PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA"

Transcrição

1 PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Diretora Geral Profa. Mª. Eliana Vileide Guardabassio Coordenador de Curso Profa. Mª. Liliana Urbano Mauá

2 APRESENTAÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A REGIÃO DE INFLUÊNCIA DO CURSO INSERÇÃO REGIONAL ASPECTOS GEOGRÁFICOS ASPECTOS HISTÓRICOS ASPECTOS DA ECONOMIA DE MAUÁ DADOS POPULACIONAIS TRANSPORTES: ÁREA DA SAÚDE: ASPECTOS EDUCACIONAIS DA REGIÃO DE MAUÁ NECESSIDADE DE UM CURSO SUPERIOR DE PEDAGOGIA, LICENCIATURA, NA REGIÃO INFORMAÇÕES SOBRE A FACULDADE MANTENEDORA: MANTIDA BREVE HISTÓRICO DA IES: MISSÃO INSTITUCIONAL PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA INSTITUIÇÃO DIRIGENTES DA FACULDADE SOBRE O CURSO DE PEDAGOGIA, LICENCIATURA CONSIDERAÇÕES GERAIS HABILITAÇÃO E REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO ASPECTOS LEGAIS E DIRETRIZES CURRICULARES IDENTIFICAÇÃO DO CURSO OBJETIVOS DO CURSO POLÍTICAS INSTITUCIONAIS NO ÂMBITO DO CURSO PERFIL DO EGRESSO METODOLOGIA DO CURSO CAMPOS DE ATUAÇÃO PROFISSIONAL ESTRUTURA DO CURSO

3 10.1 COMPONENTES CURRICULARES E CARGA HORÁRIA COERÊNCIA DO CURRÍCULO COM OS OBJETVOS DO CURSO COERÊNCIA DO CURRÍCULO COM O PERFIL DESEJADO DO EGRESSO COERÊNCIA DO CURRÍCULO FACE ÀS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA O CURSO DE LICENCIATURA ADEQUAÇÃO DA METODOLOGIA DO PROCESSO DO ENSINO E DA APRENDIZAGEM INTERRELAÇÃO DOS COMPONENTES CURRICULARES NA CONCEPÇÃO E EXECUÇÃO DO CURRÍCULO DIMENSIONAMENTO DA CARGA HORÁRIA DOS COMPONENTES CURRICULARES ADEQUAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DAS EMENTAS E PROGRAMAS DAS UNIDADES DE ESTUDO ADEQUAÇÃO E ATUALIZAÇÃO BIBLIOGRÁFICA COERÊNCIA DO CORPO DOCENTE E DO CORPO TÉCNICO ADMINISTRATIVO COM A PROPOSTA CURRICULAR COERÊNCIA DOS RECURSOS MATERIAIS ESPECÍFICOS (LABORATÓRIOS E INSTALAÇÕES ESPECÍFICAS, EQUIPAMENTOS E MATERIAIS) DO CURSO COM A PROPOSTA CURRICULAR ESTRATÉGIAS DE FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR COERÊNCIA DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO COM A CONCEPÇÃO DO CURSO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TICS NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM AUTO AVALIAÇÃO DO CURSO CORPO DOCENTE ATUAÇÃO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE - NDE COMPOSIÇÃO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE - NDE ATUAÇÃO DO COORDENADOR EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL, NO MAGISTÉRIO E EM GESTÃO ACADÊMICA DO COORDENADOR CORPO DOCENTE DO CURSO CARACTERIZAÇÃO PERFIL ESPERADO DO DOCENTE

4 ATIVIDADES DOCENTES CORPO DOCENTE TITULAÇÃO, REGIME DE TRABALHO, EXPERIÊNCIA DE MAGISTÉRIO E PROFISSIONAL E DISTRIBUIÇÃO DE CARGA HORÁRIA FUNCIONAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO APOIO AO DISCENTE APOIO PEDAGÓGICO APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS APOIO PSICOPEDAGÓGICO MECANISMO DE NIVELAMENTO BOLSAS DE ESTUDOS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS DE FINANCIAMENTO DE ESTUDOS PROGRAMAS FEDERAIS DE FINANCIAMENTO DE ESTUDOS ESTÁGIO SUPERVISIONADO POLÍTICAS, DIRETRIZES, NORMAS TRABALHO DE GRADUAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES SERVIÇOS TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS OS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO POLÍTICAS DE QUALIFICAÇÃO, PLANO DE CARREIRA E REGIME DE TRABALHO RECURSOS MATERIAIS INFRAESTRUTURA FÍSICA LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA - GERAL CPD RECURSOS AUDIOVISUAIS E MULTIMÍDIA COMPUTADORES E IMPRESSORAS DE USO ADMINISTRATIVO E ACADÊMICO RELAÇÃO EQUIPAMENTO/ALUNO/CURSO INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS SIGNIFICATIVAS BIBLIOTECA BIBLIOTECA VIRTUAL UNIVERSITÁRIA ACERVO POR ÁREA DO CONHECIMENTO E CRONOGRAMA DE EXPANSÃO FORMAS DE ATUALIZAÇÃO E EXPANSÃO DO ACERVO

5 HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO MOBILIÁRIO/ACOMODAÇÕES PARA USUÁRIOS EQUIPAMENTOS SERVIÇOS OFERECIDOS EMPRÉSTIMO INTER-BIBLIOTECAS ENTRE AS BIBLIOTECAS DO NÚCLEO UNIESP ACERVO DE DVD S COORDENADORA DO NÚCLEO DE BIBLIOTECA FAMA PESSOAL AUXILIAR

6 APRESENTAÇÃO O Instituto Educacional Irineu Evangelista de Souza IESFaculdade de Mauá (FAMA) pretende engajar-se no processo de desenvolvimento que se verifica na região do ABC Paulista, valendo-se com muito empenho e dedicação, das oportunidades geradas por uma sociedade que caminha a passos largos para ampliar sua participação no cenário nacional, à medida que o fortalecimento dos investimentos privados do Estado cria novas solicitações e estímulos em todas as áreas da produção e do conhecimento. São muitas as possibilidades socioeconômicas que se gestam no atual momento por que passa a sociedade contemporânea. Como sempre, tais possibilidades precisam orientar-se a partir de referências científicas e culturais que abram novos horizontes de desenvolvimento autossustentado. Para tanto, as instituições de ensino desempenham papel único e insubstituível, como, aliás, tem sido amplamente reconhecido pela sociedade brasileira. Nesse contexto, o curso superior de Licenciatura em Pedagogia, foi concebido para oferecer aos alunos egressos do ensino médio, e, àqueles que deixaram de frequentar as salas de aula e neste momento têm a oportunidade de retornar, uma sólida formação, amparada por um embasamento humanístico que lhes proporcione condições de adquirir uma visão da realidade em que atuarão, interferindo, com consciência, nos padrões de educação da comunidade. O objetivo colimado pela FAMA encerra, pois, a ideia legítima de dotar a região do ABC Paulista de um novo curso Superior de Licenciatura em Pedagogia, compatível com as exigências modernas, impostas pelo avanço das ciências, visando atender às demandas emergentes por serviços na área educacional, em diversos segmentos para sua comunidade de referência. Assim, ao levar adiante essa iniciativa, e em função da experiência profissional que preside a atuação dos seus dirigentes, a FAMA tem certeza de expandir a parceria já existente com a sociedade local e, certamente com o apoio formal dos órgãos oficiais, que, em nível nacional, estão comprometidos com o aprimoramento dos processos educativos no país. 9

7 10 1. INFORMAÇÕES SOBRE A REGIÃO DE INFLUÊNCIA DO CURSO 1.1. INSERÇÃO REGIONAL O município de Mauá integra a região metropolitana de São Paulo (RMSP), conhecida também pela denominação de Grande São Paulo, formada por 39 municípios, e está localizada a sudeste dela, na região do Grande ABC. A RMSP é uma das mais complexas regiões administrativas do estado de São Paulo e reúne municípios com características socioeconômicas e territoriais heterogêneas, totalizando habitantes (Seade-2012), distribuídos numa área de 7.943,82 quilômetros quadrados. Na sub-região sudeste da RMSP fica a região do Grande ABC, formada pelas cidades de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra. Os sete municípios somados perfazem uma área de 825 Km² ASPECTOS GEOGRÁFICOS Mesorregião: Microrregião: Região metropolitana: Municípios limítrofes: Metropolitana de São Paulo São Paulo São Paulo Norte: São Paulo; Nordeste: Ferraz de Vasconcelos; Sudeste: Ribeirão Pires e Oeste: Santo André. 10

8 11 Distância até a capital: 26 km Características Geográficas: Área População Densidade Altitude Clima 62,293 km² hab. (SP: 11º) IBGE/2010 6,83 hab./km² 818 m Subtropical Fuso horário UTC ASPECTOS HISTÓRICOS Quando houve, por parte dos portugueses, a primeira expedição a avançar para o interior do continente brasileiro (até então, a exploração se restringia ao Litoral), ainda em meados do Século XVI, a qual saiu de São Vicente e chegou até as tribos indígenas de Piratininga, na confluência dos rios Tamanduateí, Anhangabaú e Tietê, o percurso utilizado foi o Caminho do Peabiru, mas exatamente, a Trilha dos Tupiniquins, a qual atravessava o território da atual Mauá, em um traçado ancestral e muito próximo da atual Avenida Barão de Mauá João Ramalho, o qual fundou a Vila de Santo André original em 1553, tomou posse de muitas terras que hoje fazem parte do território mauaense. No Século XVIII, a região era conhecida como Cassaqüera, um nome indígena que significa "Cercados Velhos" ou "Cercado dos Velhos". Mais tarde, a antiga Trilha dos Tupiniquins tornou-se o Caminho do Pilar, uma vez que levava até a Capela Nossa Senhora do Pilar, fundada em 1714, localizada onde hoje fica a cidade de Ribeirão Pires. Do nome da estrada surgiu a nova denominação local, Pilar. Apesar de haver alguns moradores na região, só houve progresso local relevante a partir da construção, por parte da São Paulo Railway, da Ferrovia Santos-Jundiaí, a qual foi inaugurada em Irineu Evangelista de Souza, o Barão de Mauá, mais tarde, elevado a Visconde de Mauá, grande empreendedor no comando desse projeto ferroviário, chegou a ter 11

9 12 grandes propriedades na região, adquirindo a Fazenda Bocaina do Capitão João José Barboza Ortiz. O Crescimento da agora Vila do Pilar levou a São Paulo Railway a inaugurar a estação de trem Pilar em 1º de abril de Um núcleo populacional surgiu e cresceu em volta da estação pelas décadas seguintes. Em 1926, a estação ferroviária teve o nome alterado para Mauá, em homenagem ao ilustre empreendedor e construtor local. Assim, o então bairro de Pilar, pertencente ao Município de São Bernardo do Campo, foi mudando para Mauá. Com o Decreto-lei Estadual nº 6780, de 18 de outubro de 1934, Mauá foi elevada a Distrito, ainda pertencente a São Bernardo. Com o Decreto-lei Estadual nº 9775, de 30 de novembro de 1938, foi re-criado o município de Santo André, passando o distrito de Mauá a pertencer ao novo município. O Distrito cresceu, mas boa parte da população considerava o local quase abandonado pela Prefeitura de Santo André. Surgiu assim, a partir de 1943, o Movimento Emancipacionista, liderado por Egmont Fink. Em 22 de novembro de 1953, foi realizado um Plebiscito com os moradores locais, para escolherem pela emancipação local ou não. A maioria votou a favor e a Lei Estadual nº 2456, de 30 de dezembro de 1953, decretou a emancipação e surgimento do Município de Mauá. A instalação de fato do novo município e administração autônoma se deu a partir de 1º de janeiro de Os vereadores, no entanto,decidiram por votação na Câmara Municipal que a Data Magna da cidade seria 8 de dezembro, dia da Imaculada Conceição de Nossa Senhora, padroeira da cidade, e Dia da Justiça ASPECTOS DA ECONOMIA DE MAUÁ Embora existam vários ramos de atividade econômica na cidade, Logística, Metalurgia, Indústrias Químicas, Materiais Elétricos e Derivados Petroquímicos. Ainda hoje Mauá é lembrada como a "Capital da Louça e da Cerâmica", devido ao fato de esta atividade ter sido bastante importante para o desenvolvimento do município. Existem dois polos industriais (Capuava e Sertãozinho) e um grande Pólo Petroquímico onde está localizada a refinaria da Petrobrás, a RECAP, estes polos transformaram Mauá em um dos maiores parques industrial do país. No ano de 2014 fora concluído o trecho Leste do Rodoanel Mário 12

10 13 Covas, e ainda em implementação o prolongamento da Avenida Jacu-Pêssego/Nova Trabalhadores, que devido à facilitação do acesso à cidade devem influenciar no crescimento da atividade industrial, que atualmente sofre com o estrangulamento da malha viária e com sua crônica falta de manutenção. Existem também, algumas empresas com sede ou filial no município de Mauá: Foz do Brasil (comercialização de água e tratamento de esgoto), ALCAN (alumínio), Grecco Transportes (logística), CGE (metalúrgica), Petrobrás (refino de petróleo, nitrogenados e gás de cozinha), Ultragaz (gás de cozinha), Bandeirante Química (derivados de petróleo), Porcelana Schmidt (porcelanas de mesa), Liquigás (gás de cozinha), Copagás (gás de cozinha), Polibrasil (polietileno), Vitopel (resinas petrolíferas para fabricação de papel e celulose), Chevron-Oronite (derivados de petróleo), Oxiteno-Ultra (gases derivados de petróleo exceto GNV), Firestone (pneus), Tintas Coral (pigmentos), Saint-Gobain (vidros automotivos), COFAP (metalurgia e peças automotivas), Polimetri (estampados e componentes soldados para linha automotiva) Tupy (metalurgia), ALMAN (metalúrgica em alumínio), Brastemp (componentes para eletrodomésticos) DADOS POPULACIONAIS A densidade demográfica é de 6.463,7 hab/km². Porém, a densidade urbana é bem maior, já que um terço do município é de área industrial e 10% pertence à área rural e ao Parque Estadual da Serra do Mar. A população é considerada tanto como consumidora de bens e serviços quanto como trabalhadora. De acordo com o IBGE 2010, habitantes vivem no município de Mauá. Neste mesmo levantamento foi também revelado que a população majoritariamente feminina (51,5%), é distribuída da seguinte forma: 0 a 5 anos, 8,41%; 6 a 11 anos, 9,47%; 12 a 17 anos, 10,30%; 18 a 24 anos, 13,06%; 25 a 59 anos, 50,47%; e, acima de 60 anos, 8,30%. A FAMA atende a população oriunda do Grande ABC. Juntas, essas cidades totalizam uma população de mais de habitantes, separadas por um raio de aproximadamente 70 km. Além disso, a região formada por estes municípios possui uma economia forte 13

11 14 centrada em serviços, comércio, indústria, que produz tanto para o mercado interno como para o mercado externo. O quadro abaixo demonstra a população do entorno da cidade de Mauá: Quadro nº 01. População de abrangência da Região de Mauá Município População/Habitantes Diadema Mauá Ribeirão Pires Rio Grande da Serra Santo André São Bernardo do Campo São Caetano do Sul TOTAL Fonte: IBGE TRANSPORTES Ferroviário: A cidade de Mauá é servida pelos trens da linha 10 da CPTM, com as estações: Estação Capuava; Estação Mauá; Estação Guapituba; Viário: O sistema viário mauaense conta com ônibus municipais divididos em dois lotes (1- Viação Cidade de Mauá e 2- Leblon) e intermunicipais geridos pela EMTU. 14

12 15 Rodovias: SP Rodoanel Mário Covas Vias Arteriais: Complexo JK - Entroncamento da Av. Papa João XXIII, João Ramalho, Alberto S. Sampaio, Rosa Kasinski, Ayrton Senna da Silva e Jacu-Pêssego; Av. Papa João XXIII - Liga o Sertãozinho ao Centro de Mauá (Complexo JK); Av. Jacu-Pêssego - Liga o Centro de Mauá (Complexo JK); Av. João Ramalho - Liga Santo André (Av. Giovanni B. Pirelli) ao Paço Municipal de Mauá; Av. Alberto Soares Sampaio - Liga Capuava ao Centro de Mauá (Complexo JK); Av. Ayrton Senna da Silva - Liga o Bairro Sônia Maria ao Centro de Mauá (Complexo JK); Av. Antônia Rosa Fioravanti/Rua Cineasta Glauber Rocha - Margeia o Centro de Mauá; Av. Capitão João - Liga o Paço Municipal de Mauá a Ribeirão Pires (Av. Humberto de Campos) Rua da Pátria/Est. Adutora Rio Claro - Ligam o Bairro Nova Mauá e o Pq. São Rafael (Capital) ao Centro de Mauá; Av. Barão de Mauá - Liga o Centro de Mauá à região do Itapeva; Rua Rio Branco/ Rua Brasil - Liga o Parque das Américas ao Centro de Mauá; Av. Governador Mário Covas - Liga os "Centros" de Mauá; Av. Itapark - Liga a Região do Itapark ao Centro de Mauá (Rua Rio Branco); Av. Pres. Castelo Branco - Liga o Bairro Zaíra ao Centro de Mauá (R. Cineasta Glauber Rocha); Av. Benedita Franco da Veiga - Liga a Est. do Sapopemba e a região do Feital à Av. Barão de Mauá (Jd. Maringá); Est. do Carneiro/ Rua do Britador - Liga a Estrada do Sapopemba à Av. Barão de Mauá (São João); Est. do Sapopemba - Liga a Zona Leste Paulistana a Ribeirão Pires, passando pelo Bairro Itaussú (Mauá); 15

13 16 Est. do Iguatemi - Liga Iguatemi (Capital) à Est. dos Fernandes (Suzano), passando pelo Bairro São Lúcido (Mauá); ÁREA DA SAÚDE: O quadro abaixo demonstra a infraestrutura referente à área da saúde na cidade de Mauá/2010. Quadro nº 02: Infraestrutura da área da saúde Localidade/ Ano Total de Despesas Municipais Saúde Unidades de Atenção Básica de Saúde Leitos de Internaçã o Leitos SUS Técnicos de Enferma gem Auxiliares de Enfermagem Enfer meiros Dentistas Médicos Mauá (2010) Fonte: IBGE (2010) ASPECTOS EDUCACIONAIS DA REGIÃO DE MAUÁ O quadro a seguir demonstra as matrículas da Educação Infantil, Ensino Fundamental I e II, Ensino Médio e Ensino Superior, na cidade de Mauá e nas cidades circunvizinhas, as quais constituem o potencial para a FAMA. Quadro nº 03: Matriculas da cidade de Mauá e seu entorno Municípios Educ. Infantil Ens. Fund. I Ens. Fund. II Ensino Médio Ensino Superior Total Diadema

14 17 Mauá Ribeirão Pires Rio Grande da Serra Santo André São Bernardo do Campo São Caetano do Sul Total Fonte: SEADE Matrículas nas redes públicas e redes privadas. A região de influência de Mauá reúne algumas das melhores condições socioeconômicas do país por constituir-se como um dos polos dinâmicos do desenvolvimento nacional. O município tem a seu favor a convergência entre localização geopolítica privilegiada, mão-de-obra qualificada, significativo aporte de capital e tecnologia em áreas de ponta, grandes empresas voltadas para a indústria, o comércio e a prestação de serviços, que oferecem um amplo mercado de trabalho, campo propício para o desenvolvimento de cursos/programas educacionais, difusores de tecnologias e geradores de conhecimento. Na análise dos números da tabela acima, depreende-se que Mauá e região tem grande necessidade de, continuamente, otimizar as qualificações para o seu mercado de trabalho, de maneira que atenda o dinamismo de uma das regiões mais rica e promissora do Estado de São Paulo. A proximidade com a grande metrópole da Capital do Estado, assim como os ótimos indicadores e condições oferecidas, são sinais promissores de um grande desenvolvimento para a região de Mauá que está crescendo sem perder de vista a qualidade de vida e o respeito ao meio ambiente. Sua economia forte e diversificada, a excelente infraestrutura de transportes e comunicação aliada aos níveis de escolaridade, demografia, crescimento da economia acenam e justificam um aumento de investimento, tanto público quanto privado, no Ensino Superior 17

15 18 de qualidade. A FAMA já aceitou o desafio e segue, confiante, seu planejamento na busca da qualidade do seu trabalho e na linha de Ensino a que se propôs. 1.2 NECESSIDADES DE UM CURSO SUPERIOR DE LICENCITURA EM PEDAGOGIA NA REGIÃO: A proposta do Curso de Licenciatura em Pedagogia vem ao encontro da demanda latente por cursos que primem pela qualidade do ensino e da pesquisa, e desejem estar atualizados com o meio ambiente, a escolaridade e a regionalidade. Este ambiente, como se sabe, vem passando por mudanças bruscas no campo educacional, do conhecimento, na busca pela qualidade total e por mudanças de estruturas organizacionais e relações humanas. O futuro profissional Licenciado em Pedagogia deve possuir um desempenho tanto em atividades educacionais quanto operacionais, como ter a possibilidade de demonstrar seus conhecimentos no auxílio e proposição de possíveis alternativas de solução em atividades educacionais no âmbito regional, como também para o exercício da prática educativa. Nos diversos campos do conhecimento têm sido grandes as solicitações por profissionais qualificados, que possam fazer face aos crescentes desafios demandados pela complexidade educacional, num mundo cada vez mais globalizado, em que a competição é acirrada e, em que as organizações buscam a qualidade total. As constantes alternativas educacionais, técnicas de planejamento, e de administração em geral aliadas ao crescente acervo de conhecimentos acumulados, são imprescindíveis para os profissionais que desejam se posicionar competitivamente no mercado de trabalho. 18

16 19 3. INFORMAÇÕES SOBRE A FACULDADE 2.1.MANTENEDORA Nome: Instituto Educacional Irineu Evangelista de Souza IES Faculdade de Mauá - FAMA Endereço: Rua Vitorino Dell Antonia, 349- Vila Noêmia,Mauá - São Paulo CEP: Fone: (011) Site: A Faculdade de Mauá - FAMA, denominada como mantenedora, é uma sociedade civil, de caráter educacional, cultural, de duração indeterminada. Tem seus registros na Comarca de Mauá/SP - 2 º Tabelião de Notas e Anexos, sob o número 2.004, do Livro APJ. 04. A FAMA é uma instituição devotada às atividades de promoção da educação em todos os seus ramos, níveis e graus, colaborando na formação de cidadãos conscientes, produtivos, formadores de opinião e agentes ativos no desenvolvimento socioeconômico e cultural de seu meio. A FAMA escolheu o Município de Mauá como sede de seus cursos de graduação, iniciados no 2º semestre de 2001, na área de Administração com Habilitação em Gestão de Negócios e Marketing, Serviço Social e Licenciatura em Pedagogia, por caracterizar-se como uma região carente na oferta de curso superior, conforme será observado nos dados coletados no Município e que serão adiante demonstrados. A sua proposta institucional contempla ainda cursos: na área de Saúde, Licenciaturas, Tecnologia e/ou Curta Duração, além de Ciências Contábeis, e Sistemas de Informação. 2.2 MANTIDA 19

17 BREVE HISTÓRICO DA FAMA: A Faculdade de Mauá - FAMA é uma instituição particular de ensino superior, com sede e dependências administrativas na cidade de Mauá São Paulo. Encontra-se estruturada em conformidade com a Lei n 9.394/96 e credenciada, conforme Portaria MEC nº 1734 de 06/08/2001 e publicada no D.O.U. em 07/08/2001. A implantação de novos cursos superiores e habilitações na FAMA é uma resposta do Instituto Educacional Irineu Evangelista de Souza ao apelo da comunidade local e às implicações resultantes do grande desenvolvimento proveniente da expansão econômica da região do ABC paulista, área de influência da Instituição. O cumprimento da missão que busca a FAMA é consequência da composição do corpo docente, qualificado e motivado a manter a excelência institucional e da integração entre os diversos segmentos que constituem a sua comunidade acadêmica, da relação da instituição de ensino com a entidade mantenedora e com setores da comunidade a que se propõe atender MISSÃO INSTITUCIONAL A MISSÃO Institucional da Faculdade de Mauá - FAMA, é: Alcançar a oferta e a prática de uma educação solidária, permitindo a educação para todos e a inserção social por meio da qualidade de ensino e da atuação voltada para o desenvolvimento sustentável, na prática de mensalidades compatíveis com a realidade socioeconômica da região e de incentivo e de apoio estudantil, por meio de parcerias e de projetos sociais voltados ao atendimento da comunidade PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA INSTITUIÇÃO A Faculdade de Mauá, doravante denominada apenas FAMA, tem por princípios e objetivos: I estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo; 20

18 21 II formar diplomados nas diferentes áreas de conhecimento, aptos para a inserção em setores profissionais e para a participação no desenvolvimento da sociedade brasileira, e colaborar na sua formação contínua; III incentivar o trabalho de pesquisa e investigação científica, visando ao desenvolvimento da ciência e da tecnologia e da criação e difusão da cultura, e, desse modo, desenvolver o entendimento do homem e do meio em que vive; IV- promover a divulgação de conhecimentos culturais, científicos e técnicos que constituem patrimônio da humanidade e comunicar o saber através do ensino, da publicação ou outras formas de comunicação; V suscitar o desejo permanente de aperfeiçoamento cultural e profissional e possibilitar a correspondente concretização, integrando os conhecimentos que vão sendo adquiridos numa estrutura intelectual sistematizadora do conhecimento de cada geração; VI estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente, em particular os nacionais e regionais, prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade; e, VII promover a extensão, aberta à participação da população, visando à difusão das conquistas e benefícios resultantes da criação cultural e da pesquisa científica e tecnológica geradas na instituição. Parágrafo único: Para a consecução dessa finalidade a FAMA se empenhará no desenvolvimento de atividades de ensino, pesquisa, extensão e difusão do conhecimento, inclusive o intercâmbio com instituições de ensino e de cultura do país e do exterior DIRIGENTES DA FACULDADE Nome: Prof. Ms.Eliana Vileide Guardabassio Cargo: Diretora da Unidade 21

19 22 4. SOBRE O CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIGIA 3.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS O Curso de Licenciatura em Pedagogia pretende oferecer ao discente, na sua sólida formação: - atuar com ética, compromisso e responsabilidade política no processo de construção de uma sociedade mais digna, justa e igualitária e à efetividade dos direitos humanos e de cidadania para todos; - compreender, cuidar, socializar, treinar e educar crianças, jovens e adultos em nível de Ensino Infantil, Fundamental e Médio, de forma a contribuir para o seu desenvolvimento nas dimensões que integram a sua complexa personalidade, especialmente, nos aspectos físico, psicológico, intelectual, social, político, ético e estético; - fortalecer o desenvolvimento e a capacidade para construção de conhecimentos, habilidades, hábitos, competência, valores e aprendizagens de crianças do Ensino Fundamental e Médio, assim como daqueles que não tiveram oportunidades de escolarização na idade própria prevista por legislação específica; - trabalhar, em espaços escolares e não escolares, na promoção da aprendizagem de sujeitos em diferentes fases do desenvolvimento humano, em diversos níveis e modalidades do processo educativo, esportivo e social; - atuar indistintamente com as diversas classes socioeconômicas, étnico e/ou religiosas, valorizando o ser humano nas suas especificidades; - reconhecer e respeitar as manifestações e necessidades físicas, cognitivas emocionais, afetivas, éticas, estéticas e transcendentais dos educandos nas suas relações individuais e coletivas, dentre outras. 22

20 HABILITAÇÃO E REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO O respectivo curso foi autorizado pela Portaria Ministerial Nº 1735, de 06/08/2001 e publicada no D.O. U. em 07/08/2001 Obteve o reconhecimento por meio da Portaria Ministerial Nº 149 de 15/02/2007 e publicada no D.O.U em 16/02/2007. O curso obteve a renovação de reconhecimento pela Portaria Nº 286 de 21/12/2012 e publicada no D.O.U em 27/12/ ASPECTOS LEGAIS E DIRETRIZES CURRICULARES O curso de Licenciatura em Pedagogia está estruturado com base na Resolução CNE/CP nº 1/2006, datada de 15 de maio de Para concretizar a concepção de educação da FAMA, o Curso de Licenciatura em Pedagogia, através de seu projeto, tem exigido dos docentes reflexões críticas de suas práticas pedagógicas, objetivando construir estratégias diferenciadas de trabalhar o conteúdo em sala de aula. Para tanto, verifica-se um trabalho interdisciplinar como uma forma de romper com o conhecimento fragmentado, centrado somente em um docente e sem interação com o conjunto das disciplinas. Na prática, a construção de propostas de interação e integração entre os vários saberes e conhecimentos para a formação e produção de um conhecimento do aluno, estabelecendo a unidade entre teoria e prática, e a relação entre o conteúdo de ensino e a realidade exigida no dia-a-dia das atividades do pretenso formando, trás os benefícios do aprender a aprender. Assim, o processo de formação se firmou em três estruturas básicas: a) Assimilação das teorias propostas pelos docentes para estruturação de concepções abordadas anteriormente; b) Pesquisa e levantamento de casos reais já resolvidos e suas consequências no dia-a-dia das escolas; 23

21 24 c) Proposição de novos casos, onde deverão ser efetuadas analogias com casos reais x a teoria proposta, de forma a propor novas soluções e demonstrações construtivas, quebrando possíveis paradigmas na busca de novas alternativas viáveis ao problema. 4. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Designação: Licenciado em Pedagogia Autorização: Portaria Nº 1735 de 06/08/2001 Regime acadêmico: Seriado Período: Semestral Total Anual de Vagas: 100 vagas anuais Tempo mínimo de integralização: 4 anos Forma de Ingresso: Processo Seletivo 5. OBJETIVOS DO CURSO Como objetivos gerais temos que promover a educação superior, formando o Pedagogo com senso crítico, compromisso ético e profissional, empreendedor e com visão atualizada e competente. A partir de uma clara percepção da modernidade e da complexidade que caracterizam o ser humano e a sociedade, formar educadores capazes de acompanhar o progresso das ciências, das tecnologias, bem como as rápidas mudanças que tem caracterizado a sociedade e seus reflexos nas instituições educacionais, no culto ao corpo, à saúde, no lazer e recreação, relacionando teoria e prática. 24

22 25 São diretrizes específicas do Curso de Licenciatura em Pedagogia a formação de docentes para atuar com a área em uma escola: RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente do Conselho Nacional de Educação, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o disposto no art. 9º, 2º, alínea e da Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961, com a redação dada pela Lei nº 9.131, de 25 de novembro de 1995, no art. 62 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e com fundamento no Parecer CNE/CP nº 5/2005, incluindo a emenda retificativa constante do Parecer CNE/CP nº 3/2006, homologados pelo Senhor Ministro de Estado da Educação, respectivamente, conforme despachos publicados no DOU de 15 de maio de 2006 e no DOU de 11 de abril de 2006, resolve: Art. 1º A presente Resolução institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura, definindo princípios, condições de ensino e de aprendizagem, procedimentos a serem observados em seu planejamento e avaliação, pelos órgãos dos sistemas de ensino e pelas instituições de educação superior do país, nos termos explicitados nos Pareceres CNE/CP nos 5/2005 e 3/2006. Art. 2º As Diretrizes Curriculares para o curso de Pedagogia aplicam-se à formação inicial para o exercício da docência na Educação Infantil e nos anos iniciais do Ensino Fundamental, nos cursos de Ensino Médio, na modalidade Normal, e em cursos de Educação Profissional na área de serviços e apoio escolar, bem como em outras áreas nas quais sejam previstos conhecimentos pedagógicos. 1º Compreende-se a docência como ação educativa e processo pedagógico metódico e intencional, construído em relações sociais, étnicoraciais e produtivas, as quais influenciam conceitos, princípios e objetivos da Pedagogia, desenvolvendo-se na articulação entre conhecimentos científicos e culturais, valores éticos e estéticos inerentes a processos de aprendizagem, de socialização e de construção do conhecimento, no âmbito do diálogo entre diferentes visões de mundo. 2º O curso de Pedagogia, por meio de estudos teórico-práticos, investigação e reflexão crítica, propiciará: I - o planejamento, execução e avaliação de atividades educativas; II - a aplicação ao campo da educação, de contribuições, entre outras, de conhecimentos como o filosófico, o histórico, o antropológico, o ambiental-ecológico, o psicológico, o lingüístico, o sociológico, o político, o econômico, o cultural. Art. 3º O estudante de Pedagogia trabalhará com um repertório de informações e habilidades composto por pluralidade de conhecimentos teóricos e práticos, cuja consolidação será proporcionada no exercício da profissão, 25

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais O Conselho Nacional de Educação baixou a Resolução nº 1, de 15 de maio de2006, publicada no Diário 0ficial da União de 16, instituindo as

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CP PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 11/4/2006 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Conselho

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/003/2009. UNIVERSIDADE ESTADU DA PARAÍBA APROVA O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA, DO CENTRO DE EDUCAÇÃO - CEDUC, QUE REFORMULA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 FACULDADE DE MAUÁ FAMA CURSO TECNÓLOGO EM PROCESSOS GERENCIAIS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS

Leia mais

INSTITUTO EDUCACIONAL IRINEU EVANGELISTA DE SOUZA BARÃO DE MAUÁ IEBS FACULDADE DE MAUÁ PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

INSTITUTO EDUCACIONAL IRINEU EVANGELISTA DE SOUZA BARÃO DE MAUÁ IEBS FACULDADE DE MAUÁ PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO INSTITUTO EDUCACIONAL IRINEU EVANGELISTA DE SOUZA BARÃO DE MAUÁ IEBS FACULDADE DE MAUÁ PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COORDENADOR DO CURSO Prof. Me. WALLACE RODRIGUES DE SANTANA MAUÁ

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

Breve Histórico do Curso de Pedagogia no Brasil

Breve Histórico do Curso de Pedagogia no Brasil Breve Histórico do Curso de Pedagogia no Brasil Rosa Mendonça de Brito 1 INTRODUÇÃO No Brasil, o Curso de Pedagogia, ao longo de sua história, teve definido como seu objeto de estudo e finalidade precípuos

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA FACULDADE DE MAUÁ FAMA CURSO TECNÓLOGO EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROFª. Me. ELIANA VILEIDE GUARDABASSIO COORDENADORA DE CURSO MAUÁ 2014

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE NUTRIÇÃO, BACHARELADO

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE NUTRIÇÃO, BACHARELADO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE NUTRIÇÃO, BACHARELADO MAUÁ 2014 RESPONSABILIDADE LEGAL Profª. Mestra Carolina Mouco Viana Sanchez Diretora Geral Profª. Mestra Fabiane Higo Coordenadora do Curso de Nutrição,

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução nº47/ 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Pedagogia, Licenciatura, com

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Página 1 de 25 Ministério da Educação Nº 1229 - Segunda feira, 21 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 807, de 18 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 808, de 18 de junho

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015 (*) (**) Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO RESOLUÇÃO CAS Nº 07 / 2007 De 05 de agosto de 2007 Reformula o Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Pedagogia, a ser implantado a partir do 2º semestre do ano letivo de 2007. CONSIDERANDO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

COMISSÃO BICAMERAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Projeto de Resolução 25.3.15 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

COMISSÃO BICAMERAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Projeto de Resolução 25.3.15 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO BICAMERAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Projeto de Resolução 25.3.15 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2015 Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS,

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS Resolução do colegiado de Pedagogia nº 03/2014 Regulamenta Estágio supervisionado do curso de Pedagogia, fixados no Projeto Pedagógico do Curso de Pedagogia, Licenciatura, do Centro de Ensino Superior

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Resolução n 01/2010

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Resolução n 01/2010 MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Resolução n 01/2010 Fixa normas para o Ensino Fundamental de 09 (nove) anos da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis, Santa Catarina. O CONSELHO

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO.

RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Enci cl opédi adeadmi ni s t r açãouni v er s i t ár i a ESQUEMA I ESPECIAIS DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA - DISCIPLINAMENTO INSTITUTOS SUPERIORES DE EDUCAÇÃO LICENCIATURA REGULAMENTAÇÃO INSTITUTOS SUPERIORES

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 1 Art. 3º. O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: [...] Art. 3 O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT.

RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT. RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT. Fixa normas complementares, para o Sistema Estadual de Ensino, à lmplementação das Diretrizes Curriculares para a Formação de Professores da Educação Infantil e dos anos iniciais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015 Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

RESUMO DO PPC LICENCIATURA EM PEDAGOGIA EAD Emitente: Paloma Modesto Data: 10/11/2014

RESUMO DO PPC LICENCIATURA EM PEDAGOGIA EAD Emitente: Paloma Modesto Data: 10/11/2014 1. PERFIL DO CURSO As políticas públicas são construídas a partir das demandas e das correlações de forças entre organizações internacionais, Estado e sociedade civil (empresas, sindicatos, ONGs, movimentos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

NOWISKI, Evely de Moraes - UEPG evelymoraes@yahoo.com.br. LAROCCA, Priscila UEPG priscilalarocca847@hotmail.com

NOWISKI, Evely de Moraes - UEPG evelymoraes@yahoo.com.br. LAROCCA, Priscila UEPG priscilalarocca847@hotmail.com O QUE SE ESPERA DO EGRESSO DA LICENCIATURA EM PEDAGOGIA? BREVE ESTUDO DAS DIRETRIZES OFICIAIS PARA AS LICENCIATURAS E DE UM PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Resumo NOWISKI, Evely de Moraes - UEPG evelymoraes@yahoo.com.br

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

Maio 2013 Macaé- RJ. Rafael Pacheco Lívia Leite

Maio 2013 Macaé- RJ. Rafael Pacheco Lívia Leite Maio 2013 Macaé- RJ Rafael Pacheco Lívia Leite Matriz do Curso de Engenharia Química 2013 Page 2 Sumário 1. APRESENTAÇÃO 2. JUSTIFICATIVA 3. DA CONCEPÇÃO DO CURSO 4. ORGANIZAÇÃO DO CURSO 5. A MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA SUMÁRIO Capítulo I 3 DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS 3 Capítulo II 3 DA APRESENTAÇÃO 3 Capítulo III 4 DOS OBJETIVOS

Leia mais

Na verdade, esta Resolução 02/2010 não altera a Resolução 06/2006 revoga-a.

Na verdade, esta Resolução 02/2010 não altera a Resolução 06/2006 revoga-a. SIC nº 20/2010* Belo Horizonte, 22 de junho de 2010. 1. ARQUITETURA E URBANISMO. DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS. ALTERAÇÃO. RESOLIUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010. CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. CONSELHO

Leia mais

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TICs) NO CONTEXTO DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB) E O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (UFSM) AVINIO, Carina

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Instituto Educacional Irineu Evangelista de Souza Faculdade de Mauá FAMA Credenciado pela portaria nº 74 de 06/08/200 e publicado em 07/08/200 PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profª. Me. Eliana

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1. APRESENTAÇÃO O curso de Educação Física da FISMA, através de sua orientação de estagio supervisionado obrigatório, vem por meio de o presente documento estabelecer as diretrizes básicas da realização

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) , INCLUINDO ESSE, DEVEM SER RETIRADOS DO TEXTO FINAL, POIS SERVEM SOMENTE COMO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL> PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE - PEDAGOGIA

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE - PEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE - FACULDADE PROMOVE JANAÚBA 2013 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO DA IES... 6 2 APRESENTAÇÃO DO CURSO... 8 3 JUSTIFICATIVA... 8 3.1 FINALIDADES... 10 3.2 PRINCÍPIOS... 11 3.3 OBJETIVOS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA 1 RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/015/2011. UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA Aprova o Projeto Político Pedagógico do Curso de Graduação em Pedagogia/Primeira Licenciatura da Universidade Estadual da Paraíba. O

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais