GIOVANE PEREIRA ALVES SISTEMAS DE PINTURA EM EDIFICIOS PÚBLICOS DE MARINGÁ: PATOLOGIAS, PROCESSOS, EXECUÇÃO E RECOMENDAÇÕES.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GIOVANE PEREIRA ALVES SISTEMAS DE PINTURA EM EDIFICIOS PÚBLICOS DE MARINGÁ: PATOLOGIAS, PROCESSOS, EXECUÇÃO E RECOMENDAÇÕES."

Transcrição

1 GIOVANE PEREIRA ALVES SISTEMAS DE PINTURA EM EDIFICIOS PÚBLICOS DE MARINGÁ: PATOLOGIAS, PROCESSOS, EXECUÇÃO E RECOMENDAÇÕES. Monografia apresentada para a obtenção do Título de Especialista em Construção de Obras Públicas no Curso de Pós Graduação em Construção de Obras Públicas da Universidade Federal do Paraná, vinculado ao Programa Residência Técnica da Secretaria de Estado de Obras Públicas/SEOP. Orientador: Prof. Dr. Romel Dias Vanderlei MARINGÁ 2010

2 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ GIOVANE PEREIRA ALVES SISTEMAS DE PINTURA EM EDIFICIOS PÚBLICOS DE MARINGÁ: PATOLOGIAS, PROCESSOS, EXECUÇÃO E RECOMENDAÇÕES. MARINGÁ 2010

3 2 TERMO DE APROVAÇÃO GIOVANE PEREIRA ALVES SISTEMAS DE PINTURA EM EDIFICIOS PÚBLICOS DE MARINGÁ: PATOLOGIAS, PROCESSOS, EXECUÇÃO E RECOMENDAÇÕES. Monografia aprovada como requisito parcial para a obtenção do Título de Especialista em Construção de Obras Públicas no Curso de Pós-Graduação em Construção de Obras Públicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR), vinculado ao Programa de Residência Técnica da Secretaria de Estado de Obras Públicas (SEOP), pela Comissão formada pelos Professores: Profº. Dr. Romel Dias Vanderlei Orientador Profº. Dr. Romel Dias Vanderlei Tutor Profº. Hamilton Costa Junior Coord. Curso Residência Tecnica Maringá, 16 de dezembro de 2010

4 3 RESUMO A aparência de uma edificação pública é fundamental para uma linguagem pública que caracterize seu uso e função reforçando o estado de conservação e manutenção empregado pela administração pública. Neste aspecto o sistema de pintura de uma edificação tem especial relevância. O estado e as patologias encontrados na pintura de um edifício assumem causas diversas que denotam tanto a conservação e manutenção como problemas mais profundos no sistema construtivo como um todo. Percebe-se que a pintura não tem função apenas decorativa mas, de proteção e manutenção da estrutura do edifício, sendo seu processo executivo de grande relevância no contexto construtivo. A correta seleção de um sistema, bem como sua inserção sistemática na dinâmica construtiva permite a conservação e manutenção da vida útil do empreendimento. O estudo proposto sugere um aprofundamento nas questões referentes aos sistemas de pintura de edificações públicas, analisando as patologias, técnicas executivas envolvidas e as soluções e recomendações possíveis que permitam o estabelecimento de critérios técnicos visando a redução de problema construtivos e conseqüentemente o aumento da vida útil da edificação e requalificação do edifício público. Palavras Chave: Sistemas de pintura, patologias, sistemas construtivos.

5 4 ABSTRACT The appearance of a public building is key to a public language that characterized their use and function by strengthening the state of repair and maintenance employed by government. In this aspect the paint system of a building has special relevance. The state and the conditions found in the painting of a building causes many assume that denote both the conservation and maintenance as deeper problems in the building system as a whole. It is noticed that the painting is not merely decorative but function, protection and maintenance of the building structure, and its executive process of great relevance in the constructive context. The correct selection of a system and its systematic inclusion in the dynamic construction allows the preservation and maintenance of the life of the project. The proposed study suggests a deepening in the issues concerning systems of painting public buildings, analyzing the conditions, technical executives involved and the possible solutions and recommendations that will enable the establishment of technical criteria in order to reduce the problem of construction and consequently increasing the life the building and rehabilitation of public buildings. Keywords: Paint Systems, pathologies, construction systems.

6 5 LISTA DE FIGURAS Figura 01 Sistemas de pintura para alvenaria comum Figura 02 Sistemas de pintura para vernizes em madeira Figura 03 Sistemas de pintura para esmalte/óleo em madeira Figura 04 Sistema de pintura para metais Figura 05 Exemplo de eflorescência em pintura sobre alvenaria Figura 06 Exemplo de descascamento em pintura sobre alvenaria Figura 07 Exemplo de mofo em pintura sobre alvenaria Figura 08 Exemplo de saponificação sobre alvenaria Figura 09 Exemplo de enrugamento da pintura sobre alvenaria Figura 10 Exemplo de desagragação da pintura sobre alvenaria Figura 11 Exemplo de bolhas em pintura sobre alvenaria Figura 12 Exemplo de crateras na pintura sobre alvenaria Figura 13 Exemplo de manchas na pintura sobre madeira Figura 14 Exemplo de trincas na pintura sobre madeira Figura 15 Exemplo de manchas amareladas na pintura sobre alvenaria Figura 16 Parede com pintura antiga Escola Estadual Parque Itaipú Figura 17 Estado de conservação das paredes Escola Estadual Parque Itaipú Figura 18 Preparo inadeq. da superfície, imperfeições no substrato, Escola Parque Itaipú. 38 Figura 19 Preparo inadeq. da superfície, imperf. prof. no substrato, Escola Parque Itaipú.. 38 Figura 20 Patologias nos sistemas de pintura Escola Maria Balani Planas Figura 21 Exemplo de mofo sobre pintura em alvenaria Escola Maria Balani Planas Figura 22 Descascamento da pintura com fissuras Escola Maria Balani Planas Figura 23 Imperfeições no substrato (crateras) Escola Maria Balani Planas Figura 24 Exemplo de bolhas na tinta de acabamento Escola Maria Balani Planas Figura 25 Descascamento da pintura em alvenaria Escola Maria Balani Planas Figura 26 Descascamento da pintura em forro Escola Maria Balani Planas Figura 27 Manchas de mofo na superfície pintada Escola Maria Balani Planas Figura 28 Manifestação de bolhas na tinta de acabamento Escola Maria Balani Planas Figura 29 Imperfeições no substrato (crateras) Escola Maria Balani Planas... 46

7 6 Figura 30 Fachada do edifício Ministério Público de Maringá Figura 31 Camadas de pintura aplicadas sobre a sup. do reboco Ministério Público Mgá 49 Figura 32 Pintura feita sobre caiação (pintura a base de cal) Ministério Público Mgá Figura 33 Descascamento de pintura em parede interna Ministério Público de Maringá. 50 Figura 34 Descascamento da pintura em parede externa Ministério Público de Maringá 51 Figura 35 Fissura na tinta de acabamento da parede Ministério Público de Maringá Figura 36 Manifestação de bolor em parede interna Ministério Público de Maringá Figura 37 Descolamento da tinta de acabamento por umidad Ministério Público Mgá Figura 38 Má aderência da tinta pela inadequação do substrato Ministério Público Mgá Figura 39 Preparo inadequado do substrato falta de massa corrida Ministério Público. Figura 40 Fissura na tinta de acabamento em parede externa Ministério Público Mgá LISTA DE TABELAS Tabela 01 Materiais constituintes das tintas e suas funções... Tabela 02 Materiais constituintes dos vernizes e esmaltes... Tabela 03 Planilha orçamentária da SEOP

8 7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO 11 2 PATOLOGIA E PINTURA PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE PINTURA EFLORESCENCIAS DESCACASCAMENTO EM ALVENARIA MANCHAS ESCURAS PROVENIENTES DE MOFO SAPONIFICAÇÃO ENRUGAMENTO DESAGRAGAMENTO BOLHAS EM PINTURA SOBRE ALVENARIA CRATERAS MANCHAS E RETARDAMENTO NA SECAGEM EM MADEIRA TRINCAS E MÁ ADERENCIA EM MADEIRA MANCHAS AMARELADAS EM ÁREAS INTERNAS ESTUDO DE CASO ESTUDO DE CASO 1 ESCOLA ESTADUAL PARQUE ITAIPÚ Caracterização do edifício Caracterização patológica Especificações Execução e fiscalização Medidas de recuperação ESTUDO DE CASO 2 ESCOLA ESTADUAL MARIA BALANI PLANAS Caracterização do edifício Caracterização das patologias Medidas de recuperação... 47

9 8 4.3 ESTUDO DE CASO 3 MINISTÉRIO PÚBLICO DE MARINGÁ Caracterização do edifício Caracterização das patologias Causa das patologias Medidas de recuperação CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 58

10 9 1 INTRODUÇÃO Ao contrário do que possa parecer, a execução de pinturas em edificações é uma operação de grande importância. No entanto, há uma tendência em considerar a atividade apenas como um elemento decorativo. Neste sentido, percebe-se que a preocupação com os sistemas de pintura não se insere na atividade projetual, nem tampouco no sistema construtivo como um todo, configura-se como uma atividade não planejada, ou seja, não é tratada de modo sistêmico. (FREIRE, 2006) Desmistificando este pensamento pode-se destacar várias funções para os sistemas de pintura. De acordo com Britz (2007), além da função meramente decorativa a pintura exerce influência no desempenho e durabilidade das edificações. Tem a capacidade de controlar a luminosidade, isolar termicamente, proteger os revestimentos de argamassa contra o esfarelamento e penetração da umidade e ainda inibir o desenvolvimento de fungos e bolores. A correta seleção do sistema de pintura, bem como o estabelecimento de ferramentas que permitem a aceitação da tinta pode reduzir muito os problemas causados nas edificações aumentando sua vida útil. Diante disso, pode-se entender o processo como uma camada de acabamento de revestimento cujas principais funções são: proteção e decoração. Através da compreensão destas duas funções relacionadas uma à outra, é possível inseri-la em um processo construtivo sistêmico e criterioso que começa na concepção do projeto, onde a correta adoção do sistema de pintura deve levar em consideração os pressupostos estéticos e suas características técnicas e funcionais. Levando em consideração a função e qualidade das tintas e as técnicas executivas relacionadas aos sistemas de pintura, pode-se delimitar a problemática que envolve a questão. Sendo assim, pretende-se responder a seguinte questão: Quais as possíveis soluções para os problemas encontrados nos sistemas de pintura de edifícios públicos considerando o tipo de uso e as interferências a que estão sujeitas? Ao responder esta questão é necessário um aprofundamento das patologias que envolvem os sistemas de pintura, considerando a normatização referente ao processo, bem como a qualidade e tipos de tintas utilizadas na construção civil e relacionando-as ao tipo de substrato e ainda à qualidade da técnica executiva. Considerando que os problemas que envolvem as pinturas somente configuram-se como patologias, conforme Azeredo Jr. (1990), após período muito

11 10 pequeno de sua aplicação, parte-se, então, da hipótese de que os problemas decorrentes dos sistemas de pintura derivam da falta de planejamento das atividades desde a fase de concepção do projeto e envolvem aspectos como: a correta especificação do sistema em conseqüência do substrato e falhas nas técnicas de execução e caracterização das tintas, ou seja, falta de rigor técnico e adequação às normas e especificações do fabricante (KONDO, 2003). Diante do exposto, pretende-se neste trabalho identificar as patologias em pinturas recorrentes em edifícios públicos, avaliar suas causas e propor possíveis soluções aos problemas encontrados, por meio de um estudo de caso, que será desenvolvido em escolas da rede estadual de ensino na cidade de Maringá. Especificamente pretende-se analisar os sistemas de pintura; os tipos de tintas utilizados na indústria da construção civil, suas especificações técnicas e recomendações dos fabricantes; avaliar as técnicas de pintura de edifícios públicos e a condições em que este serviço é executado; analisar como o serviço está inserido no processo construtivo e ainda avaliar as condições de manutenção dos edifícios públicos em relação à pintura. Para determinar corretamente os tipos de patologias em pinturas de edifícios, suas causas e conseqüências, são necessários conhecimentos teóricos aprofundados da problemática que envolve a questão. De acordo com Kondo (2003), é necessário um conhecimento das características dos materiais, adequação ao uso local e mão-de-obra especializada na execução dos serviços. Sendo assim, como metodologia, propõe-se inicialmente uma investigação teórica sobre o tema, abrangendo aspectos como aqueles relacionados no parágrafo anterior, destacando, contudo, uma abordagem sistêmica das técnicas executivas apropriadas a cada tipo de tinta ou sistema de pintura, e seu relacionamento com o substrato. Em seguida, torna-se necessária também uma conceituação sobre patologia e os tipos de problemas mais comuns nos sistemas de pintura, relacionando suas causas e conseqüências. Por fim, apoiado sobre conhecimentos teóricos a respeito do assunto será possível determinar em estudo de caso as manifestações patológicas em edifícios públicos relacionando suas causas e possíveis soluções que possam ser adotadas com o intuito de minimização ou correção dos problemas encontrados. Desta forma, o trabalho estrutura-se da seguinte maneira: O primeiro capítulo introduz o assunto sobre os sistemas de pintura e suas patologias, expondo toda a problemática que envolve a questão, bem como os objetivos e metodologias do

12 11 presente trabalho. O segundo capítulo, por sua vez, tem como objetivo uma abordagem teórica sobre o assunto, abrangendo uma conceituação sobre patologias, tipos e características das tintas e a normatização envolvendo os sistemas e técnicas de pintura. O terceiro capítulo versa especificamente sobre as principais patologias recorrentes nos sistemas de pinturas definindo as características de suas manifestações, bem como suas causas. O quarto capítulo considera questões práticas através de estudo de caso em escolas estaduais, onde o objetivo é justamente identificar a patologias, suas causas e possíveis soluções para correção dos problemas encontrados. Por fim, as considerações finais e o referencial teórico. 1.1 OBJETIVO Esta pesquisa tem como objetivo alertar para os problemas que envolvem os métodos construtivos, bem como a importância do planejamento sistêmico das atividades que envolvem a construção civil, obedecendo parâmetros técnicos e científicos na execução e aplicação dos materiais de acordo com suas características intrínsecas, e necessidade de especialização da mão-de-obra, elevando o processo construtivo a um patamar cientifico, onde as ações sistematizadas trazem melhorias à qualidade do produto final, assim como: benefícios econômicos, minimização de impactos quer no tratamento de resíduos, quer nos gastos energéticos ou na necessidade constante de manutenção, inserindo a atividade construtiva em um modelo de desenvolvimento sustentável.

13 12 2 PATOLOGIA E PINTURA Ao tratar dos problemas de pinturas recorrentes na construção civil, é necessária primeiramente uma conceituação, ainda que, abrangente sobre a terminologia básica, ou seja: O que vem a ser patologia em edificações? Pode-se então, definir genericamente o termo como sendo a ciência das causas e dos sintomas das doenças, (LAROUSSE, 1982). Sendo assim, em nosso contexto, pode-se conceituar patologia em edificações como sendo os problemas gerados em edificações, cujos sintomas tem origem nas diversas fases do processo construtivo: quer no planejamento, na execução ou na escolha e aplicação dos materiais. De acordo com o IPT (1988) as incidências destas manifestações estão relacionadas à condição do controle qualidade das várias etapas do processo construtivo e também na compatibilização destas fases. Aqui, faz-se necessário, com o intuito de aprofundar o debate sobre patologia, inserir a problemática que envolve a origem das manifestações patológicas na moderna indústria da construção civil, em um contexto histórico, contudo, não pretende-se afirmar que anteriormente a estes fatos não haviam falhas no processo construtivo, e que patologias são preocupações apenas da construção industrializada, ou seja, pós revolução industrial, porém não é de interesse deste trabalho os problemas construtivos gerados nos diversos momentos históricos da construção civil. A revolução industrial e a evolução tecnológica trouxeram para a modernidade rápida evolução das técnicas de projeto e execução. A exigência pelo processo industrial foi uma constante ao longo do tempo, exigindo alta produtividade à prazos cada vez menores, contudo, a condição dos trabalhadores, devido à conjunturas sociais não acompanhou esta evolução, ou seja, os trabalhadores mais qualificados, como melhores remunerações foram incorporados a setores industriais mais nobres, ficando em particular, a construção civil prejudicada pela falta de qualificação da mão-de-obra. Aliado a isto, as políticas habitacionais, os sistemas de financiamento e a desqualificação do processo construtivo. (THOMAZ, 1989). Destacando ainda a setorização das atividades de trabalho, ou seja, a divisão social do trabalho, percebe-se com isso, incompatibilidades entre planejamento das edificações e execução, que normalmente conduzem a falhas no processo, com carência de detalhamentos e especificações, falta de mão-de-obra especializada,

14 13 deficiências na fiscalização e ainda imposições de prazos e custos, gerando péssimas condições na produção dos edifícios e consequentemente a proliferação de manifestações patológicas. (THOMAZ, 1989). Ainda de acordo com Thomaz, (1989), pesquisas realizada na Bélgica, constataram que dos problemas patológicos em edifícios, 46% originam-se em falhas de projeto. 22% deve-se a execução e 15% a qualidade dos materiais. Portanto, uma análise destes dados, demonstram que metade dos problemas seriam facilmente resolvidos se houvesse um planejamento criterioso das atividades de projeto, ou seja, quase metade dos problemas encontrados poderiam ser resolvidos antes mesmo de sua execução. Segundo Abrantes, (2007), o assunto a respeito de patologias em edificações torna-se bastante extenso, complexo e abrangente envolvendo praticamente todas as etapas do processo construtivo, iniciando pela fase de elaboração de projetos, Abrantes (2007) afirma que as patologias que hoje se observam só poderão ser ultrapassadas com um significativo investimento na fase de projeto, em particular no esforço de compatibilização de materiais e sub-sistemas construtivos.o enfoque deste trabalho, baseia-se praticamente em uma das últimas fases de uma construção, a pintura, que aparentemente e erroneamente configura-se como uma etapa apenas decorativa, cuja função e utilização não é motivo de muitas preocupações, a não ser do ponto de vista econômico, e talvez, somente aí a atividade é inserida no processo construtivo como um todo, no mais a atividade é tratada dentro do processo em suas especificações e características, apenas como elemento decorativo. Como dito anteriormente, uma das causas das manifestações patológicas é a falta de planejamento e sistematização das atividades de trabalho, onde cada etapa deve estar inserida em um contexto global. (KONDO, 2003). Nosso assunto, portanto, vai delimitar a pesquisa somente em patologias especificas de pintura e suas possíveis causas. Neste sentido, como encaminhamento metodológico é necessário primeiramente uma conceituação sobre pintura, englobando os diversos tipos de tinta, suas características, bem como a normatização existente e as técnicas de pintura adotadas na construção civil, com o objetivo de identificar as maneiras como o serviço é executado para se ter subsídios para poder identificar com critérios técnicos os tipos de patologias encontradas neste serviço e ainda determinar a relação entre a qualidade do material utilizado e a

15 14 qualidade de mão-de-obra adotada e quais as incidências de erros e problemas em cada uma dessas etapas. Historicamente, a pintura acompanha o ser humano desde os tempos mais remotos. Para o homem primitivo a pintura assumia papel singular. As imagens pintadas sobre a rocha tinham funções específicas. O homem primitivo acreditava que tais imagens estavam imbuídas de poder, ou seja, confiavam que pintando, por exemplo, um animal sobre uma rocha estes, animais verdadeiros, poderiam sucumbir ao seu poder na caçada. A pintura, então toma uma função mística de poder e proteção. Ao longo da história, entretanto, passa a ostentar funções diversas no estado da arte, entre elas: a comunicação, na Idade Média; a expressão do belo no Renascimento, e na era pós-industrial, embora ainda tenha lugar de destaque na arte, passa a adquirir outros valores e necessidades. (GOMBRICH, 1999). A finalidade dos sistemas de pintura, além do meramente decorativo é o de proteção de paredes, esquadrias, forros e metais. Decorativamente a degradação dos revestimentos de parede, mesmo quando superficial, afeta muito a aparência dos edifícios e confere um ar de decadência a edificação. (VEIGA, 2002). Nestes sistemas, contudo, é importante considerar sua função como um todo, tanto no aspecto decorativo como no aspecto de proteção e ainda, neste contexto torna-se relevante considerar sua característica psicológica, pois influi no comportamento humano e no conforto ambiental, daí a necessidade de critérios bem definidos na escolha de cores e do tipo de tinta utilizada nos sistemas de pintura. (FREIRE, 2006). De modo geral, a pintura consiste em uma tênue película de revestimento sobre um substrato que pode ser de natureza diversa quanto ao tipo de material, composto ainda por substancias fluidas que protegem a superfície de intempéries e agentes de desagregação, tornando de certa maneira as superfícies impermeáveis, permitindo a limpeza, lavagem e desinfecção. (CARDÂO, 1976). De acordo com Azeredo, (2004) os sistemas de pintura podem ser classificados como: pintura arquitetônica, cuja função primária é a decorativa, embora, como dito anteriormente, a função protetora, deve, sem dúvida, ser considerada no processo de planejamento da edificação, levando em consideração suas características e especificações. Sua utilização inclui, além das tintas, os vernizes e fundo preparador e apresentam uso tanto interno com externo, aplicados sobre diversos tipos de materiais, como: madeira, alvenaria, argamassas, metais,

16 15 etc; pintura de manutenção, são aquelas aplicadas primeiramente para proteção e incluem uma série de recobrimentos aplicados sobre metais, concreto, etc; por fim, a pintura de comunicação visual, cuja finalidade é a de identificação, advertência e delimitação de áreas. Por sua vez, as tintas distinguem-se por seus elementos constituintes: o pigmento (sólido) e aglutinante ou veículo, aquele, consiste em uma suspensão de partículas opacas em um fluido, cuja função é de cobrir ou decorar a superfície; este, por sua vez, tem a propriedade de aglutinar as partículas e formar a película de proteção (BAUER, 1985). Segundo Freire (2006), a composição básica das tintas é formada, além da resina ou veículo e pigmentos, comentados no parágrafo anterior, o solvente responsável pela solubilização dos componentes e pela viscosidade e tempo de secagem das tintas; e os aditivos cuja função é responsável pela correção e melhorias das tintas o qual contribui para proporcionar condições especiais aos diversos tipos de tintas, ou seja, conferem as tintas qualidade específicas. De modo prático, os veículos ou resinas que constituem a parte liquida das tintas servem como aglutinador das partículas constituintes da tinta, ou seja, o solvente, e os aditivos, de modo análogo ao concreto, onde o aglomerante tem a mesma função da resina. Quanto a classificação, as tintas podem ser divididas em relação a natureza de seu solvente da seguinte maneira, de acordo com Azeredo (2006): Tintas miscíveis em água e tintas miscíveis em solvente. Dentro dessas classificações elas podem ainda ser subdivididas de acordo com seu veículo ou resina. Assim, as tintas solúveis em água subdividem-se em : tintas a base de cal, cimentícias, ácidos graxos (PVA), acrílicas, ácidas (epóxi); por sua vez, as tintas miscíveis em solvente são classificadas em : tinta óleo, alquídicas, laca, betuminosas, resina em solução. Com relação aos vernizes, constituem-se em resinas naturais ou sintéticas sob um veículo volátil que convertem-se em película transparente ou translúcida após a aplicação de sucessivas camadas finas. Os esmaltes, por sua vez, são obtidos adicionando-se pigmentos aos vernizes, resultando em tinta caracterizada pela capacidade de formar um filme liso, brilhante e resistente, com alto poder de cobertura e retenção da cor, resultando em um acabamento fosco aveludado. (AZEREDO, 2006).

17 16 Abaixo seguem as tabelas 01 e 02 contendo os componentes de uma tinta e sua função específica na formação da tinta. Tabela. 01: Materiais constituintes das tintas e suas funções Fonte: Azeredo, 2004 CLASSE MateriaisFormadores do filme INGREDIENTE Óleos secativos, resinas, matérias criptocristalinos FUNÇÃO Aglutinar as partículas do filme protetivo, por meio de oxidação ou polimerização Pigmentos Pigmentos modificadores ou cargas Solventes Secantes Diluentes ou redutores de viscosidade Agente anti-coagulante Materiais insolúveis, tendo poder corante e de cobertura(opacidade Materiais insolúveis, tendo baixo poder corante e de cobertura, geralmente em tonalidades claras Os solvente propriamente ditos, e muitas vezes, os próprios matérias formadores do filme Óxidos, resinatos, linoleatos ou acetatos de chumbo, manganês ou cobalto Podem ser não solventes compatíveis com os solventes de óleos e resinas Resinas e derivados de aguarrás Proteger o filme pela reflexão dos raios solares, reforçá-lo e proporcionar bom aspecto Reduzir o custo da pigmentação e, em muitos casos, aumentar o poder de cobertura e resistência ao tempo dos pigmentos, pela suplementação dos vazios entre as partículas de pigmentos Manter em suspensão os pigmentos e dissolver os materiais formadores do filme, permitindo que as tintas possam ser aplicadas Servir de catalisador, acelerar a secagem ou endurecimento do filme, geralmente pela absorção de oxigênio Afinar tintas concentradas, para melhor manuseio durante a aplicação Prevenir polimerização prematura na embalagem Tabela 02: Materiais constituintes dos vernizes e esmaltes Fonte: Azeredo, 2004 CLASSE INGREDIENTE Materiais Formadores do filme Resinas naturais ou sintéticas, betumes, óleos secativos. FUNÇÃO Formar filme protetivo por meio da evaporação do solvente ou secagem de eventual resina empregada Solventes Solventes voláteis e óleos secativos Dissolver os materiais formadores do filme Secantes Resinatos, linoleatos ou oleatos de chumbo, manganês ou cobalto Servir de catalisador para acelerar a secagem ou endurecimento de eventual resina empregada Diluentes ou redutores de viscosidade Não solventes compatíveis com os solventes de óleos ou resinas Auxiliar a aplicação pela redução da viscosidade e proporcionar uma película mais fina Pigmentos (só para o caso de esmaltes) Materiais insolúveis finamente divididos, com poder corante e de cobertura. Conferir cor ao filme e melhorar a resistência aos raios solares

18 17 Em nosso contexto, pode-se elencar algumas tintas específicas que são mais utilizadas na construção civil. Destacam-se portanto: as tintas PVA, acrílica, esmaltes, óleos e os vernizes, cada um com suas características e modos específicos de preparação do substrato para aplicação da tinta. Assim, as tintas PVA caracterizam-se por possuir grande rendimento e durabilidade, quanto ao acabamento apresentam um aspecto fosco aveludado, além do que garantem um ótimo desempenho em repinturas. Este tipo de tinta é indicado tanto para ambientes internos quanto externos, sobre superfícies de reboco, massa corridas, massa acrílica, texturas, gesso, madeiras, etc. É necessário, portanto, uma preparação adequada do substrato para aplicação da tinta PVA, sendo necessário em primeiro lugar a aplicação de um fundo preparador ou selador PVA. Este fundo pode ser aplicado sobre uma base intermediária com massa PVA (massa corrida), cuja finalidade é corrigir a superfície tornando-a lisa. Este tipo de aplicação só é recomendada para ambientes internos, pois externamente o produto está sujeito a solubilização na presença de umidade. Após o tratamento do substrato com correção da parede e aplicação do fundo, pode-se proceder ao emprego da tinta PVA para dar acabamento ao sistema de pintura.(freire, 2006). A tinta acrílica, também é indicada para revestimentos internos e externos, sendo mais recomendada para o uso externo em superfícies de reboco e possui acabamento semi-brilho e fosco, sendo necessário também a preparação adequada da superfície a ser pintada, compreendendo assim, em semelhança a tinta PVA, a correção das superfícies através da massa acrílica e aplicação de fundo preparador ou selador acrílico que tem a função de corrigir a alcalinidade, a pulverulência e a absorção do substrato. (FREIRE, 2006). Por sua vez, as tintas, esmalte e óleo, também são indicadas tanto para o uso interno quanto externo e seu acabamento varia do brilhante, acetinado ao fosco. A tinta óleo apresenta boa elasticidade em ambientes externos, porém está sujeita à alterações em sua aparência. Ao contrário, a tinta esmalte apresenta boa resistência a ação dos raios solares e é recomendada para ambientes externos e internos, conservando a sua aparência original. Como todas as outras tintas citadas acima, necessita de um fundo para corrigir a alcalinidade e uma massa intermediária, porém aqui, recomenda-se o uso de massa óleo ou massa sintética para corrigir a superfície. Em seguida pode-se prosseguir à aplicação da tinta esmalte ou óleo.

19 18 Os vernizes apresentam uma diferenciação quanto ao uso de massa intermediária, ou seja, os niveladores de superfície, sendo que estes são dispensáveis para aplicação de vernizes, pois, estes são transparentes e permitem a visualização do substrato. (FREIRE, 2006). A eficiência de um sistema de pintura não está relacionada somente à qualidade da tinta a ser aplicada. Neste processo devem ser considerados três fatores importantes: o primeiro refere-se a qualidade da tinta, como já mencionado anteriormente; depois é necessário considerar o tipo de substrato; por fim, a técnica de aplicação e qualidade de mão-de-obra. Tomando os devidos cuidados na especificação e caracterização destes três elementos, os problemas referentes à pintura podem ser minimizados consideravelmente. Sendo assim, cada superfície deve receber cuidado especial na preparação para receber uma cobertura com tinta, levando em consideração, neste sentido, dois aspectos: o tipo de material e o estado da superfície a ser aplicada à tinta. A durabilidade de uma tinta aplicada sobre uma superfície dependerá muito da qualidade da primeira demão de fundo a ser aplicado nesta superfície. (BAUER, 1985) Em relação ao tipo de substrato pode-se classifica-lo da seguinte maneira: pintura sobre alvenaria/reboco, pintura em madeiras, pintura em metais. Neste sentido, cada tipo de superfície merece cuidado específico na preparação para o recebimento da tinta, e é esse cuidado que dependerá a qualidade da pintura e sua durabilidade evitando problemas futuros. (FREIRE, 2006) A NBR (1995) faz um apanhado geral sobre execução de pinturas em edificações e fixa as condições gerais para aplicação dos sistemas de pintura em diversos substratos. Em um primeiro momento a norma define critérios para a execução do serviço, relacionados ao tipo de substrato e ao meio em que a pintura poderá ou deverá ser aplicada, ou seja, em relação ao ambiente, as condições favoráveis a execução do serviço é recomendável que as características climáticas estejam a uma temperatura entre 10 e 40 e umidade relativa não ultrapassando os 80%, e ainda menciona que as superfícies devem ser pintadas na ausência de ventos fortes. Recomenda-se ainda a pintura em períodos menos chuvosos, porém, livre também de insolação direta.

20 19 Outro quesito, é em relação ao tipo e qualidade do substrato, desta forma a NBR (1995) relaciona o tipo de substrato ao tipo de tinta e técnica de execução apropriada para cada tipo de superfície. Sendo assim, especifica basicamente duas condições de substrato, uma diz respeito às condições para a superfície nova e outra às condições para superfície com pintura antiga cujo teor revela o tipo de tratamento a ser dado para cada superfície. Basicamente, a preparação da base deve levar em consideração a limpeza do substrato, livre de sujeiras, poeiras, eflorescências, óleos, gorduras, graxas e ainda isenta de microorganismos como mofo, fungos e algas, além do que, no caso de superfícies novas deve-se considerar a cura completa do material, ou seja, a pintura deve ser realizada, pelo menos, após trinta dias da execução da parede ou do substrato a que está destinada. No caso de madeiras e materiais metálicos, este deve estar livre de qualquer tipo de corrosão e aquele não deve apresentar a camada superficial degradada e nem mesmo farpas. Caso ocorra algum destes fatores, deve-se proceder a eliminação destas causas por meio de raspagem, lixamento, escovação, lavagem com água potável podendo ser usado sabão ou detergente para eliminação de gorduras e ainda água sanitária para eliminação de bolor ou mofo. Estas mesmas exigências são válidas para superfícies com pintura antiga, acrescentando ainda algumas características peculiares. Estas pinturas, não devem apresentar sinais de degradação ou imperfeições como bolhas, crostas, calcinação e descascamentos. A superfície não deve estar muito lisa ou brilhante, caso isto ocorra deve-se proceder ao lixamento para retirada do brilho, ou se porventura a parede estiver muito degradada deve-se proceder a retirada completa da pintura antiga e preparar a superfície como recomendado para um pintura nova com aplicação de um fundo selador, dependendo do tipo de material a ser pintado. Caso a parte, trata-se da pintura sobre caiação. Neste caso, a NBR (1995), recomenda que pinturas sobre este tipo de substrato devam primeiramente ser removida completamente a pintura a cal, em seguida é necessária a aplicação de fundo selador para alvenaria, só então será possível aplicar algum tipo de pintura sobre esta superfície. Outro aspecto importante que a NBR (1995) destaca, refere-se a falhas no substrato de superfícies novas. Neste caso, as imperfeições como saliências, e reentrâncias devem ser reparadas com aplicação de massa com características

Problemas Comuns. Eflorescência

Problemas Comuns. Eflorescência Problemas Comuns Como em qualquer outra área na construção civil, geralmente ocorrem problemas, seja na preparação da superfície ou no acabamento. Os problemas mais freqüentes são: Eflorescência São manchas

Leia mais

AMETISTA PROCEDIMENTOS PRELIMINARES QUE ANTECEDE AS TEXTURAS

AMETISTA PROCEDIMENTOS PRELIMINARES QUE ANTECEDE AS TEXTURAS Manual AMETISTA PROCEDIMENTOS PRELIMINARES QUE ANTECEDE AS TEXTURAS l-avaliçao das superfiçies Verificar se as areas estao secas, isentas de umidade oleo ou graxas,buracos etc... ll-preparaçao de superficies

Leia mais

TINTAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

TINTAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho TINTAS Conceito Composição química variada, na maioria das vezes orgânica, que apresenta consistência líquida ou pastosa, que aplicada sobre uma superfície, forma um revestimento sólido e contínuo, com

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA PINTURA

PROCEDIMENTOS PARA PINTURA PROCEDIMENTOS PARA PINTURA Prof. Marco Pádua Geralmente não é dada a devida importância a qualidade dos serviços de pintura. Sendo a última etapa da construção, as vezes, motivados pela economia procuram-se

Leia mais

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA Processos de pintura Existem diferentes processos de pintura, mas o segredo para o sucesso e durabilidade do acabamento final, depende invariavelmente da habilidade do profissional e da preparação da superfície.

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011 1 - PRODUTO: Acrílico Standard mais rendimento Natrielli. 2 - DESCRIÇÃO: É uma tinta acrílica de alto rendimento apresenta um excelente acabamento em superfícies externas e internas de alvenaria, reboco,

Leia mais

O fundo preparador ou selador veda e nivela a superfície; se necessário, pode-se corrigir imperfeições com a massa corrida.

O fundo preparador ou selador veda e nivela a superfície; se necessário, pode-se corrigir imperfeições com a massa corrida. Página 1 de 5 TINTAS E VERNIZES LATEX ACRÍLICO E PVA Criadas para proteger e embelezar as paredes de alvenaria, estruturas metálicas e madeiras, as tintas são aperfeiçoadas para garantir maior desempenho

Leia mais

PINTURAS EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

PINTURAS EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURAS EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURA EQUIPAMENTOS USUAIS PARA APLICAÇÃO DA PINTURA Ferramentas para PREPARO

Leia mais

GUIA PRÁTICO. www.yalen.com.br DE PINTURA PROCEDIMENTOS TÉCNICOS SOLUÇÃO DE PROBLEMAS

GUIA PRÁTICO. www.yalen.com.br DE PINTURA PROCEDIMENTOS TÉCNICOS SOLUÇÃO DE PROBLEMAS www.yalen.com.br GUIA PRÁTICO PROCEDIMENTOS TÉCNICOS SOLUÇÃO DE PROBLEMAS UMA SELEÇÃO DE INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS, PARA QUALQUER PROFISSIONAL DA PINTURA. Caro Amigo (a), Este guia foi desenvolvido para

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil AULA 15 - PINTURA A pintura é um serviço de obra tão importante como qualquer outro, e é um grave erro não lhe dar uma atenção condizente, ela deve ser projetada e executada segundo técnica adequada, não

Leia mais

Boletim Técnico. Cores Azul. Textura Lisa e brilhante.

Boletim Técnico. Cores Azul. Textura Lisa e brilhante. Página 1 de 5 Boletim Técnico Produto Esmalte PU Piscinas Descrição Esmalte PU Piscinas é um esmalte poliuretano bicomponente impermeável ideal para pintura de piscinas de concreto e fibra, deixando-as

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. Generalidades

MEMORIAL DESCRITIVO 1. Generalidades MEMORIAL DESCRITIVO Memorial descritivo de serviço de pintura geral do prédio da Câmara Municipal de Fortaleza de Minas MG. Compõem este memorial as especificações técnicas acerca dos serviços a serem

Leia mais

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL!

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! Na execução de uma PINTURA, devemos levar em consideração os vários fatores que envolvem as etapas deste processo e suas particularidades. Por exemplo, temos

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE APLICAÇÃO

MANUAL PRÁTICO DE APLICAÇÃO MANUAL PRÁTICO DE APLICAÇÃO Esperamos que este Manual Prático de Aplicação possa oferecer a você que é usuário das tintas da KING S PAINT, informações importantes para realizar uma pintura de melhor qualidade

Leia mais

Composição Básica Emulsão Latex Modificada, pigmentos orgânicos e inorgânicos, cargas minerais, aditivo, antibacteria e água.

Composição Básica Emulsão Latex Modificada, pigmentos orgânicos e inorgânicos, cargas minerais, aditivo, antibacteria e água. Boletim Técnico Produto Casacor Acrílico Fosco Branco Descrição Casa limpa, mais saúde e família protegida. Tudo isso em uma tinta: CASA COR Acrílico Super Premium da Tintas Renner. A sua fórmula especial

Leia mais

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil DEFINIÇÃO: TINTAS

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO - LINHA GRAFF

BOLETIM TÉCNICO - LINHA GRAFF A Linha de produtos da Textura & Cia foi desenvolvida para economizar, eliminando etapas do tipo massa fina, massa corrida / acrílica e pintura. Além de tornar prático e econômico o acabamento; os produtos

Leia mais

Av Dr. Cardoso de Mello, 1340 - cjto. 131 - Vila Olímpia Cep: 04548-004 - São Paulo - SP Fone/Fax: 11 3054-1480

Av Dr. Cardoso de Mello, 1340 - cjto. 131 - Vila Olímpia Cep: 04548-004 - São Paulo - SP Fone/Fax: 11 3054-1480 www.abrafati.com.br Av Dr. Cardoso de Mello, 1340 - cjto. 131 - Vila Olímpia Cep: 04548-004 - São Paulo - SP Fone/Fax: 11 3054-1480 Rua Júlio Diniz, 56 - cjto 41 - Vila Olímpia Cep: 04547-090 - São Paulo

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

CORES Além das cores de catálogo pode-se obter outros tons misturando as cores entre sí.

CORES Além das cores de catálogo pode-se obter outros tons misturando as cores entre sí. TINTA ACRÍLICA PREMIUM MACTRA é uma tinta acrílica fosca com excelente desempenho. Sua FÓRMULA EVOLUTION oferece ótima cobertura, secagem rápida, fácil aplicação e baixo odor, proporcionando uma pintura

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE PINTURA

PROCEDIMENTOS DE PINTURA 1 PROCEDIMENTOS DE PINTURA 2 PROCEDIMENTOS DE PINTURA 01.00 SISTEMA DE PINTURA PARA ACABAMENTO FINAL EM LATEX PVA 01.01 - PREPARAÇÃO DA SUPERFÍCIE 1. GESSO (PLACA/PASTA) - Aplicar fundo preparador de parede

Leia mais

CONSERVANDO TELHADOS

CONSERVANDO TELHADOS A ESCOLHA DA COR Você sabia que o processo industrial empregado na elaboração de tintas ou revestimentos, etc... Somente se encerra com a cura total do produto após sua aplicação! Na maioria dos casos,

Leia mais

Patologia das Pinturas

Patologia das Pinturas Patologia das Pinturas Finalidades Acabamento com efeito estético Proteção dos elementos construtivos Durabilidade da edificação 27/6/2007 Patologia das Pinturas 2 Constituintes básicos Resina, veículo

Leia mais

Impermeável Protector Resistente impermeabilizações objectivo - problema - solução objectivo 1 Prevenir a infiltração de água para os pavimentos e paredes das cozinhas, casas de banho, balneários e outros

Leia mais

Dicas para a combinação das cores em casa

Dicas para a combinação das cores em casa O uso de selador antes da pintura fecha os poros da parede e impede que grande quantidade de tinta seja desperdiçada. Tintas com brilho destacam as imperfeições das superfícies. Para paredes com saliências

Leia mais

VtintaI = / / (Litros) VtintaF = / / (Litros)

VtintaI = / / (Litros) VtintaF = / / (Litros) ANEXO A TINTAS PLANILHA N o 2.18. Observador: Alternativas para redução dos desperdícios de materiais nos canteiros de obra MEDIÇÃO DE ESTOQUE (VtintaI E VtintaF): TINTA LÁ TEX ACRÍLICA OU LÁ TEX PVA A.

Leia mais

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS Impermeabilização adequada das fundações de estruturas da obra. Todas as fundações e estruturas da obra com infiltração ou impermeabilização inadequada, principalmente no

Leia mais

PROC IBR EDIF 052/2015 Verificar a qualidade e a quantidade dos serviços na execução de pinturas

PROC IBR EDIF 052/2015 Verificar a qualidade e a quantidade dos serviços na execução de pinturas INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 052/2015 Verificar a qualidade e a quantidade dos serviços na execução de pinturas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADO CNPJ 51.814.960/0001-26. Projeto Básico

PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADO CNPJ 51.814.960/0001-26. Projeto Básico Projeto Básico Pintura e reparos na Escola Municipal de Ensino Fundamental Senador Carlos José Botelho 1.0 Objeto Trata-se de obra de pintura e correção de reparos no edifício da escola, tombado pelo Patrimônio.

Leia mais

PINTURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

PINTURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURA s.f. Ato ou efeito de pintar. Camada de recobrimento de uma superfície, com funções

Leia mais

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E DICAS PARA UMA PINTURA EFICIENTE DE PISO Sempre que desejamos fazer uma pintura de piso, Industrial ou não, devemos ter em mente quais são os objetivos

Leia mais

SISTEMAS DE PISO EPOXI

SISTEMAS DE PISO EPOXI SISTEMAS DE PISO EPOXI PRODUTO DESCRIÇÃO VEC-601 TUBOFLOOR TEE-556 AUTONIVELANTE Selador epóxi de dois componentes de baixa viscosidade. Revestimento epóxi com adição de sílica para regularização de pisos.

Leia mais

Patologia em Revestimentos de Fachada

Patologia em Revestimentos de Fachada PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Revestimentos de 1 Nome:Fernando Marques Ribeiro Matricula: 27667 Docente: Orlando Carlos B. Damin Artigo: Fonte: Editora: Ordem dos Engenheiros Região Norte / 2011 Autores: Ana

Leia mais

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria FICHA TÉCNICA DE PRODUTO 1. Descrição: A argamassa 2101 MATRIX Revestimento Interno, é uma argamassa indicada para o revestimento de paredes em áreas internas, possui tempo de manuseio de até 2 horas,

Leia mais

PATOLOGIA DE FACHADAS

PATOLOGIA DE FACHADAS PATOLOGIA DE FACHADAS Antônio Henrique Correa de Freitas 1 Poliana Miranda França 2 Tamiris Miranda França 2 RESUMO Este artigo tem por finalidade explorar as diversas patologias existentes em fachadas,

Leia mais

Manual Técnico de Pintura

Manual Técnico de Pintura Manual Técnico de Pintura Prezado Cliente Hidracor, Pensando na melhor forma de atendê-lo e tirar suas dúvidas, a Tintas Hidracor desenvolveu este Manual Técnico de Pintura. Prático e de rápida consulta,

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

XVII COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SC - 2013

XVII COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SC - 2013 Título do Trabalho: Perícia relativa a manifestações patológicas recorrentes, em processo de repintura das paredes externas de Parque Fabril. Autor: Eng. Civil Luís Henrique Poy, Esp. Especialista em PATOLOGIA

Leia mais

Aqui são relacionados os tipos comumente encontrados na construção civil classificado de acordo com os veículos utilizados em sua formulação.

Aqui são relacionados os tipos comumente encontrados na construção civil classificado de acordo com os veículos utilizados em sua formulação. 09 - TINTAS E VIDROS APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Escolher o tipo de tinta ideal para a sua edificação; Especificar corretamente o preparo das bases para a aplicação das tintas;

Leia mais

Manual Técnico de Pintura

Manual Técnico de Pintura Manual Técnico de Pintura Manual Técnico Hidracor 1 Prezado Cliente Hidracor, Pensando na melhor forma em atendê-lo, tirar suas dúvidas, a Tintas Hidracor desenvolveu este Manual Técnico de Pintura.Prático

Leia mais

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características Tintas Um problema Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características e tipos de tintas. Introdução Na aula anterior, vimos

Leia mais

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas É composta por uma mistura homogênea de cimento Portland, cal hidratada e agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. O produto é oferecido na cor cinza. 3. Indicação: A argamassa

Leia mais

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA 4:1 é um composto epóxi bi-componente com carga metálica, característica de massa na cor preta, pode ser aplicado com espátula, cura a frio, substituindo de maneira muito

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA Código ETD-00.014 Data da emissão 27.11.1986 Data da última revisão 30.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Serviços Reparo - Proteção Impermeabilização - Graute Atuação em todo território nacional em obras de infraestrutura www.rossetiimper.com.br Aplicador

Leia mais

STUCCO NEW YORK. Sistema de estuque de revestimento de camada

STUCCO NEW YORK. Sistema de estuque de revestimento de camada NEW YORK TM STUCCO Formulated Solutions LLC 25-44 Borough Place Woodside, NY 11377 EUA T 1 718 267 6380 F 1 718 204 6013 www.formulatedsolutions.net NEW YORK STUCCO é uma marca comercial da Formulated

Leia mais

QUALIDADE NO SERVIÇO DE PINTURA COM TINTAS LÁTEX EM REVESTIMENTOS INTERNOS DE ARGAMASSA: ANÁLISE DE CASOS

QUALIDADE NO SERVIÇO DE PINTURA COM TINTAS LÁTEX EM REVESTIMENTOS INTERNOS DE ARGAMASSA: ANÁLISE DE CASOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL William Yutaka Mizushima QUALIDADE NO SERVIÇO DE PINTURA COM TINTAS LÁTEX EM REVESTIMENTOS INTERNOS DE ARGAMASSA:

Leia mais

ARREPIAMENTO. II CORREÇÃO Remover as áreas afetadas e repintar. acabamento extremamente sensíveis.

ARREPIAMENTO. II CORREÇÃO Remover as áreas afetadas e repintar. acabamento extremamente sensíveis. ARREPIAMENTO O solvente do produto recém aplicado ataca o acabamento anterior causando, enrugamento, arrepiamento ou franzimento do filme de tinta, devido a: Repintura de esmalte ou poliuretano não totalmente

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE USO: Utilizado para pintura de pisos industriais, oficinas, áreas que solicitem sanitização do ambiente. Uso interno e externo.

RECOMENDAÇÕES DE USO: Utilizado para pintura de pisos industriais, oficinas, áreas que solicitem sanitização do ambiente. Uso interno e externo. WEGPOXI ANA 301 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Tinta epoxi poliamina bicomponente, de alto teor de sólidos, com pigmentação especial, de secagem rápida. Revestimento aplicável em uma única demão em alta espessura

Leia mais

assentamento e revestimento ficha técnica do produto

assentamento e revestimento ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa e revestimento é uma argamassa de uso geral que pode ser utilizada para o de elementos de alvenaria de vedação como blocos de concreto, blocos cerâmicos, e tijolos comuns. Também

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO O produto OXY-PRIMER é um tipo de tinta de cobertura cimentosa que não é composto de resinas normais, mas que adere como cimento. O cimento adere

Leia mais

EMBALAGENS: Componente A Wegpoxi ADA 314 Balde (19 L) Componente B Wegpoxi 3015 componente B 10003158 (1 L)

EMBALAGENS: Componente A Wegpoxi ADA 314 Balde (19 L) Componente B Wegpoxi 3015 componente B 10003158 (1 L) WEGPOXI ADA 314 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Revestimento epoxi poliamida bicomponente, com função antiderrapante. Alta dureza, resistente a água, óleos, sais. Proporciona uma película de alta textura e consequentemente

Leia mais

Sistemas Tintométricos Acabamentos Preparação Polimento Thinners e Diluentes. Defeitos de Pintura. Causas, prevenção e correção.

Sistemas Tintométricos Acabamentos Preparação Polimento Thinners e Diluentes. Defeitos de Pintura. Causas, prevenção e correção. Sistemas Tintométricos Acabamentos Preparação Polimento Thinners e Diluentes Defeitos de Pintura, prevenção e correção. Para garantir maior produtividade e qualidade total na aplicação de tintas e vernizes

Leia mais

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS 20.1 INTRODUÇÃO A madeira, devido à sua natureza, é um material muito sujeito a ataques de agentes exteriores, o que a torna pouco durável. Os

Leia mais

ÍNDICE 4.2 IMPERMEABILIZANTES 4.2.1 VANTAGENS DA IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.2 FATORES QUE PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE À IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.

ÍNDICE 4.2 IMPERMEABILIZANTES 4.2.1 VANTAGENS DA IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.2 FATORES QUE PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE À IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2. ÍNDICE 1 SUPERFICIES CERÂMICAS 2 PROTEÇÃO ÀS TELHAS E TIJOLOS 3 PRINCIPAIS FATORES QUA ALTERAM AS CARACTERISTICAS DAS SUPERFICIES CERAMICAS: HIDROFUGANTES E IMPERMEABILIZANTES 4.1 HIDROFUGANTES 4.1.1 TIPOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS CONSTRUÇÕES RURAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS CONSTRUÇÕES RURAIS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS CONSTRUÇÕES RURAIS Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. Email: vigoderis@yahoo.com.br website: www.vigoderis.tk São tubos cerâmicos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - DECIV Engenharia Civil Materiais de Construção II Tintas e Vernizes Tintas Imobiliárias/Arquitetônicas A tinta é uma preparação que tem como finalidade

Leia mais

A) cérebro. B) comanda. C) inevitável. D) socorro. E) cachorro.

A) cérebro. B) comanda. C) inevitável. D) socorro. E) cachorro. CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1 CÉREBRO ELETRÔNICO O cérebro eletrônico faz tudo Faz quase tudo Faz quase tudo Mas ele é mudo. O cérebro eletrônico comanda Manda e desmanda Ele é quem manda

Leia mais

Internacional SOLUTIONS

Internacional SOLUTIONS Internacional SOLUTIONS SILICONE NEUTRO Silicone neutro Impermeabilizante de uso profissional. Inodoro e com fungicida. ADERE EM: Madeira, concreto, tijolo, vidro, PVC, plástico, alumínio, etc. APLICAÇÃO:

Leia mais

Cerâmicas e porcelanatos

Cerâmicas e porcelanatos Aprenda a limpar cerâmica, porcelanato, laminado, vidro, madeira... De forma geral, pano umedecido e detergente neutro, aplicados depois de varrer a superfície, bastam à limpeza do chão. No caso de alérgicos,

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANOINHAS SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANOINHAS SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO MEMORIAL DESCRITIVO Reforma Unidade de Saúde de Campo da Água Verde Local: Campo da Água Verde Canoinhas/SC CANOINHAS-SC ABRIL / 2014 SERVIÇOS PRELIMINARES E GERAIS... Este Memorial Descritivo tem a função

Leia mais

AMETISTA REVESTIMENTOS

AMETISTA REVESTIMENTOS AMETISTA REVESTIMENTOS Ficha técnica MASSA CORRIDA É composta de emulsão acrílica, carga minerais inertes e aditivos solúveis em água, desenvolvida para a execução de quaisquer correções em ambientes internos.

Leia mais

4- CONSIDERAÇÕES GERAIS

4- CONSIDERAÇÕES GERAIS Prefeitura do Município de São Miguel Arcanjo 1 Secretaria Municipal de Obras e Serviços Praça Antonio Ferreira Leme, 53 Centro CEP 18230-000 SÃO MIGUEL ARCANJO-SP - Fone. 15 3279.8000 e-mail: obras@saomiguelarcanjo.sp.gov.br

Leia mais

FISPQ LIMPA PORCELANATO. FICHA DE SEGURANÇA de produtos químicos

FISPQ LIMPA PORCELANATO. FICHA DE SEGURANÇA de produtos químicos LIMPA PORCELANATO CARACTERÍSTICA DO PRODUTO: É um limpador alcalino especialmente formulado para limpeza leve e pesada em pisos tratados com acabamentos acrílicos, pisos não tratados como porcelanato.

Leia mais

Como pintar azulejos e revestimentos cerâmicos para renovar sua cozinha ou banheiro

Como pintar azulejos e revestimentos cerâmicos para renovar sua cozinha ou banheiro Dar fim às estampas antigas, disfarçar manchas do tempo ou até eliminar a aparência da cerâmica. Tudo isso é viável, desde que se use a tinta certa Há duas técnicas para que o jeitão antigo do seu azulejo

Leia mais

PATOLOGIAS NO REVESTIMENTO DE FACHADAS DOS EDIFÍCIOS HISTÓRICOS DA CIDADE DE CAMPINA GRANDE

PATOLOGIAS NO REVESTIMENTO DE FACHADAS DOS EDIFÍCIOS HISTÓRICOS DA CIDADE DE CAMPINA GRANDE PATOLOGIAS NO REVESTIMENTO DE FACHADAS DOS EDIFÍCIOS HISTÓRICOS DA CIDADE DE CAMPINA GRANDE Autoria: Danilo Wanderley Matos de Abreu (Orientador) - Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA) Auriana

Leia mais

DICAS ANTES DA COMPRA

DICAS ANTES DA COMPRA DICAS ANTES DA COMPRA Madeira: É um material natural e variações são consideradas normais, nuances e veios existentes nos pisos são próprios da madeira; imperfeições naturais, nós e variações nas tonalidades

Leia mais

B O L E T I M T É C N I C O T

B O L E T I M T É C N I C O T STARPOXI CVS 301 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Verniz epóxi poliamina bicomponente. Verniz selante para oferecer aderência em superfícies de concreto, cimento amianto, alvenaria e madeira, assim como diminuir

Leia mais

10 PATOLOGIAS MAIS COMUNS EM REVESTIMENTOS.

10 PATOLOGIAS MAIS COMUNS EM REVESTIMENTOS. 10 PATOLOGIAS MAIS COMUNS EM REVESTIMENTOS. APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Saber analisar as manifestações apresentadas nos revestimentos; Saber as causas prováveis das patologias

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

Guia Técnico de Pintura

Guia Técnico de Pintura Guia Técnico de Pintura III - Telhados, Rufos, III.1 TELHADOS Principais Patologias Com o passar do tempo e muitas vezes também pela falta de manutenção anual, acumulam-se nos telhados de telha de barro,

Leia mais

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro;

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro; VIAPLUS BRANCO 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, semiflexível, bicomponente (A+B), à base de cimentos especiais, aditivos minerais e polímeros de excelentes características impermeabilizantes.

Leia mais

Florença Revestimentos Cimentícios Recomendações Técnicas

Florença Revestimentos Cimentícios Recomendações Técnicas Florença Revestimentos Cimentícios Recomendações Técnicas Produto/variações Devido ao processo de fabricação e aplicação de gel envelhecedor, os revestimentos cimentícios, podem apresentar pequenas variações

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO REFORMA e AMPLIAÇÃO

MEMORIAL TÉCNICO REFORMA e AMPLIAÇÃO MEMORIAL TÉCNICO REFORMA e AMPLIAÇÃO O presente Memorial Técnico de Reforma e Ampliação tem por finalidade descrever os materiais, procedimentos/métodos a serem empregados nas retiradas e na reforma, indicar

Leia mais

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar:

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar: COMO INSTALAR : Importante para uma perfeita instalação, obter o resultado especificado pela Revitech Pisos e esperado pelo cliente, a utilização das ferramentas corretas. Ferramentas como a desempenadeira,

Leia mais

APLICAÇÃO DE ELASTRON EM CONCRETO 1,5

APLICAÇÃO DE ELASTRON EM CONCRETO 1,5 APLICAÇÃO DE ELASTRON EM CONCRETO 1,5 1.0 - DESCRIÇÃO Esta literatura tem por finalidade servir de guia de aplicação do Elastron sobre Estruturas de Concreto e a Preparação do Substrato. O Sistema consistirá

Leia mais

MICROCIM EP. Micro Cimento Decorativo Revisão: Agosto / 2013. DESCRIÇÃO. Sistema MICROCIM EP: Performance: CARACTERÍSTICAS / VANTAGENS

MICROCIM EP. Micro Cimento Decorativo Revisão: Agosto / 2013. DESCRIÇÃO. Sistema MICROCIM EP: Performance: CARACTERÍSTICAS / VANTAGENS Micro Cimento Decorativo Revisão: Agosto / 2013. DESCRIÇÃO O é um sistema de revestimento decorativo de alta performance, de base cimentícia, com apelo estético rústico, agradável ao toque e ao olhar,

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 159

Norma Técnica SABESP NTS 159 Norma Técnica SABESP NTS 159 Esquema de pintura para equipamentos e materiais em aço-carbono ou ferro fundido pintados e em contato direto com esgoto Especificação São Paulo Rev. 1 - Outubro - 2001 NTS

Leia mais

TINTAS. As tintas são empregadas na construção com o fim de conservar os materiais sobre os quais são aplicados etambém para fim decorativo.

TINTAS. As tintas são empregadas na construção com o fim de conservar os materiais sobre os quais são aplicados etambém para fim decorativo. Prof. Marcos Valin Jr TINTAS As tintas são empregadas na construção com o fim de conservar os materiais sobre os quais são aplicados etambém para fim decorativo. As tintas devem ter além da fixidez apropriedade

Leia mais

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens.

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens. Ficha do Produto Edição 22/04/2011 Sikacim Impermeabilizante Construção Sikacim Impermeabilizante Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos Características

Leia mais

MORADORES DO ASFALTO TÊM VISÃO PRECONCEITUOSA EM RELAÇÃO A FAVELAS

MORADORES DO ASFALTO TÊM VISÃO PRECONCEITUOSA EM RELAÇÃO A FAVELAS CONHECIMENTOS GERAIS de 01 a 20 Leia atentamente o texto a seguir para responder às questões de 01 a 15. TEXTO: MORADORES DO ASFALTO TÊM VISÃO PRECONCEITUOSA EM RELAÇÃO A FAVELAS 5 10 15 20 25 30 Pesquisa

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO INSTITUTO UNI-FAMEMA / OSCIP Marília/SP ÍNDICE 1. PRELIMINARES. 2. DEMOLIÇÕES E RETIRADAS.

Leia mais

ROGERTEC MFC FIBRA DE CARBONO. Reforço Estrutural com AN) (MADE IN JAPAN)

ROGERTEC MFC FIBRA DE CARBONO. Reforço Estrutural com AN) (MADE IN JAPAN) Reforço Estrutural com FIBRA DE CARBONO MFC (MADE IN JAPAN) AN) Fax: (21) 3254-3259 A ROGERTEC é uma empresa nacional voltada para o fornecimento de produtos, equipamentos e tecnologia no setor das recuperações.

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

Membrana liquida impermeabilizante, econômica e ecologicamente amigável para coberturas baseada na Tecnologia Co-Elástica (CET) da Sika

Membrana liquida impermeabilizante, econômica e ecologicamente amigável para coberturas baseada na Tecnologia Co-Elástica (CET) da Sika Ficha do Produto Edição 02/08/2011 Nº de identificação: 02 09 02 20 900 0 000004 Membrana liquida impermeabilizante, econômica e ecologicamente amigável para coberturas baseada na Tecnologia Co-Elástica

Leia mais

Serão verificados a seguir as varias etapas, tanto na composição das tintas como

Serão verificados a seguir as varias etapas, tanto na composição das tintas como 16 5. SISTEMAS DE PINTURAS Serão verificados a seguir as varias etapas, tanto na composição das tintas como nos procedimentos adotados de um sistema de pintura. 5.1 Composição Básica das tintas A complexidade

Leia mais

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO Profº Joel Filho Introdução: Impermeabilização NBR 9575/2003 - Elaboração de Projetos de Impermeabilização Item 6 Projeto 6.1. Elaboração e responsabilidade técnica

Leia mais

EMBALAGENS: Componente A Lackpoxi N 2629 Balde (15 L) Componente B Lackpoxi N 2629 componente B 10003395 (5 L)

EMBALAGENS: Componente A Lackpoxi N 2629 Balde (15 L) Componente B Lackpoxi N 2629 componente B 10003395 (5 L) LACKPOXI N 2629 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Epóxi poliamina bicomponente sem solvente. Tinta de acabamento de alta resistencia química a solventes e derivados de petróleo. Atende Norma Petrobras N 2629. Possui

Leia mais

FABRICANTES PRINCIPAIS: PLACO LAFARGE KNAUF

FABRICANTES PRINCIPAIS: PLACO LAFARGE KNAUF GESSO FABRICANTES PRINCIPAIS: PLACO LAFARGE KNAUF Paredes de gesso Paredes de blocos de gesso: Construção semelhante a de alvenaria convencional, utilizando-se gesso e massa de gesso em vez de tijolos

Leia mais

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS Setembro, 2009 PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS 1 O QUE NÃO QUEREMOS: O QUE NÃO QUEREMOS, MESMO!! 2 NUNCA!!!! JAMAIS! 3 NA MINHA OBRA NÃO! Fonte:FUMEC É CADA UMA... 4 JÁ? TÃO CEDO...

Leia mais

Poliuretano modificado com dispersão acrílica Densidade 1,35 kg/l (+23 C) (EN ISO 2811-1) Conteúdo de Sólidos Temperatura de Serviço

Poliuretano modificado com dispersão acrílica Densidade 1,35 kg/l (+23 C) (EN ISO 2811-1) Conteúdo de Sólidos Temperatura de Serviço Ficha do Produto Edição 18/05/2015 Nº de identificação: 0000000 00000 Sikafill Reflex Pro Manta liquida impermeabilizante ecológica de alta refletividade solar para coberturas, baseada na Tecnologia Co-Elástica

Leia mais

NORMA TÉCNICA 1/7 NE-007. 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

NORMA TÉCNICA 1/7 NE-007. 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS NORMA TÉCNICA Título: PINTURA DE AÇO CARBONO, COM PREPARAÇÃO DE SUPERFÍCIE POR FERRAMENTAS Aprovação Subcomitê de Manutenção das Empresas Eletrobras - SCMT Vigência 10.03.2016 1/7 NE-007 1ª Edição 1. OBJETIVO

Leia mais

Fundo acabamento epóxi poliamida bicomponente, atóxico. Possui certificado de aprovação para contato com água po tável.

Fundo acabamento epóxi poliamida bicomponente, atóxico. Possui certificado de aprovação para contato com água po tável. WEGPOXI 748 DF DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Fundo acabamento epóxi poliamida bicomponente, atóxico. Possui certificado de aprovação para contato com água po tável. RECOMENDAÇÕES DE USO: Recomendado para pintura

Leia mais

A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA

A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA IRENE DE AZEVEDO LIMA JOFFILY (1) ANA LUIZA ALVES DE OLIVEIRA (2) (1) Professora UniCeub/Virtus Soluções (2) Graduanda em Engenharia

Leia mais

MISTRURA, HOMOGENEIZAÇÃO E DILUIÇÃO DAS TINTAS.

MISTRURA, HOMOGENEIZAÇÃO E DILUIÇÃO DAS TINTAS. MISTRURA, HOMOGENEIZAÇÃO E DILUIÇÃO DAS TINTAS. A homogeneização da tinta é muito importante para que todos os seus componentes fiquem uniformes e em condições de uso. Deve ser feita em seu recipiente

Leia mais

VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade.

VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade. Descrição VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade. Adere perfeitamente ao concreto, à alvenaria e à argamassa. VEDATOP não é tinta de acabamento,

Leia mais

PINTURA EM DRYWALL O QUE É PRECISO SABER

PINTURA EM DRYWALL O QUE É PRECISO SABER PINTURA EM DRYWALL O QUE É PRECISO SABER 2 a EDIÇÃO Av. Dr. Cardoso de Mello, 1340 - cjto 131 Vila Olímpia - CEP 04548 004 - São Paulo, SP Fone: 55 (11) 3054-1480 www.abrafati.com.br Rua Julio Diniz, 56

Leia mais

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS 1) INTRODUÇÃO ARGAMASSAS. Aglomerantes + agregados minerais + água (eventualmente aditivos). Intervalo

Leia mais

19.1 INTRODUÇÃO 19.2 MATÉRIAS-PRIMAS. 19.2.1 Propriedades

19.1 INTRODUÇÃO 19.2 MATÉRIAS-PRIMAS. 19.2.1 Propriedades CAPÍTULO XIX TINTAS 19.1 INTRODUÇÃO A pintura, nas construções civis, consiste no revestimento das superfícies de algumas paredes de um edifício, por meio de substâncias mais ou menos fluídas e quase sempre

Leia mais