Feliz Natal e Próspero Ano Novo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Feliz Natal e Próspero Ano Novo"

Transcrição

1 DEZEMBRO Publicação Trimestral do COLÉGIO MANUEL BERNARDES 72 FUNDADO A 6 DE ABRIL DE 1938 ANOS Director: Câmara Pereira Dezembro 2010 N.º 77 ANO LXXI (2.ª Série) Feliz Natal e Próspero Ano Novo Meus caros amigos, O vosso jornal NOVA FLORESTA muda, a partir de hoje, de Director e não é pelas melhores razões. O Senhor Dr. Ângelo Raposo, figura mítica do nosso Colégio, encontra-se bastante doente há já algum tempo e, por esta razão, não pode continuar a dar o seu apoio ao jornal. Assim, a Administração do Colégio endereçou-me o convite de o substituir no cargo, convite esse aceite de imediato, uma vez que, como antigo aluno e membro da Administração, não me podia negar a fazê-lo. Não quero, porém, deixar de prestar a minha homenagem ao Sr. Dr. Raposo, do qual tenho a honra de ter sido aluno e de lhe enviar os meus desejos de melhoras, bem como lhe agradecer, em nome do Colégio em geral e da Administração em particular, tudo o que fez em prol da Instituição Manuel Bernardes. Gostaria, também, de enviar uma pequena mensagem de agradecimento a todos que têm colaborado, ao longo destes anos, com o Nova Floresta, especialmente ao Sr. Amaro, ao Sr. Director Pedagógico e aos Srs. Professores e Alunos. Estas colaborações têm feito do nosso jornal o que ele é hoje. Estarei sempre ao vosso dispor, para que a publicação se mantenha um elemento de referência e um elo de ligação entre a comunidade educativa corpo docente, alunos, trabalhadores e encarregados do de educação. Como se está aproximar a época natalícia, gostaria de vos enviar os meus sinceros votos de um Santo Natal, com muita saúde e todo o sucesso para as vossas vidas Um abraço amigo José António da Camara Pereira Gonçalves Que este Natal traga a esperança de um mundo melhor são os votos da Administração/Direcção do Colégio Manuel Bernardes a toda a comunidade educativa e restantes amigos. O sinal da porta lembra a responsabilidade de todo o crente quando este atravessa o seu limiar. Passar por aquela porta significa confessar que Jesus Cristo é o Senhor, revigorando a fé n Ele para viver a vida nova que nos deu. É uma decisão que supõe a liberdade de escolher e ao mesmo tempo a coragem de abandonar alguma coisa, na certeza de adquirir a vida divina (cf. Mt 13, 44-46). (João Paulo II, Incarnationis mysterium, n. 3) Natal, abrir a porta a Jesus Nós, os cristãos, não podemos fechar os olhos a este ambiente laicista que parece decidido a fazer desaparecer tudo o que é cristão da nossa cultura. Contudo, não podemos esquecer a nossa parte de culpa. Nós próprios fizemos do Natal uma festa pagã. É preciso que, ao chegarmos a este dia, meditemos com sinceridade no significado que o Nascimento do Salvador tem para nós. Jesus nasce na pobreza e no abandono. N Ele Deus aproximase da nossa história e oferece-nos o Seu amor e misericórdia. Em Jesus, a nossa humanidade sabese inundada pelo mistério de Deus, pela Sua Luz, pela Sua bondade. Celebrar este dia é proclamar que ainda é possível a esperança. É a ocasião para a «grande mudança» como diziam os Padres da Igreja. Deus faz-se homem para que o homem possa participar na própria vida de Deus. O Senhor faz-se escravo para que o escravo possa chegar a converter-se no Seu Senhor. No Natal, escutamos a mensagem do anjo, no Evangelho de (Continua na pág. 2)

2 2 DEZEMBRO 2010 Natal, abrir a porta a Jesus (Continuação da pág. 1) Lucas: «Hoje, ( ) nasceu-vos um Salvador: o Messias, o Senhor». Recebamos esta mensagem no nosso coração. O que nasce é o Salvador. É um de nós Comparte a nossa sorte e conhece os nossos caminhos Sabe lidar com a pobreza Pode guiar-nos! Ao seguirmos os Seus passos, sabemos que somos salvos do egoísmo e da «doença», da nossa mudez, do nosso consumismo e do nosso desvario. Jesus é o Messias. É o enviado por Deus. As Suas palavras nascem do próprio Deus, por isso estão cheias de vida e de verdade. As suas acções tornam evidente a compaixão de Deus para com os pobres e os marginalizados. Ao Menino de Belém reconhecemo-lo como o Senhor. Com efeito, Ele é mais que um profeta. Comparte connosco a humanidade mais genuína e comparte com Deus a glória que nos ilumina e nos diviniza. Ele é o Senhor da nossa existência. Ele vem visitar-nos, dando especial atenção aos atribulados e derrotados, para que ninguém desista da vida, mesmo perante as tribulações e as derrotas da história. Por isso, mesmo sofrendo, ou curvados sobre o peso das derrotas da nossa história, temos de estar vigilantes para O acolher; temos de mudar algo ou tudo para que este encontro aconteça em nós; temos de olhar bem para perceber os sinais da Sua presença e do que quer realizar na nossa vida; enfim, temos de confiar porque é Ele que sempre nos procura «Olha que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, Eu entrarei em sua casa e cearei com ele e ele comigo» (Ap. 3, 20). É um dos versículos mais belos da Bíblia. É uma experiência única e profundamente misteriosa. É feliz aquele a quem Jesus bate à porta do seu coração. Sim, é pela «porta» do coração que entra Cristo e dá a salvação ao homem. É no coração que se celebra o «banquete» que sacia a fome da Vida em abundância e se transforma a história em festa verdadeira. Assim, a Boa-Nova já não será só algo que se diz ou ouve, algo que se transmite ou recebe; mas será Alguém que nos ama e que ardentemente deseja celebrar o seu amor connosco. Por isso, neste Natal, abre a porta da tua vida e do teu coração a Jesus. Num mundo que o ignora e persegue, não podemos calar esta Boa-nova: Jesus é o Senhor e a nossa história foi redimida para sempre pela humilde ternura que nasce para a nossa salvação e a nossa glória. «Significa isto que o Evangelho não é apenas uma comunicação de realidades que se podem saber, mas uma comunicação que gera factos e muda a vida. A porta tenebrosa do tempo, do futuro, foi aberta de par em par. Quem tem esperança, vive diversamente; foi-lhe dada uma vida nova.» (Spe Salvi 2) Por isso, alegraivos. Alegrai-vos! Nasceu-nos hoje um Salvador! Pequeno, pobre, humilde. Grande lição! Quando os grandes da terra procuram o poder, a riqueza, a importância Tu, Senhor nasces num «curral», na situação de pobreza em que tantas pessoas, ainda hoje, vivem sem esperança de vida melhor. Alegrai-vos porque o Senhor veio ao nosso coração. Deu-nos o seu amor e perdão, abriu-nos ao próximo, Nasceu! É festa. Festa porque hoje o mundo está um pouco melhor. Quantos acolhem, partilham, ajudam, celebram!... Senhor, ajuda a que nos abramos ao Teu AMOR para que continuemos a viver Natal todos os dias..que o Deus Menino traga a todos a força e a coragem para cada um ser fiel à sua vocação e missão. Um Santo Natal para todos. P. António Tavares Bom Natal Peter Singer, em Practical Ethics diz-nos que: Se estivermos à procura de um objectivo mais abrangente do que os nossos interesses, algo que nos permitirá interpretar as nossas vidas como possuindo um significado para além dos estreitos limites dos nossos próprios estados de consciência, uma solução óbvia é adoptar o ponto de vista ético. Este ponto de vista ético...exige ir além de uma perspectiva pessoal até ao ponto de vista de um espectador imparcial. (...) É transcender as nossas preocupações egocêntricas e identificarmo-nos com o ponto de vista mais objectivo possível (...) O ponto de vista do Universo; Esta é uma época especial, é certo; é o momento do nascimento, da ascensão e de olhar o amanhã com a esperança e a credulidade da criança que olha para o mundo e se deixa surpreender. Surpreender com o mundo em redor, mágico e fantástico, que não compreende - mas também que, naturalmente, não se preocupa em questionar profundamente Foi numa noite gelada e húmida de Novembro, depois de uma extenuante jornada de trabalho e aulas, que centenas de alunos e respectivas famílias estiveram no colégio para participar numa sessão nocturna de observação astronómica, com recurso a 3 telescópios pelos quais os participantes puderam observar corpos celestes que antes só tinham visto ampliados em fotografia. Os benefícios pedagógicos da actividade são evidentes, os conteúdos científicos abordados têm a maior relevância mas o facto que mais surpreendeu foi a enorme adesão à iniciativa. O que terá levado quase 400 pais, alunos e professores a vencerem o frio e humidade da noite de 15 de Novembro, comparecendo no colégio durante a noite? Afinal tratou-se de uma actividade facultativa, completamente livre, onde não haviam faltas para quem não comparecesse, onde só ia quem queria. A resposta a esta questão só pode residir no interesse pela Ciência, na capacidade de entrega de professores/educadores e na abnegação com que os pais dos nossos alunos se dedicam à tarefa de ensinar e educar. É em actividades como esta que se pode comprovar a enorme vitalidade do nosso Colégio, vivido com entrega e paixão por todos os elementos da nossa comunidade. A sessão de observação tinha como público alvo os 4º, 7º e 10º - o que o leva a gostar de estar com os amigos e colegas, qual a causa da fruição dos momentos singulares com a família, cujas recordações perdurarão ( vos garanto) para toda a vida, ou seja, o que o impulsiona para estar e fazer o que mais gosta, sem saber a sua causa, a sua origem. Tal como Dickens nos relata em Um Conto de Natal, a visita às nossas memórias é um exercício praticamente inato, visceral, próprio do ser humano, que almeja uma releitura dos nossos actos e que nos abre, verdadeiramente, outras direcções no vasto campo de possibilidades da acção humana. Ser capaz de coligir o melhor e o pior que fizemos no passado, realizar a síntese desses momentos e partir para uma realidade nova. É também o momento da reconciliação, connosco e com os outros, fortalecendo os laços de amizade e filiação, ou reconectando ligações e afectos que nos fazem, de nós Homens, animais de uma outra espécie, talvez tão diferente das restantes. Voltamos pois, a Singer e seu ao ponto de vista; num período conturbado como é o nosso presente, qual o valor das nossas experiências, se não o de nos trazer a sabedoria Há estrelas e planetas no céu ano, juntamente com as respectivas famílias. Esta escolha foi feita com base no facto de, nesses anos, serem leccionados conteúdos de astronomia. A divulgação cingiu-se a essas turmas, mas a informação rapidamente passou aos outros anos de escolaridade, dando-se uma passagem activa dessa informação (mais um sinal da vitalidade da instituição). Na sessão apareceram funcionários não-docentes, professores, membros da administração e Director Pedagógico, até ex-alunos, mas os primeiros a marcar presença foram alguns alunos de 1ºciclo, que permaneceram no colégio desde o final das aulas! Começamos por fazer observação da Lua a ampliações moderadas num primeiro telescópio, seguindo-se a observação de Júpiter e seus satélites. Nessa altura, na hora combinada para o início da sessão, 19h30, encontravam-se já mais de uma centena de pessoas a participar nas observações e assim foi até ao final da sessão que se prolongou para além do inicialmente previsto, pela chegada constante de pessoas. Com o avançar da noite a ampliação nos telescópios aumentou e pudemos observar as bandas de nuvens em Júpiter, as crateras Copernicus e Tycho na Lua, tendo esta última a curiosidade de ter sido criada à apenas 100 milhões de anos e de poder estar associada à extinção dos dinossauros na Terra. A sessão e o conhecimento para nos religarmos ao mundo? Não apenas pela vontade e desejo, mas pela iniciativa práxica, de ajudarmos aquele que está ali mesmo ao nosso lado. É, também, o momento de nos reunirmos, simbolicamente, em volta da Luz, na consciência de um corpo colectivo, que nós somos apenas uma parte. A coesão de uma comunidade depende desta visão conjunta, de uma unidade somática (da cidade), cujo equilíbrio está dependente das acções, individuais e colectivas. Este é um apelo de sempre, claro está, mas que se eleva num momento particular da História na nossa narrativa nacional. Se, para nós, o Natal é símbolo de família, de reunião, de afecto, que o seja no sentido universal do termo, de Dádiva; não como mera simbologia material, mas daquilo que a própria noção evoca: O descentramento da nossa individualidade e a entrega ao Outro, daquilo que, maximamente, e num tempo tão verdadeiramente necessário, podemos solidariamente: nós mesmos e, assim, assumir o ponto de vista do Universo. Bom Natal! foi concluída observado o enxame estelar das Pleiades e uma estrela dupla, conhecida pelo nome Albireo. À vista desarmada Albireo parece uma simples estrela mas com um telescópio constatou-se que se tratam de 2 estrelas próximas de cores diferentes, provando que as estrelas têm cor. Para o sucesso da iniciativa muito contribuíram alunos voluntários de 11ºano, que se mostraram incansáveis como monitores que operavam os telescópios e que auxiliaram a montagem e desmontagem do material. Não se pode menosprezar a abertura e apoio à iniciativa por parte do Director Pedagógico e da Administração do Colégio que acarinhou a ideia e facultou a logística de abertura de portas num horário muito alargado. Para terminar gostaria de dar uma palavra de agradecimento ao astrónomo Mário Ramos que deu um apoio importante, com a sua presença desinteressada no evento que terminou já depois das 22h e com +7ºC de temperatura. Natal solidário Este ano entregamos a receita da venda destes postais ao SERVIÇO DE PEDIATRIA DO INSTI- TUTO PORTUGUES DE ONCOLOGIA As crianças agradecem. Nós também.

