TRABALHO SEGURO EM AMBIENTE FERROVIÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRABALHO SEGURO EM AMBIENTE FERROVIÁRIO"

Transcrição

1 TRABALHO SEGURO EM AMBIENTE FERROVIÁRIO

2 GESTÃO DA SEGURANÇA EM AMBIENTE FERROVIÁRIO As intervenções realizadas na via férrea bem como nas zonas contíguas comportam riscos profissionais para: Trabalhadores, Equipamentos de estaleiro; Composições ferroviárias (comboios). 2

3 GESTÃO DA SEGURANÇA EM AMBIENTE FERROVIÁRIO Os trabalhos realizados em vias férreas ou na sua proximidade são classificados como trabalhos com riscos especiais (art.º 7.º DL 273/2003, de 29/10) Estes trabalhos devem obedecer a um planeamento específico com o objetivo de eliminar os riscos profissionais ou reduzi-los a níveis aceitáveis. 3

4 Fatores de Risco Ferroviários 4

5 FATORES DE RISCO FERROVIÁRIOS CIRCULAÇÃO FERROVIÁRIA TENSÃO ELÉTRICA DA CATENÁRIA E FEEDER PERCEÇÃO DOS RISCOS FERROVIÁRIOS PELOS TRABALHADORES 5

6 FATORES DE RISCO FERROVIÁRIOS RISCOS Atropelamento de trabalhadores Choque entre equipamento de obra e comboio Choque de comboio com objectos Instabilidade da plataforma de via-férrea Eletrização / Electrocussão 6

7 FATORES DE RISCO FERROVIÁRIOS RISCOS Via em Exploração 7

8 FATORES DE RISCO FERROVIÁRIOS RISCOS Via em Exploração 8

9 GESTÃO DA PREVENÇÃO DOS RISCOS FERROVIÁRIOS Parâmetros de Segurança Ferroviários

10 GESTÃO DA PREVENÇÃO DOS RISCOS FERROVIÁRIOS Parâmetros de Segurança Ferroviários Intervalos de velocidade Zona de risco Distância de Anúncio 10

11 GESTÃO DA PREVENÇÃO DOS RISCOS FERROVIÁRIOS Parâmetros de Segurança Ferroviários Intervalos de velocidades Intervalo de velocidades I (v 80 km/h) Intervalo de velocidades II (80 <v 160 km/h) Intervalo de velocidades III (v> 160 km/h) 11

12 GESTÃO DA PREVENÇÃO DOS RISCOS FERROVIÁRIOS Parâmetros de Segurança Ferroviários Zonas de Risco 12

13 GESTÃO DA PREVENÇÃO DOS RISCOS FERROVIÁRIOS Parâmetros de Segurança Ferroviários Distância de Anúncio A distância de anúncio é a distância necessária para a paragem em segurança da circulação ferroviária antes de atingir um obstáculo na linha-férrea (trabalhadores, equipamentos de estaleiro, objectos, etc.). 13

14 GESTÃO DA PREVENÇÃO DOS RISCOS FERROVIÁRIOS Medidas de Segurança Ferroviárias

15 MEDIDAS DE SEGURANÇA FERROVIÁRIAS Por imposição dos princípios gerais de prevenção deve-se: 1.º Eliminar os perigos; 2.º Controlar os riscos não evitados para níveis aceitáveis. Como planear a segurança em ambiente ferroviário: 1.º Avaliar a possibilidade de implementar medidas que eliminem os riscos; 2.º Implementar medidas de prevenção que controlem os riscos para níveis aceitáveis.

16 MEDIDAS DE SEGURANÇA FERROVIÁRIAS Medidas que eliminam os riscos associados à circulação ferroviária: Interdição da via em que decorrem os trabalhos Suspensão da circulação na via em que decorrem os trabalhos; Interdição da via adjacente àquela em que decorrem os trabalhos

17 MEDIDAS DE SEGURANÇA FERROVIÁRIAS Interdição Suspensão 17

18 MEDIDAS DE SEGURANÇA FERROVIÁRIAS Medidas que eliminam os riscos associados à tensão eléctrica: Corte de tensão eléctrica da catenária na via em que decorrem os trabalhos; Corte de tensão eléctrica da catenária na via adjacente àquela em que decorrem os trabalhos (corte geral); Colocação de fiadores provisórios nos carris.

19 MEDIDAS DE SEGURANÇA FERROVIÁRIAS Corte de Tensão Fiadores Provisórios 19

20 MEDIDAS DE SEGURANÇA FERROVIÁRIAS A implementação de medidas que eliminam os riscos ferroviários Impossibilidade de exploração ferroviária A implementação destas medidas deve ser sempre que: A regulamentação ferroviária obrigue; Operacionalmente for possível sem afectar a exploração.

