A DENGUE E O AGIR MUNICIPAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A DENGUE E O AGIR MUNICIPAL"

Transcrição

1 A DENGUE E O AGIR MUNICIPAL

2 A DENGUE E O AGIR MUNICIPAL

3 Expediente Antônio Carlos Figueiredo Nardi Presidente Aparecida Linhares Pimenta Vice Presidente Alexandre José Mont Alverne Silva Vice Presidente Lucélia Borges de Abreu Ferreira Diretora Administrativa Paulo Faria do Vale Diretor Administrativo Adjunto Antonio Carlos de Oliveira Júnior Diretor Financeiro Marina Sidinéia Ricardo Martins Diretora Financeira Adjunto Celso Luiz Dellagiustina Diretor Comunicação Social Afonso Emerick Diretor Comunicação Social Adjunto Gustavo Couto Diretor de Descentralização e Regionalização Roseana Maria Barbosa Meira Diretor de Descentralização e Regionalização Adjunto Maria Adriana Moreira Diretor de Relações Institucionais e Parlamentares Fredson Pereira da Silva Diretor de Relações Institucionais e Parlamentares Adjunto Nilton Vale Cavalcante 1º Vice-Presidente Regional Região Norte José da Silva Monteiro 2º Vice-Presidente Regional Região Norte Suzana Cristina Silva Ribeiro 1º Vice-Presidente Regional Região Nordeste Murilo Porto de Andrade 2º Vice-Presidente Regional Região Nordeste Elizeth Lucia de Araujo 1º Vice-Presidente Regional Região Centro Oeste Andreia Fabiana dos Reis 2º Vice-Presidente Regional Região Centro Oeste Mauro Guimarães Junqueira 1º Vice-Presidente Regional Região Sudeste Luiz Carlos Reblin 2º Vice-Presidente Regional Região Sudeste Fábia Richter Antunes 1º Vice-Presidente Regional Região Sul Karina Kaucharisk 2 Vice-Presidente Regional Região Sul Romina Alves de Brito Conselho Fiscal 1º Membro Joseilson Camarra Silva Conselho Fiscal 1º Membro Suplente Maria do Horto Conselho Fiscal 2º Membro Irineu Passoldi Conselho Fiscal 2º Membro Suplente Raul Moreira Molina Barrios Conselho Fiscal 3º Membro Francisca Ederlinda Dias Conselho Fiscal 3º Membro Suplente Sueli das Graças Alves Pinto Conselho Fiscal 4º Membro Fábio Luis Alves Conselho Fiscal 4º Membro Suplente Frederico Marcondes Neto Conselho Fiscal 5º Membro Danuza Carneiro Colares Ciago Conselho Fiscal 5º Membro Suplente Claudiane Barreto Lamarão Sec. Extraordinária Atenção à Saúde/Norte Lílio Estrela de Sá Sec. Extraordinária Atenção à Saúde/Nordeste Gercilene Ferreira Sec. Extraordinária Atenção à Saúde/Centro Oeste Rubens Moulin Tannure Sec. Extraordinária Atenção à Saúde/Sudeste Marina Sidinéia Ricardo Martins Sec. Extraordinária Atenção à Saúde/Sul Gilmar Vedovoto Gervasio Sec. Extraordinária Desc., Regional. e Regulação/Norte Porcina dos Remédios G. Trigueiro Sec. Extraordinária Desc., Regional. e Regulação/ Nordeste Fátima Melim Mendes Sec. Extraordinária Desc., Regional. e Regulação/ Centro-Oeste Ademar Arthur Chioro dos Reis Sec. Extraordinária Desc., Regional. e Regulação/ Sudeste Tania Maria Aroceno Sec. Extraordinária Desc., Regional. e Regulação/Sul Isabel Maria de Lima Velasco Sec. Extraordinária Financiamento/Norte Josefa Petrucia Melo Morais Sec. Extraordianária Financiamento/Nordeste Zulene Ferreira Diniz Ferraz Sec. Extraordinária Financiamento/Centro-Oeste Gilson Urbano de Araújo Sec. Extraordinária Financiamento/Sudeste Jeronimo Paludo Sec. Extraordinária Financiamento/Sul Juliana Conceição Dias Garcez Sec. Extraordinária Gestão Trabalho e Educação/Norte Solane Maria Costa Sec. Extraordinária Gestão Trabalho e Educação/ Nordeste Ludmila de Queiroz Cozac Machado Sec. Extraordinária Gestão Trabalho e Educação/ Centro-Oeste Rodrigo Alves Torres Oliveira Sec. Extraordinária Gestão Trabalho e Educação/ Sudeste Margarete Menoncin Debértolis Sec. Extraordinária Gestão Trabalho e Educação/Sul Ildenave Mangueiro Trajano Sec. Extraordinária Prom. Vigilância em Saúde/Norte Maria Nelman de Azevedo Sec. Extraordinária Prom. Vigilância em Saúde/ Nordeste Maria Celia Vasconcelos Sec. Extraordinária Prom. Vigilância em Saúde/Sudeste Roberto Ruiz Sec. Extraordinária Prom. Vigilância em Saúde/Sul Maria Rosalia Muller Sec. Extraordinária Prom. Vigilância em Saúde/C. Oeste Ronaldo José Alves dos Reis Sec. Extraordinária Participação e Controle Social/ Norte

4 Willames Freire Bezerra Sec. Extraordinária Partic. e Contr. Social/Nordeste Jader Luiz Borges Correa Sec. Extraordinaria Partic e Contr, Social / Centro-Oeste Conceição Aparecida Pereira Rezende Sec. Extraordinária Partic. e Contr. Social/Sudeste Tarcisio Crócomo Sec. Extraordinária Partic. e Contr. Social/Sul Raimundo Gerson Silva Sec. Extraordinária Planej. e Programação/Norte Firmino da Silveira Soares Filho Sec. Extraordinária Planej. e Programação/Nordeste Maria Claudia Gelio M. M. Batista Sec. Extraordinária Planej. e Programação/C. Oeste Eunice Caldas de Figueiredo Dantas Sec. Extraordinária Planej. e Programação/Sudeste Haroldo Ferreira Sec. Extraordinária Planej. e Programação/Sul Percio Luis Favacho Inajosa Sec. Extraordinária Município Pequeno Porte/Norte Pedro Hermann Medeiro Sec. Extraordinária Município Pequeno Porte/Nordeste Jader Luiz Borges Correa Sec. Extraordinária Município Pequeno Porte/C. Oeste Andréia Passamani Barbosa Corteletti Sec. Extraordinária Município Pequeno Porte/Sudeste Paulo Ricarte de Paula Borges Sec. Extraordinária Município Pequeno Porte/Sul Sara Silva Medeiros Sec. Extraordinária Município Médio Porte/Norte Maria Cristina Sette Lima Sec. Extraordinária - Município Médio Porte/Nordeste Elenir T. Silva Neves de Carvalho Sec. Extraordinária Município Médio Porte/ C. Oeste Odilio Rodrigues Filho Sec. Extraordinária Município Médio Porte/ Sudeste Denise Liel Sec. Extraordinária Município Médio Porte / Sul Eduardo Alencar dos Santos Sec. Extraordinária Saúde Indígena/Norte Lindinalva Dantas dos Santos Sec. Extraordinária Saúde Indígena/Nordeste Nelson José Fernandes Sec. Extraordinária Saúde Indígena/Centro-Oeste Juliana Soneghet Louzada Sec. Extraordinária Saúde Indígena/Sudeste Kelen Carmo dos Santos Sec. Extraordinária Saúde Indígena/Sul Lisete Palma de Lima Sec. Extraordinária Mercosul Iolanda Pereira da Silva Sec. Extraordinária de Fronteiras Joseane Mota Bonfim Sec. Extraordinária de Acompanhamento do Pacto Alzane Adriano Scor Sec. Extraordinária Saúde Bucal Maria do Carmo Cabral Carpintero Sec. Extraordinária Saúde Mental Raimundo Alves Costa Sec. Extraordinária Amazônia Legal Eduardo Novaes Medrado Sec. Extraordinária Amazônia Legal Andreia Fabiana dos Reis Sec. Extraordinária Amazônia Legal Maria Juraci Andrade Dutra Sec. Extraordinária Direito Sanitário Maria da Conceição de Farias Rego Sec. Extraordinária Direito Sanitário Jorge Otavio Maia Barreto Sec. Extraordinária Ciência e Tecnologia Francisco Isaiais Sec. Extraordinária Assistência Farmacêutica Marcelo Gouveia Teixeira Sec. Extraordinária Capitais Eliana Chomatas Sec. Extraordinária Urgência e Emergência Raimundo Bezerra (em memória), Paulo Dantas, José Eri Medeiros, Armando Martinho Bardou Raggio, Gilson Cantarino O Dwyer, Edmundo Gallo, Gilberto Tanos Natalini, Neilton Araújo De Oliveira, Silvio Mendes De Oliveira Filho, Luiz Odorico Monteiro De Andrade, Silvio Fernandes Da Silva, Edmundo Costa Gomes, Helvécio Miranda Magalhães Junior Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde CONASEMS Esplanada dos Ministérios, Bloco G, Edifício Anexo, sala 144b Brasília/DF CEP: A DENGUE E O AGIR MUNICIPAL CONASEMS 2010 ORGANIZAÇÃO: Marcos da Silveira Franco EQUIPE DE ELABORAÇÃO: Antônio Carlos Figueiredo Nardi Secretário Municipal de Saúde de Maringá Gustavo de Azevedo Couto Secretário de Saúde do Recife Marcelo Teixeira Secretário Municipal de Saúde de Belo Horizonte Gerson Penna Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Giovanini Evelim Coelho Coordenador do PNCD SVS/MS Fabiano Pimenta Secretário Adjunto de Belo Horizonte Rosangela Treichel Saenz Surita Diretora Vigilância em Saúde de Maringá Mariângela Félix Vecchi Gerente da Vigilância Ambiental de Maringá Udelisses Janete Veltrini Fonzar Gerente Vigilância Epidemiológica de Maringá Luciana Albuquerque Assessoria do Gabinete Secretaria de Saúde do Recife Otoniel Barros Vigilância Ambiental SMS Recife Marcos da Silveira Franco Assessor Técnico Conasems CONTEÚDO: Apresentação A ação municipal e a dengue Introdução Pressupostos Breve contexto A experiência de Belo A missão municipal Horizonte Os desafios para os A experiência de Vitória gestores A experiência do Recife municipais de saúde A experiência de Maringá Os desafios para a O diagnóstico situacional administração municipal da dengue nos municípios Desafios políticos dos CGR, brasileiros COSEMS E CONASEMS A DENGUE E O AGIR MUNICIPAL

5 Apresentação 1. Introdução 2. Pressupostos Breve contexto Experiências municipais 26 a) A experiência de Belo Horizonte MG 26 b) A experiência de Vitória ES 38 c) A experiência do Recife PE 45 d) A experiência de Maringá PR 52

6 Sumário 5. Diagnóstico situacional da dengue nos municípios brasileiros 6. A missão municipal Desafios para os gestores municipais de saúde 8. Desafios para a administração municipal Desafios políticos dos CGR, COSEMS E CONASEMS 71

7 Apresentação O Conasems apresenta aos secretários municipais de saúde de todo o país o caderno de A DENGUE E O AGIR MUNICIPAL Trata-se de uma série de artigos e reflexões que demonstram desde a necessidade até a operacionalização das ações de enfrentamento na infestação do Aedes, como as ações de vigilância em saúde, as ações assistências, a formulação das linhas de cuidado, a organização da atenção ao paciente suspeito e as relações interfederativas necessárias para uma adequada resposta, sempre sobre a perspectiva municipal. A proposta é demonstrar a importância do município nesta tarefa, descrevendo as experiências criativas e responsáveis que tem sido aplicada em diversas realidades diferentes. Esperamos mobilizar a gestão municipal e contribuir para uma melhor organização dos serviços e setores municipais. Esta proposta não elimina a necessidade de compreender, refletir e aplicar as DIRETRIZES NACIONAIS PARA A PREVENÇÃO E CONTROLE DE DENGUE, pelo contrário, demonstra como os municípios estão operacionalizando esta regulamentação do SUS de formulada de forma tripartite. Estas diretrizes formulam entre outras questões os papeis e responsabilidade que todos os serviços municipais necessitam assumir. Fica evidente que quanto maior o município, maior os custos deste enfrentamento, dado as dimensões sociais e ambientais que favorecem a ampliação e gravidade deste agravo, e mesmos nos pequenos municípios a questão do financiamento atual necessita uma urgente revisão pela insuficiência e relações regulamentares administrativas municipais como a lei de responsabilidade fiscal. Outra demanda não menos importante é a visão de que este enfrentamento não se dá de forma eficiente e eficaz apenas com ações do setor saúde, necessitando um papel de liderança do prefeito e de lideranças comunitárias, sem as quais são frequentemente frustradas estas iniciativas de controle. Em relação à dengue não existe o controle absoluto. O controle deve ser permanente, preventivo e contínuo, mesmo nos municípios nos quais este agravo não tenham se manifestado. Esperamos assim colaborar com o SUS para que se possa garantir uma resposta global e responsável deste agravo que muito prejuízo causa a sociedade brasileira. Antonio Carlos Figueiredo Nardi Presidente do Conasems 6

8 A dengue e o agir municipal Esta Coletânea do Conasems evidencia os vários desafios que o SUS ainda enfrenta para operar e dar efetividade às ações de prevenção e controle da dengue, o que não poderia ser diferente, visto que não conseguiríamos impactar sem deflagrar ações com três características muito importantes: intersetorialidade, integração e participação social. Lages com água, acúmulo de lixo, entulhos, terrenos baldios são problemas inerentes à intervenção de vários setores agindo articuladamente. De outro lado, dentro do setor saúde, as ações da vigilância, da assistência ao paciente, da regulação, do planejamento, da gestão do trabalho devem se dar de forma integrada pela necessidade de oportunidade da intervenção. Todas estas ações encontram um terreno muito fértil no território, se a população está emponderada das estratégias para enfrentamento do problema. Uma Gestão Participativa fomentando a consolidação de Políticas Integradas que consigam dialogar intersetorialmente visando à construção de cidade que construa um novo padrão de convívio e defesa da vida eis o maior desafio! Neste sentido, é importante ressaltar que esta cidade é possível e sustentável, na medida em que o pacto interfederativo é cumprido pelos três níveis de gestão do SUS, tanto no que se refere às suas atribuições, quanto no repasse de recursos. A Vigilância à Saúde deve aparecer como o carro chefe na proposta de redefinição de práticas sanitárias para a consolidação de um Novo Modelo de Atenção à Saúde, orientando as ações no território, no sentido da intervenção sobre os riscos/determinantes da doença e da articulação das ações assistenciais e da vigilância. Nesta edição vamos encontrar algumas experiências que podem servir de modelo para prevenção e controle da dengue, adequando-as, claro, ao contexto social, político e de saúde de cada realidade. Aproveitem! Gustavo de Azevedo Couto Secretário de Saúde do Recife Coordenador Político do Núcleo de Promoção e Vigilâncias 7

9 1. Introdução A dengue encontra facilidade de ampliação de sua situação epidemiológica por um gradativo aumento das condições ecológicas que favorecem o desenvolvimento do Aedes em todas as regiões brasileiras. O aquecimento global, a urbanização da população e o aumento do consumo, quer pela industrialização crescente, quer pelo modo de vida onde os descartáveis passam a ter papel preponderante no consumo, são situações nas quais se observa o crescimento dos fatores de risco que favorecem a infestação do Aedes. O processo de urbanização cria demandas nos aglomerados populacionais que favorecem a disseminação viral e onde o saneamento está sempre aquém da necessidade. No caso do abastecimento de água, por exemplo, a intermitência do seu fornecimento gera uma cultura de construção de reservatórios domiciliares para adequação desta necessidade básica. No Brasil, as instituições responsáveis por este serviço utilizam de um hábito cultural de que cada casa deve ter uma caixa d água ou cacimba para se eximir da construção de reservatórios regionais em territórios urbanos que sejam suficientes para esta eliminação. Colaboram para esta questão a crescente demanda por água e o cada vez mais escasso acesso à este produto pelo qual não temos tido a responsabilidade suficiente de preservação. Outra questão cultural construída quer pela prepotência de que programas verticais quer pela mídia despreparada ou mesmo por utilização política indevida, reputa ao setor saúde a plena e única responsabilidade pela eliminação do Aedes, excluindo a responsabilidade individual e coletiva, comunitária e de outros setores da sociedade por este necessário enfrentamento. Isto nos faz crer que não mais será possível biologicamente eliminar o Aedes do meio ambiente, nem no Brasil e nem em nenhum lugar do planeta, pelo menos não com a tecnologia disponível atualmente. Quando pensamos na responsabilidade do enfrentamento da dengue, a missão do município também não se restringe à saúde, mas determina que este setor lidere tecnicamente esta mobilização que deve ser assumida politicamente por toda a administração municipal, desde a viabilização do empoderamento das comunidades nesta missão, até o poder e a necessidade de regulamentações que incorpore posturas públicas defensivas à infestação. Há uma diversidade de situações entomológicas, de condições de infestação do Aedes, de condições ecológicas, de situação imunológica da população, de variedade de agravos advindos pelas diferentes tipologias virais da dengue e de condições administrativas municipais que se torna praticamente impossível estratégias semelhantes nos diversos municípios, exigindo dos gestores uma capacidade de avaliar e conduzir este enfrentamento que o coloca como um dos maiores desafios públicos. O Conasems considera esta questão uma das prioridades e pondera que um sucesso neste enfrentamento só poderá ocorrer se houver um sinergismo entre todos os entes federados e os diferentes setores da sociedade. Este caderno visa instrumentalizar o gestor municipal da saúde para que possa refletir e organizar melhor seu município nesta formulação. 8

10 2. Pressupostos Responsabilidades municipais A Constituição em seu artigo 30 atribui as seguintes competências aos municípios: V organizar e prestar, diretamente ou sob regime de concessão ou permissão, os serviços públicos de interesse local, incluído o de transporte coletivo, que tem caráter essencial; VII prestar, com a cooperação técnica e financeira da União e do Estado, serviços de atendimento à saúde da população; VIII promover, no que couber, adequado ordenamento territorial, mediante planejamento e controle do uso, do parcelamento e da ocupação do solo urbano. Considerando a dimensão das ações contra a dengue, podemos considerá-la uma responsabilidade que passa pelos de serviços públicos como a coleta de lixo, abastecimento de água, limpeza urbana, atenção e promoção da saúde e regulação das posturas municipais quanto ao uso do território e das construções, entre outras. 9

11 A lei 8080 cita alguns determinantes e condicionantes da saúde e suas responsabilidades: Art. 2º A saúde é um direito fundamental do ser humano, devendo o Estado prover as condições indispensáveis ao seu pleno exercício. 1º O dever do Estado de garantir a saúde consiste na formulação e execução de políticas econômicas e sociais que visem à redução de riscos de doenças e de outros agravos e no estabelecimento de condições que assegurem acesso universal e igualitário às ações e aos serviços para a sua promoção, proteção e recuperação. 2º O dever do Estado não exclui o das pessoas, da família, das empresas e da sociedade. Art. 3º A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes, entre outros, a alimentação, a moradia, o saneamento básico, o meio ambiente, o trabalho, a renda, a educação, o transporte, o lazer e o acesso aos bens e serviços essenciais; os níveis de saúde da população expressam a organização social e econômica do País. Ao lermos estes regulamentos básicos parece que o foram instituídos visando o enfrentamento da dengue, tal a clareza de determinações que nos conduz. Portanto, podemos afirmar que os regulamentos explicitados em portaria quando definem as NOVAS DIRETRIZES DA DENGUE pactuadas em julho de 2009 são uma aproximação vigorosa às determinações jurídica maiores da Constituição e Lei Orgânica da Saúde. A responsabilidade dos municípios expressas nas novas diretrizes não são, portanto uma abstração momentânea de governo, mas uma necessidade de construção do estado brasileiro, não facultativo em nenhuma hipótese. Agora, resta sedimentar as diferentes responsabilidades de cada esfera, implementando a mais deficiente delas que é o financiamento tripartite para que seja suficiente à uma adequada resposta à esta ameaça biológica de amplitude grave, sabendo que neste sentido se o município ainda precisa aprimorar esta ação na perspectiva intersetorial e técnica, por outro lado tem sido o maior financiador destas ações. Há que se buscar uma equidade destas necessidades. 10

12 Integralidades A integralidade é um conceito ainda em formulação no ambiente acadêmico brasileiro, entretanto no SUS existem expressões de sua regulamentação que são usadas para a organização dos serviços de saúde e da relação interfederativa. Neste sentido, explicitamos aqui, na lógica do enfrentamento da dengue, o que se entende como pressuposto para o desenvolvimento desta missão na perspectiva municipal atualmente. A Constituição norteia este entendimento em seu artigo 198: Art As ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um sistema único, organizado de acordo com as seguintes diretrizes: I descentralização, com direção única em cada esfera de governo; II atendimento integral, com prioridade para as atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços assistenciais; III participação da comunidade. A lei 8080/90 apresenta a integração das diversas áreas e serviços de saúde na formulação da atenção à saúde como uma determinação, expresso em seu artigo 5º. Art. 5º São objetivos do Sistema Único de Saúde SUS: I a identificação e divulgação dos fatores condicionantes e determinantes da saúde; II a formulação de política de saúde destinada a promover, nos campos econômico e social, a observância do disposto no 1º do art. 2º desta lei; III a assistência às pessoas por intermédio de ações de promoção, proteção e recuperação da saúde, com a realização integrada das ações assistenciais e das atividades preventivas. Esta lei ainda define entre os princípios do SUS em seu artigo 7º: Art. 7º As ações e serviços públicos de saúde e os serviços privados contratados ou conveniados que integram o Sistema Único de Saúde (SUS), são desenvolvidos de acordo com as diretrizes previstas no art. 198 da Constituição Federal, obedecendo ainda aos seguintes princípios: II integralidade de assistência, entendida como conjunto articulado e contínuo das ações e serviços preventivos e curativos, individuais e coletivos, exigidos para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema; A portaria 3252/09 que estabelece diretrizes para a execução e financiamento das ações de vigilância em saúde no âmbito do SUS, dedica um capítulo exclusivamente para contextualizar e estabelecer diretrizes sobre a integralidade Art. 1º A Vigilância em Saúde tem como objetivo a análise permanente da situação de saúde da população, articulando-se num conjunto de ações que se destinam a controlar determinantes, riscos e danos à saúde de populações que vivem em determinados territórios, garantindo a integralidade da atenção, o que inclui tanto a abordagem individual como coletiva dos problemas de saúde. 11

13 Da Integralidade Art. 4º A Vigilância em Saúde, visando à integralidade do cuidado, deve inserir-se na construção das redes de atenção à saúde, coordenadas pela Atenção Primária à Saúde. 1º As redes de atenção à saúde consistem em estruturas integradas de provisão de ações e serviços de saúde institucionalizados pela política pública, em um determinado espaço regional, a partir do trabalho coletivamente planejado e do aprofundamento das relações de interdependência entre os atores envolvidos. 2º A integralidade é compreendida como a garantia de acesso a todos os serviços indispensáveis para as necessidades de saúde, adequando a competência dos profissionais ao quadro epidemiológico, histórico e social da comunidade e do usuário. Art. 5º A integração entre a Vigilância em Saúde e a Atenção Primária à Saúde é condição obrigatória para construção da integralidade na atenção e para o alcance de resultados, com desenvolvimento de um processo de trabalho condizente com a realidade local, que preserve as especificidades dos setores e compartilhe suas tecnologias, tendo por diretrizes: I compatibilização dos territórios de atuação das equipes, com a gradativa inserção das ações de Vigilância em Saúde nas práticas das equipes de Saúde da Família; II planejamento e programação integrados das ações individuais e coletivas; III monitoramento e avaliação integrada; IV reestruturação dos processos de trabalho com a utilização de dispositivos e metodologias que favoreçam a integração da vigilância, prevenção, proteção, promoção e atenção à saúde, tais como linhas de cuidado, clínica ampliada, apoio matricial, projetos terapêuticos, protocolos e entre outros; e V educação permanente dos profissionais de saúde, com abordagem integrada nos eixos da clínica, vigilância, promoção e gestão. Art. 6º As ações de Vigilância em Saúde, incluindo a promoção da saúde, devem estar inseridas no cotidiano das equipes de Atenção Primária/Saúde da Família, com atribuições e responsabilidades definidas em território único de atuação, integrando os processos de trabalho, planejamento, programação, monitoramento e avaliação dessas ações. 1º As atividades dos Agentes Comunitários de Saúde ACS e dos Agentes de Combate a Endemias ACE, ou agentes que desempenham essas atividades mas com outras denominações, serão desempenhadas de forma integrada e complementar. 2º Para fortalecer a inserção das ações de vigilância e promoção da saúde na Atenção Primária à Saúde, recomenda-se a incorporação gradativa dos ACE ou dos agentes que desempenham essas atividades mas com outras denominações, nas equipes de Saúde da Família, cuja disciplina será realizada por meio de ato normativo específico, no prazo de 60 (sessenta) dias após a publicação desta Portaria. O que os gestores devem observar é que não é uma condição opcional a necessidade de integração dos serviços e o desenvolvimento da integralidade, com revisão dos processos de 12

14 trabalhos das equipes locais. Regulamentada desde a constituição, lei orgânica e portarias estas questões são obrigatórias. Nossos serviços ainda carecem de uma compreensão de que não se pode responder a situações como esta sem um planejamento integrado, com reavaliação de seus papeis, sem minimizar as responsabilidades já formuladas anteriormente, mas ampliando estas responsabilidades em direção à um modelo de atenção que se aproxime do constitucional. Esta tarefa não é fácil e o gestor municipal aparece como o principal protagonista nesta reformulação que se fará com a participação dos trabalhadores em saúde. Art. 9º Na busca da integralidade deve-se promover a articulação de atores e políticas sociais no planejamento e execução de ações intersetoriais. Parágrafo único. Na região de saúde, a pactuação de ações de vigilância e promoção da saúde e a articulação intersetorial devem ocorrer no âmbito dos Colegiados de Gestão Regional CGR. Art. 10. A organização e qualificação das redes de Atenção à Saúde, objetivando a integralidade do cuidado, demandam a implementação de apoio matricial para a gestão do trabalho em saúde, como meio de assegurar retaguarda especializada e suporte técnico-pedagógico a equipes e profissionais de saúde, para o aumento da capacidade de intervenção e resolutividade. Parágrafo único. O apoio matricial em Vigilância em Saúde deve ser operacionalizado de modo a promover um planejamento que considere a soma das tecnologias da Vigilância em Saúde e a reformulação dos processos de trabalho. Nestes artigos da portaria 3252/09 ressalta-se a importância da compreensão de que a integralidade é uma busca tanto na produção do trabalho em saúde como na articulação entre os diversos setores devem ser uma busca permanente de viabilização e aprimoramento na organização municipal. Não se concebe mais estruturas estanques e compartimentalizadas a expressar um planejamento apenas setorizado. A nova vigilância em saúde preconiza uma imagem objetiva de corresponsabilização e capacidade responsiva que determine um serviço público que colabore de forma competente para construção de uma sociedade sustentável e saudável. 13

15 Relação interfederativa A dengue é um importante indicador da necessidade de que o município não consegue atender todas as suas demandas em saúde somente em seu território, sendo importante o relacionamento tanto com outros municípios com o estado. Tanto as portarias do Pacto pela Saúde como a 3252 determinam que deva haver a construção de mecanismos cada vez mais eficientes para garantir uma resposta regional competente. O gestor municipal passa a ter uma competência externa aos limites municipais quando é empoderado da responsabilidade de pactuar regionalmente ações e investimentos. O Colegiado de Gestão Regional é o foro no qual estas pactuações se operacionalizam. A experiência dos municípios dos quais os gestores se dedicam a participar e formular com responsabilidade este planejamento regional tem se mostrado muito mais competentes em suas tarefas de enfrentar a dengue. Isto facilita a formulação das atribuições, mesmo difíceis, são mais bem divididas e a busca de apoio mútuo tem sido mais viável. Cada CGR tem suas características próprias pois refletem a realidade da região, tanto política, sociais, como de gradiente e estrutura de saúde, o que exige do gestor uma capacidade de flexibilizar saberes que só se viabilizam com a ciência da prática e não apenas dos regulamentos de sua institucionalização. A troca de experiência entre os municípios da região é um dos grandes pilares de que favorecem uma melhoria de nossa competência contra a dengue. 14

16 Rede Entendemos a Rede como a expressão regional da organização dos serviços de saúde de forma a contemplar as atribuições frente a necessidade de atenção à dengue. Neste caso, ela incorpora desde serviços de assistência, diagnóstico, tratamentos necessários em todo e qualquer grau de incorporação tecnológica, além das ações e programas de controle de vetores, de vigilância em saúde. A regulação desta rede para serviços de referência regional deve ser pactuada e com participação dos gestores desde a sua gestão até a formulação de protocolos regionais de acesso e condutas responsivas. Linhas de cuidado No caso da dengue, as linhas de cuidado que compõem a rede regional deve considerar toda a dimensão de necessidades apontadas para todos e cada um dos pacientes desde sua suspeita até a um eventual tratamento em unidade de tratamento intensiva. O gestor municipal não deve se furtar da responsabilidade desta formulação antes de uma eventual epidemia, pois durante um episódio epidêmico os danos serão maiores. Não pode haver nenhum serviço de saúde municipal que não saiba qual o seu papel na linha de cuidado da dengue, e que não esteja organizado para esta atenção. Em cada serviço de saúde, e em especial nos serviços de atenção básica, seja ou não de saúde da família, estas linhas de cuidado devem ser bem conhecidas e organizadas, facilitando o acesso inclusive com a classificação de risco de cada usuário, fornecendo o cartão de atendimento de dengue, preconizado pelas DIRETRIZES. Atenção básica Os primeiros cuidados em saúde estão presentes em todos os municípios, quer estejam organizados como Atenção Básica pela Estratégia de Saúde da Família, ou pelo Programa de Agentes Comunitários de Saúde ou por outra forma de se organizar a Atenção Primária em Saúde. Isto quer dizer que todos necessitam compreender o papel de principal porta de entrada e gestão de cuidados para os casos suspeitos ou confirmados de dengue. Preconizamos uma atenção básica capaz de formular um projeto de intervenção no território pelo qual se responsabiliza e que considere as ações de vigilância em saúde, assistência e mobilização da comunidade. A Atenção Básica deve ser capacitada para esta formulação que não é fácil e ainda é muito carente desta compreensão. Está claro que não se prescinde das ações específicas de áreas como de controle de vetores e vigilância em saúde. Não se preconiza aqui a minimização destes serviços existentes, mas pelo contrario, apontamos para a construção de um apoio 15

17 destes serviços à atenção básica ( apoio matricial) e uma integração que vise a reformulação dos processos de trabalho e planejamento territorial sob sua responsabilidade. Gestão de pessoas Talvez esta seja uma das maiores dificuldades da gestão pública. No caso da dengue os trabalhadores que estão envolvidos acabam sendo a maioria dos funcionários da saúde municipal. O gestor deve se preocupar neste sentido quanto a necessidade de aprimoramento da capacidade de que cada um destes trabalhadores necessitam para que os serviços possam desenvolver as suas atribuições. Não são cursos pensados centralizadamente que podem reverter uma situação de deficiência, pois há que se considerarem as necessidades individuais desta melhoria de capacidade de enfrentamento da dengue, assim, preconizamos os mecanismos previstos pela educação permanente em saúde. Outra dimensão desta questão se refere ao vínculo dos trabalhadores que executam esta tarefa. Não se concebe mais qualquer relação trabalhista frágil que exponha o trabalhador e de forma indireta até mesmo o gestor. O Conasems recomenda que os gestores municipais sejam zelosos na eliminação de qualquer vínculo precário destes trabalhadores. Uma boa condição de apoio para a execução das tarefas e um vínculo estável garante que as ações e as metas preconizadas pela gestão municipal sejam possíveis. Esta é uma condição em construção no país atualmente. 16

18 Gestão dos recursos Na perspectiva da dengue os recursos necessários para o seu controle em sido fundamental a participação dos municípios. Os recursos federais destinados à isto são importantes mas insuficientes. São poucos os estados que cofinanciam ações municipais de controle da dengue. Os recursos federais repassados sob a égide do bloco financeiro da vigilância em saúde podem ser utilizados em qualquer ação de vigilância em saúde, incluindo a dengue. Esta flexibilização, ainda que não plena, ajuda o município a trabalhar o prioritário, como por exemplo, a destinação plena na vigência de uma epidemia. A portaria 204/07 explicita ainda as situações nas quais somente os recursos municipais poderiam ser alocados pelas restrições impostas aos recursos federais. Muitos gestores preferem acumular estes repasses federais para um eventual investimento maior em equipamento. Embora alguns auditores do Denasus não concordem a atual regulamentação da aplicação dos recursos federais permitem investimentos: Art. 6º Os recursos referentes a cada bloco de financiamento devem ser aplicados nas ações e serviços de saúde relacionados ao próprio bloco. 1º Aos recursos relativos às unidades públicas próprias não se aplicam as restrições previstas no caput deste artigo. 2º Os recursos referentes aos blocos da Atenção Básica, Atenção de Média e Alta Complexidade Ambulatorial e Hospitalar, Vigilância em Saúde e de Gestão do SUS, devem ser utilizados considerando que fica vedada a utilização desse para pagamento de: I servidores inativos; II servidores ativos, exceto aqueles contratados exclusivamente para desempenhar funções relacionadas aos serviços relativos ao respectivo bloco, previstos no respectivo Plano de Saúde; III gratificação de função de cargos comissionados, exceto aqueles diretamente ligados às funções relacionadas aos serviços relativos ao respectivo bloco, previstos no respectivo Plano de Saúde; IV pagamento de assessorias/consultorias prestadas por servidores públicos pertencentes ao quadro do próprio município ou do estado; e V obras de construções novas, exceto as que se referem a reformas e adequações de imóveis já existentes, utilizados para a realização de ações e/ou serviços de saúde. 3º Os recursos do bloco de financiamento da Assistência Farmacêutica devem ser aplicados, exclusivamente, nas ações definidas para cada componente do bloco. De uma maneira geral observamos vários municípios com dificuldade de aplicação dos recursos do bloco de vigilância em saúde, ou por desconhecer os regulamentos da 204 ou por supervisão, auditorias e orientações inadequadas que, no anseio de preservar as responsabilidades programáticas exigem a aplicação segmentada, maximizando a aplicação financeira em detrimento do alcance de metas pactuadas no município. 17

