INVESTIGAÇÃO CRIMINAL PELO MINISTÉRIO PÚBLICO:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INVESTIGAÇÃO CRIMINAL PELO MINISTÉRIO PÚBLICO:"

Transcrição

1 BRUNO FREIRE DE CARVALHO CALABRICH INVESTIGAÇÃO CRIMINAL PELO MINISTÉRIO PÚBLICO: FUNDAMENTOS E LIMITES CONSTITUCIONAIS Dissertação apresentada ao programa de Mestrado em Direitos e Garantias Constitucionais Fundamentais, como requisito parcial para obtenção do grau de mestre em Direito. Orientador: Professor Doutor Carlos Henrique Bezerra Leite Vitória 2006

2 Calabrich, Bruno Freire de Carvalho. Título: Investigação criminal pelo Ministério Público: fundamentos e limites constitucionais. n de folhas: 236. Orientador: Carlos Henrique Bezerra Leite. Dissertação (mestrado) Faculdade Direito de Vitória 1. Direito. Ministério Público. Investigação criminal. Direitos e garantias fundamentais. I Leite, Carlos Henrique Bezerra. II - Faculdade Direito de Vitória. III Título

3 BRUNO FREIRE DE CARVALHO CALABRICH INVESTIGAÇÃO CRIMINAL PELO MINISTÉRIO PÚBLICO: FUNDAMENTOS E LIMITES CONSTITUCIONAIS BANCA EXAMINADORA Professor Doutor Carlos Henrique Bezerra Leite Orientador Professor(a) Doutor(a) Professor(a) Doutor(a) Vitória, de de 2006.

4 Aos amigos promotores, advogados, juízes e delegados que, apesar dos dissabores, não perderam a capacidade de se indignar; a minhas irmãs, Aknar e Carolina, pelo amor; e a meus pais, Lia e Jorge, a quem devo tudo, dedico este trabalho.

5 A todos os Procuradores da República, servidores e estagiários com quem tive e tenho a honra de trabalhar na Procuradoria da República no Estado do Espírito Santo, pelas lições de profissão e de vida; ao Doutor Carlos Henrique Bezerra Leite, orientador desta monografia, exemplo de professor e de membro do Ministério Público; e à comunidade brasileira de software livre, pela disponibilização da ferramenta BrOffice.org, com a qual foi redigida a presente dissertação, meus sinceros agradecimentos.

6 Uma vida sem investigação não é digna de ser vivida. Platão, Apologia de Sócrates, 38a.

7 RESUMO O presente trabalho tem por objetivo analisar a compatibilidade entre as funções e a natureza do Ministério Público com a atividade da investigação criminal, conforme o modelo processual penal brasileiro, e identificar os limites constitucionalmente impostos a essa atividade. Assentado no aporte teórico do garantismo de Luigi Ferrajoli, o estudo desenvolvido emprega o método hipotético-dedutivo e, como técnica, a pesquisa bibliográfica e documental, com destacada atenção a decisões do Supremo Tribunal Federal proferidas desde 1988 referentes às nominadas cláusulas de reserva jurisdicional. Nesta dissertação são apresentados os princípios norteadores e principais características dos sistemas acusatório, misto e inquisitivo, para em seguida ser estudada a investigação criminal, apontando seu conceito, sua finalidade, seus destinatários e suas espécies. Discorre-se sobre a investigação criminal no Brasil, examinando o papel das polícias e de outros órgãos do Estado e expondo, na mesma esteira, os argumentos favoráveis e contrários à investigação criminal pelo Ministério Público. Após um estudo sobre os direitos e garantias fundamentais incidentes na investigação criminal, procura-se estabelecer a real função do Juiz em tal atividade, confrontando-a com a função a ser desempenhada pelo Ministério Público. Ao cabo, conclui-se pela possibilidade da investigação criminal direta pelo Ministério Público, sendo essa atribuição limitada abstratamente pelas cláusulas de reserva jurisdicional e, concretamente, pelos princípios da legalidade, da eficiência, da fundamentação, da proporcionalidade e do promotor natural. Em arremate, fazse um sinóptico apanhado das medidas investigatórias em espécie e sua execução pelo Ministério Público, cotejando-as com os limites constitucionais antes analisados. Palavras-chave: Ministério Público; persecução penal; investigação criminal; instrução preliminar; cláusulas de reserva jurisdicional; direitos e garantias fundamentais.

8 ABSTRACT The goal of the present work is to analyse the compatibility between the functions and nature of the public prosecution service and the practice of criminal investigation, according to the Brazilian criminal procedure model, and identify the constitutionally imposed limits to this practice. Established on the theoretical basis of Luigi Ferrajoli s guarantism, the developed study applies the hypothetical-deductive method and, as a technique, the bibliographical and documental research, devoting special attention to the Brazilian's Supreme Court decisions pronounced since 1988 referring to the nominated clauses of jurisdictional reserve. This essay presents the principles and main characteristics of the accusatory, hybrid and inquisitive criminal procedure models, so that the criminal investigation can be studied, indicating its concept, its purpose, its addressees and its types. It discourses about the criminal investigation in Brazil, examining the role of the police and other agencies of the State and exposing the favorable and discordant arguments to the criminal investigation by the public prosecution service. After a study about the rights and fundamental guarantees incident on the criminal investigation, it's possible to establish the real duty of the Judge on that activity, confronting it with the function to be fulfilled by the public prosecutors. It is concluded to the possibility of the direct criminal investigation performed by the public prosecution service, being that attribution limited by the clauses of jurisdictional reserve and, substantially, by the principles of legality, efficiency, grounding, proportionality and natural prosecutor. Lastly, it is presented a summary of investigational acts and its execution by the public prosecution service, under the approach of the constitutional limits analysed before. Keywords: public prosecution service; prosecution; criminal investigation; preliminary instruction; clauses of jurisdictional reserve; rights and fundamental guarantees.

9 SUMÁRIO RESUMO...07 ABSTRACT...08 INTRODUÇÃO OS MODELOS PROCESSUAIS PENAIS BREVE ESCORÇO HISTÓRICO PRINCÍPIOS E SISTEMAS PROCESSUAIS PENAIS MODELO INQUISITIVO MODELO ACUSATÓRIO MODELO MISTO DISTINÇÃO ENTRE OS MODELOS ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E OS MODELOS PROCESSUAIS PENAIS INVESTIGAÇÃO CONCEITO DE INVESTIGAÇÃO CRIMINAL FINALIDADE E DESTINATÁRIOS DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL INVESTIGAÇÕES ESTATAIS E PRIVADAS INVESTIGAÇÕES ESTATAIS DIRETAS E INDIRETAS (OU INCIDENTAIS) A INVESTIGAÇÃO EM CADA MODELO PROCESSUAL PENAL A INVESTIGAÇÃO CRIMINAL PELO MINISTÉRIO PÚBLICO EM OUTROS PAÍSES DO RETORNO AO MODELO ACUSATÓRIO E DA INVESTIGAÇÃO PELO MINISTÉRIO PÚBLICO COMO TENDÊNCIAS DO PROCESSO PENAL O MODELO INVESTIGATÓRIO BRASILEIRO E A INVESTIGAÇÃO

