Curso de Engenharia de Computação CONTROLADOR DE SESSÕES SIP PARA REDES DE TERCEIRA GERAÇÃO USANDO ASTERISK. Márcio Aikawa Furuzawa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso de Engenharia de Computação CONTROLADOR DE SESSÕES SIP PARA REDES DE TERCEIRA GERAÇÃO USANDO ASTERISK. Márcio Aikawa Furuzawa"

Transcrição

1 Curso de Engenharia de Computação CONTROLADOR DE SESSÕES SIP PARA REDES DE TERCEIRA GERAÇÃO USANDO ASTERISK Márcio Aikawa Furuzawa Campinas São Paulo Brasil Dezembro de 2008

2 Curso de Engenharia de Computação CONTROLADOR DE SESSÕES SIP PARA REDES DE TERCEIRA GERAÇÃO USANDO ASTERISK Márcio Aikawa Furuzawa Monografia apresentada à disciplina de Trabalho de Conclusão do Curso de Engenharia de Computação da Universidade São Francisco, sob a orientação do Prof. Carlos Eduardo Pagani, como exigência parcial para conclusão do curso de graduação. Orientador: Prof. Carlos Eduardo Pagani Campinas São Paulo Brasil Dezembro de 2008

3 AIKAWA, Márcio Furuzawa. Controladores de Sessões SIP para Redes de Terceira Geração usando Asterisk. Monografia defendida e aprovada em 12 de Dezembro de 2008 pela Banca Examinadora assim constituída pelos professores: Prof. Carlos Eduardo Pagani (Orientador) USF Universidade São Francisco Campinas SP. Prof. Carlos Eduardo Câmara USF Universidade São Francisco Campinas SP. Prof. Sidney Pio de Campos USF Universidade São Francisco Campinas SP.

4 à meus amados pais, Lucília e Fernando, pelos sacrifícios que fizeram em prol da minha educação e formação.

5 Agradecimentos Agradeço a minha família, que me apoiou e me deu condições e incentivou para concluir mais esta etapa da vida. Ao meu orientador, Prof. Carlos Eduardo Pagani, que acreditou e me orientou com profissionalismo para realizar este trabalho. Finalizo agradecendo a todos que, de alguma forma direta ou indireta me ajudaram a concluir mais essa etapa da vida. v

6 Sumário Lista de Siglas... viii Lista de Siglas... viii Lista de Figura...x Resumo...x Abstract...xi 1 Introdução Definição do problema a ser tratado Estrutura do Texto PROTOCOLO Entidades de rede SIP Estabelecimento de chamada SIP Vantagens SIP sobre outros protocolos de sinalização Sintaxe mensagem SIP Pedido SIP Respostas SIP Endereçamento SIP Seqüência da Mensagem SIP Arquitetura IMS QoS para serviços multimídia Política IP Uso correto dos recursos Componentes da Arquitetura IMS O HSS e o SLF O CSCF O P-CSCF O I-CSCF O S-CSCF O AS O MRF O BGCF O PSTN/CS Gateway SGW MGCF MGW Registro/Autenticação Acesso Seguro IPsec ASs Estabelecimento de uma sessão Serviços Estudo ASTERISK Requisitos Configuração SIP SIP.CONF Configuração do Plano de discagem vi

7 4.3.1 Contexto Extensões Prioridades Aplicação O Gateway de Interface do Asterisk (AGI) Fundamentos da Comunicação AGI O modelo de comunicação AGI Chamando um script AGI do Plano de discagem Estudo TESTE / ANÁLISE Ambiente de Teste com Asterisk Configuração de Serviço Resultados Ambiente de Teste com SDS Análise Semelhanças Registro Início de Sessão Encerramento de Sessão Diferenças Registro Serviços Proposta de Mudanças Conclusão Contribuições Trabalhos futuros Anexo A Sip.conf Anexo B - Extensions.conf Anexo C Script PHP ativa_servico.agi Anexo D Script PHP valida_servico.agi Anexo E Teste de Resultado do Wireshark...52 Anexo F Log do Wireshark...54 Referências Bibliográficas vii

8 Lista de Siglas 3GPP ADSL AGI AKA ANSI AS AV B2BUA BGCF CK CSCF ETSI GSM GPRS HSS I-CSCF IETF IK IMS IP IPsec SAs ITU MGCF MGW MRF MRFC MRFP OMA PDA P-CSCF PSTN RTP S-CSCF SDS SGW SIP SLF 3rd Generation Partnership Project Asynchronous Digital Subscriber Line Asterisk Gateway interface Authentication and Key Agreement American National Standards Institute Applications Servers Authentication Vector Back-to-Back User Agent Breakout Gateway Control Functions Ciphering Key Call/Session Control Functions European Telecommunications Standards Institute Global System for Mobile Communications General Packet Radio Service Home Subscriber Servers Interrogating- Call/Session Control Functions Internet Engineering Task Force Integrity Key IP Multimedia Subsystem Internet Protocol Internet Protocol security Security Associations International Telecommunication Union Media Gateway Controller Function Media Gateway Media Resource Functions Media Resource Function Controllers Media Resource Function Processors Open Mobile Alliance Personal Digitals Assistants Proxy- Call/Session Control Functions Public Switched Telephone Network Real Time Protocol Serving- Call/Session Control Functions Service Development Studio Signaling Gateway Session Initiation Protocol Subscriber Locations Functions viii

9 THIG UE URI VoIP WLAN Topology Hiding Inter-network Gateway User Equipment Uniform Resource Identifier Voice over IP Wireless Local Area Network ix

