USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS NA ILHA DO MARANHÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS NA ILHA DO MARANHÃO"

Transcrição

1 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS NA ILHA DO MARANHÃO Yata Anderson Gonzaga Masullo PPDRS/UEMA//IMESC Maurício Eduardo Salgado Rangel Universidade Federal do Maranhão - UFMA O CLIMA DAS CIDADES RESUMO As alterações na dinâmica da paisagem nas zonas costeiras devem ser avaliadas de maneira mais específica, correlacionando a especulação imobiliária, com o consequente processo de verticalização e a falta de planejamento para o uso e ocupação do solo. Os municípios da Ilha do Maranhão, é um exemplo deste processo desordenado de evolução e expansão urbana deflagrado nas últimas décadas, e acelerado pelos grandes investimentos instalados na região. O presente trabalho vem com o objetivo de analisar a influência do processo de urbanização sobre os aspectos sociambientais de São Luís - MA, dando ênfase no sistema de uso e ocupação do solo e nas alterações climáticas. Entre 1992 e 2010 houve intensos processos de urbanização, assim pretedemos correlacionar os mapas de ocupação e de temperatura, para compararmos os dados analisamos o avanço da urbanização e suas implicações e impactos ao ambiente o processamento imagens do Landsat 5TM 1992 e 2010 órbita/ponto 220/62, cedidas pelo INPE, fornecidas em geotiff, as imagens possuem as bandas 3, 4, 5e 6. Assim temos a oportunidade de monitorar as situações de risco e dos problemas urbanos, além de correlacionar uma série de indicadores que influenciam no processo de periferização e urbanização das cidades. Palavras-Chaves: SIG s, Alterações Climáticas e Ocupação do Solo ABSTRACT The changes in landscape dynamics in coastal areas should be evaluated more specifically, correlating property speculation, with the consequent process of vertical integration and lack of planning for the use and occupation of land. The municipalities of the island of Maranhao, is an example of this process of evolution and disorderly urban expansion triggered in recent decades, and accelerated investment by large installed in the region. This work is aimed at analyzing the influence of urbanization on aspects environmental São Luís - MA, with emphasis on system use and land cover and climate change. Between 1992 and 2010 there was intense urbanization processes, so We intend to correlate the occupancy maps and temperature, we analyzed the data to compare the progress of urbanization and its implications and impacts to the environment processing Landsat 5TM 1992 and 2010 orbit / point 220 / 62 provided by INPE, supplied in geotiff, the images have bands 3, 4, 5and 6. Thus we have the opportunity to monitor risk situations and urban problems, and to correlate a series of indicators that influence the process of urbanization and peripheries of cities. Key Words: GIS, Climate Change and Land Use. 663

2 1 INTRODUÇÃO O homem não cria por completo um novo ambiente natural, ele introduz elementos novos que dependendo da situação podem alterar pouco ou significativamente a paisagem. Quando se altera a estrutura, se entende que o homem passa a ter um importante papel na modificação das características naturais, este processo se conhece como transformação antropogênica consistindo nas mudanças de estrutura e dinâmica, tendo como resultado a construção da paisagem antropo-natural (MILKOV, 1973). As transformações proporcionadas pela sociedade impõem as cidades aspectos positivos e/ou negativos ao funcionamento e desenvolvimento das mesmas. O crescimento desordenado das cidades criou regiões com elevada densidade populacional e com grande deficiência em diversas escalas de análise. Neste contexto, o sistema urbano adquire um elevado grau de complexidade, cujos elementos e funções estão estreitamente correlacionados (RIBEIRO; VARGAS, 2004). Os constantes impactos ambientais tendem a provocar problemas sérios em áreas urbanizadas, e principalmente em ambientes com grande suscetibilidade como as zonas costeiras que acabam por representar uma importante opção de lazer e de atividade econômica. É sabido que os crescentes transtornos que são registrados justamente na interface entre litoral e oceano, em grande parte acabam sendo provocados por intervenções do homem ao meio (CUNHA e GUERRA, 2002). A capital do Maranhão, é um exemplo deste processo desordenado de evolução e expansão urbana deflagrado nas últimas décadas, e acelerado pelos grandes investimentos instalados na região. Os impactos provocados foram significativos na sua dinâmica socioespacial, como conseqüência da ocupação desordenada, tem-se a ocorrência de erosão (provocada pelas águas do escoamento superficial), os escorregamentos nas encostas dos morros (que também comprometem seriamente a infra-estrutura existente), e a formação de microclima especifico (desenvolvido pelo processo de urbanização na área), a retirada de matas ciliares, a remoção das dunas, além do aumento da contaminação da água pelos resíduos sólidos e líquidos, além da periferização de extensas áreas, bem como a ampliação dos aglomerados subnormais e a consequente exclusão de grande parte da população aos serviços básicos. Essa dinâmica fez com que, a população da ilha, que contava com apenas 50 mil habitantes no ano de 1940, apresentas-se uma explosão demográfica de 243,5% em 1970 (passou para 124 mil habitantes). Já em 1996, a população da ilha já contava com 941 mil habitantes, sendo que 781 mil concentravam-se na capital do Estado. De acordo com os resultados do Censo Demográfico do IBGE realizado em 2000, a população da ilha era de aproximadamente mil habitantes e, destes, 866 mil residiam em São Luís. Atualmente o município conta com um pouco mais de 1 milhão de habitantes, indicando que o aumento populacional no período analisado levou a uma ininterrupta incorporação de espaços (DIAS, 2005 apud MASULLO, 2010). 664

3 Desta forma o presente trabalho vem com o objetivo de analisar a influência do processo de urbanização sobre os aspectos sociambientais de São Luís - MA, dando ênfase no sistema de uso e ocupação do solo e nas alterações climáticas do município, utilizando técnicas de inferência e análise de dados espaciais em imagens de sensor remoto entre os anos de 1992 e Assim temos a oportunidade de monitoramento e avaliação da distribuição espacial de situações de risco e dos problemas urbanos, além de correlacionar uma série de indicadores que influenciam no processo de periferização e urbanização das cidades. 2 METODOLOGIA Na elaboração do estudo leva-se em consideração os processos históricos que levaram aos problemas socioambientais analisados, para tanto, utilizamos uma abordagem qualitativa alicerçada por técnicas do Sistema de Informação Geografico - SIG s relacionados ao crescimento da urbanização e as alterações climáticas deflagradas. O trabalho foi fundamentado em pesquisa com base de fontes secundárias. Dentre as fontes consultadas, estão o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (IMESC), Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), as Secretarias Estaduais e Municipais do Estado do Maranhão. Correlacionamos os mapa de ocupação e de temperatura, para compararmos os dados relativo ao avanço da urbanização e suas implicações e impactos ao ambiente e a população, considerando uma série histórica que corrobora com o período de maior investimento na região de estudo, onde foi intesificado a eliminação de grande parte da cobertura vegetal para estruturação de vias e diversas edificações. Assim sistematizamos o processamento de imagens do Landsat 5TM 1992 e 2010 órbita/ponto 220/62, cedidas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE, onde em cada cena comporta uma área de 185 x 185km, fornecidas em geotiff, as imagens possuem as bandas 3 (vermelhor), 4 (infravermelho próximo) e 6 (infravermelho termal). Na elaboração dos mapas, foram obtidas junto ao IMESC a base cartográfica da Ilha do Maranhão, associada a base dos municípios do IBGE. Assim, foi possível a confecção de mapas temáticos e o processamento dos dados. Durante o desenvolvimento da pesquisa foram utilizados os seguintes softwares: EXCEL 2007 e Arc Info USO E OCUPAÇÃO DO SOLO SÃO LUÍS MA O município de São Luís é um exemplo claro deste processo, abarcando uma série de áreas consideradas periféricas, originadas por questões históricas e pelo modo de produção. Esta realidade é condicionada pelas políticas habitacionais promovidas pelo Estado, indo de encontro com preferências e determinações das classes dominantes. 665

4 O Estado do Maranhão é dividido em 21 Regiões de Planejamento, a capital São Luís situa-se na Região de Planejamento da Ilha do Maranhão, encontrando-se na zona costeira maranhense, nas coordenadas 02º22 23 e 02º51 00 Lat. Sul; 44º26 41 e 43º59 41 de Long. Oeste, como pode ser observado no Mapa 1 (IMESC, 2011). Mapa 1: Mapa de Localização da Ilha do Maranhão Parte-se aqui do princípio que a sociedade interfere nas diversas paisagens e ambientes do planeta, transformando-os segundo as suas próprias necessidades, implicando num conjunto de modificações diferenciadas no decorrer da (re)produção do que se concebe como espaço geográfico, isto é, do local ao global, em que as escalas de atuação e análise de eventos são fatores condicionantes para um bom diagnóstico das influências antropogênicas. Estas transformações, ao contrário daquelas decorrentes da própria dinâmica natural da terra, se desenvolvem durante um curto intervalo de tempo (DIAS; NOGUEIRA JÚNIOR, p. 08). O rápido crescimento populacional pelo qual estão passando os municípios da Ilha e principalmente São Luís acarreta o aumento da ocupação desordenada responsável pelo surgimento de variados problemas de ordem ambiental, estético, sócio-econômico ou urbano (SANTOS, 1996). Este processo de ocupação se deu de forma mais intensificada nas últimas décadas. Em estudo realizado, Bahiana (1983 apud SILVA 1995) afirmou que o padrão da localidade é 666

5 caracterizado por semicírculos e círculos, definido por um conjunto de distritos localizados em torno do centro produtivo, apresentando altas taxas de crescimento demográfico. Segundo Silva (1995), São Luís na década de 1950 possuía um corredor de ocupação, o corredor Centro Anil, já nos anos 1960 houve a implantação da barragem do Bacanga e de duas pontes sobre o rio Anil, adivindas da necessidade de ocupação destes territórios, isso possibilitou uma migração populacional, fazendo com que a população se dirigi-se para os setores oeste e norte e, mais tarde, a leste margeando o rio Anil, atualmente esta ocupação se passa para os municípios São José de Ribamar e Paço do Lumiar, sendo estas transformadas em áreas periféricas de São Luís. A expansão urbana, não foi originada apenas pela construção de avenidas ou pontes, mas pela necessidade das classes dominantes de circulação e deslocamento, isto somado a grandes projetos industriais instalados na Ilha do Maranhão, a exemplo da ALUMAR e VALE (antiga CVRD) partes integrantes do Programa Grande Carajás, que transformaram a região em um pólo de atração de mãode-obra para as mesmas e para inúmeras empreiteiras, culminando com o agravamento dos problemas urbanos. (SANTOS, 1993 apud SAMAS ENGENHARIA AMBIENTAL, 2001). Este padrão de desenvolvimento marginalizou determinados bairros e elitizou outros, criando um corredor de ocupação para áreas como Renascensa Calhau, deslocando o centro produtivo da cidade, dando assim origem a regiões com déficit de serviços básicos como segurança pública, abastecimento de água, coleta de lixo, esgoto e saúde de qualidade. Os grandes aglomerados urbanos formam-se a partir de um modelo urbano desigual, e junto com os centros urbanos advém também a desigualdade socioespacial, verificada mais nitidamente com a expansão das periferias urbanas, expressadas na segregação de serviços, e na hierarquização das cidades em rede. 4 DINÂMICA DA PAISAGEM E IMPACTOS AMBIENTAIS As alterações na dinâmica da paisagem nas zonas costeiras devem ser avaliadas de maneira mais específica, correlacionando a especulação imobiliária, com o consequente processo de verticalização e a falta de planejamento para o uso e ocupação do solo. Como consequência da ocupação desordenada tem-se a ocorrência de erosão (provocada pelas águas do escoamento superficial), os escorregamentos nas encostas dos morros (que também comprometem seriamente a infra-estrutura existente), e a formação de microclima especifico (desenvolvido pelo processo de urbanização na área), a retirada de matas ciliares, a remoção das dunas, além do aumento da contaminação da água pelos resíduos sólidos e líquidos. A interferência urbanas são elementos importantes para a definição dos graus de intervenção e também para a caracterização dos novos processos geomorfológicos gerados a partir das atividades humanas no meio físico. Nesse sentido, a tipologia e o grau de intervenção urbana na morfologia original auxiliam, segundo Lima (1990), compreensão dos fatores que definem os novos processos morfodinâmicos. As 667

6 intervenções antrópicas são geradas para se obter superficies planas para posterior incremento topográfico por construções ou edificações. Essas intervenções implicam basicamente em corte e/ou aterros desenvolvidos na morfologia original, provocando o remanejamento dos materiais superficiais (FUJIMITO, 2008, p. 97) Durante o processo de urbanização os vazios urbanos sejam áreas vegetáveis, bosques, nascentes de rios ou manguezais são convertidos em áreas de superfícies impermeáveis, relutando no aumento do volume do escoamento superficial e da carga de poluentes, culminando com a diminuição do tempo de concentração e superfícies hidráulicas mais lisas. Tal fato tem influência no aumento da vazão do runoff nas bacias hidrográficas, na magnitude e na frequência dos alagamentos, na erosão do canal e no aumento da geração de sedimentos alterando o regime da temperatura da área, além de provocar a redução na infiltração do lençol freático com picos mais altos de alagamentos e fluxos d água mais baixos com maiores quantidades de resíduos não tratados aumentando a poluição, tudo isso como resultado do desenvolvimento urbano (ARAÚJO et.al, 2007). Segundo afirmações de Douglas (1983); Fujimoto (2008) as novas formas de relevo acabam por ser criadas em áreas urbanas através da acumulação de detritos urbanos ou pela extração de materiais que são denominadas de formas de relevo por acumulação ou formas de relevo por remoção, decorrentes das intervenções urbanas que foram classificadas em formas construídas podendo ser formadas por processos de retirada e/ou acumulação de materiais, e as formas induzidas podem ser formadas por processos de saída destes ou por meio de deposição. As alterações antrópicas sobre as formas de relevo proporcionam, em linhas gerais, uma diminuição do escoamento superficial difuso, do escoamento subsuperficial, da infiltração e intensificação do escoamento superficial concentrado. Este material remanejado pelas alterações tanto antrópicas quanto naturais é transportado, para outras unidades de vertentes Este processo causa o aumento da quantidade de poluentes, o runoff urbano contém níveis altos de organismos que podem provocar deterioração de corpos d água assim como de fontes de água potável, estes podem variar desde matéria orgânica comum até metais altamente tóxicos, como inseticidas e fertilizantes ou mesmo descargas de automóveis, estas atividades influenciam de forma direta e indireta a dinâmica ambiental. Com a pavimentação e impermeabilização de ruas e calçadas, o fluxo do escoamento superficial aumenta já que o mesmo é gerado quando a capacidade de infiltração é menor que a intensidade do fluxo d água. Assim o referido fluxo é canalizado em pequenas incisões no solo que podem erodir e evoluir para pequenos canais chamados de ravinas, e eventualmente, coalescer em canais maiores e mais profundos chamados de voçorocas (GUERRA, 2007). Outro efeito do processo citado, é que as cidades terminam por desenvolver temperaturas maiores do que as áreas circunvizinhas mais vegetadas. O ar destas regiões é aquecido pela radiação solar, pela combustão comercial e doméstica, pelo uso da eletricidade e mesmo pelo metabolismo dos habitantes, entre outros fatores. A massa de edifícios, asfalto e demais construções urbanas são 668

7 reservatórios de calor que provocam o aumento da temperatura, modificando a pressão atmosférica e a circulação do ar (PATUSSI, 2004). Segundo MOLION (2008), a estabilidade do clima da terra resulta do balanço entre o fluxo de raios de ondas curtas (ROC) absorvidos pelo planeta e fluxo de raios de ondas longas (ROL) emitido para o espaço (ROC = ROL), sendo assim o aquecimento do clima ocorre pela redução do albedo planetário (aumento do ROC) ou pela intensificação do efeito estufa (diminuição do ROL), sem esquecer a evaporação dos solos e da superfície da água somado a transpiração das plantas (evapotranspiração) que influencia no processo, amenizando o calor radiado na área, com isso a mudança da cobertura da superfície, de campos com vegetação para asfalto e concreto, reduz a evapotranspiração, sobrando assim calor para aquecer o ar próximo da superfície, aumentando a temperatura e adicionado ao calor liberado pelos veículos e pelos edifícios aquecidos forma o efeito de ilhas de calor que possibilita grandes variações de temperatura nos centros urbanos. 4.1 OCUPAÇÃO E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS NA ILHA DO MARANHÃO Para monitorar e analisar o aumento do uso e ocupação do solo na região, utilizamos o método de classificação não supervisionada do software Arc Gis 9.3, desta forma foi possível calcular o crescimento urbano e a consequente diminuição da vegetação na ilha. Nesse processo, foram utilizadas as imagens do satélite Landsat 5TM, com órbita/ponto 220/62 de 1992 e No caso específico da Ilha, foram utilizadas duas camadas - uma para identificar a área com vegetação e a outra para a identificação da área ocupada e solo exposto. Entende-se como área ocupada e solo exposto, a região antropizada sem vegetação influenciada pelo processo de urbanização, excluindo ambientes dunários e lacustres (Mapa 02). 669

8 Mapa 02: Comparativo de ocupação da Ilha do Maranhão Após anos de intensos processos de urbanização, resultado do crescimento dos grandes projetos econômicos, expansão imobiliária, aumento das ocupações desordenadas, exploração mineral e vegetal entre outros usos, ocasionou uma perda de vegetação de 25%, aproximadamente. Analisando o aumento de área ocupada e solo exposto da Ilha, São Luís foi o município com menor porcentagem dessa área (55%), tendo em vista que boa parte do seu território já havia sido ocupada ao longo dos seus 400 anos de existência. Essa demanda populacional estendeu-se para os outros municípios provocando crescimento desordenado. Como exemplo, pode ser citado o Paço do Lumiar que em 20 anos obteve o crescimento de área de ocupação e solo exposto equivalente a 380%, seguido por São José de Ribamar 160% e Raposa com crescimento de 60%. Tais informações podem ser comprovadas quando da análise das taxas de desflorestamento por município, com destaque para Paço do Lumiar que apresentou um significativo aumento em torno de 120%, em 8 anos, seguido de São Luís com mais de 60% de crescimento no mesmo período. Este processo ocupação deu origem a expansão da urbanização na localidade de estudo, funcionando em determinados casos como obstáculo a circulação dos ventos e brisas marítimas. Este sistema interfere na dinâmica natural do ambiente, além de estabelecer alterações na insolação, o que implica na geração de sombras e no aquecimento diferenciado da superfície. Desta maneira, a 670

9 urbanização, principalmente sem planejamento, altera a dinâmica da paisagem da área, a exemplo do microclima, uma vez que proporciona significativas interferências no comportamento de variáveis como a insolação, a temperatura, ventilação e umidade, entre outras. O estudo do Conforto Térmico, na perspectiva geográfica, está diretamente ligado às alterações no balanço de energia que ocorrem na cidade em virtude da substituição da paisagem primitiva do local pelos materiais constituintes da estrutura urbana, e que interferem nas variáveis climáticas do conforto humano (temperatura, umidade, radiação, ventos), procurando avaliar sob que condições termo-higrométricas o organismo humano encontra-se em equilíbrio com o meio (VICENTE, 2002, p.08). Devido aos elementos urbanos acrescentados à paisagem pelo homem, os valores mais elevados de temperatura do ar são, na maioria dos casos, registrados no Centro da cidade. Com menos vegetação que seus arredores, o centro acaba tendo uma menor umidade do ar em consequência da maior temperatura, que provoca área de baixa pressão, atraindo o ar da periferia para o centro intraurbano (MAPA 03). 671

10 Mapa 03: Comparativo da Temperatura da Ilha do Maranhão entre os anos de 1992 e Com a utilização da banda 6 do canal termal, do sensor do TM/Landsat-5 com resolução espacial de 120m, foi possível calcular o calor emitido em temperatura aparente de superfície. Desta forma comparando as imagens de 1992 e 2010, podemos perceber nitidamente a expansão das ilhas de calor, determinando o predomínio de temperaturas entre 33 e 37 em todos os municípios analisados. Este fenômeno pode ter sido gerado por fatores como a diminuição da vegetação, ocasionada pelo avanço do processo de urbanização que traz consigo o aumento de edificações, a partir da especulação imobiliária, além da ampliação da malha viária com as vias pavimentadas. Comparando os mapas, podemos connsiderar que a expansão da ocupação tanto em São Luís quanto nos demais municípios, direciona e influencia diretamente o microclima da região, formando ilhas de calor com altas temperaturas na zona urbana e rural. É preciso frisar o aumento da ocupação do solo, direcionada para o setor norte da Ilha, incoporando áreas de alto padrão e também em localidades tidas como periféricas, principalmente na zona rural de São José de Ribamar, São Luís e na zona urbana de Paço do Lumiar com a grande ampliação da concentração populacional em bairros como Maiobão e na própria capital maranhense como Santa Rosa, Parque Vitória, Cidade Olímpica, Janaína, Jardim América e outros. 672

11 5 CONSIDERAÇÕES A Ilha do Maranhão passou por intensas transformações nas últimas décadas, com os grandes investimentos apontados no estudo. Este sistema gerou grandes impactos ambientais a região como a perda de 25% da vegetação de toda a área, proporcionando o assoreamento de rios, elevação da temperatura e o aumento poluição nas praias por resíduos solídos e líquidos. A partir da retirada e do incremento de elementos na paisagem da área, houve a criação de um sistema de causa e efeito, onde podemos descrever as ações e os impactos gerados pelas atividades humanas seguindo estágios: A eliminação de grande parte da cobertura vegetal para estruturação das vias pavimentadas e moradias proporciona mudanças na geometria das encostas, aumentando sua declividade e desprotegendo as mesmas da ação direta de agentes climáticos, resultando no aumento da temperatura através da expansão de ilhas de calor por toda a região tanto área urbana como na rural; O aumento da malha viária corta e direciona os fluxos hídricos, gerando diferentes padrões de drenagem, as ruas passam então a canalizar e redirecionar o fluxo para setores diferentes diminuindo ou intensificando o escoamento superficial; Este sistema de retirada da vegetação e a ampliação de vias pavimentadas e edificações, impermeabiliza o solo, mudando sua dinâmica tanto na superficie quanto em profundidade, dificultando a infiltração da água assim como a circulação de ar no solo; Um cenário de preocupações e inquietações, de dimensão planetária, formou-se nas últimas décadas, em face das possíveis implicações, derivadas da relação ambiente/sociedade sobre a qualidade de vida humana num futuro próximo. Desta forma, entende-se que os resultados trazem a possibilidade de avaliação das ações e maior entendimento do sistema desigual de urbanização que modelamos. Os processos se manifestam em escala local, regional e global, gerando fenômenos de alta complexidade, que apontam importantes desafios à compreensão e gestão de variados problemas a eles associados. Os fenômenos aqui percebidos, apresentam questões que demandam melhor conhecimento de suas configurações geográficas, levando-se em conta a dinâmica da população e, ao mesmo tempo, das políticas públicas e das classes que tem o seu controle. 673

12 REFERÊNCIAS CUNHA, Sandra Batista & GUERRA, Antonio José Teixeira, (Orgs). Geomorfologia: Exercício, Técnicas e Aplicações. 2 Ed. Rio de Janeiro; Bertrand Brasil, FUJIMOTO, Nina Simone Vilaverde Moura. Alterações Ambientais na região metropolitana de Porto Alegre RS: um estudo geográfico com ênfase na geomorfologia urbana. in: NUNES, João Osvaldo Rodrigues; ROCHA, Paulo César. Geomorfologia: aplicação e metodologias. 1 ed. Expressão Popular: UNESP. Programa de Pós-Graduação em Geografia, GUERRA, Antonio José Teixeira & MARÇAL, Mônica dos Santos. Geomorfologia Ambiental. Rio Janeiro. Bertrand Brasil, GUERRA, Antonio Texeira; GUERRA, Antonio José Teixeira. Novo Dicionário Geologico Geomorfologico. 7ª edição. Rio de Janeiro. Bertrand Brasil, MASULLO, Yata Anderson Gonzaga. Alterações ambientais na dinâmica da paisagem da franja costeira de São Marcos São Luís MA. Monografia (Graduação em Geografia). Universidade Federal do Maranhão. São Luís, MASULLO, Yata Anderson Gonzaga et. Al. Desenvolvimento desigual e produção do espaço no município de São Luís MA. In: I Seminário Internacional Estado, Território e Desenvolvimento. Salvador, MOLION, Luiz Carlos B. Aquecimento Global: uma visão crítica. In: Revista Brasileira de Climatologia. Associação Brasileira de Climatologia (ABCLIMA). V.3/4, n.3, Presidente Prudente: ABCLIMA, PATUSSI, Vandenilson. et. Al. Análise do efeito da ilha de calor urbana e o comportamento dos ventos na área central de Santa Maria, RS. VI Simpósio de Brasileiro de Climatologia Geográfica Diversidades Geográficas. Sergipe SILVA, Quésia Duarte da. Dinâmica do processo de periferização em São Luís MA. Monografia de conclusão de curso. Universidade Federal do Maranhão. São Luís SANTOS, J.H.S. dos. Análise por geoprocessamento da ocupação na Franja Costeira ao Norte da Cidade de São Luís MA. Rio de Janeiro: IGEO/PPGG/UFRJ. 149 p (Dissertação de Mestrado). SAMAS ENGENHARIA AMBIENTAL. Plano de Controle Ambiental Reurbanização da Avenida Litorânea. São Luis, VICENTE, Andréa K. TOMMASELLI, José Tadeu Garcia. AMORIM, Margarete Cristiane de Costa Trindade. Aspectos do Conforto Térmico em Presidente Prudente SP. V Simpósio Brasileiro de Climatologia Geográfica Mudanças Globais e Especificidades Climáticas Regionais e Locais: Avanços e Desafios da Climatologia Contemporânea. Curitiba

GEOPROCESSAMENTO APLICADO A ANÁLISE DO AVANÇO DO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E SEUS IMPACTOS AMBIENTAIS NA ILHA DO MARANHÃO

GEOPROCESSAMENTO APLICADO A ANÁLISE DO AVANÇO DO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E SEUS IMPACTOS AMBIENTAIS NA ILHA DO MARANHÃO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 GEOPROCESSAMENTO APLICADO A ANÁLISE DO AVANÇO DO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E SEUS IMPACTOS AMBIENTAIS NA ILHA DO MARANHÃO Yata Anderson Gonzaga Masullo (*), José de Ribamar

Leia mais

ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS

ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS Roberto Epifânio Lessa beto.lessa.epifanio@hotmail.com /Bolsista FAPEAM Márcia Regina Albuquerque Alves marciaregina.geo@gmail.com /Bolsista

Leia mais

MODIFICAÇÕES AMBIENTAIS PROVOCADAS PELA URBANIZAÇÃO

MODIFICAÇÕES AMBIENTAIS PROVOCADAS PELA URBANIZAÇÃO MODIFICAÇÕES AMBIENTAIS PROVOCADAS PELA URBANIZAÇÃO Carmynie Barros e Xavier¹ ¹Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Leia mais

CONDICIONANTES SOCIOAMBIENTAIS PARA A OCORRÊNCIA DE CATÁSTROFES NATURAIS NO ESTADO DO MARANHÃO

CONDICIONANTES SOCIOAMBIENTAIS PARA A OCORRÊNCIA DE CATÁSTROFES NATURAIS NO ESTADO DO MARANHÃO CONDICIONANTES SOCIOAMBIENTAIS PARA A OCORRÊNCIA DE CATÁSTROFES NATURAIS NO ESTADO DO MARANHÃO Feitosa, A.C. (DEGEO/NEPA-UFMA/SÃO LUÍS) RESUMO Os elementos e as interações do meio físico sempre influenciaram

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula Urbanização em São Paulo Brasil Crise no Campo Estrutura Fundiária Mecanização Questões

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS ÁREAS VEGETADAS PARA A ANÁLISE DA TEMPERATURA DO AR: UM ESTUDO DE CASO DOS BAIRROS BENFICA E CENTRO, JUIZ DE FORA MG.

LEVANTAMENTO DAS ÁREAS VEGETADAS PARA A ANÁLISE DA TEMPERATURA DO AR: UM ESTUDO DE CASO DOS BAIRROS BENFICA E CENTRO, JUIZ DE FORA MG. LEVANTAMENTO DAS ÁREAS VEGETADAS PARA A ANÁLISE DA TEMPERATURA DO AR: UM ESTUDO DE CASO DOS BAIRROS BENFICA E CENTRO, JUIZ DE FORA MG. Resumo Débora Couto de Assis Universidade Federal de Juiz de Fora,

Leia mais

Palavras-Chave: Ilha de Calor Urbana; Meio Ambiente; Urbanização. 1. INTRODUÇÃO

Palavras-Chave: Ilha de Calor Urbana; Meio Ambiente; Urbanização. 1. INTRODUÇÃO ILHA DE CALOR URBANA Priscila Nunes 1 RESUMO: Uma das principais responsáveis pelas alterações do meio ambiente é a expansão urbana. As modificações provocadas nas características do solo se manifestam

Leia mais

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS DA NATUREZA

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS DA NATUREZA Clima urbano e qualidade socioambiental Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim João Lima Sant Anna Neto Este projeto tem como objetivo identificar como se processa a produção do clima urbano em cidades

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO PLANEJAMENTO URBANO UM OLHAR SOBRE AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM URBANA OCORRIDAS NO BAIRRO JABOTIANA, ARACAJU/SE.

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO PLANEJAMENTO URBANO UM OLHAR SOBRE AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM URBANA OCORRIDAS NO BAIRRO JABOTIANA, ARACAJU/SE. GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO PLANEJAMENTO URBANO UM OLHAR SOBRE AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM URBANA OCORRIDAS NO BAIRRO JABOTIANA, ARACAJU/SE. Rafael da Cruz 1, Anna Allice Souza Silva 2, Luana Pereira

Leia mais

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2 professor Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas:. Mapa conceitual sobre Água: Água no cotidiano - Módulo que são em três estados físicos A oferta de água - Módulo 2 é encontrada

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES.

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. Taynara Messias Pereira da Cunha Universidade Católica de Brasília, graduanda em Engenharia Ambiental. Com experiência em resíduos

Leia mais

PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA

PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA CLUSTER 8 Perspectivas da Geografia Urbana CLUSTER 6 Estruturas urbanas, Planejamento urbano,

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

FORMAÇÃO E MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO DO EFEITO DE ILHAS DE CALOR NA CAPITAL PARAIBANA

FORMAÇÃO E MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO DO EFEITO DE ILHAS DE CALOR NA CAPITAL PARAIBANA FORMAÇÃO E MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO DO EFEITO DE ILHAS DE CALOR NA CAPITAL PARAIBANA Rayhanne Maria de Araújo Jatobá ¹ Karoline Oliveira Ribeiro ² Rafaelle da Silva Souza ³ ¹ ² Escola Estadual João Goulart;

Leia mais

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO).

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). Maria de Lourdes Gomes Guimarães 1,3 ; Homero Lacerda 2,3 1 Voluntária de Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisador Orientador

Leia mais

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana.

