ANÁLISE PRELIMINAR DO USO DA TERRA E DO PROCESSO DE FRAGMENTAÇÃO DA VEGETAÇÃO DO MUNICÍPIO DE RIO VERDE (GO) COM IMAGEM LANDSAT TM5 (2008).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE PRELIMINAR DO USO DA TERRA E DO PROCESSO DE FRAGMENTAÇÃO DA VEGETAÇÃO DO MUNICÍPIO DE RIO VERDE (GO) COM IMAGEM LANDSAT TM5 (2008)."

Transcrição

1 ANÁLISE PRELIMINAR DO USO DA TERRA E DO PROCESSO DE FRAGMENTAÇÃO DA VEGETAÇÃO DO MUNICÍPIO DE RIO VERDE (GO) COM IMAGEM LANDSAT TM5 (2008). Karla Maria Silva de Faria Doutoranda em Geografia (IESA) - Universidade Federal de Goiás - Instituto de Estudos Sócio Ambientais. Goiânia - Goiás. Gabriel Tenaglia Carneiro Doutorando em Ciências Ambientais (CIAMB) Universidade Federal de Goiás. Goiânia Goiás Dr a Selma Simões de Castro Professora Titular de Geografia Física do Instituto de Estudos Sócio Ambientais - Universidade Federal de Goiás- Goiânia- Goiás Resumo O município de Rio Verde, situado na região sudoeste do Estado de Goiás, foi selecionado como uma das 12 áreas para receber os incentivos diretos do Programa de Desenvolvimento das Áreas de Cerrados - POLOCENTRO (Política integrante do II Plano Nacional de Desenvolvimento) em meados da década de As atividades desse programa transformaram o município em um dos maiores produtores agrícolas, com destaque para o cultivo da soja, pastagem e atualmente com o cultivo da cana de açúcar, que substituíram as áreas de vegetação nativa e causaram degradações ambientais na área. A identificação de alternativas promotoras da sustentabilidade do desenvolvimento econômico, de planejamento e da capacidade de suporte ambiental diante dos diferentes manejos empregados da região pode ser obtida através de mapas de uso da terra. Na presente pesquisa esse mapa foi elaborado através de segmentação e interpretação da imagem de imagens de satélite LANDSAT TM5 (2008), no software SPRING. O mapa obtido indicou que dentre as atividades antrópicas, a atividade de agricultura é a predominante, correspondendo a 66,88% da área e que os remanescentes da vegetação nativa encontram-se restritos a fragmentos de cerrado, raramente grandes, as áreas de reserva legal, ou áreas onde não é possível implementar atividades agropecuárias, encontrando-se, portanto, ilhados pelo uso predominante de agricultura. Embora o presente mapeamento encontre-se em nível preliminar, sendo, ainda, necessário trabalho de campo para validação e melhor detalhamento das classes de usos, os remanescentes de vegetação identificados correspondem a 23,48% de toda a área municipal, quando somadas todas as áreas das fitofisionomias mapeadas (cerrado denso, mata de galeria/mata ciliar e cerrado ralo), mas que se encontra fragmentado. Dentre as fitofisionomias identificadas a classe Mata ciliar/galeria corresponde a 14% da área do município e foi registrada ao longo dos cursos d`água, apresentando-se também altamente fragmentada. Palavras chave: uso da terra, fragmentação da vegetação, Rio Verde (GO). Abstract The municipality of Rio Verde, located in the southwestern region of Goiás State, was selected as one of 12 areas to receive the direct incentives of the Program of Development of Areas of Cerrado - POLOCENTRO (Policy of the National Development Plan II) in the middle of 1970s. The activities of the program transformed the municipality into a major agricultural producers, with emphasis on the cultivation of soybeans, pasture and now with the cultivation of sugarcane, which have replaced the areas of native vegetation and caused environmental damage in the area. The identification of alternative promoters of sustainable economic development, planning and capacity to support environmental management in the face of various employees of the region can be obtained from maps of land use. In this study this map was drawn up by the image segmentation and interpretation of satellite images LANDSAT TM5 (2008), the software SPRING. The map obtained indicated that among the human activities, the activity of agriculture is the predominant, accounting for 66.88% of the area and the remnants of native vegetation, are restricted to patches of savanna, rarely large, the areas of legal reserve or areas where you can not implement agricultural activities and is therefore "isolated" by the predominant use of agriculture. Although this mapping is at the preliminary, and further, the field work necessary to validate and better details of the classes of uses, the remnants of vegetation identified correspond to 23.48% of the entire municipal area, when added up all mapped areas of vegetation (dense cerrado, gallery forest / savanna and riparian drain), but it is fragmented. Among the identified vegetation class Riparian forest / gallery is 14% of the area of the municipality and was recorded over the course d `water, presenting highly fragmented too. Key words: land use, fragmentation of vegetation, Rio Verde (GO).

2 Introdução O município de Rio Verde, situado na região sudoeste do Estado de Goiás, foi selecionado como uma das 12 áreas para receber os incentivos diretos do Programa de Desenvolvimento das Áreas de Cerrados POLOCENTRO, política de integração do Cerrado ao sistema produtivo, com base na cultura de grãos, algodão e carne voltados à exportação, integrante do II Plano Nacional de Desenvolvimento, em meados da década de Além dessa outras políticas posteriores, assentadas na perspectiva do agronegócio, adotadas a partir da década de 1990, contribuíram para maior incremento ainda da produção agrícola, através da instalação de agroindústrias no município, acompanhada de crédito rural, redução ou mesmo isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS), o programa estadual Produzir e o Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO). A região Sudoeste Goiano, alvo das mesmas políticas, onde se encontra Rio Verde, até meados dos anos 2000, apresentou grande crescimento populacional induzido pela implantação das agroindústrias relacionadas à produção de grãos, sobretudo da soja. Atualmente, sobretudo a partir do ano de 2006, nota-se uma nova transformação no cenário do estado de Goiás e do Sudoeste Goiano em particular, quanto ao uso agrícola, observando-se a substituição de áreas relevantes de agropecuária para a inserção da monocultura de cana-de-açúcar e de todo seu aparato agroindustrial. Conforme Castro et al (2007), essa microrregião já apresenta cerca de 20 unidades industriais nas diferentes fases, ou seja, de análise ou de implantação do projeto, ou já em operação, isto é, em funcionamento. O cultivo da soja, das pastagens e atualmente o cultivo da cana-de-açúcar, sem dúvida incorporaram o município ao sistema produtivo com destaque para o desenvolvimento econômico, no entanto, do ponto de vista do meio ambiente, substituíram extensas áreas de vegetação nativa e são apontados como responsáveis por várias degradações ambientais resultantes dos impactos, tanto do desmatamento como do próprio uso e manejo das terras. Isto enseja a necessidade da identificação de alternativas promotoras da sustentabilidade do desenvolvimento econômico paralelamente ao planejamento em consonância com a capacidade de suporte ambiental diante dos diferentes manejos empregados da região, onde os mapas de uso da terra podem ser de grande utilidade. O mapeamento da cobertura vegetal e do uso da terra é, portanto, indispensável para o planejamento ambiental racional que poderá auxiliar a superar problemas relacionados ao processo de desenvolvimento econômico gerador de passivos ambientais e que conduzem à deterioração da qualidade ambiental. Esse tipo de mapa possibilita também a identificação de indicadores ambientais, a avaliação da capacidade de suporte ambiental, diante dos diferentes manejos empregados, contribuindo, então, para a identificação de alternativas promotoras da sustentabilidade do desenvolvimento (IBGE, 2006). O uso de sensores orbitais tem demonstrado grande utilidade na detecção de informações sobre os recursos naturais, principalmente quando relacionado à cobertura vegetal e ao uso da terra. A

3 obtenção das informações, a partir de sensores remotos integrados aos dados fornecidos pelo trabalho de campo, permite a adequação dos programas de planejamento e monitoramento dos ecossistemas e do uso da terra. Nesse sentido, este trabalho teve como objetivo a elaboração de mapa de uso da terra e de remanescentes com uso de imagens de satélite LANDSAT - TM, a fim de interpretar o uso do solo atual do município de Rio Verde. Materiais e Métodos A área de estudo O município de Rio Verde, que abrange uma área de km², está localizado na porção sudoeste do estado de Goiás, entre as coordenadas geográficas de 17º a 18º de latitude Sul e 50º a 51º de longitude Oeste. Pertence a mesorregião Sul Goiano e à microrregião Sudoeste de Goiás constituída pelos municípios de Aporé, Mineiros, Aparecida do Rio Doce, Chapadão do Céu, Castelândia, Maurilândia, Serranópolis, Santa Helena de Goiás, Santo Antonio da Barra, Perolândia, Jataí, Portelândia, Rio Verde, Montividiu, Santa Rita do Araguaia, Mineiros, Doverlândia, Palestina de Goiás e Caiapônia. (Figura 1). Figura 1 - Localização do Município de Rio Verde - GO

4 Trata-se de um dos municípios mais antigos do estado (a criação do Município deus-e através da Lei Provincial N.º 08, de 06/11/1854), que, devido às características do meio físico, caracterizou-se desde o início pela atividade agropecuária, onde se destacam como principais produtos a soja, milho, sorgo granífero, e carne (bovina, suína e avícola), o que o identifica como predominantemente agrícola. Entretanto, segundo dados do IIBGE (2007), a população do município, estimada em habitantes, encontra-se predominantemente na zona urbana (91%) com apenas 9% na zona rural. A Figura 2, obtida através de dados censitários do município, mostra que esse fato é histórico, pois sua população sempre esteve concentrada na área urbana. Evolução da população no municipio N hab Rural Urbana Anos Figura 2 Gráfico de evolução da população urbana e rural no município de Rio Verde. Fonte: IBGE, Convém observar, no entanto, que a Figura 2 também permite compreender que o contingente rural do município não é responsável único e nem mesmo o principal pelo aumento da população urbana, ou seja, o município cresceu mais devido grande contingente migratório, o qual coincide com o período imediatamente subseqüente às políticas econômicas relatadas, fato já interpretado por vários autores. Procedimentos metodológicos O mapa de uso da terra e de remanescentes foi realizado com base em imagem e satélite Landsat TM-5 (27 de julho de 2008) através da ferramenta de classificação segmentada por regiões, disponibilizada pelo software Spring. Esta ferramenta utiliza como critérios de análise para a classificação a informação espectral de cada pixel e relação deste entre seus vizinhos (MOREIRA, 2003). Como a interpretação para classificação da imagem considera interpretação fatores como cor, textura, forma e relevo, é necessário adotar-se uma composição de bandas com falsa-cor. Adotou-se,

5 então, a composição nas bandas 5R, 4G e 3B que apresenta forte semelhança com as cores da superfície terrestre e é freqüentemente utilizada por facilitar a interpretação da cobertura e uso da terra. A definição da nomenclatura/classes adotada para mapas de uso da terra deve ser compatível com a escala, o tamanho da área e ser adequada ao mapeamento da diversidade do território. Deve, portanto, ser clara e precisa para os usuários. No entanto, nem sempre é possível durante uma classificação para mapeamento de uso da terra, abranger toda a complexidade do alvo de estudo. Segundo Diniz (1984) as classificações só podem ser julgadas na esfera do adequado inadequado; significante não-significante, e jamais na do certo e errado. Conforme IBGE (2006 p.35): Classificar é agrupar objetos, elementos e eventos em conjuntos levando-se em conta suas propriedades consoante um método ou sistema de avaliação. Assim, foram identificadas áreas de uso antrópico (agricultura, pastagens, solo exposto, áreas urbanas), de remanescentes (Cerrado Denso, Cerrado Ralo, Mata Ciliar) e áreas de corpos d água, sendo adotada para a chave de interpretação as características apresentadas no Quadro 1. Quadro 1- Chave de interpretação da Imagem Landsat- TM-5. Características Textura Tonalidade Porte Classes de uso Mata Ciliar Homogêneo Verde escuro Alto Aspectos Associados Fundos de Vale; cursos d'água Cerrado Denso Homogêneo Verde médio Médio/Alto Formas irregulares Cerrado Ralo Grossa Verde claro Baixo Árvores isoladas Agricultura Pastagens Sitio Urbano Fina; aveludada e granular. Fina/homog ênea/aveluda da Grossa Rosa; verde claro. Clara com algumas variações Cinza claro e médio Rasteiro Baixo - Formas geométricas; carreadores/pivôs. Formas geométricas, trilhas/arvores isoladas. Formas geométricas/arrua mentos Solo Exposto grossa vermelho - Formas irregulares Corpos d água Lisa Cinza escuro a negro - Áreas rebaixadas e fundos de vale Na definição e classificação das classes de uso e remanescentes foram necessários alguns ajustes e agrupamentos, em virtude, especialmente, do tamanho da área e escala. Foram agrupadas: Áreas de agricultura temporária e permanente, assim como as áreas de culturas irrigadas (pivôs) e áreas destinadas a agricultura na Classe de Agricultura; A fisionomia associada aos córregos e rios da bacia foram todas classificadas como Mata Ciliar. Em função da escala e métodos, não foi possível a definição entre Mata

6 Ciliar e Mata de Galeria que segundo a classificação de Ribeiro e Walter (1998) baseia-se fundamentalmente em critérios florísticos; Ainda são necessários trabalhos de campo para validação do mapa especialmente dos remanescentes. A fim de se realizar uma análise comparativa da evolução do uso do solo no município enfocado, utilizaram-se os mapas elaborados por Santos (2006), para os anos de 1975 e 2005, que foram elaborados com imagens Landsat e CBERS, respectivamente, e classificados através de método não supervisionado disponibilizado pelo software ENVI. Como a metodologia utilizada para a elaboração destes mapas difere da utilizada para a elaboração do mapa de 2008, procedeu-se com o agrupamento das classes de uso, identificadas para os anos de 1975, 2005 e 2008, conforme classificação proposta pelo Manual Técnico de Uso da Terra do IBGE. As classes de uso agrupadas são apresentadas no Quadro 2. Quadro 2 Identificação do agrupamento de classes Classe agrupada Água Áreas de vegetação natural Áreas antrópicas não agrícolas Áreas antrópicas agrícolas Classes dos mapas originais Corpos d`água. Cerrado denso, cerrado aberto, cerrado ralo, mata ciliar e mata de galeria. Áreas urbanizadas Inclui todas as terras cultivadas, caracterizadas pelo delineamento de áreas cultivadas ou em descanso, encontram-se inseridas nesta categoria as lavouras temporárias e lavouras permanentes. Resultados e Discussões Uso da terra atual do município O atual mapa de uso da terra e de remanescentes do município de Rio Verde (Figura 3), obtido através de análise de imagens de satélite LANDSAT TM5, conforme metodologia já exposta indica que dentre as atividades antrópicas aplicadas à área a atividade de agricultura é a predominante, correspondendo a 66,88% da área. Esta se encontra distribuída por todo o município, o que confirma a vocação agrícola do mesmo. Ressalta-se que essa atividade utiliza-se de uma grande quantidade de insumos químicos e maquinários para a elevação da produtividade, o que pode conduzir ao desenvolvimento de inúmeros impactos ambientais. As atividades de pastagens concentram-se na porção sul do município e correspondem a 8,75 da área do município. Os outros usos antrópicos mapeados correspondem a 0,86% da área e são representados pelas áreas urbanas dos municípios e por áreas de solo exposto (áreas degradadas pelas atividades agrícolas que se encontram, na data da imagem, provavelmente abandonadas).

7 Figura 3 Mapa Preliminar de uso da terra do município de Rio Verde GO. Segundo a classificação de Ribeiro e Walter (1998) esses remanescentes foram identificados, em Mata Ciliar, Cerrado Denso, Cerrado Ralo. Os remanescentes da vegetação nativa mapeados, no referido ano encontram-se pulverizados e fragmentados pelo processo de antropização do município.

8 Restringem-se a fragmentos de cerrado, raramente grandes, às áreas de reserva legal, ou áreas onde não é possível atividade agropecuária. Encontram-se, portanto, ilhados pelo uso predominante de agricultura. Predominam fitofisionomias de Mata ciliar que correspondem a 14% da área do município e é identificada ao longo dos cursos d`água. Apresenta-se altamente fragmentada (descontínua), devido ao processo de desmatamento, sendo que alguns cursos d água chegam a não apresentar essa vegetação. Ribeiro e Walter (1998) alertam para ocorrência de transição, nem sempre evidente, entre essa fitofisionomia e as formações florestais, por isso acredita-se que as áreas de Mata Ciliar mapeadas possam estar superestimadas. A classe de Cerrado Denso corresponde a 5,3% da área e encontra-se dispersa na área do município. As áreas de Cerrado Ralo correspondem a 4,17% e também se apresentam de forma dispersa. Foram identificadas na área ainda a classe de corpos d água (classe água) que correspondem a 0,04% da área total do município. Os remanescentes do município correspondem, quando somadas todas as áreas das fisionomias mapeadas, a km 2, ou seja, 23,48% de toda a área, mas que se encontra fragmentado pelas atividades antrópicas. A tabela 1 indica a participação de cada classe em relação a área total do município e para com a área total dos remanescentes. Tabela 1 Quantificação do uso do Município de Rio Verde Classes de usos Área (km2) % em relação a área total dos remanescentes % em relação a área total do município Cerrado Ralo ,8 4,17 Cerrado Denso ,6 5,3 Mata Ciliar ,6 14 área total dos Remanescentes % 23,48 Usos antrópicos - % em relação à área total com usos - antrópicos Solo exposto ,52 0,45 Pastagem ,43 8,75 Agricultura ,51 66,88 Área urbana ,54 0,41 área total dos usos ,49 Água (*) ,04 Área total do município (remanescentes + usos+ classe água) (*) canais de drenagem, lagos, represas. 100

9 Analisando-se a tabela 1 pode-se constatar que a cobertura vegetal natural não chega a 24% da área total do município e que os usos antrópicos ultrapassam ligeiramente os 76%, o que caracteriza o município como fortemente antropizado. Percebe-se também que as matas ciliares dominam largamente o tipo de cobertura vegetal natural, embora cubram aproximadamente apenas 14% da área total do município, sendo seguida pelo Cerrado Denso, que não alcança 23 % do total de remanescentes, os quais cobrem aproximadamente apenas pouco mais de 5% do município. Quanto aos usos antrópicos, domina o uso agrícola que corresponde a quase 67% da área, seguido pela área ocupada com pastagem que não alcança 9% da área total do município, mas junto com o uso anterior respondem por pouco mais de 75% da área total do município. Observa-se ainda, pela tabela 1 e Figura 3, quanto à cobertura vegetal, que as Matas Ciliares (Áreas de Preservação Permanente -APP, protegidas por lei), além de responderem pelo domínio em área de cobertura natural, não são contínuas, o que não se observa para os demais tipos de vegetação natural, cujo aspecto é de remanescentes fragmentários, aí se incluindo, certamente, as reservas legais e outros tipos de áreas de preservação permanente, além de eventuais unidades de conservação (UC) e reservas legais ( RL). No entanto, é necessário ainda trabalho de campo para validação do referido mapa (Figura 3) e consequentemente da respectiva tabela 1, assim como um maior detalhamento das classes de usos e das tipologias da vegetação. Evolução do Uso do Solo no Município A análise da evolução histórica do uso do solo, com base em diferentes anos auxilia na compreensão das formas de exploração, organização e ocupação do espaço e também induz às análises das tendências evolutivas da transformação da paisagem. Assim, após o agrupamento das classes de uso dos mapas de 1975, 2005 e 2008, pode-se constatar que após 1975 ocorreu uma notável conversão de áreas de vegetação natural em áreas antrópicas agrícolas (agricultura e pastagens), as quais foram mantidas nos anos de 2005 e Tratase praticamente de uma inversão de percentuais nessas duas categorias (Figura 4 e Tabela 2).

10 Evolução do Uso da Terra entre 1975 e Área (%) Áreas de vegetação natural Áreas antrópicas agrícolas Áreas antrópicas não agrícolas Água Anos Figura 4 - Gráfico de evolução do uso do solo entre os anos de 1975 e Fonte: Santos, 2006; Faria, Tabela 2 - Evolução do Uso do Solo do Município de Rio Verde (1975 a 2008). Área (%) Diferenças Categorias/Classes entre os anos (%) Áreas de vegetação natural 78,719 19,04 23,48-55,23 Áreas antrópicas agrícolas 21,241 79,91 76,08 54,83 Áreas antrópicas não agrícolas 0,04 1,054 0,4 0,36 Água 0 0 0,04 0,04 Total Fonte: Santos, 2006; Faria, Verifica-se que houve uma redução de 55,23% das áreas de vegetação natural, que foram convertidas em áreas antrópicas agrícolas, não agrícolas. Deve-se ressaltar que a partir do final dos anos de 1970 a substituição das áreas naturais por áreas antrópicas relaciona-se aos grandes investimentos para incorporação das áreas de cerrado ao sistema produtivo e através da modernização da agricultura. Certamente, isso é reflexo direto das Políticas integrantes do II PND, sobretudo do POLOCENTRO, para o qual o município fora selecionado, com já assinalado, para receber os incentivos. As análises da Figura 4 e da Tabela 2 ainda indicam outro fato notável, que entre os anos de 2005 e 2008 houve um acréscimo de 4,44 %, no ano de 2008 para a categoria de vegetação natural, todavia acredita-se que esse acréscimo tenha ocorrido em função das diferentes metodologias adotadas para a elaboração dos mapas e também das imagens utilizadas. Por outro lado, pode resultar também do fato de que quando a cobertura era nativa a mata ciliar se confundia com a cobertura de seu entorno, podendo ter sido classificada como outro tipo.

11 Considerações Finais Apontada por alguns autores como região metamorfoseada pelo capital (ARRAIS, 2004), a região sudoeste do estado de Goiás, onde se encontra o município de Rio Verde, vem apresentando, além do desenvolvimento econômico acelerado um processo contínuo de perda das características originais, que demandam a elaboração de mapas da cobertura vegetal e uso da terra, além da análise da evolução do uso para a elaboração de propostas de planejamento racional. O mapa elaborado, com base em imagem de satélite LANDSAT TM, indicou que o município de Rio Verde, apresenta alto índice de antropização, onde o uso predominante é da agricultura (67%) e que a vegetação original, pertencente ao Bioma Cerrado, encontra-se restrita a fragmentos remanescentes, que se apresentam de forma descontínua e possivelmente correspondem as áreas de reservas legais e outros tipos de áreas de preservação permanente, além de eventuais unidades de conservação (UC) e reservas legais (RL), sendo que a vegetação remanescente predominante corresponde atualmente à classe de matas ciliares (14% da área), e se encontra também de forma descontinua, ou seja, fragmentada e provavelmente muito comprometida pelo efeito de borda dos usos do entorno. Pode-se dizer que a taxa global de desmatamento no período foi de cerca de 55,23%, sendo que a conversão para a agropecuária foi de 54,83 %. A análise do uso do solo em escala evolutiva permitiu a visualização do processo de conversão das áreas naturais de vegetação em áreas produtivas após a implantação das ações do POLOCENTRO. No entanto, devido ausência de estudo de imagem intermediaria, por exemplo, da década de 80, não é possível separar neste momento os efeito diretos desse Programa e os que se deram posteriormente, após a consolidação das funções agropecuárias e agroindustriais do município. Ressalte-se, ainda, que são necessários trabalhos de campo para validação do mapa de uso e de detalhes relativos às classes das tipologias da vegetação mais impactadas pelo desmatamento, para o estabelecimento dos indicadores ambientais e sua espacialização e a elaboração de propostas de recomposição ambiental da área onde couber. Referências Bibliográficas ARRAIS, T. A. A SUDECO e o desafio do Desenvolvimento Regional. In: Revista Possibilidades, n.2, outubro de Disponível em: <http://www.observatoriogeogoias.com.br>. Acesso dia 05 de agosto de BRASIL. Manual Técnico de Uso da Terra. IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ª edição, Rio de Janeiro, DINIZ, J. A. F. Geografia da agricultura. São Paulo: DIFEL, p. RIBEIRO, J. F.; WALTER, B., T. Fitofisionomias do bioma Cerrado. IN: SANO, S.M; ALMEIDA, S.P. Cerrado:ambiente e flora. Planaltina: EMBRAPA - CPAC Cap.3 p SANTOS L.O. Mapas de uso da terra do Município de Rio Verde Anos de 1975 e Elaborados em junho de 2006.

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/38 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Cota de Reserva Ambiental (CRA) Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso

Leia mais

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT Elaine Barbosa da SILVA¹ Laerte Guimarães FERREIRA JÚNIOR¹ Antonio Fernandes dos ANJOS¹ Genival Fernandes

Leia mais

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento 11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO 11.1 Zona de Amortecimento Vilhena (2002) menciona que o conceito de zona de amortecimento surgiu pela primeira vez em 1979, com o programa Man and Biosfere,

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ Resumo Patrícia Ladeira Pinheiro¹ Gabriel Pereira² (patricia.ladeira@gmail.com; pereira@ufsj.edu.br) Graduanda em Geografia - UFSJ

Leia mais

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL Gabriela Nunes Wicke 1, Antonio Fontes de Faria Filho 2, Quintino Reis de Araujo 3, Gabriel Paternostro

Leia mais

Monitoramento do Bioma Cerrado

Monitoramento do Bioma Cerrado Monitoramento do Bioma Cerrado Prof. Dr. Nilson C. Ferreira Monitoramento do Bioma Cerrado Biomas Brasileiros, destaque mapa antrópico do bioma Cerrado. Fonte: Sano et al. 2007(PROBIO-MMA). Monitoramento

Leia mais

MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO

MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO Régia Estevam ALVES (UFG/Campus Jataí - E-mail: regiaestevam@gmail.com). Raquel Maria de OLIVEIRA (Profa.

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR Andreza

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ALENCAR SANTOS PAIXÃO 1 ; ÉLIDA LOPES SOUZA ROCHA2 e FERNANDO SHINJI KAWAKUBO 3 alencarspgeo@gmail.com,

Leia mais

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR Lucas Ricardo Hoenig Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de

Leia mais

ANÁLISE AMBIENTAL DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA NO MUNICÍPIO DE VERÍSSIMO - MG: ELABORAÇÃO DO MAPA DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

ANÁLISE AMBIENTAL DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA NO MUNICÍPIO DE VERÍSSIMO - MG: ELABORAÇÃO DO MAPA DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ANÁLISE AMBIENTAL DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA NO MUNICÍPIO DE VERÍSSIMO - MG: ELABORAÇÃO DO MAPA DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Kedson Palhares Gonçalves - kedsonp_gonçalves@hotmail.com Instituto Federal do Triângulo

Leia mais

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. Quadro 11 - Exatidão dos mapeamentos de uso do solo

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. Quadro 11 - Exatidão dos mapeamentos de uso do solo 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Mudanças ocorridas no uso do solo No Quadro 11 são apresentadas as exatidões dos mapas temáticos gerados a partir do processamento digital das imagens do sensor Landsat 5

Leia mais

QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO

QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO Aluna do Programa de Pós-Graduação do Mestrado em Geografia

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia Bernardo Campolina Universidade Federal do Tocantins Seminário Crise Mundial e Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades para o Brasil BNDES Rio de

Leia mais

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Murilo R. D. Cardoso Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Sócio-Ambientais/GO

Leia mais

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA DOS USOS DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS ORBITAIS COM DIFERENTES RESOLUÇÕES ESPACIAIS. JUSSARA D'AMBROSIO

Leia mais

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais.

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Bruno Alves Nobre Bolsista da FAPEMIG bruno.nobre13@gmail.com Marcos Esdras Leite Professor Dr. Dep. de

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS FERNANDES, Marianne Durães 1 Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES mari170191@yahoo.com.br

Leia mais

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS DE REFERÊNCIA 1.1. NÚMERO: 02/ 2010 1.2. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Hygor Evangelista Siqueira Gestor Ambiental,

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

Daniela de Azeredo França Delano Menecucci Ibanez Nelson Jesus Ferreira

Daniela de Azeredo França Delano Menecucci Ibanez Nelson Jesus Ferreira Detecção de mudanças e elaboração de cartas de unidades de paisagem e de uso do solo a partir de imagens TM-LANDSAT: o exemplo de São José dos Campos - SP Daniela de Azeredo França Delano Menecucci Ibanez

Leia mais

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73.

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73. 1 de 27 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA PROJETO: GERENCIAMENTO INTEGRADO DE AGROECOSSISTEMAS EM MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DO NORTE-NOROESTE FLUMINENSE - RIO RURAL/GEF

Leia mais

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG)

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG) USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO Calderano Filho, B. 1 ; Carvalho Junior, W. 2 ; Prado, R.B. 3 ; Calderano, S.B. 4 ; 1 EMBRAPA - CNPS Email:braz.calderano@embrapa.br; 2 EMBRAPA- CNPS Email:waldir.carvalho@embrapa.br;

Leia mais

Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica

Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Realização: Patrocínio: Execução Técnica: PRIMEIRO MAPEAMENTO DA MATA ATLÂNTICA SOS Mata Atlântica INPE e IBAMA Escala: 1:1.000.000 CONCLUÍDO:

Leia mais

Palavras chaves Diagnóstico, fitofisionomia, uso da terra. Introdução

Palavras chaves Diagnóstico, fitofisionomia, uso da terra. Introdução Diagnóstico do uso e ocupação da terra da Gleba Cavalcante como fator transformador da paisagem Lourivaldo Amâncio de CASTRO 1 ; Fabiano Rodrigues de MELO 1 ; Amintas Nazaré ROSSETE 2 1 Universidade Federal

Leia mais

OBJETIVO MATERIAL E MÉTODOS

OBJETIVO MATERIAL E MÉTODOS Análise do Uso da Terra e das Áreas de Preservação Permanente (APP s) do município de Perolândia (GO) a partir de técnicas de Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento. Alécio Perini Martins Professor, UFG

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

DISCREPÂNCIA ENTRE USO E CAPACIDADE DE USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE ITAPURANGA-GO Adriana Aparecida Silva 1

DISCREPÂNCIA ENTRE USO E CAPACIDADE DE USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE ITAPURANGA-GO Adriana Aparecida Silva 1 DISCREPÂNCIA ENTRE USO E CAPACIDADE DE USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE ITAPURANGA-GO Adriana Aparecida Silva 1 1 Professora do Curso de Geografia/Unidade Cora Coralina/UEG RESUMO Localizado na micro-região

Leia mais

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN Resumo expandido - Avaliação e Estudos de Impactos Ambientais Manoel Cirício Pereira Neto

Leia mais

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo INTRODUÇÃO Aline Kuramoto Gonçalves aline587@gmail.com Graduada

Leia mais

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG.

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Tiago Brochado Pires Introdução: Estudos voltados para a interpretação

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DOS USOS E OCUPAÇÃO DA TERRA UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS. ESTUDO DO CASO: MUNICÍPIO DE BOA VISTA DAS MISSÕES RS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DOS USOS E OCUPAÇÃO DA TERRA UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS. ESTUDO DO CASO: MUNICÍPIO DE BOA VISTA DAS MISSÕES RS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DOS USOS E OCUPAÇÃO DA TERRA UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS. ESTUDO DO CASO: MUNICÍPIO DE BOA VISTA DAS MISSÕES RS Andrews Signori 1 Raquel Weiss 2 Tiago Signori 3 Ângela Maria Klein Hentz

Leia mais

Monitoramento Espacial e Inteligência na Agricultura

Monitoramento Espacial e Inteligência na Agricultura Monitoramento Espacial e Inteligência na Agricultura Seminário: Imagens de Satélites e Aéreas na Agricultura e Gestão Territorial Édson Bolfe Pesquisador, Chefe-Adj. P&D Embrapa Monitoramento por Satélite

Leia mais

Figura 1: Localização geográfica da área de estudo com a composição colorida do sensor TM (R3, G2 e B1).

Figura 1: Localização geográfica da área de estudo com a composição colorida do sensor TM (R3, G2 e B1). MUDANÇA DA PAISAGEM AMAZÔNICA NA ÁREA DO PROJETO DE ASSENTAMENTO DIRIGIDO SANTA LUZIA, EM CRUZEIRO DO SUL, AC Rafael C. DELGADO 1, Leonardo P. de SOUZA 1, Ian W. R. da SILVA 1, Evaldo de P. LIMA 2, Ricardo

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

JOSÉ CONSTANTINO SILVEIRA JÚNIOR DIÓGENES SALAS ALVES MARIA ISABEL ESCADA

JOSÉ CONSTANTINO SILVEIRA JÚNIOR DIÓGENES SALAS ALVES MARIA ISABEL ESCADA Utilização de Técnicas de Análise Espacial no Estudo da Correlação entre Expansão das Áreas Desflorestadas e da Fronteira Agropecuária no Estado do Mato Grosso JOSÉ CONSTANTINO SILVEIRA JÚNIOR DIÓGENES

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

Mapeamento do conflito de uso em áreas de preservação permanente na microbacia Santa Cruz, município de Porto Nacional Tocantins Brasil Emmanuel Kirlian Evangelista Barros 1 Alan Kardec Elias Martins 2

Leia mais

Monitoramento das pastagens cultivadas no cerrado goiano a partir de imagens MODIS índices de vegetação e dados censitários

Monitoramento das pastagens cultivadas no cerrado goiano a partir de imagens MODIS índices de vegetação e dados censitários Monitoramento das pastagens cultivadas no cerrado goiano a partir de imagens MODIS índices de vegetação e dados censitários Fanuel Nogueira GARCIA, Laerte Guimarães FERREIRA Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

O CRESCIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO/BRASIL E SUA RELAÇÃO COM O FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR

O CRESCIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO/BRASIL E SUA RELAÇÃO COM O FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR O CRESCIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO/BRASIL E SUA RELAÇÃO COM O FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR M.e Diego Tarley Ferreira Nascimento ¹; Dr. Ivanilton José de Oliveira ². ¹ Professor substituto da

Leia mais

O emprego do Geoprocessamento na Análise Espacial da Bacia Hidrográfica do Córrego Guariroba, Campo Grande MS

O emprego do Geoprocessamento na Análise Espacial da Bacia Hidrográfica do Córrego Guariroba, Campo Grande MS O emprego do Geoprocessamento na Análise Espacial da Bacia Hidrográfica do Córrego Guariroba, Campo Grande MS Raony Moreira Gomes Yamaciro Geógrafo raony.shiro@gmail.com Abstract. The present study aimed

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI Manutenção e recuperação da capacidade produtiva da região do Médio e Baixo Apoiar o desenvolvimento de atividades produtivas com espécies adaptadas a região (fauna e flora) Identificar as potencialidades

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

Zoneamento e regularização ambiental Marcelândia MT

Zoneamento e regularização ambiental Marcelândia MT V Zoneamento e regularização ambiental Marcelândia MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Agosto de 2008 Sumário Introdução... 4 Contexto... 4 Oportunidades... 5 O que já está acontecendo... 6

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT 2011 Diagnóstico Ambiental do Município de Apiacás MT Carolina de Oliveira Jordão Vinícius Freitas Silgueiro Leandro Ribeiro Teixeira Ricardo Abad Meireles

Leia mais

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território SEMINÁRIO VALOR ECONÔMICO AGRICULTURA COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território Gestão da propriedade e governança do território

Leia mais

Uso de geotecnologias no monitoramento de sistemas de integração lavourapecuária- floresta

Uso de geotecnologias no monitoramento de sistemas de integração lavourapecuária- floresta Uso de geotecnologias no monitoramento de sistemas de integração lavourapecuária- floresta Sistemas de integração lavoura pecuária- floresta: a produção sustentável Sistemas de produção em inte ra ão Atualmente

Leia mais

Carolina Barros Godinho ANÁLISE DA DEVASTAÇÃO DA COBERTURA DO CERRADO GOIANO POR AGROPECUÁRIA

Carolina Barros Godinho ANÁLISE DA DEVASTAÇÃO DA COBERTURA DO CERRADO GOIANO POR AGROPECUÁRIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA AMBIENTAL Carolina Barros Godinho ANÁLISE DA DEVASTAÇÃO DA COBERTURA DO CERRADO GOIANO POR AGROPECUÁRIA Artigo apresentado como exigência

Leia mais

ADEQUAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO RIPÁRIA EM FUNÇÃO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

ADEQUAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO RIPÁRIA EM FUNÇÃO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ADEQUAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO RIPÁRIA EM FUNÇÃO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Katiuscia Fernandes Moreira 1, Sérgio Campos 1, Mariana Di Siervo 1, Fernanda Caetano Ferreira Santos 1, Milena Montanholi Mileski

Leia mais

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico gico-econômico Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Étnica Stuckert Cardeal,

Leia mais

C A P Í T U L O 1 4. M a u r i c i o A l v e s M o r e i r a I n s t i t u t o N a c i o n a l d e P e s q u i s a s E s p a c i a i s

C A P Í T U L O 1 4. M a u r i c i o A l v e s M o r e i r a I n s t i t u t o N a c i o n a l d e P e s q u i s a s E s p a c i a i s C A P Í T U L O 1 4 I N F O R M A Ç Õ E S Ú T E I S P A R A A U X I L I A R A I N T E R P R E T A Ç Ã O V I S U A L D E I M A G E N S D E S A T É L I T E S M a u r i c i o A l v e s M o r e i r a I n s

Leia mais

Fatores Econômicos e Desmatamento do Cerrado Goiano

Fatores Econômicos e Desmatamento do Cerrado Goiano Fatores Econômicos e Desmatamento do Cerrado Goiano Millades de Carvalho Castro 1 Resumo: O Cerrado constitui o segundo maior bioma da América do Sul. Sua importância advém principalmente dos recursos

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE

ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE Pabrício Marcos Oliveira Lopes 1, Glawber Spíndola Saraiva de Moura 2 1 Prof.

Leia mais

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL POLÍTICA E LEGISLAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL EM MS Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL Política e Legislação até

Leia mais

O USO DA TERRA DA MESSORREGIÃO SUL GOIANO E SEUS IMPACTOS AMBIENTAIS

O USO DA TERRA DA MESSORREGIÃO SUL GOIANO E SEUS IMPACTOS AMBIENTAIS O USO DA TERRA DA MESSORREGIÃO SUL GOIANO E SEUS IMPACTOS AMBIENTAIS Divina Aparecida Leonel Lunas Lima Economista e Doutoranda em Desenvolvimento Econômico UNICAMP Professora da Faculdade de Ciências

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO E SUAS APLICAÇÕES PARA RECURSOS NATURAIS

SENSORIAMENTO REMOTO E SUAS APLICAÇÕES PARA RECURSOS NATURAIS SENSORIAMENTO REMOTO E SUAS APLICAÇÕES PARA RECURSOS NATURAIS INTRODUÇÃO Tania Maria Sausen Coordenadoria de Ensino, Documentação e Programas Especiais Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José

Leia mais

MONITORAMENTO DAS ÁREAS DE CERRADO ENTRE 2010 E 2014 NO MUNICÍPIO DE BAIXA GRANDE DO RIBEIRO - PIAUÍ

MONITORAMENTO DAS ÁREAS DE CERRADO ENTRE 2010 E 2014 NO MUNICÍPIO DE BAIXA GRANDE DO RIBEIRO - PIAUÍ MONITORAMENTO DAS ÁREAS DE CERRADO ENTRE 2010 E 2014 NO MUNICÍPIO DE BAIXA GRANDE DO RIBEIRO - PIAUÍ ARIELY MAYARA DE ALBUQUERQUE TEIXEIRA LARISSA MARIA ALVES DE ARAÚJO MAÍRA DA CUNHA SOUZA Instituto Federal

Leia mais

Para realizar a avaliação do impacto da aplicação da legislação ambiental nos municípios foram realizadas as seguintes atividades:

Para realizar a avaliação do impacto da aplicação da legislação ambiental nos municípios foram realizadas as seguintes atividades: Objetivo do Projeto: O trabalho possui como objetivo analisar o impacto da aplicação da legislação ambiental sobre a área de produção agrícola dos municípios, em especial, das áreas de preservação permanente

Leia mais

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*)

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) RELATÓRIO SOBRE O MAPEAMENTO ADICIONAL DE AGROPECUÁRIA ÁREA COMPREENDIDA POR 18 MUNICÍPIOS DA ÁREA LIVRE DE AFTOSA DO PARÁ REALIZADO

Leia mais

PROSPOSTA DE METODOLOGIA PARA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA SINTETIZADA DE ÁREA DEGRADADA PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO

PROSPOSTA DE METODOLOGIA PARA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA SINTETIZADA DE ÁREA DEGRADADA PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO PROSPOSTA DE METODOLOGIA PARA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA SINTETIZADA DE ÁREA DEGRADADA PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO Autores: Jonathan J. Campos, William de O. Sant Ana, Jefferson de Faria, Maria G. R. de Souza,

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

DESAFIOS À EXPANSÃO DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA

DESAFIOS À EXPANSÃO DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA DESAFIOS À EXPANSÃO DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições Ambientais à Expansão Sustentável da Agropecuária Brasileira Assuero Doca Veronez Presidente da Comissão Nacional do Meio Ambiente da CNA assuero@mdnet.com.br

Leia mais

USO DE TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO E GEOPROCESSAMENTO NA CARACTERIZAÇÃO DO USO DA TERRA DA BACIA HIDROGRÁFICA DA UHE CAÇU GO

USO DE TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO E GEOPROCESSAMENTO NA CARACTERIZAÇÃO DO USO DA TERRA DA BACIA HIDROGRÁFICA DA UHE CAÇU GO USO DE TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO E GEOPROCESSAMENTO NA CARACTERIZAÇÃO DO USO DA TERRA DA Makele Rosa de Paula Universidade Federal de Goiás makeleufg@yahoo.com.br João Batista Pereira Cabral Universidade

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR Maria G. Almeida 1, Bernardo F. T. Rudorff 2, Yosio E. Shimabukuro 2 graca@dppg.cefetmg.br, bernardo@ltid.inpe.br,

Leia mais

Palavras-chave Ferramenta computacional, Cariri paraibano, Degradação da vegetação.

Palavras-chave Ferramenta computacional, Cariri paraibano, Degradação da vegetação. 52 USO DE SIG NA ANÁLISE QUALITATIVA DO USO DO BIOMA CAATINGA NA BACIA DO RIO SUCURU Maria Leide Silva de ALENCAR¹ Erinaldo Irineu dos SANTOS² Professora Universidade Federal de Campina Grande, Centro

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS NÚCLEO DOS BIOMAS MATA ATLÂNTICA E PAMPA PROJETO MATA ATLÂNTICA GCP/BRA/O61/WBK

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS NÚCLEO DOS BIOMAS MATA ATLÂNTICA E PAMPA PROJETO MATA ATLÂNTICA GCP/BRA/O61/WBK MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS NÚCLEO DOS BIOMAS MATA ATLÂNTICA E PAMPA PROJETO MATA ATLÂNTICA GCP/BRA/O61/WBK Relatório Metodológico do Mapeamento de Uso do Solo

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto 1. Obtenção de imagens matriciais (raster) Imagens raster podem ser obtidas de várias formas: Aerofotogrametria Fotos aéreas obtidas através do sobrevoo da área de interesse por aeronaves

Leia mais

ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS CCD - CBERS

ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS CCD - CBERS V Co ló qu i o B ra si l ei ro d e Ci ên ci a s Geo d ési ca s ISSN 1981-6251, p. 910-914 ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS

Leia mais

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO É o maior bioma brasileiro depois da Amazônia, com aproximadamente 2 milhões de km² e está concentrado na região Centro Oeste do Brasil;

Leia mais

Sumário Executivo. Climate Policy Initiative. Dezembro 2013

Sumário Executivo. Climate Policy Initiative. Dezembro 2013 PRODUÇÃO E PROTEÇÃO: IMPORTANTES DESAFIOS PARA O BRASIL Climate Policy Initiative Dezembro 2013 No Brasil, assim como em outros países, há frequente tensão entre objetivos econômicos, sociais e ambientais,

Leia mais

Professora Dra.Jussara dos Santos Rosendo Orientadora e Professora -Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: jussara@facip.ufu.

Professora Dra.Jussara dos Santos Rosendo Orientadora e Professora -Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: jussara@facip.ufu. O Programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC) no Município de Ituiutaba MG Laíza Castro Brumano Viçoso Bolsista de IC/ FAPEMIG - Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: laizabrumano@hotmail.com

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE DOSSEL DA REGIÃO PERIURBANA DE BRAGANÇA.

IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE DOSSEL DA REGIÃO PERIURBANA DE BRAGANÇA. Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE DOSSEL DA REGIÃO PERIURBANA DE BRAGANÇA. Marcelo Santos de Mendonça Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Campus Bragança. Graduando

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

ANÁLISE DA EFETIVIDADE DA ZONA DE AMORTECIMENTO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO POR SENSORIAMENTO REMOTO

ANÁLISE DA EFETIVIDADE DA ZONA DE AMORTECIMENTO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO POR SENSORIAMENTO REMOTO ANÁLISE DA EFETIVIDADE DA ZONA DE DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO POR SENSORIAMENTO REMOTO OTÁVIO AUGUSTO CARVALHO NASSUR 1, JOÃO GABRIEL NOTEL DE SOUZA 2, ELIZABETH FERREIRA 3, ANTONIO AUGUSTO AGUILAR DANTAS

Leia mais

Principais características geográficas do estado do Goiás

Principais características geográficas do estado do Goiás Principais características geográficas do estado do Goiás Laércio de Mello 1 Para iniciarmos o estudo sobre o estado de Goiás é importante primeiramente localizá-lo dentro do território brasileiro. Para

Leia mais

Avaliação da ocupação e uso do solo na Região Metropolitana de Goiânia GO.

Avaliação da ocupação e uso do solo na Região Metropolitana de Goiânia GO. Avaliação da ocupação e uso do solo na Região Metropolitana de Goiânia GO. Marcos Vinícius Alexandre da SILVA Instituto de Estudos Sócio-Ambientais - IESA/UFG Mestrando em Geografia marcosalexandregeo@gmail.com

Leia mais

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

A importância do Cerrado

A importância do Cerrado A importância do Cerrado Quem vive no Cerrado mora em uma das regiões mais ricas em espécies de plantas e animais do mundo, muitas delas ainda desconhecidas pela ciência e que só existem ali. É ainda nas

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS

GEOPROCESSAMENTO APLICADO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS GEOPROCESSAMENTO APLICADO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS Geóg. MSc. Maria G. da Silva Barbalho maria-gsb@sefaz.go.gov.br Tecgº. Geoproces. Rafael Antônio França Ferreira rafael-aff@sefaz.go.gov.br

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL

ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL Po por Ana_Cotta ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL Alcance territorial da legislação ambiental e a consolidação do uso agropecuário de

Leia mais

Exigência e cumprimento do código florestal brasileiro referente à área de reserva legal em imóveis rurais da mesorregião do Centro Norte Baiano

Exigência e cumprimento do código florestal brasileiro referente à área de reserva legal em imóveis rurais da mesorregião do Centro Norte Baiano Exigência e cumprimento do código florestal brasileiro referente à área de reserva legal em imóveis rurais da mesorregião do Centro Norte Baiano Ane Fonseca Sá Calafange 1* Valter Forastieri 1** RESUMO:

Leia mais