10 Lista de Figura Figura 1: Controle sessão SIP - Modelo de teste...2 Figura 2.1: Separação lógica da sessão de mídia e o sinal SIP...4 Figura 2.2: Exemplo de um fluxo de chamada[3]...5 Figura 2.3: seqüência de pedido SIP(estabelecimento e encerramento de uma chamada) [3]...9 Figura 3.1: uma visão da arquitetura IMS [6]...12 Figura 3.2: um exemplo do BGCF e um gateway PSTN que faz interface com a rede PSTN [6]...17 Figura 3.3: Fluxo de Autenticação e Registro no IMS...18 Figura 3.4: Estabelecimento de AS durante um registro inicial...20 Figura 3.5: Estabelecimento de sessão na Arquitetura IMS...21 Figura 3.6: Exemplo de solicitação e execução de serviço...23 Figura 5.1: Comunicação entre dois usuários usando Asterisk...31 Figura 5.2: Fluxo da execução de script AGI...32 Figura 5.3 : Pacotes UDP capturados no registro dos usuários e no início de uma sessão SIP...33 Figura 5.4: pacotes capturados após uma sessão SIP ter iniciado...34 Figura 5.5: fluxo de uma sessão entre dois usuários Figura 5.6: Tela inicial de instalação SDS...37 Figura 5.7: Caminho para iniciar o Provisioning...38 Figura 5.8: Tela configuração de DNS Figura 5.9: Tela de criação do Profile do usuário...39 Figura 5.10: Tela de cadastro de serviços...39 Figura 5.11: Comunicação entre dois usuários usando arquitetura IMS...40 Figura 5.12: Caminho para iniciar o Start Test Agent...40 Figura 5.13: Construção de um pedido REGISTER no SDS...41 Figura 5.14: Envio do pedido REGISTER e retorno de resposta 200 OK...41 Figura 5.15: fluxo de pedidos e respostas SIP usando IMS...42 Figura 5.16: Fluxograma simples do processo com o Script Java...45 x

11 Resumo O objetivo desta monografia é testar e analisar o comportamento do software Asterisk para verificar e propor alterações para que esta possa executar as funções que um controlador de sessões para redes de 3G. A rede 3G possibilita o usuário a acessar todos os serviços que a Internet oferece, via celular. O elemento chave de algumas redes 3G é a arquitetura IMS (IP Multimedia Subsystem). O protocolo SIP é usado na arquitetura IMS para o controle de sessões multimídia. Para o estudo e análise é mostrado a arquitetura IMS e seus principais componentes, o funcionamento do protocolo SIP, o software Asterisk e a análise dos resultados obtidos nos testes. PALAVRAS-CHAVE: IMS, SIP e Asterisk. Abstract The objective of this monograph is to test and to analyze if it is possible to control SIP sessions in Third Generation (3G) networks using the Asterisk software. The 3G network makes possible the user access all services that the internet provides, by cellphone. The key element of the 3G network is an IMS (IP Multimedia Subsystem) architecture. The SIP protocol is used in the architecture IMS to control multimedia session. For the study and analysis, it is showed the IMS architecture and their main components, the SIP functioning, the Asterisk software and the results gotten in the test. KEY WORDS: IMS, SIP and Asterisk. xi

12 1 INTRODUÇÃO Hoje, a maioria das redes de comunicação operam no modo comutado por circuito. Há tempo vem se estudando a evolução e a migração destas redes para comutação de pacotes com suporte a tráfego multimídia. Estas são freqüentemente chamadas de NGN (New Generation Network ou Redes Convergentes), ou referidas como suporte à aplicação VoIP (Voice over IP). Entretanto é necessário atentar a alguns requisitos, como: suporte a serviços sofisticados de multimídia, conexão orientada a sessão, rede orientada a pacote com convergência de voz e dados, mobilidade sem restrições, convergência fixo/móvel de serviço e operação da rede, interface aberta para todos os elementos, base de dados para simplificar operação, e suporte aos assinantes e serviços legados. [1] A convergência permite aplicações do tipo telefonia via IP acessar a web através de telefones móveis. O canal nestas redes podem oferecer uma gama de serviços diferenciados e unificados em tempo real, combinar voz, dados e vídeos,independentes do dispositivo utilizado. A arquitetura IMS (IP Multimedia SubSystem) é a resposta para estes requisitos. Esta arquitetura da rede é desenvolvida pelo 3GPP/3GPP2, e padronizado pelos órgãos (ITU / ANSI / ETSI /OMA / IETF). [1] O maior benefício da arquitetura IMS é a disponibilidade de serviços sofisticados para os assinantes. As redes atuais já disponibilizam serviços de valor agregado para os assinantes, com algumas limitações: baixa interação entre plataformas de serviços, e baixa eficiência na administração de bases de dados. [1] A arquitetura IMS fornece uma forma eficiente de implementar novos serviços sofisticados. Por exemplo, o HSS (Home Subscriber System) onde são armazenados dados dos clientes, pode ser acessado através de protocolos abertos pelas plataformas de serviços. Um outro exemplo são serviços que podem ser executados simultaneamente numa mesma sessão. A arquitetura IMS possui o mecanismo de autenticação dos usuários no IMS para a reserva de recurso, e também possui mais mecanismos de controle de QoS, aumentando a segurança. A arquitetura IMS foi desenvolvida para aplicações em redes móveis 3G, mas ultimamente as redes fixas vêm mostrando um grande interesse nesta arquitetura. 1

