Comunicado do GAC Praga, República Checa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicado do GAC Praga, República Checa"

Transcrição

1 PT Comitê Assessor Governamental Comunicado do GAC Praga, República Checa Praga, 28 de junho de 2012 I. Introdução O Comitê Assessor Governamental (GAC) da Corporação para a Atribuição de Números e Nomes na Internet (ICANN) se reuniu em Praga durante a semana de 23 a 28 de junho de A reunião contou com a participação de cinquenta membros do GAC e seis observadores. O GAC agradece especialmente o apoio do anfitrião local, CZ.NIC. II. Assuntos Internos 1. O GAC dá a bem-vinda ao Vietnã na qualidade de membro. 2. O GAC dá a bem-vinda à Comissão da União Africana na qualidade de membro. 3. O GAC dá a bem-vinda à Organização Europeia para a Investigação Nuclear (CERN), o Escritório Internacional do Trabalho, a Corte Penal Internacional, a Agência Europeia do Espaço, e a União Europeia de Radiodifusão, na qualidade de observadores. III. Assuntos Tratados e Atividades das Distintas Unidades Constitutivas 1. GAC/Organização de Apoio para Nomes Genêricos (GNSO) O GAC se reuniu com a GNSO e debateu os impactos esperados sobre as unidades constitutivas da GNSO por causa do lançamento do programa de novos gtld, e a possibilidade do ingresso de novos participantes ao processo de múltiplas partes interessadas ou da mudança nas unidades constitutivas. Da mesma forma, o GAC recebeu uma atualização sobre a revisão do programa de novos gtld levada a cabo pelo Grupo de Trabalho sobre Confiança, Eleição e Competência do Consumidor, bem como sobre a metodologia subjacente às quarenta e cinco categorias de métricas diferentes relativas à confiança, eleição e competência do consumidor.

2 O GAC e a GNSO também realizaram um debate sobre a decisão adotada pela Comissão Diretiva da ICANN de rejeitar as recomendações do Conselho da GNSO referidas à proteção dos nomes do Comitê Olímpico Internacional e a Cruz/Meia Lua Vermelha, e acordaram que é necessário maior clareza sobre o estatus do trabalho realizado sobre este assunto. 2. Grupo de Trabalho do GAC e da Comissão Diretiva para a Implementação das Recomendações sobre Responsabilidade e Transparência (BGRI-WG) O Grupo de Trabalho do GAC e da Comissão Diretiva para a Implementação das Recomendações se reuniu para debater um maior desenvolvimento das recomendações apresentadas ao GAC pela Equipe de Revisão de Responsabilidade e Transparência (recomendações 9-14). O BGRI-WG acordou lançar o registro em linha de assessoramento do GAC [online register of GAC advice] e está disposto a dar os próximos passos para a utilização desta importante ferramenta como mecanismo de acompanhamento do assessoramento dado pelo GAC à Comissão Diretiva, e das solicitações de assessoramento apresentadas pela Comissão Diretiva ante o GAC. O BGRI-WG também debateu as diferenças entre os PDPs da GNSO e a ccnso, quanto a se devem procurar proativamente as contribuições do GAC sobre questões de políticas e sobre a maneira em que ditas contribuições estão sendo consideradas ou abordadas. O BGRI-WG acordou que deveria começar um trabalho adicional, incluindo tarefas de difusão orientadas a outras organizações auxiliares (SOs), a efeitos de identificar melhores maneiras de considerar as contribuições do GAC em uma instância inicial do PDP, e assinalou que a Comissão Diretiva é responsável por informar ao GAC sobre temas que possam afetar questões de políticas públicas. Durante a reunião celebrada em Praga, a Comissão Diretiva e o GAC avançaram respeito à recomendação 13, incrementando as interações presenciais com a Comissão Diretiva, e permitindo trocas adicionais e mais específicas durante as duas sessões com a Comissão Diretiva da ICANN. 3. GAC/Equipe Revisora de Segurança, Estabilidade e Flexibilidade (SSR-RT) O GAC recebeu uma atualização do SSR-RT sobre o relatório final da equipe revisora, dedicado ao desempenho da ICANN em prol de preservar e melhorar a estabilidade, segurança e flexibilidade do Sistema de Nomes de Domínio. O GAC apoia plenamente todas as recomendações da equipe revisora. O GAC percebeu que, em concordância com outras deliberações em curso dentro da comunidade, o relatório menciona a importância da área de Cumprimento Contratual, além das tarefas de difusão e alcance para a comunidade.

