A Gestão da Documentação Escolar: o caso do Colégio Marcelino Champagnat RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Gestão da Documentação Escolar: o caso do Colégio Marcelino Champagnat RESUMO"

Transcrição

1 A Gestão da Documentação Escolar: o caso do Colégio Marcelino Champagnat RESUMO Claudecir Almeida da Silva Colégio Marcelino Champagnat Marcia Aparecida Riedlinger Colégio Marcelino Champagnat Wilmara R. Calderon Universidade Estadual de Londrina Trata-se de um relato de experiência referente ao estudo de uso e do tratamento da documentação escolar realizado em uma escola pública de Londrina, o Colégio Marcelino Champagnat. Buscou-se estudar a teoria de gestão documental e a partir do conhecimento da realidade daquela instituição, propor alternativas que podem contribuir para a melhoria do processo de gestão documental. Para atingir os objetivos da pesquisa, utilizou-se o estudo de caso, o qual permite a reflexão de uma realidade em particular e cujos resultados podem ser projetados, totais ou parcialmente, para outras realidades. Para a coleta de dados, utilizou-se o questionário aplicado aos funcionários da escola como forma de subsidiar a elaboração de um diagnóstico situacional. A pesquisa trouxe dados importantes que podem ser aplicados em outras escolas públicas. Palavras-chaves: Gestão documental; Gestão de documentos escolares; Arquivos escolares. INTRODUÇÃO Como qualquer outra organização, a escola produz documentos para registrar suas atividades. A quantidade dos documentos gerados e recebidos nas escolas é muito expressiva e preservá-los é de extrema importância, pois além do registro das atividades registram também, a memória institucional. São registros de fatos importantes da vida escolar das pessoas que pertencem a sociedade na qual as escolas estão inseridas. Além disso, os documentos produzidos por essas escolas são meios de prova de direito de pessoas ou da administração e têm o papel informativo de grande valia para administração pública (MEDEIROS, 2004). A escola pública é responsável por guardar e zelar pela documentação gerada, conforme determina a Lei 8159 de 08 de janeiro de 1991, ou seja, exercem múnus público e estão obrigadas a preservarem seus arquivos (MEDEIROS, 2004). No entanto, a realidade encontrada nas escolas públicas brasileiras, em geral, é bastante diferente. Comumente encontram-se documentos armazenados em lugares insalubres, misturados aos outros tipos de materiais, como por exemplo, de limpeza. As más condições de

2 armazenamento dos documentos, com o passar do tempo podem acarretar prejuízos à qualidade do suporte, provocar o envelhecimento precoce dos documentos e até a perda de informação. Uma situação bastante corriqueira nas escolas que cria diversos transtornos é a necessidade de localizar e obter informações e/ou documentos. Além da grande quantidade de documentos existentes, a sua organização, geralmente, não está baseada em critérios arquivísticos, isso dificulta o acesso e torna o processo de busca e recuperação bastante moroso. É importante, portanto, que os documentos que possuam valor para a instituição por razões administrativas ou históricas, sejam organizados e armazenados de modo que seu tempo de vida seja prolongado e a informação preservada em condições de ser acessada. Para isso, no entanto, é imprescindível se pensar numa política de gestão de documentos que disponha de mecanismos para acompanhar o documento desde sua criação, indicando aqueles destinados à guarda permanente, a qual deve ser feita com base em critérios que permitam sua preservação. Dessa forma, pode-se melhorar o acesso e a recuperação de informação, na medida em que o volume de documentos será menor e poupar recursos financeiros e humanos. Sobretudo nas escolas públicas, o desafio tem sido o de encontrar soluções para tornar o processo de armazenamento e recuperação desses documentos eficiente para administração no processo de tomada de decisão. Sabe-se que a produção documental é intensa e os recursos são escassos, então todo esforço no sentido de se pensar formas de melhorar tal processo e torná-lo mais eficiente, deve ser considerado. As escolas públicas têm um papel indiscutível no contexto social. Em Londrina, por exemplo, existem 126 escolas públicas perfazendo um total de alunos/ano. Ocorre que diante da quantidade e complexidade de suas atividades, acabam por deixar de lado as questões relacionadas aos seus arquivos. No entanto, segundo o Guia de Gestão Escolar (PARANÁ, 2002, p. 81), a organização e o controle dos arquivos de documentos é uma das atividades mais críticas de uma escola e um indicador da qualidade da gestão dos serviços de apoio. Ocorre que as instituições escolares não têm em seu quadro de funcionários pessoas com conhecimentos arquivísticos para trabalhar esse tipo de acervo, assim, as atividades realizadas são sempre baseadas em critérios empíricos. Os estudos sobre os arquivos escolares, especificamente no Brasil, ainda são incipientes para apresentar uma proposta a este respeito. No Paraná, uma abertura para a discussão desta problemática surgiu no curso de Especialização em Formulação e Gestão de Políticas Públicas, oferecido pela Escola de Governo. Nesse, a disciplina de Gestão Documental trouxe conteúdos afetos à organização e preservação de documentos, a partir dos quais se vislumbrou a possibilidade de se fazer um estudo de caso, procurando com isso, discutir formas de otimizar a produção documental e principalmente, melhorar o processo de armazenamento e recuperação de informação nesse tipo de instituição. A vivência no ambiente escolar e acompanhamento no dia-a-dia das dificuldades encontradas, em razão da ausência de uma política de gestão documental, fizeram com que aceitássemos o desafio de desenvolver este trabalho. Nesse sentido, pretende-se aqui apresentar um estudo realizado no Colégio Estadual Marcelino Champagnat em Londrina-Paraná, cujo objetivo foi analisar a forma atual de organização de seus acervos arquivísticos, especificamente da documentação escolar, de modo que fosse possível propor alternativas para a implantação de uma política de gestão de documentos. 2

3 3 Antes, porém, pretende-se introduzir alguns conceitos básicos que perpassam as propostas que serão apresentadas ao longo do trabalho. ARQUIVO E DOCUMENTO DE ARQUIVO Arquivo, conforme o Dicionário de Terminologia Arquivística, é um conjunto de documentos que independentemente da natureza ou do suporte, são reunidos por acumulação ao longo das atividades de pessoas físicas ou jurídicas, públicas ou privadas (CAMARGO; BELLOTO, 1996, p. 5). Entende-se por documentos de arquivo, os documentos produzidos e/ou acumulados organicamente no decorrer das atividades de uma pessoa, família, instituição pública ou privada (RONCAGLIO; SZVARÇA; BOJANOSKI, 2004). Os documentos são criados uns após os outros, em decorrência das necessidades sociais e legais da sociedade e do próprio desenvolvimento da vida pessoal ou institucional. Por essa razão, o documento arquivístico contém informações de natureza administrativa ou técnica e tem como característica marcante a originalidade, ou seja, não tem importância em si mesmo, mas no conjunto de documentos do qual faz parte. Embora alguns documentos possam no seu momento de sua criação, nascer com um valor histórico como, por exemplo, a carta deixada pelo presidente Getúlio Vargas em meados do século XX, no momento do seu suicídio, ou um tratado celebrado pelo Brasil, Argentina e Uruguai para formar uma aliança contra o Paraguai no século XIX, sua produção atende, primeiramente, as necessidades burocráticas, administrativas ou legais. O documento de arquivo segue um ciclo de vida denominado pela teoria arquivística como o Ciclo Vital dos Documentos. De acordo com esse princípio, o documento nasce com a finalidade de registrar uma determinada atividade administrativa. Nesse sentido, existe um tempo de vida útil que é determinado pelo valor de uso desse documento. De acordo com Rousseau e Couture (1998, p.117) os valores dos documentos são de dois tipos: primário e secundário. Por valor primário entende-se como sendo a qualidade de um documento baseado nas utilizações imediatas e administrativas que lhe deram os seus criadores. Neste caso, os documentos são criados com razões específicas da instituição produtora no curso de suas atividades. O valor secundário é definido pelos autores como a qualidade do documento baseado nas utilizações não imediatas ou científicas. O uso tem como base o potencial do documento como testemunho das atividades das quais foram gerados. O ciclo de vida do documento é composto por três períodos ou idades. Na primeira idade os documentos possuem valor primário e pertencem aos arquivos correntes. Aqui os documentos são indispensáveis para as atividades do dia a dia da administração. Na idade intermediária, os documentos são preservados por razões administrativas, legais ou financeiras e pertencem aos ditos arquivos intermediários. Nesse, os documentos de interesses administrativos aguardam os procedimentos de comissões de análise ou triagens que decidirá pela eliminação ou arquivamento. Neste caso, a baixa freqüência de uso justifica uma conservação desses documentos em locais mais distantes do produtor. Os documentos de caráter permanente são aqueles que devem ser preservados pelo seu valor histórico, de testemunho. Ficam armazenados nos arquivos permanentes por constituírem-se em testemunho privilegiado das atividades de uma organização. O Departamento Estadual de Arquivo Público (PARANÁ, 2007, p. 8), menciona em seu Manual de Gestão de Documentos do Estado do Paraná, que o tempo de guarda dos documentos está relacionado ao seu ciclo de vida. Nesse manual existem

