desenvolvimento Rural na Universidade da Extremadura

Universidade e Desenvolvimento Rural: Mestrado em Desenvolvimento Rural na Universidade da Extremadura Facultad de Filosofía y Letras DEPARTAMENTO DE ARTE Y CIENCIAS DEL TERRITORIO Campus Universitario 10071-Cáceres SEMINÁRIO IBÉRICO COMBATE À DESERTIFICAÇAO, ABANDONO RURAL E DESPOVOAMENTO INTERVENÇOES

Leia mais

Da produção ao consumidor

Da produção ao consumidor Da produção ao consumidor 1 Da produção ao consumidor O Esporão concluiu que o seu modo de produção não estava adequado à visão da empresa: fazer os melhores produtos que a terra proporciona, de forma

Leia mais

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO É ESSENCIAL PARA A VIDA NA TERRA serve de fundação a todos os ecossistemas SERVE DE FUNDAMENTAL

Leia mais

ENGENHARIA AMBIENTAL. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

ENGENHARIA AMBIENTAL. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC ENGENHARIA AMBIENTAL Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo

Leia mais

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins ? O QUE É O SOLO? É um meio natural, limitado, que tem origem na desagregação do material originário ou rocha-mãe, através de um processo designado

Leia mais

ANEXO I QUADRO DAS ÁREAS DE ESTUDO. Lotação 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ

ANEXO I QUADRO DAS ÁREAS DE ESTUDO. Lotação 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ Código/Área de Estudo. Desenho Técnico, Desenho Assistido por Computador (CAD), Informática 02. Materiais para Construção Mecânica, Corrosão e Tribologia 03. Termodinâmica, Refrigeração, Transferência

Leia mais

1.1) PLANO DE APLICAÇÃO DE RECURSOS (EM ANEXO) 1.2) PROJETO DE CAPACITAÇÃO EM GEOTECNOLOGIA INTRODUÇÃO

1.1) PLANO DE APLICAÇÃO DE RECURSOS (EM ANEXO) 1.2) PROJETO DE CAPACITAÇÃO EM GEOTECNOLOGIA INTRODUÇÃO 1.1) PLANO DE APLICAÇÃO DE RECURSOS (EM ANEXO) 1.2) PROJETO DE CAPACITAÇÃO EM GEOTECNOLOGIA INTRODUÇÃO Com o crescimento e desenvolvimento tecnológico constante, o agronegócio brasileiro ostenta aumentos

Leia mais

PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP

PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP Simone Neiva Rodella (1) Bióloga especializada em administração e educação ambiental é atualmente, diretora da divisão de meio

Leia mais

COORDENADORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. A Fiscalização do Uso e Conservação do Solo Agricola e as Novas Tecnologias de Manejo

COORDENADORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. A Fiscalização do Uso e Conservação do Solo Agricola e as Novas Tecnologias de Manejo COORDENADORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA A Fiscalização do Uso e Conservação do Solo Agricola e as Novas Tecnologias de Manejo Secretária de Agricultura e Abastecimento Monika Bergamaschi Coordenador da Defesa

Leia mais

Professora Dra.Jussara dos Santos Rosendo Orientadora e Professora -Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: jussara@facip.ufu.

Professora Dra.Jussara dos Santos Rosendo Orientadora e Professora -Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: jussara@facip.ufu. O Programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC) no Município de Ituiutaba MG Laíza Castro Brumano Viçoso Bolsista de IC/ FAPEMIG - Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: laizabrumano@hotmail.com

Leia mais