3 4. Sessão Informativa sobre o Mercado de Nomes de Domínio O GAC participou em uma sessão informativa a cargo da ICANN, os registradores e os registros sobre os entornos de registro para cctld e gtld, e sobre o ciclo de vida de um nome de gtld (como se registra, como funciona, e quais são as ações implementadas com posterioridade ao vencimento de um nome de domínio). Da mesma forma, o GAC recebeu uma breve explicação do mercado dos gtld por parte dos registradores; a explicação incluiu vários modelos de negócios para a indústria de nomes de domínio. A equipe também fez uma apresentação sobre um possível panorama do mercado a partir da introdução dos novos gtlds, e foi apresentada a preocupação decorrente da desigualdade na distribuição geográfica dos registradores habilitados pela ICANN, especialmente na América Latina e África. O GAC expressou seu especial interesse no papel da ICANN neste mercado. 5. Apresentação a cargo das Organizações Intergovernamentais (OIGs) A OCDE fez uma apresentação em nome de 38 OIGs sobre proteções ao programa de novos gtld. O GAC recebeu com agrado a apresentação realizada pelo Diretor de Assuntos Legais da OCDE em representação de 38 organizações intergovernamentais (OIGs). O GAC foi informado de que as OIGs são organizações regidas por tratados e reconhecidas pelo direito internacional; e que seus nomes e os acrônimos que as representam estão protegidos nos termos do Artigo 6 da Convenção de Paris, como também estão dentro de múltiplas jurisdições nacionais. Consciente do assessoramento que previamente apresentó à Comissão Diretiva sobre a proteção de nomes e acrônimos de organizações internacionais - protegidas a nível internacional mediante tratados, bem como por leis nacionais em múltiplas jurisdições como a Cruz/Meia Lua Vermelha e o Comitê Olímpico Internacional, e ao reconhecer a importância de garantir um tratamento equitativo às organizações internacionais que classifiquem segundo o mesmo critério, o GAC está considerando com muito cuidado esta questão, com o objetivo de dar maior assessoramento à Comissão Diretiva no momento adequado para sua consideração pela GNSO, o qual se espera para o mês de julho. 6. GAC/Comitê Assessor At-Large (ALAC) O GAC celebrou uma reunião com o ALAC para analisar o plano do ALAC para a apresentação de objeções aos novos gtld, e recebeu uma palestra sobre ditos processos. Além disso, debateram a maneira em que o GAC e o ALAC podem trabalhar de forma conjunta para estudar a demanda derivada do impacto que o lançamento do programa de gtld possa ter sobre os usuários da Internet; o ALAC realizou uma sessão informativa sobre a sua proposta de criar uma academia do ALAC para a criação de capacidades dentro e fora da ICANN.

4 7. Sessão Informativa sobre Variantes de IDN A equipe de Variantes de IDN informou ao GAC sobre seu trabalho; o GAC agradece à equipe de Variantes de IDN pela informação oferecida. 8. GAC/Comitê Assessor de Segurança e Estabilidade (SSAC) O GAC se reuniu com o SSAC para analisar seu trabalho com os organismos encarregados de cumprir a lei, bem como as implicações em matéria de segurança e estabilidade derivadas do processamento em lotes dentro do programa de novos gtld. 9. GAC/Organização de Apoio para Nomes de Domínio com Código de País (ccnso) O GAC se reuniu com a ccnso e recebeu uma atualização sobre o Grupo de Trabalho para o Marco de Interpretação, o Grupo de Estudo de Nomes de Países, e o Grupo de Trabalho da ccnso sobre Planejamento Estratégico e Operacional. O GAC compartilha a preocupação manifestada pela ccnso devido a que não será incluído no orçamento o relatório do Grupo sobre a Área de Gastos, o que tem graves consequências para a plena e adequada responsabilidade e transparência orçamentária. 10. GAC/Organização de Apoio para Endereços (ASO)/Organização de Recursos Numéricos (NRO) O GAC recebeu uma palestra sobre Recursos de Infraestrutura de Senha Pública (RPKI). *** O GAC agradece especialmente à ASO/NRO, à GNSO, ao SSR-RT, à Comissão Diretiva da ICANN, aos Registros e Registradores, ao ALAC, à Equipe de Variantes de IDN, ao SSAC, à ccnso, à OCDE, e a todos os integrantes da comunidade da ICANN que contribuíram a dialogar com o GAC em Praga. IV. Assessoramento do GAC à Comissão Diretiva 1 1. IDN cctlds 1 Para um registro dos antecedentes e progresso do assessoramento do GAC à Comissão Diretiva, visite o Registro em Linha do Assessoramento do GAC: https://gacweb.icann.org/display/gacadv/gac+register+of+advice

5 A princípio, o GAC considera que introduzir os IDN cctlds com celeridade é em favor do interesse público global. O GAC percebe que foi adotado um enfoque conservador com respeito às solicitações de IDN de dois caracteres. O GAC considera que as decisões provavelmente foram bastantes conservadoras. Com efeito, aplicou-se uma prova de confusão muito mais estrita entre códigos de traços latinos e não latinos que quando se realiza uma comparação entre códigos de traços latinos. Deveria ser adotado um enfoque prático que permitisse considerar o nível de confusão de maneira pragmática segundo cada caso, seguindo critérios documentados publicamente. Quando se adotarem decisões referidas a este tema, deverá existir transparência no processo e, junto com as decisões contrárias ao lançamento de uma cadeia de caracteres, deverão ser apresentados fundamentos detalhados. O GAC enviará considerações adicionais à Comissão Diretiva sobre a metodologia a implementar quando da avaliação dos IDNs de dois caracteres. Os IDNs rescentemente rejeitados, especialmente os nominados pelas autoridades públicas ou nacionais, devem ser reconsiderados com urgência em vista das considerações anteriores. Sem prejuízo do ponto anterior, e a efeitos da transparência e responsabilidade, o GAC recomenda que a Comissão Diretiva instale um mecanismo de apelações que permita impugnar as decisões sobre a confusão dos IDN cctlds propostos. 2. O Papel da ICANN como Organização Auto-Regulamentada na Indústria a. O GAC entende que o papel da ICANN compreende o seguinte: i. Supervisionar a indústria global do DNS e habilitar às organizações que participam em dita indústria. ii. Estabelecer relações com participantes específicos da indústria através de contratos. iii. Supervisionar e tornar efetivo o cumprimento de ditos contratos. b. O GAC recebe com beneplácito a sessão informativa sobre o papel da ICANN na supervisão da indústria global do DNS, e espera participar em futuras deliberações referidas a este tema. O GAC solicita que a Comissão Diretiva apresente informações em suporte escrito que explique o seguinte:

6 Os princípios gerais e mecanismos particulares utilizados pela ICANN ao supervisionar a indústria global do DNS, incluindo detalhes de cada um dos mecanismos de auto-regulamentação que a ICANN tenha desenvolvido para desempenhar este papel (contratos, código de conduta, etc.). Por que a ICANN optou por habilitar e contratar de forma direta a determinados participantes da indústria (por exemplo, registros e registradores) e não a outros (por exemplo, revendedores)? Como resolveria a ICANN uma situação na qual se detectasse que um revendedor infringiu uma política ou obrigação contratual da ICANN? Como se trataria um inadimplemento em matéria de privacidade/representação? Seria útil que estas situações hipotéticas refletissem procedimentos documentados, obrigações contratuais, e medidas para derivar essas questões a uma instância superior. 3. O papel da ICANN no Desenvolvimento de Contratos a. O GAC recebe com beneplácito a publicação pela ICANN da versão preliminar do novo Acordo de Habilitação de Registradores (RAA). Aparentemente, esta versão preliminar contém muitas mudança a partir do RAA atual, e claramente incorpora muitas das recomendações do GAC e dos organismos encarregados do cumprimento da lei (LEA). b. Continuam pendentes várias questões relativas à privacidade e proteção de dados e à responsabilidade dos revendedores. Tal como foi debatido na reunião pública com a Comissão Diretiva, o GAC está disposto a prestar sua colaboração nestas deliberações. O GAC incentiva à Comissão Diretiva a apresentar perguntas por escrito sobre questões de privacidade e retenção de dados para facilitar uma resposta antecipada do GAC. c. O GAC destaca a necessidade de que todos os contratos da ICANN devem ser claros, sem ambiguidades, e exigíveis; da mesma forma, o GAC recebe com beneplácito os esforços da ICANN para melhorar suas ferramentas de cumprimento e rescisão contratual como parte do processo de negociação do RAA. Os prazos deste trabalho são muito importantes. Este trabalho deve ser finalizado com caráter prioritário, e Todas as emendas e todos os procedimentos devem ficar implementados de forma antecipada à delegação de qualquer novo gtld.

7 O GAC reitera seu interesse e disponibilidade para cooperar com a resolução destes temas. 4. O Papel da ICANN em Matéria de Supervisão e Cumprimento Contratual a. Durante a reunião realizada em San José, o GAC solicitou à Comissão Diretiva uma atualização do estado das recomendações LEA/GAC relativas à averiguação de antecedentes por parte da ICANN, e agradeceriamos uma resposta. b. Uma efetiva função de supervisão da indústria e cumprimento contratual ganhará maior importância com a futura introdução dos novos gtlds e com o aumento dos contratos que a ICANN terá de supervisionar. Junto à possibilidade de novos ingressantes à indústria, será importante que a ICANN consiga garantir que suas políticas e processos de cumprimento são claros, de caráter público e de cumprimento constante. c. O GAC numerou exemplos à Comissão Diretiva de organizações que separaram suas responsabilidades regulatórias e operacionais (ver Anexo 1). Tal como foi aconselhado na reunião realizada em San José, o GAC considera que um enfoque baseado em princípios para estruturar as atividades de cumprimento da ICANN serviria de apoio a uma sólida função de supervisão e cumprimento. Finalizar as melhoras às funções de cumprimento e supervisão da indústria, antes do lançamento dos novos gtlds. 5. Equipe Revisora de WHOIS a. O GAC recebe com beneplácito o relatório final da Equipe Revisora de WHOIS, e manifesta que existe uma série de temas em comum identificados nas recomendações da Equipe Revisora de WHOIS, nas recomendações LEA/GAC, e no assessoramento do GAC relativo às funções de supervisão da indústria e cumprimento da ICANN. b. O GAC apoia as recomendações da Equipe Revisora de WHOIS, e realizará um cuidadoso monitoramento da resposta da Comissão Diretiva e suas posteriores atividades de implementação. Levar em conta as recomendações da Equipe Revisora de WHOIS como parte do processo de modificação do atual RAA. 6. Escalamento da Zona Raiz

8 a. O GAC recebe com beneplácito a versão preliminar do Relatório sobre o Impacto nas Operações e o Suprimento do Servidor Raiz devido aos Novos gtlds, e troca de pontos de vista iniciais com a Comissão Diretiva sobre o relatório. O GAC expressou sua preocupação devido a que ainda não foram definidos o processo e os procedimentos de tomada de decisões - incluindo métricas unificadas, mecanismos e cadeia de mando - para desacelerar, deter e ajustar o ritmo das inserções das cadeias de caracteres de TLD na raiz no caso de se detectarem anormalidades no sistema raiz. b. Da mesma forma, o GAC espera a publicação de dados mais abrangentes para sua revisão externa segundo o planejado. Ocupar-se deste tema com a suficiente antecipação à delegação de novos gtlds. 7. Informação Financeira e Orçamentária a. O GAC considera que a transparência e a responsabilidade em matéria de orçamento financeiro e a atribuição de recursos entre as diferentes unidades constitutivas da ICANN, como também dentro delas, são de fundamental importância. Fornecer ferramentas, de maneira urgente, para informar a atribuição e distribuição de recursos financeiros entre as unidades constitutivas da ICANN, e também dentro delas, a efeitos de garantir transparência e responsabilidade nos assuntos financeiros. 8. Etica e Conflitos de Interesse a. O GAC recebe com beneplácito a tarefa em curso sobre ética e conflitos de interesse. Atuar com urgência e adotar todas as medidas necessárias para implementar uma política efetiva em matéria de ética e conflitos de interesse, para fortalecer o marco de governança da ICANN, tanto no contexto do processo dos novos gtld como em todas as demais áreas de sua atividade.

9 9. Novos gtlds Além do assessoramento oferecido previamente à Comissão Diretiva em 17 de junho de 2012: Analisar e planejar ações para a próxima rodada a efeitos de garantir que não se repita a baixa proporção de solicitações provenientes de países em desenvolvimento. Ainda há uma importante tarefa pela frente para completar o funcionamento do Centro de Informação e Proteção de Marcas Comerciais. Portanto, o GAC solicita a remissão de um relatório de estado para a sua consideração, com uma antecipação mínima de duas semanas à reunião de Toronto. Solicita um maior esclarecimento respeito ao estado da solicitação pendente, na qual pedia melhoras na proteção dos nomes do Comitê Olímpico Internacional e da Cruz/Meia Lua Vermelha no nível superior, e no segundo nível, em vista da rejeição pela Comissão Diretiva das recomendações da GNSO que apontavam a ajustar as melhoras de dita proteção no nível superior, em abril de V. Próxima Reunião O GAC reunir-se-á novamente durante a reunião No. 45 da ICANN a realizar em Toronto, Canadá. Durante o encontro No. 45 da ICANN em Toronto, realizar-se-á uma reunião de alto nível do GAC.

10 ANEXO I ASX Um exemplo de organização australiana que separou as responsabilidades de cumprimento de suas responsabilidades operacionais é o Grupo ASX, o que resulta da fusão entre a Bolsa de Valores da Austrália e a Bolsa de Futuros de Sidney. Igual que a ICANN, o Grupo ASX é responsável pela regulamentação da indústria da qual obtém financiamento. O Grupo ASX desempenha esta tarefa mediante sua subsidiária, ASX Compliance PTY LTD, a qual é responsável pelo monitoramento das normas operacionais da ASX e seu efetivo cumprimento. ASX Compliance é 100% propriedade do Grupo ASX, mas tem uma Comissão Diretiva independente das Comissões das demais entidades do Grupo ASX. Para maior informação sobre ASX Compliance, consultar: Ofcom A Ofcom é a autoridade regulatória e de competência da indústria das comunicações do Reino Unido. É independente do governo e do desenvolvimento de políticas. A Ofcom tem uma série de funções e obrigações relativas à identificação de condutas ilegais, anti-competitivas, ou em detrimento dos interesses dos consumidores; como também relativas às respostas às condutas identificadas. Desde a criação da Ofcom em 2003, a tarefa de cumprimento e exigibilidade da organização se desenvolveu de forma significativa e agora está nas mãos de duas equipes: a Equipe de Investigações Grupais em Matéria de Competência, e a Equipe de Proteção ao Consumidor, as quais se encarregam do descumprimento de normas regulatórias ou leis pertinentes. As faculdades da Ofcom, os processos para levar a cabo investigações de cumprimento das normas regulatórias, as questões relativas à proteção do consumidor, as questões relativas à competência, e os conflitos por temas regulatórios, são descritos na página web da organização:

Anexo F: Ratificação de compromissos

Anexo F: Ratificação de compromissos Anexo F: Ratificação de compromissos 1. Este documento constitui uma Ratificação de compromissos (Ratificação) do Departamento de Comércio dos Estados Unidos ("DOC") e da Corporação da Internet para Atribuição

Leia mais

Conformidade contratual Novo Contrato de Registro 2014 Relatório de Auditoria. Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números

Conformidade contratual Novo Contrato de Registro 2014 Relatório de Auditoria. Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números Conformidade contratual Novo Contrato de Registro Relatório de Auditoria Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números Histórico A missão da equipe de Conformidade Contratual da ICANN é garantir

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Fundamentos do novo gtld Novas extensões de Internet

Fundamentos do novo gtld Novas extensões de Internet Fundamentos do novo gtld Novas extensões de Internet Pauta Visão geral sobre nomes de domínio, cronograma de gtld e o novo programa gtld Por que a ICANN está fazendo isso; impacto potencial desta iniciativa

Leia mais

Versão preliminar Revisão da implementação do programa

Versão preliminar Revisão da implementação do programa Versão preliminar Revisão da implementação do programa 16 de setembro de 2015 Este relatório, apresentado na forma preliminar para comentário público, tem como objetivo fornecer uma visão geral de alto

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Corporaç ão da Interne t para Atribu ição de No mes e Númer os. Comitê para a obtenção de novos TLDs da GNSO. Relatório Final - Rascunho

Corporaç ão da Interne t para Atribu ição de No mes e Númer os. Comitê para a obtenção de novos TLDs da GNSO. Relatório Final - Rascunho ICANN ORIGINAL: inglês DATA: 16/03/2007 PT STATUS: FINAL - RASCUNHO Corporaç ão da Interne t para Atribu ição de No mes e Númer os Comitê para a obtenção de novos TLDs da GNSO Relatório Final - Rascunho

Leia mais

REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS

REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS 1. Desenvolvimento das reuniões do Comitê Executivo 1.1 Ordem do dia 1.2

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

cctld/gtld - domínios em concorrência? Papel do ICANN Marta Moreira Dias marta.dias@dns.pt

cctld/gtld - domínios em concorrência? Papel do ICANN Marta Moreira Dias marta.dias@dns.pt cctld/gtld - domínios em concorrência? Papel do ICANN Marta Moreira Dias marta.dias@dns.pt AGENDA Visão geral sobre os nomes de domínio; Novos gtld s - o papel do ICANN: Quem? Quando? O quê? Como? Quanto?

Leia mais

Equipe da Revisão de Responsabilidade e Transparência 2 (ATRT2) Relatório de recomendações preliminares para comentários públicos

Equipe da Revisão de Responsabilidade e Transparência 2 (ATRT2) Relatório de recomendações preliminares para comentários públicos Equipe da Revisão de Responsabilidade e Transparência 2 (ATRT2) Relatório de recomendações preliminares para comentários públicos 15 de outubro de 2013 Relatório de recomendações preliminares da ATRT2

Leia mais

PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO. Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001

PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO. Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001 PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001 DOCUMENTO DE BUENOS AIRES SOBRE O MECANISMO DE ACOMPANHAMENTO DA

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Art. 1º. O Comitê de Auditoria ( Comitê ) é órgão estatutário de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de Administração, de caráter permanente, regido

Leia mais

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD O SUCESSO DA IMCD É BASEADO NO ESTABELECIMENTO DE UM AMBIENTE QUE PROMOVE A RESPONSABILIDADE, CONFIANÇA E O RESPEITO. IMCD Código de Conduta 3 1. Introdução O

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 CONCEITOS... 3 4 ESTRUTURA NORMATIVA...

Leia mais

Parte 1. Resposta da comunidade de nomes de domínio

Parte 1. Resposta da comunidade de nomes de domínio Parte 1. Resposta da comunidade de nomes de domínio Resposta à solicitação de propostas do grupo de coordenação da transição de administração da IANA sobre a transição da administração da IANA do grupo

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

Mandato do Comité de Auditoria

Mandato do Comité de Auditoria BCE-PÚBLICO Mandato do Comité de Auditoria O Comité de Auditoria de alto nível, estabelecido pelo Conselho do Banco Central Europeu (BCE) nos termos do artigo 9.º-A do Regulamento Interno do BCE, reforça

Leia mais

ICC 110-13 Rev. 1. 23 março 2015 Original: inglês. Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos. Antecedentes

ICC 110-13 Rev. 1. 23 março 2015 Original: inglês. Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos. Antecedentes ICC 110-13 Rev. 1 23 março 2015 Original: inglês P Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos Antecedentes O presente documento contém os termos de referência atualizados para os seguintes

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

Apresentação do comitê consultivo para assuntos governamentais (GAC) da ICANN

Apresentação do comitê consultivo para assuntos governamentais (GAC) da ICANN Apresentação do comitê consultivo para assuntos governamentais (GAC) da ICANN O que é o GAC? O GAC é um comitê consultivo da ICANN, criado de acordo com o estatuto da ICANN. Ele fornece aconselhamento

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

A presente versão não substitui o original publicado em inglês.

A presente versão não substitui o original publicado em inglês. - 1 - COMISSÃO DE NOMEAÇÕES E REMUNERAÇÕES DA MOTA-ENGIL AFRICA N.V. TERMOS DE REFERÊNCIA A Mota-Engil Africa N.V. (a "Empresa") adotou uma estrutura de administração de um nível. De acordo com o Princípio

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO [LEI NO. 12.846, DE 1º. DE AGOSTO DE 2013]

LEI ANTICORRUPÇÃO [LEI NO. 12.846, DE 1º. DE AGOSTO DE 2013] LEI ANTICORRUPÇÃO [LEI NO. 12.846, DE 1º. DE AGOSTO DE 2013] PROGRAMA DE COMPLIANCE E ACORDO DE LENIÊNCIA SÃO PAULO RIO DE JANEIRO BELO HORIZONTE BRASÍLIA SALVADOR www.scbf.com. br SUMÁRIO A Lei Anticorrupção

Leia mais

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 33ª Reunião Ordinária, realizada no dia vinte e sete de setembro de 2012, no uso das atribuições

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

Grupo de Coordenação da Transição da Administração da IANA Solicitação de Propostas

Grupo de Coordenação da Transição da Administração da IANA Solicitação de Propostas Grupo de Coordenação da Transição da Administração da IANA Solicitação de Propostas 8 de setembro de 2014 Introdução De acordo com o regulamento do Grupo de 1 Coordenação da Transição da Administração

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Segurança da Informação BM&FBOVESPA Última revisão: maio de 2014 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. CONCEITOS... 3 4. ESTRUTURA NORMATIVA... 3 5. DIRETRIZES... 4 6. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários

Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários Práticas Recomendadas Para Limitar a Responsabilidade dos Intermediários Pelos Conteúdos de Terceiros e Promover Liberdade de Expressão e

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30/10/2014, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Artigo 19, Inciso XVII do

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA PROPÓSITO E AUTORIDADE QUEPASA CORPORATION REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA O comitê de auditoria da mesa diretiva do Quepasa Corporation (a Companhia ) se apresenta diante das responsabilidades

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

Escola Nacional de Mediação e Conciliação faz treinamento virtual para capacitar órgãos públicos em resolução de conflitos

Escola Nacional de Mediação e Conciliação faz treinamento virtual para capacitar órgãos públicos em resolução de conflitos Escola Nacional de Mediação e Conciliação faz treinamento virtual para capacitar órgãos públicos em resolução de conflitos A Escola Nacional de Mediação e Conciliação (ENAM), da Secretaria de Reforma do

Leia mais

1. Introdução. Relatório Anual 2002

1. Introdução. Relatório Anual 2002 1. Introdução Na última Assembléia Geral Ordinária de Acionistas da Telefónica S.A. (doravante, Telefónica, a Companhia, ou a Sociedade ) que teve lugar no dia 12 de abril passado, seu Presidente renovou

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE ÍNDICE Artigo 1.º Instituição

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números Atualização de conformidade contratual

Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números Atualização de conformidade contratual Atualização de conformidade contratual de julho de 2013 1 Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números Atualização de conformidade contratual Novembro de 2014 http://www.icann.org/en/resources/compliance

Leia mais

Versão Preliminar do Plano Estratégico de Cinco Anos da ICANN (AF16 AF20) Página 1 de 32

Versão Preliminar do Plano Estratégico de Cinco Anos da ICANN (AF16 AF20) Página 1 de 32 Versão Preliminar do Plano Estratégico de Cinco Anos da ICANN (AF16 AF20) Página 1 de 32 Introdução (Preliminar) O valor central da ICANN é nosso compromisso com a abordagem ascendente, com várias partes

Leia mais

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS TERMOS DE REFERÊNCIA Versão 17/07/2012 No âmbito de um processo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP A Reunião dos Ministros da Saúde da CPLP tendo em consideração: A sua qualidade de órgão da CPLP,

Leia mais

(JO L 113 de 30.4.2002, p. 1)

(JO L 113 de 30.4.2002, p. 1) 2002R0733 PT 11.12.2008 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 733/2002 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Abril

Leia mais

ICANN Versão preliminar do planejamento operacional de cinco anos

ICANN Versão preliminar do planejamento operacional de cinco anos ICANN Versão preliminar do planejamento operacional de cinco anos Versão 1: AF2016 AF2020 Introdução A ICANN preparou uma versão preliminar de uma estrutura de planejamento de vários anos com base em contribuições

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão 1 ARTIGO Artigo 1º - NATUREZA, OBJETO E APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Artigo 2º - COMPOSIÇÂO, CARGOS E MANDATOS Artigo 3º - DA PRESIDÊNCIA E SECRETARIADO

Leia mais

MMK EDITORIAL. Ética Corporativa e Compliance CGU LANÇA DIRETRIZES SOBRE PROGRAMAS DE INTEGRIDADE PARA EMPRESAS PRIVADAS

MMK EDITORIAL. Ética Corporativa e Compliance CGU LANÇA DIRETRIZES SOBRE PROGRAMAS DE INTEGRIDADE PARA EMPRESAS PRIVADAS EDITORIAL CGU LANÇA DIRETRIZES SOBRE PROGRAMAS DE INTEGRIDADE PARA EMPRESAS PRIVADAS EQUIPE: Thiago Jabor Pinheiro tjabor@mmk.com.br Maria Cecilia Andrade mcandrade@mmk.com.br Em 22.9.2015, a Controladoria-Geral

Leia mais

Para. Sua Referência Sua Comunicação de Data Nossa Referência 11/07/2013 SG Q 188/2013

Para. Sua Referência Sua Comunicação de Data Nossa Referência 11/07/2013 SG Q 188/2013 Para Ex.mo Senhor Professor Luís Magalhães Instituto Superior Técnico Av. Rovisco Pais 1 1049-001 Lisboa +351.218.417.100 Email: luis.magalhaes@math.ist.utl.pt Sua Referência Sua Comunicação de Data Nossa

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Versão 1.0 18/08/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceitos... 3 3. Diretrizes... 3 3.1. Diretrizes Gerais... 3 3.2. Diretrizes Específicas...

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção para a Salvaguarda do patrimônio Cultural Imaterial Assunto: Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial Decreto: 5208 Entrada

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

Termo de Referência Grupos de Trabalho dos Indicadores Ethos 3ª Geração

Termo de Referência Grupos de Trabalho dos Indicadores Ethos 3ª Geração Termo de Referência Grupos de Trabalho dos Indicadores Ethos 3ª Geração O projeto A Terceira Geração dos Indicadores Ethos (IE-3) visa construir, por meio da criação de um espaço multistakeholder de troca

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

aprovado no Foro de Ministros de Meio Ambiente (2004-2006) para 2005-2007.

aprovado no Foro de Ministros de Meio Ambiente (2004-2006) para 2005-2007. PROGRAMA LATINO-AMERICANO E CARIBENHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ACORDOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PLACEA: 2005-2007 1 (DOCUMENTO EM VERSÃO PRELIMINAR) Introdução: Os especialistas em Gestão Pública

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO

O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO Ricardo Barretto Ferreira da Silva Camila Ramos Montagna Barretto Ferreira, Kujawski, Brancher e Gonçalves Sociedade de Advogados São

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada Política de Gerenciamento de Risco Operacional Ratificada pela Reunião de Diretoria de 29 de abril de 2014 1 Introdução

Leia mais

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Criação 1. A Conferência dos Ministros da Justiça

Leia mais

UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I. DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo)

UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I. DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo) Regimento Interno UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo) Artigo 1º - O NEED, Núcleo de atividades, estudos e pesquisa

Leia mais

138 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

138 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 138 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 19-23 de junho de 2006 Tema 6.2 da agenda provisória CE138/25 (Port.) 8 de junho

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Acordo-Quadro sobre Meio-Ambiente do Mercosul Assunto: Agenda comum de meio-ambiente no âmbito do Mercosul Decreto: 5208 Entrada em vigor:

Leia mais

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP Como desenvolver uma abordagem eficaz de gerenciamento de capital e um processo interno de avaliação da adequação de capital (ICAAP) A crise financeira de

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA 16 a 20 de junho de 2014 CE154.R17 Original: inglês RESOLUÇÃO CE154.R17 ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE A 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO,

Leia mais

Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional

Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONSULTORIA PESQUISADOR/A ESPECIALISTA 1. Antecedentes Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional O Projeto Cooperação Humanitária Internacional tem por objetivo o desenvolvimento

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO CONSULTIVO EM SOCIEDADES LIMITADAS COMO FORMA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

A IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO CONSULTIVO EM SOCIEDADES LIMITADAS COMO FORMA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA A IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO CONSULTIVO EM SOCIEDADES LIMITADAS COMO FORMA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Ana Carolina Rovida de Oliveira Especialista em Direito da Economia e Empresarial I INTRODUÇÃO A estabilização

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Novos gtld s e como tornar-se um Registrador acreditado na ICANN

Novos gtld s e como tornar-se um Registrador acreditado na ICANN Novos gtld s e como tornar-se um Registrador acreditado na ICANN Daniel Fink & Vanda Scartezini Conf. ABRANET 14 Maio 2015 Agenda 1 2 3 ICANN Programa de novos gtlds Estudos de caso 4 5 Acreditação de

Leia mais

Plano Operacional 2007-08

Plano Operacional 2007-08 Plano Operacional 2007-08 Fórum público Lisboa 26 de março de 2007 Ciclo de planejamento da ICANN Publicação do Plano Operacional preliminar: plano anual que descreve o trabalho a ser realizado durante

Leia mais

Modelo de caso de negócios para um Sistema de Gestão de Segurança da Informação (SGSI) com base nas normas da série ISO 27000 / IEC (ISO27k)

Modelo de caso de negócios para um Sistema de Gestão de Segurança da Informação (SGSI) com base nas normas da série ISO 27000 / IEC (ISO27k) Modelo de caso de negócios para um Sistema de Gestão de Segurança da Informação (SGSI) com base nas normas da série ISO 27000 / IEC (ISO27k) por Gary Hinson - Versão 2, 2012 Resumo executivo Benefícios

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT]

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] 1. Os Tribunais de Contas somente podem realizar suas tarefas quando são independentes da entidade auditada e são protegidos

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DA GNB - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A

POLÍTICA DE TRATAMENTO DA GNB - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A Artigo 1º ÂMBITO 1. A presente Política de Tratamento consagra os princípios adotados pela GNB - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. (GNB SEGUROS), no quadro do seu relacionamento com os tomadores de seguros, segurados,

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DA BES, COMPANHIA DE SEGUROS, S.A

POLÍTICA DE TRATAMENTO DA BES, COMPANHIA DE SEGUROS, S.A Artigo 1º ÂMBITO 1. A presente Política de Tratamento consagra os princípios adotados pela BES, Companhia de Seguros, S.A. (BES Seguros), no quadro do seu relacionamento com os tomadores de seguros, segurados,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

Programa de Gestão Técnica de Contas

Programa de Gestão Técnica de Contas Programa de Gestão Técnica de Contas Para ajudar os clientes da D2L a maximizar seu investimento na plataforma Brightspace, oferecemos uma experiência de suporte avançada que ultrapassa os benefícios

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

CARTILHA A.B.F. CANAIS DE RELACIONAMENTO NO SISTEMA DE FRANQUIA

CARTILHA A.B.F. CANAIS DE RELACIONAMENTO NO SISTEMA DE FRANQUIA CARTILHA A.B.F. CANAIS DE RELACIONAMENTO NO SISTEMA DE FRANQUIA 1. INTRODUÇÃO O Sistema de Franquia pressupõe uma parceria entre Franqueador e sua rede de Franqueados, visando benefícios recíprocos. Nesta

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais