Análise do Processo da concessão do crédito á habitação pelo Banco Comercial do Atlântico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise do Processo da concessão do crédito á habitação pelo Banco Comercial do Atlântico"

Transcrição

1 Nasolina Miranda Pereira Análise do Processo da concessão do crédito á habitação pelo Banco Comercial do Atlântico Universidade Jean Piaget de Cabo Verde Campus Universitário da Cidade da Praia Caixa Postal 775, Palmarejo Grande Cidade da Praia, Santiago Cabo Verde

2 Universidade Jean Piaget de Cabo Verde Campus Universitário da Cidade da Praia Caixa Postal 775, Palmarejo Grande Cidade da Praia, Santiago Cabo Verde

3 Nasolina Miranda Pereira Análise do Processo da concessão do crédito á habitação pelo Banco Comercial do Atlântico

4 Nasolina Miranda Pereira, autora da monografia intitulada Análise do Processo da concessão do crédito á habitação pelo Banco Comercial do Atlântico declara que, salvo fontes devidamente citadas e referidas, o presente documento é fruto do seu trabalho. Cidade da Praia, ao 23 de Junho de Nasolina Miranda Pereira

5 Memória Monográfica apresentada à Universidade Jean Piaget de Cabo Verde como parte dos requisitos para a obtenção do grau de licenciatura em Economia e Gestão, variante Banca e Seguros.

6 Sumário O presente trabalho monográfico intitulado Análise do Processo da concessão do crédito á habitação pelo Banco Comercial do Atlântico enquadra-se no âmbito do curso de licenciatura em Economia e Gestão, variante Banca e Seguros, realizado pela Universidade Jean Piaget de Cabo Verde. O crédito á habitação representa um dos mais importantes negócios da banca comercial cabo-verdiana. A sua expansão recente representa um peso expressivo na carteira de crédito dos bancos proporcionando uma boa rentabilidade e um aumento de fidelização do mutuário. Este tipo de crédito apresenta um risco controlado dado que em geral é suportado por garantia real (hipoteca do imóvel). Este trabalho tem entre outros objetivos, analisar o processo da concessão do crédito á habitação pelo Banco Comercial do Atlântico, inteirar-se dos tipos de taxas de juros aplicados no crédito à habitação, conhecer as garantias exigidas para a obtenção desse crédito e propor sugestão para melhoria das condições do crédito á habitação aplicadas por essa instituição. Para a realização deste trabalho utilizou-se a metodologia com enfoque qualitativo e quantitativo, sendo a componente qualitativa baseada na análise documental e entrevistas, enquanto a vertente quantitativa tem como suporte a análise económico-financeira da empresa. Fez-se ainda a análise SWOT, sobre a situação económico e financeiro do Banco em estudo. Com a realização deste estudo, concluiu-se que apesar do decréscimo expressivo verificado no crédito á habitação concedido pelo BCA, nos últimos anos, o mesmo continua a ser o principal produto na carteira de crédito desse banco. Palavras-chave: Analise, Concessão, Crédito, Habitação, Processo.

7 Abstract This monograph entitled "Analysis of the granting of mortgage process by Banco Comercial do Atlântico" falls within the degree course in Economics and Management, Banking and Insurance variant, conducted by Jean Piaget University of Cape Verde. Mortgage lending is one of the most important businesses of the Cape Verdean commercial banking. Its recent expansion represents a significant weight in the credit portfolio of banks providing good returns and increased loyalty of the borrower. This type of credit presents a risk controlled since it is usually backed by collateral (mortgage on the property). This work has among other objectives, to analyze the process of granting of mortgage loans by Banco Comercial do Atlântico, get acquainted with the types of applied interest rates on housing loans, meet the guarantees for obtaining such credit and propose suggestions for improving the conditions of mortgage loans applied by that institution. For this work we used the methodology with qualitative and quantitative approach, the qualitative component is based on interviews and documentary analysis while the quantitative aspect is to support the economic and financial analysis of the company. Still made a SWOT analysis on the economic and financial situation of the Bank under study. With this study, it was concluded that despite the significant decrease seen in housing loans granted by the BCA, in recent years, it remains the main product in the credit portfolio of the bank. Keywords: Analysis, Concession, Credit, Housing Process

8 Agradecimentos Realizar uma monografia é tarefa única. Parece implementada por apenas uma pessoa e quem recebe o mérito é esta. Mas tudo isto faz parte de um processo, do qual dele fazem Parte diversas pessoas, cada uma com o seu grau de contribuição. Por isso, quero expressar Minha gratidão a todos aqueles que de uma forma ou de outra contribuíram para sua Realização desta pesquisa. A todos, o meu muito obrigado. A minha mãe Madalena Miranda, e meus irmãos que sempre me incentivaram aos melhores caminhos académicos e às melhores oportunidades, sempre dando apoio com muito carinho, para a realização de todos os projetos da minha vida. Aos meus Docentes, amigos e colegas, pelo constante aprendizado e que em momentos cruciais Desta caminhada se fizeram presentes com sentimentos de apoio, solidariedade, carinho e amizade. À Deus pelo Dom da Vida.

9 Lista de Abreviaturas ATM-Automatic Terminal Machine BCA-Banco Comercial do Atlântico BCN- Banco Cabo-verdiano de Negócios BCV- Banco de Cabo Verde BI- Banco Interatlântico CH- Crédito á Habitação CECV- Caixa Económica de Cabo Verde DMC- Disponibilidades Mínimas de Caixa DSO- Direção do Suporte Operacional EUA- Estados Unidos da América IFH- Imobiliária Fundiária e Habitat IMOR- Imobiliária e Representações INE-Instituto Nacional de Estatística ISGB- Instituto Superior de gestão bancária ROA - Rentabilidade de activo ROE- Rentabilidade de Capital Próprio TCMF S- Títulos Consolidados de Mobilização Financeira TIM S- Títulos de Intervenção Monetária TPA- Terminal de Pagamentos Automático TRM S- Títulos de Regulação Monetária

10 Índice 1.INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO IMPORTÂNCIA DO TRABALHO PERGUNTA DE PARTIDA OBJETIVOS DO TRABALHO ESTRUTURA DO TRABALHO...18 CAPÍTULO I: ABORDAGEM TEÓRICA E METODOLÓGICA ORIGEM DE CRÉDITO CONCEITOS DE CRÉDITO FONTES DE CRÉDITO TIPOS DE CRÉDITO ELEMENTOS CARACTERIZADORES DE CRÉDITO BANCÁRIO O PROCESSO DE CONCESSÃO DE CRÉDITO LIMITAÇÕES E COBERTURA DE CRÉDITO Á HABITAÇÃO CUSTOS DE CRÉDITO Á HABITAÇÃO MODALIDADES DE CRÉDITO Á HABITAÇÃO METODOLOGIA...37 CAPÍTULO II: CRÉDITO À HABITAÇÃO EM CABO VERDE ENQUADRAMENTO GERAL E LEGAL CONTRATAÇÃO DO CRÉDITO PARA HABITAÇÃO TIPOS DE TAXAS DE JURO APLICADAS NO CRÉDITO A HABITAÇÃO GARANTIAS PARA OBTENÇÃO DE UM CRÉDITO A HABITAÇÃO IMPORTÂNCIA DA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE ESFORÇO PEDIDO DE EMPRÉSTIMO REEMBOLSO DO CRÉDITO AMORTIZAÇÃO ANTECIPADA DO CRÉDITO DEVERES DE INFORMAÇÃO SOBRE CRÉDITO À HABITAÇÃO IMPORTÂNCIA DO CREDITO Á HABITAÇÃO EM CABO VERDE EVOLUÇÃO DO CRÉDITO À HABITAÇÃO EM CABO VERDE...48 CAPÍTULO III: ESTUDO DE CASO HISTÓRIA DO BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO COMPARAÇÃO DO CRÉDITO INTRA BCA ANÁLISE DO CRÉDITO HABITAÇÃO NO BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO CRÉDITO Á HABITAÇÃO CONCEDIDO PELO BCA ANÁLISE SWOT OS PROCEDIMENTOS PARA CONTRAÇÃO DO CRÉDITO PARA HABITAÇÃO...66 CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES BIBLIOGRAFIA ANEXO... 76

11 Índice de tabelas TABELA 1: VALOR PAGO PELO EMPRÉSTIMO...45 TABELA 2: CRÉDITO A PARTICULARES...48 TABELA 4: CAPITAL SOCIAL DO BCA...53 TABELA 5: PESO DO CRÉDITO DE CURTO PRAZO E DO CRÉDITO DE ML PRAZO NO TOTAL DO CRÉDITO DO BCA...56

12 Índice de gráficos GRÁFICO 1:EVOLUÇÃO DE CRÉDITO A HABITAÇÃO EM CABO VERDE...50 GRÁFICO 2: PESO DO CRÉDITO ÀS EMPRESAS E DO CRÉDITO A PARTICULARES NA CARTEIRA DE CRÉDITO POR ENTIDADES DO BCA...56 GRÁFICO 3: PESO DO CRÉDITO À HABITAÇÃO E DO CRÉDITO AO CONSUMO NO CRÉDITO A PARTICULARES DO BCA...57 GRÁFICO 4: EVOLUÇÃO DO CRÉDITO Á HABITAÇÃO CONCEDIDO PELO BCA...63

13 Índice de Quadros QUADRO 1: PONTOS FORTES E FRACOS DA SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA DO BANCO..64 QUADRO 2: OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DA SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA DO BANCO...66

14 Índice de Figura FIGURA 1: ESQUEMA METODOLÓGICO UTILIZADO PARA A REALIZAÇÃO DA PESQUISA FIGURA 2: PROCEDIMENTOS PARA CONTRAÇÃO DO CRÉDITO NO BCA...67

15 1. Introdução 1.1 Contextualização O crédito é uma das operações mais importantes do sector Bancário. Através da intermediação o banco canaliza a poupança para o investimento, pondo á disposição do cliente uma determinada quantia, com o objetivo de o receber na data pré fixada. O lucro do banco nesse processo é calculado pela diferença entre taxa de juro que este cobra/recebe nas suas operações creditícias e a taxa de juro paga pelo banco pelos recursos postos á sua disposição pelos depositantes. O crédito á habitação a particulares tem como Finalidade fazer face a despesas ligadas á habitação (troca de casa, transferências, construção, aquisição de habitação, aquisição de terreno e construção, adiantamento de sinal, pagamento em fase de construção e obras). É um financiamento que envolve um risco menos elevado que outros tipos de crédito, designadamente créditos pessoais sem penhor de aplicações financeiras ou de outras garantias reais. O financiamento para a habitação envolve, desde logo, não só a avaliação dos proponentes, mas a avaliação de um imóvel a ser hipotecado (garantia real). 15

16 A aquisição ou construção de habitação própria constitui para a grande maioria das famílias cabo-verdianas o melhor investimento que realizam em toda a sua vida. Esta situação advém em grande medida, da existência de um mercado de arrendamento em crise, desde a década de noventa e de um sector de habitação social quase inexistente. A situação torna-se mais preocupante quando se conhece o desajustamento existente entre a taxa de esforços das famílias e os preços das habitações. O crédito á habitação, tem constituído um dos instrumentos privilegiados da política habitacional, está sujeita a legislação especial, cujo regime foi reformulado pelo Dec.- Lei 28- /94 de 20 de Abril. Este diploma contempla o regime de crédito geral (habitacional) e bonificado. O financiamento á habitação foi assegurado, desde 1994, exclusivamente pelas então designadas instituição especiais de crédito como BCA, Caixa de Crédito de Cabo Verde e a CECV. As transformações políticas e económico-sociais operadas em Cabo Verde ao longo da última década levaram com que a banca passasse a dar maior importância a este produto, o que conduziu a um rápido acesso das famílias ao crédito à habitação. 1.2 Importância do trabalho O sistema financeiro inclui o sistema bancário, que tem um papel central na estrutura económica de qualquer país, seja qual for o seu estado de desenvolvimento. Os bancos através da concessão de crédito assumem um papel dinamizador no financiamento de uma economia funcionando como fornecedores de crédito. O crédito assume-se assim como o principal produto bancário, merecendo desta forma especial atenção por parte da gestão bancária, para que a atividade creditícia se processa em condições de rendibilidade adequadas ao sucesso dos bancos. A habitação é um fator importante para a promoção social, uma vez que possibilita uma melhoria na qualidade de vida da sociedade; é ainda, um elemento chave para o pleno 16

17 exercício da cidadania. Nesse sentido, o crédito habitacional possui um importante papel em relação ao acesso da sociedade à moradia. Sob o ponto de vista económico, o crédito constitui uma forma de adiantamento de recursos para a realização dos objetivos, das pessoas físicas e/ou jurídicas. O crédito pode gerar o progresso e a expansão do comércio, da indústria e dos serviços, visto que adianta os recursos para a efetivação do gasto, a produção da moradia oferece novas oportunidades de emprego e renda, mobiliza sectores da economia e influencia os mercados imobiliário e de bens e serviços. Com base nessas considerações, o presente trabalho justifica-se, de entre outras, pelas seguintes razões: - Pertinência e atualidade do tema, anivel académico e cientifico; - Necessidade pessoal em aplicar e aprofundar os conhecimentos adquiridos, a esse respeito, durante a parte curricular do curso; - Por ser de extrema importância a compreensão do credito habitacão no Banco Comercial Do Atlântico; e - Por Constituir um dos requisitos a obtenção do grau de licenciatura em Economia e Gestão. 1.3 Pergunta de partida Para a realização deste trabalho, formulou-se a seguinte pergunta de partida: Como se desenvolve o processo da concessão do crédito á habitação no Banco Comercial do Atlântico? 1.4 Objetivos do trabalho Objetivo geral Este trabalho tem por objetivo geral analisar o processo da concessão do crédito á habitação pelo Banco Comercial do Atlântico. 17

18 Objetivos específicos Este trabalho tem, entre outros, os seguintes objetivos: Conhecer os procedimentos de contratação do crédito para habitação por essa instituição financeira; Compreender as garantias exigidas, pelo Banco Comercial do Atlântico, para obtenção de um crédito à habitação; Inteirar-se dos tipos de taxas de juros aplicadas no crédito à habitação pelo Banco Comercial do Atlântico. Conhecer os pontos fortes e fracos, ameaças e oportunidades da instituição, especialmente no que concerne ao crédito à habitação e, Propor sugestões que contribuam para a melhoria das condições do crédito á habitação aplicadas por essa istituição. 1.5 Estrutura do trabalho O presente trabalho encontra-se organizado, para além das partes pré-textuais e pós-textuais, nos seguintes capítulos: Capítulo 1, Abordagem teórica e metodológica, com realce para apresentação de conceitos, a fundamentação teórica e a metodologia aplicada para a realização do estudo. Capítulo 2, Crédito à habitação em Cabo Verde, onde fez-se o enquadramento geral e legal, do crédito a habitação, apresenta-se ainda um breve panorama da procura e oferta do crédito à habitação em Cabo Verde, bem como a importância deste tipo de crédito para a economia. Capítulo 3, Estudo de caso, entre outros aspectos, o processo de concessão do crédito à habitação no BCA, os pontos fortes e fracos da instituição assim como ameaças e oportunidades relativas à matéria em apreço tendo como base a análise Os relatórios e Contas desta instituição, e ainda as sugestões para a melhoria do crédito á habitação em Cabo Verde com enfoque para o Banco Comercial Do atlantico. 18

19 Capítulo I: Abordagem teórica e metodológica 1. Referencial teórico 1.1 Origem de crédito O crédito tem a sua origem nas eras remotas, desde a antiguidade já havia que se traduzia na confiança que uma pessoa tinha noutra em emprestar um bem ou qualquer coisa com o objetivo de no futuro receber esse bem e mais qualquer coisa que pode ser considerado uma mais-valia pelo empréstimo concedido. Na visão de Cabido (1999), o crédito tem a sua origem etimológica no termo latino credere que significa acreditar ou confiar. Sendo assim pode-se afirmar que a confiança constitui á partida um elemento base e fundamental em toda e qualquer operação de crédito. A origem do crédito é muito antiga e quase que remota aos primórdios da civilização, este início no fundamento da simples promessa de pagamento, na base do qual se efetuavam por exemplo vendas de escravos. A sua prática apoiava-se numa espécie de código de honra que se estendeu ao longo dos tempos. Mais tarde com o aparecimento dos primeiros bancos e a criação da letra de câmbio que se inicia o arranque imparável da função universal do crédito nas múltiplas formas e função que, entretanto vai assumindo ao longo da história do desenvolvimento dos povos e das suas relações. 19

20 Até que principalmente depois da última grande guerra, o crédito enraizando nas relações nacionais e internacionais, passando a assumir como um dos mais poderosos vetores, de vital importância, no desenvolvimento socioeconómico. Ganhou então um estatuto privilegiado, relevante e imprescindível entre todos os agentes económicos. Por isso e desde, então, tem vindo a ser progressivamente desenvolvido e modernizado com novas praticas, sofisticados técnicos e poderosos equipamentos face às necessidades cada vez mais exigentes e complexas de camada da população sempre mais vastos e mercados mais diversos. Também um crescente e cada vez mais diversificado conjunto de novos instrumentos de crédito, como veremos, vem caracterizando a evolução do crédito na geração mais recente. 1.2 Conceitos de Crédito Segundo ISGB (2003), Crédito é um ato de troca económica em que alguém- o credor- realiza uma prestação em dinheiro ou em espécie, em determinado momento, a favor de outrem- o devedor e aceita o risco de a respetiva contraprestação ser deferida para um momento ou momentos posteriores, confiando no cumprimento pontual da promessa de reembolso feita pelo devedor, e recebendo um juros como compensação. Para Instituto de Formação Bancária (2002), a palavra crédito significa a confiança que nos inspiram as boas qualidades de uma pessoa ou a veracidade de uma coisa, boa reputação, boa formam. Influência, favor, valimento, consideração. Autoridade valia, importância, confiança na probabilidade e solvabilidade de alguém. Direito de se receber o que se emprestou, quantia a que corresponde esse direito. Na visão de Cabido (1999), o crédito é um contrato bilateral em que uma das partes empresta a outra que pede emprestado e promete pagar em certo tempo acordado. 20

21 1.3 Fontes de crédito Desde os primórdios da civilização, a concentração e a concessão de empréstimo em dinheiro foram aspetos das questões financeiras. Hoje em dia, existem inúmeras fontes de crédito á disposição dos consumidores, de empresas, do governo enfim. Estes agentes procuram as instituições financeiras, empresas de seguro, cooperativas de crédito como fonte e financiamento. Segundo Pina (2012), as grandes empresas com excelente classificação de crédito contraem empréstimos entre si emitindo notas promissórias de curto prazo, sem garantia. Estas são conhecidas como papéis comerciais, mas na diversidade de fontes de financiamento o banco destaca-se como força dominante no mercado, pois todos os anos verificam um aumento de empréstimo solicitados ao banco em relação a qualquer outra fonte. Os bancos não se tornaram uma das maiores fontes de empréstimos só e simplesmente porque são obrigados a conceder créditos de acordo com a definição jurídica do banco, mas sim concedem porque os empréstimos constituem a sua maior fonte de receita. Normalmente, a maior parte dos rendimentos anuais de um banco resulta de juros sobre empréstimos. Além disso, os empréstimos atendem o papel tradicional do banco, de atendimento aos seus clientes e sociedade em geral. De acordo com os serviços plenos internos, os bancos concedem crédito em muitas modalidades a todos os segmentos de mercado, desde que possuem condições para a sua obtenção. Há empréstimos bancários para responder às insuficiências das grandes e pequenas empresas, do governo e dos consumidores pois estes são grandes tomadores de fundos. A capacidade do banco em responder a essas necessidades é vital para o desenvolvimento da economia de qualquer país. 21

22 1.4 Tipos de Crédito Em qualquer economia pode-se encontrar dois tipos de crédito: Crédito Publico e Crédito Privado Além da Banca as entidades envolvidas no crédito são: os particulares, as empresas e o Estado, considerando todos os organismos centrais e locais, empresas públicas, Camaras Municipais e organismos financeiramente autónomo, podendo o crédito ser considerado então como crédito público e privado 1. O crédito público representa a dívida do Estado ou seja a divida publica. Este tipo de crédito ocorre quando o Estado, realiza operações financeiras para obter uma receita, actuando em sentido lato, como uma entidade devedora, disposto para o efeito, das poupanças das familias ou das empresas para fins especificos, atraves da emissao de titulos denominados de dívida pública (BTs, OTs), que concedem o direito á restituição aos seus subscritores, num prazo determinado, do capital e de juros. Por sua vez o crédito privado representa o tipo de crédito que se efectua entre as restantes pessoas juridicas e ao qual podem também recorrer o estado e outras pessoas colectivas. Conforme as entidades que recorem ao crédito privado, estes pode adoptar a forma de: Crédito Comercial, traduz no tipo de crédito praticado entre os agentes económicos, fundamentalmente entre produtores, e consumidores. A finalidade desse tipo de crédito é o aumento das vendas através do alargamento do prazo de pagamento do bem ou serviços transacionado. Nos mercados concorrências, especialmente nas sociedades de consumo, uma das modalidades de crédito comercial generalizada. Crédito Bancário, este tipo de crédito, consiste numa operação, em que o Banco se coloca á disposição de cliente um determinado montante e este compromete a reembolsar numa data fixada antecipadamente, acrescido dos juros previamente combinados. Ele poderá tomar a forma de crédito direto, caso em que o banco coloca fundos á disposição de clientes, empresas ou particulares, como por exemplo, desconto de letras, de livranças e abertura de crédito através de conta corrente ou de empréstimo, ou de crédito que não assuma 1 Disponível em em 08/11/13 22

23 compromisso. É o caso de garantias bancárias, avais ou aceites bancários (Soares Fernando,2009, pág 17). Ao falar de crédito bancário vem logo em mente o crédito á habitação. Crédito à habitação é o crédito concedido pelas instituições de crédito para aquisição, construção, beneficiação, recuperação ou ampliação de casa própria para habitação permanente ou para arrendamento (BCV, 2013:5). 1.5 Elementos Caracterizadores de crédito Bancário Em qualquer operação de crédito bancário, são identificados seis elementos definidores do crédito. - Montantes; - Finalidade; - Prazo; - Taxas de Juros; - Risco e - Garantias. Esses elementos estão intimamente interligados e a sua análise é de extrema importância para a actividade créditicia dos bancos, sendo que o processo de análise de crédito passa por esses elementos. Montante Equivale á importância do capital emprestada, ou seja ao valor que vai ser posto á disposição do cliente. De acordo com o manual de Instituto Superior de Gestão Bancária (2003), o montante do crédito deve ser fundamentado por necessidade efectiva e limitado a essas necessidades, sem abrir possibilidade a excessos que poderá,originar prejuizos, na medida em que se o empréstimo for inferior aos projectos do cliente, o negócio fica além da expectativa e se for em excesso pode resultar em aplicação não rentável. Quando se trata de crédito ao investimento, normalmente não se concede 100% do valor do serviço ou objeto que constituem a finalidade do pedido do cliente, evitando que o banco corra todos os riscos. Este pode ser concedido a 100% quando, trata-se de uma empresa com vários anos no mercado e que apresenta uma estrutura solidificada. No que concerne a crédito 23

24 a particulares, são definidos antecipadamente os montantes máximos e mínimos para cada tipo de empréstimo, podendo estes variarem de acordo com a finalidade do crédito. (ISGB,2003). Finalidade A finalidade do crédito representa o fim para o qual vai ser utilizado o montante solicitado pelo cliente. É de extrema importância que o banco saiba para que finalidade o cliente pretende utilizar o dinheiro solicitado, de modo a assegurar que o objetivo para o qual o dinheiro vai ser utilizado é legal e que não existem restrições por parte das autoridades monetárias, e também, para poder analisar se o objetivos do crédito solicitado vai de encontro á política de crédito definida pelo banco. Esses interesses do banco têm como objetivos, salvaguardar a legalidade da qualidade da carteira de crédito. (ISGB,2003). Prazo O prazo representa, o espaço de tempo que decorre entre a data em que é concedido o empréstimo e a data é reembolsado o bem emprestado. O tempo envolve a ideia de que a concessão do crédito nunca se coincide com o seu reembolso, logo quando maior for o prazo concedido, maior terá que ser a confiança do credor no devedor. De acordo com Cotta Alain, o prazo de pagamento é a primeira característica do crédito, constituído o ativo financeiro remetido pelo devedor ao credor, em contrapartida da moeda que recebe, um compromisso de reembolsar a divida numa certa data. ( COTTA. Alain, 1976). Constatámos que as operações de crédito relacionado com o prazo classificam-se em: Crédito de curto prazo- quando o reembolso da dívida tem um prazo até um ano após a contratação do empréstimo. Crédito de médio prazo- quando o reembolso for maior que um ano e até cinco anos. Crédito de longo prazo- quando o reembolso da dívida for para um periodo superior a cinco anos. Este prazo é definido de acordo com a capacidade do cliente, com a finalidade do crédito, com a existência ou não de garantias acessórias No caso das operações de investimentos de médio e longo prazo, o prazo total da operacao é dividido em três períodos destintos: 24

