Palavras-chave: LED s, Fotorerapia, Sistemas Microcontrolados.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: LED s, Fotorerapia, Sistemas Microcontrolados."

Transcrição

1 Desenvolvimento de um circuito microcontrolado à base de LED s para aplicação em Fototerapia Deborah Deah Assis Carneiro. Rozane de Fátima Turchiello Gómez. Sergio Luiz Stevan Junior. Resumo: Os Diodos Emissores de Luz ou da sigla em inglês LED s (Light Emitting Diodes) são dispositivos semicondutores que exploram os conceitos da física de materiais semicondutores e da teoria de bandas para produzir energia luminosa a partir da energia elétrica. Atualmente os LED s são dispositivos altamente empregados na área de eletrônica, sendo que suas aplicações podem variar desde um simples projeto de iluminação a base de displays até o desenvolvimento de sistemas de iluminação para uso medicinal. Podemos citar como um exemplo para uso medicinal, dispositivos à base de LED s utilizados nas terapias mediadas por luz como, por exemplo, a Fototerapia. O presente trabalho apresenta um estudo teórico sobre essa técnica e também o protótipo de um dispositivo microcontrolado a base de LED s para essa finalidade. Palavras-chave: LED s, Fotorerapia, Sistemas Microcontrolados. 1. Introdução Com a ascensão dos LED s como tecnologia, é comum presenciarmos os mesmos em funcionamento, por exemplo, em mostradores de relógios, eletrodomésticos, ou semáforos. Eles estão tomando o mercado da iluminação graças ao seu baixo consumo de energia, tempo de vida longo e pouca manutenção (MOREIRA, 2009). Os LED s podem produzir luz de diferentes cores e intensidade, podendo um único LED ter diversas combinações provindas das misturas de três cores, que é o caso do LED RGB (Red, Green, Blue). Além do mais, essa fonte de luz consome 50% a menos de energia do que lâmpadas incandescentes. Além disso, os LED s vêm se mostrando eficientes em outras áreas, como na medicina, odontologia, fisioterapia, arquitetura ou agricultura. Isso se deve ao fato de que podemos facilmente controlar as propriedades da luz dos LED s, como distribuição espectral, polarização, intensidade e temperatura. Abrindo assim, uma gama de aplicações para esses dispositivos. No âmbito médico, os LED s podem ser utilizados no tratamento de lesões pré-malignas e malignas, tratamento de rejuvenescimento, da acne, queda de cabelos, lesões de pele e cicatrização de feridas (MOREIRA, 2009).

2 Assim, estudos para especificar irradiação em comprimentos de onda específicos têm colaborado com estudos que tratam da interação de certas ondas eletromagnéticas (neste caso, luminosas) com sistemas biológicos. Em especial, o uso da fototerapia tem sido foco de estudos recentes, por ser auxiliar no tratamento da mucosite oral de pacientes pediátricos oncológicos (SANTOS, 2012). Para a aplicação destas técnicas estudos de caracterização da fonte luminosa em função do comprimento de onda de emissão da luz e da intensidade luminosa são necessários. O tempo de aplicação desta luz também é um fator importante no tratamento das diferentes enfermidades. O objetivo deste trabalho é desenvolver um sistema microcontrolado que seja responsável pelo controle temporal das doses de luz para fins terapêuticos. Estas doses são determinadas pelas características físicas da fonte luminosa, a qual é o foco de outro trabalho paralelo a este. Os microcontroladores são dispositivos programáveis simples com grande potencial para aplicações genéricas que normalmente não precisam de outros circuitos integrados externos para o seu funcionamento, salvo em aplicações mais elaboradas, pois já possuem internamente diversos periféricos integrados. Isso contribui para a diminuição de custos e tamanho do projeto (PEREIRA, 2011). Também será apresentada a metodologia utilizada no desenvolvimento do projeto, assim como os resultados obtidos e a discussão dos mesmos. 2. Fototerapia O LASER, do inglês Ligh Amplification by Stimulated Emission of Radiation, é utilizado como uso terapêutico desde O LASER possibilita a focalização em pequenas áreas e emissão de altas densidades de energia, por isso é considerado um instrumento de grande importância na área da saúde. Porém, novos estudos comprovam que os LED s também podem ser utilizados para uso terapêutico. Uma das principais utilizações do LED s é no auxílio da cicatrização pela aplicação local de luz (SANTOS, 2012). A fototerapia ou também denominada de fotobioestimulação é usada por várias áreas da saúde como fisioterapia, odontologia e dermatologia. Mas para cada situação há um comprimento de onda específico para que ocorra uma reação fotobiológica (HENRIQUES, 2010). Na pele, a luz vermelha possui ação cicatrizante e anti-inflamatória, pois auxilia na multiplicação celular. Quando a pele recebe luz com comprimento de onda superior a 800nm ocorre um aquecimento do tecido devido a absorção da energia pelas moléculas de água. Porém, ao aumentar a frequência, a penetrabilidade na pele diminui por causa da absorção do extrato biológico e ao acentuado espalhamento da luz. A figura 1 apresenta a relação entre o comprimento de onda e a penetração da pele. A literatura afirma que a região entre 600nm e 800nm é o ideal para a aplicação da terapia mediada por luz (MOREIRA, 2009). Em especial, diversos estudos sinalizam que alguns comprimentos de onda proporcionam uma melhor resposta biológica, dentre os quais, 620, 680, 760 e 820 nm poderiam ser os mais adequados devido às absorções mais intensas (ROBERTS, 2012).

3 Figura 1 - Penetração da luz na pele em função do comprimento de onda. Fonte: MOREIRA, Profundidade de penetração da luz na pele e dosimetria A profundidade de penetração da luz na pele é diretamente proporcional ao comprimento de onda da mesma. Quanto maior o comprimento de onda, mais profundamente essa luz irá penetrar na pele (MOREIRA, 2009). A definição de densidade de potência (DP) é a potência ótica dada em Watts (W) dividida pela área irradiada em centímetros quadrado (cm²). A dose de energia (DE), expressa em Joules por centímetro ao quadrado (J/cm²) é obtida multiplicando a DP pelo tempo de exposição à luz, em segundos (s) (LOPES, 2007). (1) Onde: - P = Potência luminosa (W); - A = Área irradiada (cm²); - t = tempo de exposição (s); A dose, ou fluência, é muito importante para que se obtenham bons resultado na fototerapia. Doses muito elevadas podem causar danos ao tecido e doses muito baixas podem não surtir efeito na terapia. Doses muito elevadas podem, por exemplo, causar danos térmicos aos tecidos biológicos, podendo prejudicar o paciente (LOPES, 2007). Podemos verificar o efeito desejado e a dose a ser plicada na tabela 1. Tabela 1: Relação entre dose e efeitos desejados nos tecidos biológicos. Efeito desejado Dose (J/cm²) Anti-inflamatório 1 a 3 Circulatório 1 a 3 Analgésico 2 a 4 Regenerativo 3 a 6 Anti-inflamatório 1 a 3 Fonte: MOREIRA, Segundo a tabela, podemos ver que para fins regenerativos é recomendado que se aplique uma energia entre 3 e 6J/cm². Para aplicação da fototerapia para cicatrização da pele, esse valor de energia é o ideal. 4. Mucosite oral Um dos efeitos colaterais da radioterapia e/ou quimioterapia para pacientes com câncer

4 é a mucosite oral, encontrada em 40% dos pacientes submetidos à quimioterapia e 100% dos que são expostos à radioterapia na região da cabeça e do pescoço. É uma condição inflamatória da mucosa oral, levando algumas vezes a modificações terapêuticas que interferem no tratamento da doença (KELNER, 2006). A ação citotóxica da quimioterapia diminui a proliferação da camada basal do epitélio da mucosa oral, causado atrofia e úlcera. Ao mesmo tempo, as drogas agem sobre a medula óssea e diminuem a sua atividade e consequentemente o número de plaquetas e leucócitos cai. Isso leva a sangramentos e infecções locais (KELNER, 2006). Essa dor pode comprometer a nutrição, a qualidade de vida do paciente e podendo causar a interrupção do tratamento e por consequência, o óbito do mesmo. A fototerapia com o uso do LASER tem tido sucesso no tratamento da mucosite oral, diminuindo a dor e acelerando o processo de cicatrização das lesões. Entretanto, devido a algumas desvantagens do uso do laser como fonte luminosa, faz-se necessário um estudo do tratamento destas afecções utilizando sistemas de iluminação baseados em novas tecnologias, como os sistemas que utilizam LED s. 5. Microcontroladores Podemos definir os microcontroladores como sendo um pequeno componente eletrônico dotado de inteligência programável. Toda lógica de operação é estruturada na forma de um programa e gravada dentro do componente (SOUZA, 2011). Os microcontroladores constituem-se de uma pastilha de silício encapsulada com todos os componentes necessários ao controle de um processo. Isso significa que eles são providos internamente de memórias de programa e de dados, portas de entrada e saída paralela, temporizadores, contadores, comunicação serial e etc. (SOUZA, 2011). Os microcontroladores PIC apresentam uma arquitetura de máquina do tipo Havard, a qual possui dois barramentos diferentes: um de dados (de 8 bits) e outro de programa (de 14 bits). Isso permite que enquanto uma instrução está sendo executada outra seja buscada da memória, dando agilidade ao processamento (ZANCO, 2006). Nesse projeto, foi utilizado o microcontrolador PIC 16F877A, da Microchip. Esse microcontrolador de 8 bits é facilmente programado, com apenas 35 instruções, contém entre 40 pinos que podem ser habilitados como sinais de entrada ou saída que podem ser analógicas ou digitais. Dentre outras características, possui memória EEPROM, módulo capture/compare/pwm, conversor A/D e transmissão serial USART (MICROCHIP, 2013). A pinagem deste microcontrolador é apresentada na figura 2, onde se pode notar, através das nomenclaturas dos pinos, que muitos deles possuem mais de uma função, que dependerá dos periféricos internos configurados e da aplicação propriamente dita.

5 Figura 2 Pinagem do microcontrolador PIC16F877A O PIC também possui três recursos de Temporizadores (Timers) com características próprias. Neste projeto, utilizou-se o Timer0 por meio da interrupção do seu contador TMR0. Esta interrupção é utilizada normalmente para a contagem de tempo (SOUZA, 2003). Outros dois pinos interessantes são o RB0, o qual pode ser configurado para atuar como sinal de entrada e ativar a interrupção externa. E o pino 1 do PIC, /MCLR, que funciona como reset externo e é ativado em nível lógico 0 (SOUZA, 2003). 6. Metodologia A primeira parte do trabalho constitui-se em pesquisa bibliográfica feita em periódicos, revistas especializadas, livros e páginas da web. Baseado em trabalhos feitos paralelamente a este, foi proposto um protótipo constituído por 9 LED s, de 5mm dispostos de forma regular e simétrica formando uma matriz 3x3. Essa matriz foi alimentada por uma fonte de 5V, para futura utilização com o microcontrolador. Foram feitas 3 matrizes, com LED s de diferentes fabricantes, porém todos na cor vermelha, apresentadas na figura 3. Figura 3 Matrizes de Leds 1, 2 e 3. Auxiliado pelo OSA (Optical Spectrum Analyzer) foi possível medir o comprimento de onda central de emissão dos 3 diferentes LED s utilizados no protótipo. Com um medidor de potência (Power meter) Laser Check da marca COHERENT foi possível fazer a medição da potência luminosa das matrizes. Através dessa potência foi calculado o tempo necessário de exposição à luz para atingir a energia necessária para causar o efeito regenerativo da pele. Esse cálculo foi feito através da equação 1. Com essas matrizes chegou-se a conclusão que em apenas uma delas obteve-se um tempo considerável para a aplicação de fototerapia. Então, partiu-se para o desenvolvimento do primeiro sistema microcontrolado. Esse sistema serve para controlar o tempo apenas para a matriz selecionada e contará apenas o tempo referente a dose dessa matriz. Para maior flexibilidade do projeto, foi proposto que se fizesse um dispositivo

6 microcontrolado com tempos variados. Assim, o estudo das matrizes de LED s poderia ter continuidade e melhorias poderiam ser feitas, como por exemplo, mudar o tipo de LED ou a geometria da matriz de iluminação. Como dito anteriormente foi utilizado o microcontrolador PIC 16F877A. Ele controlará o tempo que a matriz ficará ligada, de acordo com o tempo selecionado pelo usuário. Para selecionar o tempo serão utilizados dois botões: incremento e decremento. Também serão implementados os botões de start e reset. A visualização da contagem será feita por uma barra de LED s indicadores (figura 4). Para contagem de tempo será manipulada a interrupção do Timer0. Figura 4 Mostrador barra de LED s O Timer0 é um registrador de 8 bits cujo valor encontra-se no registrador TMR0. O seu incremento é feito a partir do pino RA4 quando utilizado para contagem de eventos externos ou a cada ciclo de máquina para contagem de tempo. Para definir qual tipo de incremento será feito basta modificar o bit TOCS do registrador OPTION_REG. Quando esse bit estiver em 0, seu incremento é feito a cada ciclo de máquina e quando estiver em 1 é feito pela transição no pino RA4, que é um pulso de clock externo (SOUZA, 2003). Também é necessário configurá-lo quanto à velocidade de contagem. No registrador OPTION_REG, é possível configurar valor do prescaler, que determina a divisão de contagem, ou seja, quantos ciclos de máquina (quando temporizador) ou pulsos externos (quando contador externo) serão necessários acontecer para que o registrador de contagem de tempo TMR0 seja incrementado. O valor do prescaler do TMR0 varia de 2 a 256, ou seja, com valores de 2 n variando o valor de n entre 1 e 8. Quando ocorre o transbordo do TMR0, isso significa que seu valor passe de 255 para 0, um flag no registrador INTCON será setado (o bit T0IF passará de 0 para 1), sinalizando que houve a interrupção. Para calcular a frequência com que vão ocorrer as interrupções do TMR0, será utilizada a seguinte fórmula: (2) Onde: - CLOCK é o valor da frequência de clock utilizada. No caso de oscilação interna é Fosc/4; - PRESCALER é o fator de divisão do clock; - TMR0 é o valor inicial do TMR0. - K é um multiplicado caso os valores de TMR0 e PRESCALER sejam maiores que 256. Partindo-se do princípio físico que tempo é o inverso da frequência, tem-se que:

7 (3) Onde T é o tempo de exposição dos LED s. O algoritmo do microcontrolador foi feito em linguagem assembly no software MPLAB da Microchip. Para simulação, foi feito o circuito elétrico no software ISIS 7, conhecido também como PROTEUS. Para implementação da placa de circuito impresso (PCI) foi utilizado o software EAGLE para o design da placa e o EAGLE 3D para visualização da placa antes da implementação física da mesma. Para alimentação do PIC 16F877A foi utilizada uma pilha alcalina de 12V ALFACELL e um suporte plástico para a mesma. Para regular a tensão utilizou-se um LM7805 que fornecerá os 5V necessários para o funcionamento correto do PIC. Para a frequência de clock do microcontrolador foi utilizado um cristal de 4MHz. Na interface do usuário, além da barra de LED s já mencionada, foram utilizados 4 botões push-button de quatro pinos cada. Resistores de 330Ω e 100kΩ foram utilizados para proteção da barra de LED s e dos botões, respectivamente. A placa de circuito impresso foi feita com fenolite, manualmente. 7. Resultados e discussões Com as 3 matrizes de LED s montadas e alimentadas corretamente, chegou-se ao valor de potência irradiada através do seu comprimento de onda e a medida feita no medidor de potência. A par desses dados, foi possível calcular o tempo de exposição, de acordo com a equação 1, considerando uma dose de 6J/cm², referente ao efeito regenerativo da pele. Tabela 2 Potência e tempo de irradiação das matrizes de LED s. Matriz Comprimento de onda (nm) Potência (mw) Tempo ,58 9 e ,8 6,84 32 e ,4401 8h, 31 e 14 A área iluminada pelas matrizes considerada para cálculo é a área do feixe luminoso dos LED s a uma distância de aproximadamente 2 cm da matriz, área essa já utilizada em tratamentos e apresentando resultados positivos (MOREIRA, 2009). Assim, foi observado que a área irradiada das 3 matrizes apresentou o mesmo valor, 2,25cm². Na tabela 2 verifica-se que a matriz 1 possui maior potência luminosa e, devido a todas apresentarem a mesma área irradiada, possui o menor tempo de exposição para uma dose de 6J/cm², justificando a escolha desta matriz como a mais indicada das construídas para aplicação da fototerapia. Analisando o tempo de aplicação dessa matriz, concluiu-se que o tempo ideal para aplicação é de até 10 minutos. Portanto, o dispositivo final foi projetado para contar tempos de 1 a 10 minutos, variando de 1 em 1 minuto, de acordo com o que foi selecionado pelo usuário. A figura 5 mostra o sistema elétrico feito no PROTEUS do segundo dispositivo microcontrolado. Os LED s 1 à 10 são referentes à barra de LED s que servirá para mostrar o tempo ao usuário.

8 Os botões INC e DEC são responsáveis por controlar a barra de LED s, que irá mostrar para o usuário o tempo que a matriz permanecerá acesa ao se clicar no botão START. O botão RESET está ligado no pino do PIC que tem a função de resetar o programa. Isso fará com que a matriz seja desligada automaticamente quando esse botão for pressionado. Figura 5 Esquema elétrico do segundo sistema microcontrolado para a matriz de LED s no PROTEUS Figura 6 Fluxograma do algoritmo

9 A figura 6 mostra o fluxograma do programa. O algoritmo testa se os botões INC, DEC e START foram pressionados e logo os trata. O botão RESET não é testado no programa por se tratar de um botão com pino específico do microcontrolador, como dito anteriormente. Os botões INC e DEC apresentam funções semelhantes e opostas. Quando apertados, um contador irá ser incrementado ou decrementado, de acordo com o botão. O programa também garante que esse contador nunca ultrapasse 10 e nunca seja menor que 0. Há também um filtro de botão, responsável por não deixar que interferências externas atrapalhem o sinal que será enviado ao microcontrolador. Sempre que apertados, o display em forma de barra de LED s será atualizado para melhor visualização pelo usuário. Quando o botão START é pressionado a interrupção do Timer 0 é configurada. Para contar 1 segundo, o TMR0 foi iniciado com o valor decimal 6 e o multiplicador auxiliar K com um valor igual a 125, segundo a equação 2. O registrador OPTION_REG foi configurado com um divisor de PRESCALER de 256. Para contar um minuto, um segundo multiplicador foi utilizado com o valor de 60. De acordo com o valor do contador, que foi incrementado ou decrementado, a interrupção do timer 0 contará x minutos. Quando o tempo chegar a 0, ou o botão RESET for pressionado, o programa volta ao início e apaga a matriz de LED s. O esquemático elétrônico do dispositivo também foi reproduzido no software EAGLE e está mostrado na figura 7. Nesse esquema já estão disponíveis o regulador de tensão e a entrada para a bateria que alimentará o microcontrolador. Figura 7 - Esquemático eletrônico do segundo sistema microcontrolado para a matriz de LED s A partir desse esquemático foi possível fazer o design da placa de circuito impresso (PCI) com todas os componentes dispostos na placa e suas respectivas trilhas, apresentado na figura 8. Figura 8 Desenho da placa de circuito impresso do circuito

10 Por fim temos a placa em sua fase final na figura 9. Para finalizar o trabalho ainda serão necessários alguns ajustes, como elaborar um suportes para o dispositivo e o interfaceamento da placa microcontrolada com as futuras matrizes de LED s. Figura 9 Placa finalizada 8. CONCLUSÕES Com esse trabalho foi possível observar o desenvolvimento de um dispositivo eletrônico relativamente simples, mas que sua aplicação pode trazer vários benefícios à saúde humana. Como o LED é uma tecnologia barata e promissora para iluminação, é extremamente necessário que se façam pesquisas em todas as áreas do conhecimento. Aqui, é conciliado conhecimentos físicos, biológicos e eletrônicos e foi baseado neles foi desenvolvido um protótipo de um dispositivo para fototerapia. A implementação do protótipo do sistema microcontrolado para controle de tempo mostrou-se satisfatório. Um próximo passo deste projeto é a implementação do circuito em componentes eletrônicos miniaturizados de modo a reduzir o tamanho da placa de controle de tempo e assim facilintando o manuseio do dispositivo. É possível expandir esse trabalho com envolvimento de profissionais de outras áreas, principalmente da medicina, para colocar a aplicação da fototerapia na prática e assim avaliar melhor as doses de fototerapia a serem recomendadas para o tratamento da mucosite oral, entre outras aplicações de regeneração celular, contribuindo assim para a sociedade. Referências HENRIQUES, Águida Cristina Gomes; CAZAL, Claudia; CASTRO, Jurema Freire Lisboa de. Ação da laserterapia no processo de proliferação e diferenciação celular: revisão da literatura. Rev. Col. Bras. Cir., Rio de Janeiro, v. 37, n. 4, KELNER, Natalie; CASTRO, Jurema Freire Lisboa de. Laser de baixa intensidade no tratamento da mucosite oral induzida pela radioterapia: relato de caso. Revista Brasileira de Cancerologia, LOPES, Luciana Almeida. Entrevista para o DMC Journal. Vol 1, 1ª Edição MICROCHIP. <www.microchip.com>. Acesso em 12 de maio de MOREIRA CERETTA, M. Utilização de conversores eletrônicos que alimentam LED s de alto brilho na aplicação em tecido humano e sua interação terapêutica. Santa Maria: UFSM, Tese (Doutorado) Programa de Pós- Graduação em Engenharia Elétrica, Área de Concentração em Processamento de Energia: Sistemas de Iluminação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2009.

11 PEREIRA, Fábio. Microcontroladores PIC Programação em C. Editora Érica. 2ª edição. São Paulo-SP, ROBERTS, SCOTT. LED Light Therapy. Disponível em: <http://heelspurs.com/led.html>. Acesso em 22/05/2013. SANTOS, Mônica Crisina Melo; FILHO, Francisco da Costa Gomes; NICOLAU, Renata Amadei. Efeitos terapêuticos do diodo emissor de luz LED em mastites lactacionais. Revista Univap, São José dos Campos SP, SOUZA, David José de. Desbravando o PIC: ampliado e atualizado para PIC 16F628A. Editora Érica. 12ª edição. São Paulo SP, SOUZA, David José, LAVINIA, Nicolás César. Conectando o PIC 16F877A. Editora Érica. 1ª edição. São Paulo-SP, ZANCO, Wagner da Silva. Microcontroladores PIC: técnicas de software e hardware para projetos de circuitos eletrônicos: com base no PIC16F877A. São Paulo: Érica, ANEXOS Anexo I: Quadro com o algoritmo em linguagem assembly desenvolvido para o projeto. #INCLUDE <P16F877A.INC> CONFIG _CP_OFF & _CPD_OFF & _DEBUG_OFF & _LVP_OFF & _WRT_OFF & _BODEN_ON & _PWRTE_ON & _WDT_OFF & _HS_OSC CBLOCK 0X20 C1 C2 C3 CONT TEMPO1 TEMPO2 MULT1 MULT2 ENDC #DEFINE BANK1 BSF STATUS,RP0 #DEFINE BANK0 BCF STATUS,RP0 #DEFINE INC PORTD,2 #DEFINE DEC PORTD,3 #DEFINE START PORTD,4 #DEFINE MATRIZ PORTD,7 MACRO N,L MOVLW N MOVWF L ENDM ORG 0X0000 GOTO INICIO ORG 0x0004 BCF INTCON,T0IF D 6,TMR0 DECFSZ MULT1 D 125,MULT1 DECFSZ MULT2 D 60,MULT2 DECFSZ CONT GOTO ANOVE GOTO AZERO GOTO ADOIS B ,PORTB ADOIS MOVF CONT,W SUBLW D 2 GOTO AUM B ,PORTB AUM MOVF CONT,W SUBLW D 1 GOTO AZERO B ,PORTB AZERO BCF MATRIZ CLRF PORTB CLRF PORTD BCF INTCON,T0IE ;********************************* INICIO BANK1 H 00,TRISB B ,TRISD BANK0 H 00,PORTB H 00,PORTD D 0,CONT L0 BTFSC INC GOTO L1 CALL TIME GOTO UP L1 BTFSC DEC GOTO L2 CALL TIME DOIS MOVF CONT,W SUBLW D'2' GOTO TRES B' ',PORTB H'00',PORTD TRES MOVF CONT,W SUBLW D'3' GOTO QUATRO B' ',PORTB H'00',PORTD QUATRO MOVF CONT,W SUBLW D'4' GOTO CINCO B' ',PORTB H'00',PORTD CINCO MOVF CONT,W SUBLW D'5' GOTO SEIS B' ',PORTB H'00',PORTD SEIS MOVF CONT,W SUBLW D'6' GOTO SETE B' ',PORTB H'00',PORTD SETE MOVF CONT,W SUBLW D'7' GOTO OITO

12 ANOVE MOVF CONT,W SUBLW D 9 GOTO AOITO B ,PORTB B ,PORTD AOITO MOVF CONT,W SUBLW D 8 GOTO ASETE B ,PORTB B ,PORTD ASETE MOVF CONT,W SUBLW D 7 GOTO ASEIS B ,PORTB ASEIS MOVF CONT,W SUBLW D 6 GOTO ACINCO B ,PORTB ACINCO MOVF CONT,W SUBLW D 5 GOTO AQUATRO B ,PORTB AQUATRO MOVF CONT,W SUBLW D 4 GOT ATRES B ,PORTB ATRES MOVF CONT,W SUBLW D 3 GOTO DOWN L2 BTFSC START CALL TIME BANK1 MOVLW B MOVWF OPTION_REG MOVLW B MOVWF INTCON BANK0 D 125,MULT1 D 60,MULT2 D 6,TMR0 BSF MATRIZ BTFSC MATRIZ GOTO $-1 UP INCF CONT,F MOVF CONT,W SUBLW D 11 GOTO ZERO D 10,CONT GOTO ZERO DOWN DECF CONT,F MOVF CONT,W SUBLW D 255 GOTO ZERO D 0,CONT GOTO ZERO ;********************************* ZERO MOVF CONT,W SUBLW D 0 GOTO UM H 00,PORTB H 00,PORTD UM MOVF CONT,W SUBLW D 1 GOTO DOIS B ,PORTB H 00,PORTD B' ',PORTB H'00',PORTD OITO MOVF CONT,W SUBLW D'8' GOTO NOVE B' ',PORTB H'00',PORTD NOVE MOVF CONT,W SUBLW D'9' GOTO DEZ B' ',PORTB B' ',PORTD DEZ MOVF CONT,W SUBLW D'10' B' ',PORTB B' ',PORTD ;********************************* TIME T_250 MOVLW D'5' GOTO T_50 T_50 MOVWF C3 MOVLW D'130' MOVWF C1 MOVLW D'222' MOVWF C2 DECFSZ C2,F GOTO $-1 DECFSZ C1,F GOTO $-3 DECFSZ C3,F GOTO $-9 RETURN END

Hardware Parte I. Fábio Rodrigues de la Rocha

Hardware Parte I. Fábio Rodrigues de la Rocha Hardware Parte I Fábio Rodrigues de la Rocha PIC16F877 40 pinos Freqüência máxima 20MHz. Vias de programação 14 bits 33 portas configuráveis como entradas/saídas 15 interrupções diferentes Memória EEPROM

Leia mais

PIC16F628a. Pinagem do PIC16F628a:

PIC16F628a. Pinagem do PIC16F628a: PIC16F628a O PIC16F628a é um microcontrolador fabricado pela Microchip Technology (www.microchip.com), com as seguintes características: - composto de 18 pinos; - possui somente 35 instruções no seu microcódigo;

Leia mais

MICROCONTROLADORES PIC PRIMEIROS PASSOS

MICROCONTROLADORES PIC PRIMEIROS PASSOS MICROCONTROLADORES PIC PRIMEIROS PASSOS Os microcontroladores são chips inteligentes, que tem um processador, pinos de entradas/saídas e memória. Através da programação dos microcontroladores podemos controlar

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO MICROPROCESSADORES PROJETO PARDAL DOCUMENTAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO MICROPROCESSADORES PROJETO PARDAL DOCUMENTAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO MICROPROCESSADORES PROJETO PARDAL DOCUMENTAÇÃO CURITIBA, 2012 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA

Leia mais

Guia do Usuário Placa de Desenvolvimento McLab1

Guia do Usuário Placa de Desenvolvimento McLab1 Placa de Desenvolvimento McLab1 Sumário 1. APRESENTAÇÃO...3 2. HARDWARE...4 2.1. MICROCONTROLADOR PIC16F628A...4 2.2. DISPLAYS DE 7 SEGMENTOS...5 2.3. TECLAS...5 2.4. LEDS...6 2.5. LÂMPADA...6 2.6. BOTÃO

Leia mais

Servo-Motor. por. Nuno Monteiro & Gabriel Dinis Eng. Electrotécnica, UTAD Junho de 2001. nuno_monteiro@portugalmail.com gabrieldinis@portugalmail.

Servo-Motor. por. Nuno Monteiro & Gabriel Dinis Eng. Electrotécnica, UTAD Junho de 2001. nuno_monteiro@portugalmail.com gabrieldinis@portugalmail. Servo-Motor por nuno_monteiro@portugalmail.com gabrieldinis@portugalmail.pt Um servo-motor é um pequeno dispositivo cujo veio pode ser posicionado numa determinada posição angular de acordo com um sinal

Leia mais

V1 5V +V. (14)Vdd (6)RB0 PIC 16F628A. (16) Clk-out. C1 33pF. C2 33pF. Figura 1 Circuito pisca-pisca.

V1 5V +V. (14)Vdd (6)RB0 PIC 16F628A. (16) Clk-out. C1 33pF. C2 33pF. Figura 1 Circuito pisca-pisca. AUTOR Maurício Madeira Oliveira Página pessoal (fonte): www.seguidorsolar.com.br Este curso pode ser usado e divulgado, sem fins comerciais, citar fonte e autor Prévia: Curso de Microcontroladores PIC

Leia mais

Programação Daniel Corteletti Aula 3 Parte III Página 1/7

Programação Daniel Corteletti Aula 3 Parte III Página 1/7 Programação Daniel Corteletti Aula 3 Parte III Página /7 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO - ASSEMLY - PARTE I Assembly - o que é "Assembly" significa montagem. "Assembler" significa montador. Montagem é o ato

Leia mais

Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza

Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza Introdução Nesta terceira série de artigos que aborda a programação na linguagem BASIC para o microcontrolador PIC,

Leia mais

7. Técnicas de Programação

7. Técnicas de Programação 7. Professor: Vlademir de Oliveira Disciplina: Microcontroladores e DSP 7.1 Fluxograma Definições Início/Fim Sub-rotinas Tomada de decisão Terminação 7.1 Fluxograma Exercícios Ex.1: Testa um botão e acende

Leia mais

MPLAB IDE Instruções básicas de utilização Carlos Roberto da Silveira Jr

MPLAB IDE Instruções básicas de utilização Carlos Roberto da Silveira Jr MPLAB IDE Instruções básicas de utilização Carlos Roberto da Silveira Jr 1 Instalação O MPLAB IDE é o software produzido pela fabricante de microcontroladores Microchip para, podendo ser adquirido gratuitamente

Leia mais

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS Antonio Carlos Lemos Júnior, Ednaldo Lopes Rosa e Leandro Aureliano

Leia mais

www.vwsolucoes.com Copyright 2013 VW Soluções

www.vwsolucoes.com Copyright 2013 VW Soluções Apresentação O ClpPic40-v4 foi desenvolvido com base no microcontrolador PIC16F877A, mas pode ser utilizado qualquer outro PIC de 40 pinos da família 16F ou 18F (observar a pinagem). Ele possui várias

Leia mais

Curso PIC 1 Desbravando o PIC. Eng. Diego Camilo Fernandes Labtools Mosaico Didactic Division

Curso PIC 1 Desbravando o PIC. Eng. Diego Camilo Fernandes Labtools Mosaico Didactic Division Curso PIC 1 Desbravando o PIC Eng. Diego Camilo Fernandes Labtools Mosaico Didactic Division O que fazemos... Desenvolvimento de projetos (hardware e software); Consultoria em engenharia eletrônica e

Leia mais

PIC18F4550. Curso Engenharia de Controle e Automação. Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com

PIC18F4550. Curso Engenharia de Controle e Automação. Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com PIC18F4550 Curso Engenharia de Controle e Automação Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com 1 Agenda Características do PIC18F4550 Pinagem do PIC18F4550 Pinagem do PIC18F4550 Datasheet

Leia mais

Sistemas Microcontrolados

Sistemas Microcontrolados Sistemas Microcontrolados Uma Abordagem com o Microcontrolador PIC 16F84 Nardênio Almeida Martins Novatec Editora Capítulo 1 Introdução Os microcontroladores estão presentes em quase tudo o que envolve

Leia mais

UNICEUB CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FATECS FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

UNICEUB CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FATECS FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO UNICEUB CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FATECS FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO FLÁVIA ROSA DE SOUSA PEREIRA MONITORAÇÃO DE NÍVEL SONORO BRASÍLIA/DF

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI - UFSJ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - DEPEL INTRODUÇÃO AOS MICROCONTROLADORES PIC

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI - UFSJ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - DEPEL INTRODUÇÃO AOS MICROCONTROLADORES PIC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI - UFSJ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - DEPEL INTRODUÇÃO AOS MICROCONTROLADORES PIC THIAGO VELOSO GOMES JOÃO MATHEUS DE OLIVEIRA ARANTES São João del-rei Março

Leia mais

Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação

Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação MINI OSCILOSCÓPIO DIGITAL PORTÁTIL BASEADO EM MICROCONTROLADOR PIC Curitiba 2004 1 Ederson

Leia mais

Conhecendo o PIC16F877 Microcontrolador de 8 bits da Microchip Co.

Conhecendo o PIC16F877 Microcontrolador de 8 bits da Microchip Co. Programação Daniel Corteletti Aula 2 Página 1/6 Conhecendo o PIC16F877 Microcontrolador de 8 bits da Microchip Co. O microcontrolador PIC16F877 pode ser encontrado em diversos encapsulamentos: PDIP, QFP,

Leia mais

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO Parte I Fundamentos Teóricos O que diferencia um microcontrolador (como o 8051) de um microprocessador é o fato de que o primeiro pode apresentar, integrados

Leia mais

Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira- Departamento de Engenharia Elétrica

Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira- Departamento de Engenharia Elétrica Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira- Departamento de Engenharia Elétrica TEEE I- Projeto de Robôs Móveis - Profs. Nobuo Oki e Suely Cunha Amaro Mantovani 1 o.sem / 2013 TEEE I Projeto de Robôs Móveis

Leia mais

Sistema de Monitoração e Controle de Acesso utilizando Microcontrolador PIC16F877

Sistema de Monitoração e Controle de Acesso utilizando Microcontrolador PIC16F877 Centro Universitário de Brasília - UniCEUB Faculdade de Ciências Exatas e Tecnologia - FAET Curso de Engenharia da Computação Projeto Final Marcos Felipe Siqueira Engel Sistema de Monitoração e Controle

Leia mais

QSPIC40 Manual do usuário Ver 1.0

QSPIC40 Manual do usuário Ver 1.0 QSPIC40 Manual do usuário Ver 1.0 Introdução: É um excelente kit de microcontrolador da família PIC18F e PIC16F da Microchip. O kit QSPIC40 é um kit de desenvolvimento e aprendizagem utilizando microcontroladores

Leia mais

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: RGM: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS O objetivo desse projeto extra é aplicar os conceitos vistos em aula

Leia mais

Programação C para microcontroladores PIC

Programação C para microcontroladores PIC Programação C para microcontroladores PIC eletrocursos.gnomio.com 1/6 Sumário Histórico do Documento... 3 Treinadores Responsáveis... 3 Carga Horária... 3 Ementa... 3 Objetivos... 3 Conteúdo Programático...

Leia mais

Programação em BASIC para o PIC Vitor Amadeu Souza

Programação em BASIC para o PIC Vitor Amadeu Souza Programação em BASIC para o PIC Vitor Amadeu Souza Introdução Continuando com a série do último artigo, hoje veremos os passos para o desenvolvimento de uma minuteria com o microcontrolador PIC18F1220

Leia mais

Programação em BASIC para o PIC Projetos com Display Gráfico Vitor Amadeu Souza

Programação em BASIC para o PIC Projetos com Display Gráfico Vitor Amadeu Souza Programação em BASIC para o PIC Projetos com Display Gráfico Vitor Amadeu Souza Introdução No artigo desta edição, veremos os passos para controlar um dispaly gráfico de 128 x 64 pixels. A idéia será apresentar

Leia mais

Suporta os microcontroladores: R. Leonardo da Vinci, 883 - Campinas/SP CEP 13.077-009 F.: (19) 4141.3351 / 3304.1605

Suporta os microcontroladores: R. Leonardo da Vinci, 883 - Campinas/SP CEP 13.077-009 F.: (19) 4141.3351 / 3304.1605 Suporta os microcontroladores: PIC16F877A, PIC18F452, PIC18F4520, PIC18F4550, PIC 18F876A, PIC18F252, PIC18F2550 e outros com 28 e 40 pinos O Kit de desenvolvimento ACEPIC PRO V2.0 foi projetado tendo

Leia mais

Módulo de Desenvolvimento PIC16F877A

Módulo de Desenvolvimento PIC16F877A Objetivos: Módulo de Desenvolvimento PIC16F877A Realizar programação e projetos com microcontroladores e seus periféricos, integrando sistemas analógicos e digitais com a utilização de compilador (Mikro

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PUC-PR CCET CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. Luiz Renato Hey Schmidt

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PUC-PR CCET CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. Luiz Renato Hey Schmidt PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PUC-PR CCET CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Luiz Renato Hey Schmidt Rafael da Silva Neves Serrano PROJETO INTEGRADO CCAA CALHA

Leia mais

Kit de desenvolvimento de PIC16F ou PIC18F QSPIC28 Manual do usuário Versão 1.1 (2010)

Kit de desenvolvimento de PIC16F ou PIC18F QSPIC28 Manual do usuário Versão 1.1 (2010) Kit de desenvolvimento de PIC16F ou PIC18F QSPIC28 Manual do usuário Versão 1.1 (2010) QSP Tecnologia www.qsptec.com Av. Nova Cantareira 4798 Sala 01/02 Tel: 0xx11 2924-3323 Email: vendas@qsptec.com Copyright

Leia mais

Índice. Dia 05 de fevereiro de 2014...2. Apresentação... 2. Dia 12 de fevereiro de 2013...3

Índice. Dia 05 de fevereiro de 2014...2. Apresentação... 2. Dia 12 de fevereiro de 2013...3 Índice Dia 05 de fevereiro de 2014....2 Apresentação... 2 Dia 12 de fevereiro de 2013....3 -Processador... 3 -Von Neumann... 3 -Harvard... 4 -Von Neumann x Harvard... 4 -Equipamentos que utilizam a arquitetura

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 7ª Experiência Síntese de Circuitos Sequenciais Síncronos 1. Objetivos

Leia mais

Aula 2. - Elaboração de algoritmos/fluxogramas. - Gravação do programa no microcontrolador

Aula 2. - Elaboração de algoritmos/fluxogramas. - Gravação do programa no microcontrolador Aula 2 - Elaboração de algoritmos/fluxogramas - Set de instruções do 8051 - Programação em Assembly - Gravação do programa no microcontrolador - Simulação Exercícios da aula passada... 1) Converta os números

Leia mais

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO:

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: RGM: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADOR SÍNCRONO O objetivo desse projeto extra é aplicar os conceitos vistos em aula teórica

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

Curso microcontroladores PIC

Curso microcontroladores PIC Curso microcontroladores PIC Jean Carlos www.pk2lab.blogspot.com Curso de microcontroladores em linguagem C 2 Baseado no microcontrolador PIC18F4550 da Microchip, compilador MikroC e placa de desenvolvimento

Leia mais

MICROCONTROLADORES O QUE É O PIC?

MICROCONTROLADORES O QUE É O PIC? MICROCONTROLADORES Os microcontroladores são chips inteligentes, que tem um processador, pinos de entradas/saídas e memória. Através da programação dos microcontroladores podemos controlar suas saídas,

Leia mais

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204. Versão 1.XX / Rev.

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204. Versão 1.XX / Rev. Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204 Versão 1.XX / Rev. 1 Índice Item Página 1. Introdução...02 2. Características...02

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

Um encontro com o futuro

Um encontro com o futuro Um encontro com o futuro Catálogo de Produtos - ESTÉTICA Elite O Elite é a solução mais completa de fototerapia mundial com excelente performance no tratamento de acne, manchas na pele, olheiras, marcas

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

Multiplexação de Displays

Multiplexação de Displays Multiplexação de Displays Versão 202 RESUMO Nesta experiência são apresentados alguns conceitos sobre displays ou mostradores. São discutidas as formas de multiplexá-los de modo a reduzir a quantidade

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO O seguinte artigo apresenta uma UCP hipotética construída no software simulador DEMOWARE Digital Works 3.04.39. A UCP (Unidade Central de Processamento)

Leia mais

Guia de Trabalhos Práticos do Professor

Guia de Trabalhos Práticos do Professor DETUA Departamento de Electrónica e Telecomunicações Universidade de Aveiro Microcontroladores PIC Guia de Trabalhos Práticos do Professor José Miguel Oliveira Gaspar Olímpia

Leia mais

Circuito integrado 555 e suas aplicações

Circuito integrado 555 e suas aplicações Circuito integrado 555 e suas aplicações Introdução Um circuito integrado popular é o versátil 555. Introduzido pela em 1973 pela Signetcs, este circuito integrado tem aplicações que variam de equipamentos

Leia mais

Microcontroladores e FPGAs

Microcontroladores e FPGAs Microcontroladores e FPGAs Aplicações em Automação Edward David Moreno Ordonez Cesar Giacomini Penteado Alexandre César Rodrigues da Silva Novatec Editora Capítulo 1 Microcontrolador PIC16F628, da Microchip

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA - SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA - SANTIAGO DO CACÉM p./9 Grupo Disciplinar: 540 Ano Lectivo: 008/009 -Circuitos sequenciais síncronos.. Aplicações com contadores síncronos... Registos. Utilizar circuitos CMOS da série 74HCT ou 4000. Testar o funcionamento

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4. 2.1. Ligação da porta USB... 4. 2.2. LEDs de estado... 4. 2.3. Botão... 5

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4. 2.1. Ligação da porta USB... 4. 2.2. LEDs de estado... 4. 2.3. Botão... 5 MANUAL PICKIT2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4 2.1. Ligação da porta USB... 4 2.2. LEDs de estado... 4 2.3. Botão... 5 2.4. Conector de programação... 5 2.5. Slot para chaveiro...

Leia mais

Estrutura interna de um microcontrolador

Estrutura interna de um microcontrolador Estrutura interna de um microcontrolador Um microcontrolador é composto por um conjunto de periféricos interligados a uma unidade de processamento e todo este conjunto confere a este componente uma versatilidade

Leia mais

MICROCONTROLADORES E MICROPROCESSADORES APOSTILA 01

MICROCONTROLADORES E MICROPROCESSADORES APOSTILA 01 Engenharia Elétrica 1 5º / 6 Semestre MICROCONTROLADORES E MICROPROCESSADORES APOSTILA 01 Prof Daniel Hasse SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP Conteúdo Resumo iii Conteúdo viii Lista de Figuras x Lista de Tabelas

Leia mais

Guia do Usuário ICD2 BR In Circuit Debugger

Guia do Usuário ICD2 BR In Circuit Debugger Guia do Usuário ICD2 BR In Circuit Debugger ICD2BR 02/03/2011 1. Sobre o ICD2 BR... 3 1.1. Apresentação do ICD2 BR... 3 1.2. Como o ICD2 BR pode ajudar em seus projetos... 4 1.3. Quais PIC s o ICD2 BR

Leia mais

TERAPIA FOTODINÂMICA

TERAPIA FOTODINÂMICA TERAPIA FOTODINÂMICA Terapia Fotodinâmica Estudo e desenvolvimento de novas tecnologias. Seu uso por podólogos brasileiros é anterior a 1995. Usado por podólogos em outros países, desde a década de 80.

Leia mais

Curso de Linguagem C. Rinaldo Câmara Gonçalves Labtools Mosaico Didactic Division Revisão 2

Curso de Linguagem C. Rinaldo Câmara Gonçalves Labtools Mosaico Didactic Division Revisão 2 Curso de Linguagem C Rinaldo Câmara Gonçalves Labtools Mosaico Didactic Division Revisão 2 Sumário SUMÁRIO...3 RECURSOS BÁSICOS: EXEMPLO 1 BOTÃO E LED...5 RECURSOS DO LIVRO...5 LÓGICA DO EXEMPLO...5 ESQUEMA

Leia mais

Guia de Trabalhos Práticos do Aluno

Guia de Trabalhos Práticos do Aluno DETUA Departamento de Electrónica e Telecomunicações Universidade de Aveiro Microcontroladores PIC Guia de Trabalhos Práticos do Aluno José Miguel Oliveira Gaspar Olímpia Rodrigues

Leia mais

Interrupções e timers

Interrupções e timers Prática 3: 3.1 Introdução e objetivos Interrupções e timers Na prática anterior foi visto que a função main fica continuamente monitorando o teclado avaliando se alguma tecla foi pressionada através da

Leia mais

MEDIDOR DE VELOCIDADE UTILIZANDO FOTOTRANSISTOR

MEDIDOR DE VELOCIDADE UTILIZANDO FOTOTRANSISTOR UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UFRN CENTRO DE TECNOLOGIA CT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE ELE0622 Instrumentação Eletrônica Docente: Luciano Fontes ANDERSON SAUNDERS BRIGIDO FERNANDES

Leia mais

EFEITOS BIOESTIMULADORES DO LASER DE BAIXA INTENSIDADE E LED TERAPIA NA SAÚDE: UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR E SOCIAL

EFEITOS BIOESTIMULADORES DO LASER DE BAIXA INTENSIDADE E LED TERAPIA NA SAÚDE: UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR E SOCIAL EFEITOS BIOESTIMULADORES DO LASER DE BAIXA INTENSIDADE E LED TERAPIA NA SAÚDE: UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR E SOCIAL 1. UFPB- Professora Orientadora 2. COI-PR Extensionista Externo- Consultor 3. Discente

Leia mais

MICROCONTROLADORES PIC 16F E 18F TEORIA E PRÁTICA. Instituto NCB www.newtoncbraga.com.br contato@newtoncbraga.com.br

MICROCONTROLADORES PIC 16F E 18F TEORIA E PRÁTICA. Instituto NCB www.newtoncbraga.com.br contato@newtoncbraga.com.br 1 MICROCONTROLADORES PIC 16F E 18F TEORIA E PRÁTICA Instituto NCB www.newtoncbraga.com.br contato@newtoncbraga.com.br 2 Microcontroladores PIC 16F e 18F Teoria e Prática Autor:. São Paulo - Brasil - 2013

Leia mais

Comunicação Serial com o AVR ATMEGA8

Comunicação Serial com o AVR ATMEGA8 Comunicação Serial com o AVR ATMEGA8 Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Introdução Os microcontroladores AVR vem a cada dia tomando cada vez mais espaço nos novos projetos eletrônicos microcontrolados.

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

Minicurso de Arduino

Minicurso de Arduino Minicurso de Arduino Gabriel Vasiljević Wanderson Ricardo August 28, 2015 Gabriel Vasiljević Wanderson Ricardo Minicurso de Arduino August 28, 2015 1 / 45 Roteiro do curso O que é o Arduino (especificações,

Leia mais

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico;

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico; EMENTA DE CONTEÚDOS Eletricidade Conceitos fundamentais da eletricidade; Circuitos elétricos de corrente contínua; Tensão alternada; Gerador de funções; Operação do osciloscópio; Tensão e corrente alternadas

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

CURSO DE Microcontroladores PIC SETEMBRO DE 2005

CURSO DE Microcontroladores PIC SETEMBRO DE 2005 CURSO DE Microcontroladores PIC SETEMBRO DE 2005 *** APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO AO CURSO BÁSICO DE PIC Nosso curso terá como base o PIC16F84-A, que atualmente ainda é o melhor PIC para iniciar os estudos

Leia mais

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO FONTES CAVALCANTI CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE

Leia mais

Kit de desenvolvimento ACEPIC 40N

Kit de desenvolvimento ACEPIC 40N Kit de desenvolvimento ACEPIC 40N O Kit de desenvolvimento ACEPIC 40N foi desenvolvido tendo em vista a integração de vários periféricos numa só placa, além de permitir a inserção de módulos externos para

Leia mais

AULA2 Introdução a Microcontrolador

AULA2 Introdução a Microcontrolador AULA2 Introdução a Microcontrolador Disciplina: Aplicações Avançadas de Microprocessadores (AAM) Profa. Eduardo Henrique Couto ehcouto@hotmail.com Tópicos: Microcontroladores - Evolução Principais características

Leia mais

Veterinária. Vet Light. Manual do Usuário

Veterinária. Vet Light. Manual do Usuário Veterinária Vet Light Manual do Usuário O Vet Light é um equipamento fabricado com a mais alta tecnologia e todos os equipamentos são testados individualmente. Leia o manual antes de utilizar o produto.

Leia mais

TEM VÁRIOS ESTADOS: 0V,0.1V,3V,3.3V,4V,5V,10V, ETC.

TEM VÁRIOS ESTADOS: 0V,0.1V,3V,3.3V,4V,5V,10V, ETC. CONVERSOR ANALÓGICO / DIGITAL SINAL DIGITAL ASSUME APENAS 2 ESTADOS: 0V E 5V SINAL ANALÓGICO TEM VÁRIOS ESTADOS: 0V,0.1V,3V,3.3V,4V,5V,10V, ETC. 1 FONTE DESTES SINAIS ANALÓGICOS UM DOS NOSSOS OBJETIVOS

Leia mais

Microcontroladores ARM Cortex-M3 - XM 700 -

Microcontroladores ARM Cortex-M3 - XM 700 - T e c n o l o g i a Microcontroladores ARM Cortex-M3 - XM 700 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. INTRODUÇÃO Microcontroladores ARM Cortex-M3 - XM 700

Leia mais

Projeto Beat Hero. Bruno Henrique Viecelli Fábio Eduardo Pereira Fernando Pankiewicz Gomes José Roberto Wotecoski

Projeto Beat Hero. Bruno Henrique Viecelli Fábio Eduardo Pereira Fernando Pankiewicz Gomes José Roberto Wotecoski Bruno Henrique Viecelli Fábio Eduardo Pereira Fernando Pankiewicz Gomes José Roberto Wotecoski Projeto Beat Hero Projeto apresentado como requisito Parcial para avaliação do Programa de Aprendizagem em

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Projetos de Eletrônica Básica II

Projetos de Eletrônica Básica II Projetos de Eletrônica Básica II MUITO CUIDADO NA MONTAGEM DOS CIRCUITOS, JÁ QUE SE ESTÁ TRABALHANDO COM A REDE ELÉTRICA. Projete um sistema para uma casa inteligente, com as seguintes características:

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Revisão -

Arquitetura de Computadores - Revisão - Arquitetura de Computadores - Revisão - Principais funções de um Sistema Operacional Componentes básicos da Arquitetura Barramentos Registradores da CPU Ciclo de Instruções Interrupções Técnicas de E/S

Leia mais

Computador de Bordo. Jeep Willys CJ3B - 1954. ELE 0622 Instrumentação Eletrônica Docente: Luciano Fontes Cavalcanti

Computador de Bordo. Jeep Willys CJ3B - 1954. ELE 0622 Instrumentação Eletrônica Docente: Luciano Fontes Cavalcanti Computador de Bordo Jeep Willys CJ3B - 1954 ELE 0622 Instrumentação Eletrônica Docente: Luciano Fontes Cavalcanti Discente: Walter Viana do Nascimento Gadelha wgadelha.ufrn@gmail.com Objetivos Iniciais

Leia mais

Relatório técnico final

Relatório técnico final Estufa Relatório técnico final Integrantes: Cleiton J. Marcon Jefferson A. A. Parisotto Professor Orientador: Guilherme Nogueira 4º Bimestre Visto: Sumário Sumário... 2 Índice das Figuras... 3 Índice das

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Desenvolvendo Projetos em BASIC para o Microcontrolador AT89S8252. Com base no BASCOM - Teoria e Prática. Autor: Vitor Amadeu Souza

Desenvolvendo Projetos em BASIC para o Microcontrolador AT89S8252. Com base no BASCOM - Teoria e Prática. Autor: Vitor Amadeu Souza Desenvolvendo Projetos em BASIC para o Microcontrolador AT89S8252 Com base no BASCOM - Teoria e Prática Autor: Vitor Amadeu Souza Dedicatória Dedico este livro a minha querida noiva Renata Leal. Que preciosos

Leia mais

UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO E COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO E COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO E COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Pietro Diovane Keoma Bergamaschi de Assis MICROCONTROLADOR - 2-2 BARBACENA

Leia mais

Circuitos Lógicos. Aulas Práticas

Circuitos Lógicos. Aulas Práticas Circuitos Lógicos Aulas Práticas A Protoboard A Protoboard A Protoboard é um equipamento que permite interconectar dispositivos eletrônicos tais como resistores, diodos, transistores, circuitos integrados

Leia mais

5 Entrada e Saída de Dados:

5 Entrada e Saída de Dados: 5 Entrada e Saída de Dados: 5.1 - Arquitetura de Entrada e Saída: O sistema de entrada e saída de dados é o responsável pela ligação do sistema computacional com o mundo externo. Através de dispositivos

Leia mais

EPUSP PCS 2011/2305/2355 Laboratório Digital. Displays

EPUSP PCS 2011/2305/2355 Laboratório Digital. Displays Displays Versão 2015 1. Displays em Circuitos Digitais É inegável a importância de displays, pois são muito utilizados nos mais variados equipamentos de todas as áreas, como por exemplo, de instrumentação

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema sustentável, utilizando uma Luminária a Base de LEDs

Desenvolvimento de um sistema sustentável, utilizando uma Luminária a Base de LEDs 1 Desenvolvimento de um sistema sustentável, utilizando uma Luminária a Base de LEDs N. S. H. Diego, Graduando em Engenharia Elétrica, IFBA, J.A. Diaz-Amado, Membro estudante, IEEE, Ms. Engenharia Elétrica,

Leia mais

Simulação de Circuitos Microcontrolados com o Proteus

Simulação de Circuitos Microcontrolados com o Proteus Universidade Federal do Pará Laboratório de Processamento de Sinais (LaPS) Simulação de Circuitos Microcontrolados com o Proteus Flávio Hernan Figueiredo Nunes flaviohernanfnunes@gmail.com 25 de janeiro

Leia mais

REGISTRADOR DIGITAL DE GRANDEZAS COM CONEXÃO À INTERNET RELATÓRIO TÉCNICO FINAL

REGISTRADOR DIGITAL DE GRANDEZAS COM CONEXÃO À INTERNET RELATÓRIO TÉCNICO FINAL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE PROJETO FINAL REGISTRADOR DIGITAL DE GRANDEZAS COM CONEXÃO À INTERNET RELATÓRIO

Leia mais

Prof. Jener Toscano Lins e Silva

Prof. Jener Toscano Lins e Silva Prof. Jener Toscano Lins e Silva *É de fundamental importância a completa leitura do manual e a obediência às instruções, para evitar possíveis danos ao multímetro, ao equipamento sob teste ou choque elétrico

Leia mais

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações.

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. A partir de agora, iremos conhecer o hardware do Arduino e suas caracteristicas

Leia mais

Capítulo 12. Projeto 5 Controle de Motores de Passo. 12.1 Circuito e Funcionamento

Capítulo 12. Projeto 5 Controle de Motores de Passo. 12.1 Circuito e Funcionamento Capítulo 12 Projeto 5 Controle de Motores de Passo A crescente popularidade dos motores de passo deve-se a sua adaptação à lógica digital. Estes dispositivos são usados em inúmeras aplicações, tais como:

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados Sistemas Embarcados Introdução aos sistemas embarcados Introdução aos Sistemas embarcados Definição de um sistema embarcado Exemplos de sistemas embarcados Processadores utilizados em sistemas embarcados

Leia mais

Projetando Controladores Digitais com FPGA César da Costa

Projetando Controladores Digitais com FPGA César da Costa Projetando Controladores Digitais com FPGA César da Costa Novatec Editora Capítulo 1 Introdução No primeiro capítulo é feita uma introdução geral sobre controladores digitais baseados em microprocessador

Leia mais

PAPER 1/10. Desenvolvimento de uma plataforma de monitoramento em tempo de real do consumo de energia elétrica. ¹Softplan, ²IFSC

PAPER 1/10. Desenvolvimento de uma plataforma de monitoramento em tempo de real do consumo de energia elétrica. ¹Softplan, ²IFSC PAPER 1/10 Title Desenvolvimento de uma plataforma de monitoramento em tempo de real do consumo de energia elétrica Registration Nº: (Abstract) ¹Softplan, ²IFSC Softplan Rod. José Carlos Daux 10 ParqTec

Leia mais

WWW.cerne-tec.com.br. Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br

WWW.cerne-tec.com.br. Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br 1 Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br Continuando com o artigo apresentado na edição passada de comunicação USB com o PIC, continuaremos nesta edição o estudo do

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ELECTROTECNIA. João Paulo Baptista. Curso de Engenharia Electrotécnica Electrónica e Computadores

DEPARTAMENTO DE ELECTROTECNIA. João Paulo Baptista. Curso de Engenharia Electrotécnica Electrónica e Computadores DEPARTAMENTO DE ELECTROTECNIA MICROCONTROLADORES João Paulo Baptista Curso de Engenharia Electrotécnica Electrónica e Computadores Sistemas Digitais / 2001 1 MICROCONTROLADORES 1 Arquitectura Base de

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL

SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL MODELO: CARACTERÍSTICAS Terminais banhados à ouro Fácil visualização dos circuitos 18 Módulos envolvendo os principais conceitos de elétrica e eletrônica

Leia mais

Sumário Capítulo I Introdução aos Comandos Elétricos... 12 Capítulo II Chaves com e sem retenção... 14 Capítulo III Atuadores...

Sumário Capítulo I Introdução aos Comandos Elétricos... 12 Capítulo II Chaves com e sem retenção... 14 Capítulo III Atuadores... Sumário Capítulo I Introdução aos Comandos Elétricos... 12 1. Simulações de comandos elétricos... 12 2. Diagrama unifilar e multifilar... 13 Capítulo II Chaves com e sem retenção... 14 1. Chaves... 14

Leia mais