Texto para comunicação no IX Simpósio de Filosofia Moderna e Contemporânea da Unioeste. Convívio social e degeneração em Rousseau

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Texto para comunicação no IX Simpósio de Filosofia Moderna e Contemporânea da Unioeste. Convívio social e degeneração em Rousseau"

Transcrição

1 Texto para comunicação no IX Simpósio de Filosofia Moderna e Contemporânea da Unioeste Toledo, 8 a 12 de novembro de 2004 Nome do Autor: Edgar Rogério da Costa Mestrando em Filosofia UNICAMP Convívio social e degeneração em Rousseau RESUMO: O que há de comum entre alguns personagens criados por Rousseau e como eles respondem à questão da sociabilidade, que a partir da saída do homem do estado natural implicou na degeneração incessante da natureza humana? Este texto resgata alguns conceitos do I e II Discursos que introduzem a questão da origem do convívio social e discute algumas alternativas apontadas por Rousseau para resolver os problemas gerados pelo acirramento deste convívio. Os principais escritos do filósofo nos mostram como ele se posicionou diante do problema da sociabilidade. Suas primeiras obras, com um tom crítico e ríspido, nos apresentam como seria o homem numa Idade de Ouro, em meio a pouca convivência, vivendo quase exclusivamente da necessidade e sem qualquer ornamentos; um período em que faculdades expoentes como a imaginação e a memória ainda não tinham se desenvolvido. Desse estágio quase inicial até os dias de hoje, observamos uma reviravolta na natureza humana: suas potencialidades se desenvolveram, a noção de necessidade se modificou, e a aproximação e a dependência em relação ao outro aumentaram: o homem contemporâneo não é mais tão simples e ingênuo como o homem natural. A trajetória pessoal de Rousseau fez ele sentir na pele que a vida social constituía um ambiente de disputas, de vaidade e de desigualdade, em que a vantagem e a soberba de uns custavam o jugo e o desprezo de outros, o que ele resumiu bem na célebre expressão amour-propre. Sua amarga experiência o impulsionou a examinar a sociedade, com todos os seus problemas, e a propor-lhe alternativas, a fim de torná-la um lugar melhor para conviver. As propostas formuladas por ele se dividem em vários aspectos. Para encarar os desafios da vida social e escapar à alienação em que ela nos coloca, ele pensou um novo modelo de educação, regido pelos princípios da natureza e baseado na necessidade e na utilidade. A vida pautada na simplicidade, a exemplo do convívio familiar, foi outro aspecto que Rousseau fez questão de resgatar, elegendo-o como um ambiente ideal para se experienciar o amor, a gratuidade e a felicidade, elementos raros no turbilhão da sociedade. Por fim, a própria instituição de um modelo de Estado se faz necessária quando as influências externas sufocam e confundem o indivíduo, a ponto de impedi-lo de resistir sozinho. Ao acompanharmos as alternativas propostas por Rousseau aos problemas da sociabilidade, vemos como sua reflexão se converte numa poderosa crítica social, conjugando um tom psicologista com um apelo romântico.

2 Convívio social e degeneração em Rousseau A vida social que levamos hoje em nada se parece com a de nossos antepassados. O exame de nosso estado atual nos incita a uma avaliação e até mesmo uma prevenção em relação aos nossos descendentes. Mas, afinal, quem foram nossos ancestrais? O que somos nós? Nós poderíamos ser diferentes? As duas palavras que intitulam nosso texto nos conduzem a uma viagem nos escritos de Rousseau, colocando-nos diante de questões pertinentes como os desafios da vida em sociedade. É nos primeiros Discursos que encontramos as bases dessa reflexão, ou seja, elementos que dali em diante se tornam fundamentais na reflexão rousseauniana sobre a sociabilidade. Todos sabemos das objeções que o filósofo manifestou em relação as ciências e às artes de seu tempo no I Discurso, acusando seus contemporâneos de repetir a mesma história de decadência e de vício cometida séculos atrás por alguns povos que se deixaram seduzir pelo luxo e pelos prazeres proporcionados por elas. No Segundo Discurso ele completa: A história humana é a história da desigualdade, que apresenta, de maneira paradoxal, o desenvolvimento de potencialidades escondidas no homem, ao mesmo tempo que um aumento assustador de sua degenerescência física e psíquica. Dos primeiros escritos do pensador, com aquele tom áspero de rejeição e denúncia, é importante frisar o tipo de homem que ele tem em mente, e que serve de base às suas comparações e ao seu objetivo. O homem natural retratado pelo Discurso sobre a desigualdade, para além daqueles debates sobre o fato dele ser bom ou não por natureza, é um homem livre, satisfeito e auto-suficiente. Ele vive em profunda identidade com a natureza, tem diante de si todo o necessário para seu sustento e, quando se trata de abrigo ou outras necessidades, pode usar de sua força física e do perfeito desenvolvimento dos sentidos. Vivendo sempre isolado dos semelhantes, possui faculdades neste estágio ainda não desenvolvidas, faculdades como a perfectibilidade e a imaginação, e mesmo presente num estado de ausência total de moralidade, nutre sentimentos nobres como o amor-de-si e a piedade. O primeiro deles, é claro, é mais compreensível, trata-se de um instinto individualista, uma busca daquilo que é necessário exclusivamente à sua sobrevivência. Já o segundo traz um aspecto curioso: embora um solitário de vida independente, que não pensa, o homem natural sente: não consegue ficar insensível ao sofrimento do outro, e a dor causada a um de sua espécie também lhe dói. Rousseau vai abordar os problemas de seu tempo tomando por inspiração o homem natural, mas não enquanto selvagem perdido, incomunicável, um quase-animal. A imagem de homem natural que o acompanha é a de um ser simples, desprovido de qualquer ornamento, sem malícia e, podemos dizer, sem maldade.

3 Ora, a aura que reveste esse período da história humana é algo que contrasta duramente com a realidade atual. De origem pobre, Rousseau conheceu o descaso e a humilhação dirigida à sua classe, sentiu como as diferenças entre ricos e pobres implicavam em segregação, e observou como os poderes tanto políticos como religiosos disputavam não o direito a promover os indivíduos, mas a subjugá-los. Como tantos outros, ele experienciou a fundo a desigualdade, e a necessidade de por para fora a sua indignação o impulsionou a denunciar e criticar, o que ele fez bem, munindo-se do que possuía de mais poderoso: a sua pena. Dentre os problemas atuais que enfrentamos, ele ressalta, está o fato daquele amor-de-si, modesto e voltado à necessidade, ter se transformado no amor-próprio, cuja satisfação nunca pode ser alcançada porque se prende a desejos vãos, como o de querer obter sucesso às expensas dos outros. Na luta por prestígio e pelo melhor lugar na sociedade, a piedade e a capacidade de se identificar com o próximo vão por água abaixo. Aquelas faculdades que estavam adormecidas no homem natural se desenvolveram, transformando-o no indivíduo de hoje: calculador, comparador, dependente e carente: o homem degenerou. Os problemas debatidos por Rousseau podem ser reunidos em reflexões substanciais como a relação entre homem e natureza, a vida social e a influência que esta exerce sobre a vida individual, e a utopia de remediar os males sociais por meio de diversos artifícios. Vemos que as suas obras são uma tentativa de tematizar esses pontos, que em sentido amplo podem ser entendidos como a questão da própria sociabilidade humana, com suas debilidades e forças, vantagens e desvantagens. Talvez possamos reunir tais questões nestes termos: diante da má sociabilidade vigente, resultado da degenerescência das características naturais e do avanço da artificialidade que descontrola e esconde o verdadeiro eu das pessoas, o que nós podemos fazer? A que tipo de homem podemos aspirar? Que convívio social queremos? Estas perguntas amplas tiveram de Rousseau várias respostas. Ele mesmo não se inclinou a respondê-las de uma só maneira, nem tentou simplificá-las ou reduzi-las. A educação: uma formação desde a origem Uma das mais importantes respostas dadas por Rousseau está na educação. O Emílio é uma tentativa de utilizá-la para preparar o indivíduo para entrar nesta sociedade: desigual, competitiva e em cujas armadilhas podemos facilmente nos perder. Dentre outras coisas, a educação é importante porque exerce uma força sobre o indivíduo desde o nascimento, ou seja, antes mesmo de entender, a criança já é influenciada e direcionada, o que evita, por exemplo, que muitos vícios e distúrbios se desenvolvam nela. Nos primeiros anos o trabalho de quem educa é bem esse: prevenir e evitar o contato com influências más, porém quando a adolescência vai se aproximando, chega o momento de consolidar no indivíduo uma educação que lhe permita, por si mesmo, resistir aos apelos da sociedade. Lembremos

4 que é em sociedade que nos perdemos em busca de quimeras, e no torvelinho das paixões muitas vezes cedemos a desejos que não são exatamente os nossos, a tentações que nada têm de verdadeiro. É interessante acompanhar, no Emílio, como o educador Rousseau se empenha para dar conta de, ora prevenir, ora dosar, ora permitir as coisas ao seu pupilo. O trabalho de formar uma personalidade não é fácil, e para aquele que se coloca como tutor é exigido muita atenção em relação a cada uma das etapas do crescimento humano, com suas potencialidades e vulnerabilidades. Tudo isso para alcançar o objetivo de formar um homem autônomo e feliz. Se alguém perguntasse: por que feliz?, poderíamos responder, como Rousseau, que a felicidade não está na satisfação máxima dos desejos, nem na satisfação do maior número de desejos. Ao contrário, para viver feliz é preciso contentar-se com o que se têm e com o que se é, buscar o necessário e não se deixar influenciar pelo supérfluo. Imitar os outros, cobiçar e invejar são atitudes de pessoas descontroladas, que não conhecem a si próprias e que fazem da busca de objetos externos um meio de preencher o vazio interior. Para escapar à alienação da sociedade é preciso, desde cedo, armar-se contra as pressões externas, banir a ociosidade que é a mãe dos vícios e aprender o que é de fato útil e necessário. Em meio a tantas experiências, dentre elas o trabalho como preceptor, Rousseau percebeu a importância da educação a partir da tenra idade, quando ainda a natureza permite mudanças. No Livro II do Contrato Social, ao falar do povo, ele deixa claro que esta fórmula não serve apenas para os indivíduos em particular: A maioria dos povos, como os homens, só são dóceis na juventude; envelhecendo, tornam-se incorrigíveis (p. 115). Além de educar desde cedo, é preciso obedecer aos princípios da natureza, dosando cada coisa a seu tempo. No romance A Nova Heloísa, por exemplo, o tutor Saint-Preux aprende de Júlia como se começa a educar: A primeira e a mais importante educação, exatamente aquela que todo mundo esquece é a de preparar a criança para ser educada. Um erro comum a todos os pais que crêem ter luzes é o de supor que desde o nascimento seus filhos sejam capazes de raciocinar... A natureza... quer que as crianças sejam crianças antes de serem homens. (...) É intenção da natureza, portanto, que o corpo se fortifique antes que o espírito se exerça. (Nova Heloísa, 5ª parte, carta III, p. 486) 1 1 Esta carta apresenta uma longa meditação sobre a educação das crianças (v. pp ), cujos princípios estão afinados com a metodologia empregada no Emílio.