25 Período de utilização de fundos- corresponde ao período em que o banco coloca á disposição do mutuário a quantia acordada, e parte não utilizada o banco comissões; Período de carência ou deferimento- decorre quando o mutuário paga apenas os juros, excluindo o capital; Período de amortização é o período em que já se começa a fazer face ao serviço da divida, portanto é a fase em que deverá gerar meios suficientes para reembolsar o empréstimo, o cliente paga os juros e o capital emprestado. Taxas de Juros Os juros representa a compensação pelo tempo de espera e pelo risco de não cumprimento, quando maior é o prazo de pagamento, maior é o risco e por conseguinte maior é a taxa de juros. De acordo com Mateus José Alves, Juros é a remuneração a que tem direito o credor pela cedência temporária do usufruto de um capital (dinheiro, equipamento, bem móvel ou imóvel, etc..) podendo concluir que os juros é uma função do capital aplicado e do tempo da aplicação. (Mateus José Alves, 1999). A taxa de juros representa, o preço pago pelas entidades que necessitam de crédito de modo a garantirem o acesso aos fundos de que necessitam. Estas afiguram-se como o elemento básico das operações de crédito bancário. Na convicção de Saias, Luis para além da taxa de inflação, a taxa de juro é influenciada por outros fatores tais como: - O risco de crédito apresentado pelo mutuário (sua solidez financeira e patrimonial); - Outros riscos da operação como por exemplo, o rico da taxa de juro e o risco de liquidez; - A dimensão da operação; - O profissionalismo e sofisticação do mutuário ( sua capacidade de negociação); - A natureza da operação como por exemplo, crédito ao investimento ou ao consumo; - O prazo da operação. (Saias, Luis, et, al,1998). As taxas de juros podem ser: - Taxas de Juros nominal; 25

26 - Taxas de Juro efetiva; - Taxas de JurosVariavel/ Indexada; - Taxas de Juros Fixa. Taxas de juro nominal é aquela que é contratada na concessão de crédito, ou seja é a txa que é declarda ao cliente, e é sobre esta que são calculados os juros do empréstimo. Uma taxa é, nominal, se a taxa efetiva reportada ao período de capitalização 2 lhe for proporcional, coincidindo esta proporção com a sequência de capitalização (ISGB,2003, pág 1.27). Taxas de juro efectiva é aquela que o bano efectivamente pratica, que resulta da relação entre os juros pagos e o capital utilizado num determinado prazo, ou seja, é aquela que resulta do processo de capitalização de juros. È conhecida por ser a taxa contratual e serve de base para o calculo dos juros a crescer ao montante máximo de capital e acessórios, que pretendem salvaguardar os interesses do banco no caso do imcumprimento do ontrato pelo cliente. Taxas de juros Variavel Indexada são aquelas que podem variar de acordo com as situações, aquelas que são revistas periodicamente em função do indexante3 que lhes está subjacente. Geralmente, estas taxas, é acrescida um Spread 4 que é variável de instituição para instituição, o que significa que, por exemplo, um empréstimo que é indexado á Euribor5 a 6 meses, a taxa de juro irá variar de seis em seis meses, em função do valor da euribor mais o respectivo spread(isgb,2003, pág 9.5). Taxas de juros fixa é aquela que mantem inalterado durante toda a vida da operação, ou seja, aquela que não sofre alteração. Risco O rico se traduz na impossibilidade de saber o futuro, ou seja, a probabilidade de, por acaso, no determinado prazo acordado não seja cumprida a promessa de pagamento. Assim por 2 Capitalização é o processo de acumulação de juros ao capital inicial (ISGB,2003, pág. 1.4). 3 O Indexante é o índice de referência do mercado monetário, cuja forma de cálculo é previamente convencionada, estando o seu valor sujeito a modificação por efeito de alteração do valor do índice de referência, em periodicidade que deve ser coincidente com o respectivo prazo de cotação (BCV, 2013:9). 4 O Spread Bancário é um valor percentual que os bancos aplicam a uma taxa de referência e que pode ser considerado como a margem de lucro do banco (BCV, 2013: 9). 5 A Euribor (Euro Interbank Offered Rate) é um indexante que se baseia nas taxas praticadas pelos bancos na compra e venda de euros entre si. 26

27 maior que seja a confiança que o banco deposite no devedor, tem sempre presente a incerteza de que o devedor salde seus compromissos na data planeada. Conforme o manual de Instituto Superior de Gestão Bancária(2003), o banco deverá estar consciente de que uma operação será sadia para ele, na medida que for sã para o próprio cliente. Portanto o banco terá que examinar e ponderar se o cliente tem capacidade para gerir os seus negócios e atingir os objetivos propostos, de modo a avaliar o risco de devedor ter capacidade ou não de assunção do crédito. Na avaliação do risco do crédito em relação á capacidades dos clientes, à que distinguir os seguintes tipos de risco: - Risco geral que deriva da situação conjuntural interna ou externa do país, podemos exemplificar como; catástrofe natural, crise económica, etc. - Risco no ramo de atividade ou profissional- que resulta da conjuntura do sector da atividade económica em que se encontra o devedor. Temos como por exemplo: escassez de matériasprimas, mudanças tecnológicas, inflação, diversificação dos produtos, etc. - Risco particular ou pessoal de um cliente- que resulta das virtudes de devedor. Como por exemplo: poder de compra, a sua capacidade financeira em honrar os compromissos, etc. Garantias Para recuperar o crédito, em alguns casos o banco solicita uma garantia ao mutuário. Porém, existe dois tipos de garantias: - Intrínsecas aquelas provenientes da lei do banco; - Acessórias são aquelas adquiridas como segurança adicional. As garantias acessórias impostas por parte do banco podem assumir a forma de: - Hipoteca; - Penhor mercantil; - Aval; 27

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde S DO BANCO DE CABO VERDE CRÉDITO À HABITAÇÃO Banco de Cabo Verde Banco de Cabo Verde Crédito à Habitação Banco de Cabo Verde Cidade da Praia 013 Ficha Técnica Título: Crédito à Habitação Autor: Banco de

Leia mais

Ficha de Informação Geral

Ficha de Informação Geral Objectivo da Ficha de Informação Geral Oferecer aos Clientes informação de carácter geral sobre o crédito à habitação, o mais transparente, sistemático e rigorosamente possível, antes da formalização de

Leia mais

Ficha de Informação Geral

Ficha de Informação Geral Objectivo da Ficha de Informação Geral Oferecer aos Clientes informação de carácter geral sobre o crédito à habitação, o mais transparente, sistemático e rigorosamente possível, antes da formalização de

Leia mais

Ficha de Informação Geral

Ficha de Informação Geral Objectivo da Ficha de Informação Geral Oferecer aos Clientes informação de carácter geral sobre o crédito à habitação, o mais transparente, sistemática e rigorosamente possível, antes da formalização de

Leia mais

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas.

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. 1. Introdução Avaliação A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. Quando optamos por entrar em uma academia de ginástica precisamos passar por uma avaliação física. Passamos por avaliação

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008,

DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008, DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008, DE 29 DE MAIO E PELO DECRETO-LEI N.º 192/2009, DE 17 DE AGOSTO Regula as práticas comerciais das instituições de crédito no

Leia mais

1 Redacção introduzida pelo Decreto-Lei n.º 192/2009, de 17 de Agosto.

1 Redacção introduzida pelo Decreto-Lei n.º 192/2009, de 17 de Agosto. MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Decreto-Lei n.º 51/2007 de 7 de Março (Alterado pelo Decreto-Lei n.º 88/2008, de 29 de Maio, e pelo Decreto-Lei n.º 192/2009, de 17 de Agosto) Artigo 1.º 1 Objecto

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO Índice Finalidades do crédito à habitação Avaliação da capacidade financeira Ficha de Informação Normalizada (FIN) Prazo Modalidades de reembolso

Leia mais

Simulação de Crédito Pessoal

Simulação de Crédito Pessoal Simulação de Crédito Pessoal Data de Impressão: 22-10-2013 13:38 Número de Simulação: 13901487 Resumo Multifinalidades Prestação Comissão de Processamento (mensal) (Acresce Imposto do Selo à Taxa em vigor)

Leia mais

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Tipo de Propriedade 1ª Habitação Residência habitual do agregado familiar (habitação própria permanente). 2ª Habitação Residência não habitual do agregado familiar

Leia mais

Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação

Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação 1/7 Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação JusNet 259/2001 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 29, Série I-A, 3 Fevereiro 2001; Data

Leia mais

Informação Geral sobre o Crédito Habitação do «NOVO BANCO»

Informação Geral sobre o Crédito Habitação do «NOVO BANCO» Informação sobre o do «NOVO BANCO» Observações Preliminares O presente documento não constitui uma oferta juridicamente vinculativa. Os dados quantificados são fornecidos de boa fé e constituem uma descrição

Leia mais

Simulação de Crédito Pessoal

Simulação de Crédito Pessoal Simulação de Crédito Pessoal Data de Impressão: 22-10-2013 14:13 Número de Simulação: 13901487 Resumo Multifinalidades Prestação Comissão de Processamento (mensal) (Acresce Imposto do Selo à Taxa em vigor)

Leia mais

DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO

DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO DEFINIÇÃO SOBRE ANÁLISE DE CRÉDITO A análise de crédito é o momento no qual o agente cedente irá avaliar o potencial de retorno do tomador do crédito, bem como, os riscos inerentes à concessão. Tal procedimento

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO Índice Componentes do custo do crédito Taxa de juro Comissões Despesas Seguros Medidas agregadas do custo do crédito: TAE e TAEG Taxas máximas no crédito

Leia mais

Banif SA - Pag. 1 de 13

Banif SA - Pag. 1 de 13 FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA - CRÉDITO À HABITAÇÃO E DE CRÉDITO CONEXO PARTE I - CONDIÇÕES FINANCEIRAS DO CRÉDITO À HABITAÇÃO A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO E OBSERVAÇÕES 1. Identificação da Instituição

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015 Anexo II Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015 Preçário pode ser consultado nas Agências e locais de atendimento ao público do Banco Keve

Leia mais

Guia crédito respon sável

Guia crédito respon sável uia rédito espon ável 1_ _2 O que é o Crédito Responsável? 3_ _4 Um Crédito Responsável exige um compromisso. O Compromisso de trabalhar com o cliente de forma leal, justa e transparente em relação aos

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JUROS CLIENTES PARTICULARES

FOLHETO DE TAXAS DE JUROS CLIENTES PARTICULARES FOLHETO DE TAXAS DE JUROS CLIENTES PARTICULARES 1 17. CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. DEPÓSITO À PRAZO FOLHETO DE TAXAS DE JURO CLIENTES PARTICULARES Moeda nacional - residentes (2) Taxa anual nominal Bruta 1.

Leia mais

Financiamento. Financiamento

Financiamento. Financiamento É preciso ter em conta o valor de: Imobilizações corpóreas Imobilizações incorpóreas Juros durante a fase de investimento Capital circulante permanente 1 O capital circulante tem que financiar o ciclo

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação 1.2. Endereço

Leia mais

Ficha de Informação Geral

Ficha de Informação Geral Objectivo da Ficha de Informação Geral Oferecer aos Clientes informação de carácter geral sobre o crédito à habitação, o mais transparente, sistemático e rigorosamente possível, antes da formalização de

Leia mais

SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO

SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO BENEFICIÁRIOS: entidades que em virtude de obrigação legal ou contratual sejam beneficiárias de uma obrigação de caucionar ou de afiançar, em que seja devido, designadamente,

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

FINANCIAMENTO À HABITAÇÃO

FINANCIAMENTO À HABITAÇÃO FINANCIAMENTO À HABITAÇÃO WORKSHOP FINANCIAMENTO ÀS INFRA-ESTRUTURAS, À AGRICULTURA E À AGRO-INDÚSTRIA APRESENTADO POR: EDSON VAZ PRESIDENTE DA COMISSÃO EXECUTIVA DO FUNDO DE FOMENTO HABITACIONAL INSTRUMENTOS

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 A Instrução n.º 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão n.º 2001/193/CE, de 1 de Março de 2001,

Leia mais

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs PROTOCOLO ORDENS PROFISSIONAIS CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs Para aderir a este Protocolo e beneficiar das respectivas condições, abra a sua Conta Gestão Tesouraria ou Conta

Leia mais

FIN - FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA

FIN - FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA FIN - FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA PARTE I - CONDIÇÕES FINANCEIRAS DO CRÉDITO À HABITAÇÃO A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO E OBSERVAÇÕES 1. Identificação da Instituição Denominação Caixa Geral de Depósitos,

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO Índice Conceito de empréstimo Avaliação da capacidade financeira Principais tipos de crédito Ficha de Informação Normalizada Principais características

Leia mais

O (Sobre)-Endividamento das Famílias: Prevenir ou Solucionar?

O (Sobre)-Endividamento das Famílias: Prevenir ou Solucionar? O (Sobre)-Endividamento das Famílias: Prevenir ou Solucionar? Luísa Marabuto Clara Magalhães Celeste Varum Carla Monteiro GEACE-UA 5ª Conferência Internacional de Educação Financeira 15 e 16 de Julho de

Leia mais

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social - Direção Geral da Segurança Social.

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social - Direção Geral da Segurança Social. I - NOTA PRÉVIA INFORMATIVA AO ASSOCIADO BENEFICIÁRIO / POTENCIAL BENEFICIÁRIO O Montepio Geral - Associação Mutualista (MGAM) informa que o beneficio associativo de se encontra regulado pelo Regulamento

Leia mais

STJ00085281 NOTA À 9." EDIÇÃO... OBRAS DO AUTOR... 1.2 Operações bancárias... 18. 1.4 Natureza dos contratos de crédito bancário...

STJ00085281 NOTA À 9. EDIÇÃO... OBRAS DO AUTOR... 1.2 Operações bancárias... 18. 1.4 Natureza dos contratos de crédito bancário... STJ00085281 SUMÁRIO NOTA À 9." EDIÇÃO.................. OBRAS DO AUTOR................... 5 7 1. CRÉDITO BANCÁRIO........ 17 1.1 Atividade creditícia dos bancos.............. 17 1.2 Operações bancárias..........................

Leia mais

Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração

Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração ASSUNTO: ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DE CRÉDITO O Conselho de Administração da Cooperativa de Poupança e Crédito, SCRL, no âmbito das

Leia mais

CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo

CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo 1 CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo Comunicamos que a Diretoria do Banco Central, tendo em vista o disposto no i- tem XXIII

Leia mais

Relatório de Acompanhamento. dos mercados Bancários. de Retalho. Lisboa, 2013 Disponível em www.clientebancario.bportugal.pt ou em www.bportugal.

Relatório de Acompanhamento. dos mercados Bancários. de Retalho. Lisboa, 2013 Disponível em www.clientebancario.bportugal.pt ou em www.bportugal. Relatório de Acompanhamento dos mercados Bancários de Retalho 2012 Lisboa, 2013 Disponível em www.clientebancario.bportugal.pt ou em www.bportugal.pt BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Imposto do Selo. O imposto do selo é devido pela prática de determinados atos previstos numa Tabela Geral, anexa ao Código do Imposto do Selo.

Imposto do Selo. O imposto do selo é devido pela prática de determinados atos previstos numa Tabela Geral, anexa ao Código do Imposto do Selo. Imposto do Selo O imposto do selo incide sobre determinados atos e contratos, sendo cobrado um valor fixo ou aplicada uma taxa ao valor do ato ou contrato. O campo de aplicação deste imposto tem vindo

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

Código de Conduta Voluntário de Crédito Habitação

Código de Conduta Voluntário de Crédito Habitação Código de Conduta Voluntário de Crédito Habitação Indíce ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR 3 ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO RESPONSABILIDADES DE CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO RESPONSABILIDADES DE CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO RESPONSABILIDADES DE CRÉDITO Índice Conceito de responsabilidade de crédito Central de Responsabilidades de crédito (CRC) O que é a CRC? Para que serve a CRC? Mapa de

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

5º Workshop da Plataforma do Empreendedor

5º Workshop da Plataforma do Empreendedor 5º Workshop da Plataforma do Empreendedor Lisboa, AIP-CE 27 de Maio de 2010 EMPREENDEDORISMO Da ideia à actividade. O Montepio apoia a criação de negócios independentemente da sua dimensão e está disponível

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014 Através da Resolução do Conselho de Governo n.º 97/2013, de 3 de outubro, foi criada a Linha de Apoio à Reabilitação

Leia mais

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma.

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma. Decreto-Lei N.º 512/99 De 24 de Novembro Cria um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior A Lei n.º 113/97, de 16 de Setembro - Lei de Bases do Financiamento do Ensino Superior Público

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

Mercado de Operações de Intervenção (MOI)

Mercado de Operações de Intervenção (MOI) Mercado de Operações de Intervenção (MOI) CAPÍTULO I. DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II. INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES CAPÍTULO III. OPERAÇÕES DE MERCADO ABERTO III.1. MODALIDADES DE EXECUÇÃO DAS OPERAÇÕES III.1.1.

Leia mais

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental Banco de Portugal EUROSISTEMA INSTRUÇÃO N.º 10/2010 Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental Folha 1 ASSUNTO: Ficha de Informação Normalizada de Crédito à Habitação e de Crédito Conexo O Banco de Portugal

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 I. Apreciação Geral De acordo com os resultados obtidos no inquérito realizado em outubro aos cinco grupos bancários

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO PESSOAL

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO PESSOAL ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO PESSOAL Índice Finalidades do crédito pessoal Ficha de Informação Normalizada (FIN) Montante e prazo Modalidades de reembolso Garantias Custos do crédito Taxa

Leia mais

até 31.08.87 100% até 30.09.87 95% até 30.10.87 90% até 30.11.87 85% até 31.12.87 80% Circular n 1214, de 4 de agosto de 1987

até 31.08.87 100% até 30.09.87 95% até 30.10.87 90% até 30.11.87 85% até 31.12.87 80% Circular n 1214, de 4 de agosto de 1987 1 06/01/1988. CIRCULAR Nº 1.214 Documento normativo revogado pela Circular 1278, de 05/01/1988, a partir de Às Sociedades de Crédito Imobiliário, Associações de Poupança e Empréstimo e Caixas Econômicas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº./XII/3.ª REFORÇA A PROTEÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL

PROJETO DE LEI Nº./XII/3.ª REFORÇA A PROTEÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI Nº./XII/3.ª REFORÇA A PROTEÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL (1ª ALTERAÇÃO À LEI N.º 5/2012, DE 9 DE NOVEMBRO) Exposição de motivos

Leia mais

Protocolo BBVA Soluções Financeiras

Protocolo BBVA Soluções Financeiras Protocolo BBVA Soluções Financeiras Conheça as soluções financeiras que o BBVA tem para lhe oferecer e aproveite o Protocolo BBVA com condições exclusivas para os Associados do SPLIU. Para o BBVA cada

Leia mais

AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março

AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março Publicado no Diário da República, I Série, nº 60, de 28 de Março AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março ASSUNTO: DEVERES GERAIS DE INFORMAÇÃO NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E PRODUTOS FINANCEIROS Considerando a necessidade

Leia mais

* * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * *

* * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * * Escola Profissional de Agentes de Serviço e Apoio Social Curso de Animador Social/Assistente Familiar Área Científica - ECONOMIA * * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * * Módulo 4: MOEDA E MERCADO FINANCEIRO

Leia mais

ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE. Parte 1 Valor Recuperável do Crédito

ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE. Parte 1 Valor Recuperável do Crédito ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE Parte 1 Valor Recuperável do Crédito O cálculo do valor recuperável do crédito deverá atender aos aspectos que caracterizam cada exposição creditícia e/ou

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

internacionalizar Seguros COSEC com Garantia do Estado Fichas de Produtos

internacionalizar Seguros COSEC com Garantia do Estado Fichas de Produtos internacionalizar Seguros COSEC com Garantia do Estado Fichas de Produtos Novembro de 2013 Índice Seguro de Créditos à Exportação de Médio e Longo Prazo com a Garantia do Estado 03 Seguro de Créditos Financeiros

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO

RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO 2013 MARÇO DE 2014 2 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 1. RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO... 3 2. RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE MERCADO... 4 3. CONCENTRAÇÃO DE RISCO

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 Sandra Figueiredo 1. Aspectos econômicos e jurídicos das instituições financeiras O Aparecimento das instituições financeiras foi motivado pelas relações

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO. Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 2 de Outubro 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao

Leia mais

Soluções Financeiras ANEXO I. Protocolo exclusivo. Soluções Ordenado BBVA. Soluções Habitação BBVA

Soluções Financeiras ANEXO I. Protocolo exclusivo. Soluções Ordenado BBVA. Soluções Habitação BBVA Protocolo exclusivo. Soluções Financeiras ANEXO I Aproveite o Protocolo BBVA para realizar os seus projectos pessoais. O Banco Bilbao Vizcaya Argentaria, coloca ao seu dispor um conjunto de Produtos e

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01 Entidades de Incorporação Imobiliária Descrição Item Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesas

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ASSUNTO: Comunicação de informação relativa a contratos de crédito abrangidos pelos procedimentos previstos no

Leia mais

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário;

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário; ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO ( ACORDO ) O presente Acordo foi negociado e adoptado pelas

Leia mais

Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto

Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto Enquanto o mercado dos produtos e serviços financeiros foi regulado de forma administrativa, a procura que lhes era dirigida defrontava condições do lado da oferta

Leia mais

NOVAS INICIATIVAS LEGISLATIVAS NO ÂMBITO DO CRÉDITO À HABITAÇÃO

NOVAS INICIATIVAS LEGISLATIVAS NO ÂMBITO DO CRÉDITO À HABITAÇÃO 3 de junho de 2012 NOVAS INICIATIVAS LEGISLATIVAS NO ÂMBITO DO CRÉDITO À HABITAÇÃO 1. Introdução A crise financeira e económica, aliada ao aumento do registo de incumprimentos no crédito à habitação a

Leia mais

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE Prospecto Informativo TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE ICAE NÃO NORMALIZADO Os elementos constantes deste prospecto informativo reportam-se a 31 de Dezembro de 2009 (actualização dos ns.8, 9 e 10 da Parte III)

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO N. o 035/B/2010-DBS/AMCM Data: 05/10/2010 DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que

Leia mais

CRÉDITO PESSOAL. (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) Praça D. João I, 28 4000-295 Porto

CRÉDITO PESSOAL. (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) Praça D. João I, 28 4000-295 Porto CRÉDITO PESSOAL FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição

Leia mais

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS Banco de Cabo Verde O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades,

Leia mais

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres.

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres. VALORES MOBILIÁRIOS O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos e deveres, podendo ser comprados

Leia mais

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011 Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses Julho Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado ao nível da União

Leia mais

Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos

Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos CAIXA ECONÔMICA FEDERAL AVALIAÇÃO DE RISCO Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS A ANÁLISE

Leia mais

SICOOB NORTE. Resultados

SICOOB NORTE. Resultados SICOOB NORTE Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Norte conseguiu ótimos resultados, numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado financeiro

Leia mais

O Novo Regime Jurídico dos Fundos de. investimento imobiliário em Angola. 15 de novembro de 2013. angola@vda.pt

O Novo Regime Jurídico dos Fundos de. investimento imobiliário em Angola. 15 de novembro de 2013. angola@vda.pt 15 de novembro de 2013 angola@vda.pt Foi publicado o Decreto Legislativo Presidencial n.º 7/13 ( Decreto 7/13 ) que veio consagrar o Regime Organismos de Coletivo ( OIC ) 1 e, entre estes, dos Imobiliário

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BANCO PRIMUS, SA, contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes UNISEB Centro Universitário 17/5/2013 Módulo 6.2 Unidade 5 UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil em Processos Bancários 3 A PERÍCIA BANCÁRIA

Leia mais

Não existe garantia de capital nem rendimento.

Não existe garantia de capital nem rendimento. 91-67 Informação actualizada a: 01/04/2012 Designação Comercial: Operação de Capitalização Série Nº 67 (I.C.A.E - Não normalizado) Data início de Comercialização: 07/05/2009 Empresa de Seguros Entidades

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BANCO PRIMUS, SA, contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro

Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro Cria um instrumento financeiro denominado obrigações hipotecárias. B.O. n.º 40 - I Série Decreto n.º 63/99 de 2 de Novembro O presente diploma, dando sequência à reforma

Leia mais

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos www.facebook.com/santandertotta.pt http://twitter.com/santandertotta Onde deve investir? A escolha deve ter em conta diversos factores, tais como: quando é que pretende utilizar o montante que investiu?

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 22 Dezembro 2014

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 22 Dezembro 2014 Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 22 Dezembro 2014 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais