UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL E SAÚDE PÚBLICA LOURIVAL DE ALMEIDA SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL E SAÚDE PÚBLICA LOURIVAL DE ALMEIDA SILVA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL E SAÚDE PÚBLICA LOURIVAL DE ALMEIDA SILVA Reposicionamento in silico de fármacos para doenças negligenciadas com ênfase no metabolismo energético de Leishmania spp e apicoplasto de Plasmodium falciparum Goiânia 2015

2 TERMO DE CIÊNCIA E DE AUTORIZAÇÃO PARA DISPONIBILIZAR AS TESES E DISSERTAÇÕES ELETRÔNICAS (TEDE) NA BIBLIOTECA DIGITAL DA UFG Na qualidade de titular dos direitos de autor, autorizo a Universidade Federal de Goiás (UFG) a disponibilizar, gratuitamente, por meio da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD/UFG), sem ressarcimento dos direitos autorais, de acordo com a Lei nº 9610/98, o documento conforme permissões assinaladas abaixo, para fins de leitura, impressão e/ou download, a título de divulgação da produção científica brasileira, a partir desta data. 1. Identificação do material bibliográfico: [ ] Dissertação [ x ] Tese 2. Identificação da Tese ou Dissertação Autor (a): Lourival de Almeida Silva Seu pode ser disponibilizado na página? [ x ]Sim [ ] Não Vínculo empregatício do autor Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do IF Goiano, campus Ceres. Agência de fomento: Sigla: País: UF: CNPJ: Título: Reposicionamento in silico de fármacos para doenças negligenciadas com ênfase no metabolismo energético de Leishmania spp e apicoplasto de Plasmodium falciparum. Palavras-chave: Reposicionamento de fármacos, Metabolismo Energético, Leishmania spp; Apicoplasto; Plasmodium falciparum. Título em outra língua: In silico drug repositioning for neglected tropical diseases with emphasis on energy metabolism of Leishmania spp and Plasmodium falciparum apicoplast. Palavras-chave em outra língua: Drug Repositioning; Energy metabolismo, Leishmania spp; Apicoplast; Plasmodium falciparum. Área de concentração: Parasitologia Data defesa: 27/02/2015 Programa de Pós-Graduação: Medicina Tropical Orientador (a): Prof. Dr. José Clecildo Barreto Bezerra Co-orientador (a):* Prof. Dr. Pedro Vítor Lemos Cravo e Prof. Dra. Ana Maria de Castro *Necessita do CPF quando não constar no SisPG 3. Informações de acesso ao documento: Concorda com a liberação total do documento [ x ] SIM [ ] NÃO 1 Havendo concordância com a disponibilização eletrônica, torna-se imprescindível o envio do(s) arquivo(s) em formato digital PDF ou DOC da tese ou dissertação. O sistema da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações garante aos autores, que os arquivos contendo eletronicamente as teses e ou dissertações, antes de sua disponibilização, receberão procedimentos de segurança, criptografia (para não permitir cópia e extração de conteúdo, permitindo apenas impressão fraca) usando o padrão do Acrobat. Assinatura do (a) autor (a) Data: / / 1 Neste caso o documento será embargado por até um ano a partir da data de defesa. A extensão deste prazo suscita justificativa junto à coordenação do curso. Os dados do documento não serão disponibilizados durante o período de embargo.

3 LOURIVAL DE ALMEIDA SILVA Reposicionamento in silico de fármacos para doenças negligenciadas com ênfase no metabolismo energético de Leishmania spp e apicoplasto de Plasmodium falciparum Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Medicina Tropical e Saúde Pública da Universidade Federal de Goiás como requisito para a obtenção do Título de Doutor em Medicina Tropical e Saúde Pública. Orientador: Profº. Dr. José Clecildo Barreto Bezerra Co-orientadores: Profº. Dr. Pedro Vítor Lemos Cravo e Profª. Dra. Ana Maria de Castro Goiânia 2015 ii

4 Ficha catalográfica elaborada automaticamente com os dados fornecidos pelo(a) autor(a), sob orientação do Sibi/UFG. Silva, Lourival de Almeida Reposicionamento in silico de fármacos para doenças negligenciadas com ênfase no metabolismo energético de Leishmania spp e apicoplasto de Plasmodium falciparum [manuscrito] / Lourival de Almeida Silva xvi, 96 f. Orientador: Prof. Dr. José Clecildo Barreto Bezerra; co-orientador Dr. Pedro Vítor Lemos Cravo; co-orientador Dr. Ana Maria de Castro. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Goiás, Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública (IPTSP), Programa de Pós Graduação em Medicina Tropical e Saúde Pública, Goiânia, Bibliografia. Apêndice. Inclui siglas, mapas, abreviaturas, tabelas, lista de figuras, lista de tabelas. 1. Reposicionamento de fármacos. 2. Metabolismo Energético. 3. Leishmania spp. 4. Apicoplasto. 5. Plasmodium falciparum. I. Barreto Bezerra, José Clecildo, orient. II. Lemos Cravo, Pedro Vítor, co orient. III. Título.

5 Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical e Saúde Pública da Universidade Federal de Goiás BANCA EXAMINADORA DA TESE DE DOUTORADO Aluno: Lourival de Almeida Silva Orientador: Profº. Dr. José Clecildo Barreto Bezerra Co-orientadores: Profº. Dr. Pedro Vítor Lemos Cravo e Profª. Dra. Ana Maria de Castro Membros: 1. Profº. Dr. José Clecildo Barreto Bezerra IPTSP/UFG 2. Profº. Dr. Cláudio Carlos da Silva PUC/GO 3. Profª. Dra. Carolina Horta Andrade FF/UFG 4. Profª Dra. Elisângela de Paula Silveira Lacerda ICB/UFG 5. Profº Dr. Clayton Luiz Borges ICB/UFG Data: 27/02/2015 iii

6 Dedico esse trabalho a minha fiel companheira, esposa e amiga Jucilene de S. R Almeida que sempre me apoiou e me auxiliou em tudo. Sem ela eu não teria conseguido. Dedico também as minhas filhas, Beatriz R. Almeida e Júlia R. Almeida que me alegraram e me incentivaram nos momentos difíceis. iv

7 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus pelo privilégio do recomeço e por me ensinar que os acontecimentos não são precoces ou se atrasam, eles ocorrem no tempo Dele. Ao professor Dr. José Clecildo Barreto Bezerra pela confiança e lealdade de sua orientação nesse trabalho, e por não ter sido apenas um orientador, mas um amigo e uma inspiração para mim. Ao professor Dr. Pedro Vítor Lemos Cravo pela paciência, presteza e cumplicidade no auxílio para realização desse trabalho. A professora Dra. Ana Maria de Castro pela solicitude, gentileza e doçura ao responder os pedidos de ajuda. A professora Dra. Marina Clare Vinaud pelo apoio, sugestões e críticas feitas ao trabalho. A biomédica Dra. Tatiane Luiza da Costa pelo imenso esforço empregado na realização dos testes com os fármacos. Aos secretários da pós-graduação José Clementino e Kariny Soares pela gentiliza e presteza no atendimento de minhas solicitações. Ao programa de Pós Graduação em Medicina Tropical e Saúde Pública por me oportunizar esse feito. Ao diretor geral Hélber Souto Morgado e ao diretor de ensino Cleiton Mateus do Instituto Federal Goiano, campus Ceres por terem apoiado a realização desse trabalho. v

