ESCRITÓRIO PILOTO DE ENGENHARIA CIVIL. Relatório de Inspeção Avaliação da Estrutura de Cobertura da Capela do Forte de São José da Ponta Grossa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCRITÓRIO PILOTO DE ENGENHARIA CIVIL. Relatório de Inspeção Avaliação da Estrutura de Cobertura da Capela do Forte de São José da Ponta Grossa"

Transcrição

1 Relatório de Inspeção Avaliação da Estrutura de Cobertura da Capela do Forte de São José da Ponta Grossa UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO Dep. de Eng. Civil EPEC Escritório Piloto de Engenharia Civil GIEM Grupo Interdisciplinar de Estudos da Madeira Resp. Técnico: Prof.a Dra. Ângela do Valle Equipe: FLORIA NÓPOLIS Dezembro de 2006

2 Relatório de Inspeção Avaliação da Estrutura de Cobertura da Capela do Forte de São José da Ponta Grossa UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO Dep. de Eng. Civil EPEC Escritório Piloto de Engenharia Civil GIEM Grupo Interdisciplinar de Estudos da Madeira Resp. Técnico: Prof.a Dra. Ângela do Valle Equipe: Florianópolis, Dezembro de 2006.

3 SUMÁRIO Página 1. Informações preliminares Identificação da Edificação Histórico da edificação Descrição da Edificação Estado Geral de conservação e danos aparentes da edificação Descrição da estrutura de cobertura em madeira Identificação das espécies de madeira Inspeção da estrutura de madeira e análise da deterioração das peças Estado das ripas Estado dos caibros armados Caibro Caibro Caibro Caibro Caibro Caibro Caibro Caibro Caibro Caibro Caibro Caibro Caibro Caibro Caibro Caibro Caibro Caibro Caibro Caibro Caibro Caibro Caibro Caibro Peças a serem substituídas Recomendações Gerais Bibliografia consultada Equipe Técnica Anexo A Propriedades das madeiras identificadas no local.. 35 Anexo B Desenhos CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 2

4 ÍNDICE DE FIGURAS Página Figura 1 Fachada Norte da Capela... 6 Figura 2 Seteira de iluminação da Capela... 6 Figura 3 Padrão de disposição dos tijolos do piso da Capela... 7 Figura 4 Mezanino em madeira sobre a sacristia... 7 Figura 5 Cobertura em duas águas com telha tipo capa-canal... 8 Figura 6 Frechal em concreto armado com algumas partes pinceladas... 8 Figura 7 Danos na cobertura com telhas quebradas ou deslocadas... 9 Figura 8 Danos na cobertura com manchas de infiltrações e túneis de 9 térmitas de solo... Figura 9 Planta baixa da Capela Figura 10 Corte Transversal Figura 11 Aspecto geral dos caibros armados da cobertura da Capela Figura 12 Desenho típico dos caibros armados da cobertura Figura 13 Aspecto do apoio dos caibros no frechal de concreto Figura 14 Aspecto da ligação entre os caibros junto à cumeeira Figura 15 Detalhes de projeto das ligações entre caibros e entre caibro e linha alta, conforme medições realizadas no local Figura 16 Peça em que foi retirada uma amostra Figura 17 Aspecto geral das ripas onde se observa a ocorrência dos caminhos de cupins de solo... Figura 18 Equipe em campo inspecionando estrutura Figura 19 Danos no caibro Figura 20 Danos no caibro Figura 21 Danos no caibro Figura 22 Danos no caibro Figura 23 Danos no caibro Figura 24 Danos no caibro Figura 25 Danos no caibro Figura 26 Deterioração do caibro 17 oeste por galerias, com transpasse da seção transversal por uma chave de fenda Figura 27 Deterioração no caibro CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 3

5 1. Informações preliminares Este relatório apresenta o diagnóstico da estrutura de cobertura da Capela da Fortaleza de São José da Ponta Grossa, situada no Bairro Jurerê Internacional, Florianópolis, SC, que incluiu a realização e inspeção em campo nos dias 4 e 5 de novembro de O serviço foi solicitado pelo ETUSC Escritório Técnico Administrativo da Universidade Federal de Santa Catarina representado pelo Arquiteto Roberto Tonera, responsável pelo projeto Fortalezas Multimídias, ao Escritório Piloto de Engenharia Civil da UFSC. O objetivo é fazer um levantamento da cobertura da Capela de São José da Ponta Grossa, apresentando dimensões, estado de conservação e diagnóstico da estrutura de madeira, que apresenta alguns danos. Os procedimentos empregados na inspeção foram análise visual, percussão, escarificação, coleta de amostras para identificação anatômica das espécies de madeira, técnica de ultra-som e medição da umidade. Durante a inspeção foram registradas as anomalias por meio de anotações de campo em croquis e sob a forma de fotografias. A equipe que participou do levantamento em campo foi: Acadêmicos de Engenharia Civil - UFSC Demian Marafiga Andrade Mat: Diego Mateus da Silva Mat: Manoela Borsa Mat: Victor Correa Canto Mat: Acadêmicos de Arquitetura e Urbanismo - UFSC José Rodolfo Pacheco Thiesen Mat: Kissia Stein do Nascimento Mat: Mestrando do Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil - UFSC Eng. Manuel Manriquez Mestranda do Programa de Pós-graduação em Arquitetura - UFSC Arq. Camila Numazawa Professora Dra. Ângela do Valle Departamento de Engenharia Civil UFSC Professor Dr. João de Deus Medeiros Departamento de Botânica UFSC Após a realização do trabalho de campo, os dados coletados foram analisados e elaborou-se o presente laudo que apresenta o estado atual e propõe medidas de tratamento da estrutura de madeira para prolongar a vida útil da edificação em estudo. CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 4

6 2. Identificação da Edificação 2.1 Histórico da edificação O século XVIII marcou a construção do sistema defensivo da Ilha de Santa Catarina para consolidação do domínio português na região, que era considerada ponto estratégico fundamental para navegação e ocupação do sul da América. Foi estabelecido um triângulo defensivo na barra norte da ilha, formado pelas Fortalezas de Anhatomirim, Ponta Grossa e Ratones, e instalada a Fortaleza de Araçatuba na barra sul. Posteriormente, foram construídos alguns outros fortes que, em conjunto com as fortalezas, passaram por um período de abandono. Alguns desapareceram e outros foram salvos pela proteção do Patrimônio Histórico Nacional, tornando-se pontos de atração turístico-cultural da região de Florianópolis. Localizada na Praia do Forte, a Fortaleza de São José da Ponta Grossa foi projetada pelo Brigadeiro José da Silva Paes e começou a ser edificada em Foi invadida por espanhóis em 1777 e após o episódio foi abandonada e depredada. Pertencente ao Ministério do Exército, a Fortaleza foi tombada, em 1938, como Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e, em 1992, após a sua restauração, passou a ser gerenciada pela Universidade Federal de Santa Catarina. No entanto, a Capela da Fortaleza foi recuperada em época anterior a 1990, na década de Encontrava-se em ruínas, com paredes com pouco mais de um metro da altura. Os trabalhos de restauração começaram em 1972, com a reconstituição das paredes, sendo a cobertura iniciada em 1977, por uma empresa de Curitiba. Segundo relatos do arquiteto responsável pela obra, foram empregada quatro espécies de madeira, sendo três delas a maçaranduba, a canela sassafrás e a guanandi. Não foram encontrados registros de intervenções posteriores. A Capela é a única construção do sistema de fortificações que mantinha, até o mês de outubro de 2006, o uso original para a qual foi projetada, com celebração de missas, casamentos e batizados pela comunidade local. Segundo relatos de funcionários que trabalham na recepção de visitantes na Fortaleza, as atividades cessaram principalmente devido à avançada idade do padre e menos em função do estado de conservação da Capela. CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 5

7 2.2 Descrição da edificação A Capela está localizada no terrapleno mais elevado da Fortaleza, junto à Casa do Comandante e ao Paiol da Pólvora. A entrada principal é voltada ao norte, possuindo uma entrada secundária aos fundos, pela face leste, de acesso à sacristia. A estrutura é em alvenaria de pedra com juntas em argamassa, com paredes de 67 cm de espessura média. Na face externa, apenas a parede da fachada principal possui revestimento com argamassa e pintura em cor branca. É possível visualizar a existência de áreas em tijolos maciços e argamassa de cimento, sinais de intervenções recentes. Figura 1 Fachada Norte da Capela Há quatro seteiras de iluminação de tijolo, com folha fixa de vidro, para vedação, sendo duas em cada lateral da nave. Há utilização de concreto nas vergas de abertura e na viga de frechal da cobertura. Figura 2 Seteira de iluminação da Capela CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 6

8 O piso é de tijolo cerâmico e dispõe-se em duas formas: espinha-de-peixe e alinhado. Não há forro. As esquadrias são em madeira pintada na cor verde com esmalte sintético e as instalações elétricas estão aparentes. Figura 3 Padrão de disposição dos tijolos do piso da Capela Há um mezanino em madeira sobre a sacristia constituído por tábuas (altura 3,5cm, largura 9,5cm e comprimento 330cm) sustentadas por seis barrotes (altura 9,0 cm, largura 10,3cm e comprimento 244,00cm), que penetram 28 cm de profundidade na alvenaria. Cumeeira Mezanino Figura 4 Mezanino em madeira sobre a sacristia CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 7

9 A cobertura é constituída por duas águas, em caibro armado, com telhas do tipo capa-canal (possivelmente proveniente de reaproveitamento de demolição) e frechal em concreto armado, com algumas partes pinceladas possivelmente na tentativa de disfarçar o material para aparentar madeira escura. Figura 5 Cobertura em duas águas com telha tipo capa-canal Figura 6 Frechal em concreto armado com algumas partes pinceladas 2.3 Estado geral de conservação e danos aparentes da edificação A análise visual da edificação evidenciou que não tem acontecido uma manutenção preventiva ou reparadora sistemática do aparecimento de danos. Há o aparecimento de musgos e pequenas plantas na parede externa da fachada leste. Constata-se o surgimento de maior teor de umidade na faixa de 1,10m de altura das paredes internas a partir do chão, verificado pela presença de uma coloração esverdeada na alvenaria. Esta umidade provavelmente é conseqüência da capilaridade ascendente proveniente da fundação. CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 8

10 Há pequenos destacamentos e rachaduras na argamassa das paredes internas, com ênfase em fissuras verticais localizadas nos cantos das seteiras de iluminação da face oeste e no canto direito da parede do altar, bem como no seu centro, atingindo até 280 cm na maior altura. O piso apresenta pontos de degradações e algumas peças quebradas. A cobertura possui algumas telhas quebradas, deslocadas e/ou com presença de liquens. Pela parte interna há casulos de insetos e manchas de coloração nos caibros e ripas. Há vestígios extensos de infestação por térmitas (cupins) de solo, evidenciados pelos caminhos (túneis) aparentes sobre a alvenaria e as peças de cobertura. Figura 7 Danos na cobertura com telhas quebradas ou deslocadas Figura 8 Danos na cobertura com manchas de infiltrações e túneis de térmitas de solo CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 9

11 2.4 Descrição da estrutura de cobertura em madeira A edificação possui paredes em alvenaria e a cobertura apresenta sistema construtivo treliçado em madeira com elementos do tipo caibros armados que se apóiam sobre um frechal em concreto executado sobre o topo das paredes. A figura 9 apresenta uma planta baixa da edificação com a localização dos 24 caibros, caibro 1 a caibro 19 localizados na Nave, e caibro 20 a caibro 24, localizados na cobertura da sacristia frente Figura 9 Planta baixa da Capela A figura 10 apresenta um corte transversal da edificação em que aparece o desenho do caibro armado. Figura 10 Corte Transversal CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 10

12 Figura 11 Aspecto geral dos caibros armados da cobertura da Capela O desenho típico dos caibros está ilustrado na figura 12. Figura 12 Desenho típico dos caibros armados da cobertura CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 11

13 A figura 13 ilustra os pontos de apoio dos caibros nos frechais. Figura 13 Aspecto do apoio dos caibros no frechal de concreto A figura 14 apresenta uma ligação entre os caibros na região próxima à cumeeira e a figura 15 ilustra os detalhes de projeto das ligações entre caibros e entre caibro e linha alta, conforme medições realizadas no local. Figura 14 Aspecto da ligação entre os caibros junto à cumeeira CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 12

14 Figura 15 Detalhes de projeto das ligações entre caibros e entre caibro e linha alta, conforme medições realizadas no local 3. Identificação das espécies de madeira Visualmente, pode-se diferenciar pelo menos 3 espécies diferentes nos caibros, inclusive em alguns deles, o mesmo caibro fora executado com diferentes espécies no caibro e na linha alta, por exemplo. Foram extraídas 12 amostras de madeiras, de diversas peças, etiquetadas e armazenadas em sacos plásticos para posterior identificação pelo Laboratório de Anatomia Vegetal do Departamento de Botânica do Centro de Ciências Biológicas da UFSC, pelo Prof. João de Deus. A tabela 1 apresenta as espécies identificadas e as respectivas partes da estrutura da qual foram extraídas. Tabela 1 Identificação das espécies de madeira Espécie Identificação da peça em Nome científico/nome vulgar que foi extraída a amostra Dinizia excelsa (Leguminosae) / caibro 21 oeste Angelim vermelho caibro 8 oeste Cedro - Cedrela fissilis (Meliaceae) / caibro 7 oeste Cedro caibro 9 oeste Cinnamomum riedelianum (Lauraceae) / linha alta 23 Canela-garuva Hieronyma alchorneoides (Euphorbiaceae) / linha alta 21 Licurana, margonçalo, sangue de boi ou caibro 13 oeste urucurana caibro 16 leste caibro 19 leste caibro 23 leste caibro 24 leste caibro 24 oeste Na literatura, foi possível encontrar as propriedades de resistência e durabilidade natural a agentes xilófagos de três dentre quatro das espécies identificadas. Observe-se que as espécies identificadas não coincidem com as relatadas pelo arquiteto responsável pela obra de recuperação da cobertura datada de 1977, maçaranduba, canela sassafrás e guanandi, conforme exposto no item 2.1 deste CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 13

15 relato. Esta comparação mostra a dificuldade de identificar a madeira aplicada em obras, mesmo que recentes, uma vez que facilmente ocorre a especificação de um tipo de madeira e a aplicação de outra com aspecto semelhante, mas que não possui a mesma resistência e durabilidade. As propriedades de interesse encontradas na literatura para três das espécies de madeira identificadas estão apresentadas na tabela 2. Tabela 2 Características encontradas na literatura para espécies identificadas Espécie Nome científico/nome vulgar Densidade apar kg/m 3 fco,m Eco,m Durabilidade natural MPa MPa Dinizia excelsa (Leguminosae) / , Alta resistência ao ataque de organismos xilófagos (fungos e insetos) Angelim vermelho 1 e 2 Cedrela fissilis (Meliaceae) / Cedro 1 Hieronyma alchorneoides (Euphorbiaceae) / Licurana, margonçalo, sangue de boi ou urucurana 3 e , muito susceptível ao ataque de cupins , durabilidade moderada ao ataque de organismos xilófagos (fungos e insetos) fco,m : resistência média à compressão paralela às fibras para umidade de 15% Eco,m : módulo de elasticidade médio na compressão paralela às fibras para umidade de15% Fontes: (1) (IPT-Informações, 2006), (2)NBR7190/97, (3) Fichas características IPT (1989) e (4) Richter and Dallwitz (2000) Observa-se que as espécies identificadas e encontradas na literatura incluem madeiras de boa durabilidade natural a agentes xilófagos (Angelim vermelho), como são os cupins de solo, praga que causou infestação extensa na edificação em estudo, enquanto outras já não são duráveis quando expostas a este agente agressor (Cedro, Licurana). Figura 16 Peça em que foi retirada uma amostra CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 14

16 4. Inspeção da estrutura de madeira e análise da deterioração das peças O levantamento dimensional e do estado de conservação da estrutura de cobertura da Capela da Fortaleza de São José da Ponta Grossa foi feito em campo. As informações históricas e intervenções realizadas na edificação foram identificadas com o auxílio do Arquiteto Roberto Tonera, ETUSC, do IPHAN-SC e de conversa informal com o arquiteto que participou da recuperação da cobertura na década de 70. A vistoria da estrutura fez uso das seguintes técnicas de inspeção: a) Medição das dimensões reais das peças; b) Registro fotográfico; c) Análise visual; d) Percussão com martelo; e) Escarificação com formão e furador de gelo; f) Análise do teor de umidade localizado com higrômetro de resistência; g) Análise com equipamento de ultra-som para avaliação da extensão do grau de deterioração; h) Coleta de material para identificação anatômica em laboratório. Os dados coletados foram analisados e serviram de base para o diagnóstico do estado de conservação de cada uma das peças. A seguir estão apresentadas as informações coletadas e diagnóstico das ripas, caibros e linhas da cobertura. 4.1 Estado das ripas As ripas que servem de apoio às telhas possuem dimensões variáveis, próximas de 2,5 cm x 8,5 cm ou 2,5 cm x 20 cm para as peças junto aos beirais. Sob forma geral, as ripas estão em estado aceitável de conservação, exceto em alguns pontos onde há a ação de infiltrações que causaram a deterioração por apodrecimento, comprometendo a permanência em serviço destas peças. Para exata determinação de qual volume de ripas precisa ser substituída, é necessário o desmonte da estrutura e retirada das telhas, o que deve ocorrer por ocasião da intervenção na cobertura. Figura 17 Aspecto geral das ripas onde se observa a ocorrência dos caminhos de cupins de solo CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 15

17 4.2 Estado dos caibros armados Os caibros foram inspecionados localmente um por vez, registrando-se as dimensões das seções e espaçamentos entre peças. Para todos caibros fez-se a análise visual e de percussão, em busca de vazios de galerias ou de deterioração da madeira por apodrecimento. Sempre que havia dúvidas no estado de integridade, aplicou-se a técnica de escarificação e de medição da velocidade de ultra-som, na direção longitudinal, paralela às fibras, e na direção transversal, perpendicular às fibras. Figura 18 Equipe em campo inspecionando estrutura Na seqüência estão descritos cada um dos caibros, numerados de 1 a 24, iniciando pela fachada Norte e terminando na fachada Sul Caibro 1 Apresenta apodrecimento e galerias de cupins ao longo de todo caibro leste face norte. Também ocorrem galerias e apodrecimento na ligação da linha alta com o caibro oeste. Há aparecimento de galerias de cupim na face norte do caibro leste junto à parede de alvenaria. Presença de fendas na ligação da linha alta face sul com o caibro leste. Condição do caibro leste completamente comprometida, exigindo intervenção. CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 16

18 4.2.2 Caibro 2 Figura 19 Danos no caibro 1 O caibro leste encontra-se em bom estado. Há ocorrência de rachadura com extensão de 108 cm no caibro oeste face norte, mas superficial, o que não compromete o funcionamento da peça Caibro 3 Há a ocorrência de nós no caibro leste, próximo ao apoio no frechal. Existem fendas no caibro leste face norte e rachadura no caibro leste face sul, ao longo da peça. Registrou-se pequena redução de seção transversal na linha alta face norte Caibro 4 O caibro 4 apresenta boa aparência de conservação em geral. Há pequenas rachaduras no caibro leste face norte, mas não compromete o uso da peça. Há a presença de fixação de tubulação elétrica ao longo do caibro oeste face sul. Foi extraída amostra para identificação anatômica no caibro leste vista inferior. A linha alta apresenta uma grande rachadura com 1,5 cm de largura na face inferior, ao longo da peça. CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 17

19 Figura 20 Danos no caibro Caibro 5 O caibro 5 leste face sul apresenta nó. Há rachadura e galeria de cupins no apoio junto ao frechal (caibro leste face norte) e rachadura na vista inferior do caibro leste. Existem galerias ao longo da linha alta que podem ser vistas na face superior e na inferior na porção central do vão da peça. CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 18

20 4.2.6 Caibro 6 Figura 21 Danos no caibro 5 Ocorrem pequenas rachaduras no caibro leste face sul, próximas à linha alta e junto à ligação com o frechal. Como são reduzidas, parecem ser originadas por ação de retração da madeira Caibro 7 Caibro 7 bastante comprometido, com ocorrência de trincas ao longo do caibro leste e no encaixe com o frechal. Na linha alta face inferior, há nós e deterioração por térmitas, com galerias de diâmetro de 1 a 2 cm. CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 19

21 Figura 22 Danos no caibro Caibro 8 Está bastante deteriorado por térmitas, com galerias de 1 cm de diâmetro no caibro oeste, face inferior e vista norte, e caibro leste, face inferior Caibro 9 Há deterioração por térmitas com galerias de 2 cm de diâmetro ao longo do caibro leste vista inferior, desde a ligação com a linha alta até à cumeeira, com ocorrência de trincas junto à ligação com frechal do caibro oeste face sul. Foi feita extração de amostras entre as ripas 2 e 3 do caibro oeste face inferior. CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 20

22 Caibro 10 Figura 23 Danos no caibro 9 Apresenta boa aparência de conservação. Há suspeitas de fungos no caibro oeste vista inferior, onde foram coletadas amostras. Existem tubulações elétricas fixadas aos caibros leste e oeste vista sul Caibro 11 Há danos na ligação da linha alta com o caibro leste, com redução de seção (caibro leste vista sul próximo à linha alta). Há trincas no caibro oeste ao longo da peça, desde o frechal até à linha alta, com sinais de térmitas ao longo do caibro leste vista inferior. CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 21

23 Caibro 12 Figura 24 Danos no caibro 11 O caibro oeste encontra-se comprometido, com muitas galerias de térmitas na face superior, que atravessam toda a seção da peça próxima à cumeeira e do frechal à linha alta, na face superior. Há fungos apodrecedores no caibro leste vista norte e sul, do frechal à linha alta e ao longo do caibro oeste vista superior. A linha alta aparenta bom estado, entretanto há redução de seção na face superior. CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 22

24 Caibro 13 Figura 25 Danos no caibro 12 Há aparência de bom estado de conservação, com ocorrência de algumas fendas decorrentes de inchamento e retração da madeira no caibro leste próximo ao frechal, no encontro com a linha alta e próximo à cumeeira. A espécie de madeira identificada visualmente foi a espécie designada por Licurana (Hieronyma alchorneoides) de durabilidade moderada ao ataque por agentes xilófagos. Este caibro 13 serviu de referência para velocidades de ultra-som da espécie Licurana, como amostra de madeira sã a ser comparada com caibros 18 e 19, da mesma espécie. As medições foram realizadas no caibro oeste, para uma Seção S1 (distante 8 cm da extremidade inferior próxima ao frechal) e para uma Seção S2 (distante 63 cm da extremidade inferior próxima ao frechal). O teor de umidade da madeira e as emissões ultras-sônicas foram medidas na direção longitudinal, entre S1 e S2, e na direção transversal em S1 e S2. As distâncias (cm), tempos (µs) e velocidades (m/s) estão nas tabelas 3 e 4. CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 23

25 Tabela 3 Teor de umidade na Seção S1 Caibro 13 oeste Umidade% Seção Escala 2 S1 (embaixo) 16,3 S1 (Norte) 15,6 Tabela 4 Medições de ultra-som no Caibro 13 oeste (Referência da Licurana) Identificação Direção Seção Distância Tempo1 µs Tempo2 µs Velocidade emissão L (cm) (microseg) (microseg) (m/s) Caibro13 Longitudinal S1-S2 55, ,80 Norte-Oeste Transversal S1 8, ,28 S2 7, , Caibro 14 Aparência de bom estado de conservação, com ocorrência de algumas fendas decorrentes de inchamento e retração da madeira no caibro leste face inferior e ao longo da linha alta, face sul. Há a perda de reduzida porção inferior da seção do caibro leste-norte, conforme representada na respectiva prancha no Anexo B. A espécie de madeira identificada visualmente foi a espécie designada por Angelim vermelho (Dinizia excelsa - Leguminosae) Caibro 15 Por meio da inspeção visual, constatou-se a ocorrência de algumas fendas superficiais decorrentes de inchamento e retração da madeira no caibro leste face norte e no caibro oeste face sul, sempre abaixo da linha alta. Há fendas na ligação da linha alta com o caibro oeste. Também constata-se a existência de manchas de umidade, possivelmente causadas por infiltrações anteriores, uma vez que durante a inspeção não estavam úmidas. As manchas estão no caibro leste, junto ao frechal na face inferior, e na cota vertical da linha alta, na face superior do caibro (ver respectiva prancha Anexo B). A espécie de madeira identificada visualmente foi a espécie identificada como Angelim vermelho (Dinizia excelsa - Leguminosae) Caibro 16 No caibro 16, tanto leste quanto oeste, ocorrem fendas superficiais decorrentes de inchamento e retração da madeira, na face norte e inferior. Há perda de seção transversal do caibro oeste, face norte, aparentemente em decorrência de retração. A largura do caibro leste é 8,2 cm, enquanto no caibro oeste é 7,7 cm. Na linha alta, há a fixação de uma luminária e, onde os pregos foram cravados, há fendas, provavelmente resultantes da variação de umidade e temperatura na região. A espécie de madeira identificada por extração de amostra foi a espécie designada por Licurana (Hieronyma alchorneoides, Euphorbiaceae). Apesar da redução de seção no caibro oeste, é possível este permanecer em uso estrutural. CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 24

26 Caibro 17 Apresenta estado de deterioração acentuado, com muitas galerias de cupins de solo em ambos caibros leste e oeste. Na Figura 26, é possível observar o caibro oeste transpassado por uma chave de fenda na espessura, por ocasião da inspeção. Figura 26 Deterioração do caibro 17 oeste por galerias, com transpasse da seção transversal por uma chave de fenda A linha alta apresenta algumas fendas, mas não comprometedoras da função estrutural da peça. A espécie de madeira identificada visualmente foi a espécie designada por Licurana. O avançado grau de deterioração dos caibros 17 parece estar ligado à baixa resistência natural da espécie de madeira usada nestas peças. A avaliação da extensão do dano das galerias no caibro 17 leste foi feita com base nas velocidades de ultra-som da espécie Licurana, nas direções longitudinal e transversal, usando os valores registrados no caibro 13 como referência de madeira sã. As medições foram realizadas no caibro leste, na Seção S1 (distante 8 cm da extremidade inferior próxima ao frechal), na Seção S2 (distante 63 cm da extremidade inferior próxima ao frechal), Seção S3 (distante 68 cm da extremidade inferior próxima ao frechal), Seção S4 e Seção S5, estas duas últimas próximas à linha alta (ver respectiva prancha, Anexo B). O teor de umidade da madeira e as emissões ultras-sônicas foram medidas na direção longitudinal, entre S1 e S2, e na direção transversal em S1 e S2. As distâncias (cm), tempos (µs) e velocidades (m/s) estão nas tabelas a seguir. Tabela 5 Teor de umidade no caibro 17 oeste, Seções S1, S2 e caibro 17 leste, Seção S3 Umidade % Seção Escala 2 S1 (caibro oeste) 16,3 S2 (caibro oeste) 17,3 S4 (caibro leste) 15,8 CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 25

27 Tabela 6 Medições de ultra-som no Caibro 17 leste e Caibro 13 (Referência) Identificação Direção Seção Distância Tempo1 µs Tempo2 µs Velocidade emissão L (cm) (microseg) (microseg) (m/s) Caibro13 (referência) Longitudinal S1-S2 55, ,80 Caibro 17 Longitudinal S1-S2 55, ,18 S4-S5 60, ,38 Caibro 13 Transversal S1 8, ,28 (referência) S2 7, ,95 Caibro 17 Transversal S1 8, ,89 S2 8, ,51 S3 8, ,96 S4 7, ,13 S5 7, ,24 A comparação das velocidades de emissão ultra-sônica longitudinal no caibro 17 leste, Seção S1-S2, ao valor de referência do caibro 13, bem como a velocidade de emissão transversal no caibro 17 leste, Seções S2 e S3, comparada aos valores de referência do Caibro 13 indicam que a porção das Seções S1, S2 e S3 está deteriorada e não permite que permaneça a desempenhar função resistente. Como todo caibro 17 apresenta galerias de cupins de solo, recomenda-se a substituição completa dos caibros leste e oeste, pelo avançado estado de deterioração. A espécie de madeira a ser usada na substituição destas peças deve ser uma espécie com boa durabilidade natural ao ataque de insetos Caibro 18 O caibro 18 apresenta avançado estado de deterioração, com muitas galerias de cupins de solo em ambos caibros leste e oeste (abaixo da linha) e na linha alta. A linha alta apresenta algumas fendas nas ligações com os caibros, tanto na extremidade leste quanto oeste, além de várias fendas superficiais ao longo de toda linha. Estas fendas não parecem ser somente efeito da retração, comprometendo a função estrutural da peça. A espécie de madeira identificada visualmente foi a espécie designada por Licurana. O avançado grau de deterioração dos caibros 18 parece estar ligado à baixa resistência natural da espécie de madeira usada nestas peças. Para avaliar a extensão do dano das galerias presentes no caibro 18, foram feitas leituras de ultra-som longitudinal e transversal, usando os valores registrados no caibro 13 como referência de madeira sã. As medições foram realizadas no caibro leste, na Seção S1 (distante 8 cm da extremidade inferior próxima ao frechal), na Seção S2 (distante 63 cm da extremidade inferior próxima ao frechal), Seção S3 (próxima da linha alta) e Seção S4, distante 60 cm da Seção S3 (ver respectiva prancha, Anexo B). O teor de umidade da madeira foi medido no Caibro 18 leste, na Seção S1, Seção S2 e Seção S3. CAPELA DA FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DA PONTA GROSSA 26

FUPEF 2. COLETA DE DADOS

FUPEF 2. COLETA DE DADOS 1 LAUDO TÉCNICO PARA CARACTERIZAÇÃO DE MADEIRAS DO GÊNERO Eucalyptus Solicitante: Mademape Indústria Madeireira Ltda. Endereço: Avenida Ricieri Bernardi, nº 635 Campo do Fundo Campina Grande do Sul - Paraná

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Campus Universitário ETUSC - Trindade - C E P - 88040-900 - Florianópolis SC

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Campus Universitário ETUSC - Trindade - C E P - 88040-900 - Florianópolis SC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Campus Universitário ETUSC - Trindade - C E P - 88040-900 - Florianópolis SC ESCRITÓRIO TÉCNICO ADMINISTRATIVO DA UFSC - ETUSC PRÓ - REITORIA DE INFRAESTRUTURA -

Leia mais

Madeira na construção

Madeira na construção Madeira na construção Madeira como material de construção O emprego da madeira na construção civil remonta desde os primórdios da civilização. Esta apresenta-se como material excepcional e como matéria-prima

Leia mais

LOCAL: RUA MANOEL JOSÉ PIRES, S.N. AMÉRICO BRASILIENSE S.P. PROPRIETÁRIO: PREFEITURA MUNICIPAL DE AMÉRICO BRASILIENSE S.P.

LOCAL: RUA MANOEL JOSÉ PIRES, S.N. AMÉRICO BRASILIENSE S.P. PROPRIETÁRIO: PREFEITURA MUNICIPAL DE AMÉRICO BRASILIENSE S.P. OBJETO: LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA DAS CONDIÇÕES FÍSICAS DA ESTRUTURA DE COBERTURA DE ÁREA IDENTIFICADA COMO REFEITÓRIO DA C.E.R. LEILA L. D. T. PIZZA DURANTE LOCAL: RUA MANOEL JOSÉ PIRES, S.N. AMÉRICO

Leia mais

Universidade Católica de Petrópolis. Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc.

Universidade Católica de Petrópolis. Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc. Universidade Católica de Petrópolis Engenharia Civil Parte VI Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc. UCP Mateco - Civil Programa: 1. Aglomerantes; Asfaltos, cal, gesso e cimentos;

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

Madeira na Construção Civil

Madeira na Construção Civil Madeira na Construção Civil INTRODUÇÃO A madeira é um material excepcional como material de construção além de ter qualidades muito grandes como matéria prima para outros produtos industrializados, e que

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

Mateco UCP - Civil. Comparação entre Propriedades mecânicas

Mateco UCP - Civil. Comparação entre Propriedades mecânicas Mateco - UCP - Civil Madeiras na Construção Civil: Aplicações estruturais; Telhados; Sustentação (vigas, colunas e pisos) Aplicações em revestimentos; Aplicação em esquadrias; Aplicações no mobiliário;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Madeiras

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Madeiras UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Madeiras Estrutura da Madeira Estrutura da Madeira cerne (2) Porção mais clara, na parte externa, que corresponde

Leia mais

Tipos de madeiras, cuidados e usos!

Tipos de madeiras, cuidados e usos! Tipos de madeiras, cuidados e usos! O trabalho em madeira esta ao alcance de todos, material excelente, explorado pelo homem á milhares de anos. Porém sua resistência e durabilidade são afetadas de diversas

Leia mais

A MADEIRA NATURAL E PRODUTOS TRANSFORMADOS 1-INTRODUÇÃO. Resistência (MPa)

A MADEIRA NATURAL E PRODUTOS TRANSFORMADOS 1-INTRODUÇÃO. Resistência (MPa) A MADEIRA NATURAL E PRODUTOS TRANSFORMADOS 1-INTRODUÇÃO A madeira é um dos materiais de construção mais antigos. Ela é largamente utilizada devido a alguns aspectos, tais como: -Disponibilidade na natureza;

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO A madeira é um material excepcional como material de construção além de ter qualidades muito grandes como matéria prima para outros produtos industrializados, e que

Leia mais

MADEIRAS MCC1001 AULA 12

MADEIRAS MCC1001 AULA 12 MADEIRAS MCC1001 AULA 12 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil MADEIRAS É um material

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III. SERVIÇOS

Leia mais

COBERTURA DAS INSTALAÇÕES

COBERTURA DAS INSTALAÇÕES COBERTURA DAS INSTALAÇÕES OBJETIVO: Identificar para as coberturas as suas funções básicas, formas elementares e especiais, composição, dimensionamento simplificado e processo de cobertura. A cobertura,

Leia mais

A maioria dos componentes dos nossos kits é fabricada do cerne de espécies como a Maçaranduba e o Angelim.

A maioria dos componentes dos nossos kits é fabricada do cerne de espécies como a Maçaranduba e o Angelim. A MADEIRA Há séculos, o homem tem usado a madeira como um dos principais materiais para construção. O motivo, dentre outros, é que a madeira tem propriedades e características importantes como: facilidade

Leia mais

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto ESTRUTURAS Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAREDES DE TIJOLO Assentamento dos tijolos: Quanto a colocação (ou dimensão das paredes) dos tijolos, podemos classificar as paredes em: cutelo, de meio tijolo,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini

Prefeitura Municipal de Piratini MEMORIAL DESCRITIVO O presente Memorial Descritivo visa estabelecer as condições de materiais e execução referentes à construção de um Vestiário Esportivo, localizado na Av. 6 de julho s/n, em Piratini/RS,

Leia mais

Universidade Católica de Pernambuco. Departamento de Engenharia Civil APOSTILA RESUMO. Prof. Angelo Just da Costa e Silva (MSc.)

Universidade Católica de Pernambuco. Departamento de Engenharia Civil APOSTILA RESUMO. Prof. Angelo Just da Costa e Silva (MSc.) Universidade Católica de Pernambuco Departamento de Engenharia Civil APOSTILA RESUMO Prof. Angelo Just da Costa e Silva (MSc.) Recife, 2004 Índice 1. COBERTURA... 3 1.1. Componentes do telhado...3 1.2.

Leia mais

SISTEMA DRY WALL E STEEL FRAME

SISTEMA DRY WALL E STEEL FRAME GESSO SISTEMA DRY WALL E STEEL FRAME Gesso O gesso é uma substância, normalmente vendida na forma de um pó branco, produzida a partir do mineral gipsita, composto basicamente de sulfato de cálcio hidratado.

Leia mais

IPHAN/MONUMENTA. Manual Prático Conservação de Telhados

IPHAN/MONUMENTA. Manual Prático Conservação de Telhados IPHAN/MONUMENTA Manual Prático Conservação de Telhados 2 Presidente da República Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Cultura Gilberto Gil Moreira Presidente Instituto do Patrimônio Histórico

Leia mais

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor 1. CONCEITO: Produto resultante da associação íntima entre um aglomerante mais um agregado miúdo, mais um agregado graúdo e água (+ ferragens). 2. CARACTERÍSTICAS Quanto aos esforços: compressão, tração

Leia mais

Resumo MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Resumo MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Câmpus Rio Grande Aluna: Alice Ott Fonseca Matricula: 11240125 Curso: TÉCOLOGIA EM COSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS 02/2015 Disciplina: Materiais de Construção Resumo MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Uso a madeira Na

Leia mais

Professora: Engª Civil Silvia Romfim

Professora: Engª Civil Silvia Romfim Professora: Engª Civil Silvia Romfim PARTES CONSTITUINTES DE UMA COBERTURA Pode-se dizer que a cobertura é subdividida em cinco principais partes: 1. Pelo telhado, composto por vários tipos de telhas;

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA

PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA As paredes de madeira dividem-se em: Paredes Estruturais Divisão e fechamento de ambientes Suportar cargas verticais e transmití-las as fundações Suportar cargas horizontais

Leia mais

MADEIRAS MCC1001 AULA 12

MADEIRAS MCC1001 AULA 12 MADEIRAS MCC1001 AULA 12 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil MADEIRAS É um material

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia Intervenção em Bens Culturais Edificados Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO NO PATRIMÔNIO EDIFICADO? Compreende-se por Projeto de Intervenção

Leia mais

PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. 2.2.1. Painéis da caixa, inclusive o vertical interno, portas e prateleiras.

PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. 2.2.1. Painéis da caixa, inclusive o vertical interno, portas e prateleiras. 1 CÓDIGO SUPRI: 71.654.002.001.0029-1 PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009 1. DESTINAÇÃO Para guarda de materiais de escritório em geral. 2. REQUISITOS GERAIS (VER DESENHOS

Leia mais

A Tégula é certificada pelo FSC para a cadeia de custódia. Isto significa que toda a madeira proveniente de manejo florestal pode ser rastreada.

A Tégula é certificada pelo FSC para a cadeia de custódia. Isto significa que toda a madeira proveniente de manejo florestal pode ser rastreada. Madeira Certificada A Tégula é certificada pelo FSC para a cadeia de custódia. Isto significa que toda a madeira proveniente de manejo florestal pode ser rastreada. Considerando uma área equivalente a

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171527. O que é preciso fazer para que as fachadas e paredes internas atendam aos requisitos de desempenho da NBR 15.575-4?

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171527. O que é preciso fazer para que as fachadas e paredes internas atendam aos requisitos de desempenho da NBR 15.575-4? COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171527 O que é preciso fazer para que as fachadas e paredes internas atendam aos requisitos de desempenho da NBR 15.575-4? Luciana Alves de Oliveira Slides da Palestra apresentada

Leia mais

CPP - COMITÊ PERMANENTE DE PALETIZAÇÃO. ESPECIFICAÇÃO DO PALETE PADRÃO PARA DISTRIBUIÇÃO DE BEBIDAS - PBR-II DEZEMBRO 1995 (Revisada em Agosto 1999)

CPP - COMITÊ PERMANENTE DE PALETIZAÇÃO. ESPECIFICAÇÃO DO PALETE PADRÃO PARA DISTRIBUIÇÃO DE BEBIDAS - PBR-II DEZEMBRO 1995 (Revisada em Agosto 1999) PBR-II 1/13 CPP - COMITÊ PERMANENTE DE PALETIZAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DO PALETE PADRÃO PARA DISTRIBUIÇÃO DE BEBIDAS - PBR-II DEZEMBRO 1995 (Revisada em Agosto 1999) 1 TIPO Palete não reversível, face dupla,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DISCIPLINA: SISTEMAS ESTRUTURAIS EM MADEIRA Prof. Julio Eustaquio de Melo Engenheiro Civil Ph.D. Bsb, outubro de

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110. ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho.

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110. ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho. COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110 ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho. André Azevedo Palestra apresentado na 10.Convenção Nordeste de Cerâmica Vermelha, Teresina, PI, 2015.. A série

Leia mais

situação e ambiência códice AII - F01 - PF denominação Fazenda Todos os Santos localização Estrada Sacra Família do Tíngua, nº.

situação e ambiência códice AII - F01 - PF denominação Fazenda Todos os Santos localização Estrada Sacra Família do Tíngua, nº. Parceria: denominação Fazenda Todos os Santos códice AII - F01 - PF localização Estrada Sacra Família do Tíngua, nº. 300 Graminha município Engenheiro Paulo de Frontin época de construção século XIX estado

Leia mais

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes!

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! Bloco de concreto As paredes são montadas a partir de componentes de alvenaria - os blocos. Portanto, é imprescindível que eles obedeçam

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 10. Madeira

Materiais de Construção Civil. Aula 10. Madeira Materiais de Construção Civil Aula 10 Madeira Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Situação atual no Brasil: Complicantes: Poucos cursos de graduação ministram estruturas de madeira; Falta de conhecimento

Leia mais

Portaria n.º 346, de 24 de julho de 2014.

Portaria n.º 346, de 24 de julho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 346, de 24 de julho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

Internacional SOLUTIONS

Internacional SOLUTIONS Internacional SOLUTIONS SILICONE NEUTRO Silicone neutro Impermeabilizante de uso profissional. Inodoro e com fungicida. ADERE EM: Madeira, concreto, tijolo, vidro, PVC, plástico, alumínio, etc. APLICAÇÃO:

Leia mais

Sistemas da edificação Aplicação na prática

Sistemas da edificação Aplicação na prática 1 Vantagens Alta produtividade com equipes otimizadas; Redução de desperdícios e obra limpa; Facilidade de gerenciamento e padronização da obra; Elevada durabilidade; Facilidade de limpeza e conservação;

Leia mais

ETERMAX. www.eternit.com.br. Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel.

ETERMAX. www.eternit.com.br. Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel. ETERMAX www.eternit.com.br Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel.: (11) 3038-3838 Qualidade aliada à versatilidade Atende às mais variadas soluções arquitetônicas,

Leia mais

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Produto: Parabond 700 é um adesivo de alta qualidade, cura rápida, permanentemente elástico, à base de MS polímero, com

Leia mais

KIT Porta IPUMIRIM. Manual técnico e instruções de instalação

KIT Porta IPUMIRIM. Manual técnico e instruções de instalação Manual técnico e instruções de instalação KIT Porta IPUMIRIM Este manual de instalação do Kit Faqueadas Ipumirim vai auxiliar e orientar construtores e consumidores com as informações necessárias com relação

Leia mais

PLANILHA DE SERVIÇOS GERAIS DE OBRA

PLANILHA DE SERVIÇOS GERAIS DE OBRA 1 PRELIMINARES 1.1 Instalações do canteiro de obra vb 1,00 5.000,00 5.000,00 90,09 1.2 Placa de obra 2,00m x 3,00m, conforme orietações da administração vb 1,00 550,00 550,00 9,91 SUB TOTAL PRELIMINARES

Leia mais

RELATÓRIO DE VISTORIA DE REFORMA Programa de Ação Cooperativa - Estado Município

RELATÓRIO DE VISTORIA DE REFORMA Programa de Ação Cooperativa - Estado Município RELATÓRIO DE VISTORIA DE REFORMA Programa de Ação Cooperativa - Estado Município EE JARDIM XXXXX XXXXXXXXXXX - XXXXXXX MUNICÍPIO CÓDIGO 00.00.000 OBJETO DO CONVÊNIO: Xxxxxxx DATA: 00.00.2008 Profissional

Leia mais

I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro

I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro MUSEU DA IMIGRAÇÃO Santa Bárbara d Oeste - SP Proposta de Intervenção Emergencial I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro 2 16 MUSEU DA IMIGRAÇÃO Santa

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

Pedra Natural em Fachadas

Pedra Natural em Fachadas Pedra Natural em Fachadas SELEÇÃO, APLICAÇÃO, PATOLOGIAS E MANUTENÇÃO Real Granito, S.A. Índice Características típicas dos diferentes tipos de Rochas Ensaios para a caracterização de produtos em Pedra

Leia mais

Estruturas de Madeira. Telhados. É a parte superior das construções, destina-se a dar-lhes proteção.

Estruturas de Madeira. Telhados. É a parte superior das construções, destina-se a dar-lhes proteção. Estruturas de Madeira Telhados É a parte superior das construções, destina-se a dar-lhes proteção. Funções básicas: Proteção das partes internas da instalação, contra o sol excessivo, chuva, neve, etc.

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO Estado de Conservação Exterior FICHA N.º: 01 ID EDIFÍCIO: 42904 1. LOCALIZAÇÃO Zona em estudo: Vila do Olival Freguesia: Gondemaria e Olival Rua / Av. / Pc.: Rua Cimo

Leia mais

CÁLCULOS TELHADO. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

CÁLCULOS TELHADO. Prof. Eliseu Figueiredo Neto CÁLCULOS TELHADO Prof. Eliseu Figueiredo Neto TELHADO 1) Conhecer o peso de cada telha; 2) Calcular quantas telhas vão. Telhado de meia água de 50 m2, quantas telhas de cerâmica eu usarei e qual o peso

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO O

MEMORIAL DESCRITIVO O MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial tem por objetivo estabelecer requisitos técnicos, definir materiais e padronizar os projetos e execuções da obra localizada na Rua Jorge Marcelino Coelho, s/n, Bairro

Leia mais

Tabelas de Cálculo para Utilização em Estruturas de AMARU PERFILADO

Tabelas de Cálculo para Utilização em Estruturas de AMARU PERFILADO Tabelas de Cálculo para Utilização em Estruturas de AMARU PERFILADO Projeto de capacitação profissional: Plantar Empreendimentos e Produtos Florestais Ltda e Montana Química S.A Tabelas de Cálculo para

Leia mais

1. Identificação do Produto e da Empresa

1. Identificação do Produto e da Empresa 1. Identificação do Produto e da Empresa Produto: Perfis de Poliestireno Tipo de produto: 96 % de Poliestireno Reciclado e 4 % de Poliestireno Virgem Empresa: Indústria e Comércio de Molduras Santa Luzia

Leia mais

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul 1. O presente memorial tem por

Leia mais

ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA. Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: IMOVEL: 1. Endereço:

ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA. Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: IMOVEL: 1. Endereço: ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: CARACTERIZAÇÃO DO BEM IMOVEL: 1. Endereço: 2. Proteção legal: Tombamento Municipal Tombamento Estadual Tombamento Federal Preservado

Leia mais

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES.

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES. CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA São planos horizontais que suportam cargas VARIÁVEIS e PERMANENTES. 1 CARGAS NBR 6120 PERMANENTES (g) Peso próprio da estrutura Peso dos elementos

Leia mais

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PADRÃO PARA COBERTURA DE QUADRA POLIESPORTIVA

Leia mais

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2.

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE CHAPADÃO DO SUL DISCIPLINA: CONSTRUÇÕES RURAIS LISTA DE EXERCICIOS I RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS PROFESSOR: PAULO CARTERI CORADI 1) Calcule a deformação

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Embalagens Especificação e Padronização NTC-59

NORMA TÉCNICA CELG. Embalagens Especificação e Padronização NTC-59 NORMA TÉCNICA CELG Embalagens Especificação e Padronização NTC-59 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 3 4. CONDIÇÕES GERAIS 4

Leia mais

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 PATOLOGIAS EM OBRAS DE MADEIRA . A degradação de elementos de madeira surge como resultado da ação de agentes físicos, químicos, mecânicos ou biológicos aos quais

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO INSTALAÇÃO PERMANENTE

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO INSTALAÇÃO PERMANENTE ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 11 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO Laboratório de Árvores, Madeiras e Móveis / Centro

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P11 BASE DE CONCRETO MAGRO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 3.1 CIMENTO... 3 3.2 AGREGADOS...

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL

MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL I SERVIÇOS DE ENGENHARIA Constitui objeto do presente memorial descritivo uma edificação para abrigar segura e adequadamente equipamentos de rede estabilizada, Grupo Moto-gerador

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle

Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle Introdução As principais estratégias de controle de cupins serão apresentadas a seguir. É interessante frisar, neste momento, que os dados apresentados a seguir

Leia mais

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3.

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3. Argila Expandida A argila expandida é um agregado leve que se apresenta em forma de bolinhas de cerâmica leves e arredondadas, com uma estrutura interna formada por um a espuma cerâmica com micro poros

Leia mais

CUMARU (Dipteryx Odorata)

CUMARU (Dipteryx Odorata) ANGELIN Nome cientifico: Vatairea heteroptera Ducke Família: Fabaceae Características Gerais: Madeira pesada e dura ao cone; cerne de cor castanho-amarelado quando recem-polido, escurecendo para castanho

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO Sistema Construtivo Fabricado de acordo com a ISO 9002 Conforto as normas ASTM( EUA) e ABNT (Brasil). Comprovada em testes de desempenho realizados pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar.

Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar. Catálogo Técnico Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar. m a t e r i a i s p a r a c o n s t r u i r m e l h o r. Vigas leves de alta resistência A LP Viga I é fabricada pela LP Building

Leia mais

DICAS ANTES DA COMPRA

DICAS ANTES DA COMPRA DICAS ANTES DA COMPRA Madeira: É um material natural e variações são consideradas normais, nuances e veios existentes nos pisos são próprios da madeira; imperfeições naturais, nós e variações nas tonalidades

Leia mais

Má execução de obras de Engenharia com estudo de casos

Má execução de obras de Engenharia com estudo de casos Má execução de obras de Engenharia com estudo de casos Engª MsC Silvania Miranda do Amaral Engenheira Civil e de Segurança do Trabalho Especialista em Georreferenciamento Mestre em Engenharia Civil Má

Leia mais

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II E ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II MÉTODO EXECUTIVO Cuidados no Recebimento Formas de Instalação

Leia mais

CPP - COMITÊ PERMANENTE DE PALETIZAÇÃO. ESPECIFICAÇÃO PARA PALETE PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO NACIONAL - PBR-I Junho de 1993 (Revisada em Agosto de 1999)

CPP - COMITÊ PERMANENTE DE PALETIZAÇÃO. ESPECIFICAÇÃO PARA PALETE PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO NACIONAL - PBR-I Junho de 1993 (Revisada em Agosto de 1999) PBR-I 1/1 CPP - COMITÊ PERMANENTE DE PALETIZAÇÃO ESPECIFICAÇÃO PARA PALETE PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO NACIONAL - PBR-I Junho de 1993 (Revisada em Agosto de 1999) 1 TIPO Palete não reversível, face dupla, quatro

Leia mais

Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO

Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO Ensaios destrutivos que danificam ou comprometem o desempenho estrutural. Inspeção e diagnóstico do desempenho de estruturas existentes de concreto

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

Simples, resistente e fácil de montar.

Simples, resistente e fácil de montar. Simples, resistente e fácil de montar. Economia e resistência são as principais qualidades da telha Vogatex. Possui peso reduzido e simplicidade estrutural, exigindo o mínimo de mão-de-obra e madeiramento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Nova Instalação da SEMMAC LOCAL: Rua Dr. Lamartine Pinto de Avelar, 2338. Setor Ipanema. Catalão GO TIPO DE SERVIÇO: Reforma e Ampliação. 1.0 INTRODUÇÃO A finalidade do presente

Leia mais

Telhas GraviColor. Beleza e modernidade para o seu projeto.

Telhas GraviColor. Beleza e modernidade para o seu projeto. Telhas GraviColor Telhas e Tijolos www.telhado.com Beleza e modernidade para o seu projeto. Telhas GraviColor Estilo, inovação e qualidade. As Telhas GraviColor chegam ao mercado trazendo o rústico com

Leia mais

ANEXO I TOMADA DE PREÇO 004/2012 REFORMA DO TELHADO CÂMARA DE VEREADORES DE NÃO-ME-TOQUE A R A R 18,5 ÁREA = 483,68 m2 Escala = 1:100 DETALHAMENTO 13,00 18,40 8,00 13,00 9,20 9,20 33,6 21,04 5,4 8,50

Leia mais

COBERTURAS. Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial. Concreto

COBERTURAS. Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial. Concreto COBERTURAS Madeira Tirantes Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial Concreto Em telhas de barro/metálicas/fibrocimento Proteções: Em lajes Concreto Tijolos Domos, etc. Shed Terça Pestana

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

MANUAL DE ENGENHARIA

MANUAL DE ENGENHARIA 02.04.2007 1/6 1. OBJETIVO Esta especificação padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas de concreto armado destinadas ao suporte

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das especificações de materiais, julgue os itens a seguir. 51 Os cimentos CP III cimentos portland de alto-forno e CP IV cimento portland pozolânico são menos porosos e resistentes, sendo ideais

Leia mais

1. Identificação do Produto e da Empresa

1. Identificação do Produto e da Empresa 1. Identificação do Produto e da Empresa Produto: Ecodeck Tipo de produto: Composto Polímero-Madeira (WPC Wood-Plastic Composite) Empresa: Indústria e Comércio de Molduras Santa Luzia Ltda Endereço: Rodovia

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO Arnoldo Wendler Sistema Construtivo 1 Sistema Construtivo 2 Sistema Construtivo Sistema Construtivo 3 Sistema Construtivo Comunidade da Construção DIRETRIZES

Leia mais

CPP-ABRAS ESPECIFICAÇÃO DO PALETE PADRÃO PARA DISTRIBUIÇÃO NACIONAL PBR - I ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SUPERMERCADOS ABRAS

CPP-ABRAS ESPECIFICAÇÃO DO PALETE PADRÃO PARA DISTRIBUIÇÃO NACIONAL PBR - I ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SUPERMERCADOS ABRAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SUPERMERCADOS ABRAS CPP - COMITÊ PERMANENTE DE PALETIZAÇÃO ESPECIFICAÇÃO DO PALETE PADRÃO PARA DISTRIBUIÇÃO NACIONAL PBR - I CPP - ABRAS MARÇO / 2012 CPP - COMITÊ PERMANENTE DE

Leia mais

MUITO MAIS QUE UM TELHADO. É EUROTOP!

MUITO MAIS QUE UM TELHADO. É EUROTOP! MUITO MAIS QUE UM TELHADO. É EUROTOP! CATÁLOGO DE PRODUTOS A Empresa EUROTOP - Uma empresa do Grupo Estrutural. Localizada em Itu - SP, possui duas unidades de produção, contando com a mais alta tecnologia

Leia mais

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A cada dia surgem no mercado novos materiais com o objetivo de tornar a produção mais competitiva, reduzindo as etapas de produção, o tempos de fabricação e os custos. Madeira maciça A madeira

Leia mais

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PADRÃO PARA QUADRA POLIESPORTIVA COBERTA COM

Leia mais

TIPO ESP. LOCAL APLIC. 6mm Coberta da Cloaca

TIPO ESP. LOCAL APLIC. 6mm Coberta da Cloaca FABRICANTE Eternit TIPO ESP. LOCAL APLIC. Ondulada 6mm Coberta da Cloaca COR - As telhas serão de fibrocimento 6mm, Eternit ou equivalente técnico de procedência conhecida e idônea, textura homogênea,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015. Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC

MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015. Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015 Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES 1.1. RESPONSÁVEL TÉCNICO PELO PROJETO Carlos Henrique Nagel Engenheiro

Leia mais