4 4 informações sobre a Tabela de Temporalidade de Documentos, que é um instrumento utilizado no processo de avaliação documental. Entende-se por Tabela de Temporalidade: o registro esquemático do ciclo de vida dos documentos, determinando os prazos de guarda no arquivo corrente ou setorial, sua transferência para o arquivo intermediário ou geral, a eliminação ou recolhimento para a divisão de Documentação Permanente do arquivo público do estado. A utilização da Tabela de Temporalidade ocorre tanto no momento da classificação, como no momento da avaliação propriamente dita. Somente após a avaliação dos documentos, observados os prazos de arquivamento, é que deve ser feita a eliminação. A passagem dos documentos pelos diferentes períodos exige um programa de gestão que seja capaz de identificar o valor dos documentos baseando-se no uso que se faz deles e que estabeleça um tratamento particular para cada fase. Independentemente do tipo de arquivo, todos carecem de procedimentos especializados para que possam cumprir sua função, servir à administração, constituindo-se, com o decorrer do tempo, em base do conhecimento da história. (PAES, 2002, p. 20). Nesse sentido, se postula a necessidade de uma política de gestão de documentos que possa colocar o arquivo numa posição de sistema de informações para subsidiar a administração. ARQUIVOS ESCOLARES Por arquivo escolar entende-se o conjunto de documentos produzidos ou recebidos por escolas públicas ou privadas, em decorrência do exercício de suas atividades específicas, qualquer que seja o suporte da informação ou natureza dos documentos. (MEDEIROS, 2004) Os arquivos escolares têm finalidades e funções diversas e dispõem de informações importantes sobre a trajetória da vida das pessoas. De acordo com Lüdke e André (1986) as escolas geralmente não se preocupam em salvaguardar seus registros documentais, sendo esse um dado do contexto escolar que merece reflexão. Segundo Menezes, Silva e Teixeira Junior (2005, p.68) as condições dos arquivos escolares são precárias na maioria das vezes, e visível a deterioração dos documentos e as condições inadequadas ou até insalubres a que são submetidos. Não obstante, há em algumas escolas um esforço no sentido de desenvolver projetos de intervenção e de investigação nos espaços de guarda da memória educativa, constituído por documentos advindos das várias práticas administrativas e pedagógicas das escolas. São ações que embora sejam ainda tímidas, demonstram a possibilidade de atuação nesses espaços. Os arquivos escolares são constituídos de diversas espécies documentais que são também fontes de pesquisa porque registram a memória do fazer e pensar pedagógico no cotidiano escolar, além das questões administrativas. O tipo de informação gerado numa escola é bastante específico, refere-se à evolução do número de vagas, ao histórico de reprovações, de evasão escolar, entre outras. Essas informações podem se constituir numa ferramenta importante para a definição de políticas educacionais, seja no âmbito do município ou do Estado. É consenso que a informação é uma ferramenta valiosa para tomada de decisão. Daí a necessidade de agilidade na forma de recuperá-la, facilitando o trabalho do gestor e para isso, deve-se considerar que a informação possui uma série de atributos, tais como: acessibilidade, coerência, confiabilidade e credibilidade da fonte, eficácia, objetividade e prioridade. (ARAÚJO, 1994 apud STAREC, 2002)

5 5 A informação é um instrumento de compreensão do mundo e da acção sobre ele. (ZORRINHO, 1995). Portanto, a posse da informação permite ao ser humano um conhecimento do mundo na medida em que o esclarece sobre os acontecimentos importantes que ocorrem a sua volta e fornece subsídios para um agir consciente. A informação e o conhecimento são as chaves da produtividade, o futuro da humanidade. O mundo competitivo depende da informação e tende a suplantar a importância do capital, condicionando que a gestão moderna na tomada de decisão tenha o máximo de informação inibindo o princípio da incerteza. Segundo Braga (2000) a quantidade de informação e os dados donde ela provém, é para a organização um importante recurso que necessita e merece ser gerido. E este constitui o objetivo da gestão da informação. Para que a gestão [de informação] seja eficaz, é necessário que se estabeleçam um conjunto de políticas coerentes que possibilitem o fornecimento de informação relevante, com qualidade suficiente, precisa, transmitida para o local certo, no tempo correto, com um custo apropriado e facilidades de acesso por parte dos utilizadores autorizados. (REIS,1993 apud BRAGA, 2000, p. 342) Quanto mais estruturada e articulada estiver a gestão de informação, mais seus produtos e serviços serão valorizados pelo mercado, assim como o resultado da inovação e investimento nos recursos humanos e técnicos, otimizam a dinâmica da organização. O fluxo de informações nas instituições de ensino é grande e necessita de ferramentas tecnológicas apropriadas para geri-la. É importante também, definir estratégias para sua aplicação, modelar sistemas que atendam a necessidade e tenham um custo compatível para a instituição e que agilize os serviços prestados à população. Com a tecnologia disponível e um modelo de gestão de informação coerentes e ajustados à complexidade da escola, é possível que a gestão das unidades de ensino execute suas funções com um mínimo de ajuda externa e a um custo mais baixo. Assim como a gestão de recursos humanos, a gestão de negócios e a gestão financeira são importantes em diversas organizações, também a gestão da informação tem se apresentado como de suma importância nos dias atuais, havendo a necessidade de buscar um melhor desempenho das instituições quanto ao armazenamento e à recuperação de informações no momento oportuno. Necessariamente, a gestão da informação perpassa pela gestão de documentos, pois esses são os registros de grande parte das informações geradas no âmbito institucional. Assim, se faz necessário implantar uma política de gestão que integre os recursos necessários para todo o ciclo da informação: geração, coleta, organização, disseminação e uso, tornando o processo de recuperação de informação/documentos mais ágil de forma que subsidie a administração com maior eficiência. A GESTÃO DOCUMENTAL COMO SUBSÍDIO À ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR: o caso do Colégio Marcelino Champagnat Na perspectiva da Arquivologia ao [...] conjunto de medidas e rotinas visando à racionalização e eficiência na criação, tramitação, classificação, uso primário e avaliação de arquivos, dá-se o nome de gestão de documentos. (CAMARGO; BELLOTTO, 1996, p.41) A gestão tem como objetivos:

6 6 Assegurar com eficiência a produção, administração, manutenção e destinação de documentos; Garantir que a informação esteja disponível aos cidadãos; Assegurar o descarte dos documentos que não tenham valor administrativo fiscal, legal ou para pesquisa científica; Assegurar o uso adequado da micrografia, processamento automatizado dos dados e outras técnicas avançadas de gestão da informação; Contribuir para o acesso e preservação dos documentos considerados para guarda permanente por seus valores histórico e científico. (BRASIL, 2008, p. 8) De acordo com a Unesco, A gestão de documentos veio contribuir para as funções arquivísticas sob diversos aspectos: ao garantir que as políticas e atividades dos governos fossem documentadas adequadamente; ao garantir que menor número de documentos inúteis e transitórios fosse reunido a documentos de valor permanente; ao garantir a melhor organização desses documentos, caso atingissem a fase permanente; ao inibir a eliminação de documentos de valor permanente; - ao garantir a definição de forma criteriosa da parcela de documentos que constituíssem o patrimônio arquivístico de um país, ou seja, de 2 a 5% da massa documental produzida. (apud JARDIM, 1987, p. 36) Um programa geral de gestão de documentos, para alcançar economia e eficácia, envolve as seguintes fases: 1- produção: concepção e gestão de formulários, preparação e gestão de correspondência, gestão de informes e diretrizes, fomento de sistemas de gestão da informação e aplicação de tecnologias modernas e a esses processos. 2- utilização e conservação: criação e melhoramento dos sistemas de arquivos e de recuperação de dados, gestão de correio e telecomunicações, seleção e uso de equipamento reprográfico, análise de sistemas, produção e manutenção de programas de documentos vitais e uso de automação e reprografia nestes processos. 3 - destinação: a identificação e descrição das séries documentais, estabelecimento de programas de avaliação e destinação de documentos, arquivamento intermediário, eliminação e recolhimento dos documentos de valor permanente às instituições arquivísticas. (JARDIM, 1987, p. 2) Jardim (apud FREIXO; SILVA, 2005) observa que o contexto onde se realiza a transparência do Estado pressupõe o direito de: Acesso aos documentos administrativos; Acesso à motivação dos atos administrativos; Participação. O autor explica que o termo acesso relaciona-se a um direito, mas também a dispositivos que o viabilizem, ou seja, um conjunto de procedimentos e condições materiais

7 7 que permitam o exercício efetivo desse direito. (JARDIM apud FREIXO; SILVA, 2005, p. 5). É imprescindível, em todos os níveis da administração pública, implantar medidas que visem maximizar e otimizar os recursos existentes, de modo a facilitar a vida do gestor público e do cidadão. No caso dos arquivos escolares o acesso tem sido dificultado pelo volume crescente e pela ausência de uma política de gestão documental. Esse tipo de política traz muitos benefícios, alguns deles podem ser relacionados, como segue: Diminuição do volume documental total; Aumento da proteção da informação; Otimização da utilização do espaço; Racionalização e até diminuição dos custos. Instituir uma política dessa natureza nas escolas públicas pode contribuir para garantir que atividades sejam documentadas adequadamente; que documentos inúteis e transitórios não sejam reunidos a documentos de valor permanente; a melhor organização desses documentos, caso atinjam a fase permanente; não sejam eliminados documentos de valor permanente; e ainda, que seja definida, de forma criteriosa, a parcela de documentos que devem constituir o patrimônio arquivístico de um país, estado ou instituição, tornando o processo de recuperação de informação mais ágil e eficiente. A gestão de documentos envolve paralelamente a máxima utilização da informação e a mínima utilização de tempo, pessoal e dinheiro, garantindo a eficiência no âmbito interno e externo às empresas. O arquivo do Colégio Marcelino Champagnat, como qualquer outra instituição, armazena documentos desde a sua origem em São documentos produzidos e recebidos no decorrer do desenvolvimento das suas atividades. Parte destes encontra-se no próprio espaço de funcionamento da Secretaria da escola o que facilita sua utilização diária. Atualmente, o Colégio possui uma quantidade total de documentos de arquivos de, aproximadamente, metros lineares, sendo 9.430,50 metros armazenados na Secretaria e 6.609,50 metros, aproximadamente, no Arquivo Geral. Foto 1 Arquivo geral do Colégio

8 8 O espaço reservado ao Arquivo Geral é uma sala de aproximadamente 58 m2, que fica no prédio central, no térreo. Nesse arquivo ficam armazenados documentos em armários, prateleiras e arquivos de aço. São documentos gerados no período 1967 a 1980, nas diferentes áreas da escola. Foto 2 Arquivo geral do Colégio Em relação aos documentos gerados no período de 1980 a 1998, houve perdas ocasionadas por sinistro e também descarte feito por funcionários da própria escola, como por exemplo, alguns documentos relacionados à área de recursos humanos e avaliações escolares. No caso dos documentos de recursos humanos, houve alguns prejuízos para ex-funcionários/professores da escola que tiveram que comprovar o tempo de trabalho para efeito de aposentadoria e não foi possível produzir prova documental, pois os documentos não foram encontrados. Em se tratando dos documentos enviados ao arquivo geral, anualmente, são aqueles que têm pouco uso, entre eles os documentos recebidos pelo Colégio, alguns documentos de caráter pedagógico e os de recursos humanos. Atualmente, o espaço do arquivo geral está totalmente ocupado, não sendo possível colocar mais móveis para armazenar documentos. Assim, os documentos que seguem para o arquivo geral, estão sendo armazenados em caixas e colocados sob os arquivos de aço. O Colégio possui um banco de dados, formulado na década de 90, em Access, para atender suas necessidades informacionais. Nesse consta um cadastro de todos os alunos que pertencem ou pertenceram à escola e as informações se referem à filiação, data de nascimento, endereço residencial completo e número da pasta que contém os documentos do aluno. Esse banco de dados tanto fornece informações para a recuperação dos documentos do arquivo corrente como para os do arquivo geral. A recuperação dos documentos do arquivo geral referente à vida escolar do aluno, é feita a partir do nome do aluno e do número da sua pasta. Quando não é possível usar esse sistema, utiliza-se uma ficha feita manualmente, que fica no arquivo geral (fichário), na qual consta o nome do aluno, a data de nascimento e o número da pasta contendo a documentação. Essas fichas estão organizadas em ordem alfabética do sobrenome/nome do aluno e se referem ao período de 1967 a 2002.

9 O fichário contém, aproximadamente, fichas de alunos. Diante desse volume e do fato das fichas estarem organizadas em ordem alfabética, isso representa uma grande dificuldade no momento de localizar um aluno e também no momento de repor a ficha no fichário, após a recuperação do documento. Ocorre que a partir da implantação do sistema, as fichas deixaram de ser feitas, e a busca da documentação somente pode ser feita a partir do banco de dados, utilizando-se o número da matrícula. Quando por qualquer motivo não é possível acessar o sistema e a busca por documentos tem que ser manual, somente dois dos funcionários sabem como localizar a documentação. Também na década de 90, o Estado implantou um sistema denominado Sistema Escola/SERE, que evoluiu para um acesso via Internet, passando a ser chamado de SERE Web. Foi um grande avanço essa informatização, principalmente na execução das atividades de matrícula e acompanhamento da vida escolar do aluno. Com essa informatização os documentos relacionados ao aluno são gerados eletronicamente. Entretanto, na prática continuam sendo geradas cópias em papel de documentos (comprovante de matrícula, histórico escolar, ficha individual etc.) que são colocados nas pastas individuais dos alunos. Em relação às informações sobre os recursos humanos também se utiliza o banco de dados (Access) para obtê-las. Nesse banco as informações estão separadas por categoria: professores e funcionários e dizem respeito ao nome completo, ao endereço, aos documentos pessoais (RG, CPF, título de eleitor, PIS ou PASEP), ao número da conta bancária e agência, ao vínculo empregatício e à formação acadêmica. Esse sistema em termos de recursos humanos possibilita, a partir do número do RG ou do nome, a recuperação do cadastro do funcionário e/ou do professor. Esse sistema, no entanto, não é utilizado para recuperar a documentação que ainda existe no arquivo geral, tais como: livro-ponto, suprimento, substituição do professor, atestados médicos, declarações de curso. Esses documentos ficam em pastas no arquivo geral, separados por ano e turno. Quando precisam ser recuperados é necessário abrir as pastas suspensas, que contém dentro embalagens plásticas, dentro da quais os documentos ficam separados por espécie documental, mas sem qualquer critério de ordenação. Com relação ainda aos documentos de recursos humanos, na ocasião da implantação do sistema foram devolvidos para os funcionários e professores, os documentos pessoais e de formação acadêmica. Isso gerou alguns transtornos, como por exemplo, quando da renovação dos cursos do ensino fundamental e médio, foi preciso solicitar aos professores cópia dos documentos, porque a escola não possuía mais cópias. Existe atualmente um sistema implantado pelo Estado que é o Recurso Humano on-line/rh on-line, no qual constam informações sobre suprimento, cancelamento, substituição de professores. Desde 2007, com a implantação desse sistema Recurso Humano on-line, não se faz mais a impressão dos documentos de suprimento, substituição e cancelamento. O Colégio não possui uma pessoa responsável pelo arquivo. Quem executa as atividades relacionadas ao arquivo é uma funcionária de carreira sem formação específica para isso. A forma de organização dos documentos é definida a partir do senso comum e da necessidade informacionais dos funcionários. A busca de documentos no arquivo geral, em alguns casos, é feita pelo funcionário que precisa da informação. Quando isso ocorre quem retirou o documento deve recolocá-lo nas pastas e/ou caixas. Esse fato tem provocado alguns problemas, ora se armazena o documento de forma inadequada, causando danos ao mesmo, ora se coloca o documento em local errado, causando prejuízos para o processo de recuperação da informação. 9

10 10 Nos arquivos da Secretaria ficam armazenados os documentos referentes à vida escolar do aluno e também os administrativos, ambos produzidos no ano letivo em curso, além dos documentos escolares gerados desde Atualmente, são produzidas mais de 50 espécies documentais com uma média de 1000 exemplares de documentos/mês, distribuídos pelas diferentes áreas do Colégio. A maioria dos documentos produzidos pela Equipe Pedagógica diz respeito ao acompanhamento da vida escolar do aluno quanto ao seu aprendizado, participação e freqüência, abrangendo situações do dia-a-dia. Existem ainda os documentos relacionados ao trabalho em sala de aula (avaliações, ocorrências, fichas de acompanhamento do aluno etc.), perfazendo um total de, aproximadamente, 700 exemplares de documentos/mês. Os documentos produzidos pela Secretaria e pela Direção Escolar, são em torno de 300 exemplares de documentos/mês (ofícios, declarações, orientações, comunicados, convocações etc.). É uma quantidade significativa de documentos gerados pelo Colégio e além desses existem ainda os documentos recebidos de outras instituições como, por exemplo, a Secretaria de Estado da Educação/Núcleo Regional de Ensino, cuja finalidade é informar os professores e Equipe Pedagógica sobre questões relacionadas ao seu trabalho. A produção dos documentos nas escolas púbicas é bastante volumosa e sua manutenção e armazenamento implica em custos financeiros bastante elevados tanto para a instituição quanto para o Estado. É importante reduzir ao mínimo, a prática da criação de documentos desnecessários, cuidar da conservação dos documentos de valor permanente, bem como, criar critérios de avaliação para uma eliminação criteriosa de documentos, mas tudo isso deve ocorrer por meio da implantação de políticas baseadas em critérios arquivísticos. Dentre os prejuízos institucionais podem-se relacionar alguns como: perda de tempo na localização de documentos; documentos gerados eletronicamente são duplicados na tentativa de não se perder informação; critérios de organização e eliminação são criados sem que haja um estudo científico a respeito, ocasionando perda de informações importantes. O Colégio atualmente, não possui uma diretriz a respeito de como proceder com os documentos que podem ser eliminados ou um planejamento acerca do espaço físico para o arquivo geral.

11 11 CONSIDERAÇÕES FINAIS A quantidade de informação nas unidades escolares que surge durante a rotina do dia-a-dia de trabalho é grande, e não deve se tornar um problema. Para isso, é necessário implantar medidas que visem à racionalização da produção documental; garantam as condições mínimas de conservação dos documentos. Acredita-se que é possível melhorar o processo de recuperação da informação tanto para a realização das atividades cotidianas, como para garantir os direitos do cidadão. A capacidade de gerir informações dependerá de arquivos modernos e funcionais e de novas tecnologias profissionais da escola. Assim, sugere-se a criação de uma política de gestão dos documentos escolares no âmbito estadual, como forma de otimizar os recursos existentes e também agilizar o atendimento à comunidade escolar e outros setores da sociedade. Além de melhorar os serviços prestados pelos estabelecimentos de ensino, a viabilização dessa política redundará numa economia de recursos financeiros advinda da racionalização na criação e impressão de documentos, assim como na otimização dos espaços físicos existentes. Recomendam-se ainda, maiores investimentos na capacitação dos recursos humanos para gerenciar os arquivos, seria o caso de contar com profissionais arquivistas para o exercício dessa função que é complexa e de grande importância no fazer do cotidiano. Há que se investir na capacitação dos funcionários da escola no sentido de conscientizá-los sobre a importância da guarda e conservação correta dos documentos e da necessidade de um melhor acompanhamento da tramitação desses documentos. Implantar uma política de gestão documental no âmbito das escolas públicas do Estado pode representar um investimento alto num primeiro momento. Mas ao se considerar que atualmente, há grande desperdício de material, tempo do funcionário, espaço físico, gerando custos bastante expressivos para a escola e os cofres públicos, isso parece fazer sentido. Recomenda-se que tecnologias como: a digitalização e microfilmagem sejam utilizadas com base em critérios arquivísticos e sua implantação esteja sustentada por uma política integrada de gestão de documentos. Caso contrário, essas tecnologias podem acabar por acentuar alguns problemas já existentes, como é o caso do aumento do volume de documentos produzidos.

12 12 REFERÊNCIAS BRAGA, Ascenção. A gestão da informação. Viseu: Revista Millenium, ano 5, n.19, p , Disponível em: <http://www.ipv.pt/millenium/19_arq1.htm>. Acesso em: 31 mar BRASIL. Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica. Preservação de documentos em papel. Ciência e técnica a serviço da história. Disponível em: <http://www.abtg.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=257&itemid=47>. Acesso em: 12 jun CAMARGO, Ana Maria de Almeida; BELLOTTO, Heloísa Liberalli (Coord.). Dicionário de Terminologia Arquivística. São Paulo: Associação de Arquivistas Brasileiros, FREIXO, Aurora L.; SILVA, Rubens R.G. Da gestão documental e acesso a conteúdos informacionais: A (des)organização estrutural dos serviços de arquivo na administração estadual da Bahia Disponível em: <http://www.rpbahia.com.br/biblioteca/pdf/aurorafreixo.pdf>. Acesso em 20 nov JARDIM, José Maria. O conceito e a prática de gestão de documentos. Rio de Janeiro: Revista do Arquivo Nacional, v.2, n.2, jul;/dez. 1987, p Disponível em: <http://www.cid.unb.br/publico/setores>. Acesso em: 20 nov LÜDKE, Mena; ANDRÉ, Marli E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, (Temas básicos de educação e ensino). MEDEIROS, Ruy Hermann Araújo. Arquivos escolares: breve introdução a seu conhecimento. Revista HistedBR, Campinas n.14, jun Disponível em: <www.histedbr.fae.unicamp.br/navegando/artigos_frames/artigo_096.html>. Acesso em: 9 jun MENEZES, Maria Cristina; SILVA, Eva Cristina da; TEIXEIRA JÚNIOR, Oscar. O arquivo escolar: lugar da memória, lugar da história. Horizontes, v. 23, p , jan./jun PAES, Marilena Leite. Arquivo: teoria e prática. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, PARANÁ. Departamento Estadual de Arquivo Público. Manual de gestão de documentos do Estado do Paraná. 3 ed. rev. e ampl. Curitiba: O Arquivo, Disponível em: <http://pr.gov.br/arquivopublico/pdf/gestao.pdf.>. Acesso em: 10 nov.2007.

13 13 PARANÁ. Secretaria da Educação. Guia de gestão escolar: informações e orientações. Curitiba, RONCAGLIO, Cynthia; SZVARÇA, Décio Roberto; BOJANOSKI, Silvana de Fátima. Arquivos, gestão de documentos e informação. Bibli: R.Eletr.Bibl..Ci.Inf., Florianópolis, n. esp., Disponível em: <www.encontros-bibli.ufsc.br/bibesp/esp_02/1_roncaglio.pdf>. Acesso em: 29 maio ROUSSEAU, Jean-Yves; COUTURE, Carol. Os fundamentos da disciplina arquivística. Lisboa: Dom Quixote, STAREC, Cláudio. Informação e Universidade: os pecados informacionais e barreiras na comunicação da informação para a tomada de decisão na universidade. DataGramaZero- Revista de Ciência da Informação, v.3 n. 4, ago ZORRINHO, Carlos. Gestão da Informação: condição para vencer. Lisboa: Iapmei, 1995.

POLÍTICA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÕES CORPORATIVAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÕES CORPORATIVAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÕES CORPORATIVAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS EMPRESAS ELETROBRAS Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 6 4 Princípios... 8 5 Diretrizes... 8 6

Leia mais

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior.

Curso II. Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. Curso II Portaria nº 1.224, 18.12.2013. Orientações sobre as normas de manutenção e guarda do acervo acadêmico das instituições de educação superior. KRÜGER, M.H. MAIO/2014. Portaria nº 1.224, 18.12.2013.

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS

CONSIDERAÇÕES SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA ARQUIVO HISTÓRICO DA UFJF CONSIDERAÇÕES SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS Versão do dia 14/11/07. gad.pdf Prof. Galba Ribeiro Di Mambro

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

GESTÃO DOCUMENTAL: ATUAÇÃO DO SECRETÁRIO EXECUTIVO

GESTÃO DOCUMENTAL: ATUAÇÃO DO SECRETÁRIO EXECUTIVO GESTÃO DOCUMENTAL: ATUAÇÃO DO SECRETÁRIO EXECUTIVO Cristiane Lessa Zwirtes 1 Daniela Giareta Durante 2 Resumo A gestão de documentos é um atividade fundamental em todas as organizações, por meio da organização

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO Aula 1 Descrição Arquivística Revisando Conceitos de arquivologia: o documento, o arquivo, os princípios arquivísticos e a qualidade arquivística. Teoria das três idades.

Leia mais

LEI Nº 1381/2015 CAPÍTULO I. Disposições gerais CAPÍTULO II. Do arquivo público municipal

LEI Nº 1381/2015 CAPÍTULO I. Disposições gerais CAPÍTULO II. Do arquivo público municipal LEI Nº 1381/2015 Dispõe sobre a criação do Arquivo Público Municipal de Rubineia, define as diretrizes da política municipal de arquivos públicos e privados e cria o Sistema Municipal de Arquivos SISMARQ.

Leia mais

cartilha noções básicas de arquivo

cartilha noções básicas de arquivo cartilha noções básicas de arquivo 1 cartilha noções básicas de arquivo Organização: Ana Lúcia da Silva do Carmo Júnia Terezinha Morais Ramos 2015 Você sabia que a Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

POLÍTICA DE MICROFILMAGEM E DIGITALIZAÇÃO DOCUMENTAL NA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

POLÍTICA DE MICROFILMAGEM E DIGITALIZAÇÃO DOCUMENTAL NA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA POLÍTICA DE MICROFILMAGEM E DIGITALIZAÇÃO DOCUMENTAL NA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA SILVA, Laila Mendes da 1 MADIO, Telma Campanha de Carvalho 2 Resumo: O documento de arquivo é uma peça importante para a

Leia mais

A GESTÃO DOCUMENTAL NAS ENTIDADES NACIONAIS DO SISTEMA INDÚSTRIA: DESAFIOS E SOLUÇÕES ENCONTRADAS

A GESTÃO DOCUMENTAL NAS ENTIDADES NACIONAIS DO SISTEMA INDÚSTRIA: DESAFIOS E SOLUÇÕES ENCONTRADAS Artigo A GESTÃO DOCUMENTAL NAS ENTIDADES NACIONAIS DO SISTEMA INDÚSTRIA: DESAFIOS E SOLUÇÕES ENCONTRADAS Por: Ana Suely Pinho Lopes alopes@cni.org.br Gerente de Gestão da Informação Entidades Nacionais

Leia mais

PROVA OBJETIVA. Quanto ao planejamento, organização e direção de serviços de arquivo, julgue os itens subseqüentes.

PROVA OBJETIVA. Quanto ao planejamento, organização e direção de serviços de arquivo, julgue os itens subseqüentes. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

O ARQUIVO E A GESTÃO DOCUMENTAL

O ARQUIVO E A GESTÃO DOCUMENTAL O ARQUIVO E A GESTÃO DOCUMENTAL Edna Maria da Silva Matte 1 ; Graziela Boreck Rosa 2 ; Josilda Rodrigues Souza 3 ; Marcia Correia de Souza 4 ; Marizete Aparecida Schulz de Souza5 Agente Universitária vinculada

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A criação dos arquivos intermediários torna-se uma tendência nacional para a implementação da gestão dos documentos, disciplinada

Leia mais

AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE

AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE 4.1 - Tabela de Temporalidade Como é cediço todos os arquivos possuem um ciclo vital, composto pelas fases corrente, intermediária e permanente. Mas como saber quando

Leia mais

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos.

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos. Idade dos arquivos Fabrício Mariano A classificação das idades dos arquivos varia de autor para autor, pois cada uma tem origem em um país diferente ou é influenciada em maior ou menor grau por uma cultura

Leia mais

Para que um sistema de arquivos seja considerado completo é necessário que ele comporte três fases distintas definidas como:

Para que um sistema de arquivos seja considerado completo é necessário que ele comporte três fases distintas definidas como: Manual de Arquivo IINTRODUÇÃO A elaboração do presente manual de arquivo tem como objetivo disponibilizar um instrumento de auxílio aos usuários dos arquivos setoriais, intermediário e permanente que integram

Leia mais

Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos.

Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos. INSTRUÇÃO CONJUNTA SAEB/SECULT Nº 001 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à gestão de documentos arquivísticos. OS SECRETÁRIOS DA ADMINISTRAÇÃO E

Leia mais

Questões comentadas de Arquivologia para concursos

Questões comentadas de Arquivologia para concursos 580 Questões Comentadas de Apostila amostra Para adquirir a apostila de 580 Questões Comentadas de Arquivologia Para Concursos acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br SUMÁRIO Apresentação...2 Conceitos

Leia mais

Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS

Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS Art. 1.º O ARQUIVO CENTRAL (ACE) é órgão de natureza complementar da Fundação Universidade

Leia mais

Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados

Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados a outros via linhas telefônicas; Antiga Grécia Arché

Leia mais

COMENTÁRIOS ANATEL 2014 COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO. www.grancursos.com.br

COMENTÁRIOS ANATEL 2014 COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO. www.grancursos.com.br COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO 91. Os mapas e as plantas encontrados nos arquivos da ANATEL pertencem ao gênero documental iconográfico, sendo classificado

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÕES PARA TOMADA DE DECISÃO

GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÕES PARA TOMADA DE DECISÃO 1 Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Gestão Pública Trabalho de Conclusão de Curso GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÕES PARA TOMADA DE DECISÃO Autor: Lígia Costa Coelho Orientador: José

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS ACERVO - Documentos de uma entidade produtora ou de uma entidade que possui sua guarda. ACESSIBILIDADE - Condição ou possibilidade de acesso a serviços de referência,

Leia mais

GLOSSÁRIO. 1 ACERVO Totalidade dos documentos sob custódia de um arquivo.

GLOSSÁRIO. 1 ACERVO Totalidade dos documentos sob custódia de um arquivo. 43 RECOMENDAÇÕES Após a homologação do Código de Classificação e da Tabela de Temporalidade pela Comissão de Homologação, através de um documento normatizador, estes deverão ser publicados. Uma cópia destes

Leia mais

Arquivo Estrutura Básica Necessária Recursos Humanos

Arquivo Estrutura Básica Necessária Recursos Humanos 1/7 2. Técnicas de atendimento (presencial e a distância) ao cliente interno e externo: técnicas de triagem, organização e registro fluxo documental; planejamento e organização do ambiente de trabalho/

Leia mais

TABELA DE TEMPORALIDADE

TABELA DE TEMPORALIDADE TABELA DE TEMPORALIDADE E-mail: luiz@lacconcursos.com.br 1 2 Instrumento que define os PRAZOS DE GUARDA e DESTINAÇÃO FINAL dos documentos. O Prazo de Guarda dos Documentos é um termo técnico da arquivologia

Leia mais

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais;

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais; Recomendação nº 37, de 15 de agosto de 2011 Texto Original Recomendação nº 46/2013 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL. LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DOCUMENTAL DA ATIVIDADE-MEIO Orientações para o preenchimento dos questionários

PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL. LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DOCUMENTAL DA ATIVIDADE-MEIO Orientações para o preenchimento dos questionários PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DOCUMENTAL DA ATIVIDADE-MEIO Orientações para o preenchimento dos questionários Ministério Público (Paraná). Departamento de Gestão Documental. Levantamento

Leia mais

DECRETO Nº 25624. de 17 de julho de 2008.

DECRETO Nº 25624. de 17 de julho de 2008. DECRETO Nº 25624 de 17 de julho de 2008. Dispõe sobre a Gestão de Documentos, os Planos de Classificação e a Tabela de Temporalidade de Documentos e define normas para avaliação, guarda e destinação de

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008 CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 27, DE 16 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre o dever do Poder Público, no âmbito dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, de criar e manter Arquivos Públicos,

Leia mais

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF.

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. RODRIGO BARBATI ARQUIVOLOGIA 21- São gêneros documentais encontrados nos arquivos,exceto:

Leia mais

TRATAMENTO E GESTÃO DOCUMENTAL DIARQ/CDA/CGLA/SPOA/SE/MDS

TRATAMENTO E GESTÃO DOCUMENTAL DIARQ/CDA/CGLA/SPOA/SE/MDS TRATAMENTO E GESTÃO DOCUMENTAL DIARQ/CDA/CGLA/SPOA/SE/MDS 1 Divisão de Arquivo está subordinada à Coordenação de Documentação e Arquivo Atividades Arquivar e desarquivar documentos/processos; Dar orientação

Leia mais

Conjunto de procedimentos e operações técnicas referentes à produção, tramitação, uso, avaliação e arquivamento de documentos

Conjunto de procedimentos e operações técnicas referentes à produção, tramitação, uso, avaliação e arquivamento de documentos Gestão Documental Gestão Documental Conjunto de procedimentos e operações técnicas referentes à produção, tramitação, uso, avaliação e arquivamento de documentos em fase corrente e intermediária, visando

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória do Poder Judiciário

Leia mais

GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD GESTÃO DOCUMENTAL NA COPEL

GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD GESTÃO DOCUMENTAL NA COPEL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPD - 23 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD

Leia mais

NORMA DE ARQUIVO - NOR 208

NORMA DE ARQUIVO - NOR 208 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS COD. 200 ASSUNTO: GESTÃO DE DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 528/2012, de 10/12/2012 VIGÊNCIA: 11/12/2012 NORMA DE ARQUIVO - NOR 208 1/21 ÍNDICE

Leia mais

DIRETRIZES DE POLÍTICA DE ARQUIVOS DA UFJF (DPA) Versão 0.5

DIRETRIZES DE POLÍTICA DE ARQUIVOS DA UFJF (DPA) Versão 0.5 PCD 063.01 Gabinete do Reitor Projeto de Desenvolvimento das Ações da Administração Central DIRETRIZES DE POLÍTICA DE ARQUIVOS DA UFJF (DPA) Versão 0.5 1. INTRODUÇÃO 1.1 As presentes diretrizes foram definidas

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS E TABELA DE TEMPORALIDADE

AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS E TABELA DE TEMPORALIDADE AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS E TABELA DE TEMPORALIDADE 1 Salve, salve, concurseiros!!! Nesta aula abordaremos dois temas inseparáveis no contexto da Arquivologia: a avaliação de documentos e a tabela de temporalidade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos fundamentos da arquivologia e à terminologia arquivística, julgue os itens a seguir. 61 Informações orgânicas registradas, produzidas durante o exercício das funções de um órgão ou instituição,

Leia mais

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo I CICLO DE PALESTRAS SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICAS DE DOCUMENTOS NO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede GESTÃO Educacional A P R E S E N T A Ç Ã O www.semeareducacional.com.br Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede A EXPANSÃO TECNOLOGIA Nossa MISSÃO: Transformação de Dados em Informação Transformação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011 CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011 Cria o Arquivo Central e dispõe sobre o Sistema de Arquivos da UFJF O Conselho Superior da Universidade Federal de Juiz de Fora, no uso de suas atribuições, tendo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ KALINE DA SILVA CASSEMIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ KALINE DA SILVA CASSEMIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ KALINE DA SILVA CASSEMIRO RELATÓRIO DA REESTRUTURAÇÃO DE ARQUIVO DA EMPRESA FUKUSHIMA & ADVOGADOS ASSOCIADOS CURITIBA 2013 KALINE DA SILVA CASSEMIRO RELATÓRIO DA REESTRUTURAÇÃO

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA Projeto de Lei nº 058 de 17 de abril de 2013 AUTOR: Poder Executivo PARECER: Favorável, sem apresentação de emendas EMENTA: Cria o Arquivo Público do Executivo

Leia mais

O ciclo de vida Simone de Abreu

O ciclo de vida Simone de Abreu O ciclo de vida Simone de Abreu A documentação eletrônica em números: estimativas apontam para um mercado de aproximadamente US$ 600 milhões em Hardware, Software e Serviços, ou seja, mais de 12 bilhões

Leia mais

1. Qual a importância da gestão de documentos no desenvolvimento de sistemas informatizados de gerenciamento de arquivos?

1. Qual a importância da gestão de documentos no desenvolvimento de sistemas informatizados de gerenciamento de arquivos? CONSIDERAÇÕES DO ARQUIVO NACIONAL, ÓRGÃO CENTRAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO SIGA, DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL ACERCA DO SISTEMA ELETRÔNICO DE INFORMAÇÕES SEI O Arquivo Nacional,

Leia mais

GUIA PRÁTICO Mensuração do acervo documental

GUIA PRÁTICO Mensuração do acervo documental GUIA PRÁTICO Mensuração do acervo documental do Ministério Público do Estado do Paraná Curitiba 2015 P223g Paraná. Ministério Público. Departamento de Gestão Documental Guia prático para a mensuração do

Leia mais

Art. 2º A referida tabela e os procedimentos de que tratam o artigo anterior passam a fazer parte, em anexos de 1 a 6, da presente Resolução.

Art. 2º A referida tabela e os procedimentos de que tratam o artigo anterior passam a fazer parte, em anexos de 1 a 6, da presente Resolução. RESOLUÇÃO N o 005, de 5 de julho de 2010. Aprova Tabela de Temporalidade e Procedimentos de Eliminação dos Documentos das Atividades-Fim da Universidade Federal de São João del-rei UFSJ. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos

Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos Claudia Lacombe Rocha Márcia Helena de Carvalho Ramos Margareth da Silva Rosely Cury Rondinelli Revisão por Alba Gisele

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi Dispõe sobre a criação do Arquivo Público Estadual e define as diretrizes da Política Estadual de Arquivos Públicos e Privados

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (PROGED)

PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (PROGED) III Congresso Consad de Gestão Pública PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (PROGED) Alessandra Baptista Lyrio Cristiani Storch Perez Herlon Nardoto Gomes Sandro Pandolpho da Costa

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DO ACERVO DOCUMENTAL PARA A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA INSTITUCIONAL DA UFPB

ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DO ACERVO DOCUMENTAL PARA A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA INSTITUCIONAL DA UFPB ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DO ACERVO DOCUMENTAL PARA A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA INSTITUCIONAL DA UFPB Celio Roberto Freire de Miranda(1); Isabel Cristina Lourenço Freire(1); Michele da Silva(1) Alana Miraca

Leia mais

Capacitações em Gestão Documental

Capacitações em Gestão Documental Capacitações em Gestão Documental Responde por este documento: Blenda de Campos Rodrigues, Dra. Sócia diretora da Anima Ensino Mídia e Conhecimento blenda.campos@animaensino.com.br 48.2107.2722 Conteúdo

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO nº483/2009 Data da Norma: 04/03/2009 Órgão expedidor: ÓRGÃO ESPECIAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Fonte: DJE de 22/06/2009, p. 1-77 Ementa: Cria o Programa de Gestão de Documentos Arquivísticos do

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DOCUMENTAL. MÓDULO I Nível Básico

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DOCUMENTAL. MÓDULO I Nível Básico CURSO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DOCUMENTAL MÓDULO I Nível Básico CURSO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DOCUMENTAL MÓDULO I Nível Básico Organizado por: Dirlei Maria Kafer Gonçalves CRB14/637 Edição revista, ampliada

Leia mais

QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Faculdade de Letras Universidade do Porto

QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Faculdade de Letras Universidade do Porto QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Faculdade de Letras Universidade do Porto Arquivos e serviços de informação: a certificação da qualidade no Brasil Maria Odila Fonseca Universidade Federal

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO DE ARQUIVO: O ARQUIVISTA FRENTE AOS DESAFIOS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO DE ARQUIVO: O ARQUIVISTA FRENTE AOS DESAFIOS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO DE ARQUIVO: O ARQUIVISTA FRENTE AOS DESAFIOS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Andresa Léia de Andrade 1 e Daniela Pereira dos Reis de Almeida 2 1 Aluna do Curso de Arquivologia

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO CENTRAL DA UFPA

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO CENTRAL DA UFPA SERVIÇO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ ARQUIVO CENTRAL REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO CENTRAL DA UFPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DO ÓRGÃO SUPLEMENTAR Art.1º. Ao ARQUIVO CENTRAL da UFPA, Órgão Suplementar

Leia mais

A CLASSIFICAÇÃO E O VOCABULÁRIO CONTROLADO COMO INSTRUMENTOS EFETIVOS PARA A RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO ARQUIVÍSTICA

A CLASSIFICAÇÃO E O VOCABULÁRIO CONTROLADO COMO INSTRUMENTOS EFETIVOS PARA A RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO ARQUIVÍSTICA A CLASSIFICAÇÃO E O VOCABULÁRIO CONTROLADO COMO INSTRUMENTOS EFETIVOS PARA A RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO ARQUIVÍSTICA por Renato Tarciso Barbosa de Sousa renasou@unb.br Rogério Henrique de Araújo Júnior

Leia mais

SIMPROC SISTEMA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO E CONTROLE DOCUMENTAL

SIMPROC SISTEMA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO E CONTROLE DOCUMENTAL 1 SIMPROC SISTEMA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO E CONTROLE DOCUMENTAL Toda organização, pública ou privada, independente de seu tamanho, deve constituir uma área para atendimento às demandas dos colaboradores

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS

GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES INTRODUÇÃO AO MODELO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS INFORMATIZADOS DE GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS E-ARQ BRASIL REPOSITÓRIOS

Leia mais

ELIMINAR DOCUMENTOS NAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS

ELIMINAR DOCUMENTOS NAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS Proposto por: Divisão de Gestão de Documentos - DIGED Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão de Acervos Arquivísticos (DEGEA) Aprovado por: Diretor-Geral de Apoio aos Órgãos Jurisdicionais (DGJUR)

Leia mais

Conhecendo a História da ETE Getúlio Vargas

Conhecendo a História da ETE Getúlio Vargas O ARQUIVO DA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS: A ARQUIVOLOGIA ENQUANTO INSTRUMENODE PRESERVAÇÃO DE FONTES DOCUMENTAIS PARA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Maria Cristina Vendrameto IES: FE/USP Eixo Temático

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMAS DE GESTÃO DE DOCUMENTOS NO ÓRGÃOS E ENTIDADES INTEGRANTES DO SIGA

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMAS DE GESTÃO DE DOCUMENTOS NO ÓRGÃOS E ENTIDADES INTEGRANTES DO SIGA V ENCONTRO TÉCNICOS DOS INTEGRANTES DO SISTEMA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO SIGA, DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL V SEMINÁRIO A GESTÃO DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSTICOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

Leia mais

4.2 EDITAL DE INSCRIÇÃO PROBEX Nº 09/2015 PROGRAMA DE BOLSAS DE EXTENSÃO PARA O ANO DE 2016

4.2 EDITAL DE INSCRIÇÃO PROBEX Nº 09/2015 PROGRAMA DE BOLSAS DE EXTENSÃO PARA O ANO DE 2016 0 4.2 EDITAL DE INSCRIÇÃO PROBEX Nº 09/2015 PROGRAMA DE BOLSAS DE EXTENSÃO PARA O ANO DE 2016 A Diretora Geral da Faculdade de Educação São Francisco FAESF, por intermédio da Direção Acadêmica, torna público

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA DO PAPEL AO DIGITAL: UM DOS PROCESSOS PARA MELHORIA DA GESTÃO PÚBLICA RELATOR MARIA DO CARMO CATTANI

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA DO PAPEL AO DIGITAL: UM DOS PROCESSOS PARA MELHORIA DA GESTÃO PÚBLICA RELATOR MARIA DO CARMO CATTANI APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA DO PAPEL AO DIGITAL: UM DOS PROCESSOS PARA MELHORIA DA GESTÃO PÚBLICA RELATOR MARIA DO CARMO CATTANI RESPONSÁVEIS MARIA DO CARMO CATTANI - (41) 3350-8992 - mcattani@smad.curitiba.pr.gov.br

Leia mais

DOCUMENTO FINAL DO ENCONTRO

DOCUMENTO FINAL DO ENCONTRO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA ANPUH-BRASIL O PERFIL PROFISSIONAL DOS HISTORIADORES ATUANTES EM ARQUIVOS DOCUMENTO FINAL DO ENCONTRO São Paulo, dezembro de 2012. APRESENTAÇÃO Este documento, produzido

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ Art. 1 - O Arquivo Público Municipal de Bagé, criado pela lei nº 3.399/97, de julho/97 alterado e complementado pelas leis 3.817/2001 e 3.935/2002,

Leia mais

Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares

Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares Professora Elizabeth Johansen ( UEPG) Jessica Monteiro Stocco (UEPG) Tatiane

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA PROJETO DOCUMENTAR: GESTÃO DOCUMENTAL NA UNISUL

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA PROJETO DOCUMENTAR: GESTÃO DOCUMENTAL NA UNISUL UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA PROJETO DOCUMENTAR: GESTÃO DOCUMENTAL NA UNISUL Tubarão (SC), 2007 A preservação de documentos com conteúdos significativos é a garantia sine qua non para a escrita

Leia mais

ARQUIVO MUNICIPAL AURORA MAIA DANTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA

ARQUIVO MUNICIPAL AURORA MAIA DANTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA ARQUIVO MUNICIPAL AURORA MAIA DANTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA 2015 ESTUDOS DE ARQUIVO Informação Documentos Documentos de Arquivo Arquivo Arquivos Públicos Conjunto de documentos produzidos

Leia mais

EDITAL SEEC Nº. 01/2013

EDITAL SEEC Nº. 01/2013 ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE COCAL DO SUL SECRETARIA DE EDUCAÇÃO, ESPORTE E CULTURA EDITAL SEEC Nº. 01/2013 Dispõe sobre as diretrizes de matrícula para o ano letivo de 2014, nas instituições

Leia mais

Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP

Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP Projeto de Modernização da Gestão Documental na SMS-SP GESTÃO DOCUMENTAL NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS: O PORQUÊ E O PARA QUÊ? Ieda Pimenta Bernardes Arquivo Público do Estado saesp@arquivoestado.sp.gov.br

Leia mais

DataDoc 4.0 Sistema de Gestão de Arquivos. Características do Sistema

DataDoc 4.0 Sistema de Gestão de Arquivos. Características do Sistema DataDoc 4.0 Sistema de Gestão de Arquivos O software DataDoc 4.0 tem como finalidade automatizar a gestão de acervos documentais, englobando todas as fases da documentação. Totalmente desenvolvido em plataforma

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo públicohttp://www.questoesdeconcursos.com.br

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo públicohttp://www.questoesdeconcursos.com.br Arquivologia Prof. Vinicius Motta Com relação a arquivologia, julgue os itens a seguir. 1 - ( CESPE / ANS / 2013 / TÉCNICO ADMINISTRATIVO ) - Para se eliminar documentos de arquivo da Agência Nacional

Leia mais

Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados. Iza Saldanha

Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados. Iza Saldanha Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados Iza Saldanha Abordagem Conceitos Procedimentos/Ferramentas Benefícios esperados Estudo de caso Planave

Leia mais

R E S U M O. Palavras-Chave

R E S U M O. Palavras-Chave R E S U M O O texto aborda a informação contábil sob o enfoque da preservação dos documentos, bem como sob a perspectiva de um relacionamento entre contabilidade e arquivologia. Enfatiza a preservação

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb. MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.br SANTOS, Selma dos Universidade Regional de Blumenau - selmasantos@senai-sc.ind.br

Leia mais

Editado: Centro de Documentação e Informação de Moçambique - CEDIMO Periodicidade: Trimestral Maputo, Junho de 2007 1ª Edição Ano I

Editado: Centro de Documentação e Informação de Moçambique - CEDIMO Periodicidade: Trimestral Maputo, Junho de 2007 1ª Edição Ano I República de Moçambique Autoridade Nacional da Função Pública Editado: Centro de Documentação e Informação de Moçambique - CEDIMO Periodicidade: Trimestral Maputo, Junho de 2007 1ª Edição Ano I EDITORIAL

Leia mais

Implantação do Sistema de Arquivo e Controle de Documentos no Poder Legislativo: Senado Federal

Implantação do Sistema de Arquivo e Controle de Documentos no Poder Legislativo: Senado Federal Implantação do Sistema de Arquivo e Controle de Documentos no Poder Legislativo: Senado Federal Alraune Reinke da Paz, Arquivista, e-mail: alraune@senado.gov.br; Ana Claudia Ferreira da Silva, Administradora,

Leia mais

20/IN01/DSIC/GSIPR 00 15/JUL/14 1/12

20/IN01/DSIC/GSIPR 00 15/JUL/14 1/12 20/IN01/DSIC/GSIPR 00 15/JUL/14 1/12 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações DIRETRIZES DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

Leia mais

EDITAL Nº 034/2013-CCP

EDITAL Nº 034/2013-CCP EDITAL Nº 034/2013-CCP A Professora Fátima Aparecida da Cruz Padoan, Diretora do Campus de Cornélio Procópio, da UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

Levantamento da Produção Documental do MPPR

Levantamento da Produção Documental do MPPR Levantamento da Produção Documental do MPPR Atividade-meio Curitiba/PR, Julho de 2014 1/3 PROGRAMA Módulo I: Noções Básicas de Gestão Documental; Módulo II: Gestão Documental do MPPR; Módulo III: Levantamento

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Os documentos produzidos no Tribunal de Justiça de Minas Gerais, a partir de informações públicas geradas e recebidas, são fontes de comprovação de direitos individuais

Leia mais

A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA

A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA Renato Tarciso Barbosa de Sousa Universidade de Brasília renasou@unb.br A organização 1. Os fatos 2. O Discurso 3. As considerações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I Sistema de Informação em Enfermagem DUTRA, Herica Silva Profa.

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL - PGD DA FUNAI

POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL - PGD DA FUNAI POLÍTICA DE GESTÃO DOCUMENTAL - PGD DA FUNAI 2015 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 3 PORTARIA Nº 970/PRES, de 15.08.2013 de agosto de 2013 Institui a Política de Gestão Documental da Fundação Nacional do Índio Funai.

Leia mais

Diário Oficial Poder Executivo Estado de São Paulo

Diário Oficial Poder Executivo Estado de São Paulo Diário Oficial Poder Executivo Estado de São Paulo Seção I GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Volume 114 - Número 164 - São

Leia mais

Jan.2012. Características Gerais do Sistema:

Jan.2012. Características Gerais do Sistema: Jan.2012 Características Gerais do Sistema: O Software Global Cartórios traz um conceito novo em uma plataforma inovadora que reúne todas as especialidades em um único sistema. O Global Cartórios é um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA TATIANE DO VALE MATOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA TATIANE DO VALE MATOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA TATIANE DO VALE MATOS ORGANIZAÇÃO DE ARQUIVO DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E ENGENHARIA COMPANHIA DE HABITAÇÃO POPULAR DE CURITIBA

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

RESOLVE baixar a presente ORDEM DE SERVIÇO determinando que:

RESOLVE baixar a presente ORDEM DE SERVIÇO determinando que: ORDEM DE SERVIÇO N o 003/2014 Em 16 de janeiro de 2014, o Reitor em exercício da Universidade Federal de São João del-rei UFSJ, usando de suas atribuições, tendo em vista a ampliação da eficácia e da eficiência

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

EDITAL UFF/AN Nº 02/ 2007 SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ORGANIZAÇÃO, PLANEJAMENTO E DIREÇÃO DE ARQUIVOS ( LATO SENSU )

EDITAL UFF/AN Nº 02/ 2007 SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ORGANIZAÇÃO, PLANEJAMENTO E DIREÇÃO DE ARQUIVOS ( LATO SENSU ) EDITAL UFF/AN Nº 02/ 2007 SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ORGANIZAÇÃO, PLANEJAMENTO E DIREÇÃO DE ARQUIVOS 1. PREÂMBULO ( LATO SENSU ) A Universidade Federal Fluminense (UFF) e o Arquivo

Leia mais

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Alterado por Ato Normativo nº 905/2015, de 11/06/2015 (PT nº. 20.243/06) Aprova o Plano de Classificação de Documentos e a Tabela de Temporalidade

Leia mais