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. NOME DOS AUTORES: Danilo Heitor Caires Tinoco Bisneto Melo. Formação: Bacharel em Geografia, pela Universidade

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES Estudante: Turma: Data: / / QUESTÃO 1 Analise o mapa

Leia mais

Intervenções Urbanas na Bacia Hidrográfica do Rio Imboaçu, São Gonçalo (Leste Metropolitano do Rio de Janeiro)

Intervenções Urbanas na Bacia Hidrográfica do Rio Imboaçu, São Gonçalo (Leste Metropolitano do Rio de Janeiro) Intervenções Urbanas na Bacia Hidrográfica do Rio Imboaçu, São Gonçalo (Leste Metropolitano do Rio de Janeiro) Virginia Amaralinda Calabrez Martins Graduanda em Geografia na Universidade Federal Fluminense,

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ BINS, Fernando Henrique²; TEIXEIRA, Laís³; TEIXEIRA, Marília 4 ; RIBEIRO, Mariana 5 1 Trabalho de pesquisa_unifra ² Acadêmico

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ ASPECTOS HIDROGEOMORFOLÓGICOS E SOCIOECONOMICOS DOS PONTOS ALAGÁVEIS DO CANAL JOSÉ LEAL MARTINS, BELÉM-PA.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ ASPECTOS HIDROGEOMORFOLÓGICOS E SOCIOECONOMICOS DOS PONTOS ALAGÁVEIS DO CANAL JOSÉ LEAL MARTINS, BELÉM-PA. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ ASPECTOS HIDROGEOMORFOLÓGICOS E SOCIOECONOMICOS DOS PONTOS ALAGÁVEIS DO CANAL JOSÉ LEAL MARTINS, BELÉM-PA. Rafaela Braga da Silva 11190002701 Roberta Pena Fortes 11035002801

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP e-mail: vi.unicamp2010@gmail.com ANÁLISE DOS CONFLITOS ENTRE ÁREAS DE USO E OCUPAÇÃO DOS SOLOS E ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA (SP). Viviane

Leia mais

Geomorfologia e Planejamento. Rosangela do Amaral Geógrafa, Pesquisadora Científica Instituto Geológico - SMA

Geomorfologia e Planejamento. Rosangela do Amaral Geógrafa, Pesquisadora Científica Instituto Geológico - SMA Geomorfologia e Planejamento Rosangela do Amaral Geógrafa, Pesquisadora Científica Instituto Geológico - SMA O que é a GEOMORFOLOGIA? Dolatimgeo=terra,morfo=forma,logos=estudo CiênciadaNaturezaqueestudaeexplicaasformasdaTerra.

Leia mais

ANÁLISE DE UNIDADES DE PAISAGEM NO JARDIM PAULISTA EM PRESIDENTE PRUDENTE SP

ANÁLISE DE UNIDADES DE PAISAGEM NO JARDIM PAULISTA EM PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 196 ANÁLISE DE UNIDADES DE PAISAGEM NO JARDIM PAULISTA EM PRESIDENTE PRUDENTE SP Elaine Cristina Barboza, Larissa

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ

Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ Stephanie Freitas Couto de Magalhães Samara Salamene Tom Adnet Moura Viviane Costa Elias

Leia mais

Figura 1: Localização da Praia de Panaquatira. Fonte: ZEE, Adaptado Souza, 2006.

Figura 1: Localização da Praia de Panaquatira. Fonte: ZEE, Adaptado Souza, 2006. CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLOGICA E PA COSTEIRA DE PANAQUATIRA, MUNICIPIO DE SÃO JOSÉ DE RIBAMAR-MA SOUZA, U.D.V¹ ¹NEPA/UFMA, e-mail: ulissesdenache@hotmail.com PEREIRA, M. R. O² ²UFMA, e-mail: mayrajany21@yahoo.com.br

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

BACIA HIDROGRÁFICA URBANIZADA: O CASO DO RIO IMBOAÇU SÃO GONÇALO (REGIÃO METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO)

BACIA HIDROGRÁFICA URBANIZADA: O CASO DO RIO IMBOAÇU SÃO GONÇALO (REGIÃO METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO) BACIA HIDROGRÁFICA URBANIZADA: O CASO DO RIO IMBOAÇU SÃO Martins, V.A. 1 ; Menezes, C.R. 2 ; Salgado, C.M. 3 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Email:viamaralinda@gmail.com; 2 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Leia mais

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E OS PROBLEMAS AMBIENTAIS OCASIONADOS POR INUNDAÇÕES URBANAS NO RIO MARANGUAPINHO: O BAIRRO HENRIQUE JORGE, FORTALEZA- CE.

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E OS PROBLEMAS AMBIENTAIS OCASIONADOS POR INUNDAÇÕES URBANAS NO RIO MARANGUAPINHO: O BAIRRO HENRIQUE JORGE, FORTALEZA- CE. A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E OS PROBLEMAS AMBIENTAIS OCASIONADOS POR INUNDAÇÕES URBANAS NO RIO MARANGUAPINHO: O BAIRRO HENRIQUE JORGE, FORTALEZA- CE. Karinne Wendy Santos de Menezes Universidade Estadual do

Leia mais

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves²

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² ¹Professor do Curso de Geografia da UnU Iporá. - UEG ² Bolsista PBIC/UEG, Acadêmico do

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL Maria Francisca Jesus Lírio Ramalho Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Geografia/Area Geomorfologia

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR Andreza

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

EVOLUÇÃO DO USO E DA OCUPAÇÃO DO SOLO EM APP NO MÉDIO CURSO DO RIO PREGUIÇAS BARREIRINHAS, MARANHÃO BRASIL

EVOLUÇÃO DO USO E DA OCUPAÇÃO DO SOLO EM APP NO MÉDIO CURSO DO RIO PREGUIÇAS BARREIRINHAS, MARANHÃO BRASIL EVOLUÇÃO DO USO E DA OCUPAÇÃO DO SOLO EM APP NO MÉDIO CURSO DO RIO PREGUIÇAS BARREIRINHAS, MARANHÃO BRASIL Passinho, D.C.S. (NEPA/UFMA) ; Pereira, P.R.M. (NEPA/UFMA) ; Souza, U.D.V. (NEPA/UFMA) ; Feitosa,

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ 1. INTRODUÇÃO Otacílio Lopes de Souza da Paz Acadêmico de Geografia UFPR otacílio.paz@gmail.com

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO E USO DO SOLO URBANO: ESTUDO DE CASO NA MICRO-BACIA CÓRREGO DO AVIÁRIO CURITIBA/PR

IMPERMEABILIZAÇÃO E USO DO SOLO URBANO: ESTUDO DE CASO NA MICRO-BACIA CÓRREGO DO AVIÁRIO CURITIBA/PR IMPERMEABILIZAÇÃO E USO DO SOLO URBANO: ESTUDO DE CASO NA Landolfi Teixeira de Carvalho, J.W. 1 ; de Oliveira, F. 2 ; 1 UFPR Email:ju_wlt@hotmail.com; 2 UFPR Email:foliveira@ufpr.br; RESUMO: O presente

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa Maria, RS.

Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa Maria, RS. !"$#% &' ()*+, -. /) /'0 1,2 ')3+0 /(' 45 06 ' 7 0 ' /(- /) 8 '( )* 9:; Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa

Leia mais

A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB.

A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB. A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB. Natan Gomes de Oliveira Graduando em Licenciatura plena do curso de Geografia UEPB/Guarabira/PB.

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA EXECUTIVA

Leia mais

Reflexos da extração de areia na morfologia do ribeirão dos Macacos-MG, entre 1989 e 2010

Reflexos da extração de areia na morfologia do ribeirão dos Macacos-MG, entre 1989 e 2010 Reflexos da extração de areia na morfologia do ribeirão dos Macacos-MG, entre 1989 e 2010 Carvalho, A. (PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA, IGC/UFMG) ; Raposo, A.A. (PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA,

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS.

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. CÁSSIO SILVEIRA BARUFFI(1) Acadêmico de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Católica

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR DA DEGRADAÇÃO POR MINERAÇÃO: O CASO DO MUNICÍPIO DE TIMON/MA

ESTUDO PRELIMINAR DA DEGRADAÇÃO POR MINERAÇÃO: O CASO DO MUNICÍPIO DE TIMON/MA 1 ESTUDO PRELIMINAR DA DEGRADAÇÃO POR MINERAÇÃO: O CASO DO MUNICÍPIO DE TIMON/MA MARQUES, Rafael José Graduando em Geografia Universidade Estadual do Piauí UESPI Técnico em Tecnologia Ambiental IFPI. (rafaeljmarques.geo@gmail.com)

Leia mais

4. TIPOLOGIAS DE INFRAESTRUTURA VERDE PARA A ESCALA LOCAL

4. TIPOLOGIAS DE INFRAESTRUTURA VERDE PARA A ESCALA LOCAL 141 4. TIPOLOGIAS DE INFRAESTRUTURA VERDE PARA A ESCALA LOCAL Este capítulo se destina a apresentação de algumas tipologias multifuncionais de infraestrutura verde que podem ser aplicadas à área de estudo

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP.

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. 213 PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. Bruno Magro Rodrigues 1, Ana Paula de Lima Costa 1, Marcos Norberto Boin 2. 1 Discente do curso de

Leia mais

Mesquita, M. 1 ; Silva Neto, J.C.A. 2 ; Aleixo, N.C.R. 3 ; Email:natachaaleixo@yahoo.com.br;

Mesquita, M. 1 ; Silva Neto, J.C.A. 2 ; Aleixo, N.C.R. 3 ; Email:natachaaleixo@yahoo.com.br; SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA APLICADAS À ANÁLISE DA Mesquita, M. 1 ; Silva Neto, J.C.A. 2 ; Aleixo, N.C.R. 3 ; 1 UEA Email:nsacj@hotmail.com; 2 UEA Email:joaokandido@yahoo.com.br; 3 UEA Email:natachaaleixo@yahoo.com.br;

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

MAPEANDO AS CONDIÇÕES DE ADOR

MAPEANDO AS CONDIÇÕES DE ADOR MAPEANDO AS CONDIÇÕES DE CONFORTO O TÉRMICO EM SALVADOR ADOR Tereza Moura (1) Jussana Nery (1) (1; 2) Telma Andrade Lutz Katzschner (3) INTRODUÇÃO Salvador possui 2.7 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

AS OBRAS DE MOBILIDADE URBANA PARA A COPA DE 2014 E AS ILHAS DE CALOR EM CUIABÁ/MT

AS OBRAS DE MOBILIDADE URBANA PARA A COPA DE 2014 E AS ILHAS DE CALOR EM CUIABÁ/MT AS OBRAS DE MOBILIDADE URBANA PARA A COPA DE 2014 E AS ILHAS DE CALOR EM CUIABÁ/MT INTRODUÇÃO Rafaelly Yasmine da Silva Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia/ UFMT yasmine_rafa@hotmail.com

Leia mais

Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Professor: Cláudio Custódio www.espacogeografia.com.br Estocolmo 1972 -Desenvolvimento zero X Desenvolvimento a qualquer custo. - Desenvolvimento sustentável - Crise do petróleo Rio 1992 - Agenda 21 -

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS E A ECOLOGIA DA PAISAGEM Por Antônio Francisco Evangelista de Souza

RECURSOS HÍDRICOS E A ECOLOGIA DA PAISAGEM Por Antônio Francisco Evangelista de Souza RECURSOS HÍDRICOS E A ECOLOGIA DA PAISAGEM Por Antônio Francisco Evangelista de Souza Introdução: A cidade é uma estrutura espacial, onde todos os elementos estão em constante interação. Em conseqüência

Leia mais

ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING.

ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING. ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING. RODRIGUES, Caroline Gomes 1, COSTA, Bruno Lopes ², CORREIA, Mariana Ribeiro³ 1 Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Projeto de Engenharia Ambiental Sensoriamento remoto e Sistema de Informação Geográfica Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Sensoriamento

Leia mais

MAPEAMENTO E AVALIÇÃO DAS PRINCIPAIS ÁREAS DE EXPANSÃO URBANA NA BACIA DO RIO MURIQUI, LESTE METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO (RJ)

MAPEAMENTO E AVALIÇÃO DAS PRINCIPAIS ÁREAS DE EXPANSÃO URBANA NA BACIA DO RIO MURIQUI, LESTE METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO (RJ) MAPEAMENTO E AVALIÇÃO DAS PRINCIPAIS ÁREAS DE EXPANSÃO URBANA NA BACIA DO RIO MURIQUI, LESTE METROPOLITANO DO RIO DE Silva, L.O. 1 ; Placido, D.T. 2 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Email:leugeo25@gmail.com;

Leia mais

ABSTRACT: The Suape region has received public and private investments, which allowed a

ABSTRACT: The Suape region has received public and private investments, which allowed a ANÁLISE ESPAÇO-TEMPORAL DOS IMPACTOS DO CRESCIMENTO URBANO-INDUSTRIAL NA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE DA REGIÃO DE SUAPE, CABO DE SANTO DE AGOSTINHO/IPOJUCA PE Jacicleide Ramos de Souza,¹² Ygor Cristiano

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS: O CASO DO NOVA ITUIUTABA II E IV.

IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS: O CASO DO NOVA ITUIUTABA II E IV. IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE Silva, J.V.F. 1 ; Miyazaki, L.C.P. 2 ; 1 UFU/FACIP Email:joaovictorfs14@yahoo.com; 2 UFU/FACIP Email:lecpgeo@gmail.com; RESUMO: O objetivo deste trabalho

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Atlas de saneamento Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Guido Mantega INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG)

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) Alan Cássio Campos 1 Julio Cezar Costa 1 Gabriel Pereira 1 E-mail: allancassiio@hotmail.com; juliocezar188@hotmail.com pereira@ufsj.edu.br

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

Bruno Rafael de Barros Pereira 1 Venerando Eustáquio Amaro 1,2 Arnóbio Silva de Souza 1 André Giskard Aquino 1 Dalton Rosemberg Valentim da Silva 1

Bruno Rafael de Barros Pereira 1 Venerando Eustáquio Amaro 1,2 Arnóbio Silva de Souza 1 André Giskard Aquino 1 Dalton Rosemberg Valentim da Silva 1 Análise de dados orbitais multitemporais para avaliação de linha de costa nas áreas adjacentes ao município de Areia Branca/RN, com enfoque na região próxima ao estuário do Rio Apodí-Mossoró. Bruno Rafael

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS.

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. Eixo Temático: Políticas públicas, demandas sociais e a questão

Leia mais

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca USO DE GEOTECNOLOGIAS APLICADO AO ESTUDO DA SUSCETIBILIDADE E ANÁLISE DE RISCO DE PROCESSOS EROSIVOS EM FAIXAS DE DOMÍNIO DE LINHAS FÉRREAS - SUBSÍDIO AOS PROCESSOS DE LICENCIAMENTO OPERACIONAL E AMBIENTAL

Leia mais

Geografia URBANIZAÇÃO BRASILEIRA

Geografia URBANIZAÇÃO BRASILEIRA Geografia URBANIZAÇÃO BRASILEIRA Observe os mapas e o gráfico. Cidades brasileiras conforme o número de habitantes (1950) Mário Yoshida Fonte: Atlas nacional do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2000. p.83

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS A PARTIR DO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS: O CASO DA IDENTIFICAÇÃO DAS ILHAS DE CALOR NO MUNÍCIPIO DE JOÃO PESSOA-PB

O ENSINO DE CIÊNCIAS A PARTIR DO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS: O CASO DA IDENTIFICAÇÃO DAS ILHAS DE CALOR NO MUNÍCIPIO DE JOÃO PESSOA-PB O ENSINO DE CIÊNCIAS A PARTIR DO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS: O CASO DA IDENTIFICAÇÃO DAS ILHAS DE CALOR NO MUNÍCIPIO DE JOÃO PESSOA-PB Karoline Oliveira Ribeiro¹ Rayhanne Maria de Araújo Jatobá² Rafaelle

Leia mais

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco Danilo Corsino de Queiróz Albuquerque¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹Graduando do 5º Período no Curso de Licenciatura em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE), E-mail:

Leia mais

GEOGRAFIA. c) quanto menores os valores de temperatura e pluviosidade, maior é a

GEOGRAFIA. c) quanto menores os valores de temperatura e pluviosidade, maior é a GEOGRAFIA QUESTÃO 17 A imagem abaixo retrata um dos agentes modeladores da supefície terrestre. Sobre a ação destes agentes externos sobre as rochas todas as afirmações são verdadeiras, EXCETO: a) a profundidade

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012 Análise dos Microclimas do Parque Farroupilha, Porto Alegre/RS Pedro Hasstenteufel 1, Izadora Flores Rech 2, Bruna Prades Bitencourt 3, Fernanda Saretta 4, Renata Dias Silveira 5 1 Porto Alegre (pedro_hass@hotmail.com)

Leia mais

ESTUDOS DE ILHA DE CALOR URBANA POR MEIO DE IMAGENS DO LANDSAT 7 ETM+: ESTUDO DE CASO EM SÃO CARLOS (SP)

ESTUDOS DE ILHA DE CALOR URBANA POR MEIO DE IMAGENS DO LANDSAT 7 ETM+: ESTUDO DE CASO EM SÃO CARLOS (SP) ESTUDOS DE ILHA DE CALOR URBANA POR MEIO DE IMAGENS DO LANDSAT 7 ETM+... 273 ESTUDOS DE ILHA DE CALOR URBANA POR MEIO DE IMAGENS DO LANDSAT 7 ETM+: ESTUDO DE CASO EM SÃO CARLOS (SP) Ricardo Victor Rodrigues

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

MAPEAMENTO E ANÁLISE DAS ÁREAS VERDES URBANAS COMO INDICADOR DA QUALIDADE AMBIENTAL DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL.

MAPEAMENTO E ANÁLISE DAS ÁREAS VERDES URBANAS COMO INDICADOR DA QUALIDADE AMBIENTAL DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL. Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 MAPEAMENTO E ANÁLISE DAS ÁREAS VERDES URBANAS COMO INDICADOR DA QUALIDADE AMBIENTAL DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL. Lorenza Virginio Senis (*), Alexandre Borges Miranda,

Leia mais

URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS.

URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS. URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS. O que é cidade? Segundo a ONU, aglomerado urbano concentrado com mais de 20 mil habitantes, com atividades no setorsecundário secundário

Leia mais

EVOLUÇÃO URBANA E PROVÁVEIS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS EM JACAREPAGUÁ/RJ

EVOLUÇÃO URBANA E PROVÁVEIS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS EM JACAREPAGUÁ/RJ EVOLUÇÃO URBANA E PROVÁVEIS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS EM JACAREPAGUÁ/RJ TAINÁ LAETA¹ 1 Graduanda em Geografia, Depto. Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro -RJ ANA MARIA P. MACEDO

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

O CRESCIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO/BRASIL E SUA RELAÇÃO COM O FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR

O CRESCIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO/BRASIL E SUA RELAÇÃO COM O FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR O CRESCIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO/BRASIL E SUA RELAÇÃO COM O FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR M.e Diego Tarley Ferreira Nascimento ¹; Dr. Ivanilton José de Oliveira ². ¹ Professor substituto da

Leia mais

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA O comportamento climático é determinado por processos de troca de energia e umidade que podem afetar o clima local, regional

Leia mais