Aula 2. - Elaboração de algoritmos/fluxogramas. - Gravação do programa no microcontrolador

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 2. - Elaboração de algoritmos/fluxogramas. - Gravação do programa no microcontrolador"

Transcrição

1 Aula 2 - Elaboração de algoritmos/fluxogramas - Set de instruções do Programação em Assembly - Gravação do programa no microcontrolador - Simulação

2 Exercícios da aula passada... 1) Converta os números abaixo para as unidades solicitadas : (B) (D) 0F (H) (B) 200 (D) (H) (B) (H) 2) Defina com suas palavras um microcontrolador, citando famílias, aplicações e o que julgar necessário. O microcontrolador é um componente eletrônico programável, utilizado no controle de processos lógicos. Possui internamente a estrutura de um PC (ULA, memórias RAM e ROM, entradas e saídas e etc), porém com menor escala. O 8051 faz parte de uma popular família de microcontroladores de 8 bits lançada pela Intel em Já o PIC é uma família de microcontroladores fabricados pela Microchip Technology, que processam dados de 8 bits, de 16 bits e, mais recentemente, de 32 bits. Seu nome é oriundo de "Programmable Interface Controller" (Controlador de Interface Programável). 3) Desenhe e explique o circuito de reset do (Explicar com suas palavras)

3 Algoritmos/fluxogramas Para a documentação lógica de um Programa em Assembly utiliza-se um Algoritmo ou Fluxograma. Cada bloco do Fluxograma equivale a um sub-conjunto do Set de Instruções do Microcontrolador. O Fluxograma é uma forma de se implementar logicamente um programa, antes que o mesmo seja codificado na Linguagem Assembly do Microprocessador.

4 Elaboração de algoritmos/fluxogramas Símbolos Início e final de fluxograma Decisão Entrada de dados Saída de dados Atribuição de valores e cálculos Linhas de Fluxo

5 Elaboração de algoritmos/fluxogramas

6 Exemplo de algoritmo de programação em linguagem assembly: Desenvolver programa em que dois pinos (3 e 7) de uma porta de entrada pré-definida são usados para definir o sentido de rotação de LEDs conectados a uma porta de saída. Prerrogativas: - Pino 7 em nível alto e Pino 3 em nível baixo: LEDs giram para a direita - Pino 7 em nível baixo e Pino 3 em nível alto LEDs giram para a esquerda - Pinos 3 e 7 em nível alto LEDs ligados e desligados, alternadamente.

7 Solução A

8 Solução B

9 Dúvidas?

10 Exercício 1 1) Elabore um algoritmo para um sistema que atua da seguinte forma: a) Existem dois botões (A e B) que controlam um motor; b) Se o botão A estiver pressionado, o motor gira para direita; c) Se o botão B estiver pressionado, o motor gira para esquerda; d) O pressionamento de nenhum ou dos dois botões simultaneamente não é previsto e é desnecessário.

11 Exercício 2 1) Complemente o exercício 1 da seguinte forma: a) Existem dois botões (A e B) que controlam um motor; b) Se o botão A estiver pressionado, o motor gira para direita; c) Se o botão B estiver pressionado, o motor gira para esquerda; d) Nenhum botão pressionado significa motor parado; e) Botões simultaneamente pressionados giram o motor para a direita e acendem um led indicando erro.

12 Início N S Chave A=1? N Chave B=1? S Desliga direita (A) Desliga esquerda (B) Acionar esquerda (B) Acionar direita (A)

13 Início N S Chave A=1? N Apaga LED de erro N Chave B=1? Chave B=1? S Apaga LED de erro S Acende LED de erro Desliga direita (A) Desliga esquerda (B) Desliga esquerda (B) Acionar esquerda (B) Acionar direita (A) Acionar direita (A)

14 - Set de instruções do 8051 Movimentação e carregamento

15 - Set de instruções do 8051 Movimentação e carregamento

16 - Set de instruções do 8051 Operações com Bit

17 Obrigado!

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO O seguinte artigo apresenta uma UCP hipotética construída no software simulador DEMOWARE Digital Works 3.04.39. A UCP (Unidade Central de Processamento)

Leia mais

Microcontrolador Modelix 3.6

Microcontrolador Modelix 3.6 Curso de Robótica 1 Curso de Robótica Introdução à robótica O desenvolvimento da robótica surgiu da necessidade de se aperfeiçoar processos de fabricação, no sentido de melhorar a qualidade dos produtos.