8 SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... v SUMÁRIO... vi FIGURAS E TABELAS... viii FIGURAS E TABELAS DOS ARTIGOS... ix SIGLAS E ABREVIATURAS... x RESUMO... xii ABSTRACT... xiii 1 INTRODUÇÃO Doenças Tropicais Negligenciadas As Leishmanioses Ciclo Biológico de Leishmania spp Formas clínicas Epidemiologia e controle Tratamento e resistência Metabolismo energético como alvo de fármacos antileishmania Malária Ciclo biológico do Plasmodium sp A doença Epidemiologia e controle Tratamento e resistência O apicoplasto e terapia antimalárica O reposicionamento in silico de fármacos para as leishmanioses e malária JUSTIFICATIVA OBJETIVOS Geral Específicos MÉTODO(S) Estratégia para identificação de potenciais alvos terapêuticos do metabolismo energético de Leishmania Estratégia para identificação de potenciais alvos terapêuticos do metabolismo do apicoplasto de Plasmodium falciparum vi

9 5 RESULTADOS Artigo 1 In Silico Search of Energy Metabolism Inhibitors for Alternative Leishmaniasis Treatments Artigo 2 A Systematic in Silico Search for Target Similarity Identifies Several Approved Drugs with Potential Activity against the Plasmodium falciparum Apicoplast DISCUSSÃO GERAL Fármacos que atuam no metabolismo energético de Leishmania spp Fármacos que atuam no apicoplasto de P. falciparum CONCLUSÕES GERAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE Bases de dados consultadas vii

10 FIGURAS E TABELAS Figura 1 Estádios evolutivos de Leishmania amazonensis. Forma promastigota ( 1000; A) e amastigota (B). Amastigotas estão infectando um macrófago... 5 Figura 2 Ciclo de vida de Leishmania spp. causador da leishmaniose... 6 Figura 3 Distribuição geográfica das leishmanioses no mundo. A) Leishmanioses cutânea e cutânea mucosa no Novo Mundo. B) Leishmaniose visceral no Velho e no Novo Mundo Figura 4 As principais vias do metabolismo energético em Leishmania major. Reações da glicólise, que ocorrem no glicossomo no citosol e ciclo de Krebs, na mitocôndria Figura 5 Metabolismo do carbono de Leishmania mexicana nas formas promastigotas (A) e amastigotas (B) Figura 6 Ciclo biológico do Plasmodium spp Figura 7 Mapa da população mundial sob-risco de contrair malária Figura 8 Fórmulas moleculares da artemisinina e seus derivados Figura 9 Esquema para a origem de todos os plastídeos por endossimbiose primária e secundária Tabela 1 DALYs estimadas (em milhões de dólares) das DTNs resultantes da sobrecarga global de doença, estudo de Tabela 2 Principais fármacos antimaláricos. World Health Organization. Guideline for the Treatments of Malaria, Genebra, WHO, Tabela 3 Terapia combinada baseada em artemisinina. World Health Organization. Guideline for the Treatments of Malaria, Genebra, WHO, Tabela 4 Fármacos reposicionados com êxito para novas indicações viii

11 FIGURAS E TABELAS DOS ARTIGOS Artigo 1 Figure 1. Flowchart depicting the overall strategy and results of this work...62 Table 1. New drug-target associations disclosed in the present study...63 Artigo 2 Figure 1. Distribution of the expected apicoplast targets according to their predicted metabolic function in the apicoplast...68 Figure 2. Flowchart summarizing the work pipeline and corresponding results (*denotes the targets that were discarded on the basis of having chemical affinity to dietary supplements/nutraceuticals)...69 Table 1. Examples of drug-target associations previously determined, that were correctly identified in the present study...70 Table 2. New drug-target associations disclosed in the presente study...71 ix

12 SIGLAS E ABREVIATURAS AA ABCD ABLC AKT ADP AnA AnB ATP DesA3 DNA DALY DTN ED50 EUPATHDB FDA GBD G6PD GENE DB HIV/AIDS HAP IC50 ISO IPTSP k-dna LD50 logp LND LTA LV L-AnB Ácido Azelaico Anphoterecin B Coloidal Dispersion Anphotericin B Lipid Complex Protein Kinase Threonine Adenosine Diphosphat Anphotericin A Aphotericin B Adenosine Triphosphat Stearoyl-CoA 9-desaturase Desoxirribonucleic acid Disability-Adjusted Life-Years Doenças Tropicais Negligenciadas Half Efective Dose Eucariotic Pathogene DataBase Resources Food and Drug Administration Global Burden of Disease Glucose-6-Phosphat Dehydrogenase Gene DataBase Human immunodeficiency Virus/ Acquride Immunodeficiency Syndrome Histo Aspartic Protease Half maximal inhibitory concentration Isonoxil Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública Knetoplastid DNA Half maximal Lethal Dose logarithm partition coefficient Lonidamina Leishmaniose tegumentar americana Leishmaniose Visceral Liposomal Anphotericin B x

13 NADPH Nicotinamide Adenine Dinucleotíde Phosphate Hydrogen N86Y asparagine 86 tyrosine ONG Organização Não Governamental OMS Organização Mundial da Saúde PABA Para-aminobenzoic acid PfATPase Plasmodium falciparum Adenosine Triphosphatase PfCYTB Plasmodium falciparum cytochrome b PfCRT Plasmodiu falciparum chloroquine resistance transporter PfDHFR Plasmodium falciparum dihydrofolate reductase PfDHPS Plasmodium falciparum dihydropteroate synthase PfMDR Plasmodium falciparum multidrug resistance PfNHE1 Plamodium falciparum sodium/proton exchanger 1 ph Potencial Hidrogeniônico PMI Phosphomanose Isomerase PQB Proteína Quinase B PvMDR Plsmodium vivax Multidrug Resistance RNA Ribonucleic Acide PLASMODB Plasmodium Genomics Resource DataBase SinanNET Sistema de informação agravos de notificação SNP Single Nucleotide polymorfism STITCH Search Tool for Interactions of Chemicals TCA Terapia de Combinação baseada na artemesinina TDR TARGETS Tropical Disease Research Targets TRITRYpDB Trypanosomatidae DataBase TTDB Therapeutic Targets DataBase WHO World Health Organization Y184F Tyrosine 184 phenylalanine D1246Y Aspartic acid 1246 Tyrosine xi

14 RESUMO As leishmanioses são parasitoses negligenciadas responsáveis por prejuízos físicos, econômicos e sociais. A malária, embora não seja classificada como negligenciada, é responsável por altos índices de morbidade e mortalidade, principalmente nos países africanos. Ao longo dos anos, o tratamento dos infectados tem sido a forma mais eficaz de controle dessas endemias. Entretanto, os efeitos tóxicos, o alto custo dos fármacos e a resistência dos parasitos têm sido os maiores desafios enfrentados pela terapêutica das leishmanioses e da malária. Sendo assim, é urgente a necessidade de desenvolver novos fármacos que minimizem esses transtornos e contribuam para erradicação dessas parasitoses. Diante disso, laboratórios acadêmicos, governos e organizações não governamentais têm apoiado projetos voltados para o reposicionamento de fármacos aprovados com vistas a reduzir custos e tempo de produção de novos antiparasitários. No presente trabalho, utilizamos a bioinformática para identificar, buscar e analisar alvos moleculares do metabolismo energético de Leishmania spp e do apicoplasto de P. falciparum, visando o reposicionamento in silico de fármacos. Utilizando a base de dados TDR Targets, identificamos 94 genes e 93 alvos do metabolismo energético de Leishmania. Em seguida, utilizando a sequência peptídica de cada alvo, interrogamos as bases de dados Drug Bank e TTD na busca de fármacos. Nossa busca resultou em 44 alvos positivos, dos quais 11 interagiam com 15 fármacos aprovados para uso em humanos. Utilizamos estratégia semelhante para identificar fármacos antimaláricos que atuassem especificamente contra o metabolismo do apicoplasto. A base de dados GeneDB do genoma de P. falciparum foi usada para compilar uma lista de cerca de 600 proteínas com peptídeos sinais do apicoplasto. Cada uma dessas proteínas foi tratada como potencial alvo de fármaco e sua sequência prevista foi usada para interrogar três diferentes bases de dados de acesso livre (TT DB, DrugBank e STITCH ) Identificamos fármacos com potencial de interagir com 47 peptídeos supostamente envolvidos na biologia do apicoplasto do P. falciparum. Quinze desses alvos hipotéticos são previstos interagir com fármacos já aprovados para uso clínico, mas que nunca foram avaliados contra os parasitos da malária. Os nossos resultados sugerem que os fármacos aqui identificados apresentam potencial para tratamentos das leishmanioses e da malária, mas que necessitam de validação experimental para confirmar sua eficácia. xii

