Introdução ao XNA. Curso de Jogos Digitais disciplina: Programação no XNA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução ao XNA. Curso de Jogos Digitais disciplina: Programação no XNA"

Transcrição

1 Introdução ao XNA Paulo Sérgio Custódio, prof FMU Curso de Jogos Digitais disciplina: Programação no XNA Nas primeiras aulas do nosso curso vamos tomar contato com a biblioteca XNA de desenvolvimento de jogos, elaborada e distribuída gratuitamente pela Microsoft. As plataformas alvo do XNA são PC, Xbox 360 e mais recentemente Zune. As versão mais recentes do XNA são 3.0 e 3.1 que se agregam facilmente no Visual Studio 2008, versões Express ou superior. Em alguns casos, no decorrer da instalação, é possível que o instalador peça a instalação de algum pré-requisito (servicepack) do próprio Visual Studio (isto é mais comum se você tem o Visual Studio 2005). Se for o caso, procure o prérequisito no MSDN, instale mesmo e logo após instale o XNA. Após a instalação, abriremos o XNA normalemente no próprio Visual Studio. Lá, você encontra em Projetos o tipo de projeto da plataforma XNA. No MSDN e na Internet é muito fácil encontrar sites, recursos gratuitos e dicas sobre o uso do XNA e jogos exemplo. O site contém sprites gratuitos que podemos usar nos nossos projetos e algumas apostilas interessantes. Outras engines interessantes são Unity, Visual3D.NET que suportam a linguagem de programação C# para a construção de jogos. É muito importante que dominemos a biblioteca XNA antes de partirmos para o uso das engines usadas na indústria (mas veja que algumas indústrias usam o XNA direto como engine). Vamos entrar nesses detalhes mais adiante.

2 Aula 01 Brincando com sprites O arquivo Game1.cs contém os métodos que nós precisamos para executar todas as ações de um jogo em XNA. Nesta aula precisamos tomar contato com os métodos contidos neste arquivo. Dê uma olhada abaixo no código deste arquivo: using System; using System.Collections.Generic; using System.Linq; using Microsoft.Xna.Framework; using Microsoft.Xna.Framework.Audio; using Microsoft.Xna.Framework.Content; using Microsoft.Xna.Framework.GamerServices; using Microsoft.Xna.Framework.Graphics; using Microsoft.Xna.Framework.Input; using Microsoft.Xna.Framework.Media; using Microsoft.Xna.Framework.Net; using Microsoft.Xna.Framework.Storage; namespace WindowsGame1 /// <summary> /// This is the main type for your game /// </summary> public class Game1 : Microsoft.Xna.Framework.Game GraphicsDeviceManager graphics; SpriteBatch spritebatch; public Game1() graphics = new GraphicsDeviceManager(this); Content.RootDirectory = "Content"; /// <summary> /// Allows the game to perform any initialization it needs to before starting to run. /// This is where it can query for any required services and load any non-graphic /// related content. Calling base.initialize will enumerate through any components /// and initialize them as well. /// </summary> protected override void Initialize() // TODO: Add your initialization logic here base.initialize(); to load /// <summary> /// LoadContent will be called once per game and is the place /// all of your content.

3 /// </summary> protected override void LoadContent() // Create a new SpriteBatch, which can be used to draw textures. spritebatch = new SpriteBatch(GraphicsDevice); // TODO: use this.content to load your game content here /// <summary> /// UnloadContent will be called once per game and is the place to unload /// all content. /// </summary> protected override void UnloadContent() // TODO: Unload any non ContentManager content here /// <summary> /// Allows the game to run logic such as updating the world, /// checking for collisions, gathering input, and playing audio. /// </summary> /// <param name="gametime">provides a snapshot of timing values.</param> protected override void Update(GameTime gametime) // Allows the game to exit if (GamePad.GetState(PlayerIndex.One).Buttons.Back == ButtonState.Pressed) this.exit(); // TODO: Add your update logic here base.update(gametime); /// <summary> /// This is called when the game should draw itself. /// </summary> /// <param name="gametime">provides a snapshot of timing values.</param> protected override void Draw(GameTime gametime) GraphicsDevice.Clear(Color.CornflowerBlue); // TODO: Add your drawing code here base.draw(gametime);

4 Neste código você irá notar que há um grupo de variáveis em nível de classe que foram providenciadas automaticamente, um construtor Game1 e 5 métodos. A primeira variável em nível de classe é do tipo GraphicsDeviceManager. Um objeto desta classe é muito importante, pois ele providencia o modo de você acessar os dispositivos gráficos em seu PC, XBox 360 ou Zune. O objeto da classe GraphicsDeviceManager tem uma propriedade chamada GraphicsDevice que representa o real dispositivo gráfico de sua máquina. Uma vez que este objeto é uma espécie de conduite entre o jogo XNA e a placa gráfica de sua máquina, tudo o que você fizer na tela estará amarrado a este objeto. A segunda variável é uma instância da classe SpriteBatch. Este é o objeto núcleo que você estará usando para desenhar os seus sprites. Em termos da computação gráfica, um sprite é definido como uma imagem 2D ou 3D imersa numa cena maior. Jogos 2D são compostos de múltiplos sprites 2D numa cena (player sprites, sprites dos inimigos, sprites do background, etc). Nós estaremos usando este conceito nesta aula, e desenharemos sprites para usá-los nos jogos (ou usaremos sprites gratuitos). Os objetos que descrevemos acima estão nas linhas de código abaixo: GraphicsDeviceManager graphics SpriteBatch spritebatch; Os objetos em si são: graphics e spritebatch, instâncias das classes que estão escritas em azul. Vamos descrever agora os métodos do arquivo Game1.cs: O método Initialize é usado para inicializar variáveis e outros objetos associados com o seu objeto Game1. O seu objeto graphics device será instanciado neste ponto, e pode ser usado no método Initialize para auxiliá-lo a inicializar outros objetos que dependem destas configurações.