Leia mais

Programação Básica em STEP 7 Operações Binárias. SITRAIN Training for Automation and Drives. Página 6-1

Programação Básica em STEP 7 Operações Binárias. SITRAIN Training for Automation and Drives. Página 6-1 Conteúdo Página Operações Lógicas Binárias: AND, OR...2 Operações Lógicas Binárias: OR Exclusivo (XOR)...3 Contatos Normalmente Abertos e Normalmente Fechados. Sensores e Símbolos... 4 Exercício...5 Resultado

Leia mais

Programação em BASIC para o PIC Vitor Amadeu Souza

Programação em BASIC para o PIC Vitor Amadeu Souza Programação em BASIC para o PIC Vitor Amadeu Souza Introdução Continuando com a série do último artigo, hoje veremos os passos para o desenvolvimento de uma minuteria com o microcontrolador PIC18F1220

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES Matheus Montanini Breve (PIBIC-Jr), Miguel Angel Chincaro Bernuy (Orientador), e-mail: migueltrabalho@gmail.com Universidade Tecnológica

Leia mais

Sistemas Microcontrolados

Sistemas Microcontrolados Sistemas Microcontrolados Uma Abordagem com o Microcontrolador PIC 16F84 Nardênio Almeida Martins Novatec Editora Capítulo 1 Introdução Os microcontroladores estão presentes em quase tudo o que envolve

Leia mais

CAPRI II. Funções do Produto:

CAPRI II. Funções do Produto: MANUAL CAPRI II CAPRI II Funções do Produto: Medidor de tempo de injeção parado e pulsando. Indicador do tipo de tempo de injeção medido. Memória do tempo máximo de Injeção medido. Indicador do funcionamento

Leia mais

AULA 06 LINGUAGEM DE BLOCOS DE FUNÇÃO (FB) ENG1016 - Informática Industrial I Profa. Letícia Chaves Fonseca

AULA 06 LINGUAGEM DE BLOCOS DE FUNÇÃO (FB) ENG1016 - Informática Industrial I Profa. Letícia Chaves Fonseca AULA 06 LINGUAGEM DE BLOCOS DE FUNÇÃO (FB) ENG1016 - Informática Industrial I Profa. Letícia Chaves Fonseca 2 1. Linguagem de Blocos de Função (FB) 1. Linguagem de Blocos de Função (FB) 3 Historicamente

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS #4 (BASEADO NO ENADE 2008- COMPUTAÇÃO)

LISTA DE EXERCÍCIOS #4 (BASEADO NO ENADE 2008- COMPUTAÇÃO) LISTA DE EXERCÍCIOS #4 (BASEADO NO ENADE 2008- COMPUTAÇÃO) 1) Com relação às diferentes tecnologias de armazenamento de dados, julgue os itens a seguir. I Quando a tensão de alimentação de uma memória

Leia mais

Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação

Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação MINI OSCILOSCÓPIO DIGITAL PORTÁTIL BASEADO EM MICROCONTROLADOR PIC Curitiba 2004 1 Ederson

Leia mais

Cerne Tecnologia e Treinamento

Cerne Tecnologia e Treinamento Tecnologia e Treinamento Tutorial para Testes na Placa de I/O Ethernet Kits Didáticos e Gravadores da Cerne Tecnologia A Cerne tecnologia têm uma linha completa de aprendizado para os microcontroladores

Leia mais

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO Parte I Fundamentos Teóricos O que diferencia um microcontrolador (como o 8051) de um microprocessador é o fato de que o primeiro pode apresentar, integrados

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

Automação Industrial Parte 7

Automação Industrial Parte 7 Automação Industrial Parte 7 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Definições básicas -Foi desenvolvida com o mesmo conceitos dos diagramas de comandos elétricos

Leia mais

www.vwsolucoes.com Copyright 2012 VW Soluções

www.vwsolucoes.com Copyright 2012 VW Soluções 1 Apresentação O Cabo PicKit2 é uma versão simplificada do gravador PicKit2 da Microchip com a idéia de podermos substituir o microcontrolador dos Clp Pic 28 e/ou Clp Pic40 por outros com maiores capacidades

Leia mais

7. Técnicas de Programação

7. Técnicas de Programação 7. Professor: Vlademir de Oliveira Disciplina: Microcontroladores e DSP 7.1 Fluxograma Definições Início/Fim Sub-rotinas Tomada de decisão Terminação 7.1 Fluxograma Exercícios Ex.1: Testa um botão e acende

Leia mais

Cerne Tecnologia e Treinamento

Cerne Tecnologia e Treinamento Tecnologia e Treinamento Tutorial para Testes na Placa DataLogger (21)4063-9798 (11)4063-1877 Skype: cerne-tec MSN: cerne-tec@hotmail.com www.cerne-tec.com.br Kits Didáticos e Gravadores da Cerne Tecnologia

Leia mais

4.3. Máquina de estados: São utilizados em sistemas de complexos, é de fácil transformação para ladder desde que não haja muitas ramificações.

4.3. Máquina de estados: São utilizados em sistemas de complexos, é de fácil transformação para ladder desde que não haja muitas ramificações. Parte 4 - Técnicas de programação (Lógica simples) INTRODUÇÃO Programar em ladder é muito simples, desde que ele tenha uma estrutura sob a qual o programa deve ser desenvolvido, ou seja, se deve ter um

Leia mais

Cerne Tecnologia e Treinamento

Cerne Tecnologia e Treinamento Tecnologia e Treinamento Tutorial para Testes na Placa AVR MASTER (21)4063-9798 (11)4063-1877 Skype: cerne-tec MSN: cerne-tec@hotmail.com www.cerne-tec.com.br Kits Didáticos e Gravadores da Cerne Tecnologia

Leia mais

ACENDENDO AS LUZES. Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre

ACENDENDO AS LUZES. Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre ACENDENDO AS LUZES Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre Projeto 1 LED piscante Neste capitulo, todos os projetos utilizam luzes LED s de diversas formas. Em relação ao hardware,

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais

Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Universidade Federal de São Carlos Disciplina: Laboratório de Circuitos Digitais Prof. Dr. Emerson Carlos Pedrino 9ª Pratica: Computador de 16 bits Data:17/07/2014 Nome: Adrián Agüero Faraldo RA: 612227

Leia mais

Autor: Daniel Corteletti Centro Tecnológico de Mecatrônica SENAI

Autor: Daniel Corteletti Centro Tecnológico de Mecatrônica SENAI LINGUAGEM LADDER p/ microcontroladores microchip PIC Autor: Daniel Corteletti Centro Tecnológico de Mecatrônica SENAI Ladder: É uma linguagem de programação gráfica, em forma de diagrama, que por ser de

Leia mais

Kit de desenvolvimento de PIC16F ou PIC18F QSPIC28 Manual do usuário Versão 1.1 (2010)

Kit de desenvolvimento de PIC16F ou PIC18F QSPIC28 Manual do usuário Versão 1.1 (2010) Kit de desenvolvimento de PIC16F ou PIC18F QSPIC28 Manual do usuário Versão 1.1 (2010) QSP Tecnologia www.qsptec.com Av. Nova Cantareira 4798 Sala 01/02 Tel: 0xx11 2924-3323 Email: vendas@qsptec.com Copyright

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 7ª Experiência Síntese de Circuitos Sequenciais Síncronos 1. Objetivos

Leia mais

Programação de CLPs por 1. Diagramas de Contato

Programação de CLPs por 1. Diagramas de Contato Programação de CLPs por Diagramas de Contato 1. Diagramas de Contato 2. Um CLP Genérico 3. Instruções de Entrada e Saída 4. Instruções Booleanas 5. Circuitos de Intertravamento 6. Detecção de Borda 7.

Leia mais

DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos

DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos ou sistemas que se queiram supervisionar, via contatos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Código: 073 Município: Jales Área de conhecimento: Informação e Comunicação Componente Curricular: Instalação para Computadores II Série: Módulo

Leia mais

Programação de Robótica: Modo Circuitos Programados - Avançado -

Programação de Robótica: Modo Circuitos Programados - Avançado - Programação de Robótica: Modo Circuitos Programados - Avançado - 1 Programação de Robótica: Modo Circuitos Programados - Avançado ATENÇÃO Lembramos que você poderá consultar o Manual de Referência do Software

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EEL5105 Circuitos e Técnicas Digitais Prof. Eduardo L. O. Batista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EEL5105 Circuitos e Técnicas Digitais Prof. Eduardo L. O. Batista UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EEL5105 Circuitos e Técnicas Digitais Prof. Eduardo L. O. Batista EXPERIMENTO 1 INTRODUÇÃO AO LABORATÓRIO A. Introdução O Quartus II é um software utilizado para

Leia mais

Interfaces para Instalações Interativas

Interfaces para Instalações Interativas Interfaces para Instalações Interativas Conceito de sistema Interação Homem-máquina Segundo Eugenio Tisseli: Sensores e atuadores São transdutores: dispositivos que traduzem sinais de um domínio para outro.

Leia mais

G U I A R Á P I D O D E MOTORIZAÇÃO

G U I A R Á P I D O D E MOTORIZAÇÃO G U I A R Á P I D O D E MOTORIZAÇÃO Janeiro/2012 Acionamento por Interruptor Cortinas Columbia: Rolô 50, Romana, Celular, Plissada Persianas Columbia: Horizontais de Alumínio 50mm e Madeira 110 ou 220V

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4. 2.1. Ligação da porta USB... 4. 2.2. LEDs de estado... 4. 2.3. Botão... 5

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4. 2.1. Ligação da porta USB... 4. 2.2. LEDs de estado... 4. 2.3. Botão... 5 MANUAL PICKIT2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4 2.1. Ligação da porta USB... 4 2.2. LEDs de estado... 4 2.3. Botão... 5 2.4. Conector de programação... 5 2.5. Slot para chaveiro...

Leia mais

Versão 1.02. Manual. Neocontrol Soluções em Automação LTDA www.neoc.com.br

Versão 1.02. Manual. Neocontrol Soluções em Automação LTDA www.neoc.com.br Versão 1.02 Manual Neocontrol Soluções em Automação LTDA www.neoc.com.br Índice 1. Descrição do Equipamento... 3 2. Princípio de Funcionamento... 4 2.1 Operação... 4 2.2 Configuração de Cenas... 4 2.2.1

Leia mais

Cerne Tecnologia e Treinamento. E-mail: cerne@cerne-tec.com.br MSN: cerne-tec@hotmail.com Skipe: cerne-tec. www.cerne-tec.com.br

Cerne Tecnologia e Treinamento. E-mail: cerne@cerne-tec.com.br MSN: cerne-tec@hotmail.com Skipe: cerne-tec. www.cerne-tec.com.br Cerne Tecnologia e Treinamento Tutorial de Instalação do Medidor de RPM (21) 4063-9798 (11) 4063-1877 E-mail: cerne@cerne-tec.com.br MSN: cerne-tec@hotmail.com Skipe: cerne-tec www.cerne-tec.com.br Kits

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Agosto/2004 V2 INTRODUÇÃO Este guia foi preparado para auxilio às aulas de laboratório para o curso de Engenharia

Leia mais

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Processadores Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução O processador é um circuito integrado de controle das funções de cálculos e tomadas de decisão de um computador. Também é chamado de cérebro do

Leia mais

CEFET/RJ - Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2008.

CEFET/RJ - Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2008. CEFET/RJ - Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2008. 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE ELETRÔNICA DIGITAL Prof. Alessandro Jacoud Peixoto 1. Suponha

Leia mais

Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira- Departamento de Engenharia Elétrica

Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira- Departamento de Engenharia Elétrica Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira- Departamento de Engenharia Elétrica TEEE I- Projeto de Robôs Móveis - Profs. Nobuo Oki e Suely Cunha Amaro Mantovani 1 o.sem / 2013 TEEE I Projeto de Robôs Móveis

Leia mais

Conhecendo o PIC16F877 Microcontrolador de 8 bits da Microchip Co.

Conhecendo o PIC16F877 Microcontrolador de 8 bits da Microchip Co. Programação Daniel Corteletti Aula 2 Página 1/6 Conhecendo o PIC16F877 Microcontrolador de 8 bits da Microchip Co. O microcontrolador PIC16F877 pode ser encontrado em diversos encapsulamentos: PDIP, QFP,

Leia mais

a dispositivos mecânicos e electromecânicos por forma a realizar as sequências de trabalho pretendidas.

a dispositivos mecânicos e electromecânicos por forma a realizar as sequências de trabalho pretendidas. CONTROLO DE PROCESSOS Até à década de setenta, a maior parte das plantas industriais recorriam a dispositivos mecânicos e electromecânicos por forma a realizar as sequências de trabalho pretendidas. A

Leia mais

www.microgenios.com.br

www.microgenios.com.br Manual (versão 2.0) Microgenios Soluções Eletrônicas Ltda. ME - ano 2009 Todos os direitos reservados Proibida cópia integral ou parcial do material aqui contido.br Índice Apresentação...3 Características

Leia mais

Conceitos básicos do

Conceitos básicos do Conceitos básicos Conceitos básicos do Este artigo descreve os conceitos de memória eletrônica. Apresentar os conceitos básicos dos flip-flops tipo RS, JK, D e T, D Apresentar o conceito da análise de

Leia mais

Exercícios de Microcontroladores -> Programas sequenciais

Exercícios de Microcontroladores -> Programas sequenciais Exercícios de Microcontroladores -> Programas sequenciais Prof. Gabriel Vinicios - www.gvensino.com.br Exercício 1: Cronômetro - Dificuldade: (3/5) No display, serão exibidos: minutos : segundos : décimos

Leia mais

Estrutura de um Computador

Estrutura de um Computador SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Estrutura de um Computador Aula 7 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira MODELO DE VON NEUMANN PRINCÍPIOS A arquitetura de um computador consiste de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA Gilva Altair Rossi 1 ; José Maria Galvez 2 ; Douglas Iceri Lasmar 3 Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Engenharia

Leia mais

Acessando a Porta Paralela com o Delphi. Vitor Amadeu Souza. vitor@cerne-tec.com.br

Acessando a Porta Paralela com o Delphi. Vitor Amadeu Souza. vitor@cerne-tec.com.br Acessando a Porta Paralela com o Delphi Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Introdução A Porta Paralela pode ser usada de forma a permitir a interface do computador com o mundo externo para acionamento

Leia mais

Introdução sobre à porta USB

Introdução sobre à porta USB Introdução sobre à porta USB O USB (Universal Serial Bus) surgiu em 1995 com uma parceria entre várias companhias de alta tecnologia (Compaq, Hewlett-Packard, Intel, Lucent, Microsoft, NEC e Philips).

Leia mais

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS Software Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS ESQUEMA DE UM SISTEMA DE COMPUTADOR Unidades de Entrada - Teclado - Scanner - Caneta Ótica - Leitora

Leia mais

Automação Industrial Parte 2

Automação Industrial Parte 2 Automação Industrial Parte 2 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Perspectiva Histórica Os primeiros sistemas de controle foram desenvolvidos durante a Revolução

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ESPECIFICAÇÕES

1. INTRODUÇÃO 2. ESPECIFICAÇÕES 1. INTRODUÇÃO O timer TI-10 foi projetado para atender a maior parte das necessidades de temporização em laboratórios, residências, lojas e nas indústrias. O microprocessador, a memória e o display do

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Bacharelado em Ciências da Computação

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Bacharelado em Ciências da Computação Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Bacharelado em Ciências da Computação INE5406 - Sistemas Digitais semestre 2011/1 Prof. José Luís Güntzel guntzel@inf.ufsc.br

Leia mais

Profª Danielle Casillo

Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Automação e Controle Aula 07 Linguagem Ladder Profª Danielle Casillo A LINGUAGEM LADDER Foi a primeira que surgiu para programação

Leia mais

1.1. Organização de um Sistema Computacional

1.1. Organização de um Sistema Computacional 1. INTRODUÇÃO 1.1. Organização de um Sistema Computacional Desde a antiguidade, o homem vem desenvolvendo dispositivos elétricoeletrônicos (hardware) que funciona com base em instruções e que são capazes

Leia mais

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações.

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. A partir de agora, iremos conhecer o hardware do Arduino e suas caracteristicas

Leia mais

www.chavesgold.com.br ES0033 Carga 018 PROCEDIMENTOS PARA VERIFICAÇÃO

www.chavesgold.com.br ES0033 Carga 018 PROCEDIMENTOS PARA VERIFICAÇÃO FRANCESES 2 MANUAL DE INSTRUÇÕES www.chavesgold.com.br ES0033 Carga 018 PROCEDIMENTOS PARA VERIFICAÇÃO PARA VERIFICAÇÃO POR FABRICANTE LINHA NISSAN PROCEDIMENTO PARA VERIFICAÇÃO 02 Procedimento válido

Leia mais

Microprocessadores e Microcontroladores Prof. Edilson R. R. Kato Simulação do computador SAP-1

Microprocessadores e Microcontroladores Prof. Edilson R. R. Kato Simulação do computador SAP-1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (CCET) DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO Microprocessadores e Microcontroladores Prof. Edilson R. R. Kato Simulação do computador SAP-1

Leia mais

Manual completo Programador PRG-8051-USB

Manual completo Programador PRG-8051-USB APRESENTAÇÃO: O gravador PRG-8051-USB é um gravador de 8051 da linha ATMEL com integração USB. Este gravador é extremamente prático, pois não necessita de fonte de alimentação, bastando apenas conectá-lo

Leia mais

A porta paralela. 1 - Introdução. 2- Modelos de porta paralela

A porta paralela. 1 - Introdução. 2- Modelos de porta paralela A porta paralela 1 - Introdução A porta paralela é uma interface de comunicação desenvolvida pela IBM para funcionar nos primeiros computadores PC lançado em 1983, ela também é chamada de porta para impressora.

Leia mais

Cerne Tecnologia e Treinamento

Cerne Tecnologia e Treinamento Tecnologia e Treinamento Tutorial para Testes na Placa GSM I/O (21)3062-1711 (11)4063-1877 Skype: suporte.cerne-tec MSN: suporte.cerne-tec@hotmail.com www.cerne-tec.com.br Kits Didáticos e Gravadores da

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CONTROLE AUTOMATIZADO DA ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL DE INTERIORES

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CONTROLE AUTOMATIZADO DA ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL DE INTERIORES 1 DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CONTROLE AUTOMATIZADO DA ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL DE INTERIORES Denise Antunes de Lima 1 ; Jonatan Rafael Rakoski Zientarski 2 1 INTRODUÇÃO A iluminação artificial do interior

Leia mais

Plataforma de desenvolvimento dspic - SIGMA128 -

Plataforma de desenvolvimento dspic - SIGMA128 - T e c n o l o g i a Plataforma de desenvolvimento dspic - SIGMA128 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. DESENVOLVIMENTO INTRODUÇÃO Plataforma de desenvolvimento

Leia mais

AULA2 Introdução a Microcontrolador

AULA2 Introdução a Microcontrolador AULA2 Introdução a Microcontrolador Disciplina: Aplicações Avançadas de Microprocessadores (AAM) Profa. Eduardo Henrique Couto ehcouto@hotmail.com Tópicos: Microcontroladores - Evolução Principais características

Leia mais

Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Manual do Usuário Versão 3.9f

Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Manual do Usuário Versão 3.9f Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro Manual do Usuário Versão 3.9f 2 ÍNDICE PÁG. 1 APRESENTAÇÃO...03 2 DESCRIÇÃO DO EQUIPAMENTO...04 2.1 ROTINA INICIAL DE AVALIAÇÃO DA REDE ELÉTRICA...04 2.2 TROCA DE

Leia mais

Tutorial de Auxílio. figura 1.0 programa de gravação

Tutorial de Auxílio. figura 1.0 programa de gravação Tutorial de Auxílio O intuito deste material é facilitar o uso, por parte do aluno, das ferramentas de software indispensáveis para o trabalho com os microcontroladores, neste tutorial abordaremos o processo

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o funcionamento do computador Apresentar a função da memória e dos dispositivos

Leia mais

Capítulo I Portas Lógicas Básicas

Capítulo I Portas Lógicas Básicas Capítulo I Portas Lógicas Básicas 1 Introdução Em qualquer sistema digital 1 a unidade básica construtiva é o elemento denominado Porta Lógica. Este capítulo descreve as portas lógicas usuais, seu uso

Leia mais

Display de LEDs Rotativo

Display de LEDs Rotativo Display de LEDs Rotativo Paulo Matias André Luiz Barbieri 12 de dezembro de 2008 Resumo Descrevemos um projeto capaz de formar imagens por meio de uma coluna de LEDs rotativa. A configuração dos LEDs é

Leia mais

CONVERSOR SERIAL PARA REDE TCP/IP DS100B

CONVERSOR SERIAL PARA REDE TCP/IP DS100B CONVERSOR SERIAL PARA REDE TCP/IP DS100B MANUAL DE INSTRUÇÕES Rev.03 Sumário: 1. CARACTERÍSTICAS 2 2. INSTALAÇÃO DO CONVERSOR 2 ALIMENTAÇÃO DS100 COM CENTRAL DE ALARME... 3 ALIMENTAÇÃO DS100 COM PAINEL

Leia mais

Implementação de um Sistema Digital em VHDL Cronômetro para Jogos de Basquete

Implementação de um Sistema Digital em VHDL Cronômetro para Jogos de Basquete - 1 - V 1.0 - De: 02/maio/2012 por Ney Calazans Laboratório de Organização de Computadores-EC V 3.2 - De: 21/abril/2013 por Fernando Gehm Moraes e Ney Calazans Implementação de um Sistema Digital em VHDL

Leia mais

Guia do Usuário Placa de Desenvolvimento McLab1

Guia do Usuário Placa de Desenvolvimento McLab1 Placa de Desenvolvimento McLab1 Sumário 1. APRESENTAÇÃO...3 2. HARDWARE...4 2.1. MICROCONTROLADOR PIC16F628A...4 2.2. DISPLAYS DE 7 SEGMENTOS...5 2.3. TECLAS...5 2.4. LEDS...6 2.5. LÂMPADA...6 2.6. BOTÃO

Leia mais

Manual de Operação e Configuração. Balança Dosadora de Ração

Manual de Operação e Configuração. Balança Dosadora de Ração Manual de Operação e Configuração Balança Dosadora de Ração 2 1- INTRODUÇÃO A (SPM e SPF) foi projetada para atender as necessidades no setor de pesagem e distribuição de ração em toda linha avícola, fornecendo

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO A ROBÓTICA

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO A ROBÓTICA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO A ROBÓTICA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Microcontroladores - Hardware Microcontroladores - Software Visão Geral de um Robô Manipulador Constituição Básica de um Robô Industrial

Leia mais

Introdução à Programação 2006/07. Computadores e Programação

Introdução à Programação 2006/07. Computadores e Programação Introdução à Programação 2006/07 Computadores e Programação Objectivos da Aula Noção de computador. Organização Interna de um Computador Noção de Sistema Operativo. Representação digital de informação

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

MEC1100 Manual de Instruções v2010.10

MEC1100 Manual de Instruções v2010.10 MEC1100 Manual de Instruções v2010.10 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br 1

Leia mais

Testando a Comunicação e Transferindo o Código de Máquina

Testando a Comunicação e Transferindo o Código de Máquina Testando a Comunicação e Transferindo o Código de Máquina Todas as etapas do fluxograma da figura x.x foram realizada no PC. O código de máquina foi criado no PC na pasta Resource. O arquivo a ser transferido

Leia mais

Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza

Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza Introdução Nesta terceira série de artigos que aborda a programação na linguagem BASIC para o microcontrolador PIC,

Leia mais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais Disciplina: Aplicações Avançadas de Microprocessadores (AAM) Prof. Eduardo Henrique Couto ehcouto@hotmail.com 2014/1 Apresentação do Professor: Cronograma:

Leia mais

DeviceNet Drive Profile CFW-09

DeviceNet Drive Profile CFW-09 Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas DeviceNet Drive Profile CFW09 Manual da Comunicação Manual da Comunicação DeviceNet Drive Profile Série: CFW09 Idioma: Português Versão de Software:

Leia mais

Colégio Metrópole. Curso Técnico Instrumentação e Automação Industrial

Colégio Metrópole. Curso Técnico Instrumentação e Automação Industrial Colégio Metrópole Curso Técnico Instrumentação e Automação Industrial Eletrônica Digital Professor: David Maciel 1 Colégio Metrópole VIASHOPPING BARREIRO - 4º Piso Inverno Tel.: 3322-8941 e-mail: metropole@colegiometropole.com.br

Leia mais

CONTROLADORES LÓGICO PROGRAMÁVEIS BLOCOS LÓGICOS

CONTROLADORES LÓGICO PROGRAMÁVEIS BLOCOS LÓGICOS FUMEP Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba EEP Escola de Engenharia de Piracicaba COTIP Colégio Técnico Industrial de Piracicaba CONTROLADORES LÓGICO PROGRAMÁVEIS BLOCOS LÓGICOS Prof. Msc. Marcelo

Leia mais

Circuito integrado 555 e suas aplicações

Circuito integrado 555 e suas aplicações Circuito integrado 555 e suas aplicações Introdução Um circuito integrado popular é o versátil 555. Introduzido pela em 1973 pela Signetcs, este circuito integrado tem aplicações que variam de equipamentos

Leia mais

TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS

TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS Autor: Prof. Heliliano Carlos Sartori Guedes prof.helilianoguedes@gmail.com

Leia mais

A idéia hardware sugerida é colocar a placa entre o PC e o microcontrolador, conforme mostrado no esquema abaixo.

A idéia hardware sugerida é colocar a placa entre o PC e o microcontrolador, conforme mostrado no esquema abaixo. Circuito de gravação (AVR programmer) Introdução Nossa proposta, nesta parte do trabalho, é apresentar um circuito para gravação ISP (In-System- Programming) para microcontroladores AVR. Este circuito,

Leia mais

Sumário Capítulo I Introdução aos Comandos Elétricos... 12 Capítulo II Chaves com e sem retenção... 14 Capítulo III Atuadores...

