O uso da Teoria dos Grafos no Jogo Icosiano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O uso da Teoria dos Grafos no Jogo Icosiano"

Transcrição

1 O uso da Teoria dos Grafos no Jogo Icosiano Leandro Natal Coral 1, Rafael Spilere Marangoni 1, Kristian Madeira 2 1 Acadêmico do curso de Ciência da Computação Unidade Acadêmica de Ciências, Engenharias e Tecnologias - Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) Criciúma, SC - Brasil 2 Professor(a) do curso de Ciência da Computação - Unidade Acadêmica de Ciências, Engenharias e Tecnologias - Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) Criciúma, SC - Brasil {le_natal, Resumo. Este artigo refere-se à uma pesquisa sobre a utilização de Grafos no desenvolvimento de jogos, com base nas informações obtidas através da disciplina de Teoria dos Grafos no primeiro semestre de Para desenvolver este trabalho, foi escolhido como objeto de estudo o Jogo Icosiano, jogo de tabuleiro que possui ampla relação com Grafos e suas teorias. Palavras-chave: Grafos, Jogo Icosiano. 1. Introdução No 1º semestre letivo de 2008, foi proposto pelo professor da disciplina de Teoria dos Grafos um trabalho cujo objetivo era fazer uma pesquisa sobre a aplicação de grafos no desenvolvimento de jogos, de forma a esclacer os conceitos fundamentais aplicados no mesmo. Após uma ampla pesquisa sobre os jogos disponíveis atualmente, verificou-se a grande aplicabilidade teórica desta disciplina no Jogo Icosiano, o qual foi escolhido como principal objeto de estudo para o desenvolvimento deste artigo. Nas próximas sessões serão abordados alguns conceitos e definições de Teoria de grafos, assim como suas aplicações no jogo escolhido. 2. Teoria dos Grafos Segundo Netto (2003), o grafo é obtido associando-se a cada vértice um ponto ou uma pequena area delimitada por uma fronteira e a cada ligação um desenho capaz de representar a forma de associação dos vertices que a ligação envolve. Basicamente, um grafo é um conjunto de pontos (vértices ou nós), interligados por meio linhas (arestas ou arcos), podendo ser ou não direcionado. A Teoria dos Grafos é a parte da matemática que busca estudar essas relações entre esses objetos, tal como suas propriedades.

2 2.1. Mapa Icosiano O mapa Icosiano é basicamente uma projeção planar do dodecaedro regular. O dodecaedro é um poliedro formado por 12 faces pentegonais e 20 vértices, no qual todos os vertices possuem grau 3. O termo icosiano provem da presence de 20 vértices no grafo. Figura 1. Mapa Icosiano; projeção das arestas de um dodecaedro no plano Grafo Rotulado Grafos Rotulados são aqueles que possuem nomes de identificação, ou seja, rótulos. Este recurso, proveniente da Teoria dos Grafos, tem como intuito facilitar a utilização e compreensão visual de grafos, tornando praticamente imprescindível o seu uso. Para identificar as peças no Jogo Icosiano, faz-se necessário o uso de rótulos numerados de 1 a 20.

3 Figura 2. Tabuleiro Icosiano; Peças rotuladas com números de 1 a Caminho Hamiltoniano Inventado pelo famoso matemático ingles Sir William Rowan Hamilton ( ), o caminho Hamiltoniano consiste em encontrar um ciclo que contenha todos os nós de um grafo, sendo que cada nó só apareça uma vez no ciclo. Esta tarefa pode ser resolvida por tentativas de erro, e sua solução possui complexidade da classe NP-Completo, ou seja, não se conhece solução para o problema em tempo menor que exponencial. O grafo que possua um ciclo hamiltoniano é chamado de grafo hamiltoniano. 3. Jogo Icosiano Inventado em 1856 pelo mesmo criador do Caminho Hamiltoniano, Sir William Rowan Hamilton, o Jogo Icosiano é um jogo de tabuleiro que propõe diversos desafios, desde os fáceis até os impossíveis. O grafo utilizado como tabuleiro é o mapa Icosiano, no qual seus vertices representam as casas, locais onde deverão ser colocadas as peças rotuladas de 1 a 20. Estas são utilizadas para marcar a escolha de cada posição no jogo. As arestas do mapa representam os caminhos. O objetivo do jogo consiste basicamente nas definições do Caminho Hamiltoniano. Para vencer, o jogador deve descobrir um circuito ao longo das arestas do dodecaedro respeitando algumas regras: a casa inicial é um vértice qualquer; cada casa pode ser escolhida uma única vez; nenhum caminho pode ser percorrido mais de uma vez; o vértice final é o mesmo que o inicial, completando ao fim o ciclo Hamiltoniano.

4 Figura 3. Jogo Icosiano; Exemplos de desafios propostos pelo jogo. Figura 4. Jogo Icosiano; As peças são colocadas em ordem numérica crescente, seguindo os desafios propostos pelo jogo. 4. Cosiderações Finais O desenvolvimento deste artigo procura mostrar a aplicação dos conceitos e definições de Teoria dos Grafos nas atividades práticas, relacionadas à area de desenvolvimento de jogos. No decorrer do trabalho, pode-se perceber que o conhecimento dos recursos disponibilizados por esta disciplina é de extrema importância, tanto para a programação algorítmica, quanto para a compreensão do usuário final. Facilmente percebe-se também, que não só como no Jogo Icosiano, a Teoria dos Grafos pode contribuir de forma significativa na resolução de problemas em diversas áreas, inclusive nos ajuda a tomar decisões nos problemas cotidianos. 5. Referências LIPORACE, Frederico dos Santos. Planejadores para transportes em polidutos. Tese (doutorado em Informática). Programa de Pós-graduação em Informática, PUC, Rio de Janeiro, RJ, 2005.