5 Você irá usar este método para inicializar o marcador de pontos (score) e itens semelhantes. Como exemplo, vamos configurar um título para a janela do nosso jogo, vamos chamar este título de Novo Jogo. De agora em diante, apenas para título de limpeza, vou retirar os comentários que vem no código pronto do XNA tornando a nossa área menos poluída. Mas, lembre-se que quando escrevermos código muito complexo nos nossos métodos, é muito conveniente escrever comentários para documentarmos adequadamente nossos projetos. Escreva o seguinte trecho de código dentro do método Initialize: protected override void Initialize() Window.Title = "Novo Jogo"; base.initialize(); Clique em F6 para compilarmos o nosso projeto, isto é, verificarmos a existência de erros de sintaxe e construção. Neste estágio, com apenas esta linha escrita, provavelmente não ocorreram erros, então, clique em F5 para rodarmos o nosso primeiro jogo em XNA:

6 Sucesso! Temos uma tela em azul com o título que escolhemos que faz parte da Inicialização, ou seja, está configurado dentro do método Initialize. Vamos continuar a descrever os outros métodos, feche a tela acima, e investiguemos agora o método LoadContent: O método LoadContent é chamado após o método Initialize. Este método é responsável por carregar conteúdo gráfico, sons, modelos, texturas, etc, na memória da máquina, para que a mesma gerencie este conteúdo em tempo de execução ao rodar o jogo. Como está escrito o nosso código, ainda não há nada para ser carregado lá. Como vimos, rodando o nosso primeiro jogo, a menos do título que escolhemos, houve apenas o carregamento de um fundo azul. Após LoadContent terminar, o objeto Game1 irá entrar no que é conhecido como GameLoop. Todo e qualquer jogo, escrito em XNA ou não, entra neste tipo de loop. Aparentemente, a nossa tela azul é estática, mas na verdade, o fundo azul está sendo redesenhado diversas vezes por segundo. A velocidade deste carregamento é denominado framerate (taxa de frames) e pode ser parametrizada em código também.

7 O GameLoop consiste numa série de métodos que são chamados e chamados, continuamente, até o término do jogo. Em XNA, o GameLoop contém dois métodos: UpDate e Draw. Toda a ação principal do jogo, quando ele está rodando, é executada ou em UpDate ou em Draw. O método Draw é responsável pelo desenho de tudo o que ocorre no jogo. Toda a lógica do jogo deve ser escrita no método UpDate: movimento dos objetos, checar colisões, atualizar scores, checar a lógica do fim do jogo, níveis, etc. Ciclo de execução de um Jogo Uma aplicação comercial tem uma estrutura muito diferente de um jogo. Numa aplicação comercial, o programa espera alguma ação do usuário, a escrita de uma senha, um comando, clicar de um mouse sobre um botão de comando. Quando estas ações são executadas, disparam uma série de outras ações, que vão usar os recursos da máquina, bancos de dados, conexão, etc. Por fim, algum processamento termina, e a aplicação mais uma vez fica dormente, esperando novas ações do usuário. Um jogo é uma aplicação muito diferente: o computador captura ações do mouse, teclado, joystick, usa estes eventos disparados pelo usuário. Mas, diferentemente de uma aplicação comercial, o jogo continua a executar muitas outras ações, independentemente de se o jogador faz alguma coisa ou não. Como mencionado acima, no método Update você atualiza as posições dos itens na tela, scores, sequências de animação, sons, etc. Você verifica as detecções de colisão, e ajusta os algoritmos de inteligência artificial (AI) que deverão ser escritos neste método. O método Draw é usado para você desenhar todos os elementos que compõem a parte gráfica do jogo. Aqui, é usado o objeto graphics mencionado acima. A linha de código: GraphicsDevice.Clear(Color.CornflowerBlue); Limpa a tela (Clear) e aplica um fundo azul. Temos a ligeira impressão de que isto é feito estaticamente, mas não é verdade, esta ação é

8 reatualizada diversas vezes, num ritmo constante chamado framerate, como já mencionamos. O loop do jogo termina quando pressionamos uma tecla de saída do GamePad, isto está descrito nas linhas de código: if (GamePad.GetState(PlayerIndex.One).Buttons.Back == ButtonState.Pressed) this.exit(); O método Exit( ) pertence à classe Game e ele é responsável pelo término da execução do loop. Ele é aplicado ao objeto this, que se refere ao objeto Game1. Como não temos um GamePad em nosso laboratório, vamos implementar uma saída deste loop ao pressionarmos a tecla de Escape do atalho. Para isso, dentro do método UpDate, escreva o seguinte: KeyboardState key = Keyboard.GetState(); if (key.iskeydown(keys.escape)) this.exit(); Criamos um objeto chamado key (tecla) que é uma instância da classe KeyBoardState. Este objeto é chamado ou instanciado através da leitura do estado do teclado, ou seja, usando GetState( ). Então, GetState( ) obtém o estado do teclado: KeyBoard. Agora, dentro do if nós inspecionamos qual tecla foi apertada: método IsKeyDown. Keys.Escape diz que a tecla é a tecla Escape. Então, se (if) a tecla pressionada (key.iskeydown) for a tecla Escape (Keys.Escape), encerramos o jogo. Agora, aperte F6 e em seguida F5 para executarmos. Após aparecer a tela azul, pressione a tecla Escape e você verá que o jogo foi encerrado. Não há como capturar isto neste texto, experimente no laboratório. Modificando o nosso jogo Tudo ok até aqui. Agora, vamos voltar a estudar o método Draw. protected override void Draw(GameTime gametime)

9 GraphicsDevice.Clear(Color.CornflowerBlue); base.draw(gametime); Note que este método recebe um parâmetro, chamado gametime, que é uma instância da classe GameTime. A classe GameTime contém métodos usados para a contagem do tempo que está correndo no jogo, seja em milisegundos, segundos, minutos, etc. Por que precisamos rastrear o tempo na execução do jogo? O motivo é que diferentes computadores trabalham a diferentes velocidades. Esta variável vai auxiliá-lo a acompanhar e controlar o ritmo do jogo calculando o tempo real transcorrido, e não de acordo com a velocidade do processador. A variável tempo vai estar amarrada a quando uma animação deve ocorrer, quando algo deve acontecer, etc. A taxa de frames (framerate), animações, sons e efeitos estarão amarrados a esta variável. Vamos escrever código que controla e rastreia o tempo transcorrido do jogo nos exemplos desse curso. Agora, vamos mudar a cor do fundo, no código acima, mude a propriedade de Color. Uma vez que aparece o Intellisense, escolha a propriedade black: Clicando em Black, o código se torna: protected override void Draw(GameTime gametime) GraphicsDevice.Clear(Color.Black); base.draw(gametime);

10 Rodando, o fundo muda para a cor preta, evidentemente. Não vamos imprimir esta figura aqui, pois não é necessário. Veja que o mesmo parâmetro gametime é passado para o método Update, pois como ele controla a lógica do jogo, esta lógica controla as ações que se desenrolam ao longo do tempo. A última linha é base.draw(gametime); Esta linha não deve ser retirada, aliás, nenhuma das linhas que vieram com o esqueleto do código que está escrito no arquivo Game1.cs. Exceto as linhas de comentário. O objeto base está vinculado ao modficador override. No começo do código há a linha: public class Game1:Microsoft.Xna.Framework.Game Game1 é uma classe pública (isto é, os seus métods podem ser acessados a partir de outras classes). Os dois pontos antes de Microsoft.Xna.Framework.Game indicam a Herança. Herança é um conceito muito importante em OOP: ela significa que a classe Game1 herdará as propriedades e métodos que já vem escritos dentro da classe Microsoft.Xna.Framework.Game. Esta classe, escrita pelos desenvolvedores da Microsoft, englobam métodos que permitem escrever e gerenciar jogos de modo otimizado dentro da plataforma, aproveitando da melhor forma possível os recursos de hardware da máquina, e as propriedades básicas da computação gráfica, sons, animação, etc. Os métodos que estão contidos dentro desta classe serão usados juntamente com suas propriedades, para escrevermos jogos que são: orientados a objeto, fáceis de manter (em termos das boas práticas de controle de versão e engenharia de software), reutilização garantida e portáveis para plataformas interessantes como Xbox 360 e Zune (com algumas modificações simples no código). O método Draw que vimos acima pertence a esta classe. O modificador override permite a sobrescrita, logo daí surge a necessidade do objeto base.

11 O modificador void significa que o método Draw não retornará qualquer valor para a execução principal do programa. Finalmente, todos os métodos exigem parênteses, e os seus parâmetros devem ter a declaração do seu tipo. Como gametime pertence à classe GameTime, esta deve ser escrita para indicar ao método qual é o tipo de parâmetro que está sendo usado. Finalemente, vamos dar uma olhada na chamada a Clear. O método Clear apaga tudo na tela e cobre a mesma com a cor especificada. E o gameloop? O método Draw depende do parâmetro gametime. O framerate padrão é de 60fps (60 frames por segundo). Logo, o XNA está pintando o nosso fundo de black nessa taxa (lembre-se que nós mudamos a cor para preta): 60 frames por segundo. Também, dentro deste intervalo, o programa continuamente fiscaliza se você pressiona a tecla de saída. No nosso caso, a tecla Escape do teclado funciona para encerrar o jogo. Frames e framerate O que é um frame? Como vimos na explicação acima, o XNA irá limpar a tela e redesenhar a cena toda vez que o método Draw é chamado. Definição: Uma cena que contém os resultados de uma única chamada a Draw é chamada frame. A cada 16 milisegundos (60 vezes por segundo), a tela é limpa e uma nova cena é desenhada. Quando ocorre o desenho do próximo frame, algum sprite ter-se-á movido, e a combinação desta execução, neste ritmo, dará a ilusão de um movimento contínuo. Múltiplos frames fazem uma animação num jogo, e o número de frames desenhados por segundo representa o framerate do jogo. 60 fps = 60 frames por segundo. Adicionando um sprite ao seu projeto Agora está na hora de desenharmos algo na nossa tela. Todos os gráficos, sons, efeitos e outros itens são carregados em XNA através de algo chamado Content Pipeline.

12 Essencialmente, o Content Pipeline toma todos os formatos de arquivos que foram carregados (.jpg,.bmp,.png e outros formatos) e os converte durante a compilação, num formato amigável ao XNA. Se você carregou uma imagem em seu jogo e o Content Pipeline é capaz de reconhecê-lo durante a compilação, você não precisará mais se preocupar com ele. Como vamos carregar imagens 2D em nossos jogos, vamos importar uma figura para o nosso projeto. Antes de carregarmos uma figura, vamos criar uma pasta, chamada Imagens, dentro da pasta Content (botão direito do mouse: Add -> New Folder) veja como fica o ProjectExplorer: Esta pasta dedicar-se-á a armazenar as figuras e imagens 2D. Criaremos uma pasta apropriada para os arquivos de sons mais adiante. Na área de trabalho há uma pasta chamada Conteúdo_XNA, onde nós armazenamos os arquivos que usaremos nos projetos. Selecione a pasta Imagens, recém criada e com o botão direito do mouse selecione Add -> Existing Item, navegando até o item chamado logo.png que se encontra na pasta Conteúdo_XNA da área de trabalho. Obteremos o resultado abaixo:

13 Construa a solução a partir deste ponto, clique F6 (ou Build), se não aparecerem mensagens de erro, quer dizer que o Content PipeLine reconheceu o formato de arquivo e converteu esse formato para um formato interno reconhecível pelo XNA (e este formato é proprietário, evidentemente). Selecione o painel propriedades (deixando marcado logo.png) e obteremos as propriedades de logo.png: O nome do asset é logo, sem extensão de arquivo. Por default, todos os nomes de assets serão o nome do arquivo que o asset representa sem a extensão de arquivo. Os nomes dos assets não podem repetir sem os mesmos estiverem no mesmo arquivo criado em Content, mas se os assets estiverem em subpastas diferentes, poderão ter o mesmo nome.

14 Note que Content Processor e Content Importer reconheceu o arquivo como do tipo textura (Texture). Uma textura é uma imagem que pode ser aplicada a uma superfície de algum objeto. Carregando e desenhando seu Sprite Agora que o Content Pipeline reconheceu a nossa textura, ela pode ser carregada para ser desenhada em tela. Mas antes disso, precisamos dizer no código de Game1.cs que nós vamos usar este recurso e carregá-lo na tela, e onde nós desejamos nesta tela. Crie uma variável que se refere ao objeto 2D que carregaremos em tela, ele deve ser do tipo textura, logo, pertence à classe Texture2D. Ele pode ficar logo abaixo das variáveis que já vieram declaradas nesta classe, repetimos as mesmas para que você possa reconhecer: GraphicsDeviceManager graphics; SpriteBatch spritebatch; Texture2D texture; Agora você precisa carregar o arquivo da imagem real em sua variável Texture2D. Para acessar dados do Content Pipeline você usa a propriedade Content da classe Game. Esta propriedade é do tipo ContentManeger, e providencia acesso a todos objetos carregados no Content PipeLine. A classe ContentManeger tem um método chamado Load que permite carregar conteúdo em diferentes objetos de formato XNA. Adicione a seguinte linha dentro do métod LoadContent: texture = Imagens/logo ); O método fica então assim: protected override void LoadContent() texture = spritebatch = new SpriteBatch(GraphicsDevice); Note que o parâmetro se refere ao nome do asset e não o nome do arquivo, daí o fato de não haver a extensão de arquivo.png após logo. Construa a sua aplicação clicando em Build e verifique se ocorreram erros.

15 O métod Load é um método genérico que espera a especificação de um tipo da variável que deve ser carregada. Neste caso você espera que um objeto do tipo Texture2D seja retornado. O seu arquivo imagem foi carregado e está pronto para ser usado, mas onde e como devemos desenhá-lo? É aqui que aparece o método Draw que vai nos dizer como e onde desenhar a textura acima. Adicione as seguintes 3 linhas de código dentro do método Draw: spritebatch.begin( ); spritebatch.draw(texture, Vector2.Zero, Color.White); spritebatch.end( ); O métod Draw fica assim: protected override void Draw(GameTime gametime) GraphicsDevice.Clear(Color.Black); spritebatch.begin(); spritebatch.draw(texture, Vector2.Zero, Color.White); spritebatch.end(); base.draw(gametime); Compile e rode o nosso projeto:

16 Vamos estudar estas 3 linhas de código em detalhes: A primeira coisa a notar é que todas as 3 linhas de código usam um objeto chamado spritebatch, que é do tipo SpriteBatch. Esta variável é definida em seu projeto quando você a criou e instanciou no método LoadContent, relembrando: protected override void LoadContent() texture = spritebatch = new SpriteBatch(GraphicsDevice); Basicamente, o que está acontencendo aqui é que com as chamadas Begin e End a partir do objeto SpriteBatch, XNA está contando ao dispositivo gráfico que ele deve enviar um sprite (imagem 2D). O dispositivo gráfico estará recebendo grandes quantidades de dados através de um XNA game, e os dados estarão em diferentes formatos e tipos. A chamada SpriteBatch.Begin( ) inicia a ação do dispositivo gráfico

17 (placa gráfica) para que reconheça e renderize os dados em tela. O método Draw possui 3 parâmetros: Parâmetro Tipo Descrição texture Texture2D Um objeto 2D que armazena a imagem a ser renderizada em tela. Posição Vector2 A posição em coordenadas 2D, medida a partir da posição no canto superior esquerdo da tela. Cor Color A cor que está associada ao sprite, com exceção de white: não pinta o sprite de branco, ele fica com a cor original. Tabela 1: parâmetros do método Draw(,, ) Vector2.Zero significa um vetor com coordenada X=0 e Y=0, ele é equivalente a escrevermos: Vector2(0,0). Orientação das coordenadas 2D na tela O canto superior esquerdo da tela começa as suas coordenadas em X=0 e Y=0. Os valores positivos de X estão à direita e os valores positivos de Y estão na direção vertical indo para baixo a partir daquele canto! Isto é padrão definido pelo DirectX. Para entendermos o que ocorre, desenhe novamente o mesmo sprite na tela do exemplo anterior (cujo arquivo era logo.png) e especifique o vetor posição com as coordenadas: X = 40 e Y = 60. Vamos compilar e rodar para ver onde estará o sprite:

18 protected override void Draw(GameTime gametime) Vector2 vector; vector.x = 40; vector.y = 60; GraphicsDevice.Clear(Color.Black); spritebatch.begin(); spritebatch.draw(texture, vector, Color.White); spritebatch.end(); base.draw(gametime); Na primeira linha criamos um vetor 2D para indicarmos a posição do sprite. Nas duas linhas abaixo, temos: vector.x = 40; a propriedade.x de vector é um inteiro e nesse caso = 40. A propriedade.x do vetor acima é simplesmente a coordenada X deste vetor. O mesmo vale para a coordenada Y. Rodando o nosso projeto obteremos: Até agora tudo bem, mas lembre-se de um detalhe: as coordenadas X e Y deste vetor marcam um ponto do plano, e a figura acima não é um ponto,

19 logo, as coordenadas X e Y (respectivamente X = 40 e Y = 60) marcam qual ponto da figura acima? Alguma das extremidades? Um ponto no meio? Neste ponto (desculpe o trocadilho) é importante não esquecermos de mais outra padronização: qualquer textura 2D carregada no XNA terá associada a sua posição a partir da extremidade superior esquerda da figura. É esta extremidade que marca a posição da textura, ou seja, a posição da textura se refere sempre a este ponto. Logo, quando as nossas figuras começarem a se mexer e colidir, vamos ter que nos preocupar no código da segunda questão interessante sobre esses sprites: Qual é a largura do sprite? Qual é a altura do sprite? Estas 2 propriedades acima devem ser referenciadas e conhecidas no código, como veremos nos próximos exemplos. Figura: a seta amarela acima indica a partir de qual ponto nós calculamos a posição do sprite, que é carregado via uma textura 2D. As 2 setas (brancas) maiores na figura acima mostram a direção onde as coordenadas X e Y têm valores crescentes: à direita os valores de X

20 aumentam, para baixo os valores de Y aumentam. Não se esqueça desta convenção. Largura e Altura da Janela e do Sprite A variável Window.ClientBounds.Width denota a largura da janela onde roda o jogo, e esta quantidade também funciona se o jogo está em modo janela ou fullscreen. A variável Window.ClientBounds.Height denota a altura. Voltando ao nosso sprite, veja que o objeto carregado é texture, é a variável tipo Texture2D que criamos para armazenar a imagem da figura logo. Esta variável também tem as propriedades largura e altura, logo, as variáveis texture.width e texture.height irão denotar as propriedades largura e altura do sprite, respectivamente. Como exercício, vamos colocar o nosso sprite precisamente no meio da tela, ou seja, a posição do ponto que é a sua extremidade superior esquerda deve estar bem no meio da janela. Como fazemos isso? Ora, sabemos quem são as alturas e larguras da janela e do sprite, e como desejamos colocá-lo no meio, precisamos dividir por 2. Apague o código anterior do método Draw e escreva o seguinte: protected override void Draw(GameTime gametime) GraphicsDevice.Clear(Color.Black); spritebatch.begin(); spritebatch.draw(texture, new Vector2((Window.ClientBounds.Widthtexture.Width)/2,(Window.ClientBounds.Heighttexture.Height)/2), Color.White); spritebatch.end(); base.draw(gametime); Compile e rode:

21 Figura: a nossa textura centralizada na tela.

22

Aula 02 Introdução ao desenvolvimento de Jogos em XNA Parte 1

Aula 02 Introdução ao desenvolvimento de Jogos em XNA Parte 1 Aula 02 Introdução ao desenvolvimento de Jogos em XNA Parte 1 1 Conhecendo o game loop em XNA A IDE Visual Studio é considerada o repositório onde devemos carregar e instalar a biblioteca de desenvolvimento

Leia mais

Curso: Desenvolvendo Jogos 2d Com C# E Microsoft XNA

Curso: Desenvolvendo Jogos 2d Com C# E Microsoft XNA META Curso: Desenvolvendo Jogos 2d Com C# E Microsoft XNA Conteudista: André Luiz Brazil Aula 5: INICIANDO O PROJETO DE UM JOGO NO VISUAL C# Criar e testar o código de um projeto de jogo produzido através

Leia mais

Curso: Desenvolvendo Jogos 2d Com C# E Microsoft XNA. Exibir e movimentar a espaçonave do jogador na tela do jogo.

Curso: Desenvolvendo Jogos 2d Com C# E Microsoft XNA. Exibir e movimentar a espaçonave do jogador na tela do jogo. META Curso: Desenvolvendo Jogos 2d Com C# E Microsoft XNA Conteudista: André Luiz Brazil Aula 6: EXIBINDO E MOVIMENTANDO A SUA ESPAÇONAVE Exibir e movimentar a espaçonave do jogador na tela do jogo. OBJETIVOS

Leia mais

Apresentação. Alexandre Tolstenko Nogueira. alexandre@tolstenko.net http://tolstenko.net

Apresentação. Alexandre Tolstenko Nogueira. alexandre@tolstenko.net http://tolstenko.net Apresentação Alexandre Tolstenko Nogueira alexandre@tolstenko.net http://tolstenko.net Teoria Prática Teoria XNA Pong Carregar e desenhar imagens na tela Estrutura e organização básica Colisões Componentes

Leia mais

XNA Game Studio Express. Desenho em 2D. Aula 2. Alexandre Santos Lobão contato@alexandrelobao. Pós s em Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos - IESB

XNA Game Studio Express. Desenho em 2D. Aula 2. Alexandre Santos Lobão contato@alexandrelobao. Pós s em Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos - IESB XNA Game Studio Express Aula 2 Desenho em 2D Alexandre Santos Lobão contato@alexandrelobao AlexandreLobao.com Pós s em Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos - IESB Agenda: Aula 2 Revisão Arquitetura de

Leia mais

O XNA é uma nova plataforma de desenvolvimento de jogos baseada em.net 2.0+

O XNA é uma nova plataforma de desenvolvimento de jogos baseada em.net 2.0+ Framework 3.1. OXO Tennis for two O XNA é uma nova plataforma de desenvolvimento de jogos baseada em.net 2.0+ Restrições Soluções Usabilidade Fácil de obter Multi- plataforma.net Framework XNA Game Studio

Leia mais

XNA Framework para desenvolvimento de jogos

XNA Framework para desenvolvimento de jogos XNA Framework para desenvolvimento de jogos Hewerson Gomes, Marcos Alberto Lopes da Silva Sistemas de Informação Centro Universitário do Triângulo (UNITRI) Av. Nicomedes Alves dos Santos 4545 38411-106

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

GraphicsLib Biblioteca Gráfica 2D. Documentação

GraphicsLib Biblioteca Gráfica 2D. Documentação GraphicsLib Biblioteca Gráfica 2D Documentação Edirlei Soares de Lima elima@inf.puc-rio.br Sumário 1 Instalação e Configuração... 4 2 Manual de Utilização... 10 2.1 Estrutura de um Programa... 10 2.2 Loop

Leia mais

Desenvolvimento de Jogos Utilizando XNA: um Exemplo com o Jogo SpaceX

Desenvolvimento de Jogos Utilizando XNA: um Exemplo com o Jogo SpaceX Desenvolvimento de Jogos Utilizando XNA: The Sims: Jogo Computacional como uma Ferramenta Pedagógica na Construção do Conhecimento Matemático Rúbia Juliana Gomes Fernandes - Guataçara dos Santos Junior

Leia mais

Apostilas I, II e III

Apostilas I, II e III Apostilas I, II e III Autor: Lucas Mousinho da Fonseca (lucmousinho@gmail.com) Tópicos da apostila I e II: Introdução O que é o C#? Orientação a Objetos Máquina Virtual Estrutura de um programa em C# com

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C#

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C# LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C# 1.1 - Apresentação Quando fazemos nossas compras em um supermercado, é comum encontrarmos um código de barras impresso nos produtos expostos

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA INICIANTES MICROSOFT XNA Por: Fernando Birck ( Fergo )

GUIA PRÁTICO PARA INICIANTES MICROSOFT XNA Por: Fernando Birck ( Fergo ) GUIA PRÁTICO PARA INICIANTES MICROSOFT XNA Por: Fernando Birck ( Fergo ) 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. APLICATIVOS NECESSÁRIOS...4 3. CRIANDO UM PROJETO...5 4. PREPARANDO MÉTODOS...7 5. O MUNDO 3D...8

Leia mais

Seu primeiro jogo no Game Maker - tradução livre do tutorial do Game Maker. Traduzido por: Fernanda Monteiro Eliott.

Seu primeiro jogo no Game Maker - tradução livre do tutorial do Game Maker. Traduzido por: Fernanda Monteiro Eliott. Seu primeiro jogo no Game Maker - tradução livre do tutorial do Game Maker. Traduzido por: Fernanda Monteiro Eliott. No jogo, algumas frutas se moverão pelo mundo. O jogador deve clicar sobre elas com

Leia mais

O Primeiro Programa em Visual Studio.net

O Primeiro Programa em Visual Studio.net O Primeiro Programa em Visual Studio.net Já examinamos o primeiro programa escrito em C que servirá de ponto de partida para todos os demais exemplos e exercícios do curso. Agora, aprenderemos como utilizar

Leia mais

Introdução ao IDE Netbeans (Programação Java)

Introdução ao IDE Netbeans (Programação Java) Universidade Federal do ABC (UFABC) Disciplina: Processamento da Informação (BC-0505) Assunto: Java e Netbeans Introdução ao IDE Netbeans (Programação Java) Conteúdo 1. Introdução... 1 1.1. Programas necessários...

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

Criando um Jogo de Ping Pong no Unity tipo 2D

Criando um Jogo de Ping Pong no Unity tipo 2D Criando um Jogo de Ping Pong no Unity tipo 2D Criação do Jogo Crie um novo projeto do tipo 2D com nome PingPong2D. File New Project. Escolha o diretório e nome para salvar e como do tipo 2D. Veja abaixo:

Leia mais

Desenvolvendo jogos com MonoGame*

Desenvolvendo jogos com MonoGame* Desenvolvendo jogos com MonoGame* Por Bruno Sonnino Muitos desenvolvedores querem desenvolver jogos. E porque não? Jogos estão entre os mais vendidos na história da computação e as fortunas envolvidas

Leia mais

Dominando Action Script 3

Dominando Action Script 3 Dominando Action Script 3 Segunda Edição (2014) Daniel Schmitz Esse livro está à venda em http://leanpub.com/dominandoactionscript3 Essa versão foi publicada em 2014-05-02 This is a Leanpub book. Leanpub

Leia mais

96 cartuchos simultâneos ou não. Copiar e Colar Cartucho: O usuário poderá copiar e colar os cartuchos, e até mesmo colar o cartucho selecionado em um outro perfil. Além de ter o recurso para mudar a cor

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Montando Redes Ponto-a-Ponto... 3 1.2.1 Parte lógica... 3 1.2.2 Escolhendo o sistema operacional... 3 1.2.3 Instalação

Leia mais

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato Introdução ao X3 Exercício 1: Criando um registro de Contato Inicie por adicionar um novo registro de Contato. Navegue para a tabela de Contato clicando na aba de Contato no alto da página. Existem duas

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas Microsoft Power Point 2003 No Microsoft PowerPoint 2003, você cria sua apresentação usando apenas um arquivo, ele contém tudo o que você precisa uma estrutura para sua apresentação, os slides, o material

Leia mais

Aula Prática 1: Introdução ao Ambiente de Programação Dev-C++

Aula Prática 1: Introdução ao Ambiente de Programação Dev-C++ Aula Prática 1: Introdução ao Ambiente de Programação Dev-C++ 1. Introdução Em nossa primeira aula prática de programação em linguagem C iremos escrever e testar programas de computador básicos. Mas antes,

Leia mais

NetBeans. Conhecendo um pouco da IDE

NetBeans. Conhecendo um pouco da IDE NetBeans Conhecendo um pouco da IDE Professor: Edwar Saliba Júnior Sumário Apresentação:...1 Criando Um Novo Projeto de Software:...1 Depurando Um Código-fonte:...4 Entendendo o Código-fonte:...7 Dica

Leia mais

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Conteúdo Etapa 1: Saiba se o computador está pronto para o Windows 7... 3 Baixar e instalar o Windows 7 Upgrade Advisor... 3 Abra e execute o Windows 7

Leia mais

Lição 4 - Primeiros passos no Linux Ubuntu 11.04

Lição 4 - Primeiros passos no Linux Ubuntu 11.04 Lição 4 - Primeiros passos no Linux Ubuntu 11.04 Olá Aluno Os objetivos específicos desta lição são: - reconhecer o Ubuntu como mais uma alternativa de sistema operacional; - conhecer os elementos da área

Leia mais

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ 1 1. Introdução Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ O ImageJ é um software livre (freeware) que pode ser obtido gratuitamente no site http://rsb.info.nih.gov/ij/. Esse software é

Leia mais

Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II

Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II Apostila desenvolvida pelos Professores Ricardo Santos de Jesus e Rovilson de Freitas, para as Disciplinas de Desenvolvimento de Software I e II, nas Etecs de

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

Como Usar o DriverMax

Como Usar o DriverMax Como Usar o DriverMax Este programa é uma mão na roda para proteger os drivers dos componentes de um computador. Veja porquê. O DriverMax é uma ferramenta que faz cópias de segurança de todos os drivers

Leia mais

Criação de um Jogo Simples de Asteroides 2D no Unity

Criação de um Jogo Simples de Asteroides 2D no Unity Criação de um Jogo Simples de Asteroides 2D no Unity Este tutorial terá como base o tutorial http://blog.lessmilk.com/unity-spaceshooter-1/ E usará suas imagens. Baixe daqui: www.lessmilk.com/unity/assets.zip

Leia mais

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Apresentação da ferramenta Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com 1 Introdução Visual

Leia mais

Fluxo de trabalho do Capture Pro Software: Indexação de OCR e separação de documentos de código de correção

Fluxo de trabalho do Capture Pro Software: Indexação de OCR e separação de documentos de código de correção Este procedimento corresponde ao fluxo de trabalho de Indexação de OCR com separação de código de correção no programa de treinamento do Capture Pro Software. As etapas do procedimento encontram-se na

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

Ave: Manual do usuário

Ave: Manual do usuário As iniciais no canto superior esquerdo indicam a atual lista de espécies em uso. Clique neste campo para abrir uma grade com todas Ave: Manual do usuário Introdução A Janela Inicial O botão Listas Sobre

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

1. EXCEL 7 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.2. CARREGAMENTO DO EXCEL 7

1. EXCEL 7 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.2. CARREGAMENTO DO EXCEL 7 1. EXCEL 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS As planilhas eletrônicas ficarão na história da computação como um dos maiores propulsores da microinformática. Elas são, por si sós, praticamente a causa da explosão

Leia mais

Manual (Office 365) Para acesso ao sistema de e-mails, os passos iniciais continuam os mesmos.

Manual (Office 365) Para acesso ao sistema de e-mails, os passos iniciais continuam os mesmos. Histórico de Alterações Versão Data Autor Função Descrição 1 14/09/2012 Roberto Gouveia Analista de Help Desk Criação inicial 2 19/11/2013 Roberto Gouveia Analista de Help Desk Atualização A partir de

Leia mais

Programação de Computadores I. Conhecendo a IDE Code::Blocks

Programação de Computadores I. Conhecendo a IDE Code::Blocks Code::Blocks Conhecendo a IDE Programação de Computadores I Professor: Edwar Saliba Júnior Conhecendo a IDE Code::Blocks Apresentação: 1) Abra a IDE (Integrated Development Environment), ou seja, o Ambiente

Leia mais

Usando o simulador MIPS

Usando o simulador MIPS Usando o simulador MIPS O objetivo desta aula prática será a utilização do simulador MipsIt para executar programas escritos em linguagem de máquina do MIPS. 1 Criando um projeto Cada programa a ser executado

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Seguidor de Linha Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19 Sensor Smart Seguidor de Linha 1. Introdução Os sensores seguidores de linha são sensores que detectam

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Introdução Aula 03: Pacote Microsoft Office 2007 O Pacote Microsoft Office é um conjunto de aplicativos composto, principalmente, pelos

Leia mais

Usar Atalhos para a Rede. Logar na Rede

Usar Atalhos para a Rede. Logar na Rede GUIA DO USUÁRIO: NOVELL CLIENT PARA WINDOWS* 95* E WINDOWS NT* Usar Atalhos para a Rede USAR O ÍCONE DA NOVELL NA BANDEJA DE SISTEMA Você pode acessar vários recursos do software Novell Client clicando

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO. Plataforma Windows. Relatório Técnico Versão 0.1 (201305032030) Leandro Gomes da Silva, Tiago França Melo de Lima

GUIA DE INSTALAÇÃO. Plataforma Windows. Relatório Técnico Versão 0.1 (201305032030) Leandro Gomes da Silva, Tiago França Melo de Lima Laboratório de Engenharia e Desenvolvimento de Sistemas LEDS/UFOP Universidade Federal de Ouro Preto UFOP GUIA DE INSTALAÇÃO Plataforma Windows Relatório Técnico Versão 0.1 (201305032030) Leandro Gomes

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

Banco de Dados Microsoft Access: Criar tabelas

Banco de Dados Microsoft Access: Criar tabelas Banco de Dados Microsoft Access: Criar s Vitor Valerio de Souza Campos Objetivos do curso 1. Criar uma no modo de exibição Folha de Dados. 2. Definir tipos de dados para os campos na. 3. Criar uma no modo

Leia mais

Objetivo do Sistema. Configuração Mínima (recomendada) Disposição do Manual

Objetivo do Sistema. Configuração Mínima (recomendada) Disposição do Manual Índice Objetivo do Sistema Configuração Mínima (recomendada) Disposição do Manual Módulo Básico Instalando o PDV Abertura e tela de Senha Seleções / Tecla de Funções Ajuda Usando o sistema como ferramenta

Leia mais

Início Rápido Web. 2015 Release 1 Xojo, Inc.

Início Rápido Web. 2015 Release 1 Xojo, Inc. Início Rápido Web 2015 Release 1 Xojo, Inc. Capítulo 1 Introdução Bem-vindo ao Xojo, O jeito mais fácil de criar aplicativos multi-plataforma para Desktop e Web. Seção 1 Sobre o Início Rápido Web INICIANDO

Leia mais

Tutorial de Blender, Animação básica do tipo keyframe

Tutorial de Blender, Animação básica do tipo keyframe Tutorial de Blender, Animação básica do tipo keyframe Enfim, o momento por muitos esperado! ;-) Agora que você já está mais familiarizado com o blender, com o básico sobre edição mesh e sobre renderização,

Leia mais

XNA para o Desenvolvimento de Jogos

XNA para o Desenvolvimento de Jogos XNA para o Desenvolvimento de Jogos Vinícius Godoy de Mendonça vinigodoy@pontov.com.br twitter: @ViniGodoy Ponto V! - http://www.pontov.com.br Quem sou eu? Professor dos cursos de pós graduação e graduação

Leia mais

Banco de Dados Microsoft Access: Criar tabelas. Vitor Valerio de Souza Campos

Banco de Dados Microsoft Access: Criar tabelas. Vitor Valerio de Souza Campos Banco de Dados Microsoft Access: Criar tabelas Vitor Valerio de Souza Campos Objetivos do curso 1. Criar uma tabela no modo de exibição Folha de Dados. 2. Definir tipos de dados para os campos na tabela.

Leia mais

Sistema Click Principais Comandos

Sistema Click Principais Comandos Sistema Click Principais Comandos Sumário Sumário... 1 1. Principais Funções:... 2 2. Inserção de Registro (F6):... 3 3. Pesquisar Registro (F7):... 4 3.1 Pesquisa por letras:... 5 3.2 Pesquisa por números:...

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

GRADIENTES. f lash TRABALHANDO COM. Guilherme Marconi

GRADIENTES. f lash TRABALHANDO COM. Guilherme Marconi f lash TRABALHANDO COM GRADIENTES Muito bem, vamos parar de falar sobre essa ferramenta espetacular e colocarmos logo a mão na massa. Neste exercício, nós veremos o que se pode criar com uma boa noção

Leia mais

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais são programas que como o próprio nome diz tem a função de colocar o computador em operação. O sistema Operacional

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Aula Dirigida de Introdução ao Dev-C++

Aula Dirigida de Introdução ao Dev-C++ Aula Dirigida de Introdução ao Dev-C++ 1 Introdução Departamento de Ciência da Computação IME/USP J.C. de Pina, J. Soares e C.H. Morimoto O que vem a ser um programa em C? Você talvez já tenha ouvido falar

Leia mais

5.3.3.6 Lab - Monitorar e Gerenciar os Recursos do Sistema no Windows Vista

5.3.3.6 Lab - Monitorar e Gerenciar os Recursos do Sistema no Windows Vista IT Essentials 5.0 5.3.3.6 Lab - Monitorar e Gerenciar os Recursos do Sistema no Windows Vista Introdução Imprima e preencha este laboratório. Neste laboratório, você vai usar as ferramentas administrativas

Leia mais

WWW.cerne-tec.com.br. Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br

WWW.cerne-tec.com.br. Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br 1 Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br Continuando com o artigo apresentado na edição passada de comunicação USB com o PIC, continuaremos nesta edição o estudo do

Leia mais

O computador organiza os programas, documentos, músicas, fotos, imagens em Pastas com nomes, tudo separado.

O computador organiza os programas, documentos, músicas, fotos, imagens em Pastas com nomes, tudo separado. 1 Área de trabalho O Windows XP é um software da Microsoft (programa principal que faz o Computador funcionar), classificado como Sistema Operacional. Abra o Bloco de Notas para digitar e participar da

Leia mais

Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A

Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A 2 Digifort Mobile - Versão 1.0 Índice Parte I Bem vindo ao Manual do Digifort Mobile 1.0 5 1 Screen... Shots 5 2 A quem... se destina este manual 5 3 Como utilizar...

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E Unidade III TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EM EDUCAÇÃO Prof. Me. Eduardo Fernando Mendes Google: um mundo de oportunidades Os conteúdos abordados neste modulo são: Google: Um mundo de oportunidades;

Leia mais

Consulta de endereço através do Cep

Consulta de endereço através do Cep --------------------------------------------------------------------------------------------- Por: Giancarlo Fim giancarlo.fim@gmail.com Acesse: http://giancarlofim.wordpress.com/ ---------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Formação em game programming: 01 - Introdução à programação

Formação em game programming: 01 - Introdução à programação Formação em game programming: Para que um jogo eletrônico funcione adequadamente como foi projetado, é necessário que ele esteja corretamente programado. Todas as funções de controle de personagens e objetos

Leia mais

Brasil. Características da Look 312P. Instalação da Look 312P

Brasil. Características da Look 312P. Instalação da Look 312P Características da Look 312P 1 2 3 Lente Foco manual pelo ajuste da lente. Bolso Você pode colocar o cabo no bolso. Corpo dobrável Ajuste a Look 312P em diferentes posições. Instalação da Look 312P 1.

Leia mais

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART Continuação 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART a) Vá para o primeiro slide da apresentação salva no item 31. b) Na guia PÁGINA INICIAL, clique no botão LAYOUT e selecione (clique) na opção TÍTULO

Leia mais

Prof. Esp. Adriano Carvalho

Prof. Esp. Adriano Carvalho Prof. Esp. Adriano Carvalho O que é um Programa? Um arquivo contendo uma sequência de comandos em uma linguagem de programação especifica Esses comandosrespeitam regras de como serem escritos e quais

Leia mais

SIMULADO Windows 7 Parte V

SIMULADO Windows 7 Parte V SIMULADO Windows 7 Parte V 1. O espaço reservado para a Lixeira do Windows pode ser aumentado ou diminuído clicando: a) Duplamente no ícone lixeira e selecionando Editar propriedades b) Duplamente no ícone

Leia mais

Manual de Instalação do GRAVADOR DE DVD USB2.0

Manual de Instalação do GRAVADOR DE DVD USB2.0 Manual de Instalação do GRAVADOR DE DVD USB2.0 Conteúdo Versão2.1 Capítulo1 : Instalação do GRAVADOR DE 2 1.1 Conteúdo da Embalagem...2 1.2 Exigências do Sistema...2 1.3 Instalação do Hardware...2 Capítulo

Leia mais

Depuração de Código Utilizando o Dev-C++ - Dicas

Depuração de Código Utilizando o Dev-C++ - Dicas Depuração de Código Utilizando o Dev-C++ - Dicas Versão 1.0 Belo Horizonte Junho de 2009 Sumário Dicas... 2 Configuração do Dev-C++... 2 Como depurar um código no Dev-C++... 5 Referências Bibliográficas...

Leia mais

Disciplina: INF1005 - Programação I. 1 a aula prática Introdução ao ambiente do Microsoft Visual Studio 2010

Disciplina: INF1005 - Programação I. 1 a aula prática Introdução ao ambiente do Microsoft Visual Studio 2010 1 a aula prática Introdução ao ambiente do Microsoft Visual Studio 2010 1. Execute o MS-Visual Studio 2010. Experimente o caminho: Start All Programs Microsoft Visual Studio 2010 Microsoft Visual Studio

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 Continuando nossa saga pelas ferramentas do Visual FoxPro 8.0, hoje vamos conhecer mais algumas. A Ferramenta Class Designer A Class Designer é a ferramenta

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

Prof. Esp. Adriano Carvalho

Prof. Esp. Adriano Carvalho Prof. Esp. Adriano Carvalho Um arquivo contendo uma sequência de comandos em uma linguagem de programação especifica Esses comandosrespeitam regras de como serem escritos e quais são as palavras que podem

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 2 2. OPERAÇÃO...

1. INTRODUÇÃO... 2 2. OPERAÇÃO... www.easislides.com.br 1 Í N D I C E 1. INTRODUÇÃO... 2 2. OPERAÇÃO... 2 2.1. CONFIGURAÇÃO GERAL... 2 2.2. CONFIGURAÇÃO BÁSICA... 2 2.3. INICIANDO O EASISLIDES... 4 2.4. TELA GERAL... 5 2.5. CRIAR UM CULTO

Leia mais

Desenvolvimento de uma Biblioteca de Funções para Simulação no Torque Game Engine

Desenvolvimento de uma Biblioteca de Funções para Simulação no Torque Game Engine Desenvolvimento de uma Biblioteca de Funções para Simulação no Torque Game Engine Bruno Baère Pederassi Lomba de Araujo Orientador: Bruno Feijó Dept. de Informática, PUC-Rio PIBIC Programa Institucional

Leia mais

ÁREA DE TRABALHO. Área de Trabalho ou Desktop Na Área de trabalho encontramos os seguintes itens: Atalhos Barra de tarefas Botão iniciar

ÁREA DE TRABALHO. Área de Trabalho ou Desktop Na Área de trabalho encontramos os seguintes itens: Atalhos Barra de tarefas Botão iniciar WINDOWS XP Wagner de Oliveira ENTRANDO NO SISTEMA Quando um computador em que trabalham vários utilizadores é ligado, é necessário fazer login, mediante a escolha do nome de utilizador e a introdução da

Leia mais

Aula 02 Software e Operações Básicas. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/

Aula 02 Software e Operações Básicas. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/ Aula 02 Software e Operações Básicas Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/ Revisando Como um computador funciona: Entrada (Dados) Processamento (Análise dos Dados)

Leia mais

Energia conservada em uma mola. Introdução. Materiais Necessários

Energia conservada em uma mola. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução A energia é algo intangível e, portanto, as medidas de energia envolvem, necessariamente, processos de medidas indiretas. Em outras palavras, para medir energia, medimos outras grandezas

Leia mais

CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO

CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO Antes de criarmos um novo Banco de Dados quero fazer um pequeno parênteses sobre segurança. Você deve ter notado que sempre

Leia mais

Microsoft Excel 2010

Microsoft Excel 2010 Microsoft Excel 2010 Feito por Gustavo Stor com base na apostila desenvolvida por Marcos Paulo Furlan para o capacitação promovido pelo PET. 1 2 O Excel é uma das melhores planilhas existentes no mercado.

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 26 de agosto de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 Em qualquer profissão é importante que se conheça bem as ferramentas que serão usadas para executar o trabalho proposto. No desenvolvimento de software não é

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DE SOFTWARE

MANUAL DO USUÁRIO DE SOFTWARE MANUAL DO USUÁRIO DE SOFTWARE P-touch P700 O conteúdo deste manual e as especificações deste produto estão sujeitos a alterações sem prévio aviso. A Brother reserva-se o direito de fazer alterações sem

Leia mais

SIAFRO Módulo de Devolução 1.0

SIAFRO Módulo de Devolução 1.0 Conteúdo do Manual. Introdução. Capítulo Requisitos. Capítulo Instalação 4. Capítulo Configuração 5. Capítulo 4 Cadastro de Devolução 6. Capítulo 5 Relatório 7. Capítulo 6 Backup 8. Capítulo 7 Atualização

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS CURSO TECNICO EM INFORMATICA DISCIPLINA:

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS CURSO TECNICO EM INFORMATICA DISCIPLINA: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS CURSO TECNICO EM INFORMATICA DISCIPLINA: PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS PROFESSOR: REINALDO GOMES ASSUNTO: REVISÃO DA INTRODUÇÃO A ORIENTAÇÃO

Leia mais

Dando um passeio no ASP.NET

Dando um passeio no ASP.NET Dando um passeio no ASP.NET Por Mauro Sant Anna (mas_mauro@hotmail.com). Mauro é um MSDN Regional Director, consultor e instrutor. O principal objetivo da arquitetura.net é permitir ao usuário o fácil

Leia mais

Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda:

Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda: 33 Capítulo 3 Procedimentos (macros) Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda: O objetivo de uma macro é automatizar as tarefas usadas com mais freqüência. Embora algumas macros sejam

Leia mais

MANUAL DO ANIMAIL 1.0.0.1142 Terti Software

MANUAL DO ANIMAIL 1.0.0.1142 Terti Software O Animail é um software para criar campanhas de envio de email (email Marketing). Você pode criar diversas campanhas para públicos diferenciados. Tela Principal do sistema Para melhor apresentar o sistema,

Leia mais

CONFIGURAÇÃO E TESTES DO PRODUTO FIT-WM

CONFIGURAÇÃO E TESTES DO PRODUTO FIT-WM CONFIGURAÇÃO E TESTES DO PRODUTO FIT-WM Antes de continuar certifique-se de ter lido e providenciado os pré-requisitos de instalação do produto FIT-WM. Leia cuidadosamente este documento tutorial. Ele

Leia mais

Aula 04 Word. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/

Aula 04 Word. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/ Aula 04 Word Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/ Agenda da Aula Editor de Texto - Word Microsoft Office Conjunto de aplicativos para escritório que contém programas

Leia mais

Tornando sites mais fáceis para visualização 16

Tornando sites mais fáceis para visualização 16 Primeiros passos com o essential Accessibility 3 O que é essential Accessibility? essential Accessibility : uma visão geral Sobre este manual Como instalar o essential Accessibility Requisitos do sistema

Leia mais

Como fazer benchmark do computador

Como fazer benchmark do computador O que é o Índice de Experiência do Windows? O Índice de Experiência do Windows é uma medição que informa como o seu PC funciona com o Windows e usa uma pontuação básica para classificar a experiência que

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Introdução ao Windows 7

Professor: Macêdo Firmino Introdução ao Windows 7 Professor: Macêdo Firmino Introdução ao Windows 7 O hardware não consegue executar qualquer ação sem receber instrução. Essas instruções são chamadas de software ou programas de computador. O software

Leia mais

Versão 8.2C-01. Versão Final da Apostila de Novidades

Versão 8.2C-01. Versão Final da Apostila de Novidades Versão 8.2C-01 Versão Final da Apostila de Novidades Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft OneNote 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Alterne entre a entrada por toque

Leia mais