15 ABSTRACT Leishmaniasis is a neglected tropical disease responsible for physical, economic and social damages. Even though malaria is not classified as a neglected tropical disease, is responsible for high morbidity and mortality, especially in African countries. Current treatments for both diseases face several drawbacks, including the evolution of drugresistant parasites, the high cost of major drugs and the high toxicity of others. For these reasons, there is an urgent need to develop new drugs that minimize these downsides and, consequently, help eradicate these diseases. To overcome these difficulties, both academics and pharmaceutical companies are increasingly employing the so-called drug repositioning strategy. Drug repositioning aims to find new applications for drugs approved for other indications, and has proven valuable for decreasing research costs as well as to decrease the time required to market the "new" drug. In the present study, we used bioinformatics to identify and analyze molecular targets of the energy metabolism of Leishmania spp and of the P. falciparum apicoplast. The energy metabolism of Leishmania and the apicoplast metabolism have various enzymes that can be targeted by specific drugs, leading to lower toxicity and more promising therapies for humans. Using the TDR Targets database, we were able to identify 94 genes and 93 Leishmania energy metabolism targets. We identified 44 positive targets in these databases, and for 11 of these targets we found drugs already approved for use in humans. We used a similar strategy to identify antimalarial drugs that acted specifically against the apicoplast metabolism. The GeneDB database of the P. falciparum genome was used to compile a list of 600 proteins with apicoplast signal peptides. Each of these proteins was treated as a potential drug target and its predicted sequence was used to interrogate three different open access databases (DB TTD, DrugBank and STITCH ). We identified many drugs with the potential to interact with 47 peptides allegedly involved in apicoplast biology in P. falciparum. Fifteen of these hypothetical targets are predicted to interact with drugs are already approved for clinical use, but were never evaluated against malaria parasites. Our results suggest that the drugs identified here show potential activity against leishmania parasite and malaria, but need experimental validation to confirm their effectiveness. xiii

16 1 INTRODUÇÃO 1.1 Doenças Tropicais Negligenciadas As Doenças Tropicais Negligenciadas (DTNs) afetam populações de baixa renda, politicamente marginalizada e que vivem em zonas rurais e urbanas, cujas condições de moradia, saneamento e de serviços médicos são muito precárias (DAUMERIE, DENIS; SAVIOLI, 2010). Essas doenças são causadas por cerca 17 diferentes tipos de parasitos, incluindo as helmintíases: esquistossomose, filariose linfática, oncocercose, teníase e cisticercose, ancilostomíase, ascaridíase e tricuríase; protozooses: leishmaniose, doença de Chagas, tripanossomíase africana; bacterioses: lepra, tuberculose e tracoma e as viroses dengue e raiva (HOTEZ et al., 2014; HOTEZ PJ, MOLYNEUX DH, FENWICK A, 2007). Essas doenças se distribuem principalmente em regiões tropicais e afetam cerca de um bilhão de pessoas, provocando prejuízos econômicos e à saúde das comunidades afetadas. As DTNs são as principais causas de morbidade e mortalidade nos países da África, Ásia e América Latina, nos quais se concentram os maiores bolsões de pobreza do mundo. Todas essas doenças caracterizam-se por apresentar enorme impacto individual, familiar e comunitário nos países pobres e em desenvolvimento no que diz respeito à qualidade de vida, perda da produtividade, agravamento da pobreza, bem como o alto custo dos cuidados com a saúde de longo prazo dos afetados (DAUMERIE, DENIS; SAVIOLI, 2010). Assim, os impactos individuais mais comuns relacionados a algumas DTNs são: a esquistossomose diminui a capacidade cognitiva de crianças, produz má nutrição, perda de peso e, consequentemente, abandono da escola. A lepra provoca a perda de membros, discriminação e marginalização social. A tripanossomíase africana (doença do sono) produz debilidades severas e todos os casos não tratados evoluem para o óbito. A doença de Chagas compromete o coração, esôfago, estômago e intestinos diminuindo a qualidade de vida do paciente, incluindo a perda da capacidade de trabalho. A leishmaniose causa lesões na pele, deformações faciais e na sua variante clínica mais grave provoca a morte dos pacientes não tratados. A filariose linfática deforma membros e exclui os afetados do convívio social. A oncocercose produz cegueira e

17 incapacita os afetados para o trabalho e vida social (DAUMERIE, DENIS; SAVIOLI, 2010). Esses efeitos das DTNs são reportados como perda de anos de vida ajustados à incapacidade (do inglês DALY, Disability-Adjusted Life-Years) e são usados para analisar o impacto dessas doenças sobre a saúde dos indivíduos. O DALY foi usado pelo Global Burden of Disease Study 2010 (GBD 2010) como instrumento para avaliar e comparar local e globalmente o impacto de um número relativo de doenças. A tabela 1 apresenta as DALYs estimadas pelas principais DTNs indicadas no GBD Tabela 1 DALYs estimadas (em milhões de dólares) das DTNs resultantes da sobrecarga global de doença, estudo de Doenças DALYs DTNs 26,06 ( ) Esquistossomose 3.31 ( ) Ancilostomíase 3.23 ( ) Ascaridíases 1.32 ( ) Leishmanioses 3.32 ( ) Tripanossomíase Africana 0.56 ( ) Doença de Chagas 0.55 ( ) Tricuríase 0.55 ( ) Lepra ( ) Filariose linfática 2.78 ( ) Tracoma 0.33 ( ) Oncocercose 0.49 ( ) Cisticercose 0.50 ( ) Amebíase 2.24 ( ) Criptosporidiose 8.37 ( ) Adaptada de : Hotez PJ, Alvarado M, Basáñez M-G, Bolliger I, Bourne R, et al. (2014) The Global Burden of Disease Study 2010: Interpretation and Implications for the Neglected Tropical Diseases. PLoS Negl Trop Dis 8(7): e2865. Alguns especialistas, entretanto, acreditam que os DALYs não são suficientes para expressar os prejuízos causados pelas DTNs. Eles alegam que os DALYs não levam em conta o impacto econômico, social e psicológico causados pelas DTNs (HOTEZ et al., 2014). Do ponto de vista econômico, os efeitos podem ser diretos ou 2