5 SAMPAIO, João Carlos V. Quatro cores e matemática. II Bienal da SBM, UFSCar. São Carlos, SP, BOAVENTURA NETTO, Paulo Oswaldo. Grafos: teoria, modelos, algoritmos. 3. ed. rev. e ampl São Paulo: Edgard Blücher, 2003.Knuth, D. E. (1984), The TeXbook, Addison Wesley, 15 th edition. EPPSTEIN, David. Computational Complexity of Games and Puzzles. Computer Science Department, UCIrvine (University of California), Irvine, USA. DUNNE, Paul E. An Annotated List of Selected NP-complete Problems. Computer Science Department, University of Liverpool, United Kingdom, UK.

Orientações de Inscrição nas Unidades Curriculares. da Licenciatura em Informática

Orientações de Inscrição nas Unidades Curriculares. da Licenciatura em Informática SIFT/DCeT Orientações de Inscrição nas Unidades Curriculares da Licenciatura em Informática Versão 2016-07-14 Introdução Este documento pretende servir de guia de aconselhamento aos estudantes para a inscrição

Leia mais

MUSEU VIRTUAL: DESENVOLVIMENTO DE JOGO EDUCATIVO SOBRE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

MUSEU VIRTUAL: DESENVOLVIMENTO DE JOGO EDUCATIVO SOBRE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Pesquisa Operacional. Definição. Sumário 2/23/2016

Pesquisa Operacional. Definição. Sumário 2/23/2016 Pesquisa Operacional Prof. Adriano Maranhão Apresentação (Professor) Site: www.resenhadevalor.com.br Graduado em Ciências da Computação UVA/2009 Pós-graduado em Engenharia de Software INTA/2010 DTI/Sobral

Leia mais

Tipos para uma Linguagem de Transformação

Tipos para uma Linguagem de Transformação Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática Proposta de Trabalho de Graduação Tipos para uma Linguagem de Transformação Aluno: Orientador: Alexandra Barreto

Leia mais

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 2º BIMESTRE º B - 11 Anos

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 2º BIMESTRE º B - 11 Anos PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO/ SEÇÃO DE ENSINO FORMAL Centro de Formação Pedagógica CENFOP MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 2º

Leia mais

Licenciatura em Matemática

Licenciatura em Matemática Licenciatura em atemática Ano Letivo 2012/2013 Acesso Geral Códigos nstituição/curso: 0300 / 9209 Condições Prova de ingresso: atemática (19) O cálculo da nota de acesso considera: 0% da nota do ensino

Leia mais

A computação aplicada à resolução de sistemas lineares

A computação aplicada à resolução de sistemas lineares Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Departamento de Sistemas e Computação Programa de Educação Tutorial (PET) A computação aplicada à resolução de sistemas

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Computação EXERCÍCIOS

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 60h CH Teórica Formação Básica. CH Prática. 10h. Trabalho Efetivo Discente

PLANO DE ENSINO. 60h CH Teórica Formação Básica. CH Prática. 10h. Trabalho Efetivo Discente PLANO DE ENSINO Escola ENGENHARIA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (EETI) Engenharias: Ambiental; Civil; de Computação; de Petróleo; de Produção; Elétrica; Curso(s) Mecânica; Mecatrônica e Química Disciplina

Leia mais

Pesquisa Operacional. Introdução à Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional. Introdução à Pesquisa Operacional Pesquisa Operacional Introdução à Pesquisa Operacional 1 PESQUISA OPERACIONAL PO Sumário Origens A natureza O impacto Principais sociedades profissionais ligadas à PO Algumas publicações científicas ligadas

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL. UNIDADE 1 Introdução à Pesquisa Operacional. Prof. Me. Carlos Guimarães

PESQUISA OPERACIONAL. UNIDADE 1 Introdução à Pesquisa Operacional. Prof. Me. Carlos Guimarães PESQUISA OPERACIONAL UNIDADE 1 Introdução à Pesquisa Operacional Prof. Me. Carlos Guimarães Objetivo Introduzir o tema Pesquisa Operacional por meio da apresentação: Da sua origem; Das sociedades profissionais

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIVISÃO DE ENSINO

Universidade Estadual de Ponta Grossa PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIVISÃO DE ENSINO Universidade Estadual de Ponta Grossa PROGRAMA DE DISCIPLINA SETOR: CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO: INFORMÁTICA DISCIPLINA: PROJETO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CÓDIGO: 203094 Nº de aulas

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO: EVASÃO E REPROVAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE, CAMPUS AVANÇADO SOMBRIO

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO: EVASÃO E REPROVAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE, CAMPUS AVANÇADO SOMBRIO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO: EVASÃO E REPROVAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE, CAMPUS AVANÇADO SOMBRIO Autores: Vinícius dos Santos FERNANDES, Vanderlei FREITAS JUNIOR. Identificação autores: Aluno e

Leia mais

Conceitos Básicos INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES

Conceitos Básicos INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES FACULDADE DOS GUARARAPES INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES Conceitos Básicos Prof. Rômulo César romulodandrade@gmail.com romulocesar@faculdadeguararapes.edu.br www.romulocesar.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Comentários e Exemplos sobre os Temas e seus Descritores da Matriz de Matemática de 4ª Série Fundamental