10 PELO MINISTÉRIO PÚBLICO O MODELO PROCESSUAL PENAL BRASILEIRO E A INVESTIGAÇÃO PELA POLÍCIA VANTAGENS E DESVANTAGENS DA INVESTIGAÇÃO PELA POLÍCIA A INEXISTÊNCIA DE MONOPÓLIO DA POLÍCIA PARA A REALIZAÇÃO DE INVESTIGAÇÕES A INVESTIGAÇÃO POR ÓRGÃOS DIVERSOS DA POLÍCIA A ATRIBUIÇÃO INVESTIGATÓRIA COMO DECORRÊNCIA DO PRINCÍPIO DA LEGALIDADE A ATRIBUIÇÃO INVESTIGATÓRIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO Outros argumentos favoráveis e contrários à investigação pelo Ministério Público no Brasil Vantagens e desvantagens da investigação direta pelo Ministério Público no Brasil GARANTISMO E INVESTIGAÇÃO CRIMINAL O GARANTISMO DE LUIGI FERRAJOLI DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS NA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL A POSIÇÃO DO JUIZ NA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL O distanciamento do Juiz e imparcialidade O distanciamento do Juiz e a função de garante OPORTUNIDADE E INSTRUMENTOS DE CONTROLE JUDICIAL DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL AS CLÁUSULAS DE RESERVA JURISDICIONAL POSIÇÃO DA DOUTRINA POSIÇÃO DO STF ABRANGÊNCIA DA RESERVA JURISDICIONAL NO BRASIL...151

11 5.4 FUNDAMENTOS AXIOLÓGICOS DAS CLÁUSULAS DE RESERVA JURISDICIONAL Interceptação de comunicações telefônicas Busca e apreensão domiciliar Prisões Medidas cautelares em geral LIMITES CONSTITUCIONAIS AOS PODERES INVESTIGATÓRIOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO O PRINCÍPIO DA LEGALIDADE ADMINISTRATIVA E AS CLÁUSULAS DE RESERVA DE JURISDIÇÃO PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA PRINCÍPIO DA FUNDAMENTAÇÃO PRINCÍPIO OU MÁXIMA DA PROPORCIONALIDADE PRINCÍPIO DO PROMOTOR NATURAL PRINCÍPIO DA LEGALIDADE ESTRITA (EM RELAÇÃO ÀS NORMAS DE DIREITO PENAL E DE PROCESSO PENAL) SÍNTESE DOS LIMITES AOS PODERES INVESTIGATÓRIOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DAS MEDIDAS INVESTIGATÓRIAS EM ESPÉCIE E SUA COMPATIBILIDADE COM A INVESTIGAÇÃO DIRETA PELO MINISTÉRIO PÚBLICO DEPOIMENTOS PESSOAIS ACAREAÇÕES E RECONHECIMENTO DE COISAS E PESSOAS REQUISIÇÃO DE INFORMAÇÕES, DOCUMENTOS E PERÍCIAS DADOS SIGILOSOS E SUA REQUISIÇÃO PELO MINISTÉRIO PÚBLICO Dados fiscais Dados bancários ou financeiros...187

12 7.4.3 Dados cadastrais INTERCEPTAÇÃO DE COMUNICAÇÕES TELEFÔNICAS Dados cadastrais das operadoras de telefonia Informações sobre ligações e mensagens efetuadas e recebidas ( conta reversa ) AÇÃO CONTROLADA E INFILTRAÇÃO DE AGENTES CAPTAÇÃO E INTERCEPTAÇÃO AMBIENTAL CONCLUSÃO REFERÊNCIAS...217

13 SIGLAS E ABREVIATURAS ACR Apelação criminal ADEPOL Associação dos Delegados de Polícia ADI Ação Direta de Inconstitucionalidade Ag. - Agravo AJURIS Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária BACEN Banco central CF Constituição Federal CF/88 Constituição Federal de 1988 CNPJ Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas COAF Conselho de Controle de Atividades Financeiras Conjur Revista Consultor Jurídico CPI Comissão Parlamentar de Inquérito CPF Cadastro Nacional de Pessoas Físicas CPMI Comissão àrlamentar Mista de Inquérito CP Código Penal CPP Código de Processo Penal CPPP Código de Processo Penal Português CPPI Código de Processo Penal Italiano CRP Constituição da República Portuguesa CSMPF Conselho Superior do Ministério Público Federal CTN Código Tributário Nacional CVM Comissão de Valores Mobiliários DECIF Departamento de Combate a Ilícitos Cambiais e Financeiros DJ Diário da Justiça DJU Diário de Justiça da União DO Diário Oficial DOU Diário Oficial da União DPF Departamento de Polícia Federal

14 ESPEI Escritório de Pesquisa e Investigação da Receita Federal EUA Estados Unidos da América FBI Federal Bureau of Investigations HC Habeas corpus IBAMA Instituto Brasileiro do Meio Ambiente IBCCRIM Instituto Brasileiro de Ciências Criminais IEMA Instituto Estadual do Meio Ambiente INSS Instituto Nacional do Seguro Social Interpol International Criminal Police Organization LC Lei Complementar LOMPU Lei Orgânica do Ministério Público da União LOMAN Lei Orgãnica da Magistratura Nacional MC Medida Cautelar MJ Ministério da Justiça MP Ministério Público MPF Ministério Público Federal MPT Ministério Público do Trabalho MPU Ministério Público da União MS Mandado de segurança PF Polícia Federal PGFN Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PGR Procuradoria-Geral da República PGT Procuradoria-Geral do Trabalho RE Recurso extraordinário RESP Recurso especial RHC Recurso ordinário em habeas corpus RT Revista dos Tribunais SERASA Centralização dos Serviços Bancários S/A SERPRO Serviço Federal de Processamento de Dados SRF Secretaria da Receita Federal SPC Serviço Nacional de Proteção ao Crédito StPO Código de Processo Penal Alemão (strasfprozeßordnung) STJ Superior Tribunal de Justiça

15 STF Supremo Tribunal Federal SUS Sistema Único de Saúde TJ Tribunal de Justiça TRF Tribunal Regional Federal v.u. - Votação unânime

16 INTRODUÇÃO A evolução da dinâmica social, no seio da qual afloram diversas formas de criminalidade, ao mesmo tempo em que demanda a eficiência da atividade persecutória penal (do ponto de vista do sancionamento dos responsáveis), demanda também um sistema de proteção efetiva dos direitos fundamentais dos investigados e acusados. Especificamente no que interessa à atividade persecutória pré-processual, que aqui se trata por instrução preliminar ou, simplesmente, investigação criminal, a criminalidade hodierna põe como um grande desafio aos estudiosos e aplicadores do direito a solução da grave tensão entre eficiência e respeito aos direitos fundamentais. Com efeito, não só a violência urbana mas, sobretudo, as novas formas de criminalidade, que se distinguem da criminalidade tradicional, entre outros aspectos, pelo uso da tecnologia, da organização empresarial com infiltração no corpo estatal e por métodos de inteligência de contra-inteligência em constante aprimoramento, demandam do Estado, por meio de seus órgãos incumbidos da segurança pública e da persecução penal, uma postura profissional e ativa, de modo a promover o justo sancionamento dos responsáveis e a coibir a prática de novos ilícitos. Ao mesmo tempo, exige-se desses órgãos o pleno respeito aos direitos fundamentais de qualquer investigado ou acusado, sem o que não se poderá falar em eficiência, mas em arbítrio. A eficiência da atividade persecutória, paralelamente ao dever de obediência aos direitos fundamentais, pressupõe a identificação dos entes que, num Estado Democrático de Direito, legitimam-se à investigação criminal. Pressupõe, também, a delimitação dos papéis a serem desempenhados por cada um desses entes ou sujeitos, a fim de que a persecução penal e o complexo de relações jurídicas que desta se originam sejam permeadas por mecanismos eficazes de controle da legalidade de todos os atos praticados. É dentro desse contexto que emerge a instituição do Ministério Público,

17 enquanto protagonista da persecutio criminis estatal. À luz de tais ponderações, o presente estudo tem por objetivo analisar a compatibilidade entre as funções e a natureza do Ministério Público e a atividade de investigação criminal, segundo o modelo adotado pela Constituição Federal de 1988, identificando os limites constitucionalmente impostos ao desempenho dessa atividade. O problema a ser enfrentado pode ser assim sintetizado: em que medida os direitos fundamentais e o modelo processual penal brasileiro limitam a atuação investigatória do Ministério Público? A hipótese básica é que, ao tempo em que prevê ao Ministério Público o exercício de poderes investigatórios, a Constituição Federal de 1988, afora as restrições formais e materiais do art. 129, IX, limita-os apenas pelas cláusulas de reserva jurisdicional, respeitado, em cada caso, com relação à investigação específica a ser produzida na situação concreta, os princípios atinentes ao processo e ao direito penal. Dentre as questões que tangenciam a hipótese traçada, tem-se a controvérsia acerca da exclusividade ou não, para as polícias, da função (poder-dever) de investigar. Com efeito, é necessário indagar se a investigação policial, de regra materializada num inquérito policial, é a única juridicamente válida e possível, ou se esta é apenas um dos instrumentos para a apuração de ilícitos penais. Essa abordagem não prescinde da demonstração de que, para determinados crimes e situações excepcionais, investigações realizadas diretamente pelo Ministério Público podem ser o meio mais hábil para o deslinde dos fatos. Sob este prisma, o reconhecimento da atribuição investigatória do Ministério Público permitiria a plena realização de sua missão constitucional: a defesa do regime democrático, da ordem jurídica e dos interesses sociais e individuais indisponíveis (art. 127 da CF/88). A atualidade e a importância do tema vêm a propósito de diversas ações e

18 impugnações, perante os tribunais, acerca da validade de investigações conduzidas pelo Ministério Público, notadamente em casos de grande repercussão, o que tem fomentado intensos debates na comunidade jurídica. O interesse sobre o estudo ora apresentado também se constata pela exigência da Constituição e, no plano fático, de toda a sociedade, de que seja debelado o gravíssimo problema da impunidade em nosso país. Sobre o tema da investigação criminal pelo Ministério Público no Brasil, algumas obras já foram elaboradas, sobretudo nos últimos anos 1, e inclusive compõem o referencial deste trabalho. Em nenhuma delas, entretanto, fez-se a abordagem aqui proposta, atinente à análise das cláusulas de reserva jurisdicional enquanto limites abstratos à atribuição investigatória do Ministério Público, conjuntamente a outras limitações de ordem constitucional. O método utilizado na presente pesquisa é o hipotético-dedutivo, por meio do qual se indaga sobre os contornos do modelo constitucional processual penal brasileiro e sobre as funções outorgadas ao Ministério Público, para dessa indagação extrair sua atribuição investigatória e os limites abstratos e concretos de tal atribuição. Como técnicas, empregou-se a pesquisa bibliográfica e documental, focada, esta última, em julgados do Supremo Tribunal Federal (a partir de 1988) referentes aos poderes investigatórios do Ministério Público e, notadamente, às nominadas cláusulas de reserva jurisdicional. No primeiro capítulo, são estudados os modelos ou sistemas processuais penais, fazendo um breve histórico de sua evolução, identificando seus 1 A base de dados da Coordenação de Aperfeiçoamento Pessoal em Ensino Superior - CAPES, do Ministério da Educação, registra sete dissertações de mestrado, todas defendidas a partir do ano de 1999 até 2004 (último ano disponível para pesquisa), sobre o tema da investigação criminal pelo Ministério Público. O enfoque principal daqueles trabalhos, diversamente do presente, diz respeito à possibilidade e à importância da investigação criminal direta pelo Parquet, sem adentrarem em maior profundidade o tema próprio das limitações constitucionalmente impostas a essa atividade (BRASIL. Ministério da Educação. Banco de teses e dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento Pessoal em Ensino Superior - CAPES. Disponível em: <http://www.capes.gov.br/capes/portal/conteudo/10/banco_teses.htm>. Acesso em: 17 jun. 2006).

19 princípios norteadores e sua conformidade ou não com o Estado Democrático de Direito. No segundo capítulo, debruça-se sobre a atividade de investigação criminal, apresentando seu conceito, finalidade, destinatários e suas espécies, confrontando-as com cada modelo processual penal. Ao cabo, faz-se uma sintética apresentação da tendência quanto ao papel a ser desempenhado pelo Ministério Público na investigação criminal em outros países, pavimentando o caminho para um cotejo com o capítulo seguinte, em que se faz uma análise do modelo investigatório brasileiro. Nessa senda, enfoca-se, no terceiro capítulo, o papel da polícia dentro do modelo investigatório brasileiro, suas vantagens e desvantagens e a ausência de monopólio para a realização de investigações criminais. Prossegue-se com a apresentação de exemplos de investigações conduzidas por órgãos diversos da polícia, confirmando-os pela demonstração de que essa possibilidade é decorrência direta do princípio da legalidade. Ao fim, estuda-se a investigação direta pelo Ministério Público, apontando argumentos contrários e favoráveis, bem como suas vantagens e desvantagens. Alcançando-se o quarto capítulo, já se terá evidenciado, ao longo dos capítulos antecedentes, a matriz teórica juspositivista crítica de inspiração liberaliluminista (contraposta ao positivismo meramente formalista e legalista) que permeia todo o trabalho. Assim, principia-se-o com uma breve abordagem sobre a teoria do garantismo penal e processual penal de Luigi Ferrajoli e sua preocupação com a efetiva aplicação dos direitos fundamentais, manifestada no contraste entre efetividade e normatividade desses direitos. Discorre-se, ainda nesse quarto capítulo, sobre os direitos e garantias fundamentais na investigação criminal e, especialmente, sobre a posição do juiz nessa fase. No quinto capítulo, examinam-se as cláusulas de reserva jurisdicional segundo a doutrina e a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal - STF, delimitando sua abrangência e seus fundamentos axiológico-constitucionais.

20 A síntese dos capítulos antecedentes conduz ao sexto capítulo, que, sem adstringir-se à reserva jurisdicional como limite abstrato à atividade persecutória pré-processual do Ministério Público, também aponta outros limites, vinculados, estes, sempre, a um confronto com o caso concreto. O sétimo capítulo prende-se à análise das medidas investigatórias em espécie e sua compatibilidade com a investigação direta pelo Ministério Público, revelando, uma a uma, de que forma e em que medida se dá a atuação do Parquet, sem olvidar dos limites apontados nos capítulos precedentes.

21 1. MODELOS PROCESSUAIS PENAIS E INVESTIGAÇÃO No fito de pavimentar a trilha que se pretende percorrer no presente trabalho, é essencial que sejam apresentados, ainda que sem a pretensão de esgotamento da matéria (dados os limites que interessam a esta dissertação), as características e os princípios conformadores dos três sistemas processuais penais adotados ao longo da história dos povos ocidentais em todo o mundo: o sistema acusatório, o sistema inquisitivo e o sistema misto. A par dessa apresentação, será possível identificar a função da atividade de investigação em cada um desses sistemas ou modelos, bem como o papel do Ministério Público (se existente) nessa atividade. 1.1 BREVE ESCORÇO HISTÓRICO Nos grupos humanos primitivos, ausente ainda a compreensão do fenômeno jurídico, regidos que estavam por regras de natureza mística, religiosa, moral ou meramente consuetudinária, preponderava, na solução dos conflitos havidos entre os homens derivados da prática de uma infração, o exercício da autotutela, consistente na proteção do interesse do próprio lesado por imposição, mediante o uso da força; quando muito, tal solução era buscada pela forma negociada da autocomposição. Com a evolução das sociedades, verificou-se a necessidade de que fossem estabelecidas regras próprias para a punição do responsável por uma infração, não só com vistas à satisfação do interesse da vítima, a ser assegurado com o restabelecimento do status quo ante, mas também para que fosse preservada a ordem e a paz no seio da comunidade. Lembra Cristiano Álvares Valadares do Lago que, nessa época, a reação punitiva era de forma diferenciada, conforme o ato causasse um dano somente a uma pessoa ou representasse, em si, uma violação aos interesses de todo o grupo 2. Principiou, destarte, o 2 LAGO, Cristiano Álvares Valadares do. Sistemas Processuais Penais. Jurisprudência Mineira, Belo Horizonte: Tribunal de Justiça de Minas Gerais, n.º 149, jul. a set. de 1999, p. 09.

22 surgimento de formas específicas de solução de conflitos, impostas (ou mediadas) por sujeitos (ou grupos de sujeitos) diversos dos próprios sujeitos envolvidos (infrator e vítima), reconhecidos pela comunidade e especialmente dotados desse poder (heterotutela). Entre as primeiras sociedades politicamente organizadas destaca-se o Egito, onde o poder de julgar concentrava-se nas mãos dos sacerdotes, havendo um tribunal supremo, incumbido de decidir sobre crimes mais graves, e, nas províncias, juízes, auxiliados por delegados, encarregados do julgamento de infrações menores 3. Lá se verifica, segundo assinala Ada Pellegrini Grinover 4, o embrião do sistema inquisitório, considerando que a persecução penal era de iniciativa oficial, inspirada num governo absolutista e sacerdotal. Na Grécia antiga, mais precisamente em Atenas, era feita a distinção entre crimes privados e crimes públicos, considerando-se como crimes privados aqueles que repercutissem somente para uma vítima ou vítimas determinadas e que causavam danos de menor relevância 5. Para tais delitos, cumpria à própria vítima o sancionamento do responsável, aplicando-lhe diretamente a punição cabível, direito que era reconhecido pelo estado ateniense. Para os crimes mais graves (ou crimes públicos ), que afetavam algum interesse público (como a tranqüilidade e a ordem públicas), o modelo de persecução tinha contornos nitidamente acusatórios: exigia-se uma acusação, que o ofendido ou qualquer do povo poderia formular (acusação popular), a ser julgada por um tribunal popular, após a defesa do acusado. Cada uma das partes deveria elaborar suas alegações e apresentar as provas correspondentes, devendo o tribunal permanecer inerte durante toda a instrução, para somente ao final proferir sua decisão. Ao lado da Grécia, entre os que primeiro adotaram um sistema que, na classificação feita hoje, pode ser aproximado ao acusatório, também costumam 3 PRADO, Geraldo. Sistema acusatório - a conformidade constitucional das leis processuais penais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006, p GRINOVER, Ada Pellegrini, apud PRADO, Geraldo. Op.Cit, p LAGO, Cristiano Álvares Valadares do. Op. Cit, p. 10.

23 ser citados a Índia e o direito hebraico 6. Em Roma, aplicou-se inicialmente um sistema com traços inquisitoriais denominado cognitio, que tinha como marca a outorga de amplos poderes ao juiz para iniciar a persecução, reunir as provas e julgar (inquisitio). A amplitude dos poderes do magistrado encontrava fundamento no fato de que sua autoridade era uma representação do rei 7. Contra a sentença desse juiz cabia uma apelação às Assembléias do Povo, o que, a princípio, mitigava a característica inquisitorial desse procedimento. No final do período da República (anterior, portanto, à fase do Império), Roma passou a adotar o sistema da accusatio, também nominada judicium publicum ou quaestio. O procedimento era deflagrado por meio da accusatio, que era a faculdade de qualquer cidadão, notadamente o ofendido, de apresentar uma acusação perante uma das quaestiones perpetuae 8 órgãos incumbidos dos julgamentos, outrora concentrados nas variadas magistraturas, no senado e nas assembléias populares (comitia centuriata ou comitia tributa) 9. Recebida a acusação, outorgava-se ao denunciante uma lex, que era um mandato que permitia ao acusador particular praticar todas as medidas necessárias à apuração e à demonstração do fato imputado. Tinha-se, deste modo, uma inquisitio posterior à acusação. O órgão julgador não desenvolvia nenhuma atividade instrutória. Por essa razão, esse modelo costuma ser referido como acusatório puro 10. Com o tempo, o sistema Romano da accusatio entrou em declínio. Isso decorreu da necessidade de concentrar o poder sobre um território que cada 6 SCHOLZ, Leônidas Ribeiro. Sistemas processuais penais e processo penal brasileiro, in Revista do Tribunais, ano 88, vol. 764, jun São Paulo: Revista dos Tribunais, 1999, p PRADO, Geraldo. Op. Cit, p As quaestiones surgiram inicialmente como órgãos delegados, provisórios, e tinham por tarefa investigar fatos específicos (daí seu nome questionar, indagar). Com o tempo, foram crescendo em importância até tornarem-se permanentes quaestiones perpetuae recebendo a competência para julgar as infrações. 9 AZEVEDO, Luiz Carlos. Sistemas processuais penais: acusatório, inquisitivo, misto; origens, distorções, atualidades. Revista do Advogado, São Paulo: Associação dos Advogados de São Paulo, ano XXIV, n.º 78, set. 2004, p SCHOLZ, Leônidas Ribeiro. op. cit., p. 463.

24 vez mais se expandia, mas sobretudo pelo fato de que o sistema da accusatio revelou, ao longo do tempo, sérios inconvenientes, acarretando a perda da credibilidade das quaestiones: considerando a necessidade de que o órgão julgador fosse provocado por uma acusador particular, a quem cumpria reunir todas as provas, facilitava-se a impunidade do infrator e deixava os fracos ao desamparo; por outro lado era possível, também, a formulação de acusações falsas e a deturpação da verdade 11 (convém realçar, como visto, que a acusação precedia a inquisitio). Paulatinamente, os magistrados foram ampliando suas atribuições, até consolidar-se o procedimento da cognitio extra ordinem, ou simplesmente cognitio, fulcrada na concentração de poderes típica do inquisitorialismo, no qual o julgador reunia não só as funções de investigar, mas também de julgar a causa. Entre os povos germânicos, a tradição era a de um modelo acusatório, a exigir a provocação do lesado para que uma assembléia aplicasse a este a pena que merecesse 12. Com as invasões bárbaras, o direito germânico, marcantemente consuetudinário, sofreu profunda influência do direito romano, o que levou à adoção de diversos preceitos do arcabouço normativo de Roma, dentre os quais o processo inquisitivo. A primeira fase da idade média conheceu o surgimento dos feudos, que eram governados por autoridades locais e de forma praticamente autônoma em relação ao governo central a que se subordinavam. Essas autoridades findaram por esgarçar o sistema judiciário germânico, porquanto cada pequena comunidade vivia sob o poder absoluto de um senhor, a quem competia decidir todas as questões de interesse do feudo. O enlargamento da influência da igreja católica foi aos poucos minando essa autoridade, sem, no entanto, eliminá-la, tornando-a, antes, subordinada ao poder eclesiástico. Na idade média, a Igreja vê seu poder assomar-se sobre as comunidades que posteriormente vieram a constituir os Estados monárquicos. A própria 11 TORNAGHI, Hélio, apud PRADO, Geraldo. Op. Cit, p AZEVEDO, Luiz Carlos. Op. Cit, p. 50.

25 legitimidade dos monarcas tinha esteio no poder papal, que, como representante de Deus na terra, chancelava essa legitimidade enquanto uma delegação divina. O crime, por ser, antes disso, um pecado que deveria ser expiado, a fim de que fosse o pecador agraciado com a salvação -, é, para a Igreja, um interesse público, e não meramente privado. Sob esse argumento, justifica-se no direito canônico a necessidade da busca da verdade, por quaisquer meios, ainda que irracionais (foram comuns, pelos tribunais da inquisição, as torturas como meio de obtenção da confissão e os julgamentos respaldados nas ordálias, ou juízos divinos ), desde que eficazes. Assim, se no início da baixa idade média ainda havia resquícios de aplicação de um modelo acusatório (até o século XII registram-se formas acusatórias nas cidades de Bolonha e Florença, onde a inquisição era aplicada de forma subsidiária, somente quando não exercida a acusação 13 ), estes vão sendo, por toda a Europa continental, progressiva e integralmente substituídos por um sistema inquisitório, no qual as funções de acusar, defender e julgar confluem à figura do juiz inquisidor e do Tribunal da Inquisição (Santo Ofício). Luiz Carlos de Azevedo 14 acentua que: Muitas foram as causas que levaram à institucionalização e propagação do sistema inquisitivo: proporcionava ele uma pesquisa mais aprofundada, para os crimes de heresia, tão importantes e por igual tão correntes nesse tempo, como demonstra a severa repressão imposta aos cátaros, no sul da França; refreava e corrigia os excessos dos representantes do clero, já que muitos deles não guardavam ou desleixava,m as prescrições determinadas pela Igreja; reforçava-se o poder do Estado, pois a persecução dos delitos a este competia, 'não sendo mais assunto particular da vítima'; substituía a falibilidade do sistema acusatório, pois já iam longe os ideais de igualdade que o fundamentavam e que não mais persistiam a essa época; traziam ordem e segurança ao procedimento, mediante a documentação probatória; e se ajustava, ainda, a um direito que pretendia convergir para a unidade, mais elaborado e erudito, conforme nisto se esforçava o trabalho desempenhado pelos glosadores. Não se contesta, também, que a sua utilização favorecia tanto o poder do papa, na defesa dos dogmas que deviam conduzir a 13 PRADO, Geraldo. Op. Cit, p AZEVEDO, Luiz Carlos. Op. Cit, p. 51.

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL Kiyoshi Harada * O debate em torno da quebra do sigilo bancário voltou à baila após a manifestação do Procurador-Geral do Banco Central no sentido de que as

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo

O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo SEM REVISÃO O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo Ary César Hernandez (*) Promotor de Justiça SP SUMÁRIO: 1 Generalidades. 1.1 O poder disciplinar. 1.2 Requisitos da aplicação de

Leia mais

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados:

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados: PARECERES JURÍDICOS Partindo das diversas obras escritas pelo Prof.Dr. AURY LOPES JR., passamos a oferecer um produto diferenciado para os colegas Advogados de todo o Brasil: a elaboração de Pareceres

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL AÇÃO PENAL PÚBLICA tem início através de uma peça que se chama denúncia. Essa é a petição inicial dos crimes

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL DR. WILSON DIAS

DIREITO PROCESSUAL PENAL DR. WILSON DIAS ESMEG ESCOLA SUPERIOR DA MAGISTRATURA DO ESTADO DE GOIÁS Prof. e Des. Romeu Pires de Campos Barros DIREITO PROCESSUAL PENAL DR. WILSON DIAS PONTO V - PROCESSO PENAL, SISTEMAS PROCESSUAIS PENAIS E PRINCÍPIOS

Leia mais

O ÔNUS DA PROVA NO PROCESSO PENAL

O ÔNUS DA PROVA NO PROCESSO PENAL O ÔNUS DA PROVA NO PROCESSO PENAL Gustavo de Oliveira Santos Estudante do 7º período do curso de Direito do CCJS-UFCG. Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/4207706822648428 Desde que o Estado apossou-se

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Psicopedagogo, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicopedagogia

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A iniciativa probatória do juiz Manuela Pazos Lorenzo 1.OBJETIVO O presente trabalho tem o objetivo de analisar criticamente o ponto de vista do autor José Roberto dos santos Bedaque

Leia mais

PROCESSO PENAL I 2ª - Par a t r e Pro r f o e f ss s o s r o : r :Ru R b u ens s Co C r o r r e r ia a Jun u ior

PROCESSO PENAL I 2ª - Par a t r e Pro r f o e f ss s o s r o : r :Ru R b u ens s Co C r o r r e r ia a Jun u ior PROCESSO PENAL I 2ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 I HISTÓRIA 2 PROCESSO E PROCEDIMENTO Procedimento: é o conteúdo do processo; Processo: atividade jurisdicional; SUJEITOS PRINCIPAIS E SECUNDÁRIOS

Leia mais

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 Dispõe sobre a regulamentação e a metodologia da inteligência de sinais a ser utilizada no âmbito do Ministério Público do Estado de Goiás. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

Leia mais

HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). RELATÓRIO

HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). RELATÓRIO HC 6017-PB (0002378-25.2015.4.05.0000). IMPTTE : CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL ADV/PROC : OSWALDO PINHEIRO RIBEIRO JÚNIOR E OUTROS IMPTDO : JUÍZO DA 8ª VARA FEDERAL DA PARAÍBA (SOUSA)

Leia mais

As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa

As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa Evandro Dias Joaquim* José Roberto Martins Segalla** 1 INTRODUÇÃO A interceptação de conversas telefônicas

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

GABARITO SIMULADO WEB 1

GABARITO SIMULADO WEB 1 GABARITO SIMULADO WEB 1 PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Deu-se início, no ano de 2014, à construção de um grande empreendimento imobiliário no Município de São Luiz, no Maranhão, pela Construtora

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA Índice 1. Competência...3 1.1. Critérios Objetivos... 3 1.1.1. Critérios Subjetivos... 4 1.1.2. Competência Territorial... 4 2. Dos Processos...4

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO Nº 5076/2012 PROCEDIMENTO MPF nº 1.00.000.002444/2012-76 ORIGEM: PRM TUBARÃO / SC PROCURADOR OFICIANTE: MICHAEL VON MÜHLEN DE BARROS GONÇALVES

Leia mais

DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS: Teoria Geral Alexandre de Moraes

DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS: Teoria Geral Alexandre de Moraes DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS: Teoria Geral Alexandre de Moraes Sinopse Este livro divide-se em duas partes, analisando primeira e detalhadamente a Teoria Geral dos Direitos Humanos, para a seguir enfocar

Leia mais

A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO

A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO EM BUSCA DA PAZ E DA JUSTIÇA Maria Avelina Imbiriba Hesketh 1 1. Introdução A prestação jurisdicional efetiva é uma questão de Justiça Social. Antes de entrar no

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

Decretação de prisão preventiva ex officio. Violação ao Princípio da Inércia da Jurisdição e ao Princípio Acusatório 1

Decretação de prisão preventiva ex officio. Violação ao Princípio da Inércia da Jurisdição e ao Princípio Acusatório 1 Decretação de prisão preventiva ex officio. Violação ao Princípio da Inércia da Jurisdição e ao Princípio Acusatório 1 por Diogo Tebet Advogado criminal Mestrando em Ciências Criminais pela Universidade

Leia mais

Hugo Nigro Mazzilli AD V OG AD O OAB - SP n. 28.656

Hugo Nigro Mazzilli AD V OG AD O OAB - SP n. 28.656 As investigações do Ministério Público para fins penais (Artigo publicado na Revista APMP em Reflexão Ano 1, n. 4, p. 12, São Paulo, APMP, 2005) Hugo Nigro Mazzilli Advogado e consultor jurídico Procurador

Leia mais

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 CAPÍTULO I... 25 1. Novos riscos, novos danos... 25 2. O Estado como responsável por danos indenizáveis... 26 3.

Leia mais

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS.

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. 1. RELAÇÃO COM O DIREITO ADMINISTRATIVO: Classificado no Direito Público Interno, de quem é um de seus ramos, o Direito Administrativo,

Leia mais

COMPETÊNCIA CAPÍTULO VIII 1. NOÇÕES GERAIS

COMPETÊNCIA CAPÍTULO VIII 1. NOÇÕES GERAIS COMPETÊNCIA CAPÍTULO VIII COMPETÊNCIA SUMÁRIO 1. Noções gerais; 2. Competência territorial (ratione loci); 2.1. O lugar da infração penal como regra geral (art. 70 CPP); 2.2. O domicílio ou residência

Leia mais

História Evolutiva do Tribunal do Júri

História Evolutiva do Tribunal do Júri 1 História Evolutiva do Tribunal do Júri A emancipação social gira em constante evolução, pois oriunda de processos trespassados pela sociedade moderna, pelos quais tanto os fatores positivos, como os

Leia mais

Luiz Eduardo de Almeida

Luiz Eduardo de Almeida Luiz Eduardo de Almeida Apresentação elaborada para o curso de atualização do Instituo Brasileiro de Direito Tributário IBDT Maio de 2011 Atividade da Administração Pública: ato administrativo Em regra

Leia mais

ASSOCIACAO DE RADIO COMUNITARIA AMIGOS DO CASSINO ADVOGADO : Humberto da Silva Alves e outro REMETENTE : JUÍZO SUBSTITUTO DA 02A VF DE PORTO ALEGRE

ASSOCIACAO DE RADIO COMUNITARIA AMIGOS DO CASSINO ADVOGADO : Humberto da Silva Alves e outro REMETENTE : JUÍZO SUBSTITUTO DA 02A VF DE PORTO ALEGRE APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 2004.71.00.045184-6/RS RELATORA Juíza VÂNIA HACK DE ALMEIDA APELANTE AGENCIA NACIONAL DE TELECOMUNICACOES - ANATEL ADVOGADO Guilherme Andrade Lucci APELADO ASSOCIACAO

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI » Pedro Henrique Meira Figueiredo NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI O ano de 2010 marcou a comunidade jurídica com a divulgação dos tão esperados anteprojetos do novo Código

Leia mais

O PAPEL DO ADVOGADO EM FACE DA PERSECUÇÃO PENAL

O PAPEL DO ADVOGADO EM FACE DA PERSECUÇÃO PENAL O PAPEL DO ADVOGADO EM FACE DA PERSECUÇÃO PENAL Leônidas Ribeiro Scholz *Publicado em Boletim IBCCRIM, nº 64, março de 1998. Nessa atmosfera de vertiginosa multiplicação de exacerbadas idiossincransias

Leia mais

Palavras-chaves: Impeachment, Presidente da Republica, Infrações Político- administrativas.

Palavras-chaves: Impeachment, Presidente da Republica, Infrações Político- administrativas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA IMPEACHMENT Fernando França Caron Especialista em Direito Constitucional pela Faculdade Damásio de Jesus Docente do Curso de Direito da UNILAGO RESUMO A Constituição Federal de

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR DIREITOS FUNDAMENTAIS BRUNO PRISINZANO PEREIRA CREADO: Advogado trabalhista e Membro do Conselho Nacional de Pesquisa e Pós- Graduação em Direito. Mestre em direitos sociais e trabalhistas. Graduado em

Leia mais

Delegado deve efetivar a garantia de defesa na investigação criminal

Delegado deve efetivar a garantia de defesa na investigação criminal Delegado deve efetivar a garantia de defesa na investigação criminal Dentre os diversos feixes de atribuições decisórias[1] do delegado de Polícia no âmbito da presidência da investigação criminal está

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça.

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 11 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Foro por Prerrogativa de Função; Conexão e Continência. 3.5 Foro por Prerrogativa de Função: b) Juízes

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS Atualizado em 03/11/2015 4. Competência Material Ratione Materiae: Divide-se em competência da Justiça Estadual, Federal, Eleitoral e Militar (não falamos da Justiça

Leia mais

GENILDO LINS DE ALBUQUERQUE NETO

GENILDO LINS DE ALBUQUERQUE NETO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 126, DE 25 DE JUNHO DE 2014 O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES Interino, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do parágrafo

Leia mais

PARADIGMAS DAS RESPOSTAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS DA PROVA DE SELEÇÃO DE ESTÁGIO DE DIREITO 2012

PARADIGMAS DAS RESPOSTAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS DA PROVA DE SELEÇÃO DE ESTÁGIO DE DIREITO 2012 PARADIGMAS DAS RESPOSTAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS DA PROVA DE SELEÇÃO DE ESTÁGIO DE DIREITO 2012 1) Discorra sobre Compromisso/Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). O termo de ajustamento é um título

Leia mais

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34 Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS 2JEFAZPUB 2º Juizado Especial da Fazenda Pública do DF Número do processo: 0706261 95.2015.8.07.0016 Classe judicial:

Leia mais

Uma vez mais: da garantia da ordem pública como fundamento de decretação da prisão preventiva

Uma vez mais: da garantia da ordem pública como fundamento de decretação da prisão preventiva Uma vez mais: da garantia da ordem pública como fundamento de decretação da prisão preventiva Elaborado em 06.2005. Bruno César Gonçalves da Silva Mestre em Direito Processual pela PUC-Minas, professor

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL João e José são pessoas com deficiência física, tendo concluído curso de nível superior. Diante da abertura de vagas para preenchimento de cargos vinculados ao Ministério

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre a impossibilidade jurídica do Tribunal do Júri na Justiça

Leia mais

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 O candidato deverá discorrer sobre os conceitos dos elementos do tipo penal (objetivos, normativos e subjetivos), dando os exemplos constantes no Código

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Direito Processual Penal I Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Público Área: Direito Penal e Processo Penal PLANO DE ENSINO EMENTA Direito

Leia mais

Direito Processual Penal - Inquérito Policial

Direito Processual Penal - Inquérito Policial Direito Processual Penal - Inquérito Policial O inquérito policial é um procedimento administrativo préprocessual, de caráter facultativo, destinado a apurar infrações penais e sua respectiva autoria.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM HABEAS CORPUS Nº 21.628 - SP (2007/0158779-3) RELATORA : MINISTRA LAURITA VAZ RECORRENTE : AGOSTINHO FERRAMENTA DA SILVA JÚNIOR ADVOGADO : JULIANA FERRAMENTA DA SILVA RECORRIDO : TRIBUNAL DE

Leia mais

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL SINDICÂNCIA PATRIMONIAL A sindicância patrimonial, assim como os demais procedimentos investigativos, conforma um procedimento inquisitorial, sigiloso, não contraditório e não punitivo, que visa colher

Leia mais

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL Ana Victoria de Paula Souza Souza, Ana Victoria de Paula. O tribunal de justiça do Estado de São Paulo e o julgamento por e-mail.

Leia mais

Mas não lhe davam instrumentos para se. daí o inquérito civil

Mas não lhe davam instrumentos para se. daí o inquérito civil INQUÉRITO CIVIL PEÇAS DE INFORMAÇÃO Origens, conceito Valor, objeto Competência, fases Nulidades, controle de legalidade Hugo Nigro Mazzilli www.mazzilli.com.br 1 Inquérito civil a revolução no MP As diversas

Leia mais

Acesso aos Tribunais Superiores. Habeas Corpus. Thiago Bottino. Conferência Nacional dos Advogados

Acesso aos Tribunais Superiores. Habeas Corpus. Thiago Bottino. Conferência Nacional dos Advogados Acesso aos Tribunais Superiores Habeas Corpus Thiago Bottino Conferência Nacional dos Advogados Rio de Janeiro, 21 de outubro de 2014 problema pesquisa propostas 2 problema 3 HC 109.956, 1ª Turma, STF

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br 1 Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br PROCESSO Nº 2008.85.00.001172-4 CLASSE: 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: MARIA DE LOURDES VIEIRA LIMA IMPETRADO:

Leia mais

10/06/2008 SEGUNDA TURMA : MIN. CELSO DE MELLO : LUIZ FELIPE DA CONCEIÇÃO RODRIGUES

10/06/2008 SEGUNDA TURMA : MIN. CELSO DE MELLO : LUIZ FELIPE DA CONCEIÇÃO RODRIGUES 10/06/2008 SEGUNDA TURMA HABEAS CORPUS 93.050-6 RIO DE JANEIRO RELATOR PACIENTE(S) IMPETRANTE(S) COATOR(A/S)(ES) : MIN. CELSO DE MELLO : LUIZ FELIPE DA CONCEIÇÃO RODRIGUES : GUSTAVO EID BIANCHI PRATES

Leia mais

Nº 4139/2014 PGR - RJMB

Nº 4139/2014 PGR - RJMB Nº 4139/2014 PGR - RJMB Físico Relator: Ministro Celso de Mello Recorrente: Ministério Público do Trabalho Recorrida: S. A. O Estado de São Paulo RECURSO EXTRAORDINÁRIO. COMPETÊNCIA DA JUS- TIÇA DO TRABALHO.

Leia mais

Tendo em vista o artigo da Promotora de Justiça no Estado do Paraná, Dra. Suzane Maria Carvalho do Prado, disponibilizado por esse CAO-Crim, e as decisões proferidas pela Turma Recursal (Acórdão 71001890557)

Leia mais

Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público:

Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público: Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público: Venho à presença de Vossa Excelência, nos termos do Regimento Interno deste Conselho, apresentar

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

PERSONALIDADE JUDICIÁRIA DE ÓRGÃOS PÚBLICOS

PERSONALIDADE JUDICIÁRIA DE ÓRGÃOS PÚBLICOS PERSONALIDADE JUDICIÁRIA DE ÓRGÃOS PÚBLICOS JOSÉ DOS SANTOS CARVALHO FILHO O processo judicial, como instrumento do exercício da função existência de uma pretensão à qual é oposta pretensão contrária (resistência).

Leia mais

MINISTERIO DO TRABALHO CBO CODIGO BRASILEIRO DE OCUPACÕES. 3518 :: Agentes de investigação e identificação 3518-05 -

MINISTERIO DO TRABALHO CBO CODIGO BRASILEIRO DE OCUPACÕES. 3518 :: Agentes de investigação e identificação 3518-05 - MINISTERIO DO TRABALHO CBO CODIGO BRASILEIRO DE OCUPACÕES 3518 :: Agentes de investigação e identificação 3518-05 - Detetive profissional - Agente de investigação privada, Detetive particular, Investigador

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 31.648 - MT (2010/0037619-1) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO PROCURADOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : AMAGGI EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO LTDA : EUCLIDES RIBEIRO

Leia mais

: MIN. DIAS TOFFOLI :NATAN DONADON :GILSON CESAR STEFANES :MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS :ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO

: MIN. DIAS TOFFOLI :NATAN DONADON :GILSON CESAR STEFANES :MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS :ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO MEDIDA CAUTELAR EM MANDADO DE SEGURANÇA 32.299 DISTRITO FEDERAL RELATOR IMPTE.(S) ADV.(A/S) IMPDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. DIAS TOFFOLI :NATAN DONADON :GILSON CESAR STEFANES :MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

MATERIAL DE APOIO. *segundo o STF o MP tem poder de investigação, ou seja, pode o MP investigar além da polícia.

MATERIAL DE APOIO. *segundo o STF o MP tem poder de investigação, ou seja, pode o MP investigar além da polícia. Escrivao P.F Nível Superior DISCIPLINA:D.Proc.Penal Professor: Guilherme Madeira Aula 01 MATERIAL DE APOIO Processo Penal Professor Madeira Dicas: -Apenas caderno e lei na reta final! -Fazer uma prova

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DIREITO PROCESSUAL CIVIL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DIREITO PROCESSUAL CIVIL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DIREITO PROCESSUAL CIVIL Apresentação O curso de Pós-graduação em Direito Processual Civil e Práticas Processuais qualifica o participante para a aprovação em concursos públicos,

Leia mais

JURISPRUDÊNCIA FAVORÁVEL:

JURISPRUDÊNCIA FAVORÁVEL: TRF 2 COMPETÊNCIA PENAL - PROCESSO PENAL - DECISÃO QUE REJEITA EXCEÇÃO DE INCOMPETÊNCIA - INEXISTÊNCIA DE RECURSO - APELAÇÃO CRIMINAL NÃO CONHECIDA - PEDIDO RECEBIDO COMO HABEAS CORPUS - REDUÇÃO À CONDIÇÃO

Leia mais

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990.

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990. A NOVA DISCIPLINA DA PROGRESSÃO DE REGIME TRAZIDA PELA LEI Nº 11.464/07. MAURICIO MAGNUS FERREIRA JUIZ DE DIREITO DO TJ/RJ No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 527.703 - SP (2014/0128049-6) RELATORA AGRAVANTE AGRAVADO ADVOGADO AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRA REGINA HELENA COSTA : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL : JOSÉ CARLOS ISSA DIP : PAULO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.479 RIO DE JANEIRO RELATOR AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. ROBERTO BARROSO :MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL :PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA :MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL Jerusa, atrasada para importante compromisso profissional, dirige seu carro bastante preocupada, mas respeitando os limites de velocidade. Em uma via de mão dupla,

Leia mais

Perda do Posto e da Patente dos Oficiais e da Graduação das Praças

Perda do Posto e da Patente dos Oficiais e da Graduação das Praças Perda do Posto e da Patente dos Oficiais e da Graduação das Praças PAULO TADEU RODRIGUES ROSA é Juiz de Direito da Justiça Militar do Estado de Minas Gerais respondendo pela titularidade da 2ª AJME, Mestre

Leia mais

PONTO DOS CONCURSOS PROCESSUAL CIVIL P/ TCU 3º SIMULADO DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL P/ TCU! PROFESSOR: RICARDO GOMES

PONTO DOS CONCURSOS PROCESSUAL CIVIL P/ TCU 3º SIMULADO DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL P/ TCU! PROFESSOR: RICARDO GOMES 3º SIMULADO DE DIREITO! AVISOS: Estamos ministrando os seguintes CURSOS: ORGANIZAÇÃO DO MPE/RJ DIREITO PROCESSUAL PARA O TCU TEORIA E EXERCÍCIOS REGIMENTO INTERNO DO TSE TODOS OS CARGOS (TEORIA E EXERCÍCIOS)

Leia mais

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre a instituição dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais no âmbito da Justiça Federal. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

SENTENÇA. Trata-se de ação movida por EQUIPAV S/A PAVIMENTAÇÃO, ENGENHARIA E COMÉRCIO em face do TRIBUNAL DE CONTAS DO DO ESTADO DE SÃO PAULO.

SENTENÇA. Trata-se de ação movida por EQUIPAV S/A PAVIMENTAÇÃO, ENGENHARIA E COMÉRCIO em face do TRIBUNAL DE CONTAS DO DO ESTADO DE SÃO PAULO. fls. 1 CONCLUSÃO Aos 20/10/2009, promovo estes autos à conclusão do(a) MMº(ª). Juiz(a) de Direito, desta 10ª Vara da Fazenda Pública, Dr(a). Eliana Adorno de Toledo Tavares, Eu,. (Ricardo Macedo Soares),

Leia mais

INVESTIGAÇÃO CRIMINAL PROMOVIDA PELO MINISTÉRIO PÚBLICO

INVESTIGAÇÃO CRIMINAL PROMOVIDA PELO MINISTÉRIO PÚBLICO INVESTIGAÇÃO CRIMINAL PROMOVIDA PELO MINISTÉRIO PÚBLICO Renato Marcão Membro do Ministério Público do Estado de São Paulo. Mestre em Direito. Professor convidado no curso de pós-graduação em Ciências Criminais

Leia mais

P R O N U N C I A M E N T O M I N I S T E R I A L

P R O N U N C I A M E N T O M I N I S T E R I A L P R O N U N C I A M E N T O M I N I S T E R I A L Trata-se de mandado de segurança impetrado por em face do INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL, objetivando assegurar que a autoridade coautora continue

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA Gabinete do Presidente

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA Gabinete do Presidente Gabinete do Presidente Despacho n.º /2009//Pres/CADE Data: 18 de agosto de 2009 Protocolado: 08700.002615/2009-31 Natureza: Protocolado Interbno Interessado: Conselho Administrativo de Defesa Econômica

Leia mais

Delegação da Amadora 9 de julho de 2015

Delegação da Amadora 9 de julho de 2015 Dinâmica de Defesa em sede de Inquérito As buscas e as declarações do arguido Delegação da Amadora 9 de julho de 2015 Art.º 64º Obrigatoriedade de assistência Art.º 141º Primeiro interrogatório judicial

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CAPÍTULO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

ANEXO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CAPÍTULO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ANEXO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CAPÍTULO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Art. 1º Comissão de Ética do Ministério da Educação MEC, constituída pela Portaria nº de 623

Leia mais

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO PRESCRIÇÃO Professor Márcio Widal 1. Introdução. A perseguição do crime pelo Estado não pode ser ilimitada no tempo, por força, inclusive, da garantia da presunção de inocência. Além disso, o Estado deve

Leia mais

PRINCIPAIS JULGAMENTOS DE 2015 STF E STJ DIREITO PENAL E PROCESSO PENAL

PRINCIPAIS JULGAMENTOS DE 2015 STF E STJ DIREITO PENAL E PROCESSO PENAL PRINCIPAIS JULGAMENTOS DE 2015 STF E STJ DIREITO PENAL E PROCESSO PENAL Olá amigos do Sabermaisdireito.com, Segue os principais julgamentos sobre Direito Penal e Processo Penal dos Tribunais Superiores

Leia mais

QUATRO PERGUNTAS E QUATRO RESPOSTAS SOBRE O AMICUS CURIAE *

QUATRO PERGUNTAS E QUATRO RESPOSTAS SOBRE O AMICUS CURIAE * QUATRO PERGUNTAS E QUATRO RESPOSTAS SOBRE O AMICUS CURIAE * Cassio Scarpinella Bueno SUMÁRIO: 1) O que é amicus curiae?; 2) O amicus curiae é previsto no direito brasileiro?; 3) Qual é a função primordial

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli R E L A T Ó R I O A Exmª Des. Federal MARGARIDA CANTARELLI (Relatora): Cuida-se de mandado de segurança impetrado pelo MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL contra decisão do Juízo da 8ª Vara Federal do Rio Grande

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA

FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA Regras Básicas para as Atividades de Prática Jurídica a partir do ano letivo de 2013 Visitas Orientadas 72 Horas Obrigatórias Visitas Justiça

Leia mais

Buscas e apreensões em escritórios dos advogados à luz do novo CPP Roberto Raposo Janeiro 2011 -o nível do desenvolvimento civilizacional -ser avaliado pelo grau de equilíbrio -poder dever punitivo do

Leia mais

A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA. Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1

A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA. Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1134 A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1 1 Discente do 6º

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br (Artigos) considerações sobre a responsabilidade "penal" da pessoa jurídica Dóris Rachel da Silva Julião * Introdução É induvidoso que em se tratando da criminalidade econômica e

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO NO ESTADO DO TOCANTINS EDITAL Nº 02/2011 DPU/TO

DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO NO ESTADO DO TOCANTINS EDITAL Nº 02/2011 DPU/TO EDITAL Nº 02/2011 DPU/TO V PROCESSO SELETIVO DE ESTAGIÁRIOS DE DIREITO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NA DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO NO TOCANTINS O Defensor Público Federal-Chefe Substituto da Defensoria

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro RELATÓRIO O Senhor DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO: Cuida-se de apelação criminal interposta pelo Ministério Público Federal contra sentença proferida pelo MM. Juízo da 37ª Vara de Pernambuco, na

Leia mais

CASO RELATIVO A DETERMINADOS PROCEDIMENTOS PENAIS NA FRANÇA (REPÚBLICA DO CONGO V. FRANÇA)

CASO RELATIVO A DETERMINADOS PROCEDIMENTOS PENAIS NA FRANÇA (REPÚBLICA DO CONGO V. FRANÇA) CASO RELATIVO A DETERMINADOS PROCEDIMENTOS PENAIS NA FRANÇA (REPÚBLICA DO CONGO V. FRANÇA) Pedido de indicação de medida provisória Resumo do Despacho de 17 junho de 2003 Aplicação e pedido de medida provisória

Leia mais

DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS

DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS ALEXANDRE DE MORAES DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS Teoria Geral Comentários aos arts. 1 º a 5º da Constituição da República Federativa do Brasil Doutrina e Jurisprudência loª Edição são PAULO EDITORA ATLAS

Leia mais

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes Introdução ao Direito Administrativo NOÇÕES GERAIS O estudo do Direito Administrativo, no Brasil, torna- se um pouco penoso pela falta de um código, uma legislação

Leia mais

AC no 001.2010.024808-5/001 1

AC no 001.2010.024808-5/001 1 1 Poder Judiciário da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL No 001.2010.024808-5/001 - CAMPINA GRANDE RELATOR: Juiz Marcos

Leia mais

A PRISÃO DO DIREITO PENAL. Aurélio Wander Bastos

A PRISÃO DO DIREITO PENAL. Aurélio Wander Bastos A PRISÃO DO DIREITO PENAL Aurélio Wander Bastos O moderno Direito Penal Brasileiro tem evoluído em três grandes linhas teóricas: a do Direito Penal Comum, que trata principalmente da criminalidade comum;

Leia mais