19 Os recursos do bloco não são conveniais e sim de repasses fundo a fundo justamente para que a capacidade de planejamento possa priorizar projetos adequados à realidade local construídos com a participação dos trabalhadores e dos usuários. Não há nenhuma exigência de que 70% dos recursos do bloco de vigilância em saúde sejam destinados ao controle da dengue. Entretanto, isto não diminui a responsabilidade da gestão municipal frente a necessidade de enfrentar este agravo. O Conasems considera importante a já pactuada e comprometida revisão do financiamento do bloco de vigilância em saúde e não implementada. A portaria 3252/09 reorganiza a vigilância em saúde onde se inclui as ações para o enfrentamento da dengue e aponta para uma maior integração com a Atenção Básica na construção de um modelo de atenção em consonância com o preconizado na Constituição e na Lei Orgânica. Preconiza a mudança de um modelo curativo para um modelo que priorize a promoção e prevenção da saúde e não apenas curativo. Hoje este financiamento prioriza as ações curativas e de especialidades. Ora, quem de fato quer esta mudança de modelo deve financiá-lo de forma adequada. 18

20 3. Breve contexto Introdução A dengue é hoje a arbovirose mais importante do mundo. Cerca de 2,5 bilhões de pessoas encontram-se sob risco de se infectarem, particularmente em países tropicais onde a temperatura e a umidade favorecem a proliferação do vetor. Entre as doenças reemergentes é a que se constitui em problema mais grave de saúde pública (Tauil, 2002). Fatores de risco para a dengue e dengue hemorrágica A dinâmica da transmissão do vírus da dengue é determinada pela interação do meio ambiente, do agente, da população de hospedeiros e do vetor, existentes num determinado habitat. A magnitude e a intensidade de tal interação definirão a transmissão do vírus da dengue numa determinada comunidade, região ou país. Esses componentes podem ser classificados como macro e microdeterminantes. Entre os fatores macrodeterminantes da transmissão incluem-se as áreas geográficas em que o vetor se desenvolve e os contatos com a população hospedeira, assim como a altitude é fator limitante no desenvolvimento do vetor e do vírus. Em pequenas altitudes, a temperatura, a umidade e a precipitação média anual afetam a sobrevivência e a reprodução do vetor, da mesma maneira que a temperatura afeta a replicação do vírus no vetor. Esses parâmetros geográficos e climáticos podem ser utilizados para estratificar as áreas em que se espera que a transmissão seja endêmica, epidêmica ou esporádica. Também são identificados vários determinantes sociais da transmissão do vírus da dengue, como altas densidades populacionais e urbanizações não planejadas. A disponibilidade de serviços públicos, como o abastecimento contínuo e regular de água, assim como a coleta e a disposição final adequada de resíduos sólidos, também influenciam na densidade do vetor e no risco de transmissão (OPS, 1995). No que se refere aos microdeterminantes, dentre as categorias reconhecidas de fatores de risco de transmissão, merecem destaque alguns aspectos como a suscetibilidade humana, que interfere na ocorrência, ou não, de casos autóctones de dengue, assim como o número de casos. Um fator associado ao agente da doença que influencia a transmissão é o nível de viremia, considerando-se que uma pessoa com alta taxa de viremia pode infectar a totalidade ou maioria dos mosquitos que fizerem o repasto de seu sangue. Dentre os mais importantes fatores de risco associados ao vetor, destacam-se as densidades das fêmeas adultas, sua idade, freqüência de alimentação, disponibilidade de hospedeiros, susceptibilidade à infecção, a abundância e os tipos de criadouros, que estão condicionados por fatores climáticos como precipitação, temperatura e umidade, assim como 19

Expediente. Sueli das Graças Alves Pinto Conselho Fiscal 4º Membro

Expediente. Sueli das Graças Alves Pinto Conselho Fiscal 4º Membro Expediente Antônio Carlos Figueiredo Nardi Presidente Aparecida Linhares Pimenta Vice-Presidente Alexandre José Mont Alverne Silva Vice-Presidente Lucélia Borges de Abreu Ferreira Diretora Administrativa

Leia mais

FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS

FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS BRASIL 8,5 milhões de Km²; 192 milhões de habitantes; 26 Estados e 01 Distrito Federal; 5.564 municípios (70,3 % com menos de 20.000 habitantes);

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado de Roraima

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado de Roraima MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado de Roraima RECOMENDAÇÃO Nº 001/2011 MPF/RR P R DC Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão OBJETO: Inquérito Civil Público nº 1.32.000.000111/2010-37.

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

Gestão da dengue no município de Niterói

Gestão da dengue no município de Niterói Gestão da dengue no município de Niterói Fundação Municipal de Saúde de Niterói Veronica Alcoforado de Miranda Coordenação do Núcleo de Educação Permanente e Pesquisa A questão da reemergência da dengue

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 Região de Saúde [...] espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de Municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

Planejamento intersetorial e Gestão Participativa. Recife, 04/09/2013

Planejamento intersetorial e Gestão Participativa. Recife, 04/09/2013 Planejamento intersetorial e Gestão Participativa Recife, 04/09/2013 Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social,

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Morbidade e Fatores de Risco até 2006

Comentários sobre os Indicadores de Morbidade e Fatores de Risco até 2006 D.2.3 Taxa de incidência de dengue 1. Conceituação Número de casos novos notificados de dengue (clássico e febre hemorrágica da dengue códigos A90-A91 da CID-10), por 100 mil habitantes, na população residente

Leia mais

regionalização e contratos organizativos de ação pública.

regionalização e contratos organizativos de ação pública. A Regulamentação da Lei 8.080/90: A Regulamentação da Lei 8.080/90: regionalização e contratos organizativos de ação pública. Seminário Nacional PRÓ Saúde e PET Saúde Brasília, 19 de outubro de 2011.,

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica Edson

Leia mais

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1 CONHECIMENTOS GERAIS SOBRE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (QUESTÕES 01 a 30) Questão 01 (Peso 1) A saúde, através do Sistema Único de Saúde, é desenvolvida através de uma política social e econômica que visa,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 05/2011