5 A virtude e a busca da simplicidade Quando refletimos sobre uma educação nos moldes daquela apresentada no Emílio, vemos que se trata da preparação de um indivíduo forte, ativo, munido de resistência e independência. Entretanto, enfrentar os problemas da vida em sociedade, livrar-se da soberba e do amor-próprio e escapar às tentações de ir além de nossas possibilidades pode exigir muito de nós. Quando se trata de buscar a virtude e com ela a felicidade, aí então as coisas ficam mais difíceis. A fragilidade e a impotência muitas vezes joga o ser humano na dúvida e no desespero. Rousseau experienciou bem isso e soube transportar de maneira muito própria esses sentimentos para suas criações. Nem todos conseguem ser como Emílio, e no caso do Vigário de Sabóia, vemos que o caminho da força é substituído pelo da resignação. O Vigário é pessoa ciente de seus erros e de suas dúvidas, ele quer proceder bem, mas sempre se pega escravo de forças que o levam a praticar o mau. O caminho da virtude, ele reconhece, é difícil e melindroso, e para buscá-lo é preciso humildade e muita perseverança. A personagem Júlia partilha, mais ou menos, as mesmas dificuldades. Apesar do seu grande amor por Saint-Preux, ela abre mão de tudo para levar uma vida virtuosa. É um exemplo de como a resignação alcança a virtude, quando a força não pode alcançá-la. Em relação ao vigário, porém, ela tem uma vantagem: pode contar com o auxílio da família. O romance A Nova Heloísa dá mostras de como a família é um espaço ideal para se vivenciar uma perfeita sociabilidade, seja porque é um convívio em que não existe o amor-próprio e nele as pessoas podem expressar seu amor sem conflito, seja porque a família, como um grupo fechado, pode exercitar sua auto-suficiência. Não há outro ambiente em que gratuidade, ternura e compaixão se desenvolvem de maneira tão livre e pura. O amor gerado no seio da família, ao contrário do encontrado em sociedade, é verdadeiro e generoso, e a felicidade dele oriunda manifesta-se plenamente. É possível perceber uma simbiose entre os personagens do Vigário Saboiano e de Júlia com o próprio Rousseau. A síntese entre eles se dá na procura de uma vida simples, recusando o mal e buscando o bem nos pequenos gestos, que podem nos levar à virtude. Quando se referiu, em suas Confissões, à vida campestre, afastada dos grandes centros como uma vida tranqüila e saudável, quando escolheu morar no campo e declarou preferi-lo à vida na cidade, ele pôs em relevo não só a vida campestre em si, mas tudo o que ela traz consigo: simplicidade, paz e harmonia, uma vida essencialmente natural, longe de todas as artificialidades, máscaras e vaidades encontradas especialmente na alta sociedade parisiense. A necessidade que o pensador sentiu de, aos 40 anos rever sua vida e com ela os princípios que orientavam seu agir, também se afina com as idéias que ele

6 colocou em seus personagens, numa alusão à busca do conhecer a si mesmo, à necessidade de dar vazão ao sentimento em detrimento da razão, e à busca de um retiro espiritual para expressar o amor e viver uma sociabilidade saudável. A intervenção da política Chega um momento, entretanto, em que os esforços individuais já não dão conta de resolver os problemas da convivência social, cada vez mais crescentes. O indivíduo não consegue mais ser senhor de si mesmo, a família não tem forças suficientes para escapar aos entraves gerados por um convívio social exacerbado, e as pessoas em geral se tornam muito mais dependentes e não conseguem subsistir sozinhas. Misturam-se aqui elementos de ordem física (elas precisam de alimento, lutam por propriedade e temem por sua segurança) com elementos de ordem moral (elas se preocupam demais com o que os outros julgam a seu respeito e a sua auto-estima e o seu bem-estar são totalmente dependentes do assentimento alheio). Para esta sociedade, objeta Rousseau, é preciso o uso da lei para evitar que o que é mau se transforme em crime. Nesta perspectiva, o Contrato Social, longe de ser um regramento externo apenas, tem por objetivo mudar a própria natureza dos indivíduos, a partir da criação de uma atmosfera política em que o envolvimento deles é total. A participação nas assembléias, o senso cívico e o amor pela pátria são apenas alguns dos reflexos de uma vida completamente dominada pela política. A idéia é ocupar os indivíduos para que eles não tenham interesse nem tempo para cultivar a ociosidade, a luxúria e o amor-próprio. A força que move estas inclinações é reorientada para fins mais nobres, no caso, o cuidado da cidade e a gerência do que é público. A tentativa nada mais é do que resolver por outra via o problema da má sociabilidade: no seu estágio mais crítico, em que vícios e inclinações deletérias se difundiram na sociedade e não é mais possível superá-los individualmente, abre-se uma perspectiva de superação coletiva. Se não podemos eliminar os vícios do meio social, podemos ao menos redirecionar a energia que os move. Esse redirecionamento, no Contrato Social, implica numa entrega total do indivíduo para o Estado, que a partir daí lhe confere uma nova natureza, totalmente voltada para o coletivo. Na relação indivíduo-estado aqui estabelecida, o mais importante não será tanto o que os indivíduos podem fazer pela política, mas o que ela pode fazer de cada um deles. *** Aproximando-nos do fim, importa fazer duas observações. O tratamento dado por Rousseau à questão da sociabilidade, como em muitos outros temas, encerra uma poderosa crítica social. Esta crítica, por sua vez, carrega os traços de sua personalidade, cujas facetas se revelam em cada uma de

7 suas obras. A ousadia empregada no Emílio e no Contrato Social; os debates acirrados e as provocações geradas pelo 1º Discurso e pela Carta sobre a música francesa; as desconfianças e o rompimento com amigos, e a própria mania, tida por muitos como excêntrica, de buscar a solidão do campo, isolado dos colegas, custaram-lhe opróbrio, inimizades e perseguições. Se em seus escritos ele não tinha por aliados o rigor e o método, dispunha, em contrapartida, de uma visão penetrante, e sabia como ninguém enfatizar e problematizar suas descobertas. Não satisfeito com apenas observar os males da sociedade, ele quis estudá-los, descobrir suas causas e preveni-los. À parte os debates e as polêmicas, o seu maior legado foi o próprio potencial crítico de seu pensamento. Embora tivesse buscado, na medida do que lhe foi possível, estruturar e oferecer soluções para os problemas, o seu forte estava precisamente naquilo que afirmou no fim de sua última resposta ao Sr. Bordes, a propósito das objeções a seu 1º Discurso: Vi o mal e procurei encontrar suas causas; outros mais espertos ou mais insensatos poderão achar o remédio. (p.282) Entre as propostas que Rousseau rascunhou para os problemas da sociabilidade e os seus ataques aos preconceitos e jugos sociais, sobressaem estes últimos. Além de contundente, a sua crítica se reveste de um tom psicologista, que se dirige ao coração humano, apelando ao seu foro mais íntimo. Poucos conjugaram uma pena tão demolidora a exemplo do que diziam seus colegas com uma sensibilidade tão aflorada e romântica, sentimento que o fez sair à luta na defesa de coisas simples como a felicidade e a inocência. Os modelos criados por ele, e principalmente os seus personagens, às vezes parecendo integrar um universo irreal e ensimesmado, têm em comum o objetivo de se constituir um julgamento, um julgamento de quem, ao apontar nossas misérias, mostrou não apenas o que nós somos, mas o que nós poderíamos ser. A sua avaliação de como nós estamos hoje não fica para trás, no mero saudosismo, mas procura alternativas de como tranqüilizar o nosso eu, tornando nossa vida melhor e nossa sociedade menos destrutiva.

8 BIBLIOGRAFIA ROUSSEAU, J.-J. As Confissões de Jean-Jacques Rousseau. trad. de Raquel de Queiroz. Athena Editora.Devaneios do caminhante solitário. 3.ed. Brasília: Editora da UnB, 1995.Do contrato social e outros escritos. Col. Os Pensadores, vol.1. São Paulo: Nova Cultural, 1999.Discurso sobre a desigualdade e outros escritos. Col. Os Pensadores, vol.2. São Paulo: Nova Cultural, Emílio ou Da Educação. São Paulo, Martins Fontes, Emile e Sophie, ou Os Solitários. Porto Alegre: Paraula, Julia ou A Nova Heloísa. Campinas: Unicamp, 1994 SHKLAR, Judith. Men & Citizens; A study of Rousseau s social theory. 2.ed. Cambridge: University Press, 1985 WOKLER, Robert. Rousseau. Oxford: Oxford University Press, 1995

OBSESSORES - UMA BATALHA DE LUZ E TREVAS. Revista espiritismo e Ciência - Nº 5 http://www.mythoseditora.com.br

OBSESSORES - UMA BATALHA DE LUZ E TREVAS. Revista espiritismo e Ciência - Nº 5 http://www.mythoseditora.com.br OBSESSORES - UMA BATALHA DE LUZ E TREVAS Revista espiritismo e Ciência - Nº 5 http://www.mythoseditora.com.br Extraído do site : http://www.ippb.org.br Existe uma intensa atividade permeando o universo

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Estas palavras ainda tocam profundamente almas sensíveis, especialmente aquelas que vivenciam momentos de aflição ou cansaço emocional.

Estas palavras ainda tocam profundamente almas sensíveis, especialmente aquelas que vivenciam momentos de aflição ou cansaço emocional. Vinde a mim, todos vós que estais aflitos e sobrecarregados, que eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei comigo que sou brando e humilde de coração e achareis repouso para vossas almas,

Leia mais

Estudo Numerológico Escolha de nome de bebê

Estudo Numerológico Escolha de nome de bebê Estudo Numerológico Escolha de nome de bebê Os metafísicos afirmam que a alma escolhe a família antes do nascimento e, intui os pais na escolha do nome que possa refletir suas capacidades. O momento em

Leia mais

TRABALHANDO OS GIGANTES DA ALMA PARA SER UM EMPREENDEDOR. SILVIA PIRES

TRABALHANDO OS GIGANTES DA ALMA PARA SER UM EMPREENDEDOR. SILVIA PIRES TRABALHANDO OS GIGANTES DA ALMA PARA SER UM EMPREENDEDOR. SILVIA PIRES Quais são os gigantes da alma? É na infância que se constrói o caráter, para você ser um adulto de valor! ROTINA Vivemos numa sociedade

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU Resumo: Este artigo tem como objetivo apresentar a concepção de homem na obra Do contrato social de Rousseau. O contrato de doação é o reflexo da complacência

Leia mais

POR QUE SONHAR SE NÃO PARA REALIZAR?

POR QUE SONHAR SE NÃO PARA REALIZAR? POR QUE SONHAR SE NÃO PARA REALIZAR? Como Encontrar a Verdadeira Felicidade Rosanne Martins Introdução Este livro foi escrito com o intuito de inspirar o leitor a seguir o sonho que traz em seu coração.

Leia mais

Evolução histórica da Moral/Ética

Evolução histórica da Moral/Ética (3) Evolução histórica da Moral/Ética Zeila Susan Keli Silva 1º Semestre 2013 1 O homem vive em sociedade, convive com outros homens e, portanto, cabe-lhe pensar e responder à seguinte pergunta: Importância

Leia mais

100 FRASES para um dia mais feliz. de Ana Flávia Miziara

100 FRASES para um dia mais feliz. de Ana Flávia Miziara 100 FRASES para um dia mais feliz de Ana Flávia Miziara Você está alegre? A vida está sorrindo para você? Você se lembrou de sorrir hoje? Lembre-se que a alegria é a fartura da vida e da mente. A vida

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL

RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL Conselho de Arbitragem RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL Abril /2013 1 / 4 1. INTRODUÇÃO O Futebol evolui consideravelmente nos últimos anos e a competitividade

Leia mais

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia Filosofia 1) Gabarito Final sem distribuição de pontos - Questão 1 A) De acordo com o pensamento de Jean-Jacques Rousseau, o poder soberano é essencialmente do povo e o governo não é senão depositário

Leia mais

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA ÉTICA E CONTEMPORANEIDADE PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR ACADÊMICA RITA MÁRCIA AMPARO MACEDO Texto sobre o Discurso

Leia mais

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 15 2. COMUNICAÇÃO E DIÁLOGO ENTRE PAIS E FILHOS 23 2.1 O problema da comunicação entre pais

Leia mais

Salvador Dali - Geopoliticus Child Watching the Birth Of A New Man - 1940

Salvador Dali - Geopoliticus Child Watching the Birth Of A New Man - 1940 Autor: André Martinez REFLEXÕES ESPÍRITAS: O Homem no Mundo. Salvador Dali - Geopoliticus Child Watching the Birth Of A New Man - 1940 Capítulo 17 de "O Evangelho Segundo o Espiritismo" de Allan Kardec

Leia mais

SENDO UMA PESSOA MANSA E CONTROLADA.

SENDO UMA PESSOA MANSA E CONTROLADA. SENDO UMA PESSOA MANSA E CONTROLADA. Chegamos à reta final de nossa caminha de transformação, restando apenas os dois últimos gomos do Fruto do Espírito. Estes dois últimos gomos, são os mais difíceis

Leia mais

A Vida Simples. A vida simples. Onde ela está? Em qual esquina, em que país, qual será a direção que nos. Claudio Miklos

A Vida Simples. A vida simples. Onde ela está? Em qual esquina, em que país, qual será a direção que nos. Claudio Miklos A Vida Simples Claudio Miklos Nos últimos tempos tenho pensado muito em como seria maravilhoso adquirir o mérito de viver simplesmente, em algum lugar aberto, pleno em verde e azul, abrigado das loucuras

Leia mais

Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito

Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito Autor: Regis Mesquita Blog Nascer Várias Vezes - http://www.nascervariasvezes.com/ "Não ser autêntico é uma forma de evitar aquilo

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

Carta pela Paz no Mundo

Carta pela Paz no Mundo Carta pela Paz no Mundo Marcus De Mario Esta carta é ao mesmo tempo um apelo à razão e à emoção, procurando falar às mentes e aos corações de todos os homens e mulheres da humanidade, da criança ao idoso,

Leia mais

Roteiro para ser feliz no amor

Roteiro para ser feliz no amor Flavio Gikovate Roteiro para ser feliz no amor 1.O amor é um sentimento que faz parte da "felicidade democrática", aquela que é acessível a todos nós. É democrática a felicidade que deriva de nos sentirmos

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

Não devemos ser levados a crer que as Disciplinas são para os gigantes espirituais e, por isso, estejam além de nosso alcance; ou para os

Não devemos ser levados a crer que as Disciplinas são para os gigantes espirituais e, por isso, estejam além de nosso alcance; ou para os Não devemos ser levados a crer que as Disciplinas são para os gigantes espirituais e, por isso, estejam além de nosso alcance; ou para os contemplativos que devotam todo o tempo à oração e à meditação.

Leia mais

Sentir- se mal não é tão difícil

Sentir- se mal não é tão difícil 3 artigos sobre o Gerenciamento das Emoções Por Andrês De Nuccio Sentir- se mal não é tão difícil Li esses dias uma história segundo a qual uma senhora, preparando- se para sair, trocava diversas vezes

Leia mais

Quem te fala mal de. 10º Plano de aula. 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também." 2-Meditação da semana:

Quem te fala mal de. 10º Plano de aula. 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também. 2-Meditação da semana: 10º Plano de aula 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também." Provérbio Turco 2-Meditação da semana: Mestre conselheiro- 6:14 3-História da semana: AS três peneiras

Leia mais

O conceito de história em Rousseau

O conceito de história em Rousseau 303 O conceito de história em Rousseau Luiz Henrique Monzani * RESUMO Pretende-se analisar o conceito de história em Rousseau, particularmente no Segundo Discurso. Como se sabe, o filósofo opera uma separação

Leia mais

CAPÍTULO IGUALDADE NATURAL

CAPÍTULO IGUALDADE NATURAL O LIVRO DOS ESPÍRITOS CAPÍTULO 9 LEI DE IGUALDADE Igualdade natural Desigualdade das aptidões Desigualdades sociais Desigualdade das riquezas Provas de riqueza e de miséria Igualdade dos direitos do homem

Leia mais

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha Existe um facto para o qual também devemos dar atenção: o agressor poderá estar numa posição de solidão. Poucos serão os agressores que terão a consciência do problema que têm, a agressividade que não

Leia mais

Aula 03. o ato de ler. Leitura e conhecimento. Os poemas. Caríssimo aluno,

Aula 03. o ato de ler. Leitura e conhecimento. Os poemas. Caríssimo aluno, Aula 03 o ato de ler Caríssimo aluno, A leitura é componente fundamental do processo de aprendizagem, pois está relacionada a todas as disciplinas de seu curso. Convidamos você para fazermos algumas reflexões

Leia mais

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. [2] Luciano Portela, 2015 Todos os direitos reservados. Não há nenhum empecilho caso queira compartilhar ou reproduzir frases do livro sem permissão, através de qualquer veículo impresso ou eletrônico,

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

A Visão. Uma Introdução

A Visão. Uma Introdução 1 A Visão Uma Introdução Muitas pessoas sabem, já desde a infância ou juventude, o que querem ser na vida quando forem adultos, como, por exemplo, médico(a), enfermeiro (a), músico (a), advogado (a), ou

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

USE A LEI DA ATRAÇÃO PARA TER UMA VIDA FÁCIL. Facilitando a Vida. Este exercício foi desenhado para ajuda-lo a atingir seus objetivos na vida.

USE A LEI DA ATRAÇÃO PARA TER UMA VIDA FÁCIL. Facilitando a Vida. Este exercício foi desenhado para ajuda-lo a atingir seus objetivos na vida. 1 USE A LEI DA ATRAÇÃO PARA TER UMA VIDA FÁCIL Facilitando a Vida Este exercício foi desenhado para ajuda-lo a atingir seus objetivos na vida. É um exercício muito simples e uma poderosa ferramenta para

Leia mais

O CONCEITO DE LIBERDADE NA PEDAGOGIA ROUSSEAUNIANA: UMA ANÁLISE DO LIVRO II DO EMÍLIO

O CONCEITO DE LIBERDADE NA PEDAGOGIA ROUSSEAUNIANA: UMA ANÁLISE DO LIVRO II DO EMÍLIO O CONCEITO DE LIBERDADE NA PEDAGOGIA ROUSSEAUNIANA: UMA ANÁLISE DO LIVRO II DO EMÍLIO MOREIRA, Janete Gayer janetepedagoo@hotmail.com TELESCA, Marisa dos Santos telexa@pop.com.br PEREIRA, Silvia abbaeduc@hotmail.com

Leia mais

TRABALHO EM EQUIPE: Uma Prática que precisa tornar uma Práxis no Interior da Escola RESUMO

TRABALHO EM EQUIPE: Uma Prática que precisa tornar uma Práxis no Interior da Escola RESUMO TRABALHO EM EQUIPE: Uma Prática que precisa tornar uma Práxis no Interior da Escola MORIS, Aline dos Santos 1 aline_morys@hotmail.com Rocha, Marlizane Atanazio 2 SOUZA, Sueli de Oliveira 3 Suelisouza-roo@hotmail.com

Leia mais

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura SEXO espiritualidade, instinto e cultura AGEU HERINGER LISBOA SEXO espiritualidade, instinto e cultura Copyright 2001 by Ageu Heringer Lisboa Projeto Gráfico: Editora Ultimato 2ª edição Maio de 2006 Revisão:

Leia mais

PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170

PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170 PARTE SEGUNDA - Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos CAPÍTULO 4 Da pluralidade das existências 1. Reencarnação. Perguntas 166 a 170 166 Como a alma, que não alcançou a perfeição durante a vida corporal,

Leia mais

Trabalho realizado por: Marta Alves Nº 20 10ºH Sofia Almeida Nº 24 10ºH Filipa Silva Nº 27 10ºH

Trabalho realizado por: Marta Alves Nº 20 10ºH Sofia Almeida Nº 24 10ºH Filipa Silva Nº 27 10ºH Trabalho realizado por: Marta Alves Nº 20 10ºH Sofia Almeida Nº 24 10ºH Filipa Silva Nº 27 10ºH Índice A República de Platão Utopia de Thomas More O 5º Império ARRET de Dal Col A Nossa Utopia Conclusão

Leia mais

Redações vencedoras I Concurso de Redação

Redações vencedoras I Concurso de Redação Redações vencedoras I Concurso de Redação 1 Lugar Aluno: Julia Stefani Moraes Professora: Regina M. Macedo de Melo Castro Informação: A melhor maneira de combater o câncer Penso que falar sobre este assunto

Leia mais

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores (Mateus 6:12). Esta é uma lição importante. Fixamos as condições para o nosso próprio

Leia mais

A Liderança do Espírito

A Liderança do Espírito A Liderança do Espírito Autor : Andrew Murray Para muitos Cristãos a liderança do Espírito é considerada como uma sugestão de pensamentos para nossa orientação. Eles almejam e pedem por ela em vão. Quando

Leia mais

COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira. Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade

COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira. Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade O Bem Pessoal e o Comunitário O que é o Bem? Bem é a qualidade de excelência ética que

Leia mais

A Família: um encontro Espiritual

A Família: um encontro Espiritual Instituição Beneficente A Luz Divina 55 Anos 1956-2011 A Família: um encontro Espiritual Boa Tarde a todos Que Jesus, o Mestre Amantíssimo, ampare a todos nós e nos dê a sua Paz. Que os eflúvios consoladores

Leia mais

Conceituação de personagem [incorporais rpg - http://www.historias.interativas nom.br/incorporais]

Conceituação de personagem [incorporais rpg - http://www.historias.interativas nom.br/incorporais] Conceituação de personagem [incorporais rpg - http://www.historias.interativas nom.br/incorporais] Conforme o livro básico, este é o primeiro e mais importante passo na criação da personagem em Incorporais.

Leia mais

As concepções de amor no discurso sobre a desigualdade de Rousseau

As concepções de amor no discurso sobre a desigualdade de Rousseau As concepções de amor no discurso sobre a desigualdade de Rousseau Paulo Ferreira Junior 1 PROEX Resumo: A questão acerca do amor não cessa no mundo: O que é o Amor? Como se manifesta? Qual sua força sobre

Leia mais

Trabalho e educação. Vamos aos fatos

Trabalho e educação. Vamos aos fatos Trabalho e educação Vamos aos fatos O maior problema da educação brasileira é o povo brasileiro. Sinto muito, mas esta é a conclusão a que muitos de nossos educadores chegaram. Somos uma nação materialista,

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais

Curso OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015. LEI DIVINA ou NATURAL e LEI DE ADORAÇÃO

Curso OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015. LEI DIVINA ou NATURAL e LEI DE ADORAÇÃO Curso OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015 LEI DIVINA ou NATURAL e LEI DE ADORAÇÃO José Aparecido 18.03.2015 CURSO DOUTRINARIO OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015 Aulas Curso Doutrinário OAM Turma 6

Leia mais

União da alma com o corpo Por Michel Bonnamy

União da alma com o corpo Por Michel Bonnamy União da alma com o corpo Por Michel Bonnamy O Espiritismo, como dissemos no capítulo anterior, vem auxiliar aos psicólogos em suas meditações. Ele rejeita a herança das impotentes elucubrações dos séculos

Leia mais

O Caminho d Os 12 Passos em Companhia de Hércules é o titulo da palestra que nosso pai fez para apresentar, hoje neste 10 Encontro com os Veteranos.

O Caminho d Os 12 Passos em Companhia de Hércules é o titulo da palestra que nosso pai fez para apresentar, hoje neste 10 Encontro com os Veteranos. O Caminho d Os 12 Passos em Companhia de Hércules é o titulo da palestra que nosso pai fez para apresentar, hoje neste 10 Encontro com os Veteranos. É uma honra ter a oportunidade de acompanhá-lo no desenvolvimento

Leia mais

Ética Profissional e os Desafios de Concretizar Direitos no Sistema Penal. Marco Antonio da Rocha

Ética Profissional e os Desafios de Concretizar Direitos no Sistema Penal. Marco Antonio da Rocha Ética Profissional e os Desafios de Concretizar Direitos no Sistema Penal Marco Antonio da Rocha O LUGAR DA ÉTICA NA SOCIEDADE FILOSOFIA: PRECISAMOS DE UMA PARA VIVER??? Ou uma breve reflexão sobre os

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

claro que o emprego existe enquanto houver trabalho para cada empregado.

claro que o emprego existe enquanto houver trabalho para cada empregado. Automotivação Antes de abordarmos a importância da motivação dentro do universo corporativo, vale a pena iniciarmos esta série de artigos com uma definição sobre esta palavra tão em voga nos dias atuais.

Leia mais

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização.

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização. IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização. EDUCADOR SOCIAL: PROFISSÃO E PERFIL HUMANIZADO, UMA ESPERANÇA PARA A EDUCAÇÃO SOCIAL. Nara Rosana Godfried Nachtigall 1 Este artigo se constitui

Leia mais

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011).

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Resenha Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Bruno Ribeiro NASCIMENTO 1 Dominique Wolton costuma nadar contra a corrente: quando os críticos da indústria cultural

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Laços de Família. Palestrante: Carlos Alberto. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Laços de Família. Palestrante: Carlos Alberto. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Laços de Família Palestrante: Carlos Alberto Rio de Janeiro 21/05/1999 Organizadores da palestra: Moderador: Brab (nick: [Moderador])

Leia mais

FILOSOFIA ESPÍRITA E MEDIUNIDADE

FILOSOFIA ESPÍRITA E MEDIUNIDADE FILOSOFIA ESPÍRITA E MEDIUNIDADE 11ª. AULA GRAUS DE MEDIUNIDADE E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO: CONHECIMENTO OU SENSO COMUM? AutorIa: Projeto Estudos Filosóficos Espíritas GRAU DA MEDIUNIDADE É POSSÍVEL MENSURAR

Leia mais

Portugal em Linha - a Comunidade Lusófona online

Portugal em Linha - a Comunidade Lusófona online Arte de Conviver Aprendi que conviver é uma difícil arte, que nos faz perceber que nem sempre temos por perto uma pessoa em quem podemos realmente confiar, mas a pessoa que está perto de nós sempre pode

Leia mais

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT Celso de Moraes Pinheiro* Resumo: Através de uma análise das principais idéias de Kant sobre o conceito de disciplina, sobretudo os apresentados em seu texto, intitulado

Leia mais

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno* * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós- Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFº DANILO BORGES

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFº DANILO BORGES RESOLUÇÕES DE QUESTÕES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFº DANILO BORGES (UFU ) Segundo Jean Paul Sartre, filósofo existencialista contemporâneo, liberdade é I- escolha incondicional que o próprio homem

Leia mais

TESTEMUNHAS. atores e destinatários do projeto catequese/família

TESTEMUNHAS. atores e destinatários do projeto catequese/família TESTEMUNHAS atores e destinatários do projeto catequese/família Os testemunhos partilhados foram recolhidos a partir de um pequeno questionário realizado, no mês de maio de 2012, junto das famílias dos

Leia mais

O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1

O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1 O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1 Ana Mercês Bahia Bock 2 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo São Paulo/Brasil O tema proposto para a reflexão

Leia mais

Os dez mandamentos da ética

Os dez mandamentos da ética Os dez mandamentos da ética Gabriel Chalita Resumo do livro Os Dez Mandamentos da Ética de Gabriel Chalita, Ed. Nova Fronteira, 6ª impressão. A esperança é o sonho do homem acordado Aristóteles, citado

Leia mais

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Ética e felicidade Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Introdução: Ética e Felicidade são dois temas que possuem grande relação e comparação ao longo da história da filosofia.

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

O HOMEM VIRTUOSO DE ARISTÓTELES NOS DIAS ATUAIS?

O HOMEM VIRTUOSO DE ARISTÓTELES NOS DIAS ATUAIS? 1 O HOMEM VIRTUOSO DE ARISTÓTELES NOS DIAS ATUAIS? Hélio Cobe da Silva 1 Graduando em Filosofia/UEPB heliocobe@hotmail.com Profª. Drª. Solange Maria Norjosa Gonzaga (UEPB) solangenorjosa@gmail.com Profª.

Leia mais

GEDCC 89 ANOS NOSSA ESPIRITUALIDADE JORNADA DAS ESCOLHAS E DECISÕES SEXTA-FEIRA 04/04/2014

GEDCC 89 ANOS NOSSA ESPIRITUALIDADE JORNADA DAS ESCOLHAS E DECISÕES SEXTA-FEIRA 04/04/2014 SEXTA-FEIRA 04/04/2014 Que haja Paz em vossos corações. As opções que fazemos, no decorrer de nossas vidas, determinam os caminhos para que possamos chegar juntos ao Pai. E a opção do Amor ao próximo,

Leia mais

Minha história rima com vitória!

Minha história rima com vitória! Minha história rima com vitória! www.juliofurtado.com.br 1 Conceito distorcido e perigoso difundido pela mídia e aceito pelas pessoas É a realização irrestrita do desejo individual. Desejos não são direitos!

Leia mais

Discutir liderança feminina em pleno século

Discutir liderança feminina em pleno século Liderança feminina Discutir liderança feminina em pleno século XXI parece ultrapassado, mas apenas agora as mulheres começam a ser reconhecidas como líderes eficazes. Somente neste século o reconhecimento

Leia mais

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Existem diversos textos sobre Gestão sendo publicados diariamente, e dentre eles, muitos tratam do tema liderança, que certamente é um dos assuntos mais

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: O Homem Total. Palestrante: Luzia Ribamar. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: O Homem Total. Palestrante: Luzia Ribamar. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: O Homem Total Palestrante: Luzia Ribamar Rio de Janeiro 20/11/1998 Organizadores da Palestra: Moderador: "Brab" (nick: [Moderador])

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

Psicologia e Políticas Públicas Ana Mercês Bahia Bock BH/ CRP04 28/05/2011

Psicologia e Políticas Públicas Ana Mercês Bahia Bock BH/ CRP04 28/05/2011 Psicologia e Políticas Públicas Ana Mercês Bahia Bock BH/ CRP04 28/05/2011 Temos encontrado com freqüência a Psicologia relacionada ao termo das Políticas Públicas. Isto é bastante positivo. Mas estes

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

AS OBRAS DE MISERICORDIA 1. OBRAS DE MISERICÓRDIA CORPORAIS

AS OBRAS DE MISERICORDIA 1. OBRAS DE MISERICÓRDIA CORPORAIS 1 AS OBRAS DE MISERICORDIA «É meu vivo desejo que o povo cristão reflicta, durante o Jubileu, sobre as obras de misericórdia corporal e espiritual. Será uma maneira de acordar a nossa consciência, muitas

Leia mais

Construindo Derrida. Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013

Construindo Derrida. Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013 Construindo Derrida Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013 Em biografia recém- lançada, Benoît Peeters situa a obra do filósofo Jacques Derrida como parte de um tempo rico do pensamento francês Judeu

Leia mais

Como enriquecer pelo poder da mente

Como enriquecer pelo poder da mente Como enriquecer pelo poder da mente O que é ser rico para você? Esta é a primeira questão que você deve responder para atrair para a sua realidade a prosperidade que sempre desejou. Riqueza, por menos

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR 1 ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR Maurina Passos Goulart Oliveira da Silva 1 mauripassos@uol.com.br Na formação profissional, muitas pessoas me inspiraram: pensadores,

Leia mais

A ARTE DA FELICIDADE Um manual para a vida

A ARTE DA FELICIDADE Um manual para a vida A ARTE DA FELICIDADE Um manual para a vida Dalai Lama Mensagem de Dalai Lama num contexto em que é possível entender, com a ajuda dos questionamentos de um psiquiatra ocidental Howard C. Cutler. Dalai

Leia mais

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos EDUCAÇÃO CONTRA O TRABALHO INFANTOJUVENIL: CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODO E VULNERABILIDADES Felipe Pitaro * Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos de partida. O primeiro diz

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

EDUCAR PARA A AMIZADE ABORDAGEM ANTROPOLÓGICA DA AFETIVIDADE

EDUCAR PARA A AMIZADE ABORDAGEM ANTROPOLÓGICA DA AFETIVIDADE EDUCAR PARA A AMIZADE 1 ABORDAGEM ANTROPOLÓGICA DA AFETIVIDADE ANTROPOLOGIA Estudo dos comportamentos e evoluções sociais. Porque AMIZADE??? Porque ela é a base dos relacionamentos saudáveis. Ela nos traz

Leia mais

POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? 01/12/2003 POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? 2 Índice Geral I POR QUE NÃO ORAMOS COM FREQUÊNCIA?... 4 II QUANDO NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS... 5 III

Leia mais

All rights reserved by Self-Realization Fellowship ÍNDICE. Prefácio... xi Prólogo... xvi Introdução...2

All rights reserved by Self-Realization Fellowship ÍNDICE. Prefácio... xi Prólogo... xvi Introdução...2 ÍNDICE Prefácio... xi Prólogo... xvi Introdução...2 1. A Universalidade, Necessidade e Unidade da Religião...8 O objetivo comum da vida...8 Definição universal de religião...12 O que significa ser religioso...13

Leia mais

LAR, ESCOLA DE ALMAS.

LAR, ESCOLA DE ALMAS. LAR, ESCOLA DE ALMAS. 2015 Centro Espírita Ildefonso Correia Programa de Estudos: LAR ESCOLA DE ALMAS PLANO DE AULAS FEVEREIRO -2015 Aula Data Tema Objetivos da aula Abordagens em aula Coordenador Bibliografia

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Naconclusão de muitos clássicos da literatura de mistério,

Naconclusão de muitos clássicos da literatura de mistério, A história nas estrelas Naconclusão de muitos clássicos da literatura de mistério, o detective reúne todas as personagens principais no salão e anuncia os resultados da sua investigação. Na nossa história

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade

Gustavo Noronha Silva. Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Gustavo Noronha Silva Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES maio / 2003 Gustavo Noronha Silva Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Trabalho

Leia mais

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? A grande maioria das pessoas só recorrem à oração quando estão com problemas de ordem material ou por motivo de doença. E sempre aguardando passivamente

Leia mais

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência.

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência. QUESTÃO 01 Em Platão, as questões metafísicas mais importantes e a possibilidade de serem solucionadas estão vinculadas aos grandes problemas da geração, da corrupção e do ser das coisas. Para Platão,

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais