POLITIZANDO. Boletim do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Política Social (NEPPOS/CEAM/UnB) ESPAÇO DO ALUNO EVENTOS FILMES E LIVROS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLITIZANDO. Boletim do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Política Social (NEPPOS/CEAM/UnB) ESPAÇO DO ALUNO EVENTOS FILMES E LIVROS"

Transcrição

1 ISSN POLITIZANDO Ano 2 - Nº. 4. Abr. de 2010 Boletim do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Política Social (NEPPOS/CEAM/UnB) ENTREVISTA: Envelhecimento e Políticas Sociais no Brasil Cecília Minayo e Anita Liberalesso ARTIGO Política Social para uma Sociedade Intergeracional De Izabel Pessoa e Elizabeth Hernandes ESPAÇO DO ALUNO EVENTOS FILMES E LIVROS TCC O Asilamento: escolha ou falta de escolha? (de Maria Helena Alves Bezerra) Dissertação Percepção dos idosos sobre o transporte público no Distrito Federal e Entorno (de Alda Faiad Góes) Tese Violência Institucional contra a Pessoa Idosa: a contradição de quem cuida (de Marília Anselmo Berzins) I Curso Sobre Conjuntura - A conjuntura política em 2010: burguesia brasileira, crise do capital e embate eleitoral XVII Congresso Brasileiro de Geriatria e Gerontologia: envelhecimento, funcionalidade, participação e sustentabilidade XIII CBAS - Congresso Brasileiro de Assistentes Sociais Politizando Recomenda Filme A Família Savage (de Tamara Jenkins) Por: Clara Alencar Castro Livros Vovô vai à escola (de Mônica de Ávila Todaro) Por: Micheli Reguss Doege Envelhecimento e Longevidade (de Vera Maria A. T. Brandão e Elizabeth Frohlich Mercadante) Por: Rafaella O. da C. Ferreira

2 EDITORIAL TOME NOTA! Esta edição do POLITIZANDO aborda o complexo e multifacetado fenômeno do envelhecimento e da intergeracionalidade. A discussão acerca da convivência e interação entre diferentes gerações representa tanto a consolidação das mudanças demográficas e epidemiológicas, que resultaram em mais gente sobrevivendo e convivendo, quanto a emergência de novos desafios para a política social. Significativas parcelas da sociedade brasileira já perceberam que estão envelhecendo e vêm superando o paradigma da velhice como problema social. Por isso, nesta edição, a abordagem do envelhecimento constitui o pano de fundo das políticas sociais destinadas a uma população composta de diversas gerações que tentam conviver exercendo suas singularidades e fazendo prevalecer aspectos positivos das relações intergeracionais. Atualmente, no Brasil, o lócus da discussão sobre a intergeracionalidade tem sido pouco explorado fora da perspectiva econômica. Alguns trabalhos assinalam o aspecto intergeracional dos programas de transferência de renda, afirmando que, embora o conjunto desses programas contribua para a redução da pobreza em todas as faixas etárias, é entre os idosos que essa redução se acentua. Outros salientam que o programa de transferência de renda de maior impacto mais do que o Bolsa Família é o previdenciário, representado pela Previdência Rural, seguido do Benefício de Prestação Continuada - BPC, cuja população alvo é, em parte, composta de idosos. Uma breve análise de tais programas mostra que, de fato, as melhorias assinaladas significam, no contexto individual, a saída da condição de indigência para a de detentor de renda média de um salário mínimo. Entretanto, quando se discute intergeracionalidade no âmbito das políticas sociais é preciso ultrapassar questões relacionadas ao poder de compra e à satisfação de necessidades biológicas, para incluir temas como violência ou convivência entre gerações, seja no âmbito familiar, seja no espaço de locomoção urbana, tratados na dissertação e na tese apresentadas nesta edição. Como destacado no artigo central deste número, fazse necessário privilegiar o tema da intergeracionalidade na agenda das políticas públicas. A boa convivência entre as gerações constitui uma necessidade humana, e estas, por sua vez, vão além das questões meramente de ordem econômica e são permeadas por fenômenos históricos, subjetivos e imateriais. A efetivação de direitos, propiciada pela implementação das políticas sociais, corresponde à distribuição legítima de bens e serviços, como saúde, educação, suporte social, entre outros, cujo alcance, se norteado por princípios democráticos, beneficiará todas as gerações. Izabel Lima Pessoa, Elizabeth S. Cagliari Hernandes, Jurilza Maria Barros de Mendonça, Vitória Góis de Araújo e Albamaria Paulino de Campos Abigalil - Editoras responsáveis por esta edição 06 a 26/maio I Curso sobre Conjuntura - A conjuntura política em 2010: burguesia brasileira, crise do capital e embate eleitoral Local: Universidade de Brasília/ DF Vagas limitadas! Taxa de Inscrição: R$ 180,00 Informações: 28/junho a 31/julho XVII Congresso Brasileiro de Geriatria e Gerontologia: envelhecimento, funcionalidade, participação e sustentabilidade Local: Expominas - Belo Horizonte/MG Informações: index.php 31/julho a 05/agosto/2010 XIII CBAS - Congresso Brasileiro de Assistentes Sociais Local: Brasília/DF Informações: EXPEDIENTE: Editora-Chefe: Camila Potyara Pereira Comissão Editorial: Carlos Lima, Potyara A. P. Pereira, Maria Auxiliadora César, Vitória Góis de Araújo e Marcos César Alves Siqueira Editoras responsáveis por esta Edição: Izabel Lima Pessoa, Elizabeth S. Cagliari Hernandes, Jurilza Maria Barros de Mendonça, Vitória Góis de Araújo e Albamaria Paulino de Campos Abigalil Bolsistas: Carolina Sampaio Vaz, Micheli Reguss Doege, Rafaella Oliveira da Câmara Ferreira e Tázya Coelho Sousa Revisão: Marcos César Alves Siqueira Criação e Diagramação: Camila Potyara Pereira Imagem da Capa: Domínio Público Núcleo de Estudos e Pesquisas em Política Social (NEPPOS / CEAM / UnB) Universidade de Brasília - Campus Universitário Darcy Ribeiro Pavilhão Multiuso I, Gleba A, Bloco A. Asa Norte. CEP: Brasília/ DF. Tel: +55 (61) Website: s: ou P á g i n a 2

3 ESPAÇO DO ALUNO O ASILAMENTO: ESCOLHA OU FALTA DE ESCOLHA? Este estudo tem como foco a percepção do motivo da institucionalização de idosas no Lar Maria Madalena no DF. Essa percepção não é vista isoladamente, mas no contexto em que ela se deu, com busca das razões reais em que ela se configura. A proposta de compreender os motivos e condições que levaram as idosas abrigadas no Lar Maria Madalena DF ao asilamento, levou-nos à percepção de que estes estão vinculados às condições sociais e familiares e às decisões tomadas no processo de envelhecimento individual. O resultado deste trabalho aponta que existem vários determinantes que levaram as idosas ao asilamento, tanto por escolha como por falta de alternativas diante das histórias de vida e relações sociais e familiares. Por fim, reafirma-se que a velhice é construída culturalmente, de acordo com os valores da sociedade e seus costumes. E na sociedade capitalista do século XXI, prevalece com muita força o estigma de que ser velho é ser um estorvo, algo ultrapassado. GRADUAÇÃO Autora: Maria Helena Alves Bezerra Orientador: Prof. Vicente de Paula Faleiros Data de Defesa: Junho/2009 Instituição: Departamento de Serviço Social da Universidade Católica de Brasília (UCB) Autora: MESTRADO Alda Abrahão Faiad Góes Orientadora: Profª. Carmen J. de Cárdena Data de Defesa: Dezembro/2009 Instituição: Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Serviço Social/ Universidade Católica de Brasília (UCB) PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE O TRANSPORTE PÚBLICO NO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO O transporte, como um dos setores que mais contribui para a estruturação urbana, integra-se ao planejamento implementando ações promotoras do desenvolvimento para a população idosa e dando suporte às relações sociais. As empresas de transporte urbano asseguram gratuidade da passagem para idosos, a partir de 65 anos, 10% dos assentos para pessoas com deficiência, bem como a qualificação dos profissionais. Este trabalho objetiva conhecer a qualidade do atendimento ao idoso portador do passe livre no transporte coletivo urbano do Distrito Federal e Entorno. Os entrevistados foram abordados em pontos de ônibus, logradouros públicos e residências. O resultado revelou a presença de atitudes e palavras discriminatórias contra os usuários - chamados de carteirinha. Ficou evidente que os passageiros idosos têm seus direitos de ir e vir lesados bem como o descumprimento da obrigação de um serviço de transporte com respeito e dignidade. VIOLÊNCIA INSTITUCIONAL CONTRA A PESSOA IDOSA: A CONTRADIÇÃO DE QUEM CUIDA Esta pesquisa, fundamentada no referencial teórico da gerontologia e na perspectiva interpretativa, estudou a velhice e a violência institucional contra pessoas idosas a partir da interpretação do conteúdo das entrevistas de profissionais que trabalham no setor de emergência de um hospital público da cidade de São Paulo. Os profissionais entrevistados declararam que as pessoas idosas são vítimas de diversas formas de violência institucional manifestadas em subcategorias. Este grupo de profissionais não se reconhece como agente de violência institucional, responsabilizando outros pela ação violenta: em primeiro lugar, os próprios colegas de trabalho, e de forma genérica, para a organização do sistema de trabalho. A violência institucional é infligida a todos os usuários, independentemente da idade. Entretanto, os profissionais de saúde apontam para uma maior vulnerabilidade das pessoas idosas, apoiados no conceito e entendimento que eles têm da velhice. Assim, a pesquisa aponta para a necessidade de reconstrução cultural do conceito de velhice pelos profissionais de saúde de forma a favorecer um cuidado mais humanizado. DOUTORADO Autora: Marília Anselmo V. da S. Berzins Orientadora: Profª. Helena A. W. Watanabe Data de Defesa: Março/2009 Instituição: Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública/ Faculdade de Saúde Pública / Universidade de São Paulo (USP) P á g i n a 3

4 Izabel Pessoa e Elizabeth Hernandes Política Social para uma Sociedade Intergeracional Afirmar que o Brasil está envelhecendo a passos largos não é novidade. Todavia, a sociedade brasileira ainda não compreendeu que o fenômeno do envelhecimento é um grande desafio para o país e, em particular, para a política social. Essa situação demonstra a necessidade de fomentar o debate e a reflexão acerca das implicações deste fenômeno, dentre as principais, a convivência intergeracional. As necessidades humanas são históricas, subjetivas, materiais e imateriais. Isso significa que elas são constituídas a partir da realidade de vida e do cotidiano de cada indivíduo. Quando essas necessidades são identificadas e reconhecidas como indispensáveis à vida e à dignidade humana, tornam-se direitos sociais. A efetivação destes direitos, por sua vez, é realizada por meio de políticas sociais, que na prática, correspondem à disponibilização de um conjunto de bens e serviços destinados a atender as diferentes necessidades do ser humano tais como saúde, educação, cultura, lazer, renda, apoio social, entre outras que vão se apresentando conforme o momento e o contexto histórico e do qual é exemplo a boa convivência intergeracional. Também fazem parte das necessidades humanas os bens imateriais como felicidade, harmonia, paz, tranquilidade, dignidade, respeito. Viver boas relações intergeracionais contribui para o acesso a estes bens. Isso reforça a importância de as políticas sociais promoverem as relações entre as diferentes gerações. Essa promoção se torna ainda mais urgente diante dos processos de transformações sociais em andamento como é o caso das mudanças na composição e na dinâmica dos arranjos familiares e do novo papel feminino na sociedade. Também fazem parte dessas transformações as contradições das tecnologias de comunicação, que aproximam e, ao mesmo tempo, isolam os indivíduos, estimulam o conflito entre o novo e o velho, o moderno e o ultrapassado. Em suma, diversos fatores podem ser elencados para evidenciar a necessidade de se promover boas relações intergeracionais. O que se pretende destacar, contudo, é que a falta de atenção com o tema pode trazer sérias consequências para a sociedade nesse contexto de transformações e, sobretudo, diante do histórico social brasileiro. O Brasil é um país rico, habitado por um considerável número de pessoas em grave situação de pobreza. Esse cenário sociodemográfico é um campo fértil para o antagonismo entre as gerações por diversas razões, entre elas, a disputa por recursos e atenção das políticas públicas. Ademais, observa-se que a convivência intergeracional tem caráter contraditório, pois pode desenvolver-se gerando aproximação e consenso, mas também, distanciamento e conflito. Isso significa que pode haver consequências benéficas convivência harmoniosa e solidária entre as gerações e indesejáveis, tais como a violência intrafamiliar ou a fragilização e o isolamento social do segmento idoso, entre outros. Logicamente, o que se deseja é o estabelecimento de relações intergeracionais que tragam benefícios para a sociedade. Isso pode ser alcançado por meio da promoção de ações e práticas que estimulem o respeito, a solidariedade e a interação positiva entre pessoas de diferentes gerações. Tais ações e práticas podem ser definidas como programas intergeracionais. Segundo Newman e Sanchez (2009), estes programas são constituídos por três elementos básicos. Primeiro, é necessário haver participação de pessoas de diferentes gerações; segundo, tal participação implica desenvolver atividades que tragam benefícios para cada pessoa individualmente e para a comunidade em geral; e por último, as atividades devem estimular a continuidade das relações e interações estabelecidas. Além disso, tais programas devem se desenvolver sob um marco amplo de estudo, reflexão e análise, ou seja, devem ser fundamentados em teorias, investigações e práticas que propiciem o máximo aproveitamento de seus resultados por toda a sociedade. No Brasil, o interesse acadêmico e político P á g i n a 4

5 pelo tema das relações intergeracionais ainda é incipiente. Isso conduz a um debate pouco qualificado e ao baixo fomento a programas intergeracionais, fazendo com que o assunto fique restrito a determinadas áreas da política social e da discussão acadêmica. Tradicionalmente estas áreas são aquelas que, por sua natureza, necessitam utilizar a intergeracionalidade como princípio ou fundamento no desenvolvimento de suas ações. As políticas de seguridade social têm se a- presentado como campo mais propício para a utilização da intergeracionalidade nas suas ações. A política previdenciária tem a solidariedade intergeracional como seu principal fundamento, visto que as gerações do presente sustentam a aposentadoria das gerações mais idosas. A família é tradicionalmente o lócus privilegiado da convivência e das relações intergeracionais e a política de assistência social aposta nessa relação para promover o apoio, atenção e cuidado dos idosos, criança e adolescentes. Na trilha deste mesmo modelo está a política de saúde, apresentada pelo Estado como universal e integral, mas que, na prática, demanda solidariedade intergeracional no cuidado e atenção aos mais vulneráveis, especialmente crianças, idosos e pessoas com deficiência. Dessa forma, conclui-se que, se por um lado o interesse dos diferentes atores sociais pelo tema ainda é baixo, por outro, a presença da intergeracionalidade nas relações humanas e, particularmente na política social, é um fato real. Assim, para contribuir com a reflexão e o debate do tema em questão, recomenda-se que as relações intergeracionais sejam pensadas e inseridas nas agendas da política social como: princípio na gestão das diferentes áreas da política social (saúde, assistência social, previdência, educação, cultura, esporte, lazer, entre outras); paradigma de transformação das relações sociais e culturais imprescindíveis à satisfação de necessidades humanas, especialmente no que diz respeito à convivência respeitosa, digna e proveitosa entre as gerações, A sociedade brasileira ainda não compreendeu que o fenômeno do envelhecimento é um grande desafio para o país e, em particular, para a política social. nos diferentes ambientes sociais (familiar, laboral, comunitário); tema transversal nos diferentes setores da política social; como ação, programa, projeto ou atividade destinados a efetivar o direito à boa convivência intergeracional, contribuir para a mudança de comportamentos sociais estereotipados, preservar a memória cultural das gerações, auxiliar no combate à violência intrafamiliar e oportunizar a melhoria geral das condições de vida das pessoas. Para concluir, pode-se afirmar que há, no Brasil, lugar e demanda social por boas relações intergeracionais. Por conseguinte, isso requer práticas políticas e de pesquisa efetivas, no sentido de encarar o envelhecimento da população como um bônus real e a convivência entre gerações como um dos componentes do patrimônio social. Portanto, como afirma Novaes (2005: p ): numa sociedade intergeracional, cada geração tem que comprometer-se com um projeto de sociedade, que exigirá planificações mais amplas e envolvimentos culturais que ultrapassem a simples gestão das carências e urgências dos problemas imediatos. Dir-se-á, porém, que não só cada geração, mas toda a sociedade e, principalmente, o Estado, deve comprometer-se com tal projeto por meio do fomento e implantação de programas intergeracionais, para que o cidadão brasileiro possa viver dignamente seus diferentes ciclos de vida e suas relações intergeracionais. Referências Bibliográficas NEWMAN, S.; SANCHEZ, M. Los programas intergeneracionales: concepto, historia y modelos. In: Programas Intergeneracionales: Hacia uma sociedad para todas las edades. Colleción Estudios Sociales nº 23. (Org.) Mariano Sanchez. Espãna: Barcelona. Edición Eletróncia, disponible en <www.lacaixa.es/ obrasocial>. Consultado em 06/10/2009. NOVAES, M. H. As gerações e suas lições de vida: aprender em tempo do viver. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo: Loyola, P á g i n a 5

6 OPINIÃO: Anita Liberalesso e Cecília Minayo Envelhecimento e Políticas Sociais no Brasil Profª Cecília - As implicações do envelhecimento populacional para as políticas sociais são várias: 1) Considerar quem é essa população, o que ela representa na vida econômica, social, política e cultural do país. Nesse sentido, são de fundamental importância os textos de Ana Amélia Camarano com seus vários estudos, sobretudo os que tratam dos indicadores sociais relativos à população de 60 anos ou mais. 2) Fazer uma distinção dos vários estratos dessa população não apenas do ponto de vista sócio-econômico, como de segmentos etários dentro do próprio grupo de idosos. Para cada estrato é preciso pensar políticas sociais adequadas. 3) Distinguir os idosos independentes e os dependentes por problemas de saúde. O número de idosos dependentes é pequeno em relação ao conjunto, mas as políticas voltadas para eles exigem muito mais especialização, adequação e custam muito caro. Esse é um nó górdio das políticas sociais hoje, pois tudo é ainda muito capenga, a não ser que os idosos tenham posses e possam pagar caríssimo pela atenção a suas necessidades específicas. O contin- Anita Liberalesso Neri é Professora Titular na Faculdade de Educação da Unicamp, Doutora e Mestre em Psicologia pelo Instituto de Psicologia da USP. Foi cientista visitante no Instituto Max Planck for Human Development and Education em Berlim e Introduziu o paradigma lifespan em Psicologia e em Gerontologia no Brasil. Maria Cecília de Souza Minayo é doutora em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz, editora científica da Revista Ciência & Saúde da Associação Brasileira de Saúde Coletiva e pesquisadora titular da Fundação Oswaldo Cruz. Escreveu 116 artigos, 37 livros sozinha ou em grupo e 101 capítulos de livro. Politizando: O envelhecimento da população brasileira já é uma realidade. A seu ver, o Brasil, que sempre se intitulou um país de jovens, está preparado para viver sem grandes problemas essa realidade? Profª Anita - Sem uma ampla reforma na Previdência, melhoria substancial na educação fundamental, acesso universal à informação, formação cientifica de qualidade, geração de empregos qualificados e diminuição da carga tributária, os velhos do futuro terão mais problemas do que os de hoje. mentais nos três níveis; nãogovernamentais; e também das instituições de pesquisa e ensino. De um lado o país está acordando para essa realidade inadiável, de outro, a própria população idosa está exigindo mais atenção e protagonismo. Politizando: Quais as implicações do rápido e irreversível aumento da população idosa para as políticas sociais? Profª Anita - A necessidade de criar soluções para os que estão envelhecendo, entre estes principalmente os muito idosos e, ao mesmo tempo, dar conta das demandas de educação, de saúde, de habitação, de emprego, de segurança, e de seguridade social dos não-idosos. Profª Cecília - Eu acho que o Brasil está começando a se preparar. São várias as iniciativas governagente de idosos saudáveis também precisa ser visto com todo o seu potencial para o trabalho, a colaboração social, o turismo, e os programas de promoção. 4) Nunca esquecer que o envelhecimento é um bem da sociedade brasileira e esta precisa investir na sua valorização do ponto de vista ideológico e real. 5) Investir nas famílias onde mais de 95% dos idosos passam esse tempo de sua vida. Neste sentido, campanhas de esclarecimento, cursos e seminários para conhecimento do fenômeno ou para formação de cuidadores, quando vêm acompanhadas de outras a- ções, podem produzir bons efeitos. Em resumo, a política social para a pessoa idosa é complexa e, assim, deve ser pensada e assumida pelos que a formulam e a colocam em prática. O idoso não constitui uma categoria homogênea. Politizando: Alguns estudos afirmam que, no Brasil, as políticas sociais destinadas aos idosos têm como pressuposto a imagem negativa da velhice. O que acha dessa afirmação? Profª Anita - Concordo, mas acho que essas imagens refletem um dado da realidade, qual seja, o da existência de grandes contingentes de idosos pobres, doentes, desvalidos e discriminados, até mesmo e principalmente, pelos serviços públicos de saúde e de seguridade social. Profª Cecília - Eu nunca havia pensado que as políticas sociais partiriam do pressuposto da velhice como algo negativo. A mim me parece que não. Geralmente, as políticas sociais voltadas para o idoso fazem crítica à visão do velho como problema e como descartável ou inativo. O que sinto é que, em geral, esse pensamento negativo faz parte das representações sociais (dos brasileiros e de muitas outras sociedades). Até considero que algumas políticas são de valorização e de gratidão ao idoso pelo P á g i n a 6

7 que já ofereceu ao país como é caso de: passe livre em transportes, meia-entrada em eventos culturais, prioridade em viagens e filas, e outros. Em todas essas conquistas existe a sensibilização da sociedade e o próprio protagonismo de idosos que são militantes hoje como o foram no passado. Nunca podemos nos esquecer de que a vibrante e militante coorte de jovens dos anos 1960 compõe o segmento dos jovens idosos, dispostos a mostrar que continuam a viver e a colaborar para as transformações sociais. Politizando: Severas e bem fundamentadas críticas tem sido feitas ao Estatuto do Idoso, dando a entender que este adota uma postura de tutela em relação ao idoso, como se este fosse incapaz de ser protagonista de sua própria cidadania. Tais críticas encampam a idéia de que há, no Brasil, uma grande distância entre as políticas formalizadas e a realidade que elas devem atender; ou seja, sofrem do crônico problema da falta de efetividade. Que orientações poderiam ser dadas àquelas pessoas e atores sociais que se interessam em superar a tutela das políticas destinadas à população idosa? Profª Anita - Há dois temas nessa questão. Um é o da distância entre as intenções e as ações. O outro é o da necessidade de os idosos se libertarem da tutela do Estado e de outras agências sociais. São questões complicadas, relacionadas entre si e com forte carga histórica e cultural. Não vejo como resolvê-las com base no voluntarismo de quem quer que seja e muito menos com base em novas leis. Mais educação para brasileiros de todas as idades, em especial para os que ainda não são idosos é a única forma de lidar com ambas as questões. Enquanto os idosos continuarem a não perceber sequer o que lhes é ou foi negado durante toda a vida, a demagogia de muitos políticos, o romantismo ou catastrofismo de parte dos profissionais que trabalham na atenção aos idosos, os interesses envolvidos na pretensa proteção à velhice e o poder que o voto pode conferir aos cidadãos, tudo continuará igual. Profª Cecília - Eu considero que o Estatuto consagrou as lutas sociais pelo envelhecimento inclusivo no ciclo da vida social brasileira. Ele não tutela: ele reconhece direitos e deveres. O problema da tutela é de mentalidade individual e institucional. Quem pensa que o idoso precisa ser tutelado (a não ser o caso do idoso dependente por problemas mentais ou outros semelhantes) é porque o considera como incapaz e descartável. Mas esse não é um problema do Estatuto que, ao contrário, considera o idoso como um membro vivo da sociedade e protagonista de sua existência e de seus direitos. Politizando: A população idosa brasileira supera a casa dos 21 milhões de pessoas. Aproveitando esse momento de ano eleitoral, como vê o protagonismo deste grupo populacional na luta por seus próprios direitos sociais? Profª Anita - O protagonismo dos idosos em relação à luta por seus direitos é ainda incipiente. No atual cenário social brasileiro, é difícil falar em protagonismo de que tem a idade como base da organização dos cidadãos. Profª Cecília - Eu não poderia responder pelos idosos como grupo, pois eles não conformam um partido. Mas além de reivindicar seus direitos, eu vejo os idosos como brasileiros presentes e atentos para eleger os melhores candidatos possíveis, participando, discutindo, lendo jornais, buscando informações, denunciando abusos quando for o caso e estando junto com as outras gerações, empenhados em construir um Brasil saudável, inteligente e feliz. Politizando: A convivência entre gerações seja no espaço coletivo, seja no privado é uma das implicações relacionadas às mudanças sociais decorrentes do envelhecimento populacional. Isso tem sido discutido de formas distintas na sociedade brasileira. Em sua opinião, o que tem prevalecido na prática, o conflito ou a cooperação entre gerações diferentes? Profª Anita - A cooperação, a interdependência e a solidariedade entre as gerações, sem dúvida nenhuma. Profª Cecília - Essa é uma pergunta difícil de responder, pois há idosos e idosos. Todos os sábios e estudiosos nos ensinam que os defeitos e qualidades se acentuam com o tempo. Nesse sentido e quase sempre (estou me esforçando para não me contradizer), o idoso que não tem o respeito no seio de sua família, por exemplo, geralmente já trazia problemas de convivência nesse sentido na sua vida como pais (ausentes, autoritários, violentos, quase sempre). Isso não quer dizer que não existam tentativas competitivas dos adultos da família de destituírem o poder dos idosos, em qualquer hipótese. No entanto, os idosos que sempre compartilharam de forma generosa a vida familiar, os estudiosos mostram, costumam gozar de respeito e afeição. Noutras palavras, o conflito geracional sempre existe, mas ele se acirra e fica mais insustentável quando tem origem na vida pregressa dos idosos. Politizando: Gostaria de acrescentar ou destacar alguma questão para o debate sobre o envelhecimento no Brasil? Profª Anita - Não. Creio que o entrevistador tocou nos pontos mais importantes. Obrigada. Profª Cecília - Gostaria de lembrar que além de tudo o que já dissemos, pensando com a cabeça dos que se comovem com a economia do país, os idosos hoje constituem um segmento importante e potente. Isso não só porque mais de 60% continuam a contribuir com ou a manter suas famílias (são produtivos), mas também, porque são consumidores importantes, configurando um filão de mercado que em país nenhum é desprezível, menos ainda no caso do Brasil em que esse contingente é, atualmente, de 21 milhões de indivíduos. P á g i n a 7

8 POLITIZANDO Recomenda Com uso de linguagem simples e acessível, as autoras tratam da temática do envelhecimento contemplando diversos aspectos desse processo, apoiando-se em dados de recentes pesquisas. Ressaltam a relevância da compreensão do fenômeno considerando -se as identidades e subjetividades dos indivíduos e seus aspectos biopsicossociais, voltando as atenções aos idosos e aos profissionais de gerontologia. Procuram distinguir os conceitos de envelhecimento e longevidade, sendo que este último traz como consequências a transição demográfica, a transição epidemiológica, além de outros desafios postos à família, às políticas públicas e aos próprios sujeitos envolvidos no processo. Por meio de análise histórica e situacional, as autoras apontam a lógica das relações sociais no âmbito do sistema capitalista, como um desafio para os avanços na realidade social, pois esta reserva à pessoa idosa os espaços periféricos, sustentando-se de valores utilitaristas, nos quais o idoso é tido como inativo - inutilizável na produção de riquezas além de gerador de despesas excessivas ao Estado. O debate enriquecedor proposto nesta obra, aponta um novo olhar sobre o envelhecimento, com a criação de novas alternativas de enfrentamento dos desafios presentes e futuros. Referência: BRANDÃO, Vera Maria Antonieta Tordino & MERCADANTE, Elizabeth Frohlich. Envelhecimento ou Longevidade? São Paulo: Paulus, Coleção Questões Fundamentais do Ser Humano. Por Rafaella Oliveira da Câmara Ferreira Aluna do 8º semestre de Serviço Social da UnB Este livro trás orientações para a inclusão do tema velhice nas salas de aula do ensino fundamental. Ao partir do pressuposto de que as imagens sociais refletem complexos processos culturais, a autora afirma que o envelhecimento populacional é um fenômeno que merece a- tenção no âmbito educacional porque neste local ocorre a convivência entre diferentes gerações. Isso possibilita o estabelecimento de uma relação entre educação problematizadora e mudanças de atitude em relação à velhice. Assim, com o objetivo de levar crianças a reverem os estereótipos e preconceitos existentes em relação aos idosos, o livro analisa a legislação referente à velhice e à educação discutindo conceitos, tipologias e questões culturais. Tais análises são seguidas de comentários sobre publicações nacionais e internacionais da literatura infantil que apresentem personagens idosos. Ademais, é proposto um programa de leitura com sugestões de bibliografia, atividades práticas e outras ações educativas, visando traçar um caminho que elucide o diálogo entre a teoria gerontológica e a prática educacional, além de incentivar a abertura dos currículos escolares para a inclusão das diferenças etárias. Referência: TODARO, Mônica de Ávila. Vovô vai à escola: a velhice como tema transversal no ensino fundamental. Campinas, SP: Papirus, Coleção Vivaidade. Por Micheli Reguss Doege Aluna do 8º semestre de Serviço Social da UnB O drama apresentado neste filme relata a história de dois irmãos com vínculos familiares fragilizados, que se vêem obrigados a cuidar do pai idoso e doente. A alternativa encontrada por eles é colocá-lo em uma instituição para idosos, revelando, assim, as dificuldades e os preconceitos que a pessoa idosa enfrenta nas suas relações familiares. A institucionalização de pessoas idosas se tornou uma medida amplamente adotada pelas famílias modernas que não têm tempo, condições emocionais e/ou financeiras para cuidar de um parente idoso. No entanto, as políticas sociais e a assistência social seguem, teoricamente, a idéia de proteção familiar e da manutenção de seus laços. A prática, contudo, revela que, de maneira geral, as famílias não conseguem oferecer condições de vida digna e emancipada para a pessoa idosa e acabam por acentuar a sua fragilização. Referência: Tamara Jenkins. A família Savage (The Savages). 20th Century Fox Film Corporation. Cor/114minutos Por Clara Alencar Castro Aluna do 8º semestre de Serviço Social da UnB P á g i n a 8

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

Considerações. Acesso à Pesquisa: www.fpa.org.br/area/pesquisaidosos www.sescsp.org.br

Considerações. Acesso à Pesquisa: www.fpa.org.br/area/pesquisaidosos www.sescsp.org.br IDOSOS NO BRASIL: Vivências, Desafios e Expectativas na 3 a. Idade Pesquisa realizada pela Fundação Perseu Abramo em parceria com SESC Nacional e SESC São Paulo Considerações Para viabilizar a pesquisa

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Curso: Reflexões sobre o papel dos conselhos estadual e municipais do idoso

Curso: Reflexões sobre o papel dos conselhos estadual e municipais do idoso Curso: Reflexões sobre o papel dos conselhos estadual e municipais do idoso Novembro de 2014 Apoio: A Garantia de Proteção Integral da Pessoa Idosa e a Fiscalização das ILPIS Cláudia Maria Beré Promotora

Leia mais

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA BRASIL Ü 2025 32 milhões de idosos 6º LUGAR NO MUNDO 2002 15 milhões de Idosos LEGISLAÇÃO DE PROTEÇÃO SOCIAL PARA O IDOSO Lei Orgânica da Assistência

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL -Principais serviços que a Assistência Social possui para atendimento de idosos: - Proteção Social Básica (atendimento preventivo) - Centro de Convivência do Idoso - atualmente

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Falar dos direitos da criança implica necessariamente um resgate do maior avanço em âmbito jurídico e político-ideológico relacionado

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Carla Ribeirinho Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Lisboa, 10 de Maio de 2012 Desafios e oportunidades Crescimento em massa da população idosa. Adopção de medidas que visem minorar situações

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 6.845, DE 2010 (Apenso o Projeto de Lei n o 6.887, de 2010) I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 6.845, DE 2010 (Apenso o Projeto de Lei n o 6.887, de 2010) I - RELATÓRIO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 6.845, DE 2010 (Apenso o Projeto de Lei n o 6.887, de 2010) Institui o Programa Nacional do Esporte Solidário para o Idoso PNESI, e dá outras

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL SÃO VICENTE DE PAULO Ensino Fundamental, Médio e Normal PROJETO RÁDIO VOZES

COLÉGIO ESTADUAL SÃO VICENTE DE PAULO Ensino Fundamental, Médio e Normal PROJETO RÁDIO VOZES COLÉGIO ESTADUAL SÃO VICENTE DE PAULO Ensino Fundamental, Médio e Normal PROJETO RÁDIO VOZES IRATI 2005 RESUMO Dentro do Programa Ética e Cidadania Ensino Médio Construindo Valores na Escola, o Projeto

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS. UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS. UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS DIREITO À IGUALDADE, SEM DISTINÇÃO DE RAÇA RELIGIÃO OU NACIONALIDADE Princípio I - A criança desfrutará

Leia mais

DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Carla Braz Evangelista (NEPB-UFPB/ Email: carlabrazevangelista@gmail.com) Indiara Carvalho dos Santos Platel (NEPB-UFPB/ Email: indiaracs@hotmail.com)

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. Gestão Democrática

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. Gestão Democrática Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade Gestão Democrática Diagnóstico Em agosto de 2002, o Fórum de Educação da Zona Leste promoveu o 2º seminário Plano Local de Desenvolvimento Educativo. Realizado no

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS Carine Ferreira Machado Virago 1 Carla Cristiane Costa 2 Resumo: A nova conjuntura educacional, voltada especialmente a uma educação integral

Leia mais

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas.

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. GT 18 - Psicología Social Del Trabajo en América Latina: Identidades y procesos de subjetivación,

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior.

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior. IDOSOS O Solidariedade, ciente da importância e do aumento população idosa no País, defende o reforço das políticas que priorizam este segmento social. Neste sentido, destaca-se a luta pela consolidação

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Jadson Gilliardy Barbosa de Souza¹; Maria Aparecida Alves Sobreira Carvalho 2 ; Valmiza da Costa Rodrigues Durand 3. Instituto Federal da Paraíba-

Leia mais

AS POLÍTICAS PÚBLICAS COMO MECANISMO DE CONQUISTA EFETIVA DA CIDADANIA. PALAVRAS-CHAVE: Políticas públicas, direito, cidadania, Estado.

AS POLÍTICAS PÚBLICAS COMO MECANISMO DE CONQUISTA EFETIVA DA CIDADANIA. PALAVRAS-CHAVE: Políticas públicas, direito, cidadania, Estado. AS POLÍTICAS PÚBLICAS COMO MECANISMO DE CONQUISTA EFETIVA DA CIDADANIA MAGDA LUCIANA BERTUCI ALVES 1 LIDIANE ANTONIA FERREIRA 2 RESUMO: Este artigo resulta de uma série de reflexões sobre a importância

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA RESUMO DE LIMA,Claudia Barbosa 1 GONÇALVES, Danielle Balbino Souto 2 HERMENEGILDO, Raquel do Nascimento 3 LIMA,

Leia mais

TEXTO: SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS HUMANOS.

TEXTO: SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS HUMANOS. TEXTO: SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS HUMANOS. O envelhecimento digno é considerado um Direito Humano a ser garantido e preservado pelo Estado e pela Sociedade. Assim, a consolidação desse direito requer

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa 15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa O dia 15 de junho marca o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa. A data foi instituída em 2006,

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

Violência contra a pessoa idosa Discutindo Indicadores Maria Cecília de Souza Minayo

Violência contra a pessoa idosa Discutindo Indicadores Maria Cecília de Souza Minayo Violência contra a pessoa idosa Discutindo Indicadores Maria Cecília de Souza Minayo Marco Referencial Considero o tema Violência Contra Idosos como o avesso dos direitos consagrados do Estatuto da Pessoa

Leia mais

Projeto de Lei n.º 36/2013-L

Projeto de Lei n.º 36/2013-L Projeto de Lei n.º 36/2013-L AUTORIZA A CRIAÇÃO DE UMA CASA DE PASSAGEM PARA MULHERES NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE BARRA BONITA. Art. 1º Fica o Executivo autorizado a criar no âmbito

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Orientação para Aposentadoria. Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga

Orientação para Aposentadoria. Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga Orientação para Aposentadoria Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga Orientação para aposentadoria Entendendo a saúde na definição da Organização Mundial da Saúde:

Leia mais

TERCEIRA IDADE - CONSTRUINDO SABERES SOBRE SEUS DIREITOS PARA UM ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

TERCEIRA IDADE - CONSTRUINDO SABERES SOBRE SEUS DIREITOS PARA UM ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA TERCEIRA IDADE - CONSTRUINDO SABERES SOBRE SEUS DIREITOS PARA UM ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Gabriela Pereira Batista, graduanda em enfermagem (UNESC Faculdades) gabrielabio_gabi@hotmail.com

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo A Educação para e na Diversidade 28 de abril 2009 São Paulo NOSSA MISSÃO Construir, articular, promover e implementar práticas e políticas inclusivas, com os diversos setores da sociedade, para garantir

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Polo Universitário Santo Antônio Núcleo de Tecnologia Educacional Santo Antônio da Patrulha. Planejamento para 2015

Polo Universitário Santo Antônio Núcleo de Tecnologia Educacional Santo Antônio da Patrulha. Planejamento para 2015 Polo Universitário Santo Antônio Núcleo de Tecnologia Educacional Santo Antônio da Patrulha Planejamento para 2015 Formação Aprender faz parte da vida, sendo um processo permanente de desenvolvimento humano

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE Vera Lucia Conrado de Oliveira¹; Maria Zildaneide Gonzaga²; Elda Cristiane de Souza Lima³ ESCOLA SENADOR PAULO GUERRA/CABROBÓ-PE lucinhaconrado.77@gmail.com;

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos educadores Multiplicadores

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos educadores Multiplicadores RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos educadores Multiplicadores APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com atuação nacional, sem fins lucrativos ou econômicos,

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR Robson Rogaciano Fernandes da Silva (Mestrando-Universidade Federal de Campina Grande) Ailanti de Melo Costa Lima (Graduanda-Universidade Estadual

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA Comitê Intersetorial Direito à Convivência Familiar e Comunitária Porto Alegre, 9 de outubro de 2012 DIRETRIZES Fundamentação Plano Nacional Efetivação

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

UMI UNIVERSIDADE DA MELHOR IDADE 1

UMI UNIVERSIDADE DA MELHOR IDADE 1 UMI UNIVERSIDADE DA MELHOR IDADE 1 BOAVENTURA, Lara Duarte dos Santos 2 ; ALCÂNTARA, Bruna dos Santos 3 ; SILVA, Juliana Adono da 4 ; GUIMARÃES, Pedro Henrique 5 ; PALMA, Vanessa Cristina Lourenço Casotti

Leia mais