21 MEDIDAS DE SEGURANÇA FERROVIÁRIAS Medidas que controlam os riscos associados à circulação ferroviária: Colocação de barreiras de segurança/sinalizadoras; Implementação de sistema de aviso de aproximação de circulações; Implementação de afrouxamento na via em que decorrem os trabalhos; Implementação de afrouxamento na via adjacente àquela em que decorrem os trabalhos; Colocação do sinal S Atenção Trabalhos.

22 MEDIDAS DE SEGURANÇA FERROVIÁRIAS Barreiras de segurança homologadas 22

23 MEDIDAS DE SEGURANÇA FERROVIÁRIAS Guarda Corpos Barreiras fixas ao solo 23

24 MEDIDAS DE SEGURANÇA FERROVIÁRIAS SAAC Manual SAAC Automático (ATWS) 24

25 MEDIDAS DE SEGURANÇA FERROVIÁRIAS Limitação de velocidade Sinal S Atenção Trabalhos 25

26 MEDIDAS DE SEGURANÇA FERROVIÁRIAS Medidas que controlam os riscos associados à tensão eléctrica: Organização do trabalho de forma a não invadir a zona de risco C; Selecção de equipamentos de escavação de envergadura mais reduzida; Cuidado no manuseamento de elementos compridos (varas metálicas, prumos metálicos, redes de contenção, etc.); Ligação à terra de estruturas metálicas próximas da infraestrutura ferroviária electrificada; Colocação de fiadores provisórios (retorno de tracção eléctrica).

27 MEDIDAS DE SEGURANÇA FERROVIÁRIAS Envergadura dos Equipamentos Organização do Local de Trabalho 27

28 MEDIDAS DE SEGURANÇA FERROVIÁRIAS Equipotencialidade/continuidade elétrica 28

29 MEDIDAS DE SEGURANÇA FERROVIÁRIAS Formação Segurança ferroviária (técnicos, enquadramento) Acolhimento (todos os trabalhadores); Específica (manobradores, trabalhos em altura, etc.) 29

30 MEDIDAS DE SEGURANÇA FERROVIÁRIAS Vigilante Trabalhos junto à via 30

31 MEDIDAS DE SEGURANÇA FERROVIÁRIAS Eliminam os Riscos Interdição de Via Suspensão da Circulação Ferroviária Corte de Tensão da Catenária Controlam os Riscos Sistema de Anúncio e Aviso de Circulações Barreiras de segurança Dispositivos que garantem a continuidade elétrica Organização do local de trabalho Envergadura dos equipamentos Formação 31

32 GESTÃO DA EMERGÊNCIA

33 Gestão da Emergência O Plano de Segurança e Saúde Plano de Emergência Procedimento: Caracterizar as possíveis situações de emergência ferroviária Que procedimentos de alerta ferroviário no local? Quem/como contactar? 33

34 Gestão da Emergência Procedimentos no Local

35 Gestão da Emergência Quem contactar? O encarregado e no mínimo outro trabalhador devem possuir lista de contactos de emergência com os n.º de telefone de: CCO/Estações guarnecidas; Importante: Conhecer o Plano de Emergência

36 OBRIGADO 36

Anexo 3 - Questionário específico - construção

Anexo 3 - Questionário específico - construção Anexo 3 - Questionário específico - construção 85 Empresa: Morada: Localidade: Cód. Postal: Distrito: Telefone: NIF: Código de CAE-Rev. 2/92: Actividade principal da empresa: Categoria da Actividade: Número

Leia mais

PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA

PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA PST. PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA (Descrição da Obra) Empreitada: descrição da empreitada Dono da Obra: identificação do dono da obra Edição / Revisão / Código: PST. Entidade Executante/Construtor:

Leia mais

Relatório da inspecção anual dos elevadores

Relatório da inspecção anual dos elevadores Anexo 6 Relatório nº: (Modelo) Relatório da inspecção anual dos elevadores Entidade utilizadora: Equipamentos n.º : Tipo dos equipamentos: Entidade conservadora dos elevadores: Inspector: Data de inspecção:

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO Humberto Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A crescente preocupação das entidades oficiais sobre a segurança na indústria extractiva,

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ORGANIZAÇÃO DO ESTALEIRO 2 DESCRIÇÃO Face à legislação em vigor, estaleiros temporários ou móveis são os locais onde se efectuam trabalhos de

Leia mais

Relatório da inspecção preliminar dos elevadores. (Modelo) Entidade utilizadora : Equipamentos n.º : Empreiteiro dos elevadores : Inspector :

Relatório da inspecção preliminar dos elevadores. (Modelo) Entidade utilizadora : Equipamentos n.º : Empreiteiro dos elevadores : Inspector : Anexo 2 Relatório da inspecção preliminar dos elevadores (Modelo) Relatório n.º: Entidade utilizadora : Equipamentos n.º : Tipo de equipamentos: Empreiteiro dos elevadores : Inspector : Data de inspecção

Leia mais

Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho

Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho 1 1. A campanha MET 2. Aquisição de máquinas seguras 3. Utilização de equipamentos de trabalho bem adaptados 4. Locais de trabalho

Leia mais

Gestão do Risco Elétrico

Gestão do Risco Elétrico Gestão do Risco Elétrico Aveiro, 10 de abril de 2015 João António Ribeiro Agenda 1. A EDP 2. Risco elétrico 3. Proteção contra o risco elétrico 4. Segurança nos trabalhos em instalações elétricas Trabalhos

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO 1 PROTEÇÃO COLETIVA ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17

ÍNDICE CAPÍTULO 1 PROTEÇÃO COLETIVA ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17 ÍNDICE ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17 CAPÍTULO 1 PROTEÇÃO COLETIVA 1. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO CONTRA QUEDAS EM ALTURA 23 1.1. Introdução 23 1.2. Guarda-corpos 25 1.3. Redes de segurança

Leia mais

OPTIMIZAR OS COMBOIOS SUBURBANOS DE LISBOA

OPTIMIZAR OS COMBOIOS SUBURBANOS DE LISBOA OPTIMIZAR OS COMBOIOS SUBURBANOS DE LISBOA Diagrama actual Rui Rodrigues Site: www.maquinistas.org (Ver Opinião) Email rrodrigues.5@netcabo.pt Data: Público, 13 de Junho de 2005 OPTIMIZAR OS COMBOIOS SUBURBANOS

Leia mais

Uma rede que nos une

Uma rede que nos une Uma rede que nos une Uma rede que nos une O IMTT - Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P. é um organismo da Administração Central, dotado de autonomia administrativa e financeira,

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA NA GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA

NORMAS DE SEGURANÇA NA GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA NORMAS DE SEGURANÇA NA GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA Eng. Edson Martinho Universolambda.com.br 1 Edson Martinho Engenheiro Eletricista (pós Mkt / Docência) Diretor executivo ABRACOPEL Diretor Técnico Portal

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS. Operações de verificação e ensaios de contadores para baixa e média tensão.

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS. Operações de verificação e ensaios de contadores para baixa e média tensão. PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA TRABALHO NO LABORATÓRIO ENSAIO DE CONTADORES 2 DESCRIÇÃO Operações de verificação e ensaios de contadores para baixa e média tensão. 3 ACTIVIDADES

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA HSST Higiene Segurança e Saúde no Trabalho SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA IvoTeixeira 06 Operador de Informática Introdução do trabalho Sendo este trabalho proporcionado pela professora de HSST para realizar

Leia mais

Riscos Nos Trabalhos Em Altura e Respectivas Medidas de Protecção a Adoptar A Segurança no Trabalho em Altura é uma Questão de Formação!

Riscos Nos Trabalhos Em Altura e Respectivas Medidas de Protecção a Adoptar A Segurança no Trabalho em Altura é uma Questão de Formação! Riscos Nos Trabalhos Em Altura e Respectivas Medidas de Protecção a Adoptar A Segurança no Trabalho em Altura é uma Questão de Formação! Ruben Santos No ano de 2011 morreram 1,7 milhões de pessoas com

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

Município de Alvaiázere

Município de Alvaiázere Empreitada de: Requalificação urbana da envolvente à Casa do Povo de Alvaiázere, incluindo parte da rua José Augusto Martins Rangel e rua Colégio Vera Cruz Dono de Obra: Município de Alvaiázere 1 SUMÁRIO

Leia mais

Instrução de Trabalho IT 021. Verificação de Segurança de Equipamentos

Instrução de Trabalho IT 021. Verificação de Segurança de Equipamentos Verificação de Segurança de Equipamentos Na Presença do técnico de SHT e do Gestor da Qualidade e/ou um representante da Gerência serão verificados os equipamentos anualmente conforme o DL50/05 e deverá

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABERTURA DE CABOUCOS PARA MACIÇOS DE FUNDAÇÃO 2 DESCRIÇÃO A construção dos maciços de fundação para os pórticos e torres metálicas das linhas

Leia mais

TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde. AUTORIA: Factor Segurança, Lda. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1.

TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde. AUTORIA: Factor Segurança, Lda. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO A sinalização de segurança tem por objectivo chamar a atenção

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis - Obrigações Gerais do Empregador SERVIÇOS DE ENGENHARIA/SEGURANÇA AICCOPN - 07 de Junho de

Leia mais

PARAGEM E ESTACIONAMENTO

PARAGEM E ESTACIONAMENTO FICHA TÉCNICA PARAGEM E ESTACIONAMENTO Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 3 Nível Táctico; Nível 4 Nível Operacional Tema 5 - Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 - Domínio

Leia mais

CEDÊNCIA DE PASSAGEM

CEDÊNCIA DE PASSAGEM FICHA TÉCNICA CEDÊNCIA DE PASSAGEM Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 3 Nível Táctico Tema 5 Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Princípio

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA REBOQUE DE GERADORES E SUPORTES DE BOBINAS DE CABOS 2 DESCRIÇÃO Durante os trabalhos diários de exploração e conservação das redes de distribuição

Leia mais

1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança

1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança BOAS PRÁTICAS PREVENTIVAS PORTUCEL - Fábrica de Cacia Paula Lima (Técnico Sup. HST) 100505PL1P 1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança ENQUADRAMENTO LEGAL Ver em pormenor no Artº 98º da DL

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Índice Quem Somos O SGI da AMBISIG; A implementação do SGIDI na AMBISIG; Caso de Sucesso. Quem somos? Somos uma empresa com 16 anos de experiência

Leia mais

RISCOS ESPECIAIS. Obra:" Infraestruturas da AUGI 42 Casal do Sapo Sesimbra

RISCOS ESPECIAIS. Obra: Infraestruturas da AUGI 42 Casal do Sapo Sesimbra Escavação/Abertura de valas Factores de risco - Invasão do espaço do estaleiro por veículos rodoviários - Danificação das paredes da vala devido às cargas exercidas pela passagem dos veículos rodoviários

Leia mais

NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE

NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE FICHA TÉCNICA NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal Tema 1 - Conhecimento de si próprio como Condutor; Tema 2 - Atitudes e Comportamentos

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

Ante projecto de decreto regulamentar que estabelece um regime experimental de circulação «Segway» em espaços públicos.

Ante projecto de decreto regulamentar que estabelece um regime experimental de circulação «Segway» em espaços públicos. Ante projecto de decreto regulamentar que estabelece um regime experimental de circulação «Segway» em espaços públicos. Promover a crescente sustentabilidade ambiental e a eficiência energética das deslocações

Leia mais

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE

Leia mais

TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS. Laura Caldeira

TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS. Laura Caldeira TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS Laura Caldeira Índice 1. Conceitos de segurança estrutural 2. Conceitos de risco 3. Utilização de sistemas de classificação 4. Considerações finais 2 1. Conceitos

Leia mais

Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito.

Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito. FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADOR DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGA DE ALCANCE VARIÁVEL Fonte: ACT FUNÇÃO Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito.

Leia mais

Plano de ações para segurança no corredor ferroviário

Plano de ações para segurança no corredor ferroviário Plano de ações para segurança no corredor ferroviário Fase 3 Elaboração das propostas Etapa 3.1, 3.2 e 3.4 Concepção, análise e detalhamento das propostas Página 1 de 10 Sumário 2.5. Plano de ações para

Leia mais

Estágio Curricular no âmbito do Curso Licenciatura de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Segurança

Estágio Curricular no âmbito do Curso Licenciatura de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Segurança 1/10 Índice 1. SEGURANÇA...2 1.1. Domínio de Actuação... 2 1.2. Situações de Emergência... 2 1.3. Prescrições de... 3 1.3.1. Equipamentos de Trabalho (ET)... 3 1.3.2. Equipamentos de Protecção Colectiva

Leia mais

Megaexpansão - Silves

Megaexpansão - Silves 2010 Megaexpansão - Silves DÁRIO AFONSO FERNANDA PIÇARRA [ 21 09 2010 ] ÍNDICE Objectivos (pág. 3) Caracterização do Estabelecimento (pág. 3 a 6) Organização de Emergência (pág. 6 a 8) Plano de Intervenção

Leia mais

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5 !""#$!""%&'( Índice Página 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos..... 4 1.3. Andaimes metálicos...... 4 1.4. Bailéus........ 5 EPC 1/6 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA (texto provisório) 1.1

Leia mais

Sistematização da Sinalização de Mensagem Variável

Sistematização da Sinalização de Mensagem Variável Apresentação de: Rui Manuel da Silva Oliveira Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Instrução Técnica para a Sistematização da Sinalização () Instrução Técnica Qualidade exigida Rigor técnico Título

Leia mais

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO Conforme NR-10 ACME S.A Ind. Com. 1 de 9 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Identificação do Responsável pela Execução do Serviço. Nome: Empresa: Registro: Local de Execução do Serviço.

Leia mais

Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva

Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva C. M. Porto Mós M s 24/02/2010 25022010 1 centro tecnológico

Leia mais

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos Medidas de Prevenção e Protecção Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos 30 - Novembro, 2010 ÍNDICE Introdução - Medidas de Prevenção e Protecção pág.

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA GERADORES AUXILIARES (GERADOR MÓVEL) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos específicos de operação e ligação de gerador auxiliar móvel à rede de distribuição

Leia mais

MUDANÇA DE DIRECÇÃO. Tema 5 Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito

MUDANÇA DE DIRECÇÃO. Tema 5 Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito MANUAL DO ENSINO DA CONDUÇÃO FT [] [56] [6] FICHA TÉCNICA MUDANÇA DE DIRECÇÃO Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível Nível Táctico Tema 5 Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 Domínio

Leia mais

GESTÃO SE SEGURANÇA ELÉTRICA ATRAVÉS DO PRONTUÁRIO CONFORME NR 10.

GESTÃO SE SEGURANÇA ELÉTRICA ATRAVÉS DO PRONTUÁRIO CONFORME NR 10. GESTÃO SE SEGURANÇA ELÉTRICA ATRAVÉS DO PRONTUÁRIO CONFORME NR 10. MEU SONHO É LEVAR O HOMEM A LUA E TRAZE-LO DE VOLTA COM SEGURANÇA John Kennedy (1917-1963) AS EMPRESAS DEVEM CRIAR POLÍTICAS QUE VALORIZEM

Leia mais

PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA?

PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA? INDICE - Enquadramento legislativo PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA? - Princípios Gerais da Prevenção - Orientações da directiva estaleiros - O custo dos acidentes - Análise de riscos das

Leia mais

Contributo da protecção passiva para a segurança contra incêndio em edifícios

Contributo da protecção passiva para a segurança contra incêndio em edifícios Contributo da protecção passiva para a segurança contra incêndio em edifícios Carlos Ferreira de Castro 30 Setembro 2014 1 O que é a protecção passiva contra incêndio? Conjunto integrado de meios físicos

Leia mais

11/12/2011 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. 08/12/2011 São Paulo

11/12/2011 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. 08/12/2011 São Paulo MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO 08/12/2011 São Paulo 1 CAUSAS DE ACIDENTES GRAVES E FATAIS Queda é a uma das principais p causas acidentes fatais no Brasil eno mundo. de Início da queda Fases de uma queda

Leia mais

Desenvolvimento Tecnológico e o Transporte Ferroviário 14 de Novembro de 2014 Jorge Sousa

Desenvolvimento Tecnológico e o Transporte Ferroviário 14 de Novembro de 2014 Jorge Sousa Desenvolvimento Tecnológico e o Transporte Ferroviário 14 de Novembro de 2014 Jorge Sousa Índice Visão Ferroviária; Arquitectura de Sistemas de Informação; Desafios; Pág. 2 Visão Ferroviária - Introdução

Leia mais

REGULAMENTO PARA APROVAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Objecto

REGULAMENTO PARA APROVAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Objecto REGULAMENTO PARA APROVAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento estabelece, ao abrigo do disposto no n.º 4 do artigo 66.º-B do Decreto-Lei

Leia mais

DIREÇÃO DEFENSIVA OU PREVENTIVA. Trânsito seguro é um direito de todos

DIREÇÃO DEFENSIVA OU PREVENTIVA. Trânsito seguro é um direito de todos DIREÇÃO DEFENSIVA OU PREVENTIVA Trânsito seguro é um direito de todos TRANSITO LEGAL DIREÇÃO DEFENSIVA Sabem o que significa? Conduzir de modo a evitar acidentes, apesar das ações erradas dos outros e

Leia mais

Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo

Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo 8 de Março de 2010 Regulamentação técnica para a aprovação de veículos eléctricos 1 ÍNDICE 1 2 3 4 5 6 7 HOMOLOGAÇÃO DE VEÍCULOS ELÉCTRICOS - ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

PIRENE IV Melhoria das Redes de Transporte do Sudoeste Europeu

PIRENE IV Melhoria das Redes de Transporte do Sudoeste Europeu PIRENE IV Melhoria das Redes de Transporte do Sudoeste Europeu Ligação Ferroviária ria Sines/Elvas Luísa Soares Direcção de Estudos e Estratégia llsoares@refer.pt Zaragoza, 20.10.2009 Índice 1. Enquadramento

Leia mais

Enquadramento Legal. Obrigações do Empregador (Código do Trabalho, artigo 273.º)

Enquadramento Legal. Obrigações do Empregador (Código do Trabalho, artigo 273.º) Emergência Acontecimento não planeado que pode causar mortes e danos significativos em Colaboradores, Clientes, Público e Infraestruturas da empresa. Poderá afectar temporariamente determinadas áreas da

Leia mais

CONSIDERANDO as contribuições recebidas na Audiência Pública nº XXX/2007, RESOLVE:

CONSIDERANDO as contribuições recebidas na Audiência Pública nº XXX/2007, RESOLVE: Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados pelas Concessionárias de Serviços Públicos de Transporte Ferroviário de Cargas, no transporte de produtos perigosos, nos trechos da malha ferroviária. A Diretoria

Leia mais

Associação Portuguesa de Seguradores RAMO AUTOMÓVEL TABELA PRÁTICA DE RESPONSABILIDADES

Associação Portuguesa de Seguradores RAMO AUTOMÓVEL TABELA PRÁTICA DE RESPONSABILIDADES Associação Portuguesa de Seguradores RAMO AUTOMÓVEL TABELA PRÁTICA DE RESPONSABILIDADES Junho de 2000 ÂMBITO A tabela é aplicável aos sinistros ocorridos em todas as vias, abertas ou não à circulação pública.

Leia mais

DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA

DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA FICHA TÉCNICA DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal; Nível 3 Nível Táctico Tema 2 - Atitudes e Comportamentos; Tema 5 - Conhecimento das Regras

Leia mais

AGENDA PROTEÇÃO DE QUEDAS NR35 TRABALHO EM ALTURA 21/05/2014

AGENDA PROTEÇÃO DE QUEDAS NR35 TRABALHO EM ALTURA 21/05/2014 PROTEÇÃO DE QUEDAS NR35 TRABALHO EM ALTURA Eng. Alberto Delgado Gerente de Treinamento Região América Latina 2 AGENDA Estatísticas dos Acidentes no Trabalho Riscos típicos de Trabalhos em Altura Revisão

Leia mais

GRANDES REPARAÇÕES E OBRAS DE MANUTENÇÃO

GRANDES REPARAÇÕES E OBRAS DE MANUTENÇÃO GRANDES REPARAÇÕES E OBRAS DE MANUTENÇÃO BRISA AUTO-ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. Condições mínimas de circulação Artº 10 - Obras Nocturnas Em caso de trabalhos inerentes a demolição, construção ou manutenção

Leia mais

REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA

REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA 20120717 REFER GESTOR DA INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA PORTUGUESA 1. Refer: Gestor da Infraestrutura Ferroviária 2. Caracterização da Actividade de Manutenção

Leia mais

PLANO DE MONITORIZAÇÃO E PREVENÇÃO ESCAVAÇÃO / ABERTURA DE VALA / TRABALHOS EM VALA OU ESCAVAÇÃO

PLANO DE MONITORIZAÇÃO E PREVENÇÃO ESCAVAÇÃO / ABERTURA DE VALA / TRABALHOS EM VALA OU ESCAVAÇÃO Dono da Entidade Executante: 1 / 6 ESCAVAÇÃO / ABERTURA DE VALA / TRABALHOS EM VALA OU ESCAVAÇÃO Verificação/Tarefas Riscos Medidas de Prevenção/Protecção Resp. Escavação Abertura de vala Trabalhos em

Leia mais

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2010 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação, eletrônico

Leia mais

Regulamento de Segurança de Barragens e a Protecção Civil

Regulamento de Segurança de Barragens e a Protecção Civil Regulamento de Segurança de Barragens e a Protecção Civil bb Luis Sá luis.sa@prociv.pt 1 O Novo RSB O novo Regulamento de Segurança de Barragens (RSB) foi aprovado pelo DL 344/2007 de 15 de Outubro Este

Leia mais

- Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação

- Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos - Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação Maria Paula Mourão

Leia mais

A SEGURANÇA EM TRABALHOS DE MANUTENÇÃO 1 1/35

A SEGURANÇA EM TRABALHOS DE MANUTENÇÃO 1 1/35 A SEGURANÇA EM TRABALHOS DE MANUTENÇÃO 1 1/35 1. Análise de riscos 2. Ferramentas de uso comum 3. Máquinas e ferramentas pneumáticas 4. Pedras de esmeril 5. Máquinas ferramenta 6. Escadas portáteis 7.

Leia mais

FUNÇÃO FICHA DE SEGURANÇA ANDAIMES

FUNÇÃO FICHA DE SEGURANÇA ANDAIMES FICHA DE SEGURANÇA ANDAIMES Legenda: 1. Nivelador da base de apoio; 2. Prumos verticais; 3. Prumo de ligação; 4. Barras horizontais; 5. Barras diagonais; 6. Plataforma (prancha) - elemento concebido para

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez Segurança Elétrica em Ambiente Hospitalar Prof. Ernesto F. F. Ramírez Choque Elétrico Intensidade da corrente circulação de corrente elétrica através do organismo humano Percurso da corrente Duração do

Leia mais

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10 Empresa: Instrutor: Nome: DATA: Questões: 01- A NR10 Instalação e Serviços de eletricidade fixam as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalha em instalações elétricas,

Leia mais

CURSO BÁSICO DE SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

CURSO BÁSICO DE SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE FUNCIONAMENTO DO CURSO O curso terá duração de 40 horas/aula, composto pelos seguintes módulos: MÓDULO h/a Entendimento da NR-10 4 Análise de Riscos 4 Prevenção Combate a Incêndio e Atmosfera Explosiva

Leia mais

Prova de Conceito Segurança e Emergência

Prova de Conceito Segurança e Emergência Prova de Conceito Segurança e Emergência Impacto estrutural na economia e sociedade portuguesas Saúde e ass. social Segurança e Justiça Educação Administração Pública Mobilidade e Logística Comércio e

Leia mais

O Caracol Curioso. Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo. Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying

O Caracol Curioso. Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo. Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying O Caracol Curioso Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying 1. Enquadramento O projeto pedagógico definido para este ano letivo pretende abordar um tema actual, que tem tanto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

GOVERNANÇA NO SETOR DE TRANSPORTES. Telecomunicações Ferroviárias. Mário Alves. 9 de Maio de 2012. Brasília, 9 de Maio de 2012.

GOVERNANÇA NO SETOR DE TRANSPORTES. Telecomunicações Ferroviárias. Mário Alves. 9 de Maio de 2012. Brasília, 9 de Maio de 2012. Bem Brasília vindos 9 de Maio de 2012 AGENDA REFER TELECOM Desafios da Modernização Interoperabilidade Operação Ferroviária Modelo de negócio Gestão de Telecomunicações Gestão do Património Engenharia

Leia mais

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 03DM.11.- -.--. Entende-se a demolição como um todo, elegendo-se a unidade (Un).

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 03DM.11.- -.--. Entende-se a demolição como um todo, elegendo-se a unidade (Un). 03DM.11.- TÍTULO03DM.--. DEMOLIÇÕES CAPÍTULO.1-. DEMOLIÇÕES TOTAIS SUB.CAPº.11. SIMPLES I. UNIDADE E CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Entende-se a demolição como um todo, elegendo-se a unidade (Un). II. DESCRIÇÃO DO

Leia mais

Prezado colega, você sabia:

Prezado colega, você sabia: Prezado colega, você sabia: 1) Que, de maneira geral, as Normas Regulamentadoras (NRs), do MTE - Ministério do Trabalho e Emprego, estabelecem requisitos mínimos legais e condições com objetivo de implementar

Leia mais

O Futuro do Transporte de Mercadorias

O Futuro do Transporte de Mercadorias O Futuro do Transporte de Mercadorias A diminuição dos custos de transacção na economia portuguesa é fundamental para o aumento de nossa competitividade. Tal diminuição joga-se fundamentalmente no transporte

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS PESADAS 2 DESCRIÇÃO A movimentação de cargas pesadas, compreende as operações de elevação, transporte e descarga de objectos,

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Manuela Mil-Homens Comando Distrital de Operações de Socorro

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP DPS 38.008-13 EDP Natureza do documento Versão Data Emissor Procedimento de Segurança (DPS) R4 14-12-2012

Leia mais

A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem.

A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem. A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem. A ambulância deve: Avançar. Ceder a passagem apenas ao meu veículo. Ceder a passagem apenas ao veículo

Leia mais

Sinalização de Emergência Dinâmica

Sinalização de Emergência Dinâmica Sinalização de Emergência Dinâmica Sinalização de Emergência Dinâmica ifloor A solução ifloor permite o desenvolvimento de novas soluções onde a monitorização e controlo de pessoas é fundamental. Através

Leia mais

Perguntas do Exame de: Segurança Básica

Perguntas do Exame de: Segurança Básica Nome candidato: Perguntas do Exame de: Segurança ásica ódigo de evento: Leia atentamente as instruções apresentadas abaixo! Este exame é constituído por 40 perguntas de escolha múltipla. E seguir a cada

Leia mais

Critérios para selecção e Instalação de Equipamentos Eléctricos. Apresentado por Eng.º José Barão

Critérios para selecção e Instalação de Equipamentos Eléctricos. Apresentado por Eng.º José Barão Critérios para selecção e Instalação de Equipamentos Eléctricos Apresentado por Eng.º José Barão Resumo da Apresentação Características mais relevantes dos equipamentos eléctricos em função do local onde

Leia mais

ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA FACTORES DE SUCESSO PARA O TRANSPORTE FERROVIÁRIO. CP LISBOA ENG.º ÓSCAR AMORIM Lisboa, 5 de Julho de 2007

ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA FACTORES DE SUCESSO PARA O TRANSPORTE FERROVIÁRIO. CP LISBOA ENG.º ÓSCAR AMORIM Lisboa, 5 de Julho de 2007 ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA FACTORES DE SUCESSO PARA O TRANSPORTE FERROVIÁRIO CP LISBOA ENG.º ÓSCAR AMORIM Lisboa, 5 de Julho de 2007 ÁREA DE ACTUAÇÃO A CP Lisboa é a Unidade de Negócio da CP responsável

Leia mais

Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013

Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013 Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013 Porto, 1 de Outubro de 2009 António Viana 2 Plano da Apresentação Missão OESF 2006 Investimentos 2009-2013 3 Missão da REFER Proporcionar ao mercado

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XVII Ruído. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XVII Ruído. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVII Ruído um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa autorização

Leia mais

Aspectos Legais em APH

Aspectos Legais em APH Aspectos Legais em APH Aspectos Legais em APH Resolução COFEN 375/2011 Dispõe sobre a presença do Enfermeiro no Atendimento Pré-Hospitalar e Inter- Hospitalar, em situações de risco conhecido ou desconhecido.

Leia mais

Pós-Graduação em Segurança de Máquinas

Pós-Graduação em Segurança de Máquinas Pós-Graduação em Segurança de Máquinas Área de Formação Segurança Objectivo - Reconhecer quais as obrigações legais na aquisição, alteração e uso de equipamentos; - Reconhecer quais os referenciais normativos

Leia mais

MODELO. Relatório da inspecção preliminar das escadas rolantes (Modelo) Anexo 3. Relatório n.º: Entidade utilizadora : Equipamentos n.

MODELO. Relatório da inspecção preliminar das escadas rolantes (Modelo) Anexo 3. Relatório n.º: Entidade utilizadora : Equipamentos n. Anexo 3 Relatório n.º: Relatório da inspecção preliminar das escadas rolantes (Modelo) Entidade utilizadora : Equipamentos n.º : Tipo dos equipamentos: Empreiteiro dos elevadores : Inspector : Data de

Leia mais

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro 1. INTRODUÇÃO A indústria da Construção engloba um vasto e diversificado conjunto de características, tais como: Cada projecto

Leia mais

Análise de Acidentes com Colisão ----------------------------------------------------------------

Análise de Acidentes com Colisão ---------------------------------------------------------------- MECÂNICA DA COLISÃO Análise de Acidentes com Colisão ---------------------------------------------------------------- Entre os casos básicos de acidente, aparecem aqueles em que é necessário investigar

Leia mais

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Quem somos TIS A TIS tem como missão a geração de valor na área da mobilidade e transportes para os seus clientes e acionistas, baseado em soluções sustentáveis do ponto de vista

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA MANUTENÇÃO DE POSTO DE TRANFORMAÇÃO (CABINE ALTA) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos de manutenção e reparação em posto de transformação de cabine alta (MT/BT)

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP Natureza do documento Versão Data Emissor Procedimento de Segurança (DPS) R7 18-03-2014 EDP Valor Direção de Segurança e Saúde Lista de Distribuição: Direções e Unidades do Centro Corporativo Empresas

Leia mais

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA ILUMINAÇÃO DE CIRCULAÇÃO OU DE EVACUAÇÃO Tem como objectivo permitir a evacuação das pessoas em segurança, garantindo ao longo dos caminhos de evacuação condições de visão e de evacuação adequadas e possibilitar

Leia mais