O EXERCÍCIO ILEGAL DA PROFISSÃO DE ADVOGADO NOS PROCESSOS ADMINISTRATIVO- PREVIDENCIÁRIOS NO INSS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O EXERCÍCIO ILEGAL DA PROFISSÃO DE ADVOGADO NOS PROCESSOS ADMINISTRATIVO- PREVIDENCIÁRIOS NO INSS"

Transcrição

1 O EXERCÍCIO ILEGAL DA PROFISSÃO DE ADVOGADO NOS PROCESSOS ADMINISTRATIVO- PREVIDENCIÁRIOS NO INSS Leonardo Wanderlei Almeida SUMÁRIO: 1 Introdução. 2 Desenvolvimento; 2.1 Despachantes Previdenciários ; 2.2 Da Captação de Clientela por Empresas de Consultoria Previdenciária, Bacharéis em Direito e Profissionais de Outras Áreas; 2.3 Da Necessidade de Interpretação Restritiva da Procuração Administrativa no INSS. 3 Conclusão. 4 Referências. 1 Introdução No dia a dia da prática jurídico-previdenciária tem sido cada vez mais notório e comum esbarrar-se com a atuação de pessoas não inscritas nos quadros da Ordem dos Advogados do Brasil que prestam assessoria, direção e orientações jurídicas e também atuam como procuradores de segurado sem processos administrativo-previdenciários. Fazem subsunção de fatos às normas previdenciárias perante o INSS e assim incorrem na contravenção penal descrita no art. 47 do Decreto-Lei nº 3.688/1941, pois violam o que preconiza o art. 1º, inciso II, da Lei nº 8.906/94. O direito previdenciário está relacionado com a função do Estado Contemporâneo de proteção social dos indivíduos em relação a eventos que lhes possam causar a dificuldade ou até mesmo a impossibilidade de subsistência por conta própria, pela atividade laborativa (CASTRO, 2010, p. 35), e tem por objeto: Estudar, analisar e interpretar os princípios e as normas constitucionais, legais e regulamentares que se referem ao custeio da Previdência Social (...), bem como os princípios e normas que tratam das prestações previdenciárias devidas a seus beneficiários. (CASTRO, 2010, p. 86) 1

2 Cuida, portanto, de um complexo de normas que se relacionam com a questão existencial e está afeta à sobrevivência do indivíduo quando do esgotamento de suas forças de trabalho por idade, por evento incapacitante ou por falecimento daquele do qual dependia economicamente. É cediço e pacificado na doutrina e nos tribunais brasileiros que os benefícios conferidos pelo Regime Geral da Previdência Social brasileira possuem natureza alimentar 1. Cuida-se de direitos bastante peculiares e que merecem especial zelo na análise, tratamento e interpretação séria e compromissada das normas e princípios jurídicos aplicáveis, pois disso muitas vezes dependerá a sobrevivência do cidadão e daqueles que dele dependem. Por essa razão, a consultoria, orientação e direção jurídico-previdenciárias somente podem ser manejadas por pessoas capacitadas e legalmente autorizadas para operar com o direito de uma forma profissional, mormente vislumbrando uma eventual discussão judiciária e as únicas pessoas legalmente qualificadas para isso são advogados regularmente inscritos. 2 Desenvolvimento Por esse e outros motivos é que o Estatuto da Advocacia Lei nº 8.906/94 elenca em seu art. 1º as atividades privativas de advocacia, quais sejam as atividades de consultoria, assessoria e direção jurídicas (inciso II) e que o exercício da atividade de advocacia no território brasileiro e a denominação de advogado são privativos dos inscritos na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) (art. 3º). Diante da complexidade do direito previdenciário, que é composto por um emaranhado de normas, princípios próprios e princípios jurídico constitucionais, para 1 PREVIDENCIÁRIO. BENEFÍCIO RECEBIDO DE BOA-FÉ. IMPOSSIBILIDADE DE RESTITUIÇÃO. CARÁTER ALIMENTAR. INTERPRETAÇÃO DE LEI FEDERAL. 1. Esta Corte Superior entende que, em se tratando de verbas de natureza alimentar, como as decorrentes de benefícios previdenciários, os valores pagos pela Administração Pública por força de antecipação de tutela posteriormente revogada, não devem ser restituídos. (...) Agravo regimental não provido. (STJ, AgREsp , Rel. Min. Castro Meira, DJE ) grifei 2

3 a correta subsunção de fatos às normas previdenciárias fazem-se necessários conhecimentos técnicos e científicos específicos nessa seara jurídica. Ressalta-se que os servidores públicos integrantes do quadro de funcionários do INSS são tecnicamente assessorados pelas Procuradorias Federais Especializadas, se submetem ao princípio administrativo-constitucional da legalidade e ao Conselho de Recursos da Previdência Social, cujo Enunciado nº 5 assevera que a previdência social deve conceder o melhor benefício a que o segurado fizer jus, cabendo ao servidor orientá-lo nesse sentido 2. Fora esse ambiente de relativa segurança pois mesmo assim também é sujeito a falhas, deficiências e inobservâncias de preceitos legais, a consultoria, assessoria e direção jurídico-previdenciárias devem ser prestadas sob a responsabilidade técnica de advogados, de preferência também especializados, sob pena de se colocar em risco uma adequada e segura defesa dos direitos e interesses dos segurados cuja resistência do INSS muitas vezes deriva da inobservância de normas hierarquicamente superiores às suas instruções normativas e, por isso, desembocam na esfera judicial. Outra observação importante a ser preliminarmente bem fixada é que o advogado devida e legitimamente contratado para assessorar um segurado frente ao INSS jamais pode ser visto ou intitulado como atravessador, por mais comezinha que seja a questão, eis que é um direito do cidadão fazer-se acompanhado ou representado por um profissional do direito, por razões até mesmo subjetivas. Não obstante a isso, não é incomum perceber-se essa pecha indevida e injustamente atribuída a advogados por servidores do INSS e até mesmo pela própria Autarquia Federal, claro que de forma velada. Portanto, nesse contexto, as atenções e combates deveriam se voltar para aquelas pessoas que se disponibilizam em apenas representar o segurado perante a autarquia federal, mas tem ido além: sem capacitação técnico-jurídica se valem de 2 Disponível em: <http://www010.dataprev.gov.br/sislex/paginas/32/crps/5.htm>. Acesso em: 5 jun

4 tal status e confiança para aventurar-se em defesas, postular direitos, e se enveredam por produções probatórias equivocadas, defeituosas, e se aventuram em discussões técnico-normativas caracterizadas por subsunção de fatos às normas e ainda: cobram honorários do segurado. Ora, isso é atividade prática privativa de advogado! É pela seriedade dessa atividade que esse profissional responde disciplinar, administrativa e civilmente pelos danos causados por sua culpa profissional, ou seja, além da capacitação profissional, possui comprometimento e responsabilidade legal por seus atos diferentemente do que acontece com o mero representante que, por não se vincular a Ordem dos Advogados, não responde por imperícias e danos causados por inabilidade técnico-jurídica. Pelo art. 47 do Decreto-Lei nº 3.688/1941 (Lei de Contravenções Penais): Exercer profissão ou atividade econômica ou anunciar que a exerce, sem preencher as condições a que por lei está subordinado o seu exercício: Pena prisão simples, de quinze dias a três meses, ou multa. Assim, qualquer cidadão, mesmo se eventualmente qualificado para qualquer outra profissão (v.g., contadores), mas que venha a exercer ato privativo de advogado frente ao que dispõe o art. 1º da Lei nº 8.906/94, pratica conduta típica passível da respectiva sanção penal. 2.1 Despachantes Previdenciários É de saber notório a existência de intitulados despachantes previdenciários. A fama de aposentadores eficazes normalmente surge em razão de solucionarem casos administrativos que não necessitariam da intervenção de terceiros: o próprio segurado teria resolvido sozinho a questão junto ao INSS, até mesmo acompanhado de um parente mais esclarecido culturalmente. Há também, nesse contexto, pessoas conhecidas como curiosos do direito ou ex-servidores do INSS. Na verdade, alguns servidores, ao se aposentarem, passam a fazer disso um meio de vida. Inadvertidamente prestam orientação jurídico- 4

5 previdenciária e direcionam cidadãos ao INSS e, algumas vezes, nem se identificam como procuradores, apenas fazem uma espécie de monitoramento à distância ou simples presença física ao lado do segurado (ou nas proximidades da agência) sem qualquer registro formal de sua interferência no processo administrativo. Postura essa dissimulada a fim de que não venha ser responsabilizado cível nem criminalmente posto que também é sabido que cobram honorários como se advogados fossem. Há também aqueles que cobram por serviços simples (agendamentos, acerto de cadastros, etc.), que são gratuitamente oferecidos pela autarquia. Importa ressaltar que tal fenômeno se acentua cada vez mais, e, especialmente, em épocas de campanhas eleitorais nas cidades interioranas, por razões óbvias. Mesmo porque a grande maioria dos segurados da Previdência Social são pessoas simplórias ou idosas, e pertencem à massa popular desinformada e sem formação intelectual básica. Pode-se então classificá-los, portanto, como os autênticos atravessadores, tão combatidos de forma ineficaz pelo INSS, que lamentavelmente tem desencadeado campanhas tímidas sem o apoio da OAB, destarte, adotando uma postura complacente com essa prática ilegal. Ora, a indevida atuação jurídico-previdenciária de pessoas leigas na seara do direito previdenciário se equipara ao curandeirismo frente ao exercício da medicina e pode gerar sérios e irreversíveis danos aos direitos dos segurados, assim como a ministração de uma erva tóxica por um curandeiro pode levar um indivíduo à morte. É contra essa prática específica que o INSS deveria promover campanhas! 2.2 Da Captação de Clientela por Empresas de Consultoria Previdenciária, Bacharéis em Direito e Profissionais de Outras Áreas Nesse contexto de exercício ilegal da profissão de advogado tem-se visto a proliferação de empresas de consultoria previdenciárias. Estas se caracterizam pela organização de pessoas leigas ou até mesmo bacharéis em direito que servem 5

6 a advogados que ficam ocultos e delas se valem unicamente para a captação de clientela previdenciária prática punida disciplinarmente pelo Estatuto da Advocacia (Lei nº 8.906/94): Art. 34. Constitui infração disciplinar: I exercer a profissão, quando impedido de fazê-lo, ou facilitar, por qualquer meio, o seu exercício aos não inscritos, proibidos ou impedidos; II manter sociedade profissional fora das normas e preceitos estabelecidos nesta lei; III valer-se de agenciador de causas, mediante participação nos honorários a receber; IV angariar ou captar causas, com ou sem a intervenção de terceiros; (...) OAB: Desprezam, assim, também o que dispõe o Código de Ética e Disciplina da Art. 5º O exercício da advocacia é incompatível com qualquer procedimento de mercantilização. (...) Art. 7º É vedado o oferecimento de serviços profissionais que impliquem, direta ou indiretamente, inculcação ou captação de clientela. Inadvertidamente, todos aqueles que se prestam a isso, também em tese podem enquadrar-se como praticantes ou partícipes do crime de concorrência desleal, tipificado pela Lei nº 9.279/96: Art Comete crime de concorrência desleal quem: (...) III emprega meio fraudulento, para desviar, em proveito próprio ou alheio, clientela de outrem; (...) Pena detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa. 6

7 A indevida atuação jurídico-previdenciária de bacharéis em direito ou outros profissionais na seara do direito previdenciário se equipara ao exercício ilegal da medicina por enfermeiros que vierem a atuar como se médicos fossem, e podem igualmente gerar sérios e irreversíveis danos à saúde dos pacientes, ao passo que a atuação do bacharel ou outro profissional não advogado, pode prejudicar seriamente os direitos dos segurados, tornando-os irrecuperáveis judicialmente. A propósito disso, a diretoria da OAB de São Paulo e seu Tribunal de Ética tem travado um combate exemplar ao exercício ilegal da profissão, conforme trecho de um aresto 3, com grifos nossos: O art. 3º do EAOAB estabelece que o exercício da atividade de advocacia no território brasileiro e a denominação de advogado são privativos dos inscritos na Ordem dos Advogados do Brasil OAB. Advogado é aquele que exerce a advocacia e, para exercer a advocacia, o advogado precisa estar inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil. Portanto, não basta cursar a faculdade de direito, obter aprovação e ter expedido seu diploma ou certificado de conclusão do curso, para ser advogado. Não. Repetimos: para ser advogado é preciso estar inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil. Chamamos de bacharel em direito quem se forma em ciências jurídicas e sociais, mas, por razões pessoais ou profissionais, não se inscreve na OAB. Segundo o art. 1º do EOAB, são atividades privativas de advocacia a postulação em juízo e as atividades de consultoria, assessoria e direção jurídica. Segundo o art. 4º do referido diploma legal, são nulos os atos privativos de advogado praticados por pessoa não inscrita na OAB, sem prejuízo das sanções civis, penais e administrativas. 3 Ordem dos Advogados do Brasil. Seção de São Paulo. Tribunal de Ética e Disciplina. Melhores pareceres. Disponível em: <www.oabsp.org.br/tribunal-de-etica-e-disciplina/melhores-pareceres/e327906>. Acesso em: 5 jun

8 Este sodalício já respondeu consulta entendendo que o bacharel em direito não pode, sob qualquer hipótese, prestar assessoria e consultoria jurídicas, que são atividades privativas da advocacia (art. 1º, II, do Estatuto), sob pena de cometer crime de exercício ilegal da profissão (Regulamento Geral art. 4º), como se pode ver da ementa abaixo transcrita: EXERCÍCIO DA PROFISSÃO. ASSESSORIA E CONSULTORIAJURÍDICAS PRESTADAS POR BACHAREL EM DIREITO E ESTAGIÁRIO. IMPOSSIBILIDADE. 1. Os cursos jurídicos não formam advogados, mas somente bacharéis em direito, que, para habilitarem-se profissionalmente, são obrigados a inscrever-se na OAB, cumprindo as exigências definidas no art. 8º do Estatuto, para só então serem autorizados a exercer as atividades da advocacia e utilizar-se da denominação de advogado, que é privativa dos inscritos na Ordem (art. 3º do Estatuto). Portanto, o bacharel em direito não pode, sob qualquer hipótese, prestar assessoria e consultoria jurídicas, que são atividades privativas da advocacia (art. 1º, II, do Estatuto), sob pena de cometer crime de exercício ilegal da profissão (Regulamento Geral art. 4º). 2. O estagiário, mesmo que devidamente inscrito, também não poderá prestar assessoria e consultoria jurídicas, a não ser que o faça em conjunto com advogado e sob a responsabilidade deste (art. 3º, 2º, do Estatuto). 3. O advogado é o primeiro juiz de seus atos, portanto, deve decidir, com base nas normas legais e de acordo exclusivo com sua consciência e deveres para com sua profissão, quais as medidas que entende necessárias para coibir as atitudes que julgue prejudiciais ao pleno, legal e ético exercício da advocacia. (Proc. E-3.011/04, V.U., em , do parecer e ementa do Rel. Dr. Guilherme Florindo Figueiredo, Rev. Dr. Zanon de Paula Barros, Presidente Dr. João Teixeira Grande) A referida decisão ficou assim ementada: E-3.279/06. EXERCÍCIO DA PROFISSÃO. CONSULTORIA JURÍDICA PRESTADA POR BACHAREL EM DIREITO. IMPOSSIBILIDADE. Não basta cursar a faculdade de direito, obter aprovação e ter expedido seu diploma ou certificado de conclusão 8

9 do curso para ser advogado. Para ser advogado é preciso estar inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil. São atividades privativas de advocacia a postulação em juízo e as atividades de consultoria, assessoria e direção jurídica. São nulos os atos privativos de advogado praticados por pessoa não inscrita na OAB, sem prejuízo das sanções civis, penais e administrativas (arts. 1º e 4º do EOAB). O bacharel em direito não pode, sob qualquer hipótese, prestar consultoria jurídica, que é atividade privativa da advocacia, sob pena de cometer crime de exercício ilegal da profissão (Regulamento Geral art. 4º). (V.U., em , do parecer e ementa do Rel. Dr. Luiz Antônio Gambelli, Rev. Dr. Fabio Kalil Vilela Leite, Presidente Dr. João Teixeira Grande) Em 2012, o então presidente em exercício da OAB de São Paulo, o advogado Marcos da Costa, no espaço palavra do presidente 4 publicado no site da entidade, explicou que: A luta contra o exercício ilegal da profissão começa na identificação daqueles que atuam indevidamente na prestação de serviços advocatícios. Em um segundo momento, essa ação gera medidas judiciais em busca de punição daqueles que exercem ilegalmente a profissão e prejudicam o advogado e o jurisdicionado, cujos direitos não são devidamente amparados. grifei Marcos da Costa explica que: A Justiça tem reconhecido os danos que podem causar o exercício irregular da advocacia à classe, e principalmente ao jurisdicionado, buscando coibir liminarmente essa ilegalidade, uma vez que todos os atos privativos de advogados praticados por profissional não inscrito na OAB são considerados nulos. Vamos continuar a dar visibilidade ao problema no sentido de alertar os cidadãos sobre a necessidade de se certificarem que aquela pessoa que irá patrocinar sua causa ou prestar consultoria jurídica está habilitada, para tanto, se é de fato um advogado inscrito na OAB. 4 Ordem dos Advogados do Brasil. Seção de São Paulo. Palavra do Presidente. Luta contra o exercício ilegal da advocacia. Disponível em: <http://www.oabsp.org.br/palavra_presidente/2012/164/>. Acesso em: 5 jun

10 Essa questão tem chegado ao Poder Judiciário por amostragem, conforme noticiário jurídico 5 : A OAB/SP obteve liminar em ação civil pública, ajuizada na 2ª Vara Civil contra a Sociedade Comercial Aposentadoria S.A. que, sem ter advogados em seus quadros de sócios e sem inscrição na OAB/SP, vinha oferecendo serviços tipicamente jurídicos. No entanto, não há uma campanha preventiva ou combate eficaz em conjunto com o INSS, e até o momento somente a sobriedade judicial em casos isolados tem se sobreposto ao lamentável conflito velado ou distanciamento entre a Advocacia e a Autarquia Federal, o que é altamente nocivo e contraproducente sob o ponto de vista social, pois gera perdas para todos os envolvidos. 2.3 Da Necessidade de Interpretação Restritiva da Procuração Administrativa no INSS No compasso da ilegalidade aqui demonstrada, o que é mais assustador é que essa prática absurda aqui dissertada há décadas vem sendo admitida com tranquilidade nos processos administrativo-previdenciários do INSS, como se legal fosse. A verdade é que se tem feito vistas grossas. É comum ouvir-se dos infratores que praticam a ilegal advocacia previdenciária extrajudicial que a procuração é somente administrativa (sic), se olvidando que o art. 5º do Estatuto da Advocacia afirma que o advogado postula, em juízo ou fora dele (...). Ressalta-se que é aceitável e razoável o instituto do mandato para simples representação do segurado frente ao INSS, vez que o próprio Código Civil prevê em seu art. 653 o instituto jurídico do mandato: Opera-se o mandato quando alguém 5 JUSBRASIL NOTÍCIAS. OAB/SP ganha liminar contra exercício ilegal da profissão. 13 jun Disponível em: <http:// oab-sp.jusbrasil.com.br/noticias/ /oab-sp-ganha-liminar-contra-exercicio-ilegal-da-profissao>. Acesso em: 5 jun

11 recebe de outrem poderes para, em seu nome, praticar atos ou administrar interesses. A procuração é o instrumento do mandato. Esse dispositivo é praticamente repetido pelo art. 392 da Instrução Normativa nº 45/2010 do INSS: Procuração é o instrumento de mandato em que alguém recebe de outrem poderes para, em seu nome, praticar atos ou administrar interesses. Gonçalves (2007, p. 329) afirma que a doutrina, em geral, entende que o que caracteriza o mandato é a ideia de representação. O sério complicador dessa prática advém do fato de que a manifestação de vontade pelo representante, nos limites de seus poderes, produz efeitos em relação ao representado (Código Civil, art. 116), ou seja, uma falha técnico-jurídica ou instrução probatória malfeita por procurador não advogado vinculará o segurado de forma oficial junto aos registros autárquicos, podendo prejudicar gravemente o direito do segurado. Trata-se, assim, de uma representação voluntária, na qual se pressupõe a substituição de uma pessoa por outra na prática de um ato jurídico (GONÇALVES, 2007, p. 327). Destarte o mandato administrativo se presta para praticar atos ou administrar interesses dentro da diligência habitual do mandatário, conforme expresso no art. 667 do Código Civil. Portanto, frente aos atos privativos da advocacia, a procuração conferida a procurador não advogado para atos junto ao INSS está restrita à simples representação do segurado: ou quando este não se fizer presente por impedimento físico ou de saúde, ou não quiser estar pessoalmente. Em outras palavras: o procurador administrativo faz às vezes do segurado representado dentro da sua diligência habitual legalmente autorizada, e em momento algum a lei autoriza o mero procurador administrativo a praticar atos privativos de advogado. Ora, no cotejo das normas legais acima apontadas, entendemos que se o procurador se presta a ir além dessa representação e passa a direcionar, assessorar, orientar ou manejar as normas previdenciárias para praticar atos e defender os interesses do segurado mandante e, especialmente, se é remunerado 11

12 para isso, ele está indo além da sua diligência habitual, pois não possui habilitação legal para advogar e assim incorre no exercício ilegal da profissão de advogado, previsto no art. 47 do Decreto-Lei nº 3.688/1941. A seriedade desse assunto é tão desprezada pelo INSS, que a própria instrução normativa inadvertidamente assevera no art. 394 que o instrumento de mandato poderá ser outorgado a qualquer pessoa, advogado ou não (sic) grifei. Tal dispositivo deixa claro que o INSS não vislumbra o risco nem a ilegalidade aqui exposta, que tem sido dissimulada, e que isso tem se apresentado como uma práxis em suas agências. Inadvertidamente, o INSS deixa seus segurados vulneráveis à ação de terceiros inidôneos, não sendo conhecidas medidas eficazes em parceria com a OAB, a fim de que seus segurados não sejam prejudicados por essa prática espúria que atinge também os advogados previdenciaristas que investem constantemente na aquisição de conhecimentos e no aperfeiçoamento de sua formação jurídica. A contrario sensu, os advogados previdenciaristas percebem que é uma injusta resistência oculta que milita em desfavor da classe no ambiente das Agências do INSS. Atribui-se isso à falta de conhecimentos dos servidores acerca da gravidade do tema abordado neste trabalho, e, sobretudo, por desconhecerem a respeito da Advocacia séria e compromissada nos termos do art. 133 da Constituição Federal, aliada a preconceitos que originam de lamentáveis práticas e posturas reprováveis isoladas de alguns advogados inidôneos, que são minoria absoluta. Portanto, fica evidenciado que a procuração outorgada para fins de requerimento de benefícios e prática de atos perante o INSS deve ter sua interpretação restringida em face do que dispõe o art. 1º, II, da Lei nº 8.906/94. Numa interpretação legal elástica para fins práticos de escritórios especializados na advocacia previdenciária, o máximo que se pode admitir, é que a procuração administrativa outorgada por segurado cliente a funcionário e/ ou estagiário regularmente vinculado ao escritório esteja ladeada com o advogado 12

13 regularmente inscrito que, nesse caso, funcionará como responsável técnico indispensável e arcará com as implicações legais decorrentes de suas responsabilidades como profissional do direito (art. 3º, 2º, do Estatuto). 3 Conclusão Conclui-se que o tema aqui tratado passa por vistas grossas do INSS e é de constante a reclamação de advogados perante a OAB, mormente os previdenciaristas. Aliado a isso também há desrespeitos a prerrogativas e a completa ausência de deferência ao profissional no ambiente das agências autárquicas, em posturas de alguns servidores que levam a sinalizar que a presença do advogado seria impertinente ou até mesmo indesejada, dispensável. Em contradição com a expressa falta de consideração do INSS para com a imprescindibilidade do advogado no processo administrativo-previdenciário (inciso V do art. 394 da IN nº 45/2010) está a complacência ou o tímido combate isolado da Autarquia Federal para com os verdadeiros atravessadores acima referidos, que exploram inadvertida e ilegalmente a atividade advocatícia no próprio âmbito administrativo, pois se tem permitido até aceitado com normalidade que os mesmos atuem abertamente nos processos administrativo-previdenciários sem qualquer responsabilidade técnica ou legal. Mas espera-se que a explanação aqui feita talvez colabore para demonstrar a necessidade de união genuína e eficaz da Autarquia Federal/INSS e da OAB, a fim de que seja desenvolvida uma parceria séria junto aos servidores e advogados previdenciaristas e, sobretudo, em prol da sofrida classe de seguradosda previdência pública brasileira. É necessária, no mínimo, a boa vontade do INSS para um monitoramento constante e, identificada a prática ilegal ora combatida, seja comunicada a OAB e o Ministério Público para a instauração do devido inquérito policial. Portanto, este trabalho não se presta somente para apontar para o problema notório, mas, sobretudo, para sugerir e demonstrar a necessidade de uma 13

14 integração entre OAB e INSS para a superação de problemas de interesse. Essas instituições, por sua vez, necessitarão de um eficaz apoio das polícias e do Ministério Público. Por fim, sugere-se que um ótimo começo dessa parceria para o combate do exercício ilegal da advocacia nos processos administrativo-previdenciários e também para eliminar atuação de atravessadores está na precisa inserção de parágrafos no art. 394 da Instrução Normativa nº 45/2010 do INSS, a fim de que se exija a qualificação de advogado ao procurador que pretender postulações e defesas que se fundem em discussões de natureza jurídico previdenciária e que por isso exorbitem a simples prática de atos de administração de interesses. Nesse mesmo sentido, deve ser prevista na norma procedimental do INSS a obtenção de declaração compromissada de procurador não advogado, no sentido de que o mesmo não é remunerado pelo segurado outorgante e que se compromete em não assessorar, orientar ou direcionar juridicamente o segurado representado, sob pena de violar o disposto no art. 1º, inciso II, da Lei nº 8.906/94 e incorrer na infração penal capitulada no art. 47 da Lei nº 3.688/1941, sem prejuízo de outras sanções. A sociedade agradece, pois pela observância intransigente de leis a que talvez se veja como de somenos importância, se estará prevenindo prejuízos ao garantir aos segurados do INSS orientações previdenciárias responsáveis aliadas às defesas técnico-jurídicas adequadas dos seus interesses judicial ou extrajudicialmente, bem como se exigirá a observância eficaz das leis que promovem o respeito e a valorização das atividades legalmente previstas como privativas de advogados. A propósito, relacionado com o tema aqui tratado, existe em tramitação no Congresso Nacional e já aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça, o Projeto de Lei nº 3.962/2012, de autoria do Advogado e Deputado Federal Ronaldo Benedet e relatoria do Deputado Federal Valtenir Pereira, que altera dispositivos da Lei nº 8.906/94, a fim de impor penas severas aos Advogados responsáveis que fomentam ou permitem o exercício ilegal da Advocacia, bem como altera o Código 14

15 Penal, transformando-a em crime, com pena de reclusão de um a cinco anos e multa. 4 Referências BRASIL. Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. Código de Ética e Disciplina, Brasília, DF, 13 fev Disponível em: <http://www.oab.org.br/content/pdf/legislacaooab/codigodeetica.pdf>. Acesso em: 5 jun Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto nº 3.048, de 6 de maio de Aprova o Regulamento da Previdência Social, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3048.htm>. Acesso em: 31 maio Decreto-Lei nº 3.688, de 3 de outubro de Lei das Contravenções Penais. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decretolei/del3688.htm>. Acesso em: 31 maio Lei nº 8.906, de 4 de julho de Dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8906.htm>. Acesso em: 31 maio Lei nº 9.279, de 14 de maio de Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9279.htm>. Acesso em: 5 jun Lei nº , de 10 de janeiro de Institui o Código Civil. Disponível em: <http:// Acesso em: 31 maio CASTRO, Carlos Alberto Pereira de. Manual de direito previdenciário. 12. ed. rev. e atual. Florianópolis: Conceito, p. DATAPREV. Empresa de Tecnologia e 15

16 Informações da Previdência Social. Instrução Normativa INSS/ PRES nº 45, de 6 de agosto de DOU Dispõe sobre a administração de informações dos segurados, o reconhecimento, a manutenção e a revisão de direitos dos beneficiários da Previdência Social e disciplina o processo administrativo previdenciário no âmbito do Instituto Nacional do Seguro Social INSS. Disponível em: <http:// www3.dataprev.gov.br/sislex/paginas/38/insspres/2010/45_2.htm#cp5_s1>. Acesso em: 31 maio GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro. 5. ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, V. I/ Parte Geral. 512p 16

O EXERCÍCIO ILEGAL DA PROFISSÃO DE ADVOGADO NOS PROCESSOS ADMINISTRATIVO-PREVIDENCIÁRIOS NO INSS RESUMO

O EXERCÍCIO ILEGAL DA PROFISSÃO DE ADVOGADO NOS PROCESSOS ADMINISTRATIVO-PREVIDENCIÁRIOS NO INSS RESUMO 50 O EXERCÍCIO ILEGAL DA PROFISSÃO DE ADVOGADO NOS PROCESSOS ADMINISTRATIVO-PREVIDENCIÁRIOS NO INSS Leonardo Wanderlei Almeida Advogado. Pós-Graduado lato sensu em Direito Processual pela Faculdade Pitágoras/Unidade

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 3.962, DE 2012 Altera e inclui dispositivos na Lei nº 8.906, de 04 de julho de 1994, e no Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940,

Leia mais

Teoria das nulidades dos atos de advocacia. Dispõe o Estatuto da Advocacia (Lei Federal n.º 8.906/94):

Teoria das nulidades dos atos de advocacia. Dispõe o Estatuto da Advocacia (Lei Federal n.º 8.906/94): Thiago d Ávila Membro da Advocacia-Geral da União. Procurador Federal. Procurador do INCRA em Natal/RN. Ex-Procurador do INSS. Ex-Procurador do Órgão de Arrecadação da Procuradoria-Geral Federal. Dedica-se

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.749, DE 2013 Altera a Lei nº 8.906, de 4 de julho de 1994, dispondo sobre a criação da figura do paralegal. Autor: Deputado SERGIO

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1940

DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1940 DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1940 Código Penal O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte lei: CÓDIGO PENAL PARTE ESPECIAL

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 232, de 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 232, de 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 232, de 2014 Altera a Lei nº 8.906, de 4 de julho de 1994, para dispor sobre a profissão de assistente de advocacia. O CONGRESSO NACIONAL decreta: seguintes alterações: Art.

Leia mais

Recursos Disciplinares: é possível a interposição por defensor dativo?

Recursos Disciplinares: é possível a interposição por defensor dativo? Recursos Disciplinares: é possível a interposição por defensor dativo? Viviane Cuenca de Oliveira Assis* I. APRESENTAÇÃO: Este trabalho tem por objetivo identificar até em que fase do processo, ou procedimento,

Leia mais

RELATÓRIO. Trata-se de consulta, de matéria em tese, formulado pela Advogada MARIA ADELAIDE MACHADO ROCHA, OAB MG 11.328, nos seguintes termos:

RELATÓRIO. Trata-se de consulta, de matéria em tese, formulado pela Advogada MARIA ADELAIDE MACHADO ROCHA, OAB MG 11.328, nos seguintes termos: Consulta 2010.29.03728-01 Origem: Processo Originário Assunto: Consulta. Recebimento de honorários. Término do processo. Consulente: Maria Adelaide Machado Rocha (OAB/MG 11328). Relator: Conselheiro Federal

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Dispõe sobre normas para realização do estágio de prática jurídica, componente curricular obrigatório dos Cursos de Direito. Do Núcleo de Prática Jurídica Art.

Leia mais

Projeto de Lei nº de 2006.

Projeto de Lei nº de 2006. Projeto de Lei nº de 2006. Dispõe sobre o exercício da profissão de Ministro de Confissão Religiosa Evangélica, e dá outras providências O Presidente da República, faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro AASSIJUR Fundada em 13 de maio de 1963 RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS

Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro AASSIJUR Fundada em 13 de maio de 1963 RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS Para incluir no site da ABRAP A Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro -, com sede própria localizada na Travessa do Ouvidor n 8, 3 andar,

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA Primeira Turma de Ética Profissional

TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA Primeira Turma de Ética Profissional EMENTAS APROVADAS PELA PRIMEIRA TURMA DE ÉTICA PROFISSIONAL DO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DE SÃO PAULO 581ª SESSÃO DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 EXERCÍCIO CIO PROFISSIONAL ADVOCACIA EM FAVOR DE

Leia mais

TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA Turma de Ética Profissional

TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA Turma de Ética Profissional EMENTAS APROVADAS PELA TURMA DE ÉTICA PROFISSIONAL DO TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DE SÃO PAULO 543ª SESSÃO DE 16 DE JUNHO DE 2011 PROCURADOR JURÍDICO MUNICIPAL

Leia mais

LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR

LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR LEI Nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998 Dispõe sobre a proteção de propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências.

Leia mais

Da Atividade da Advocacia

Da Atividade da Advocacia Art. 1º São atividades privativas de advocacia: I - a postulação a qualquer órgão do Poder Judiciário e aos juizados especiais; (Vide ADIN 1.127-8) Exceções: 1)Justiça do Trabalho (art. 791 da CLT) Art.

Leia mais

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE???

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? Esta é uma antiga discussão que, até a presente data, perdura em hostes trabalhistas. Existe o ius postulandi na Justiça do Trabalho? A Carta

Leia mais

DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA

DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 18, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2014 Estabelece orientações e procedimentos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) Acrescenta parágrafo único ao art. 23 da Lei nº 8.906, de 04 de Julho de 1994, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil

Leia mais

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

CURSO INTENSIVO MODULAR FINAL DE SEMANA OAB 2012.2

CURSO INTENSIVO MODULAR FINAL DE SEMANA OAB 2012.2 2012.2 CURSO INTENSIVO MODULAR FINAL DE SEMANA OAB 2012.2 DISCIPLINA ÉTICA PROFISSIONAL AULA 01 EMENTA DA AULA 1. Princípios da advocacia; 2. Atividades privativas da advocacia; 3. Inscrição; 4. Cancelamento

Leia mais

PARTE EXPOSITIVA. SGAS 915 Lote 72 CEP: 70390-150 Brasília-DF FONE: (61) 3445 5900 FAX: (61) 3346 0231 http://www.portalmedico.org.

PARTE EXPOSITIVA. SGAS 915 Lote 72 CEP: 70390-150 Brasília-DF FONE: (61) 3445 5900 FAX: (61) 3346 0231 http://www.portalmedico.org. PROCESSO-CONSULTA CFM nº 9.936/10 PARECER CFM nº 15/12 INTERESSADO: INSS Instituto Nacional do Seguro Social ASSUNTO: Registro e comunicação de afastamento e/ou substituição de diretor técnico e clínico

Leia mais

Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil Lei 8.906/1994

Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil Lei 8.906/1994 Ética Profissional Aula 01 Professora Clara Brum Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil Lei 8.906/1994 DA ADVOCACIA Pontos da aula: Do Exame de Ordem Prov. 144/ 13 de junho de 2011. Da

Leia mais

Lei nº 12.527/2011 A Lei de Acesso à Informação e o papel dos Auditores Internos

Lei nº 12.527/2011 A Lei de Acesso à Informação e o papel dos Auditores Internos Lei nº 12.527/2011 A Lei de Acesso à Informação e o papel dos Auditores Internos 1 Luiz Alberto Sanábio Freesz Chefe da Controladoria Regional da União no Estado de MG Art. 5º. XXXIII todos têm direito

Leia mais

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres:

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: Murillo José Digiácomo 1 Uma questão que sempre surge quando se discute o papel do Conselho Tutelar no Sistema de Garantias idealizado

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11.

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11. TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11. Dispõe sobre a atividade de agente autônomo de investimento. A PRESIDENTE DA

Leia mais

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova:

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: PROJETO DE LEI Nº 131/2010 Dispõe sobre a criação do Fundo Especial dos Procuradores, Consultores Jurídicos, Assessores Técnicos Jurídicos e Advogados Públicos Municipais de Foz do Iguaçu. Autor: Vereador

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA Turma de Ética Profissional

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA Turma de Ética Profissional EMENTAS APROVADAS PELA TURMA DE ÉTICA PROFISSIONAL DO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DE SÃO PAULO 518ª SESSÃO DE 12 DE FEVEREIRO DE 2009 PUBLICIDADE DOS SERVIÇOS PROFISSIONAIS DO ADVOGADO E SUAS

Leia mais

TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA Primeira Turma de Ética Profissional

TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA Primeira Turma de Ética Profissional EMENTAS APROVADAS PELA PRIMEIRA TURMA DE ÉTICA PROFISSIONAL DO TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DE SÃO PAULO 590ª SESSÃO DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015 ADVOCACIA PRO BONO

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Estado do Rio de Janeiro Procuradoria

Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Estado do Rio de Janeiro Procuradoria EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA CNJ A ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, serviço público independente, dotado de personalidade jurídica e

Leia mais

OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01

OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01 OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01 (OAB/LFG 2009/02). A sociedade Souza e Silva Ltda., empresa que tem como objeto social a fabricação e comercialização de roupas esportivas,

Leia mais

PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ

PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ Dispõe sobre a nomeação de defensor dativo nas Comarcas onde não exista Defensoria Pública e dá outras providências atribuições legais, O CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA, no uso de

Leia mais

CGU Controladoria-Geral da União OGU Ouvidoria-Geral da União Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação

CGU Controladoria-Geral da União OGU Ouvidoria-Geral da União Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação Controladoria-Geral da União OGU Ouvidoria-Geral da União Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação PARECER Referência: 50650.001304/2015-01 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP

LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP Fortaleza, 25 de novembro de 2015 combate à corrupção na gestão dos serviços

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA CÍVEL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO SP O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora da República

Leia mais

Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998.

Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998. Lei de Software Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre a proteção da propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

REF: EXERCÍCIO DO DIREITO DE GREVE DOCENTES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO, SUBSTITUTOS E VISITANTES ANÁLISE JURÍDICA.

REF: EXERCÍCIO DO DIREITO DE GREVE DOCENTES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO, SUBSTITUTOS E VISITANTES ANÁLISE JURÍDICA. 1 Brasília (DF), 7 de maio de 2012. Ilustríssimo Senhor Professor LUIZ HENRIQUE SCHUCH, 1º Vice-Presidente do SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR- ANDES-SINDICATO NACIONAL.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL CONSELHO SECCIONAL DO PIAUÍ EDITAL 001/2015 TESTE SELETIVO PARA ADVOGADO. Espelho de respostas Prova Subjetiva

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL CONSELHO SECCIONAL DO PIAUÍ EDITAL 001/2015 TESTE SELETIVO PARA ADVOGADO. Espelho de respostas Prova Subjetiva ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL CONSELHO SECCIONAL DO PIAUÍ EDITAL 001/2015 TESTE SELETIVO PARA ADVOGADO Espelho de respostas Prova Subjetiva Questão 1: Abordar a colisão entre o princípio da legalidade

Leia mais

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito:

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: 1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: (A) desapropriação de terras improdutivas. (B) penhora de bens em execução

Leia mais

POR AFRONTAR INSUPERÁVEIS DISPOSITIVOS ÉTICOS

POR AFRONTAR INSUPERÁVEIS DISPOSITIVOS ÉTICOS EMENTAS APROVADAS PELA TURMA DE ÉTICA PROFISSIONAL DO TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DE SÃO PAULO 541ª SESSÃO DE 14 DE ABRIL DE 2011 EXERCÍCIO PROFISSIONAL CONCOMITÂNCIA

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO MPF FLS. 2ª CCR MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL VOTO Nº 7399/2015 (IPL 1763/2010-1) ORIGEM: 5ª VARA FEDERAL CRIMINAL DO RIO DE JANEIRO PROCURADOR OFICIANTE: ARIANE GUEBEL DE ALENCAR RELATORA: RAQUEL ELIAS FERREIRA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br sato@sato.adm.br fone/fax (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 7400.011101/201-6 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recorrente: Recurso contra decisão denegatória

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br 1 Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br PROCESSO Nº 2008.85.00.001172-4 CLASSE: 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: MARIA DE LOURDES VIEIRA LIMA IMPETRADO:

Leia mais

ARTIGO: O MANDATO À LUZ DA INTERPRETAÇÃO JURISPRUDENCIAL DO TST

ARTIGO: O MANDATO À LUZ DA INTERPRETAÇÃO JURISPRUDENCIAL DO TST ARTIGO: O MANDATO À LUZ DA INTERPRETAÇÃO JURISPRUDENCIAL DO TST Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Mandato. Artigos 653 e seguintes do Código Civil. Jus Postulandi que permite ao jurisdicionado

Leia mais

Capítulo I. 1. Considerações iniciais 1.1. Regulamentação legal da advocacia. 1.2. Exercício da advocacia

Capítulo I. 1. Considerações iniciais 1.1. Regulamentação legal da advocacia. 1.2. Exercício da advocacia Capítulo I Advocacia Sumário 1. Considerações iniciais 1.1. Regulamentação legal da advocacia 1.2. Exercício da advocacia 1.3. Inscrição nos quadros da OAB 1.4. Atos privativos da advocacia 1.5. Direitos

Leia mais

MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social. A Regulamentação das Aposentadorias Especiais

MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social. A Regulamentação das Aposentadorias Especiais MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social A Regulamentação das Aposentadorias Especiais Brasília - DF, 14 de setembro de 2010 Quantidade de Servidores da União,

Leia mais

QUEM É QUE ESTÁ DISPENSADO DO EXAME DE ORDEM DA OAB?

QUEM É QUE ESTÁ DISPENSADO DO EXAME DE ORDEM DA OAB? QUEM É QUE ESTÁ DISPENSADO DO EXAME DE ORDEM DA OAB? Autor: Joselito Alves Batista. Advogado atuante na Capital do Estado de São Paulo, graduado pela Universidade São Francisco, pós-graduado em Direito

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.662, DE 7 DE JUNHO DE 1993. (Mensagem de veto). Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências O

Leia mais

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde 254 Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde Luiz Eduardo de Castro Neves 1 Nos dias atuais, em que há cada vez mais interesse em bens de consumo, é, sem dúvida, nos momentos em que as pessoas se

Leia mais

Antes da inscrição. temporária

Antes da inscrição. temporária TEMAS TRATADOS EM SALA 1. INSCRIÇÃO DE ADVOGADOS (continuação) A) CANCELAMENTO (11, EAOAB) É a interrupção definitiva da inscrição. Se dá pelas seguintes causas: - a pedido do advogado; - sofrer penalidade

Leia mais

ANTONIO SALVADOR MARTHO,

ANTONIO SALVADOR MARTHO, EMENTAS APROVADAS PELA TURMA DE ÉTICA PROFISSIONAL DO TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DE SÃO PAULO 536ª SESSÃO DE 21 DE OUTUBRO DE 2010 CONSULTA FORMULADA SOBRE CONDUTA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

DECISÃO (LIMINAR/ANTECIPAÇÃO DA TUTELA)

DECISÃO (LIMINAR/ANTECIPAÇÃO DA TUTELA) AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) Nº 5047880-71.2012.404.7100/RS SINDICATO DOS TREINADORES PROFISSIONAIS NO AUTOR : ESTADO DO RIO GGRANDE DO SUL ADVOGADO : CARLOS EDUARDO LICKS FLORES CONSELHO

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito administrativo

Maratona Fiscal ISS Direito administrativo Maratona Fiscal ISS Direito administrativo 1. É adequada a invocação do poder de polícia para justificar que um agente administrativo (A) prenda em flagrante um criminoso. (B) aplique uma sanção disciplinar

Leia mais

Programas de pós-graduação do médico estrangeiro - Resolução: 1669 de 13/6//2003 *****

Programas de pós-graduação do médico estrangeiro - Resolução: 1669 de 13/6//2003 ***** Programas de pós-graduação do médico estrangeiro - Resolução: 1669 de 13/6//2003 ***** Dispõe sobre o exercício profissional e os programas de pós-graduação no Brasil do médico estrangeiro e do médico

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO PARTE A ADV/PROC PARTE R REPTE ORIGEM RELATOR : JORGEVALDO ROBINSTON DE MOURA : FÁBIO CORREA RIBEIRO E OUTROS : INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE : JUÍZO

Leia mais

A Competência da Justiça do Trabalho para Cobrança de Honorários Advocatícios pelos Advogados Autônomos

A Competência da Justiça do Trabalho para Cobrança de Honorários Advocatícios pelos Advogados Autônomos A Competência da Justiça do Trabalho para Cobrança de Honorários Advocatícios pelos Advogados Autônomos Introdução Lianna Nívia Ferreira Andrade 1 Luís Cinéas de Castro Nogueira 2 No final do ano de 2004

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 5.554, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção)

PROJETO DE LEI N.º 5.554, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 5.554, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) Dispõe sobre a profissão do profissional de coaching (coach), e dá outras providências. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: TRABALHO,

Leia mais

Direito Previdenciário e Seguridade Social. Prof. Dante Alighiere Pereira da Silva CARGA HORÁRIA

Direito Previdenciário e Seguridade Social. Prof. Dante Alighiere Pereira da Silva CARGA HORÁRIA CURSO DISCIPLINA DOCENTE PERÍODO CARGA HORÁRIA EMENTA OBJETIVOS DIREITO Direito Previdenciário e Seguridade Social Prof. Dante Alighiere Pereira da Silva 9 P 80 h Introdução ao Estudo do Direito Previdenciário.

Leia mais

Anotações de aula Aline Portelinha 2015

Anotações de aula Aline Portelinha 2015 Anotações de aula Aline Portelinha 2015 Aula 10 CONSELHOS DE MEDICINA Conselhos de Medicina O que são Constituem, em seu conjunto, uma autarquia federal, cada um deles dotado de autonomia administrativa

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO

CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO Código de Ética aprovado pela Resolução do C.F.B.M. - /V 0002/84 DE i 6/08/84 - D. O. U. 27/08/84, e de conformidade com o Regimento Interno Art. 54, 55, 60 -

Leia mais

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal.

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal. Autos: PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS 0001505 65.2014.2.00.0000 Requerente: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS e outros Requerido: CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

PROVIMENTOS DO CONSELHO FEDERAL EM VIGOR RELATIVOS A ASSUNTOS ÉTICO-DISCIPLINARES

PROVIMENTOS DO CONSELHO FEDERAL EM VIGOR RELATIVOS A ASSUNTOS ÉTICO-DISCIPLINARES PROVIMENTOS DO CONSELHO FEDERAL EM VIGOR RELATIVOS A ASSUNTOS ÉTICO-DISCIPLINARES Março de 2010 PROVIMENTO Nº. 49/81 Dispõe sobre a aplicação da Lei n. 6.884, de 09.12.1980, na parte em que acrescenta

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ESTATÍSTICA - 1ª REGIÃO DF, AC, AM, AP, GO, PA, RO, RR NOTA TÉCNICA CONJUR 02/2012.

CONSELHO REGIONAL DE ESTATÍSTICA - 1ª REGIÃO DF, AC, AM, AP, GO, PA, RO, RR NOTA TÉCNICA CONJUR 02/2012. NOTA TÉCNICA CONJUR 02/2012. Trata dos procedimentos nos termos da legislação tributária vigente relacionada a anuidade, juros, multa, isenção, dívida ativa, execução fiscal e outras providências. 1. Na

Leia mais

TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA Turma de Ética Profissional

TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA Turma de Ética Profissional EMENTAS APROVADAS PELA TURMA DE ÉTICA PROFISSIONAL DO TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DE SÃO PAULO 539ª SESSÃO DE 17 DE FEVEREIRO DE 2011 EXERCÍCIO PROFISSIONAL SERVIÇOS

Leia mais

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações OBJETIVO Identificar os aspectos jurídicos e éticos relacionados à Segurança da Informação e Comunicações que impliquem em responsabilidades civil,

Leia mais

BIZU DO PONTO CONCURSO DA POLÍCIA FEDERAL AGENTE DIREITO ADMINISTRATIVO - PROF. FABIANO PEREIRA

BIZU DO PONTO CONCURSO DA POLÍCIA FEDERAL AGENTE DIREITO ADMINISTRATIVO - PROF. FABIANO PEREIRA Olá! Seja bem-vindo ao nosso BIZU de Direito Administrativo para o concurso da Polícia Federal, mais precisamente para o cargo de Agente, cujas provas serão aplicadas em 06 de maio de 2012. A propósito,

Leia mais

Comissão de Estudos da Concorrência e Regulação Econômica ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Secção de São Paulo

Comissão de Estudos da Concorrência e Regulação Econômica ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Secção de São Paulo Formulário de Sugestões Consulta Pública nº 17 (28.09.11 a 28.11.2011) Minuta do Projeto de lei que altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, a Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e a Lei nº 8.884,

Leia mais

CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90

CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90 Comissão de Coordenação de Correição Corregedoria-Adjunta da Área de Infraestrutura CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90 Inicialmente, esclareço que assumi a relatoria do tema por ter sucedido

Leia mais

público Informação apoio:

público Informação apoio: público Entendendo a Lei Geral de Acesso à Informação apoio: ? Expediente texto Arthur Serra Massuda revisão Laura Tresca e Paula Martins arte e diagramação Cadu Elmadjian Entendendo a Lei Geral de Acesso

Leia mais

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos.

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. META 4 LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. EXERCÍCIO 1. (FGV - 2008 - Senado Federal - Policial Legislativo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESCRITÓRIO OU ADVOGADO BRASILEIRO COM ESCRITÓRIO ESTRANGERIO IMPOSSIBILIDADE.

ASSOCIAÇÃO DE ESCRITÓRIO OU ADVOGADO BRASILEIRO COM ESCRITÓRIO ESTRANGERIO IMPOSSIBILIDADE. EMENTAS APROVADAS PELA TURMA DE ÉTICA PROFISSIONAL DO TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DE SÃO PAULO 534ª SESSÃO DE 19 DE AGOSTO DE 2010 ASSOCIAÇÃO DE ESCRITÓRIO OU

Leia mais

Projeto de Lei nº DE 2011. (Do Sr. Arnaldo Faria de Sá)

Projeto de Lei nº DE 2011. (Do Sr. Arnaldo Faria de Sá) Projeto de Lei nº DE 2011. (Do Sr. Arnaldo Faria de Sá) Disciplina a obrigatoriedade de manifestação e os efeitos da participação dos órgãos consultivos da advocacia pública em processos administrativos

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA EM MARÍLIA (SP).

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA EM MARÍLIA (SP). EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA EM MARÍLIA (SP). O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador da República signatário, no uso de suas atribuições constitucionais

Leia mais

Of. Circular nº 16/12-CAO/Saúde-i (c./) Curitiba, 17 de outubro de 2012.

Of. Circular nº 16/12-CAO/Saúde-i (c./) Curitiba, 17 de outubro de 2012. MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Proteção à Saúde Pública Of. Circular nº 16/12-CAO/Saúde-i (c./) Curitiba, 17 de outubro de 2012. Prezada(o) Colega.

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. Institui o programa de transparência do Ministério da Justiça e estabelece medidas internas para aperfeiçoar os instrumentos preventivos de controle da atividade

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070500071489/PR RELATORA : Juíza Ana Carine Busato Daros RECORRENTE : FRANCISCA DE OLIVEIRA RODRIGUES RECORRIDA : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL VOTO DIVERGENTE

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 172, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 172, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 172, DE 2014 Modifica a Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, para possibilitar o trabalhador aposentado ou seu pensionista o direito à desaposenadoria. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO Nº 002/PRES/OAB/RO RESOLVE:

RESOLUÇÃO DO CONSELHO Nº 002/PRES/OAB/RO RESOLVE: RESOLUÇÃO DO CONSELHO Nº 002/PRES/OAB/RO O CONSELHO SECCIONAL DO ESTADO DE RONDÔNIA DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, no uso de suas atribuições estatutárias, com base no que dispõe o art. 10, 1º da Lei

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.645, DE 2014. Altera o art. 18 do Decreto-Lei nº 667, de 2 de julho de 1969, que extingue a pena de prisão disciplinar para as polícias

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.996, DE 7 DE JUNHO MAIO DE 1982. Dispõe sobre a utilização de processamento eletrônico de dados nos serviços eleitorais e

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Despachante Aduaneiro e Ajudante de Despachante Aduaneiro-Exercício das Profissões INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

Orientações Jurídicas

Orientações Jurídicas São Paulo, 24 de outubro de 2014. OJ-GER/043/14 Orientações Jurídicas Resolução Normativa - RN nº 357, de 16 de outubro de 2014 Altera a Resolução Normativa - RN nº 48, de 19 de setembro de 2003, que dispõe,

Leia mais

Honorários advocatícios

Honorários advocatícios Honorários advocatícios Os honorários advocatícios são balizados pelo Código de Processo Civil brasileiro (Lei de n. 5.869/73) em seu artigo 20, que assim dispõe: Art. 20. A sentença condenará o vencido

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Cacildo Baptista Palhares Júnior: advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de Direito do Idoso da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Maranhão 92. O Estatuto do Idoso, e suas alterações

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO Considerando a intensificação do relacionamento do profissional na área da segurança do trabalho, sendo imperativo para a disciplina profissional,

Leia mais

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL SINDICÂNCIA PATRIMONIAL A sindicância patrimonial, assim como os demais procedimentos investigativos, conforma um procedimento inquisitorial, sigiloso, não contraditório e não punitivo, que visa colher

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 655, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 655, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 655, DE 2011 Altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 Estatuto da Criança e do Adolescente, para prever o crime e a infração administrativa de venda de bebidas

Leia mais

R E L A T Ó R I O A EXMA. SRA. DESEMBARGADORA FEDERAL NILCÉA MARIA BARBOSA MAGGI (RELATORA CONVOCADA): É o relatório.

R E L A T Ó R I O A EXMA. SRA. DESEMBARGADORA FEDERAL NILCÉA MARIA BARBOSA MAGGI (RELATORA CONVOCADA): É o relatório. APELAÇÃO / REEXAME NECESSÁRIO 6263 - PE (20088300010216-6) PROC ORIGINÁRIO : 9ª VARA FEDERAL DE PERNAMBUCO R E L A T Ó R I O A EXMA SRA DESEMBARGADORA FEDERAL NILCÉA MARIA (RELATORA CONVOCADA): Trata-se

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Secção de São Paulo TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA Turma de Ética Profissional

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Secção de São Paulo TRIBUNAL DE ÉTICA E DISCIPLINA Turma de Ética Profissional EMENTAS APROVADAS PELA TURMA DE ÉTICA PROFISSIONAL DO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECÇÃO DE SÃO PAULO 503ª SESSÃO DE 20 DE SETEMBRO DE 2007 RÁDIO E TELEVISÃO - PARTICIPAÇÃO PERIÓDICA EM PROGRAMAS

Leia mais

Marcel Brasil F. Capiberibe. Subprocurador do Ministério Público Especial Junto ao Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul

Marcel Brasil F. Capiberibe. Subprocurador do Ministério Público Especial Junto ao Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Critérios institucionais diferençados entre as funções do Ministério Público junto à justiça ordinária e as atribuições funcionais do Ministério Público especial junto ao Tribunal de Contas Marcel Brasil

Leia mais

DA IDENTIFICAÇÃO PROFISSIONAL

DA IDENTIFICAÇÃO PROFISSIONAL DA IDENTIFICAÇÃO PROFISSIONAL * Da Carteira de Trabalho e Previdência Social Art. 13 - A Carteira de Trabalho e Previdência Social é obrigatória para o exercício de qualquer emprego, inclusive de natureza

Leia mais