NOTA TÉCNICA 05/2011 NOTA TÉCNICA 05/2011 DENGUE SITUAÇÃO ATUAL, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS PARA ENFRENTAMENTO Brasília, 13 de março de 2011. DENGUE SITUAÇÃO ATUAL, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS PARA ENFRENTAMENTO 1. Situação atual Segundo

Leia mais

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001 1 reintrodução da dengue no Brasil em 1986 pelo Estado do Rio de Janeiro um sério problema de Saúde Pública, com 8 epidemias associadas aos sorotipos 1, 2 e 3 taxas de incidência: novo aumento a partir

Leia mais

Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil

Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa inistério da Saúde Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil Brasília, março de 2014 Saúde Direito de todos e dever

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 Porto Alegre/RS, agosto de 2011 Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia e ecologia do mosquito vetor da dengue Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia do vetor Aedes aegypti macho Aedes aegypti Aedes albopictus Mosquitos do gênero Aedes. Característica Aedes aegypti

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

PORTARIA 1.600, DE 7 DE JULHO DE

PORTARIA 1.600, DE 7 DE JULHO DE PORTARIA No- 1.600, DE 7 DE JULHO DE 2011 Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS 1 ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS I. PROPÓSITOS A Política Estadual em Saúde do Trabalhador tem por propósito definir princípios, diretrizes e estratégias para

Leia mais

NOTA CIENTÍFICA: A EVOLUÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL E A AMPLITUDE E COMPLEXIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

NOTA CIENTÍFICA: A EVOLUÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL E A AMPLITUDE E COMPLEXIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NOTA CIENTÍFICA: A EVOLUÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL E A AMPLITUDE E COMPLEXIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Ana Iva Corrêa Brum Barros 1 Rayana de Carvalho Freitas 2 Prof. Esp. Gilmar dos Santos Soares

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Dengue e Febre Amarela Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios

Leia mais

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS COAP 06/13 ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS 1.0 O que é o Contrato Organizativo da Ação Pública - COAP? O COAP é um acordo de colaboração firmado entre os três entes federativos, no âmbito de uma Região de

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA REDE BÁSICA DE SAÚDE

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA REDE BÁSICA DE SAÚDE LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA REDE BÁSICA DE SAÚDE 1. Marcos Lógicos Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Declaração Americana dos Direitos

Leia mais

Sistema Único de Saúde. 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação.

Sistema Único de Saúde. 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação. Sistema Único de Saúde 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação. 2003 Sistema Único de Saúde! Saúde como direito de cidadania e dever do Estado, resultante de políticas públicas

Leia mais

TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES

TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE 28 (IDB-28) TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES SUMÁRIO Introdução... 1 Aids... 2 Dengue... 7 Leishmaniose Visceral... 11 Leishmaniose Tegumentar Americana...

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus ERRATA Secretaria de Saúde do DF AUXILIAR EM saúde - Patologia Clínica Sistema Único de Sáude - SUS Autora: Dayse Amarílio D. Diniz Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais

Leia mais

Desafios para gestão municipal do SUS

Desafios para gestão municipal do SUS XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo Desafios para gestão municipal do SUS Arthur Chioro Secretário de Saúde de São Bernardo do Campo Presidente do Cosems-SP Política

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2012/res0004_19_07_2012.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2012/res0004_19_07_2012.html http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2012/res0004_19_07_2012.html Página 1 de 17 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Gabinete do Ministro Comissão Intergestores

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Campanha de prevenção e controle da Dengue nos Campi da UFSC. Comissão Plano de Prevenção à Dengue

Campanha de prevenção e controle da Dengue nos Campi da UFSC. Comissão Plano de Prevenção à Dengue Campanha de prevenção e controle da Dengue nos Campi da UFSC Comissão Plano de Prevenção à Dengue (Portaria Nº 1829/2015/GR/UFSC) Carlos José de Carvalho Pinto CCB/MIP (Presidente) Adriana Rodrigues secretária

Leia mais

Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão

Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria-Executiva Coordenação de Apoio à Gestão Descentralizada Diretrizes Operacionais para os Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão Série A. Normas e Manuais Técnicos

Leia mais

Proposta de Lei n.º 189/XII

Proposta de Lei n.º 189/XII Proposta de Lei n.º 189/XII ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A PREVENÇÃO E CONTROLO DE EPIDEMIAS DA FEBRE DO DENGUE A febre do dengue figura entre algumas das doenças que poderão ser consideradas emergentes no

Leia mais

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios Colegiado de Secretários Municipais de Saúde do Estado de PE COSEMS-PE O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios 2º Congresso Pernambucano de Municípios - AMUPE Gessyanne Vale Paulino Saúde Direito de todos

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014

Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014 Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014 Secretaria de Vigilância em Saúde Jarbas Barbosa 11 de novembro de 2013 Casos Prováveis e internações por dengue/fhd Brasil, 1986-2013*

Leia mais

Roberto Requião de Mello e Silva. Orlando Pessuti. Secretário de Estado. Gilberto Berguio Martin

Roberto Requião de Mello e Silva. Orlando Pessuti. Secretário de Estado. Gilberto Berguio Martin PARTICIPASUS POLITICA NACIONAL DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NO SUS Plano de Ação de Aplicação do Incentivo Financeiro para Gestão Participativa no SUS ano II Estado do Paraná JULHO 2009 GOVERNO

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM )

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) PROGRAMA NACIONAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL DOS RISCOS DECORRENTES DOS DESASTRES NATURAIS Documento em discussão COORDENAÇÃO GERAL DE

Leia mais

COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE

COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE MACHADO, Luana Pequeno Vasconcelos¹; SOUSA, Bruna Katiele de Paula²; VALADÃO, Danilo Ferreira³; SIQUEIRA, João

Leia mais

Valores Propostos para o Programa no Período 2002 a 2005 2.002 2.003 2.004 2.005 Total Recursos 77,5 79,1 82,3 86,4 325,3

Valores Propostos para o Programa no Período 2002 a 2005 2.002 2.003 2.004 2.005 Total Recursos 77,5 79,1 82,3 86,4 325,3 Plano Plurianual 2.002 2.005 Saúde Objetivo Geral Principais secretarias envolvidas: SMS A Secretaria Municipal de Saúde, cumprindo o programa do Governo da Reconstrução, implantará o SUS no município.

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA A VIGILÂNCIA SANITÁRIA ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO EM. Versão 1.2

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA A VIGILÂNCIA SANITÁRIA ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO EM. Versão 1.2 GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA Planejamento, Programação, Pactuação e Monitoramento das ações de Visa Versão 1.2 ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO (APLAN/ANVISA)

Leia mais

Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle doi: 10.5123/S1679-49742011000100011

Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle doi: 10.5123/S1679-49742011000100011 Nota Técnica Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle doi: 10.5123/S1679-49742011000100011 Yellow Fever in Brazil: Recommendations for Surveillance, Prevention and

Leia mais

Programa do curso do Agente de Comunitário de Saúde e Agente de Combate as Endemias

Programa do curso do Agente de Comunitário de Saúde e Agente de Combate as Endemias Programa do curso do Agente de Comunitário de Saúde e Agente de Combate as Endemias Biologia do Aedes Aegypti, O mosquito Aedes aegypti se desenvolve por meio de metamorfose completa e seu ciclo de vida

Leia mais

Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais

Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais II eminário DENGUE: desafios para políticas integradas de ambiente, atenção e promoção da saúde Controle do Aedes aegypti e ações intersetoriais Instituto Oswaldo Cruz FIOCUZ Laboratório Fisiologia e Controle

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.272, DE 25 DE AGOSTO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de

Leia mais

2 Dengue: Características Relevantes

2 Dengue: Características Relevantes 2 Dengue: Características Relevantes 2.1 Apresentação da Doença A dengue é uma arbovirose encontrada em regiões tropicais e subtropicais do mundo inteiro. Sua ocorrência está associada a quatro sorotipos

Leia mais

É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte.

É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. 2003. Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Série B. Textos Básicos de Saúde MS Série Políticas de Saúde Tiragem: 10.000 exemplares Elaboração,

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora Portaria GM/MS n 1.823, de 23 de agosto de 2012 MARCOS LEGAIS: Constituição Federal de 1988 Art. 200 Ao SUS compete, além de outras atribuições,

Leia mais

Decreto 7.508 de 28/06/2011. - Resumo -

Decreto 7.508 de 28/06/2011. - Resumo - Decreto 7.508 de 28/06/2011 - Resumo - GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Saúde Pública Sistema Único de Saúde SIMÃO ROBISON DE OLIVEIRA JATENE Governador do Estado do Pará HELENILSON PONTES

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE DENGUE O que é? A dengue é uma doença febril aguda, causada por vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (Brasil e Américas) e Aedes albopictus (Ásia). Tem caráter epidêmico, ou seja, atinge um grande

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE EXPERIÊNCIA EXITOSA EM:

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE EXPERIÊNCIA EXITOSA EM: PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE EXPERIÊNCIA EXITOSA EM: AMPLIAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO DA CENTRAL DE MARCAÇÃO DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS DE JOÃO PESSOA/PB: UMA

Leia mais

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE TEIXEIRA, A.Q. (¹) ; BRITO, A.S. (²) ; ALENCAR, C.F. (2) ; SILVA, K.P. (2), FREITAS, N.M.C.

Leia mais

Rafaela Noronha Brasil

Rafaela Noronha Brasil Saúde Pública e Epidemiologia 2013.1 Rafaela Noronha Brasil Fonoaudióloga ESP/CE Mestre em Saúde, Ambiente e Trabalho Profa Adjunto FATECI/CE Economia agrícola: exportação café (e açúcar) Imigração de

Leia mais

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012.

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) NORMAS DE FUNCIONAMENTO E HABILITAÇÃO DO SERVIÇO HOSPITALAR DE REFERÊNCIA ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Diário Oficial da União

Leia mais

SISPNCD SISTEMA DO PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA DENGUE

SISPNCD SISTEMA DO PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA DENGUE ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Objetivo do Boletim Disponibilizar informações acerca da vigilância entomológica do Aedes aegypti no Estado

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013 Redefine as regras e critérios

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do

Leia mais

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina da USP - FMUSP Núcleo de Pesquisa em Direito

Leia mais

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE DENGUE É A MAIS IMPORTANTE ARBOVIROSE URBANA, PERIURBANA E RURAL SÓ EXISTE PELA PRESENÇA DO Aedes aegypti

Leia mais

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO Repasse financeiro do Fundo Nacional de Saúde aos Fundos de Saúde Estaduais, Municipais e do Distrito Federal, por meio do Piso Variável

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 9ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO MARANHÃO

DOCUMENTO FINAL 9ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO MARANHÃO DOCUMENTO FINAL 9ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO MARANHÃO EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliar e qualificar acesso aos serviços de qualidade, em tempo adequado,

Leia mais

Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores.

Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores. Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores. Joyce Santiago Ferreira Orientador: Profa. Dra. Claci Fátima Weirich Faculdade de Enfermagem, Goiânia-GO,

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS

PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS PROJETO GINCANA CONTRA A DENGUE EM JARDIM /MS 1. Caracterização da situação anterior: Cidade polo da região sudoeste de Mato Grosso do Sul, Jardim está situado na região da Serra da Bodoquena no entroncamento

Leia mais

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO Prof. Dr. Rivaldo Venâncio da Cunha Dourados, 08 de fevereiro de 2007 O que é o dengue? O dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus; Este vírus pode ser de quatro

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Processo Seletivo Público para contratação de Agentes de Combate as Endemias (ACE) e Agentes Comunitários de Saúde (ACS)

Processo Seletivo Público para contratação de Agentes de Combate as Endemias (ACE) e Agentes Comunitários de Saúde (ACS) PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE Processo Seletivo Público para contratação de Agentes de Combate as Endemias (ACE) e Agentes Comunitários de Saúde (ACS) 1. De acordo com

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Política Nacional de Educação Permanente em Saúde

Política Nacional de Educação Permanente em Saúde Política Nacional de Educação Permanente em Saúde Portaria GM/MS nº 1.996, de 20 de agosto de 2007 substitui a Portaria GM/MS nº 198, de 13 de fevereiro de 2004 e Proposta de Alteração Pesquisa de Avaliação

Leia mais

Super Dicas de SUS. Prof. Marcondes Mendes. SUS em exercícios comentados Prof Marcondes Mendes

Super Dicas de SUS. Prof. Marcondes Mendes. SUS em exercícios comentados Prof Marcondes Mendes Super Dicas de SUS Prof. Marcondes Mendes SUS em exercícios comentados Prof Marcondes Mendes 1. Evolução histórica da organização do sistema de saúde no Brasil Prevenção Modelo de Saúde Sanitarista Campanhismo

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE (Fonte: Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS) O planejamento é uma função estratégica de gestão assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 Aprova as Normas e Diretrizes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde e do Programa de Saúde da Família. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010

Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências - 21 A Secretaria de Vigilância em Saúde, em trabalho

Leia mais

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento

Leia mais

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada 25/11/2015 HISTÓRICO: Período anterior a CF de 1988 INAMPS População e procedimentos restritos Movimento

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 Departamento de Gestão da Vigilância em Saúde-DAGVS Secretaria de Vigilância em Saúde dagvs@saude.gov.br 06/03/2012 IMPLEMENTAÇÃO DO DECRETO

Leia mais

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA 20 a 24 de outubro de 2008 ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA Ana Carla Zarpelon 1 ; Rejane Cristina Ribas 1 ; Fernando Henrique das Mercês Ribeiro

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

MINUTA DE PROJETO DE LEI

MINUTA DE PROJETO DE LEI MINUTA DE PROJETO DE LEI DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL E O PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL DE PENÁPOLIS O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PENÁPOLIS, no uso de suas atribuições

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social.

CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social. CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social. TRANSIÇÃO Organograma Oficial da Secretaria com os atuais ocupantes, condição (efetivo ou

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais