TRABALHO COM EMPILHADORES MANUAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRABALHO COM EMPILHADORES MANUAIS"

Transcrição

1 TRABALHO COM EMPILHADORES MANUAIS TIPOS DE EMPILHADORES A mecanização da movimentação de cargas realiza-se, muitas vezes, com recurso a empilhadores, que estão disponíveis no mercado em vários tipos e modelos. No caso concreto do armazenamento em estiva ou em estantes, costuma utilizar-se o chamado empilhador manual, ao qual nos iremos referir neste curso. Os empilhadores elevadores, também chamados touros, são máquinas que transportam a carga numa área apensa ao veículo, pelo que têm de estar fortemente equilibradas com contrapesos. São muito utilizadas para o transporte e empilhamento de material. Os porta-paletas manuais facilitam o transporte e a movimentação de materiais, assim como o seu armazenamento ao nível do solo. Os porta-paletas eléctricos permitem, exclusivamente, proceder à movimentação e ao armazenamento ao nível do solo de materiais e cargas. A vantagem que têm em relação aos porta-paletas manuais é o facto de eliminarem a necessidade de esforço por parte do trabalhador, uma vez que este não precisa de as puxar. Os empilhadores retrácteis são empilhadores sem contrapeso, que transportam a carga entre dois braços portadores, e foram especialmente concebidos para o armazenamento de materiais em estantes e com corredores e zonas de passagem estreitas. Os empilhadores manuais são empilhadores eléctricos, sem contrapeso, que permitem a movimentação de materiais e o seu armazenamento em altura. Este é o tipo de empilhador a que nos referiremos ao longo deste curso. Utilização de empilhadores manuais O objectivo deste curso é formar e sensibilizar os trabalhadores para os riscos existentes no trabalho com empilhadores manuais e para a necessidade de fazer uma utilização segura destes equipamentos. Veremos quais são os riscos mais significativos e quais as medidas de prevenção que devem ser adoptadas. UTILIZAÇÃO DE EMPILHADORES MANUAIS A máquina: Verificações anteriores à sua utilização Um empilhador manual deve garantir a segurança e a saúde do trabalhador, a todo e a qualquer momento. Por isso, deve ser sujeito a manutenção adequada e deve ser feita, antes da sua utilização, uma verificação das boas condições de funcionamento e do facto de que a sua utilização não representa um perigo nem para o operador, nem para terceiros.

2 Antes da utilização do empilhador manual, deve verificar-se o seu bom estado e boas condições de funcionamento. COMUNIQUE TODA E QUALQUER ANOMALIA QUE ENCONTRE. NUNCA DEVE UTILIZAR UM EMPILHADOR EM MAU ESTADO. A carga A segurança no trabalho com empilhadores manuais não depende apenas do comportamento do operador e do da própria máquina, mas também da carga que estiver a ser movimentada. As cargas instáveis, mal acondicionadas, mal transportadas, etc., criam situações de risco de lesão para o trabalhador, pelo que devem ser evitadas. O ambiente de trabalho O ambiente de trabalho é outra das condicionantes da segurança e da saúde no trabalho com empilhadores manuais. O estado do piso em que se circula, a existência de alçapões e grelhas de escoamento, a largura dos corredores, esquinas, portas e zonas de pouca visibilidade, o estado das estantes de armazenamento, entre outros, podem criar situações propícias ao acidente. RISCOS NA UTILIZAÇÃO DE EMPILHADORES MANUAIS Os empilhadores manuais, por si sós, não são perigosos. Os acidentes são provocados pelo uso inadequado destes equipamentos, com danos para o próprio operador e/ou outros trabalhadores, e danos materiais a máquinas e instalações. Vejamos quais são os riscos mais significativos. Riscos para o operador O operador de empilhadores manuais está exposto a acidentes que lhe podem, dependendo das situações, provocar lesões mais ou menos graves. A sua segurança depende, por isso, da utilização prudente que souber fazer do empilhador e das condições ambientais. Os riscos mais significativos e sobre os quais deverão incidir as medidas mais robustas de prevenção são: Capotamento do empilhador Queda da carga em altura (total ou parcial) Pancadas e quedas do operador Contacto eléctrico Contacto com substâncias perigosas Lesões por movimentação manual de cargas Vejamos, agora, cada um destes riscos e as precauções a adoptar para os evitar. Capotamento do empilhador A estabilidade ou equilíbrio de um empilhador manual depende em absoluto das condições de utilização e do ambiente de trabalho.

3 Capotamento do empilhador: Circular com a carga elevada Circular com a carga elevada reduz, de forma muito significativa, a estabilidade do empilhador manual, facilitando o seu capotamento especialmente, devido a embates contra estruturas da instalação, umbrais de portas, tubagens, etc. Para que se mantenha sempre um ambiente seguro para o operador do empilhador, recomenda-se que a circulação se faça sempre com a carga em baixo, a cerca de cm do chão. Nunca se deve circular com os garfos elevados, nem com carga, nem sem carga. Capotamento do empilhador: Descida de rampas ou declives São de evitar as mudanças e inversões de sentido da marcha quando o empilhador esteja numa rampa ou num declive, já que estas manobras podem provocar o capotamento lateral do veículo. Nestas situações, deve sempre circular-se em linha recta. NUNCA SE DEVE CURVAR A MEIO DE UMA RAMPA OU DE UM DECLIVE. As precauções devem ser redobradas sempre que as rampas e os declives estejam húmidas ou molhadas. Capotamento do empilhador: Excesso de velocidade O excesso de velocidade nas curvas pode provocar o capotamento lateral do empilhador, com os riscos consequentes para o operador. Assim sendo, a velocidade deve ser reduzida nas curvas. São ainda de evitar as mudanças bruscas de direcção. Capotamento do empilhador: Queda da carga Os processos de armazenamento de determinados materiais em estantes altas pode favorecer a ocorrência de situações de risco de queda destes materiais sobre o operador. É, por isso, necessário tomar determinadas precauções e proteger o operador, em caso de queda da carga. Protecção do operador A normativa em vigor exige que todos os empilhadores estejam equipados com um pórtico de segurança que proteja o operador das consequências de uma eventual queda de carga. Prevenção O operador de empilhadores manuais deve, durante o processo de estiva, proceder sempre com muita precaução e pela ordem seguinte: 1. Aproximar-se da zona de estiva, com os garfos para baixo 2. Chegando à zona de estiva, parar o empilhador, travar e elevar a carga cerca de 10 cm acima da altura de depósito 3. Neste ponto, avançar o empilhador de forma a aproximar-se, o máximo possível, da estante

4 4. Baixar a carga até libertar os garfos, deixando a carga depositada na estante 5. Recuar o empilhador, olhando sempre na direcção da marcha 6. Com o empilhador parado, baixar novamente os garfos 7. Nesta posição, o empilhador pode voltar a circular. Pancadas e quedas do operador As pancadas e as quedas constituem a mais frequente causa de lesões nos operadores de empilhadores manuais. A adopção de medidas adequadas de prevenção ajudará a evitar estas lesões. Vejamos quais as causas mais frequentes destas situações e de que modo podem ser prevenidas. Pancadas e quedas do operador: Sair da plataforma Saltar da plataforma de condução, independentemente do veículo estar parado ou em andamento, pode provocar quedas e entorses dos pés ao operador. NUNCA SE DEVE SALTAR DA PLATAFORMA DE UM EMPILHADOR MANUAL. Pancadas e quedas do operador: Em circulação Circular por zonas com material armazenado e pouco espaço de passagem pode ser um factor de risco de pancadas para o operador. É importante que este se mantenha no centro da plataforma de condução e disponha de elementos de protecção lateral. Contacto com a corrente eléctrica A mobilidade de um empilhador manual depende da bateria, a fonte de energia do motor. Os trabalhos de manutenção e de substituição ou carregamento da bateria comportam risco de contacto eléctrico. Vejamos agora quais as situações de risco mais frequentes e quais as precauções a adoptar para cada uma delas. 18.swf Contacto eléctrico: Mau estado da bateria e/ou dos cabos Para que se evite o contacto directo com a corrente eléctrica, é necessário assegurar que: Todos os cabos de ligação da bateria estão em perfeitas condições de isolamento; Não se depositam ferramentas ou peças metálicas na bateria; Os bornes da bateria estão sempre secos e protegidos; Quando montada no empilhador, a bateria deve estar dentro de um cofre em perfeitas condições e perfeitamente fechado.

5 Contacto eléctrico: Contacto eléctrico: Má manipulação durante o processo de carregamento da bateria Durante as operações de carregamento da bateria, é conveniente agir da seguinte forma: 1. Desligar o carregador; 2. Ligar os cabos da bateria aos cabos do carregador; 3. Ligar o carregador. Muito importante: nunca puxe directamente pelos cabos, para evitar estragos no isolamento. Puxe antes pelos conectores. Deve assegurar-se a correcta fixação dos ganchos de elevação (caso estes sejam metálicos), quando se proceder à substituição da bateria, de forma a evitar que estes toquem em algum borne da bateria, o que poderia provocar um curto-circuito e a sua explosão. Contacto com substâncias perigosas As baterias dos empilhadores contêm ácido, o que pode provocar lesões caso este chegue a contactar com a pele, e lesões graves, caso o contacto seja feito com os olhos. Para o evitar, é importante que todas as tampas da bateria estejam muito bem fechadas e que o trabalhador utilize óculos de protecção sempre que fizer a sua manutenção. Em caso de contacto com o ácido (sobretudo, se forem os olhos), lave a zona afectada abundantemente com água (15 minutos, no mínimo) e dirija-se a um serviço de assistência médica. NUNCA SE DEVEM APLICAR POMADAS OU OUTROS PRODUTOS SEM PRESCRIÇÃO MÉDICA. Lesões por movimentação manual de cargas A movimentação manual de cargas, tarefa a que os operadores de empilhadores manuais estão muitas vezes sujeitos, pode comportar riscos de pancadas e cortes, assim como de outras lesões, particularmente, músculo-esqueléticas. Vejamos agora que precauções devem ser adoptadas para evitar este tipo de lesões. Lesões por movimentação manual de cargas: Esforços excessivos Os esforços excessivos na movimentação manual de cargas ocorrem, principalmente, em consequência do excesso de peso transportado ou de uma postura de movimentação inadequada. Vejamos cada uma destas situações e as precauções adequadas a cada uma. Os pesos máximos recomendados na movimentação manual de cargas são: 25 kg para a população geral 15 kg para maior protecção de mulheres jovens e de pessoas idosas 40 kg para a população treinada e fisicamente preparada.

6 Manter uma postura correcta durante o levantamento da carga reduz o risco de lesão. É importante: Dobrar sempre as pernas, rodeando a carga com os pés (ficando um deles ligeiramente adiantado em relação ao outro). Agarrar bem a carga (com toda a palma da mão e não apenas com a ponta dos dedos). Manter sempre as costas direitas; Suster a carga com os braços esticados e junto ao corpo. Lesões por movimentação manual de cargas: Cortes A carga pode, devido à sua própria natureza (arestas cortantes, pregos, etc.) provocar cortes durante a sua movimentação, especialmente nos braços e nas mãos. Assim sendo, é conveniente eliminar estes factores de risco e, como medida suplementar de protecção pessoal, utilizar luvas de protecção em todas as operações de movimentação manual de cargas. Solicite e utilize sempre luvas de protecção. E lembre-se, todos os equipamentos de protecção individual devem possuir a marca CE. Caso não a tenham, não serão considerados legais. Lesões por movimentação manual de cargas: Esmagamentos Por outro lado, a possibilidade de queda da carga durante a sua movimentação manual comporta riscos de lesão por esmagamento do pé. Como medida de protecção, deve utilizarse calçado de protecção (com biqueira metálica). Solicite e utilize sempre calçado de protecção. E lembre-se que todos os equipamentos de protecção individual devem possuir a marca CE. Caso não a tenham, não serão considerados legais. Riscos para outros trabalhadores A má utilização de um empilhador manual comporta riscos não só para a segurança do operador, mas também para a segurança dos trabalhadores que desenvolvem os seus trabalhos nas zonas de circulação do empilhador. Vejamos agora quais os riscos mais significativos. Queda da carga O operador de um empilhador manual é responsável pela sua utilização, cabendo-lhe a ele assegurar de que não estão presentes pessoas nas imediações do veículo durante a movimentação de cargas em altura. Atropelamentos Os empilhadores manuais são máquinas que operam, normalmente, dentro de instalações e recintos fechados, partilhando espaço com outros trabalhadores.

7 O risco de atropelamento pode ser significativo, caso não sejam tomadas as precauções necessárias. Vejamos quais são. Atropelamentos: Má visibilidade devido às instalações Estantes, máquinas, esquinas, portas, material empilhado, entre outros, dificultam e reduzem a visibilidade do operador de empilhadores manuais, constituindo um factor de risco para os trabalhadores que desenvolvem o seu trabalho nessa zona. É necessário tomar precauções. Quando estiver em situação de visibilidade reduzida: Reduza a velocidade Faça soar a buzina (é melhor vários toques curtos do que apenas um, mais longo) Sinalize a zona como medida de chamada de atenção ATENÇÃO, fazer soar a buzina NÃO lhe dá direito de passagem. Atropelamentos: Má visibilidade devido à carga O volume da carga transportada limita, muito frequentemente, a visibilidade do operador de empilhadores manuais. Nesta situação, deverá conduzir-se em marcha atrás (a carga atrás do operador). O CONDUTOR DEVERÁ OLHAR SEMPRE NA DIRECÇÃO DA MARCHA. Atropelamentos: Sinalização A sinalização é uma boa medida complementar de segurança. Diferentes sinais alertando para a passagem de empilhadores ou de pessoas, de proibição de passagem para uns ou para outros, linhas delimitadoras de corredores e de áreas de trabalho, etc., são altamente recomendáveis. Como forma de prevenir acidentes, o empilhador manual deve estar equipado de sinalização acústica e luminosa. SOLICITE-A E PROCURE MANTÊ-LA EM BOAS CONDIÇÕES. Pancadas e entalões A circulação simultânea de empilhadores e de pessoas nos mesmos corredores comporta um factor de risco importante de pancadas e de entalões, pelo que se deve, sempre que possível, delimitar-se e sinalizar-se as zonas reservadas à passagem de pessoas. Nestas situações, os operadores de empilhadores deverão redobrar os cuidados. Quedas em altura Os empilhadores manuais nunca devem ser utilizados no transporte ou na elevação de pessoas. Estas situações de elevação de pessoas directamente sobre os garfos, sobre as paletas, etc., embora frequentes, constituem um factor de risco significativo de queda em altura.

8 É ABSOLUTAMENTE PROIBIDO UTILIZAR O EMPILHADOR MANUAL PARA ELEVAR PESSOAS. Pancadas e quedas ao mesmo nível Seja durante as pausas ou no final do dia de trabalho, o empilhador deve ficar estacionado de forma a não constituir qualquer tipo de obstáculo perigoso para os outros trabalhadores, e evitando que estes possam tropeçar ou bater nele. O empilhador deve deixar-se sempre: Travado e sem a chave de contacto Com os garfos totalmente rebaixados Num local onde não constitua obstáculo, nem perigo para os outros trabalhadores. Nunca deve deixar-se um empilhador numa rampa ou num declive. Risco de danos materiais em máquinas e instalações Os empilhadores manuais podem causar danos não só a pessoas, mas também danos próprios (ao próprio empilhador), a outras máquinas e às instalações, danos esses que poderão ter custos significativos. Queda da carga A queda da carga, além de representar um risco para a segurança do operador e dos outros trabalhadores, implica danos materiais que podem atingir valores de custo elevados, sendo algo que o operador pode evitar. Vejamos as causas mais frequentes desta situação e quais as precauções a tomar para as evitar. Queda da carga: Instabilidade da própria carga É importante assegurar que a carga a transportar está numa situação estável (correctamente colocada sobre paletas, elementos bem acondicionados mediante a colocação de aros ou embalagem em vácuo, não ultrapassando os limites do contentor, caso algum seja utilizado, etc.). O operador deverá procurar empilhar cargas estáveis de altura razoável e colocá-las correctamente nas estantes, evitando que as cargas fiquem presas a algum lado, evitando bater-lhes, etc. Queda da carga: Deslizamento da carga sobre os garfos A descida de rampas e de declives com a carga orientada no sentido descendente, pode provocar a perda da carga com o deslizamento desta sobre os garfos (especialmente quando se tratem de paletas metálicas ou quando a carga é composta de vários elementos acondicionados em embalagens de plástico, empilhados sobre a paleta). Na subida de uma rampa, a carga deve estar sempre em frente ao operador. Na descida de uma rampa, a carga deve estar sempre atrás do operador.

9 Colisões entre empilhadores A co-existência de vários empilhadores manuais na mesma área de trabalho pode provocar colisões entre eles. Para as evitar, convém respeitar sempre as normas internas da organização, bem como as regras gerais de circulação, e manter uma distância de segurança equivalente, pelo menos, à comprimento de três empilhadores carregados. Choques contra instalações Os incidentes provocados por empilhadores costumam ser frequentes, especialmente dentro das instalações, e podem resultar em danos de custos elevados. Ainda que o ambiente de trabalho seja determinante, o operador de empilhadores pode, com o seu comportamento, contribuir para uma diminuição do número deste tipo de situação. É recomendável que existam corredores e zonas de trabalho com a dimensão suficiente, devendo os corredores ter uma largura equivalente à largura de um empilhador mais um metro, caso a circulação só se faça num sentido, e à largura de dois empilhadores mais 1,40 m, caso a circulação se faça nos dois sentidos. Incêndio e explosão O processo de carregamento da bateria liberta gases, sobretudo, oxigénio e hidrogénio. O hidrogénio é um gás altamente explosivo, podendo qualquer faísca, chama ou outro tipo de fonte de ignição, provocar uma explosão. É necessário que se adoptem as medidas necessárias para que seja possível evitar situações semelhantes. Nas zonas de carregamento e substituição de baterias: Não se deve fumar (colocar sinalização) Caso se trate de recintos fechados, deve assegurar-se uma ventilação adequada e eficiente Deve haver extintores, para cuja utilização deverá solicitar-se formação adequada

FUNÇÃO FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS

FUNÇÃO FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS Fonte: Acedido em http://saudeambiental13.blogspot.pt/ julho 2014 Legenda: 1. Chassis; 2. Contrapeso; 3. Eixo motriz; 4. Eixo de direção; 5. Mastro (que serve

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

3/4. APOSTILA Normas de Segurança na Operação de Empilhadeiras

3/4. APOSTILA Normas de Segurança na Operação de Empilhadeiras 3/4 APOSTILA Normas de Segurança na Operação de Empilhadeiras Prezados Colaboradores O tema abordado nesta edição é sobre empilhadeiras. Após analisar os relatórios dos acidentes, as informações dos trabalhadores,

Leia mais

Nunca use a empilhadeira se não tiver sido devidamente instruído e autorizado para usar esse tipo particular de empilhadeira.

Nunca use a empilhadeira se não tiver sido devidamente instruído e autorizado para usar esse tipo particular de empilhadeira. Nunca use a empilhadeira se não tiver sido devidamente instruído e autorizado para usar esse tipo particular de empilhadeira. Respeite a capacidade de carga da empilhadeira e de outras eventuais aparelhagens.

Leia mais

Sistema de transporte e elevação de cargas

Sistema de transporte e elevação de cargas CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA UFCD 5811 26-01-2015 Sistema de transporte e elevação de cargas Reflexão Esta UFCD tem como objetivos: reconhecer e caraterizar os equipamentos mais comuns,

Leia mais

RISCOS GENÉRICOS DO LOCAL DE TRABALHO

RISCOS GENÉRICOS DO LOCAL DE TRABALHO RISCOS GENÉRICOS DO LOCAL DE TRABALHO LOCAIS DE TRABALHO Geralmente, os locais de trabalho são compostos por postos de trabalho, que é a zona na qual os trabalhadores desenvolvem o seu trabalho, zonas

Leia mais

Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito.

Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito. FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADOR DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGA DE ALCANCE VARIÁVEL Fonte: ACT FUNÇÃO Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito.

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXIX Prevenção de acidentes com veículos na Construção Civil Parte 2 um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não

Leia mais

TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura. AUTORIA: Paula Mendes. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura. AUTORIA: Paula Mendes. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO A execução de trabalhos em altura expõe os trabalhadores a riscos elevados,

Leia mais

SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PONTES ROLANTES

SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PONTES ROLANTES SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de Objetivos Sensibilizar os operadores de Ponte Rolante quanto à necessidade de neutralizar ao máximo a possibilidade de ocorrência de acidentes. Adotar procedimentos de rotina,

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume VIII Movimentação Manual de Cargas um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Formando: Dário Filipe da Silva Afonso. Formanda: Fernanda Maria Piçarra. Avaliação de riscos. Filme 1 Situação 1 Caso do menino

Formando: Dário Filipe da Silva Afonso. Formanda: Fernanda Maria Piçarra. Avaliação de riscos. Filme 1 Situação 1 Caso do menino Avaliação de riscos Filme 1 Situação 1 Caso do menino Camião a despejar carga em andamento (destravado) Menino a brincar debaixo da obra Técnicos sem EPIs Mau acondicionamento e deficiente arrumação de

Leia mais

Formando: Dário Filipe da Silva Afonso. Formanda: Fernanda Maria Piçarra. Avaliação de riscos. Filme 1 Situação 1 Caso do menino

Formando: Dário Filipe da Silva Afonso. Formanda: Fernanda Maria Piçarra. Avaliação de riscos. Filme 1 Situação 1 Caso do menino Avaliação de riscos Filme 1 Situação 1 Caso do menino Camião a despejar carga em andamento (destravado) Menino a brincar debaixo da obra Técnicos sem EPIs Mau acondicionamento e deficiente arrumação de

Leia mais

1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança

1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança BOAS PRÁTICAS PREVENTIVAS PORTUCEL - Fábrica de Cacia Paula Lima (Técnico Sup. HST) 100505PL1P 1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança ENQUADRAMENTO LEGAL Ver em pormenor no Artº 98º da DL

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Empilhadeira. Empilhadeira. O que é empilhadeira? Princípio de funcionamento 07/04/2008

Empilhadeira. Empilhadeira. O que é empilhadeira? Princípio de funcionamento 07/04/2008 Empilhadeira Empilhadeira Operador: Pessoa habilitada e treinada, com conhecimento técnico e funcional do equipamento. É o responsável direto pela segurança da operação, pessoas e demais bens interligados

Leia mais

Armazenamento Todas as matérias primas são organizadas por secções no armazém, através de prateleiras.

Armazenamento Todas as matérias primas são organizadas por secções no armazém, através de prateleiras. Recepção de matérias primas Após a chegada das matérias primas à fábrica, estas são transportadas para o armazém através do empilhador, porta paletes ou através de transporte manual. Armazenamento Todas

Leia mais

MUDANÇA DE DIRECÇÃO. Tema 5 Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito

MUDANÇA DE DIRECÇÃO. Tema 5 Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito MANUAL DO ENSINO DA CONDUÇÃO FT [] [56] [6] FICHA TÉCNICA MUDANÇA DE DIRECÇÃO Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível Nível Táctico Tema 5 Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 Domínio

Leia mais

SPOT BATTERY EXCHANGER

SPOT BATTERY EXCHANGER SPOT BATTERY ECHANGER SBE RACK V0.3 Manual de Instruções SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Sociedade Unipessoal, Lda. Rua D. Luís de Noronha 22, 4 Dto. 1050-072 Lisboa Portugal Tel / Fax. (+351)

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/5 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora Pág.2/5 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade: Segurévora

Leia mais

SPOT BATTERY EXCHANGER

SPOT BATTERY EXCHANGER SPOT BATTERY ECHANGER SBE RACK V2.0 V2.0 MANUAL DE INSTRUÇÕES A DOERS é propriedade da: SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Sociedade Unipessoal, Lda. Rua D. Luís de Noronha 22, 4º Dto. 1050-072

Leia mais

RISCOS ESPECIAIS. Obra:" Infraestruturas da AUGI 42 Casal do Sapo Sesimbra

RISCOS ESPECIAIS. Obra: Infraestruturas da AUGI 42 Casal do Sapo Sesimbra Escavação/Abertura de valas Factores de risco - Invasão do espaço do estaleiro por veículos rodoviários - Danificação das paredes da vala devido às cargas exercidas pela passagem dos veículos rodoviários

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Conduzir em Segurança)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Conduzir em Segurança) Condução consciente A condução consciente e tranquila depende em grande parte de quem está ao volante. Cada um tem a responsabilidade de melhorar a sua segurança e a dos outros. Basta estar atento e guiar

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO 7901 A L F A

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO 7901 A L F A ASPIRADOR SISTEMA CYCLONIC COM DEPÓSITO DUPLO Manual do utilizador MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO 7901 A L F A 1 As Vantagens: 1. Com o seu avançado sistema de limpeza de duplo ciclo, e além disso os 2 filtros

Leia mais

Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira.

Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira. Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira. 1 OBJETIVO: Definir requisitos mínimos para: Operação; Inspeção; Qualificação do operador. 2 INTRODUÇÃO GENERALIDADES Existem basicamente

Leia mais

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Esta diretiva compreende orientações gerais relativas ao transporte, embalagem e manuseio de máquinas e fornecimentos da empresa KraussMaffei Technologies

Leia mais

CONDUTOR de EMPILHADORES Curso de Formação

CONDUTOR de EMPILHADORES Curso de Formação CONDUTOR de EMPILHADORES Curso de Formação TRABALHAR EM SEGURANÇA INDICE Introdução.. 2 Formação e Aptidão 3 Tipo de Equip. de Movimentação de Cargas 4-10 Tipo de Acessórios.. 11 Baterias e Carregadores..

Leia mais

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA Na sequência da Circular nº04/cd/03, de 17 de Janeiro, vimos por este meio solicitar a colaboração dos Responsáveis pelos Laboratórios

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS PESADAS 2 DESCRIÇÃO A movimentação de cargas pesadas, compreende as operações de elevação, transporte e descarga de objectos,

Leia mais

Examen de teste: Segurança Básica (BE)

Examen de teste: Segurança Básica (BE) Examen de teste: Segurança Básica (BE) Série: Examen de teste (BE) Leia atentamente as instruções apresentadas abaixo! Este exame é constituído por 40 perguntas de escolha múltipla. A seguir a cada pergunta

Leia mais

GRUAS CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA. UFCD 5811 Sistemas de transporte e elevação de carga Formador: David Inverno.

GRUAS CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA. UFCD 5811 Sistemas de transporte e elevação de carga Formador: David Inverno. CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA UFCD 5811 Sistemas de transporte e elevação de carga Formador: David Inverno GRUAS 16 Valores (Formador David Inverno) Introdução Gruas No âmbito da UFCD

Leia mais

MODELOS: ART 2045, ART 2053, ART 2055 e ART 2058

MODELOS: ART 2045, ART 2053, ART 2055 e ART 2058 MODELOS: ART 2045, ART 2053, ART 2055 e ART 2058 ADVERTÊNCIAS PRÉVIAS A capacidade de carga e altura está determinada da seguinte forma : *Quando a altura de levantamento está abaixo de 3300 mm(incluindo

Leia mais

Instrução de Trabalho IT 021. Verificação de Segurança de Equipamentos

Instrução de Trabalho IT 021. Verificação de Segurança de Equipamentos Verificação de Segurança de Equipamentos Na Presença do técnico de SHT e do Gestor da Qualidade e/ou um representante da Gerência serão verificados os equipamentos anualmente conforme o DL50/05 e deverá

Leia mais

DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA

DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA FICHA TÉCNICA DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal; Nível 3 Nível Táctico Tema 2 - Atitudes e Comportamentos; Tema 5 - Conhecimento das Regras

Leia mais

Reboques para comboios logísticos. Soluções completas para utilização no interior e no exterior.

Reboques para comboios logísticos. Soluções completas para utilização no interior e no exterior. Reboques para comboios logísticos Soluções completas para utilização no interior e no exterior. Soluções de transporte desde a recepção dos produtos até à área de distribuição/produção. Com capacidades

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO ESCADAS ESCADOTES

MANUAL DE UTILIZAÇÃO ESCADAS ESCADOTES MANUAL DE UTILIZAÇÃO ESCADAS ESCADOTES 2 ESCADAS / ESCADOTES Antes de utilizar uma escada ou escadote, leia cuidadosamente estas intruções! Guarde estes textos em local de fácil acesso para futuras consultas.

Leia mais

AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Papel da escola na promoção de uma cultura de HSST no trabalho PANORAMA GERAL: 330 000 acidentes de trabalho/ano 22% afecta os jovens com idade inferior

Leia mais

Agora com. Delegação em Lisboa Tel. 21 231 89 19 Tlm 96 764 46 22 N O R M A L I Z A D O S. Aluguer MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS

Agora com. Delegação em Lisboa Tel. 21 231 89 19 Tlm 96 764 46 22 N O R M A L I Z A D O S. Aluguer MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS Agora com Delegação em Lisboa Tel. 21 231 89 19 Tlm 96 764 46 22 N O R M A L I Z A D O S Aluguer SOLUÇÕES DE ACESSO MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS BASES SIMPLES / DUPLAS - ALUMÍNIO EN 1004 classe 3 EN 1298 DE

Leia mais

SEGURANÇA DE MÁQUINAS

SEGURANÇA DE MÁQUINAS Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS MÓDULO 8 SEGURANÇA DE MÁQUINAS E UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TRABALHO Formadora - Magda Sousa Decreto-Lei 441/91 Artigo 8.º

Leia mais

Directrizes para o exame de condução de automóveis ligeiros de. transmissão automática

Directrizes para o exame de condução de automóveis ligeiros de. transmissão automática Directrizes para o exame de condução de automóveis ligeiros de transmissão automática 1. Prova no parque de manobras (1) Antes de iniciar a marcha Antes de ligar o motor, o candidato deve verificar se

Leia mais

6. O que indica este sinal? a) um perigo possível b) uma via de evacuação c) material de combate ao fogo d) direcção das casas de banho

6. O que indica este sinal? a) um perigo possível b) uma via de evacuação c) material de combate ao fogo d) direcção das casas de banho 1. Uma autorização de trabalho é um documento: a) que tem de promover a concertação entre todos os que tenham a ver com o trabalho. b) em que vêm estipuladas as condições relativas à maneira de trabalhar

Leia mais

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1. Objecto e âmbito

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1. Objecto e âmbito DATA: 14 de Junho de 1995 EMISSOR: MINISTÉRIO DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL DIPLOMA/ACTO: Decreto-Lei n.º 141/95 SUMÁRIO: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 92/58/CEE, do Conselho,

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA BIOESTIM K 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: BIOESTIM K Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais

Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D)

Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D) Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D) Escadas Simples? Escadotes? Escadas Duplas e Triplas Escadas Telescópicas? Torres Multiusos Indice 1. Introdução 2. Informação para o Utilização

Leia mais

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Cozinha Industrial Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Serviços de alimentação Este tipo de trabalho aparenta não ter riscos, mas não é bem assim, veja alguns exemplos: Cortes

Leia mais

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen pagina 1 van 26 Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen A Evonik Degussa Antwerpen é uma empresa de químicos e parte de um grupo global. A sua segurança, assim como a nossa, é muito importante, pelo que existem

Leia mais

TE25 Transpalete Elétrico Manual de Uso e Operação Página 1

TE25 Transpalete Elétrico Manual de Uso e Operação Página 1 Página 1 ÍNDICE 1. ALERTAS... 03 2. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 04 3. DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA... 04 4. TIMÃO DE COMANDO... 05 5. PAINEL INFORMATIVO... 06 6. ADESIVOS E PLAQUETAS... 07 7. IÇAMENTO...

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO COM EMPILHADEIRAS

MANUAL DE OPERAÇÃO COM EMPILHADEIRAS MANUAL DE OPERAÇÃO COM EMPILHADEIRAS MANUTENÇÃO, PEÇAS E PNEUS PARA EMPILHADEIRAS SÃO AS NOSSAS ESPECIALIDADES, QUALIDADE É O NOSSO MAIOR OBJETIVO PEÇAS E PNEUS PARA EMPILHADEIRAS SÃO AS NOSSAS ESPECIALIDADES

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXVIII Prevenção de acidentes com veículos na Construção Civil Parte 1 um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico

Leia mais

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 1 de 7 PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 2 de 7 PROCESSO CONSTRUTIVO 1. EECUÇÃO DE PINTURAS Esta actividade consiste nos trabalhos de pinturas nas paredes simples

Leia mais

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Sinalização Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Materiais VINIL AUTO-ADESIVO PVC / PS Utilizado em ambientes internos e externos. Pode ser confeccionado com

Leia mais

Prova de Conhecimentos. Questões de carater geral. (de entre 6 questões serão sorteadas 2 questões)

Prova de Conhecimentos. Questões de carater geral. (de entre 6 questões serão sorteadas 2 questões) PROCEDIMENTO CONCURSAL COMUM PARA CONSTITUIÇÃO DE RELAÇÃO JURÍDICA DE EMPREGO PÚBLICO POR TEMPO INDETERMINADO, TENDO EM VISTA O PREENCHIMENTO DE UM POSTO DE TRABALHO NA CARREIRA/CATEGORIA DE ASSISTENTE

Leia mais

Código do exame Teste de preparação

Código do exame Teste de preparação Nome do candidato: Este teste de preparação de VCA trata-se apenas de um exercício e tem como finalidade a familiarização do candidato com os métodos de exame. As questões são revistas anualmente no que

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. SERRA CIRCULAR 1600W Refª.: 70061

MANUAL DE INSTRUÇÕES. SERRA CIRCULAR 1600W Refª.: 70061 MANUAL DE INSTRUÇÕES SERRA CIRCULAR 1600W Refª.: 70061 NOME DAS PEÇAS A G B F C D A - Punho com Interruptor B - Punho C - Interruptor para Laser D - Fixador da Paralela E - Guia Laser para Corte F - Bloqueador

Leia mais

INV300CC-3T MANUAL DE INSTRUÇÕES

INV300CC-3T MANUAL DE INSTRUÇÕES INV300CC-3T MANUAL DE INSTRUÇÕES Leia e siga todas as instruções e indicações de segurança com cuidado. Somente pessoal treinado pode instalar e operar este equipamento. Entre em contato com a CAMAR se

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 154 (Setembro/Outubro de 2004) KÉRAMICA n.º 275 (Novembro/Dezembro de 2005)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 154 (Setembro/Outubro de 2004) KÉRAMICA n.º 275 (Novembro/Dezembro de 2005) 1 TÍTULO: Movimentação mecânica de cargas AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 154 (Setembro/Outubro de 2004) KÉRAMICA n.º 275 (Novembro/Dezembro de 2005) 1. INTRODUÇÃO A movimentação

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA 1. Identificação da substância/preparação e da sociedade / empresa Identificação da substância / preparação Nome comercial: LUSO EXTRUDER Código do produto: TPVE 301 Utilização da substância / da preparação:

Leia mais

VELOCIDADE FICHA TÉCNICA. Tema 2 - Atitudes e Comportamentos; Tema 5 - Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 - Domínio das Situações de Trânsito

VELOCIDADE FICHA TÉCNICA. Tema 2 - Atitudes e Comportamentos; Tema 5 - Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 - Domínio das Situações de Trânsito FICHA TÉCNICA VELOCIDADE Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 3 Nível Táctico Tema 2 - Atitudes e Comportamentos; Tema 5 - Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 - Domínio das Situações

Leia mais

O que fazer em caso de sismo

O que fazer em caso de sismo www.aterratreme.pt O que fazer em caso de sismo Todos os anos se realiza o exercício de prevenção de risco sísmico A Terra Treme, pois é importante relembrar as regras básicas de segurança incluindo alguns

Leia mais

SPOT BATTERY EXCHANGER

SPOT BATTERY EXCHANGER SPOT BATTERY ECHANGER SBE FOOT V1.0 MANUAL DE INSTRUÇÕES SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Sociedade Unipessoal, Lda. Rua D. Luís de Noronha 22, 4 Dto. 1050-072 Lisboa Portugal Tel / Fax. (+351)

Leia mais

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5 !""#$!""%&'( Índice Página 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos..... 4 1.3. Andaimes metálicos...... 4 1.4. Bailéus........ 5 EPC 1/6 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA (texto provisório) 1.1

Leia mais

Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214

Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214 Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214 ADVERTÊNCIA: Leia atentamente este manual antes de usar o produto. ÍNDICE SEÇÃO PÁGINA Introdução 3 Normas gerais de segurança 3 Normas especificas de segurança

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMINOL P 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: PROMINOL P Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

PORTA-PALETES PARA APLICAÇÕES ESPECÍFICAS

PORTA-PALETES PARA APLICAÇÕES ESPECÍFICAS Porta-Paletes Manuais Porta-Paletes Elétricos Porta-Paletes de Tesoura Porta-Paletes em Inox Porta-Paletes com Balança Porta-Paletes TODO-O-TERRENO Porta-Paletes Aplicações Específicas Compre Produtos

Leia mais

ALUGUER DE ANDAIMES E OUTROS EQUIPAMENTOS

ALUGUER DE ANDAIMES E OUTROS EQUIPAMENTOS DE ANDAIMES E OUTROS A Equipleva disponibiliza aos clientes um serviço de para certos equipamentos, nomeadamente: ANDAIMES I PLATAFORMAS DE CARGA I PÓRTICOS EM ALUMÍNIO PORTA-PALETES TODO-O-TERRENO proporcionando,

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABERTURA DE CABOUCOS PARA MACIÇOS DE FUNDAÇÃO 2 DESCRIÇÃO A construção dos maciços de fundação para os pórticos e torres metálicas das linhas

Leia mais

Manual de instruções. TruTool N 700 (1A1) português

Manual de instruções. TruTool N 700 (1A1) português Manual de instruções TruTool N 700 (1A1) português Índice 1 Segurança 3 1.1 Instruções de segurança gerais 3 1.2 Instruções de segurança específicas 4 2 Descrição 5 2.1 Utilização adequada 5 2.2 Dados

Leia mais

Educação e Prevenção Rodoviária. Conduzo a bicicleta em segurança!

Educação e Prevenção Rodoviária. Conduzo a bicicleta em segurança! Educação e Prevenção Rodoviária Conduzo a bicicleta em segurança! Andar de bicicleta é muito divertido, mas deves aprender algumas regras de segurança. Podes divertir-te no parque ou no jardim, nas ciclovias

Leia mais

Importante. Sumário. Entre em contato conosco:

Importante. Sumário. Entre em contato conosco: Manual do operador Terceira edição Segunda impressão Importante Leia, compreenda e siga estas normas de segurança e instruções de operação antes de operar a máquina. Somente pessoas treinadas e autorizadas

Leia mais

TESTE DE TEORIA DE CONDUÇ Ã O

TESTE DE TEORIA DE CONDUÇ Ã O DIRECÇ Ã O DOS SERVIÇ OS PARA OS ASSUNTOS DE TRÁ FEGO TESTE DE TEORIA DE CONDUÇ Ã O Fascículo V Segurança da Condução ADVERTÊNCIA Encontram-se publicadas, nestes 5 fascículos, todas as perguntas, e repectivas

Leia mais

TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde. AUTORIA: Factor Segurança, Lda. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1.

TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde. AUTORIA: Factor Segurança, Lda. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO A sinalização de segurança tem por objectivo chamar a atenção

Leia mais

Introdução. Esta publicação e todas as imagens da mesma podem ser descarregadas grátis aqui: www.inclusivewash.org.au/

Introdução. Esta publicação e todas as imagens da mesma podem ser descarregadas grátis aqui: www.inclusivewash.org.au/ Introdução Este compêndio foi projectado para ser usado pelos funcionários que trabalham directamente com as comunidades - por exemplo, funcionários de saúde e voluntários da comunidade que trabalham com

Leia mais

TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA

TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA TEMA SELECCIONADO A CAMINHO DA ESCOLA IDENTIFICAÇÃO DAS COMPONENTES DA RUA / ESTRADA A Educação Rodoviária é um processo ao longo da vida do cidadão como

Leia mais

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL VOLEIBOL 1. História do Voleibol O Voleibol foi criado em 1885, em Massachussets, por William G. Morgan, responsável pela Educação Física no Colégio de Holyoke, no Estado de Massachussets, nos Estados

Leia mais

A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem.

A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem. A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem. A ambulância deve: Avançar. Ceder a passagem apenas ao meu veículo. Ceder a passagem apenas ao veículo

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Só há uma opção correta em cada questão. Operador de Máquinas Pesadas CNH D Retroescavadeira

PROVA ESPECÍFICA Só há uma opção correta em cada questão. Operador de Máquinas Pesadas CNH D Retroescavadeira PROVA ESPECÍFICA Só há uma opção correta em cada questão Operador de Máquinas Pesadas CNH D Retroescavadeira 01) Analise as proposições abaixo e assinale a que não é conveniente ao operador da máquina

Leia mais

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL UCF CRIANÇA e ADOLESCENTE UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL Identificação do Estabelecimento Data: / / Designação: Morada: Freguesia: Concelho: Telefone: Fax: Correio Electrónico: Director / Coordenador

Leia mais

Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta

Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta versão beta (0.2) uma iniciativa Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta Março 2011 BIKE BUDDY O Bike Buddy (BB) é um projecto de mentorado de utilização de bicicleta da MUBi - Associação pela Mobilidade

Leia mais

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção.

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. MODELO: BYG AR 1533 Índice 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. 7. Diagrama elétrico. 8. Diagrama hidráulico. 9. Peças

Leia mais

Prescrições mínimas de segurança e saúde

Prescrições mínimas de segurança e saúde Prescrições mínimas de segurança e saúde Decreto-Lei n.º 82/99, de 16 de Março O Decreto-Lei n.º 331/93, de 25 de Setembro, transpôs para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 89/655/CEE, do Conselho,

Leia mais

Armazém Planear a construção

Armazém Planear a construção Planear a construção Surgem muitas vezes problemas associados às infra-estruturas dos armazéns, como por exemplo, a falta de espaço para as existências, para a movimentação nos corredores e áreas externas,

Leia mais

FEDERAÇÃO EQUESTRE PORTUGUESA REGULAMENTO NACIONAL DE TREC PERCURSO EM TERRENO VARIADO - PTV. Ficha Técnica nº01 BARRAS PARALELAS

FEDERAÇÃO EQUESTRE PORTUGUESA REGULAMENTO NACIONAL DE TREC PERCURSO EM TERRENO VARIADO - PTV. Ficha Técnica nº01 BARRAS PARALELAS Ficha Técnica nº01 BARRAS PARALELAS 3 a 5 ramos baixos não fixos de 3 a 5 cm de diametro distância entre os ramos: 1.00 metro largura 1.80 a 2.00 metros altura acima do garrote iniciação e juvenis: 30

Leia mais

Produtos químicos PERIGOSOS

Produtos químicos PERIGOSOS Produtos químicos PERIGOSOS Como podemos identificar os produtos químicos perigosos? Os produtos químicos estão presentes em todo o lado, quer em nossas casas, quer nos locais de trabalho. Mesmo em nossas

Leia mais

GUIA PARA PRINCIPIANTES DE BTT JANEIRO 2016

GUIA PARA PRINCIPIANTES DE BTT JANEIRO 2016 GUIA PARA PRINCIPIANTES DE BTT JANEIRO 2016 Por muita vontade que tenha em agarrar na sua nova BTT e ir para os montes rasgar trilhos, seja prudente e paciente. Comece com percurso fáceis e não muito longos.

Leia mais

SPOT BATTERY EXCHANGER

SPOT BATTERY EXCHANGER SPOT BATTERY ECHANGER SBE PICKER V1.0 V1.0 Manual de Instruções SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Sociedade Unipessoal, Lda. Rua D. Luís de Noronha 22, 4 Dto. 1050-072 Lisboa Portugal Tel / Fax.

Leia mais

VELÓDROMO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

VELÓDROMO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO VELÓDROMO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CLÍNICA DE TREINAMENTO COMITÊ OLÍMPICO BRASILEIRO Carlos Arthur Nuzman - Presidente COMPLEXO ESPORTIVO PARQUE AQUÁTICO & VELÓDROMO Sidney Cordeiro - Administrador

Leia mais

Trabalho Realizado por: Filipa Sanches e Sílvio Dias 26/11/2011

Trabalho Realizado por: Filipa Sanches e Sílvio Dias 26/11/2011 2011 Trabalho Realizado por: Filipa Sanches e Sílvio Dias 26/11/2011 Índice: Níveis de probabilidades e respectiva caracterização Pág. 3 Níveis de gravidade e respectiva caracterização Pág. 4 Avaliação

Leia mais

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões Boas Práticasde Trabalhoem Laboratório Olga Conde Moreira Seminário no âmbito do Projeto AGROPECUÁRIA, TECNOLOGIA ALIMENTAR E AMBIENTE APRENDER CIÊNCIA HANDS-ON Programa Ciência Viva 12 de Março de 2014

Leia mais

Anexo 3 - Questionário específico - construção

Anexo 3 - Questionário específico - construção Anexo 3 - Questionário específico - construção 85 Empresa: Morada: Localidade: Cód. Postal: Distrito: Telefone: NIF: Código de CAE-Rev. 2/92: Actividade principal da empresa: Categoria da Actividade: Número

Leia mais

PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA?

PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA? INDICE - Enquadramento legislativo PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA? - Princípios Gerais da Prevenção - Orientações da directiva estaleiros - O custo dos acidentes - Análise de riscos das

Leia mais

Ideen bewegen mehr GAMA DE PRODUTOS REABILITAÇÃO TRANSPORTE TECNOLOGIA MÉDICA

Ideen bewegen mehr GAMA DE PRODUTOS REABILITAÇÃO TRANSPORTE TECNOLOGIA MÉDICA Ideen bewegen mehr > GAMA DE PRODUTOS REABILITAÇÃO TRANSPORTE TECNOLOGIA MÉDICA AAT Alber Antriebstechnik GmbH Ehestetter Weg 11 72458 Albstadt Tel.: 0 74 31.12 95-0 Fax: 12 95-35 www.aat-online.de info@aat-online.de

Leia mais

OS GRANITOS DE VILA POUCA DE AGUIAR

OS GRANITOS DE VILA POUCA DE AGUIAR OS GRANITOS DE VILA POUCA DE AGUIAR COMO FACTOR DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR COORDENAÇÃO: LUÍS SOUSA Ficha Técnica Título Os granitos de Vila Pouca de Aguiar como factor de

Leia mais

Lista das frases de risco e de segurança

Lista das frases de risco e de segurança Lista das frases de risco e de segurança FRASES DE RISCO R1 : Explosivo no estado seco. R2 : Risco de explosão por choque, fricção, fogo ou outras fontes de ignição. R3 : Grande risco de explosão por choque,

Leia mais

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA ILUMINAÇÃO DE CIRCULAÇÃO OU DE EVACUAÇÃO Tem como objectivo permitir a evacuação das pessoas em segurança, garantindo ao longo dos caminhos de evacuação condições de visão e de evacuação adequadas e possibilitar

Leia mais

WORX AEROCART MODELO WG050

WORX AEROCART MODELO WG050 WORX AEROCART MODELO WG050 Avisos Gerais de Segurança AVISO Leia todos os avisos e instruções de segurança. Não seguir os avisos e instruções pode resultar em lesão séria. Guarde todos os avisos e instruções

Leia mais