18 indiretos para os países endêmicos. Os efeitos diretos estão relacionados aos custos com programas de prevenção, diagnósticos, tratamento dos doentes e internação. Os efeitos indiretos são aqueles que diminuem produtividade, provocam afastamento temporário ou permanente do trabalho e geram desemprego (CONTEH; ENGELS; MOLYNEUX, 2010). Na América Latina, é estimado que a doença de Chagas cause a perda de dias úteis de trabalho por ano devido as mortes pela doença. No Brasil, as faltas ao trabalho dos indivíduos afetados pela doença de Chagas provocam uma perda de 5-6 milhões de dólares por ano (CONTEH; ENGELS; MOLYNEUX, 2010). Assim, questiona-se qual o custo das DTNs para os países afetados e o custobenefício produzido pelo tratamento dessas doenças. Algumas DTNs possuem programas de controle baseados no tratamento preventivo. Os principais exemplos são a filariose linfática, a esquistossomose, a oncocercose e as geo-helmintíases (ascaridíase, ancilostomíase e tricuríase). Esses programas recebem apoio de governos locais, de agências técnicas, das indústrias farmacêuticas, organizações humanitárias e fundações. Os custos incluem: treinamento, educação em saúde, campanhas de prevenção, obtenção e distribuição de fármacos. Muitos estudos indicam que custo total para tratar as DTNs é menor do que aquele destinado aos programas de prevenção e tratamento do HIV/AIDS, da tuberculose e da e malária (CONTEH; ENGELS; MOLYNEUX, 2010). Vários fatores contribuem para os baixos custos do controle ou erradicação das DTNs, dentre eles destacam-se a doação de fármacos pelas indústrias farmacêuticas, a distribuição simultânea dos fármacos e o trabalho voluntário (CONTEH; ENGELS; MOLYNEUX, 2010). O custo benefício para evitar as DALYs é um dos mais baixos. Por outro lado, admite-se que algumas doenças poderiam apresentar um custo mais alto porque a identificação dos casos e a intervenção ambiental são as mais importantes ações. Por exemplo, a leishmaniose e triponossomíase africana têm um custo de e dólares, respectivamente, por DALY evitada. Mas isso só ocorre devido à contribuição do setor privado e ao baixo preço de alguns fármacos utilizados. Já o custo para gerenciamento de casos de dengue gira em torno de 716 a 1757 dólares por DALY evitada e se for voltado para o controle ambiental o custo sobe para 2440 dólares por DALY evitada (CONTEH; ENGELS; MOLYNEUX, 2010). Embora as DTNs provoquem um impacto tão grande sobre as populações pobres e marginalizadas do mundo, somente a partir do ano de 2000 que algumas medidas mais efetivas começaram ser implementadas. Ironicamente, quando as Nações Unidas 3

19 anunciaram os oito objetivos para o desenvolvimento do Milênio, as DTNs ficaram de fora. O sexto objetivo apregoava: Combate ao HIV/AIDS, malária e outras doenças. Essa omissão, no entanto, provocou um movimento de cientistas, organizações não governamentais (ONGs) e fundações no sentido de dar a merecida atenção as DTNs (BLAKE; ADAMS, 2012). Deste modo, um pouco mais de uma década, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou o Relatório Global de 2010, intitulado Trabalhando para superar o impacto global das Doenças Tropicais Negligenciadas. Essa publicação provocou uma série de encontros, envolvendo representantes dos governos, ONGs, OMS, cientistas, indústrias farmacêuticas e a fundação Bill & Melinda Gates num esforço conjunto para controlar ou erradicar, até 2020, as 11 mais importantes DTNs. As principais ações envolvem o financiamento de pesquisas para o desenvolvimento de novos fármacos, a doação de fármacos e as campanhas de prevenção. Esse esforço devem beneficiar cerca 1,4 bilhão de pessoas ao redor do mundo afetadas pelas DTNs.. (http://www.gatesfoundation.org/press-releases/pages/combating-10-neglected-tropicaldiseases aspx). No caso particular da leishmaniose, a OMS pretende detectar 70% de todos os casos da forma cutânea e tratar pelo menos 90% dos casos detectados no Oeste do Mediterrâneo até Para o subcontinente indiano, a OMS deseja alcançar 100% de detecção e tratamento dos casos de leishmaniose visceral até Além disso, as estratégias globais da OMS para o controle da leishmaniose também envolvem os continente Europeu e as Américas, alcançando mais de 90 países afetados por essa parasitose (SAVIOLI, 2012). As DTNs são ainda graves problemas de saúde pública no mundo. Os efeitos dessas doenças são maiores nos países pobres e desenvolvimento, agravando a pobreza e reduzindo a esperança de vida. A erradicação ou o controle definitivo das DTNs deve ser resultado de um esforço coletivo no qual envolve o poder público, os centros de pesquisa acadêmicos, as indústrias farmacêuticas, bem como as agências de apoio humanitário. 4

20 1.2 As Leishmanioses As leishmanioses formam um complexo de doenças que afetam mamíferos e são causadas por cerca de vinte espécies diferentes de protozoários do gênero Leishmania. A transmissão natural pode ser zoonótica ou antroponótica e ocorre pela picada de flebotomíneos. Esses insetos pertencem à família Psychodidae, sub-família Phlebotominae com dois gêneros epidemiologicamente importantes: Phlebotomus e Lutzomyia. O primeiro, tipicamente representa as espécies do Velho Mundo e, o segundo, as espécies do Novo Mundo (READY, 2010) Ciclo Biológico de Leishmania spp. Leishmania spp. apresenta dois estádios morfofisiológicos distintos (figura 1). As formas promastigotas são encontradas nos insetos vetores e são alongadas, flageladas e móveis, enquanto que as formas amastigotas são esféricas, sem flagelo aparente e são encontradas no interior de macrófagos do sistema retículo-endotelial do hospedeiro vertebrado (SANTOS et al., 2008). A B Figura 1 Estádios evolutivos de Leishmania amazonensis. Forma promastigota ( 1000; A) e amastigota (B). Amastigotas estão infectando um macrófago ( 1000) (Santos et al. 2008) (domínio público) 5

21 O vetor adquire o protozoário ao ingerir macrófagos infectados com a forma amastigota. No intestino, as formas amastigotas se transformam em promastigotas procíclicas imaturas, que se multiplicam por divisão binária e, em seguida, transformam-se em promastigotas metacíclicas infectantes e migram para a probóscide do inseto. Durante o repasto sanguíneo, essas formas são transmitidas para o hospedeiro vertebrado. Nesse hospedeiro, as formas promastigotas são fagocitadas por macrófagos do sistema retículo-endotelial, mediada por receptores específicos. No interior do vacúolo digestório do macrófago, as formas promastigotas perdem o flagelo e se transformam em amastigotas (figura 2). Em seguida, se multiplicam e rompem os macrófagos, provocando novos episódios de fagocitose. Embora esse fenômeno esteja relacionado diretamente à patogenia das diferentes espécies de Leishmania, o estabelecimento da doença depende do sucesso da transformação sofrida pelo parasito, da resposta imunológica do hospedeiro e da virulência do parasito (ROSENZWEIG et al., 2008; SANTOS et al., 2008). Figura 2 Ciclo de vida de Leishmania spp. causador da leishmaniose. Adaptado de Página do Centro de Controle de Doenças, governo dos Estados Unidos. Conteúdo de domínio público, conforme política de acesso. 6

22 1.2.2 Formas clínicas As leishmanioses manifestam-se, clinicamente, de três formas. A forma cutânea caracteriza-se, inicialmente, pelo aparecimento de pápulas eritematosas no local da picada. Posteriormente, as pápulas aumentam e rompem-se, formando úlceras indolores com borda bem demarcada e elevada. Após a cura, uma cicatriz profunda toma o lugar da ferida (MASMOUDI et al., 2013). As principais espécies envolvidas na forma cutânea são: L. tropica e L. aethiopica. A forma cutaneomucosa é reconhecida pelo seu comportamento crônico, latente e metastático, caracterizado por lesões secundárias distantes produzidas pela disseminação do parasito. Essas lesões são encontradas especialmente na região oral e nasofaringea da face, desfigurando o rosto do paciente. Diferentemente da forma cutânea, as lesões da forma cutaneomucosa não são autoresolvidas e são mais resistente ao tratamento com antimoniais (RONET; BEVERLEY; FASEL, 2011). As espécies comumente relacionadas são L. (Viannia) braziliensis, L. mexicana e L. peruviana. Na forma visceral, considerada a mais grave, o parasito é levado do local de inoculação para o fígado, baço e medula óssea, resultando em perda de peso e imunossupressão. Sem tratamento adequado, a maioria dos pacientes evolui para o óbito. As espécies causadoras da leishmaniose visceral são: L. (leishmania) donovani e L. infantum (SANTOS et al., 2008) Epidemiologia e controle As leishmanioses estão entre as endemias de maior impacto socioeconômico nos países subdesenvolvidos e em desenvolvimento. São prevalentes em 98 países, três territórios e cinco continentes (figura 3). Aproximadamente, 1,3 milhão de novos casos ocorrem anualmente no mundo, dos quais são da forma visceral (LV). Mais de 90% dos casos de LV ocorrem em Bangladesh, Brasil, Etiópia, Índia, Nepal e Sudão. Para a leishmaniose cutânea os países atingidos são Afeganistão, Algéria, Brasil, Colômbia, Iran, Paquistão e Peru, Arábia Saudita, Síria e Tunísia, enquanto leishmaniose cutaneomucosa afeta principalmente o Brasil, Peru e Bolívia, totalizando um milhão de casos. Dos 1,3 milhão de casos estimados, apenas são atualmente relatados nesses países (ALVAR et al., 2012). 7

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari Editorial Índice - Editorial - Doença Leishmaniose - Gráfico de Notificações - Doença Malária Este é o segundo número do ano de, com veiculação semestral, referente aos meses de janeiro a junho, contendo

Leia mais

METABOLISMO. - ATP é a moeda energética da célula

METABOLISMO. - ATP é a moeda energética da célula INTEGRAÇÃO DO METABOLISMO ESTRATÉGIAS DO METABOLISMO - ATP é a moeda energética da célula - ATP é gerado pela oxidação de moléculas de alimento: * as macromoléculas da dieta são quebradas até suas unidades

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS II

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS II UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS II Respiração Celular 1º estágio: GLICÓLISE 2º estágio: CK Ciclo de Krebs 3º estágio:

Leia mais

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Bioenergética Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Substratos para o exercício O corpo utiliza nutrientes carboidratos, gorduras e proteínas consumidos diariamente para

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS Ciclo de Krebs Considerações Gerais Esta denominação decorre da homenagem ao bioquímico Hans Krebs, a qual lhe valeu o Prémio Nobel de Fisiologia

Leia mais

ALUNO(a): Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas citoplasmáticas.

ALUNO(a): Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas citoplasmáticas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 3º ano ALUNO(a): Lista de Exercícios NOTA: No Anhanguera você é + Enem Questão 01) Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas

Leia mais

Saúde, Cidadania e Desenvolvimento

Saúde, Cidadania e Desenvolvimento Saúde, Cidadania e Desenvolvimento Doenças Negligenciadas, novo perfil epidemiológico e desenvolvimento no Brasil Marcos Montani Caseiro Doenças Negligenciadas (O Conceito) Décadas 70/90 Fundação Rockefeller

Leia mais

Ciclo do Ácido Cítrico

Ciclo do Ácido Cítrico Ciclo do Ácido Cítrico Estágio final do metabolismo dos carboidratos, lipídeos e aminoácidos Ciclo Oxidativo - requer O2 Também conhecido como ciclo de Krebs Homenagem a Hans Krebs quem primeiro o descreveu

Leia mais

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO METABOLISMO É o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. ...metabolismo Do ponto de vista físico-químico,

Leia mais

Doenças negligenciadas ainda matam 1 milhão por ano no mundo

Doenças negligenciadas ainda matam 1 milhão por ano no mundo Doenças negligenciadas ainda matam 1 milhão por ano no mundo Com investimentos crescentes, em torno de R$ 75 milhões ao ano, Brasil lidera a lista dos países em desenvolvimento que mais têm aplicado recursos

Leia mais

METABOLISMO DE LIPÍDEOS

METABOLISMO DE LIPÍDEOS METABOLISMO DE LIPÍDEOS 1. Β-oxidação de ácidos graxos - Síntese de acetil-coa - ciclo de Krebs - Cadeia transportadora de elétrons e fosforilação oxidativa 2. Síntese de corpos cetônicos 3. Síntese de

Leia mais

2ª FASE - EXAME DISCURSIVO - 19/12/2004

2ª FASE - EXAME DISCURSIVO - 19/12/2004 2ª FASE - EXAME DISCURSIVO - 19/12/2004 Neste caderno você encontrará um conjunto de 40 (quarenta) páginas numeradas seqüencialmente, contendo 10 (dez) questões de cada uma das seguintes disciplinas: Biologia,

Leia mais

Capacidade de organizar os produtos da digestão usando a energia extraída dos mesmos produtos da digestão (REGULAÇÃO)

Capacidade de organizar os produtos da digestão usando a energia extraída dos mesmos produtos da digestão (REGULAÇÃO) Capacidade de organizar os produtos da digestão usando a energia extraída dos mesmos produtos da digestão (REGULAÇÃO) As proteínas são digeridas até aminoácidos, as gorduras (triglicérides) até glicerol

Leia mais

Metabolismo de Carboidratos. Profa.Dra. Leticia Labriola Abril 2012

Metabolismo de Carboidratos. Profa.Dra. Leticia Labriola Abril 2012 Metabolismo de Carboidratos. Profa.Dra. Leticia Labriola Abril 2012 Oxidação Completa da Glicose C 6 H 12 O 6 + 6O 2 + 36-38ADP + 36-38 P i 6CO 2 + 6H 2 O + 36-38ATP Via glicolítica gastou: 1 glicose,

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br A conversão do fluxo de elétrons em trabalho biológico requer transdutores moleculares (circuito microscópico), análogos aos motores elétricos que

Leia mais

Ciclo do Ácido Cítrico

Ciclo do Ácido Cítrico Ciclo do Ácido Cítrico e denominado Ciclo de Krebs ou ciclo do Ácido Ciclo do Ácido Cítrico O ciclo do ácido cítrico, também denominado Ciclo de Krebs ou ciclo do Ácido Tricarboxílico (TCA) realiza a oxidação

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br A glicólise é provavelmente a via bioquímica mais bem compreendida. Desempenha uma função central no metabolismo energético, fornecendo uma porção

Leia mais

Profª Eleonora Slide de aula. Sistemas de transporte da membrana

Profª Eleonora Slide de aula. Sistemas de transporte da membrana Sistemas de transporte da membrana Sistemas de transporte da membrana interna da mitocôndria A membrana interna da mitocôndria, ao contrário da membrana externa, é impermeável a compostos com carga elétrica

Leia mais

TÍTULO: DOENÇAS TROPICAIS NEGLIGENCIADAS: VISÃO GLOBAL E SITUAÇÃO ATUAL NO BRASIL

TÍTULO: DOENÇAS TROPICAIS NEGLIGENCIADAS: VISÃO GLOBAL E SITUAÇÃO ATUAL NO BRASIL TÍTULO: DOENÇAS TROPICAIS NEGLIGENCIADAS: VISÃO GLOBAL E SITUAÇÃO ATUAL NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

27/02/2014. Eucariontes; Unicelulares; Heterótrofos; Digestão: Vacúolos digestivos; Reprodução: Assexuada; Sexuada; PROTOZOÁRIOS E ALGAS

27/02/2014. Eucariontes; Unicelulares; Heterótrofos; Digestão: Vacúolos digestivos; Reprodução: Assexuada; Sexuada; PROTOZOÁRIOS E ALGAS PROTOZOÁRIOS E ALGAS Eucariontes; Unicelulares; Heterótrofos; Digestão: Vacúolos digestivos; Reprodução: Assexuada; Sexuada; Locomoção por meio de pseudópodes; Vida livre ou parasitas; Vacúolo pulsátil