Comentários e Exemplos sobre os Temas e seus Descritores da Matriz de Matemática de 4ª Série Fundamental Comentários e Exemplos sobre os Temas e seus Descritores da Matriz de de 4ª Série Fundamental TEMA I ESPAÇO E FORMA A compreensão do espaço com suas dimensões e formas de constituição são elementos necessários

Leia mais

Matemática Discreta 10

Matemática Discreta 10 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta 10 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br - www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti 1 Muitas

Leia mais

cubo a partir de sua planificação e nele nomear vértices, arestas e faces, além de verificar as posições das diagonais das faces e da diagonal do cubo

cubo a partir de sua planificação e nele nomear vértices, arestas e faces, além de verificar as posições das diagonais das faces e da diagonal do cubo Guia do Professor CAMINHANDO PELAS FACES DE UM CUBO Introdução O estudo das formas geométricas não planas acompanha os alunos desde as séries iniciais do Ensino Fundamental. Todavia, quando no Ensino Médio

Leia mais

APLICAÇÃO DE EQUAÇÃO DO SEGUNDO GRAU COM MATERIAIS MANIPULÁVEIS: JOGO TRILHA DAS EQUAÇÕES

APLICAÇÃO DE EQUAÇÃO DO SEGUNDO GRAU COM MATERIAIS MANIPULÁVEIS: JOGO TRILHA DAS EQUAÇÕES APLICAÇÃO DE EQUAÇÃO DO SEGUNDO GRAU COM MATERIAIS MANIPULÁVEIS: JOGO TRILHA DAS EQUAÇÕES Rafael Pereira da Silva Universidade Estadual da Paraíba rafaelpereira.jt@hotmail.com Jailson Lourenço de Pontes

Leia mais

Introdução à Teoria dos Grafos

Introdução à Teoria dos Grafos Capítulo 1 Introdução à Teoria dos Grafos 1.1 História O primeiro problema cuja solução envolveu conceitos do que viria a ser teoria dos grafos, denominado "problema das pontes de Königsberg", foi resolvido

Leia mais

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 3º BIMESTRE º B - 11 Anos

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 3º BIMESTRE º B - 11 Anos PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO/ SEÇÃO DE ENSINO FORMAL Centro de Formação Pedagógica CENFOP MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 3º

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário

Cursos Profissionais de Nível Secundário Cursos Profissionais de Nível Secundário Técnico de Apoio à infância e Técnico de Turismo Ano Letivo: 2014/2015 Matemática (100 horas) 10º Ano PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO A1 Geometria Resolução de problemas

Leia mais

Definição e Conceitos Básicos

Definição e Conceitos Básicos Definição e Conceitos Básicos Grafos e Algoritmos Computacionais Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes fhcnunes@yahoo.com.br 1 Conceitos Básicos Em grafos ocorrem dois tipos de elementos: Vértices ou nós;

Leia mais

BARALHO São usados dois baralhos, JOGO DOS POLIEDROS, de 54 cartas cada, já inclusos os curingas.

BARALHO São usados dois baralhos, JOGO DOS POLIEDROS, de 54 cartas cada, já inclusos os curingas. OFICINA: JOGO DOS POLIEDROS INTRODUÇÃO Para proporcionar um ensino compatível com as exigências da sociedade contemporânea são necessárias mudanças nas formas de ensinar. Estas mudanças implicam no repensar

Leia mais

EDITAL N.º 082/VRG/2016

EDITAL N.º 082/VRG/2016 EDITAL N.º 082/VRG/2016 ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA A INSCRIÇÃO E REALIZAÇÃO DOS EXAMES DE SUFICIÊNCIA NAS DISCIPLINAS INGLÊS, ITALIANO, ESPANHOL, INFORMÁTICA, DESENHO TÉCNICO E GEOMETRIA DESCRITIVA,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Professor: João Carmo ELEMENTOS DO DESENHO TÉCNICO Os desenhos no papel continuam a ter importância, em particular para a fabricação,

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ROBSON ALMEIDA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO DOCUMENTAÇÃO DO PROJETO CAIXA FORTE

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ROBSON ALMEIDA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO DOCUMENTAÇÃO DO PROJETO CAIXA FORTE 1 CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ROBSON ALMEIDA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO DOCUMENTAÇÃO DO PROJETO CAIXA FORTE PROFESSOR: AFONSO MIGUEL CURITIBA 2011 2 CENTRO DE CIÊNCIAS

Leia mais

Escalas. O processo de modificação dos tamanhos reais de medidas para outras medidas no desenho é realizado pela aplicação de escalas.

