OS GRANITOS DE VILA POUCA DE AGUIAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS GRANITOS DE VILA POUCA DE AGUIAR"

Transcrição

1 OS GRANITOS DE VILA POUCA DE AGUIAR COMO FACTOR DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR COORDENAÇÃO: LUÍS SOUSA

2 Ficha Técnica Título Os granitos de Vila Pouca de Aguiar como factor de desenvolvimento regional. Uma abordagem multidisciplinar. Coordenação Luís Sousa Edição Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, 2012 Design Raquel Pimenta - Minfo Gráfica Impressão e acabamento Minfo Gráfica Tiragem 500 ISBN Depósito Legal /13

3 Ín d i c e 1 A geologia da região de vila pouca de aguiar página 11 2 Os recursos geológicos em Vila Pouca de Aguiar página 23 3 Os granitos de Vila Pouca de Aguiar página 29 4 A importância da indústria do granito na região página 43 5 Recursos geológicos e ordenamento do território página 53 6 Prospecção de granito ornamental página 71 7 Licenciamento de pedreiras página 85 8 Extracção mecânica de granito página Extracção de granito com explosivos página Máquinas e equipamento utilizados em pedreiras página Transformação de granito página arquitectura em granito - breve relance da sua história página segurança, higiene e Saúde em pedreiras página Impactes ambientais resultantes da actividade extractiva página Pedreiras sujeitas a Avaliação de Impacte Ambiental página Resíduos da indústria do granito página Aterros de resíduos inertes página Recuperação ambiental e paisagística de pedreiras página Património geológico na região de Vila Pouca de Aguiar página Inovação e investigação página A Rota da Pedra em Vila Pouca de Aguiar página AIGRA - Associação dos Industriais de Granito página 293 Referências bibliográficas página 299

4 Vera Fernanda Costa Oliveira Carlos A. G. A. Quadtros Luís M. O. Sousa Segurança, higiene e saúde em pedreiras

5 OS GRANITOS DE VILA POUCA DE AGUIAR COMO FACTOR DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR

6 Introdução O trabalho em pedreiras apresenta algumas situações perigosas, isto é, actividades, equipamentos e materiais que podem ser precursores e/ou potenciadores de lesões físicas ou psíquicas, prejuízos para os materiais ou para o ambiente. O risco pode ser definido com a situação resultante da combinação da probabilidade da ocorrência de danos e a gravidade destes, resultantes da verificação de uma determinada condição perigosa, e depende sempre das eventuais medidas preventivas e de protecção aplicadas. Neste capítulo serão abordadas as principais situações perigosas susceptíveis de causarem danos e enumeradas as medidas de minimização do risco associado. Serão também abordados os aspectos relacionados com a saúde dos trabalhadores das pedreiras. Riscos associados à exploração de granito ornamental Para facilidade de identificação dos riscos, são de seguida enumeradas as situações perigosas em várias fases do trabalho nas pedreiras. Em cada pedreira, em cada situação, deverão ser sempre consideradas todas as particularidades que podem potenciar a ocorrência de situações perigosas. Para cada actividade de risco são apresentadas as regras de segurança que evitam ou minimizam as consequências dos acidentes (IGM, 1999; Guerreiro, 2005). Queda de equipamento ou de carga As potenciais causas para estes acidentes são as irregularidades do piso, o elevado pendor dos acessos, as áreas de circulação perto de zonas de precipício ou de zonas de extracção, o excesso de carga, a distribuição incorrecta da carga, o excesso de velocidade e as manobras inadequadas. - Não exceder a capacidade de transporte das máquinas; - Distribuir bem a carga; - Utilizar vias de circulação com pisos em bom estado o pouco inclinadas; - Efectuar as operações de carregamento e transporte dentro da pedreira de forma visível para todos os operários; - Proceder à verificação diária e inspecção periódica dos equipamentos de extracção, carregamento e transporte; - Substituir periodicamente os cabos de aço da grua (caso exista) e verificar com frequência os cabos auxiliares que sustentam os blocos. Segurança, higiene e saúde em pedreiras 179

7 Queda de pessoas de escadas, precipícios e no mesmo nível A presença de desníveis e precipícios e a utilização incorrecta de escadas (ou a sua ausência) são as causas potenciais para este tipo de acidente. - Colocar sinalização e vedação, com altura superior a 90 cm, junto às zonas de precipício; - Desimpedir de obstáculos as zonas de passagem; - Manter o piso das zonas de passagem regular e não escorregadio; - Usar calçado com sola antiderrapante; - Colocar as escadas de mão, de modo a que estas ultrapassem em pelo menos 1 m o limite superior do local a atingir; - Fixar as escadas de mão, de modo a não poderem escorregar, tombar ou oscilar; - Utilizar escadas fixas com protecções laterais para o acesso dos trabalhadores ao interior da pedreira. Desabamento de terras e queda de blocos dos taludes Os acidentes poderão ocorrer na frente de desmonte, quando se verifica a queda de fragmentos instáveis, no parque de material, quando os blocos estão instáveis, ou na zona de acumulação de resíduos, sempre que há novos despejos. - Limpar a terra existente na bordadura da escavação até uma distância de pelo menos 2 m; - Avaliar a fracturação nas frentes de trabalho para identificar possíveis derrocadas; - Avaliar a instabilidade dos blocos de rocha na face das escombreiras; - Sanear os taludes; - Trabalhar o mínimo possível junto dos taludes e só quando não existir outra alternativa; - Usar capacete; - Usar botas de protecção; - Realizar as operações de despejo de resíduos nas escombreiras com cuidado acrescido; - Sinalizar a presença da base da escombreira; - Evitar empilhar os blocos de rocha no parque de material. Atropelamentos Os atropelamentos podem ocorrer quando as áreas de circulação são reduzidas e com má visibilidade, e sobretudo quando há outros trabalhos a decorrer que obrigam à presença de trabalhadores. 180 OS GRANITOS DE VILA POUCA DE AGUIAR COMO FACTOR DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL

8 - Manutenção periódica e adequada das pás-carregadoras, dumpers e outros equipamentos de transporte; - Sinalizar com sinais de perigo as zonas de movimentação nas máquinas; - Usar sinalização sonora e luminosa de marcha atrás nas máquinas; - Garantir áreas de circulação adequadas e sem obstáculos; - Restringir o acesso de pessoas às zonas de circulação de máquinas; - Procurar afastar as demais actividades das pedreiras das zonas de circulação. Entalamentos e cortes As operações de derrubamento e carregamento são as potenciadoras deste tipo de acidentes. - Sensibilizar os trabalhadores para o perigo inerente ao derrube das talhadas de rocha e à movimentação dos blocos; - Afastar os trabalhadores durante o transporte e carga dos blocos; - Realizar a manutenção periódica das máquinas e equipamentos; - Utilizar ferramentas em perfeitas condições; - Usar luvas; - Usar capacetes; - Usar botas de protecção. Pancadas de pérolas diamantadas ou de fragmentos resultantes de um rebentamento A projecção e queda de fragmentos de rocha aquando do rebentamento e a ruptura do fio diamantado constituem as possíveis causas para estes acidentes. - Evitar que existam pessoas a trabalhar nas imediações da máquina de fio diamantado, em direcções coincidentes com a do corte; - Colocar as devidas protecções nas máquinas de fio diamantado; - Manejo de explosivos por pessoa habilitada com célula de operador; - Respeitar os diagramas de fogo; - Sinalizar o rebentamento de explosivos; - Afastar trabalhadores para uma distância de segurança aquando do rebentamento de explosivos; - Usar capacete; - Usar botas de protecção. Segurança, higiene e saúde em pedreiras 181

9 Vibrações As vibrações poderão ser perigosas essencialmente para os operadores de martelos pneumáticos, e em menor grau para os operadores de máquinas. O uso excessivo de explosivo e a circulação de máquinas também podem originar vibrações, mas são menos importantes do que as duas situações atrás referidas. - Utilização de martelos pneumáticos mais recentes; - Utilizar máquinas com bancos amortecidos; - Manter as zonas de circulação com piso regular; - Reduzir o tempo de exposição a vibrações, fazendo a rotação dos trabalhadores por várias actividades; - Não utilizar cargas de explosivo em excesso. Poeiras As poeiras poderão ter origem na perfuração da rocha, nas operações de desmonte com explosivo e com máquinas, no movimento de máquinas e no despejo de materiais nas zonas de acumulação de resíduos. - Usar sistemas de captação de poeiras; - Usar sistemas de perfuração a húmido; - Regar periodicamente as zonas de circulação; - Usar máscaras de protecção; - Efectuar plantações e sementeiras nas escombreiras e nos limites da pedreira. Ruído O ruído tem origem nas operações de perfuração, no desmonte com explosivos e na movimentação de máquinas. - Utilizar equipamentos mais modernos e menos ruidosos; - Reduzir os tempos de exposição às actividades ruidosas; - Usar protectores auriculares adequados; - Separar as várias actividades que se desenrolam na pedreira; - Realizar controlos periódicos do ruído laboral. Químicos (contacto com lubrificantes) Os produtos químicos (lubrificantes, produtos de limpeza, ) podem estar na origem de acidentes (como queimaduras ou intoxicação) quando são incorrectamente utilizados. 182 OS GRANITOS DE VILA POUCA DE AGUIAR COMO FACTOR DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL

10 Vibrações As vibrações poderão ser perigosas essencialmente para os operadores de martelos pneumáticos, e em menor grau para os operadores de máquinas. O uso excessivo de explosivo e a circulação de máquinas também podem originar vibrações, mas são menos importantes do que as duas situações atrás referidas. - Utilização de martelos pneumáticos mais recentes; - Utilizar máquinas com bancos amortecidos; - Manter as zonas de circulação com piso regular; - Reduzir o tempo de exposição a vibrações, fazendo a rotação dos trabalhadores por várias actividades; - Não utilizar cargas de explosivo em excesso. Poeiras As poeiras poderão ter origem na perfuração da rocha, nas operações de desmonte com explosivo e com máquinas, no movimento de máquinas e no despejo de materiais nas zonas de acumulação de resíduos. - Usar sistemas de captação de poeiras; - Usar sistemas de perfuração a húmido; - Regar periodicamente as zonas de circulação; - Usar máscaras de protecção; - Efectuar plantações e sementeiras nas escombreiras e nos limites da pedreira. Ruído O ruído tem origem nas operações de perfuração, no desmonte com explosivos e na movimentação de máquinas. - Utilizar equipamentos mais modernos e menos ruidosos; - Reduzir os tempos de exposição às actividades ruidosas; - Usar protectores auriculares adequados; - Separar as várias actividades que se desenrolam na pedreira; - Realizar controlos periódicos do ruído laboral. Químicos (contacto com lubrificantes) Os produtos químicos (lubrificantes, produtos de limpeza, ) podem estar na origem de acidentes (como queimaduras ou intoxicação) quando são incorrectamente utilizados. 182 OS GRANITOS DE VILA POUCA DE AGUIAR COMO FACTOR DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL

11 - Armazenamento dos lubrificantes e substâncias afins em locais próprios; - Evitar a existência destas substâncias em locais onde as pessoas tocam com as mãos; - Usar luvas de protecção. Operários com equipamento de protecção individual. Incêndio ou explosão Os acidentes com os explosivos são os mais graves, pois normalmente têm consequências fatais para os trabalhadores. A ignição de produtos inflamáveis é menos frequente mas também poderá ter graves consequências. As regras de segurança que devem ser consideradas são: - Armazenamento de combustíveis, explosivos e lubrificantes em locais apropriados; - Sinalizar adequadamente os locais de armazenamento destas substâncias com os adequados sinais de proibição e de perigo; - Manter fechado o acesso aos locais de armazenamento destas substâncias; - Proibir fumar ou foguear junto das zonas de armazenamento e utilização; - Instalar extintores junto dos locais de armazenamento; - Manuseamento dos explosivos por trabalhadores com formação para tal. Electrização (electrocussão, queimaduras, etc.) O desleixo com as instalações eléctricas e com os cabos eléctricos é a principal causa dos acidentes. São exemplos os quadros eléctricos sem protecção, os fios descarnados e sem suporte adequado, e as instalações eléctricas em mau estado. - Realizar uma manutenção periódica aos circuitos e quadros eléctricos da pedreira; - Não permitir que os cabos eléctricos estejam em zonas onde há movimentação de equipamento; - Não colocar os quadros eléctricos móveis em zonas que possam ficar submersas. Segurança, higiene e saúde em pedreiras 183

12 Transmissão de doenças A transmissão de doenças é potenciada quando se verifica a partilha de copos e também quando as instalações sociais e sanitárias apresentam deficientes condições de higiene. - Utilizar copos individuais para os trabalhadores ingerirem água; - Possuir instalações sociais e sanitárias limpas e em bom estado de funcionamento. Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho A segurança, higiene e saúde no trabalho (SHST) é fundamental nas empresas exploradores de rocha ornamental, quer para diminuir o nível de sinistralidade desta indústria, quer dar cumprimento às muitas e variadas imposições legais. As empresas exploradoras têm de possuir serviços de SHST que têm como principais objectivos: análise dos riscos inerentes à actividade; identificação e adopção de medidas de protecção colectiva e individual; auxiliar na sinalização a instalar; informação e sensibilização dos trabalhadores para os vários riscos a que estão expostos; avaliação da aptidão clínica dos trabalhadores para o cargo que desempenham e de eventuais problemas de saúde resultantes da(s) actividade(s) desempenhada(s). A sinalização é importante para a segurança dos trabalhadores e de quem se aproxima das pedreiras. Os serviços de SHST podem ser externos, internos ou interempresas, mas deverão assegurar as seguintes actividades (CPPME, 2010): - Informação técnica, na fase de projecto e de execução, sobre as medidas de prevenção relativas às instalações, locais, equipamentos e processos de trabalho; - Identificação e avaliação dos riscos para a saúde nos locais de trabalho e controlo periódico dos riscos resultantes da exposição a agentes químicos, físicos e biológicos; - Planeamento da prevenção, integrando a avaliação dos riscos e as respectivas medidas de prevenção; - Elaboração de um programa de prevenção de riscos profissionais; - Promoção e vigilância da saúde dos trabalhadores; - Informação e formação sobre os riscos para a segurança e saúde, bem como as medidas de protecção e prevenção; 184 OS GRANITOS DE VILA POUCA DE AGUIAR COMO FACTOR DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL

13 - Organização dos meios destinados à prevenção e protecção, colectiva e individual, e coordenação das medidas a adoptar em caso de perigo grave e iminente; - Afixação de sinalização de segurança nos locais de trabalho; - Análise dos acidentes de trabalho e doenças profissionais; - Recolha e organização dos elementos estatísticos relativos à segurança e saúde na empresa. - Coordenação de inspecções internas de segurança sobre o grau de controlo e observância das normas e medidas de prevenção nos locais de trabalho. Plano de segurança e saúde A existência de um Plano de Segurança e Saúde (PSS) constitui uma ferramenta fundamental na gestão de SHST, e a sua existência é obrigatória de acordo com o Decreto-Lei 329/95 de 29 de Novembro. Para a elaboração do PSS é necessária informação detalhada sobre o projecto da pedreira e todas as actividades a desenvolver, nomeadamente: tipo e distribuição das instalações; actividades a desenvolver; meios e equipamentos utilizados nas várias actividades; acessos; regras nos locais de trabalho; meios de informação e comunicação; meios de emergência. Com base nos riscos existentes e potenciais são elaborados planos sectoriais de prevenção, os quais possuem os seguintes objectivos (Guerreiro, 2005): Plano quanto a condicionalismos do local e respectivos acessos O objectivo é a identificação e caracterização de todos os condicionalismos existentes no local de implantação de pedreira, no espaço envolvente e nos acessos, que possam criar situações de risco. São exemplos as construções e/ou obstáculos, as redes técnicas (de água, electricidade, gás, telefone), as condições de acesso ao local (tipo de acesso, existência de povoações, linhas de água, estreitamento da via, ). Pedreiras situadas em zonas isoladas apresentam poucos ou nenhuns condicionalismos, com excepção dos relacionados com os acessos. Plano de manutenção dos equipamentos Deverá assinalar a frequência das revisões periódicas de inspecção dos equipamentos existentes na pedreira. A marcha das revisões e inspecções deve ser clara e os resultados históricos devem estar arquivados em fichas próprias. Assim, será possível prolongar a vida útil dos equipamentos e mantê-los em boas condições de funcionamento e solucionar atempadamente algum problema. Plano de sinalização e de circulação Este plano visa aumentar a segurança dos trabalhadores da pedreira e dos eventuais visitantes através de uma planta. Nesta planta deverão constar as vias de circulação no interior da pedreira (veículos, sentidos de circulação), assim com a sinalização de segurança e saúde (informação, procedimentos de segurança e aviso de perigo). Segurança, higiene e saúde em pedreiras 185

14 Plano de protecção colectivas Devem ser identificados em planta os locais onde devem ser adoptadas medidas de protecção colectiva ou instalados equipamentos de protecção colectiva. São exemplos as vedações em zonas de precipício, as protecções em máquinas de fio diamantado ou os dispositivos para recolha do material fino resultante da perfuração. Plano de protecções individuais Deve identificar e caracterizar os equipamentos de protecção individual (EPI s) que os trabalhadores devem utilizar em função dos riscos presentes nos diversos postos de trabalho, zonas, instalações e circunstâncias. Plano de manutenção e limpeza das instalações O objectivo deste plano é descrever a organização da limpeza e da manutenção das instalações de apoio à pedreira, identificando os locais, procedimentos e periodicidade. Plano de saúde dos trabalhadores Este plano deverá apresentar a informação relativa à vigilância médica dos trabalhadores em função dos riscos a que se encontram expostos (ruído, poeiras, ), indicando os tipos de exames médicos a realizar e respectiva periodicidade. Os trabalhadores deverão ser submetidos a exames anuais (para menores de 18 anos ou maiores de 50 anos) ou bienais (restantes casos). Plano de formação e informação dos trabalhadores Devem ser identificados e definidos os meios de formação e informação a adoptar junto dos trabalhadores, os quais devem realizar acções de formação e sensibilização com uma periodicidade suficiente para manter os níveis exigidos de segurança, higiene e saúde no trabalho. 186 OS GRANITOS DE VILA POUCA DE AGUIAR COMO FACTOR DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL

CONDIÇÕES DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO EM EXPLORAÇÕES DE ROCHA ORNAMENTAL E INDUSTRIAL

CONDIÇÕES DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO EM EXPLORAÇÕES DE ROCHA ORNAMENTAL E INDUSTRIAL XV Encontro Nacional do Colégio de Engenharia Geológica e de Minas da Ordem dos Engenheiros CONDIÇÕES DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO EM EXPLORAÇÕES DE ROCHA ORNAMENTAL E INDUSTRIAL Guerreiro,

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO Humberto Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A crescente preocupação das entidades oficiais sobre a segurança na indústria extractiva,

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABERTURA DE CABOUCOS PARA MACIÇOS DE FUNDAÇÃO 2 DESCRIÇÃO A construção dos maciços de fundação para os pórticos e torres metálicas das linhas

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ORGANIZAÇÃO DO ESTALEIRO 2 DESCRIÇÃO Face à legislação em vigor, estaleiros temporários ou móveis são os locais onde se efectuam trabalhos de

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/5 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora Pág.2/5 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade: Segurévora

Leia mais

AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Papel da escola na promoção de uma cultura de HSST no trabalho PANORAMA GERAL: 330 000 acidentes de trabalho/ano 22% afecta os jovens com idade inferior

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS PESADAS 2 DESCRIÇÃO A movimentação de cargas pesadas, compreende as operações de elevação, transporte e descarga de objectos,

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/12 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora 2010 Pág.2/12 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade:

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais

Armazenamento Todas as matérias primas são organizadas por secções no armazém, através de prateleiras.

Armazenamento Todas as matérias primas são organizadas por secções no armazém, através de prateleiras. Recepção de matérias primas Após a chegada das matérias primas à fábrica, estas são transportadas para o armazém através do empilhador, porta paletes ou através de transporte manual. Armazenamento Todas

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

Formando: Dário Filipe da Silva Afonso. Formanda: Fernanda Maria Piçarra. Avaliação de riscos. Filme 1 Situação 1 Caso do menino

Formando: Dário Filipe da Silva Afonso. Formanda: Fernanda Maria Piçarra. Avaliação de riscos. Filme 1 Situação 1 Caso do menino Avaliação de riscos Filme 1 Situação 1 Caso do menino Camião a despejar carga em andamento (destravado) Menino a brincar debaixo da obra Técnicos sem EPIs Mau acondicionamento e deficiente arrumação de

Leia mais

Formando: Dário Filipe da Silva Afonso. Formanda: Fernanda Maria Piçarra. Avaliação de riscos. Filme 1 Situação 1 Caso do menino

Formando: Dário Filipe da Silva Afonso. Formanda: Fernanda Maria Piçarra. Avaliação de riscos. Filme 1 Situação 1 Caso do menino Avaliação de riscos Filme 1 Situação 1 Caso do menino Camião a despejar carga em andamento (destravado) Menino a brincar debaixo da obra Técnicos sem EPIs Mau acondicionamento e deficiente arrumação de

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXI Acidentes de Trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXVIII Prevenção de acidentes com veículos na Construção Civil Parte 1 um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico

Leia mais

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO Humberto J. P. Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO O ruído é um dos agentes físicos que gera mais incomodidade. É responsável por conflitos entre pessoas, entre pessoas

Leia mais

SGA. Introdução. Qualidade SGA ISO 14001. SGA por Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática SGA. Introdução.

SGA. Introdução. Qualidade SGA ISO 14001. SGA por Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática SGA. Introdução. por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Legislação aplicada no âmbito de S.H.S.T. Prescrições mínimas de segurança e saúde sobre os componentes materiais do Trabalho

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABERTURA DE VALAS OU TRINCHEIRAS 2 DESCRIÇÃO Nos trabalhos realizados em valas ocorrem com frequência acidentes graves e fatais devido principalmente

Leia mais

RISCOS ESPECIAIS. Obra:" Infraestruturas da AUGI 42 Casal do Sapo Sesimbra

RISCOS ESPECIAIS. Obra: Infraestruturas da AUGI 42 Casal do Sapo Sesimbra Escavação/Abertura de valas Factores de risco - Invasão do espaço do estaleiro por veículos rodoviários - Danificação das paredes da vala devido às cargas exercidas pela passagem dos veículos rodoviários

Leia mais

Anexo 3 - Questionário específico - construção

Anexo 3 - Questionário específico - construção Anexo 3 - Questionário específico - construção 85 Empresa: Morada: Localidade: Cód. Postal: Distrito: Telefone: NIF: Código de CAE-Rev. 2/92: Actividade principal da empresa: Categoria da Actividade: Número

Leia mais

1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança

1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança BOAS PRÁTICAS PREVENTIVAS PORTUCEL - Fábrica de Cacia Paula Lima (Técnico Sup. HST) 100505PL1P 1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança ENQUADRAMENTO LEGAL Ver em pormenor no Artº 98º da DL

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO TÍTULO DA APRESENTAÇÃO DEVERES GERAIS DO EMPREGADOR DEVERES GERAIS DO TÍTULO EMPREGADOR DA APRESENTAÇÃO Admissão de trabalhadores

Leia mais

Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva

Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva C. M. Porto Mós M s 24/02/2010 25022010 1 centro tecnológico

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Entrevista n.º 5. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança?

Entrevista n.º 5. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança? Entrevista n.º 5 Empresa: Aurélios Sobreiros Lda. Encarregado 1. A segurança e a higiene do trabalho, bem como a protecção da saúde fazem parte integrante dos princípios que regem a empresa? Quais são

Leia mais

Estágio Curricular no âmbito do Curso Licenciatura de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Segurança

Estágio Curricular no âmbito do Curso Licenciatura de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Segurança 1/10 Índice 1. SEGURANÇA...2 1.1. Domínio de Actuação... 2 1.2. Situações de Emergência... 2 1.3. Prescrições de... 3 1.3.1. Equipamentos de Trabalho (ET)... 3 1.3.2. Equipamentos de Protecção Colectiva

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local MÓDULO 5. Sinalização de Segurança. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local MÓDULO 5. Sinalização de Segurança. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local MÓDULO 5 Sinalização de Segurança Formadora - Magda Sousa SINALIZAÇÃO A sinalização é a técnica que administra uma indicação relativa à segurança

Leia mais

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos Medidas de Prevenção e Protecção Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos 30 - Novembro, 2010 ÍNDICE Introdução - Medidas de Prevenção e Protecção pág.

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO: UMA VISÃO SECTORIAL

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO: UMA VISÃO SECTORIAL SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO: UMA VISÃO SECTORIAL Francisco Silva Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro Estudo Estudo sectorial para apoio à elaboração de Manual de Prevenção Questionários

Leia mais

TRABALHO COM EMPILHADORES MANUAIS

TRABALHO COM EMPILHADORES MANUAIS TRABALHO COM EMPILHADORES MANUAIS TIPOS DE EMPILHADORES A mecanização da movimentação de cargas realiza-se, muitas vezes, com recurso a empilhadores, que estão disponíveis no mercado em vários tipos e

Leia mais

O sector da saúde apresenta uma elevada taxa de incidência de distúrbios músculo-esqueléticos relacionados com o trabalho, apenas precedido do

O sector da saúde apresenta uma elevada taxa de incidência de distúrbios músculo-esqueléticos relacionados com o trabalho, apenas precedido do SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE DO TRABALHO BOAS PRÁTICAS EM MEIO HOSPITALAR 26-11-2008 10% dos trabalhadores da União Europeia sector da saúde e da protecção social A taxa de acidentes de trabalho no sector

Leia mais

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6)

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) Objectivos do Curso No final da acção, os formandos deverão ser capazes de: Colaborar na definição da política geral da empresa relativa à

Leia mais

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA João M. L. Meira Geólogo Mário J. N. Bastos Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A exploração de minas e pedreiras, bem como a actividade

Leia mais

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA Na sequência da Circular nº04/cd/03, de 17 de Janeiro, vimos por este meio solicitar a colaboração dos Responsáveis pelos Laboratórios

Leia mais

QUESTIONÁRIO N.º. 1-Sexo: 3- Nacionalidade: 4-Estado Civil: 5-Grau de ensino (completo): 4 anos de escolaridade 11 anos de escolaridade

QUESTIONÁRIO N.º. 1-Sexo: 3- Nacionalidade: 4-Estado Civil: 5-Grau de ensino (completo): 4 anos de escolaridade 11 anos de escolaridade QUESTIONÁRIO N.º O presente inquérito tem como objectivo registar as opiniões dos trabalhadores que trabalham na Construção Civil, com vista a recolher informações relativamente às condições ambientais

Leia mais

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1. Objecto e âmbito

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1. Objecto e âmbito DATA: 14 de Junho de 1995 EMISSOR: MINISTÉRIO DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL DIPLOMA/ACTO: Decreto-Lei n.º 141/95 SUMÁRIO: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 92/58/CEE, do Conselho,

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis - Obrigações Gerais do Empregador SERVIÇOS DE ENGENHARIA/SEGURANÇA AICCOPN - 07 de Junho de

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVI Armazenamento de Produtos Químicos Perigosos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido

Leia mais

Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no. Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo

Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no. Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo 1 - Em que consiste a prevenção? Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo eliminar ou reduzir

Leia mais

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº.

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº. CHECK LIST DE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Resposta à check list. A severidade está dividida em 3 níveis, Leve, Médio e Grave Só é preenchida quando a resposta não corresponde ao que a legislação prevê.

Leia mais

Security, Health and Safety

Security, Health and Safety Security, Health and Safety Conselhos para Colaboradores e Parceiros da Securitas Portugal securitas.pt As quedas, escorregadelas e os tropeçamentos são a causa de acidentes e ferimentos entre Trabalhadores.

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP DPS 38.008-13 EDP Natureza do documento Versão Data Emissor Procedimento de Segurança (DPS) R4 14-12-2012

Leia mais

TIPOS DE RISCOS. Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonómicos Riscos de Acidentes

TIPOS DE RISCOS. Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonómicos Riscos de Acidentes RISCO Consideram-se Risco de Trabalho todas as situações, reais ou potenciais, suscetíveis de a curto, médio ou longo prazo, causarem lesões aos trabalhadores ou à comunidade, em resultado do trabalho.

Leia mais

PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA

PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA PST. PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA (Descrição da Obra) Empreitada: descrição da empreitada Dono da Obra: identificação do dono da obra Edição / Revisão / Código: PST. Entidade Executante/Construtor:

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA REBOQUE DE GERADORES E SUPORTES DE BOBINAS DE CABOS 2 DESCRIÇÃO Durante os trabalhos diários de exploração e conservação das redes de distribuição

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

Produtos químicos PERIGOSOS

Produtos químicos PERIGOSOS Produtos químicos PERIGOSOS Como podemos identificar os produtos químicos perigosos? Os produtos químicos estão presentes em todo o lado, quer em nossas casas, quer nos locais de trabalho. Mesmo em nossas

Leia mais

Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito.

Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito. FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADOR DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGA DE ALCANCE VARIÁVEL Fonte: ACT FUNÇÃO Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito.

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIV Protecção Individual um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO DE AMBIENTE, SEGURANÇA E HIGIENE NA EXECUÇÃO DE OBRAS/PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS/COMPRA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTO

ANEXO REGULAMENTO DE AMBIENTE, SEGURANÇA E HIGIENE NA EXECUÇÃO DE OBRAS/PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS/COMPRA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTO ANEXO REGULAMENTO DE AMBIENTE, SEGURANÇA E HIGIENE NA EXECUÇÃO DE OBRAS/PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS/COMPRA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTO 1. Objetivo do Regulamento O presente Regulamento, em reforço das exigências

Leia mais

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO Patrícia Falé patricia.fale@dgeg.pt ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE

PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE Folha: 1 / 134 PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE ( FASE DE PROJECTO ) BENEFICIAÇÃO DE ESTRADAS, CAMINHOS E ARRUAMENTOS MUNICIPAIS CARTAXO Folha: 2 / 134 Índice I MEMÓRIA DESCRITIVA 1 Memória Descritiva e Justificativa.

Leia mais

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico 1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico O documento legislativo que estabelece o regime jurídico de enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho é determinado

Leia mais

Conteúdos: 1 Psicossociologia do Trabalho (25 horas)

Conteúdos: 1 Psicossociologia do Trabalho (25 horas) : 1 Psicossociologia do Trabalho (25 horas) Objectivo(s): Aplicar técnicas e métodos de avaliação dos factores psicossociais. Proceder a nível psicossocial a alterações na organização do trabalho ou no

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção Por que eu devo utilizar equipamentos de segurança e onde encontrá-los? Os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) foram feitos para evitar

Leia mais

Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro Aprova as normas de segurança contra incêndio a observar na exploração de estabelecimentos escolares

Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro Aprova as normas de segurança contra incêndio a observar na exploração de estabelecimentos escolares A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo da Portaria n.º 1444/2002, de 7 de Novembro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro

Leia mais

Entrevista n.º 1. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança?

Entrevista n.º 1. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança? Entrevista n.º 1 Empresa: Festa & Festa Entidade patronal 1. A segurança e a higiene do trabalho, bem como a protecção da saúde fazem parte integrante dos princípios que regem a empresa? Quais são os objectivos

Leia mais

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho.

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho. Guia de Segurança do Operador PORTUGAL: Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança

Leia mais

Instrução de Trabalho IT 021. Verificação de Segurança de Equipamentos

Instrução de Trabalho IT 021. Verificação de Segurança de Equipamentos Verificação de Segurança de Equipamentos Na Presença do técnico de SHT e do Gestor da Qualidade e/ou um representante da Gerência serão verificados os equipamentos anualmente conforme o DL50/05 e deverá

Leia mais

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 1 de 7 PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 2 de 7 PROCESSO CONSTRUTIVO 1. EECUÇÃO DE PINTURAS Esta actividade consiste nos trabalhos de pinturas nas paredes simples

Leia mais

REGULAMENTO PARA FORNECEDORES

REGULAMENTO PARA FORNECEDORES REGULAMENTO PARA FORNECEDORES ÍNDICE 1 Disposições Gerais...3 2 Compromisso com a AGERE EM...4 2.1 Política do Sistema Integrado de Gestão...4 2.2 A Missão...5 2.3 A Visão...5 3 Requisitos Gerais - Qualidade...6

Leia mais

V JORNADAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO PRINCIPAIS CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS PROFISSIONAIS

V JORNADAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO PRINCIPAIS CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS PROFISSIONAIS V JORNADAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO PRINCIPAIS CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS PROFISSIONAIS As PME s na Europa As PME s são a espinha dorsal da economia portuguesa, sendo responsáveis por grande

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS: Módulo I - Noções de Estatística e Fiabilidade (30 Horas)! Obtenção, análise e classificação de amostras;! Tratamento

Leia mais

weber.col classic plus

weber.col classic plus 1/6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1. Nome: 1.2. Aplicações: Cimento-Cola. Este produto destina-se à colagem de cerâmica. 1.2. Entidade Responsável: 1.3. Telefone de Emergência: Saint-Gobain

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume VI Riscos Químicos Parte 1. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume VI Riscos Químicos Parte 1. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume VI Riscos Químicos Parte 1 um Guia Técnico de Março de 2008 Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

CIPA GESTÃO 2013/2014

CIPA GESTÃO 2013/2014 HOSPITAL SÃO PAULO-SPDM Mapa de Risco da Empresa: Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Mapa de Risco é uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho,

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA GERADORES AUXILIARES (GERADOR MÓVEL) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos específicos de operação e ligação de gerador auxiliar móvel à rede de distribuição

Leia mais

Entrevista n.º 7. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança?

Entrevista n.º 7. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança? Entrevista n.º 7 Empresa: Alberto Rites Lda. Entidade patronal 1. A segurança e a higiene do trabalho, bem como a protecção da saúde fazem parte integrante dos princípios que regem a empresa? Quais são

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXIX Prevenção de acidentes com veículos na Construção Civil Parte 2 um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA 1. Identificação da substância/preparação e da sociedade / empresa Identificação da substância / preparação Nome comercial: LUSO EXTRUDER Código do produto: TPVE 301 Utilização da substância / da preparação:

Leia mais

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Introdução Breves definições: O que são resíduos? Não há uma definição única! O conceito do que são resíduos e a respectiva definição é variável

Leia mais

Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho

Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho 9º Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho 1. O Grupo Salvador Caetano 2. A Responsabilidade Social e a SHST 3. Política de SHST 4. Estrutura de SHST 5. Responsabilidades e Responsáveis

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXXI Trabalhos com segurança em telhados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Armazém Planear a construção

Armazém Planear a construção Planear a construção Surgem muitas vezes problemas associados às infra-estruturas dos armazéns, como por exemplo, a falta de espaço para as existências, para a movimentação nos corredores e áreas externas,

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XVII Ruído. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XVII Ruído. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVII Ruído um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa autorização

Leia mais

SEGURANÇA DE MÁQUINAS

SEGURANÇA DE MÁQUINAS SEGURANÇA DE MÁQUINAS SITUAÇÃO PERIGOSA: Toda a situação em que uma pessoa é exposta a um ou mais riscos ou fenómenos perigosos Zona perigosa Toda a zona interior e/ou ao redor de uma máquina, na qual

Leia mais

AN1.13 - DESCRIÇÃO DAS MEDIDAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

AN1.13 - DESCRIÇÃO DAS MEDIDAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO AN1.13 - DESCRIÇÃO DAS MEDIDAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO ÍNDICE 1. Organização da Segurança... 2 2. Medidas de Segurança de Protecção dos Trabalhadores... 3 3. Sinalização e Equipamentos de Segurança...

Leia mais

Portaria n.º 1444/2002 Quinta-feira, 7 de Novembro de 2002 257 SÉRIE I-B

Portaria n.º 1444/2002 Quinta-feira, 7 de Novembro de 2002 257 SÉRIE I-B Portaria n.º 1444/2002 Quinta-feira, 7 de Novembro de 2002 257 SÉRIE I-B Aprova as normas de segurança contra incêndio a observar na exploração de estabelecimentos escolares Portaria n.º 1444/2002 de 7

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Exemplo de Requerimento Zona Franca Industrial Documento disponível em: www.ibc-madeira.com EXEMPLO DE REQUERIMENTO PARA AUTORIZAÇÃO DE INSTALAÇÃO

Leia mais

Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja

Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja Sector da Limpeza Industrial www.campanhaquimicos.eu Avaliação de riscos na utilização de substâncias perigosas Campanha Europeia CARIT Comité dos

Leia mais

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF A Comissão de segurança do Instituto de Química da UFF(COSEIQ) ao elaborar essa proposta entende que sua função é vistoriar, fiscalizar as condições

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

Medidas de Protecção Contra Explosão

Medidas de Protecção Contra Explosão Medidas de Protecção Contra Explosão a) Líquidos Inflamáveis/Combustíveis Gasóleo Grupos geradores depósito de gasóleo Depósito Enterrado Armazenamento do gasóleo Manutenção Abastecimento do depósito Armazenamento

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E SHST. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança

GESTÃO AMBIENTAL E SHST. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança Regras de Qualidade, mbiente 1 / 7 provação: I. OBJECTIVO E ÂMBITO Este documento estabelece as regras da Qualidade, mbiente aplicáveis a entidades externas, que venham a desenvolver actividades dentro

Leia mais

RELATÓRIO HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

RELATÓRIO HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO RELATÓRIO HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Florência Loureiro Setembro de 09 Pág. 1 de 11 INDICE 1 -Introdução. 2.-Caracterização do Municipio de Mondim de Basto 3.-Caracterização dos Empreendimentos 3.1-Princípios

Leia mais

Relatório de Inspeção

Relatório de Inspeção Relatório de Inspeção Obra: Recuperação do sistema de bondes de Santa Teresa Local: Rua Joaquim Murtinho, Santa Teresa, Rio de Janeiro-RJ Executante: Consórcio Elmo-Azvi Gerente da Obra: Sr. Angel Técnico

Leia mais

MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE LISBOA. Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições

MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE LISBOA. Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE LISBOA Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições Artigo 1.º (Objecto e Âmbito) 1. A MARL Mercado Abastecedor

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

A SEGURANÇA EM TRABALHOS DE MANUTENÇÃO 1 1/35

A SEGURANÇA EM TRABALHOS DE MANUTENÇÃO 1 1/35 A SEGURANÇA EM TRABALHOS DE MANUTENÇÃO 1 1/35 1. Análise de riscos 2. Ferramentas de uso comum 3. Máquinas e ferramentas pneumáticas 4. Pedras de esmeril 5. Máquinas ferramenta 6. Escadas portáteis 7.

Leia mais

PLANO DE MONITORIZAÇÃO E PREVENÇÃO ESCAVAÇÃO / ABERTURA DE VALA / TRABALHOS EM VALA OU ESCAVAÇÃO

PLANO DE MONITORIZAÇÃO E PREVENÇÃO ESCAVAÇÃO / ABERTURA DE VALA / TRABALHOS EM VALA OU ESCAVAÇÃO Dono da Entidade Executante: 1 / 6 ESCAVAÇÃO / ABERTURA DE VALA / TRABALHOS EM VALA OU ESCAVAÇÃO Verificação/Tarefas Riscos Medidas de Prevenção/Protecção Resp. Escavação Abertura de vala Trabalhos em

Leia mais

CURSO: TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA NO TRABALHO CARGA HORÁRIA: 540 Horas (420 h em sala + 120 h em contexto de trabalho)

CURSO: TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA NO TRABALHO CARGA HORÁRIA: 540 Horas (420 h em sala + 120 h em contexto de trabalho) Destinatários/Público-alvo: Activos com qualificação de nível superior (Licenciatura ou Bacharelato), que tenham interesse e motivação pelas actividades de Segurança e Higiene do Trabalho, considerando-se,

Leia mais

O PAPEL DAS ESCOLAS SUPERIORES NA CULTURA DA SEGURANÇA NO SECTOR DA CONSTRUÇÃO, EM PORTUGAL

O PAPEL DAS ESCOLAS SUPERIORES NA CULTURA DA SEGURANÇA NO SECTOR DA CONSTRUÇÃO, EM PORTUGAL O PAPEL DAS ESCOLAS SUPERIORES NA CULTURA DA SEGURANÇA NO SECTOR DA CONSTRUÇÃO, EM PORTUGAL Anabela Mendes Moreira; Ana Paula Machado; Carla G. Correia Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de

Leia mais