Leia mais

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufc) Na(s) questão(ões) a seguir escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufc) Na(s) questão(ões) a seguir escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos. Respiração e Fermentação 1. (Fuvest) O fungo 'Saccharomyces cerevisiae' (fermento de padaria) é um anaeróbico facultativo. Quando cresce na ausência de oxigênio, consome muito mais glicose do que quando

Leia mais

M.O. coloração verde JANUS oxidação do corante citocromos; M.E.T. ultra estrutura; Células eucariontes; Tamanho 0,2 a 1 µm de diâmetro;

M.O. coloração verde JANUS oxidação do corante citocromos; M.E.T. ultra estrutura; Células eucariontes; Tamanho 0,2 a 1 µm de diâmetro; Apoptose Produção de energia Mitocôndria Introdução As mitocôndrias (mitos, filamento e condria, partícula) são organelas citoplasmáticas de forma arredondada ou alongada, existentes em praticamente todos

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br O metabolismo de carboidratos em humanos pode ser dividido nas seguintes categorias: 1. Glicólise 2. Ciclo de Krebs 3. Glicogênese 4. Glicogenólise

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD VESTIBULAR 2011 PROVA DE BIOLOGIA

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD VESTIBULAR 2011 PROVA DE BIOLOGIA Questão 1: É sabido que indivíduos homozigotos recessivos para alelos mutados do gene codificador da enzima hexosaminidase desenvolvem uma doença conhecida como Tay-Sachs, e morrem antes do quarto ano

Leia mais

Fatores Físicos e Químicos que Influenciam a Fermentação Alcoólica. Prof. Clóvis Parazzi

Fatores Físicos e Químicos que Influenciam a Fermentação Alcoólica. Prof. Clóvis Parazzi Fatores Físicos e Químicos que Influenciam a Fermentação Alcoólica Prof. Clóvis Parazzi O que se deseja de um processo fermentativo? Elevado Rendimento Uniformidade na produção de metabólitos pela levedura

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO: RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO

METABOLISMO ENERGÉTICO: RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO METABOLISMO ENERGÉTICO: RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO Mitocôndria - Organela em forma de grão ou bastonete. É formada por duas membranas: a mais interna forma uma série de dobras ou septos chamados

Leia mais

Doença de Chagas ou Tripanossomíase Americana

Doença de Chagas ou Tripanossomíase Americana ou Tripanossomíase Americana Distribuição geográfica: América latina, afetando 12-14 milhões de pessoas. Agente Etiológico: Trypanosoma cruzi Ordem: Kinetoplastida Família: Trypanosomatidae Gênero: Trypanosoma

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC)

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) 1 Quando é que se deve suspeitar de leishmaniose visceral num cão? Sempre que o cão apresentar o conjunto de sintomas da doença, ou seja, emagrecimento,

Leia mais

ENERGIA PARA ATIVIDADE CELULAR BIOENERGÉTICA

ENERGIA PARA ATIVIDADE CELULAR BIOENERGÉTICA ENERGIA PARA ATIVIDADE CELULAR BIOENERGÉTICA Fontes Energéticas Bioenergética Fontes de Energia A energia define-se como a capacidade de realizar trabalho. Neste sentido, assumimos o conceito de trabalho

Leia mais

Metabolismo de Lipídeos. Profa. Alana Cecília

Metabolismo de Lipídeos. Profa. Alana Cecília Metabolismo de Lipídeos Profa. Alana Cecília Lipídeos Catabolismo A oxidação dos ácidos graxos é a principal fonte de energia no catabolismo de lipídeos; os lipídeos esteróis (esteróides que possuem um

Leia mais

BIOLOGIA. c) Triatoma infestans. d) Taenia solium.

BIOLOGIA. c) Triatoma infestans. d) Taenia solium. BIOLOGIA Prof. Fred & Marchezi 1. (Unesp 2013) Em determinada região do nosso país, o sistema de saúde verificou um crescente número de mortes por problemas cardíacos, sobretudo em pessoas na faixa etária

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA: BIOQUÍMICA

PROGRAMA DE DISCIPLINA: BIOQUÍMICA PROGRAMA DE DISCIPLINA: BIOQUÍMICA Departamento de Ciências Fisiológicas Carga horária total: 188h Ano letivo: 2012 - Série: 1º ano - Curso de Medicina Coordenador: Professor Doutor Wagner Ricardo Montor

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Objetivos. Obtenção de Energia. de ATP. Fontes de ATP. Potência aeróbia e anaeróbia. Fosforilação oxidativa

Objetivos. Obtenção de Energia. de ATP. Fontes de ATP. Potência aeróbia e anaeróbia. Fosforilação oxidativa Objetivos Cadeia Transportadora de Elétrons e Fosforilação Oxidativa Alexandre Havt Demonstrar como o transporte de elétrons na membrana mitocondrial gera força próton tonmotriz para a síntese s de ATP

Leia mais

Biologia. Setor 1423 Móds. 03 a 06. Prof. Rafa

Biologia. Setor 1423 Móds. 03 a 06. Prof. Rafa Biologia Setor 1423 Móds. 03 a 06 Prof. Rafa PROTISTAS PROTISTAS ALGAS FOTOSSINTETIZANTES PROTOZOÁRIOS PARASITAS Protozoários (Reino Protista) Características: Estrutura Formas de vida Eucariontes Unicelulares

Leia mais

Moléculas envolvidas no metabolismo. Carboidratos Lipídeos Proteínas Sais minerais Vitaminas Água

Moléculas envolvidas no metabolismo. Carboidratos Lipídeos Proteínas Sais minerais Vitaminas Água Moléculas envolvidas no metabolismo Carboidratos Lipídeos Proteínas Sais minerais Vitaminas Água Polissacarídeos Aminoácidos Aromáticos Hexoses Catecolaminas Pentoses Purinas Fotossíntese Pirimidinas Biosíntese

Leia mais

PROTISTAS. Algas e protozoários

PROTISTAS. Algas e protozoários PROTISTAS Algas e protozoários Protozoários Organismos eucariontes, unicelulares, heterótrofos e com capacidade de locomoção. Célula procarionte Célula eucarionte 4 grupos principais: protozoários amebóides

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4.

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4. Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (1). Edição 17 Shirley da Luz Gomes 1 Rômulo Luis de Oliveira Bandeira 2 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 3 Otacílio Batista

Leia mais

Porque estudar leishmaniose?

Porque estudar leishmaniose? LEISHMANIOSES Porque estudar leishmaniose? Grande endemia: 88 países 12 milhões infectadas (2mi/ano) 350 milhões de pessoas ameaçadas de infecção Alta incidência no Brasil Deprime sistema imunológico-

Leia mais

Eutanásia para cães com leishmaniose é polêmica 4

Eutanásia para cães com leishmaniose é polêmica 4 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 4 Lílian Maria 1 Nielson Valério Ribeiro Pinto 1 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 2 Otacílio Batista de Sousa Nétto

Leia mais

BIOLOGIA. (A) a transmissão se dá pela ingestão de alimentos contaminados. (B) o mosquito transmissor da doença se reproduz em locais com água parada.

BIOLOGIA. (A) a transmissão se dá pela ingestão de alimentos contaminados. (B) o mosquito transmissor da doença se reproduz em locais com água parada. BIOLOGIA 21ª QUESTÃO A dengue é uma doença infecciosa aguda causada por vírus. Seus principais sintomas são febre súbita, fortes dores musculares, moleza, dor de cabeça, manchas vermelhas no corpo e dores

Leia mais

Aula 21 Protozoários parasitas

Aula 21 Protozoários parasitas Aula 21 Protozoários parasitas Os protozoários são seres unicelulares, eucariontes e podem ser parasitas ou de vida livre. As células dos protozoários executam todas as funções vitais que nos grupos animais

Leia mais

LEISHMANIOSES. Afonso Heusser Jr.*

LEISHMANIOSES. Afonso Heusser Jr.* LEISHMANIOSES Afonso Heusser Jr.* As leishmanioses compreendem um grupo de doenças zoonóticas causadas por protozoários flagelados heteroxenos, pertencentes ao gênero Leishmania (Protozoa, Kinetoplastida,

Leia mais

2. Metabolismo de Prótidos

2. Metabolismo de Prótidos 2. Metabolismo de Prótidos 2.1. Aminoácidos O transporte de aminoácidos é activo e faz-se juntamente com o sódio (Na + ), utilizando proteínas transportadoras. Os aminoácidos, são geralmente transportados

Leia mais

A oxidação dos aminoácidos e a produção de uréia

A oxidação dos aminoácidos e a produção de uréia A oxidação dos aminoácidos e a produção de uréia A U L A 17 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Identificar as situações metabólicas nas quais ocorre o catabolismo dos aminoácidos.

Leia mais

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus.

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. SAÚDE AMBIENTAL DOENÇAS CAUSADAS PELA FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO HEPATITE A Doença causada por vírus. Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. Falta de higiene,

Leia mais

Profº André Montillo www.montillo.com.br

Profº André Montillo www.montillo.com.br Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É a soma de todas as reações químicas envolvidas na manutenção do estado dinâmico das células, onde milhares de reações ocorrem ao mesmo tempo, determinando

Leia mais

PROTOZOOSES. Doenças causadas por protozoários

PROTOZOOSES. Doenças causadas por protozoários PROTOZOOSES Doenças causadas por protozoários DOENÇA DE CHAGAS Agente etiológico: Trypanossoma cruzi Vetor: Triatoma infestans (barbeiro ou chupança). Complicações: Insuficiência e arritimia cardíaca (crônica)

Leia mais

CITOPLASMA. Características gerais 21/03/2015. Algumas considerações importantes: 1. O CITOPLASMA DAS CÉLULAS PROCARIÓTICAS

CITOPLASMA. Características gerais 21/03/2015. Algumas considerações importantes: 1. O CITOPLASMA DAS CÉLULAS PROCARIÓTICAS CITOPLASMA Algumas considerações importantes: Apesar da diversidade, algumas células compartilham ao menos três características: Biologia e Histologia São dotadas de membrana plasmática; Contêm citoplasma

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br Lipídeos são compostos guardados em grandes quantidades como triglicerídeos neutros e representam 90% da dieta. São altamente insolúveis, podendo ser

Leia mais

Prioridades de Pesquisa e Inovação em Doença de Chagas

Prioridades de Pesquisa e Inovação em Doença de Chagas OFICINA DE PRIORIDADES DE PESQUISA SOBRE DOENÇAS NEGLIGENCIADAS Prioridades de Pesquisa e Inovação em Doença de Chagas Tânia C. A. Jorge (Coordenadora) - IOC/Fiocruz Bianca Zingales (Relatora) - USP Soraya

Leia mais

Instituto de Biologia Molecular e Celular Instituto de Engenharia Biomédica

Instituto de Biologia Molecular e Celular Instituto de Engenharia Biomédica Instituto de Biologia Molecular e Celular Instituto de Engenharia Biomédica IBMC INEB> O que é? O IBMC INEB é um Laboratório Associado, ou seja, um centro de investigação científica multidisciplinar que

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Grupo de Trabalho 4: Fortalecendo a educação e o envolvimento da sociedade civil com relação ao vírus HIV, malária

Leia mais

THOMSON REUTERS INTEGRITY CONHECIMENTO ESSENCIAL PARA APRIMORAR A DESCOBERTA E O DESENVOLVIMENTO DE FÁRMACOS DIREITOS DA IMAGEM: REUTERS/MAX ROSSI

THOMSON REUTERS INTEGRITY CONHECIMENTO ESSENCIAL PARA APRIMORAR A DESCOBERTA E O DESENVOLVIMENTO DE FÁRMACOS DIREITOS DA IMAGEM: REUTERS/MAX ROSSI THOMSON REUTERS INTEGRITY CONHECIMENTO ESSENCIAL PARA APRIMORAR A DESCOBERTA E O DESENVOLVIMENTO DE FÁRMACOS DIREITOS DA IMAGEM: REUTERS/MAX ROSSI 2 THOMSON REUTERS INTEGRITY DIREITOS DA IMAGEM: istockphoto

Leia mais

LEISHMANIOSE VISCERAL

LEISHMANIOSE VISCERAL LEISHMANIOSE VISCERAL LUPPI, Thais SIMEONE, Ana Paula Pombo Acadêmico da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça FAMED/ ACEG PICCININ, Adriana Docente da Faculdade de Medicina Veterinária

Leia mais

MITOCÔNDRIA E RESPIRAÇÃO CELULAR. Mito: filamento Chondrion: partícula

MITOCÔNDRIA E RESPIRAÇÃO CELULAR. Mito: filamento Chondrion: partícula MITOCÔNDRIA E RESPIRAÇÃO CELULAR Mito: filamento Chondrion: partícula QUALQUER TRABALHO NA CÉLULA REQUER ENERGIA: -Movimento celular, secreção de substâncias, transmissão dos impulsos nervosos, contração

Leia mais

Mitocôndrias e Cloroplastos

Mitocôndrias e Cloroplastos Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Departamento de Morfologia Biologia Celular Mitocôndrias e Cloroplastos Características gerais de mitocôndrias e cloroplastos Mitocôndrias

Leia mais

Metabolismo do Etanol. Daniel Zimmermann Stefani FFFCMPA - AD 2009

Metabolismo do Etanol. Daniel Zimmermann Stefani FFFCMPA - AD 2009 Metabolismo do Etanol Daniel Zimmermann Stefani FFFCMPA - AD 2009 Roteiro de estudo Absorção e oxidação do etanol Alcool desidrogenase(adh) Aldeido Desidrogenase(ALDH) MEOS Efeitos tóxicos Interferência

Leia mais

Imunidade aos microorganismos

Imunidade aos microorganismos Imunidade aos microorganismos Características da resposta do sistema imune a diferentes microorganismos e mecanismos de escape Eventos durante a infecção: entrada do MO, invasão e colonização dos tecidos

Leia mais

Pontos principais Antecedentes e contexto Políticas e estratégias para o controle da malária Tratamento

Pontos principais Antecedentes e contexto Políticas e estratégias para o controle da malária Tratamento Resumo O Relatório Mundial da Malária de 2009 resume informação recebida de 108 países com malária endêmica e de outras fontes e atualiza a análise apresentada no Relatório de 2008. Destaca o progresso

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos

Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos Prof. MSc Ana Paula

Leia mais

2 Conservação do sangue e hemocomponentes

2 Conservação do sangue e hemocomponentes 2 Conservação do sangue e hemocomponentes Alguns problemas de saúde hematológicos ou hemodinâmicos podem ser tratados utilizando produtos hemoterápicos, como por exemplo, problemas ligados à coagulação,

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM VIGILÂNCIA E CONTROLE DAS LEISHMANIOSES

CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM VIGILÂNCIA E CONTROLE DAS LEISHMANIOSES CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM VIGILÂNCIA E CONTROLE DAS LEISHMANIOSES Francisco Bergson Pinheiro Moura Médico Veterinário bergson.moura@saude.ce.gov.br bergson.moura@live.com Leishmaniose Visceral ( Calazar

Leia mais

Aula IV Protozoários Zoopatogênicos

Aula IV Protozoários Zoopatogênicos ZOOLOGIA E PARASITOLOGIA Aula IV Protozoários Zoopatogênicos Professora: Luciana Alves de Sousa Doenças causadas por Protozoários Doença de Chagas Leishmaniose Malária Giardíase Amebíase Toxoplasmose Doença