Escalas. O processo de modificação dos tamanhos reais de medidas para outras medidas no desenho é realizado pela aplicação de escalas. Escalas Em desenhos sempre possíveis os detalhes devem ser feitos em tamanho original. Isto é, passar para o desenho as medidas iguais as das peças e objetos que representam. Desta forma os desenhos dão

Leia mais

Bingo Atômico. Apresentação

Bingo Atômico. Apresentação Bingo Atômico Apresentação O Jogo do Bingo é bem conhecido popularmente e bastante interessante para ser adaptado para a finalidade educativa. O conteúdo abordado nesta atividade é referente à atomística

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O CONHECIMENTO COMPUTACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE RIACHÃO PB

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O CONHECIMENTO COMPUTACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE RIACHÃO PB LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA O CONHECIMENTO COMPUTACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE RIACHÃO PB Autor Ginaldo Ribeiro da Silva Graduando de Lic. Computação e Informática IFPB Campus Cajazeiras/PB

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Universidade dos Açores Departamento de Matemática www.uac.pt/~hguerra!! do Gr. logiké, arte de raciocinar!! s. f., ciência que tem por objecto o estudo dos métodos e princípios que

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ANDRÉ CLAUDINO GABRIEL HENRIQUE GAVA ALBO ALENCAR

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ANDRÉ CLAUDINO GABRIEL HENRIQUE GAVA ALBO ALENCAR CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ANDRÉ CLAUDINO GABRIEL HENRIQUE GAVA ALBO ALENCAR MICROPROCESSADORES I ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PROJETO KWISTER-PRO PROFESSOR: AFONSO

Leia mais

Teoria dos Grafos. Edson Prestes

Teoria dos Grafos. Edson Prestes Edson Prestes Árvores Algoritmo de Kruskal O algoritmo de Kruskal permite determinar a spanning tree de custo mínimo. Este custo corresponde à soma dos pesos (distância, tempo, qualidade,...) associados

Leia mais

Ferramenta de Suporte à Tomada de Decisão na Indústria Têxtil

Ferramenta de Suporte à Tomada de Decisão na Indústria Têxtil Fabrício Bueno Borges dos Santos fabriciob@cefetsc.edu.br Ferramenta de Suporte à Tomada de Decisão na Indústria Têxtil Trabalho ilustrativo da disciplina Informática Aplicada Araranguá, 2008 Sumário 1Introdução...1

Leia mais

HISTÓRIA DOS NÚMEROS INTEIROS. Aula de Iniciação à docência ao 7º ano Micarlla Priscilla Freitas da Silva Bolsista PIBID

HISTÓRIA DOS NÚMEROS INTEIROS. Aula de Iniciação à docência ao 7º ano Micarlla Priscilla Freitas da Silva Bolsista PIBID HISTÓRIA DOS NÚMEROS INTEIROS Aula de Iniciação à docência ao 7º ano Micarlla Priscilla Freitas da Silva Bolsista PIBID Como surgiram os Números? Os números surgiram a partir da necessidade humana de:

Leia mais

Meu nome: Minha Professora: Minha Instituição:

Meu nome: Minha Professora: Minha Instituição: Meu nome: Minha Professora: Minha Instituição: 1. Durante as férias passadas, Gabriel, uma criança levada, viajou de férias com seus pais para um hotel fazenda na cidade de Jataí-GO. No quarto do hotel

Leia mais

MANUAL ED ED GRAMÁTICA E ED LÓGICA MATEMÁTICA PLATAFORMA ADAPTATIVA

MANUAL ED ED GRAMÁTICA E ED LÓGICA MATEMÁTICA PLATAFORMA ADAPTATIVA DEDMD MANUAL ED 2016.2 ED GRAMÁTICA E ED LÓGICA MATEMÁTICA PLATAFORMA ADAPTATIVA boas-vindas Seja bem-vindo aos Estudos Dirigidos (EDs). É com grande satisfação que apresentamos a você o Manual dos EDs,

Leia mais

EDITAL PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS DA ICEI PUC MINAS - 12 EDIÇÃO/2016

EDITAL PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS DA ICEI PUC MINAS - 12 EDIÇÃO/2016 EDITAL PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS DA ICEI PUC MINAS - 12 EDIÇÃO/2016 O Programa de Pré-Aceleração de Negócios da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) e o programa de empreendedorismo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA COORDENADORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA COORDENADORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Edital nº 020/2012 - CRINT/UFRR Boa Vista, 10 de setembro de 2012. Dispõe sobre os critérios para a seleção de candidatos, alunos da UFRR, ao Programa Ciência sem Fronteiras. A Coordenadoria de Relações

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF)

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF) TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF) I. DEFINIÇÃO Em atendimento às Diretrizes Curriculares do Ministério da Educação, todo aluno do Curso de Engenharia Florestal deverá, obrigatoriamente,

Leia mais

JOGOS MATEMÁTICOS BASEADOS NA TEORIA DAS MÚLTIPLAS INTELIGÊNCIAS

JOGOS MATEMÁTICOS BASEADOS NA TEORIA DAS MÚLTIPLAS INTELIGÊNCIAS JOGOS MATEMÁTICOS BASEADOS NA TEORIA DAS MÚLTIPLAS INTELIGÊNCIAS Carlos Henrique Lange carloshenriquelange@hotmail.com José Guilherme Simion Antunes guisimion@gmail.com Juliana Raupp raupp_juliana@yahoo.com

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ 13 específica, de segunda-feira a sexta-feira e aos sábados, caso seja necessário para complementação do período letivo e/ou carga horária curricular. Cada aula tem durafao de 50min (cinquenta minutos),

Leia mais

UMA NOVA ABORDAGEM PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA NOS CURSOS DE ENGENHARIA

UMA NOVA ABORDAGEM PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA NOS CURSOS DE ENGENHARIA UMA NOVA ABORDAGEM PARA O ENSINO DE ESTATÍSTICA NOS CURSOS DE ENGENHARIA PEDRO FERREIRA FILHO ESTELA MARIS P. BERETA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA - UFSCar 1. AGENDA I. Motivação II. Diagnóstico III. Necessidades

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL APLICADA A LOGÍSTICA

PESQUISA OPERACIONAL APLICADA A LOGÍSTICA PESQUISA OPERACIONAL APLICADA A LOGÍSTICA Pós-Graduação em Logística e Supply Chain Valdick Sales 1 APRESENTAÇÃO Valdick sales Graduado em Ciência da Computação pela UFPE. Pós-Graduado em Redes e Banco

Leia mais

USO DE JOGOS LÓGICOS APLICADOS A APRENDIZAGEM DE MÁQUINA. 1

USO DE JOGOS LÓGICOS APLICADOS A APRENDIZAGEM DE MÁQUINA. 1 USO DE JOGOS LÓGICOS APLICADOS A APRENDIZAGEM DE MÁQUINA. 1 Jean Rafael Reus Da Silva 2, Rogerio Samuel De Moura Martins 3, Renato Perez Ribas 4, Rafael Zancan Frantz 5, Sandro Sawicki 6. 1 Projeto de

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NAS SÉRIES FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NAS SÉRIES FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A UTILIZAÇÃO DE JOGOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NAS SÉRIES FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Lucas

Leia mais

Normatização e Padronização no Desenho Técnico

Normatização e Padronização no Desenho Técnico Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Normatização e Padronização no Desenho Técnico Professora Valéria Peixoto Borges NORMAS TÉCNICAS Primeiras Normas Técnicas

Leia mais

2º ANO Reconhecer e utilizar características do sistema de numeração decimal, tais como agrupamentos e trocas na base 10 e princípio do valor posicion

2º ANO Reconhecer e utilizar características do sistema de numeração decimal, tais como agrupamentos e trocas na base 10 e princípio do valor posicion PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO DESCRITORES DE MATEMÁTICA PROVA - 3º BIMESTRE 2011 2º ANO Reconhecer e utilizar

Leia mais

Introdução a Algoritmos Aula 1

Introdução a Algoritmos Aula 1 Introdução a Algoritmos Aula 1 Professor: Maurício Archanjo Nunes Coelho Metodologia Aulas expositivas Transparências Quadro negro Material disponível em PDF Resolução de exercícios Leitura/Estudo do material

Leia mais

PIFE DA MULTIPLICAÇÃO

PIFE DA MULTIPLICAÇÃO PIFE DA MULTIPLICAÇÃO Objetivo: Compreender melhor as operações de multiplicação. Materiais: 46 cartas da seguinte forma: 8 cartas com números do 2 ao 9 sendo estes multiplicadores; 8 cartas com números

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS/FISICA EDITAL 16/2015.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS/FISICA EDITAL 16/2015. EDITAL 16/2015. Edital de Inscrição, Seleção e Matrícula para o curso de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Ciências - Área de Concentração em Física. DOUTORADO EM CIÊNCIAS/FÍSICA 1º Semestre -

Leia mais

MATEMÁTICA - 3 o ANO MÓDULO 50 POLIEDROS

MATEMÁTICA - 3 o ANO MÓDULO 50 POLIEDROS MATEMÁTICA - 3 o ANO MÓDULO 50 POLIEDROS Tetraedro regular Hexaedro regular Octaedro regular Dodecaedro regular Icosaedro regular B C A F D G E H Como pode cair no enem O poliedro da figura (uma invenção

Leia mais

LICENCIATURA EM ENGENHARIA DE REDES DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO EQUIVALÊNCIAS ENTRE PLANOS CURRICULARES. Plano Curricular

LICENCIATURA EM ENGENHARIA DE REDES DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO EQUIVALÊNCIAS ENTRE PLANOS CURRICULARES. Plano Curricular LICENCIATURA EM ENGENHARIA DE REDES DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO EQUIVALÊNCIAS ENTRE PLANOS CURRICULARES Plano Curricular de 2005-2006 ECTS Plano Curricular ECTS LERCI LERC / MERC (Bolonha) Análise Matemática

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária Escola de Engenharia Curso Engenharia de Produção Disciplina Computação, Algoritmos e Programação II Professor(es) Sergio Vicente Denser Pamboukian Lincoln Cesar Zamboni Osvaldo Ramos

Leia mais

Concurso nacional de acesso. 1. Na segunda fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior público foram colocados 9577 estudantes 1.

Concurso nacional de acesso. 1. Na segunda fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior público foram colocados 9577 estudantes 1. I Concurso nacional de acesso 1. Na segunda fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior público foram colocados 9577 estudantes 1. 2. Na primeira fase do concurso nacional de acesso já tinham

Leia mais

AS SETE FERRAMENTAS DA QUALIDADE. Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

AS SETE FERRAMENTAS DA QUALIDADE. Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira AS SETE FERRAMENTAS DA QUALIDADE Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre ISHIKAWA: classificou as técnicas de controle estatístico em três grupos de complexidade

Leia mais

Análise Sintática. Eduardo Ferreira dos Santos. Outubro, Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB 1 / 18

Análise Sintática. Eduardo Ferreira dos Santos. Outubro, Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB 1 / 18 Análise Sintática Eduardo Ferreira dos Santos Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB Outubro, 2016 1 / 18 Sumário 1 Introdução 2 Derivações 2 / 18 1 Introdução 2 Derivações 3 /

Leia mais

Noite de Forró. Série Matemática na Escola

Noite de Forró. Série Matemática na Escola Noite de Forró Série Matemática na Escola Objetivos 1. Definir a probabilidade de eventos; 2. Calcular a probabilidade de eventos complementares; 3. Introduzir a regra do produto em probabilidade. Noite

Leia mais

Preparando um projeto de pesquisa - ideias apresentadas no texto de Raul Wazlawick Metodologia de Pesquisa para Ciência da Com

Preparando um projeto de pesquisa - ideias apresentadas no texto de Raul Wazlawick Metodologia de Pesquisa para Ciência da Com Preparando um projeto de pesquisa - ideias apresentadas no texto de Raul Wazlawick Metodologia de Pesquisa para Ciência da Computação Maria Angélica de Oliveira Camargo Brunetto Universidade Estadual de

Leia mais

Paulo Guilherme Inça. 7 de dezembro de 2016

Paulo Guilherme Inça. 7 de dezembro de 2016 Coloração de grafos é NP-Difícil Paulo Guilherme Inça 7 de dezembro de 2016 Sumário 1 Introdução 1 2 O Problema da Coloração de Grafos 2 3 3-Coloração é NP-Completo 3 4 Generalizações e Restrições 6 5

Leia mais

EDITAL nº 08/2016, de 06 de Junho de 2016 DIGER/IFAP NORMAS PARA INSCRIÇÃO NO PERÍODO ESPECIAL DE ESTUDOS

EDITAL nº 08/2016, de 06 de Junho de 2016 DIGER/IFAP NORMAS PARA INSCRIÇÃO NO PERÍODO ESPECIAL DE ESTUDOS EDITAL nº 08/2016, de 06 de Junho de 2016 DIGER/IFAP NORMAS PARA INSCRIÇÃO NO PERÍODO ESPECIAL DE ESTUDOS O DIRETOR GERAL DO CAMPUS MACAPÁ DO INSTITUTO FEDERAL DO AMAPÁ DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

Calculando o MMC (mínimo múltiplo comum)

Calculando o MMC (mínimo múltiplo comum) Calculando o MMC (mínimo múltiplo comum) Público Alvo: Anos finais do ensino fundamental. Duração da atividade: 2h/a. Objetivo Geral: Compreender de forma significativa o algoritmo da fatoração simultânea

Leia mais

BANCO DE DADOS. Engenharia da Computação Univasf. Modelo Entidade-Relacionamento. Aula 2. Conjuntos de Entidades - Representação Exemplo:

BANCO DE DADOS. Engenharia da Computação Univasf. Modelo Entidade-Relacionamento. Aula 2. Conjuntos de Entidades - Representação Exemplo: Banco de Dados / Banco de Dados / 2 Engenharia da Computação Univasf BACO DE DADOS Aul Projeto de um BD: () modelo conceitual (2) projeto lógico : modelo conceitual de dados criado em 976 por Peter Chen

Leia mais

Conteúdos para Avaliação Diagnóstica. 2 º Ano

Conteúdos para Avaliação Diagnóstica. 2 º Ano 2 º Ano MATEMÁTICA Sistema de numeração decimal Reconhecer a utilidade dos números em nossa vida; Associar os números às suas quantidades; Identificar, ler, escrever e ordenar os números de 0 a 50; Identificar

Leia mais

Conteúdo: Usar a realidade aumentada para mostrar os elementos da pirâmide para cálculo do volume.( base e a altura da pirâmide).

Conteúdo: Usar a realidade aumentada para mostrar os elementos da pirâmide para cálculo do volume.( base e a altura da pirâmide). ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL Componente Curricular: Matemática Professores Ministrantes: Leandro Série/ Ano letivo: 2º ano 2013 Data: AULA 2.1 Conteúdo: Usar a realidade aumentada para mostrar

Leia mais

Ano Letivo 2015/2016. Datas dos Exames das Épocas de Recurso e Especial. Unidades Curriculares do DM

Ano Letivo 2015/2016. Datas dos Exames das Épocas de Recurso e Especial. Unidades Curriculares do DM Ano Letivo 2015/2016 Datas dos Exames das Épocas de Recurso e Especial Unidades Curriculares do DM Data Hora Disciplina Regime Época Curso/Menor 01-07-2016 09:00 Matemática 2º Semestre Época de Recurso

Leia mais

Catalogo de requisitos - Processo Seletivo

Catalogo de requisitos - Processo Seletivo Catalogo de requisitos - Processo Seletivo 006-01-2016 HABILITAÇÃO COMPONENTE TITULAÇÃO Informática Redes de Comunicação de Dados Administração de Sistemas de Informação Análise de Sistemas Análise de

Leia mais

Prova Final de Matemática

Prova Final de Matemática PROVA FINAL DO 2.º CICLO do Ensino BÁSICO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Prova 62/2.ª Chamada Critérios de Classificação 9 Páginas 2013 COTAÇÕES

Leia mais

MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE SETÚBAL, ASSOCIAÇÕES e ESCOLAS JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 VOLEIBOL REGULAMENTO

MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE SETÚBAL, ASSOCIAÇÕES e ESCOLAS JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 VOLEIBOL REGULAMENTO JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 VOLEIBOL REGULAMENTO 1. Organização A organização da competição de Voleibol nos Jogos do Futuro da Região de Setúbal 2016 é da responsabilidade da, em colaboração

Leia mais

Introdução à Computação Gráfica

Introdução à Computação Gráfica Computação Gráfica - Aula 1 (atualizada em 21/10/2015) glaucius@pelotas.ifsul.edu.br Introdução à Computação Gráfica Computação Gráfica Conceito É a área da Ciência da Computação que estuda a geração,

Leia mais

Aula 10: Tratabilidade

Aula 10: Tratabilidade Teoria da Computação DAINF-UTFPR Aula 10: Tratabilidade Prof. Ricardo Dutra da Silva Na aula anterior discutimos problemas que podem e que não podem ser computados. Nesta aula vamos considerar apenas problemas

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Período Letivo:2016-1

PLANO DE ENSINO. Período Letivo:2016-1 Fone (49) 353-4300 PLANO DE ENSINO BACHARELADO EM ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Componente Curricular: Microcontroladores Carga Horária: 60h Professor: Giovani Pasetti 1. Ementa Período Letivo:016-1

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO

ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Campus João Pessoa, através da Coordenação do Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet

Leia mais

Adriana da Silva Santi Coord. Pedagógica de Matemática SMED - Abril/2015

Adriana da Silva Santi Coord. Pedagógica de Matemática SMED - Abril/2015 GEOMETRIA Adriana da Silva Santi Coord. Pedagógica de Matemática SMED - Abril/2015 O MATERIAL COMO SUPORTE DO PENSAMENTO Muita gente usa o material na sala de aula como se a Geometria estivesse no material.

Leia mais

Ranking Acadêmico: Conheça as 10 melhores universidades do continente africano

Ranking Acadêmico: Conheça as 10 melhores universidades do continente africano Ranking Acadêmico: Conheça as 10 melhores universidades do continente africano por Por Dentro da África - quinta-feira, agosto 08, 2013 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/ranking-academico-conheca-as-10-melhores-universidadesafricanas

Leia mais

Plano de Ensino 2003 (Plano de ensino do anos anteriores: ) Identificação Objetivos Conteúdo Estratégias Avaliação Bibliografia

Plano de Ensino 2003 (Plano de ensino do anos anteriores: ) Identificação Objetivos Conteúdo Estratégias Avaliação Bibliografia Página 1 de 5 Atualizado: 23-Oct-2003 Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Universidade de Ciências da Saúde de Alagoas/ Escola de Ciências M édicas de Alagoas Departamento de Medicina Social

Leia mais

Grafos Hamiltonianos e o Problema do Caixeiro Viajante. Prof. Ademir Constantino Departamento de Informática Universidade Estadual de Maringá

Grafos Hamiltonianos e o Problema do Caixeiro Viajante. Prof. Ademir Constantino Departamento de Informática Universidade Estadual de Maringá Grafos Hamiltonianos e o Problema do Caixeiro Viajante Prof. Ademir Constantino Departamento de Informática Universidade Estadual de Maringá Grafo Hamiltoniano Definição: Um circuito hamiltoniano em um

Leia mais

MARABÁ SEDE DO 2º CPEE REALIZAÇÃO: NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO ACADÊMICA UNIFESSPA

MARABÁ SEDE DO 2º CPEE REALIZAÇÃO: NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO ACADÊMICA UNIFESSPA MARABÁ SEDE DO 2º CPEE - 2016 REALIZAÇÃO: NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO ACADÊMICA UNIFESSPA INSCRIÇÕES: Com trabalhos: 01/09/16 a 30/09/16 Sem trabalhos: A partir de 01/10/16 INFORMAÇÕES: Tel: (94)

Leia mais

CURSO: Licenciatura em Matemática TURMA: LM 2011/01_1ºSEM PROFESSOR: NÍCOLAS MORO MÜLLER PLANO DE ENSINO

CURSO: Licenciatura em Matemática TURMA: LM 2011/01_1ºSEM PROFESSOR: NÍCOLAS MORO MÜLLER PLANO DE ENSINO CURSO: Licenciatura em Matemática TURMA: LM 2011/01_1ºSEM PROFESSOR: NÍCOLAS MORO MÜLLER PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: 030362 Geometria Espacial DURAÇÃO: Semestral CARGA HORÁRIA TOTAL: 45 horas CARGA HORÁRIA

Leia mais

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Instituto de Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Tecnologias e Metodologias da Programação no Ensino Básico 16 17 Edição Instituto de Educação

Leia mais

Exercícios de Matemática Poliedros

Exercícios de Matemática Poliedros Exercícios de Matemática Poliedros 3. (Unitau) Se dobrarmos convenientemente as linhas tracejadas das figuras a seguir, obteremos três modelos de figuras espaciais cujos nomes são: 1. (Uerj) O poliedro

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Autorizado pela Portaria nº 960 de 25/11/2008 DOU de 26/11/2008

CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Autorizado pela Portaria nº 960 de 25/11/2008 DOU de 26/11/2008 CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Autorizado pela Portaria nº 960 de 25/11/2008 DOU de 26/11/2008 Componente Curricular: Eletromagnetismo Código: ENG - 382 CH Total: 72 Aulas / 60 Horas Pré-Requisito: ----

Leia mais

Palavras-chave: TIC; experimento; espaço amostral; evento.

Palavras-chave: TIC; experimento; espaço amostral; evento. UMA INTRODUÇÃO À TEORIA DA PROBABILIDADE: O USO DE AULAS MULTIMÍDIAS COMO FACILITADOR DO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM Diánis Ferreira Irias dianis.irias@hotmail.com Laura Lima Dias laura_limadias@hotmail.com

Leia mais

O SOFTWARE WINPLOT COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE SISTEMAS LINEARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA

O SOFTWARE WINPLOT COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE SISTEMAS LINEARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA O SOFTWARE WINPLOT COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE SISTEMAS LINEARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Resumo Prof a. Dr a. Julhane A. Thomas

Leia mais

Plano de aula Objeto de Aprendizagem: Pontos em Batalha

Plano de aula Objeto de Aprendizagem: Pontos em Batalha Plano de aula Objeto de Aprendizagem: Pontos em Batalha Dados de identificação Disciplina: Matemática. Assunto: Geometria analítica. Séries indicadas: 1/ 2/ 3º ano do ensino médio. Material utilizado:

Leia mais

ADAPTAÇÃO PEGA VARETAS (Números Inteiros Negativos)

ADAPTAÇÃO PEGA VARETAS (Números Inteiros Negativos) 1 ADAPTAÇÃO PEGA VARETAS (Números Inteiros Negativos) Objetivos Introduzir o conceito de números inteiros negativos; Desenvolvimento O professor confeccionará o jogo com os alunos ou distribuirá os jogos

Leia mais

1 EMENTA 2 OBJETIVOS DO COMPONENTE CURRICULAR 3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Cálculo e Raios e comprimentos Plano cartesiano Análise de gráficos

1 EMENTA 2 OBJETIVOS DO COMPONENTE CURRICULAR 3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Cálculo e Raios e comprimentos Plano cartesiano Análise de gráficos PLANO DE ENSINO Disciplina Fundamentos de Matemática Código Docente Daniela Macêdo Damaceno Pinheiro Semestre I/2013.1 Carga horária 80h 1 EMENTA Frações Produtos notáveis Funções, equações e inequações

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PROTOTIPAGEM Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PROTOTIPAGEM Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular PROTOTIPAGEM Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Design 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular PROTOTIPAGEM (L5020) 5.

Leia mais

CONCRETIZANDO O ENSINO DAS GEOMETRIAS PLANA E ESPACIAL

CONCRETIZANDO O ENSINO DAS GEOMETRIAS PLANA E ESPACIAL CONCRETIZANDO O ENSINO DAS GEOMETRIAS PLANA E ESPACIAL Alexsandro de Melo Silva 1 - IFAL Rosana Loiola Carlos² - IFAL Carlos Alberto³ - IFAL Grupo de Trabalho - Educação Matemática Agência financiadora:

Leia mais

Fundamentos da Matemática

Fundamentos da Matemática Fundamentos da Matemática Aula 09 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Aplicada a Const.Cívil Carga Horária 50 aulas Semestre Letivo: 5º Semestre Professor (a): Período: Ementa da disciplina:

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP FUNDAMENTOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS INTRODUÇÃO CIRCUITOS SÉRIE DE CORRENTE CONTÍNUA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP FUNDAMENTOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS INTRODUÇÃO CIRCUITOS SÉRIE DE CORRENTE CONTÍNUA UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP FUNDAMENTOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS INTRODUÇÃO CIRCUITOS SÉRIE DE CORRENTE CONTÍNUA Um circuito série é aquele que permite somente um percurso para a passagem da corrente. Nos

Leia mais

A COMPREENSÃO DO CONCEITO DE FRAÇÃO

A COMPREENSÃO DO CONCEITO DE FRAÇÃO A COMPREENSÃO DO CONCEITO DE FRAÇÃO Educação e Produção do Conhecimento nos Processos Pedagógicos Cleber de Oliveira dos Santos 1 Nesse trabalho apresentam-se os resultados de uma pesquisa sobre a compreensão

Leia mais

ANEXO B INFORMAÇÕES PESSOAIS

ANEXO B INFORMAÇÕES PESSOAIS ANEXO B INFORMAÇÕES PESSOAIS Nome: Telefone: e-mail: 1. Sexo: a.( ) Masculino b. ( ) Feminino 2. Idade: a. ( ) 21 30 anos b. ( ) 31 40 anos c. ( ) 41 50 anos d. ( ) Mais de 50 anos FORMAÇÃO. Obs.: Caso

Leia mais

Planificação a médio e longo prazo. Matemática B. 11º Ano de escolaridade. Total de aulas previstas: 193. Ano letivo 2015/2016

Planificação a médio e longo prazo. Matemática B. 11º Ano de escolaridade. Total de aulas previstas: 193. Ano letivo 2015/2016 Planificação a médio e longo prazo Matemática B 11º Ano de escolaridade. Total de aulas previstas: 193 Ano letivo 2015/2016 Professor responsável: Paulo Sousa I O programa Matemática B do 11º Ano - Página

Leia mais

PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA 1 PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Curso: SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÔES Nome da disciplina: ELETRICIDADE E MAGNETISMO Código: 54155 Carga horária: 83 horas Semestre

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia e Gestão Industrial

Mestrado Integrado em Engenharia e Gestão Industrial Mestrado Integrado em Engenharia e Gestão Industrial Ana Camanho FEUP, 14 de março de 2016 Sumário Médias de entrada e numerus clausus Objetivo geral do curso Estrutura do curso Parcerias estratégicas

Leia mais

ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO

ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Usabilidade em aplicações web 1.2 Câmpus de Origem: São Borja 1.3

Leia mais

COMPLETA. Verão no Campus 2016 Programa CIÊNCIAS FisicUM

COMPLETA. Verão no Campus 2016 Programa CIÊNCIAS FisicUM Verão no Campus 2016 Programa CIÊNCIAS FisicUM Local: Departamento de Física, Campus de Gualtar, Braga e Campus de Azurém, Guimarães. Público a que se destina: alunos do Ensino Secundário Nº de participantes:

Leia mais