Sumário Capítulo I Introdução aos Comandos Elétricos... 12 Capítulo II Chaves com e sem retenção... 14 Capítulo III Atuadores... Sumário Capítulo I Introdução aos Comandos Elétricos... 12 1. Simulações de comandos elétricos... 12 2. Diagrama unifilar e multifilar... 13 Capítulo II Chaves com e sem retenção... 14 1. Chaves... 14

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO Modelo PP-360/N

CONTROLE DE ACESSO Modelo PP-360/N CONTROLE DE ACESSO Modelo PP-360/N Imagem Ilustrativa Características: 1. Leitura de 125 khz do cartão de proximidade com o EM chip acoplado internamente para o modelo padrão. 2. Os parâmetros do sistema

Leia mais

Microinformática Introdução ao hardware. Jeronimo Costa Penha SENAI - CFP/JIP

Microinformática Introdução ao hardware. Jeronimo Costa Penha SENAI - CFP/JIP Microinformática Introdução ao hardware Jeronimo Costa Penha SENAI - CFP/JIP Informática Informática é o termo usado para se descrever o conjunto das ciências da informação, estando incluídas neste grupo:

Leia mais

PLT50: Alarme 8 setores mistos

PLT50: Alarme 8 setores mistos PLT50: Alarme 8 setores mistos Central 8 setores misto (com e sem fio) controlada por microprocessador. Os setores podem ser ativados e desativados individualmente Liga (1 bip), desliga (2 bips) por controle-remoto.

Leia mais

ROM e RAM. Memórias 23/11/2015

ROM e RAM. Memórias 23/11/2015 ROM e RAM Memórias Prof. Fabrício Alessi Steinmacher. Para que o processador possa executar suas tarefas, ele busca na memória todas as informações necessárias ao processamento. Nos computadores as memórias

Leia mais

Comunicação Serial com o AVR ATMEGA8

Comunicação Serial com o AVR ATMEGA8 Comunicação Serial com o AVR ATMEGA8 Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Introdução Os microcontroladores AVR vem a cada dia tomando cada vez mais espaço nos novos projetos eletrônicos microcontrolados.

Leia mais

Memórias Prof. Galvez Gonçalves

Memórias Prof. Galvez Gonçalves Arquitetura e Organização de Computadores 1 s Prof. Galvez Gonçalves Objetivo: Compreender os tipos de memória e como elas são acionadas nos sistemas computacionais modernos. INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores

Leia mais

Sistemas Digitais Aula Prática Nº 10

Sistemas Digitais Aula Prática Nº 10 Sistemas Digitais Aula Prática Nº Implementação de um Controlador Lógico para uma máquina de venda de chocolates utilizando flip-flops do tipo D Grupo: Elementos do Grupo: Turma:. Implementação de um Controlador

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL CURITIBA JULHO DE 2008 ANDRÉ GELASCO MALSCHITZKY JOFFER JOSE NOVAK DE ALBUQUERQUE INTEGRAÇÃO DE MÓDULOS ELETRÔNICOS

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES RELÓGIO ESPIÃO

MANUAL DE INSTRUÇÕES RELÓGIO ESPIÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES RELÓGIO ESPIÃO Antes de manusear leia atentamente todas as instruções deste manual: Este aparelho é constituído de mecanismos internos muito sensíveis e delicados, sendo que os mesmos

Leia mais

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação Controle de Acesso Automático de Veículos Este trabalho tem como objetivo desenvolver uma solução tecnológica que permita o controle dos portões automáticos remotamente através da internet. Aplicando-se

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 3 Software Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br SO - Prof. Edilberto Silva Barramento Sistemas Operacionais Interliga os dispositivos de E/S (I/O), memória principal

Leia mais

BLOCKGAS. Sistema de Monitoração e Alarme de vazamento de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás SB330.

BLOCKGAS. Sistema de Monitoração e Alarme de vazamento de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás. É composto por um circuito inteligente (microcontrolado) que recebe o sinal gerado por um sensor eletrônico de gás, processa sua calibração

Leia mais

PIC16F628a. Pinagem do PIC16F628a:

PIC16F628a. Pinagem do PIC16F628a: PIC16F628a O PIC16F628a é um microcontrolador fabricado pela Microchip Technology (www.microchip.com), com as seguintes características: - composto de 18 pinos; - possui somente 35 instruções no seu microcódigo;

Leia mais

20/09/2009 TRANSFORMANDO DADOS EM. PROCESSANDO DADOS George Gomes Cabral SISTEMAS NUMÉRICOS INFORMAÇÕES

20/09/2009 TRANSFORMANDO DADOS EM. PROCESSANDO DADOS George Gomes Cabral SISTEMAS NUMÉRICOS INFORMAÇÕES TRANSFORMANDO DADOS EM INFORMAÇÕES Em geral, parece que os computadores nos entendem porque produzem informações que nós entendemos. Porém, tudo o que fazem é reconhecer dois estados físicos distintos

Leia mais