13 Esta é vista como o caminho adequado para implementação de redes de nova geração. O software Asterisk [2] de código aberto (Softwares disponibilizados gratuitamente com o seu código fonte, permitindo alterações de acordo com a necessidade do usuário) inicialmente concebido como um software PBX (Private Branch exchange) sobre IP, ao longo de suas melhorias e desenvolvimento foi se tornando uma poderosa máquina servidora SIP, por permitir integrar qualquer hardware ou software de telefonia a outras aplicações com extrema facilidade. A idéia desse estudo é testar e analisar a possibilidade do software Asterisk atuar como um controlador de sessão SIP da arquitetura IMS. Com a análise final propor alterações no comportamento do Asterisk, como mostra a Figura 1. Figura 1: Controle sessão SIP - Modelo de teste 1.1 Definição do problema a ser tratado O principal objetivo desta monografia é sugerir o software Asterisk como um controlador de sessão na arquitetura IMS, conforme a Figura 1, onde o comportamento do Asterisk precisa ser igual ao do componente S-CSCF (Serving- Call/Session Control Function) da arquitetura IMS. Para isso, é apresentado o protocolo SIP usado no envio de pedidos e respostas, a arquitetura IMS e seus principais componentes, o software Asterisk e por final o resultado da comparação de sessões SIP na arquitetura IMS com as sessões no Asterisk. 2

14 1.2 Estrutura do Texto No Capítulo 2 é apresentado o protocolo SIP, no Capítulo 3 é apresentada a arquitetura IMS, no Capítulo 4 é apresentado o software Asterisk, no Capítulo 5 são apresentados os ambientes de testes, testes e análises e no Capítulo 6: são apresentadas as Conclusões e proposta para trabalhos futuros. 2 PROTOCOLO Esta sessão tem como referência o livro do autor COLLINS, Daniel [Carrier Grade Voice Over IP 2a. edição] [3]. O SIP é considerado como uma solução simples, flexível, fácil de se implementar, pode suportar dispositivos inteligentes, e é adequado para implementações futuras, produtos e serviços podem ser desenvolvidos e disponibilizados rapidamente. O SIP é considerado uma alternativa ao protocolo H.323, hoje utilizado em telefonia VoIP. O protocolo H.323 que foi criado pelo ITU-T (International Telecommunication Union - Telecommunication Standardization Sector) e disponibilizado em 1996 é um protocolo de sinalização usado para o estabelecimento, controle e término de chamadas em redes comutadas por pacotes. Além disso, é usado para estabelecer padrões de codificação e decodificação em fluxo de dados de áudio e vídeo em tempo real, garantindo a interoperabilidade. O H.323 é um protocolo mais antigo e complexo, se comparado com o protocolo SIP. [2] O protocolo SIP foi proposto pela IETF (Internet Engineering Task Force), com a função de gerenciar, configurar, iniciar e encerrar sessões multimídia. Este protocolo foi projetado para trabalhar juntamente com outras aplicações já existentes, e também para operar em conjunto com outros protocolos IETF para descrever as características de sessões dos participantes. O protocolo SIP pode também operar com protocolos de transporte de mídia, por exemplo, o RTP (Real-Time Transport Protocol). Assim, numa sessão SIP, deve ser considerado que a sinalização SIP trafega separadamente da sessão mídia. Esta separação lógica mostrada na Figura 2.1 é importante porque o sinal pode chegar ao destino passando por um ou mais proxies enquanto que o fluxo de mídia pode pegar um caminho mais direto. [3] 3

15 Figura 2.1: Separação lógica da sessão de mídia e o sinal SIP 2.1 Entidades de rede SIP SIP é um protocolo cliente-servidor, chamadas VoIP usando SIP são gerados pelo cliente e terminado em um servidor. Exemplo: um aplicativo cliente emite pedido SIP, e um servidor emite uma resposta a esse pedido. Existem quatro tipos de servidor: servidor proxy, servidor de redirecionamento, servidor de agente de usuário e o servidor de registro. A funcionalidade do servidor proxy é igual à de um servidor proxy usado para web em redes locais (LAN), primeiro o cliente envia o pedido para o proxy, este encaminha o pedido para outros servidores através de mensagens. Um servidor de redirecionamento que suporta pedido SIP possui o mecanismo de mapear o endereço de destino com os outros endereços da rede. Depois de efetuado o mapeamento, um endereço é retornado ao destinatário. Com isso o destinatário pode enviar pedido nesse novo endereço. Um servidor de agente de usuário aceita pedidos SIP. O dispositivo SIP pode funcionar como cliente usuário-agente ou servidor usuário-agente. Agindo como cliente usuário-agente, este pode fazer um pedido SIP. Agindo como servidor usuário-agente, este pode receber e responder pedidos SIP. Na prática isto significa que o dispositivo SIP pode iniciar ou receber chamadas, e também pode ser usado para comunicação peer-to-peer. SIP tem o conceito de registro de usuário, com isso SIP suporta mobilidade pessoal. Por exemplo, um usuário que possui um computador com um dispositivo SIP instalado, ao conectar o computador na rede, este emite um pedido SIP REGISTER para um registrador. Com isso chamadas poderão ser roteadas para o computador registrado na rede. Quando é feita a troca de ambiente do computador é necessário que um novo registro de dispositivo seja efetuado. 4

16 2.2 Estabelecimento de chamada SIP O estabelecimento de chamada SIP mostrado na Figura 2.2, se inicia com a mensagem SIP INVITE, a qual é enviada do emissor até o destinatário. Esta mensagem convida o destinatário a participar de uma sessão. Depois da mensagem SIP INVITE ter iniciado uma chamada, várias respostas intercalares podem ser feitas antes do destinatário aceitar a chamada. Por exemplo, o emissor precisa manter-se informado do status da chamada, se a chamada se encontra na fila ou se o destinatário ainda não atendeu a chamada. Subseqüentemente, o destinatário responde a chamada, que gera uma resposta OK para o emissor. O emissor então, envia uma mensagem de ACK de reconhecimento para o destinatário. Após isso a mídia é trocada, a troca mais comum é para uma mídia de discurso, mas também pode ser trocado por um de vídeo. No final do discurso, ambos, o emissor ou o destinatário podem enviar uma mensagem de BYE, a parte que receber o BYE emite uma outra mensagem de OK, neste momento, a chamada é finalizada. Figura 2.2: Exemplo de um fluxo de chamada[3] 2.3 Vantagens SIP sobre outros protocolos de sinalização O estabelecimento e a liberação de chamadas são pontos fortes do protocolo SIP. Qualquer protocolo de sinalização de chamada possui um meio onde é feita a aceitação e a liberação de uma chamada. O fato de poder existir trocas de meio de comunicação ou a troca do tipo de transporte durante uma sessão SIP, deixa claro que o SIP provê mais flexibilidade do que as telefonias tradicionais. [3] Mensagens SIP podem conter campos específicos de usuários, que possibilitam ao usuário executar decisões inteligentes no tratamento de mensagens e possibilitam também a implementação de futuros serviços inteligentes. Por exemplo, 5

17 suponha que uma chamada é direcionada para uma pessoa que não está presente. O SIP RESPONSE irá indicar que o usuário está indisponível. Neste caso o terminal poderá fazer duas coisas. Primeiro: o terminal pode responder que o destinatário estará disponível somente às 16h. Segundo: após 16h o terminal perguntará se o remetente deseja efetuar a chamada novamente, dependendo da resposta, a chamada é efetuada automaticamente.[3] 2.4 Sintaxe mensagem SIP SIP é um protocolo de sinalização que tem a sintaxe baseada em texto, usa um conjunto de caractere International for Standardization Organization (ISO 10646) e tem uma similaridade com o Hypertext Transfer Protocol (HTTP). A vantagem dessa similaridade é que programas projetados para usar o HTTP pode ser adaptado facilmente para ser usado com SIP. A desvantagem é a largura de banda consumida. [3] As respostas do servidor para o cliente e o pedido do cliente para o servidor que usam as mensagens SIP, possuem um cabeçalho e o corpo da mensagem. No cabeçalho da mensagem há informações do usuário como: criador da mensagem, receptor da mensagem, informações do meio a ser carregado, tipo de pedido ou sucesso/falha e as informações adicionais. [3] No corpo da mensagem geralmente é descrito o tipo de sessão a ser estabelecida e uma descrição da mídia a ser trocada. SIP não define uma estrutura para o corpo da mensagem. A estrutura é obtida usando os protocolos disponíveis. A estrutura mais comum para o corpo da mensagem é o Session Description Protocol (SDP). De fato o corpo da mensagem pode conter diversas partes, cada uma codificada para diferentes estruturas. [3] Em algumas situações, esta capacidade pode ser usada para carregar uma mensagem ISDN User Part (ISUP) no formato binário, habilitando o SIP a carregar mensagens ISUP. SIP faz apenas o envio do corpo da mensagem de uma ponta a outra. No caso de haver a necessidade de examinar o corpo da mensagem, apenas as duas pontas estão habilitadas a executar esse papel. [3] 6

18 2.5 Pedido SIP Existem seis métodos diferentes de pedido definido pela RFC 3261: Invite (definido pela RFC 4235), Ack, Options, Bye, Cancel, e Register (definido pela RFC 3608). SIP define outros três métodos de pedido, como Info (definido pela RFC 2976), Refer (definido pela RFC 3515) e Update (definido pela RFC 3311). O método Invite é usado para iniciar uma sessão de chamada entre duas partes ou iniciar uma conference call. A mensagem criada por esse método, contém informações do remetente, do destinatário e o tipo de mídia a ser trocada. [3] O método ACK é usado para confirmar o recebimento de uma mensagem. [3] O método Bye pode ser usado para encerrar uma sessão. [3] O método Options pode ser usado para determinar se o usuário suporta um tipo de mídia específico. Em outras palavras, esse método pode ser usado para descobrir a capacidade do usuário. [3] O método Cancel pode ser usado para cancelar um pedido que se encontra pendente. Por exemplo, um Invite a espera de um ACK. [3] O método Register é usado para o registro de usuários em servidores SIP, facilitando a sua localização. [3] Um cliente pode ter seu registro em vários servidores e um usuário pode possuir múltiplos registros em um único servidor. Um usuário que possui múltiplos registros para um único número, pode receber uma chamada através de todos os destinos cadastrados. [3] O método SIP Info significa a transferência de informação no meio de uma chamada. Essa informação pode ser usada pelo usuário cliente, usuário servidor e pelo proxy. [3] 2.6 Respostas SIP O início de uma resposta SIP contém uma linha de status representado por 3 dígitos, esta linha indica o resultado da resposta de um pedido. Nesta linha também contêm um texto de resposta que é interpretado e lido pelo software cliente. O intervalo de numeração definido para representar o status no SIP é de 100 a 699, onde o primeiro dígito representa a classe de resposta. - 1XX provisório (por exemplo, o status 181 indica que uma chamada está sendo enviada) 7

19 - 2XX Sucesso (indica que um pedido foi aceito e executado) - 3XX redirecionamento (um exemplo, é quando uma parte chamada não se encontra no endereço especificado no pedido e este endereço precisa ser editado para um novo endereço incluído na resposta) - 4XX Falha (pode indicar que um pedido não foi aceito por causa da autorização, endereço não encontrado, a necessidade da autorização, entre outros) - 5XX Falha no servidor (pode indicar que a versão do SIP não é suportada, mensagem muito grande, problema interno no servidor, tempo excedido, entre outros) - 6XX Problema global (pode indicar que um usuário não existe, todos os lugares estão ocupados, e queda de uma rede) 2.7 Endereçamento SIP No SIP o endereço de pedido e resposta são conhecidos como SIP Uniform Resource Indicators (URIs). Esses endereços são similares com endereços de e- mail, tem a forma de Para que a rede SIP opere com a rede tradicional de telefonia (comutada por circuito), o SIP habilita a possibilidade de um número telefônico ser um endereço SIP. Assim, o endereço SIP pode ficar sip: O endereço SIP pode ser usado para criar um canal de comunicação a ser roteado entre um gateway e a telefonia fixa. [3] 2.8 Seqüência da Mensagem SIP Primeiro é feito o registro de um cliente, pelo envio do pedido REGISTER, este registro é necessário para informar o servidor, do endereço a ser usado numa sessão SIP. No pedido REGISTER contêm campos importantes, como: o endereço propriamente dito, o protocolo de transporte a ser usado, e o tempo que o registro deve ficar ativo. [3] Segundo, o pedido INVITE é usado para iniciar uma sessão. Neste pedido é incluso o endereço origem, o endereço destino, o tipo de mídia a ser usada. [3] Após o envio do pedido INVITE, o chamador recebe uma resposta que o usuário está sendo chamado. [3] 8

20 Subseqüentemente, o remetente pode receber uma outra mensagem de OK do usuário, subseqüentemente, o remetente emite um ACK para confirmar o recebimento da resposta. [3] E por final, ocorrer o encerramento de uma sessão, com a emissão de um pedido BYE por um dos usuários. [3] Um exemplo de seqüência de mensagem é mostrado na figura 2.3. Figura 2.3: seqüência de pedido SIP(estabelecimento e encerramento de uma chamada) [3] 9

21 3 ARQUITETURA IMS Esta sessão tem como referência o livro dos autores Miika Poikselkä, Georg Mayer, Hisham Khartabil e Aki Niemi [The IMS IP Multimedia Concepts and Services 2 a. edição] [5] e também o livro dos autores Gonzalo Camarillo e Miguel A. García - Martín [The 3G IP Multimedia Subsystem (IMS) 2 a. edição] [6]. Aqui encontra-se uma introdução a arquitetura IMS, os principais componentes da Arquitetura IMS, e os casos (registro de usuário, chamadas e serviços) que serão usados no estudo. No mundo móvel, o sistema de primeira geração (1G) foi introduzido em meados da década de Esta rede oferecia serviços básicos para os usuários. Em 1990, o sistema de segunda geração (2G) trouxe alguns serviços de dados e serviços mais sofisticados para o usuário. A rede de terceira geração (3G) permite altas taxas de transferência de dados e diversos serviços multimídia. [5] O tradicional Public Switched Telephone Network (PSTN) e a rede Integrated Services Digital Network (ISDN) dominaram a comunicação tradicional de voz e vídeo. Nos últimos anos, o acesso a conexão rápida e barata a Internet aumentou gradativamente, possibilitando a comunicação e jogos em tempo real. Esse acesso é disponibilizado pela tecnologia ADSL (Asymmetric Digital Subscriber Line), o qual permite transferência digital de dados e comunicação em alta velocidade via linha telefônica. Com o crescimento do número de dispositivos móveis, a convergência rápida de fixo e o mundo móvel estão acompanhando esse crescimento. Estes dispositivos móveis incluem câmera com alta resolução e qualidade, e diversos aplicativos de entretenimento. Numa comunicação entre aplicativos desses dispositivos baseados em IP (Internet Protocol) é necessário que o mesmo tenha o mecanismo que encontre o correspondente. Atualmente, a rede de telefonia fornece esta tarefa de estabelecer conexões em redes IP, porém, essa conectividade IP é oferecida apenas em ambientes isolados. Há a necessidade de um sistema global, a solução para isso é o IP Multimedia Subsystem (IMS). O IMS permite aplicações IP a estabelecer conexões par-a-par, facilmente e segura. [5] 10

22 A rede 3G funde os dois paradigmas mais bem sucedidos na comunicação: a rede de celular e a Internet. Para isso, foi desenvolvida a arquitetura IMS, que provê acesso a todos os serviços de internet numa taxa de transferência rápida. [5] As redes de comunicações existentes oferecem serviços de voz, vídeo e serviços de mensagem usando circuito comutado. O IMS torna a comunicação mais elevada, oferecendo um meio de comunicação mais enriquecida. Um usuário IMS é capaz de misturar e unir uma variedade de serviços IP, da maneira que desejar durante uma simples sessão de comunicação. Usuários podem integrar voz, vídeo e texto, compartilhar dados e podem adicionar ou excluir serviços. Por exemplo, durante uma sessão de voz entre duas pessoas, ambos podem adicionar outros aplicativos (vídeo, e jogos) durante a mesma sessão. [5] Além dessas vantagens mencionadas acima, a rede 3G com a arquitetura IMS oferece também: QoS (Quality of Service), cargas, e integração de diferentes serviços. Uma das razões da criação do IMS, foi oferecer QoS exigido e sessões multimídia em tempo real. Outra razão para a criação do IMS é ser capaz de carregar sessões multimídia apropriadamente. Numa videoconferência, geralmente uma grande massa de dados é transferida, com isso, é necessário o controle de transmissão de dados. Em uma sessão pode ser determinada a quantidade de bytes que cada mensagem deve ter para ser transmitida. [5] 3.1 QoS para serviços multimídia Na Internet, em algumas circunstâncias podem ocorrer atrasos, perdas ou entrega de pacotes fora da ordem. Este não é o caso do IMS. No início de uma sessão IMS, o equipamento do usuário (celular, notebook, PDA, etc) negocia alguns parâmetros de QoS a serem utilizados durante a sessão, tais como: sua capacidade de transferência via protoloco SIP (Session Initiation Protocol), o tipo de mídia, direção do tráfego, taxa de transferência, tamanho do pacote, uso do protocolo RTP e adaptação da largura de banda. Esses dados são essenciais para que o acesso à rede seja feito de maneira apropriado. Após ter criado uma comunicação com QoS fim-a-fim, o equipamento do usuário codifica e empacota dados com um protocolo apropriado e os transporta usando o protocolo da camada de transporte (ex. TCP ou UDP). [6] 11

23 3.2 Política IP Uso correto dos recursos O IMS usa a política de controle IP para controlar e autorizar o uso do tráfego. A política de controle é dividida em três categorias: - O controle de política é responsável por verificar se os parâmetros negociados na sinalização SIP são os mesmos usados na ativação do trafego; - O controle de política é também capaz de identificar o status do tráfego entre as extremidades em uma sessão SIP no IMS; - E, por último, o controle de política é capaz de receber notificação caso o acesso ao serviço de rede tiver modificado, suspenso ou liberado o transporte de um usuário associado a uma sessão. Isto permite que o IMS libere uma sessão em progresso, caso o usuário não esteja mais na área de cobertura. [6] 3.3 Componentes da Arquitetura IMS A arquitetura IMS é a coleção de funções conectadas por interfaces padronizadas. Fica a critério do usuário combinar duas funções em um único nó, e vice-versa. [6] Um simples exemplo com as interfaces mais relevantes da arquitetura IMS, padronizadas pelo 3GPP é mostrado na figura 3.1. Figura 3.1: uma visão da arquitetura IMS [6] 12

24 No lado esquerdo há o terminal IMS ou UE (equipamento eletrônico pelo qual o usuário estará apto a receber e efetuar chamadas - podendo ser PDAs(Personal Digitals Assistants), computadores, ou telefonia móvel). O terminal IMS liga com a rede de pacote como uma rede GPRS (General Packet Radio Service) através de um link ou rádio. Outras alternativas de acessos são: via WLAN (Wireless Local Access Network) que é uma rede local sem fio, sua comunicação é feita via onda de rádios e tem como restrição à distância dos equipamentos com o ponto de acesso; ou via ADSL (Asymmetric Digital Subscriber Line), o qual permite transferência digital de dados e comunicação em alta velocidade via linha telefônica. No lado direito da figura são mostrados os nós conhecidos como núcleos do subsistema da rede Multimídia IP. Os nós são: - HSS s (Home Subscriber Servers) banco de dados do usuário e SLFs (Subscriber Locations Functions); - CSCF s (Call/Session Control Functions) servidores SIP; - AS s (Applications Servers); - MRF s(media Resource Functions), divididos em MRFC (Media Resource Function Controllers) e MRFP (Media Resource Function Processors); - BGCF s (Breakout Gateway Control Functions); - PSTN gateways, cada um decomposto em um SGW (Signaling Gateway), um MGCF (Media Gateway Controller Function), e um MGW (Media Gateway). Cada um desses componentes é explicado nas subseções seguinte. 3.4 O HSS e o SLF No HSS (Home Subscriber Server) são armazenados os dados do usuário usados para controlar uma sessão multimídia. Esses dados são: informação do local, segurança, informações do usuário e o S-CSCF alocado ao usuário, que age como um servidor SIP, controlando sessões dos usuários registrados nele. Nas redes que contêm mais de um HSS, é necessária a presença do componente SLF (Subscription Locator Function), responsável em selecionar o HSS que contêm as informações dos usuários. Para a seleção do HSS, o SLF utiliza o endereço do usuário que está contido no cabeçalho do pedido. 13

Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS

Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS Samuel R. Lauretti Graduado em Engenharia Elétrica pela USP-São Carlos em 1987, com Mestrado em Telecomunicações pela UNICAMP em 1993. Completou o

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

O IP Multimedia Subsystem (IMS)

O IP Multimedia Subsystem (IMS) O IP Multimedia Subsystem (IMS) O IMS é um sistema global, independente do sistema de acesso, baseado em normas, com connectividade IP e arquitecturas de controlo de serviços que permite disponibilizar

Leia mais

Protocolo de Sinalização SIP

Protocolo de Sinalização SIP Protocolos de Sinalização Protocolos com processamento distribuído e clientes/terminais inteligentes SIP - Session Initiation Protocol, desenvolvido pelo IETF para comunicação multimídia pela Internet

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Asterisk. Arquivos e Configurações Básicas

Asterisk. Arquivos e Configurações Básicas Asterisk Arquivos e Configurações Básicas Arquivos de Configuração O Asterisk é controlado através de arquivos de configuração localizados no diretório /etc/asterisk. Os arquivos compartilham a mesma sintaxe,

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1 Visão geral técnica e dos recursos SWD-1031491-1025120324-012 Conteúdo 1 Visão geral... 3 2 Recursos... 4 Recursos para gerenciar contas de usuário

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol SIP Session Initiation Protocol Pedro Silveira Pisa Redes de Computadores II 2008.2 Professores: Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Outubro de 2008 Índice Introdução

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

Protocolo SIP. Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL. Comunicação de Dados. Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1

Protocolo SIP. Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL. Comunicação de Dados. Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1 Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1 Protocolo SIP Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL Comunicação de Dados Resumo Neste documento pretende-se explicar o funcionamento do protocolo

Leia mais

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR Instituto Superior Técnico Projecto VoIP Sistema IVVR 68239 Rui Barradas 68477 Helton Miranda 68626 Ludijor Barros 72487 Bruna Gondin Introdução O objectivo deste projecto é desenvolver um sistema de Interactive

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

2 UMTS e arquitetura all-ip

2 UMTS e arquitetura all-ip 2 UMTS e arquitetura all-ip As discussões sobre a evolução das redes de comunicação determinísticas, baseadas nas operações de modo circuito, já ocorrem há algum tempo. As redes operadas em modo circuito

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Voz para a rede LTE. Ricardo Takaki *, Juliano João Bazzo

Voz para a rede LTE. Ricardo Takaki *, Juliano João Bazzo Ricardo Takaki *, Juliano João Bazzo A tecnologia LTE tem sido considerada uma tendência natural para a convergência dos sistemas de telefonia celular de segunda e terceira geração. Essa tecnologia, entretanto,

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol Session Initiation Protocol Carlos Gustavo A. da Rocha Session Initiation Protocol Desenvolvido pelo IETF RFC 2543 (Fev 1999) RFC 3261 (Jun 2002) É um protocolo de sinalização para sessões multimídia Negociação;

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

Manual do Radioserver

Manual do Radioserver Manual do Radioserver Versão 1.0.0 Alex Farias (Supervisão) Luiz Galano (Comercial) Vinícius Cosomano (Suporte) Tel: (011) 9393-4536 (011) 2729-0120 (011) 2729-0120 Email: alex@smartptt.com.br suporte@smartptt.com.br

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES. Enunciado do Projecto de. VoIP

REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES. Enunciado do Projecto de. VoIP REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES Enunciado do Projecto de VoIP Paulo Rogério Pereira, SETEMBRO DE 2011 1. Objectivo Este trabalho tem como objectivo desenvolver um sistema de Interactive Video Voice Response

Leia mais

3 Execução de Chamadas no UMTS

3 Execução de Chamadas no UMTS 3 Eecução de Chamadas no UMTS Este capítulo descreve a sequência de mensagens que são trocadas entre o UE e a UTRAN para a realização de uma chamada. São abordados os casos de chamadas realizadas nos modos

Leia mais

Revisão de Literatura

Revisão de Literatura Revisão de Literatura VoIP é um conjunto de tecnologias que usa a Internet ou as redes IP privadas para a comunicação de Voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. A telefonia

Leia mais

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway LGW4000 é um Media Gateway desenvolvido pela Labcom Sistemas que permite a integração entre

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

A CONVERGÊNCIA DE DADOS E VOZ NA PRÓXIMA GERAÇÃO DE REDES. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

A CONVERGÊNCIA DE DADOS E VOZ NA PRÓXIMA GERAÇÃO DE REDES. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com A CONVERGÊNCIA DE DADOS E VOZ NA PRÓXIMA GERAÇÃO DE REDES Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução A convergência, atualmente um dos temas mais discutidos na indústria de redes,

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP)

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP) Mobilidade na camada de Aplicação usando o Session Initiation Protocol (SIP) Referências: RFC 3261, IETF SIP Working Group http://www.radvision.com www.cs.columbia.edu/hgs/ www.networkcomputing.com Introdução

Leia mais

Contato FreeBSD Brasil LTDA Configuração VoIP de Exemplo FreeBSD Brasil LTDA Instrucões Conf VoIP Versão 1.1 PUBLICO pg 1/22

Contato FreeBSD Brasil LTDA Configuração VoIP de Exemplo FreeBSD Brasil LTDA Instrucões Conf VoIP Versão 1.1 PUBLICO pg 1/22 Contato Instrucões Conf VoIP Versão 1.1 pg 1/22 CLASSIFICAÇÃO: X NÃO CLASSIFICADO NÃO CLASSIFICADO PRIVADO X PÚBLICO SECRETO PARTICULAR ALTAMENTE SECRETO PRIVADO Contato Instrucões Conf VoIP Versão 1.1

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

2 Arquitetura do UMTS

2 Arquitetura do UMTS 2 Arquitetura do UMTS Este capítulo apresenta a arquitetura física do UMTS, com a descrição de todos os seus componentes. Em seguida é analisada a arquitetura de protocolos, com a apresentação das principais

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Redes de Nova Geração (NGN) O Desafio para a Regulação

Redes de Nova Geração (NGN) O Desafio para a Regulação Redes de Nova Geração (NGN) O Desafio para a Regulação Índice Interfaces e Interligação Obrigações legais Numeração, Nomes e Endereçamento 2 Interfaces e Interligação Modelo de Evolução da Interligação

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114

Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114 Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114 20 de Dezembro de 2014 Serviços de Comunicações Conteúdo 1 Introdução 2 2 Contextualização 3 2.1 PBX...................................

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

1 Introdução 1.1. Contexto Atual

1 Introdução 1.1. Contexto Atual 1 Introdução 1.1. Contexto Atual Recentemente, o mercado de telecomunicações mundial tem enfrentado muitos dilemas. Como reduzir os custos, aumentar as receitas com novos serviços e manter a base de assinantes

Leia mais

Videoconferência: H.323 versus SIP

Videoconferência: H.323 versus SIP Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Manual básico de configuração. ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T

Manual básico de configuração. ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T Manual básico de configuração ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T Índice 1 Objetivo deste documento... 3 2 Entendendo o que é um ATA... 3 3 Quando utilizar o ATA... 4 4 Requisitos

Leia mais

Modelo de configuração do PBX IP Asterisk 1. Configurando o arquivo sip.conf Exemplo de configuração:

Modelo de configuração do PBX IP Asterisk 1. Configurando o arquivo sip.conf Exemplo de configuração: Modelo de configuração do PBX IP Asterisk 1. Configurando o arquivo sip.conf Usuário: LOGIN Senha: SENHA Porta padrão de registro: 5060 Codec G729a SIP Servers: sip1.directdial.c om.br / sip2.direcdial.com.br

Leia mais

Construindo a rede da próxima geração: Da rede de hoje para o futuro

Construindo a rede da próxima geração: Da rede de hoje para o futuro Construindo a rede da próxima geração: Da rede de hoje para o futuro Introdução Enquanto as pessoas estão comentando sobre as redes da próxima geração (NGN) e o subsistema IP multimídia (IMS), talvez seja

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Web Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Agentes de usuário para a Web (browsers) Servidores Web Protocolo de transferência de hipertexto (HyperText Transfer Protocol HTTP) Web

Leia mais

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA Caio Fernandes Gabi cfgabi@hotmail.com Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba IFPB Av. 1º de Maio, nº. 720,

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Comparativo de soluções para comunicação unificada

Comparativo de soluções para comunicação unificada Comparativo de soluções para comunicação unificada Bruno Mathies Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 Resumo Este artigo tem com objetivo

Leia mais

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva 1 Participantes * Cláudio Rodrigues Muniz da Silva DCO / UFRN; * Fabiano André de Sousa Mendonça DPUB / UFRN; * Lívio Peixoto do Nascimento

Leia mais

PROPOSTA DE UMA FUNÇÃO DE CONTROLE DE GATEWAY DE BORDA COM TECNOLOGIAS DE CÓDIGO ABERTO

PROPOSTA DE UMA FUNÇÃO DE CONTROLE DE GATEWAY DE BORDA COM TECNOLOGIAS DE CÓDIGO ABERTO PROPOSTA DE UMA FUNÇÃO DE CONTROLE DE GATEWAY DE BORDA COM TECNOLOGIAS DE CÓDIGO ABERTO Müller Fernandes da Silva, Luiz Claudio Theodoro Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica,

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

Cursos que leciono: 450/451 Cursos da formação (Modalidade Presencial). 442 Construindo PABX IP com asterisk na prática (Modalidade Presencial).

Cursos que leciono: 450/451 Cursos da formação (Modalidade Presencial). 442 Construindo PABX IP com asterisk na prática (Modalidade Presencial). www.4linux.com.br 2 / 25 Apresentação Anderson Julio Trabalho 7 anos com Linux e 2 anos com Asterisk. Certificações: LPI nível 1. Cursos que leciono: 450/451 Cursos da formação (Modalidade Presencial).

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 21: 06 de julho de 2010 1 2 3 (RFC 959) Sumário Aplicação de transferência de arquivos de/para um host remoto O usuário deve prover login/senha O usa duas conexões TCP em

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Nível de Aplicação Responsável por interafir com os níveis inferiores de uma arquitetura de protocolos de forma a disponibilizar

Leia mais

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Função A camada de Transporte fica entre as camadas de nível de aplicação (camadas 5 a 7) e as de nível físico

Leia mais

Asterisk MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES EEC0048 SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES 2014/2015

Asterisk MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES EEC0048 SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES 2014/2015 MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES EEC0048 SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES 2014/2015 RELATÓRIO DO TRABALHO PRÁTICO FINAL Asterisk PEDRO DE SERPA CAIANO ROCHA GONÇALVES TIAGO DOS

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Criado em 1974 Protocolo mais utilizado em redes locais Protocolo utilizado na Internet Possui arquitetura aberta Qualquer fabricante pode adotar a sua

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição geral

Serviço fone@rnp: descrição geral Serviço fone@rnp: descrição geral Este documento descreve o serviço de Voz sobre IP da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa. RNP/REF/0347 Versão Final Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Benefícios

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 Características Protocolos Interface de Rede Características das Chamadas Codecs Instalação Física Configuração Acessando o ATA pela primeira vez Modificações a

Leia mais

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo Brasília, 09 de Maio de 2012 Tecnologia Voip VoIP (Voice over Internet

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

Redes de Computadores - Capitulo II 2013. prof. Ricardo de Macedo 1 ISO INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDZATION

Redes de Computadores - Capitulo II 2013. prof. Ricardo de Macedo 1 ISO INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDZATION Capitulo 2 Prof. Ricardo de Macedo ISO INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDZATION Organização Internacional para Padronização. Definição de um padrão de interoperabilidade. Modelo OSI OSI OPEN SYSTEM

Leia mais

Relatório Asterisk. Pedro Brito 100503279

Relatório Asterisk. Pedro Brito 100503279 Relatório Asterisk Unidade Curricular: SCOM Ano Letivo: 2014/2015 Docente: João Manuel Couto das Neves Alunos: Diogo Guimarães 100503158 Pedro Brito 100503279 Índice Introdução... 2 Instalação e Configuração

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System

BlackBerry Mobile Voice System BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 2 Testes de verificação SWD-980801-0125102730-012 Conteúdo 1 Visão geral... 4 2 Tipos de telefones e contas de usuário... 5 3 Verificando a instalação

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP

SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP Jeremias Neves da Silva 1 RESUMO Este artigo traz uma forma simplificada para a compreensão de todos os que desejam conhecer um pouco mais sobre segurança em protocolos SIP,

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Sistema M75S. Sistema de comunicação convergente

Sistema M75S. Sistema de comunicação convergente Sistema M75S Sistema de comunicação convergente O sistema M75S fabricado pela MONYTEL foi desenvolvido como uma solução convergente para sistemas de telecomunicações. Com ele, sua empresa tem controle

Leia mais

www.smartptt.com.br e-mail: info@smartptt.com.br O SOFTWARE MOTORBO Suporte: e-mail: suporte@smartptt.com.br Suporte: Fone: +55 11 2914-3040

www.smartptt.com.br e-mail: info@smartptt.com.br O SOFTWARE MOTORBO Suporte: e-mail: suporte@smartptt.com.br Suporte: Fone: +55 11 2914-3040 O SOFTWARE MOTORBO Um sistema de controle de comunicações moderno não é composto apenas de hardware. Atualmente, software tem papel primordial. Com ele, é possível extrair todo o potencial disponibilizado

Leia mais

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA 1. Implantação de Sistema de Call Center 1.1. O software para o Call Center deverá ser instalado em servidor com sistema operacional Windows (preferencialmente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

INTERNET CONCEITOS. Internet é a "grande rede mundial de computadores"

INTERNET CONCEITOS. Internet é a grande rede mundial de computadores INTERNET CONCEITOS O que é Internet Estamos acostumados a ouvir que Internet é a "grande rede mundial de computadores" Entretanto, essa definição não é muito simplista. Na realidade, Ela é uma coleção

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais