COMPANHIA DE COMÉRCIO DE PERNAMBUCO E PARAÍBA: ESTATUTO E FUNCIONAMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPANHIA DE COMÉRCIO DE PERNAMBUCO E PARAÍBA: ESTATUTO E FUNCIONAMENTO"

Transcrição

1 COMPANHIA DE COMÉRCIO DE PERNAMBUCO E PARAÍBA: ESTATUTO E FUNCIONAMENTO Clara Farias de Araujo 1 Resumo: Este trabalho pretende analisar a Companhia de Comércio de Pernambuco e Paraíba ( ), tendo como ponto de partida a realização de um estudo comparativo entre o alvará de instituição e uma representação dos homens de negócio da praça de Pernambuco, nos quais se fundamentava a organização das atividades e administração. O estudo verifica que a reivindicação de privilégios mercantis feita pelos homens de negócio se baseava em privilégios sancionados pela Coroa nos estatutos de outras companhias que conferiam incentivos reais na forma de distinções sociais, mas alargava as vantagens mercantis já estabelecidas no alvará de instituição da Companhia. Palavras-chave: Companhia, Pernambuco, privilégios Abstract: This work intends to analyze the Company of Trade of Pernambuco and Paraíba ( ), tends as starting point the accomplishment of a comparative study between the institution permit and a representation of the homens de negócio da praça de Pernambuco, us which it was based the organization of the activities and administration. The study verifies that the revindication of mercantile privileges done by the business men based on privileges sanctioned by the Crown in the statutes of other companies that checked real incentives in the form of social distinctions, but it enlarged the mercantile advantages already established in the permit of institution of the Company. Key-words: Company, Pernambuco, privilege 1 Doutoranda na UFRJ, bolsista da Capes.

2 O decreto de Sua Majestade de 22 de dezembro de 1758 estabeleceu em Pernambuco e Paraíba uma bem regulada Companhia Geral do Comércio com as mesmas condições, e privilégios da do Grão Pará e Maranhão (AHU, PE, cx. 90, d. 7214). Para o desenvolvimento de uma reflexão inicial sobre o seu funcionamento como fontes principais utilizarei o alvará de instituição confirmado em 13 de agosto de 1759, comparando-o com o disposto na representação dos homens de negócio da praça do Recife, sem data, anexada a um ofício de 12 de março de O uso do alvará concomitante ao da representação cumpre uma função estratégica. A um primeiro olhar, pensei tratar-se de documentos similares, mas um exame cuidadoso revelou disparidades, principalmente no que concerne aos privilégios. O primeiro favorecia a Junta em Lisboa e a Direção no Porto e o segundo, mais afeito à praça do Recife, requisitava vantagens e distinções para aqueles que entrassem com avultadas somas. Constituir-se-ia um corpo político com uma Junta e duas Direções. A Junta estabelecida em Lisboa, contaria com um provedor, dez deputados, um secretário e três conselheiros; as duas Direções, uma no Porto e a outra em Pernambuco, seriam formadas por um intendente e seis deputados. 2 E entre os deputados seria eleito um vice-intendente 3 (CARREIRA, 1982: ; RIBEIRO JR. 2004: 83). No alvará de instituição, à Junta competia o governo e disposição geral, enquanto as Direções tinham autonomia para decidir sobre os negócios relativos às suas instâncias, consultando a Junta nas matérias e negócios de maior importância, que não fossem do seu expediente. 4 Os homens de negócio da praça do Recife detalhavam outra organização administrativa: 2 artigo 1 do alvará de instituição da Companhia de Pernambuco e Paraíba. Posteriormente acrescidos de seis para oito o número de deputados em Pernambuco. 3 artigo 6 Idem. 4 Idem. 2

3 cujo número para o comércio de Lisboa deve ser de sete, dois para terem a seu cargo os despachos, e vendas de todas a fazendas, dois para as compras, e carga de todos os efeitos, dois para assistirem as despesas dos navios, se a Companhia os compreender, um administrador geral que há de receber as contas de todos para as fazer lançar nos livros, que se hão de destinar para com toda a clareza se dar conta; e se a Companhia compreender também o comércio da Costa da Mina, Angola e Sertão serão mais seis homens de negócio, dois para administrarem cada um dos ditos comércios (AHU, PE, cx. 90, d. 7214) Os treze homens receberiam ao menos a comissão de dois por cento de tudo o que venderem, e outros dois por cento de todas as remessas que fizerem (AHU, PE, cx. 90, d. 7214). Quanto aos cargos, não há disposição similar no alvará, mas quanto às comissões, o artigo vinte e nove determinava que o intendente e deputados em Pernambuco levassem dois por cento apenas nas vendas a bruto realizadas nas capitanias de Pernambuco e Paraíba, sem que tirassem comissão das remessas para o reino. O estatuto se apresenta como uma solicitação dos homens de negócio das praças de Lisboa, Porto e Pernambuco, mas dos doze nomes que assinam o alvará, 5 apenas dois eram correspondentes dos acionistas de Pernambuco em Lisboa, João Henriques Martins e Manuel Pereira de Faria. Os outros eram importantes homens de negócio do reino. Quanto ao segundo, não foi encontrada menção ao seu envolvimento em outras atividades; o primeiro, a esse tempo era correspondente do irmão Henrique Martins em Lisboa e administrador do contrato de subsídio dos vinhos e aguardentes de Pernambuco. As ações eram de quatrocentos mil réis, facultando a cada pessoa a graça de entrar com as que quiser, sem distinção de estado, ou condição (AHU, PE, cx. 90, d. 7214). Todavia cartas escritas pelo governador Luís Diogo Lobo da Silva, que narram as negociações realizadas por ordem de Sua Majestade e resistências manifestas ao novo estabelecimento, denotam o esforço empreendido para convencer os homens de negócio, por serem as pessoas que dispunham de cabedal para fazê-lo. Das sessenta e três pessoas com as quais diz ter falado, constam apenas trinta e duas na relação de acionistas, identificadas como homens de negócio. Destas, vinte e cinco entraram com ações de quatro contos de réis para cima. 5 Conde de Oeiras, José Rodrigues Bandeira, José Rodrigues Esteves, Policarpo José Machado, Manuel Dantas Amorim, Manuel António Pereira, Inácio Pedro Quintela, Anselmo José da Crus, João Xavier Teles, José da Silva Leque, João Henriques Martins e Manuel Pereira de Faria. 3

4 Aos acionistas originários eram concedidas graças e privilégios. habilitando-os sem dispensa para receberem os hábitos das ordens militares, aposentadoria ativa, e passiva exonerando-os dos ofícios de Justiça, cargos, e encargos da República e alardes, e dando-lhes a natureza do vínculo, capela, ou prazo, além do interesse de quinze por cento de seus capitais, e dos mais que podem provir no bom êxito desta negociação (AHU, PE, cx. 90, d. 7214) 6 O trecho acima reitera no que se refere à dispensa mecânica o exposto em estatutos anteriores elaborados durante a criação da Companhia do Grão Pará e Maranhão, Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro e na proposta fracassada de criação de uma Companhia Geral da Guiné. Segundo Fernanda Olival a dispensa mecânica era justificada pela necessidade de angariar capitais para estabelecer companhias mercantes oferecendo o centro político em troca distinções sociais (OLIVAL, : 73-97). Além dos privilégios referendados no estatuto, concedidos aos acionistas originários e àqueles que entrassem com ações no valor de quatro contos de réis para cima, os homens de negócio da praça do Recife peticionaram a Sua Majestade outras prerrogativas relacionadas à composição da Direção. Que os homens de negócio moradores na praça do Recife de Pernambuco que entram com ações de dez mil cruzados 7 e daí para cima são os devem administrar os cabedais da dita Companhia, e para as primeiras três frotas serão nomeados pelo Ilustríssimo e Excelentíssimo Senhor governador e capitão general, preferindo os mais antigos e inteligentes no negócio (grifo nosso) (AHU, PE, cx. 90, d. 7214) Eles pleiteavam restringir o acesso à administração dos cabedais e os incentivos aos que podiam dispor desta condição. Que os que entrem com ações de dez mil cruzados, e daí para cima lhes será permitido mandarem vir o que lhes forem necessário para o ministério de suas casas dando-se-lhes livres, como as religiões, e aos Senhores bispo, governador, e ministros (AHU, PE, cx. 90, d. 7214) 6 No estatuto, artigos 43, 44 e quatro contos de réis. 4

5 Aparentemente a entrada era irrestrita a pessoa de qualquer condição, o mesmo não acontecia no que tange à Direção. A preferência aos mais antigos e inteligentes no negócio referendava uma hierarquia entre os homens de negócio que já estava disposta antes da fundação da empresa comercial. 8 A Companhia Geral de Comércio de Pernambuco e Paraíba foi fundada após a solicitação dos homens de negócio da praça de Pernambuco de uma companhia que atuasse interna e externamente no resgate de carnes secas e couros do Sertão e escravos na Costa da Mina. A proposta era limitar o número de barcos que realizavam o comércio do Sertão, taxar a dois mil e quinhentos réis a cabeça de gado e a venda da carne seca a setecentos e vinte réis a arroba nesta praça, oitocentos e oitenta para a Bahia, e dez tostões para a cidade do Rio de Janeiro (AHU, PE, cx. 84, d. 6965). Com o mesmo propósito de limitar o comércio, escreviam os homens de negócio sobre a intenção de fundar uma companhia para resgate de escravos na Costa da Mina. Contudo, o ouvidor da capitania, João Bernardo Gonzaga, entendia que a companhia precisaria abarcar as praças do Rio e Bahia formando um só corpo, porque separadas arruinariam umas as outras (AHU, PE, cx. 84, d. 6953). Mais tarde, junto à representação, os homens de negócio voltam a assinalar a importância da manutenção do comércio com a Costa da Mina, que se achava em decadência por causa da má qualidade dos tabacos da praça em relação aos da Bahia, e a necessidade daqueles que tinham ações na companhia das carnes secas de adquirirem as da companhia da Costa. Quando os homens de negócio propõem a criação de uma companhia para resgate dos escravos, atribuem a decadência do comércio à liberdade com que todos enviam embarcações e, contrariamente ao parecer da Câmara, ressaltam as benesses do tabaco não fosse a grande introdução na Costa. 8 Isto pode ser dito pelo estudo realizado atualmente por ocasião da elaboração da Tese de Doutorado em que se investiga a trajetória dos principais homens de negócio da capitania de Pernambuco e dos componentes da Direção da Companhia. 5

6 e sendo destes o mais importante o tabaco, que por privativo à nação portuguesa lhe facilitava grandes interesses, se vê sem estes por se meter grande quantidade, que pela sua abundância se acha reduzido a nenhum valor (AHU, PE, cx. 84, d. 6965) Repetidamente defendem a regulação do comércio como meio para evitar a decadência em que se encontra e impulsionar a introdução das aguardentes da terra na Costa. A criação de uma companhia para resgate de escravos seria um instrumento para regulamentar o comércio com a Costa da Mina e ampliá-lo com quantidade de outros gêneros que dos mesmos portos se podem resgatar, como sejam, ceras, gomas, marfins, (sem que estes prejudiquem aos de Angola) e outros de diversas qualidades, estabelecendo: a entrada da Bahia com oito navios, esta com quatro, a de Lisboa com um quarto nos da Bahia e Pernambuco fazendo-lhe conta interessar-se por este meio, cada um da lotação de três mil rolos de tabaco, e três mil ancoretas de aguardente a qual poderão diminuir aumentando proporcionalmente aquele segundo o seu maior rasgo, com obrigação de serem todas as referidas praças unidas neste negócio, para não poderem alterar a quantidade dos negócios da referida remessa (AHU, PE, cx. 84, d. 6965) Dentre as novas regras, taxava-se inclusive o que se devia dar por cada peça: de não poderem dar por escravo peça mais que oito rolos de tabaco, ou oito ancoretas de aguardente, de que se segue o benefício de poderem dar a terça parte da escravatura da terceira escolha para os senhores de engenho, e lavradores a preço de setenta mil réis (AHU, PE, cx. 84, d. 6965) Os homens de negócio acreditavam que só regular ou limitar a participação de outros homens de negócio da mesma praça não seria suficiente se as outras praças continuassem a comercializar sem regulação. Observa-se que nas duas petições para a criação da companhia de resgate de escravos e carnes secas, assinam os mesmos homens de negócio. 9 Contudo, sublinham o 9 Antônio José Brandão, José Vaz Salgado, Antônio Pinheiro Salgado, Antônio Elias da Fonseca Galvão, Antônio da Silva Loureiro, Domingos Pires Ferreira, José Silvestre da Silva, Henrique Miz, Manoel Gomes 6

7 interesse pela participação de todos os negociantes da praça de Pernambuco, já que a atuação através de companhias facultava a divisão das despesas e lucros, diminuindo o capital com que cada um tinha que entrar. Observando o funcionamento da Companhia Geral de Comércio de Pernambuco e Paraíba, focando naqueles que tiveram acesso aos cargos da Direção e a seus privilégios, a mudança na dinâmica comercial desponta da propriedade de mais um mecanismo seja na ascensão de alguns indivíduos, seja na reiteração de um pequeno grupo no topo da hierarquia mercantil. É o que nota o secretário Martinho de Melo e Castro: Foi de se apropriarem os referidos deputados de todos os gêneros, e efeitos que daqui se lhes remeteram, de os repartirem a crédito pelos seus parentes, amigos e associados; de os tomarem eles mesmos debaixo de nomes alheios para com eles negociarem, e de acumularem por estas forma a importantíssima dívida, que esses habitantes estão devendo à Companhia (AHU, PE, cx. 130, d. 9832) Fernanda Olival associa a entrada na Companhia aos incentivos reais na forma de distinções sociais. Conforme a autora, quando se instituiu a Companhia de Pernambuco e Paraíba, já se tinha consolidado uma prática vigente nos estatutos de outras companhias, a dispensa automática da mecânica para entrar nas Ordens Militares a todos os acionistas originários que adquirissem no mínimo dez apólices, como um mecanismo de atração social em torno da dispensa mecânica. Para ela um dos grandes incentivos era a mudança de status (OLIVAL, : 73-97). O principal requisito para ingressar na instituição era o capital, que os principais homens da capitania dispunham. O cabedal para comprar dez ações ou mais e a entrada como acionistas originários automaticamente resultaria em privilégios, mas a partir desta condição negociaram a administração de cabedais e privilégios mercantis. Leonor Freire Costa comprova que na Companhia os homens de negócio conferiram consistência política ao seu já conhecido poderio econômico (COSTA, 2000: 57). No caso desses homens, a posse de cargos na Direção consolida uma posição já reconhecida na sociedade local e no reino. dos Santos, Manoel Correa de Araujo, José de Abreu Cordeiro, José Bento Leitão, Manoel de Almeida Ferreira. 7

8 Todavia na representação que os homens de negócio moradores na praça do Recife fazem a Sua Majestade eles negociam, baseando-se num privilégio sancionado, a propriedade de privilégios mercantis na forma do controle dos cabedais e diferenciações no acesso a vantagens que lhe possibilitassem o abastecimento de suas casas, pelo menos para este grupo era o fim da concorrência. Tão importante quanto a nobilitação, os homens de negócio buscavam vantagens materiais que os diferenciassem no interior do grupo mercantil. Que os que entrem com ações de dez mil cruzados (quatro contos de réis), e daí para cima lhes será permitido mandarem vir o que lhes forem necessário para o ministério de suas casas dando-se-lhes livres, como as religiões, e aos Senhores Bispo, governador, e ministros (AHU, PE, cx. 90, d. 7214) Referências Bibliográficas: CARREIRA, António. As Companhias Pombalinas. Lisboa: Editorial Presença, COSTA, Leonor Freire. Pernambuco e a Companhia Geral de Comércio do Brasil. Penélope, nº 23, 2000, p OLIVAL, Fernanda. O Brasil, as companhias Pombalinas e a nobilitação no terceiro quartel do setecentos. In: Anais U. E. 8-9, : RIBEIRO JR. José. Colonização e monopólio no NE brasileiro. Col. Estudos Históricos, 2ª ed. SP: Hucitec,

[fl. 1] Senhor, Despacho à esquerda: Como parece. Lisboa, 16 de novembro de 1689 [?] [rubrica]

[fl. 1] Senhor, Despacho à esquerda: Como parece. Lisboa, 16 de novembro de 1689 [?] [rubrica] AHU, Alagoas Avulsos, Documento 2 (Versão Adaptada) 1 Documento 2 Consulta do Conselho Ultramarino ao rei D. Pedro II sobre o requerimento de D. Maria da Silveira, viúva de Francisco Álvares Camelo, em

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 34(Versão Adaptada) 1

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 34(Versão Adaptada) 1 AHU, Alagoas Avulsos, Documento 34(Versão Adaptada) 1 Documento 34 Requerimento do Padre António Correia Pais, sacerdote do habito de São Pedro e morador do termo da vila de Alagoas, ao ouvidor e auditor-geral

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 323/2013 Data: 31 de Outubro de 2013 SÚMULA: Autoriza a Abertura de Crédito Adicional Suplementar por anulação parcial ou total de dotações orçamentárias, e da outras providências. O Senhor João

Leia mais

Parágrafo Segundo - É facultado ao ex-empregado a apresentação de todas as formas de demonstração de sua pretensão.

Parágrafo Segundo - É facultado ao ex-empregado a apresentação de todas as formas de demonstração de sua pretensão. , REGIDO PELAS SEGUINTES CLÁUSULAS: CLÁUSULA PRIMEIRA - Acordam os signatários em instituir, no prazo de até 30 (trinta) dias após a assinatura deste Acordo, a Comissão de Conciliação Voluntária, nos termos

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências.

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. DECRETO N o 3.474, DE 19 DE MAIO DE 2000. Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Senhor Presidente da Assembleia, Senhoras e Senhores Deputados, Senhor Presidente, Senhora e Senhores membros do Governo.

Senhor Presidente da Assembleia, Senhoras e Senhores Deputados, Senhor Presidente, Senhora e Senhores membros do Governo. Intervenção proferida pelo Deputado Luís Henrique Silva, na Sessão Plenária de Novembro de 2006 Senhor Presidente da Assembleia, Senhoras e Senhores Deputados, Senhor Presidente, Senhora e Senhores membros

Leia mais

MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO

MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO Art. 1º - Sob a denominação de MINASMÁQUINAS S/A,

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE GALVEIAS

JUNTA DE FREGUESIA DE GALVEIAS MINUTA DA ATA NR.8/2014 MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA REALIZADA NO DIA DEZASSETE DE ABRIL DO ANO DE DOIS MIL E QUINZE ---------------------------------------------------------------------- ---------

Leia mais

ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE OUTUBRO DE 2007

ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE OUTUBRO DE 2007 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE OUTUBRO DE 2007 1. Data, Hora e Local: Aos 18 dias do mês de outubro de 2007, às 11:00hs, na sede da companhia, situada na Rua Joaquim Floriano,

Leia mais

Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil.

Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil. FL 46 ACTA DE / /20 Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil. Acta º12 --------Aos vinte e quatro dias do mês

Leia mais

FIXAÇÃO DO NÚMERO DE VEREADORES PELOS MUNICÍPIOS MÁRCIO SILVA FERNANDES

FIXAÇÃO DO NÚMERO DE VEREADORES PELOS MUNICÍPIOS MÁRCIO SILVA FERNANDES FIXAÇÃO DO NÚMERO DE VEREADORES PELOS MUNICÍPIOS MÁRCIO SILVA FERNANDES Consultor Legislativo da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Administrativo, Processo Legislativo e Poder Judiciário

Leia mais

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA GENERAL SHOPPING BRASIL S.A CNPJ/MF nº 08.764.621/0001-53 NIRE 35.300.340.833

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA GENERAL SHOPPING BRASIL S.A CNPJ/MF nº 08.764.621/0001-53 NIRE 35.300.340.833 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA GENERAL SHOPPING BRASIL S.A CNPJ/MF nº 08.764.621/0001-53 NIRE 35.300.340.833 CLÁUSULA 1. OBJETIVOS DA OUTORGA DE OPÇÕES 1.1 Os objetivos do Plano de Opção de Compra

Leia mais

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. CNPJ/MF: 17.314.329/0001-20 NIRE: 3530048875-0

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. CNPJ/MF: 17.314.329/0001-20 NIRE: 3530048875-0 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. CNPJ/MF: 17.314.329/0001-20 NIRE: 3530048875-0 CLÁUSULA 1. OBJETIVO DA OUTORGA DE OPÇÕES 1.1 O objetivo do Plano de Opção

Leia mais

OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A. CNPJ nº 02.919.555/0001-67 NIRE nº 35.300.322.746

OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A. CNPJ nº 02.919.555/0001-67 NIRE nº 35.300.322.746 OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A. CNPJ nº 02.919.555/0001-67 NIRE nº 35.300.322.746 Companhia Aberta ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 13 DE MARÇO DE 2009 1. Data, Hora e Local: Aos

Leia mais

CATÁLOGO DE DOCUMENTOS MANUSCRITOS AVULSOS REFERENTES À VISITA DO OURO EXISTENTES NO ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO DE LISBOA

CATÁLOGO DE DOCUMENTOS MANUSCRITOS AVULSOS REFERENTES À VISITA DO OURO EXISTENTES NO ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO DE LISBOA CATÁLOGO DE DOCUMENTOS MANUSCRITOS AVULSOS REFERENTES À VISITA DO OURO EXISTENTES NO ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO DE LISBOA ORGANIZAÇÃO DESIGNAÇÃO CÓDIGO / COTA Entidade Detentora: ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO

Leia mais

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA LINX S.A.

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA LINX S.A. PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA LINX S.A. Este Plano de Opção de Compra Ações da LINX S.A. ( Companhia ), aprovado pela Assembleia Geral Extraordinária da Companhia realizada em 27 de abril de 2016

Leia mais

REDE ENERGIA S.A. CNPJ/MF nº 61.584.140/0001-49 NIRE 35.300.029.780 Companhia Aberta PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

REDE ENERGIA S.A. CNPJ/MF nº 61.584.140/0001-49 NIRE 35.300.029.780 Companhia Aberta PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO REDE ENERGIA S.A. CNPJ/MF nº 61.584.140/0001-49 NIRE 35.300.029.780 Companhia Aberta São Paulo, 15 de junho de 2011. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Assembléia Geral Extraordinária a realizar-se em 30/06/2011

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA ITAUCARD BUSINESS REWARDS

REGULAMENTO DO PROGRAMA ITAUCARD BUSINESS REWARDS REGULAMENTO DO PROGRAMA ITAUCARD BUSINESS REWARDS 1. DISPOSIÇÕES GERAIS a) Este Regulamento faz parte integrante do Contrato de Cartão de Crédito ( Contrato ) e regula as condições aplicáveis ao Programa

Leia mais

LOJAS AMERICANAS S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF. 33.014.556/0001-96 NIRE 3330002817.0

LOJAS AMERICANAS S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF. 33.014.556/0001-96 NIRE 3330002817.0 LOJAS AMERICANAS S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF. 33.014.556/0001-96 NIRE 3330002817.0 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE LOJAS AMERICANAS S.A. REALIZADA EM 11 DE MARÇO DE 2014, ÀS 10:00 H. I.

Leia mais

II. MESA: Presidente: Paulo Roberto Lopes Ricci Secretário: Luiz Cláudio Ligabue

II. MESA: Presidente: Paulo Roberto Lopes Ricci Secretário: Luiz Cláudio Ligabue BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. (subsidiária integral do Banco do Brasil S.A.) ATA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 I. DATA, HORA E LOCAL: Em 31 de dezembro de 2012

Leia mais

PROCURADORIA GERAL ELEITORAL

PROCURADORIA GERAL ELEITORAL PROCURADORIA GERAL ELEITORAL Parecer nº 117/201 - EJGA Nº 95.759/PGE Registro de Partido Político nº 594-54.2013.6.00.0000 Classe: 42 Procedência : Brasília-DF Requerente : Rede Sustentabilidade (Rede)

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 229 DE 28 DE MAIO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, nº. 103,terça-feira, 29 de maio de 2012, página 96)

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 229 DE 28 DE MAIO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, nº. 103,terça-feira, 29 de maio de 2012, página 96) PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 229 DE 28 DE MAIO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, nº. 103,terça-feira, 29 de maio de 2012, página 96) Dispõe sobre o Programa Nacional de Habitação Rural PNHR, integrante

Leia mais

Divisão de Gestão Administrativa e Financeira ATA N.º 27/2014

Divisão de Gestão Administrativa e Financeira ATA N.º 27/2014 ATA N.º 27/2014 ----- ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DESTA CÂMARA MUNICIPAL DE 23 DE DEZEMBRO DE 2014. ----------------------------------------------------------------------- ----- Aos vinte e três dias do mês

Leia mais

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo Mineração e a Crise do Sistema Colonial Prof. Osvaldo Mineração No final do século XVII, os bandeirantes encontraram ouro na região de Minas Gerais Grande parte do ouro extraído era de aluvião, ou seja,

Leia mais

Os Contratos dos Caminhos de Ouro

Os Contratos dos Caminhos de Ouro Os Contratos dos Caminhos de Ouro Sofia Lorena Vargas Mestranda - UFMG A prática da arrematação dos contratos a terceiros está presente desde os primórdios do Estado Absolutista. São caracterizadas por

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

ACTA N.º 05/2014 REUNIÃO ORDINÁRIA DA JUNTA DE FREGUESIA DE BENAVENTE

ACTA N.º 05/2014 REUNIÃO ORDINÁRIA DA JUNTA DE FREGUESIA DE BENAVENTE INÍCIO: 18,30 HORAS ENCERRAMENTO:21,00 HORAS No dia três de Março de dois mil e catorze, na Sala de Reuniões do edifício da Junta de Freguesia de Benavente, onde se encontrava pelas dezoito horas e trinta

Leia mais

PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE

PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE 1 A - PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS MUNICIPAIS 1 Em regra, os créditos tributários junto à Fazenda Municipal de Porto Alegre podem ser pagos em até 24 (vinte e

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - M I. nº 1628/09 FOR-101 1/5 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/5 2 Definição, 2/5 3 Competências,

Leia mais

NATUREZA DO EMPENHO CRÉDITO UTILIZADO FONTE DE RECURSO REGISTRO CLASSIFICAÇÃO DA DESPESA

NATUREZA DO EMPENHO CRÉDITO UTILIZADO FONTE DE RECURSO REGISTRO CLASSIFICAÇÃO DA DESPESA NÚMERO 29 DATA 10/07/23 272248 031 031 33903900 - Outros Serviços de Terceiros - Pessoas Jurídicas 113,72 70,32 43,40 BANCO DO BRASIL - VALENÇA DO PIAUÍ Valença do Piauí/PI Valor empenhado para pagamento

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 153, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1967 Cria a Sociedade Beneficente da Assembléia Legislativa do Estado do Acre. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a

Leia mais

Ata n. 25 da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Medeiros Neto BA.

Ata n. 25 da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Medeiros Neto BA. Ata n. 25 da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Medeiros Neto BA. Aos quatro (04) dias do Mês de Março (03) do ano de Dois Mil e Treze (2013), às 17:35 horas, com a presença de nove (09) vereadores,

Leia mais

SANSUY S/A. INDÚSTRIA DE PLÁSTICOS EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL SOCIEDADE DE CAPITAL ABERTO CNPJ/MF. n o 14.807.945/0001-24 NIRE.

SANSUY S/A. INDÚSTRIA DE PLÁSTICOS EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL SOCIEDADE DE CAPITAL ABERTO CNPJ/MF. n o 14.807.945/0001-24 NIRE. 1 SANSUY S/A. INDÚSTRIA DE PLÁSTICOS EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL SOCIEDADE DE CAPITAL ABERTO CNPJ/MF. n o 14.807.945/0001-24 NIRE. 29300067482 PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, O Conselho de Administração

Leia mais

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Prazo E S T A T U T O Art. 1º - A Mercantil do Brasil

Leia mais

MARCOPOLO S.A. CNPJ Nº 88.611.835/0001-29 NIRE 43300007235 PLANO DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA OU SUBSCRIÇÃO DE AÇÕES - REGULAMENTO -

MARCOPOLO S.A. CNPJ Nº 88.611.835/0001-29 NIRE 43300007235 PLANO DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA OU SUBSCRIÇÃO DE AÇÕES - REGULAMENTO - MARCOPOLO S.A. CNPJ Nº 88.611.835/0001-29 NIRE 43300007235 PLANO DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA OU SUBSCRIÇÃO DE AÇÕES - REGULAMENTO - 1. Conceito Este Plano consiste na outorga de opções de compra ou subscrição

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA ACTA N.º 05/2007 DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL REALIZADA NO DIA 26 DE FEVEREIRO DE 2007 (Contém 06 páginas) ESTIVERAM PRESENTES OS SEGUINTES MEMBROS: PRESIDENTE:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União DESPACHO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União DESPACHO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União DESPACHO Referência: Processo nº 23480.21258/2013-12 Assunto: Recurso contra omissão da Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

MENDES JÚNIOR ENGENHARIA S.A. CNPJ/ MF nº 17.162.082/0001-73 NIRE 31300056392 COMPANHIA ABERTA

MENDES JÚNIOR ENGENHARIA S.A. CNPJ/ MF nº 17.162.082/0001-73 NIRE 31300056392 COMPANHIA ABERTA MENDES JÚNIOR ENGENHARIA S.A. CNPJ/ MF nº 17.162.082/0001-73 NIRE 31300056392 COMPANHIA ABERTA ATA DAS ASSEMBLEIAS GERAIS ORDINÁRIA E EXTRAORDINÁRIA REALIZADAS EM 29 DE ABRIL DE 2013 DATA, HORA E LOCAL:

Leia mais

AVISO AOS ACIONISTAS

AVISO AOS ACIONISTAS AVISO AOS ACIONISTAS ALIANSCE SHOPPING CENTERS (ALSC3) COMUNICA O AUMENTO DE CAPITAL SOCIAL CONFORME DELIBERADO EM REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO DIA 27 DE ABRIL DE 2015 Rio de Janeiro, 28 de

Leia mais

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 170(Versão Adaptada) 1

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 170(Versão Adaptada) 1 AHU, Alagoas Avulsos, Documento 170(Versão Adaptada) 1 Documento 170 Consulta do Conselho Ultramarino ao rei [D. José] sobre o requerimento do vigário da igreja de Alagoas, Bispado de Pernambuco, padre

Leia mais

CATÁLOGO DE DOCUMENTOS MANUSCRITOS AVULSOS REFERENTES A CONTRATOS DO SAL EXISTENTES NO ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO DE LISBOA

CATÁLOGO DE DOCUMENTOS MANUSCRITOS AVULSOS REFERENTES A CONTRATOS DO SAL EXISTENTES NO ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO DE LISBOA CATÁLOGO DE DOCUMENTOS MANUSCRITOS AVULSOS REFERENTES A CONTRATOS DO SAL EXISTENTES NO ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO DE LISBOA ORGANIZAÇÃO DESIGNAÇÃO CÓDIGO / COTA Entidade Detentora: ARQUIVO HISTÓRICO

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

A.1 Regimento Interno do PPgSC. Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação

A.1 Regimento Interno do PPgSC. Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação A.1 Regimento Interno do PPgSC Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação Capítulo I: Disposições Preliminares Art 1 -Do Alcance O Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação

Leia mais

LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Regula o exercício das profissões de Engenharia, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 538500002320116 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recurso contra decisão denegatória ao pedido

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 031 /04

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 031 /04 DELIBERAÇÃO Nº 31 /4 Aprova a reformulação do Regulamento Específico do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis, curso de Mestrado, com áreas de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade

Leia mais

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO 1. PLANEJAMENTO Novos mercados; Mais lucros; Mais empregos Separar uma parte da produção para o mercado interno e outra para o mercado externo, pois a exportação é um processo

Leia mais

LEI Nº 007/91. A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, decretou e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 007/91. A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, decretou e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 007/91. Concede Auxílio Educação para o 3º Grau, a Estudantes de São José dos Pinhais. Publicada na Tribuna de São José Em 03.04.1991 A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná,

Leia mais

EDITAL FACEPE 14/2008 PROGRAMA DE BOLSAS DE INCENTIVO ACADÊMICO - BIA

EDITAL FACEPE 14/2008 PROGRAMA DE BOLSAS DE INCENTIVO ACADÊMICO - BIA EDITAL FACEPE 14/2008 PROGRAMA DE BOLSAS DE INCENTIVO ACADÊMICO - BIA A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Pernambuco FACEPE convida as universidades públicas de Pernambuco, federais ou estaduais,

Leia mais

ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA PÚBLICA DO DIA 21-11-2011

ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA PÚBLICA DO DIA 21-11-2011 ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA PÚBLICA DO DIA 21-11-2011 Presidente - António Fernando Raposo Cordeiro Vereadores - Nina Márcia Pacheco Rodrigues Pinto - Helga Margarida Soares Costa - Rui António Dias Carvalho

Leia mais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Seminário Internacional sobre Governabilidade Democrática e Igualdade de Gênero CEPAL - Santiago do Chile 1-2 de dezembro de 2004 Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Gostaria inicialmente

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DESTINADA A DISCUTIR PROPOSTAS QUE INTERESSAM À CLASSE TRABALHADORA E AOS EMPRESÁRIOS EMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO I Denominação e Objetivo Artigo 1º - O Clube de Investimento IMPACTO constituído por número limitado de membros que tem por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO, POR FIBRIA CELULOSE S.A., DE ARAPAR S.A. E DE SÃO TEÓFILO REPRESENTAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO, POR FIBRIA CELULOSE S.A., DE ARAPAR S.A. E DE SÃO TEÓFILO REPRESENTAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO, POR FIBRIA CELULOSE S.A., DE ARAPAR S.A. E DE SÃO TEÓFILO REPRESENTAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A. FIBRIA CELULOSE S.A. (nova denominação social de Votorantim Celulose

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA TOTVS BRASIL SALES LTDA. PELA TOTVS S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA TOTVS BRASIL SALES LTDA. PELA TOTVS S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA TOTVS BRASIL SALES LTDA. PELA TOTVS S.A. Pelo presente instrumento particular, (A) TOTVS S.A., sociedade por ações de capital aberto, com sede na Cidade de São

Leia mais

O valor do Piso Nacional do Magistério divulgado pelo MEC teve 27% de ganho real entre 2008 e 2014, média de 4,5% ao ano.

O valor do Piso Nacional do Magistério divulgado pelo MEC teve 27% de ganho real entre 2008 e 2014, média de 4,5% ao ano. QUAL SERÁ O VALOR DO PISO DO MAGISTÉRIO PARA 2014? * Lizeu Mazzioni 1. MEC: R$ 1.697,00: o ano começou novamente com a polêmica do novo valor do Piso Nacional do Magistério, que segundo interpretações

Leia mais

1 ADMINISTRAÇÃO DA CAPITANIA DE PERNAMBUCO NO INÍCIO DO REINADO DE D. MARIA I: Conflitos de poder entre uma instituição metropolitana e governados

1 ADMINISTRAÇÃO DA CAPITANIA DE PERNAMBUCO NO INÍCIO DO REINADO DE D. MARIA I: Conflitos de poder entre uma instituição metropolitana e governados 1 ADMINISTRAÇÃO DA CAPITANIA DE PERNAMBUCO NO INÍCIO DO REINADO DE D. MARIA I: Conflitos de poder entre uma instituição metropolitana e governados Érika S. de Almeida C. Dias Doutoranda pela Universidade

Leia mais

GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. (Companhia Aberta) C.N.P.J. n.º 06.164.253/0001-87 N.I.R.E. 35.300.314.441 AVISO AOS ACIONISTAS

GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. (Companhia Aberta) C.N.P.J. n.º 06.164.253/0001-87 N.I.R.E. 35.300.314.441 AVISO AOS ACIONISTAS GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. (Companhia Aberta) C.N.P.J. n.º 06.164.253/0001-87 N.I.R.E. 35.300.314.441 AVISO AOS ACIONISTAS Nos termos da Instrução CVM nº 358/02, conforme alterada, a Gol Linhas

Leia mais

BRASKEM S.A. POLIALDEN PETROQUÍMICA S.A. FATO RELEVANTE

BRASKEM S.A. POLIALDEN PETROQUÍMICA S.A. FATO RELEVANTE BRASKEM S.A. POLIALDEN PETROQUÍMICA S.A. FATO RELEVANTE BRASKEM S.A. ( Braskem ) e POLIALDEN PETROQUÍMICA S.A. ( Polialden ), em atendimento ao disposto nas Instruções CVM nºs 319/99 e 358/02, vêm informar

Leia mais

III - regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei;

III - regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei; Excelentíssimos Senhores Senadores, gostaria de agradecer pela oportunidade de participar dessa audiência pública, essencial não apenas para regulamentação do art. 221, II e III da Constituição, mas também

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO CPL/IPA ANEXO I PROJETO BÁSICO

COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO CPL/IPA ANEXO I PROJETO BÁSICO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO CPL/IPA PROCESSO DE LICITAÇÃO N.º 21/ 2003. EDITAL DE CONCORRÊNCIA N.º 01/ 2003. ANEXO I PROJETO BÁSICO OBJETO: Contratação de uma empresa especializada na administração,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP006206/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/07/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR030901/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.002831/2012-98 DATA DO

Leia mais

EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA

EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA A Direção do Departamento de História, no uso de suas atribuições, conferidas pela resolução CONSEPE 04/2001, torna público

Leia mais

Email enviado em 09/09/2015 pedindo a presidente Dilma Rousseff pedindo mudanças no REDOM

Email enviado em 09/09/2015 pedindo a presidente Dilma Rousseff pedindo mudanças no REDOM Email enviado em 09/09/2015 pedindo a presidente Dilma Rousseff pedindo mudanças no De: Mario Avelino [mailto:marioavelino@domesticalegal.org.br] Enviada em: quarta-feira, 9 de setembro de 2015 23:50 Para:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para aprimoramento das estratégias e metodologias

Leia mais

LEI Nº 13.470 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015

LEI Nº 13.470 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015 Salvador, Bahia Quinta-feira 31 de dezembro de 2015 Ano C N o 21.847 LEI Nº 13.470 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015 Estima a Receita e fixa a Despesa do Estado para o exercício financeiro de 2016. O GOVERNADOR

Leia mais

MARFRIG GLOBAL FOODS S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF Nº 03.853.896/0001-40 (BM&FBOVESPA: MRFG3)

MARFRIG GLOBAL FOODS S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF Nº 03.853.896/0001-40 (BM&FBOVESPA: MRFG3) MARFRIG GLOBAL FOODS S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF Nº 03.853.896/0001-40 (BM&FBOVESPA: MRFG3) COMUNICADO SOBRE O AUMENTO DE CAPITAL SOCIAL DA COMPANHIA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 05 DE

Leia mais

Medida Provisória nº de de 2008

Medida Provisória nº de de 2008 Medida Provisória nº de de 008 Dispõe sobre a criação da Gratificação de Desempenho de Atividade de Controle Interno e de Apoio Técnico ao Controle Interno no âmbito das Instituições Federais vinculadas

Leia mais

Processo de insolvência n.º 380/12.5 TYVNG 1º Juízo Insolvente: COOPERATIVA DE CONSTRUÇÃO REALIDADE, C.R.L. Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia

Processo de insolvência n.º 380/12.5 TYVNG 1º Juízo Insolvente: COOPERATIVA DE CONSTRUÇÃO REALIDADE, C.R.L. Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia Processo de insolvência n.º 380/12.5 TYVNG 1º Juízo Insolvente: COOPERATIVA DE CONSTRUÇÃO REALIDADE, C.R.L. Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia AUTO DE RECEPÇÃO E ABERTURA DE PROPOSTAS ------No seguimento

Leia mais

DECRETO-LEI N. 581 DE 1 DE AGOSTO DE 1938

DECRETO-LEI N. 581 DE 1 DE AGOSTO DE 1938 DECRETO-LEI N. 581 DE 1 DE AGOSTO DE 1938 Dispõe sobre registro, fiscalização e assistência de sociedades cooperativas; revoga os decretos ns. 23.611, de 20 de dezembro de 1933, e 24.647, de 10 de julho

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

T4F ENTRETENIMENTO S.A. CNPJ/MF N.º 02.860.694/0001-62

T4F ENTRETENIMENTO S.A. CNPJ/MF N.º 02.860.694/0001-62 T4F ENTRETENIMENTO S.A. CNPJ/MF N.º 02.860.694/0001-62 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES O presente Plano de Opção de Compra de Ações da T4F ENTRETENIMENTO S.A. ( Companhia ), aprovado pela Assembléia

Leia mais

LEI N. 3.834-C - DE 14 DE DEZEMBRO DE 1960 Cria a Universidade Federal de Goiás, e dá outras providências

LEI N. 3.834-C - DE 14 DE DEZEMBRO DE 1960 Cria a Universidade Federal de Goiás, e dá outras providências LEI N. 3.834-C - DE 14 DE DEZEMBRO DE 1960 Cria a Universidade Federal de Goiás, e dá outras providências Art. 1º É criada a Universidade Federal de Goiás, com sede em Goiás, capital do Estado de Goiás,

Leia mais

Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015

Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015 Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015 1. APRESENTAÇÃO Nos termos do artigo 74 da Constituição Federal, artigo 59 da Lei Complementar nº. 59, artigos 63 a 66 da Lei Complementar nº. 33, de 28

Leia mais

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria Samaria: Era a Capital do Reino de Israel O Reino do Norte, era formado pelas 10 tribos de Israel, 10 filhos de Jacó. Samaria ficava a 67 KM de Jerusalém,

Leia mais

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO COMGÁS COMPANHIA ABERTA. C.N.P.J./M.F. n.º: 61.856.571/0001-17 N.I.R.E.: 35.300.045.611

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO COMGÁS COMPANHIA ABERTA. C.N.P.J./M.F. n.º: 61.856.571/0001-17 N.I.R.E.: 35.300.045.611 COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO COMGÁS COMPANHIA ABERTA C.N.P.J./M.F. n.º: 61.856.571/0001-17 N.I.R.E.: 35.300.045.611 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Ao quinto dia do mês de março do ano de

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana. Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana. Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno PARECER Nº 141/05 ENTIDADE SOLICITANTE: Procuradoria Jurídica ASSUNTO:

Leia mais

PORTARIA PREVI-RIO Nº 904 DE 6 DE DEZEMBRO DE 2012

PORTARIA PREVI-RIO Nº 904 DE 6 DE DEZEMBRO DE 2012 PORTARIA PREVI-RIO Nº 904 DE 6 DE DEZEMBRO DE 2012 Regulamenta a renovação da matrícula de Auxílio Educação destinado ao custeio de cursos de inglês pelo PREVI-RIO. O PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA

Leia mais

REGULAMENTO DO 1 PROGRAMA DE INCENTIVO ATRELADO A AÇÕES DA DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. CNPJ 16.614.

REGULAMENTO DO 1 PROGRAMA DE INCENTIVO ATRELADO A AÇÕES DA DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. CNPJ 16.614. REGULAMENTO DO 1 PROGRAMA DE INCENTIVO ATRELADO A AÇÕES DA DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. CNPJ 16.614.075/0001-00 NIRE 31.300.025.837 15 de maio de 2015 TEXT_SP 9567220v1 / O presente

Leia mais

OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A. CNPJ nº 02.919.555/0001-67 NIRE nº 35.300.322.746 Capital Autorizado Companhia Aberta

OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A. CNPJ nº 02.919.555/0001-67 NIRE nº 35.300.322.746 Capital Autorizado Companhia Aberta OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A. CNPJ nº 02.919.555/0001-67 NIRE nº 35.300.322.746 Capital Autorizado Companhia Aberta ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 26 DE JULHO DE 2006 1. Local,

Leia mais

DISPOSIÇÕES GERAIS APLICAÇÃO DO INSTRUMENTO COLETIVO

DISPOSIÇÕES GERAIS APLICAÇÃO DO INSTRUMENTO COLETIVO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PE001155/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/10/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR061115/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46213.019465/2013-62 DATA

Leia mais

Assembleia Popular Nacional

Assembleia Popular Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Popular Nacional Lei n.º 2/88 Manda executar o Orçamento para o ano de 1988 A Assembleia Popular Nacional, usando da faculdade conferida pela alínea

Leia mais

Ementa : Estabelece normas para o funcionamento de cursos de Pós-Graduação lato sensu na Universidade de Pernambuco

Ementa : Estabelece normas para o funcionamento de cursos de Pós-Graduação lato sensu na Universidade de Pernambuco Resolução CEPE N XXX/200 Ementa : Estabelece normas para o funcionamento de cursos de Pós-Graduação lato sensu na Universidade de Pernambuco O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CEPE,

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

A História de azzeittum

A História de azzeittum A História de azzeittum Azeitão é palavra derivada de azzeittum, vocábulo de origem árabe, que refere os extensos olivais encontrados quando aquele povo chegou a esta região. A primeira delimitação que

Leia mais

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1 AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1 Documento 123 Requerimento do Bacharel Antonio José Pereira Barroso, provido no lugar de Ouvidor-geral das Alagoas, ao rei Dom João V, a pedir certidões das ordens

Leia mais

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 Regulamento do Plano de Empréstimo 2015 Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 1. Dos Objetivos a) Estabelecer os direitos e obrigações da Previplan - Sociedade de Previdência Privada (aqui designada como Sociedade

Leia mais

Lei nº 11.053. Dispõe sobre a tributação dos planos de benefícios de caráter previdenciário e dá outras providências.

Lei nº 11.053. Dispõe sobre a tributação dos planos de benefícios de caráter previdenciário e dá outras providências. Lei nº 11.053 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefícios de caráter previdenciário e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO EMPRESA INCORPORADA: HFF PARTICIPAÇÕES S.A. EMPRESA INCORPORADORA: BRF BRASIL FOODS S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO EMPRESA INCORPORADA: HFF PARTICIPAÇÕES S.A. EMPRESA INCORPORADORA: BRF BRASIL FOODS S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO EMPRESA INCORPORADA: HFF PARTICIPAÇÕES S.A. EMPRESA INCORPORADORA: BRF BRASIL FOODS S.A. 25 DE FEVEREIRO DE 2010 PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA HFF

Leia mais

Ata da terceira sessão extraordinária. Aos doze dias do mês de abril do ano de dois mil e treze, às dez horas, no Plenário Rui Afonso de Almeida da

Ata da terceira sessão extraordinária. Aos doze dias do mês de abril do ano de dois mil e treze, às dez horas, no Plenário Rui Afonso de Almeida da Ata da terceira sessão extraordinária. Aos doze dias do mês de abril do ano de dois mil e treze, às dez horas, no Plenário Rui Afonso de Almeida da Câmara Municipal de Perdizes, Estado de Minas Gerais

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JANDAIA DO SUL CNPJ: 75771204/0001-25

PREFEITURA MUNICIPAL DE JANDAIA DO SUL CNPJ: 75771204/0001-25 CONTRATO Nº. 48/2015 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE JANDAIA DO SUL E A EMPRESA PORTO SEGURO COMPANHIA DE SEGUROS GERAIS O Município de Jandaia do Sul pessoa jurídica

Leia mais

Notas sobre administração e a questão jurisdicional em Minas (1710 1750). Thiago Rodrigues da Silva*

Notas sobre administração e a questão jurisdicional em Minas (1710 1750). Thiago Rodrigues da Silva* Notas sobre administração e a questão jurisdicional em Minas (1710 1750). Thiago Rodrigues da Silva* Pretendo, de forma sucinta, apontar práticas administrativas e especificidades regionais. O Antigo Regime

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

CGU Controladoria-Geral da União OGU Ouvidoria-Geral da União Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação

CGU Controladoria-Geral da União OGU Ouvidoria-Geral da União Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação Controladoria-Geral da União OGU Ouvidoria-Geral da União Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação PARECER Referência: 21900.000383/201-37 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade

Leia mais

TELEFÔNICA BRASIL S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.157/0001-62 - NIRE 35.3.001.5881-4

TELEFÔNICA BRASIL S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.157/0001-62 - NIRE 35.3.001.5881-4 AVISO AOS ACIONISTAS PAGAMENTO DE JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO E DIVIDENDOS INTERMEDIÁRIOS EXERCÍCIO 2014 I A Diretoria da Telefônica Brasil S.A. ( Companhia ) comunica aos Senhores Acionistas, conforme

Leia mais