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor. Doença de Chagas Introdução Em 1909 o pesquisador do Instituto Osvaldo Cruz, Carlos Chagas, descobriu uma doença infecciosa no interior de Minas Gerais. Segundo seus estudos, era causada pelo protozoário

Leia mais

PROFESSOR GUILHERME BIOLOGIA

PROFESSOR GUILHERME BIOLOGIA Laranjeiras do Sul: Av. 7 de Setembro, 1930. Fone: (42) 3635 5413 Quedas do Iguaçu: Pça. Pedro Alzide Giraldi, 925. Fone: (46) 3532 3265 www.genevestibulares.com.br / contato@genevestibulares.com.br PROFESSOR

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

METABOLISMO. Nesta 3 a parte da disciplina nosso principal objetivo é compreender os mecanismos pelos quais as células regulam o seu metabolismo

METABOLISMO. Nesta 3 a parte da disciplina nosso principal objetivo é compreender os mecanismos pelos quais as células regulam o seu metabolismo METABOLISMO Nesta 3 a parte da disciplina nosso principal objetivo é compreender os mecanismos pelos quais as células regulam o seu metabolismo Mas o que é metabolismo? Metabolismo é o nome que damos ao

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO Item A Valor: 10 pontos. Possíveis respostas: 3 em 16 (10 pontos). 3/16 (10 pontos). 18,75% (10 pontos). Item B Valor: 10 pontos. Proporção genotípica do cruzamento RRee X RrEe (Valor:

Leia mais

RESPIRAÇÃO CELULAR. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Respiração Celular

RESPIRAÇÃO CELULAR. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Respiração Celular Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Respiração Celular RESPIRAÇÃO CELULAR A MAIS QUÍMICA DAS REAÇÕES BIOLÓGICAS Questão certa em vestibulares

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

12/2/2009. São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. ZOONOSES *

12/2/2009. São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. ZOONOSES * ZOONOSES * São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. * Médico alemão Rudolf Wirchow(século XIX) Fco Eugênio D. de Alexandria Infectologista Zoon = animal

Leia mais

Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc...

Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc... Protozoários Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc... Estrutura: Realizam as funções vitais: Locomoção e respiração; Obtenção de alimentos; Digestão; Excreção; Reprodução.

Leia mais

UNIDADE VII RESPIRAÇÃO

UNIDADE VII RESPIRAÇÃO UNIDADE VII RESPIRAÇÃO RESPIRAÇÃO 1 INTRODUÇÃO A respiração aeróbica é comum em todos os organismos eucariotos, sendo que a respiração nas plantas apresenta algumas diferenças em relação à respiração de

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

Reino Protista (aula II) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com

Reino Protista (aula II) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Reino Protista (aula II) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Reino Protista Relembrando! Eucariontes Autótrofos ou heterótrofos; De vida livre, ou dentro de algum organismo, Parasita, mutualista

Leia mais

Questões complementares

Questões complementares Questões complementares 1. Definir célula e os tipos celulares existentes. Caracterizar as diferenças existentes entre os tipos celulares. 2. Existe diferença na quantidade de organelas membranares entre

Leia mais

COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI MALÁRIA

COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI MALÁRIA COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI MALÁRIA AGENTE CAUSADOR: Plasmodium falciparum, P. vivax e P. malariae. protozoário esporozoário parasita da hemáceas.

Leia mais

Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua

Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua Prof. Ricardo Freitas M.Sc. CREF 008822-G/MG. Formação Acadêmica Atuação Profissional Linha de Pesquisa E-mail: ricardo.dias@upe.pe.gov.br www.lifegroup.com.br

Leia mais

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar:

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: 22 PROVA DE BIOLOGIA II QUESTÃO 40 A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: a) Se não existisse o processo inflamatório, os microorganismos

Leia mais

BIOLOGIA. Questões de 01 a 06. 01. As figuras abaixo representam organelas e estruturas citoplasmáticas.

BIOLOGIA. Questões de 01 a 06. 01. As figuras abaixo representam organelas e estruturas citoplasmáticas. GRUPO 2 BIO. 1 BIOLOGIA Questões de 01 a 06 01. As figuras abaixo representam organelas e estruturas citoplasmáticas. (Adaptado de CÉSAR & SEZAR, Biologia. São Paulo: Saraiva, vol 1, 1995.) Com base nas

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA A prova de Biologia da UFPR apresentou uma boa distribuição de conteúdos ao longo das nove questões. O grau de dificuldade variou entre questões médias e fáceis, o que está

Leia mais

Gabarito Caderno de atividades Biologia - Diversidade da Vida Volume 1-2013

Gabarito Caderno de atividades Biologia - Diversidade da Vida Volume 1-2013 Gabarito Caderno de atividades Biologia - Diversidade da Vida Volume 1-2013 1. A origem da vida na Terra 1) A 2) B 3) E 4) E 5) C 6) C 7) C 8) C 9) D 10) C 11) A 12) C 13) C 14) B 15) D 2. A evolução biológica

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

Enzimas. Profª Eleonora Slide de aula

Enzimas. Profª Eleonora Slide de aula Enzimas Profª Eleonora Slide de aula Enzimas São proteínas capazes de promover catálise de reações biológicas. Possuem alta especificidade e grande poder catalítico. Especificidade: o substrato sofre ação

Leia mais

Multicausalidade das doenças Conceitos básicos

Multicausalidade das doenças Conceitos básicos Biologia 1ª série Multicausalidade das doenças Conceitos básicos Profª Reisila Mendes Saúde é o estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doença. Homeostase Equilíbrio

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA - CSSF PROJETO DE LEI Nº 1.738, DE 2011. (VOTO EM SEPARADO DEPUTADO ODORICO MONTEIRO PT/CE)

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA - CSSF PROJETO DE LEI Nº 1.738, DE 2011. (VOTO EM SEPARADO DEPUTADO ODORICO MONTEIRO PT/CE) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA - CSSF PROJETO DE LEI Nº 1.738, DE 2011. (VOTO EM SEPARADO DEPUTADO ODORICO MONTEIRO PT/CE) Dispõe sobre a Política Nacional de Vacinação contra a Leishmaniose animal.

Leia mais

EFEITOS DA SIBUTRAMINA SOBRE O METABOLISMO ENERGÉTICO EM MITOCÔNDRIAS DE FÍGADO DE RATO

EFEITOS DA SIBUTRAMINA SOBRE O METABOLISMO ENERGÉTICO EM MITOCÔNDRIAS DE FÍGADO DE RATO ISBN 978-85-6191-5-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 3 de outubro de 29 EFEITOS DA SIBUTRAMINA SOBRE O METABOLISMO ENERGÉTICO EM MITOCÔNDRIAS DE FÍGADO DE RATO Renato Polimeni

Leia mais

O que um estudante de medicina deve saber? Edvaldo Souza

O que um estudante de medicina deve saber? Edvaldo Souza O que um estudante de medicina deve saber? Edvaldo Souza Sumário Definição História Epidemiologia Etiologia Modos de transmissão Quadro Clínico Diagnóstico laboratorial Diagnóstico diferencial Tratamento

Leia mais

02/10/2014 BETA-OXIDAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS. Fontes de carnitina

02/10/2014 BETA-OXIDAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS. Fontes de carnitina UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS II MOBILIZAÇÃO DOS DEPÓSITOS DE GORDURA E OXIDAÇÃO DOS ÁCIDOS GRAXOS LIPÓLISE E BETA-

Leia mais

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS Prof. Emerson Algumas considerações importantes: Apesar da diversidade, algumas células compartilham ao menos três características: São dotadas de membrana plasmática; Contêm

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais