PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO 14000

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO 14000"

Transcrição

1 SECRETARIA NACIONAL DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS SNAI DIRETÓRIO NACIONAL DO PT PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO GESTÃO: MUNICÍPIO: FICHA DE IDENTIFICAÇÃO U.F.: DF GOVERNADOR: Cristovam Buarque ÓRGÃO RESPONSÁVEL: Instituto de Ecologia e Meio Ambiente do Distrito Federal NOME DO RESPONSÁVEL: CARGO: Hélio Lobo IMPLEMENTADO EM: Maio de 1996 FONTE: Questionário de inscrição do Programa Gestão Pública e Cidadania da FGV EMENTA: O programa tem como objetivo promover e difundir a implantação de programas de qualidade ambiental, desenvolvendo metodologias e técnicas a fim de incentivar uma postura pró-ativa das empresas privadas (inclusive pequenas e médias), públicas e órgãos do governo na incorporação da variável ambiental no gerenciamento dos seus empreendimentos e atividades administrativas Página 1 de 6

2 1) Liste os objetivos e especifique as metas mais importantes do projeto, programa ou atividade, por ordem de prioridade. OBJETIVO GERAL: Promover e difundir a implantação de programas de qualidade ambiental em empresas publicas e privadas do DF, desenvolvendo metodologias e técnicas de implantação de Sistemas de Gestão Ambiental, segundo as normas da série ISO 14000, incentivando uma postura pró-ativa por partes das empresas privadas, bem como das empresas públicas e órgãos do governo na incorporação da variável ambiental no gerenciamento dos seus empreendimentos e atividades administrativas. OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Instituir o " Selo Verde do DF " a ser concedido pela SEMATEC a empresas e/ou empreendimentos públicos e privados que se destaquem pelo controle ambiental de suas atividades, implantação de Sistemas de Gestão Ambiental e pela produção de produtos de significativa contribuição na melhoria da qualidade ambiental. Criar as Comissões Internas de Qualidade Ambiental - CIQA em todas as empresas e órgãos públicos do GDF com a função de implementar o Programa de Qualidade Ambiental na Administração Pública do Distrito Federal, visando racionalizar a utilização de insumos naturais necessários à atividade administrativa do Estado. Instituir e apoiar a adoção de Sistemas de Gestão Ambiental (SGA) em todas as empresas e órgãos públicos do Governo do Distrito Federal que desenvolvam atividades efetiva ou potencialmente poluidoras do meio ambiente. Pretende-se desenvolver um projeto específico de implantação de SGA em parcelamentos urbanos em processo de regularização. Promover a capacitação de técnicos do órgão ambiental e da iniciativa privada na implementação de Sistemas de Gestão Ambiental, de acordo com a norma ISO e realização de Auditorias Ambientais. Modernizar o setor de licenciamento e fiscalização do órgão ambiental; atualizar a Coletânea da Legislação Ambiental aplicável no DF; formar banco de dados para sistematização das experiências e realizar convênios e contratos para a disseminação das metodologias e técnicas desenvolvidas junto a empresas públicas e privadas. 2) Descreva como o projeto, programa ou atividade é, concretamente operacionalizado. Qual (is) a(s) sua(s) frente(s) de ação? Caso haja interface com outro(s) projeto(s) ou atividade(s) individualmente ou dentro de um programa maior, indique-o (s), apresentando como se dá essa integração. Atualmente o Programa tem duas principais frentes: 1. implantação das Comissões Internas de Qualidade Ambiental - CIQA nos órgãos públicos do GDF; 2. a parceria com empresas públicas e privadas interessadas em desenvolver ações conjuntas de promoção da qualidade ambiental e implantação de SGA. Na frente 1 auxiliamos a montagem da CIQA em cada órgão, fornecendo treinamento aos seus membros e material didático-informativo. Na frente 2 apoiamos e damos suporte técnico a empresas públicas e privadas que queiram implantar SGA nas suas atividades e estamos nos estruturando para conceder o "Selo Verde " às empresas que se destacarem na incorporação da gestão ambiental de suas atividades. Os principais projetos com os quais temos interface são: o Programa de Educação Ambiental da própria SEMATEC, os Programas de Gestão Ambiental do SEBRAE e SENAI e o Programa de Verticalização da Produção Agrícola - PROVE da Secretaria de Agricultura do DF. A educação ambiental nos apóia na implantação das CIQA e no desenvolvimento de ações educativas em empresas privadas. Com o SEBRAE e SENAI estão sendo desenvolvidas ações conjuntas na área de capacitação de pessoal e contatos com empresas. Já com o PROVE o trabalho esta sendo desenvolvido junto às pequenas agroindústrias familiares inseridas neste Programa. Página 2 de 6

3 3) Identifique o público-alvo. Quantos são, no momento, os diretamente beneficiados? Que potencial da clientela isto representa? Como é feita a seleção dos beneficiários e como eles participam do projeto, programa ou atividade? O público-alvo é diferenciado para cada frente do Programa. A implantação das Comissões Internas de Qualidade Ambiental - CIQA beneficiará a todo conjunto de funcionários dos órgãos e empresas públicas do GDF com ações que visam a racionalizar a utilização de insumos e melhorar a qualidade ambiental no ambiente de trabalho. o Projeto do Selo Verde visa premiar o empresariado que desenvolve ações de gestão ambiental em suas empresas e a implantação de SGA nas empresas públicas beneficia as próprias empresas, o seu relacionamento com o órgão ambiental e o próprio meio ambiente. Os dois últimos projetos indiretamente também beneficiam a comunidade como um todo em função da melhoria da qualidade do meio ambiente que a implantação da gestão ambiental nas empresas proporcionaria. Os critérios de seleção dos beneficiários são: interesse voluntário pela implantação de sistema de gestão ambiental e no caso das empresas privadas preferencia pelos pequenos empresários que manifestam interesse pelo Programa, mas não tem recursos financeiros, humanos e tecnológicos para implantação de SGA nas sua empresas. 4) Qual é o gasto orçamentário anual projeto, programa ou atividade? Quais são as fontes de recursos financeiro ( locais, estaduais, federais, privadas)? Que percentual dos recursos financeiros anuais é derivado de cada uma dessas fontes? Que percentual da receita orçamentaria total do nível do governo(estadual, municipal etc.), a que pertence o órgão responsável pela inscrição, é efetivamente utilizado pelo projeto, programa ou atividade? Neste primeiro ano do programa o recurso orçamentário total previsto foi de aproximadamente R$ ,00. 86% deste recurso é proveniente de organismos financiadores, no caso o BID e a FINEP, cuja a liberação se dará até o final do ano e o restante é da própria Secretaria do Meio Ambiente. O percentual do orçamento total da SEMATEC que está destinado ao Programa é de aproximadamente 2,5 %. 5) Indique todas as organizações (públicas privadas), participantes, descrevendo o papel de cada uma. Explique como estas organizações interagem. As organizações que estão efetivamente participando do Programa são: O Serviço de Limpeza Urbana - SLU - beneficiário direto do Programa e para o qual estamos desenvolvendo um diagnóstico ambiental para implantação de um SGA. Secretaria de Agricultura do DF - parceiro do Programa, trabalhando em conjunto com o IEMA/SEMATEC no desenvolvimento de trabalho junto às agroindústrias familiares do Projeto de Verticalização da Produção Agricultura da Secretaria de Agricultura do DF ( Projeto PROVE), visando a implantação de sistemas simplificados de gestão ambiental nesses estabelecimentos. Núcleo de Pesquisas em Ciência e Tecnologia da Universidade de Brasília NPCT/ UnB -parceiro do IEMA/SEMATEC no trabalho desenvolvido junto ao SLU. Departamento de Engenharia Civil da Universidade de Brasília - suporte ao Programa no apoio em consultoria na área de Engenharia Ambiental nos projetos desenvolvidos no SLU, Secretaria de Agricultura e outros. SEBRAE/DF - parceiro, com o qual existe um protocolo de intenções para ações conjuntas na promoção da qualidade ambiental em pequenas e médias empresas. SENAI/DF - parceiro, com o qual existe protocolo de intenções para ações conjuntas na promoção da qualidade ambiental na indústria. Página 3 de 6

4 6) Como e quando foi originalmente concebido o projeto, programa ou atividade? Houve inspiração em iniciativa(s) anteriores(s)? Qual(s)? O projeto foi formalmente concebido em maio de 1996 a partir da participação de alguns técnicos da SEMATEC em seminário que tratava das Normas ISO Não houve propriamente uma inspiração em experiências anteriores, mas nos motivou a necessidade de haver um posicionamento do órgão ambiental sobre as Normas ISO e que este fosse propositivo e baseado no estímulo a parcerias entre o setor privado e o setor público. 7) Identifique as etapas-chaves de implementação e como isto evoluiu e se modificou ao longo do tempo. Que incrementos foram sendo realizados desde o inicio de operação do projeto, programa ou atividade? O Programa iniciou-se com a formatação de um projeto para a Agência de Cooperação Japonesa - JICA e posteriormente de outros projetos para o Banco Interamericano de Desenvolvimento - BID e FINEP. Todos estes projetos foram aprovados pelos respectivos órgãos financiadores e aguarda-se a liberação dos recursos solicitados. Paralelo a isso, mesmo sem os recursos necessários articulou-se a implantação do Programa através do estabelecimento de contatos com órgãos e entidades interessadas em parceria, como SEBRAE, SENAI, Serviço de Limpeza Urbana - SLU e Secretaria de Agricultura. Em seguida, formulou-se as propostas que vieram a se tornar os principais eixos do Programa: as ClQAs, o Selo Verde e a implementação gradativa de SGA em todos os órgãos da Administração Pública do GDF. 8) Descreva os principais obstáculos enfrentados até o momento. Como se lidou com tais obstáculos? Quais dele ainda persistem? O principal obstáculo tem sido a carência de sintonia entre o ritmo do programa e o aporte de recursos humanos qualificados e a liberação dos recursos financeiros relativos aos projetos aprovados pelas instituições às quais eles foram submetidos (BID e FINEP). Isto tem limitado o desenvolvimento do programa, que necessita para a sua ampliação de mais verbas para a contratação de consultoria, aquisição de equipamentos, produção de material didático/informativo e técnicos qualificados em qualidade ambiental e ISO para a sua execução. Apesar dos obstáculos, com solução prevista a curto prazo, o Programa tem sido conduzido de forma a se buscar o fortalecimento das parcerias; e buscar novas fontes de recursos financeiros e humanos (capacitados), com apresentação de projetos para contratação de estagiários/ bolsistas. 9) Que mecanismos de avaliação estão sendo utilizados para medir o sucesso do projeto, programa ou atividade? Forneça os resultados ( quantitativos e qualitativos) do último ano de operação do projeto, programa ou atividade. Para atingir os objetivos do Programa muitas metas devem ainda ser cumpridas. Os mecanismos de avaliação estão sendo reavaliados, para se obter outros mais objetivos e mensuráveis de forma prática. Os principais mecanismos até então utilizados são: receptividade pelos empresários e por seus órgãos de representação, a procura do programa por pessoas da comunidade interessada, e a receptividade e adesão por parte dos órgãos públicos. Os resultados conseguidos até aqui ainda podem ser considerados pequenos em relação às metas estabelecidas, embora sejam aqui enumerados: Elaborados e apresentados projetos para as seguintes instituições financiadoras: JICA, BID e FINEP. Todos estes projetos foram aprovados por estas instituições e aguarda-se a liberação dos recursos. Assinatura de Protocolo de Intenções com SEBRAE, SENAI e FIBRA estabelecendo uma parceria efetiva com os setores empresariais no sentido de melhorar o relacionamento do órgão ambiental com os mesmos. Página 4 de 6

5 Firmado contrato com a Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos - FINATEC ligada a Universidade de Brasília - UnB para apoio nas áreas de Engenharia Ambiental e produção de material didático-informativo. iniciada a implantação experimental de Sistema de Gestão Ambiental SGA em um dos Distritos do Serviço de Limpeza Urbana. Esta é a primeira experiência de implantação de um sistema de gestão baseado nas Normas ISO em uma empresa pública do DF iniciada o desenvolvimento experimental de projeto visando a melhoria do desempenho ambiental em pequenas agroindústrias familiares do Programa de Verticalização da Produção Rural ( PROVE ) da Secretaria de Agricultura do DF. Implantando sistemas simplificados de Gestão Ambiental nesses estabelecimentos o Programa pretende preparar esses pequenos produtores para enfrentar as exigências ambientais do mercado consumidor externo que pretendem atingir, contribuindo com isso para a geração de emprego e renda nas camadas mais desfavorecidas da população. encaminhado ao Governador do DF minuta de Decreto que cria as Comissões Internas de Qualidade Ambiental - CIQA em todas as empresas e órgãos públicos do GDF. Iniciada a implantação da CIQA da SEMATEC, primeira CIQA a ser implantada ainda de forma experimental visando ser um modelo para a implantação das demais ClQAs. Iniciados os preparativos para a realização do 1 Seminário de Qualidade Ambiental / Lançamento do Selo Verde do DF ". Este evento que contará com a presença dos mais importantes nomes da Qualidade Ambiental no Brasil terá como tema principal as discussões do Programa de Qualidade Ambiental e do Selo Verde do DF. A adoção de mecanismos mais efetivos de avaliação do Programa se dará a partir da conclusão da implantação dos primeiros SGAs nas empresas participantes do Programa e da implantação das primeiras ClQAs nos órgãos do GDF. 10) Qual e a mais importante conquista do seu projeto, programa ou atividade até o momento (cite apenas um; aquela que, na sua opinião, é a mais importante)? A principal característica do Programa é o estímulo a novas formas de relacionamento entre o órgão ambiental e os seus "clientes", que são as empresas privadas e públicas que desenvolvem empreendimentos ou atividades submetidas ao licenciamento ambiental, bem como a comunidade em geral para a qual o meio ambiente, bem de uso comum do povo, deve, em última instancia, ser preservado. A melhoria deste relacionamento que, de regra, está desgastado em todos os órgãos ambientais no pais é o nosso maior desafio e o que já conseguimos avançar neste sentido, representado pelas parcerias já estabelecidas e pelos projetos em andamento, tem sido a nossa maior conquista. 11) Em que aspecto seu projeto, programa ou atividade inovou em relação à práticas anteriores? Procure explicar bem em que consiste a inovação. A inovação principal está justamente no estabelecimento destas novas formas de relacionamento explicadas na pergunta anterior. Também é inovador o fato de que sendo um projeto institucional pretende se associar com o setor produtivo, privado e público, para disseminar metodologias de gestão ambiental que trarão benefícios a ambas as partes, ao mesmo tempo que terá reflexos positivos na qualidade do meio ambiente. 12) Como seu projeto, programa ou atividade incorpora a problemática da mulher? Se for o caso, esclareça em a especificidade da situação da mulher é contemplada. Na realidade o Programa não contém na sua formulação nenhuma menção direta à problemática da mulher. Entretanto, entendemos que o respeito aos direitos do trabalhador e em especial aos da mulher no contexto do seu trabalho devam fazer parte da implantação de qualquer programa de qualidade ambiental em qualquer empresa, pois este e um critério básico para se auferir qualidade, fato este a ser estimulado no decorrer da implantação de Página 5 de 6

6 Sistemas de Gestão Ambiental nas empresas e na atuação das Comissões Internas de Qualidade Ambiental - CIQAS. 13) Quantos homens e quantas mulheres participam diretamente da operação de seu projeto, programa ou atividade? Percentualmente, qual a distribuição de homens e de mulheres no público-alvo de seu projeto, programa ou atividade.? Na operação do projeto participam diretamente 5 homens e 4 mulheres. Quanto a distribuição de homens e mulheres no público-alvo não há uma estimativa precisa porque este abrange os funcionários das empresas envolvidas e até da própria comunidade. 14) Caso seu projeto, programa ou atividade já tenha participado do PROGRAMA GESTÃO PÚBLICA E CIDADANIA em 1996, qual a diferença que ele apresenta neste ano, em relação ao ano passado? O nosso Programa não participou do PROGRAMA GESTÃO PUBLICA E CIDADANIA em Esta e a primeira vez que participamos. 15) Qual é a mais significativa deficiência do projeto, programa ou atividade? A maior deficiência atualmente é quanto a insuficiência de recursos materiais e humanos. Há necessidade de materiais didático-educativos para distribuição entre os participantes do Programa, melhores equipamentos para a equipe técnica e da agregação de outras pessoas à equipe técnica na medida em que o trabalho for se expandindo. Página 6 de 6

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

PROJETO MUSEU ITINERANTE

PROJETO MUSEU ITINERANTE SECRETARIA NACIONAL DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS SNAI DIRETÓRIO NACIONAL DO PT PROJETO MUSEU ITINERANTE GESTÃO: MUNICÍPIO: FICHA DE IDENTIFICAÇÃO 1993-1996 BELO HORIZONTE U.F.: MG PREFEITO: Patrus Ananias

Leia mais

PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR

PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR ANTECEDENTES DO PRONAF SUSTENTÁVEL RESGATANDO OS OBJETIVOS DO PRONAF... Estimular o incremento ordenado dos investimentos rurais,

Leia mais

O BANCO DE DADOS GESTÃO PÚBLICA E CIDADANIA- CICLO DE PREMIAÇÃO 2001

O BANCO DE DADOS GESTÃO PÚBLICA E CIDADANIA- CICLO DE PREMIAÇÃO 2001 19 O BANCO DE DADOS As informações do Banco de Dados do Programa GESTÃO PÚBLICA E CIDADANIA constam das fichas de inscrição preenchidas pelos participantes dos ciclos de premiação. O Banco dispõe também

Leia mais

UNIDADES DE RECICLAGEM

UNIDADES DE RECICLAGEM SECRETARIA NACIONAL DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS SNAI DIRETÓRIO NACIONAL DO PT UNIDADES DE RECICLAGEM GESTÃO: MUNICÍPIO: FICHA DE IDENTIFICAÇÃO U.F.: 1989-1992 PORTO ALEGRE RS PREFEITO: Olívio Dutra ÓRGÃO

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 013/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO COMERCIAL E VENDAS Contatos Luiz Augusto Gonçalves

Leia mais

Chamada Interna Projeto Voluntários BB Aposentados 2015

Chamada Interna Projeto Voluntários BB Aposentados 2015 Chamada Interna Projeto Voluntários BB Aposentados 2015 Brasília (DF), 13 de outubro de 2015. Unidade Negócios Sociais e Desenvolvimento Sustentável - UNS Chamada Interna Projeto Voluntários BB Aposentados

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÊMIO DECOLANDO COM GUARULHOS DO GRU AIRPORT - AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO.

REGULAMENTO DO PRÊMIO DECOLANDO COM GUARULHOS DO GRU AIRPORT - AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO. REGULAMENTO DO PRÊMIO DECOLANDO COM GUARULHOS DO GRU AIRPORT - AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO. Artigo 1º - O PROJETO DECOLANDO COM GUARULHOS O Projeto Decolando com Guarulhos é uma parceria entre

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria Financeira de conciliação das informações repassadas pelos

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal QUESTIONÁRIO PARA AS AUTORIDADES NACIONAIS TRANSPARÊNCIA NA GESTÃO DAS RECEITA DOS RECURSOS NATURAIS O objetivo deste questionário é colher informações sobre a gestão dos recursos naturais, com ênfase

Leia mais

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública Ministério do Planejamento, Orçamento e Programa 0792 GESTÃO PÚBLICA EMPREENDEDORA Objetivo Promover a transformação da gestão pública para ampliar os resultados para o cidadão e reduzir custos. Indicador(es)

Leia mais

APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR - PDP. Junho/2008

APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR - PDP. Junho/2008 APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR - PDP Junho/2008 Foco Estratégico 1.Aumento da participação de mercado com os produtos atuais. 2.Conquista e manutenção

Leia mais

CENTRO DE EMPREENDIMENTOS RURAIS CER

CENTRO DE EMPREENDIMENTOS RURAIS CER SECRETARIA NACIONAL DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS SNAI DIRETÓRIO NACIONAL DO PT CENTRO DE EMPREENDIMENTOS RURAIS CER GESTÃO: MUNICÍPIO: 1997-2000 Sacramento PREFEITO: Nobuhiro Karashima ÓRGÃO RESPONSÁVEL:

Leia mais

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012 RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012 Institui as Diretrizes de Pesquisa e Pós-graduação da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul UERGS e providências pertinentes. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

ANEXO 1 DOCUMENTOS DA PROPOSTA DE ENQUADRAMENTO DE APL. Compõem a Proposta de Enquadramento de APL os seguintes documentos:

ANEXO 1 DOCUMENTOS DA PROPOSTA DE ENQUADRAMENTO DE APL. Compõem a Proposta de Enquadramento de APL os seguintes documentos: ANEXO 1 DOCUMENTOS DA PROPOSTA DE ENQUADRAMENTO DE APL Compõem a Proposta de Enquadramento de APL os seguintes documentos: Documento 1 Modelo de Identificação de Arranjos Produtivos Locais. Documento 2

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

Este termo de referência visa à contratação de consultoria especializada para

Este termo de referência visa à contratação de consultoria especializada para TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS TR nº MODALIDADE PROCESSO SELETIVO RBR-02/2014 Produto 2014 FUNDAMENTO LEGAL Decreto nº 5.151, de 22/7/2004, e Portaria MDA nº 48/2012, de 19/07/2012. O Ministério

Leia mais

Regulamento do 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal

Regulamento do 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal Regulamento do 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal A Fundação Escola Nacional de Administração Pública (Enap) torna público o regulamento do 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal.

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

Conforme apresentado no item Diagnóstico Institucional, a UFSM tem evoluído em praticamente todos os indicadores quantitativos de progresso (internos

Conforme apresentado no item Diagnóstico Institucional, a UFSM tem evoluído em praticamente todos os indicadores quantitativos de progresso (internos Conforme apresentado no item Diagnóstico Institucional, a UFSM tem evoluído em praticamente todos os indicadores quantitativos de progresso (internos e externos) ligados a C,T&I e a formação de RH pós-graduados.

Leia mais

Rede Brasileira de Produção mais Limpa

Rede Brasileira de Produção mais Limpa Rede Brasileira de Produção mais Limpa Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável SENAI Sistema FIERGS Rede Brasileira de Produção mais Limpa PARCEIROS Conselho Empresarial Brasileiro

Leia mais

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: "PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO

Leia mais

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Sumário Contexto Processo de construção Estrutura do Decreto Objetivos e Interfaces Diretrizes Eixos e objetivos Medidas

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

MANUAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO

MANUAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO MANUAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO Um projeto surge em resposta a um problema concreto. Elaborar um projeto é, antes de tudo,

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA. PORTARIA MCT Nº 1.073, de 21 dezembro de 2009

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA. PORTARIA MCT Nº 1.073, de 21 dezembro de 2009 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA MCT Nº 1.073, de 21 dezembro de 2009 Institui o Termo de Referência de Projeto a ser anexado ao Sistema de Gestão dos Convênios e Contratos de Repasse SICONV,

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Nós promovemos o desenvolvimento sustentável de diversas maneiras Uma delas é por meio do Investimento Social INVESTIMENTO INVESTIENTO SOCIAL - Estratégia

Leia mais

Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do

Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, de modo a facilitar sua compreensão

Leia mais

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL 2015 PROJETO BRA/11/023 Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas

Leia mais

UGE UNIDADE DE GESTÃO ESTRATÉGICA

UGE UNIDADE DE GESTÃO ESTRATÉGICA PLANO PLURIANUAL 2010 2012 Brasília, outubro de 2009. ESTRATÉGIA DE ATUAÇÃO DO SEBRAE/DF CENÁRIO DE RECURSOS DO SEBRAE/DF RESUMO DE RECEITA LIMITES ORÇAMENTÁRIOS RESUMO POR TIPOLOGIA CARTEIRA DE PROJETO

Leia mais

Missão Institucional da REMEQ-PB Promover a difusão de conhecimentos científicos e tecnológicos nas áreas de metrologia e qualidade, apoiando o desenvolvimento de pessoal e de infra-estrutura laboratorial,

Leia mais

WP Board No. 980/05 Rev. 1

WP Board No. 980/05 Rev. 1 WP Board No. 980/05 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 12 janeiro 2006 Original: inglês Projetos/Fundo

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade 1. Justificativa Geral A Declaração do Milênio deixa clara a importância da participação social ao considerar

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

Edital SEMA/PMT nº 1/2014. Regulamenta o 1º Concurso SERVIDOR INOVADOR.

Edital SEMA/PMT nº 1/2014. Regulamenta o 1º Concurso SERVIDOR INOVADOR. Edital SEMA/PMT nº 1/2014. Regulamenta o 1º Concurso SERVIDOR INOVADOR. A Prefeitura Municipal de Teresina, por meio da Secretaria Municipal de Administração e Recursos Humanos (SEMA), torna público o

Leia mais

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS?

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? Planejamento Planejamento é uma das condições para a prática profissional dos Assistente Social (BARBOSA, 1991).

Leia mais

Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA: 23/06/05

Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA: 23/06/05 RELATÓRIO EIXO TEMÁTICO: Eixo dos Arranjos Produtivos Locais APL s - GRUPO DE TRABALHO 07: Oportunidades para Desenvolvimento Tecnológico na Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA:

Leia mais

Estratégias para o desenvolvimento humano

Estratégias para o desenvolvimento humano ofício Estratégias para o desenvolvimento humano A Olhar Cidadão é uma empresa de planejamento estratégico, gestão e inovação, na qual se desenvolvem soluções integradas, projetos e ideias que contribuam

Leia mais

Legislação e Gestão Ambiental no Brasil. Alessandra Magrini PPE/COPPE-UFRJ ale@ppe.ufrj.br

Legislação e Gestão Ambiental no Brasil. Alessandra Magrini PPE/COPPE-UFRJ ale@ppe.ufrj.br Legislação e Gestão Ambiental no Brasil Alessandra Magrini PPE/COPPE-UFRJ ale@ppe.ufrj.br Fundação Brasileira de Desenvolvimento Sustentável Abril 2005 Evolução da Política Ambiental no Contexto Internacional

Leia mais

Programa. orientações. Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br. Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva

Programa. orientações. Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br. Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva Programa Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva orientações @DiversidadeMinC e @CulturaViva cidadaniaediversidade Secretaria da Cidadania e da Diversidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

HISTÓRIA DO APL. Surgimento do APL - Criado em novembro de 2007. Entidades que apoiaram a criação Sebrae/DF; Unb/Lacis; Sebrae/NA; FIBRA/DF; NE/DF

HISTÓRIA DO APL. Surgimento do APL - Criado em novembro de 2007. Entidades que apoiaram a criação Sebrae/DF; Unb/Lacis; Sebrae/NA; FIBRA/DF; NE/DF HISTÓRIA DO APL Surgimento do APL - Criado em novembro de 2007 Entidades que apoiaram a criação Sebrae/DF; Unb/Lacis; Sebrae/NA; FIBRA/DF; NE/DF Instituições do setor produtivo que constituiu o APL ASCOLES;CENTCOOP

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO SUMÁRIO Página INTRODUÇÃO 3 1. ÁREA DE ATUAÇÃO 4 2. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS AO BNB 4 3. RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS 5

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Controle Externo

Tribunal de Contas da União. Controle Externo Tribunal de Contas da União Controle Externo 1224 Controle Externo Objetivo Assegurar a efetiva e regular gestão dos recursos públicos federais em benefício da sociedade e auxiliar o Congresso Nacional

Leia mais

SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI

SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2011 PERFIL: Consultoria Técnica para o Programa de Apoio

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para aprimoramento das estratégias e metodologias

Leia mais

SEMINÁRIO: Tecnologias para o Desenvolvimento Econômico Sustentável

SEMINÁRIO: Tecnologias para o Desenvolvimento Econômico Sustentável SEMINÁRIO: Tecnologias para o Desenvolvimento Econômico Sustentável "INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE ASSOCIADOS A CENÁRIOS SOCIOAMBIENTAIS, NECESSÁRIOS AOS NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS DA AMAZÔNIA" 1. INSTITUCIONAL

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2014

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2014 Programa 2124 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério do Meio Ambiente 00M1 - Benefícios Assistenciais decorrentes do Auxílio-Funeral e Natalidade Tipo: Operações Especiais Número de Ações 62 Despesas

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS 1 Setor de Brinquedos Estratégias: Ampliação de Acesso e Conquista de Mercado Objetivos: 1 - Aumentar a competitividade; 2 - consolidar o

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR

Leia mais

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Distribuição dos Recursos entre Áreas de Aplicação Área de Aplicação Limite de ção do total dos recursos

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

MEDIDAS DE INCENTIVOS À PRODUÇÃO E EMPREGO

MEDIDAS DE INCENTIVOS À PRODUÇÃO E EMPREGO MEDIDAS DE INCENTIVOS À PRODUÇÃO E EMPREGO SEDEME PARÁ Estratégico 2030 ( McKinsey); Agronegócio Agricultura Familiar Mineração Florestal Serviços Ambientais Logística Energia Biodiversidade Turismo e

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL 1. Apresentação O Programa de Voluntariado da Classe Contábil, componente do plano de metas estratégicas do Conselho

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

Recursos e Fontes de Financiamento

Recursos e Fontes de Financiamento Recursos e Fontes de Financiamento Recursos e Fontes de Financiamento A disponibilidade de recursos financeiros para a implementação do Plano Local de HIS é fundamental para a concretização dos objetivos

Leia mais

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras Ideias Criativas em Práticas Inovadoras O Concurso Inovação na Gestão Pública Federal é promovido anualmente, desde 1996, pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap), em parceria com o Ministério

Leia mais

Projeto Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para a Redução da Pobreza no Brasil

Projeto Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para a Redução da Pobreza no Brasil CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ELABORAÇÃO, E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA O PROJETO AGRICULTURA DE BAIXO CARBONO E DESMATAMENTO EVITADO PARA A REDUÇÃO DE POBREZA NO BRASIL. País - Brasil Projeto

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS. Medianeira,13 de Dezembro de 2014

CAPTAÇÃO DE RECURSOS. Medianeira,13 de Dezembro de 2014 CAPTAÇÃO DE RECURSOS Medianeira,13 de Dezembro de 2014 A CAPTAÇÃO DE RECURSOS Captação de recursos é uma ação estratégica da instituição para levantar recursos financeiros para sua sustentabilidade. Requer

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013 ANEXO 3 TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013 CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA PARA REALIZAR ESTUDO SOBRE ACESSO DAS MULHERES A POLÍTICAS DE CRÉDITO - PRONAF E PRONAF MULHER Projeto UTF/BRA/083/UTF

Leia mais

10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina. Unidade de Medida: % de execução física Especificação do Produto

10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina. Unidade de Medida: % de execução física Especificação do Produto Programa 2067 - Resíduos Sólidos 10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina Tipo: Projeto Número de Ações 10 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função: 18 - Gestão

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 003/2013 PROCESSO SELETIVO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL

EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 003/2013 PROCESSO SELETIVO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 003/2013 PROCESSO SELETIVO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL A Fundação Interuniversitária de Estudos e Pesquisa sobre o Trabalho (UNITRABALHO), criada em 1996 com a missão de integrar universidades

Leia mais

O INCRA E O ASSENTAMENTO

O INCRA E O ASSENTAMENTO O INCRA E O ASSENTAMENTO É um conjunto de medidas que visa promover a melhor distribuição da terra, mediante modificação no regime de sua posse e uso, a fim de atender aos princípios da justiça social

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL Brasília, Novembro de 2014. APRESENTAÇÃO A primeira Semana

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL 6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL O processo de implantação do Plano de Articulação Institucional (PAI) foi objeto de releitura, a partir da emissão do Ofício 02001.009795/2013-60 GABIN/PRESI/IBAMA,

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007

SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007 SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007 Informações gerais da cidade Ofertas de capacitação Demandas de capacitação

Leia mais

RUMO DAS FORMAS DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE DOS PROGRAMAS

RUMO DAS FORMAS DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE DOS PROGRAMAS Natureza Jurídica Característica da Qualidade Rio Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços do Rio de Janeiro Critérios de Excelência da FNQ e Norma ISO 9001:2000

Leia mais

Arranjo Produtivo Local da Agricultura Orgânica do Distrito Federal

Arranjo Produtivo Local da Agricultura Orgânica do Distrito Federal 1 Arranjo Produtivo Local da Agricultura Orgânica do Distrito Federal Fonte: Fazenda Malunga Horticultura Orgânica Fonte: Fundação Mokiti Okada Novembro/2007 2 SUMÁRIO 1. Contextualização e Caracterização

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 11/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DE EMPRESAS DE MICRO, PEQUENO

Leia mais

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Programa de Fortalecimento e Barro Alto -

Leia mais

Sistema de Acompanhamento de Contratos de Repasse (Siacor)

Sistema de Acompanhamento de Contratos de Repasse (Siacor) Sistema de Acompanhamento de Contratos de Repasse (Siacor) Secretaria Executiva Ministério do Turismo (MTUR) Com a criação do Sistema de Acompanhamento de Contratos de Repasse (Siacor), a consulta a todos

Leia mais