O uso da Teoria dos Grafos no Jogo Icosiano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O uso da Teoria dos Grafos no Jogo Icosiano"

Transcrição

1 O uso da Teoria dos Grafos no Jogo Icosiano Leandro Natal Coral 1, Rafael Spilere Marangoni 1, Kristian Madeira 2 1 Acadêmico do curso de Ciência da Computação Unidade Acadêmica de Ciências, Engenharias e Tecnologias - Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) Criciúma, SC - Brasil 2 Professor(a) do curso de Ciência da Computação - Unidade Acadêmica de Ciências, Engenharias e Tecnologias - Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) Criciúma, SC - Brasil {le_natal, Resumo. Este artigo refere-se à uma pesquisa sobre a utilização de Grafos no desenvolvimento de jogos, com base nas informações obtidas através da disciplina de Teoria dos Grafos no primeiro semestre de Para desenvolver este trabalho, foi escolhido como objeto de estudo o Jogo Icosiano, jogo de tabuleiro que possui ampla relação com Grafos e suas teorias. Palavras-chave: Grafos, Jogo Icosiano. 1. Introdução No 1º semestre letivo de 2008, foi proposto pelo professor da disciplina de Teoria dos Grafos um trabalho cujo objetivo era fazer uma pesquisa sobre a aplicação de grafos no desenvolvimento de jogos, de forma a esclacer os conceitos fundamentais aplicados no mesmo. Após uma ampla pesquisa sobre os jogos disponíveis atualmente, verificou-se a grande aplicabilidade teórica desta disciplina no Jogo Icosiano, o qual foi escolhido como principal objeto de estudo para o desenvolvimento deste artigo. Nas próximas sessões serão abordados alguns conceitos e definições de Teoria de grafos, assim como suas aplicações no jogo escolhido. 2. Teoria dos Grafos Segundo Netto (2003), o grafo é obtido associando-se a cada vértice um ponto ou uma pequena area delimitada por uma fronteira e a cada ligação um desenho capaz de representar a forma de associação dos vertices que a ligação envolve. Basicamente, um grafo é um conjunto de pontos (vértices ou nós), interligados por meio linhas (arestas ou arcos), podendo ser ou não direcionado. A Teoria dos Grafos é a parte da matemática que busca estudar essas relações entre esses objetos, tal como suas propriedades.

2 2.1. Mapa Icosiano O mapa Icosiano é basicamente uma projeção planar do dodecaedro regular. O dodecaedro é um poliedro formado por 12 faces pentegonais e 20 vértices, no qual todos os vertices possuem grau 3. O termo icosiano provem da presence de 20 vértices no grafo. Figura 1. Mapa Icosiano; projeção das arestas de um dodecaedro no plano Grafo Rotulado Grafos Rotulados são aqueles que possuem nomes de identificação, ou seja, rótulos. Este recurso, proveniente da Teoria dos Grafos, tem como intuito facilitar a utilização e compreensão visual de grafos, tornando praticamente imprescindível o seu uso. Para identificar as peças no Jogo Icosiano, faz-se necessário o uso de rótulos numerados de 1 a 20.

3 Figura 2. Tabuleiro Icosiano; Peças rotuladas com números de 1 a Caminho Hamiltoniano Inventado pelo famoso matemático ingles Sir William Rowan Hamilton ( ), o caminho Hamiltoniano consiste em encontrar um ciclo que contenha todos os nós de um grafo, sendo que cada nó só apareça uma vez no ciclo. Esta tarefa pode ser resolvida por tentativas de erro, e sua solução possui complexidade da classe NP-Completo, ou seja, não se conhece solução para o problema em tempo menor que exponencial. O grafo que possua um ciclo hamiltoniano é chamado de grafo hamiltoniano. 3. Jogo Icosiano Inventado em 1856 pelo mesmo criador do Caminho Hamiltoniano, Sir William Rowan Hamilton, o Jogo Icosiano é um jogo de tabuleiro que propõe diversos desafios, desde os fáceis até os impossíveis. O grafo utilizado como tabuleiro é o mapa Icosiano, no qual seus vertices representam as casas, locais onde deverão ser colocadas as peças rotuladas de 1 a 20. Estas são utilizadas para marcar a escolha de cada posição no jogo. As arestas do mapa representam os caminhos. O objetivo do jogo consiste basicamente nas definições do Caminho Hamiltoniano. Para vencer, o jogador deve descobrir um circuito ao longo das arestas do dodecaedro respeitando algumas regras: a casa inicial é um vértice qualquer; cada casa pode ser escolhida uma única vez; nenhum caminho pode ser percorrido mais de uma vez; o vértice final é o mesmo que o inicial, completando ao fim o ciclo Hamiltoniano.

4 Figura 3. Jogo Icosiano; Exemplos de desafios propostos pelo jogo. Figura 4. Jogo Icosiano; As peças são colocadas em ordem numérica crescente, seguindo os desafios propostos pelo jogo. 4. Cosiderações Finais O desenvolvimento deste artigo procura mostrar a aplicação dos conceitos e definições de Teoria dos Grafos nas atividades práticas, relacionadas à area de desenvolvimento de jogos. No decorrer do trabalho, pode-se perceber que o conhecimento dos recursos disponibilizados por esta disciplina é de extrema importância, tanto para a programação algorítmica, quanto para a compreensão do usuário final. Facilmente percebe-se também, que não só como no Jogo Icosiano, a Teoria dos Grafos pode contribuir de forma significativa na resolução de problemas em diversas áreas, inclusive nos ajuda a tomar decisões nos problemas cotidianos. 5. Referências LIPORACE, Frederico dos Santos. Planejadores para transportes em polidutos. Tese (doutorado em Informática). Programa de Pós-graduação em Informática, PUC, Rio de Janeiro, RJ, 2005.

5 SAMPAIO, João Carlos V. Quatro cores e matemática. II Bienal da SBM, UFSCar. São Carlos, SP, BOAVENTURA NETTO, Paulo Oswaldo. Grafos: teoria, modelos, algoritmos. 3. ed. rev. e ampl São Paulo: Edgard Blücher, 2003.Knuth, D. E. (1984), The TeXbook, Addison Wesley, 15 th edition. EPPSTEIN, David. Computational Complexity of Games and Puzzles. Computer Science Department, UCIrvine (University of California), Irvine, USA. DUNNE, Paul E. An Annotated List of Selected NP-complete Problems. Computer Science Department, University of Liverpool, United Kingdom, UK.

PERCURSOS. André Falcão, Carlos Augusto, Rafael Broédel e Lucas Dipré

PERCURSOS. André Falcão, Carlos Augusto, Rafael Broédel e Lucas Dipré PERCURSOS André Falcão, Carlos Augusto, Rafael Broédel e Lucas Dipré Serra 2011 Índice 1...O que é caminho e circuito 1.1...Caminho 1.2...Circuito 1.3...Classificação 2...Caminhos Eulerianos 2.1...Definição

Leia mais

Teoria dos Grafos. Motivação

Teoria dos Grafos. Motivação Teoria dos Grafos Aula 1 Primeiras Ideias Prof a. Alessandra Martins Coelho março/2013 Motivação Muitas aplicações em computação necessitam considerar conjunto de conexões entre pares de objetos: Existe

Leia mais

colorindo mapas A forma de representação mais simples que podemos fazer é um artifício matemático chamado grafo.

colorindo mapas A forma de representação mais simples que podemos fazer é um artifício matemático chamado grafo. V Bienal da SBM Sociedade Brasileira de Matemática UFPB - Universidade Federal da Paraíba 18 a 22 de outubro de 2010 colorindo mapas Gésica Peixoto Campos & Izabelly Marya Lucena da Silva 1 Introdução

Leia mais

04 Grafos: caminhos e coloração SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II

04 Grafos: caminhos e coloração SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II 04 Grafos: caminhos e coloração SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II Prof. Moacir Ponti Jr. www.icmc.usp.br/~moacir Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação USP 2011/1 Moacir Ponti Jr.

Leia mais

Cap. 2 Conceitos Básicos em Teoria dos Grafos

Cap. 2 Conceitos Básicos em Teoria dos Grafos Teoria dos Grafos e Aplicações 8 Cap. 2 Conceitos Básicos em Teoria dos Grafos 2.1 Grafo É uma noção simples, abstrata e intuitiva, usada para representar a idéia de alguma espécie de relação entre os

Leia mais

BCC204 - Teoria dos Grafos

BCC204 - Teoria dos Grafos BCC204 - Teoria dos Grafos Marco Antonio M. Carvalho (baseado nas notas de aula do prof. Haroldo Gambini Santos) Departamento de Computação Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Universidade Federal

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATRIZ CURRICULAR MATUTINO Fase N.

CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATRIZ CURRICULAR MATUTINO Fase N. CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATRIZ CURRICULAR MATUTINO Fase N. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas Prérequisitos 01 Introdução à informática 04 60 02 Matemática instrumental

Leia mais

PARTIÇÃO DE GRAFOS EM CIRCUITOS FECHADOS

PARTIÇÃO DE GRAFOS EM CIRCUITOS FECHADOS PARTIÇÃO DE GRAFOS EM CIRCUITOS FECHADOS Gilcina Guimarães Machado Universidade do Estado do Rio de Janeiro Escola Naval gilcina @uerj.br RESUMO Uma partição do conjunto de vértices em um grafo não orientado

Leia mais

Teoria da Computação. Clique de um Grafo. Alexandre Renato Rodrigues de Souza 1

Teoria da Computação. Clique de um Grafo. Alexandre Renato Rodrigues de Souza 1 Teoria da Computação Clique de um Grafo Alexandre Renato Rodrigues de Souza 1 O que é um grafo? Definição 1: grafo é uma estruturas utilizada para representar relações entre elementos de um dado conjunto.

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 16

Teoria dos Grafos Aula 16 Teoria dos Grafos Aula 16 Aula passada Primeira prova Aula de hoje Pontes de Königsberg Ciclo Euleriano Ciclo Hamiltoniano Quem foi Turing? As 7 Pontes de Königsberg Königsberg, cidade na Prússia (atual

Leia mais

Teoria dos Grafos. Aula 5 - Estruturas de Dados para Grafos. Profª. Alessandra Martins Coelho. março/2013

Teoria dos Grafos. Aula 5 - Estruturas de Dados para Grafos. Profª. Alessandra Martins Coelho. março/2013 Teoria dos Grafos Aula 5 - Estruturas de Dados para Grafos Profª. Alessandra Martins Coelho março/2013 Estrutura é o que caracteriza o próprio grafo e independe da forma como ele é representado. A representação

Leia mais

Cálculo Numérico Computacional

Cálculo Numérico Computacional Cálculo Numérico Computacional Apresentação Prof. Márcio Bueno cnctarde@marciobueno.com Ementa } Oferecer fundamentos e instrumentos da matemática aplicada e computacional, com a finalidade de permitir

Leia mais

05 Grafos: ordenação topológica SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II

05 Grafos: ordenação topológica SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II 05 Grafos: ordenação topológica SCC0503 Algoritmos e Estruturas de Dados II Prof. Moacir Ponti Jr. www.icmc.usp.br/~moacir Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação USP 2011/1 Moacir Ponti Jr.

Leia mais

Introdução Geral a Computação Gráfica. Universidade Católica de Pelotas Curso de Engenharia da Computação Disciplina de Computação Gráfica

Introdução Geral a Computação Gráfica. Universidade Católica de Pelotas Curso de Engenharia da Computação Disciplina de Computação Gráfica Introdução Geral a Computação Gráfica Universidade Católica de Pelotas Curso de Engenharia da Computação Disciplina de 2 Introdução Geral a O que é CG? Áreas de Atuação Definição, Arte e Matemática Mercado

Leia mais

Grafos representação e aplicações. Prof. Guilherme Tomaschewski Netto

Grafos representação e aplicações. Prof. Guilherme Tomaschewski Netto Grafos representação e aplicações Prof. Guilherme Tomaschewski Netto guilherme.netto@gmail.com Roteiro! Contextualização! Apresentação, um pouco de história! Conceitos Grafos! Principais aplicacões! Estruturas

Leia mais

Resolução de Problemas. Universidade Católica de Pelotas Engenharia da Computação Disciplina: Inteligência Artificial

Resolução de Problemas. Universidade Católica de Pelotas Engenharia da Computação Disciplina: Inteligência Artificial Resolução de Problemas Universidade Católica de Pelotas Engenharia da Computação Disciplina: Inteligência Artificial 2 Resolução de Problemas Introdução Componentes Solução Busca de soluções 3 Resolução

Leia mais

Pesquisa Operacional II. Professor João Soares de Mello

Pesquisa Operacional II. Professor João Soares de Mello Pesquisa Operacional II Professor João Soares de Mello http://www.uff.br/decisao/notas.htm Ementa Teoria dos grafos (pré-requisitos: PO I, Álgebra Linear) Programação não linear (pré-requisitos: PO I,

Leia mais

Introdução a Teoria dos Grafos Raimundo Macêdo

Introdução a Teoria dos Grafos Raimundo Macêdo Doutorado em Ciência da Computação lgoritmos e Grafos Raimundo Macêdo LaSiD/DCC/UF Introdução a Teoria dos Grafos Raimundo Macêdo Definição Estrutura que consiste em dois conjuntos: um conjunto de vértices

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação

Introdução à Ciência da Computação 1 Universidade Federal Fluminense Campus de Rio das Ostras Curso de Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação Professor: Leandro Soares de Sousa e-mail: leandro.uff.puro@gmail.com site:

Leia mais

Anatomia do motor de um programa de xadrez. Hugo Vinicius M. D. Santana Orientador: José Coelho de Pina

Anatomia do motor de um programa de xadrez. Hugo Vinicius M. D. Santana Orientador: José Coelho de Pina Anatomia do motor de um programa de xadrez Hugo Vinicius M. D. Santana Orientador: José Coelho de Pina Conteúdo Objetivo O que é um motor de xadrez? Arquitetura Entrada e saída Representação do tabuleiro

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 8

Teoria dos Grafos Aula 8 Teoria dos Grafos Aula 8 Aula passada Classe de funções e notação Propriedades da notação Funções usuais Aula de hoje Grafos direcionados Busca em grafos direcionados Ordenação topológica Tempo de execução

Leia mais

Alguns probleminhas...

Alguns probleminhas... Introdução Vários problemas da computação, com aplicações em diversos problemas importantes, nasceram de jogos ou brincadeiras. Hoje veremos uma pequana amostra deste fato. Alguns probleminhas... Problema

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Introdução ao roteamento Aula 20 Inter-rede TCP/IP (Internet) é composta por um conjunto de redes interligadas por roteadores Roteador

Leia mais

Protótipo de um Simulador de um Aspirador de Pó, Utilizando Algoritmo de Busca e Agentes Inteligentes, em Ambientes com Barreiras

Protótipo de um Simulador de um Aspirador de Pó, Utilizando Algoritmo de Busca e Agentes Inteligentes, em Ambientes com Barreiras Protótipo de um Simulador de um Aspirador de Pó, Utilizando Algoritmo de Busca e Agentes Inteligentes, em Ambientes com Barreiras Jussara Vieira Ramos ROTEIRO Objetivo Introdução: I.A. X Robótica Agentes

Leia mais

Teoria dos Grafos Coloração. Profª. Alessandra Martins Coelho

Teoria dos Grafos Coloração. Profª. Alessandra Martins Coelho Teoria dos Grafos Coloração Profª. Alessandra Martins Coelho junho/2014 Quantas cores para colorir o mapa do Brasil, sem que estados adjacentes possuam a mesma cor? Coloração de Grafos Colorir vértices

Leia mais

GRAFOS. Prof. André Backes. Como representar um conjunto de objetos e as suas relações?

GRAFOS. Prof. André Backes. Como representar um conjunto de objetos e as suas relações? 8/0/06 GRAFOS Prof. André Backes Definição Como representar um conjunto de objetos e as suas relações? Diversos tipos de aplicações necessitam disso Um grafo é um modelo matemático que representa as relações

Leia mais

MATEMÁTICA 6.º ANO SEGUNDO CICLO ANTÓNIO SOUSA MARIA JOÃO MATOS SÓNIA MONTEIRO TERESA PINTO

MATEMÁTICA 6.º ANO SEGUNDO CICLO ANTÓNIO SOUSA MARIA JOÃO MATOS SÓNIA MONTEIRO TERESA PINTO MATEMÁTICA 6.º ANO SEGUNDO CICLO ANTÓNIO SOUSA MARIA JOÃO MATOS SÓNIA MONTEIRO TERESA PINTO ÍNDICE Figuras geométricas planas Sólidos geométricos Relacionar circunferências com ângulos, retas e polígonos

Leia mais

IFRN. Introdução à Teoria dos Grafos. Prof. Edmilson Campos

IFRN. Introdução à Teoria dos Grafos. Prof. Edmilson Campos IFRN Introdução à Teoria dos Grafos Prof. Edmilson Campos Conteúdo Histórico Aplicações Definições Grafo Dígrafo Ordem, adjacência e grau Laço Tipos de grafos Representação de Grafos Matriz de adjacências

Leia mais

XI SEMINÁRIO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DA PUC MINAS CHAMADA PARA A SELEÇÃO DE COMUNICAÇÕES ORAIS PARA OS GRUPOS DE TRABALHO (GTs)

XI SEMINÁRIO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DA PUC MINAS CHAMADA PARA A SELEÇÃO DE COMUNICAÇÕES ORAIS PARA OS GRUPOS DE TRABALHO (GTs) XI SEMINÁRIO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DA PUC MINAS CHAMADA PARA A SELEÇÃO DE COMUNICAÇÕES ORAIS PARA OS GRUPOS DE TRABALHO (GTs) 1. OS GRUPOS DE TRABALHO (GTs) Os grupos de trabalho serão realizados no

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes

Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Linguagens Formais e Autômatos - P. Blauth Menezes 1 Linguagens

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnólogo em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

As Pontes de Königsberg

As Pontes de Königsberg As Pontes de Königsberg Anderson Freitas Ferreira e Lívia Minami Borges 13 de junho de 2015 Resumo A teoria de grafos teve seu início em 1736, quando Euler utilizou uma estrutura para resolver o Problema

Leia mais

Oferta de Serviços. Grafo Planar. Notas. Teoria dos Grafos - BCC204, Planaridade. Notas

Oferta de Serviços. Grafo Planar. Notas. Teoria dos Grafos - BCC204, Planaridade. Notas Teoria dos Grafos - BCC204 Planaridade Haroldo Gambini Santos Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP 29 de maio de 2011 1 / 23 Oferta de Serviços Gás Luz Água Podemos oferecer os demais serviços para

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS MANIPULÁVEIS NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: JOGO CARA A CARA DE POLIEDROS

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS MANIPULÁVEIS NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: JOGO CARA A CARA DE POLIEDROS A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS MANIPULÁVEIS NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: JOGO CARA A CARA DE POLIEDROS Formação de Professores e Educação Matemática (FPM) GT 08 Jailson Lourenço de PONTES jail21.jlo@gmail.com

Leia mais

GT 01 Educação matemática no ensino fundamental: anos iniciais e anos finais.

GT 01 Educação matemática no ensino fundamental: anos iniciais e anos finais. OS NÚMEROS INTEIROS E O JOGO DO VAI-VEM GT 01 Educação matemática no ensino fundamental: anos iniciais e anos finais. Sabrina Bobsin Salazar, salazar.ufpel@gmail.com Eduardo da Silva Schneider, schneider.ifm.ufpel@gmail.com

Leia mais

Introdução controle manual pelo coordenador da disciplina: abordagem conceitual: jogos lúdicos:

Introdução controle manual pelo coordenador da disciplina: abordagem conceitual: jogos lúdicos: 1 Introdução Desde a última década, uma nova forma de ensino na área administrativa tem chamado a atenção por seu espírito inovador, pela forma dinâmica de seu aprendizado e pela criatividade estimulada

Leia mais

UNIDADE 3 Ficha 1: Sequências e regularidades

UNIDADE 3 Ficha 1: Sequências e regularidades UNIDADE 3 Ficha 1: Sequências e regularidades Nome: 7º ANO MATEMÁTICA Data: / / 1. Completa as seguintes sequências numéricas e supõe que se mantém a regularidade entre termos consecutivos. Sequência 1:

Leia mais

I Desafio de Programação para Iniciantes Departamento de Informática - 20 de Abril de 2006

I Desafio de Programação para Iniciantes Departamento de Informática - 20 de Abril de 2006 Departamento de Informática - de Abril de Problema A - Palíndromos Arquivo fonte: s.pas, s.f Números palíndromos são aqueles que são iguais quando lidos de frente para trás e de trás para frente. Alguns

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 46/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO, DO CÂMPUS DE ITATIBA.

RESOLUÇÃO CONSEPE 46/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO, DO CÂMPUS DE ITATIBA. RESOLUÇÃO CONSEPE 46/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO, DO CÂMPUS DE ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

Projeções paralelas. Professor: João Carmo

Projeções paralelas. Professor: João Carmo Projeções paralelas Professor: João Carmo Projeções paralelas Introdução As múltiplas vistas (projeções ortogonais) não mostram, de forma direta, a configuração tridimensional do objeto. Elas são mais

Leia mais

Atividades Trigonometria. I. Utilizado na Engenharia para a construção de rodas gigantes

Atividades Trigonometria. I. Utilizado na Engenharia para a construção de rodas gigantes Atividades Trigonometria A trigonometria é um ramo da matemática que exerce um papel importantíssimo em vários contextos do nosso dia-a-dia. Graças a ela foi possível o homem criar desde pequenas obras

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO DAS QUATRO OPERAÇÕES POR MEIO DE JOGOS E NOVAS TECNOLOGIAS

UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO DAS QUATRO OPERAÇÕES POR MEIO DE JOGOS E NOVAS TECNOLOGIAS SILVA, C. R.; BALIEIRO FILHO, I. F. Uma Experiência de Ensino das Quatro Paulista de Educação Matemática: XI EPEM. São José do Rio Preto: SBEM/SBEM-SP, 2012, pp.1-5. (ISBN N. 978-85-98092-14-0) Eixo Temático:

Leia mais

Uma Introdução à Computação Quântica

Uma Introdução à Computação Quântica Uma Introdução à Computação Quântica por Bernardo Lula Júnior 1 e Aércio Ferreira de Lima 2 1 Departamento de Sistemas e Computação Universidade Federal de Campina Grande lula@dsc.ufcg.edu.br 2 Departamento

Leia mais

PLANO DE ENSINO. CURSO: Bacharelado em Sistemas de Informação MODALIDADE: PRESENCIAL ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA DEPARTAMENTO: DEINFO

PLANO DE ENSINO. CURSO: Bacharelado em Sistemas de Informação MODALIDADE: PRESENCIAL ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA DEPARTAMENTO: DEINFO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação Site: http://www.bsi.ufrpe.br E-mail: coordenacao@bsi.ufrpe.br

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª Série Desenho Técnico Engenharia da Computação A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS ALEGRETE RELATÓRIO DE ATIVIDADES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS ALEGRETE RELATÓRIO DE ATIVIDADES NOME DO BOLSISTA: JÉSSICA MARILDA GOMES MENDES 1)RELATÓRIO REFERENTE AO MÊS DE: Setembro de 2016 2)ATIVIDADES INDIVIDUAIS E ESTUDOS REALIZADOS - Correção e elaboração das oficinas a serem aplicadas na

Leia mais

TABULEIRO DE NÚMEROS INTEIROS

TABULEIRO DE NÚMEROS INTEIROS ISSN 2316-7785 TABULEIRO DE NÚMEROS INTEIROS Aline Sant Anna 1 licaolive@hotmail.com Filomena Teruko Tamashiro Arakaki¹ filoteko@hotmail.com Grasiella Vieira¹ grasills@hotmail.com Leticia Cavaglieri¹ lelecavaglieri@hotmail.com

Leia mais

Noções da Teoria dos Grafos. André Arbex Hallack

Noções da Teoria dos Grafos. André Arbex Hallack Noções da Teoria dos Grafos André Arbex Hallack Junho/2015 Índice 1 Introdução e definições básicas. Passeios eulerianos 1 1.1 Introdução histórica..................................... 1 1.2 Passeios

Leia mais

Busca Heurística. Profa. Josiane M. P. Ferreira

Busca Heurística. Profa. Josiane M. P. Ferreira Busca Heurística Profa. Josiane M. P. Ferreira Texto base: Stuart Russel e Peter Norving - Inteligência Artificial David Poole, Alan Mackworth e Randy Goebel - Computational Intelligence A logical approach

Leia mais

1 POLIEDROS 2 ELEMENTOS 4 POLIEDROS REGULARES 3 CLASSIFICAÇÃO. 3.2 Quanto ao número de faces. 4.1 Tetraedro regular. 3.

1 POLIEDROS 2 ELEMENTOS 4 POLIEDROS REGULARES 3 CLASSIFICAÇÃO. 3.2 Quanto ao número de faces. 4.1 Tetraedro regular. 3. Matemática 2 Pedro Paulo GEOMETRIA ESPACIAL II 1 POLIEDROS Na Geometria Espacial, como o nome diz, o nosso assunto são as figuras espaciais (no espaço). Vamos estudar sólidos e corpos geométricos que possuem

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 2

Teoria dos Grafos Aula 2 Teoria dos Grafos Aula 2 Aula passada Logística Objetivos Grafos, o que são? Formando pares Aula de hoje Mais problemas reais Definições importantes Algumas propriedades Objetivos da Disciplina Grafos

Leia mais

Teoria dos Grafos. Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada.

Teoria dos Grafos. Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada. Teoria dos Grafos Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada antunes@ibilce.unesp.br, socorro@ibilce.unesp.br Grafos direcionados (Digrafos) Preparado a partir do texto:

Leia mais

CONDIÇÕES DE OFERTA PARA CADASTRO DO CURSO PARA ACOMPANHAMENTO E CONTROLE ACADÊMICO Nome do curso Ciência da Computação Condições de Oferta do Curso

CONDIÇÕES DE OFERTA PARA CADASTRO DO CURSO PARA ACOMPANHAMENTO E CONTROLE ACADÊMICO Nome do curso Ciência da Computação Condições de Oferta do Curso CONEP UFSJ Parecer N o 066/2009 Aprovado em 02/12/2009 ANEXO A: ORIENTAÇÕES PARA OFERTA E CADASTRO DO CURSO CONDIÇÕES DE OFERTA PARA CADASTRO DO CURSO PARA ACOMPANHAMENTO E CONTROLE ACADÊMICO Nome do curso

Leia mais

Computação Gráfica. Apresentação Inverno 2012/2013. Carlos 2012 ISEL/ADEETC Computação Gráfica

Computação Gráfica. Apresentação Inverno 2012/2013. Carlos 2012 ISEL/ADEETC Computação Gráfica Computação Gráfica Apresentação Inverno 2012/2013 Porquê esta disciplina Uma imagem vale mais que mil palavras Provérbio chinês 2 O que é a Computação Gráfica? Computer graphics concerns the pictorial

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 2

Teoria dos Grafos Aula 2 Teoria dos Grafos Aula 2 Aula passada Logística, regras Objetivos Grafos, o que são? Formando pares Encontrando caminhos Aula de hoje Outro problema real Definições importantes Algumas propriedades Grafo

Leia mais

Plano de Ensino de Disciplina Ciência da Computação 2º / 2016

Plano de Ensino de Disciplina Ciência da Computação 2º / 2016 Plano de Ensino de Disciplina Ciência da Computação 2º / 2016 Disciplina: Computação Gráfica e Processamento de Imagens Código: 016031 Série: 8 0 Semestre Carga Horária Semanal: 04 aulas Carga Horária

Leia mais

MATEMÁTICA DISCRETA PARA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

MATEMÁTICA DISCRETA PARA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO MATEMÁTICA DISCRETA PARA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Profa. Kathya Collazos Linares *As aulas baseiam-se no material do Professor Antonio Alfredo Ferreira Loureiro O problema das sete pontes de Königsberg

Leia mais

CAPÍTULO 5 RESULTADOS. São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para

CAPÍTULO 5 RESULTADOS. São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para CAPÍTULO 5 RESULTADOS São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para as imagens coletadas no verão II, período iniciado em 18/01 e finalizado em 01/03 de 1999,

Leia mais

XXIX OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA TERCEIRA FASE NÍVEL 1 (5 a. e 6 a. Séries)

XXIX OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA TERCEIRA FASE NÍVEL 1 (5 a. e 6 a. Séries) TERCEIRA FASE NÍVEL 1 (5 a. e 6 a. Séries) PROBLEMA 1 Parte das casas de um quadriculado com o mesmo número de linhas (fileiras horizontais) e colunas (fileiras verticais) é pintada de preto, obedecendo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO. Semestre letivo. 1. Identificação Código

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO. Semestre letivo. 1. Identificação Código MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2016 2 1. Identificação Código 1.1 Disciplina: Engenharia da Informação 1640066 1.2

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO SEMESTRALIZADO 10 SEMESTRES

CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO SEMESTRALIZADO 10 SEMESTRES CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO SEMESTRALIZADO 10 SEMESTRES Situação Legal: Reconhecido Integralização: Mínimo 5 anos / Máximo 8 anos Carga Horária: 2.820h (188 créditos)

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso Licenciatura em Matemática. Ênfase. Disciplina B - Funções Elementares

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso Licenciatura em Matemática. Ênfase. Disciplina B - Funções Elementares Curso 1504 - Licenciatura em Matemática Ênfase Identificação Disciplina 0005001B - Funções Elementares Docente(s) Adriana Cristina Cherri Nicola Unidade Faculdade de Ciências Departamento Departamento

Leia mais

POLIEDROS: POLI = Muitos E EDROS = Lados Muitos lados.

POLIEDROS: POLI = Muitos E EDROS = Lados Muitos lados. POLIEDROS: POLI = Muitos E EDROS = Lados Muitos lados. Toda figura geométrica espacial de três dimensões (comprimento, largura e altura), formada por POLÍGONOS (figura plana composta de n lados) é chamada

Leia mais

Geometria Computacional

Geometria Computacional Geometria Computacional Professor: Anselmo Montenegro www.ic.uff.br/~anselmo Conteúdo: - Polígonos 1 Roteiro Introdução Polígonos Teorema da Curva de Jordan Decomposição de polígonos Triangulações Estrutura

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC Desenvolvedor de Jogos Eletrônicos. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC Desenvolvedor de Jogos Eletrônicos. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 1 Apresentação Porto Alegre 2012/2 Tópicos Apresentação Súmula Objetivos Conteúdo Metodologia Avaliação Recuperação Bibliografia

Leia mais

1. Qual o número que vem a seguir? 2. Onde pensas colocar o 40? 50? 63? 75? 3. (Apontando para uma casa vazia) Qual o número que pensas estar aqui?

1. Qual o número que vem a seguir? 2. Onde pensas colocar o 40? 50? 63? 75? 3. (Apontando para uma casa vazia) Qual o número que pensas estar aqui? Padrões numéricos Constrói-se uma grelha 10 10 suficientemente grande para que todos alunos a consigam ver. Em cada casa da grelha representamos um número; começamos pelo 0 e continuamos até ao 25, por

Leia mais

O mais leve e o mais pesado Algoritmos de Ordenação

O mais leve e o mais pesado Algoritmos de Ordenação Atividade 7 O mais leve e o mais pesado Algoritmos de Ordenação Sumário Os computadores são muitas vezes utilizados para colocar listas em algum tipo de ordem, por exemplo, nomes em ordem alfabética, compromissos

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA PROVA DO ENSINO SECUNDÁRIO DE MATEMÁTICA APLICADA Às CIÊNCIAS SOCIAIS (CÓDIGO DA PROVA 835) 1ª FASE 23 DE JUNHO 2016

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA PROVA DO ENSINO SECUNDÁRIO DE MATEMÁTICA APLICADA Às CIÊNCIAS SOCIAIS (CÓDIGO DA PROVA 835) 1ª FASE 23 DE JUNHO 2016 Associação de Professores de Matemática Contactos: Rua Dr. João Couto, n.º 27-A 1500-236 Lisboa Tel.: +351 21 716 36 90 / 21 711 03 77 http://www.apm.pt email: geral@apm.pt PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA PROVA

Leia mais

Departamento de Matemática

Departamento de Matemática Computação Gráfica - Evolução de Curvas e Superfícies Aluno: Vinícius Segura Orientador: Sinésio Pesco Introdução Nas últimas décadas atravessamos uma verdadeira revolução tecnológica, devido ao avanço

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS ALUNOS INGRESSANTES CAMPUS BAGÉ 2014 Equipe Responsável: Alice M. Alves Técnica em Assuntos Educacionais Daviane A. de Azevedo Assistente

Leia mais

Unidade 1 Introdução à Análise de Sistemas. Objectivos

Unidade 1 Introdução à Análise de Sistemas. Objectivos Unidade 1 Introdução à Análise de Sistemas Objectivos 1 2 Objectivos Definir a análise de sistemas Reconhecer as funções do analista de sistemas Definir conceitos de sistema Reconhecer a finalidade do

Leia mais

Apresentação da disciplina Inteligência Artificial Análise e Desenvolvimento de Sistemas INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL PROFESSOR FLÁVIO MURILO

Apresentação da disciplina Inteligência Artificial Análise e Desenvolvimento de Sistemas INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL PROFESSOR FLÁVIO MURILO Apresentação da disciplina Inteligência Artificial Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1 Inteligência Artificial Informações Gerais Curso: Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Ano letivo: 2016.2

Leia mais

4. Corpos finitos. Aula 22 - Álgebra II. [Conclusão da aula anterior: exemplos de polinómios resolúveis e polinómios não resolúveis]

4. Corpos finitos. Aula 22 - Álgebra II. [Conclusão da aula anterior: exemplos de polinómios resolúveis e polinómios não resolúveis] [Conclusão da aula anterior: exemplos de polinómios resolúveis e polinómios não resolúveis] Corpos finitos Neste capítulo final vamos estudar as propriedades fundamentais dos corpos finitos e descrever

Leia mais

Grafos e Mediana. Rafaela G. da Motta Camicia 1 Amarildo de Vicente 2

Grafos e Mediana. Rafaela G. da Motta Camicia 1 Amarildo de Vicente 2 Grafos e Mediana Rafaela G. da Motta Camicia 1 Amarildo de Vicente 2 1 Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná Rua Bahia nº 43-85.7- Capanema PR Brasil rafaelacamicia@gmail.com 2 Colegiado do

Leia mais

Resoluções Prova Anglo

Resoluções Prova Anglo Resoluções Prova Anglo TIPO F P-2 tipo D-3 Matemática (P-2) Ensino Fundamental 3º ano DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS A Prova Anglo é um dos instrumentos para avaliar o desempenho dos alunos do 3

Leia mais

QUESTÃO 17 A porcentagem que representa a área escurecida do quadrado ABCD abaixo é de:

QUESTÃO 17 A porcentagem que representa a área escurecida do quadrado ABCD abaixo é de: Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 6 Ọ ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM 016 Disciplina: MaTeMÁTiCa Prova: desafio nota: QUESTÃO 16 (OBM-adaptado) No sistema decimal de numeração,

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL MATEMÁTICA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL MATEMÁTICA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL MATEMÁTICA Nome: Nº 6ºAno Data: / /2016 Professores: Décio e Leandro Nota: (Valor 2,0) 1. Apresentação: Prezado aluno, A estrutura da recuperação bimestral paralela do Colégio

Leia mais

Programa da Disciplina

Programa da Disciplina INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E tecnologia PARAÍBA Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - Campus Cajazeiras Diretoria de Ensino / Coord. do Curso

Leia mais

Termos livres retirados do texto representam o conteúdo do documento.

Termos livres retirados do texto representam o conteúdo do documento. Palavras-chave Termos livres retirados do texto representam o conteúdo do documento. Um bom critério para selecionar as palavras-chaves são os Vocabulários Controlados Termos organizados, segundo um método,

Leia mais

PUC-Rio Desafio em Matemática 11 de outubro de 2014

PUC-Rio Desafio em Matemática 11 de outubro de 2014 PUC-Rio Desafio em Matemática 11 de outubro de 2014 Nome: Assinatura: Inscrição: Identidade: Questão Valor Nota Revisão 1 1,0 2 1,5 3 1,5 4 2,0 5 2,0 6 2,0 Nota final 10,0 Instruções Mantenha seu celular

Leia mais

COMPETIÇÃO, DIVERSÃO E APRENDIZADO:

COMPETIÇÃO, DIVERSÃO E APRENDIZADO: COMPETIÇÃO, DIVERSÃO E APRENDIZADO: COMO MOTIVAR, TREINAR E INTEGRAR SUA EQUIPE Cada vez mais as empresas sentem necessidade em desenvolver estratégias de endomarketing que promovam a integração, o aperfeiçoamento

Leia mais

Construção de uma Ferramenta para Evoluir Estratégias e Estudar a Agressividade/Cooperação de uma População submetida ao Dilema dos Prisioneiros

Construção de uma Ferramenta para Evoluir Estratégias e Estudar a Agressividade/Cooperação de uma População submetida ao Dilema dos Prisioneiros Construção de uma Ferramenta para Evoluir Estratégias e Estudar a Agressividade/Cooperação de uma População submetida ao Dilema dos Prisioneiros generalizá-lo para várias outras situações, como em problemas

Leia mais

A história da matemática

A história da matemática A história da matemática Para o infinito e além Resumo O episódio Para o Infinito e Além é o último da Série: The story of math (A História da Matemática), produzida pela BBC. É um passeio intrigante pelas

Leia mais

O USO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA CONSTRUÇÃO DE POLIEDROS REGULARES. GT 01 Educação matemática no ensino fundamental: anos iniciais e anos finais

O USO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA CONSTRUÇÃO DE POLIEDROS REGULARES. GT 01 Educação matemática no ensino fundamental: anos iniciais e anos finais O USO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA CONSTRUÇÃO DE POLIEDROS REGULARES GT 01 Educação matemática no ensino fundamental: anos iniciais e anos finais Iguaracy Medeiros dos Santos, UFRN, iguaramedeiros@gmail.com

Leia mais

Curso de Bacharelado em Ciência da Computação

Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Há um século, riqueza e sucesso vinham para aqueles que produziam e distribuíam mercadorias manufaturadas. Hoje, riqueza e sucesso vêm para aqueles que utilizam

Leia mais

APLICAÇÃO DE META-HEURÍSTICAS À ENGENHARIA DE PRODUÇÃ O

APLICAÇÃO DE META-HEURÍSTICAS À ENGENHARIA DE PRODUÇÃ O APLICAÇÃO DE META-HEURÍSTICAS À ENGENHARIA DE PRODUÇÃ O João Carlos Zayatz Universidade Estadual de Maringá jcarloszay@gmail.com Gislaine Camila Lapasini Leal Universidade Estadual de Maringá gclleal@uem.br

Leia mais

Teoria dos Grafos. Edson Prestes

Teoria dos Grafos. Edson Prestes Edson Prestes Introdução Um passeio entre os nós i e j é uma seqüência alternada de nós e arestas que começa no nó i e termina no nó j. G 1 G 2 Um exemplo de passeio entre os nós 1 e 4 do grafo G 1 é (1,(1,3),3,(2,3),2,(1,2),1,(1,4),4).

Leia mais

GABARITO PROVA A GABARITO PROVA B. Colégio Providência Avaliação por Área. Colégio Providência Avaliação por Área 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO

GABARITO PROVA A GABARITO PROVA B. Colégio Providência Avaliação por Área. Colégio Providência Avaliação por Área 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO Colégio Providência Avaliação por Área Matemática e suas tecnologias 3ª ETAPA Data: 26/11/2015 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO Colégio Providência Avaliação por Área Matemática e suas tecnologias 3ª ETAPA Data:

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL MATEMÁTICA 7º ANO. Nome: Nº - Série/Ano. Data: / / Professor(a): Eloy/Marcello/Renan

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL MATEMÁTICA 7º ANO. Nome: Nº - Série/Ano. Data: / / Professor(a): Eloy/Marcello/Renan ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL MATEMÁTICA 7º ANO Nome: Nº - Série/Ano Data: / / Professor(a): Eloy/Marcello/Renan Os conteúdos essenciais do semestre. Capítulo 1 Números inteiros Ideia de número positivo

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR Curso Engenharia Informática Ano letivo 2015/2016 Unidade Curricular Engenharia de Software II ECTS 6 Regime Obrigatório Ano 3º Semestre 1º sem Horas de trabalho globais Docente Maria Clara Silveira Total

Leia mais

Modelo. Representação de Objetos Tridimensionais. Malhas Poligonais. Modelagem Geométrica. Modelos Geométricos

Modelo. Representação de Objetos Tridimensionais. Malhas Poligonais. Modelagem Geométrica. Modelos Geométricos Representação de Objetos Tridimensionais Malhas Poligonais Maria Cristina F. de Oliveira Rosane 2010 Modelo Representação construída artificialmente para tornar mais fácil a observação/análise de um objeto/fenômeno

Leia mais

01/08/2011. Tipos de dados Numéricos Alfanuméricos Lógicos. Numéricos. Tipos de dados. Dados Numéricos Inteiros. Dados Numéricos Reais.

01/08/2011. Tipos de dados Numéricos Alfanuméricos Lógicos. Numéricos. Tipos de dados. Dados Numéricos Inteiros. Dados Numéricos Reais. Engenharia de Controle e Automação Programação I Prof. Ricardo Sobjak ricardo.sobjak@ifsc.edu.br Tipos de dados Numéricos Alfanuméricos Lógicos Tipos de dados Os tipos de dados primitivos ou básicos são

Leia mais

ANÁLISE DE ALGORITMOS: PARTE 3

ANÁLISE DE ALGORITMOS: PARTE 3 ANÁLISE DE ALGORITMOS: PARTE 3 Prof. André Backes 2 A notação grande-o é a forma mais conhecida e utilizada de análise Complexidade do nosso algoritmo no pior caso Seja de tempo ou de espaço É o caso mais

Leia mais

CES-11. Algoritmos e Estruturas de Dados. Carlos Alberto Alonso Sanches

CES-11. Algoritmos e Estruturas de Dados. Carlos Alberto Alonso Sanches CES-11 Algoritmos e Estruturas de Dados Carlos Alberto Alonso Sanches Juliana de Melo Bezerra Ideia de Tarjan (1972) Durante a exploração em profundidade de um digrafo, podemos numerar seus vértices de

Leia mais

Euler e as Origens da Teoria dos Grafos

Euler e as Origens da Teoria dos Grafos Euler e as Origens da Teoria dos Grafos Yoshiko Wakabayashi Universidade de São Paulo - USP Instituto de Matemática e Estatística Departamento de Ciência da Computação 5 de dezembro de 2007 Euler 2007

Leia mais

A PROCURA DAS MELHORES SOLUÇÕES. OTIMIZAÇÃO NA ENGENHARIA

A PROCURA DAS MELHORES SOLUÇÕES. OTIMIZAÇÃO NA ENGENHARIA Apresentação 07 Introdução a Engenharia Elétrica A PROCURA DAS MELHORES SOLUÇÕES. OTIMIZAÇÃO NA ENGENHARIA Prof. Edgar Alberto de Brito Prólogo! O trabalho de um engenheiro é incessante a procura de soluções

Leia mais

RECONHECIMENTO FACIAL UTILIZANDO EIGENFACES

RECONHECIMENTO FACIAL UTILIZANDO EIGENFACES Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Rio de Janeiro, RJ Brasil RECONHECIMENTO

Leia mais

Árvores: Conceitos Básicos e Árvore Geradora

Árvores: Conceitos Básicos e Árvore Geradora Árvores: Conceitos Básicos e Árvore Geradora Grafos e Algoritmos Computacionais Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes fhcnunes@yahoo.com.br 1 Introdução No dia a dia aparecem muitos problemas envolvendo árvores:

Leia mais

NDMAT Núcleo de Desenvolvimentos Matemáticos

NDMAT Núcleo de Desenvolvimentos Matemáticos 01) Determine o número de vértices de um poliedro convexo que tem 3 faces triangulares, 1 face quadrangular, 1 pentagonal e 2 hexagonais. 07) Um poliedro de sete vértices tem cinco ângulos tetraédricos

Leia mais