3 DEZEMBRO O que é o Pão por Deus? A tradição do Pão por Deus remonta a altura em que houve um terramoto em Lisboa a 1 de Novembro de 1755 e, em consequência disto, houve muita pobreza e necessidade de pedir. A partir daí, todos os anos no dia 1 de Novembro normalmente as pessoas punham as mesas com o que tinham em casa (comida e bebida) e, quando chegavam os pobres, entravam e comiam à vontade e à saída ainda lhes davam mais alguma coisa. Em Portugal no dia de Todos os Santos, de manhã bem cedinho, as crianças saem à rua em pequenos grupos para pedir o "Pão por Deus". Passeiam assim por toda a povoação e ao fim da manhã voltam com os seus sacos de pano cheios de romãs, maçãs, doces, bolachas, rebuçados, chocolates, castanhas, broas, nozes e, às vezes, até dinheiro! É costume os padrinhos oferecerem um bolo, o Santoro, aos seus afilhados no Dia de Todos os Santos! Hoje já só pedem as crianças para não se perder a tradição. E mesmo assim, só nas terras mais pequenas. É costume neste dia as pessoas confeccionarem broas para comerem e darem. Educadora: Isabel Lucas O início de mais um Ano Lectivo!... Setembro chegou...e com ele um novo grupo de crianças iniciam um percurso de crescimento / aprendizagem, partindo à descoberta. Assim, exploram o espaço, criam novas amizades e experimentam muitas actividades. Pintam com as mãos e os pés, formando com eles imagens suas conhecidas, colam folhas secas das árvores e outros materiais, fazem o Pão por Deus e festejam o S.Martinho. Também na sala exploram as áreas existentes e fazem construções, expressando assim a sua criatividade. Educador: Isabel Lucas A importância das visitas de estudo no processo da aprendizagem É apanágio do nosso colégio, proporcionar que seus alunos participem em várias visitas de estudo a locais diversos, muitos deles de difícil acesso a título individual. A pré-escola não é exceção. Desde os 3 anos de idade, altura em que ingressam no colégio, os nossos pequeninos têm oportunidade de visitar locais e praticar atividades que, fora das salas da infantil, os põem em contacto com o mundo real. Criteriosamente escolhidas pelas educadoras, de acordo com as matérias que estão a ser abordadas, as visitas de estudo surgem como complemento e/ou consolidação daquilo que se está a aprender e são, por norma, atividades recebidas com enorme entusiasmo e euforia por todas as crianças. Mas qual será a verdadeira importância das visitas de estudo no processo da aprendizagem de uma criança? Sabe-se que a criança aprende com a exploração do mundo que a rodeia. É interagindo, agindo, vendo, experimentando e descobrindo, que forma o seu pensamento sobre todas as coisas e compreende como tudo acontece e porque acontece. Assim sendo e para que o processo de aprendizagem decorra com sucesso, devemos proporcionar-lhe situações que lhe estimulem a capacidade de observar, a curiosidade de saber, a atitude crítica e a vontade de experimentar. As visitas de estudo são um excelente ponto de partida para levar a criança a observar in loco, a questionar, a experimentar e a criticar; são uma forte contribuição para a sua formação social e pessoal promovendo a sua independência, autonomia, sentido de cidadania, espírito crítico e auto-estima; são um meio natural para que desenvolvam a forma como se expressa e comunica, através da relação do seu eu com o meio envolvente, da linguagem verbal e não verbal, de várias formas de expressão e do uso do faz de conta ; são o melhor método para que conheça o mundo, com as respostas que obtém à sua curiosidade natural e ao seu desejo de saber porquê. As visitas de estudo contribuem para melhorar a aprendizagem das crianças e a sua relação com a realidade, fomentando a socializa- ção, cooperação, responsabilização e motivação. Por outro lado, em contacto directo com o meio, desenvolvem o espírito de investigação, observação, argumentação e conclusão. Ao visitar uma fábrica, um museu ou qualquer outra realidade, as crianças despertam para tudo o que têm à sua volta e ao seu dispor. Cabe-nos depois a nós mostrar-lhes que tudo isso pode ser utilizado, de forma responsável, na sua construção e crescimento enquanto seres humanos pertencentes a uma sociedade em permanente transformação. Quanto mais informação armazenarem, melhor e mais humana e conscientemente farão as suas escolhas, mais vasto será o seu leque de oportunidades, mais armas terão para vencer na vida! Melhor que muitos ensinamentos, mais eficaz que muitas palavras, presenciar acontecimentos e vivenciar experiências é o caminho mais rápido para que a criança aprenda aquilo de que vai necessitar para ser um adulto criativo, cívico, capaz de responder a qualquer desafio, de enfrentar qualquer dificuldade e de aproveitar da melhor forma qualquer sucesso. Partindo de todos estes pressupostos as crianças da turma E, 4 anos, da pré-escola, durante o presente ano lectivo, já visitaram o Museu do Teatro, o Metropolitano de Lisboa, ao Parque dos Moinhos de Santana, foram ao teatro e interagiram com um vendedor de castanhas. Muitas outras visitas estão programadas e irão acontecer ao sabor das matérias que forem surgindo na sala de aulas. Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico Ana Fernandes, educadora dos 4 anos Sítio do Picapau Amarelo Fomos ao Teatro Politeama ver o SÍTIO DO PICAPAU AMARELO! Gostámos de todas as personagens, estava muito bonito e todos tinham roupas lindas. As mais bonitas foram a Bruxa Cuca e a Sereia!... Meninos da Turma B 5 Anos Dia 11 de Novembro Dia de S. Martinho - Neste dia fomos ao Colégio dos crescidos! - Estavam lá os assadores com o carrinho a assar castanhas! - Comemos as castanhas quentinhas e que boas estavam Meninos da Turma B 5 Anos

4 4 DEZEMBRO 2010

5 DEZEMBRO QUADRO DE HONRA Saudação do Director Em nome da Administração, do competente corpo docente e dos demais funcionários do Colégio Manuel Bernardes, saúdo todos os presentes e particularmente os alunos, razão de ser desta cerimónia do Quadro de Honra. Hoje celebramos o (vosso) sucesso dos nossos alunos. Celebramos o trabalho realizado durante o ano lectivo passado, para que fique na nossa memória o reconhecimento do esforço, do trabalho que vos levou a alcançar metas a que se propuseram. Mas, que de que trabalho se trata quando mencionamos o percurso realizado pelos alunos? Referimos a memorização de conteúdos, os puros resultados académicos, mobilizados pelo saber científico, avaliados apenas em alguns momentos ao longo do ano, ou estamos a caracterizar algo mais abrangente, uma concepção universal ou universalizante do labor dos nossos alunos? Fala-se, pois, do Bom Trabalho. Esta designação tem três significados passíveis de traduzir o termo Bom : - Poderá signifcar a excelência em qualidade, um trabalho altamente disciplinado. - Poderá significar a responsibilidade já que se traduz em cumprimento dos compromissos assumidos e considerar as suas implicações para a comunidade mais ampla no meio em que se encontra. - Poderá, finalmente, significar que é cativante que é algo que nos dá satisfação e que, mesmo que difícil ou que obrigue a um esforço considerável. Neste sentido, a missão dos educadores é preparar os jovens para uma vida marcada pelo bom trabalho, de forma a que se possam sentir estimulados e manter essa qualidade num mundo laboral, em prol da sociedade. Encontramo-nos, assim, numa acepção que valoriza o desempenho excelente, cativante e, em última análise, ético. É, talvez, este último, que merece a nossa atenção, pelas suas implicações no modo como se encara e interpreta o universo educativo, com particular atenção aos nossos alunos. Esta mente ética, como H Gardner designou, é essencial na formação de alunos comprometidos com o seu projecto de vida, do qual resultará o papel enquanto cidadão. A estrutura desta orientação ética inicia-se no seio familiar. As crianças observam atentamente os seus pais quando estes tomam decisões sobre aspectos do diaa-dia. Observam se os pais têm orgulho no seu trabalho, como falam dos seus superiores ou colegas, se o trabalho é apenas um meio desagradável de obter rendimento ou se possui um significado intrínseco. Os valores religiosos, incorporados e defendidos abertamente, também são estímulos importantes. Observam o divertimento dos seus pais, se respeitam as regras de um jogo, se o seu objectivo é apenas a vitória ou se tem um valor próprio para si mesmos, independentemente de quem ganha ou perde. Analisam o comportamento dos seus pais enquanto cidadãos: falam e discutem sobre comunidade: Pretendem melhorar a sociedade, participam voluntariamente ou a motivação (deles) é individual e o seu envolvimento destina-se apenas à concretização de objectivos particulares? Os adultos fora de casa também exercem influência e são escrutinados da mesma forma. Quando os jovens projectam sobre o seu futuro profissional, prestam atenção particular aos adultos que exercem um trabalho que está no seu horizonte de pretensões. Quer estejam ou não conscientes disso, estes adultos são modelos realistas, ou seja, transmitem as crenças, aspirações, comportamentos de quem ocupa tais profissões. Por outro lado, os pares, os colegas. Desde cedo, as crianças convivem com outras que partilham aproximadamente a mesma idade. São fortemente influenciadas pelos comportamentos e crenças dos colegas, particularmente os que são vistos como os que têm mais prestígio, e/ou que têm mais poder. Como tal, todos os alunos que se encontram aqui hoje são modelos de referência para os demais colegas. Esta escolha de pares é particularmente importante na adolescência. È nesta altura que os jovens testam as diferentes opções de vida. É importante que estes grupos tenham uma consciência comunitária, que se dediquem aos estudos, ao serviço comunitário, cujas actividades tenham consequência na construção de uma sociedade melhor. Os pares são fundamentais, já que o seu sentido ético e os próprios modelos de comportamento podem ser afectados por comportamentos dúbios. Mesmo com estes factores, reunidos no sentido positivo todas as influências atrás descritas se exercerem na direcção do comportamento ético bem alinhado- é possível o desvio deste percurso. A vivência e a experiência de práticas impróprias que são toleradas por quem nos serve de modelo levam ao perigoso desvio de um comportamento ético e totalmente indesejável para o aluno trabalhador. É necessário estarmos atentos ao percurso das comunidades. Todas as sociedades modernas incorporam as virtudes da verdade, da integridade, da lealdade, da justiça; nenhuma apoia explicitamente a falsidade, desonestidade e a injustiça flagrante. O conhecimento não tem uso meramente académico; é indispensável para um olhar crítico ao nosso redor, para enriquecer o olhar sobre a realidade e possibilitar a recusa à imoralidade, ao laxismo, à indiferença. Mas tal conhecimento sem uma visão dos que estão à nossa volta, se perseguirmos apenas os nossos interesses pessoais, perde-se a orientação axiológica que sustenta verdadeiramente uma comunidade; J. Sacks, diz-nos que quanto tudo o que é importante pode ser comprado e vendido, quando os compromissos podem ser quebrados só porque já não nos são vantajosos(...), quando o nosso valor é medido em virtude de quanto ganhamos e gastamos, então (...) está-se a destruir as mesmas virtudes das quais todos dependemos a longo prazo. Assim, o bom trabalhador ou estudante está dependente da sua disposição em realizar um bom trabalho e a continuar a tentar alcançar esse objectivo perante uma situação difícil. Devemos enunciar (e fazer delas nossas também), então, as quatro directrizes de Gardner para alcançar este bom desempenho: 1. Missão Na escola, fora da escola, no trabalho, deve-se conseguir caracterizar, com clareza, o objectivo a alcançar nas suas actividades; sem esse conhecimento explícito dos seus propósitos, o mais certo é permanecer sem rumo ou caminhar em direcção ao incerto. 2. Modelos As referências, os exemplos são indispensáveis. Preferencialmente por via directa ou então através de textos, é necessário que os jovens tenham como fontes de influência comportamentais indivíduos que personificam o bom trabalho. Na ausência de tais referências, perdem-se os modos correctos de agir. E já que estamos todos sujeitos à auto-ilusão, é importante que estejamos ladeados por quem, pela sua experiência, sabedoria e conhecimento, nos possam ajudar a olhar com verdade e realidade, através da franqueza e sinceridade. 4. O espelho enquanto responsabilidade Mesmo que os nossos alunos estejam a realizar um excelente trabalho individualmente, é importante estabelecer o compromisso com os colegas, monitorizando o nosso trabalho e o deles, aceitando a crítica e criticando, responsável e honestamente. Como afirmou o dramaturgo Molière somos responsáveis não só pelo que fazemos, mas também pelo que não fazemos. O trabalho da Escola é adquirir um domínio do currículo, sejam as literacias básicas, as disciplinas mais importantes ou impulsionar o pensamento sintetizador e criativo. Na maioria das escolas, hoje em dia, a ênfase recai quase exclusivamente na obtenção da excelência nas actividades académicas. Mas, mais do que isso, a escola e os educadores podem ajudar a encontrar o caminho da mente ética; os alunos têm que compreender o porquê de estarem a aprender o que aprendem e como este conhecimento pode ser usado para fins construtivos. Enquanto discentes disciplinados, é o seu dever compreender o mundo. Mas o real alcance de tais aprendizagens é utilizar essa compreensão para melhorar a qualidade de vida e de subsistência e intervir quando essa compreensão ( ou não compreensão) tem um uso destrutivo. Daí, caros alunos, que se deva dizer que a construção de uma comunidade melhor irá depender do vosso esforço. Talvez, paradoxalmente, se o esforço que vos impulsiona a obter bons resultados for visto como um conhecimento que deve ser usado para fins construtivos e, desse empenho, obterem um prazer adicional ao trabalho escolar, considerando-o importante em si mesmo, então irão alcançar a verdadeira faceta do Bom Trabalho. 3. O espelho individual O bom trabalhador olha atentamente para o espelho e interroga-se sobre os métodos que utiliza para alcançar os resultados desejados... Mto Obrigado. Hugo Quinta Director Pedagógico

6 6 DEZEMBRO 2010 QUADRO DE HONRA Despedida Excelentíssima Administração, caros professores, funcionários, pais, colegas e a todos os que um dia honraram o nome desta casa. Hoje cabe-me a mim um dos papéis mais nobres que já desempenhei na minha vida. Dando a voz por aquela que foi provavelmente a minha segunda casa, pretendo transmitir um profundo agradecimento a todos os que traçaram o meu rumo e o de todos aqueles que hoje discursam juntamente comigo mas, acima de tudo, pretendo representar e falar em nome de todos vocês, caros colegas, porque no fundo o Colégio é feito por nós, somos nós que o pintamos tal como ele é e depois guardamos esse precioso desenho na nossa lembrança para a posteridade. Hoje quero-vos revelar um pouco desse meu desenho, no qual os momentos de felicidade se sobrepõem aos de tristeza. Todos nós nascemos inseridos num mundo sem qualquer tipo de conhecimento, sabedoria ou virtude. Ouso mesmo dizer que a única igualdade entre os seres reside no nascimento. Por conseguinte o nosso desenvolvimento leva-nos a percorrer determinados rumos, os quais nos conduzem à formação de uma personalidade e carácter próprios. E, de facto, é a consequente multiplicidade de identidades desenvolvidas com o crescimento que atribui cores tão variadas ao mundo. Ora este desenvolvimento ou esta construção, se assim o entenderem, não é nada mais, nada menos, que um aglomerado de histórias cuja maior ou menor importância fizeram e vão fazendo aquilo que hoje somos. A história que hoje vos conto tem a característica de ser comum a todos vós que, agora, sentados nas cadeiras onde eu e tantos outros alunos desta casa reflectiram ou simplesmente bocejaram com aquilo que vos é dito, me pedem para ser extenso, para não terem mais aulas hoje. Pois bem, o início da história e o seu fim têm um só nome: Colégio Manuel Bernardes. A fluidez, ou não, do meu discurso é travada aqui, uma vez que sou obrigado a deter-me no exacto momento em que tudo começou. Perdoem-me o devaneio, mas um dia perceberão o quão saboroso é recordar e lembrar os pequenos detalhes que hoje nos fazem grandes. Mas, continuando, foi precisamente num pequeno detalhe que tudo começou: entrando pela porta onde, quer fosse o Senhor Aníbal ou a Dona Rosa, a saudação matinal dava o mote para o dia começar em pleno. Depois chegava o toque, que tantas vezes ecoou nas nossas cabeças, revelando o início de uma nova etapa. Seguiam-se os primeiros burburinhos para a escolha de um chefe de turma, as paixões de um 5º ou 6º anos, os gritos masculinos para apanhar as balizas da quinta ou simplesmente para avisar quando o prefeito chegasse à porta da sala para não ficar de castigo, perdendo um precioso intervalo nas filas do bar. Porém, recuando um pouco, é preciso pegar na origem desses mesmos murmúrios e entender onde é que eles começaram. Tudo se iniciou do outro lado, onde os lápis de cor ou as canetas de feltro foram o nosso primeiro desafio, seguidos de desenhos, das letras e dos números. A pouco e pouco demos por nós a não pintar por fora das margens, a conseguir desenhar a cara de alguém, e depois foi um pulo até não darmos erros ortográficos ou a ter a alegria de chegar a uma conta de somar e obter o resultado acertado. Mais tarde o toque de entrada passou a ser mais grave, perdendo a timidez e a ingenuidade da infância e conduzindo-nos a um novo mundo, talvez o início do admirável mundo novo de cada um, em que as cores deixam de ser baças para ganharem uma nitidez que tem tanto de maravilhoso como de assustador. Era a Língua Portuguesa a deixar-nos adjectivar aquilo que é belo ou a verbalizar os nossos desejos, ouvindo os constantes pedidos da sempre querida professora Antonina, para que o Mostrengo entrasse para a nossa cabeça, era a Matemática a pôr ordem no universo, equacionando um mundo exacto e de probabilidades descrito nas centenas de fichas elaboradas pela estimada Professora Edwiges, não esquecendo nunca a ternura da professora Ana Palrão ou a calma do professor Pinheiro, era a História a revelar o passado e a desvendar mistérios testados nas 150 perguntas da professora Margarida Remédios ou no carisma do professor Menezes, era a Música pela mão da dócil professora Gilda Latino a dar-nos uma sensibilidade que hoje se tende a perder, era o Inglês a permitir-nos comunicar em qualquer parte do mundo com a autoridade e vocabulário indispensável da professora Cecília ou com a amizade da professora Fátima Silva. Seguia-se a Geografia, com a professora Ana Gonzalez a mostrar que o planeta é também feito por rios e oceanos, ou ainda o Francês pela mão do inconfundível professor João Branco, pela querida professora Odete ou mesmo pela sempre amiga professora Maria dos Anjos. Nunca esquecer a versatilidade dos professores Aureliano e Gil que introduziram as ciências em todas as componentes nas nossas vidas, ou ainda a parte artística da nossa adolescência, levada a cabo por professores como Saldanha, José Filipe, Susana ou Filipa, a par das lições informáticas pelo professor Freixo Nunes ou pela professora Paulete. Neste rumo, uma hora era sempre reservada para aprendermos que a nossa audácia se concentra nos valores que escolhemos para a nossa vida. Um bem-haja ao Professor Pedro César que, sendo um amigo, acompanhou todas as turmas do meu ano e, certamente, ninguém se esquecerá de conceitos como vocação, moral, ética ou aquilo que nos sustenta, o amor, tão bem ensinados por ele. Chegado a este ponto travo o meu texto, uma vez que fiquei sem tinta na caneta. Não querendo perder o impulso que levo e a vontade de continuar a ter o Colégio vivo no meu pensamento, rapidamente encontro

7 DEZEMBRO outra e prossigo. Sou obrigado a comparar esta minha atitude com aquela que tomei no meu nono ano. Altura de decisões, na medida em que precisamos de encontrar a alavanca certa, se ambicionamos um dia ser adultos, eu e certamente todos os meus companheiros, que hoje revisitam o Colégio, não quisemos perder esse impulso chamado Manuel Bernardes e tivemos a maturidade suficiente para decidir ficar, sabendo que a verdadeira alavanca estava aqui. Ficámos, ocupando mais uns quartos e salas deste autêntico lar. Aqui, algumas rotinas mudaram. Se uns andavam a vaguear pela História com a companhia das professoras Patrícia ou Cristina Mariano, outros perdiamse pelos números sob o comando da professora Luísa Latino, outros concentravam-se na matéria e na energia proveniente do carismático professor Carlos Bernardino ou pela querida professora Ana Cristina, seguindo-se aqueles que não temiam a crise e procuravam no inconfundível professor Ramos explicações que fizessem emergir um gestor. Tudo isto, seguido de perto pela nossa língua que nos lembrava o património cultural e a importância de saber escrever e falar através de um Eça de Queiroz ou de Pessoa. Quem não via um Alberto Caeiro na professora Sónia, ou um ortónimo na professora Maria João Carvalho, ou mesmo um Álvaro de Campos na professora Maria João Alves?! Paralelamente, o mote dado pelos romanos, mente sã num corpo são mantinha-se, ladeando a Filosofia que, a bem ou a mal, fosse com o professor Hugo Quintas, Luís Loia ou Gil, nos tornou melhores oradores; e a Educação Física onde nunca ninguém se esquecerá certamente da quinta ou do ginásio após tanto suor lá deixado. Um bem-haja ao professor Nuno, ao professor Eduardo, à professora Cátia, João Pedro ou Gonçalo. Por último, mas não menos importante, um obrigado muito especial a alguém que nos marcou profundamente, não só pela forma como aprofundou o inglês nas nossas vidas, mas também pelos seus conselhos e sugestões que fizeram de cada aula uma descoberta. Falo, obviamente, da professora Adélia. De facto foram todas estas aprendizagens que nos permitiram conhecer o mundo e, por conseguinte, engrandecer, tendo em conta que ninguém nasce na grandeza. E assim, fui destacando todos os criadores da nossa cultura, todos aqueles que, através da palavra, nos ensinaram a pensar, educando a nossa mente e os nossos valores. Falo dos professores e peço desculpa àqueles que não evoquei, mas o tempo que passei nesta casa não foi o suficiente para conhecer suficientemente todas as pessoas. Um muito obrigado a todos pela vossa dedicação! Dirijo da mesma forma um reconhecido agradecimento à administração do Colégio, que preza diariamente para que esta casa mantenha aquilo que de melhor tem e para que todos nos sintamos bem. Continuem a ser, numa analogia ao nosso hino, o farol guiando a gente na terra. De seguida, as minhas palavras são dirigidas a todos os funcionários e prefeitos que, directa ou indirectamente, contribuíram para o rumo que fui delineando ao longo deste discurso. Desde a Dona Judite ou o Senhor Amaro que velavam pelo silêncio na nossa estimada biblioteca, ao Stor Miguel com a sua voz inconfundível, à ordeira Stora Manuela, ao grande Stor Zé, às storas Natércia, Lurdes ou Galateia que, fazendo parte de uma geração de outras tantas pessoas como o stor Pedro Machado ou o Stor Fábio, ficarão para sempre guardadas no nosso pensamento. Da mesma forma, mas em especial, porque sentimos por ele uma multiplicidade de sentimentos dependendo da idade, fosse medo, terror inicialmente, mas logo trocados pela amizade e companheirismo nunca menosprezando o respeito de sempre. De facto ficou por falar alguém responsável por uma disciplina que, não sendo leccionada numa sala de aula, está sempre presente em cada corredor, em cada canto. Qual professor, ele tem o nome de Senhor Ramiro e para sempre a sua voz imponente, o seu sorriso, os seus avisos ou discursos a que nos habituámos, serão sempre uma referência para cada um de nós, como uma lembrança que jamais poderá ser apagada. Uma última, mas não menos importante palavra a todos os pais que desde sempre fizeram de tudo para que pudéssemos incluir na nossa curta história de vida o nome Colégio Manuel Bernardes. A todos um obrigado por compreenderem os nossos trabalhos de casa, por nos limparem os ténis, vindos da quinta, cheios de terra (agora isso já não acontece), por nos deixarem almoçar no largo do colégio, enfim por estarem aqui hoje com o intuito de nos aplaudir. Ainda a propósito da história, ela inevitavelmente tem como desfecho um décimo segundo ano que termina esse percurso e fecha um pedaço da nossa identidade. Porém, ao sair existem determinados hábitos que já não conseguimos evitar, determinadas ideias que nos foram incutidas, as quais defendemos para o resto das nossas vidas. Este é o motivo pelo qual o Colégio nunca é passado quando se sai, ele é presente e futuro. E acreditem, para vos contar esta história, confesso que voltei ao colégio, apenas para rever e recordar. Não deixem que a vossa história, a de cada um de vocês esmoreça, nunca percam esse pedaço de vocês, chamado Colégio Manuel Bernardes, porque no que toca a amizades criadas, a laços nascidos entre saltos, correrias, namoros, eles fizeram de nós aquilo que hoje somos. Mesmo os espaços que viram os nossos sorrisos e os nossos choros, fossem eles a quinta, palco de confrontos futebolísticos sempre com uma audiência feminina a quem tentávamos impressionar, ou os jardins onde nós rapazes teimávamos em ficar, apesar da proibição de o fazer, ou mesmo a sala de jogos ou a própria rádio que tantas dedicatórias transmitiu. Falo ainda dos cinemas ou dos chás dançantes nos últimos dias de aulas, ou nos incontornáveis arraiais, simbolizando uma das mais valiosas tradições do Colégio. Uma referência a todas as viagens que o Colégio sempre nos proporcionou, a partir do sétimo ano. A todas as outras, fossem as fantásticas idas a Paris com o professor João Branco e com a professora Helena Beja Lopes, ou mesmo as inesquecíveis estadias em Inglaterra, com a teacher Fátima Silva. E por fim, a viagem de finalistas. A qual merecia praticamente um capítulo do meu discurso, mas não o podendo fazer restame dizer que por uma semana Punta Cana tornou-se o Colégio Manuel Bernardes em tudo o que ele tem de melhor. Nós, alunos como mote, acompanhados não só pelo senhor Ramiro como pelo professor Luis Loia, demos uma volta pelo paraíso e ainda assim fomos capazes de lhe ensinar umas coisas que só o Colégio proporciona. Enfim perco-me nesta lista que revela mais mil sítios, eventos, acontecimentos neste colégio, mas há coisas que ficam para sempre nossas e cada aluno sabe onde se refugiar. Por isso mantenho-me vosso cúmplice e para me encontrar no meu texto, sou obrigado a escutar o toque da saída cuja inevitabilidade coloca um ponto final à história que vos contei. Quando ele acontecer a cada um de vós, guardem-no, bem guardado, porque um dia, como o faço hoje, vão ser capazes de o prolongar para se demorarem um pouco mais num qualquer corredor do Colégio. Neste pequeno prolongamento que permito a mim mesmo, encontro-me nos vossos rostos e digo-vos que não é preciso estudar muito para ser alguém. É preciso sim, saírem daqui conscientes da vossa identidade. Nós temos a sorte de a nossa ter um ponto em comum denominado Manuel Bernardes. E acreditem que esse é o ponto de partida para a audácia e para se ser original neste mundo. Cabe-vos a todos darem ou não continuidade à rampa que é este Colégio. Quanto a mim, é isso que agora vou fazer, indo a correr para uma aula de Direito, para a qual já estou atrasado. Muito obrigado! Até sempre! Guilherme Beja Lopes

8 8 DEZEMBRO 2010 O livro infantil A Sementinha na Lua O livro infantil A Sementinha na Lua, da autoria de Isabel Loureiro, com ilustrações de Norberto Nunes foi lançado no passado dia 22 de Outubro, a aventura foi no Colégio Manuel Bernardes. Cortei uma maçã em vários gomos. Dentro da maçã estavam oito sementes. Queres conhecer as histórias das oito sementinhas que cresceram dentro da maçã? O que terá acontecido a cada uma delas? Queres saber?... Visita aos laboratórios É sempre com grande entusiasmo que o 4ºC vai aos laboratórios do colégio aprender com os crescidos. Este ano já lá fomos 2 vezes! Os colegas mais velhos parecem mesmo professores! De bata branca, autênticos doutores, muito bem nos explicaram a matéria e connosco fizeram experiências. Obrigado a todos que nos fazem ficar mais sábios O 4º ano C participou no corta-mato do colégio. Com grande claque a apoiar os participantes, ficaram em 1º e 3º lugar a Maria Inês Morais e o Manuel Neve Problema Segue estas instruções cuidadosamente. Vais ter uma surpresa no fim. 1. Multiplica o número do teu mês de nascimento por 2. R:. 2. Soma 5 ao teu resultado. R:. 3. Multiplica por 50. R:. 4. Soma a tua idade ao resultado. R:. 5. Agora subtrai 250. R:. Surpresa! O resultado final tem no algarismo das centenas o teu mês de nascimento. Os dois últimos algarismos indicam a tua idade. Visita de Estudo No dia 22 de Novembro, eu fui a uma visita de estudo aos Moinhos de Maré de Corroios. Estes moinhos foram mandados construir há seiscentos anos por D. Nuno Alvares Pereira, são muito antigos. Quando chegámos, o monitor Luís e a monitora Madalena contaram-nos a história dos Moinhos de Maré de Corroios. A seguir fomos ver uma peça de teatro de fantoches. A peça teve alguns intervalos, um deles foi para peneirarmos a farinha. As mós do moinho só funcionavam com a maré-alta. Mexemos em vários tipos de farinha. Vimos um filme que mostrava como é que o moinho funcionava antigamente. No fim subimos para o primeiro andar e estivemos a pintar um livrinho que a monitora nos deu. Gostei muito desta visita de estudo. Às 6ª feiras o 4ºC vai ler histórias inventadas da Carochinha e do João Ratão ao 1ºB. Para nós, é muito bom podermos ler para os nossos amiguinhos e achamos que eles também gostam de nos ouvir. O 4º ano C quis partilhar com os colegas do 3ºB os conhecimentos que adquiriram, quando no ano passado foram ao centro de ciência viva de Constância. Com a nossa partilha, achámos que os colegas até foram mais motivados para a visita a Constância. É bom partilhar!

9 DEZEMBRO O Golfe O CMB tem mais uma oferta em termos de actividades extra curriculares O Golfe. Modalidade cada vez com maior visibilidade e olímpica em 2016, requer uma iniciação mais cedo do que aquela que estamos habituados. O Golfe é um desporto que promove um estilo de vida saudável, respeitando o ambiente e vivendo a natureza. Exige muita concentração e respeito pelos valores e ética desportiva. Apaixonante para quem o experimenta e vê a bola voar Actividade destinada prioritariamente aos alunos do 2º ciclo, pode funcionar também com alunos do 3º ciclo. Os responsáveis por esta actividade serão professores de Educação Física do Colégio, praticantes e com formação e experiência no seu ensino no meio escolar. CMB lidera Circuito sub-13 da ABL A equipa de Iniciados Femininos do CMB lidera sem derrotas o Circuito sub-13 da Associação de Basquetebol de Lisboa com 4 vitórias e 12 pontos.a próxima jornada realiza-se no dia 4 de Dezembro das 9 às 13h no Pav. Da Ajuda em Lisboa. José Costa Dias (Prof. Ed. Física) Corta mato CMB No passado dia 10 de Novembro de 2010, realizou-se o Corta-Mato do Colégio Manuel Bernardes, que decorreu durante a manhã, nos campos exteriores. INFANTIS A FEMININOS 2001 Maria Morais C 1º Rafaela Duarte B 2º Madalena Santos B 3º Este ano, participaram nesta prova cerca de 200 alunos, do1º ciclo, 2º ciclo, 3º ciclo e Secundário, sendo que os primeiros seis classificados de cada escalão foram apurados para o Corta-Mato de Lisboa. De seguida, serão apresentados os três primeiros classificados de cada escalão. INICIADOS FEMININOS /1996 Mariana Esteves 46 9B 1º Catarina Bajanca 177 9E 2º Ana Santos 551 8A 3º INFANTIS A MASCULINOS 2001 Vasco Matos B 1º Rafael Peralta E 2º Manuel Neves C 3º INFANTIS A FEMININOS 2000 Marta Ferreira 101 6E 1º Mariana Antunes 474 5A 2º Filipa cerveira 354 5D 3º INFANTIS A MASCULINOS 2000 Diogo Cabrita 433 5E 1º Francisco Ferraz 736 5B 2º João Correia 2 5A 3º INFANTIS B FEMININOS- 1999/98 Laura Manteigas 729 6B 1º Maria Estevão 708 6E 2º Constança Manteigas 730 6B 3º INFANTIS B MASCULINOS /98 Miguel Rodrigues 281 7B 1º Sebastião Dias 169 7A 2º Rodrigo Rosa 438 6B 3º INICIADOS MASCULINOS /96 Gonçalo Seabra 221 9A 1º Miguel Solano 192 9A 2º Miguel Silva 564 9C 3º JUVENIS FEMININOS /1994 Patrícia Marinho E 1º Marta Saraiva 60 11D 2º Rita Alvito D 3º JUVENIS MASCULINOS /1994 Rodrigo Batalha A 1º Gonçalo Fogaça B 2º Pedro Ventura A 3º JUNIORES FEMININOS E ANTES Ana Luísa Alvito B 1º Alexandra Paula B 2º Luisa Vieira A 3º O departamento de Educação Física

10 10 DEZEMBRO 2010 Matemática em acção no C.M.B. De há uns tempos a esta parte, a discussão em torno da Matemática tem-se acentuado, não no que diz respeito à sua importância ou ao seu lugar no ensino (cuja matéria nem sequer se questiona), mas sim quanto à forma de levar os alunos a adquirirem as competências necessárias no âmbito desta disciplina de forma a poderem aplicar tais competências num futuro próximo, no mundo laboral. Mais ainda: acentuou-se a discussão acerca do que se considera «necessário saber» em Matemática. O Ministério da Educação e as Universidades não se entendem: um quer apenas que os meninos saibam resolver expressões numéricas como =, com base em imagens, tarefas e actividades de investigação, materiais didácticos manipuláveis e computadores, que mostrem bem a diferença entre «uma unidade» e «duas unidades» e que, com base em ideologias motivacionais elaboradas, mostrem que é possível calcular e que se tem que = 3. As universidades limitam-se a exigir que os alunos saibam Matemática, o que vai um pouco mais além de calcular o valor numérico de Tudo isto levou à criação de um enorme fosso entre aquilo que um aluno comum «leva consigo» quando termina o 12º ano e aquilo que lhe é exigido que «traga consigo» quando chega a um curso superior. Uma determinada faixa de pensadores entende que as universidades exigem demais. Porém, penso que se compreende que a onda de facilitismo e de vinte e cinco de abrilização da Educação não leva a outro ponto senão à falta de rigor no trabalho e à quebra dos índices de qualidade dos serviços, em virtude da má preparação dos profissionais nas diversas áreas de serviço da sociedade. O Colégio Manuel Bernardes, compreendendo esta realidade, tem procurado remar contra a maré, não se deixando levar pelas ideologias facilitistas. Tem procurado ajudar os alunos a ultrapassar as suas dificuldades sem as retirar do seu caminho. Tem procurado levar os seus alunos a chegar onde é necessário e não apenas onde lhes dizem que é suficiente ou que basta por aqui. Assim sendo, ao fim de algum tempo de preparação, foi possível criar e desenvolver alguns projectos ao nível do Departamento de Matemática que vieram ajudar os alunos a percorrer esse tal caminho com obstáculos, cuja meta é o sucesso de os ultrapassar e não o aplainar da estrada. Deu-se início, como projecto pioneiro, ao «Projecto Pedro Nunes», que, em regime tutorial, leva os alunos a fazerem pequenas investigações sobre temas diversos da Matemática. Auxiliados de perto por um professor, pesquisam sobre um tema a seu gosto e podem ir além daquilo que é possível ser feito em sala de aula, promovendo o gosto pela Matemática, o espírito crítico e de investigação e aumentando as competências específicas da disciplina. Iniciámos o projecto com 13 alunos e, até agora, todos têm estado empenhados e satisfeitos. Está, também pela primeira vez, a ser leccionada uma disciplina extracurricular no 12º ano, designada por «Tópicos de Matemática Avançada», cujo objectivo é ajudar os alunos que têm frequência em Matemática A a prepararem melhor o seu acesso ao ensino superior, nomeadamente para cursos que estejam ligados às áreas da Matemática ou onde esta seja leccionada. Nesta disciplina, os alunos complementam os seus estudos nos que diz respeito às pontas que ficam por coser em Matemática A e são introduzidos em conteúdos de domínio pré-universitário, garantindo-lhes desde já alguns conhecimentos e algumas rotinas de nível superior. Por outro lado, o Departamento promoveu em Novembro, como vem sendo hábito, a participação dos alunos desde o 6º ano até ao 12º ano nas Olimpíadas Portuguesas da Matemática. Os alunos responderam positivamente (cerca de noventa) ao convite de participarem nesta prova. É de destacar que a prova foi aberta pela primeira vez aos 7º e 8º anos. Além disso, e à semelhança do ano anterior, o Departamento promove ainda o «Problema do Mês», iniciativa à qual têm correspondido diversos alunos. Destacamos a aluna Carolina Furtado, do 5º B, que venceu com todo o mérito o Problema do mês de Outubro, tendo sido congratulada com um «Certificado de Mérito» pelo seu desempenho na resolução do problema desse mês. Ainda que em Outubro não tivessem sido entregues resoluções correctas dos restantes problemas, foi positiva a adesão dos alunos a esta iniciativa. No fundo, nós, professores de Matemática do CMB, temos apenas procurado mostrar aos nossos alunos que a Matemática não é uma ciência monstruosa, enfadonha e inútil mas que serve para resolver problemas, que serve e ajuda a pensar, que desenvolve o raciocínio, o espírito crítico e nos ajuda a olhar com maior destreza para os problemas concretos de muitas áreas do conhecimento. Ou seja, de uma forma simples procuramos mostrar que a Matemática é útil e necessária, além de ser bonita e elegante. Como disse o poeta Fernando Pessoa, o que há é pouca gente para dar por isso mas talvez (pelo menos no nosso Colégio) esta realidade possa mudar em breve. Ânimo! Um Santo e Feliz Natal a todos. O Coordenador, Emanuel Oliveira. COLÉGIO MANUEL BERNARDES Problema de Matemática Do Mês de Novembro Ensino Básico 5º, 6º e 7º anos O senhor A foi à padaria e comprou metade dos pães que lá havia mais meio pão. Depois, foi lá o senhor B que comprou metade dos pães que ainda lá havia mais meio pão. Por último, o senhor Cfoi à padaria e comprou metade dos restantes pães mais meio pão. Sabendo que, no final, sobraram 10 pães, quantos pães havia inicialmente na padaria? Ensino Básico 8º e 9º anos Qual o menor número de inteiros positivos consecutivos cuja soma seja igual a 1000? Ensino Secundário Na figura seguinte encontra -se um octógono regular inscrito numa circunferência de raio 1. Considera ainda que P é um ponto dessa circunferência. C P B D Calcula o valor de PA + PB + L+ PH. Problema do Mês de Novembro VENCEDORES 2º Ciclo: 334 Carolina Carneiro (5º A) 3º Ciclo: 126 Filipa Inês Vilhena (8º C) 155 Filipe Fidalgo (8º A) Secundário: 390 José Ricardo Ferro (12º A) A E H F G Problema de Matemática Do Mês de Outubro Ensino Básico 2º Ciclo Ensino Básico 3º Ciclo O sino da Igreja de uma cidade bate as seis horas em 15 segundos. A fracção pode ser escrita na forma: Problema do Mês de Outubro Quanto tempo demora a bater as doze horas? x + 1 y + z Determina os valores de x, y e z. VENCEDORES 2º Ciclo 844 Carolina Furtado (5º B) 3º Ciclo Não foi entregue nenhuma resolução correcta.

11 DEZEMBRO Ano Lectivo 2010/2011 Percurso dos Transportes Local: Telheiras /Lumiar Horário: 18h00 TARDE Quinta dos Inglesinhos Rua Padre Américo Rua Aristides Sousa Mendes Azinhaga Torre do Fato Rua Fernando Namora Rua Prof. António Quadros Parque dos Príncipes Rua Simões Raposo Rua Prof. Moisés Amzalak Av.ª Nações Unidas Av.ª Rainha D. Amélia Quinta do Lambert Rua José Costa Pereira Rua Manuel Marques Rua Agostinho Neto Rua Mário Castrim Rua David Mourão Ferreira Parque das Conchas Avª. M. Madalena Vieira da Silva Alta de Lisboa Local: 5 de Outubro /Areeiro Horário: 18h00 TARDE Paço do Lumiar Azinhaga Torre do Fato Av.ª das Nações Unidas Eixo Norte-Sul Av.ª Álvaro Pais Avª. 5 de Outubro Avª. Duque D Ávila Avª. Conde de Valbom Avª. João Crisóstomo Avª. da Républica Túnel da Av.ª João XXI Rua Sarmento Beires Av.ª Afonso Costa Av.ª Padre Manuel da Nóbrega Av.ª de Madrid Av.ª João XXI Local: Benfica / Sete Rios / Telheiras Horário: 7h00 MANHÃ Cemitério de Benfica Rua Jorge Barradas Rua das Pedralvas Portas de Benfica Damaia Av.ª D. Pedro V Av.ª Carlos Cunha Tavares Estrada da Ponte Alfragide Cemitério de Benfica Rua Jorge Barradas Rua das Pedralvas Portas de Benfica Damaia Av.ª D. Pedro V Av.ª Carlos Cunha Tavares Estrada da Ponte Av.ª Quinta Grande Av.ª das Laranjeiras Rua da Encosta Rua D. Luís I Estrada I.C. 19 Sete-Rios Twin-Towers Local: Benfica / Alfragide Horário: 18h00 TARDE Av.ª do Colégio Militar Centro Comercial Colombo Av.ª dos Lusíadas - (só até Alto dos Moinhos) Alto dos Moinhos Escola Delfim dos Santos (por baixo viaduto) Metro Alto dos Moinhos (Av.ª dos Lusíadas) Rua Virg lio Ferreira (esquina) Rua Lúcio de Azevedo Estrada da Luz Sete-Rios Jardim Zoológico Twin Towers Av.ª José Malhoa (só até meio e vira para a Av.ª Col. Bordalo Pinheiro) Rua Prof. Gentil Martins (Furnas) Rua Barahona de Freitas Estrada de Benfica (Pastelaria Califa) Estrada de Benfica (Igreja) Av.ª Grão Vasco Alameda Álvaro Proença Circulo de Leitores (Buraca Bombas Galp) Quinta Grande Alfragide (Banco B.E.S.) Quinta Grande Alfragide (Bancos) Local: Loures / Odivelas Horário: 18h00 TARDE Paço do Lumiar Azinhaga dos Ulmeiros (Força Aérea) Rua Abel Salazar (Antigo Feira Nova) Rua Prof. Vieira de Almeida Avenida Padre Cruz Estrada do Desvio (Lumiar) A8 (Loures) Infantado - Avenida das Descobertas Rua Vasco da Gama Fanqueiro - Rua José Gomes Ferreira Rua Anselmo Braancamp Ferreira Rua do Sacramento Rua S. João de Deus Loures - Rua da República Rua Augusto Marques Raso (Bombeiros) Rua Tenente Cel. João Augusto Vieira Lopes (Liceu) Flamenga (Centro Comercial Flamingos) Avenida Salgado Zenha Póvoa de Santo Adrião Rua Henrique dos Santos Rua Major Mousinho de Albuquerque Odivelas - Rua Prof. Abreu Lopes Quinta do Mendes Quinta Nova Rua Abel Manta Rua Aquilino Ribeiro Rua Guilherme Gomes Fernandes Rua Dr. Fernando Cunha Alameda Infante D. Henrique Av.ª José Malhoa Rua Basílio Teles Av.ª Columbano Bordalo Pinheiro Rua das Laranjeiras Alto dos Moinhos Estrada da Luz Alto dos Moinhos Rua João de Freitas Branco Estrada da Luz Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca Rua Fernando Namora Rua Padre Américo Colégio Novos Av.ª 5 de Outubro Quinta do Lambert Rua Manuel Marques Rua Agostinho Neto Alameda das Linhas de Torres Lumiar Rua António Albino Machado (Torres de Lisboa) Os Grandes Marcos da História da Alimentação Sabia que o pão já existia anos antes do nascimento de Cristo? E que já se faziam pipocas anos antes do início da nossa Era? Ou ainda que os hambúrgueres já se comiam no século XIV? O Comezainas preparou para si uma viagem através do tempo, em que mostra a história dos alimentos até aos anos 60 do século XX. Venha saber mais sobre a origem dos alimentos que, a cada dia, entram na sua dieta alimentar. E, depois de tanta fartura, nada como o bom Alka- Seltzer de 1931, não lhe parece? Introdução Todos necessitam de combustível para sobreviver, mas os seres humanos são os únicos seres vivos que aliam os gostos às simples necessidades nutricionais. Embora todos os animais se alimentem, apenas o Homem cozinha os alimentos. Deste modo, a culinária transforma-se num símbolo da nossa humanidade, algo que nos distingue do resto dos elementos da natureza. A alimentação transformou-se rapidamente num dos muitos rituais comuns aos seres humanos, variando de cultura para cultura, mas assumindo, quase sempre, uma actividade de grupo. O Homem, enquanto elemento do ecossistema, necessita de comida, e os seus hábitos alimentares variam em função do que o meio que o rodeia lhe pode oferecer. Contudo, também os seres humanos foram determinantes na evolução dos alimentos, seja pela selecção e domesticação de espécies animais e vegetais, seja pelo desenvolvimento de todos os métodos e instrumentos necessários à sua transformação para a dieta humana. O culminar de todo este processo é, sem dúvida, a proliferação dos alimentos transgénicos e a crescente uniformização dos hábitos alimentares dos povos. Antes da Era Cristã a.c. Primórdios da Agricultura; cultivo de cereais e fabrico rudimentar de pão; sal, peixe e arroz já são usados na alimentação; a.c. lentilhas; a.c. feijões; a.c. Domesticação generalizada do gado, embora já existisse gado caprino e porcino doméstico desde a.c. e a.c. respectivamente; a.c. queijo e milho; a.c. mel e açúcar de cana; a.c. azeite e abóboras; a.c. uvas, laranjas e melancias; a.c. pipocas; a.c. domesticação das galinhas; a.c. sopa, cevada, cenouras, ervilhas, favas, cebolas, pimenta; a.c. rebentos de soja; a.c. chá; a.c. cogumelos; a.c. batatas; a.c. alfarroba; a.c. amendoim e chocolate; a.c. pepino e pickles; 900 a.c. tomates verdes; 600 a.c. couves; 500 a.c. salsichas e alcachofras; 400 a.c. pasta e beterraba; 300 a.c. bananas; 200 a.c. espargos; 65 a.c. marmelos. Depois de Cristo 100 d.c. mostarda, pudins, morangos, alcaparras, nabos, gelado; 200 d.c. sushi; 600 d.c. beringela; 700 d.c. espinafres 900 d.c. bacalhau; d.c. nêsperas; d.c. introdução do açúcar em Inglaterra, a partir do Médio Oriente; hambúrgueres e waffles; d.c. agrião e panquecas; lagosta, perú, abacate (entre outros) começam a ser trazidos do Novo Mundo para a Europa; 1484 d.c. cachorro quente; 1493 d.c. introdução de ananás na Europa; 1517 d.c. introdução de batata doce na Europa; 1529 d.c. - introdução de baunilha na Europa; 1544 d.c. - introdução de tomate na Europa; 1554 d.c. queijo Camembert; 1615 d.c. introdução de café na Europa; d.c. batatas fritas e bolachas de água e sal (crackers); 1747 d.c. açúcar de beterraba; 1756 d.c. maionese e molho tártaro; 1762 d.c. sanduíches; 1765 d.c. 1.º restaurante do mundo abre em Paris 1767 d.c. água com gás; 1819 d.c. spaghetti; 1830 d.c. refrigerantes; 1850 d.c. marshmallows; 1856 d.c. leite condensado; 1868 d.c. molho Tabasco; 1869 d.c. sopa enlatada Campbell; 1870 d.c. margarina; 1876 d.c. Heinz Ketchup; 1886 d.c. Coca-Cola; 1889 d.c. Pizza (como a conhecemos hoje em dia); 1890 d.c. manteiga de amendoim e chá Lipton; 1896 d.c. Chop Suey; 1906 d.c. atum em lata; 1904 d.c. banana split; 1905 d.c. chupa-chupas; 1906 d.c. Corn Flakes Kellogg s; 1913 d.c. Bolachas Oreo; 1917 d.c. Donuts e Vichyssoise; 1924 d.c. comida congelada; 1936 d.c. barra de chocolate Mars; 1938 d.c. Nescafé (1.º café solúvel instantâneo); 1941 d.c. M&Ms; 1955 d.c. 1.º Restaurante MacDonald s; 1959 d.c. gelado Haagen-Dazs;

12 12 FICHA TÉCNICA DEZEMBRO 2010 Propriedade e Administração: Colégio Manuel Bernardes Morada: Quinta dos Azulejos - Largo Padre Augusto Gomes Pinheiro, 44 - Paço do Lumiar Lisboa Telefone: / Fax: site: cmb.pt Direcção/Redacção: Câmara Pereira - Jorge Amaro Composição: Regigráfica, Lda. - Dep. Legal: Premiados 2009/2010 Foram distinguidos com o Quadro de Mérito Pessoal os Alunos : Filipe Serralheiro Santos, Ana Rita Rodrigues e José Guilherme Beja Lopes Quadro de Mérito Desportivo, os Alunos: Nuno Esteves, Pedro Teixeira e José Evangelista Quadro de Excelência, os Alunos: Ana Margarida Pereira, Marta Filipa Gomes Melo e José Guilherme Beja Lopes Quadro de Mérito Desportivo Estes alunos mereceram tal distinção, pela forma como se destacaram na disciplina de Educação Física, com a sua iniciativa, empenho e qualidade de trabalho, bem como, pelas performances alcançadas nas várias representações e competições desportivas em que participaram, em representação do Colégio. Desde sempre, colaborando e participando de modo espontâneo e entusiástico em várias actividades desportivas existentes no Colégio, foram considerados alunos correctos, distinguindo-se pela sua educação, conquistando simpatias gerais, o apreço e a estima de todos. Pelo sua dedicação, espírito de sacrifício, trabalho de equipa e enorme capacidade de trabalho, conseguindo conciliar as suas actividades desportivas com as várias actividades escolares, consideram-se estes alunos um exemplo a seguir e merecedores deste prémio. Quadro de Mérito Pessoal Alunos que - Menção de Muito Elevado pelo corpo disciplinar ratificado pelo Conselho de Turma; - Alunos propostos pelos Conselho de Turma do ano terminal de secundário, de acordo com o percurso escolar do aluno; - Alunos que se distingam pelo elevado sentido de responsabilidade; - Alunos que demonstrem carácter altruísta; - Espírito de cooperação e solidariedade que resulte na procura do bem comum da comunidade escolar., Quadro de Excelência - Menção de Muito Elevado pelo corpo disciplinar; - Alunos propostos pelo Conselho de Turma do ano terminal de secundário, de acordo com o percurso escolar do aluno; - Cumpram todos os requisitos do Quadro de Honra, acrescidos de manifesta capacidade de desempenho num sentido transdisciplinar; - Vocação e dedicação que se projectem em elaborações artísticas, académicas ou desportivas simbolizantes da paideia do CMB, edificada no seu Projecto Educativo. AFj_BES_DarM_260x140_2.ai 1 1/28/10 5:57 PM Ensine o seu filho a dar a mão e a poupar No poupar é que está a ajuda e na ajuda é que está o ganho. Abra ou faça um primeiro reforço numa Conta Poupança BES Júnior com 100, receba o Baby, um porquinho mealheiro apadrinhado pelo Cristiano Ronaldo e ensine o seu filho a poupar. Mais, até 31 de Março de 2010, por cada Baby entregue, o BES e o Cristiano Ronaldo contribuem com 2 para uma instituição de solidariedade social de apoio a bebés e crianças. Abra uma conta que toma conta. Vá a bes.pt/junior e escolha a instituição que quer ajudar. Quem sabe, sabe e quem abre uma conta que toma conta é que sabe

COLÉGIO MANUEL BERNARDES

COLÉGIO MANUEL BERNARDES Ano Lectivo 2009/2010 Local Olivais TARDE Azinhaga Torre do Fato Avª. das Nações Unidas Eixo Norte / Sul Avª. Álvaro Pais Avª. 5 de Outubro (Junto ao Pingo Doce) Avª. 5 de Outubro (Junto à loja etc, )

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

TESTEMUNHAS. atores e destinatários do projeto catequese/família

TESTEMUNHAS. atores e destinatários do projeto catequese/família TESTEMUNHAS atores e destinatários do projeto catequese/família Os testemunhos partilhados foram recolhidos a partir de um pequeno questionário realizado, no mês de maio de 2012, junto das famílias dos

Leia mais

Projeto Curricular do 1.º Ciclo

Projeto Curricular do 1.º Ciclo Projeto Curricular do 1.º Ciclo Tema Felizes os que constroem a vida na verdade e no bem. INTRODUÇÃO Este ano letivo 2014/2015 ficou definido como tema geral Felizes os que constroem a vida na verdade

Leia mais

INTRODUÇÃO. Projecto Curricular de Turma SALA DO ATL

INTRODUÇÃO. Projecto Curricular de Turma SALA DO ATL INTRODUÇÃO A Educação não formal distingue-se, nas últimas décadas da Educação formal ou ensino tradicional, uma vez que confere outro tipo de reconhecimento, organização, qualificação e estrutura. A Educação

Leia mais

Catequese da Adolescência 7º Catecismo Documentos de Apoio CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS. Documento I

Catequese da Adolescência 7º Catecismo Documentos de Apoio CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS. Documento I CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento I CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento 2 CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento 3 CATEQUESE 2 - QUEM SOU EU? Documento 1 CATEQUESE

Leia mais

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado O Programa de Voluntariado do Centro Solidariedade e Cultura de Peniche pretende ir ao encontro do ideário desta instituição, numa linha da

Leia mais

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai BOM DIA DIÁRIO Segunda-feira (04.05.2015) Maria, mãe de Jesus e nossa mãe Guia: 2.º Ciclo: Padre Luís Almeida 3.º Ciclo: Padre Aníbal Afonso Mi+ Si+ Uma entre todas foi a escolhida, Do#- Sol#+ Foste tu,

Leia mais

Projeto Educativo 02 02-V R 01-P D O M

Projeto Educativo 02 02-V R 01-P D O M Projeto Educativo Colégio do Sagrado Coração de Maria - Lisboa Projeto Educativo V02 i ÍNDICE I. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA...1 1. O meio envolvente...1 2. O Colégio...2 3. Organização Estrutural...2 3.1. Órgãos

Leia mais

CRIANÇAS E ADOLESCENTES MISSIONÁRIOS NA CARIDADE

CRIANÇAS E ADOLESCENTES MISSIONÁRIOS NA CARIDADE Vicente de Paulo dizia: "Que coisa boa, sem igual, praticar a Caridade. Praticá-la é o mesmo que praticar todas as virtudes juntas. É como trabalhar junto com Jesus e cooperar com ele na salvação e no

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste. Introdução

Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste. Introdução Festa do Perdão Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste Cristo Jesus, tu me chamaste Eu te respondo: estou aqui! Tu me chamaste pelo meu nome Eu te respondo: estou aqui! Quero subir à montanha,

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

MISSÃO PAÍS. Manual da Missão País

MISSÃO PAÍS. Manual da Missão País MISSÃO PAÍS Manual da Missão País Introdução Nos dias de hoje, quando ouvimos falar de missão, pensamos logo em acções de voluntariado em países subdesenvolvidos onde é preciso todo o tipo de ajuda para

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015 1 2 COM MARIA, EM JESUS, CHEGAMOS À GLÓRIA! 5º Dia (Dia 07/10 Quarta-feira) CRIANÇA: BELEZA DA TERNURA DIVINA! Na festa de Maria, unidos neste Santuário, damos graças a Deus, por meio de Maria, pela vida

Leia mais

AMIGOS DO PROJECTO. Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego

AMIGOS DO PROJECTO. Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego AMIGOS DO PROJECTO O projecto Ler Mais e Escrever Melhor nasceu a 17 de Julho de 2008. Encontra-se numa fase de vida a infância que

Leia mais

Ana Maria Be encourt 1

Ana Maria Be encourt 1 ABERTURA Ana Maria Be encourt 1 Senhor Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Senhor Embaixador Presidente da Comissão Nacional da UNESCO, Senhora Secretária Regional da Educação

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

Dinâmica e Animação de Grupo

Dinâmica e Animação de Grupo Dinâmica e Animação de Grupo Desenvolvimento de Competências Turma G3D Leandro Diogo da Silva Neves 4848 Índice 1. Introdução... 3 2. Planeamento de desenvolvimento individual... 4 2.1 Competências...

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE?

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? Texto: Apocalipse 21:1-2 Então vi um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado; e o mar já não existia. Vi a cidade santa, a nova Jerusalém,

Leia mais

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Paróquia de Calheiros, 1 e 2 de Março de 2008 Orientadas por: Luís Baeta CÂNTICOS E ORAÇÕES CÂNTICOS CRISTO VIVE EM MIM Cristo vive em mim, que

Leia mais

Quanto à Maria, guardava todos esses fatos e meditava sobre eles em seu coração

Quanto à Maria, guardava todos esses fatos e meditava sobre eles em seu coração SANTA MARIA MÃE DE DEUS 01 de janeiro de 2015 Quanto à Maria, guardava todos esses fatos e meditava sobre eles em seu coração Leituras: Números 6, 22-27; Salmo 67 (66), 2-3.5-6.8 (R/cf. 2a); Carta de São

Leia mais

MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE

MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE XXV domingo do tempo comum 23/09/2012 Igreja de Cedofeita ENTRADA Eu vi meu Deus e Senhor, aleluia, aleluia. Cantai ao amor, cantai, aleluia, aleluia. ADMONIÇÃO DE ENTRADA

Leia mais

No dia de Natal as nossas crianças da Escola Dominical deram-nos uma demonstração de seus talentos oferecendonos uma excelente festa.

No dia de Natal as nossas crianças da Escola Dominical deram-nos uma demonstração de seus talentos oferecendonos uma excelente festa. www.igevalgeriz.web.pt Boletim Informativo dos Eventos e Actividades da Igreja Evangélica em Algeriz. Ano XI N 22 - Fevereiro 2009 No dia de Natal as nossas crianças da Escola Dominical deram-nos uma demonstração

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLNAR: EMRC PLANIFICAÇÕES 8º Ano ANO 2008/2009 1/7

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLNAR: EMRC PLANIFICAÇÕES 8º Ano ANO 2008/2009 1/7 8º Ano ANO 2008/2009 1/7 Módulo 1- O GOSTO PELA AVENTURA Tema 1 - A atracção ao desconhecido Experiência de aventuro. (Situações que exprimem experiências de aventura como a condução de veículos, iniciação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO SALA CURIOSOS

PROJETO PEDAGÓGICO SALA CURIOSOS PROJETO PEDAGÓGICO SALA CURIOSOS Ano letivo 2012/2013 PROJETO PEDAGÓGICO SALA DOS CURIOSOS INDICE 1- Caracterização do grupo 2- Tema do projeto pedagógico da sala dos Curiosos: A Brincar vamos descobrir

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO

Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO Versículo para Decorar: 1 Toda vez que o arco-íris estiver nas nuvens, olharei para ele e me lembrarei da aliança eterna

Leia mais

II ENCONTRO INTER-ESCOLAS DE BRAGA DESPORTO ESCOLAR DE NATAÇÃO CLASSIFICAÇÕES

II ENCONTRO INTER-ESCOLAS DE BRAGA DESPORTO ESCOLAR DE NATAÇÃO CLASSIFICAÇÕES II ENCONTRO INTER-ESCOLAS DE BRAGA DESPORTO ESCOLAR DE NATAÇÃO CLASSIFICAÇÕES PROVA 25m Livres femininos Class Escola Nome Escalão Tempo Obs. EBS Vieira de Araújo Mariana Fonseca Infantis A 20:2 2 EBS

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre Caridade e partilha Vivemos em nossa arquidiocese o Ano da Caridade. Neste tempo, dentro daquilo que programou o Plano de Pastoral, somos chamados a nos organizar melhor em nossos trabalhos de caridade

Leia mais

Despertar os sentidos!

Despertar os sentidos! Despertar os sentidos! Tudo o que conhecemos chega-nos, de uma forma ou de outra, através de sensações sobre as realidades que nos rodeiam. Esta consciência sensorial pode e deve ser estimulada! Quanto

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA Projecto Pedagógico 2007/2008 Sala 9- Sala Aventura Estão habituadas à convivência com outras crianças e adultos não pertencentes à família. Aprenderam

Leia mais

Natal é palavra eletrizante. Natal é palavra de doce harmonia para nosso coração. Quantas belas lembranças evocam à nossa mente!

Natal é palavra eletrizante. Natal é palavra de doce harmonia para nosso coração. Quantas belas lembranças evocam à nossa mente! Círculo de Casais - Dirigentes: Abel e Lourdinha Passos Paróquia são Francisco Xavier Niterói RJ 19/12/03 Comentarista: Chegou o Natal! Natal é palavra eletrizante. Natal é palavra de doce harmonia para

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

AGENDA DE NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2014

AGENDA DE NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2014 AGENDA DE NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2014 O Agrupamento de Escolas N.º2 de Abrantes tem como um dos seus objetivos a plena integração na comunidade de que faz parte. Surge assim como natural a divulgação das

Leia mais

ser difundida para a população: ainda há esperança. Somos capazes de alterar o destino das gerações futuras, dar-lhes um futuro melhor.

ser difundida para a população: ainda há esperança. Somos capazes de alterar o destino das gerações futuras, dar-lhes um futuro melhor. Um futuro melhor Várias vezes me questiono se algum dia serei capaz de me sentir completamente realizada, principalmente quando me encontro entregue somente aos meus pensamentos mais profundos. E posso

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto. Mateus 4, 1-11 Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.». Este caminho de 40 dias de jejum, de oração, de solidariedade, vai colocar-te

Leia mais

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki Page 1 of 7 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética & Filosofia

Leia mais

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Edição oficial do CICLUMIG Flor do Céu De acordo com revisão feita pelo Sr. Luiz Mendes do Nascimento, zelador do hinário. www.mestreirineu.org 1 01 - DIVINO PAI

Leia mais

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES INTRODUÇÃO «Será a emergência do sentido e conteúdo curricular

Leia mais

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto.

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto. Boa tarde a todos, para quem não me conhece sou o Ricardo Aragão Pinto, e serei o Presidente do Concelho Fiscal desta nobre Fundação. Antes de mais, queria agradecer a todos por terem vindo. É uma honra

Leia mais

Eng.º Mário Lino. por ocasião da Apresentação das Iniciativas. e.escola e.professor e.oportunidades

Eng.º Mário Lino. por ocasião da Apresentação das Iniciativas. e.escola e.professor e.oportunidades INTERVENÇÃO DO MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng.º Mário Lino por ocasião da Apresentação das Iniciativas e.escola e.professor e.oportunidades Escola Secundária Eça de Queiroz,

Leia mais

2015 ANO DA CELEBRAÇÃO DO BICENTENÁRIO DO NASCIMENTO DE S. JOÃO BOSCO

2015 ANO DA CELEBRAÇÃO DO BICENTENÁRIO DO NASCIMENTO DE S. JOÃO BOSCO 2015 ANO DA CELEBRAÇÃO DO BICENTENÁRIO DO NASCIMENTO DE S. JOÃO BOSCO Na noite de quarta-feira, 16 agosto de 1815, na oitava da festa da Assunção, nascia o segundo filho de Francisco Bosco e Margarida

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

Aventura da Acrobática

Aventura da Acrobática Atividades Extracurriculares 2015-2016 Aos Pais Queridos pais: A nossa oferta de atividades extracurriculares pretende ser o mais variada possível, de modo a cobrir as áreas de interesse das nossas crianças.

Leia mais

Amor em Perspectiva Cultural - Mário Quintana. 1. A amizade é um amor que nunca morre. (Mário Quintana)

Amor em Perspectiva Cultural - Mário Quintana. 1. A amizade é um amor que nunca morre. (Mário Quintana) Page 1 of 5 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Cultura Educador: João Nascimento Borges Filho Amor em Perspectiva

Leia mais

CELEBRAÇÃO DA FESTA DA PALAVRA

CELEBRAÇÃO DA FESTA DA PALAVRA PARÓQUIA DE SANTA MARIA DE BORBA CELEBRAÇÃO DA FESTA DA PALAVRA Feliz o homem que ama a Palavra do Senhor e Nela medita dia e noite (Sl 1, 1-2) 4º ANO da CATEQUESE 17 de Janeiro de 09 ENTRADA PROCESSIONAL

Leia mais

CANTOS PARA O NATAL CANTO DE ENTRADA:

CANTOS PARA O NATAL CANTO DE ENTRADA: CANTO DE ENTRADA: CANTOS PARA O NATAL 01. PEQUENINO SE FEZ (SL 95): J.Thomaz Filho e Fr.Fabretti Pequenino se fez nosso irmão, Deus-conosco! Brilhou nova luz! Quem chorou venha ver que o Menino tem razão

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR 1 ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR Maurina Passos Goulart Oliveira da Silva 1 mauripassos@uol.com.br Na formação profissional, muitas pessoas me inspiraram: pensadores,

Leia mais

Plano Pedagógico do Catecismo 6

Plano Pedagógico do Catecismo 6 Plano Pedagógico do Catecismo 6 Cat Objetivos Experiência Humana Palavra Expressão de Fé Compromisso PLANIFICAÇÃO de ATIVIDADES BLOCO I JESUS, O FILHO DE DEUS QUE VEIO AO NOSSO ENCONTRO 1 Ligar a temática

Leia mais

Plano de Formação da CVX-P

Plano de Formação da CVX-P da CVX-P Apresentado à VIII Assembleia Nacional CVX-P Fátima, Outubro 2004 Introdução... 2 Etapa 0: Acolhimento... 3 Etapa 1: Iniciação... 5 Etapa 2: Identificação... 6 Etapa 3: Missão... 7 1 Introdução

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO. NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO. NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org WEBSITES: Serviço de Voluntariado Europeu: http://www.sve.pt http://www.facebook.com/l.php?u=http%3a%2f%2fwww.sve.pt%2f&h=z

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

A Visão. Uma Introdução

A Visão. Uma Introdução 1 A Visão Uma Introdução Muitas pessoas sabem, já desde a infância ou juventude, o que querem ser na vida quando forem adultos, como, por exemplo, médico(a), enfermeiro (a), músico (a), advogado (a), ou

Leia mais

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai.

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai. Conto de Natal Já um ano havia passado desde o último Natal. Timóteo estava em pulgas para que chegasse o deste ano. Menino com cara doce, uma tenra idade de 10 aninhos, pobre, usava roupas ou melhor,

Leia mais

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano 1 SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano assumiu o compromisso de fazer memória da vida singular

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede 1. Identificação DEPARTAMENTO: Pré-Escolar PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES - PROPOSTA DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO - 2010 / 2011 Coordenador(a):

Leia mais

PILARES DA VIDA LIVRO DE POESIAS. Pensar, Refletir, Amar e ter Amigos é a Maneira do Ser Humano Viver.

PILARES DA VIDA LIVRO DE POESIAS. Pensar, Refletir, Amar e ter Amigos é a Maneira do Ser Humano Viver. PILARES DA VIDA LIVRO DE POESIAS Pensar, Refletir, Amar e ter Amigos é a Maneira do Ser Humano Viver. ELDER DE SOUZA PINTO CAPITULO I: REFLEXÕES E PENSAMENTOS A ARTE DE SER Ser é a arte de se inventar

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER INTRODUÇÃO: Qualquer que seja meu objetivo, ler é a atividade básica do aprendizado. Alguém já disse: Quem sabe ler, pode aprender qualquer coisa. Se quisermos estudar a Bíblia,

Leia mais

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 2 No âmbito do disposto no número anterior, o professor: a) Reflecte sobre as suas práticas, apoiando-se na experiência, na investigação

Leia mais

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa MODELO 1 Compreensão da Leitura e Expressão Escrita Parte 1 Questões 1 20 O Luís enviou cinco mensagens através do telemóvel. Leia as frases 1 a 5. A cada frase corresponde uma mensagem enviada pelo Luís.

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2012 Boa noite, A todos os Portugueses desejo um Bom Ano Novo, feito de paz e de esperança. O ano que

Leia mais

- Fernão, mentes? - Minto!

- Fernão, mentes? - Minto! Na etapa 3, leste um excerto do primeiro capítulo da Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, numa adaptação de Aquilino Ribeiro. Nesta etapa, vais ler um excerto do último capítulo do original, Peregrinação,

Leia mais

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento).

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). O Caminho de Emaús Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). Leitura: Lc 24, 13-35 Todos nós percorremos frequentemente o

Leia mais

Tens Palavras de Vida Eterna

Tens Palavras de Vida Eterna Catequese 40ano Tens Palavras de Vida Eterna Agenda da Palavra de Deus pela minha vida fora ANO A Durante as férias, mantenho-me em contato! CONTATOS DA PARÓQUIA Morada: Telefone: Correio eletrónico: Sítio:

Leia mais

DIRECTÓRIO GERAL DA CATEQUESE - SDCIA/ISCRA -2 Oração inicial Cântico - O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele me enviou para anunciar aos pobres o Evangelho do Reino! Textos - Mc.16,15; Mt.28,19-20;

Leia mais

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS Equipa de Animação Pastoral

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS Equipa de Animação Pastoral COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS Equipa de Animação Pastoral Advento 2014 (Campanha de Preparação para o Natal) A ALEGRIA E A BELEZA DE VIVER EM FAMÍLIA. O tempo do Advento, que devido ao calendário escolar

Leia mais

R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O

R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO COMUNICAÇÃO E DESPORTO R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O RICARDO JORGE MARCELO ALMEIDA RELATÓRIO PARA A OBTENÇÃO DO DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele.

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele. 1 Marcos 3:13 «E (Jesus) subiu ao Monte e chamou para si os que ele quis; e vieram a ele. E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar, e para que tivessem o poder de curar as enfermidades

Leia mais

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME Toda família tem um nome, este nome é o identificador de que família pertence esta pessoa, o qual nos aqui no Brasil chamamos de Sobrenome. Então este nome além de identificar

Leia mais

Retroceder? Só se for pra pegar impulso!

Retroceder? Só se for pra pegar impulso! Retroceder? Só se for pra pegar impulso! Hb 10:35-39 "Por isso, não abram mão da confiança que vocês têm; ela será ricamente recompensada. Vocês precisam perseverar, de modo que, quando tiverem feito a

Leia mais

Nós, alunos do 2º A, queremos tratar as pessoas com respeito e amor, estudar com muita dedicação e sempre pensar antes de tomar decisões.

Nós, alunos do 2º A, queremos tratar as pessoas com respeito e amor, estudar com muita dedicação e sempre pensar antes de tomar decisões. Como tratar as pessoas: de uma maneira boa, ajudar todas as pessoas. Como não fazer com os outros: não cuspir, empurrar, chutar, brigar, não xingar, não colocar apelidos, não beliscar, não mentir, não

Leia mais

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos 3452 - Escola E.B.2,3 do Cávado : A 137 1 Adriana Manuela Gomes Pinheiro 14 S S 20 2 Alexandra Pereira Ferreira 28 3 Ângelo Rafael Araújo Gomes S 28 4 Beatriz da Costa Oliveira S 2 5 Domingos Gonçalo Ferreira

Leia mais

Mas o mais importante é que saiba que irei sempre te amar

Mas o mais importante é que saiba que irei sempre te amar Eterna gratidão Pai, há tantas coisas que queria te falar Mas o mais importante é que saiba que irei sempre te amar É meu protetor, companheiro e amigo Aquele que sempre esteve comigo. Desde o primeiro

Leia mais

Quando vi Fátima pela primeira vez

Quando vi Fátima pela primeira vez ... Quando vi Fátima pela primeira vez Texto de Fernando Ben, falando resumidamente sobre sua experiência nos primeiros encontros mediúnicos com Fátima. As religiões são janelas para ver o céu. Você pode

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BS) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BS) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BS) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

Carla- Oswaldo é como que você começou a se envolver com as questões sociais?

Carla- Oswaldo é como que você começou a se envolver com as questões sociais? Depoimento de Oswaldo Setti de Almeida Filho Ação Moradia Carla- Bom dia, Oswaldo. Oswaldo Bom dia, meu nome... Carla- Eu gostaria que você me falasse primeiro o seu nome completo, a sua data de nascimento

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Em primeiro lugar gostaria de expressar o meu agradecimento

Leia mais

NOTÍCIAS. Pró Inclusão ANDEE. Julho de 2010. Caros associados da Pró-Inclusão. Privado e público

NOTÍCIAS. Pró Inclusão ANDEE. Julho de 2010. Caros associados da Pró-Inclusão. Privado e público Pró Inclusão ANDEE NOTÍCIAS Julho de 2010 ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DOCENTES DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Quinta da Arreinela de Cima, 2800-305 Almada TLM: 927 138 311 - E-mail: proandee@gmail.com Site: http://proinclusao.com.sapo.pt

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13 A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO Romanos 15:13 - Ora o Deus de esperança vos encha de toda a alegria e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo. Só Deus pode nos dar uma

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais